PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS GESTORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MARINEZ DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS GESTORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MARINEZ DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA PROPPEC CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PMPGPP PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS GESTORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MARINEZ DA SILVA ITAJAÍ (SC), 2011

2 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA PROPPEC CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PMPGPP PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS GESTORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MARINEZ DA SILVA Dissertação apresentada à Banca Examinadora no Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, sob a orientação da Profª. Drª. Adriana Marques Rossetto, como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Gestão de Políticas Públicas. ITAJAÍ (SC) 2011

3 À Deus, pela saúde e força interior. À minha mãe Marília (in memoriam) e meu pai José, a quem dedico integralmente este trabalho, pelo amor, amizade, incentivo, otimismo, honradez, humildade e por sempre mostrar-me que tudo vale a pena e é possível. Ao Eugenio meu companheirão, paciencioso e afetuoso. Aos meus irmãos Rita, Arésio, Odete, Carmen, Marlus, Ulisses, Angela, Cid, Sueli, Lucia Helena, Nilton, Gil, Carlos Eduardo, Marcio, Lucia e também aos meus sobrinhos e sobrinhas, pelo apoio e pelas palavras de incentivo e carinho. Aos companheiros de viagem e de curso, em especial a incansável e incentivadora amiga Maria. Aos colegas da UFPR, especialmente ao time da Unidade de Avaliação, Denize, Romilda, Nelio, Guilherme, Maria e Mario. Aos amigos de sempre e de todas as horas Virginia, Rosângela, Leonor, Solange, Marize. Aos compadres Janet e Gondin e afilhado Henrique. Pelo incentivo, pelo apoio, pela amizade, pela paciência e principalmente pelo amor que permitiram a este sonho se tornar realidade.

4 AGRADECIMENTOS À professora Drª. Adriana, minha competente e dedicada orientadora, que nunca se furtou de estar presente sempre que solicitada. À professora Neusa que como integrante das bancas de qualificação e da defesa da dissertação trouxe sugestões que contribuíram sobremaneira para o melhor resultado deste estudo. Aos professores da UNIVALI, Maria José, Flavio, Guerini, Maria Glória, Stanziola, Boeira, Januário, Rodrigo, Stavros, Sérgio Torres e Ivann que propiciaram vasto aprendizado teórico prático, induzindo a certeza da escolha do curso e da Universidade que, com seu corpo docente competente e afinado, vislumbra as carreiras técnicas realizar um curso que vai ao encontro de seu melhor desempenho e crescimento pessoal e profissional. Ao pessoal da secretaria do Programa de Pós-Graduação Tânia e Luis Fernando pela competência, presteza, atenção e carinho. Ao Clóvis, Lucinha, Valter e Maria, jamais me esquecerei da noite do pastel. À Pró-Reitora Laryssa e ao Coordenador Cavazzani, pelo apoio e pelas palavras de incentivo. À turma de mestrandos 2010/2011, pelo coleguismo. Ao Mestre Alexandre pelo incentivo e orientação nos momentos iniciais da definição do tema da dissertação. À Leociléa pelo profissionalismo na revisão deste trabalho. E a todos que de alguma forma me impulsionaram para a concretização do sonho de contribuir para que a Universidade Federal do Paraná, que é minha segunda casa, possua servidores técnicos e docentes motivados para realizar uma atuação eficaz, eficiente e efetiva com a subordinação de gestores capacitados.sei que estou findando uma importante etapa da minha jornada, sinto-me feliz e agradecida, principalmente a Deus, pela saúde e pelos holofotes que iluminam o caminho a seguir.

5 A administração deve enfrentar o desafio da inovação mais do que confiar na imitação. A melhoria da gerência pública não é só uma questão de se estar em dia com o que está ocorrendo na iniciativa privada: significa também abrir novos caminhos. (Les Metcalfe; Sue Richards)

6 RESUMO O trabalho ora apresentado tem por objetivos levantar o número de funções gerenciais, classificando-as por características de atribuições; mapear as atribuições necessárias para o desempenho das diferentes funções gerenciais; identificar as necessidades dos servidores para o exercício da atividade de gestão e averiguar as formas de implementação de um programa de capacitação para gestores da UFPR. Vem ao encontro também do cumprimento dos ditames legais do Governo Federal quanto à exigência da capacitação gerencial como pré-requisito para o exercício da atividade de gestão. A metodologia está alicerçada numa pesquisa qualitativa. Selecionaram-se como técnicas de coleta de dados a observação e a entrevista; a última foi aplicada dentre dezesseis servidores docentes e técnico-administrativos em educação com experiência na atuação em cargos gerenciais, assumidos na UFPR. Dos resultados foi possível, pela qualidade das respostas, mapear as atribuições requeridas para o desempenho gerencial e os conteúdos, ditos imprescindíveis para uma atuação profissional que objetiva fundamentalmente minimizar as principais dificuldades para o exercício de funções gratificadas e cargos de direção nos diversos patamares de responsabilidades da Instituição. A pesquisa pretende contribuir para a construção de um programa de capacitação gerencial para os servidores da UFPR, composto por uma gama de eventos nas modalidades de educação presencial e à distância, nos quais os servidores, ao concluírem cada uma das etapas, estarão munidos com ferramentas e conhecimentos necessários para implementar uma gestão bem sucedida, na perspectiva de uma administração pública eficaz, eficiente e efetiva. Conclui-se de que para tanto, é necessário investir na profissionalização dos gerentes e na melhoria da qualidade dos serviços prestados ao cidadão. Palavras-chave: Atividade de gestão. Capacitação gerencial. Administração pública.

7 ABSTRACT The aim of this dissertation was to: determine the number of management functions, classifying them according to their different attributions; map the necessary attributions for the development of different management duties; identify the needs of civil servants in order for them to perform management activities; and investigate ways of implementing a development program for managers at the UFPR. This is in accordance with the Federal Government guidelines that establish the need for civil servants to undergo a management development program as a condition for them to work as managers. The methodology is based on a qualitative research approach. The research used was observation, and interviews as a means of collecting data; the interviews were applied to sixteen civil servants (both teachers and technical/administrative) in the area of education, who had experience in management positions at the UFPR. It was possible, from the quality of the answers, to map the fundamental contents for the professional activity, in order to minimize the main difficulties that civil servants experience in the exercise of managerial positions in different levels of responsibility within the institution. The research also seeks to contribute to the construction of a management development program for servers at the UFPR, which consists of a range of face-to-face and long distance education activities. After completing each unit or module, the civil servants will have the necessary skills and tools to implement an efficient, competent, effective, and successful public administration. It is concluded that it is necessary to make investments in the education and development of managers and the improvement of the quality of services offered to the public. Key words: Management. Management development. Public administration.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA FIGURA 2 DEFINIÇÃO DE PAPÉIS ORGANIZACIONAIS FIGURA 3 AS FUNÇÕES DO DIRIGENTE PÚBLICO FIGURA 4 ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS INERENTES A FUNÇÃO FIGURA 5 ATIVIDADES DE PLANEJAMENTO INERENTES A FUNÇÃO FIGURA 6 ATIVIDADES ACADÊMICAS INERENTES A FUNÇÃO FIGURA 7 ATIVIDADES INERENTES A FUNÇÃO QUANTO A GESTÃO DE PESSOAS FIGURA 8 DIFICULDADES PARA O DESEMPENHO DA FUNÇÃO GERENCIAL QUANTO A ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA UFPR FIGURA 9 DIFICULDADES PARA O DESEMPENHO DA FUNÇÃO GERENCIAL QUANTO A INFRAESTRUTURA FIGURA 10 DIFICULDADES PARA O DESEMPENHO DA FUNÇÃO GERENCIAL QUANTO AO DESPREPARO PARA A FUNÇÃO GERENCIAL FIGURA 11 CARACTERIZAÇÃO DA FORMA DE GESTÃO FIGURA 12 RAZÕES QUE IMPEDEM O APERFEIÇOAMENTO DOS INVESTIDOS EM FUNÇÕES OU CARGOS GERENCIAIS FIGURA 13 MAPEAMENTO DA OPÇÃO SOBRE A MODALIDADE DE ENSINO FIGURA 14 CONTEÚDOS SUGERIDOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO GERENCIAL... 88

9 2 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 - QUANTITATIVO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS E CARGOS DE DIREÇÃO DOS SETORES ACADÊMICOS DA UFPR (Eleitos e Indicados) QUADRO 2 - ESTRATÉGIA, COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS E INDIVIDUAIS QUADRO 3 - DISTRIBUIÇÃO DO NÚMERO DE FUNÇÕES DE CHEFES DE DEPARTAMENTO E COORDENADORES DE CURSO DE GRA- DUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DOS SETORES ACADÊMICOS DA UFPR QUADRO 4 - DEMONSTRATIVO DA CARREIRA DOS TAE ESTABELECIDA PELO PCCTAE (2005) QUADRO 5 - DEMONSTRATIVO DO TEMPO DE SERVIÇO, EM RELAÇÃO À FAIXA ETÁRIA E AO SEXO QUADRO 6 - DEMONSTRATIVO DO CARGO OCUPADO NA UFPR EM RELAÇÃO AO NÍVEL DE ESCOLARIDADE E LOCAL DE ATUAÇÃO QUADRO 7 - DEMONSTRATIVO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS OU CAR- GOS DE DIREÇÃO OCUPADAS PELOS ENTREVISTADOS QUADRO 8 - MATRIZ CURRICULAR COM AS RESPECTIVAS CARGAS HORÁRIAS... 91

10 15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AG Art. BL CAPES Cad. CD CDES Cedam CEM CEPA CEPE CGU CHA CIPEAD CL COPLAD COSB COUN CP CT DASP DOC EaD ED EP ET ENAP FG GESPÚBLICA HC FHC Setor de Ciências Agrárias Artigo Setor de Ciências Biológicas Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Caderno Cargo de Direção Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social - Conselhão Centro de Desenvolvimento da Administração Pública Centro de Estudos do Mar Comissão de Estudos e Projetos Administrativos Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPR Controladoria Geral da União Conhecimento Habilidade Atitude Coordenadoria de Integração de Políticas de Educação a Distância Setor Campus Litoral Conselho de Planejamento e Administração da UFPR Comissão de Simplificação Burocrática Conselho Universitário da UFPR Campus Palotina Setor de Ciências da Terra Departamento Administrativo do Serviço Público Docente Educação a Distância Setor de Educação Setor de Educação Profissional e Tecnológica Setor de Ciências Exatas Escola Nacional de Administração Pública Função de Confiança Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Hospitais de Clínicas Fernando Henrique Cardoso

11 16 HL IFE JD LDBN MAEP MARE MEC MPOG ONU PCCTAE PDI PDIC PNAGE PPA PRA PRAE PROEC PROGEPE PROGRAD PROMOEX PROPLAN PRPPG PUCRCE Res. RJU RU SA SAF SEDAP Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Instituição Federal de Ensino Setor de Ciências Jurídicas Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Museu de Arqueologia e Etnologia de Paranaguá Ministério da Administração e Reforma do Estado Ministério da Educação Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento dos Integrantes da Carreira Programa Nacional de Apoio a Modernização da Gestão Plano Plurianual Pró-Reitoria de Administração Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Pró-Reitoria de Graduação Programa e Modernização do Controle Externo Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Finanças Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Plano Único de Classificação e Retribuição de Cargos e Empregos Resolução Regime Jurídico Único Restaurante Universitário Setor de Ciências Sociais Aplicadas Secretaria da Administração Federal da Presidência da República Secretaria de Administração Pública da Presidência da República

12 17 SIBI SD TAE TC TIC UFPR UNESCO Sistema de Bibliotecas Setor de Ciências da Saúde Técnico-Administrativo em Educação Setor de Tecnologia Tecnologia da Informação e Comunicação Universidade Federal do Paraná United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO REVISÃO DA LITERATURA EDUCAÇÃO: ALGUNS SIGNIFICADOS ASPECTOS SOBRE GESTÃO Evolução da Administração Pública no Brasil Gestão por Competências na Administração Pública Aspectos Legais da Gestão por Competências CAPACITAÇÃO GERENCIAL O CONTEXTO DA PESQUISA A UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Competências para o Exercício de Funções Gerenciais na UFPR DELINEAMENTO DA PESQUISA SUJEITOS DA PESQUISA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS PERFIL DOS ENTREVISTADOS ATIVIDADES INERENTES ÀS FUNÇÕES CARACTERIZAÇÃO DA FORMA DE GESTÃO CAPACITAÇÃO GERENCIAL PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO GERENCIAL CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS APÊNDICES

14 15 1 INTRODUÇÃO A proposta de um programa de capacitação gerencial está alicerçada na visão da Administração Pública, com foco em resultados, onde são contemplados o planejamento, orçamento e gestão. As Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), diante deste cenário, devem estar em consonância com os modelos gerenciais vigentes na administração pública e a Universidade Federal do Paraná (UFPR) é parte integrante deste sistema. Na UFPR o quadro de servidores é composto por docentes (DOC) e técnicoadministrativos em educação (TAE), nomeados por concurso público para os cargos de magistério superior e de 1º e 2º Graus e os TAE para cargos que exigem desde o ensino fundamental incompleto até graduação. Do universo de servidores, os cargos gerenciais totalizam seiscentos e sessenta e oito e são ocupados por servidores de carreira. Do total de cargos gerenciais, 45% são eleitos, pelo voto de docentes, técnico-administrativos em educação, ativos e aposentados e dos discentes. Tanto os eleitos, como os demais 55%, que são indicados para as funções gerenciais, assumem a incumbência de conduzir as Unidades Administrativas e as Unidades ou Setores Acadêmicos 1 (QUADRO 1) 2. Os cargos de direção (CD) têm um caráter estratégico e as funções gratificadas (FG) um caráter tático e operacional. 1 Entende-se por Setores Acadêmicos aquelas Unidades diretamente vinculadas ao ensino, pesquisa e extensão, as demais são as Unidades Administrativas. 2 O Campus Palotina e os Setores Campus Litoral e de Educação Profissional e Tecnológica têm uma estrutura organizacional diferenciada das demais Unidades e Setores Acadêmicos da UFPR, pois não há Departamentos e nem Coordenação de Curso de Pós-Graduação.

15 16 QUADRO 1 QUANTITATIVO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS E CARGOS DE DIREÇÃO (ELEITOS E INDICADOS) DOS SETORES ACADÊMICOS DA UFPR UNIDADE / CARGO ou FUNÇÃO Direção e Vice-Direção Funções ADM Chefia de Deptº Secr de Deptº Coord de C Grad Secr de Coord Coord Curso PG Secr de Curso PG TOTAL POR UNIDADE TOTAL ELEITOS TOTAL INDICADOS SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS SETOR CAMPUS LITORAL CAMPUS PALOTINA SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA SETOR DE EDUCAÇÃO SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES SETOR DE CIÊNCIAS JURÍDICAS SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE SETOR DE TECNOLOGIA TOTAL POR CARGO ou FUNÇÃO Fonte: Dados do Relatório de Designações em Função ou Cargos de Direção, relativo à Folha do mês de Dezembro/2010, extraídos pela autora A autora deste trabalho, servidora da UFPR, exerce funções gerenciais há mais de 15 anos, em diferentes cargos. Isto contribuiu para que percebesse que nem sempre os servidores sejam eleitos ou indicados foram preparados devidamente para assumir as responsabilidades que aqueles cargos exigem. Assim, o desafio que se apresenta é que a própria Instituição propicie condições para o preparo necessário dos servidores para a gestão e, em consequência, adéque o funcionamento da máquina pública para a eficiência, a eficácia e a efetividade. Isso vem ao encontro das metas que o Governo Federal vem traçando a respeito da capacitação enquanto requisito para ocupação gerencial, de modo que os cargos e funções gerenciais sejam preenchidos utilizando-se, além do mérito, de critérios de competências e capacidades para exercer funções de gestão. No caso específico das Instituições de Ensino Superior, são atribuições inerentes ao seu próprio objetivo institucional a capacitação, o treinamento, a reciclagem, o desenvolvimento, o aperfeiçoamento e a qualificação de profissionais das diferentes áreas do conhecimento. Estas atribuições tornam-se fator facilitador para a concretização de um programa de capacitação que aborde conteúdos

16 17 pautados na especificidade dos vários níveis de funções. Cabe ainda salientar que as ações governamentais levam ao entendimento de que os caminhos traçados pela legislação federal são irreversíveis e as instituições públicas, por sua vez, devem seguir o que a legislação determina, em especial as Universidades, que são Instituições de Ensino e dispõe de profissionais de quadros docente e técnico qualificados para transmitir conhecimentos teórico-práticos nas diversas áreas do saber. A UFPR é uma instituição multicampi, isto é, suas unidades estão distribuídas em diversos campi, localizados na capital Curitiba, no litoral e no interior do Estado do Paraná. Sendo assim, com o intuito de que todos os servidores que exercem cargos de chefia inclusive aqueles que têm dificuldades de deslocamento, por trabalharem em campi afastados sejam beneficiados com um programa de capacitação, este estudo indica a possibilidade da veiculação dos conteúdos teóricos por meio da educação a distância (EaD), alternando estes com eventos que privilegiem as temáticas do cotidiano, o que poderá servir de exemplo e dinamizar o aproveitamento nos cursos, além de facilitar o aprendizado. Segundo Preti (apud CARVALHO, 2011, p. 45), a EaD deve ser compreendida como uma modalidade de se fazer educação pela democratização do conhecimento, que deve estar disponível a quem se dispuser a conhecê-lo, independente do lugar, do tempo e de estruturas formais de ensino. Costa e Nascimento (2004) complementam que a EaD é uma alternativa para a sociedade que necessita da disponibilidade do conhecimento a qualquer momento, em qualquer lugar e, sobretudo, quando necessário e oportuno. Desta forma, deve ocorrer um processo de mudança por meio de uma transformação onde será necessário que as lideranças se alinhem numa visão compartilhada do futuro que a organização deseja construir, iniciando pela clareza do seu diagnóstico atual (SANTOS et al., 2001). A EaD atua como importante instrumento para superar limites como tempo e espaço no ambiente educacional. Nesta modalidade de ensino, não há necessidade de professores e alunos se encontrarem presencialmente em um mesmo local no período de formação. Cria-se a possibilidade de comunicação assíncrona; a interação se dá mediante as tecnologias da informação e comunicação (TICs), seja por meio de chat, fórum, videoconferência, teleconferência, correio eletrônico, plataformas de ambientes virtuais, entre outros.

17 18 Historicamente, o Governo Federal implementou programas e políticas públicas de capacitação dos servidores públicos federais, mas, muitas vezes, a implantação dos programas demonstrou ineficácia no desenvolvimento de pessoal. Vale ressaltar que a preparação do servidor para o exercício da atividade de gestão é parte do pressuposto de que a Gestão Pública deve ser eficaz, eficiente e efetiva e conforme prevê o Decreto n /2006, no art. 7º. Item IV: [...]a preparação do servidor para o desenvolvimento da atividade de gestão deverá se constituir em pré-requisito para o exercício de função de chefia, coordenação, assessoramento e direção (BRASIL. Presidência da República, 2006) Esta determinação, preconizada pela legislação federal, revela a necessidade de uma política institucional que capacite o servidor para as funções de chefia, coordenação, assessoramento, direção, supervisão. Efetivamente, foram promulgados os decretos 5.378/2005, 5.707/2006 e 5.825/2006, que instituíram o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (GesPública). Todos estão incluídos na Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal para o Poder Executivo. Outras medidas incluem, respectivamente, as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento dos Integrantes do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação (PDIC/PCCTAE) e os Programas de Avaliação de Desempenho, de Dimensionamento das Necessidades de Pessoal e de Capacitação e Aperfeiçoamento (BRASIL. Presidência da República, 2006). O Decreto 5.825/2006 previu a gestão como uma das linhas de desenvolvimento, na qual a atividade de gestão se constitui em pré-requisito para o exercício da função gerencial. No entanto, a UFPR não adotou políticas para atender ao disposto na legislação, no que concerne a obrigatoriedade da capacitação gerencial. Em consonância com as medidas tomadas pelo Governo Federal, a possibilidade de utilização da EaD é uma alternativa de capacitação competente, contínua e de fácil acesso para atender as necessidades institucionais e possibilitar que o servidor obtenha os conteúdos específicos para atuar nas diferentes funções gerenciais e desenvolver uma nova perspectiva profissional, de tal forma que o reflexo possa ser sentido nos resultados alcançados na gestão pública de qualidade e eficiente dentro da UFPR. A capacitação gerencial contínua e permanente contribui para que o servidor se mantenha constantemente atualizado, realize uma

18 19 gestão competente, com conhecimentos necessários ao desempenho de suas funções; além de auxiliar o profissional no processo de tomada de decisão. Então, tendo em vista o que foi dito até aqui, o que justifica o presente estudo é a necessidade da proposta de um programa de desenvolvimento gerencial, tanto presencial quanto na modalidade da EaD, que propicie aos servidores da UFPR docentes e técnico-administrativos em educação a preparação para o desenvolvimento da atividade de gestão, pois esta é a política adotada na esfera federal do serviço público, além, é claro de que esta iniciativa trará benefícios para a instituição, que, ao desenvolver um programa deste porte terá benefício duplicado, através do desenvolvimento pessoal e profissional de seus servidores e do desenvolvimento institucional como um todo. Pretende-se, portanto, que, com base nos princípios da eficácia, eficiência e efetividade na administração pública, o tema escolhido para servir de objeto de estudo desta dissertação traga uma contribuição para que a capacitação gerencial seja uma realidade na UFPR. 1.1 OBJETIVOS Este estudo tem por objetivo geral elaborar uma proposta de um programa de capacitação para os gestores da Universidade Federal do Paraná. Entre outros, o estudo contempla o levantamento do número de funções gerenciais classificando por características de atribuições; o mapeamento das atribuições necessárias para o desempenho das diferentes funções gerenciais; a identificação das necessidades dos servidores para o exercício da atividade de gestão; e, finalmente, a averiguação das formas de implementação de um programa de capacitação para gestores da UFPR, tanto na modalidade de educação presencial quanto à distância. 1.2 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Para reflexão sobre o assunto pesquisado, estruturou-se este trabalho em quatro partes. Inicialmente, discutiu-se o tema à luz do referencial teórico, que contempla um resgate sucinto da evolução do aparelho do Estado, desde os anos 30. Tal evolução teve especial influência internacional, com novos modelos de

19 20 gestão, entre eles a conceituação dos modelos gerenciais, a clarificação dos termos eficácia, eficiência e efetividade e a implantação da gestão por competência pelo Governo Federal. Na sequência, descreveram-se os procedimentos metodológicos percorridos pelo estudo. No terceiro momento, foram analisados e interpretados os resultados coletados na pesquisa. A quarta etapa propôs um programa de capacitação gerencial. Finalmente, redigiram-se as considerações finais a que chegou este estudo.

20 21 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 EDUCAÇÃO: ALGUNS SIGNIFICADOS Uma vez que este trabalho enfoca uma proposta de capacitação, subentende a necessidade de se fazer, mesmo que resumidamente, algumas considerações sobre a Educação. Entende-se que a educação é um processo de formação humana. Esse processo pode ser de transformação, ou de construção, quando voltado para a renovação e inovação. Entretanto, muitas vezes é tratado erroneamente como um processo de replicação de conhecimento acumulado, falho e ultrapassado. Analisado na perspectiva do primeiro entendimento indicado, o processo educativo apresenta-se como emancipatório, de conquista, de construção, visto como fenômeno social, ou seja, não pode esconder seu contexto de poder. A relação social é intrínseca em todo o processo educativo num contexto que visa formar o cidadão capaz de exercer poder sobre sua vida e sobre as condições de sua existência. Nas palavras de Demo (1999, p. 29), tomamos educação como processo de constituição histórica do sujeito, através do qual [ele] torna-se capaz de projeto próprio de vida e de sociedade em sentido individual e coletivo. Ao se tomar consciência da responsabilidade social de construir uma proposta pedagógica de capacitação onde os sujeitos são os servidores da UFPR em funções gerenciais, há que se implementar mudanças na organização curricular, novas propostas de cursos, novas modalidades de educação, que apontam para novas configurações no modo de agir e pensar destes sujeitos culturais. Trata-se de construir processos em que os profissionais envolvidos juntamente com os professores e dirigentes transformem o modo como eles próprios se definem como sujeitos políticos capazes de exibir sensibilidades criticas, coragem cívica e formas de solidariedade enraizadas em um forte compromisso com a liberdade e a democracia (GIROUX, 1999, p. 191). Segundo Demo (1999, p. 10), vive-se numa sociedade e economia marcadas pela intensa transformação do conhecimento, sendo os avanços da informática um ponto fulcral nesse processo. As fontes de informação estão em permanente multiplicação e as competências requeridas pelas atividades de trabalho estão

21 22 intrinsecamente ligadas às novas tecnologias. O futuro da educação passa também pela instrumentação eletrônica. Os resultados da formação devem ter impacto educativo, proveniente da ambiência humana implicado nesse processo. Estas transformações exigem mudanças sobre o que e como ensinar em diferentes tempos e espaços, ou seja, muito mais do que um processo informativo atraente e dinâmico, é preciso garantir condições de aprendizagem com qualidade. Refletindo sobre os meios eletrônicos como impulsionadores de melhorias no campo didáticopedagógico, tem-se que reconhecer que eles são ferramentas para promoção do processo de aprendizagem. As mudanças na modalidade da educação são provocadas pelo amadurecimento que se faz dos processos quanto às diferentes possibilidades pedagógicas que garantem condições mais qualitativas de aprendizagem utilizando de tecnologias de informação e comunicação. Leite e Costa (2007) destacam que o uso da Internet e das tecnologias recentes têm proporcionado e ampliado, inúmeras possibilidades e oportunidades de inovação no campo da comunicação científica. Neste sentido, a EaD se coloca como uma modalidade importante no desenvolvimento e no contexto da política de expansão da educação no Brasil, principalmente na educação superior e nos processos de capacitação continuada. A EaD tem oportunizado reflexões sobre a necessidade de ressignificação de paradigmas relativos à educação, avaliação, currículo, gestão, papel do professor, dentre outros processos. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBN) n de 20 de dezembro de 1996, dá respaldo legal para a modalidade de educação à distância no Brasil. No artigo 80 estabelece a possibilidade da modalidade de educação à distância em todos os níveis e modalidades de ensino, regulamentada pelo Decreto n , de 20 de dezembro de 2005 (BRASIL. Presidência da República, 2005). Em 2003, o Ministério da Educação elaborou e publicou a primeira versão dos referenciais de qualidade para a educação superior à distância e em 2007 os submeteu à consulta pública para atualização e amadurecimento do documento anterior, publicando um novo documento denominado versão preliminar de Estes referenciais de qualidade circunscrevem-se no ordenamento legal vigente em complemento às determinações específicas sobre a matéria (BRASIL. Ministério da Educação, 2007).

22 23 Pode-se dizer que a EaD é um aprendizado que tem como pressuposto o exercício da autonomia. Preti (2005), quando afirmou que a autonomia não pode só ser desejada pelo aluno ou proposta institucionalmente, mas que ela deve ser exercida, trouxe uma reflexão sobre o dia a dia da auto-aprendizagem, com o intuito de que ela seja praticada de maneira prazerosa. É importante gostar do que se está fazendo e procurar visualizar a aplicabilidade. Os educadores têm papel fundamental neste processo, por isto devem estar capacitados para atuar com os novos conteúdos, pois o trabalho deles é que poderá ou deverá contribuir para levar aos educandos uma nova perspectiva de mundo, em que deve estar presente ao processo educacional a integração das inovações tecnológicas atrelada à ética e responsabilidade social. Vale citar o que argumenta Dias (2005), que fala sobre as plataformas de aprendizagem, uma nova forma de comunicação online que requer a capacitação dos docentes-tutores, responsáveis pela interface cognitiva e social entre as representações do conhecimento. Sobretudo, é importante o papel das formas colaborativas de aprendizagem, que podem ser uma solução para o enfrentamento da situação educacional, em que cada um apreende os conteúdos no momento mais adequado para si. O salto de qualidade está na disciplina pessoal e no tempo investido pelo educando nesta modalidade de ensino para a internalização dos conteúdos e, principalmente, na aplicação dos conhecimentos adquiridos. Todavia, na visão de Rose Rech, este processo de ensino limita um acompanhamento mais personalizado, uma interação constante e dificulta o estabelecimento de vínculos entre o grupo (RECH, 2006). Portanto, a modalidade de educação à distância deve priorizar a qualidade do ensino em vez de desejar atingir um grande número de pessoas, pois não se pode correr o risco de comprometer o processo de ensinoaprendizagem. 2.2 ASPECTOS SOBRE GESTÃO Nas palavras de Aquino (2009), gestão é o ato de gerir, administrar, organizar, planejar e liderar um projeto ou pessoas de uma equipe ou de uma organização. Para realizar uma gestão bem-sucedida, é imprescindível que o

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

3. PERFIL DOS SERVIDORES

3. PERFIL DOS SERVIDORES 3. PERFIL DOS SERVIDORES A política de pessoal das Carreiras Docente e Técnico-Administrativa em Educação da UFJF segue as regras do Serviço Público Federal, estabelecidas por Atos Normativos e Atos Autorizativos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP

Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP CONTRIBUIÇÃO DOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFBA À CONSTRUÇÃO DO PQSTAE- Programa de Qualificação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula uma construção negociada e inovadora POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS A construção de uma política de gestão de pessoas para o Governo Federal tem por

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 23/2012 Aprova a implantação do Sistema de Gestão de Pessoas por Competências (SGPC) da UFPB. O Conselho Universitário

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

GENILDO JOSÉ DA SILVA

GENILDO JOSÉ DA SILVA GENILDO JOSÉ DA SILVA gestão pública por resultado: uma alternativa para o desenvolvimento de Alagoas? Mestrando em Gestão Pública para Desenvolvimento do Nordeste RESUMO Este artigo faz uma análise das

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA. Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA

Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA. Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA Universidade Federal da Bahia (UFBA) Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA Antonio Virgilio Bastos Bittencourt

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais