Evolução de Sistemas de Software: Uma Abordagem Quantitativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução de Sistemas de Software: Uma Abordagem Quantitativa"

Transcrição

1 Evolução de Sistemas de Software: Uma Abordagem Quantitativa Miguel Carlos Pacheco Afonso Goulão (Licenciado) Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores DOCUMENTO PROVISÓRIO Julho de 1999

2

3 Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Pedro Manuel Moreira Vaz Antunes de Sousa Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa iii

4 iv

5 Resumo A actividade de manutenção de sistemas de software absorve uma percentagem muito elevada dos recursos existentes para o desenvolvimento e manutenção dos mesmos. Não obstante a intensa actividade de investigaçãoanível internacional no sentido de desenvolver abordagens quantitativas que facilitem a gestão da evolução de sistemas, existe ainda um grande fosso entre as propostas desenvolvidas a nível académico e a realidade das organizações produtoras de software. Esta dissertação contribui com uma abordagem integrada para o suporte às actividades de manutenção e respectiva gestão, com uma base quantitativa, consubstanciada na implementação de uma ferramenta destinada a apoiar a abordagem proposta num ambiente distribuído, utilizando uma intranet como meio de transmissão de dados. A combinação de um sistema de produção automática de documentação do código fonte dos sistemas a manter, com um sistema de rastreio de acções de evolução e a análise de complexidade das mesmas constituem o núcleo da dissertação. O primeiro aspecto lida com a insuficiente ou inadequada documentação existente acerca dos sistemas a manter. O segundo, com a rastreabilidade da evolução dos sistemas e do processo que lhe está subjacente. O terceiro enquadra-se na abordagem quantitativa que se pretende dar à gestão do processo de software, tendo como objectivo fundamental a sua melhoria. v

6 vi

7 Abstract Software system s maintenance absorbs a high percentage of the resources made available by organizations to the software development and maintenance activities. In spite of the significant international research effort towards the development of quantitative approaches to the management of software system s evolution, the gap between the academic proposals and the software industry s reality remains a problem. This thesis presents an integrated quantitative approach to support and manage software maintenance. This proposal is reinforced by the development of a suitable software tool to support it on a distributed environment, using an intranet as the data transmission backbone. The tool combines the automatic production of source code documentation with a software evolution tracking system and software complexity analysis. The first aspect of the tool deals with the problem of non existent or outdated documentation on the maintained systems source code. The second one provides the means for tracking the evolution of software systems and underlying software process. The third aspect gives way for a quantitative approach on software process management, with the ultimate goal of software process improvement. vii

8 viii

9 Palavras Chave & Keywords Palavras Chave Engenharia de Software Empírica Sistemas de Rastreio de Acções de Evolução Qualidade de Software Modelos de Complexidade do Software Evolução do Processo de Software Ferramentas de Apoio à Manutenção de Sistemas de Software Keywords Empirical Software Engineering Software Evolution Tracking Systems Software Quality Software Complexity Models Software Process Improvement Tool Support for Software System s Maintenance ix

10 x

11 Agradecimentos Ao meu orientador, Professor Pedro Sousa, desejo agradecer o apoio prestado ao longo da elaboração desta dissertação, em particular pelo espírito crítico e objectivo com que pautou as diversas discussões que tivemos acerca do trabalho que originou esta tese. Ao Engenheiro Fernando Brito e Abreu, coordenador do projecto do qual surgiu esta tese, desejo expressar a minha gratidão pela sua total disponibilidade e entusiasmo no acompanhamento e discussão de diversos aspectos relacionados com este projecto, desde o estabelecimento de objectivos, à colaboração na elaboração de diversos documentos de carácter científico produzidos no âmbito deste trabalho, sem esquecer as revisões a este documento. Numa perspectiva mais abrangente, gostaria também de manifestar o meu reconhecimento pelo gosto que ao longo dos últimos anos me foi incutindo pelas actividades de investigação e ensino. À Direcção de Análise e Métodos de Apoio à Gestão da Marinha Portuguesa, em particular ao Cmdt. Carmo Durão, ao CTen. Bigotte de Almeida, ao Ten. Silva Monteiro e ao Ten. Palmeiro Ribeiro, pelo interesse e colaboração, sem os quais a elaboração do presente trabalho não teria sido possível. Ao INESC, pelo apoio institucional, logístico e científico que me proporcionou. Aos meus colegas do Grupo de Engenharia de Software e da Unidade de Reengenharia da Link. Aos meus irmãos, Pedro, Jorge, Beatriz, Amélia e Maria, à minha velha amiga Fátima, ao meu pai, Manuel, aos meus tios Lurdes e Armando, e aos restantes familiares, por todo o apoio, amor e carinho que sempre me deram. xi

12 A um bando de patifes que se dedicaram de forma criativa a tornar tudo isto bem mais interessante: Rita, Jota, Marta, Nuno, Teresa, Inês, Pedro, Hugo, Ilídio, Fred, Lurdes, J.P., Zé, Joana e Sofia. Lisboa, 4 de Agosto de 1998 Miguel Carlos Pacheco Afonso Goulão xii

13 Conteúdo Resumo v Abstract vii Palavras Chave & Keywords ix Agradecimentos xi Índice xviii Lista de Figuras xxi Lista de Tabelas xxiii Notação xxv 1 Introdução Motivação Contribuições Fundamentais Enquadramento do Trabalho Estrutura da Dissertação xiii

14 2 Fundamentos e Trabalho Relacionado Introdução Qualidade e Engenharia de Software Origens Qualidade de software Engenharia de Software Processo de Software Maturidade do Processo Validade da avaliação da maturidade do processo Processo de Medição Metodologia GQM Métricas de Processo Métricas de Produto Recolha de Dados Sistemas de Rastreio de Acções de Evolução PITS - Project Issue Tracking System TeamTrack Sistemas de Recolha de Métricas de Produto Modelos de Estimação de Recursos O Modelo COCOMO O Modelo de Pontos de Função Iniciativas de Melhoria do Processo de Software Síntese xiv

15 3 O projecto SofTrack Enquadramento O Problema Facilidade de manutenção Factores limitativos da facilidade de manutenção Estratégia para melhoria do processo Sistemas em análise Re-documentação de sistemas Factores Humanos Arquitectura do SofTrack Rede de Comunicação Servidor Recolha de Métricas de Produto - Logiscope Documentação Automática de Software Repositório do Processo de Software Gerador de Relatórios de Análise Servidor de Sessão Estabelecimento de uma Política de Acesso a Dados Cliente Repositórios de Dados Síntese Aspectos de Concepção e Realização Introdução xv

16 4.2 Recolha de Métricas de Produto Documentação Automática do Software Repositório de Processo do Softrack Agregação da Informação Acerca de Processo e Produto Geração de Relatórios de Análise Servidor de Sessão Servlets Cookies Servidor de Sessão Classes de base Ciclo de vida do servidor de sessão Inicialização do servidor de sessão Estrutura dos pedidos dirigidos ao SofTrack Satisfação de pedidos no servidor de sessão Gestão da política de acesso a dados Acesso aos Dados via JDBC Visualização de Relatórios Síntese Análise Quantitativa da Evolução de Sistemas de Software Introdução Leide Pareto Processo de Software Processo de recolha de dados xvi

17 Caracterização das Acções de Evolução Estabilidade e Fiabilidade do Software Satisfação dos clientes Modelos de Estimação Modelo para a Complexidade de Software Avaliação da Complexidade de Software Construção do Modelo Facilidade de Manutenção Revisitada Heurísticas para o Desenho de Software Síntese Conclusões e Trabalho Futuro Conclusões Trabalho Futuro A Bibliografia 149 B Avaliação da Maturidade do Processo de Desenvolvimento 157 B.1 CMM - Capability Maturity Model B.2 BOOTSTRAP B.3 SPICE - Software Process Improvement Capability and determination. 165 B.4 ISO C Apêndice B-Métricas de Complexidade do Produto 171 C.1 Métricas de Complexidade de Software C.2 Complexidade Textual xvii

18 C.3 Complexidade Estrutural C.4 Outras Métricas xviii

19 Lista de Figuras 2.1 O modelo de qualidade do ISO/IEC Estrutura genérica de um plano GQM Ciclo de vida de um registo no PITS Ciclo de vida de um registo no TeamTrack Extracção de características a partir do código fonte Cálculo dos pontos de função Arquitectura do SofTrack Interacção entre os clientes e o SofTrack Arquitectura do Servidor Extracto de um grafo de dependências do SAMARITAN Vista do SAMARITAN Ciclo de vida de um registo no RAPE Preenchimento dos dados por parte do utilizador Exemplo de lista de acesso de um utilizador Vista da lista de acesso de um utilizador no SofTrack Recolha de métricas de produto Agregação de métricas de produto e processo no SPSS xix

20 4.3 Exemplo de gerador de relatórios de gestão Java Servlet API Ciclo de vida do SessionServlet Método Init da classe SessionServlet Excerto do código fonte de shownewuser.htm Excerto do código fonte de shownewuser.htm Método service da classe SessionServlet Organização das classes de implementação de serviços Método perform da classe ServNewUserC Método redirect da classe ServiceC Vista do Explorador do SofTrack Organização das classes de implementação de serviços Método makequery da classe RAREHandleC Gráfico de controlo da evolução do número de pedidos Distribuição das acções, por estado do pedido Distribuição das acções de evolução final, por origem do pedido Distribuição das acções de evolução final, por módulo atingido Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Distribuição dos pedidos por fase do processo Conjunto de pedidos pendentes atribuídos a um utilizador Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Vista de um módulo no SAMARITAN xx

21 5.11 Métricas de complexidade do produto Tempo médio entre falhas Frequências de tempos de reparação Pedidos ordenados por tempo de reparação Detecção de tempos de reposição atípicos Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Teste de Durbin-Watson Esforço estimado face ao esforço efectivo B.1 O modelo CMM B.2 Ciclo de reavaliação de um processo B.3 Composição de processos no BOOTSTRAP B.4 Avaliação da maturidade no BOOTSTRAP xxi

22 xxii

23 Lista de Tabelas 2.1 Constantes do COCOMO para a estimação do esforço Constantes do COCOMO para a estimação do prazo Constantes do COCOMO para a estimação do esforço com o modelo intermédio Sistemas Analisados no Projecto SofTrack Perfis de utilizadores Sistemas Analisados no Projecto SofTrack Parâmetros do Modelo de Esforço C.1 Níveis de linguagens xxiii

24 xxiv

25 Notação Ao longo do texto da presente tese, são usadas diversas notações tipográficas de forma a facilitar a leitura do mesmo: Expressões em inglês aparecem escritas em itálico. Conceitos novos são escritos em negrito. Informação extraída do código fonte de programas é apresentada em letra de máquina de escrever. Informação relativa a fórmulas matemáticas é indicada O restante texto é apresentado em românico. xxv

26 xxvi

27 1 Introdução A promoção da qualidade de produtos não deve ser apenas realizada através de inspecções ao produto final. A qualidade resulta em grande parte das condições criadas dentro de uma organização para a suportar. Por outras palavras, o processo de desenvolvimento de um produto é um factor essencial. No caso particular da produção de software, as organizações têm vindo a dedicar um crescente interesse à gestão do seu processo de software, encarando-o como um factor essencial para a entrega de software dentro dos prazos e orçamentos estimados, respeitando os critérios de qualidade estipulados (Derniame et al., 1999). O reconhecimento da dificuldade de gerir eficazmente aquilo que não se consegue medir tem funcionado como mola impulsionadora para muitos programas de métricas, em que as organizações procuram medir para poder gerir os seus processos de desenvolvimento (Dekkers, 1999). Existem razões fortes para suportar a actividade de medição. Os gestores de projecto necessitam de definir correctamente o produto, garantir a execução do projecto de forma eficiente e concluí-lo dentro do prazo estimado. As métricas de software podem auxiliar à obtenção destes objectivos (Abreu, 1992; Grady, 1992). À medida que um maior conjunto de organizações vai adoptando planos de métricas no âmbito de iniciativas de melhoria do processo de software, a utilização de uma abordagem quantitativa ao desenvolvimento de software está a tornar-se numa vantagem competitiva para as organizações que a adoptam. As métricas facilitam a detecção, padronização e melhoria das práticas de desenvolvimento que provem levar a melhores resultados. Em Portugal os casos em que o processo de software das organizações contempla 1

28 2 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO uma abordagem quantitativa para a sua gestão são ainda excepcionais, contrariando uma tendência que se tem acentuado sobretudo em países do Norte da Europa, em que um crescente número de organizações adopta planos de métricas para promover a qualidade do processo (Punter & Lami, 1998). As razões por detrás deste facto vão desde a relativa juventude da indústria de software, ao reduzido ênfase que os planos curriculares da generalidade das licenciaturas em Informática dão à gestão do processo de software, particularmente no que respeita a projectos de grande dimensão. 1.1 Motivação A gestão da qualidade do software deve começar pela gestão dos seus defeitos (Humphrey, 1994). Um primeiro passo a dar nessa gestão é a criação de mecanismos de suporte ao registo dos defeitos encontrados. Com algum esforço adicional, é possível registar não apenas a detecção dos defeitos, mas também a sua caracterização e a descrição da acção de manutenção desencadeada para os solucionar. O âmbito desta actividade de registo pode ser alargado a toda a actividade de manutenção desenvolvida sobre os sistemas informáticos, abarcando, assim, actividades correctivas, evolutivas e preventivas. Com este registo alargado de actividades, implementado através de um sistema de rastreio de acções de evolução, está criada uma base para uma posterior recuperação da evolução histórica dos sistemas analisados, motivos que estiveram por detrás das acções de evolução, quem as realizou e com que esforço. Sendo uma evolução significativa relativamente à inexistência de registos, os sistemas de rastreio de acções de evolução (e.g. (Callahan et al., 1998; TeamShare, 1997; Rational, 1999)) apresentam ainda algumas lacunas: A facilidade de análise da descrição das acções de evolução, a um nível macroscópico depende bastante da disciplina no preenchimento dos registos, uma vez que as descrições são feitas de forma textual não estruturada. A não utilização sistemática de expressões chave bem definidas dificulta posteriores pesquisas. Esta questão coloca-se sobretudo ao nível de sistemas destinados a ser usados num ambiente aberto em que os registos de rastreio poderão ser

29 1.1. MOTIVAÇÃO 3 parcialmente preenchidos, por exemplo, pelos utilizadores finais dos sistemas rastreados. A possibilidade de combinar métricas de produto com métricas de processo não é contemplada neste tipo de ferramentas, o que limita o tipo de estudos que se podem realizar, nomeadamente no que diz respeito àanálise da complexidade do software. Um dos aspectos da qualidade de software preponderante para a remoção dos defeitos encontrados é a sua facilidade de manutenção. Esta, pode ser determinada à posteriori através da análise dos registos de manutenção, ou estimada através do estudo da complexidade inerente aos componentes de software a manter (Abreu & Melo, 1996). Com efeito, a recolha de métricas de complexidade de software 1 permite a detecção dos componentes com maior propensão para conter defeitos. É possível estabelecer limiares para várias métricas de complexidade, que servem para a construção de heurísticas acerca das soluções de desenho encontradas no desenvolvimento de software (). Outra forma de aumentar a facilidade de manutenção é a utilização de mecanismos de documentação automática do software, de forma a que, em qualquer momento, os membros das equipas de manutenção tenham acesso a versões actualizadas da documentação. Defende-se nesta dissertação que as três vertentes apresentadas para a melhoria do processo de software (rastreio de acções de evolução, análise da complexidade do software e documentação automática do mesmo) podem e devem ser integradas por forma a que os utilizadores destas facilidades não sejam sobrecarregados com um conjunto de várias ferramentas desagregadas. O cruzamento de dados relativos ao produto e ao processo permite também o desenvolvimento de estudos empíricos relacionando a complexidade do software com a sua facilidade de manutenção. Defende-se também a adopção de uma abordagem quantitativa para a gestão do processo de software, perspectivando a transformação deste numa actividade 1 O termo complexidade é aqui usado como sinónimo da dificuldade de compreensão dos componentes de software, por parte dos elementos da equipa responsável pela sua manutenção.

30 4 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO de engenharia, repetível, controlável e passível de ser transferida sem grandes sobressaltos entre sucessivos membros das equipas de manutenção, por oposição ao carácter eminentemente criativo de que o desenvolvimento de software ainda se reveste. 1.2 Contribuições Fundamentais As contribuições avançadas nesta dissertação consistem, no essencial, nos seguintes pontos: Definição e implementação de uma arquitectura para uma ferramenta que combina a documentação automática de código com a apoio à gestão quantitativa do processo de software. Este apoio resulta da recolha e análise de métricas de software incidindo sobre a complexidade do mesmo e o seu processo de desenvolvimento. Além da produção de diversos relatórios de apoio à gestão do processo de software a ferramenta proposta suporta o rastreio das acções de evolução do software. Por forma a que a recolha de dados acerca do processo seja realizada com a contribuição de todos os agentes envolvidos na sua evolução, desde a equipa de manutenção até aos utilizadores finais, a possibilidade de utilização da ferramenta é facultada através de uma rede de comunicação a que todos estes intervenientes têm acesso. Ensaio da arquitectura proposta num ambiente de produção de software não académico. Desenvolvimento de um modelo para a complexidade do software e sua relação com os custos de manutenção, com base nos dados recolhidos no caso de estudo oferecido pelo ensaio da arquitectura. Desenvolvimento de heurísticas de desenho de componentes de software, com base no modelo de complexidade acima referido. Estas heurísticas auxiliam as equipas de desenvolvimento na tomada de opções de desenho, com vista à produção de software que privilegie a facilidade de manutenção.

31 1.3. ENQUADRAMENTO DO TRABALHO Enquadramento do Trabalho O trabalho apresentado nesta dissertação foi desenvolvido no âmbito do Grupo de Engenharia de Software de Lisboa do INESC 2. A actividade de investigação do grupo centra-se em torno de: Ambientes multi-utilizador orientados a objectos: desenvolvimento de aplicações distribuídas com separação de facetas; padrões de desenho; modelação de papeis. Recolha e análise de métricas para sistemas orientados a objectos: estimação de fiabilidade e facilidade de manutenção, avaliação da modularidade e outros aspectos arquitecturais, bem como o refinamento de um conjunto de métricas, denominado MOOD (Metrics for Object Oriented Design), vocacionadas para este paradigma. Gestão de projectos de software em larga escala: sistemas de gestão de configurações, metodologias de verificação e validação, modelização do processo de desenvolvimento de software, comparação de modelos de estimação de recursos, avaliação da maturidade e certificação do processo de desenvolvimento de software. Sistemas legados: engenharia inversa de modelos de dados; análise da complexidade de sistemas legados; utilização de tecnologia de web para a integração de actividades de recolha de dados acerca do processo de software e de métricas de produto, sistemas de rastreio de acções de evolução e desenvolvimento de modelos de análise de impacto de acções de evolução. O protocolo de cooperação estabelecido entre o INESC e a DAMAG 3 para a criação de mecanismos de auxílio à gestão do processo de software desta última constituiu o contexto para o ensaio da ferramenta e métodos de controlo quantitativo da evolução de sistemas apresentados ao longo da dissertação num ambiente não académico. 2 INstituto de Engenharia de Sistemas e Computadores 3 Direcção de Análise e Métodos de Apoio à Gestão da Marinha Portuguesa

32 6 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 1.4 Estrutura da Dissertação Além do presente capítulo, a dissertação é composta pelas seguintes partes: O Capítulo 2 fornece uma panorâmica sobre o trabalho desenvolvido actualmente no âmbito da melhoria do processo de software. Descrevem-se as origens da actividade de gestão da qualidade de software, bem como a sua transposição para o contexto da engenharia de software. São também abordados os aspectos essenciais relacionados com a melhoria do processo de software, com particular relevo para a recolha e análise de dados de suporte a essa actividade. Apresenta-se ainda algum trabalho relacionado com o desenvolvido no âmbito desta dissertação quer ao nível das ferramentas utilizadas, quer ao nível das abordagens quantitativas para um maior controlo da evolução de sistemas de software. O Capítulo 3 detalha o problema do controlo da evolução de sistemas de software, instanciado no caso de estudo que, ao longo de toda a dissertação, servirá de âncora para a discussão sobre os vários aspectos envolvidos no controlo do processo de desenvolvimento e manutenção de software numa organização. Este capítulo apresenta ainda a abordagem proposta nesta dissertação para o rastreio da evolução do software e respectivo processo, dentro de uma organização. É introduzida a arquitectura do sistema SofTrack, um sistema de rastreio da evolução de sistemas de software. O Capítulo 4 descreve os aspectos relacionados com a implementação do SofTrack, nomeadamente os processos de recolha de dados, sua análise e posterior disponibilização através da intranet da organização. Ao longo deste capítulo, é dado especial ênfase às tecnologias usadas na construção deste suporte computacional à actividade de evolução de software já existente. No capítulo 5 são analisados os dados recolhidos no âmbito do caso prático usado nesta dissertação. Não sendo, necessariamente, uma recolha exaustiva de toda a informação recolhida com o SofTrack (tal seria impossível no espaço

33 1.4. ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO 7 temporal de uma dissertação de Mestrado), pretende-se antes a ilustração de variadas técnicas de apoio à monitorização da evolução de sistemas, diagnóstico de eventuais problemas e estabelecimento de heurísticas para a avaliação da qualidade do software desenvolvido. Sendo certo que os valores concretos são específicos à organização em consideração, no caso prático apresentado, os aspectos fundamentais da abordagem são independentes da mesma. No capítulo 6 são apresentadas as conclusões da dissertação, perspectivando-se as orientações para trabalho futuro que resultam de novas oportunidades abertas pela elaboração desta tese. No apêndice A, apresentam-se alguns dos principais modelos de avaliação da maturidade do processo de software, por forma a fornecer algum enquadramento adicional às actividades descritas no presente documento, uma vez que o objectivo destas é precisamente o aumento da maturidade do processo de desenvolvimento. No apêndice B, descrevem-se as métricas de complexidade do software utilizadas nesta dissertação. No apêndice C, apresenta-se um exemplo de registo de acção de evolução completo que serviu de base para o rastreio realizado à evolução de sistemas, nesta dissertação.

34 8 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

35 2 Fundamentos e Trabalho Relacionado 2.1 Introdução A expressão crise do software acompanha as organizações produtoras de software há mais de três décadas, sendo sinónima de incapacidade para a sua produção com qualidade dentro do prazo e orçamento previstos. Em rigor, esta expressão talvez não seja completamente ajustada. Não o é, claramente, se o horizonte temporal a considerar consistir nas tais três décadas. A palavra crise deveria denotar um momento perigoso e decisivo para a indústria produtora de software. No entanto, os problemas representados por esta expressão são recorrentes, pelo que se poderia falar mais facilmente de dificuldades crónicas no desenvolvimento e manutenção de software, do que propriamente numa crise. A comunidade académica tem desenvolvido esforços no sentido de criar novas abordagens que permitam ultrapassar estas dificuldades crónicas. Por sua vez, a comunidade industrial sofre crescentes pressões, quer de carácter competitivo, quer resultantes da evolução tecnológica, para se adaptar rapidamente a novas formas de desempenhar a sua actividade. Na prática, este aparente casamento de interesses não tem sido tão profícuo como seria desejável, apesar dos progressos conseguidos, sobretudo durante a última década. As responsabilidades do fosso que infelizmente ainda existe entre as duas comunidades devem ser repartidas de parte a parte: a comunidade académica tem sentido algumas dificuldades na tarefa de validação dos benefícios oferecidos pelos avanços tecnológicos que vai propondo, criando assim alguma desconfiança na comunidade industrial; 9

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 30 de Novembro

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens Página2 Índice Empresa Valores Mercado Serviços Marcas Protocolo Vantagens a. Alunos / Docentes / Funcionários Contrapartidas Pág. 3 Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 7 Pág. 8 Pág. 8 4440-650 Valongo

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO Vítor Cóias De actividade subsidiária do sector da construção, a reabilitação do edificado e da infra-estrutura construída, isto

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK A Norma ISO/IEC 20000:2011 Information technology Service management Part 1: Service management system requirements é uma Norma de Qualidade que

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

CONTROLPLAN CONSULTING

CONTROLPLAN CONSULTING A ESTRATÉGIA É IMPORTANTE, MAS A EXECUÇÃO É QUE CONTA CONTROLPLAN CONSULTING O SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS CONTROLPLAN CONSULTING APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE MERCADO A ControlPlan Consulting tem sido uma referência

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Curso de Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa 2 A globalização da Sociedade da Informação em

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio ÍNDICE 1. Descrição da empresa 2. Descrição do problema 2.1 Subcontratação da produção 2.2 Relacionamento da empresa 2.3 Dois departamentos de qualidade 2.4 Inspecções actualmente efectuadas 2.5 Não conformidades

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM Como é que as ferramentas de SCM (Software Configuration Management) podem ajudar na melhoria de processos de acordo com o modelo CMM (Capability Maturity Model)?

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions. Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.pt Conteúdo Introdução... 2 Gestão de acessos... 3 Ficha de

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais