Moçambique. A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Moçambique. A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação"

Transcrição

1 Moçambique A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação Um relatório publicado pelo AfriMAP e pela Open Society Initiative for Southern Africa Abril 2012

2 Copyright Fundações da Open Society 2012 Esta publicação está disponível em formato.pdf no sítio na internet das Fundações da Open Society ou no sítio na internet da AfriMAP sob um licença Creative Commons que permite a cópia e distribuição da publicação, somente na sua totalidade, na medida em que ela seja atribuída às Fundações da Open Society e usada para fins educacionais não-comerciais ou para fins de política pública. As fotografias não podem ser usadas separadamente da publicação. ISBN Para maiores informações, contactar: AfriMAP, PO Box 678, Wits 2050, Joanesburgo, África do Sul Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) Design e lay-out de COMPRESS.dsl

3 Índice Índice de tabelas e figuras Índice de quadros Lista de acrónimos Prefácio Agradecimentos vi viii ix xiii xv Parte I A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação Documento para discussão 1 Introdução 3 1 A evolução das políticas de educação 4 2 Recolha, publicação e gestão da informação 7 3 Planificação estratégica, monitoria e avaliação 8 4 Alocação orçamental e apoio ao desenvolvimento 9 5 Gestão das finanças públicas e o orçamento 11 6 Gestão de recursos humanos 13 7 Controlo externo 17 8 Descentralização e fiscalização local 19 9 Considerações finais Síntese das principais recomendações 23

4 Parte II A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação Relatório Principal 27 1 O contexto da educação em Moçambique 29 A. Herança colonial 29 B. Educação nas zonas libertadas 33 C. Educação após a independência 33 D. O Sistema Nacional de Educação (SNE) 42 E. Arranjo institucional 45 2 Quadro legal internacional e nacional 47 A. Principais instrumentos normativos internacionais 47 B. Constituição da República 51 C. Legislação ordinária 52 D. Ensino privado 53 E. Recomendações 55 3 Recolha, publicação e gestão da informação 56 A. Sistema Nacional de Estatística e o sector da educação 57 B. Desagregação, publicação e divulgação das estatísticas e informação sobre o sector 60 C. Utilização da estatística da educação 61 D. Recomendações 61 4 Planificação, monitoria e avaliação 62 A. Processo de planificação, monitoria e avaliação ao nível central 62 B. Planificação, monitoria e avaliação ao nível provincial e distrital 71 C. Recomendações 72 5 Orçamento e gestão da despesa educativa 74 A. Processo de orçamentação 75 B. Alocação de recursos 78 C. Gestão das despesas no sector da educação 80 D. Recomendações 80 6 Apoio externo ao desenvolvimento do sector da educação 82 A. Contextualização 83 B. Ajuda-externa no sector da educação 85 C. Recomendações 87 7 Gestão dos recursos humanos 88 A. Estatísticas sobre os funcionários do sector da educação 89 B. Estrutura da gestão dos recursos humanos no aparelho de Estado 90 C. Gestão de recursos humanos no sector da educação 91 D. Recomendações 97

5 8 Mecanismos de controlo externo 99 A. Os mecanismos de controlo externo em Moçambique 99 B. Sociedade civil e acesso à informação 104 C. Corrupção no sector da educação 105 D. Recomendações Governação local e o sector da Educação 110 A. Desconcentração (descentralização administrativa) 110 B. Descentralização política (devolução) 112 C. Implicações da desconcentração e descentralização política no sector da educação 114 D. Recomendações Anexo estatístico 117 A. Ensino escolar geral 117 B. Ensino técnico-profissional 140 C. Ensino superior 143 D. Alfabetização e educação de adultos 147 E. Ensino à distância 149 F. Acesso à educação às crianças com necessidades especiais 151 G. Educação Bilíngue 152 Glossário de indicadores 154 Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação v

6 Índice de tabelas e figuras Tabela 1 Crescimento da educação no período colonial, Tabela 2 Níveis de educação da população, Tabela 3 Taxa de analfabetismo, por grupo etário e género / / Tabela 4 Estudantes no ensino primário privado em Moçambique, Tabela 5 Estudantes no ensino secundário privado em Moçambique, Tabela 6 Indicadores do Quadro de Avaliação de Desempenho 69 Tabela 7 Ciclo da planificação e monitoria do sector da educação e cultura 77 Tabela 8 Alocação de recursos ao sector da educação, (%) 79 Tabela 9 Execução das despesas sectoriais do Governo como percentagem das despesas totais, áreas prioritárias do PARPA II, (%) 79 Tabela 10 Fundos do FASE, (MT, 10 3 ) 87 Tabela 11 Distribuição territorial dos funcionários e agentes do Estado, sector da Educação, 2007/ Tabela 12 Número de professores no ensino primário e secundário público, Tabela 13 Professores por tipo de formação e sem formação pedagógica (%), Tabela 14 Formação de professores, número de alunos, Tabela 15 Auditorias planeadas e realizadas pelo Tribunal Administrativo 101 Tabela 16 Número de escolas por níveis, Tabela 17 Número de escolas por área, EP1-EP2, Tabela 18 Evolução nas matrículas, sector público, Tabela 19 Ensino Geral Alunos matriculados por nível, classe e género, 2002, 2008, Tabela 20 Taxa bruta de admissão e taxas bruta e líquida de escolarização, EP1, (%) 123 Tabela 21 Taxas bruta e líquida de escolarização, EP2, ESG1, ESG2 (público e privado), (%) 125 vi Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação

7 Tabela 22 Taxas líquida e bruta de frequência escolar, ensino primário e secundário, Tabela 23 Taxa líquida de frequência, escola primária e secundária, 2008 (MICS) 126 Tabela 24 Taxas de reprovação e desistência por província e região (%), Tabela 25 Graduados, EP1-ESG2, Tabela 26 Motivação das crianças (6-17 anos) que já frequentaram a escola e não mais a frequentam (%) 128 Tabela 27 Impactos dos factores do lado da procura, oferta e contexto nas taxas de admissão e conclusão no ensino primário, Niassa, Zambézia, Gaza e Maputo, Tabela 28 Despesa média anual em propinas escolares por criança, por quintil, 2004 (USD) 130 Tabela 29 Despesa média anual dos agregados familiares por criança em uniformes, livros e outras materiais escolares, por quintil, EP1, 2004 (USD) 130 Tabela 30 Distância, em minutos, até a escola primária e secundária mais próxima, urbana e rural, 2004 (% dos agregados familiares) 132 Tabela 31 Proporção de repetentes (%), Tabela 32 Rácios alunos/professor e alunos/turma, EP1 ESG2, Tabela 33 Rácios alunos/professor e alunos/turma no sector público, Tabela 34 Número de professores a leccionar em dois turnos, EP1, Tabela 35 Proporção da raparigas na escola por província, Tabela 36 Número de alunos no ensino técnico-profissional (turno diurno), Tabela 37 Estudantes por área científica, Universidades públicas e privadas, Tabela 38 Educação de adultos - Número de alfabetizandos existentes no início, fim e aprovados, Figura 1 Taxa de analfabetismo, por grupo etário e género, Figura 2 O ciclo de planificaçao no sector da educação 78 Figura 3 Ajuda-externa a Moçambique, (milhões USD) 83 Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação vii

8 Índice de quadros Quadro 1 Organização das escolas primárias (ensino básico) 44 Quadro 2 Principais objectivos estratégicos do governo sector da educação, Quadro 3 Zonas de Influência Pedagógica (ZIPs) 72 Quadro 4 Salas de aula: Descrições de observadores do INDE 120 Quadro 5 Progressão por ciclos de aprendizagem 133 viii Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação

9 Lista de acrónimos ADE APRM ASE BdPES BM CCRGP CFMP CFPP CGE CGF CIP COPA CSE DAF DICES DICES DINAC DINAE DINEG DINET DIPE DIPLAC DNO DPEC DRH EAC EAD EGFAE EP EP2 EPC ESG1 ESG2 FASE FRELIMO GCC Apoio Directo às Escolas African Peer Review Mechanism Acção Social Escolar Balanço do Plano Económico e Social Banco de Moçambique Conselho Coordenador do Recenseamento Geral da População Cenário Fiscal de Médio Prazo Centro de Formação de Professores Primários Conta Geral do Estado Comité de Gestão Financeira Centro de Integridade Pública Comité Paritário de Acompanhamento Conselho Superior de Estatística Direcção de Administração e Finanças Direcção de Coordenação do Ensino Superior Direcção Nacional para a Coordenação do Ensino Superior Direcção Nacional da Cultura Direcção Nacional de Alfabetização e Educação de Adultos Direcção Nacional de Educação Geral Direcção Nacional de Educação Técnico-Profissional e Vocacional Direcção de Programas Especiais Direcção de Planificação e Cooperação Direcção Nacional do Orçamento Direcção Provincial da Educação e Cultura Direcção de Recursos Humanos Estratégia de Combate à Corrupção Educação à Distância Estatuto Geral dos Funcionários e Agentes do Estado Ensino Primário de 1º.Grau Ensino Primário de 2º. Grau Escola Primária Completa Ensino Secundário Geral de 1º. Grau Ensino Secundário Geral de 2º. Grau Fundo de Apoio ao Sector da Educação Frente de Libertação de Moçambique Grupo do Conselho Coordenador Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação ix

10 GCCC GT IAF IDS IEDA IFP IFTRAB IGF IL IMAP INAC INDE INE INED IOF MAE MARP MEC MF MICS MINED MISAU MMAS MPD NEPAD ODM OE OLE ONP PAP PARPA PDD PEE PEEC PES PESOD PGR PIDESC PIREP PNUD PQG QAD Gabinete Central de Combate à Corrupção Grupo de Trabalho Inquérito aos Agregados Familiares Inquérito Demográfico de Saúde Instituto de Educação à Distância e Aberta Instituto de Formação de Professores Inquérito da Força de Trabalho Inspecção Geral de Finanças Instituto de Línguas Instituto de Magistério Primário Instituto Nacional de Audiovisual e de Cinema Instituto Nacional de Desenvolvimento da Educação Instituto Nacional de Estatística Instituto Nacional de Ensino à Distância. Inquérito aos Orçamentos Familiares Ministério da Administração Estatal Mecanismo Africano de Revisão de Pares Ministério da Educação e Cultura Ministério das Finanças Multiple Indicator Cluster Survey Ministério da Educação Ministério da Saúde Ministério da Mulher e da Acção Social Ministério da Planificação e Desenvolvimento. New Partnership for African Development Objectivos do Desenvolvimento do Milénio Orçamento do Estado Órgãos Locais de Estado Organização Nacional do Professores Parceiros de Apoio Programático Plano de Acção para a Redução da Pobreza Absoluta Plano de Desenvolvimento Distrital Plano Estratégico para o Sector da Educação Plano Estratégico para a Educação e Cultura Plano Económico e Social Plano Económico e Social e Orçamento Do Distrito Procuradoria Geral da República Pacto Internacional de Direitos Económicos, Sociais e Culturais Programa Integrado da Reforma da Educação Profissional Programa as Nações Unidas para o Desenvolvimento Programa Quinquenal do Governo Quadro de Avaliação de Desempenho x Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação

11 QIBB RAR RENAMO REO SACMEQ SARDC SIDA SIGEDAP SISTAFE SNE SNGRH UEM UNDP ZIP Questionários dos Indicadores de Bem-Estar Reunião Anual de Revisão Resistência Nacional Moçambicana Relatório de Execução Orçamental Southern and Eastern Africa Consortium for Monitoring of Education Quality Southern Africa Research and Documentation Centre Swedish International Development Cooperation Agency Sistema de Gestão do Desempenho na Administração Pública Sistema de Administração Financeira do Estado Sistema Nacional de Educação Sistema Nacional de Gestão dos Recursos Humanos do Estado Universidade Eduardo Mondlane United Nations Development Programme Zona de Influência Pedagógica Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação xi

12

13 Prefácio Este estudo completa a série de três estudos sobre a governação em Moçambique, coordenada pelo projecto AfriMAP (Africa Governance Monitoring and Advocacy Project). Os outros dois estudos centraram-se no sector da justiça e estado de direito (publicado em 2006) e na democracia e participação política (publicado em 2009). Assim como nos trabalhos anteriores, este relatório é o resultado do esforço conjunto do AfriMAP, da Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) e de seus parceiros locais. O objectivo do projecto é monitorar em que medida os países africanos e seus parceiros de desenvolvimento garantem o cumprimento das normas e padrões africanos e internacionais na área dos direitos humanos, estado de direito e prestação de contas. O presente estudo enquadra-se neste esforço de monitoria na medida em que busca identificar problemas de governação na prestação de serviços públicos no sector da educação. O principal objectivo do trabalho não é avaliar o desempenho das escolas em Moçambique em termos de resultados, mas sim os processos e estruturas, os mecanismos de governação estabelecidos para se atingir o objectivo de uma educação de qualidade para todos. O AfriMAP foi estabelecido num contexto em que os estados africanos comprometeram-se com a boa governação, na sequência da substituição da Organização da Unidade Africana pela União Africana em A Constituição da União Africana possui disposições sobre a promoção dos direitos humanos, princípios e instituições democráticas, participação dos cidadãos e boa governação. Outros documentos com compromissos mais específicos foram adoptados posteriormente, incluindo a Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD); o Mecanismo Africano de Revisão de Pares (MARP); a Convenção contra Corrupção da União Africana; o Protocolo à Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos sobre os direitos das mulheres em África; e a Carta Africana sobre Democracia, Eleições e Governação. O objectivo dos relatórios da AfriMAP é facilitar e promover o respeito por estes compromissos, sublinhando assuntos importantes e facilitando a formação de uma plataforma que organizações da sociedade civil possam usar nas suas actividades de monitoria. Os relatórios do AfriMAP não são produzidos para formar um catálogo de opiniões, e evitam, o máximo possível, o uso dos modelos quantitativos actualmente em voga na área de estudos de governação. Alternativamente, os relatórios buscam oferecer a discussão mais completa possível, incluindo tanto pontos fortes e fracos, da boa governação, respeito pelos Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação xiii

14 direitos humanos e participação política, e destacar áreas que precisam de melhorias. Por meio de consultas a especialistas, o AfriMAP desenvolveu um formato para a produção de relatórios em três áreas temáticas: o sector da justiça e o estado de direito; democracia e participação política; e a prestação efectiva de serviços públicos. Os questionários desenvolvidos, incluindo o questionário sobre a prestação efectiva de serviços públicos que orientou a redação do presente relatório, estão disponíveis no website do AfriMAP, O presente relatório vai para além de simplesmente mencionar o cumprimento dos padrões mínimos relacionados aos direitos económicos e sociais na área da educação. Ele destaca as reformas realizadas no sector, discute as suas dificuldades e sugere recomendações para aprimorar a prestação dos serviços públicos de educação. Esperamos que o relatório possa contribuir para os esforços para o aprimoramento do sector da educação em Moçambique. x i v Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação

15 Agradecimentos O trabalho de pesquisa e redacção deste relatório não teria sido possível sem a valiosa contribuição de várias pessoas e organizações. O relatório foi produzido sob a liderança do Instituto de Pesquisa José Negrão Cruzeiro do Sul, uma organização da sociedade civil moçambicana, a cuja equipa agradecemos a dedicação e empenho demonstrados ao longo do projecto. A pesquisa e redacção foram conduzidas por uma equipa de pesquisadores, nomeadamente: Luís Felipe Pereira, Joaquim Matavele, Alberto Cupane, André Cristiano José e Jonas Pohlmann Bronwen Manby, consultora-sénior do AfriMAP, para além do minucioso trabalho de revisão do documento, colaborou também na elaboração do relatório. Ozias Tungwarara, director-executivo do AfriMAP, prestou assistência e conselhos durante todo o processo. Tomé Eduardo foi responsável pela redacção do documento de discussão, e também fez a leitura crítica do relatório. Paul Fauvet traduziu o relatório do português ao inglês. Agradecemos, finalmente, às várias pessoas nos diversos órgãos do Governo, especialmente no sector da educação, ao nível central, provincial e local, nas organizações da sociedade civil, nas instituições de pesquisa e junto aos parceiros de cooperação que abdicaram do seu tempo para serem entrevistados ou para participarem em seminários e discussões organizadas em Maputo, Beira e Nampula. Uma agradecimento sincero é apresentado a todas as pessoas envolvidas neste processo. Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação xv

16

17 Parte I Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação Documento para discussão

18

19 Introdução Aquando da independência, Moçambique herdou de Portugal um sistema educativo precário, caracterizado por altos níveis de analfabetismo, uma rede escolar reduzida, falta de funcionários e professores qualificados e desigualdades regionais e de género marcantes. O sistema legado a Moçambique não fora desenvolvido para atender à maioria. Assim, a expansão do acesso aos serviços educativos tornou-se numa das principais prioridades do país após a independência. O comprometimento nacional para com a educação nunca saiu da agenda de desenvolvimento de Moçambique, nem mesmo durante o conflito armado e os períodos de dificuldade económica. Este comprometimento do país relativamente à educação fez com que Moçambique atingisse resultados importantes. As taxas de escolarização aumentaram substancialmente, e as taxas de analfabetismo reduziram de cerca de 90% no início dos anos 1970 para 48% em A taxa líquida de escolarização no ensino primário está agora em 81,3% (2008), e a proporção de raparigas no ensino primário aumentou de 33% após a independência para 47,2% em Contudo, não obstante todos estes sucesssos, Moçambique ainda luta para atingir a meta de, em 2015, oferecer o ensino primário para todas as crianças em idade escolar. Os gastos do sector da educação estão a subir mas os recursos alocados à educação não estão a aumentar na mesma proporção; a dedicação dos professores é baixa; muitas crianças, especialmente as raparigas, não completam o ensino primário; as escolas continuam a ter falta de material; os professores e gestores dos serviços de educação demonstram grandes fraquezas e os rácios entre o número de alunos e professores são bastante altos. Em suma, a qualidade dos serviços de educação está a cair e as reformas introduzidas no sector não têm tido um impacto significativo. Este documento discute algumas das razões para os actuais problemas do sector da educação, com ênfase na sua governação. Discute o cumprimento das normas nacionais e internacionais, os sistemas de informação, a produção e implementação de políticas públicas, o financiamento do sector da educação, políticas e práticas de recursos humanos, assim como o controlo externo. O documento começa com uma breve discussão sobre a história da governação do sector. A discussão nota que os actuais desafios são o resultado de práticas e instituições herdadas, da falta de recursos humanos e financeiros, assim como das escolhas políticas feitas para lidar com estes desafios. O funcionamento das instituições é outra área de preocupação, não obstante o bom quadro regulatório. O documento avança que é possível reverter alguns dos aspectos disfuncionais do sector da educação por meio da implementação de mudanças institucionais, políticas e de gestão. Documento para discussão 3

20 O presente documento oferece uma síntese de algumas opções políticas. Em cada tópico discutido, o documento possui uma rápida introdução da situação, dos principais actores envolvidos e dos assuntos relevantes. Com o relatório, espera-se enriquecer ainda mais o debate no país. Em linhas gerais, o relatório destaca que as prioridades no sentido de melhorar a governação do sector, e, consequentemente, os seus resultados no longo-prazo, são: a) um maior esforço para mobilizar recursos e alocá-los de acordo com as necessidades críticas do sector, especialmente para enfrentar as desigualdades regionais; b) acções de combate à corrupção, inclusive com o reforço dos órgãos de controlo do Ministério da Educação; c) acções para aprimorar a gestão dos recursos humanos, incluindo a formação de professores; d) os processos para o desenvolvimento de políticas públicas e planos estratégicos para o sector, assim como para a produção do seu orçamento, devem incluir e envolver as organizações da sociedade civil, as quais podem oferecer importantes sugestões e informações; e) os procedimentos para a nomeação dos directores das escola devem ser mais transparentes e competitivos, e os conselhos de escola devem ter um papel em ratificar as nomeações; f) o Ministério deve garantir que todas as escolas primários tenham conselhos de escola e monitorar adequadamente o processo com a criação, em todos os níveis da administração, de capacidade institucional para apoiar e seguir a implementação desta inovação; g) informações mais detalhadas e completas sobre o sector da educação devem ser disponibilizadas ao público. 1. A evolução das políticas de educação As actuais políticas educativas, seus sucessos e desafios, têm uma longa história. As suas raízes estão na experiência educativa da colónia e nas escolhas políticas da Frelimo desde a luta de libertação, nos anos 1960 e 1970, passando pelo período revolucionário e socialista pósindependência, nos meados dos 1970s e anos 1980, até a actual fase de liberalismo económico e pluralismo político. O governo colonial não tinha interesse real na educação dos povos africanos. Não obstante os ventos de mudança que varreram a África nos anos 1960 e forçaram as autoridades coloniais a tornarem seus sistemas educativos mais acessíveis, em 1970, cinco anos antes da independência, as taxas de analfabetismo em Moçambique eram de cerca de 90%. Após a independência, o governo socialista da Frelimo promoveu de forma activa a expansão do acesso à educação e nacionalizou todos os serviços educativos. O governo passou a ser o único provedor de serviços no sector da educação. A primeira constituição do Moçambique independente fez da educação não somente um direito, mas também um imperativo para o desenvolvimento nacional. Moçambique ratificou tratados internacionais e regionais (África e África Austral) e os domesticou no seu quadro regulatório nacional. Surpreendentemente, contudo, tendo em vista a sua orientação socialista, até muito recentemente o governo não tinha tomado qualquer medida para a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Económicos, Sociais e Culturais, o principal documento relativo ao direito à educação no direito internacional. Em Fevereiro de 2011, entretanto, o Conselho de Ministros aprovou uma resolução solicitando ao 4 PARTE I Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação

21 Parlamento a ratificação do Pacto. Se o Parlamento aprovar a resolução e ratificar o Pacto, será um importante passo para a protecção dos direitos humanos no país. Os primeiros anos após a independência foram marcados por um grande entusiasmo, voluntarismo e altos níveis de apoio popular às iniciativas do governo. O número de crianças a frequentar as escolas aumentou de em 1975 para 2,3 milhões em 1980; a proporção de raparigas dentre estas crianças também subiu de 33% em 1975 para cerca de 43% em Em 1983, a Lei do Sistema Nacional de Educação (SNE) foi aprovada com o objectivo de consolidar os ganhos obtidos até então. Contudo, as ambições do governo foram prejudicadas pelo início do conflito armado nos anos 1980 e, mais tarde, pelas dificuldades trazidas pelas políticas de reajuste estrutural introduzidas na segunda metade da década. De 1981 a 1987, a guerra destruiu ou forçou o encerramento de cerca de 50% das escolas primárias do país, 13% das suas escolas secundárias e cerca de 23% de suas instituições de formação. Em 1987, a introdução de um programa de reajustamento estrutural, defendido pelo Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial, fez com que o governo tivesse de implementar cortes drásticos nos gastos públicos nos sectores sociais. Contudo, as políticas governamentais continuaram a considerar a educação como uma prioridade e o país tornou-se signatário dos acordos internacionais sobre a educação para todos (Education for All, EfA), tornando-se efectivamente parte do emergente consenso internacional em torno de políticas sectoriais de desenvolvimento. Em 1990, uma nova constituição foi adoptada, consagrando um sistema político multipartidário, e, com o fim do conflito armado em 1992, as políticas governamentais mudaram para acomodar o novo contexto nacional. Na constituição de 1990 (e na sua versão revista de 2004), a educação é ainda vista como um direito e um dever de todos os cidadãos, embora ela não seja mais obrigatória e livre. É responsabilidade do Estado promover o acesso à educação e a igualdade de oportunidades educativas (art. 92). A constituição torna o regime de direitos fundamentais obrigatório a todas as entidades, tanto privadas quanto públicas, e garante o acesso a vários mecanismos legais e institucionais necessários para garantir que violações dos direitos tenham um remédio legal, incluindo o acesso aos tribunais e a assistência jurídica. A revisão constitucional de 2004 introduziu uma importante regra, segundo a qual os preceitos constitucionais relativos aos direitos fundamentais são interpretados de harmonia com a Declaração Universal dos Direitos do Homem e a Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos (art. 43) ambos os quais garantem o direito à educação. A nova Lei de Educação Nacional de 1992, que substituiu a legislação de 1983, também afirma que a educação é um direito e um dever de todos os cidadãos, e, ao mesmo tempo que reafirma o papel central do governo, abre o sector para actores não-estatais. A lei é complementada pela Lei sobre o Ensino Superior (2009), que expressamente destaca a necessidade de o ensino superior tornar-se compatível com os direitos humanos. O ensino privado também deve ser governado pela lei e regulado pelo governo. Nos anos 1990, vários documentos preparatórios conduziram à adopção do primeiro Plano Estratégico da Educação (PEE-I), que foi publicado em 1997 e implementado entre 1999 e O período de implementação do PEE-I testemunhou a construção de novas instalações nas escolas primárias e secundárias e a reabilitação daquelas instalações que tinham sido destruídas pelo conflito armado. Também durante este período, houve um aumento no número de professores, Documento para discussão 5

22 uma melhor distribuição da rede escolar, um aumento no número de raparigas frequentando a escola e uma redução nos níveis de analfabetismo (para 48% em 2008). Em 2006, o segundo Plano Estratégico da Educação e Cultura (PEEC-II) para o período /11 foi publicado. Os objectivos do PEEC-II estavam ligados ao Plano de Acção para a Redução da Pobreza Absoluta (PARPA-II), ao Programa Quinquenal do Governo (PQG) e aos orçamentos governamentais, assim como aos compromissos internacionais de Moçambique para com a educação para todos e para com os objectivos de desenvolvimento do milénio (ODM). O PEEC-II deixa claro que a principal prioridade do governo é a educação básica, e que o governo está comprometido em garantir a educação primária universal para todos em 2015, a meta dos ODM. O PEEC-II é complementado por outras estratégias sectoriais acerca do ensino secundário, formação de professores, educação vocacional, género no sector público e ensino superior. Estas iniciativas no âmbito institucional, regulatório e estratégico têm, sem dúvida, contribuído para o aumento signicativo nas taxas brutas de escolarização e nas melhorias em termos de paridade de género, especialmente nos níveis primários. Houve também progressos na redução das diferenças de género na escolarização na educação primária. Contudo, apesar destes sucessos, há ainda grandes desigualdades no país, diferenças de género continuam na maioria dos indicadores e os programas de reabilitação de infra-estruturas escolares têm observado grandes atrasos. Portanto, há ainda muito a fazer para que se atinjam taxas universais de conclusão do ensino primário, igualdade de género e igualdade no acesso à educação para todos. Questões que precisam de ser enfrentadas pelo governo incluem: a falta de salas de aula (um número significativo de crianças de 6 anos ainda não tem acesso à escola); altas taxas de abandono e reprovação; altos rácios de alunos por professor; desigualdades regionais em termos da prestação de serviços de educação, taxas de conclusão e frequência. A qualidade da educação é uma das principais preocupações em relação ao sistema, uma vez que as várias reformas introduzidas até o momento não parecem ter obtido um efeito positivo significativo. O governo continua a lutar para encontrar soluções para estes problemas. Entretanto, existem dúvidas sobre as razões pelas quais as políticas e reformas adoptadas continuam a conduzir a resultados insatisfatórios. Por que o acesso aos níveis superiores do ensino primário, secundário e superior continua a ser restritivo? Por que as disparidades de género e regionais, as altas taxas de desistência continuam a existir no sistema? As informações sobre a melhoria no acesso à educação não demonstram como os pobres e outros grupos vulneráveis estão posicionados no sistema. Serão as actuais políticas capazes de lidar com as causas dos problemas da educação em Moçambique? Em relação à qualidade da educação, os altos rácios de estudantes em relação aos professores são certamente parte do problema, e discussões sobre a qualidade e o tipo de formação de professores continuam a ter lugar. Há ainda poucas horas de contacto entre professores e alunos, e os problemas da carência de aulas e de métodos de ensino inadequados continuam. Por que tantos estudantes, especialmente raparigas, não conseguem completar o ensino primário de sete anos? O presente documento pretende discutir alguns dos aspectos da governação do sistema educativo moçambicano que precisam de ser reforçados para que o governo enfrente com sucesso estes desafios. 6 PARTE I Moçambique: A Prestação Efectiva de Serviços Públicos no Sector da Educação

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Fazer da escola um polo de desenvolvimento consolidando a Moçambicanidade

Fazer da escola um polo de desenvolvimento consolidando a Moçambicanidade REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Fazer da escola um polo de desenvolvimento consolidando a Moçambicanidade PLANO ESTRATÉGICO DE EDUCAÇÃO E CULTURA 2006 2010/11 (Versão 09/06/2006)

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES GOVERNO DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E TÉCNICOS DE EDUCAÇÃO ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2004 2015 PROPOSTA DE POLÍTICAS Maputo 2004 Índice

Leia mais

Estratégia do Ensino Secundário Geral 2009-2015

Estratégia do Ensino Secundário Geral 2009-2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS Estratégia do Ensino Secundário Geral 2009-2015 Novembro de 2009 Aprovada na XXI Sessão Ordinária do Conselho de Ministros, aos 24/11/09 Índice Acrónimos...v

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

República de Moçambique. Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional 2008-2012

República de Moçambique. Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional 2008-2012 República de Moçambique Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional 2008-2012 I. ENQUADRAMENTO O presente Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional é, no quadro geral do planeamento do Governo,

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 1 Rainha Juga, beneficiaria de uma campanha de cirurgia do Hospital Central da Beira ao distrito de Gorongosa 2 Moçambique

Leia mais

SPEED Bridge Program Africa LEAD II

SPEED Bridge Program Africa LEAD II SPEED Bridge Program Africa LEAD II Revisão Técnica do Quadro Legal de Terras Position Title: - ESPECIALISTA EM POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DE TERRAS - JURISTA, E ESPECIALISTA EM LEGISLAÇÃO SOBRE TERRAS Período

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

Situação das Crianças em Moçambique 2014

Situação das Crianças em Moçambique 2014 Situação das Crianças em Moçambique 2014 No decurso da última década, a situação das crianças em Moçambique avançou significativamente. Mais crianças estão a sobreviver e a ter acesso ao sistema de protecção

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS DE REDE DE GESTÃO DE CONHECIMENTO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO - NO.VA/NPCA/15/17

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS DE REDE DE GESTÃO DE CONHECIMENTO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO - NO.VA/NPCA/15/17 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS DE REDE DE GESTÃO DE CONHECIMENTO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO - NO.VA/NPCA/15/17 A União Africana (UA), estabelecida como um órgão Pan-Africano continental e único,

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD

AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DE PROGRAMA ABRANGENTE DE DESENVOLVIMENTO DE AGRICULTURA EM ÁFRICA (CAADP) NO.VA/NPCA/14/16 A União Africana (UA), estabelecida como um

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE 2014 FIDIC GAMA ANNUAL CONFERENCE LOCAL INVOLVEMENT IN MAJOR PROJECTS FOR SUSTAINABILITY MAPUTO: 23 TO 26 TH MARCH 2014 Group of African Member Associations International Federation of Consulting Engineers

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração e

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Análise do Financiamento no Sector de Água e Saneamento em Moçambique

Análise do Financiamento no Sector de Água e Saneamento em Moçambique Análise do Financiamento no Sector de Água e Saneamento em Moçambique Ficha Técnica TÍTULO: PROPRIEDADE: AUTOR: REVISÃO LINGUÍSTICA: LAYOUT E MAQUETIZAÇÃO: IMPRESSÃO: TIRAGEM: Análise do Financiamento

Leia mais

Plano Estratégico de Educação 1999-2003

Plano Estratégico de Educação 1999-2003 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano Estratégico de Educação 1999-2003 Combater a Exclusão, Renovar a Escola MAPUTO, OUTUBRO 1998 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 1 II. ANTECEDENTES E CONTEXTO DO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA

DECLARAÇÃO DE LUANDA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 RESUMO Julho 2013 As Missões de Acompanhamento Eleitoral da União Europeia são independentes das instituições da União Europeia. O presente

Leia mais

Plano Estratégico da Educação 2012-2016

Plano Estratégico da Educação 2012-2016 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano Estratégico da Educação 2012-2016 Vamos aprender! Construindo competências para um Moçambique em constante desenvolvimento. 12 de Junho, 2012 Índice

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC

Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC Setembro de 2010 Este document apresenta um resumo das principais conclusões e recomendações de um estudo sobre financiamento político na região

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Orientações e Metodologia para a Elaboração das Propostas de: Plano Económico e Social e Orçamento do Estado

Leia mais

Qualidade de Ensino no Ensino Primário. Por: Manuel Francisco Lobo e Ismael Cassamo Nhêze

Qualidade de Ensino no Ensino Primário. Por: Manuel Francisco Lobo e Ismael Cassamo Nhêze MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PARA TODOS Qualidade de Ensino no Ensino Primário Por: Manuel Francisco Lobo e Ismael Cassamo Nhêze Maputo, 30 de Setembro 2008 1 Acrónimos ADE CEF DPEC EFA EFA-FTI EP EP1 EP2 EPC

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Metodologia para a Elaboração das Propostas do CENÁRIO FISCAL DE MÉDIO PRAZO 2009-2011

Metodologia para a Elaboração das Propostas do CENÁRIO FISCAL DE MÉDIO PRAZO 2009-2011 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Metodologia para a Elaboração das Propostas do CENÁRIO FISCAL DE MÉDIO PRAZO 2009-2011 Maputo, Novembro de 2007 Índice 1. Introdução

Leia mais

Este relatório destaca as informações chave publicadas e disponíveis na Lei do Orçamento do Estado de 2014 Foto: UNICEF/Moçambique

Este relatório destaca as informações chave publicadas e disponíveis na Lei do Orçamento do Estado de 2014 Foto: UNICEF/Moçambique Este relatório destaca as informações chave publicadas e disponíveis na Lei do Orçamento do Estado de 2014 Foto: UNICEF/Moçambique Informe Orçamental Sector da Saúde em Moçambique Mensagens Chave: Em 2014,

Leia mais

Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde

Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde Instrumento de Apreciação Conjunta: Os atributos de una Estratégia nacional solida Versão 2: Setembro de 2011 Informação complementar em:

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão em África

Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão em África União Africana Comissão Africana para os Direitos do Homem e dos Povos Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão em África Preâmbulo Reafirmando a fundamental importância da liberdade de

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Volume II A. Ensino Primário e Secundário. Avaliação do Plano Estratégico para a Educação e Cultura 2006-2010/11

Volume II A. Ensino Primário e Secundário. Avaliação do Plano Estratégico para a Educação e Cultura 2006-2010/11 å Relatório de Avaliação Volume II A. Ensino Primário e Secundário Avaliação do Plano Estratégico para a Educação e Cultura 2006-2010/11 Ministério da Educação, República de Moçambique Grant No. TF92651-MOZ

Leia mais

Ministério da Educação Direcção Nacional de Alfabetização e Educação de Adultos. Estratégia de Alfabetização e Educação de Adultos

Ministério da Educação Direcção Nacional de Alfabetização e Educação de Adultos. Estratégia de Alfabetização e Educação de Adultos República de Moçambique Ministério da Educação Direcção Nacional de Alfabetização e Educação de Adultos Estratégia de Alfabetização e Educação de Adultos Maputo, Outubro de 2010 ÍNDICE PÁGINA Acrónimos

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 4ª Edição, 2015 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em todas as fases do processo orçamental

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR)

República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR) República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR) Título da atribuição: TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 8/2003 Havendo necessidade de se rever o quadro legal dos órgãos do Estado visando estabelecer, no prosseguimento da construção de uma administração pública para o desenvolvimento,

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

HMN Mozambique country report

HMN Mozambique country report República de Moçambique Ministério da Saúde Instituto Nacional de Saúde Departamento de informação para a saúde HMN Mozambique country report October, Mozambique 1 Introdução Desde a última avaliação do

Leia mais

Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) Iniciativa de Prevenção do Crime e da Violência (Crime and Violence Prevention Initiative - CVPI)

Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) Iniciativa de Prevenção do Crime e da Violência (Crime and Violence Prevention Initiative - CVPI) Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) Iniciativa de Prevenção do Crime e da Violência (Crime and Violence Prevention Initiative - CVPI) Apresentação do Programa em Moçambique Antecedentes

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: ASSISTENTE FINANCEIRO - PROGRAMA PARA O DESENVOLVIMENTO DE INFRA-ESTRUTURAS EM ÁFRICA (PIDA) - NO.VA/NPCA/15/15

ANÚNCIO DE VAGA: ASSISTENTE FINANCEIRO - PROGRAMA PARA O DESENVOLVIMENTO DE INFRA-ESTRUTURAS EM ÁFRICA (PIDA) - NO.VA/NPCA/15/15 ANÚNCIO DE VAGA: ASSISTENTE FINANCEIRO - PROGRAMA PARA O DESENVOLVIMENTO DE INFRA-ESTRUTURAS EM ÁFRICA (PIDA) - NO.VA/NPCA/15/15 A Comissão da União Africana assinou uma concessão com o Banco Africano

Leia mais

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS DIRECÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris As Instituições Nacionais

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objectivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social 6 Meta 2: Estrutura e programas de organização 8 Meta 3: Comunicação 10 Meta 4:

Leia mais

POBREZA E DESIGUALDADE: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO

POBREZA E DESIGUALDADE: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO POBREZA E DESIGUALDADE: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A Declaração do Milénio adoptada em 2000, comprometeu países ricos e pobres a fazerem tudo o que poderem para erradicar a pobreza, promover a dignidade

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE TRIBUNAL ADMINISTRATIVO Contadoria de Contas e Auditorias RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Distribuição Gratuita do Livro Escolar

Leia mais

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 1. Introdução O Fundo NEPAD/Espanha para Capacitação das Mulheres (NSF) tem a honra

Leia mais

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Contextualização Para a operacionalização dos Programas de Segurança Social Básica o MMAS conta com O Instituto Nacional de Acção

Leia mais

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN)

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN) 670 I SÉRIE NÚMERO 76 do artigo 25 da Lei n.º 14/2002, de 26 de Junho, Lei de Minas, o Conselho de Ministros determina: Artigo 1. São aprovados os termos do Contrato Mineiro, para a mina de carvão do Projecto

Leia mais