Programa. Ano Base. Área de Avaliação ENGENHARIAS III. Área Básica ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Instituição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa. Ano Base. Área de Avaliação ENGENHARIAS III. Área Básica ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 3.08.00.00-5. Instituição"

Transcrição

1 Ano Base 2004 Área de Avaliação ENGENHARIAS III Área Básica ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Instituição UFRN - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (RN) ENGENHARIA DE PRODUÇÃO P-2 1 de 8

2 P-PG-01 Cursos Nível Início M2 - ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mestrado Acadêmico 1999 Proposta do - Áreas de Concentração / Linhas de Pesquisa (P-PG-02a/b) Nível GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Mestrado Acadêmico Início 2001 Estratégia de Produção Gestão Ambiental Gestão de Operações Gestão Social Mercado e Produto Pesquisa Operacional Qualidade Proposta do - Recursos Humanos (P-PG-04) Ref. 1 Docentes 6 Participante Externo Qtd. 19,0 10,4 % 35,0 16,1 % Proposta do - Requisitos para Titulação (P-PG-05) Créditos Nível Disciplinas Tese / Outros Equivalência Carga horária Dissertação horas / crédito exigida Mestrado Acadêmico Proposta do - Visão geral, evolução e tendências (P-PG-06) Sumário 1. Objetivos Gerais do PEP/UFRN 2. Análise Crítica do triênio e Mudanças 3. Análise Crítica do ano de Perspectivas para o triênio Objetivos Gerais Ao ser criado em 1999, o PEP traçou como seus objetivos estratégicos, nas diversas áreas da engenharia de produção e de sua competência: promover, em nível de excelência internacional, a educação continuada nas modalidades de de pós-graduação lato e estrito senso, presencial e não presencial, dentro das possibilidades legais e técnicas existentes fornecer formação de pós-graduação para atender a demandas de profissionais e empresas desenvolver pesquisas e projetos de consultoria técnica para aplicações práticas em empresas e outras entidades públicas ou privadas, bem como ampliar a base de conhecimento em suas áreas de competência fornecer formação de pós-graduação acadêmica para atender ao mercado acadêmico contribuir para a qualificação em nível de excelência de docentes das IES nacionais e internacionais 2 de 8

3 Estes objetivos gerais são desdobrados em objetivos concretos: - Interagir regularmente com Universidades internacionais - Ofertar Doutorado acadêmico, com publicação de 1 paper em periódico internacional, por Tese de Doutorado, e defesa em 3 anos; - Ofertar Mestrado acadêmico, com publicação de 1 paper em congresso por Tese de Mestrado e defesa entre 18 a 24 meses; - Ofertar Mestrados profissionais, atendendo a público profissional de demanda específica. - Ofertar cursos de Certificados de Pós-Graduação (Lato Sensu) - Ofertar educação Continuada presencial, semi-presencial e à distância - Alcançar regime regular de produção de pesquisa e produtos intelectuais - Alcançar regime regular de produção de bibliografia didática e em veículos de divulgação Análise Crítica do triênio e Mudanças Das atividades realizadas e da avaliação CAPES no triênio , destacam-se os seguintes pontos críticos na visão dos professores do programa: a) É necessário publicar em periódicos b) É necessário viabilizar o Doutorado c) É necessário realizar uma efetiva interação internacional e nacional. d) É necessário reavaliar a manutenção do lato sensu versus o Mestrado Profissional e) É necessário limitar a duração do Mestrado a 24 meses Análise Critica do ano de Interação internacional Em 2004 avançamos de modo mais objetivo na busca do intercâmbio internacional. Esta aproximação tem se dado em três iniciativas principais: a) No ambito do POMS - Production and Operations Management Society, a partir de participação regular nos congressos internacionais e aproximação com professores destacados tais como Suresh Sethi, Universidade do Texas em Dallas, Aleda Roth, ex-presidente do POMS, e outros. O Prof. Suresh esteve em 2004 no PEP/UFRN como visitante por um curto período custeado com recursos próprios do. b) Aproximação com Universidades portuguesas, destacando-se a Universidade Técnica de Lisboa, Universidade do Minho, Universidade de Coimbra e Universidade do Porto. Com a Universidade Técnica de Lisboa foi já assinado um convênio de cooperação amplo no qual professor do PEP/UFRN é o coordenador pela UFRN. Estão em processo de formulação convênios com a Universidade de Coimbra e Universidade do Minho. Professores destas três universidades estarão participando de projetos acadêmicos do PEP/UFRN no triênio. Em 2004, os professores Carlos Bana e Costa, Paulo Soares estiveram em visita ao PEP/UFRN em seminários e discussões acadêmicas no campo de Análise Multicritério. c) Ações internacionais no âmbito do projeto Fábrica do Milênio, que envolve universdades do Canadá e Alemanha, por exemplo. 3.2 Oferta do Doutorado Ainda não iniciamos o doutorado devido à sua não aprovação ainda ela CAPES. Entendemos que um ponto fraco do no triênio anterior, a publicação em períodicos, será sanado neste triênio. Em 2004 este quadro começa a ser revertido. Algumas ações foram tomadas, todavia, como por exemplo a aproximação internacional de professores que se dispõem a colaborar no de Doutorado do PEP/UFRN, dentre eles o Prof. Suresh, o Prof. Carlos Bana e Costa, dentre outros. 3.3 Oferta de Mestrado Acadêmico O PEP/UFRN tem oferecido regularmente o M.Sc. em Ciências em Engenharia de Produção, com fluxo de entrada e saída já regular, e enorme demanda social. Anualmente são cerca de 280 candidatos ao M.Sc. O Mestrado Acadêmico tem tido um alcance social importante na medida em que praticamente todas as Instituições de Ensino Superior do estado têm egressos ou alunos no programa. 3.4 Oferta de Mestrado Profissional Estivemos aguardando uma melhor definição da política da CAPES para lançar esta iniciativa. Temos tido solicitação desta iniciativa por parte do setor produtivo e governo. 3.5 Oferta de cursos lato sensu A oferta de cursos lato sensu tem sido uma das conquistas do PEP/UFRN, que tem ofertado de modo regular, anualmente, cursos de Gestão da Qualidade e Gestão Ambiental, sempre com turmas de 30 alunos ou mais. Considerando a dimensão populacional de Natal, este feito não é trivial. Em Gestão da Qualidade, já são 10 turmas ofertadas. Em Gestão Ambiental, foram já 3 turmas, com cerca de 100 alunos formados. Em Segurança do Trabalho, há uma terceira turma em andamento, totalizando cerca de 120 profissionais em qualificação no período. Ao todo, o PEP/UFRN já formou mais de 600 profissionais em praticamente todo o estado. Todavia, em 2004, como parte do processo de reavaliação o PEP/UFRN ofereceu apenas um curso de especialização Educação continuada e não presencial O PEP não ofertou ainda a educação semi-presencial ou à distância. Estes são claramente desafios para o próximo período. 3.7 Atendimento à demanda social empresarial e de governo O PEP/UFRN é hoje considerado na sociedade potiguar um centro de excelência na oferta de educação pós-graduada em seu campo de conhecimento. O conjunto de entidades, órgãos de governo, profissionais atendidos pelo PEP/UFRN abrange praticamente todos setores produtivos e a maioria dos setores de governo existentes no estado. 3.8 Projetos de extensão no campo da consultoria técnica Este enfoque não avançou como se esperava. A avaliação atual é que não é um objetivo primário do ou um subproduto eventual. 3 de 8

