UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MESTRADO EM AGROECOSSISTEMAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MESTRADO EM AGROECOSSISTEMAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MESTRADO EM AGROECOSSISTEMAS PRODUÇÃO INTENSIVA DE LEITE À BASE DE PASTO: PROCESSAMENTO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA AGRICULTURA FAMILIAR DE PEQUENO PORTE Valmir Dartora Florianópolis, SC BRASIL 2002

2 2 PRODUÇÃO INTENSIVA DE LEITE À BASE DE PASTO: PROCESSAMENTO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA AGRICULTURA FAMILIAR DE PEQUENO PORTE Dissertação apresentada para a obtenção do Grau de Mestre em Agroecossistemas, do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Catarina Autor: Valmir Dartora Orientador: Prof. Mário Luiz Vincenzi Co-orientador: Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho Florianópolis (fevereiro/2002) Engenheiro Agrônomo

3 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGROECOSSISTEMAS MESTRADO FLORIANÓPOLIS, SC - BRASIL DISSERTAÇÃO submetida por Valmir Dartora como um dos requisitos para a obtenção do Grau de 7. MESTRE EM AGROECOSSISTEMAS BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Luiz Carlos Pinheiro Machado (UFSC) Presidente Prof. Dr. José A. Ribas Ribeiro (UFSC) Membro Prof. Dr. Luiz C. P. Machado Fº (UFSC) Membro Engº Agrº Dr. Francisco Roberto Caporal (EMATER/RS) Membro Aprovada em (21/02/2002) Prof. Mário Luiz Vincenzi Orientador Prof. Dr. Luiz Renato D Agostini Coordenador

4 4 AGRADECIMENTOS Muitas pessoas e entidades de uma forma ou de outra contribuíram para a realização deste trabalho. A elas expresso meu agradecimento, embora correndo o risco de esquecimento, quero registrar aquelas que foram fundamentais à consecução da dissertação: a EMATER/RS, pela oportunidade de realizar este curso e pelo apoio institucional e financeiro; o Prof. Mário Luiz Vincenzi pela orientação competente, apoio, amizade e confiança; os colegas, professores e servidores do curso de Pós-Graduação em Agroecossistemas, em especial aos Professores, Maria Ignez Silveira Paulilo, Wilson Schmidt, Luiz Carlos Pinheiro Machado, Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho, Ademir Antônio Cazella, Paul Richard Miller e Maria José Hotzel, pelas sugestões e colaborações; os colegas da EMATER/RS dos Escritórios Regionais de Erechim e Passo Fundo, Escritórios Municipais de Erechim e Gaurama pela colaboração e companheirismo, em especial ao colega e amigo Gilmar Antônio Meneguetti, pelas sugestões; os departamentos técnicos das cooperativas COTREL e COPERAL, da empresa CEDRENSE e da Secretaria Municipal de Agricultura de Erechim, pelas informações; aos servidores da biblioteca da EPAGRI e do Instituto CEPA/SC, pelo atendimento e colaboração; aos técnicos do Instituto CEPA/SC, especialmente ao Francisco Carlos Heiden e ao Tabajara Marcondes, pelas informações; ao acadêmico de Agronomia da UFSC Marcos Alberto Lana pela colaboração; à todos os agricultores, os responsáveis pelos estabelecimentos comerciais e os consumidores que colaboraram com o trabalho, concedendo as entrevista, em especial à família de Olintho Ficcagana; aos meus familiares, em especial a minha esposa Rosa Maria e meus filhos Rafael e Letícia pela compreensão, apoio, carinho e amor dedicados em todos os momentos. iii

5 5 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS...vii LISTA DE FIGURAS...xi LISTA DE ANEXOS...xii LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS...xiii RESUMO...xv ABSTRACT...xvi INTRODUÇÃO...01 CAPÍTULO I 1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Produção mundial e comércio internacional de leite Importações e o setor leiteiro nacional Produção leiteira nacional e sua importância Pecuária leiteira nas regiões brasileiras Pecuária leiteira nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul Produção de leite e o debate sobre suas tendências Agricultura e o ambiente Possibilidades para as pequenas unidades de produção leiteira Produção de leite à base de pasto Área de pastagem e escolha da forrageira Animais para a produção de leite à base de pasto Manejo das pastagens Beneficiamento/transformação e comercialização de leite e derivados Área de estudo Evolução histórica da agricultura nas microrregiões de Erechim no RS e Chapecó em SC Microrregião de Erechim Microrregião de Chapecó...64 iv

6 6 CAPÍTULO II 2. METODOLOGIA Descrição da proposta de produção de leite do DZDR Delimitação do estudo Viagens de estudo e visitas técnicas Entrevista semi-estruturada Avaliação subjetiva de fatores de produção e sociais...74 CAPÍTULO III 3. PROPOSTA DE PRODUÇÃO INTENSIVA DE LEITE À BASE DE PASTO Histórico da família Estrutura de produção Alimentação Campo naturalizado Pastagens Perenes de verão Perenes de inverno Anuais de inverno Outros alimentos Manejo das pastagens e dos animais Criação das terneiras Raça e seleção Sanidade Tuberculose e brucelose Mamite Verminoses Ectoparasitas Processamento, transformação e comercialização de leite e queijo Administração...94 v

7 7 CAPÍTULO IV 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Classificação dos sistemas de produção de leite Métodos de pastoreio Indicadores produtivos dos sistemas de produção de leite Resultados econômicos dos sistemas de produção de leite Atividades desenvolvidas pelos produtores nas propriedade rurais estudadas Aspectos ambientais Percepção dos agricultores sobre a atividade leiteira e avaliação subjetiva Participação dos agricultores em cooperativas, sindicatos, associações e/ou grupos comunitários Produtos lácteos, produzidos e comercializados por agricultores em pequenas unidades de produção Análise comparativa das Microrregiões de estudo CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Vi

8 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Produção total de leite de alguns países/blocos selecionados 1997 a 1999 (1.000 toneladas métricas)...04 Tabela 2 Leite e derivados Quantidades das importações brasileiras por bloco, 1992 a 2000, em toneladas...08 Tabela 3 Produção brasileira total, taxa de crescimento e consumo per capita de leite, no período de 1980 a Tabela 4 Produção brasileira total de leite, produção inspecionada e informal, e crescimento do leite informal no período de 1980 a Tabela 5 Evolução e participação das Regiões brasileiras na produção de leite, no período de 1985 a Tabela 6 Participação da produção de leite no Brasil pelos 10 maiores estados produtores, ano de 1985 e Tabela 7 Evolução e participação das mesorregiões do Estado de Santa Catarina na produção de leite, no período de 1985 a Tabela 8 Evolução e participação relativa das meso e microrregiões do Estado do Rio Grande do Sul na produção de leite, no período de 1985 a Tabela 9 Fusões e aquisições de empresas de laticínios no Brasil, nos últimos anos...21 Tabela 10 Número de produtores e quantidade média diária de leite recebida por produtor nas 12 maiores empresas de laticínios do País...22 Tabela 11 Cenários para que o RS tenha a produção de 1996 de 1,88 bilhões de litros de leite por ano...23 Tabela 12 Impacto da granelização da coleta do leite na Cooperativa Central Agropecuária do Sudoeste Ltda...26 Tabela 13 Idade da pastagem e a influência do sistema radicular sobre as características físicas do solo...34 Tabela 14 Massa de raízes de uma pastagem permanente em função da utilização...35 Tabela 15 Produção total de forragem do campo nativo (CN), do azevém espontâneo (AZ) e das leguminosas trevo branco e cornichão (TB e C), média de três repetições...37 vii

9 9 Tabela 16 Disponibilidade total de forragem kg de MS/ha em pastagem nativa submetida a introdução de azevém (AZ), aveia-preta (AP), trevo vermelho (TV), trevo branco (TB) e testemunha (T), média de quatro repetições...38 Tabela 17 Disponibilidade PB kg/ha em pastagem nativa submetida a introdução de azevém (AZ), aveia-preta (AP), trevo vermelho (TV), trevo branco (TB) e testemunha (T), média de quatro repetições...39 Tabela 18 Valores médios em percentagem da PB, da digestibilidade in vitro da matéria orgânica (DIVMO) e dos nutrientes digestíveis totais (NDT) de pastagens de campo nativo e campo nativo melhorado com leguminosas, nas estações do ano...40 Tabela 19 Quantidade de nitrogênio fixado por diferentes espécies de leguminosas...41 Tabela 20 Custos relativos de algumas pastagens usadas no sistema de produção de leite da EPAGRI / Lages...42 Tabela 21 Rendimento de milho e soja kg / ha, após área pastoreada(past.) e não pastoreada (NÃO PAST.) de aveia + ervilhaca (AV + ER), aveia (AV) e aveia + azevém (AV + AZ) Tabela 22 Modificações nas características físicas e químicas do solo sob pastoreio durante 15 anos...53 Tabela 23 Número de estabelecimentos, área e percentuais correspondentes a cada estrato de área da microrregião de Erechim...61 Tabela 24 Número de estabelecimentos, área e percentuais correspondentes a cada estrato de área do município de Gaurama...62 Tabela 25 Número de produtores, quantidade de leite recebida e percentuais correspondentes a cada estrato de recepção...63 Tabela 26 Número de estabelecimentos, área e percentuais correspondentes a cada estrato de área da microrregião de Chapecó...66 Tabela 27 Número de estabelecimentos, área e percentuais correspondentes a cada estrato de área do município de Serra Alta...67 Tabela 28 Classificação dos sistemas de produção de leite obtidos nos levantamentos de campo em abril e maio de Tabela 29 Quantidades diárias estimadas, em kg de MS dos alimentos volumosos e dos alimentos concentrados fornecidos por UA, em cada sistema de produção...97 viii

10 10 Tabela 30 Quantidades diárias dos alimentos volumosos e dos alimentos concentrados disponíveis e/ou fornecidos para cada UA estimadas em quilos de MS...99 Tabela 31 Áreas dos potreiros e das pastagens perenes e anuais de verão e de inverno utilizadas nos sistemas de produção de leite Tabela 32 Áreas de pastagens e métodos de pastoreio utilizados em cada sistema de produção Tabela 33 Indicadores produtivos dos sistemas de produção Tabela 34 Valores monetários mensais dos custos de produção do leite, queijo e pasteurização de cada sistema de produção Tabela 35 Valores monetários mensais da receita bruta, dos custos totais, custo total, por litro de leite e a renda líquida de cada sistema de produção Tabela 36 Valores monetários mensais da mão-de-obra e administração das fases realizadas pelos produtores, relacionadas aos sistemas de produção desenvolvidos nas propriedades Tabela 37 Valores monetários mensais da receita líquida, mão-de-obra e administração, e remuneração do capital fixo das fases que os produtores realizam, relacionadas aos sistemas de produção desenvolvidos nas propriedades Tabela 38 Valores monetários mensais da renda líquida mais a mão-de-obra, administração e remuneração do capital fixo, das fases que os agricultores realizam, a quantidade de leite produzida por mês e os resultados econômicos obtidos, por litro de leite, relacionado aos sistemas de produção desenvolvidos nas propriedades Tabela 39 Valores monetários mensais da receita bruta, dos custos de produção de leite e a renda líquida de cada sistema de produção Tabela 40 Valores monetários mensais da receita líquida da atividade leiteira, total mão-de-obra, administração e remuneração do capital fixo do sistema produtivo, a quantidade de leite produzida por mês e os resultados econômicos obtidos, por litro de leite, relacionados aos sistemas de produção desenvolvidos nas propriedades Tabela 41 Resultados econômicos, por litro de leite, obtidos da renda líquida e dos componentes mão-de-obra, administração e remuneração do capital fixo e o valor agregado, por litro de leite, resultante das fases que os agricultores realizam fora do processo produtivo, relacionados aos sistemas de produção desenvolvidos nas propriedades ix

11 11 Tabela 42 Dos custos totais quanto, em percentagem corresponde a alimentação, a mão-de-obra, os custos variáveis e os custos fixos, em cada sistema e produção Tabela 43 Fontes de renda dos produtores, valor da receita bruta anual de cada uma e percentagem correspondente à atividade leiteira Tabela 44 Uso atual das propriedades e cobertura vegetal existente Tabela 45 Avaliação subjetiva de fatores de produção e sociais das famílias pesquisadas x

12 12 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mapa da Região Sul do Brasil, com destaque para as microrregiões de Erechim no RS e Chapecó em SC...68 Figura 2 Família de Olintho Ficcagana (direita para esquerda: Eliane, Lourdes, Rodrigo, Ana e Olintho) e Valmir Dartora. Serra Alta/SC...79 Figura 3 Área de pastagem naturalizada (potreiro) manejada através do PRV, na propriedade da família de Olintho Ficcagana...81 Figura 4 Área de capim elefante com ervilhaca, na propriedade da família de Olintho Ficcagana...82 Figura 5 Área de pastagem consorciação de azevém x trevo branco x trevo vermelho, com animais em pastoreio, na propriedade da família de Olintho Ficcagana...84 Figura 6 Bebedouro móvel utilizado na propriedade da família de Liseu Meier localizada no município de Dionísio Cerqueira/SC...87 Figura 7 Vaca-ama amamentando a(o) terneira(o) na propriedade da família de Olintho Ficcagana...89 Figura 8 Sala de envase e pasteurização do leite na propriedade da família de Olintho Ficcagana...93 Figura 9 Queijaria da família de Alcides Mariga localizada no município de Erechim/RS Figura 10 Pequena queijaria da família Piovesan Saltinho/SC xi

13 13 LISTA DE ANEXOS Anexo 1 Roteiro entrevista agricultor Anexo 2 Roteiro entrevista consumidores Anexo 3 Roteiro entrevista pequenos mercados Anexo 4 Regulamento técnico de identidade e qualidade de leite cru refrigerado e regulamento técnico da coleta de leite cru refrigerado e seu transporte a granel Obs: Acompanha a dissertação memória de cálculo anexo nº 5 xii

14 14 LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS, SÍMBOLOS E VALORES ABPLB ACARESC AGRECO APACO CCGL CCL CCS CEDRENSE CENTROLEITE CEPA/SC CEPAGRO CEPAGRO CIMMYT CNA CNPGL CO2 COCEL COPERAL COTREL COTRIJUI CTC DEIP DIVMO DZDR EMATER/RS EMBRAPA Associação Brasileira dos Produtores de Leite B Associação de Crédito e Assistência Rural de Santa Catarina Associação de Agricultores Ecológicos das Encostas da Serra Geral Associação dos Pequenos Agricultores do Oeste Catarinense Cooperativa Central Gaúcha de Leite Cooperativa Central de Laticínios do Estado de São Paulo Contagem de células somáticas Trentino Alimentos S/A Cooperativa Central de Laticínios de Goiás Instituto de Planejamento e Economia Agrícola de Santa Catarina Centro de Extensão e Pesquisa Agronômica da Universidade de Passo Fundo Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo Centro Internacional de Melhoramento de milho e Trigo Confederação Nacional da Agricultura Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite Gás carbônico Cooperativa Central Alto Uruguai Ltda Cooperativa dos Produtores Rurais do Alto Uruguai Ltda Cooperativa Tritícola Erechim Ltda Cooperativa Regional Tritícola Serrana Ltda Capacidade de troca de cátions Dairy Export Incentive Program Digestibilidade in vitro da matéria orgânica Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural - UFSC Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária xiii

15 15 EPAGRI EUA FAO ha IBGE IRRI kg kg/ha MS MS/ha NAFTA NDT ONG PB PIB PNQL PRONAF PRV SIM SUDCOOP UA UE UFRGS UFSC UPF Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina Estados Unidos da América Food and Agriculture Organization of the United Nations Hectare Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística International Rice Research Institute Quilograma Quilograma / hectare Massa seca Massa seca / hectare North American Free Trade Agreement Nutrientes digestíveis totais Organização Não Governamental Proteína bruta Produto Interno Bruto Programa Nacional de Qualidade do Leite Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Pastoreio Racional Voisin Serviço de Inspeção Municipal Cooperativa Central Agropecuária do Sudoeste Ltda Unidade animal União Européia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Universidade Federal de Santa Catarina Universidade de Passo Fundo Obs: R$ 1,00 = U$S 0,40 (data das pesquisas) xiv

16 16 RESUMO A análise dominante em relação à produção de leite é que para se ter qualidade e competitividade, há necessidade imperativa de produção especializada e aumento de escala. Essa estratégia de produção traz consigo a drástica redução no número de produtores e sérios problemas sociais, econômicos e ambientais. Nesse contexto, o presente trabalho buscou descrever e analisar sistemas de produção de leite à base de pasto, processamento, transformação e comercialização, resultante da ação de organizações de agricultores e de projetos de extensão realizados pelo Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural da Universidade Federal de Santa Catarina, no Estado de Santa Catarina e compará-los com três sistemas de produção de leite intensivo de uso de alimentos no cocho, semi-intensivo e pastoril desenvolvidos em 14 propriedades na microrregião de Erechim RS e as formas e as estratégias usadas pelos agricultores na comercialização do leite e dos produtos derivados. O trabalho busca verificar a possibilidade de adaptação dessas experiências para a microrregião de Erechim e como os agricultores se relacionam como o mercado. As variáveis estudadas foram: a) produtividade: produção de leite / vaca; b) econômicas: custo / litro de leite e receita do leite e/ou derivados; c) alimentação: espécies forrageiras, manejo pastagens, uso de silagem e alimentos concentrados; d) ambientais: sistemas de implantação de pastagem, uso de agrotóxicos e manejo dos dejetos; e) percepção dos agricultores sobre a atividade leiteira: expectativa da atividade, motivação para o associativismo e assistência técnica; e, f) comercialização: mercado e aceitação dos produtos das unidades de pequeno porte. Quanto aos resultados, a produção/vaca/dia ano, em média, nos sistemas pastoris foi de 10,8 litros, nos semi-intensivos de 7,6 litros e nos intensivos de 7,2 litros. O custo de produção R$/litro, em média, nos sistemas pastoris foi de 0,24, nos semi-intensivos de 0,33 e nos intensivos de 0,45. As fases desenvolvidas após o sistema produtivo foram decisivas nos resultados econômicos. A atividade leiteira é desenvolvida como uma estratégia de ingresso de uma renda mensal. A aceitação dos produtos coloniais é muito boa e existem espaços no mercado. As experiências desenvolvidas em Santa Catarina mostraram-se plenamente viáveis em termos sociais, econômicos e de sustentabilidade, servindo como referência para outros agricultores. A construção de um desenvolvimento que reduza o processo de exclusão exige unidade, organização e muita luta no sentido de conquistar e executar projetos que possam consolidar as pequenas unidades de produção e os pequenos e médios empreendimentos lácteos no País. xv

17 17 ABSTRACT Currently, the dominant thought is that quality in milk production can only be achieved through specialization and increases in production. This strategy has lead to a reduction in the number of producers and serious social, economical and environmental problems. Within this context, the present study described and analyzed the existing pasture based systems for milk production, processing, transformation and commercialization, resulting from the organization of farmers and extension programs carried out by the Department of Animal Science at the Federal University of Santa Catarina. It also compared the three systems - intensive use of feed at the through, semi/intensive and on pasture - used by 14 farms in the microregion of Erechim - RS, and the alternatives and strategies used by farmers in the commercialization of milk and milk products. This work verified whether such experience could be adapted to the micro-region as a whole and how farmers relate to the market. The variables studied were: a) productivity: milk production per cow, b) economics: cost/l of milk and income from milk and products, c) feeding: plant species, pasture management, use of silage and concentrates, d) environmental: pasture implantation systems, use of pesticides and waste management, e) perception of farmers of the milking activity, motivation for association and technical support, f) marketing: market and consumer opinion on products from small farms. The average yearly production/cow/day, for on pasture, semi-intensive and intensive was 10.8 liters, 7.6 liters and 7.2 liters, respectively. The cost of production for each of above systems was R$ 0.24/l, R$0.33/l and R$ 0.45/l respectively. The steps that followed the productive system were decisive for the economical results. Milk production is carried out as a strategy to achieve a monthly income. The acceptation of these products is good. The experiences developed on Santa Catarina State were viable in social, economical and sustainability terms, and are a reference for other farmers. To achieve development with a reduction of the exclusion process demands union, organization and hard work to conquer and carry out projects that consolidate the small production units and the small and medium sized milk enterprises in Brazil. xvi

18 18 INTRODUÇÃO O pensamento dominante em relação à produção de leite no Rio Grande do Sul, e válido para todo o Brasil, é que para se ter qualidade e competitividade, há necessidade imperativa de produção especializada e aumento de escala, o que traz consigo a drástica redução no número de produtores. Neste contexto, a maioria dos estudiosos do assunto afirma que a produção de leite nas pequenas unidades de produção diversificadas está com seus dias contados. Esta afirmação tem por base a racionalização das linhas de coleta, a busca da qualidade da matéria-prima, a redução dos custos de transação, a granelização e o frio, as economias de escala e a regularidade de oferta (JANK, et alli., 1999). A busca de desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Sul, gera inquietude em relação aos inúmeros efeitos que esta política trará sobre a economia de muitas regiões, tendo em vista que a maioria dos municípios gaúchos possui economia apoiada em agropecuária onde predominam as pequenas unidades de produção, sendo a atividade leiteira um dos seus componentes-chave. No sentido de buscar alternativas para as pequenas unidades de produção de leite, muitas experiências têm procurado outros caminhos para a produção, processamento, transformação e comercialização do leite. Essas alternativas buscam otimizar a produção de leite com pastagens, através do uso de sistemas à base de pasto; da maximização do uso dos insumos disponíveis na propriedade; da criação de formas associativas de produção, processamento, transformação e comercialização, visando agregar valor aos produtos. Tudo isso, para consolidar a atividade leiteira de forma diversificada e promover um desenvolvimento que contemple não somente os aspectos econômicos, mas também os sociais, culturais, políticos e ambientais. Algumas destas interessantes experiências acontecem na região Oeste de Santa Catarina. Trata-se da proposta de produção de leite à base de pasto, processamento, transformação e comercialização, resultante da ação de organizações de agricultores e de projetos de extensão realizados pelo Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural (DZDR) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

19 19 Esse trabalho tem por objetivo contribuir para viabilizar econômica, ecológica e socialmente a produção leiteira da microrregião de Erechim - RS (classificação IBGE, 1998), através da descrição e análise de sistemas de produção, das formas e das estratégias usadas pelos agricultores na comercialização do leite e produtos derivados. Tendo os seguintes objetivos específicos: Verificar a possibilidade de adaptação, para a microrregião de Erechim, da proposta de produção de leite à base de pasto, processamento, transformação e comercialização, resultante da ação de organizações de agricultores e de projetos de extensão, realizados pelo DZDR da UFSC, no Estado de Santa Catarina, tendo como referência o projeto piloto implantado na propriedade da família de Olintho Ficcagna, localizada no município de Serra Alta SC, microrregião de Chapecó (classificação IBGE, 1998). Analisar o sistema de produção de leite à base de pasto, processamento, transformação e comercialização, realizado pela família de Olintho Ficcagana e compará-lo com três sistema de produção de leite intensivo de uso de alimentos no cocho, semi-intensivo e pastoril - localizados em propriedades na microrregião de Erechim. A hipótese de trabalho da qual se partiu é: A produção de leite à base de pasto, juntamente com o processamento, transformação e comercialização em pequenas estruturas são capazes de manter a atividade leiteira com rentabilidade nas pequenas unidades familiares de produção, nas atuais condições do mercado. A presente dissertação está estruturada com uma introdução, quatro capítulos de desenvolvimento e conclusão. No capítulo I, apresenta-se uma revisão bibliográfica que procura apontar os principais argumentos presentes no debate sobre as tendências da cadeia produtiva do leite no Brasil. Nesse sentido, fez-se um breve panorama da produção mundial, posição do Brasil nesta produção, alguns

20 20 aspectos sobre o comércio internacional e a interferência dos subsídios no mercado lácteo brasileiro. A importância da produção nacional, com ênfase para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, e como a política de especialização e concentração tem provocado a exclusão de muitos agricultores da atividade leiteira. Também descreve-se alguns aspectos sobre a relação homem-natureza na produção agrícola e a produção de leite à base de pasto, beneficiamento, transformação e comercialização, como possibilidades para as pequenas unidades de produção. Depois fez-se um resgate histórico da agricultura nas microrregiões de Erechim e Chapecó e descreve-se alguns aspectos sobre as características edafoclimáticas, o êxodo rural, a estrutura fundiária e a produção leiteira dessas microrregiões. No capítulo II, mostra-se a metodologia usada para desenvolver o trabalho. No capítulo III, descreve-se a proposta de produção de leite à base de pasto resultante da ação de organizações de agricultores e de projetos de extensão realizados pelo DZDR da UFSC, tendo-se por base o projeto piloto implantado na propriedade da família de Olintho Ficcagna. No capítulo IV, estão os resultados obtidos com a pesquisa e as discussões. Finalmente, fez-se, de forma sintetizada, considerações finais e conclusões do estudo.

21 21 CAPÍTULO I 1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1 PRODUÇÃO MUNDIAL E COMÉRCIO INTERNACIONAL DE LEITE A produção mundial de leite, em 1999, foi de aproximadamente 570 milhões de toneladas, segundo dados da FAO (2000). Conforme observa-se na tabela 1, as maiores participações relativas na produção mundial são da União Européia, com 22%, e dos Estados Unidos, com 12% do total. A produção brasileira foi equivalente a 3,8% do total e alguns países tradicionais exportadores de leite, como Austrália, Nova Zelândia e Argentina, apresentaram uma participação relativa em torno de 2%. Um fato que chama a atenção é a estagnação da produção européia, que chegou a produzir, em média, 135 milhões de toneladas na década de 80 e atualmente está na faixa de 125 milhões de toneladas. Tabela 1 Produção total de leite de alguns países/blocos selecionados 1997 a 1999 (1.000 toneladas métricas) País/Bloco Anos % União Européia ,24 EUA ,93 Brasil ,82 Nova Zelândia ,90 Austrália ,83 Argentina ,86 México ,62 Uruguai ,25 Total Mundial Fonte: FAO(2000).

22 22 Na análise do comércio internacional de produtos lácteos, duas questões são fundamentais. A primeira refere-se ao protecionismo dado ao leite, na grande maioria dos países desenvolvidos, e a segunda trata da importância dos países europeus no comércio internacional. O leite é um dos produtos mais protegidos e subsidiados no mundo desenvolvido, através de todo tipo de restrição ao comércio, políticas de garantia de preços, intervenções governamentais no mercado interno e pesados subsídios à exportação. Na União Européia (UE), a política de segurança alimentar, adotada no pós-guerra, dá prioridade à preservação da renda dos produtores. Tal política gera contínuos excedentes de leite em pó e outros derivados, que são colocados no mercado mundial a preços de dumping 1 pelos tesouros desses países. Em menor proporção, situação similar ocorre no Nafta. Por exemplo, segundo JANK (1995), a UE, gasta cerca de US$ 5 bilhões/ano entre intervenções no mercado interno (estocagem, prêmios, uso na alimentação de bezerros, ajuda escolar...) e restituições às exportações, um subsídio concedido na forma de pagamentos que cobrem a diferença entre os altos preços internos garantidos pelo governo e o preço internacional na exportação. A UE exporta cerca de 350 mil toneladas de leite em pó com subsídios que vão de US$ 750/tonelada (desnatado) a US$ 1.300/tonelada (integral). Nos Estados Unidos (EUA) a lei agrícola de 1990 estabelece a garantia de um preço mínimo ao produtor equivalente a US$ 0,22 por litro, o Agricultural Adjustment Act define um rígido sistema de cotas de importação e o governo, através do Dairy Export Incentive Program (DEIP), concede subsídio à exportação, gastando cerca de US$ 135 milhões/ano. Em razão da política de auto-suficiência utilizada na maioria dos países, do total de 570 bilhões de litros de leite de vaca produzidos no mundo, de acordo com BERNARDES (2000), pouco mais de 5%, o equivalente a 28 ou 30 bilhões de litros, são comercializados internacionalmente. Desse total, as exportações da UE e dos EUA representam cerca de 50%, sendo respectivamente 38% e 5%. Outros países exportadores: Nova Zelândia participa com 31% e Austrália com 12%, (dados de 1998). Todavia, tal comércio representa 11% da produção de manteiga, 7% da produção de queijos, 26% da produção de leite em pó desnatado e 47% da produção de leite em pó integral. 1 Colocação de produtos no mercado internacional a preços inferiores ao custo de produção interno.

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais

Cadeia produtiva da bovinocultura leiteira no Brasil

Cadeia produtiva da bovinocultura leiteira no Brasil Cadeia produtiva da bovinocultura leiteira no Brasil BOVINOCULTURA LEITEIRA Importância Sócio-Econômica do Leite Em 2007, as exportações do agronegócio totalizaram US$ 58,4 bilhões, um crescimento de 18,2%

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 25 Roberto H. Jank Jr. 1 A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE SÍNTESE RETROSPECTIVA O Brasil é o sexto maior produtor mundial de leite e deverá ser o terceiro nos próximos 5 anos, mantidas as nossas atuais taxas

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em agosto, ponderados pela produção, dos sete estados pesquisados

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR Christoffoli, P. I.,UFFS 1 ; Silva, A. C., UFFS 2 ; Oliveira,

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil Rodrigo Sant Anna Alvim 1 e Marcelo Costa Martins 2 1 Engenheiro Agrônomo, Presidente da Comissão Nacional de Pecuária da CNA 2 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 1. Mercado nacional: preços pagos ao produtor e produção histórica e estimada no Mercosul Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em julho, ponderados

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas A SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA DESENVOLVIDA NA REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA, BRASIL, SOB A ÓTICA DE TÉCNICOS DA EXTENSÃO RURAL SUSTAINABILITY IN AGRICULTURAL ACTIVITIES DEVELOPED IN THE

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 1 Introdução Sebastião Teixeira Gomes 2 De todas as cadeias produtivas do setor agropecuário, a que mais se transformou, nos últimos anos,

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil Brazilian milk production systems and its representativeness Stock, L.A.; Carneiro, A.V. 1 ; Carvalho, G.R. 1 ; Zoccal, R. 1

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006 COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006 Área: Ciências Econômicas Alessandra Bragantine Tessaro Pesquisadora Sênior do Curso de Economia da UNIOESTE, Rua

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

LEITE: Ameaças e Oportunidades

LEITE: Ameaças e Oportunidades Campo Grande-MS, 14 de maio de 2012. LEITE: Ameaças e Oportunidades Rodrigo Sant Anna Alvim Presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA 1 AGENDA: 1. MERCADO LÁCTEO; 2. AMEAÇAS AO SETOR

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso.

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. The diversification of production in agroecosystems based

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Introdução Sebastião Teixeira Gomes 1 Este trabalho descreve alguns indicadores da realidade e projeta tendências da produção de leite no Brasil.

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A produção de leite no Brasil envolvia quase 1,8 milhão de estabelecimentos produtores, segundo

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... INTRODUÇÃO... 1 DETERMINANTES E EVOLUÇÃO DAS DISPARIDADES REGIONAIS: ENTENDIMENTO DO PROBLE- MA... 2 A ELEIÇÃO

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais