GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INSPEÇÃO DE ENSINO DIVISÃO REGIONAL DE ENSINO DO P

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INSPEÇÃO DE ENSINO DIVISÃO REGIONAL DE ENSINO DO P"

Transcrição

1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INSPEÇÃO DE ENSINO DIVISÃO REGIONAL DE ENSINO DO P. P/ CRUZEIRO ESCOLA CLASSE ASPLHA PROPOSTA PEDAGÓGICA 2010 DIRETOR (A): FERNANDA NEVES DE OLIVEIRA VICE-DIRETOR (A): LARA ANDRÉIA SANT ANA CARDOSO

2 Governador do Distrito Federal JOSÉ ROBERTO ARRUDA Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal EUNICE DE OLIVEIRA FERREIRA SANTOS Subsecretária de planejamento e de Inspeção de Ensino SOLANGE MARIA DE FÁTIMA GOMES PAIVA CASTRO Subsecretaria de Educação Básica ANA CARMINA PINTO DANTAS SANTANA Secretaria de Desenvolvimento do Sistema de Ensino ATÍLIO MAZZOLENI Secretária - Adjunta EUNICE DE OLIVEIRA FERREIRA SANTOS Gerência Regional de Ensino Plano Piloto e Cruzeiro FÁBIO PEREIRA DE SOUSA Diretora da Escola classe ASPALHA FERNANDA NEVES DE OLIVEIRA

3 DADOS DA INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL Nome da Instituição: Escola Classe ASPALHA Endereço: SMLN Trecho 04 conj. 01 chácara 160 Lago Norte DF Telefone: Direção Regional de Ensino do Plano Piloto/Cruzeiro Turno de Funcionamento: Matutino e Vespertino Nível de Funcionamento: Educação Infantil e Ensino Fundamental de 08 e 09 anos. EQUIPE ESCOLAR DIRECÃO Fernanda Neves de Oliveira VICE-DIREÇÃO Lara Andréia Sant Ana Cardoso SUPERVISOR PEDAGÓGICO Joel Teles Ribeiro SUPERVISOR ADMINISTRATIVO Helder Sousa Martins SECRETÁRIA Jovanda Fernandes de Moura PROFESSOR COORDENADOR Junay Nancy dos Santos PROFESSOR ORIENTADOR Eloisa Helena Pereira PROFESSORES - TURNO DIURNO Ana Claudia da Silva Barros Clotilde Descio Armele Ivette Basileu de Oliveira Lima Janedit Assunção Lopes Lara Luzia Eliane Reis Soares Shirley Ferreira de Oliveira Cleonice Maria da Silva (Contrato temporário) Emília Dulce Florentino Faria Junay Nancy dos santos Maria Alice G. R. da Costa(Contrato Temporário) Kátia Santos Ferreira Malcher Rosane Fernandes de Castro MERENDEIROS Edinalva Sousa Santos SERVIDORES - EMPRESA JUIZ DE FORA Maria Rosilene da Silva Nascimento Raimundo da Silva Melo Roseli Mendes Santos SERVIDORES - EMPRESA G6 José Fernandes da Silva Neto Alan Sousa Edmilson Barbosa da Silva Antônio José do N. de Souza Nosso Slogam para o ano de 2010 é: NÃO SE PODE FALAR EM EDUCAÇÃO SEM AMOR

4 PENSAMENTOS Diz-me, e eu esquecerei; ensina-me e eu lembrar-me-ei; envolve-me, e eu aprenderei. (Autor desconhecido) É mais fácil construir um menino do que consertar um homem. (Charles Chick Govin) Semeia um pensamento e colherás um desejo; semeia um desejo e colherás a ação; semeia a ação e colherás um hábito; semeia o hábito e colherás o caráter. (Tihamer Toth) Ensinar não é uma função vital, porque não tem o fim em si mesma; a função vital é aprender. (Aristóteles) Dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. - É a única. (Albert Schweitzer) Se os teus projectos forem para um ano, semeia o grão. Se forem para dez anos, planta uma árvore. Se forem para cem anos, educa o povo. (Provérbio chinês) O homem nada pode aprender senão em virtude daquilo que sabe. (Aristóteles)

5 Índice 1. Histórico da Escola / Comunidade 2. Princípios Educacionais da Escola 2.1 Nossos Valores 2.2 Visão de Futuro 2.3 Missão 3. Síntese da análise Situacional (IDEB) Diagnóstico Avaliação Estratégica Aspectos Favoráveis da Escola Reforço aos Aspectos Favoráveis Problemas e Dificuldades Proposta para minimizar Problemas Objetivos Institucionais 4. Plano Pedagógico da Escola Organização Pedagógica Objetivos / Modalidades (projeto das Leis /2003 e /2008) Organização Curricular 4.4 Projetos Pedagógicos: Datas comemorativas Reforço Viva Leitura Projeto Horta Recreio Supervisionado Incluir também é Educar Ciência em Foco Clicando e Aprendendo Coordenação Criativa Sorria, Brasil com Dentes Concepção da Avaliação Processo de avaliação desta Proposta (Portaria nº 77, de 03 de fevereiro de 2009) Avaliação: Portifólio Reunião Bimestral Pais/Mestres Festividades Escolares 5. Plano Administrativo da Escola Recursos Financeiros Metas para Gestão dos Recursos Financeiros, Recursos Humanos, Recursos Materiais e Metas para atuação do Conselho Escolar e Conselho de Segurança Horário Escolar Documentação Escolar Parceiros da Escola Programas e Projetos Especiais em Desenvolvimento (Orientação Educacional)

6 6. Estrutura da Escola 7. Gestão Administrativa e Pedagógica 8. Plano de ação Gestão compartilhada 9. Anexos 10. Plano de Ação da Orientação Educacional

7 1. HISTÓRICO DA ESCOLA/COMUNIDADE Nos idos de 1957, quando o senhor Enéas Moreira da Silva, na época motorista de caminhão na construção da nova capital, quando saiu á procura de pedras para os alicerces dos alojamentos do Núcleo Bandeirante, encontrou um bonito lugar bem no alto Planalto Central, de onde se avistava toda a construção da cidade de Brasília. Apaixonando-se por esse local, resolveu então fixar nele sua moradia. Como homem do campo que era, pensou ter encontrado terras sem dono, onde poderia nas horas de folga, cultivar uma pequena lavoura para subsistência de sua família. Aos poucos, como homem de bom coração e achando-se proprietário do local foi cedendo pedaços de terras para seus amigos mais íntimos e parentes. Esses por sua vez fizeram o mesmo, formando assim a pequena comunidade rural do Córrego do Palha, com mais ou menos umas 300 famílias,na sua maioria oriundas do Piauí. A senhora Laura Sales, moradora da comunidade, durante muito tempo lutou para conseguir uma escola na comunidade. Nada conseguindo, com o pouco que sabia, começou ela mesma a alfabetizar as crianças. Mas no início de 1995 faleceu atropelada por um ônibus sem ver a realização do seu sonho. Então as senhoras Maria Ione Veigas Rios e Marília Fonseca, proprietárias de chácaras no local abraçaram esta causa e conseguiram junto a FEDF, através da senhora Inês Betone, assistente da Diretoria Executiva, a autorização/criação da Escola Classe Laura Sales vinculada a Gerência Regional de Ensino do Plano/ Cruzeiro. A escola foi inaugurada aos 11 dias do mês de outubro desde 1995, em um pequeno galpão de madeirite com duas salas de aulas, cedido pelo senhor Manoel Barbosa da Silva, morador da comunidade. Mas somente em 30 de outubro de 1995 deu-se inicio as aulas com a professora, Janedit Assunção Lopes Laura, apenas no turno vespertino. Esses dois meses e meio de aula serviram apenas para introdução das crianças ao mundo das letras e adaptação dos alunos à escola.

8 Devido à grande procura cada vez maior de alunos a professora Janedit, sentiu inviável permanecer sozinha com uma turma de diferentes idades e níveis em uma única sala. Procurou a GRE, onde expôs os problemas, solicitando mais professores e abertura de turmas no noturno para adultos. Devido às partes burocráticas legais, a GRE então colocou à escola anexo da Escola Classe de Varjão, e foram enviados mais três professores, um para o matutino, um vespertino e outro para o noturno. Com o constante crescimento da comunidade escolar sentimos então a necessidade de uma escola definitiva e de alvenaria. A comunidade se mobilizou, foi criada a Associação dos Moradores, orientada pela deputada Maninha. Em 1996 a Associação dos Moradores ofereceu um churrasco a deputada Maninha e ao governador Cristóvão Buarque, para tratar de assuntos referentes à regularização do lugar, aproveitando à oportunidade a professora Janedit convidou o governador para conhecer a escola, solicitando então que fosse construída uma escola de alvenaria. O governador disse que no momento não dispunha de verbas para a construção, mas que poderia ser feito em parceria, solicitou que providenciasse a planta e os cálculos, que o governo forneceria a matéria prima e a comunidade construiria a escola em mutirão. Tudo foi providenciado, mas já existia outra parceria com a CAESB, aonde o presidente da Associação dos Moradores o senhor Ítalo, veio a falecer devido a problemas cardíacos. E por causa de dificuldades encontradas com a comunidade desistimos de mais uma parceria. O governador Cristóvão Buarque então sugeriu que fosse formada uma comissão para participar do Orçamento Participativo, solicitando a construção da escola, a qual foi aprovada para o ano de Deu-se início então a elaboração do projeto arquitetônico que foi elaborado pela arquiteta Maria Bernadete de A. A. Ladeira, que em seguida foi enviada a NOVACAP para cálculos orçamentários retornando logo após a FEDF para licitação, porem já era 23 de dezembro de 1998, fim do mandato do governador Cristóvão Buarque, não sendo a obra então licitada. Em fevereiro de 1999 ao procurar o Departamento de Engenharia da FEDF, a diretora Janedit ficou sabendo que o processo havia sido arquivado, solicitou de imediato a abertura do mesmo, o que

9 foi prontamente atendido. Em agosto do mesmo ano a obra foi licitada, porém com inicio da construção para fevereiro do ano seguinte e concluída em julho de No segundo semestre de 2000 após o recesso escolar das aulas reiniciaram no prédio novo, dando mais conforto para os alunos, professores e comunidade em geral. Em 1998 com constante crescimento da comunidade escolar, sentimos a necessidade de termos nossa própria diretora, então a professora Janedit procurou a GRE para criação da escola providenciando as documentações necessárias. Assim em 06 de novembro de foi publicadas no Diário Oficiais a criação da escola, e a professora Janedit Assunção Lopes Lara nomeada a primeira diretora da escola Nossos Valores 2. PRINCÍPIOS EDUCACIONAIS DA ESCOLA Estamos inseridos em uma sociedade com valores coletivos e uma diversidade de valores individuais. Porém, percebe-se que a sociedade como um todo preza pela preservação de valores como respeito, imparcialidade, justiça, amor ao próximo e a Pátria. Tendo como objetivo educar o indivíduo para se integrar da melhor forma possível à sociedade de forma harmônica, ética, crítica, com justiça colaborando também para a preservação do meio ambiente, tentando melhorar a nós mesmos e a comunidade onde trabalhamos e vivemos. Buscar, por meio de práticas diárias, e com atitudes coerentes, a importância desses valores na vida de cada um, e da sociedade. Tentaremos transmiti-los sem imposição, mas sim com a conscientização de sua importância Visão de Futuro Buscar uma escola mais igualitária, proporcionando oportunidades iguais em todos os aspectos de desenvolvimento físico, social, cultural e emocional sem nenhum tipo de discriminação. Colaborar com uma sociedade inclusiva.

10 Buscar a conscientização do indivíduo em relação ao meio ambiente em que está inserido, enfocando aspectos do desenvolvimento sustentável. A escola pretende ser reconhecida pelo esforço e empenho em buscar melhorias, pelo desempenho do corpo docente e dos funcionários que mantém a qualidade no atendimento. E por estar sempre em busca de novas formas de ensino para que a escola consiga caminhar junto com a modernidade. Tendo em vista, ser conhecida como um ponto de referência em Brasília e nacionalmente Missão Oferecer um ensino de qualidade em ambiente ético, criativo, de respeito ao próximo e ao meio ambiente. Contribuir para melhoria de vida de toda a comunidade do Núcleo Rural do Córrego do Palha, principalmente através de práticas sustentáveis, respeitando sempre a capacidade de suporte dos recursos naturais. Formar cidadãos críticos e participativos para competir com igualdade de condições na busca de seu bem estar e de sua família, visando sempre uma educação inclusiva.

11 3. SÍNTESE DA ANÁLISE SITUACIONAL (IDEB) Diagnóstico - Fatores determinantes da eficácia da escola; - Desempenho acadêmico. ENSINO FUNDAMENTAL 1 ano a 4º Série INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 77% 72% 86,5% 75% Índice de Reprovação 23% 22% 13,5% 25% INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 83% 79% 86% 79% Índice de Reprovação 17% 21% 14% 21% INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 83% 71% 76% 89% Índice de Reprovação 17% 29% 24% 11% INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 65% 75% 92% 83% Índice de Reprovação 35% 25% 8% 6,5% INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 82,32% 86% 81,49% 88,48% Índice de Reprovação 17,64% 14% 18,51% 11,52% INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 84,6% 88,1% 81,5% 88,5% Índice de Reprovação 15,4% 14,3% 18,5% 11,5% INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 100% 88,4% 90,4% 100% Índice de Reprovação ,6% 9,6% ---- INDICADORES ª 2ª 3ª 4ª Índice de Aprovação 100% 82,5% 95,0% 78,2% Índice de Reprovação ,5% 5,0% 21,8%

12 3.2 - Avaliação Estratégica A Escola Classe ASPALHA pertencente à Diretoria Regional de Ensino do Plano Piloto/Cruzeiro, no ano de 2010 possui 234 alunos matriculados no diurno, sendo a maior parte da clientela moradores da comunidade local (Núcleo Córrego do Palha), inserida na comunidade do Lago Norte. Mesmo apresentando um índice de 93% de aprovação, nossa escola ainda possui uma realidade bastante diversificada. Existe ainda uma diferença grande no nível de nossos alunos e pais no que diz respeito a fatores sócio-econômicos, culturais, educacionais e de escolarização. Alguns alunos ainda apresentam muita dificuldade durante o processo de ensino-aprendizagem, estando alguns defasados em relação à idade e série. Existem ainda alunos semi-analfabetos com pouca fixação de conteúdo, com fraca produção de texto e leitura, que em muitos casos migram de outras regiões, principalmente do nordeste, já defasados, contudo matriculados em séries/ano além do seu nível cognitivo. Tal situação poderia também ser avaliada, devido ao grande número de pais e/ou responsáveis de nossos alunos possuírem um nível de escolaridade muito baixo, sendo alguns analfabetos, o que dificulta o acompanhamento em casa e o seu crescimento como um todo Aspectos Favoráveis da Escola Nossa escola está situada em um local de proteção ambiental, que nos proporciona uma aproximação com o meio ambiente. Bem localizada, próximo ao Lago Paranoá, a escola conta desde 2007 com o transporte escolar que atende alunos da região como também de outras regiões administrativas como: Varjão, Itapoã e Paranoá. A comunidade tem muitos educandos que vieram de outros estados, o que permite uma diversidade cultural muito forte. O ambiente de trabalho é favorável à aprendizagem. Todos os educadores são habilitados, em sua maioria pós-graduada e com anos de experiência na alfabetização. A amizade é prática em nossa escola o que nos faz interagir com criticidade na busca da coletividade em toda e qualquer situação que possa vir a ocorrer. Possuímos uma comunidade humilde, a maioria de nossos pais e responsáveis contribui com o que podem, seja com nossos eventos festivos, seja com as atividades do dia a dia da escola. Possuem

13 um grande potencial para colaborar com atividades ambientais. Devido ao baixo grau de escolaridade da comunidade de pais, que em sua maioria são trabalhadores rurais, as nossas reuniões com os responsáveis têm coro baixo Reforços aos Aspectos Favoráveis Buscar parcerias para o desenvolvimento dos projetos da escola. Diversificar os trabalhos adequando o currículo de forma significativa tentando melhorar ainda mais sua qualidade. Formação continuada dos docentes, visando o desenvolvimento pessoal e profissional. Desenvolver trabalhos que propiciem a união, com abertura, flexibilidade na tentativa de acolher a todos com amor, respeito e profissionalismo Problemas e Dificuldades Entre as dificuldades que a educação enfrenta no Distrito Federal, destacamos em nossa Instituição de Ensino a defasagem idade/série que é alta em relação ao número de educandos da escola. A comunidade é carente de letramento tendo uma porcentagem significativa de semianalfabetos. Isso dificulta o trabalho de alfabetização dos alunos. Esta Instituição apresenta um grande diferencial em relação às escolas do Plano Piloto, que por ser a única escola do local, teve um aumento considerável de 2007 a 2010 em torno de 41% tornandose pequena para atender toda a clientela. Diante de tal situação torna-se necessário a expansão na estrutura física como a construção de um bloco de educação infantil, na qual a procura é enorme e a escola já não consegue atender nem 50% da comunidade escolar. Com a abertura de mais uma turma no ano letivo de 2008, nossa Instituição teve que adaptar um espaço para atender os novos alunos. Desta forma perdemos o espaço reservado à Biblioteca que adaptada comporta no máximo 20 alunos. A sala de práticas divide espaço com o serviço de orientação e ainda atendimento da sala de recurso. O espaço destinado à Direção acabou se tornando a sala dos professores, ficando a mesma sem espaço dentro da Instituição, tendo que dividir o ambiente da Secretaria. Todos esses problemas, apesar de serem estruturais prejudicam muito no dia a dia da escola e no desenvolvimento de atividades pertinentes aos projetos pedagógicos.

14 3.6 - Propostas para Minimizar os Problemas Conscientizar os pais sobre a necessidade de buscar conhecimento visando um acompanhamento dos alunos e uma melhoria do seu nível cultural da família como um todo. Promover campanhas e palestras educativas que serão ministradas nos dias das reuniões bimestrais com os pais ou responsáveis. Buscar parcerias com projetos como Picasso não Pixava, que desenvolvem oficinas de capoeira, danças, artes plásticas entre outros para despertar o interesse pela escola e o desenvolvimento do ser humano como um todo. Incentivar os alunos para que desperte em seus pais o interesse pelos estudos, a participação na escola, fazendo com que percebam e sintam que agindo de tal forma, poderão ajudá-los em seu desenvolvimento, tendo em contra partida uma melhoria em sua classe social. Obter um apoio constante da Equipe Psicopedagógico, principalmente no que se refere ao Psicólogo Escolar, para que com compromisso e responsabilidade nos ajude no dia-a-dia da Instituição. Expandir a estrutura física da escola, que devido ao significativo aumento da comunidade escolar e a reestruturação das salas de aula, a equipe de Direção permanece sem um espaço para desenvolver seus trabalhos e atendimentos individualizados dos pais. Melhorar a ventilação nas salas de aula, ativando os ventiladores, uma vez que devido à estrutura das salas de aula as janelas permanecem grande parte do tempo, fechadas. Confeccionar mais materiais pedagógicos tais como: jogos e brinquedos, a fim de planejar aulas mais dinâmicas, criativas e prazerosas. Elaborar e trazer cursos significativos para a formação continuada dos professores de acordo com a realidade da escola.

15 3.7 - Objetivos Institucionais A proposta da Escola Classe ASPALHA é a de oferecer um ensino de qualidade, trabalhando para que o indivíduo se torne um cidadão consciente dos problemas da comunidade local, da sociedade, do país e do mundo. Considerando o diagnóstico da situação presente a equipe escolar define os objetivos institucionais coerentes com desafios apontados e com marcos legais de ensino. Esses objetivos são os alvos a serem atingidos, eles refletem as prioridades da escola: Despertar, elevar e aprimorar a dedicação e compromisso do corpo docente; Elevar o interesse e desempenho acadêmico dos alunos; Conscientizar os pais para o a participação ativa na escola. Promover a qualificação dos professores e demais colaboradores, através de diversos cursos; Oferecer o reforço escolar; Explorar o potencial da comunidade; Promover um clima de união entre o corpo docente e toda comunidade escolar. Conscientizar pais e alunos da necessidade do acompanhamento dos deveres extraclasse; Diminuir o índice geral de abandono, reprovação e faltas escolares; Promover visitas a lugares culturais, pontos turísticos, teatros, cinemas e unidades de conservação ambiental para ampliar a cultura dos nossos alunos; Desenvolver a horta escola com a participação dos alunos para aprendizagem de práticas agroecológicas. Promover a educação ambiental. Flexibilizar o calendário e horário escolar de acordo com as necessidades da comunidade local. Tornar a inclusão uma forma primordial de educação. 4. PLANO PEDAGÓDICO DA ESCOLA Organização Pedagógica Desenvolvemos um trabalho dentro de projetos pedagógicos para valorizar momentos e experiências dos alunos, buscando o desenvolvimento dos alunos.

16 São eles 07 projetos direcionados para os alunos: Datas Comemorativas, Reforço Escolar, Viva a Leitura, Horta Escolar, Recreio Supervisionado, Sala de Recursos e Ciência em Foco. E 02 projetos direcionados para os professores: Clicando e Aprendendo e Coordenação Criativa. Essa escola propõe reuniões coletivas, para desenvolver um planejamento quinzenal, bimestral e conselhos de classe no intuito de organizar e reestruturar o trabalho ao longo do ano. Existe um momento cívico quinzenal na entrada dos alunos para promover cultura e lazer. Nestes momentos os alunos têm contato com o teatro, música, tudo que envolva o pedagógico e seja significativo para o aluno. Esta Instituição Pedagógica está composta da seguinte maneira: Nº de professores: 10. Nº de Coordenadores: 01. Nº de Orientadores: 01. N de Supervisor Pedagógico: 01 N de Professores em Sala de Recursos: 01 Modalidades de Ensino Educação Infantil e Ensino Fundamental de 8 e 9 anos: SÉRIE Nº DE TURMAS Nº DE ALUNOS 1º período A º período A º ano A º Ano A e B ano A ª série A e B ª série A e B Total de turmas/alunos da Escola Nossa escola possui 3 alunos com necessidades educacionais especiais: 4ª Série: 1 aluno com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade e 1 aluno com TDAH. 2 ano: 1 aluno com DI.

17 4.2 - Objetivos / Modalidades Assim como todas as escolas públicas de Ensino Fundamental do DF, a Escola Classe ASPALHA tem como base as Orientações Curriculares da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal do ensino fundamental séries e anos iniciais, e da Educação Infantil, sempre fundamentando pela lei de Diretrizes e Bases da Educação, os princípios metodológicos do BIA Bloco Inicial de Alfabetização e demais leis que regulamentam o ensino do país. De acordo com tais leis a escola terá 75% dos conteúdos básicos, sendo complementada por 25 % da parte diversificada, a qual já foi definida por meio de projetos, tais como: os de leitura, horta, recreio supervisionado, datas comemorativas, entre outros. Todos os projetos desenvolvidos por essa Instituição Escolar têm como eixo norteador o trabalho através de valores. Sentimos a necessidade, além de transmitir conteúdos significativos para o desenvolvimento intelectual de nossos alunos, a melhoria e o resgate da boa educação, da boa conduta e do bom convívio social. Por isso, em todos os nossos projetos serão abordados questões como: identidade, diferenças, atitudes, necessidades, inclusão, discriminação, entre outros; bem como um trabalho sistematizado curricular desenvolvido em sala de aula paralelamente aos conteúdos trabalhados. Com relação à diversidade cultural é possível afirmar a necessidade de uma educação multicultural na qual, principalmente, a diversidade étnica seja respeitada. Tal aspecto é desenvolvido durante todo o ano letivo de forma a complementar os conteúdos estudados em sala de aula. O objetivo principal é de romper com propostas de massificação de identidades para que consigamos trabalhar no âmbito escolar no sentido de garantir a multiculturalidade a partir da diversidade. A idéia é resgatar a história e a cultura afro-brasileira, assim como a história e a cultura indígena, numa tentativa de contribuir para a construção de novas relações nas quais a diversidade seja o foco de reflexão e de respeito. Esse projeto visa atender às Leis /2003 e /2008. Temáticas a serem trabalhadas: A formação do povo brasileiro; Direitos, Lutas e Políticas; Afro-Brasileiros / Indígenas / Europeus Africanos, afro-descendentes e indígenas no mundo;

18 A vida dos negros na África antes da escravidão no Brasil; A vida dos índios no Brasil; Estudo da Fotobiografia de afro-descendentes / indígenas; Danças e músicas de origem africana / indígena; Contribuição dos negros / índios para a nossa Língua e Cultura; Casas e cidades do tempo em que o Brasil era colônia de Portugal; Pessoas de destaque na história e cultura afro-brasileira e indígena; Máscaras africanas e indígenas, Identidade; Instrumentos musicais de origem africana / indígena; Culinária afro-brasileira / indígena; Contos Africanos / Lendas indígenas; Cultura e História Afro-brasileiras / Indígena. Modalidade da Educação Infantil: Desenvolver a criança em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social complementando a ação da família e da comunidade. Numa perspectiva de educação para uma cidadania, devemos possibilitar o alcance de três objetivos básicos: Construção da identidade e autonomia; Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar; Ampliação progressiva dos conhecimentos de mundo. Modalidade do Ensino Fundamental de 8 anos 3ª e 4ª série: Ler e interpretar o mundo da escrita de forma autônoma, extrapolando o âmbito escolar até sua vida diária, lidando com situações-problema, levantando hipóteses e estratégias para solucioná-las. Estimular a pesquisa e descoberta através do Projeto Ciência em Foco levando a um pensamento crítico das descobertas científicas refletindo sobre ações que a humanidade pode fazer para transformar a atual situação do meio ambiente. Modalidade do Ensino Fundamental de 9 anos BIA 1º, 2º e 3º Ano: coletivo com: Usar estratégias pautadas nos princípios metodológicos do BIA por meio de um trabalho

19 1. Reagrupamento (intraclasse, interclasse e extra-classe); 2. Projetos Interventivos; 3. Momentos de vivência. Tais medidas visam chegar à leitura e escrita, evidenciando a semântica das letras, ou seja, contextualizando a alfabetização levando o aluno a ler, interpretar o mundo da escrita. Desenvolver o espírito investigativo na área de Ciências por meio do Ciência em Foco, projeto da Secretaria de Educação com a parceria da Sangari Brasil Organização Curricular Nossa organização curricular é pautada nas Orientações Curriculares da Educação Básica Ensino Fundamental Séries e Anos Iniciais do Distrito Federal, que tem por objetivo preparar o aluno para o exercício da cidadania, por meio da socialização no espaço escolar de conhecimentos, competências, habilidades, valores e atitudes. Nosso currículo está organizado de forma a atender os objetivos previstos para a educação escolar, tendo como princípios a: diversidade de experiências e vivências pessoais dos alunos; a resolução de problemas de diferentes tipos; o domínio da palavra escrita como ferramenta para compreender o mundo; o conhecimento como recurso para tomar decisões. Áreas de abrangências do Currículo: ( x ) área de conhecimento. ( x ) componente curricular. ( x ) competências e habilidades. ( x ) eixo integrador. ( x ) projetos interdisciplinares. Desenvolvemos 09 projetos, dentre os quais 07 contemplam todas as séries/anos, e 02 projetos que contemplam nosso grupo de professores Projetos Pedagógicos Os projetos desenvolvidos pela escola têm por objetivos o desenvolvimento humano em sua amplitude, de modo que nossos alunos saibam: argumentar-se, comunicar-se, compreender e agir, enfrentar problemas de diferentes naturezas, interagirem de forma prática e solidária no meio social, ser capaz de elaborar críticas e adquirir atitudes de permanente aprendizado, ou seja, aprender a: conhecer, a viver, a fazer e a ser. E tais projetos são pautados nos princípios do Estatuto da Criança e do Adolescente Lei nº de 13 de julho de 1990, respeitando seus Direitos Fundamentais.

20 1. Denominação do Projeto: Datas Comemorativas Responsável pelo Projeto: Direção, Professores, Coordenador, Supervisor Pedagógico e Auxiliares da Educação. Justificativa: Nossa Instituição de Ensino evidencia uma grande necessidade de integração com a comunidade escolar, que muitas vezes se apresenta distante e desconhece as atividades pedagógicas desenvolvidas com suas crianças. Além disso, as atividades festivas com os alunos são uma rica oportunidade de integração entre eles e entre os funcionários. Porém, como as datas comemorativas são muitas, grande parte delas será trabalhada apenas com nossos alunos em sala de aula e/ou no pátio da escola. E apenas algumas, selecionamos para que haja uma interação entre alunos e comunidade escolar, tais como: Festa das Regiões, Festa da Primavera e Festa da Família. Outras datas importantes: Páscoa, Copa do Mundo de Futebol, Folclore, Mulher, Mãe, Circo, Meio Ambiente, Semana de Educação para a Vida, Consciência Negra, Feira de Ciência, Brasília, Dia das Crianças, Natal. Objetivo Geral: Integrar a comunidade escolar (pais, alunos e funcionários) através de eventos festivos referentes às datas comemorativas, durante o ano letivo, com cunho pedagógico e angariar fundos para a escola para culminância dos projetos desenvolvidos. Período de Realização: Durante o ano letivo de Procedimentos: Cada professor regente irá trabalhar o tema gerador decidido nas coordenações coletivas. O trabalho será realizado em sua sala e juntamente com as demais turmas irão preparar mensagens, desenhos, máscaras entre outros. Nas coordenações coletivas os professores decidirão se na culminância se entregarão alguma lembrança nessas datas. No dia da amostragem serão expostos todos os trabalhos realizados com essas datas. Os Murais da escola ficarão à disposição para retratar tudo que for desenvolvido em relação ao trabalho realizado com os temas escolhidos quinzenalmente. Porém, por possuirmos um número limitado de murais, os mesmos deverão ser revezados de 15 em 15 dias de acordo com a tabela abaixo. Cronograma dos Murais 1º semestre Matutino Vespertino 1º a 15 de Março 16 a 31 de Março 1º a 15 de Abril 16 a 30 de Abril 1º a 15 de Maio 16 a 31 de Maio 1º a 15 de Junho 16 a 30 de Junho Coletivo - Festa Junina (Julho)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

A compreensão da Educação Física em uma escola rural do Distrito Federal: uma

A compreensão da Educação Física em uma escola rural do Distrito Federal: uma 1 A compreensão da Educação Física em uma escola rural do Distrito Federal: uma experiência a partir do PIBID O presente trabalho tem o objetivo de apresentar de que forma as aulas de Educação Física tem

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO Na EEMASA - Escola Estadual Maria Augusta Silva Araújo, antes do início do ano letivo, professores, coordenação pedagógica e direção da escola definem coletivamente, em

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta - Faixa etária das crianças: 6 anos - Grau de escolaridade de professor: Nível Médio Magistério - Contexto sócio-cultural em que foi

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA COLÉGIO TIRADENTES DA PMMG- BARBACENA PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA JUSTIFICATIVA Percebendo que a indisciplina escolar é o problema que mais afeta o bom andamento dos alunos iremos trabalhar com

Leia mais

UNIDADE CACHOEIRINHA CIRCULAR 02/2014. Manaus, 29 de julho de 2014. Prezados Responsáveis,

UNIDADE CACHOEIRINHA CIRCULAR 02/2014. Manaus, 29 de julho de 2014. Prezados Responsáveis, UNIDADE CACHOEIRINHA Manaus, 29 de julho de 2014. CIRCULAR 02/2014 Prezados Responsáveis, Iniciamos os testes do 2º semestre escolar e aproveitamos a oportunidade para agradecer a parceria e confiança

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO

MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO Carla Bem PEREIRA 1 Carla Medeiros Roussenq LEAL 2 Daniele Lopes NETO 3 Josiane Piovezan PACHECO 4 Lara Nascimento de CAMPOS 5 RESUMO: O artigo apresenta a implantação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 309/2008-CEDF Processo nº 410.002824/2008 Interessado: Colégio Espaço Criativo

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 309/2008-CEDF Processo nº 410.002824/2008 Interessado: Colégio Espaço Criativo CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 18 de dezembro de 2008. DODF Nº 253, sexta-feira, 19 de dezembro de 2008 PÁGINA 45 PORTARIA Nº 89, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009. DODF Nº 34, terça-feira,

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

INFORMATIVO Nº 1 / 2014. Senhores pais

INFORMATIVO Nº 1 / 2014. Senhores pais INFORMATIVO Nº 1 / 2014 Senhores pais Mais um ano se inicia... Não temos palavras para agradecer a confiança que depositam em nosso trabalho ao matricularem seus filhos na Premier. Após um período de alguns

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar

Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar Lucita Briza, 2005 (novaescola@atleitor.com.br) Para oferecer um ensino adequado às necessidades de seus alunos, a escola precisa saber o

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO:

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO: DENOMINAÇÃO DO PROJETO : Convivência Social, Ética e Valores Humanos na Educação Infantil INÍCIO EM: 06 e 07 / 02 / 12 TÉRMINO EM : 05 / 12 / 12 TOTAL DE 156 HORAS Nunca estamos preparados para a surpresa

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2010.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2010. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2010. 01 Contexto Histórico Cultural. Promover na escola espaços democráticos exige o desenvolvimento de ações que possibilitem a autonomia, a participação, a cooperação e o

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL MARIA APARECIDA MEDEIROS ENSINO FUNDAMENTAL E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

ESCOLA MUNICIPAL MARIA APARECIDA MEDEIROS ENSINO FUNDAMENTAL E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. ESCOLA MUNICIPAL MARIA APARECIDA MEDEIROS ENSINO FUNDAMENTAL E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. PLANO DE AÇÃO LILIAN MARA BONETTE BIANCHINI 2012-2013 1. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR A Escola Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR - SC CONCURSO PÚBLICO - EDITAL N o 001/2015. ANEXO I - corrigida em 29/04/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR - SC CONCURSO PÚBLICO - EDITAL N o 001/2015. ANEXO I - corrigida em 29/04/2015 CÓDIGO DO ÁREA DE ATUAÇÃO REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS JORNADA SEMANAL VENCIMENTO- BASE (R$) NÍVEL SUPERIOR 01 02 03 AUXILIAR DE BIBLIOTECA ESPECIALISTA EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS ESPECIALISTA

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010 MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução n 01/2010 Fixa normas para o Ensino Fundamental de 09 (nove) anos da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, Santa Catarina. O CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA

PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA Rachel de Souza Melo 1 - rachelmelo2@hotmail.com; Romário Roberto Xavier de Araújo 2 - romarioaraujo124@gmai.com; Catarina de Medeiros

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal Homologado em 13/12/2010, DODF nº 236 de 14/12/2010, pág. 36 Portaria nº 231 de 15/12/2010, DODF nº 239 de 17/12/2010, pág. 7 PARECER Nº 284/2010-CEDF Processo nº 460.000894/2009 Interessado: Centro de

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixar filhos melhores para o nosso planeta PROJETO: CONVIVÊNCIA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Introdução Histórico

Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Introdução Histórico 1 Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Ana Lúcia Lico Associação Brasileira de Cultura e Educação Introdução A missão da ABRACE é preservar e promover

Leia mais

PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85

PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85 PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85 PROJETO DE LEI 01-00415/2012 do Executivo (Encaminhado à Câmara pelo Sr. Prefeito com o ofício ATL 96/12). Aprova o Plano Municipal de Educação da Cidade de São Paulo para

Leia mais

Srs. Pais, A direção.

Srs. Pais, A direção. Srs. Pais, Para o Centro de Educação Básica Prof. Luciano Feijão, educar é mais do que transmitir conhecimentos, é formar um cidadão completo, não apenas com informações, mas com valores éticos e morais.

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS Linhas de Ação:

1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS Linhas de Ação: NÍVEL COMUNITÁRIO 1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS A - que se promovam atividades esportivas e culturais, envolvendo pais, alunos, professores e demais membros da Comunidade para vivenciar valores,

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA

EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA Sabrina Sgarbi Tibolla 1 ;Sabrina dos Santos Grassi 2 ; Gilson Ribeiro Nachtigall 3 INTRODUÇÃO A horta escolar é uma estratégia de educar para o ambiente, para a

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Proposta de Estrutura Curricular do Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos com um Bloco Pedagógico nos Três Anos Iniciais RELATORA: Aldenilse Araújo

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP Patrícia Helena Boldt Terossi Orientadora Técnica Oficina Pedagógica-SEC PROJETO SALAS DE LEITURA 1-JUSTIFICATIVA: O acesso à aprendizagem da leitura apresenta-se

Leia mais

REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI

REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI Francisco Cleiton da Rocha 1 Marcos Vinícius de Sousa 2 Stella Indira Rocha Lobato 3 1 Professor Assistente da Universidade

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

BRINQUEDOTECA. prevista no Projeto Pedagógico de Curso, idealizado pelo primeiro Núcleo Docente

BRINQUEDOTECA. prevista no Projeto Pedagógico de Curso, idealizado pelo primeiro Núcleo Docente BRINQUEDOTECA A brinquedoteca da Faculdade de Sorocaba faz parte da proposta pedagógica prevista no Projeto Pedagógico de Curso, idealizado pelo primeiro Núcleo Docente Estruturante (NDE) desta unidade

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos 1 IDENTIFICAÇÃO Abrangência do Projeto: ( ) Estadual ( ) Regional (x) Intermunicipal (no mínimo três municípios): Piraquara, Pinhais e Quatro Barras 1.1 Dados

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - PRESENCIAL

MANUAL DE ORIENTAÇÕES ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - PRESENCIAL MANUAL DE ORIENTAÇÕES ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - PRESENCIAL UNISA CURSO DE PEDAGOGIA PRESENCIAL MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA Art. 1.º Entende-se, para efeitos dessa resolução, o estágio como ato educativo escolar supervisionado a ser desenvolvido em locais

Leia mais

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição:

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição: Página 1 Conhecendo O Nesta Edição: História 1 Corpo Docente Visita à Sabesp 2 Visita à Prefeitura Feira de Ciências 3 Festa Junina Festa do dia das mães 4 Visita ao Lar Irmã Julia Visita ao Viveiro Projeto

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Prefeitura de São José do Rio Preto, 30 de Janeiro de 2013. Ano IX nº 2732 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME N 02/2013

Prefeitura de São José do Rio Preto, 30 de Janeiro de 2013. Ano IX nº 2732 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME N 02/2013 Prefeitura de São José do Rio Preto, 30 de Janeiro de 2013. Ano IX nº 2732 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME N 02/2013 Estabelece diretrizes, normas e prazos para entrega dos Planos

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais