Entre a Cidade e a Região Metropolitana: Uma Dupla Análise de Crescimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entre a Cidade e a Região Metropolitana: Uma Dupla Análise de Crescimento"

Transcrição

1 Entre a Cidade e a Região Metropolitana: Uma Dupla Análise de Crescimento Estudo de caso: Porto Alegre Resumo O projeto de iniciação científica intitulado Entre a Cidade e a Metrópole: Uma Análise de Crescimento trata-se de uma análise da evolução urbana de Porto Alegre tendo como foco o período de 1970 a Este estudo se vincula a uma pesquisa mais ampla que vai analisar o crescimento da cidade, neste mesmo período, relacionado com sua região metropolitana, com sua região mais remota e ainda relacionando-as com outras regiões no Brasil e fora dele, que tiverem envolvimento com essa análise, a partir dos fatores que atuaram neste processo, buscando destacar as funções que o núcleo assumiu no período. Assim os fatores populacionais, econômicos, sócio-culturais, político-institucionais e locacionais, serão investigados para verificação de sua atuação. A tradução desse processo no espaço físico será dada pela estrutura urbana e a paisagem urbana. Esta análise específica se utiliza da mesma metodologia apresentada no livro Porto Alegre e sua Evolução Urbana 1 que trata deste processo da origem da cidade até Por essa razão o período escolhido é o de 1970 a SOUZA, Célia F. de; MÜLLER, Dóris M. Porto Alegre e sua Evolução Urbana. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1997.

2 Entre a Cidade e a Região Metropolitana: Uma Dupla Análise de Crescimento Estudo de caso: Porto Alegre Introdução O projeto de iniciação científica intitulado Entre a Cidade e a Metrópole: Uma Análise de Crescimento trata-se de uma análise da evolução urbana de Porto Alegre tendo como foco o período de 1970 a Este estudo se vincula a uma pesquisa mais ampla que vai analisar o crescimento da cidade, neste mesmo período, relacionado com sua região metropolitana, com sua região mais remota e ainda relacionando-as com outras regiões no Brasil e fora dele, que tiverem envolvimento com essa análise, a partir dos fatores que atuaram neste processo, buscando destacar as funções que o núcleo assumiu no período. Assim os fatores populacionais, econômicos, sócio-culturais, político-institucionais e locacionais, serão investigados para verificação de sua atuação. A tradução desse processo no espaço físico será dada pela estrutura urbana e a paisagem urbana. Esta análise específica se utiliza da mesma metodologia apresentada no livro Porto Alegre e sua Evolução Urbana 2 que trata deste processo da origem da cidade até Por essa razão o período escolhido é o de 1970 a Antecedentes A evolução urbana de Porto Alegre está marcada por cinco períodos caracterizados por suas funções. Os antecedentes até 1680 caracterizam o período da criação da Colônia do Sacramento. As terras do atual litoral do Rio Grande do Sul serviram de ligação para os portugueses, que se dirigiam de Laguna para a nova Colônia, embora ainda não houvesse núcleos urbanos. O 1º período, propriamente, vai de 1680 a 1772, fase da formação do território riograndense, até então pertencente às terras de Espanha, de acordo com o tratado de Tordesilhas. Em 1737 ocorre a fundação de Rio Grande ainda como um forte para a proteção portuguesa. Com a formulação do tratado de Madrid, em 1750, e a vinda dos açorianos, vai se criar o povoado do Porto do Dorneles, junto ao Lago Guaíba, que em 1772, será elevado à Freguesia. O 2º período vai de 1772 a 1820, fase em que Porto Alegre assume as funções administrativa, por ter se tornado capital (1773), e também de apoio à produção rural do trigo produzido na região e exportado através de seu porto. O 3º período corresponde à fase da decadência dessa produção, porém a chegada da imigração alemã, em 1824, e da imigração italiana, em 1875, vai produzir uma movimentação comercial na cidade que continua até a proclamação da República, em As décadas foram simplificadas 2 SOUZA, Célia F. de; MÜLLER, Dóris M. Porto Alegre e sua Evolução Urbana. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1997.

3 para o período de , que tem na função comercial um grande avanço. De 1890 a 1945, corresponde ao 4º período, quando a função industrial assume uma hegemonia, marcado por muitas transformações urbanas. E o 5º período, mostra uma ampliação das bases regionais com o surgimento natural (não oficial) da região metropolitana, com uma pluralidade de funções. É o período da Metropolização. Esses períodos e tendências para os próximos anos aparecem no livro acima citado. Com a oficialização das regiões metropolitanas em 1973, se pretende agora dar prosseguimento nessa análise para o período que vai desse marco aos dias de hoje em Os fatores de caráter populacional, econômico, sociocultural, político-institucional e administrativo, e de caráter locacional que atuam na cidade, são os mesmos que atuam na região; identificá-los e mostrar suas relações é um dos objetivos desse trabalho. O recorte espacial do objeto estabelece uma análise inicial da cidade e sua região imediata, portanto a região metropolitana, dentro de um recorte temporal, entre 1970 e A pesquisa ainda está no seu início, por isso seus dados ainda insipientes, contudo algumas análises já se encontram bem encaminhadas. figura 1 Quadro da evolução urbana de Porto Alegre Fonte: livro Porto Alegre e sua Evolução Urbana Aspectos Populacionais Analisando os dados populacionais retirados do site do IBGE e comparando-os entre si podemos verificar que as populações, tanto de Porto Alegre quanto do Rio Grande do Sul, estão em crescimento, mas suas percentagens vêm diminuindo com o passar do tempo, sendo que o crescimento populacional de Porto Alegre foi de 39,4% em 1970 e de 5,6% em 2009, e o do RS foi de 24,2% e de 6,6%, respectivamente (figuras 2 e 3). Esse aumento na população também é marcado pela migração vinda do campo na década de 70, quando ocorre a formalização da Região Metropolitana de Porto Alegre, conforme Lei Complementar nº 14 (08 de junho de 1973),

4 inicialmente formada por 14 municípios (Alvorada, Cachoeirinha, Campo Bom, Canoas, Estância Velha, Esteio, Gravataí, Novo Hamburgo, Porto Alegre, São Leopoldo, Sapiranga, Sapucaia do Sul e Viamão) e que teve sua conclusão apenas no ano de 2001, quando totalizou 31 municípios (Dois Irmãos, Eldorado do Sul, Glorinha, Ivoti, Nova Hartz, Parobé, Portão e Triunfo, em 1989; Charqueadas, em 1994; Araricá e Nova Santa Rita, em 1998; Montenegro, Taquara e São Jerônimo, em 1999; Arroio dos Ratos e Santo Antônio da Patrulha, em 2000; Capela de Santana, em 2001) População de Porto Alegre População do RS figura 2 Gráfico do crescimento populacional da cidade de Porto Alegre entre os anos de 1900 a figura 3 Gráfico do crescimento populacional do estado do Rio Grande do Sul entre os anos de 1900 a Aspectos Político-Institucionais Porto Alegre nesta fase tem um governo marcado pelo autoritarismo, rígida censura e Ditadura Militar ( ). No campo do desenvolvimento urbano, em 1979, é criado um novo Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano para Porto Alegre (pela primeira vez o planejamento atingiu toda a área municipal), e a modificação dos mapas da cidade com a continuação da criação de aterros. Em 1978, ocorreu a implantação de dois grandes parques, Marinha do Brasil e Maurício Sirotsky Sobrinho, na zona aterrada. Os aterros continuaram até 1990 na zona da Praia de Belas, chegando a triplicar o tamanho da área central da cidade. Na década de 1990 a administração de Olívio Dutra cria o Orçamento Participativo com a participação direta da população nos debates. "A prefeitura passou a investir mais em educação, saneamento básico, tratamento de esgotos, coleta seletiva do lixo, pavimentação urbana, habitação popular e regularização de áreas habitacionais em várias vilas populares. (...) A experiência foi erguida e ampliada nas gestões dos prefeitos Tarso Genro e Raul Pont. 3 Em 1992, o Lago Guaíba, que estava vetado ao banho desde o final dos anos 60, volta a ser balneável na praia do Lami. A partir de 1996, Porto Alegre avança no campo de qualidade de vida, 3 DORNELLES, Beatriz. Porto Alegre em Destaque História e Cultura. Ed. EDIPUCRS. Pág. 72.

5 destacando-se assim, ao entrar, em 1998, no ranking das melhores cidades com Índice de Desenvolvimento Urbano da ONU. 4 Em 1997 Porto Alegre completa 225 anos e dedica um maior investimento em educação, saneamento básico, tratamento de esgotos, coleta seletiva do lixo, pavimentação urbana, habitação popular e regularização de áreas habitacionais em várias vilas populares. Antes do final do ano de 1999, foi aprovada a reformulação do novo plano de desenvolvimento urbano, PDDUA, no qual foi incluído um novo foco de preocupação, o patrimônio ambiental urbano. Nos anos de 2001, 2002 e 2003, Porto Alegre realizou as três primeiras edições do Fórum Social Mundial, que no ano de 2010 abrigou a sua décima edição. Entre 2002 e 2006 é aberta a 3ª Perimetral na capital do estado. A Região Metropolitana de Porto Alegre, que inicialmente possuía 14 municípios em 1973, sofre algumas perdas de regiões, devido à emancipação e/ou desmembramento de municípios que faziam parte de seu território (emancipação do município de Parobé, de Taquara e Sapiranga em 1982; emancipação do município de Nova Hartz, de Sapiranga em 1987; emancipação do município de Glorinha, de Gravataí e do município de Eldorado do Sul, de Guaíba em 1988). Mas também recebe a inclusão de 8 novos municípios, somando 22 em Novamente, em 1991, perde parte do seu território com a emancipação de Presidente Lucena e Lindolfo Collor de Ivoti; em 1992 com a emancipação de Nova Santa Rita, de Canoas e em 1993 com a instalação de Picada Café, emancipação de Morro Reuter da cidade de Dois Irmãos e emancipação de Sertão Santana e Mariana Pimentel, de Guaíba. Entretanto seu território volta a aumentar para 23 municípios em 1994 (diminuindo novamente em 1995 com Araricá, emancipado de Sapiranga e Nova Hartz), 25 em 1998 e para 28 municípios em A definição final de território começa em 2000, quando é visto um aumento da Região Metropolitana de Porto Alegre para 30 municípios e para 31 em 2001, sua última modificação em termos de novos territórios. (figura 4) figura 4 Relação de municípios da região Metropolitana de Porto Alegre e sua data de ingresso Fonte: Constituição Federal. Constituição Estadual e Leis 4 Porto Alegre recebe nesse mesmo ano o prêmio de 1º lugar de Mercocidades de Ciência e Tecnologia, com o programa Sistema Híbrido de Simulação para a Propagação de Poluentes, destinado a despoluir o Guaíba.

6 Aspectos Econômicos Durante a ditadura dos anos 70 ocorreu um grande crescimento econômico, em vista do Milagre econômico, com o PIB crescendo a 12% e o setor industrial a 18% ao ano. 5 Nos anos 80 Porto Alegre é marcada pela descentralização do centro histórico, com a saída de grande parte do comércio e dos serviços provocada pelo aparecimento dos Shoppings Centers em bairros mais distantes e pela proliferação de estabelecimentos bancários no centro da cidade especialmente na principal via comercial, a Rua da Praia. O deslocamento de vários ramos da administração, do comércio de luxo, e principalmente do afastamento da habitação da área central, levaram-na a um sério processo de degradação. Os shoppings centers radicalizam as mudanças no comportamento do consumidor. Sua característica principal é configurar uma nova área na cidade. Vão para uma zona vazia, redefinem a geografia, exigem investimentos oficiais em infra-estrutura. Fazem com que essa nova área comece a trazer interesse de novos moradores e mercados de consumos, como foi o caso que ocorreu em Porto Alegre com a implantação do Shopping Iguatemi, mudando o sistema viário e a aparência local. O shopping é o abandono do caráter familiar de consumo. É um empreendimento tipicamente empresarial, do qual o Estado termina participando com investimentos altos na região. 6 Na década de 1990 Porto Alegre perde grande parte da sua função industrial. As indústrias que haviam saído do centro no período colonial para se localizarem próximo às estações de trem da zona norte da cidade, com o sistema rodoviário começam a se deslocar para a região metropolitana, pela BR-116. Com o novo acesso para São Paulo, pela BR-101, a Free Way, que conectava esta estrada com Porto Alegre, começa receber a instalação das novas indústrias. Tal fato era visto como tendência no estudo anterior e agora aparece como realidade. A instalação da GM é sua confirmação. Dessa forma, Porto Alegre vai desenvolver a área da prestação de serviços, que representa 68,82% do PIB. 7 Também é marcada pelo surgimento dos Outlets (uma nova versão dos shopping centers, sendo o DC Navegantes o primeiro deles na cidade). Em decorrência disso, na RMPA, em meados dos anos de 1970, implantaram-se dois importantes distritos industriais nos figura 5 Evolução dos municípios de Cachoeirinha e Gravataí. Esse processo de instalação de acessos da RMPA e indústrias permitiu uma melhoria na rede viária e de infra-estrutura e localização industrial 5 Dados retirados da FEEE de Neiva Shaffer, Geógrafa e autora de uma tese sobre a transformação do consumo na cidade. 7 Dados retirados da FEEE de 1999.

7 equipamentos, além da implantação de conjuntos habitacionais e parcelamentos de glebas rurais e de loteamentos, provocando a densificação desse eixo 8 (figura 5). Com a implantação do trem metropolitano de passageiros, a região tem mais condições de acessibilidade e desenvolvimento. Surge em Triunfo o pólo petroquímico. Aspectos Socioculturais Na década de 1970 ocorreu uma intensa produção cultural nos setores da poesia, romance, teatro e música. Como fruto disso se tem o Centro Municipal de Cultura Arte e Lazer Lupcínio Rodrigues, inaugurado em 1978, projeto de Edgar do Valle e Sérgio Matte, onde funcionam hoje as salas de teatro Álvaro Moreyra e Renascença. Nos anos 80, em contraposição aos novos centros de consumo (shopping centers) foram criados vários centros culturais, destacando-se o Centro Cultural Mário Quintana. Em 2002, contribuindo ainda mais com o desenvolvimento da cultura na cidade, foi criado o Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo. O numero de Universidades cresceu. O setor da saúde sofre grandes modificações. Surgem vários conjuntos habitacionais fruto de uma política do governo federal. Aspectos Locacionais A partir dos anos 70, as transformações da estrutura urbana são iminentes. Acontecimentos como a substituição dos bondes (a última viagem foi realizada em 8 de março de 1970), prolongamento na extensão das linhas de ônibus existentes e as novas linhas, e o aumento do numero de automóveis 9 circulando pela cidade, levam a transformações radicais no sistema viário. Construções como viadutos, elevadas, aplicação das propostas de 1ª e 2ª Perimetrais, o muro da Mauá 10 e criação dos Estádios, também são dessa década. Dentre os viadutos construídos podemos citar o Viaduto Loureiro da Silva que foi concluído em junho de 1970, sendo iniciado em novembro do ano anterior. Podemos citar também os Viadutos Dom Pedro I (de março de 1971 a abril de 1972), Tiradentes (de setembro de 1971 a outubro de 1972), Açorianos (de janeiro a julho de 1973), Obirici (de janeiro de 1974 a janeiro de 1975), Leopoldina (de março de 1972 a março de 1975) e o complexo do túnel da Conceição. Nessa mesma década podemos lembrar a criação de novos parques como o Marinha do Brasil e o Moinhos de Vento (concluídos em 1978 e 1974, respectivamente). (figura 6) figura 6 Construções realizadas em Porto Alegre nas décadas de 70 e 80. Fonte: Como anda Porto Alegre Série: Como andam as Regiões Metropolitanas 8 IPEA, 2000, p A criação da industria automobilística refletiu-se claramente nas cidades, especialmente nas maiores. 10 Como resultado da aplicação de estudos mostrando que esse fazia parte de um plano de contenção contra enchentes que contava também com diques e estações de drenagem 1971.

8 Quando a cidade começou a crescer para os arraiais, surgiu o bonde puxado a burro. O bonde elétrico entrou em cena quando os bairros ficaram mais povoados. Quando boa parte da população foi morar ainda mais longe, o ônibus ganhou terreno. E, finalmente, no momento em que a cidade virou metrópole e se ligou às vizinhas surgiu em Porto Alegre o metrô de superfície 11. Isso caracteriza o surgimento do Trensurb nos anos 90, que liga Porto Alegre à São Leopoldo e futuramente à Novo Hamburgo (primeiro eixo de urbanização da região). Na década de 1970 a região metropolitana tem sua institucionalização através de lei, e participa no desenvolvimento do estado com a instalação da Refinaria Alberto Pasqualini no Vale dos Sinos e a construção da BR-290, penetrando na RMPA por São Jerônimo, passando por Porto Alegre e saindo por Santo Antônio da Patrulha. Outro acesso é pela BR- 116 que travessa o estado no eixo norte-sul, ingressando na RMPA pelo município de Guaíba e saindo pelo município de Dois Irmãos. (figura 7) figura 7 Principais rodovias da Região Metropolitana de Porto Alegre Fonte: Metroplan, DAER Transformações da Cidade A área central da cidade, no período abordado, perdeu, em parte, sua função como área de habitação, item esse que está se tentando recuperar na década atual. Essa área também sofreu uma crise do comércio mais refinado, transferido para os shoppings centers. A criação das perimetrais na cidade foi um importante ponto de transformações. A abertura da Primeira Avenida Perimetral exigiu a construção do complexo de túneis da Avenida Conceição e das passagens elevadas sobre as Avenidas Alberto Bins, Farrapos e Voluntários da Pátria, bem como dos viadutos nas Avenidas João Pessoa e Borges de Medeiros. Obras que previam a desapropriação de m² de terrenos e de m² de prédios, edifícios e armazéns em seu trajeto. 12 A importância da perimetral, logo de início, refletia-se no espaço urbano na medida em que, partindo da Rua João Alfredo (antiga Rua da Margem), dava acesso ao bairro Menino Deus e à região centro-sul, estendendo-se até a Avenida Osvaldo Aranha. Na administração de João Dib, em 1978, é construída a II Perimetral, que engloba as avenidas Aureliano de Figueiredo Pinto e Érico Veríssimo. Também são feitos os corredores de ônibus nas 11 História Ilustrada de Porto Alegre. 12 MONTEIRO, Charles. Porto Alegre e suas escritas, histórias e memórias da cidade. Colação Nova Et Vetera 10. EDIPUCS. Pág. 340.

9 avenidas Farrapos, Assis Brasil, Protásio Alves e Bento Gonçalves. A cidade carecia de áreas verdes, adensada pela habitação. 13 Na gestão de João Verle (04/04/2002 a 01/01/2005) foi aberta a III Perimetral para ligar a zona Norte à Sul da cidade, dando continuidade ao ciclo de expansão da cidade, que hoje se vê cada vez mais adensada por edifícios altos. Conclusão Preliminar Como este estudo está em andamento e como o objetivo no Seminário, é a exibição de painéis, o que se pretende é mostrar de um lado o crescimento da cidade e da região por meio de dados quantitativos e qualitativos, e de outro lado as transformações físicas, espaciais e urbanísticas que as mesmas sofreram, através de mapas e fotografias de paisagens urbanas. Este texto fica apenas como uma intenção do que se pretende divulgar. 13 DORNELLES, pág. 71.

10 Bibliografia HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos. Companhia das Letras, VIZENTINI, Paulo Fagundes. História do Século XX. Ed. Novo século, SOUZA, Célia F. de; MÜLLER, Dóris M. Porto Alegre e sua Evolução Urbana. Porto Alegre: Ed. UFRGS, DORNELLES, Beatriz. Porto Alegre em Destaque História e Cultura. Ed. EDIPUCRS. FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre, Guia Histórico. Porto Alegre: Ed. da Universidade / UFRGS, FEE. Matriz de Insumo-Produto do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística, MELLO, Oberon da S. (Elaboração). Evolução populacional segundo sub-regiões da RMPA no período Porto Alegre: Janeiro, MONTEIRO, Charles. Porto Alegre e suas escritas, histórias e memórias da cidade. Colação Nova Et Vetera 10. EDIPUCS. SILVA, Margareth V. M. Processo de Inclusão de Municípios em Regiões Metropolitanas A Experiência da Região Metropolitana de Porto Alegre. Dissertação de Mestrado, PROPUR, UFRGS. Porto Alegre: FEE. Território, economia e sociedade: transformações na Região Metropolitana de Porto Alegre. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística, Como anda Porto Alegre Série: Como andam as Regiões Metropolitanas. Ministério das Cidades, Brasília: História Ilustrada de Porto Alegre. Circulação Jornal Zero Hora, Já Editores, Porto Alegre. Planejar para viver melhor. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Administração Guilherme Socias Villela. TORRES, Daniel; MARTINS, Lucas; GARCIA, Gabriel; AVANCINI, Jean. A Evolução Urbana dos Anos 70. Trabalho Acadêmico da UFRGS. Porto Alegre. PEREIRA, Daiane M.; PÁDUA, Juliana; BORELLI, Sara. Praça Brigadeiro Sampaio. Trabalho Acadêmico da UFRGS. Porto Alegre: CD-ROM Porto Alegre Terra do Bem Viver. Realização Porto Alegre Turismo e Prefeitura de Porto Alegre- SMIC / Escritório de Turismo. Apoio: SEBRAE. Porto Alegre.

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO A Capital: capital = principal; sede do governo estadual; onde são tomadas as decisões de interesse do estado;

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

APÊNDICE 2.17B. Ilustração do tipo operário tradicional

APÊNDICE 2.17B. Ilustração do tipo operário tradicional APÊNDICE 2.17B Ilustração do tipo operário tradicional Ao todo, esse tipo reunia 18 Áreas de Expansão da Amostra (AEDs) e 12,25% dos ocupados metropolitanos em 2000. Essas áreas estão situadas exclusivamente

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social.

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

APÊNDICE 2.14A. Ilustração do tipo operário moderno

APÊNDICE 2.14A. Ilustração do tipo operário moderno APÊNDICE 2.14A Ilustração do tipo operário moderno Ao todo, esse tipo reunia 11 Áreas de Expansão da Amostra (AEDs) e 9,05% dos ocupados metropolitanos em 2000. Essas áreas estão distribuídas nos municípios

Leia mais

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Apoio: Apoio: Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Cidreira Ciríaco Cruzeiro do Sul David Canabarro

Leia mais

APÊNDICE 2.19. Ilustração do tipo popular e agrícola

APÊNDICE 2.19. Ilustração do tipo popular e agrícola APÊNDICE 2.19 Ilustração do tipo popular e agrícola Ao todo, esse tipo reunia 11 Áreas de Expansão da Amostra (AEDs) e 5,89% dos ocupados metropolitanos em 2000. Essas áreas situam-se, além de uma em Porto

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios 1 Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios Alexandre da Silva Medeiros UFRGS Juan Mario Fandiño Marino UFRGS Pedro Vargas Fernandes

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Plano de Saneamento Regional e Municipais

Plano de Saneamento Regional e Municipais 3º Seminário Internacional de Saneamento e 1ª Conferência Regional dos Planos de Saneamento do Consórcio Pró-Sinos Plano de Saneamento Regional e Municipais FEEVALE Novo Hamburgo 02 e 03/12/2013 Resíduos

Leia mais

Fotos Antigas de. Porto Alegre. Trabalho desenvolvido pelos estudantes da T5. nas aulas de Informática Educativa da

Fotos Antigas de. Porto Alegre. Trabalho desenvolvido pelos estudantes da T5. nas aulas de Informática Educativa da Fotos Antigas de Porto Alegre Trabalho desenvolvido pelos estudantes da T5 nas aulas de Informática Educativa da EMEF Porto Alegre/EPA - 1º semestre de 2009 Fotos Antigas de Porto Alegre 1801 a 1969 Século

Leia mais

Governança Metropolitana no Brasil

Governança Metropolitana no Brasil Governança Metropolitana no Brasil Relatório de Pesquisa Caracterização e Quadros de Análise Comparativa da Governança Metropolitana no Brasil: análise comparativa das funções públicas de interesse comum

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL Relatório de Pesquisa Caracterização e Quadros de Análise Comparativa da Governança Metropolitana no Região Metropolitana de Porto Alegre Praça Marechal Deodoro da Fonseca

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

IBEU Região Metropolitana de Porto Alegre Expressão de dois polos com efeitos distintos em bem-estar urbano?

