Evolução de Sistemas de Software: Uma Abordagem Quantitativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução de Sistemas de Software: Uma Abordagem Quantitativa"

Transcrição

1 Evolução de Sistemas de Software: Uma Abordagem Quantitativa Miguel Carlos Pacheco Afonso Goulão (Licenciado) Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores DOCUMENTO PROVISÓRIO Julho de 1999

2

3 Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Pedro Manuel Moreira Vaz Antunes de Sousa Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa iii

4 iv

5 Resumo A actividade de manutenção de sistemas de software absorve uma percentagem muito elevada dos recursos existentes para o desenvolvimento e manutenção dos mesmos. Não obstante a intensa actividade de investigaçãoanível internacional no sentido de desenvolver abordagens quantitativas que facilitem a gestão da evolução de sistemas, existe ainda um grande fosso entre as propostas desenvolvidas a nível académico e a realidade das organizações produtoras de software. Esta dissertação contribui com uma abordagem integrada para o suporte às actividades de manutenção e respectiva gestão, com uma base quantitativa, consubstanciada na implementação de uma ferramenta destinada a apoiar a abordagem proposta num ambiente distribuído, utilizando uma intranet como meio de transmissão de dados. A combinação de um sistema de produção automática de documentação do código fonte dos sistemas a manter, com um sistema de rastreio de acções de evolução e a análise de complexidade das mesmas constituem o núcleo da dissertação. O primeiro aspecto lida com a insuficiente ou inadequada documentação existente acerca dos sistemas a manter. O segundo, com a rastreabilidade da evolução dos sistemas e do processo que lhe está subjacente. O terceiro enquadra-se na abordagem quantitativa que se pretende dar à gestão do processo de software, tendo como objectivo fundamental a sua melhoria. v

6 vi

7 Abstract Software system s maintenance absorbs a high percentage of the resources made available by organizations to the software development and maintenance activities. In spite of the significant international research effort towards the development of quantitative approaches to the management of software system s evolution, the gap between the academic proposals and the software industry s reality remains a problem. This thesis presents an integrated quantitative approach to support and manage software maintenance. This proposal is reinforced by the development of a suitable software tool to support it on a distributed environment, using an intranet as the data transmission backbone. The tool combines the automatic production of source code documentation with a software evolution tracking system and software complexity analysis. The first aspect of the tool deals with the problem of non existent or outdated documentation on the maintained systems source code. The second one provides the means for tracking the evolution of software systems and underlying software process. The third aspect gives way for a quantitative approach on software process management, with the ultimate goal of software process improvement. vii

8 viii

9 Palavras Chave & Keywords Palavras Chave Engenharia de Software Empírica Sistemas de Rastreio de Acções de Evolução Qualidade de Software Modelos de Complexidade do Software Evolução do Processo de Software Ferramentas de Apoio à Manutenção de Sistemas de Software Keywords Empirical Software Engineering Software Evolution Tracking Systems Software Quality Software Complexity Models Software Process Improvement Tool Support for Software System s Maintenance ix

10 x

11 Agradecimentos Ao meu orientador, Professor Pedro Sousa, desejo agradecer o apoio prestado ao longo da elaboração desta dissertação, em particular pelo espírito crítico e objectivo com que pautou as diversas discussões que tivemos acerca do trabalho que originou esta tese. Ao Engenheiro Fernando Brito e Abreu, coordenador do projecto do qual surgiu esta tese, desejo expressar a minha gratidão pela sua total disponibilidade e entusiasmo no acompanhamento e discussão de diversos aspectos relacionados com este projecto, desde o estabelecimento de objectivos, à colaboração na elaboração de diversos documentos de carácter científico produzidos no âmbito deste trabalho, sem esquecer as revisões a este documento. Numa perspectiva mais abrangente, gostaria também de manifestar o meu reconhecimento pelo gosto que ao longo dos últimos anos me foi incutindo pelas actividades de investigação e ensino. À Direcção de Análise e Métodos de Apoio à Gestão da Marinha Portuguesa, em particular ao Cmdt. Carmo Durão, ao CTen. Bigotte de Almeida, ao Ten. Silva Monteiro e ao Ten. Palmeiro Ribeiro, pelo interesse e colaboração, sem os quais a elaboração do presente trabalho não teria sido possível. Ao INESC, pelo apoio institucional, logístico e científico que me proporcionou. Aos meus colegas do Grupo de Engenharia de Software e da Unidade de Reengenharia da Link. Aos meus irmãos, Pedro, Jorge, Beatriz, Amélia e Maria, à minha velha amiga Fátima, ao meu pai, Manuel, aos meus tios Lurdes e Armando, e aos restantes familiares, por todo o apoio, amor e carinho que sempre me deram. xi

12 A um bando de patifes que se dedicaram de forma criativa a tornar tudo isto bem mais interessante: Rita, Jota, Marta, Nuno, Teresa, Inês, Pedro, Hugo, Ilídio, Fred, Lurdes, J.P., Zé, Joana e Sofia. Lisboa, 4 de Agosto de 1998 Miguel Carlos Pacheco Afonso Goulão xii

13 Conteúdo Resumo v Abstract vii Palavras Chave & Keywords ix Agradecimentos xi Índice xviii Lista de Figuras xxi Lista de Tabelas xxiii Notação xxv 1 Introdução Motivação Contribuições Fundamentais Enquadramento do Trabalho Estrutura da Dissertação xiii

14 2 Fundamentos e Trabalho Relacionado Introdução Qualidade e Engenharia de Software Origens Qualidade de software Engenharia de Software Processo de Software Maturidade do Processo Validade da avaliação da maturidade do processo Processo de Medição Metodologia GQM Métricas de Processo Métricas de Produto Recolha de Dados Sistemas de Rastreio de Acções de Evolução PITS - Project Issue Tracking System TeamTrack Sistemas de Recolha de Métricas de Produto Modelos de Estimação de Recursos O Modelo COCOMO O Modelo de Pontos de Função Iniciativas de Melhoria do Processo de Software Síntese xiv

15 3 O projecto SofTrack Enquadramento O Problema Facilidade de manutenção Factores limitativos da facilidade de manutenção Estratégia para melhoria do processo Sistemas em análise Re-documentação de sistemas Factores Humanos Arquitectura do SofTrack Rede de Comunicação Servidor Recolha de Métricas de Produto - Logiscope Documentação Automática de Software Repositório do Processo de Software Gerador de Relatórios de Análise Servidor de Sessão Estabelecimento de uma Política de Acesso a Dados Cliente Repositórios de Dados Síntese Aspectos de Concepção e Realização Introdução xv

16 4.2 Recolha de Métricas de Produto Documentação Automática do Software Repositório de Processo do Softrack Agregação da Informação Acerca de Processo e Produto Geração de Relatórios de Análise Servidor de Sessão Servlets Cookies Servidor de Sessão Classes de base Ciclo de vida do servidor de sessão Inicialização do servidor de sessão Estrutura dos pedidos dirigidos ao SofTrack Satisfação de pedidos no servidor de sessão Gestão da política de acesso a dados Acesso aos Dados via JDBC Visualização de Relatórios Síntese Análise Quantitativa da Evolução de Sistemas de Software Introdução Leide Pareto Processo de Software Processo de recolha de dados xvi

17 Caracterização das Acções de Evolução Estabilidade e Fiabilidade do Software Satisfação dos clientes Modelos de Estimação Modelo para a Complexidade de Software Avaliação da Complexidade de Software Construção do Modelo Facilidade de Manutenção Revisitada Heurísticas para o Desenho de Software Síntese Conclusões e Trabalho Futuro Conclusões Trabalho Futuro A Bibliografia 149 B Avaliação da Maturidade do Processo de Desenvolvimento 157 B.1 CMM - Capability Maturity Model B.2 BOOTSTRAP B.3 SPICE - Software Process Improvement Capability and determination. 165 B.4 ISO C Apêndice B-Métricas de Complexidade do Produto 171 C.1 Métricas de Complexidade de Software C.2 Complexidade Textual xvii

18 C.3 Complexidade Estrutural C.4 Outras Métricas xviii

19 Lista de Figuras 2.1 O modelo de qualidade do ISO/IEC Estrutura genérica de um plano GQM Ciclo de vida de um registo no PITS Ciclo de vida de um registo no TeamTrack Extracção de características a partir do código fonte Cálculo dos pontos de função Arquitectura do SofTrack Interacção entre os clientes e o SofTrack Arquitectura do Servidor Extracto de um grafo de dependências do SAMARITAN Vista do SAMARITAN Ciclo de vida de um registo no RAPE Preenchimento dos dados por parte do utilizador Exemplo de lista de acesso de um utilizador Vista da lista de acesso de um utilizador no SofTrack Recolha de métricas de produto Agregação de métricas de produto e processo no SPSS xix

20 4.3 Exemplo de gerador de relatórios de gestão Java Servlet API Ciclo de vida do SessionServlet Método Init da classe SessionServlet Excerto do código fonte de shownewuser.htm Excerto do código fonte de shownewuser.htm Método service da classe SessionServlet Organização das classes de implementação de serviços Método perform da classe ServNewUserC Método redirect da classe ServiceC Vista do Explorador do SofTrack Organização das classes de implementação de serviços Método makequery da classe RAREHandleC Gráfico de controlo da evolução do número de pedidos Distribuição das acções, por estado do pedido Distribuição das acções de evolução final, por origem do pedido Distribuição das acções de evolução final, por módulo atingido Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Distribuição dos pedidos por fase do processo Conjunto de pedidos pendentes atribuídos a um utilizador Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Vista de um módulo no SAMARITAN xx

21 5.11 Métricas de complexidade do produto Tempo médio entre falhas Frequências de tempos de reparação Pedidos ordenados por tempo de reparação Detecção de tempos de reposição atípicos Distribuição das acções de evolução final, por prioridade Teste de Durbin-Watson Esforço estimado face ao esforço efectivo B.1 O modelo CMM B.2 Ciclo de reavaliação de um processo B.3 Composição de processos no BOOTSTRAP B.4 Avaliação da maturidade no BOOTSTRAP xxi

22 xxii

23 Lista de Tabelas 2.1 Constantes do COCOMO para a estimação do esforço Constantes do COCOMO para a estimação do prazo Constantes do COCOMO para a estimação do esforço com o modelo intermédio Sistemas Analisados no Projecto SofTrack Perfis de utilizadores Sistemas Analisados no Projecto SofTrack Parâmetros do Modelo de Esforço C.1 Níveis de linguagens xxiii

24 xxiv

25 Notação Ao longo do texto da presente tese, são usadas diversas notações tipográficas de forma a facilitar a leitura do mesmo: Expressões em inglês aparecem escritas em itálico. Conceitos novos são escritos em negrito. Informação extraída do código fonte de programas é apresentada em letra de máquina de escrever. Informação relativa a fórmulas matemáticas é indicada O restante texto é apresentado em românico. xxv

26 xxvi

27 1 Introdução A promoção da qualidade de produtos não deve ser apenas realizada através de inspecções ao produto final. A qualidade resulta em grande parte das condições criadas dentro de uma organização para a suportar. Por outras palavras, o processo de desenvolvimento de um produto é um factor essencial. No caso particular da produção de software, as organizações têm vindo a dedicar um crescente interesse à gestão do seu processo de software, encarando-o como um factor essencial para a entrega de software dentro dos prazos e orçamentos estimados, respeitando os critérios de qualidade estipulados (Derniame et al., 1999). O reconhecimento da dificuldade de gerir eficazmente aquilo que não se consegue medir tem funcionado como mola impulsionadora para muitos programas de métricas, em que as organizações procuram medir para poder gerir os seus processos de desenvolvimento (Dekkers, 1999). Existem razões fortes para suportar a actividade de medição. Os gestores de projecto necessitam de definir correctamente o produto, garantir a execução do projecto de forma eficiente e concluí-lo dentro do prazo estimado. As métricas de software podem auxiliar à obtenção destes objectivos (Abreu, 1992; Grady, 1992). À medida que um maior conjunto de organizações vai adoptando planos de métricas no âmbito de iniciativas de melhoria do processo de software, a utilização de uma abordagem quantitativa ao desenvolvimento de software está a tornar-se numa vantagem competitiva para as organizações que a adoptam. As métricas facilitam a detecção, padronização e melhoria das práticas de desenvolvimento que provem levar a melhores resultados. Em Portugal os casos em que o processo de software das organizações contempla 1

28 2 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO uma abordagem quantitativa para a sua gestão são ainda excepcionais, contrariando uma tendência que se tem acentuado sobretudo em países do Norte da Europa, em que um crescente número de organizações adopta planos de métricas para promover a qualidade do processo (Punter & Lami, 1998). As razões por detrás deste facto vão desde a relativa juventude da indústria de software, ao reduzido ênfase que os planos curriculares da generalidade das licenciaturas em Informática dão à gestão do processo de software, particularmente no que respeita a projectos de grande dimensão. 1.1 Motivação A gestão da qualidade do software deve começar pela gestão dos seus defeitos (Humphrey, 1994). Um primeiro passo a dar nessa gestão é a criação de mecanismos de suporte ao registo dos defeitos encontrados. Com algum esforço adicional, é possível registar não apenas a detecção dos defeitos, mas também a sua caracterização e a descrição da acção de manutenção desencadeada para os solucionar. O âmbito desta actividade de registo pode ser alargado a toda a actividade de manutenção desenvolvida sobre os sistemas informáticos, abarcando, assim, actividades correctivas, evolutivas e preventivas. Com este registo alargado de actividades, implementado através de um sistema de rastreio de acções de evolução, está criada uma base para uma posterior recuperação da evolução histórica dos sistemas analisados, motivos que estiveram por detrás das acções de evolução, quem as realizou e com que esforço. Sendo uma evolução significativa relativamente à inexistência de registos, os sistemas de rastreio de acções de evolução (e.g. (Callahan et al., 1998; TeamShare, 1997; Rational, 1999)) apresentam ainda algumas lacunas: A facilidade de análise da descrição das acções de evolução, a um nível macroscópico depende bastante da disciplina no preenchimento dos registos, uma vez que as descrições são feitas de forma textual não estruturada. A não utilização sistemática de expressões chave bem definidas dificulta posteriores pesquisas. Esta questão coloca-se sobretudo ao nível de sistemas destinados a ser usados num ambiente aberto em que os registos de rastreio poderão ser

29 1.1. MOTIVAÇÃO 3 parcialmente preenchidos, por exemplo, pelos utilizadores finais dos sistemas rastreados. A possibilidade de combinar métricas de produto com métricas de processo não é contemplada neste tipo de ferramentas, o que limita o tipo de estudos que se podem realizar, nomeadamente no que diz respeito àanálise da complexidade do software. Um dos aspectos da qualidade de software preponderante para a remoção dos defeitos encontrados é a sua facilidade de manutenção. Esta, pode ser determinada à posteriori através da análise dos registos de manutenção, ou estimada através do estudo da complexidade inerente aos componentes de software a manter (Abreu & Melo, 1996). Com efeito, a recolha de métricas de complexidade de software 1 permite a detecção dos componentes com maior propensão para conter defeitos. É possível estabelecer limiares para várias métricas de complexidade, que servem para a construção de heurísticas acerca das soluções de desenho encontradas no desenvolvimento de software (). Outra forma de aumentar a facilidade de manutenção é a utilização de mecanismos de documentação automática do software, de forma a que, em qualquer momento, os membros das equipas de manutenção tenham acesso a versões actualizadas da documentação. Defende-se nesta dissertação que as três vertentes apresentadas para a melhoria do processo de software (rastreio de acções de evolução, análise da complexidade do software e documentação automática do mesmo) podem e devem ser integradas por forma a que os utilizadores destas facilidades não sejam sobrecarregados com um conjunto de várias ferramentas desagregadas. O cruzamento de dados relativos ao produto e ao processo permite também o desenvolvimento de estudos empíricos relacionando a complexidade do software com a sua facilidade de manutenção. Defende-se também a adopção de uma abordagem quantitativa para a gestão do processo de software, perspectivando a transformação deste numa actividade 1 O termo complexidade é aqui usado como sinónimo da dificuldade de compreensão dos componentes de software, por parte dos elementos da equipa responsável pela sua manutenção.

30 4 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO de engenharia, repetível, controlável e passível de ser transferida sem grandes sobressaltos entre sucessivos membros das equipas de manutenção, por oposição ao carácter eminentemente criativo de que o desenvolvimento de software ainda se reveste. 1.2 Contribuições Fundamentais As contribuições avançadas nesta dissertação consistem, no essencial, nos seguintes pontos: Definição e implementação de uma arquitectura para uma ferramenta que combina a documentação automática de código com a apoio à gestão quantitativa do processo de software. Este apoio resulta da recolha e análise de métricas de software incidindo sobre a complexidade do mesmo e o seu processo de desenvolvimento. Além da produção de diversos relatórios de apoio à gestão do processo de software a ferramenta proposta suporta o rastreio das acções de evolução do software. Por forma a que a recolha de dados acerca do processo seja realizada com a contribuição de todos os agentes envolvidos na sua evolução, desde a equipa de manutenção até aos utilizadores finais, a possibilidade de utilização da ferramenta é facultada através de uma rede de comunicação a que todos estes intervenientes têm acesso. Ensaio da arquitectura proposta num ambiente de produção de software não académico. Desenvolvimento de um modelo para a complexidade do software e sua relação com os custos de manutenção, com base nos dados recolhidos no caso de estudo oferecido pelo ensaio da arquitectura. Desenvolvimento de heurísticas de desenho de componentes de software, com base no modelo de complexidade acima referido. Estas heurísticas auxiliam as equipas de desenvolvimento na tomada de opções de desenho, com vista à produção de software que privilegie a facilidade de manutenção.

31 1.3. ENQUADRAMENTO DO TRABALHO Enquadramento do Trabalho O trabalho apresentado nesta dissertação foi desenvolvido no âmbito do Grupo de Engenharia de Software de Lisboa do INESC 2. A actividade de investigação do grupo centra-se em torno de: Ambientes multi-utilizador orientados a objectos: desenvolvimento de aplicações distribuídas com separação de facetas; padrões de desenho; modelação de papeis. Recolha e análise de métricas para sistemas orientados a objectos: estimação de fiabilidade e facilidade de manutenção, avaliação da modularidade e outros aspectos arquitecturais, bem como o refinamento de um conjunto de métricas, denominado MOOD (Metrics for Object Oriented Design), vocacionadas para este paradigma. Gestão de projectos de software em larga escala: sistemas de gestão de configurações, metodologias de verificação e validação, modelização do processo de desenvolvimento de software, comparação de modelos de estimação de recursos, avaliação da maturidade e certificação do processo de desenvolvimento de software. Sistemas legados: engenharia inversa de modelos de dados; análise da complexidade de sistemas legados; utilização de tecnologia de web para a integração de actividades de recolha de dados acerca do processo de software e de métricas de produto, sistemas de rastreio de acções de evolução e desenvolvimento de modelos de análise de impacto de acções de evolução. O protocolo de cooperação estabelecido entre o INESC e a DAMAG 3 para a criação de mecanismos de auxílio à gestão do processo de software desta última constituiu o contexto para o ensaio da ferramenta e métodos de controlo quantitativo da evolução de sistemas apresentados ao longo da dissertação num ambiente não académico. 2 INstituto de Engenharia de Sistemas e Computadores 3 Direcção de Análise e Métodos de Apoio à Gestão da Marinha Portuguesa

32 6 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO 1.4 Estrutura da Dissertação Além do presente capítulo, a dissertação é composta pelas seguintes partes: O Capítulo 2 fornece uma panorâmica sobre o trabalho desenvolvido actualmente no âmbito da melhoria do processo de software. Descrevem-se as origens da actividade de gestão da qualidade de software, bem como a sua transposição para o contexto da engenharia de software. São também abordados os aspectos essenciais relacionados com a melhoria do processo de software, com particular relevo para a recolha e análise de dados de suporte a essa actividade. Apresenta-se ainda algum trabalho relacionado com o desenvolvido no âmbito desta dissertação quer ao nível das ferramentas utilizadas, quer ao nível das abordagens quantitativas para um maior controlo da evolução de sistemas de software. O Capítulo 3 detalha o problema do controlo da evolução de sistemas de software, instanciado no caso de estudo que, ao longo de toda a dissertação, servirá de âncora para a discussão sobre os vários aspectos envolvidos no controlo do processo de desenvolvimento e manutenção de software numa organização. Este capítulo apresenta ainda a abordagem proposta nesta dissertação para o rastreio da evolução do software e respectivo processo, dentro de uma organização. É introduzida a arquitectura do sistema SofTrack, um sistema de rastreio da evolução de sistemas de software. O Capítulo 4 descreve os aspectos relacionados com a implementação do SofTrack, nomeadamente os processos de recolha de dados, sua análise e posterior disponibilização através da intranet da organização. Ao longo deste capítulo, é dado especial ênfase às tecnologias usadas na construção deste suporte computacional à actividade de evolução de software já existente. No capítulo 5 são analisados os dados recolhidos no âmbito do caso prático usado nesta dissertação. Não sendo, necessariamente, uma recolha exaustiva de toda a informação recolhida com o SofTrack (tal seria impossível no espaço

33 1.4. ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO 7 temporal de uma dissertação de Mestrado), pretende-se antes a ilustração de variadas técnicas de apoio à monitorização da evolução de sistemas, diagnóstico de eventuais problemas e estabelecimento de heurísticas para a avaliação da qualidade do software desenvolvido. Sendo certo que os valores concretos são específicos à organização em consideração, no caso prático apresentado, os aspectos fundamentais da abordagem são independentes da mesma. No capítulo 6 são apresentadas as conclusões da dissertação, perspectivando-se as orientações para trabalho futuro que resultam de novas oportunidades abertas pela elaboração desta tese. No apêndice A, apresentam-se alguns dos principais modelos de avaliação da maturidade do processo de software, por forma a fornecer algum enquadramento adicional às actividades descritas no presente documento, uma vez que o objectivo destas é precisamente o aumento da maturidade do processo de desenvolvimento. No apêndice B, descrevem-se as métricas de complexidade do software utilizadas nesta dissertação. No apêndice C, apresenta-se um exemplo de registo de acção de evolução completo que serviu de base para o rastreio realizado à evolução de sistemas, nesta dissertação.

34 8 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

35 2 Fundamentos e Trabalho Relacionado 2.1 Introdução A expressão crise do software acompanha as organizações produtoras de software há mais de três décadas, sendo sinónima de incapacidade para a sua produção com qualidade dentro do prazo e orçamento previstos. Em rigor, esta expressão talvez não seja completamente ajustada. Não o é, claramente, se o horizonte temporal a considerar consistir nas tais três décadas. A palavra crise deveria denotar um momento perigoso e decisivo para a indústria produtora de software. No entanto, os problemas representados por esta expressão são recorrentes, pelo que se poderia falar mais facilmente de dificuldades crónicas no desenvolvimento e manutenção de software, do que propriamente numa crise. A comunidade académica tem desenvolvido esforços no sentido de criar novas abordagens que permitam ultrapassar estas dificuldades crónicas. Por sua vez, a comunidade industrial sofre crescentes pressões, quer de carácter competitivo, quer resultantes da evolução tecnológica, para se adaptar rapidamente a novas formas de desempenhar a sua actividade. Na prática, este aparente casamento de interesses não tem sido tão profícuo como seria desejável, apesar dos progressos conseguidos, sobretudo durante a última década. As responsabilidades do fosso que infelizmente ainda existe entre as duas comunidades devem ser repartidas de parte a parte: a comunidade académica tem sentido algumas dificuldades na tarefa de validação dos benefícios oferecidos pelos avanços tecnológicos que vai propondo, criando assim alguma desconfiança na comunidade industrial; 9

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM Como é que as ferramentas de SCM (Software Configuration Management) podem ajudar na melhoria de processos de acordo com o modelo CMM (Capability Maturity Model)?

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS Decidir sem informação é como navegar em mar-alto sem bússola As decisões, sejam elas de abrangência política, económica, social ou empresarial, têm que se apoiar em informação

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000)

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000) A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES José M. Viegas (Março 2000) I - A NECESSIDADE DO RECURSO AOS MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Wide Scope. Soluções de Optimização

Wide Scope. Soluções de Optimização Wide Scope Soluções de Optimização 2 Wide Scope Scheduler sequenciamento e optimização da produção A oportunidade para passar a agir, em vez de reagir. Maximizar a capacidade produtiva dos recursos quando

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Empenhamo-nos no que fazemos e fazemos bem

Empenhamo-nos no que fazemos e fazemos bem Empenhamo-nos no que fazemos e fazemos bem Localização: Amadora, Venda Nova, Rua Henrique de Paiva Couceiro (Sede), (onde se encontra o CNO) Colaboradores : Total: Funcionários: 84 Formadores: 58 CNO:

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte):

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte): MESTRADO INTEGRADO DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: TRANSPORTES Prof. Responsável: José Manuel Viegas Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte): Geração e 2010 / 2011 1/17 MODELOS GLOBAIS (I) Para além

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 56/CNECV/08

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 56/CNECV/08 56/CNECV/08 PARECER N.º 56 DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE VENDA DIRECTA DE TESTES GENÉTICOS AO PÚBLICO (Julho de 2008) A reflexão do Conselho Nacional de Ética para

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING 1000833 Henrique de Meireles Morais Maio de 2008 Disciplina: Sistemas Baseados em Agentes Professor: António Pinto de Sousa e Silva Mestrado

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE 1.1. Missão 1.2. Público-Alvo 1.3. Linhas de actuação estratégica 1.4. Modalidade de Formação 1.5. Formas de Organização

Leia mais

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE 1. REFERÊNCIAS [1] - Bases Gerais para a Implementação de Sistemas de Gestão da Manutenção de Material Circulante, Instrução Técnica 5, INCFA

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Gurus da Qualidade Gestão da Qualidade Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Walter Shewhart 1891-1967 Cartas de controlo Causas normais e causas especiais de variação Controlo estatístico do processo

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Exercícios programados

Exercícios programados Franz Blum Colaborador científico no Institut für Test- und Begabungsforschung sobre Instrumentos de Avaliação e Capacidades) Anne Hensgen no Institut für Bildungsforschung sobre Formação) Carmen Kloft

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK A Norma ISO/IEC 20000:2011 Information technology Service management Part 1: Service management system requirements é uma Norma de Qualidade que

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal

Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal Autor

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes Microfil QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Manuel Antunes Faculdade de Letras da Universidade do Porto 4 de Novembro de 2005 Tema A transferência de suporte e o desenvolvimento de software

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 21 Engenharia de Software 22.1 Enquadramento O software é conhecimento incorporado e, como esse conhecimento está inicialmente disperso, tácito, latente e, em larga medida, incompleto,

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software Engenharia de Software Engenharia de Software António Rito Silva Rito.Silva@inesc-id.pt Objectivos Problemas Qualidades Técnicas Conclusões Referências Sumário Engenharia de Software 2 Objectivos A engenharia

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto NP EN ISO 9001:2008 Principais alterações 06 de Maio de 2008 Dulce Pacheco Orador: Carla Pinto Local e Data: Coimbra, 30 Janeiro 2008 ISO 9001:2008 Principais alterações ç Motivações e processo de desenvolvimento

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

Introdução de computadores portáteis assemblados em Portugal pré instalados com software Open Source. Estudo de impacto económico

Introdução de computadores portáteis assemblados em Portugal pré instalados com software Open Source. Estudo de impacto económico Introdução de computadores portáteis assemblados em Portugal pré instalados com software Open Source Estudo de impacto económico Janeiro 2012 Índice 1 Apresentação do estudo...3 2 Pressupostos de análise...4

Leia mais

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Teresa Marta Lupi Ordaz Caldeira * INTRODUÇÃO O e-learning representa uma nova metodologia de ensino/ aprendizagem, permitindo

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

CONTROLPLAN CONSULTING

CONTROLPLAN CONSULTING A ESTRATÉGIA É IMPORTANTE, MAS A EXECUÇÃO É QUE CONTA CONTROLPLAN CONSULTING O SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS CONTROLPLAN CONSULTING APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE MERCADO A ControlPlan Consulting tem sido uma referência

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007 Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141 Portaria n.º 1633/2007 de 31 de Dezembro A Lei n.º 66 -B/2007, de 28 de Dezembro, que estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação

Leia mais