4 3.9 Pós-Graduação para atender ao Sistema de Ensino Superior O PEP/UFRN provavelmente, afora o Pós-Graduação em Educação, é um dos s da UFRN que mais contribui na formação de profissionais para docência em IES. Os egressos do têm encontrado espaço de trabalho em relativamente pouco tempo após a defesa e mesmo durante o curso. Mais de 75% dos egressos atuam hoje em IES Indicadores do Mestrado Acadêmico, Publicação e Tempo de Defesa. A partir de 2001, entrou em regime o fluxo de titulação. Foram 10 defesas em 2001, 13 em 2002 e 16 em Em 2004 foram 22 defesas realizadas, tendo o PEP tornado-se o programa que mais titula na UFRN dentre aqueles que possuem apenas mestrado, ficando em terceiro lugar no âmbito geral da instituição.. Em termos de publicação em congressos, o deteve no triênio anterior uma média de 1 artigo por aluno. Praticamente todos alunos passam pela experiência de preparar um artigo, aprová-lo e fazer a comunicação oral do mesmo, uma experiência importante durante o Mestrado. O tempo de defesa está em processo gradativo de declínio. De uma média em torno de 33 meses para a primeira turma, vem caindo ano a ano e aponta-se para um tempo de titulação médio de cerca de 24 meses com a turma que entrou em A meta para o futuro é apontar para 18 a 20 meses como tempo médio e 24 como máximo Produção científica em veículos mais qualificados A produção científica vem progressiva e sistematicamente crescendo. O ano de 2004 foi melhor que 2003, 2003 melhor que 2002, 2002 melhor que Em 2004, mudando um quadro crítico, começa-se um regime de produção em periódicos e participação em livros internacionais. A produção científica discente está em regime, com uma média de cerca de 1 paper em congresso por aluno por ano. Praticamente todos alunos que se titulam no PEP têm trabalhos em congressos. Considerando que a aprovação em congressos é uma medida de qualidade, e que a comunicação dos resultados é uma atividade do processo de pesquisa, este quadro permite considerar que aqui o objetivo foi plenamente alcançado Perspectivas para o triênio As principais expectativas colocadas para o final do triênio são: 4.1 Interação internacional Intercâmbio estabelecido com Universidade Montreal, Universidade Técnida de Berlim, Universidade do Texas em Dallas, Universidade Técnica de Lisboa, Universidade de Coimbra, Universidade do Minho, Universidade do Porto. 4.2 Doutorado Estar iniciando ou em projeto, preferencialmente consorciando-se com uma instituição próxima, como UFPB, e com participação de Universidades internacionais. 4.3 Mestrado Acadêmico Reduzir sua dimensão devido ao Mestrado Profissional. Tempo de titulação máximo de 24 meses. 4.4 Mestrado Profissional Em funcionamento regular, com mesma área de formação do mestrado acadêmico, mas com diferente perspectiva de formação (aplicada em vez de teórica) 4.5 Publicação qualificada Estar publicando numa faixa de 0,5 a 0,75 artigos internacionais por docente/ano. Priorizar a publicação em periódicos, com alguma redução do perfil atual de publicação em congressos. Publicar livros destinados a graduação. 4.6 Referência para o Sistema de Ensino Superior no estado Continuar a ser uma referência para as IES's na área do PEP e áreas afins. Proposta do - Integração com a Graduação Benefícios recíprocos da integração com cursos de graduação. Resultados obtidos (P-PG-07) A interação com a graduação ocorre nas seguintes perspectivas: Todos professores ministram aulas na graduação, melhorando a qualidade da graduação. Todos alunos do M.Sc. têm de apoiar disciplinas de graduação dos professores orientadores, aumentando o suporte aos alunos de graduação. Bolsistas PIBIC ou ANP/PRH atuam em pesquisa junto com os respectivos alunos de M.Sc., promovendo a experiência em pesquisa para alunos da graduação e ajudando os alunos de mestrado em seus projetos. Há abertura para envolvimento de alunos de graduação na pesquisa do M.Sc. (faltam recursos para bolsas de graduação, todavia). O PEP/UFRN colabora no financiamento de parte da infraestrutura usada na graduação, tais como: - Instalações da Secretaria da Graduação - Salas de aula e equipamentos audiovisuais - Tecnologia da Informação 4 de 8

5 A graduação, com isso, possui uma estrutra de apoio acima da média de outros cursos da UFRN. Proposta do - Integração com a Graduação Estágio de docência do pós graduando junto aos alunos da graduação (P-PG-07a) Todos alunos do M.Sc. têm de apoiar disciplinas de graduação dos professores orientadores, aumentando o suporte aos alunos de graduação. Esta atividade é traduzida em uma disciplina obrigatória de 2 créditos, a qual é um requisito para obtenção do título. Os resultados têm sido excelentes, tanto para o aprendizado prático dos alunos do M.Sc., para os alunos da graduação, que contam agora com mais apoio docente, e para os professores mesmos que podem dedicar mais tempo à pesquisa e também desenvolver capacidade de coordenar equipes de projeto, na medida em que um professor possui, tipicamente, 4 a 5 alunos de mestrado em condições de atuar no estágio docência. Proposta do - Infraestrutura - Laboratórios (P-PG-08) O laboratório disponível para alunos é de informática, com máquinas em rede ligadas à internet 24 h por dia, 7 dias por semana. Há um laboratório de desenvolvimento de tecnologia da informação, o qual objetiva gerar produtos de TI das pesquisas do mestrado. Este laboratório conta com pessoal de TI contratado com recursos próprios do PEP. Proposta do - Infraestrutura - Biblioteca (P-PG-09) A biblioteca ainda é inicial, mas no PEP/UFRN utiliza-se primariamente papers de periódicos e congressos como material de pesquisa bibliográfica e suporte às disciplinas. Neste sentido, todos alunos têm acesso individual sem restrições ao sciencedirect, emerald, proquest, etc., por exemplo. Proposta do - Infraestrutura - Recursos de Informática (P-PG-10) Além do laboratório de informática e o de desenvolvimento, foram servidores de www, e arquivos. Todos alunos do PEP possuem e espaço em disco para arquivar documentos digitais. Está disponível no laboratório de informática uma máquina com gravador de CD para que os alunos possam arquivar seus documentos em CD. Todos alunos têm acesso à rede da UFRN (e assim ao portal de periódicos da CAPES) através de linha discada ou banda larga via cabo. Adicionalmente, todos alunos que quiserem podem se conectar de casa via rede dial-up ou cabo a um servidor da UFRN, com acesso assim ao sistema do PEP e ao portal de periódicos diretamente de casa. Desse modo, o acesso aos periódicos pelos alunos de casa pode ser feito a qualquer hora do dia ou da noite. Proposta do - Infraestrutura - Outras Informações (P-PG-10a) Há uma boa infraestrutura de telefonia, contando com 5 linhas tronco de telefones e incluindo linha dedicada para FAX. Não há restrição de ligações nacionais ou internacionais para professores e alunos do em suas atividades de pesquisa. Proposta do - Intercâmbios Institucionais (P-PG-11) Em 2004 o PEP/UFRN avançous nas seguintes iniciativas de intercâmbios institucionais: a) Participação de Prof. Reidson Pereira Gouvinhas e alunos no projeto Fábrica do Milênio, que inclui uma rede de Universidades brasileiras e internacionais (Montreal, Berlim); b) Professores de diversas IFES e inclusive de Universidades no exterior têm colaborado no com docência em cursos de especialização. c) Assinatura de convênio e interação com a Universidade Técnica de Lisboa, a mais importante instituiçao portuguesa na área de engenharia d) Aproximação e em processo de aprovação de documento de acordo de cooperação com Universidade do Minho e Universidade de Coimbra, Portugal. e) Aproximação e em processo de discussão de termos de projetos com a Universidade do Texas em Dallas. Todavia, as restrições financeiras decorrentes do Orçamento da União para a UFRN limitam este campo. 5 de 8

6 Proposta do - Auto-Avaliação (P-PG-12) - Publicação em periódicos - Fluxo de alunos, tempo de titulação - Biblioteca - Espaço físico para professores Proposta do - Auto-Avaliação - Deficiências a serem corrigidas (P-PG-12a) - Proposta e estrutura do curso, coerente e consistente - Áreas de pesquisa atuais e relevantes social e academicamente - Vinculação profissional dos docentes, 95% professores DE - Ambiente de envolvimento e postura de busca do consenso. Desde 1999, apenas duas decisões foram tomadas por votação, tendo sido todas as outras definidas por consenso do colegiado do programa. - Perfil dos professores, a maioria em seu primeiro terço da vida acadêmica e portanto com perspectiva de crescimento qualitativo - Grande demanda que resulta na seleção de bons alunos. Atualmente tem sido cerca de 8 a 9 candidatos por vaga no mestrado acadêmico - Imagem positiva na sociedade potiguar Proposta do - Outras Informações (P-PG-13) Neste espaço, apresentamos informações adicionais sobre perspectivas para o próximo triênio. Preenchimento do COLETA i. Mudanças em curso ii. O financiamento iii. Corpo Docente ========================================= Preenchimento deste COLETA Pedimos desculpas pelo preenchimento incompleto ou eventualmente inconsistente deste COLETA. Desde 2000 fazíamos o preenchimento em rede, multi-usuário, com acesso transparente ao banco de dados, o que facilitava o preenchimento. Desta vez, pelo caráter mono-usuário e a necessidade de recuperar dados anteriores e redigitá-los, o tempo alocado por nós acabou por se mostrar inadequado. Faremos a correção quando oportuno. ========================================= i. Mudanças em Curso A estratégia do PEP, como programa novo, foi criar linhas de pesquisa no escopo das áreas de concentração coerentes com o corpo docente do PEP e, ao mesmo tempo, orientadas a objetivos estratégicos. Assim, inicialmente as duas áreas de concentração Estratégia e Qualidade refletiam o corpo docente e a história de maior densidade de atividades da UFRN em Engenharia de Produção. As linhas de pesquisa foram definidas inicialmente de modo amplo dentro das áreas de concentração, de modo a apresentar à sociedade o campo de pesquisa possível de atuação. Com a evolução do, algumas linhas mostraram-se sem demanda da sociedade ou interesse de continuidade pelos professores. Como resultado, em 2000 foram criadas mais duas linhas de pesquisa Gestão Ambiental e Gestão da Produção e Operaçoes, as quais se mantiveram no triênio. Para o triênio foi definido uma consolidação das áreas de concentração em apenas uma Gestão da Produção e Operações, alinhando-se internacionalmente ao que é definido por sociedades científicas como POMS, EUROMA. Os projetos serão consolidados e reduzidos. Neste COLETA, devido a algumas dificuldades com o software e alterações, há inconsistências e incompletudes que serão corrigidas posteriormente quando do reenvio na avaliação trienal ii. Financiamento O PEP/UFRN tem tentado estratégias alternativas ao financiamento dos cursos de mestrado, alavancando o financiamento básico estabelecido pela CAPES/PROAP e CAPES/DS, e pela UFRN/MEC. Basicamente, conseguimos em 2000 obter três tipos de financiamentos adicionais ao da CAPES: 1 1 ANP 6 de 8

7 1.1 ANP Através de projeto vencedor de edital da ANP, o contou com bolsas de mestrado, graduação e correspondentes taxas de bancadas, no triênio. Esta fonte foi descontinuada neste período. 1.2 Cursos de Especialização Os cursos ofertados regularmente aportam recursos que ajudam a manter o, todavia podem deixar de fazê-lo dando lugar ao mestrado profissional. 1.3 Convênio Institucionais A partir de 2002, os convênio institucionais para qualificação de docentes de IES e profissionais tem permitido um aporte de recursos que melhora a condição financeira do. Este modelo tende a continuar no triênio, ajudam a manter certa estabilidade financeira ao iii. Corpo Docente A partir de 2004 começam a retornar um conjunto de professores que estavam em titulação, alguns em Universidades no exterior. A expectativa é que sejam incorporados 5 a 7 professores ao, além de 2 a 3 Bolsistas DCR. Proposta do - Ensino a Distância (P-PG-14) Não. Proposta do - Trabalhos em Preparação (P-PG-15) Proposta do - Atividades Complementares (P-PG-16) O corpo docente do PEP é, via de regra, envolvido em outras atividades externas ao progama. No triênio destacamos: ABNT/CB-25 Comitê Brasileiro da Qualidade O Prof. Rubens E. Barreto Ramos é membro do ABNT/CB-25, Comitê Brasileiro da Qualidade, ligado ao ISO/TC176, reponsável pela discussão e elaboração das normas da série ISO ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental O Prof. Sérgio Marques Júnior, é membro do ABNT/CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, ligado ao ISO/TC207, reponsável pela discussão e elaboração das normas da série ISO Fórum de Design do RN O Prof. Reidson Pereira Gouvinhas é membro do Fórum de Design do RN, fórum multinstitucional no estado atuando no âmbito do Brasil Design. Fórum Ambiental do RN O Prof. Sérgio Marques Júnior é membro do Fórum Ambiental do RN, fórum multinstitucional no estado que discute as questões ambientais. Secretaria de Ensino à Distância A Profa. Ana Célia C. F. Campos participa desta secretaria da UFRN dedicada a estimular e organizar na UFRN a educação a distância. Pró-Reitoria de Extensão O Prof. Enilson Medeiros dos Santos é pró-reitor adjunto de extensão da UFRN e também dirige a Editora da UFRN. AQC Black Belt Professores André L. S. Pinho e Carla A. Vivacqua obtiveram da American Society for Quality a certficação para atuação como Six Sigma Black Belt Proposta do - Críticas/Sugestões para Comitê de Avaliação (P-PG-17) Apresento três considerações: 1. Criação da Engenharia V/VI (Engenharia de Produção) 2. Dilema entre publicar e formar 3. Processo de avaliaçao Criação da Engenharia V, área que congrega Engenharia de Produção, primariamente, com possível inclusão da Engenharia de Transportes. A justificativa é a mesma acima, reproduzida aqui: Considero que a Engenharia de Produção deveria ser uma Engenharia própria, seja Engenharia V ou VI. Na graduação, o MEC reconhece e define a Engenharia de Produção como área distinta, denominada no INEP de Engenharia VI para fins do ENADE. No CNPq, já de longa data, a Engenharia de Produção é uma área de conhecimento do 7 de 8

8 g p q j g g ç mesmo nível das outras. Na CAPES, mantém-se uma ligação artificial com a Engenharia Mecanica, associação esta que a meu ver tem provocado um menor crescimento que o possível para a Engenharia de Produção. 2. Dilema publicar e formar. Não resta dúvida que a publicação em periódicos é a base para a produção científica qualificada. Todavia, do modo como se tem conduzido, a formação de recursos humanos em mestrado e doutorado tem sido relegada a segundo plano. Na última reunião foi dado como importante que determinada área possuía indicador 1,0 papers/professor.ano em periódicos internacionais, sem se observar que possuía também 0,5 mestres por professor.ano e 0,25 doutores por professor.ano. A prioridade da publicação é certa, todavia creio que formar pessoas é também uma prioridade do Brasil, com enorme déficit de pós-graduados quando comparado com países europeus. O Brasil possui hoje menos de 1% de adultos com mestrado. Acho que deve ser dado um peso maior para a formação de pessoas no nosso país. 3. Sobre o processo de avaliação Acho que o processo deveria se deter em dois pontos apenas: Formação de pessoas e Publicação. No primeiro caso acho que os indicadores principais são Tempo de Titulação, Formação por Docente, Impacto local e regional (quantitativo e qualitativo), Formação por unidade de dinheiro público alocado. No segundo caso, Publicação docente em periódicos, congressos e livros, devendo todos serem considerados, mas com peso maior para periódicos, seguido de livros e congresso. Em qualquer situação, usar os indicadores de impacto já existentes. 8 de 8

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitoria de Graduação Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu - 1-1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu Os dados da pós-graduação brasileira indicam que todas as áreas do conhecimento apresentaram crescimento expressivo ao longo dos anos, com algumas oscilações,

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Coordenadora de Área: CLARILZA PRADO DE SOUSA Coordenadora-Adjunta de Área: ELIZABETH FERNANDES DE MACEDO Modalidade: Acadêmica I. Considerações gerais sobre o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE XXX DEPARTAMENTO DE XXX CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 10, de 06 de março de 2015, publicado no Diário

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

Ítens 1) Avaliação 2)

Ítens 1) Avaliação 2) Área de Avaliação: Período: 2001/2003 Área de Avaliação: Programa: Instituição: QUESITOS I - Proposta do Programa Ítens 1) Avaliação 2) 1 Coerência e consistência da Proposta do Programa. 2 Adequação e

Leia mais

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004 Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes Documento de Área: Ciências e Tecnologia de Alimentos AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA 2012 COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA ❶ Coordenador Prof. Márcio Machado Ladeira ❷ Coordenador Adjunto

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Arnaldo de França Caldas Jr (UFPE) Outubro 2011 OBJETIVOS Refletir sobre trajetórias, discutir

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 50.nutr@capes.gov.br DOCUMENTOS DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSAO PRO-TEMPORE DE ESTRUTURAÇÃO DA

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni

Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni Projeto Permanente do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Desenvolvimento e Aprendizagem na Infância Brusque, dezembro de 2009.

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Programa de Pós-Graduação em Educação Física

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Programa de Pós-Graduação em Educação Física EDITAL Nº. 003/2015 PPGEF-UNIVASF PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSAS DE MESTRADO 1. PREÂMBULO A Coordenação do da Universidade Federal do Vale do São Francisco (PPGEF-UNIVASF), torna público o presente Edital

Leia mais

EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014

EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014 EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014 O Pró-Reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação (PROPPI) do Instituto Federal de

Leia mais

EDITAL Nº 08/2014 - PROEX

EDITAL Nº 08/2014 - PROEX EDITAL Nº 08/2014 - PROEX 1. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS DIVULGA O PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE FORMAÇÃO EM IDIOMA ESTRANGEIRO NA MODALIDADE DE CURSOS DE INGLÊS, FRANCÊS, ALEMÃO, ITALIANO E ESPANHOL.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL Nº 194, DE 20 DE AGOSTO DE 2013 EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES REFERENTES AO PROJETO NÚCLEO DE LÍNGUAS DO PROGRAMA INGLÊS SEM FRONTEIRAS/ UFMA.

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia PÓS-GRADUAÇÃO Pós-Graduação 4. PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO 4.1 Apresentação Toda Instituição necessita de um mundo amadurecido cientifica e tecnologicamente,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM Art. 1º O Estágio de Docência no Ensino de Graduação tem como objetivos: I - instrumentalizar o

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Informática

Programa de Pós-graduação em Informática Resolução Nº 001/2007 Regula as atividades acadêmicas no Programa de Pós-graduação em Informática ART. 1º - Sobre o curso de nivelamento: 1º - O curso de nivelamento para os novos alunos selecionados no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 8, DE 16 DE JANEIRO DE 2015(*)

RESOLUÇÃO Nº 8, DE 16 DE JANEIRO DE 2015(*) RESOLUÇÃO Nº 8, DE 16 DE JANEIRO DE 2015(*) O COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO, do Instituto de Química da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 48 - BIOTECNOLOGIA IES: 28025016 - CPqGM - CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ - FIOCRUZ Programa: 28025016001P4 - BIOTECNOLOGIA EM SAÚDE E MEDICINA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 22.scol@capes.gov.br REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Requisitos para o ingresso dos programas de pós-graduação stricto sensu das Instituições de Ensino Superior no PROEX

Requisitos para o ingresso dos programas de pós-graduação stricto sensu das Instituições de Ensino Superior no PROEX Programa de Excelência Acadêmica PROEX Documento Básico de Orientações do Programa de Excelência Acadêmica PROEX Objetivos do PROEX e critérios para a aplicação dos recursos O Programa de Excelência Acadêmica

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE E AMBIENTE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE E AMBIENTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE E AMBIENTE Rua 14, nº 625 Jardim América Morrinhos - GO - CEP 75.650-000 Telefax (064) 3413-1097

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior.

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

EDITAL 002/2015. Observação: A descrição das linhas de pesquisa pode ser acessada em: http://portal.unincor.br/index.php/linhas-de-pesquisa

EDITAL 002/2015. Observação: A descrição das linhas de pesquisa pode ser acessada em: http://portal.unincor.br/index.php/linhas-de-pesquisa EDITAL 002/2015 O Programa de Mestrado em Letras Linguagem, Cultura e Discurso, da Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR), torna público o edital de seleção de bolsista de pósdoutorado no âmbito do Programa

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS PG- Ciência do Solo CAV/UDESC Regulamenta os critérios de credenciamento, recredenciamento e descredenciamento de docentes no âmbito

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. MANUAL DO ALUNO DE MESTRADO E DOUTORADO Normas Gerais

Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. MANUAL DO ALUNO DE MESTRADO E DOUTORADO Normas Gerais Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MANUAL DO ALUNO DE MESTRADO E DOUTORADO Normas Gerais Rio de Janeiro - 2012 SUMÁRIO A Universidade Estácio de Sá e os Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Instrução normativa Nº 003/2015 Define critérios para credenciamento e recredenciamento de Docentes como Docentes do Progrma no Programa de Pós- Graduação em Zootecnia. O Colegiado de Pós-graduação em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA CAV

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA CAV CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 0, de 05 de abril de 0, publicado no Diário Oficial da União nº 66, de 08 de abril de 0. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES,

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

EDITAL Nº 01/PROEX, 21 DE AGOSTO DE 2013

EDITAL Nº 01/PROEX, 21 DE AGOSTO DE 2013 EDITAL Nº 01/PROEX, 21 DE AGOSTO DE 2013 EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES REFERENTES AO PROJETO NÚCLEO DE LÍNGUAS/IsF - UFAC. A Pró-Reitoria de Extensão

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROPE Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

PRÓ- REITORIA DE PESQUISA, PÓS- GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA GERÊNCIA DE PÓS- GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM COMPUTAÇÃO APLICADA

PRÓ- REITORIA DE PESQUISA, PÓS- GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA GERÊNCIA DE PÓS- GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PRÓ- REITORIA DE PESQUISA, PÓS- GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA GERÊNCIA DE PÓS- GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM COMPUTAÇÃO APLICADA NORMAS PARA O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA Em sua Seção III, Regimento

Leia mais

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa UNIBRAL, apoiado no acordo de cooperação assinado entre Brasil e Alemanha em 31 de outubro de 2000, tem como objetivo estimular

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Coordenação Universidade Aberta do Brasil Curso de Letras-Espanhol a Distância

Universidade Federal de Pelotas Coordenação Universidade Aberta do Brasil Curso de Letras-Espanhol a Distância Edital nº 09, de 24 de setembro de 2014, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Letras-Espanhol

Leia mais

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Avaliação Triênio 2004-2006 Prof. Marcelo Menossi Teixeira coordgbm@unicamp.br Processo de avaliação Anualmente cada PPG

Leia mais

A estruturação de Grupos de Pesquisa

A estruturação de Grupos de Pesquisa A estruturação de Grupos de Pesquisa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação O que é um Grupo de Pesquisa? Um conjunto de indivíduos organizados hierarquicamente em torno de uma ou, eventualmente, duas

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE Edital nº 01, de 15 de abril de 2015, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Especialização

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 Define as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção das Carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIGRANRIO Universidade do Grande Rio PROPG Pró-Reitoria de Pós-Graduação Reconhecida pela Portaria 940/94 MEC D.O.U de 17/06/1994

UNIGRANRIO Universidade do Grande Rio PROPG Pró-Reitoria de Pós-Graduação Reconhecida pela Portaria 940/94 MEC D.O.U de 17/06/1994 UNIGRANRIO Universidade do Grande Rio PROPG Pró-Reitoria de Pós-Graduação Reconhecida pela Portaria 940/94 MEC D.O.U de 17/06/1994 REGIMENTO GERAL DA PESQUISA E DO ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Edital nº 09, de 22 de julho de 2014 Edital nº 09, de 22 de julho de 2014, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 - O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas constitui-se em atividade de Ensino do Departamento de Comunicação

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRO-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRO-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRO-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EDITAL 02/2015 PROPIT/NucLI PROCESSO SELETIVO DE PROFESSORES/BOLSISTAS

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ENGENHARIA FLORESTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO FACULDADE LUCIANO FEIJÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ÍNDICE PÁG. CAPITULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 01 CAPÍTULO II - DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 01 Seção I Das Atividades de Ensino 03

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE. Manual do Aluno

Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE. Manual do Aluno Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE Manual do Aluno Manual do aluno PPgDITM Bem-vindo! O Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais