João Cabeçana Análise Sectorial. Construtores automóveis europeus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "João Cabeçana joao.cabecana@bancobig.pt. Análise Sectorial. Construtores automóveis europeus"

Transcrição

1 João Cabeçana Análise Sectorial Construtores automóveis europeus Banco BiG Research Lisboa, 10 de Julho de 2012

2 Índice Enquadramento sectorial (pág. 2) o Peugeot (pág. 4) o Renault (pág. 6) o Daimler (pág. 7) o BMW (pág. 9) o Volkswagen (pág. 11) Conclusão (pág.13) Anexos (pág. 15) 1

3 Enquadramento sectorial O sector automóvel tem vindo a registar um crescimento sustentado desde o ano 2000, apenas interrompido em 2008 e 2009 como consequência da crise do subprime nos EUA. Após um crescimento médio de 17% no mercado automóvel global desde 2009, as vendas deverão recuar cerca de 3% no 2H12, com o abrandamento observado nos EUA e na China (que juntos representaram 67% das vendas globais em 2011). O mercado europeu tem registado, até Abril, uma quebra de 4,7%, o que compara negativamente com a quebra de 3% estimada. A nível mundial o sector automóvel tem registado uma quebra de 1% desde o início do ano. Evolução do mercado automóvel Fonte: Bloomberg No contexto mundial, a Europa apresenta-se como o segundo maior mercado automóvel (atrás do bloco Ásia-Pacifico e à frente do bloco norte-americano) com 25% do total do volume de veículos comercializados. No entanto, o peso que a Europa tem no mercado automóvel mundial recuou face aos 34% observados em Segundo dados de 2011, 7 países representam 78% do total de registos de novos veículos no bloco europeu. O agravamento da crise periférica na região, que tem provocado já fortes quebras nas vendas de veículos, vai conduzir a uma diminuição ainda mais significativa da importância da Europa no mercado automóvel mundial. O mercado automóvel mundial vinha a beneficiar de um crescimento bastante significativo do número de carros vendidos na China, sendo o bloco Ásia-Pacifico o mais importante para o sector a nível mundial. No entanto, os últimos dados semestrais sugerem um abrandamento na região, que poderá resultar numa performance inferior ao estimado, sendo que, desde o início do ano, a associação de produtores automóveis já reviu em baixa por duas vezes as estimativas para as vendas de veículos de passageiros. 2

4 Evolução unidades vendidas Var. Unidades vendidas % 1H12 2H11 1H11 2H10 1H10 China -12,6% 2,9% 4,8% 21,7% 52,3% EUA 14,9% 7,7% 12,5% 6,2% 16,7% Japão 53,6% -2,0% -29,1% -6,0% 33,4% Brasil -0,4% 3,8% 23,8% 13,4% -5,1% Russia -7,5% 27,6% 56,4% 59,9% 3,7% Índia -5,0% 0,4% 14,5% 22,5% 30,4% Coreia -5,9% -2,6% 3,9% -2,5% 14,8% Fonte: Bloomberg O mercado norte-americano parece estar a ganhar algum optimismo, em parte justificado por partir de uma base mais deprimida. As vendas médias entre 2000 e 2007 situaram-se nos 16,8 mn, tendo atingido o mínimo de 10,4 mn em 2009 e recuperado para 11,6 mn em 2010 e 12,7 mn em Ainda assim, a crise da dívida na Europa e o consequentemente resfriar do sentimento e crescimento económico pode desacelerar o movimento de recuperação encetado pelo bloco norte-americano. 3

5 Peugeot (UG FP) Performance operacional pouco animadora Os lucros operacionais em 2011 situaram-se nos EUR 1,32 mil mn, acima dos EUR 1,26 mil mn estimados pelos analistas. Também as vendas superaram as estimativas ao situarem-se nos EUR 59,9 mil mn, acima dos EUR 58,7 mil mn estimados. A dívida líquida situou-se nos EUR 3,4 mil mn. A empresa enfrenta uma pressão significativa nos números relativos ao 1H12, motivada pelo fraco comportamento do mercado automóvel europeu, sendo que para o 2H12 podem existir catalisadores como a vendas de activos (a empresa planeia vender 50% da Gefco até ao inicio de Setembro), reestruturações e aumento das sinergias com a GM. A empresa tem em curso um plano de redução de custos de EUR 1 mil mn e pondera o encerramento de uma das suas fábricas, uma vez que enfrenta uma falta de competitividade significativa, com algumas fábricas a funcionarem abaixo dos 50%. Como consequência, anunciou recentemente que irá dispensar mais trabalhadores do que o inicialmente previsto. Forte dependência europeia conduz a quebra significativa nas vendas Em 2011 a empresa registou uma quebra de 6,1% das vendas na Europa e a sua quota de mercado recuou 0,9 pontos para 13,3%. As vendas globais recuaram 1,5% para 3,5 mn de veículos, mesmo com a expansão de 3% do mercado a nível global. Ao nível dos 27 países da EU a venda de novos veículos recuou 8,4% em Maio, totalizando uma quebra nos primeiros 5 meses do ano de 7,3%. O Grupo PSA, detentor da Peugeot, registou uma quebra de 19,6% em Maio e 14,9% nos primeiros 9 meses do ano. Em Junho a empresa registou uma quebra na venda de novos veículos no mercado francês de 9,5%, quando o mercado apenas recuou 0,9% e o seu concorrente registou um aumento significativo. Contudo, os mercados emergentes como a Rússia e América Latina têm ajudado a conter o evidente declínio do mercado na Europa. Aliança com a GM poderá ter contributo positivo mas ainda assim reduzido A GM adquiriu 7% da Peugeot através da emissão de EUR 1 mil mn em direitos, algo que pode aliviar a empresa ao nível da pressão sobre o capital mas que precisa de mostrar mais para poder resultar no turnaround que a empresa procura. Recentemente, e como parte da jointventure com a GM, foi anunciado que a Gefco irá ser a responsável pela logística da empresa norte-americana na Europa no início do próximo ano, sendo este o primeiro passo da aliança entre as empresas. Mix de produto e estratégia operacional não convence O mix de produto mostra-se mais fraco que o das restantes empresas europeias e a crescente concorrência no segmento de veículos pequenos como VW Up! (que registam maior interesse na Europa) pode penalizar o lançamento do Peugeot 208. A empresa procura aumentar o valor da sua marca focando-se em veículos mais exclusivos, após ter aumentado o peso dos veículos 4

6 premium para 18% em 2011 face aos 13% registados em 2010, estratégia que colide com a actual exposição geográfica que é caracterizada pela forte dependência do mercado europeu. Perspectivas futuras O grande driver do sector continuará a ser os reportes mensais de vendas de automóveis. A equipa de gestão espera que o mercado automóvel continue a deteriorar-se na Europa, o que tem levado a empresa a procurar reduzir a dependência deste mercado, estimando que em 2015 cerca de metade das vendas provenham de outros continentes (em 2011 situaram-se em 42%). 5

7 Renault (RNO FP) Resultados operacionais mostram alguma resiliência A construtora automóvel francesa apresentou um EBIT 2011 de EUR 1,09 mil mn, o que representa uma quebra de 0,7%, em linha com as estimativas dos analistas. Também as vendas se revelaram sensivelmente em linha nos EUR 42,6 mil mn vs EUR 41,1 mil mn estimados. A empresa pretende distribuir um dividendo de EUR 1,16 por acção, enquanto a sua principal concorrente não deverá distribuir dividendos no presente ano. O outlook anual estima uma quebra do volume da indústria na Europa entre 3% a 4% e o objectivo de aumentar o numero de veículos comercializados em A construtora automóvel prevê na melhor das hipóteses mais 3-4 anos de estagnação, sendo o melhor cenário um crescimento entre 0% a 1%. Dácia tem-se mostrado como estratégia acertada O potencial de crescimento da marca Dácia afigura-se francamente elevado, representando cerca de 25% das receitas, com um target de crescimento de 50% a curto/médio prazo para cerca de 1 mn de veículos em Actualmente a plataforma suporta vendas de 1,2 1,3 mn de veículos sem investimento adicional. Esta estratégia de expansão tem sido sobretudo direccionada para a Europa e Euromed, numa altura em que apenas o mercado de veículos utilitários, pequenos, de baixos consumos e a preços reduzidos conseguem contornar as quebras significativas do sector. Nesta linha, a construtora francesa planeia acelerar o lançamento de novos modelos low-cost, que representam 1/3 das vendas e 3/4 do target de crescimento. Evolução das vendas afigura-se mista A Renault registou uma quebra de 12,8% das vendas em Maio, uma quebra superior ao recuo de 8,4% registado ao nível dos 27 países da EU durante o mesmo mês. Já em Junho as vendas da Renault contrariaram a quebra ligeira registada pelo mercado em França tendo avançado 9,5%, impulsionadas pelo aumento das vendas da marca low-cost Dacia em 43,7%. Perspectivas futuras Paralelamente ao sucesso da Dácia a empresa procura colocar a Renault como o principal concorrente da VW, ao mesmo tempo que equaciona a possibilidade de criar uma marca para veículos desportivos e veículos de luxo. Recentemente os estímulos anunciados de USD 8,8 mil mn ao mercado automóvel brasileiro deverão ter um impacto positivo no volume de vendas da empresa (região representa 7%). A empresa francesa anunciou que pode vir a introduzir uma taxa sobre os veículos de luxo com o intuito de favorecer o ambiente e canalizar a procura para veículos mais pequenos e fabricados no país. 6

8 Daimler (DAI GY) Evolução dos resultados tem sido francamente positiva A construtora automóvel alemã registou um EBIT de EUR 2,18 mil mn no 4Q11, acima dos EUR 2,17 mil mn estimados, enquanto o resultado líquido se situou nos EUR 1,79 mil mn, superando igualmente os EUR 1,39 mil mn estimados. As vendas avançaram 10% no período para EUR 29,1 mil mn. A empresa propõe a distribuição de um dividendo de EUR 2,2 por acção relativo ao exercício de 2011, acima dos EUR 1,85 por acção observados em período homólogo, aumento justificado pelo avanço de 29% do resultado líquido em O valor do dividendo superou as estimativas do mercado. A equipa de gestão acrescentou que prevê um EBIT para 2012 da mesma magnitude do registado em No 1Q12 a Daimler reportou um aumento inesperado dos resultados, tendo atingido um número recorde de vendas. O EBIT totalizou EUR 2,13 mil mn, acima dos EUR 1,94 mil mn estimados e as receitas situaram-se nos EUR 27 mil mn. Perspectivas futuras são ambiciosas A empresa reiterou o target para a margem EBITDA de 10% nos veículos ligeiros e 8% nos veículos pesados em 2013, ao mesmo tempo que procura aumentar a margem operacional de 9% para 10% em A Mercedes registou um aumento do preço médio dos veículos no último exercício e espera que o mesmo aconteça em A Daimler pretende atingir o primeiro lugar nas vendas de veículos premium em Recentemente a construtora alemã revelou um outlook bastante favorável para o segmento de veículos pesados e acordou uma parceria com a Nissan no segmento de veículos comerciais no Japão. Alguns riscos no horizonte ao nível operacional A empresa está numa fase de expansão de CAPEX, estimando um crescimento de 18% YoY para 2012, motivado pelo investimento na expansão da produção na China e em fábricas nos EUA e na Hungria, com o intuito de captar o mercado premium. O CAPEX deverá permanecer elevado em 2013 sendo que em 2014 deverá começar a recuar. Adicionalmente a margem EBIT está algo deprimida devido sobretudo às reduzidas vendas na América Latina, com especial foco no Brasil, onde se prevê um abrandamento nos resultados relativos ao 2Q12, sendo que para o 2H12 o outlook se revela mais positivo. Contudo, no campo dos veículos não poluentes a construtora automóvel alemã adiantou-se ao seu rival BMW e iniciou a comercialização e produção do seu primeiro modelo totalmente eléctrico, o Smart Fortwo electric drive. Vendas devolvem liderança nos EUA Em Abril a Daimler voltou a recuperar a liderança nas vendas de veículos nos EUA, sendo que em termos globais, de Janeiro a Abril as vendas avançaram 9,4%. No último mês (Junho) as vendas da Mercedes nos EUA avançaram 7,6%, continuando a registar um número superior de 7

9 veículos vendidos face à BMW, nos melhores resultados de sempre da marca no bloco norteamericano, ao nível semestral. Perspectivas futuras A empresa mantem-se confiante quanto à performance na China e não espera que a proposta do Governo de limitar a compra de veículos a marcas chinesas a penalize. Apesar da existência de alguma pressão ao nível dos custos laborais, extensível a todas as empresas alemãs, tal não deverá ter um efeito significativo nas contas da Daimler. 8

10 BMW (BMW GY) Resultados recorde justificam outperformance A empresa reportou um lucro recorde em 2011, suportado pela procura do SUV X3 na China e nos EUA. O EBIT avançou 57% para EUR 8,02 mil mn, o que compara com os EUR 8,04 mil mn estimados pelos analistas. As vendas avançaram 14% para EUR 68,8 mil mn. A BMW propôs um dividendo de EUR 2,3 por acção, significativamente acima dos EUR 1,3 por acção distribuídos no ano anterior, aumento justificado pela evolução do resultado líquido. No 1T12 a construtora automóvel alemã reportou resultados que superaram as previsões dos analistas impulsionados pela procura do renovado Série 1. O EBITDA registou um incremento de 19% para os EUR 2,13 mil mn enquanto as vendas aumentaram 14% para os EUR 18,3 mil mn. A guidance anual foi confirmada, ainda que seja importante realçar que a equipa de gestão da BMW não tem por hábito avançar com dados muito específicos em termos de guidance e tende a ser bastante conservadora. A empresa estima atingir uma margem EBIT do segmento automóvel entre 8% a 10%. China desempenha papel chave Recentemente a empresa veio anunciar, em linha com a Volkswagen, que o crescimento das vendas no mercado chines poderá ficar aquém do estimado com o abrandamento económico da região, sendo este mercado, juntamente com os EUA, o mais relevante em termos de crescimento do segmento de veículos de luxo. Adicionalmente, e ao nível do mercado interno, a empresa não prevê um crescimento do mercado alemão de automóveis. O abrandamento observado no mercado chinês, com as empresas a realizarem descontos significativos nos veículos, tem penalizado de forma mais significativa a BMW. Contudo, a equipa de gestão espera que as vendas na China tenham um crescimento entre 25% a 30% em Lançamento de novos modelos essencial para combater a concorrência A empresa iniciou a comercialização do seu novo série 3 na China (numa versão que é maior em tamanho face à versão clássica do série 3) numa altura em que procura reduzir o diferencial para a unidade de luxo da Volkswagen, Audi. Em antecipação a este lançamento a empresa despendeu EUR 500 mn no 2H11 para introduzir a nova versão do série 3 sedan e série 1. O construtor automóvel espera que o lançamento de novos modelos ajude a empresa a superar as vendas recorde registadas em 2011 de 1,67 mn de veículos. Adicionalmente, e no âmbito dos veículos menos poluentes e amigos do ambiente, a BMW aumentou a cooperação com a Toyota no âmbito das pilhas de combustível e componentes para veículos eléctricos, o que levou a empresa a finalizar a sua cooperação com a GM na mesma matéria, numa altura em o construtor norte-americano firmou uma parceria com a Peugeot. Contudo, a BMW está atrás do seu principal concorrente, a Daimler, no campo dos veículos eléctricos. 9

11 Vendas mostram-se robustas A marca BMW registou um avanço das vendas de 30,8% e a Mini 40,3% no mês de Maio, apesar da empresa ter perdido a liderança das marcas de luxo nos EUA para a Mercedes no início deste ano. Perspectivas futuras A empresa planeia investir USD 900 mn numa fábrica nos EUA para a construção do seu SUV X4, investimento que deverá estar concluído em

12 Volkswagen Pref. (VOW3 GY) Evolução operacional suporta ambição de ser o maior construtor automóvel mundial A empresa reportou um lucro recorde em 2011, beneficiando de um aumento da procura por SUVs da Audi e Volkswagen. O EBIT avançou 58% para EUR 11,3 mil mn, em linha com as estimativas dos analistas. As receitas avançaram 26% para EUR 159 mn. A empresa continua a investir em fábricas com o intuito de destronar a GM como o maior produtor automóvel mundial. A empresa aumentou os dividendos relativos ao exercício de 2011 de EUR 2,26 por acção para EUR 3,06 por acção. A empresa reduziu a sua posição de liquidez para EUR 17 mil mn, um recuo de 8,6%, para o qual contribui o reforço da participação na MAN. No 1Q12 a empresa reportou um lucro que superou as estimativas dos analistas beneficiando da performance da unidade Audi. O resultado operacional avançou 10% para EUR 3,21 mil mn, acima dos EUR 2,66 mil mn estimados. As vendas avançaram 26% para EUR 47,3 mil mn. Mix de produto afigura-se como um dos mais completos A empresa apresenta o mix de produto mais diversificado, possibilitando-a de abarcar diversos públicos-alvo. As marcas mais económicas do Grupo (Skoda e Seat), juntamente com o lançamento do novo utilitário Up! ajudaram a combater a quebra do mercado automóvel no bloco europeu, ainda que este mercado continue a revelar riscos significativos. A marca detém uma plataforma de produção que lhe permite obter maiores economias de escalar, partilhando diversos componentes entre diversos veículos e marcas. No entanto, a construtora automóvel continua a procurar optimizar a sua estrutura industrial, tendo em curso uma reorganização que deverá resultar numa redução de custos de EUR 18 mil mn nos próximos anos. Incorporação da Porsche e aumento da participação na MAN alargam influência do Grupo A empresa anunciou a intenção de pagar EUR 4,46 mil mn pelos 50,1% do capital social da Porsche que ainda não detém, encerrando assim um história de 7 anos em torno da tomada de controlo da Porsche por parte da Volkswagen. A incorporação da Porsche vai ter um impacto positivo nos lucros da empresa. Adicionalmente, e no campo dos veículos pesados, a empresa aumentou para 75,03% a sua participação no capital social da MAN, procurando assim uma posição de maior relevo neste mercado de forma a combater o seu principal rival, Daimler. Vendas nos EUA em destaque As vendas nos EUA no 1H12 avançaram 35,4%, para o maior numero de veículos vendidos desde Perspectivas futuras A empresa planeia aumentar a capacidade de produção na China para 4 mn de veículos em 2018 depois do objectivo de 3 mn de veículos em 2016 como parte do seu 11

13 plano de investimento de EUR 14 mil mn para o mercado chinês. Em 2011 a empresa a empresa produziu 2,3 mn de veículos. Alguns analistas defendem que a empresa tem maiores riscos ao nível dos resultados devido ao excesso de capacidade na Europa e na China. 12

14 Conclusão A Peugeot afigura-se claramente como o título mais penalizado pelo abrandamento do mercado europeu, tendo em conta a sua dependência da região, tendo registado a performance mais fraca ao nível das vendas entre as empresas analisadas. Adicionalmente, a estratégia seguida pela construtora automóvel francesa ao nível do mix de produto não parece ser a mais correcta para evitar quebras superiores no bloco europeu. Refira-se que a empresa apresenta uma quota de mercado reduzida na China, tendo-se mantido inalterada no último ano. Por fim, realce para a margem EBITDA que se afigura como a mais reduzida do sector ao nível europeu e tem evoluído em sentido negativo. Apesar da Renault ser, a par da Peugeot, consideravelmente dependente do mercado europeu, a marca Dácia tem contribuído de forma bastante relevante para algum aliviar da pressão negativa ao nível da Europa, ao mesmo tempo que prossegue uma politica de expansão ao nível dos mercados asiáticos e busca uma reorganização ao nível do mix de produto. A Daimler continua a evidenciar uma evolução extremamente positiva ao nível dos resultados, sendo as perspectivas futuras ambiciosas, quer ao nível dos veículos ligeiros quer ao nível dos veículos pesados, segmento onde enfrenta a concorrência da Volkswagen que opera com as marcas Scania e MAN. Os eventuais riscos ao nível da guidance e o elevado CAPEX esperado para 2012 e 2013 deverão ser compensados pela performance francamente positiva observada ao nível do mercado chinês e norte-americano, onde a empresa recuperou a liderança à BMW. A BMW tem igualmente reportado resultados bastante positivos ao nível anual e trimestral, sendo o newsflow relativo à guidance mais curto dado o perfil mais conservador da equipa de gestão. A empresa tem experimentado um crescimento bastante significativo na China, sendo por isso o construtor automóvel que deverá ser mais penalizado por um eventual abrandamento do mercado chinês. Já no bloco norte-americano, apesar da tendência continuar a ser animadora, a empresa viu a sua posição de liderança fugir para a Daimler. Refira-se que o mix de produto é o mais fraco quando comparado com a Daimler e Volkswagen. A Volkswagen apresenta-se como um dos maiores produtores automóveis mundiais e busca mesmo tornar-se o maior, destronando a GM. Os resultados anuais e trimestrais têm permitido à empresa continuar a evoluir nesse sentido. O mix de produto apresenta-se como um dos mais completos a nível mundial, abarcando todo o tipo de consumidores ao nível dos veículos ligeiros, estando igualmente presente no segmento de veículos pesados. Detém, a maior quota de mercado nos diversos blocos geográficos e apresenta a melhor performance ao nível das vendas. Em termos de avaliação relativa evidencia-se como o player mais a desconto ao nível europeu. 13

15 Tendo em conta a pressão sofrida pelo sector no momento actual, com quebras significativas nas vendas ao nível europeu e abrandamento do mercado na China e nos EUA, pensamos que a Volkswagen se apresenta como o construtor automóvel mais sólido, dado o seu mix de produto, presença no mercado de veículos pesados, distribuição geográfica e performance operacional recente. Adicionalmente, entre os restantes construtores automóveis alemães, menos afectados pela quebra das vendas na Europa, preferimos a Daimler à BMW, tendo em conta o mix de produto e a posição mais solida que a empresa apresenta na China, apesar da pressão ao nível do CAPEX ser superior na Daimler e a guidance se revelar ambiciosa. Ao nível dos construtores automóveis mais dependentes da Europa, Renault e Peugeot, preferimos a primeira pela sua estratégia operacional (resiliência demonstrada através da marca Dácia) e maior fôlego financeiro. 14

16 Anexos 15

17 Quota de mercado a nível mundial Peugeot 4,6% 4,8% 5,0% 4,8% Renault-Nissan 9,8% 9,3% 8,7% 9,7% Daimler 2,7% 2,5% 2,1% 1,2% BMW 2,2% 2,0% 2,0% 2,1% Volkswagen 10,6% 9,7% 9,9% 9,3% Evolução quota de mercado a nível mundial Peugeot -4,8% -3,0% 2,9% -0,5% Renault-Nissan 6,1% 6,8% -10,9% -3,5% Daimler 7,5% 4,9% -21,3% 3,8% BMW 10,3% -2,5% -5,7% 0,1% Volkswagen 9,4% -2,4% 6,5% 5,8% Quota de mercado Europa PSA 12,4% 13,4% 13,0% 12,6% Renault 9,5% 10,2% 9,3% 8,7% Daimler 4,9% 4,9% 4,7% 5,4% BMW 6,0% 5,5% 4,9% 5,6% Volkswagen 23,3% 21,3% 20,3% 20,6% Evolução quota de mercado - Europa PSA -7,5% 3,1% 3,2% -1,6% Renault -6,9% 9,7% 6,9% 1,2% Daimler 0,0% 4,3% -13,0% 3,8% BMW 9,1% 12,2% -12,5% 5,7% Volkswagen 9,4% 4,9% -1,5% 4,0% 16

18 Quota de mercado - Ásia-Pacífico Peugeot 1,0% 1,0% 0,8% 0,7% Renault-Nissan 5,2% 4,9% 2,8% 3,0% Daimler 5,2% 5,0% 4,8% 7,9% BMW 0,9% 0,8% 0,6% 0,6% Volkswagen 16,8% 16,0% 16,4% 19,8% NOTA: China representa 62% do total da Ásia Pacífico Evolução quota de mercado - Ásia-Pacífico Peugeot 0,0% 22,5% 23,7% -14,1% Renault-Nissan 7,7% 73,3% -7,2% -5,4% Daimler 3,4% 4,0% -39,1% -0,6% BMW 21,7% 33,1% -10,1% 4,1% Volkswagen 5,3% -2,5% -17,2% 1,4% NOTA: China representa 62% do total da Ásia Pacífico Evolução unidades vendidas China (YoY) Evolução unidades vendidas China (QoQ) Fonte: Bloomberg 17

19 Capitalização bolsista e distribuição geográfica Renault Peugeot Cap. Bolsista (EUR mn) 9464,6 Cap. Bolsista (EUR mn) 2657,1 Renault Peugeot Resto da Europa 36% Europa 67% França 28% China 14% Américas 12% América Latina 11% Ásia-África 12% Resto do mundo 6% Euromed-Eurasia 12% Rússia 3% 100% 100% Daimler BMW Volkswagen Cap. Bolsista (EUR mn) 39198,4 Cap. Bolsista (EUR mn) 37467,7 Cap. Bolsista (EUR mn) 56539,3 Daimler BMW Volkswagen Asia 21% Europa 30% Europa 30% EUA 21% EUA 17% EUA 17% Europa 19% Resto América 4% Resto América 4% Resto do Mundo 18% Alemanha 19% Alemanha 19% Resto América Norte 11% China 17% China 17% * Antiga Chrysler 10% Outros 13% Outros 13% 100% 100% 100% Fonte: Bloomberg Resultados 2011 Renault (EUR mn) Observado Estimado Dif. Resultado Líquido Ajust ,6% EBITDA ,0% Vendas ,1% Peugeot (EUR mn) Observado Estimado Dif. Resultado Líquido Ajust. 864,05 696,933 24,0% EBITDA ,4% Vendas ,0% Daimler (EUR mn) Observado Estimado Dif. Resultado Líquido Ajust ,8% EBITDA ,8% Vendas ,9% BMW (EUR mn) Observado Estimado Dif. Resultado Líquido Ajust ,2% EBITDA ,9% Vendas ,5% Fonte: Bloomberg Volkswagen (EUR mn) Observado Estimado Dif. Resultado Líquido Ajust ,4% EBITDA ,0% Vendas ,0% 18

20 Evolução dívida líquida (EUR mn) Evolução das vendas (%) EBITDA (EUR mn) Margem EBITDA (%) Fonte: Bloomberg 19

21 Avaliação relativa P/E 2012E (IBES) P/E 2013E (IBES) P/BV YTD % Dividend Yield BETA ROE ROA D/E EV/EBITDA 2011 EV/Sales 2011 FORD MOTOR CO 7,20 6,03 2,21-11,06 1,05 1,34 n.d. 11,72 663,36 8,24 0,82 GENERAL MOTORS C 6,16 4,73 1,11 1,33 n.d. n.d. 28,35 6,48 48,08 2,35 0,22 DAIMLER AG 6,91 6,14 0,93 5,94 6,12 1,24 14,91 3,99 181,35 9,12 1,05 VOLKSWAGEN AG 5,87 5,35 0,97 22,48 2,36 1,08 29,77 6,80 162,56 6,30 0,84 BAYER MOTOREN WK 7,14 6,97 1,32 10,39 4,03 1,08 19,16 4,18 251,41 8,39 1,42 PORSCHE AUTO-PRF 4,25 3,67 0,59-1,50 1,87 1,16 0,19 0,12 27,56 n.d. n.d. RENAULT SA 4,36 3,26 0,39 21,47 3,56 1,22 9,03 2,93 131,00 7,63 0,70 PEUGEOT SA 19,77 3,60 0,13-31,90 n.d. 1,25 4,25 0,86 231,75 6,65 0,47 AUDI AG 8,99 n.d. 1,86 0,18 0,55 0,54 36,76 12,95 9,39 2,05 0,33 FIAT SPA 6,15 4,17 0,58 16,79 n.d. 1,17 13,16 1,73 306,11 3,19 0,31 TOYOTA MOTOR 11,80 9,68 0,97 25,34 1,56 1,11 2,72 0,94 114,00 14,69 1,13 HONDA MOTOR CO 9,31 8,03 1,11 15,25 2,37 1,21 4,78 1,81 93,38 11,36 1,09 NISSAN MOTOR CO 7,47 6,26 0,99 7,80 2,68 1,15 11,21 3,13 121,56 6,20 0,74 SUZUKI MOTOR 12,22 11,03 0,92 2,26 0,92 1,04 5,51 2,38 60,88 3,77 0,33 MAZDA MOTOR 27,62 9,81 0,66-23,53 n.d. 1,31-23,98-5,84 165,86 24,56 0,36 MITSUBISHI MOTOR 14,84 9,47 n.d. -13,19 n.d. 1,06 n.d. 1,82 n.d. 368,21 24,54 HYUNDAI MOTOR 6,53 6,07 1,50 7,98 0,76 1,16 8,40 10,38 12,26 6,21 0,91 KIA MOTORS CORP 6,49 5,99 2,28 10,49 0,81 0,97 15,89 8,59 28,36 10,77 1,01 média 9,62 6,49 1,09 3,70 2,20 1,12 11,26 4,16 153,46 29,39 2,13 Fonte: Bloomberg CP/Act. (Estrutura Financeira) Pass./Activo (Endividamento) Div. Liq- /Activo Div. Liq./EBITDA EBITDA/Enc. Financ. FORD MOTOR CO 8% 92% 36% 4,68 16,68 GENERAL MOTORS C 27% 73% -13% -1,28 26,46 DAIMLER AG 28% 72% 41% 4,99 8,18 VOLKSWAGEN AG 25% 75% 27% 3,23 18,64 BAYER MOTOREN WK 22% 78% 46% 4,84 12,36 PORSCHE AUTO-PRF 66% 34% 16% n.d. n.d. RENAULT SA 34% 66% 30% 5,52 9,52 PEUGEOT SA 21% 79% 36% 5,88 12,80 AUDI AG 35% 65% -24% -1,25 23,15 FIAT SPA 15% 85% 11% 1,56 3,77 TOYOTA MOTOR 36% 64% 30% 6,38 62,10 HONDA MOTOR CO 38% 62% 24% 3,76 73,44 NISSAN MOTOR CO 31% 69% 27% 2,65 34,24 SUZUKI MOTOR 48% 52% -10% -1,05 46,83 MAZDA MOTOR 25% 75% 16% 9,97 2,42 MITSUBISHI MOTOR 20% 80% 5% 0,58 8,79 HYUNDAI MOTOR 65% 35% -12% -0,98 21,78 KIA MOTORS CORP 56% 44% 5% 0,41 20,65 média 33% 67% 16% 2,93 23,63 20

22 Disclaimer Este documento foi preparado exclusivamente para fins informativos, baseando-se em informações disponíveis para o público em geral e recolhida de fontes consideradas de confiança. O BIG não assume qualquer responsabilidade pela correcção da informação disponibilizada, nem deve entender-se nada do aqui constante como indicador de que quaisquer resultados serão alcançados. Chama-se particularmente a atenção para o facto de que os resultados previstos são susceptíveis de alteração em função de modificações que se venham a verificar nos pressupostos que serviram de base à informação agora disponibilidade. Adverte-se igualmente que o comportamento anterior de qualquer valor mobiliário não é indicativo de manutenção de comportamento idêntico no futuro, bem como que o preço de quaisquer valores pode ser alterado sem qualquer aviso prévio. Na sua elaboração, não foram consideradas necessidades específicas de nenhuma pessoa ou entidade. O BIG, ou seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição, sujeita a alterações, em quaisquer dos títulos ou valores mobiliários referenciados nesta nota. O BIG poderá disponibilizar informação adicional, caso tal lhe seja expressamente solicitado. Este documento não consubstancia uma recomendação de investimento, uma proposta de venda, nem uma solicitação de compra para a subscrição de quaisquer valores mobiliários. 21

23 CONTACTOS Sala de Mercados Ricardo Pinho Trading João Vaz Velho Sérgio Magalhães André Veloso Fernando Quadros João Henrique Carlos Martins Clientes Institucionais Diogo Costa Tel: Fax: Research João Lampreia Maria Almaça João Cabeçana Filipa Almeida Gestão de Activos Rui Broega Isabel Soares Tiago Miranda Pedro Henriques Tel: Fax: Corretora Diogo Cunha Trading e Vendas Luís Vital Diogo Rodrigues Ricardo Seabra Bruno Janeiro Lino Tudela Tel: Fax: Banco de Investimento Global, S.A

(EUR mn) 2012 2011 Var. %

(EUR mn) 2012 2011 Var. % VISÃO ACUMULAR Preço-alvo: EUR 2,57 Preço e Performance Preço 2,35 M áx de 52 semanas 2,45 M ín de 52 semanas 1,63 YTD (%) 2,75 Volume médio diário (mn) 5.403.836 Capitalização bolsista (mn) 8.604 Beta

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive E a capacidade produtiva instalada? O Brasil enfrenta novamente o desafio

Leia mais

12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS

12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS COMUNICADO DE IMPRENSA 15 de Janeiro 2009 12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS Com uma quota de mercado de 11,9% (Veículos de Passageiros + Comerciais Ligeiros)

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

Portugal Positivo. Descrição. Produto financeiro complexo Portugal Positivo

Portugal Positivo. Descrição. Produto financeiro complexo Portugal Positivo Produto financeiro complexo Portugal Positivo Descrição Este produto financeiro complexo possui características que importa destacar: Risco máximo, na maturidade, de perda de 5% do capital investido pelo

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos.

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos. Curiosidade automotiva Preços de automóveis x salário mínimo A JATO Dynamics do Brasil, líder em fornecimento de informações automotivas, desenvolveu uma análise que apurou o valor do salário mínimo e

Leia mais

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil Stephan Keese, Sócio São Paulo, 22 de agosto de 2011 1 O Brasil Brasil oferece oferece forte forte perspectiva perspectiva de de crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios José Azevedo Pereira I O Conceito de VAL Exercício 1 Na figura seguinte, o

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO

MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional,

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

&203/(;2$872027,92 REESTRUTURAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NA AMÉRICA DO SUL. Angela M. Medeiros M. Santos*

&203/(;2$872027,92 REESTRUTURAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NA AMÉRICA DO SUL. Angela M. Medeiros M. Santos* REESTRUTURAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NA AMÉRICA DO SUL Angela M. Medeiros M. Santos* * Gerente Setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços do BNDES. &203/(;2$872027,92 Resumo Nos

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Apresentação de Resultados 2008

Apresentação de Resultados 2008 Apresentação de Resultados 2008 Agenda Destaques 2008 Áreas de Negócio / Mercados Relevantes Comércio Automóvel Portugal Serviços Automóvel Europa Serviços Automóvel Brasil Resultados Consolidados Notas

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

O activo subjacente é o cabaz constituído pelos seguintes títulos:

O activo subjacente é o cabaz constituído pelos seguintes títulos: Designação Classificação Depósito Indexado Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado, denominado em Euros ( ), não mobilizável antecipadamente. Depósito com um prazo de 2 anos, que poderá ser sujeito

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com Resultados 1T11 4 de Maio de 2011 www.edprenovaveis.com Agenda I Destaques do 1T11 II Performance Operacional e Financeira do 1T11 III Perspectivas e Conclusão Destaques do 1T11 Elevada performance operacional

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

NUTRIPLANT ON (NUTR3M)

NUTRIPLANT ON (NUTR3M) NUTRIPLANT ON (NUTR3M) Cotação: R$ 1,79 (18/06/2014) Preço-Alvo (12m): R$ 2,10 Potencial de Valorização: 18% 4º. Relatório de Análise de Resultados (1T14) Recomendação: COMPRA P/L 14: 8,0 Min-Máx 52s:

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015 11 de Maio de 2015 1 Destaques O EBITDA totalizou 138,3M, um crescimento de 9,4% (11,8M ) versus. Este indicador beneficiou da venda da participação da REN na Enagás

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Mais um ano de transição

Mais um ano de transição Mais um ano de transição Boas perspectivas de crescimento nos países emergentes, estagnação na Europa Ocidental, recuperação lenta nos Estados Unidos e avanço das montadoras alemãs e asiáticas devem caracterizar

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008

www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008 www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008 0 1. Visão Geral Setor de Ensino Superior no Brasil Visão Geral Estratégia Empresarial Destaques Financeiros

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES A Receita dos Serviços de Locação da Ouro Verde registrou novamente crescimento significativo, de 25,0% na comparação com o 1S13. A receita líquida total, incluindo

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015.

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015. PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015. Cotação (30/06/15) PLAS3 - R$ 0,27 Valor de mercado em 30/06/15 (MARKET CAP BOVESPA) R$ 67 milhões Quantidade Ações Ordinárias: 249 MM Relação com Investidores

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

RELATORIO DE GESTÃO 1 - EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA. A actividade da empresa evoluiu de forma satisfatória no exercício de 2004.

RELATORIO DE GESTÃO 1 - EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA. A actividade da empresa evoluiu de forma satisfatória no exercício de 2004. i IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: RELATORIO DE GESTÃO Através do presente relatório de gestão, vem a Gerência da empresa, dar conhecimento aos Sócios e terceiros que com a empresa têm relações, de alguns aspectos

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

COMPANY NOTE 7 DE MARÇO DE 2016

COMPANY NOTE 7 DE MARÇO DE 2016 VISÃO Comprar Price Target: 4,00 EUR Nota: Valores de fecho de 04/03/2016 ; Equipa Research 0 P reço e P erfo rmance (valo res em EUR ) Preço 3,11 M áx de 52 semanas 4,33 M ín de 52 semanas 2,67 YTD (%)

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa 6 de maio de 2015 Resultados Alstom 2014/15 Nível recorde de pedidos ( 10 bilhões) e carteira de pedidos ( 28 bilhões) Resultado operacional em alta de 20% Forte geração de fluxo

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

RENAULT: A MARCA LÍDER DO MERCADO HÁ 16 ANOS DACIA: A MARCA COM O MELHOR DESEMPENHO DO TOP 20

RENAULT: A MARCA LÍDER DO MERCADO HÁ 16 ANOS DACIA: A MARCA COM O MELHOR DESEMPENHO DO TOP 20 COMUNICADO DE IMPRENSA 8 de Janeiro de 2014 RENAULT: A MARCA LÍDER DO MERCADO HÁ 16 ANOS DACIA: A MARCA COM O MELHOR DESEMPENHO DO TOP 20 Com uma quota de mercado de 12,9% (Veículos de Passageiros + Comerciais

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado.

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado. Hamburg Süd encerra 2014 com faturamento de 5,2 bilhões de euros Empresa movimentou, juntamente com a subsidiária Aliança, cerca de 3,4 milhões de contêineres, um aumento de 2% em relação ao período anterior

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Análise Sectorial. Companhias Aéreas. Miguel Medeiros miguel.medeiros@bancobig.pt

Análise Sectorial. Companhias Aéreas. Miguel Medeiros miguel.medeiros@bancobig.pt Análise Sectorial Companhias Aéreas Miguel Medeiros Banco BiG Research Lisboa, 20 de Maio de 2013 1 Índice Miguel Medeiros Enquadramento sectorial (pág. 3) Principais Players Sectoriais e Respectivas Métricas

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Produtos Estruturados

Produtos Estruturados Sales Sales Trading Produtos Estruturados Research & Best Ideas A equipe de Research, juntamente com a equipe de Sales Trading, vem trabalhando para criar grandes oportunidades, unindo macroeconomia e

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014 Índice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS (R$ MILHÕES) 3T13 3T14 Var.% 9M13 9M14 Var.% RECEITA LÍQUIDA 315,8 342,8 8,5% 858,4 937,5 9,2% EBITDA AJUSTADO¹ 67,1 78,3 16,7% 157,5

Leia mais

CRESCIMENTO DAS MARGENS E RESULTADOS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 Em relação ao primeiro semestre de 2014:

CRESCIMENTO DAS MARGENS E RESULTADOS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 Em relação ao primeiro semestre de 2014: PARIS, 28 de julho de 2015 O Conselho de Administração da Teleperformance, líder mundial em multichannel customer experience, examinou recentemente os relatórios financeiros consolidados para o semestre

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015 Resultados 1T15 08 de maio de 2015 2 Principais destaques do 1T15 Crescimento da receita líquida de 23%, sendo de 2 dígitos em todas unidades de negócio no comparativo ano vs. ano, favorecidas por 83%

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 4 - Edição 6 Setembro de 2008 Bemvindo! Bemvindo à edição de Setembro da Newsletter

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A.

Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. Sociedade Aberta Matriculada sob o nº05888/20001204 na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Capital Social: 767 500 000 N.I.P.C. 503 025 798 Informação

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

VISÃO COMPRAR. 1 Sumário

VISÃO COMPRAR. 1 Sumário VISÃO COMPRAR Price Target: EUR 2,27 Opinião do consenso Nº de recomendações COM PRAR 6 M ANTER 12 VENDER 5 Preço 1,90 Máx de 52 semanas 4,18 Mín de 52 semanas 1,81 YTD (%) -39,87 Volume médio diário (mn)

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

# Artigo Artigo Qt.Existência Preço Líquido 3463 PONT. HOMOC. TOYOTA 2.00 32,00 3006K PONT. HOMOC. AUSTIN/MINI/ROVER 6.00 16,35 3009K PONT. HOMOC.

# Artigo Artigo Qt.Existência Preço Líquido 3463 PONT. HOMOC. TOYOTA 2.00 32,00 3006K PONT. HOMOC. AUSTIN/MINI/ROVER 6.00 16,35 3009K PONT. HOMOC. # Artigo Artigo Qt.Existência Preço Líquido 3463 PONT. HOMOC. TOYOTA 2.00 32,00 3006K PONT. HOMOC. AUSTIN/MINI/ROVER 6.00 16,35 3009K PONT. HOMOC. AUSTIN/MG/MINI/ROVER 11.00 34,00 3012K PONT. HOMOC. FIAT/LANCIA/SEAT

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

Resultado Líquido das atividades continuadas fortemente influenciado por reforço de provisões e imparidades bem como encargos financeiros de 49,6 M

Resultado Líquido das atividades continuadas fortemente influenciado por reforço de provisões e imparidades bem como encargos financeiros de 49,6 M RESULTADOS 9M2014 DESTAQUES página 3 Total de Proveitos Operacionais nos 9M14 de 158 M Evolução na performance operacional, com reflexo no aumento do EBITDA (numa base comparável) de 35% para os 8,5 M

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS RECEITA LÍQUIDA 300,1 361,1 20,3% EBITDA AJUSTADO 56,5 68,7 21,6% MARGEM EBITDA AJUSTADO 1 17,9% 18,4% 0,5 p.p. LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO

Leia mais

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo 1 27 de Abril de 2015 Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo Foi divulgado o quarto relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em 2015, com destaque para

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15 Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 20 São Paulo 12 de agosto de 2014 Principais Iniciativas e Destaques do Operacional 2 Cana-de-açúcar Brasil: Aumento dos benefícios do programa Guarani

Leia mais

COMPANY NOTE SEMAPA Foco no Brasil confere potencial de crescimento ao título

COMPANY NOTE SEMAPA Foco no Brasil confere potencial de crescimento ao título VISÃO - Acumular Price Target: EUR 8,415 Preço e Performance Preço 7,88 Máx de 52 semanas 8,03 Mín de 52 semanas 5,00 YTD () 38,42 Volume médio diário (mn) 59.231 Capitalização bolsista (mn) 932 Beta 0,7425497

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados Resultados do 2T09 Teleconferência de Resultados Destaques do 2T09 2 Destaques do 2T09 em linha com a estratégia geral da Companhia Nossas conquistas do 2T09 são refletidas nos resultados da Companhia

Leia mais