OUTROS PARADIGMAS: PROGRAMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OUTROS PARADIGMAS: PROGRAMAÇÃO"

Transcrição

1 OUTROS PARADIGMAS: PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE, MODELO DE DADOS RELACIONAL (SQL), REDES DE PETRI, ORIENTAÇÃO A ASPECTOS Luenne Nailam e Uendson Teles

2 PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE

3 PROGRAMA O que é um Programa? O que é Concorrência? Programação Concorrente Concorrência x paralelismo Tratamento de Threads Motivação Dificuldades do Paradigma

4 O QUE É UM PROGRAMA? Conjunto de instruções indicando uma ação a ser executada 1

5 O QUE É CONCORRÊNCIA? Concorrer: juntarse para uma ação ou fim comum; contribuir, cooperar Disputa por recursos Independência temporal 2

6 PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE Paradigma de programação para a construção de programas de computador que fazem uso da execução concorrente (simultânea) de várias tarefas computacionais interativas podem ser implementadas como programas separados ou como um conjunto de threads criadas por um único programa podem ser executadas por um único processador, vários processadores em um único equipamento ou processadores distribuídos por uma rede 3

7 CONCORRÊNCIA X PARALELISMO Atividades paralelas são atividades concorrentes, contudo são tratadas sobre conjuntos de recursos independentes 4

8 CONCORRÊNCIA X PARALELISMO Arquivo Processo Impressora Física Figura 1 - Programa seqüencial acessando arquivo e impressora O processo envia um comando para a leitura do arquivo e fica bloqueado O disco é acionado para realizar a operação de leitura Concluída a leitura, o processo realiza a formatação e inicia a transferência dos dados para a impressora 5

9 CONCORRÊNCIA X PARALELISMO Arquivo Processo Impressora Física Figura 1 - Programa seqüencial acessando arquivo e impressora Como é uma impressora física, o processo executa um laço no qual os dados são enviados para a porta serial ou paralela apropriada Como o buffer da impressora é relativamente pequeno, o processo fica preso até o final da impressão 6

10 CONCORRÊNCIA X PARALELISMO Arquivo Processo Leitor Buffer Impressora Física Processo Impressor Figura 2 - Programa concorrente acessando arquivo e impressora Dois processos dividem o trabalho: O processo leitor é responsável por ler registros do arquivo, formatar e colocar em um buffer na memória O processo impressor retira os dados do buffer e envia para a impressora 7

11 CONCORRÊNCIA X PARALELISMO Arquivo Processo Leitor Buffer Impressora Física Processo Impressor Figura 2 - Programa concorrente acessando arquivo e impressora É suposto que os dois processos possuem acesso à memória onde está o buffer Eficiência maior, pois consegue manter o disco e a impressora trabalhando simultaneamente O tempo total para realizar a impressão do arquivo será menor 8

12 TRATAMENTO DE THREADS O recurso mais conhecido para paradigma concorrente implementar o dividem o trabalho que necessita ser realizado em duas ou mais partes O processador não necessita aguardar o término de uma instrução para iniciar outra pode-se iniciar no mínimo duas tarefas simultaneamente quando se está utilizando um processador de núcleo duplo Problema: um thread requisitar acesso a uma região da memória que já está utilizada por outra 9

13 TRATAMENTO DE THREADS Problema: um thread requisitar acesso a uma região da memória que já está utilizada por outra Resultado: uma interrupção repentina na execução do programa, podendo levar à perda de informações importantes contidas na memória de execução que ainda não haviam sido gravadas em um lugar definitivo 10

14 MOTIVAÇÃO Com o advento dos processadores com dois ou mais núcleos (cores) há um incentivo cada vez maior dos fabricantes de hardware para o desenvolvimento de softwares que utilizam à programação concorrente ela promove uma aceleração em aplicações de tratamento e edição de fotografias digitais, compactação e edição de filmes, até mesmo a compactação de arquivos está se beneficiando desse paradigma 11

15 DIFICULDADES DO PARADIGMA Custo elevado para pequenas empresas de desenvolvimento de software Maior complexidade e tempo para realização Manutenção e depuração de código 12

16 MODELO DE DADOS RELACIONAL (SQL)

17 PROGRAMA Conceitos do Modelo Relacional SQL Palavras-chave em SQL

18 CONCEITOS DO MODELO RELACIONAL Baseia-se em dois conceitos: Entidade: elemento caracterizado pelos dados que são recolhidos na sua identificação vulgarmente designado por tabela. Na construção da tabela identificam-se os dados da entidade. A atribuição de valores a uma entidade constrói um registro da tabela Relação: determina o modo como cada registro de cada tabela se associa a registros de outras tabelas 15

19 CONCEITOS DO MODELO RELACIONAL Linha é chamada tupla Cabeçalho de coluna é chamado atributo Tabela é chamada relação Tipo de dados que descreve os tipos de valores que podem aparecer em cada coluna é chamado de domínio 16

20 CONCEITOS DO MODELO RELACIONAL Figura 3 Exemplo de BD 17

21 CONCEITOS DO MODELO RELACIONAL Figura 4 Diagrama ER 18

22 SQL Linguagem padrão para os bancos de dados relacionais Structured Query Language linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional) muitas das características originais foram inspiradas na álgebra relacional 19

23 PALAVRAS-CHAVE EM SQL DML - Linguagem de Manipulação de Dados utilizado para realizar inclusões, consultas, alterações e exclusões de dados presentes em registros estas tarefas podem ser executadas em vários registros de diversas tabelas ao mesmo tempo INSERT - usada para inserir um registro (formalmente uma tupla) a uma tabela existente. SELECT - principal comando usado em SQL para realizar consultas a dados pertencentes a uma tabela. UPDATE - muda os valores de dados em uma ou mais linhas da tabela existente DELETE - permite remover linhas existentes de uma tabela 20

24 PALAVRAS-CHAVE EM SQL DDL - Linguagem de Definição de Dados permite definir tabelas novas e elementos associados CREATE - cria um objeto (uma Tabela, por exemplo) dentro da base de dados DROP - apaga um objeto do banco de dados alguns sistemas de banco de dados usam o comando ALTER permite ao usuário alterar um objeto, por exemplo, adicionando uma coluna a uma tabela existente 21

25 PALAVRAS-CHAVE EM SQL DCL - Linguagem de Controle de Dados controla os aspectos de autorização de dados e licenças de usuários para controlar quem tem acesso para ver ou manipular dados dentro do banco de dados GRANT - autoriza ao usuário executar ou setar operações. REVOKE - remove ou restringe a capacidade de um usuário de executar operações. 22

26 PALAVRAS-CHAVE EM SQL DTL - Linguagem de Transação de Dados BEGIN WORK (ou START TRANSACTION, dependendo do dialeto SQL) - pode ser usado para marcar o começo de uma transação de banco de dados que pode ser completada ou não. COMMIT - envia todos os dados das mudanças permanentemente. ROLLBACK - faz com que as mudanças nos dados existentes desde o último COMMIT ou ROLLBACK sejam descartadas 23

27 PALAVRAS-CHAVE EM SQL DQL - Linguagem de Consulta de Dados parte da SQL mais utilizada O comando SELECT permite ao usuário especificar uma consulta ("query") como uma descrição do resultado desejado Esse comando é composto de várias cláusulas e opções, possibilitando elaborar consultas das mais simples às mais elaboradas 24

28 PALAVRAS-CHAVE EM SQL Cláusulas condições de modificação utilizadas para definir os dados que deseja selecionar ou modificar em uma consulta FROM - utilizada para especificar a tabela que se vai selecionar os registros. WHERE utilizada para especificar as condições que devem reunir os registros que serão selecionados. GROUP BY utilizada para separar os registros selecionados em grupos específicos. HAVING utilizada para expressar a condição que deve satisfazer cada grupo. ORDER BY utilizada para ordenar os registros selecionados com uma ordem especifica. DISTINCT utilizada para selecionar dados sem repetição 25

29 PALAVRAS-CHAVE EM SQL Ordenadores Lógicos AND E lógico. Avalia as condições e devolve um valor verdadeiro caso ambos sejam corretos. OR OU lógico. Avalia as condições e devolve um valor verdadeiro se algum for correto NOT Negação lógica. Devolve o valor contrário da expressão 26

30 PALAVRAS-CHAVE EM SQL Operadores relacionais realiza comparações entre valores, em estruturas de controle 27

31 PALAVRAS-CHAVE EM SQL Operadores relacionais realiza comparações entre valores, em estruturas de controle BETWEEN utilizado para especificar um intervalo de valores LIKE utilizado na comparação de um modelo e para especificar registros de um banco de dados "Like" + extensão % significa buscar todos resultados com o mesmo início da extensão IN - utilizado para verificar se o valor procurado está dentro de uma lista. Ex.: valor IN (1,2,3,4) 28

32 PALAVRAS-CHAVE EM SQL Funções de Agregação AVG utilizada para calcular a média dos valores de um campo determinado. COUNT utilizada para devolver o número de registros da seleção. SUM utilizada para devolver a soma de todos os valores de um campo determinado. MAX utilizada para devolver o valor mais alto de um campo especificado. MIN utilizada para devolver o valor mais baixo de um campo especificado. 29

33 REDES DE PETRI 29

34 REDES DE PETRI Com o objetivo de desenvolver um modelo para que máquinas de estado pudessem se comunicar, Carl Adam Petri, então aluno de doutorado, defendeu sua tese, em 1962, com o título de Kommunikation mit Automaten (Comunicação com Autômatos). O modelo recebeu o nome de Redes de Petri (RdP) em homenagem ao autor. obteve como característica mais relevante a representação da concorrência. 30

35 REDES DE PETRI Encontram-se atualmente variações do modelo primitivo aplicadas em diversas áreas da ciência como biologia, engenharia, computação e economia (PENHA et al,2004). Dentre suas diversas aplicações na computação podese destacar a modelagem de sistemas de tempo real, paralelos, assíncronos e concorrentes. 31

36 REDES DE PETRI Redes de Petri é um modelo matemático que possibilita uma representação gráfica ampla proporcionando uniformidade na modelagem, análise e simulação de sistemas a eventos discretos. Além disso, permite uma visualização simultânea da sua estrutura e comportamento. as RdP modelam dois aspectos desses sistemas, eventos e condições, bem como, as relações entre eles 32

37 REDES DE PETRI Mesmo sendo a representação gráfica uma vantagem das RdP, a característica mais relevante do modelo é o formalismo. Desde a apresentação do modelo original, chamado de RdP Ordinárias, foram desenvolvidos vários trabalhos práticos e teóricos sobre RdP que levaram ao desenvolvimento de muitas variantes do modelo tendo em vista aplicações específicas. 33

38 REDES DE PETRI Uma dessas variações são as RdP Temporizadas, utilizadas na modelagem de sistemas que apresentam como característica a temporização. Basicamente, consistem em atribuir um determinado retardo de tempo a uma transição Podemos citar outros modelos desenvolvidos a partir do modelo original como as RdP Coloridas, RdP Hierárquicas, Rdp Generalizadas, RdP com Capacidade Finita, RdP Contínuas e as RdP Estocásticas. 34

39 REDES DE PETRI A aplicação de RdP na modelagem de sistemas computacionais é cada vez maior. São capazes de modelar sistemas com características como: concorrência, conflito, compartilhamento, controle e sincronismo. 35

40 REDES DE PETRI ELEMENTOS DE UMA REDES DE PETRI os lugares, que representam uma condição, uma atividade, um estado parcial, uma posição geográfica ou um recurso; as fichas, que indicam quando a condição associada ao lugar é verdadeira; as transições, que representam um evento que ocorre no sistema e; os arcos, que indicam os lugares de entrada ou saída para as transições, 36

41 REDES DE PETRI EVOLUÇÃO DA REDE as transições são responsáveis por colocar ou retirar as fichas dos lugares Um arco com origem em um lugar e término em uma transição (arco de entrada) indica que a transição retira uma ficha desse lugar. 37

42 REDES DE PETRI EVOLUÇÃO DA REDE um arco com origem numa transição e fim num lugar (arco de saída), indica que a transição coloca uma ficha nesse lugar. os arcos demonstram o sentido em que as fichas se deslocam de um lugar a outro, sempre passando por uma transição. 38

43 REDES DE PETRI EVOLUÇÃO DA REDE Sendo assim, a ocorrência do disparo de uma transição só é possível se existirem fichas nos lugares de entrada dessa transição A ficha é o elemento responsável por indicar o estado de uma RdP num determinado instante. 39

44 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS A Programação Orientada a Aspectos - Aspect- Oriented Programming ou simplesmente AOP - foi introduzida em 1996 por Gregor Kickzales A AOP introduz um novo paradigma e um conjunto de diretrizes para facilitar o desenvolvimento de software. 40

45 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS A AOP lida com um problema específico: capturar unidades consistentes de um sistema de software que as limitações dos modelos de programação tradicionais forçam a ficar espalhados por diversos pontos do sistema. 41

46 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS RESPONSABILIDADES (CONCERNS) Sistemas de software consistem de um conjunto de responsabilidades distintas como responsabilidades funcionais e não-funcionais Existem também as preocupações relacionadas com o processo de desenvolvimento de software 42

47 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS SEPARAÇÃO DE RESPONSABILIDADES (SEPARATION OF CONCERNS) A melhor maneira de se projetar um sistema é através da separação de suas responsabilidades distintas Porém algumas responsabilidades não são tão facilmente decompostas em apenas uma dimensão 43

48 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS RESPONSABILIDADES TRANSVERSAIS (CROSSCUTTING CONCERNS) Em sistemas complexos, sempre existem responsabilidades de interesse comum que são utilizadas por vários módulos. Estas responsabilidades são difíceis de isolar porque são necessárias em vários pontos do código. 44

49 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS RESPONSABILIDADES TRANSVERSAIS (CROSSCUTTING CONCERNS) Em sistemas complexos, sempre existem responsabilidades de interesse comum que são utilizadas por vários módulos. Com a OOP, os crosscutting concerns ficam espalhados por vários módulos em pequenos trechos de código 45

50 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS RESPONSABILIDADES TRANSVERSAIS (CROSSCUTTING CONCERNS) A AOP complementa a OOP por introduzir uma nova dimensão para a decomposição das responsabilidades transversais: os aspectos. O paradigma da AOP consiste na separação das responsabilidades transversais de um sistema em aspectos. 46

51 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS Os aspectos podem ser inseridos, alterados ou removidos em tempo de compilação. Por estarem em um único bloco de código, sua manutenção é mais simples. Além disso, o código das classes fica livre do código relacionado às responsabilidades transversais. 47

52 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS DIVISÃO Decomposição: os vários concerns do sistema são identificados e classificados como comuns ou crosscutting. Implementação: os concerns são implementados separadamente em classes (para os concerns comuns) e aspectos (para os crosscutting concerns). Recomposição: o sistema é recomposto à partir dos concerns implementados segundo regras de recomposição. Esta fase é chamada de weaving. 48

53 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS Uma implementação básica de AOP consiste em: uma linguagem para programar os componentes (por exemplo, Java). uma linguagem para programar os aspectos (por exemplo, o AspectJ) um weaver para combinar as duas linguagens (ferramenta que também faz parte do AspectJ) 49

54 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS O AspectJ é uma ferramenta open source que acrescenta os conceitos de AOP à linguagem Java, através de uma extensão à linguagem: os "aspects". É especificada em termos de join points, pointcuts e advices, e tudo isto é encapsulado em um aspect. 50

55 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS Join points: representam pontos bem definidos na execução de um programa onde um determinado aspecto pode ser aplicado. Pointcuts: pointcut é um agrupamento de join points baseando-se em um critério pré-definido. Advices: trechos de código que são executados nos pointcuts. Um advice contém as alterações que devem ser aplicadas ortogonalmente ao sistema 51

56 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS Aspects: são similares a classes: têm um tipo, podem ser estendidos, podem ser abstratos ou concretos e podem conter campos, métodos e tipos como membros. Mas são diferentes de classes: não têm construtor nem destrutor, não podem ser criados com o operador "new", podem conter pointcuts e advices como membros e podem acessar membros de outros tipos. 52

57 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A ASPECTOS CONCLUSÃO A aplicação de técnicas de OOP para a implementação dos crosscutting concerns resulta em sistemas que são trabalhosos para implementar. Utilizando a AOP, pode-se criar implementações que são fáceis de desenhar, entender e manter. Acredita-se que os conceitos relacionados com aspectos estão na sua infância. 53

58 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA orrente-ppd.pdf A3o_concorrente orrente.pdf

59 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA d_5.pdf

60 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA grafias/224.pdf spectprog.htm/

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados. PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.ºH CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO MULTIMÉDIA ANO LECTIVO 2013/2014 6. LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO IV Pré-requisitos: - Planificar e estruturar bases

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

Aspect-Oriented Programming AOP. Comentários Sérgio Crespo

Aspect-Oriented Programming AOP. Comentários Sérgio Crespo Aspect-Oriented Programming AOP Comentários Sérgio Crespo Separation of Concerns O princípio de Separation of Concerns já é utilizado por engenheiros de software para o gerenciar a complexidade de sistemas

Leia mais

Linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional; 1ª Versão - Desenvolvida pela IBM no laboratório de pesquisa de San José;

Linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional; 1ª Versão - Desenvolvida pela IBM no laboratório de pesquisa de San José; MySQL SQL (Structured Query Languagem ) Linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional; 1ª Versão - Desenvolvida pela IBM no laboratório de pesquisa de San José; Inicialmente - Sequel

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

SQL BANCO DE DADOS. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de Consulta Estruturada

SQL BANCO DE DADOS. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de Consulta Estruturada Revisão de tpicos anteriores BANCO DE DADOS Linguagem de consulta SQL Roberto Duarte Fontes Brasília - DF roberto@fontes.pro.br Projeto de banco de dados Modelagem Conceitual (independe da implementação)

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com BANCO DE DADOS WEB AULA 4 linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O que é SQL? Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL,

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Projeto e Implementação

Projeto e Implementação Felipe Nery Rodrigues Machado Banco de Dados Projeto e Implementação 2 Edição 4 Reimpressão São Paulo 2011 Editora Érica Ltda. 3 Projeto Sumário Capítulo 1 O Que É Projeto de Banco de Dados 15 Modelagem

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Principais Comandos SQL Usados no MySql

Principais Comandos SQL Usados no MySql Principais Comandos SQL Usados no MySql O que é um SGBD? Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (como no Brasil) ou Sistema Gestor de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de programas de computador (softwares)

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS ÁREA DISCIPLINAR: 550 - INFORMÁTICA DISCIPLINA: PSI CURSO: Profissional DE: Téc. de Gestão e Programação de Sist. Informáticos

Leia mais

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE SQL é uma linguagem de consulta estruturada, do inglês Structured Query Language. É uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia A linguagem SQL Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia 1 Structure Query Language O SQL foi desenvolvido originalmente no início dos anos 70 nos laboratórios da IBM em San Jose, dentro do projeto System

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 2.3. Linguagens Relacionais SQL Structured Query Language Linguagem para o modelo relacional: Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 Adoptada em 1987 como um standard internacional

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados SQL (Structured Querie Language) SQL é mais que uma linguagem de interrogação estruturada. Inclui características para a definição da estrutura de dados, para alterar os dados de uma base de dados, e para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

Controle de transações em SQL

Controle de transações em SQL Transações Controle de transações em SQL Uma transação é implicitamente iniciada quando ocorre uma operação que modifica o banco de dados (INSERT, UPDATE ou DELETE). Uma transação pode terminar normalmente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real.

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real. PROGRAMA ANO LECTIVO: 2005/2006 CURSO: LICENCIATURA BI-ETÁPICA EM INFORMÁTICA ANO: 2.º DISCIPLINA: BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA: Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais: Aquisição

Leia mais

CONCORRÊNCIA. 1. Introdução. Recursos exclusivos. Não necessita controle. Abundância de recursos compartilhados. Controle necessário mas mínimo

CONCORRÊNCIA. 1. Introdução. Recursos exclusivos. Não necessita controle. Abundância de recursos compartilhados. Controle necessário mas mínimo CONCORRÊNCIA 1. Introdução Recursos exclusivos Não necessita controle Abundância de recursos compartilhados Controle necessário mas mínimo Harmonia, provavelmente não haverá conflito Recursos disputados

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2 Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Introdução Como vimos, um SGBD possui duas linguagens: DDL: Linguagem de Definição de Dados. Usada

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 17 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade V: Introdução à Linguagem SQL Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 13. Introdução à Linguagem SQL Introdução

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where.

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where. Introdução a Banco de Dados O.K. Takai; I.C.Italiano; J.E. Ferreira. 67 8 A Linguagem SQL A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial que usa uma combinação de construtores em Álgebra

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

DML - SELECT Agrupando Dados

DML - SELECT Agrupando Dados DML - SELECT Agrupando Dados 1. Apresentação Já conhecemos os comandos básicos de manipulação de dados: insert; delete; update e select. O comando de consulta select utilizado até aqui era aplicado sobre

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Banco de Dados. Profª. Ana Leda

Banco de Dados. Profª. Ana Leda Banco de Dados Profª. Ana Leda Introdução 1 DADO PROCESSAMENTO INFORMAÇÃO 2 Dados x Informação DADO = REPRESENTAÇÃO DE UM FATO, OBJETO, EVENTO, PESSOA, ETC. ENTIDADE = FATO, OBJETO, EVENTO, PESSOA, ETC,

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

PROGRAMA. Objectivos Gerais :

PROGRAMA. Objectivos Gerais : PROGRAMA ANO LECTIVO : 2005/2006 CURSO : ENGENHARIA MULTIMÉDIA ANO: 2.º DISCIPLINA : SISTEMA DE GESTÃO DE BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA : Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais :

Leia mais

CONCORRÊNCIA. Buscando aumentar os níveis de concorrência redução da espera em detrimento do isolamento, a SQL definiu alguns níveis de isolamento.

CONCORRÊNCIA. Buscando aumentar os níveis de concorrência redução da espera em detrimento do isolamento, a SQL definiu alguns níveis de isolamento. CONCORRÊNCIA 1. Introdução O termo concorrência se refere ao fato de que os SGBDs em geral permitem que muitas transações tenham acesso ao mesmo banco de dados ao mesmo tempo. Em um sistema desse tipo,

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

2 Desenvolvimento de Software Orientado a Aspectos

2 Desenvolvimento de Software Orientado a Aspectos 2 Desenvolvimento de Software Orientado a Aspectos Separação de concerns é um princípio bem estabelecido da engenharia de software que diz que, para se dominar a complexidade do desenvolvimento de software,

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

SQL Comandos para Relatórios e Formulários. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Comandos para Relatórios e Formulários. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Comandos para Relatórios e Formulários Laboratório de Bases de Dados SELECT SELECT FROM [ WHERE predicado ] [ GROUP BY ]

Leia mais

Structured Query Language (SQL) SQL é uma linguagem normalizada (ANSI) para consultas e actualizações de bases de dados relacionais.

Structured Query Language (SQL) SQL é uma linguagem normalizada (ANSI) para consultas e actualizações de bases de dados relacionais. Structured Query Language (SQL) SQL é uma linguagem normalizada (ANSI) para consultas e actualizações de bases de dados relacionais. A instrução SELECT As consultas a uma base de dados relacional fazem-se

Leia mais

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 ÍNDICE o -INTRODUÇÃO Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 0.5 Sistemas Utilizados 6 0.5.1 Access 2003 (Microsoft)

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Informática e Comunicação Habilitação Profissional: Qualificação:

Leia mais

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DML Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br SQL - DML Os exemplos da aula serão elaborados para o esquema de dados a seguir: Empregado(matricula, nome, endereco, salario, supervisor,

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Formação em Banco de Dados. Subtítulo

Formação em Banco de Dados. Subtítulo Formação em Banco de Dados Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

Separaçã. ção Multi-Dimensional de Interesses

Separaçã. ção Multi-Dimensional de Interesses OD 2002 Uma nova abordagem para modelagem de requisitos Separaçã ção Multi-Dimensional de Interesses Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br Objetivos 1. Discutir as limitações existentes no

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

Introdução a SQL. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introdução a SQL. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introdução a SQL Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Características da Structured Query Language -SQL Características da SQL SQL é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional.

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br. Bancos de Dados. Fernando Albuquerque. 061-2733589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br. Bancos de Dados. Fernando Albuquerque. 061-2733589 fernando@cic.unb.br Bancos de Dados Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br Tópicos Introdução O modelo relacional A linguagem SQL Introdução O que é um banco de dados : Coleção de informações que existe por

Leia mais

Escrito por Sex, 14 de Outubro de 2011 23:12 - Última atualização Seg, 26 de Março de 2012 03:33

Escrito por Sex, 14 de Outubro de 2011 23:12 - Última atualização Seg, 26 de Março de 2012 03:33 Preço R$ 129.00 Compre aqui SUPER PACOTÃO 3 EM 1: 186 Vídeoaulas - 3 dvd's - 10.5 Gybabyte. 1) SQL 2) Banco de Dados (Oracle 10g, SQL Server 2005, PostgreSQL 8.2, Firebird 2.0, MySQL5.0) 3) Análise e Modelagem

Leia mais