OS IMPACTOS AMBIENTAIS PRODUZIDOS PELA SOCIEDADE E A BIODIVERSIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS IMPACTOS AMBIENTAIS PRODUZIDOS PELA SOCIEDADE E A BIODIVERSIDADE"

Transcrição

1 OS IMPACTOS AMBIENTAIS PRODUZIDOS PELA SOCIEDADE E A BIODIVERSIDADE Os problemas ambientais afetam e preocupam desde os países desenvolvidos aos em desenvolvimento. Lamentavelmente esses problemas são muitos e afetam todos sem distinção de classe, raça, gênero ou religião. Dentre estes problemas faremos menção aos problemas de maior gravidade, que atualmente afetam toda a humanidade. Acúmulo de resíduos: o crescimento da população aumenta o consumo de bens e produtos, acarretando, assim, o aumento e acúmulo de resíduos. A transformação desses resíduos, na maioria das vezes, é muito lenta, principalmente se observarmos o tempo que materiais não biodegradáveis, como plástico, levam pra se decompor. Diante do exagerado crescimento do acúmulo de resíduos, o homem se vê na necessidade de encontrar um destino para estes resíduos. Um deles, bastante utilizado, é a queima de resíduos, técnica que acarreta a liberação de uma grande quantidade de gases tóxicos e resíduos contaminantes do solo. Hoje, devido à preocupação com o desenvolvimento sustentável, se utiliza uma técnica menos danosa o aterro sanitário, na qual a escolha de um local adequado para a colocação dos resíduos acaba afetando menos o solo e as águas superficiais e subterrâneas. Mas outras medidas mitigadoras podem ser adotadas em relação ao problema do acúmulo de resíduos, a exemplo da reciclagem de material como papel e o alumínio, ou mesmo regulamentar, limitar ou até mesmo proibir a circulação de determinados resíduos, como, exemplo, os nucleares. Não podemos negligenciar os problemas que vêm ocorrendo com relação ao meio ambiente. Sentimos na pele as respostas catastróficas da natureza mediante séculos de exploração e poluição desenfreada. Isso tem ocorrido em razão do modelo econômico vigente que busca o lucro na base do custe o que custar sem poupar os recursos naturais. O meio ambiente tem se rebelado e sinalizado para a necessidade de mudanças de hábitos e de ações. Existe uma disparidade entre o preservar e o explorar e entre o discurso e a prática. Além de explorar os recursos naturais, o homem vem utilizando o meio ambiente para depositar seus resíduos e diluir seus dejetos. No caso do Brasil, ainda há um déficit por sinal grande na área da infraestrutura e do saneamento básico. No caso dos dejetos (resíduos de alimentos, fezes e urina), na maioria das cidades, são despejados nos cursos d água na forma in natura, ou seja, esgoto sem nenhum tratamento. Isso é uma velha prática que ocorre, mesmo havendo uma legislação antiga A Geografia Levada a Sério Página 1

2 que disciplinava essa ação. Para se ter uma ideia já no Código Sanitário do Estado de São Paulo de 1894 ficava expresso que os esgotos não deveriam ser lançados em cursos d água e presumia que, na falta de canalização, os dejetos poderiam ser lançados nos mesmos, entretanto, só depois de purificados. Adverte-se que, na época, não existiam recursos técnicos capazes de purificar o esgoto. Outro detalhe importante dessa legislação era que os esgotos deveriam ser lançados na parte do rio em que a corrente fosse mais forte e a jusante da população, pois, assim, permitiria a autodepuração. A legislação já detectava o problema do homem estar emporcalhando a natureza, mas não evoluiu de forma a evitar tantos problemas com relação aos dejetos. Hoje, a água contaminada é uma das causas principais da elevação da mortalidade infantil e da ocupação dos leitos dos hospitais por doenças infecciosas intestinais. Não podemos transformar nossos rios em cloacas da sociedade. Já no caso dos resíduos sólidos, ou seja, o lixo, o caso é mais grave ainda. Estima-se que, no mundo, entre o lixo domiciliar e comercial são produzidos 2 milhões de toneladas/dia. Imagine o que significa esse volume de lixo. Já parou para pensar? Isso equivale a 700 gramas por habitante de áreas urbanas. Só a população de Nova York, devido ao alto poder aquisitivo e tendo acesso a este consumismo desenfreado, tem uma média bem superior a essa. Estima-se que cada cidadão nova-iorquino gere 3 kg de lixo/dia. Vindo para o Brasil, estima-se que o paulistano gere 1,5 kg/dia. O Brasil concentra 3% da população mundial e é responsável por 6,5% da produção de lixo no mundo. Aliás, países pobres e ricos têm estimativas diferentes para a quantidade de lixo. Os habitantes dos países pobres produzem de 100 a 220 kg de lixo a cada ano ou de 0,27 kg a 0,6 kg por dia. E os dos países ricos produzem de 300 mil a 1 tonelada por ano ou de 0,82 kg a 2,7 por dia. Mas, o pior dos mundos é vivermos num país como o Brasil que caminha para o consumismo exacerbado que degrada a natureza e tem uma das maiores cargas tributárias do mundo, mas investe pouco em infraestrutura e saneamento básico. De todo o lixo gerado no Brasil, boa parte é armazenado de forma adequada em aterros, o restante encontra-se em lixões e mesmo em ambientes a céu aberto. Lixão em Campina Grande A Geografia Levada a Sério Página 2

3 O lixo disposto a céu aberto constitui um sério problema de saúde pública, pois propicia o surgimento de vetores, como artrópodes e roedores que podem transmitir doenças como leptospirose entre outras. O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou, no final de 2010, a Política Nacional dos Resíduos Sólidos, que tem o objetivo de incentivar a reciclagem de lixo e o correto manejo de produtos usados com alto potencial de contaminação. Antes da sanção da lei, o único responsável pelos resíduos era o município. Agora, não só a Prefeitura como também empresas e cidadãos comuns têm como dever cívico cuidar do seu lixo. A legislação, que tramitou no Congresso por cerca de 20 anos, ela considera a questão do poluidor-pagador como princípio importante para a responsabilidade compartilhada. Fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes agora são obrigados a fazer o caminho de volta e essa responsabilidade acabou criando a logística reversa, que é o caminho de volta dos resíduos. Ela responsabiliza as empresas pelo recolhimento de produtos descartáveis Moradores terão de separar o lixo doméstico nas cidades onde há coleta seletiva. Para que projetos de limpeza pública e manejo de resíduos recebam recursos, os municípios terão de aprovar planos de gestão. O artigo 54 da Política Nacional de Resíduos Sólidos impõe a exposição de resíduos de forma adequada em aterros até 2014, o que significa que até a Copa do Mundo os lixões devem ser eliminados das cidades brasileiras estabelecendo responsabilidades compartilhadas entre governo, indústria, comércio e consumidores sobre o destino final do lixo. As Prefeituras terão de construir aterros sanitários ambientalmente sustentáveis, onde só poderão ser depositados resíduos sem possibilidade de reaproveitamento. O serviço de coleta no Brasil se modernizou consideravelmente, mas ainda está longe do ideal, até porque o mundo atual é bem mais diversificado, e o problema do lixo também. Enquanto no Japão e no Canadá a coleta é de 100%, na União Europeia é de 99% e nos Estados Unidos é de 95%, no Brasil a taxa é de 62%. O volume de RSU - Resíduos Sólidos Urbanos gerado em 2010 pela população é 6,8% superior ao registrado pelo Panorama em Foram quase 61 milhões de toneladas de lixo produzidos nos últimos doze meses e o aumento populacional no país não é desculpa para esse crescimento: o estudo mostrou que a geração de resíduos aumentou seis vezes mais do que a população em 2010, o que significa que, no último ano, cada brasileiro produziu, sozinho, uma média de 378 kg de lixo. A Geografia Levada a Sério Página 3

4 E as más notícias não param por aí: o Panorama concluiu, ainda, que a quantidade de RSU com destinação inadequada aumentou quase dois milhões de toneladas, com relação a 2009: foram 23 milhões de toneladas encaminhadas a lixões e aterros controlados - que, por não possuírem mecanismos adequados de disposição e armazenamento do lixo, contaminam o solo e a água - contra 21,7 milhões, em A região que apresenta o pior índice de destinação inadequada é a Centro-Oeste, que encaminha mais de 71% do lixo que produz para lixões e aterros controlados. Em seguida aparece: Nordeste, com 66%; Norte, com 65%; Sul, com 30,3%; e Sudeste, com 28%3, onde situa-se o Estado com menor percentual de destinação incorreta de lixo: São Paulo, que é, ainda, o que mais produz RSU no Brasil: são mais de 55 mil toneladas por dia. O Rio de Janeiro, que ocupa a segunda posição do ranking, produz cerca de 20 mil toneladas diárias de lixo. O desafio agora é pôr em prática a lei. Hoje no país, as pessoas já desenvolvem a coleta seletiva nas casas, indústrias e empresas. O único problema é que esse processo de separação acaba se misturando quando o caminhão passa para recolher. O número de municípios no Brasil operando programas de coleta seletiva ainda é incipiente: 443 no Brasil todo, ou seja, apenas 8% do total, sendo a maior parte na regiões Sul e Sudeste (86%). Distribuição dos municípios com coleta seletiva por regiões: Norte (5); Centro-Oeste (13); Nordeste (45); Sul (159); Sudeste (221). Os dados são de A Geografia Levada a Sério Página 4

5 Em 2010, aparas de papel/papelão continuavam sendo os tipos de material reciclável mais coletado por sistemas municipais de coleta seletiva, seguidos dos plásticos em geral, vidros, metais e embalagens longa vida. A Política Nacional de Resíduos Sólidos tem um conjunto de instrumentos que a distingue como política pública. Com a sanção da lei, que distingue resíduo de rejeito, o Brasil passou a ter um marco regulatório nesta área. Resíduo é o lixo que pode ser reaproveitado ou reciclado e rejeito é o que não é passível de aproveitamento. A lei trata de todo tipo de resíduo: doméstico, industrial, construção civil, eletroeletrônico, da área de saúde etc. Cores da Reciclagem Quanto à fixação de habitantes nas áreas de disposição final do lixo, os estados, municípios e a União devem fazer planos, com diagnóstico da situação atual, proposição de cenários e estabelecimento de metas e programas. A partir de agora, as embalagens deverão ser fabricadas com materiais que propiciem a sua reutilização ou reciclagem. Diferença entre lixão, aterro controlado e aterro sanitário? Um lixão é uma área de disposição final de resíduos sólidos sem nenhuma preparação anterior do solo. Não tem nenhum sistema de tratamento de efluentes A Geografia Levada a Sério Página 5

6 líquidos - o chorume (líquido preto que escorre do lixo). Este penetra pela terra levando substâncias contaminantes para o solo e para o lençol freático. Moscas, pássaros e ratos convivem com o lixo livremente no lixão a céu aberto, e pior ainda, crianças, adolescentes e adultos catam comida e materiais recicláveis para vender. No lixão o lixo fica exposto sem nenhum procedimento que evite as consequências ambientais e sociais negativas. O aterro controlado é uma fase intermediária entre o lixão e o aterro sanitário. Normalmente é uma célula adjacente ao lixão que foi remediado, ou seja, que recebeu cobertura de argila, e grama (idealmente selado com manta impermeável para proteger a pilha da água de chuva) e captação de chorume e gás. Esta célula adjacente é preparada para receber resíduos com uma impermeabilização com manta e tem uma operação que procura dar conta dos impactos negativos tais como a cobertura diária da pilha de lixo com terra ou outro material di sponível como forração ou saibro. Tem também recirculação do chorume que é coletado e levado para cima da pilha de lixo, diminuindo a sua absorção pela terra. Mas a disposição adequada dos resíduos sólidos urbanos é o aterro sanitário que antes de iniciar a disposição do lixo teve o terreno preparado previamente com o nivelamento de terra e com o selamento da base com argila e mantas de PVC, esta extremamente resistente. Desta forma, com essa impermeabilização do solo, o lençol freático não será contaminado pelo chorume. Este é coletado através de drenos de PEAD (polietileno de alta densidade), encaminhados para o poço de acumulação de onde o A Geografia Levada a Sério Página 6

7 chorume acumulado será encaminhado para a estação de tratamento de efluentes. A operação do aterro sanitário, assim como a do aterro controlado prevê a cobertura diária do lixo, não ocorrendo à proliferação de vetores, mau cheiro e poluição visual. A poluição ambiental A ideia de poluição ambiental abrange uma série de aspectos, que vão desde a contaminação do ar, das águas e do solo, a desfiguração da paisagem, erosão de monumentos e construções até a contaminação da carne de aves com hormônios. A Poluição pode ser definida como a introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha a alterar as propriedades físicas, químicas ou biológicas desse meio, afetando, ou podendo afetar, por isso, a "saúde" das espécies animais ou vegetais que dependem ou tenham contato com ele, ou que nele venham a provocar modificações físico-químicas nas espécies minerais presentes. Poluição é qualquer acréscimo ao ar, à água, ao solo ou ao alimento que ameace a saúde, a sobrevivência ou as atividades de seres humanos ou de outros organismos vivos. Os poluentes podem entrar no meio ambiente de forma natural (por exemplo, por erupções vulcânicas) ou por meio de atividades humanas (por exemplo, com a queima de carvão). A maior parte da poluição advinda das atividades humanas ocorre em áreas urbanas e industriais, ou parte delas, onde as fontes de poluição, como carros e fábricas, se concentram. A agricultura industrializada também é uma grande fonte de poluição. Alguns poluentes contaminam a área onde são produzidos; outros são transportados pelo vento ou pela água corrente para outras áreas. Desde o surgimento do ser humano na Terra, a humanidade pouco a pouco vem provocando modificações ao meio em que habita. Na procura das causas da polui ção ambiental, tal como observada hoje, deparamos com dois fatores básicos. Um destes está arraigado na tendência do homem à mecanização. Como nenhum outro ser vivo, consegue o homem transformar as matériasprimas que encontra de modo a torná-las úteis para si, seja como ferramentas ou máquinas, ou como artefato de lazer e objeto de arte. Durante a confecção de todos estes artigos formam-se quantidades apreciáveis de resíduos inúteis, que com o tempo acabam por comprometer o ambiente. Além disso, durante estes processos de fabricação não é consumida apenas a energia própria do corpo humano: há consumo, sobretudo de A Geografia Levada a Sério Página 7

8 energias provenientes de outras fontes. Também a produção de energia está associada a uma poluição do meio ambiente. Assim sendo, todo o processo de industrialização constitui-se num dos componentes principais da poluição ambiental. A segunda causa do comprometimento de meio ambiente reside no contínuo aumento da população, que força uma crescente produção de alimentos. Como a área de terras cultiváveis não pode crescer no mesmo ritmo que a população, o necessário aumento de produção só pode ser atingido mediante uma intensificação da agricultura nas áreas já disponíveis. As duas causas, a industrialização e a produção de alimentos, tendem a aumentar com o crescente aumento da populacional, a não ser que sejam adotadas diretrizes em relação a ambas. Em princípio tais modificações eram praticamente imperceptíveis, entretanto, ao longo dos tempos, e principalmente após a Revolução Industrial, as transformações se acentuaram gerando os que chamamos de poluentes ambientais, quais são decorrentes da produção e má administração de resíduos. As atividades humanas, principalmente nas sociedades industrializadas modernas, geram diversos tipos de poluentes: lixo, fumaça e resíduos industriais, gases do escapamento de veículos motorizados etc., além da maior quantidade de resíduos orgânicos, como excrementos. A questão da poluição ambiental é antiga; no século XIX, por exemplo, muitas cidades estadunidenses eram assoladas pela poluição dos cavalos. O cheiro de suor, de urina e de esterco desses animais estava em todos os lugares. Partículas de esterco seco poluíam o ar. Havia montes de esterco fresco por todos os lados, restos de comida de cavalo e muitas moscas. Tente imaginar como seriam nossas cidades hoje se todos tivessem um cavalo. Quando surgiram os automóveis, pensava-se que eles seriam uma solução limpa para os problemas causados pela poluição dos cavalos, mas hoje sabemos que essa previsão não foi acertada. A poluição ambiental gerada pelas sociedades industrializadas tem provocado tragédias de grandes proporções. Em Londres, no inverno de 1952, as condições climáticas não permitiram a dispersão dos poluentes liberados pelos automóveis, pelas fábricas e pelos sistemas de aquecimento das residências, o que produziu efeitos drásticos: mais de 4 mil pessoas morreram em poucos dias, em decorrência de problemas respiratórios causados pelos poluentes que se concentraram na baixa atmosfera. Nos dois meses seguintes, mais de 8 mil pessoas morreram de enfermidades decorrentes da poluição atmosférica. Outra catástrofe de grandes proporções ocorreu em Chernobyl, Ucrânia, antiga República da União Soviética, em 26 de abril de Uma falha na refrigeração de um reator nuclear fez com que ele explodisse, lançando poluentes radioativos que provocaram a morte imediata de dezenas de pessoas e doenças em milhares de outras. As autoridades levaram 30 horas para orientar a população a sair, tarde demais: o então governo soviético admitiu 15 mil mortes, mas, pelas contas de organizações não governamentais foram pelo menos 80 mil vítimas. A Geografia Levada a Sério Página 8

9 Um exército de operários, sem equipamento apropriado, passou seis meses construindo uma estrutura de isolamento sobre o reator. Nenhum trabalhador sobreviveu. Após 26 anos, os níveis de radiação baixaram e o governo da Ucrânia abriu a área para a visitação. Na cidade abandonada, a cena é fantasmagórica: as construções ainda guardam os símbolos do regime soviético, que controlava a vida e a morte das pessoas. Os poluentes que produzimos vêm de dois tipos de fontes. Fontes pontuais de poluentes são fontes únicas e identificáveis. Entre os exemplos estão a chaminé de uma usina de queima de carvão ou de uma indústria, o cano de esgoto de uma fábrica ou o escapamento de um automóvel. Fontes não-pontuais de poluentes estão dispersas e com frequência são difíceis de identificar. Entre os exemplos estão os pesticidas pulverizados no ar ou levados pelo vento até a atmosfera e o derramamento em córregos e lagos de fertilizantes e pesticidas utilizados em fazendas, gramados e jardins. É muito mais fácil e barato controlar e poluição de fontes pontuais do que de ontes f não-pontuais amplamente dispersas. Os poluentes podem ter três tipos de efeitos indesejados: Primeiro: eles podem perturbar ou degradar os sistemas de suporte à vida para os seres humanos e outras espécies; Segundo: eles podem causar danos à vida selvagem, à saúde humana e à propriedade; Terceiro: eles podem criar incômodos como ruído e odores, sabores e visões desagradáveis. Um aspecto importante para o controle da poluição é o esclarecimento e a educação da população. Somente uma sociedade civil amplamente organizada e A Geografia Levada a Sério Página 9

10 informada será capaz de exercer uma fiscalização ambiental sistemática, exigindo a criação e principalmente o cumprimento de leis ecológicas eficientes. Atualmente, vivemos num mundo onde a natureza é profundamente agredida. Toneladas se matéria-prima, geradas dos mais diferentes lugares do planeta, são industrializadas e consumidas criando rejeitos e resíduos, que são chamados de lixo. Assim, lixo é todo material descartado, proveniente das atividades humanas. É importante lembrar que o lixo gerado pelo homem é apenas uma pequena parte da montanha acumulada todos os dias, composta pelos resíduos de outros setores. A Conferência de Estocolmo 1972 Em Estocolmo - Suécia, no período de 5 a 16 de junho de 1972 ocorreu à reunião de 113 países para participarem da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento e Meio Ambiente Humano, conhecida como Conferência de Estocolmo. Foi Presidida pelo canadense Maurice Strong. Essa Conferência é extremamente importante, pois, foi o primeiro grande encontro internacional, com representantes de diversas nações, para a discussão dos problemas ambientais e nela se consolidou e discutiu a relação entre desenvolvimento e meio ambiente. A Conferência, apesar de atribulada, gerou um documento histórico, com 24 artigos (infelizmente, com poucos compromissos efetivos) assinado pelos países participantes e teve como um de seus principais desdobramentos a criação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a primeira agência ambiental global. Dois documentos reforçavam as animosidades e conflitos existentes entre as nações. O primeiro: eram as conclusões do Relatório do Clube de Roma (composto por cientistas, industriais e políticos, que tinha como objetivo discutir e analisar os limites do crescimento econômico levando em conta o uso crescente dos recursos naturais). Estes detectaram que os maiores problemas eram: industrialização acelerada, rápido crescimento demográfico, esca sez de alimentos, esgotamento de recursos não renováveis, deterioração do meio ambiente. Tinham uma visão ecocêntrica e definiam que o grande problema estava na pressão da população sobre o meio ambiente. O segundo e não menos importante foi o documento base para a Conferência de Estocolmo denominado Only one earth: the care and maintenance of a small planet (Há uma só Terra: o cuidado e a manutenção de um pequeno planeta), de responsabilidade de Bárbara Ward e René Dubos, da Organização das Nações Unidas - ONU, que reuniu 70 especialistas do mundo, que reforçavam, em grande parte as conclusões do Relatório do Clube de Roma. Consequentemente, os debates na Conferência de Estocolmo giraram em torno da questão do controle populacional e da necessidade de redução do crescimento econômico. Os dois pontos (controle populacional e redução do crescimento econômico) foram objeto de contestação por parte dos países em desenvolvimento, que viam na postura neomalthusiana, do Relatório do Clube de Roma, do documento base da Conferência e dos ambientalistas (o Greenpeace fora criado em 1971), um movimento de A Geografia Levada a Sério Página 10

11 ampliação da subordinação internacional dos países subdesenvolvidos aos países desenvolvidos. Como resultado dessa resistência, foram incluídos na declaração vários capítulos que tentavam/buscavam resguardar a soberania dos países sobre seus territórios e os recursos naturais e também sobre sua necessidade e liberdade de alcançar o desenvolvimento. Segundo Viola e Reis (1992:83), o governo brasileiro, na Conferência de 1972, liderou o bloco de países em desenvolvimento que tinham posição de resistência ao reconhecimento da importância da problemática ambiental (sob o argumento de que a principal poluição era a miséria) e que se negavam a reconhecer o problema da explosão demográfica. A posição do Brasil - na época sob o governo militar - era a de "Desenvolver primeiro e pagar os custos da poluição mais tarde", como declarou o Ministro Costa Cavalcanti, na ocasião. A visão na época era a de que os problemas ambientais eram originados da pobreza, que era a principal fonte de poluição e que dispor de mais alimentos, habitação, assistência médica, emprego e condições sanitárias tinham mais prioridade do que reduzir a poluição da atmosfera. Ou seja, o desenvolvimento não poderia ser sacrificado por considerações ambientais dado que essa preocupação poderia prejudicar as exportações dos países desenvolvidos e em desenvolvimento. A posição defendida era de que todos tinham direito ao crescimento econômico. Na Conferência de Estocolmo, o Brasil liderou 77 países (do total de 113 países) com acusações aos países industrializados e defesa do crescimento a qualquer custo. Em protesto estendeu uma faixa com os dizeres: Bem vindos à poluição, estamos abertos a ela. O Brasil é um país que não tem restrições, temos várias cidades que receberiam de braços abertos a sua poluição, porque nós queremos empregos, dólares para o nosso desenvolvimento. Essa faixa é famosa, pois, reflete o pensamento da época de todos terem o direito de crescer economicamente mesmo que à custa de grande degradação ambiental. Não se pode esquecer que o Brasil estava em pleno milagre econômico. Não se pode deixar de lembrar que as denúncias internacionais e maiores preocupações com o meio ambiente ocorrem em um mundo fortemente desigual e com interesses conflituosos. Os diferentes graus de desenvolvimento permitiram as suposições de que o crescimento/desenvolvimento é possível a todos os países (basta trilhar o caminho certo) e que as preocupações com os problemas ambientais estivessem mais presentes em uns países do que em outros, portanto, adquiriam importâncias diferentes. A ênfase da Conferência, estabelecida pelos países desenvolvidos, era decorrente do desenvolvimento econômico, industrialização, urbanização acelerada e esgotamento dos recursos naturais, mas, os países em desenvolvimento, defendiam o direito de crescer e, a exemplo do que ocorreu com os desenvolvidos, também não queriam se preocupar com as questões ambientais. Os países do III Mundo (subdesenvolvidos, pobres, periféricos, como se queira denominar) concentravam a maior parte da população mundial e apresentavam as maiores taxas de natalidade e, como não eram desenvolvidos economicamente, foi totalmente lógico que reagissem com hostilidade. A Geografia Levada a Sério Página 11

12 Assim, os países pobres alegaram que os problemas ambientais são dos países ricos derivados do excesso de produção e consumo. Entendiam que o verdadeiro problema era que 2/3 da população mundial estava dominada pela pobreza, má nutrição, enfermidades, e que era necessário priorizar o desenvolvimento, portanto, a filosofia do crescimento zero era inaceitável. Defendem que o principal problema ambiental era a pobreza e que esse reconhecimento dependia a continuidade da reunião. O Primeiro Ministro indiano Indira Ghandi afirmou que a pobreza é a grande poluidora ao se referir ao fato de que os pobres precisam sobre-explorar seu meio ambiente para suprir as necessidades básicas. Como alternativa à polarização entre as ideias de "crescimento zero" e de "crescimento a qualquer custo" propôs-se, na mesma Conferência de Estocolmo, a abordagem Ecodesenvolvimentista. Contrapondo-se à ideia da existência de um trade-off entre desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente (quer dizer, se há desenvolvimento não ocorre a preservação do meio ambiente ou se há preservação do meio ambiente não ocorre o desenvolvimento), a abordagem ecodesenvolvimentista entende o problema ambiental como um subproduto de um padrão de desenvolvimento, mas que o processo de desenvol vimento somente se tornará posível pelo equacionamento do trinômio eficiência econômica, equidade social e equilíbrio ecológico (Carvalho, 1987). Na Conferência fica claro que o Homem é o centro da relação Homem-meio ambiente. A proposta dos 23 artigos trata a pobreza como causadora da degradação (artigo 10); não apoia o crescimento zero e sim crescimento com equilíbrio (arts. 8, 9 e 11) e afirma que deve ocorrer a preocupação com o crescimento populacional (arts. 15 e 16). Em 1987, o documento Our Common Future (Nosso Futuro Comum) ou, como é bastante conhecido, Relatório Brundtland, que é o resultado do trabalho da Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, da ONU, presidida por Gro Harlem Brundtlandt e Mansour Khalid, daí o nome final do documento, apresentou um novo olhar sobre o desenvolvimento, definindo-o como o processo que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades. É a partir daí que o conceito de desenvolvimento sustentável passa a ficar conhecido. Elaborado pela Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, o Relatório Brundtland aponta para a incompatibilidade entre desenvolvimento sustentável e os padrões de produção e consumo, trazendo à tona mais uma vez a necessidade de uma nova relação ser humano-meio ambiente. Ao mesmo tempo, esse modelo não sugere a estagnação do crescimento econômico, mas sim essa conciliação com as questões ambientais e sociais. Com a sua publicação dissemina-se o conceito de desenvolvimento sustentável. O conceito de desenvolvimento sustentável mundialmente conhecido é O desenvolvimento que satisfaz as necessidades da geração presente sem comprometer a capacidade de as gerações futuras satisfazerem as suas próprias necessidades. A Geografia Levada a Sério Página 12

13 O Relatório Brundtland ainda define ou, pelo menos, descreve o nível do consumo mínimo partindo das necessidades básicas, no entanto é omisso na discussão sobre o nível máximo de consumo (de uso de energia, etc.) nos países industrializados. O Relatório ainda enfatiza a necessidade de crescimento tanto nos países nãoindustrializados quanto nos países industrializados, mas para isso propõe que a superação do subdesenvolvimento no hemisfério sul só é possível com o crescimento contínuo dos países industrializados. Com esta posição, os interesses econômicos dos países industrializados e em desenvolvimento não são afetados, por isso o relatório recebeu amplo apoio político. Em comparação com as discussões dos anos 1970, ele não nega a necessidade do crescimento econômico a qualquer custo, mantém sempre um tom diplomático, provavelmente uma das causas da sua grande aceitação depois de ser publicado. Contudo, isso não invalida os grandes avanços que ocorreram após a publicação do relatório, inclusive, porque vários países passaram a discursar e a se comprometer, em maior ou menor grau, com as questões ambientais. Segundo o Relatório da Comissão Brundtland, uma série de medidas devem ser tomadas pelos países para promover o desenvolvimento sustentável. Entre elas: Limitação do crescimento populacional; Garantia de recursos básicos (água, alimentos, energia) a longo prazo; Preservação da biodiversidade e dos ecossistemas; Diminuição do consumo de energia e desenvolvimento de tecnologias com uso de fontes energéticas renováveis; Aumento da produção industrial nos países não-industrializados com base em tecnologias ecologicamente adaptadas; Controle da urbanização desordenada e integração entre campo e cidades menores; Atendimento das necessidades básicas (saúde, escola, moradia). A biodiversidade em declínio Embora muitas vezes aja como se fosse a única da Terra, a espécie humana é apenas uma entre 1,75 milhão de espécies de vida. Se você se surpreende com esse número, vai se espantar ainda mais ao perceber que ele não corresponde ao total de espécies existentes no planeta. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) estima que existam pelo menos 14 milhões de espécies vivas ao redor do globo. Há até especialistas que calculam esse número em 50 milhões - ou ainda mais. Não dá para saber: todo ano são encontrados milhares de novas espécies. Na maior parte, são insetos, bactérias, fungos e outros organismos muito pequenos, mas A Geografia Levada a Sério Página 13

14 também aves, anfíbios e até mamíferos, escondidos em lugares quase inacessíveis. Simplesmente não existem pesquisadores suficientes para descrever tantas formas de vida no planeta. A biodiversidade é a variabilidade de organismos vivos de todas as origens existentes nos ecossistemas terrestres e aquáticos. O termo inclui também a diversidade de genes contidos em cada espécie e a maneira como os animais, plantas e microrganismo estão organizados e interagem para formar a es trutura e o funcionamento de um ecossistema. A biodiversidade é responsável pela evolução e pela manutenção da vida em todos os lugares: no meio dos desertos, nas tundras congeladas, no fundo do mar, no alto das montanhas ou nas fontes de águas sulfurosas. Está aí um conceito estratégico, pois implica equilíbrio e estabilidade de ecossistemas e seu uso e aproveitamento pela humanidade de forma a preservá-los. Desde que o homem começou a interferir na natureza, a biodiversidade tornou-se a base das atividades agrícolas, pecuárias, pesqueiras e florestais e, mais recentemente, da indústria de biotecnologia. É a fonte de proteínas, remédios, cosméticos, roupas e alimentos, bem como é essencial para a criação de grãos mais produtivos e resistentes a pragas e a outras doenças. Considerando a importância desse conceito e o que ele implica, a Convenção da Diversidade Biológica, assinada por 156 nações, estabeleceu que os países tivessem direito soberano sobre a variedade de vida contida em seu território e o dever de conservá-la e de garantir que seu uso seja feito de forma sustentável, isto é, assegurando sua preservação. A convenção ressalta a necessidade de repartição justa e equitativa dos benefícios derivados do uso dos recursos genéticos entre todos os países e as populações cujo conhecimento foi chave para o uso desses recursos por exemplo, comunidades acostumadas a utilizar as plantas de sua região desde tempos remotos, como os índios. O problema da compensação financeira pelo conhecimento obtido a partir da biodiversidade, no entanto, é motivo de controvérsia. Ganhou manchete dos jornais o caso do cupuaçu, que teve um pedido de patente registrado no exterior por uma empresa japonesa, apesar de ser uma planta típica da Amazônia. A contestação de entidades ambientalistas nos escritórios de patentes internacionais impediu a aprovação do registro, pois as aplicações do produto já eram, desde há muito tempo, de domínio dos índios e das comunidades tradicionais amazônicas e não envolviam nenhum tipo de inovação que justificasse o direito de sua exploração pela companhia japonesa. O conflito ocorre entre dois conceitos de patentes: o tradicional, criado com o advento da indústria e das inovações tecnológicas, no século XIX, estabelecendo que os direitos de comercialização de qualquer produto pertencem a quem primeiro os registra nos órgãos de patentes; e o instituído pela Eco - 92, prevendo que os ganhos com os princípios ativos de organismos vivos sejam divididos, além de com empresa e com os pesquisadores envolvidos, também com o país de origem daquela planta ou animal e com a população tradicional que já tinha os conhecimentos sobre esses princípios ativos. A Organização Mundial do Comércio (OMC) não aceita os novos preceitos propostos, e, enquanto o debate prossegue, multiplicam-se as disputas que envolvem medicamentos, A Geografia Levada a Sério Página 14

15 alimentos e cosméticos. Abre-se espaço também para o que se chama de "biopirataria", que é a retirada ilegal de organismos vivos de seu país de origem para uso comercial. Futuro ameaçado A questão da biodiversidade é motivo de preocupação também em outra escala. Durante as últimas centenas de milhões de anos, milhões de espécies foram extintas por causa de mudanças ocorridas na Terra ou em ecossistemas específicos. Trata-se de um fenômeno natural que se inscreve no processo de evolução - ao passo que os indivíduos de espécies menos aptas se extinguem com as mudanças nos ambientes, os mais aptos adaptam-se às novas condições e, ao sobreviver às mudanças, dão continuidade à vida no planeta. A diversidade biológica tem possibilitado que os ecossistemas reencontrem o estado de equilíbrio depois de sofrer algum tipo de impacto, às vezes extremamente grave. O problema atual é que a sociedade está, ao mesmo tempo, reduzindo a biodiversidade e acelerando o ritmo das mudanças em todo o globo terrestre. Com relação ao aquecimento global, a mudança no clima do planeta vem alterando o ciclo de vida de animais e plantas e pode provocar a extinção de milhares de espécies nos quatro cantos da Terra. O desmatamento, causado pela expansão da agricultura e da pecuária sobre as regiões de floresta, devasta o solo, mata as plantas e os animais, altera o regime de chuvas e, indiretamente, afeta o clima. As cidades, com seus carros, fábricas, poluição, sujeira e consumo excessivo, degradam a natureza e diminuem número de espécies vivas. O maior sinal de alerta contra os ataques à biodiversidade foi dado em 2005, com a publicação da Avaliação Ecossistêmica do Milênio, diagnóstico solicitado pela ONU sobre a saúde do planeta e sua relação com a manutenção da vida humana. De acordo com o relatório, resultado do trabalho de cientistas de 95 países, incluindo o Brasil, a Terra está passando por um período de extinção em massa - já ocorreram outros, no passado. Estima-se que cerca de 27 mil espécies desapareçam a cada ano, muitas nem sequer descritas pela ciência. O documento frisa que, caso se mantenha o atual ritmo de devastação ambiental, dentro de algumas décadas o planeta não conseguirá fornecer em quantidade suficiente os recursos naturais necessários à população humana, por causa, sobretudo da poluição e da exploração exageradas, além da introdução de espécies exóticas, interferindo no equilíbrio dos ambientes. Por fim, o texto reforça a importância da conservação e do uso sustentável da diversidade biológica. A destruição da biodiversidade, além de provocar danos às espécies diretamente envolvidas, afeta a humanidade de várias maneiras. A diversidade genética das plantas, por exemplo, é essencial para a criação de grãos mais produtivos e resistentes a doenças, e, com a homogeneização da agricultura resultante da monocultura, isso está se perdendo. O problema é antigo. A ocorrência de pragas e a perda da produção em razão de guerras ou desastres naturais já provocaram ondas de fome que vitimaram milhões de pessoas em várias épocas e partes do planeta. Mas sempre se conseguiu repor as perdas A Geografia Levada a Sério Página 15

16 por meio de variedades que se adaptaram às novas condições ambientais. Mas, quando tudo se torna homogêneo, fica mais difícil enfrentar doenças e pragas que surgem de desequilíbrios dos ecossistemas. O pior é que a devastação não dá sinais de que vai parar de aumentar. Estima-se que a atual taxa de extinção de espécies seja mil vezes superior à do período préhistórico. Uma parte do problema é o simples aumento da população mundial, com o crescimento da produção industrial, e o uso de matérias-primas naturais para atender às suas necessidades. Mas é a utilização descontrolada dos recursos naturais que provoca mais destruição. O caminho, portanto, não é que se deixe de aproveitar o que a natureza tem de melhor. A dificuldade é fazer isso corretamente, sem agredir o meio ambiente. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Biodiversidade em Declínio. Atualidades Vestibular. São Paulo: Abril, CARVALHO, PAULO G.M. Meio ambiente e políticas públicas - a atuação da FEEMA no controle da poluição industrial. Campinas: UNICAMP, FELLENBERG, GÜNTER. Introdução aos Problemas da Poluição ambiental. São Paulo: E.P.U., Fim dos Lixões. Disponível em: < > Acesso em 20 julho Lixo x Aterro. Disponível em: < > Acesso em 20 julho MILLER, G. TYLER. Ciência Ambiental. 11ª ed. São Paulo: Thomson Learning, Os desafios da Era do Lixo Disponível em <http://www.abrelpe.org.br/> Acesso em 12 janeiro 2012 Repensai a geração de lixo e dejetos. Disponível em: <http://artigos.netsaber.com.br> Acesso em 20 julho VIOLA, EDUARDO E LEIS, HECTOR R. - Desordem global da biosfera e a nova ordem internacional: o papel organizador do ecologismo. In: ANPOCS, Revista de Ciências Sociais Hoje, SP, Vértice/Ed.Revista dos Tribunais, A Geografia Levada a Sério Página 16

17 DINÂMICA DOS AMBIENTES NATURAIS A formação e evolução dos ambientes naturais terrestres têm uma longa história geológica, durante a qual, a instabilidade tem sido um marco de mudanças físicas e de manifestação da vida. Como parte do grande geossistema solar, a Terra tem passado por vários momentos de transformação física, transição geológica e mudanças nas feições geomorfológicas. Nada é definitivo na superfície do Planeta, mesmo porque se trata de um corpo cósmico vivo, dinâmico tanto internamente como externamente. O equilíbrio das forças que o mantém atuante, se alterou em longos períodos, provocando mudanças na paisagem e no comportamento das formas vivas e mesmo no desaparecimento e surgimento de novas. As mudanças que hoje observamos e tememos são naturais, pois já se passaram muitos milênios desde a última grande glaciação terrestre. Contudo, não podemos menosprezar os fortes impactos produzidos pela civilização em sua ânsia de desenvolvimento ou na irracionalidade dos usos de recursos naturais e, ainda, na reprodução muitas vezes irresponsável dos seres humanos. Esse último fator coloca, atualmente, uma situação inconteste. A Terra tem uma população acima da capacidade de fornecer recursos à sobrevi vência humana; os limites da apacidade c de autorregeneração se esgotam rapidamente. Para uma população ideal de 03 bilhões de pessoas temos, atualmente, cerca de 07 bilhões, o que projeta para os próximos decênios uma situação insustentável. A evolução dos ambientes naturais é lenta, ainda que em determinados momentos os eventos telúricos se façam sentir com extrema violência. Mas a recomposição dos ambientes atingidos leva muitos anos para regeneração ou, o que é mais comum, iniciar um novo ciclo ecossistêmico. Essa assertiva é válida tanto para os ambientes regidos por forças físico-químicas como no processo de desencadeamento de ciclos de vida. Dependendo das novas condições físicas, as manifestações biológicas, por adaptação ou surgimento de novas espécies, têm um longo percurso de aperfeiçoamento das defesas contra as adversidades naturais. Na natureza há uma complexidade sistêmica que, como afirma Tricart et Cailleux (1965, p.8) formam uma combinação em proporções variáveis ao mesmo tempo que oposição, ou adaptação, ação ao mesmo tempo que reação, ou seja: unidade dialética. Assim, a cada grande transformação na superfície terrestre, quer de origem interna ou por ação das forças externas, há sempre adaptação no sentido evolutivo. Ao longo de milhões de anos o planeta foi adquirindo conformações variadas em sua superfície, definindo cadeias de montanhas, vales, rios, mares e oceanos profundos. O movimento interno das placas da crosta terrestre é contínuo, alterando no tempo geológico, a modelagem de continentes e ilhas. Manifestações magmáticas e outros fenômenos de ordem geológica determinaram, em cada época, configurações que alteraram a conformação da superfície. Concomitantemente, forças de potenciais erosivos, lenta e permanentemente, iniciaram o processo de mudança, de novas configurações físicas, de combinações químicas capazes de favorecer o desenvolvimento biológico. A Geografia Levada a Sério Página 17

18 A história da Terra, como dos demais corpos cósmicos, é marcada pela mudança, pela transformação contínua, pela geoquímica que determina as condições de formação de cada ecossistema. Nada é permanente, tudo está em transição, das formas físicas às manifestações biológicas. O sistema Terra é parte do sistema solar, dele dependente nas alterações geofísicas, na intensidade das radiações, nas emanações eletromagnéticas e no equilíbrio das órbitas. Na Terra nada constitui um fenômeno isolado; todos os fenômenos são interconectados em jogos de forças que mantém um equilíbrio no tempoespaço suscetível de instabilidade sempre que uma ou mais forças do sistema se alterar. No tempo geológico ocorreram várias instabilidades no complexo de forças do sistema Terra. Isso ocorre também em nossos dias. Thornbury (1960, p.17) afirma que os mesmos processos e leis físicas que atuam hoje em dia atuaram em todo tempo geológico, ainda que não necessariamente com a mesmo intensidade. Sempre há um fator determinante, para a maior ou menor intensidade da ocorrência de um fenômeno natural, formas tectônicas, formas de erosão, formas litológicas, conforme Derruau (1965, p.14). Em relação às mudanças climáticas, Termier, H. et Termier G. (1960,10) destacam a importância das modificações do campo magnético terrestre, cujas causas podem estar associadas aos movimentos das grandes placas internas da crosta. Atualmente há uma justificada preocupação com o clima da Terra e pelos efeitos que poderão advir à manutenção da vida. Não há dúvida sobre o grande impacto que o homem vem causando na natureza. A consciência ecológica é um fato relativamente recente, mesmo assim coloca-se mais no plano retórico do que em iniciativas práticas. A destruição acelerada da floresta amazônica é um símbolo da degradação ambiental cujas repercussões ninguém ignora. A condição dos ambientes terrestres é uma conformação espaço-tempo que corresponde perfeitamente à afirmação de Leibniz (17l5, p. 413): o espaço é uma ordem de coexistências e o tempo uma ordem de sucessões. Na Terra, como no cosmos, as formas físicas e energéticas coexistem e se sucedem no tempo. É um permanente evoluir. Precisamente, é o que acontece com os ecossistemas terrestres, cuja evolução segue padrões naturais de equilíbrio, preservação e mudanças. Por longos períodos de tempo há uma estabilidade das forças naturais, ainda que ocorram manifestações vulcânicas e terremotos com alguma frequência. Isso é sinal que o planeta está vivo. As forças sobre o planeta em equilíbrio determinam o equilíbrio dos ecossistemas. A existência viva pode se desenvolver, evoluir e garantir uma de suas qualidades mais notáveis que é a replicação. Isso representa, também, o processo de evolução das espécies, ou seja, qualificação e diversidade. A condição climática é outro fator importante. A distribuição das temperaturas e da umidade na superfície está associada diretamente a fatores como a distribuição da radiação solar no planeta e as conexões com os fatos da superfície. Péguy (1961, p, 17) já chamava a atenção para o fato do clima se situar, quanto a suas manifestações mais imediatas, ao nível do solo, ou se ja, aos processos morfológicos, hidrológicos, pedológicos, à vegetação e aos organismos vivos. Os presentes desequilíbrios climáticos estão, verdadeiramente, ligados a problemas de desmatamento em larga escala, poluição das fontes hídricas e da atmosfera, erosão A Geografia Levada a Sério Página 18

19 dos solos que levam à desertificação, à criação artificial de grandes superfícies líquidas barradas e ao excesso de população, concentrada nas cidades, o que gera uma grande quantidade de dejetos poluidores. A estrutura física em vários locais da superfície terrestre vem sendo alterada: a retirada incontrolada de água de grandes reservatórios naturais; o desvio de cursos de rios; o deslocamento de alinhamento de dunas litorâneas; a ocupação de morros com a destruição da cobertura vegetal; o vossorocamento pelo esgotamento da camada fértil dos solos; e a destruição das matas ciliares responsável pelo assoreamento dos rios são todos fatores que lentamente, ao longo dos anos vão repercutindo no equilíbrio sistêmico formado pela natureza. A diversidade de vida é um fenômeno da natureza, manifestada em ambientes específicos. O equilíbrio é dado pela cadeia trófica num movimento dialético de consumo e reposição. A espécie humana, pelo grau de evolução que adquiriu, quebrou o ritmo da replicação de várias espécies, não só por disputa de espaço, pelo lazer da destruição e, principalmente, pela utilização dos recursos renováveis, como no caso das espécies marinhas. A destruição, extinção e uso incontrolado de recursos vivos afetam determinados ambientes, sítios produtores de oxigênio e absorsores de CO 2. Todas essas variáveis podem ser consideradas quando, por exemplo, se analisa o comportamento climático no extremo sul do Brasil. O vasto campo energético oceânico, o deslocamento de massas aéreas dos anticiclones repercute em vasta área do território brasileiro, de acordo com a estrutura física de cada região. A planície costeira do Rio Grande do Sul, conforme Vieira & Rangel (1988, p. 82), está sob a influência de dois grandes centros de ação atmosférica: o anticiclone do Atlântico e o Anticiclone móvel polar que condicionam diretamente as manifestações do clima em todo sul do continente. As alterações que possam ocorrer nesses sistemas de forças atmosféricas irão, certamente, repercutir no grau de estabilidade dinâmica da área e em desdobramentos espaciais mais amplos. Todos os fenômenos naturais estão indissociavelmente ligados, ou seja, funcionam em forma sistêmica. Assim, os ecossistemas representam o conjunto de relações que se dinamizam nos ambientes naturais. O equilíbrio das forças que nele atuam assegura sua perenidade e evolução natural. Dependendo da escala, cada ecossistema pode ser dividido em vários subsistemas, por exemplo, o grande ecossistema amazônico. Se tomarmos um conjunto de ecossistemas interligados pode-se estabelecer a taxonomia de geossistema. O Planeta Terra como um todo é um grande geossistema. A margem continental sul brasileira, em menor escala, é um geossistema formado pelos ecossistemas estuarino, marinho costeiro, planiciário e o de circulação atmosférica. Todos com fatores de interconexão. Os ambientes naturais em cada temporalidade geológica e geomorfológica, descartando a intervenção humana, mantêm-se estáveis em longa duração. Trata-se de estabilidade dinâmica, evolutiva, transitiva, mas adequando as forças dos ecossistemas formados às variações do próprio dinamismo das entidades vivas, físicas ou biológicas. A estabilidade de longa duração é fundamental para o desenvolvimento da vida. O fenômeno da vida está indissoluvelmente ligado ao meio ambiente. Cada ambiente A Geografia Levada a Sério Página 19

20 natural desenvolve suas formas de vida, a condicionar costumes, formas de sobrevivência, perenidade e compatibilidade. Mesmo com o avanço científico e tecnológico, a espécie humana não foge à regra, pois sua perenidade depende das condições ambientais favoráveis do geossistema planetário. As relações de interdependência entre os componentes dos ecossistemas são, verdadeiramente, as responsáveis pela estabilidade dinâmica desses meios naturais onde se desenrola o fenômeno da biodiversidade. Toda a interdependência é de natureza sistêmica, decorrendo daí a necessidade de se estudar a funcionalidade e a estabilidade geradas pelas forças que atuam nos ecossistemas. A interferência antrópica, pela irracionalidade com que é praticada, é, quase sempre, a responsável pelo início do processo de desestabilidade e caos nos ambientes naturais. Referência Bibliográfica Dinâmica dos Ambientes Naturais. Disponível em: <http://www.ihgrgs.org.br> Acesso em 12 janeiro A Geografia Levada a Sério Página 20

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MEIO RURAL O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL Luciano Gebler, MSc TESTE DE NIVELAMENTO 1 - O MEIO RURAL É : A - REGIÃO ONDE É FEITO O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS; B

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Consideram-se resíduos sólidos como sendo rejeitos resultantes das diversas atividades humanas. Podem ser de diversas origens: industrial, doméstica, hospitalar,

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS.

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR: SEBASTIÃO ABICEU / PROFESSORA: JANILDA FRÓES Poluição das Águas A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema A questão

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

ELABORE UMA DISSERTAÇÃO CONSIDERANDO AS IDEIAS A SEGUIR:

ELABORE UMA DISSERTAÇÃO CONSIDERANDO AS IDEIAS A SEGUIR: Disciplina Curso Profª Série REDACÃO Ensino Médio Silvia 3º PROPOSTA DE OUTUBRO A questão do lixo nas sociedades de consumo Meio ambiente e ecologia são assuntos normalmente incômodos para líderes governamentais,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial.

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Lixo reflexo da sociedade Definição Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Todo lixo gerado pode ser classificado em dois tipos:orgânico

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

O capitalismo e a sociedade de consumo

O capitalismo e a sociedade de consumo O capitalismo e a sociedade de consumo Sociedade de consumo As sociedades dos países capitalistas desenvolvidos que usufruem intensamente dos bens e serviços existentes no mundo moderno. O consumismo contribui

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica Desenvolvimento Sustentável Capítulo II O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica A Dimensão Social do Desenvolvimento Sustentável: O caso da Energia Eólica Segundo Sachs (1993),

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J

REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 PROFESSORA: ERICA FERRÃO BORTOLUCCI REVISÃO 08 6ª ANO NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J Observações gerais Leia com atenção! preencha corretamente o cabeçalho;

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica

Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Escola Secundária da Maia Técnico de Manutenção industrial de Electromecânica Introdução Ao longo deste trabalho, vamos falar de um gravíssimo problema ambiental, A NIVEL MUNDIAL! que poucos ou quase ninguém

Leia mais

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos SOLO Fragmentos de rochas Matéria orgânica em + decomposição = SOLO Atividade vulcânica Intemperismo Decomposição Elementos minerais Água Matéria orgânica Ar Importância ambiental fixação de raízes fonte

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais 1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos 3. Economia dos Recursos Naturais 4. Métodos de Valoração Econômica Ambiental 5. Indicadores e Contabilidade

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA Selma Maria

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 9º 3º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

FORTALECENDO SABERES APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

FORTALECENDO SABERES APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A Conteúdo: O gás carbônico se acumula na atmosfera; O buraco na camada de ozônio. A crescente escassez de água potável no mundo; A relação sociedade-natureza.

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GOVERNO DE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL NAIR PALÁCIO DE SOUZA NOVA ANDRADINA - MS PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS 1.TÍTULO: Projeto Óleo e água não se

Leia mais