RESUMO. Palavras-chave: Plataforma Lattes; Indicadores do PPGS-UFPE; Produção Científica.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Palavras-chave: Plataforma Lattes; Indicadores do PPGS-UFPE; Produção Científica."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da informação Os novos campos da profissão da informação na contemporaneidade 16 a 22 de janeiro de 2011 INDICADORES CIENTÍFICOS: Uma Análise da Produção do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) da UFPE a partir dos currículos da Plataforma Lattes (PL) 1 RESUMO Guilherme Alves de Santana Natanael Vitor Sobral Marcio Henrique Wanderley Ferreira Fábio Mascarenhas e Silva Os indicadores científicos são reconhecidamente importantes para a gestão da Ciência, Tecnologia e Inovação (C, T & I), já que demonstram as tendências e variáveis do setor. Sua construção e análise se inserem como fatores indutores à elaboração de estratégias e planos de ações, sejam em âmbito público ou privado. No caso da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), os indicadores servem como balizadores para a formulação de políticas e para a tomada de decisões. Deste modo, este estudo objetiva analisar a produção científica do Programa de Pós- Graduação (Mestrado e Doutorado) em Sociologia (PPGS-UFPE), no período compreendido entre os anos de 2007 a 2009 (último triênio avaliado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES ). Para tanto, fez-se a coleta dos currículos dos docentes disponíveis na Plataforma Lattes (PL) por meio da ferramenta ScriptLattes, que compilou as listas de produção científicas. Em seguida, realizou-se uma análise qualiquantitativa das publicações com o intuito de identificar os principais aspectos e tendências da produção científica, com vistas à proposição de uma metodologia para a geração de indicadores científicos capazes de subsidiar processos decisórios no âmbito da gestão da C, T & I. Dentre os principais resultados, identificaram-se a quantidade total de publicações, os avanços e retrocessos da produção científica do programa, a média anual de publicações, os principais veículos de comunicação, o nível Qualis CAPES dos periódicos, as principais redes de colaboração dos docentes, os pesquisadores mais influentes, e os grupos e linhas de pesquisa de destaque. Palavras-chave: Plataforma Lattes; Indicadores do PPGS-UFPE; Produção Científica. 1 Trabalho científico de comunicação oral apresentado ao GT 7 Livre. UFPE. Graduando em Gestão da Informação. UFPE. Graduando em Gestão da Informação. UFPE. Graduando em Gestão da Informação. UFPE. Doutor em Ciência da Informação. Docente do Departamento de Ciência da Informação (DCI UFPE).

2 1 INTRODUÇÃO Devido à variada dinâmica produtiva existente no setor de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), gestores frequentemente necessitam de instrumentos informacionais capazes de monitorar e apontar as principais tendências do setor com a finalidade de formulação de políticas e estratégias de ação. A partir desta realidade, a criação e o uso de indicadores da atividade científica se inserem no contexto da CT&I como fatores indutores para o processo de tomada de decisão em instâncias governamentais e políticas, já que apontam o grau de maturidade, evolução e retrocessos de segmentos ligados ao setor. Todavia, para produzir indicadores que assinalem com proximidade a realidade do setor de CT&I, faz-se necessário desenvolver sólidos e confiáveis instrumentos e metodologias, que aperfeiçoem a geração de informações que contribuam positivamente nas decisões, políticas e no planejamento da gestão do setor. Diante da árdua tarefa de identificação de mecanismos eficientes para a elaboração de indicadores científicos e sua posterior análise adaptada ao contexto explorado, este trabalho objetivou analisar a produção científica do Programa de Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) em Sociologia (PPGS) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Para tanto, utilizaram-se estudos métricos das informações contidas nos currículos Lattes dos pesquisadores do PPGS cadastrados na Plataforma Lattes (PL) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com a finalidade de gerar indicadores que apóiem o processo decisório de gestores de CT&I do estado de Pernambuco. 2 INDICADORES CIENTÍFICOS COMO INSUMOS PARA O PROCESSO DECISÓRIO NO SETOR DE CT&I O uso de indicadores da atividade científica é fator indutor à mobilização e amadurecimento de diversos segmentos da sociedade, tais como os setores governamentais e políticos. Haja vista a importância desse uso, ressalta-se a existência de incentivos da comunidade acadêmica e dos gestores de CT&I que, através dos citados instrumentos, buscam compreender melhor a dinâmica da produção científica no intuito de subsidiar e avaliar o planejamento e resultados das políticas voltadas a esse ambiente. De acordo com Santos e Kobashi (2005) há um conjunto expressivo de indicadores empregados na análise da produção científica que podem ser divididos em:

3 Indicadores de Produção Científica construídos pela contagem do número de publicações por tipo de documento (livros, artigos, publicações científicas, relatórios etc.), por instituição, área de conhecimento, país, dentre outros; Indicadores de Citação estabelecidos pela contagem do número de citações recebidas por uma publicação de artigo de periódico. É o meio mais reconhecido de atribuir crédito ao autor; Indicadores de Ligação criados pelas co-ocorrências de autoria, citações e palavras, sendo aplicados na elaboração de mapas de estruturas de conhecimento e de redes de relacionamento entre pesquisadores, instituições e países. Emprega técnicas de análise estatística de agrupamentos. Esses indicadores são empregados como medidas indiretas da atividade da pesquisa científica e contribuem para a compreensão dos objetivos da pesquisa, da estrutura da comunidade científica, do objetivo particular da pesquisa ou do seu impacto social, político e econômico (ASTON & KLAVANS, 1997; SPINAK, 1996 e 1998; TRZESNIAK, 1998; OKUBO, 1997). No Brasil há forte intervenção governamental na gestão da CT&I, assim, as políticas de órgãos públicos como o CNPq, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) e as próprias universidades através de suas pró-reitorias de pesquisa necessitam de informações consistentes e confiáveis que auxiliem seus processos decisórios. Nota-se que estes órgãos são membros e parceiros do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI) e que frequentemente encontram dificuldades em seus processos decisórios devido à ausência ou ineficácia de indicadores científicos atualizados e confiáveis. Vide o caso da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (FACEPE), que possui indicadores inconsistentes sobre a realidade da produção de CT&I em âmbito estadual (FACEPE, 2010). Por conseguinte, a construção de instrumentos capazes de construir indicadores é imprescindível à gestão de políticas científicas, e a ausência de análise e contextualização destes indicadores em um ambiente ou atividade específica pode limitar a eficácia do processo, tornando-o indicador sem sentido e utilidade, apenas números sem significado. 2.1 Indicadores Científicos na Gestão de CT&I em Instituições de Ensino Superior (IES) Para as Instituições de Ensino Superior (IES), em especial as que mantêm programas de pós-graduação (PPG) Stricto Sensu, como é o caso da UFPE, a atividade de

4 construção de indicadores científicos destaca-se como um recurso que possibilita o aperfeiçoamento dos processos de avaliação, acompanhamento e planejamento institucional. Desta forma, os gestores das IES podem e devem utilizar estes indicadores com o propósito de averiguar aspectos qualiquantitativos da produção, buscando o alinhamento com a instância reguladora de sua atividade fim, sendo a CAPES no caso dos PPGs Stricto Sensu, que publica os critérios avaliativos e realiza julgamentos trienais destes programas. Estes indicadores de produção científica podem ser gerados através de dados disponíveis publicamente na base de dados de currículos Lattes dos docentes/pesquisadores e do cruzamento destes dados com os de outras bases importantes, como é o caso do Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil do CNPQ (DGP/CNPq) (http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/) e do WebQualis (http://qualis.capes.gov.br/webqualis/). Neste caso, vários aspectos da produção são considerados, como: tipologia da produção (livros, capítulos de livro, artigos de periódicos e trabalhos de evento); quantidade de publicações; nível Qualis CAPES dos artigos publicados em periódicos; colaboração dos docentes, e; grupos e linhas de pesquisa de destaque na instituição. Desta maneira, os indicadores científicos servem como balizadores para a formulação de políticas e tomadas de decisões nas IES, já que possuem informações baseadas em dados precisos e consistentes que apontam, com proximidade, a situação real da produção científica da instituição. Neste sentido, o desenvolvimento de metodologias consistentes para a construção dos indicadores científicos é demasiadamente importante, de forma que contribuam para uma demonstração quantitativa das tendências e variáveis das IES, e fornecem subsídios para a interpretação dos modos pelos quais as produções científicas são criadas, comunicadas e acessadas. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O método escolhido foi o cientométrico. De acordo com Spinak (1998), os objetivos específicos da cientometria visam investigar o crescimento quantitativo da ciência, o desenvolvimento de disciplinas, o relacionamento entre ciência e tecnologia, a obsolescência dos paradigmas científicos, a estrutura de comunicação entre cientistas, a criatividade e produtividade de pesquisadores e a relação entre o crescimento econômico e o desenvolvimento científico.

5 Para o desenvolvimento do trabalho, adotaram-se os seguintes procedimentos: Inicialmente foi escolhido um programa de pós-graduação recomendado pela CAPES da UFPE, que foi o Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS). Fundado em 1967, PPGS oferece cursos de Mestrado e Doutorado. Na última avaliação trienal da CAPES que compreendeu o triênio de 2007 a 2009, o PPGS obteve o conceito 5, evoluindo 1 ponto em relação à avaliação anterior que corresponde ao período de 2004 a Em seguida, utilizando a ferramenta ScriptLattes (http://scriptlattes.sourceforge.net/), fez-se a extração e compilação da produção bibliográfica (artigos em periódicos científicos, livros, capítulos de livros e trabalhos em eventos) dos pesquisadores do PPGS, compreendendo o período do último triênio (2007 a 2009) considerado pela CAPES. Logo após a coleta e compilação dos dados foram estabelecidas combinações e correlações entre eles, para tanto foi utilizado o Microsoft Excel para a geração de gráficos de produção científica, linhas de pesquisa, grupos de pesquisa e estratificação Qualis, e ainda utilizou-se o UCINET com a finalidade de geração de gráficos de colaboração. As coletas e experimentos foram realizados na estrutura do Laboratório de Informática do Departamento de Ciência da Informação (LABINF-DCI) em agosto de Os dados que serão apresentados nos resultados foram extraídos da base de dados da Plataforma Lattes (PL) que, permitiu o acesso ao DGP/CNPq, onde foram realizadas consultas referentes aos grupos de pesquisa mais freqüentes e linhas de pesquisa mais adotadas, ainda utilizou-se dados da base WebQualis para consultar o extrato de qualidade dos periódicos científicos identificados. No processo de identificação da qualidade dos periódicos, foi acessado um aplicativo no site do WebQualis (http://qualis.capes.gov.br/webqualis/consultaperiodicos.faces) que permite a classificação e consulta ao Qualis das áreas e a divulgação dos critérios utilizados para a classificação de periódicos. A pesquisa foi feita por um documento onde constam: título de cada periódico com Qualis na área de sociologia, extrato, e ano base. Dos 43 periódicos, 11 não foram encontrados no WebQualis. 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DE RESULTADOS Para a geração de indicadores da produção científica do PPGS-UFPE no período de 2007 a 2009, objetivou-se extrair e organizar os dados dos currículos dos docentes do

6 programa a partir da PL do CNPq e da correlação de dados de outras bases. Identificou-se que o PPGS produziu: 61 artigos de periódicos; 26 livros (publicados, organizados ou editados); 106 capítulos de livros; 40 trabalhos completos publicados em anais de eventos; 11 resumos expandidos publicados em anais de eventos, e; 38 resumos publicados em anais de eventos. Totalizando 282 publicações, que podem ser visualizadas no Gráfico 1. Gráfico 1 Produção Científica do PPGS UFPE no triênio de 2007 a 2009 A partir da observação do gráfico 1, percebe-se que o PPGS voltou suas publicações para determinados veículos de comunicação, sendo estes: em primeiro lugar destacam-se os capítulos de livro, em segundo lugar os artigos de periódico, e em terceiro os trabalhos completos em anais de eventos com 106, 61 e 40 itens respectivamente. Ao constatar os três principais veículos que os pesquisadores/docentes do PPGS- UFPE direcionaram suas produções criou-se o gráfico 2, que apresenta a evolução da publicação nos referidos veículos de comunicação científica de acordo com último triênio de avaliação da CAPES (2007 a 2009). Gráfico 2 Veículos mais utilizados e evolução ao longo do triênio (2007 a 2009)

7 Em relação à avaliação do triênio que compreende os anos de 2007 a 2009, observa-se que a CAPES atribuiu ao critério produção qualificada 50% da nota do quesito produção intelectual, que equivale a 40% do conceito global atribuído aos Programas de Pós-Graduação em Sociologia existentes no Brasil. Este fator certamente estimulou o PPGS a direcionar sua produção aos dois primeiros veículos citados acima, pelo fato de produção qualificada para a CAPES representar, livros, capítulos de livro e artigos de periódicos. Outro ponto a destacar é a concentração da produção em PPGs. Esta consiste na distribuição não equitativa do total publicado pelo número de pesquisadores/docentes membros do quadro permanente de programas de pós-graduação. Amplamente combatida nas avaliações da CAPES, a concentração da produção é determinante no conceito recebido pelos programas de pós-graduação, sendo fator crucial para o seu sucesso ou insucesso. No caso do PPGS, evidenciou-se concentração nos seis primeiros pesquisadores/docentes, explicitada no Gráfico 3. Este indicador apresenta um problema ao PPGS, pois expõe a necessidade do programa em melhor adequar-se aos critérios estabelecidos pela CAPES. A linha verde presente no gráfico 3 é determinada pela média, desta maneira visualiza-se nove docentes/pesquisadores acima da média da produção total que é de 25 trabalhos, já abaixo da média encontram-se 13 docentes, impulsionando negativamente a média do conjunto. Gráfico 3 Concentração da produção científica do PPGS Além dos resultados apresentados anteriormente, foi possível identificar quatro redes de colaboração científica entre os pesquisadores/docentes do PPGS. Destas, duas contém apenas dois membros que publicam entre si, e as duas restantes apresentam seis

8 indivíduos cada uma. Ainda foi possível notar a presença de seis pesquisadores que publicaram ao longo do triênio avaliado individualmente. Isto não caracteriza uma surpresa, pois este é um fato muito comum na área de ciências humanas. O Gráfico 4 constata estes fatos, nele cada docente é representado pelo D maiúsculo seguido de um número determinado aleatoriamente, (ex. D1 = docente um). Gráfico 4 Redes de colaboração do PPGS A busca realizada no DGP/CNPq permitiu a identificação dos grupos de pesquisa mais presentes na atividade científica do PPGS (Gráfico 5), e também as linhas de pesquisa mais adotadas pelos pesquisadores/docentes do PPGS (Gráfico 6). Gráfico 5 Grupos de pesquisa mais presentes no PPGS

9 No gráfico 5, Observa-se que os Grupos de Pesquisa com mais pesquisadores dentro do programa são: 1) Sociedade brasileira contemporânea: cultura, democracia e pensamento social (UFPE); 2) Núcleo de cidadania, exclusão e processos de mudança (UFPE); 3) Laboratório de observação permanente sobre as transformações do mundo rural do Nordeste (UFPE), e; 4) Globalização e Agricultura (UFPE). Gráfico 6 Linhas de pesquisa mais adotadas pelo PPGS Constata-se no Gráfico 6 que as linhas de pesquisa mais produtivas do programa foram: 1) Sociologia, saúde e redes sociais; 2) Processos sociais e agrários; 3) Cultura, sociologia crítica e produção do conhecimento na América Latina e África; 4) Cultura política, dominação e identidades coletivas. Com isto percebe-se que o viés do PPGS é bastante diversificado, e compreende várias correntes de pesquisa no âmbito das Ciências Humanas e Sociais. Para uma abordagem mais qualitativa das informações contidas nos currículos, verificou-se o extrato Qualis de cada periódico científico no quais os docentes/pesquisadores do PPGS publicaram seus artigos. Qualis é o conjunto de procedimentos utilizados pela CAPES para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pósgraduação. O Qualis Periódicos possui indicadores divididos em oito categorias, em ordem decrescente de valor: A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C. Foi importante realizar esta verificação para fins de constatação da qualidade da produção intelectual do PPGS, pois este é um importante aspecto considerado nas avaliações trienais da CAPES. Como resultado percebeu-se que dos 61 artigos de periódicos publicados pelo corpo docente do PPGS, 50 foram em periódicos com Qualis e 11 em periódicos sem extrato

10 Qualis. A distribuição da quantidade de artigos de periódicos nos extratos determinados pela CAPES podem ser visualizados no Quadro 1 (na página seguinte). Quadro 1 Quantidade de artigos publicados por extrato Qualis Extrato Qualis Periódicos Quantidade de Publicações A1 6 A2 4 B1 3 B2 19 B3 3 B4 9 B5 4 C 2 Em relação à distribuição da publicação por periódicos bem avaliados no Qualis, identificou-se que os docentes voltaram suas publicações para veículos com classificação A ou B. Merece destaque mencionar que a maior quantidade de artigos publicados foi em periódicos B2 e B4, com respectivamente 19 e 9 publicações. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao longo dos anos a Plataforma Lattes se consolidou como um importante repositório de informações relevantes à memória científica e tecnológica nacional. Isto possibilitou maior profissionalização e padronização da gestão da informação do SNCTI à medida que a plataforma é reconhecida em todo cenário nacional como instrumento de apoio às políticas de CT&I. Com isto, o papel da Plataforma Lattes foi se expandindo, e sua utilidade à tomada de decisão no âmbito da Gestão de CT&I foi ganhando elevado grau de maturidade, permitindo que os gestores do setor consultassem informações na base e aplicassem metodologias para a obtenção de indicadores de caráter decisório, subsidiando o planejamento e execução de suas atividades. Ainda que existam metodologias relevantes e pertinentes para a gestão em ciência, tecnologia e inovação, estas ainda podem ser aperfeiçoadas, de forma que propiciem maiores garantias aos indicadores, tornando-os cada vez mais confiáveis e sólidos. Devido à regulação exercida pela CAPES nos programas de pós-graduação Stricto Sensu, as normas foram se tornando mais rígidas e dinâmicas, demandando novos

11 instrumentos de gestão que pudessem adaptar a realidade dos programas de pós-graduação de todo o Brasil às exigências que lhes eram solicitadas, o que abre um importante espaço para a utilização de indicadores de CT&I. Desta forma, este trabalho mostrou novas possibilidades para a geração de indicadores científicos confiáveis e atualizados da produção científica nacional a um baixo custo. Contudo, fica expressa a preocupação com o destino destes indicadores, afinal, de nada valerá gerar indicadores seguros, se estes não puderem servir a uma finalidade específica no contexto do SNCTI. Estes devem ser úteis, tanto em escala regional (Programas de pósgraduação e Pró-reitorias de Pesquisa), quanto em escalas macros, como as Políticas de CT&I determinadas pelo CNPq, CAPES e outras agências e órgãos reguladores.

12 SCIENTIFIC INDICATORS: An analysis of Production of the Post-Graduate Program in Sociology (PPGS) UFPE from the curriculums of the Lattes Platform (PL) ABSTRACT The Science and technology indicators are known to be important for the management of Science, Technology and Innovation (ST&I), as quantitatively demonstrate trends and variables of the sector. Its construction and analysis are included as factors inducing the development of strategies and action plans, whether in the public or private. In the case of the Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (Federal University of Pernambuco) (UFPE), the indicators serve as benchmarks for policy formulation and decision making. Thus, this study aims to analyze the scientific production of the Post-Graduate (Masters and PhD) in Sociology (PPGS-UFPE) for the period between the years 2007 to 2009 (the last three years evaluated by the Department of Personnel Training Higher Education - CAPES -). As such, there is the collection of resumes of available teachers in the Lattes Platform (PL) through the tool "ScriptLattes", which compiled the lists of scientific production. Then there was a qualitative and quantitative analysis of publications in order to identify key issues and trends of scientific production, with a view to proposing a methodology for generating scientific indicators that can support decision making in the management of C, T & I. Among the key findings were identified within the total quantity of publications, the ebbs and flows of scientific program, the average annual publications, the main means of communication, the level of Qualis CAPES journals, major collaborative networks of teachers, the most influential researchers, and groups and research lines of distinction. Keywords: Science and technology indicators; Lattes Database; Indicators PPGS-UFPE; Scientific Production. REFERÊNCIAS ASTON, W. B.; KLAVANS, R. A.. Keeping abreast of science and technology: technical intelligence for business. Columbus, OH: Batelle Press, p. BRISOLLA, S. N. Indicadores para apoio à tomada de decisão. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p , maio/ago FUNDAÇÃO DE AMPARO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE PERNAMBUCO (FACEPE). Indicadores. Disponível em: <http://www.facepe.br/modules.php?name=content&pa=showpage&pid=29>. Acesso em: 26 out FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo: Organização de Francisco Romeu Landi. São Paulo: FAPESP, p JANNUZZI, P. M. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso de indicadores sociais na avaliação de políticas públicas municipais. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, p , KONDO, E. K. Desenvolvendo indicadores estratégicos em ciência e tecnologia: as principais questões. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 27, n. 2, p , maio/ago MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cientometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 27, n. 2, p , maio/ago., 1998.

13 MUGNAINI, R.; JANNUZZI, P. M.; QUONIAM, L.. Indicadores bibliométricos da produção científica brasileira: uma análise a partir da base Pascal. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p , maio/ago MUNIZ, P. F.; CORRÊA, D. L. V.; FERREIRA, M. S. A plataforma lattes como repositório da memória científica do Departamento de Ciência da Informação da UFPE. In: SILVA, F. M. et al. Estudos sobre tecnologia, ciência e gestão da informação. Recife: NECTAR, OKUBO, Y. Bibliometric indicators and analysis of research systems: methods and examples. Paris: OECD, 1997, 69 p. (STI Working Papers, 1997/1). PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UFPE. Apresentação. Disponível em: <http://www.ufpe.br/ppgs/index.php?option=com_content&view=article&id=300&itemid=17 5>. Acesso em: 10 dez SANTOS, R. N. M.; KOBASHI, N. Y.. Aspectos metodológicos da produção de indicadores em ciência e tecnologia. In: VI Encontro Nacional de Ciência da Informação, 2005, Salvador. Informação, Conhecimento e Sociedade Digital, SILVA, Fábio Mascarenhas e. Organização da Informação em sistemas eletrônicos abertos de Informação Científica & Tecnológica: Análise da Plataforma Lattes Tese (Doutorado em Ciência da Informação) Departamento de Biblioteconomia e Documentação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SPINAK, E. Indicadores cienciometricos. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p , maio/ago Los análisis cuantitativos de la literatura cientifica y su validez pata juzgar la producción latinoamericana. Bol. Oficina Sanit. Panamer, v. 120, n. 2, p , TRZESNIAK, P. Indicadores quantitativos: reflexões que antecedem seu estabelecimento. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 27, n. 2, p , maio/ago VELHO, L. M. L. S.. Estratégias para um sistema de indicadores de C&T no Brasil. Parcerias Estratégicas, Brasília, Brasil, v. 13, n. -, p , Indicadores de C&T: Antecedentes e Estratégias. In: IV Taller Iberoamericano/Interamenricano de Indicadores de Ciencia y Tecnologia, 1999, México. Anais del IV Taller Iberoamericano/Interamenricano de Indicadores de Ciencia y Tecnologia. México: RICYT, p

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

Indicadores Tecnológicos: uma análise da produção tecnológica dos Programas de Pós-Graduação das Engenharias da UFPE

Indicadores Tecnológicos: uma análise da produção tecnológica dos Programas de Pós-Graduação das Engenharias da UFPE Indicadores Tecnológicos: uma análise da produção tecnológica dos Programas de Pós-Graduação das Engenharias da UFPE Fábio Mascarenhas e Silva (UFPE) fabiomascarenhas@yahoo.com.br Márcio Henrique Wanderley

Leia mais

Análise da produção científica dos docentes do Departamento de Ciência da Informação da UFPE indexada no portal de periódicos da capes.

Análise da produção científica dos docentes do Departamento de Ciência da Informação da UFPE indexada no portal de periódicos da capes. Análise da produção científica dos docentes do Departamento de Ciência da Informação da UFPE indexada no portal de periódicos da capes. Natanael Vitor Sobral (UFPE) natan_sobral@yahoo.com.br Ielma Costa

Leia mais

A PRODUÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE A LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO Nº 12.527/2011: Um estudo na Plataforma Lattes

A PRODUÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE A LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO Nº 12.527/2011: Um estudo na Plataforma Lattes A PRODUÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE A LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO Nº 2.527/20: Um estudo na Plataforma Lattes Kátia Santiago Ventura (UFPE) ksvkatia@gmail.com Guilherme Alves de Santana (UFPE) guilherme.alves.santana@gmail.com

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia Fabio Sampaio Rosas (UNESP) fabiosrosas@hotmail.com Maria Cláudia Cabrini

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL PÔSTER REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL Jane Coelho Danuello, Jesús Pascual Mena-Chalco, Ely Francina Tannuri Oliveira Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 22.scol@capes.gov.br REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

1. Período e local de inscrição

1. Período e local de inscrição FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLITICA DE SÃO PAULO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL DE INSCRIÇÃO Inscrição de Projetos para a Seleção do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM PANORAMA NECESSÁRIO

A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM PANORAMA NECESSÁRIO FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO DA INTEGRAÇÃO ENTRE PÓS- GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO EM DIREITO NO BRASIL: A UTILIDADE DAS BASES DE DADOS DA CAPES 2007/2009 E INEP

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação:

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: A comissão se reuniu no período de 6 a 10 de agosto de 2007 na FINATEC, UNB, Brasília

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PROPPI torna públicas as normas para apresentação de propostas

Leia mais

Edital para seleção de projetos de pesquisa para o período 2015/2016 Programa de Incentivo a Pesquisa Docente (PIPED)

Edital para seleção de projetos de pesquisa para o período 2015/2016 Programa de Incentivo a Pesquisa Docente (PIPED) Edital para seleção de projetos de pesquisa para o período 2015/2016 Programa de Incentivo a Pesquisa Docente (PIPED) A Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), no uso de suas atribuições,

Leia mais

Acesso a Bases de Dados (Web of Science)

Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Helder Rodrigues da Silva Biólogo Mestre em Bioenergia-UEL Doutorando em Agronomia-UEL ISI Web of Knowledge Histórico Histórico 1958- fundação do Institute for

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Carlos Henrique Gonçalves (UNESC/FAAP) chcg@uol.com.br Roberval Bráz Padovan (UNESC/FAAP) am_padovan@terra.com.br Simone Thereza

Leia mais

EDITAL FORTIS 01/2013. FORTIS - Programa de Apoio aos Cursos Três e Quatro da UFV. Parceria UFV / FAPEMIG

EDITAL FORTIS 01/2013. FORTIS - Programa de Apoio aos Cursos Três e Quatro da UFV. Parceria UFV / FAPEMIG 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Campus Universitário - Viçosa, MG 36570 000 Tel: 31 3899-1480 Fax: 31 3899-2148 secretaria.ppg@ufv.br EDITAL

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Glauciane Marques de Assis Berteloni 1 ; Maria

Leia mais

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais:

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais: UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital 01/2014 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa

Leia mais

Edital para seleção de projetos de pesquisa para o período 2014 Programa de Incentivo a Pesquisa Docente (PIPED)

Edital para seleção de projetos de pesquisa para o período 2014 Programa de Incentivo a Pesquisa Docente (PIPED) Edital para seleção de projetos de pesquisa para o período 2014 Programa de Incentivo a Pesquisa Docente (PIPED) A Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), no uso de suas atribuições,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º Os grupos de pesquisa são uma

Leia mais

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga A Direção Geral do campus Itapetininga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), torna

Leia mais

LISTA DE AUTORIDADES DE INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS DE ENSINO E PESQUISA PARA APOIO À ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA

LISTA DE AUTORIDADES DE INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS DE ENSINO E PESQUISA PARA APOIO À ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 LISTA DE AUTORIDADES

Leia mais

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 O MANUAL DE APOIO À PESQUISA DA UEMG... 4 3 OS PROGRAMAS... 4 3.1 Programas Financiados

Leia mais

MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO E. EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL: uma análise da produção em. periódicos Qualis CAPES (2009-2014)

MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO E. EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL: uma análise da produção em. periódicos Qualis CAPES (2009-2014) MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO E EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL: uma análise da produção em periódicos Qualis CAPES (2009-2014) Eje 4. Ciencia, tecnologías y ambiente Autores Zuley Jhojana

Leia mais

AVISO PÚBLICO Nº 05/UNOESC-R/2015

AVISO PÚBLICO Nº 05/UNOESC-R/2015 AVISO PÚBLICO Nº 05/UNOESC-R/2015 Abre inscrições para requerimento de credenciamento de docente permanente no Programa de Pós- Graduação Mestrado Profissional em Administração. A UNIVERSIDADE DO OESTE

Leia mais

AVISO PÚBLICO Nº 12/UNOESC-R/2013

AVISO PÚBLICO Nº 12/UNOESC-R/2013 AVISO PÚBLICO Nº 12/UNOESC-R/2013 Abre inscrições para recebimento de requerimento para credenciamento de docente permanente no Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Direito. A UNIVERSIDADE DO

Leia mais

Gerador de Sítios de Grupos de Pesquisa com Inclusão Automática de Conteúdo Baseada na Plataforma Lattes

Gerador de Sítios de Grupos de Pesquisa com Inclusão Automática de Conteúdo Baseada na Plataforma Lattes Gerador de Sítios de Grupos de Pesquisa com Inclusão Automática de Conteúdo Baseada na Plataforma Lattes Bruno Rego Salomé, Fátima L. S. Nunes, Marcos Lordello Chaim Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 013/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Meire Ramalho de Oliveira, mestranda, UFSCar, mro_ufscar@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 50.nutr@capes.gov.br DOCUMENTOS DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSAO PRO-TEMPORE DE ESTRUTURAÇÃO DA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLOGICO

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO (PPGE) MESTRADO ACADÊMICO EM EDUCAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO (PPGE) MESTRADO ACADÊMICO EM EDUCAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO (PPGE) MESTRADO ACADÊMICO EM EDUCAÇÃO Recomendado pela CAPES e Reconhecido pelo CNE: Parecer n. 122/2009

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 O Comitê Institucional dos Programas de Iniciação Científica (CIPIC) da Universidade Federal

Leia mais

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016 Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016 O Comitê Institucional dos Programas de Iniciação Científica (CIPIC) da Universidade Federal de Ciências

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM CNPq Editais 2002 Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002 Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM Prazo para submissão de propostas encerrado em 15/10/2002 1- Introdução O Conselho Nacional de

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências torna público as Normas Complementares do Processo Seletivo Ano Letivo 2015, aos candidatos a discente do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 32.ssoc@capes.gov.br

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 32.ssoc@capes.gov.br COMUNICADO Nº 001/2013 ÁREA DE SERVIÇO SOCIAL ATUALIZAÇÃO DO WEBQUALIS DA ÁREA REF. 2011 Brasília, 21 de março de 2013. Data : de 4 a 5 de março de 2013 Coordenação Berenice Rojas Couto Coordenadora de

Leia mais

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 1.- Objetivos do Curso de Mestrado: a. Formação de professores para o magistério superior; b. Formação de pesquisadores; c. Capacitação para o exercício

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

GUIA ACADÊMICO DISCENTE. Instruções aos estudantes

GUIA ACADÊMICO DISCENTE. Instruções aos estudantes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA GUIA ACADÊMICO DISCENTE Instruções aos estudantes atualizado emabril de 2013 A

Leia mais

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL Maria José Lima da Silva e Valquiria Linck Bassani A Pós-Graduação Brasileira apresenta 2.379 programas de pós-graduação (fonte

Leia mais

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL Alexandre Soares dos Santos 1. Jose Dorival Gleria 2. Michele Silva Sacardo 3. RESUMO Saber se as dissertações e teses,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Livio Amaral Diretor de Avaliação 17set13 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (SNPG) (SNPG) -FUNDAMENTOS

Leia mais

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos Samile Andréa de Souza Vanz 1 Glória Isabel Sattamini Ferreira 2 Patrícia Mallman Souto Pereira 3 Geraldo Ribas Machado 4 Universidade Federal

Leia mais

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Prof. Dr. Sergio Pilling 31/ago/2011 Agências de Fomento. As agências de fomento são instituições financeiras

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

EDITAIS AGOSTO 2015 QUEM PODE PROPOR

EDITAIS AGOSTO 2015 QUEM PODE PROPOR DATA LIMITE DE ENVIO OBJETO EDITAL 016/2015 Concurso Ideias Inovadoras 2015 QUEM PODE PROPOR ÓRGÃO FINANCIADOR LINK DO EDITAL 20/8/2015 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no âmbito

Leia mais

Perfil de Produção Bibliográfica dos Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Perfil de Produção Bibliográfica dos Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Ciência da Computação Perfil de Produção Bibliográfica dos Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Ciência da Computação Jesús P. Mena-Chalco 1, Luciano A. Digiampietri 2, Leonardo B. Oliveira 3 1 Centro de Matemática, Computação

Leia mais

Energias renováveis e biocombustíveis: Desenvolver, aprimorar e difundir

Energias renováveis e biocombustíveis: Desenvolver, aprimorar e difundir UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS (MESTRADO) -UEPB/EMBRAPA ALGODÃO EDITAL 05 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação Diretório Regional Nordeste 28 e 29 de Maio de 2009 AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: MUDANÇAS RECENTES

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

EDITAL Nº 02 de 21 de novembro de 2012

EDITAL Nº 02 de 21 de novembro de 2012 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO- CAMPUS RIO VERDE DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/IFGOIANO) PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (SNBU) Salvador, BA, 22 a 27 de outubro de 2006 Tema central: Acesso Livre à Informação Científica e Bibliotecas Universitárias Eixo temático: Sub-tema:

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

Programa Nota CAPES COTA

Programa Nota CAPES COTA PROGRAMA DE BOLSAS FAPESB - COTAS INSTITUCIONAIS MESTRADO PROFISSIONAL, MESTRADO E DOUTORADO 1. INTRODUÇÃO A FAPESB tem como um de seus principais objetivos apoiar a formação científica através da concessão

Leia mais

Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes

Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes CHAMADA PÚBLICA 17/2015 Programa de Bolsas de Estágio Pós-Doutoral no Exterior para Docentes (Acordo Capes/FA) A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Paraná

Leia mais

Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática.

Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática. Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática. Ma. Renata Cristina Gutierres Castanha Dra. Maria Cláudia Cabrini Grácio 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010)

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) 1 INTRODUÇÃO Roberto Mario Lovón Canchumani (IBCT) roblovonc@yahoo.com Jacqueline Leta (UFRJ) jleta@bioqmed.ufrj.br

Leia mais

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Regatando o passado Avaliando o presente Pensando o futuro Formação em Engenharia: Alguns marcos Criação da ABENGE-

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 10, de 06 de março de 2015, publicado no Diário

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV $'0,1,675$d 2 Aprovação junto ao CCEPE da Resolução no. 01/2000 que regulamenta o sistema de Pós-Graduação ODWRVHQVX da UFPE,

Leia mais

As cotas institucionais do ano de 2015 serão distribuídas conforme os critérios a seguir: Capes. Mestrado 3 e 4 03 (três) Bolsas

As cotas institucionais do ano de 2015 serão distribuídas conforme os critérios a seguir: Capes. Mestrado 3 e 4 03 (três) Bolsas PROGRAMA DE BOLSAS FAPESB - COTAS INSTITUCIONAIS MESTRADO PROFISSIONAL, MESTRADO E DOUTORADO 1. INTRODUÇÃO Com o objetivo de apoiar a formação científica através da concessão de bolsas de Doutorado, Mestrado

Leia mais

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento

Leia mais

A PESQUISA APLICADA EM EDUCAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SALVADOR/BA

A PESQUISA APLICADA EM EDUCAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SALVADOR/BA A PESQUISA APLICADA EM EDUCAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SALVADOR/BA INTRODUÇÃO Alice Fontes Ferreira 1 allicefontes@hotmail.com Gilvania Clemente Viana¹ gclementeviana@gmail.com

Leia mais

Orientações para inserir Linhas de Pesquisa e Projetos de Pesquisa no CV Lattes

Orientações para inserir Linhas de Pesquisa e Projetos de Pesquisa no CV Lattes Orientações para inserir Linhas de Pesquisa e Projetos de Pesquisa no CV Lattes O Programa de Pós-Graduação em Administração Universitária sugere que o docente permanente registre no CV Lattes a(s) linha(s)

Leia mais