IBEU Região Metropolitana de Porto Alegre Expressão de dois polos com efeitos distintos em bem-estar urbano? IBEU Região Metropolitana de Porto Alegre Expressão de dois polos com efeitos distintos em bem-estar urbano? Luciano Fedozzi¹ Iara Regina Castello² O Índice de Bem-estar Urbano (IBEU), que está em construção

Leia mais

APÊNDICE 2.12B. Ilustração do tipo médio heterogêneo

APÊNDICE 2.12B. Ilustração do tipo médio heterogêneo APÊNDICE 2.12B Ilustração do tipo médio heterogêneo Ao todo esse tipo reunia 19 Áreas de Expansão da Amostra (AEDs) e 16,17% dos ocupados metropolitanos em 2000. Essas áreas distribuem-se majoritariamente

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE PORTO ALEGRE, NOVEMBRO DE 2012 EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo AlphaVille Urbanismo Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo História A história de um conceito de bem viver 1974 2008 História A história de um

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

APÊNDICE 2.10. Ilustração do tipo médio superior

APÊNDICE 2.10. Ilustração do tipo médio superior APÊNDICE 2.10 Ilustração do tipo médio superior Ao todo, esse tipo reunia 12 Áreas de Expansão da Amostra (AEDs) e 6,69% dos ocupados metropolitanos em 2000. Essas áreas distribuem-se nas principais cidades

Leia mais

Avenida Ipiranga: Processo Evolutivo ao Longo do Século XX

Avenida Ipiranga: Processo Evolutivo ao Longo do Século XX 2121 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Avenida Ipiranga: Processo Evolutivo ao Longo do Século XX Acad. Júlia Schiedeck Nunes, Ana Rosa Sulzbach Cé (orientadora) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,

Leia mais

Shopping Moxuara. Ótimos negócios para os lojistas.

Shopping Moxuara. Ótimos negócios para os lojistas. Shopping Moxuara. Ótimos negócios para os lojistas. O município de Caricica (ES) acaba de ganhar seu primeiro grande shopping: o Shopping Moxuara. Um empreendimento que vai trazer novas opções de compras,

Leia mais

Textos para Discussão FEE N 112

Textos para Discussão FEE N 112 ISSN 1984 5588 Textos para Discussão FEE N 112 Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Caracterização da Região Metropolitana

Leia mais

Porto Alegre. Host City Fifa World Cup 2014

Porto Alegre. Host City Fifa World Cup 2014 Porto Alegre Host City Fifa World Cup 2014 31/05/2009 A FIFA anuncia as 12 cidades-sede 13/01/2010 Formalização do Grupo Executivo da Copa Gecopa; Anúncio do Programa BNDES Pró-Copa Turismo (recursos para

Leia mais

Apêndice 2.8. Ilustração do tipo superior

Apêndice 2.8. Ilustração do tipo superior Apêndice 2.8 Ilustração do tipo superior Ao todo, esse tipo reúne seis Áreas de Expansão da Amostra (AEDs) e 4,62% dos ocupados metropolitanos em 2000. Essas áreas encontram-se exclusivamente em Porto

Leia mais

Sciesp. Clipping 19.07. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 19.07. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 19.07 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK Desapropriações vão atingir 12 mil imóveis 19/07/2011 Até

Leia mais

APÊNDICE 2.15. Ilustração do tipo operário polarizado

APÊNDICE 2.15. Ilustração do tipo operário polarizado APÊNDICE 2.15 Ilustração do tipo operário polarizado Ao todo, esse tipo reunia seis Áreas de Expansão da Amostra (AEDs) e 3,01% dos ocupados metropolitanos em 2000. Essas áreas estão situadas na porção

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X

Sumário. Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X Sumário Agradecimentos II Resumo III Resumen V Abstrat X 1. Introdução Centro da investigação 01 Delimitação do campo de estudo e aproximação metodológica 02 Os percursos da investigação: o Rio Grande

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Governo Estadual RS 509

Governo Estadual RS 509 1 - RODOVIAS / TRAVESSIA URBANA Governo Federal BR 158, BR 287 e BR 392 Governo Estadual RS 509 Governo Municipal Av. Helvio Basso 2 - MOBILIDADE URBANA Plano Diretor de Mobilidade Urbana TR está pronto.

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

Características e condições de moradia dos habitantes metropolitanos

Características e condições de moradia dos habitantes metropolitanos 1 Características e condições de moradia dos habitantes metropolitanos Iára Regina Castello UFRGS Os dados coletados nos Censos Demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) incluem

Leia mais

Habitação Popular e Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Porto Alegre

Habitação Popular e Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Porto Alegre Habitação Popular e Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Porto Alegre Arquiteto e Urbanista Régulo Franquine Ferrari rferrari@eptc.prefpoa.com.br BRASIL Ciclos econômicos: 1500 pau-brasil litoral

Leia mais

Tema: Diretrizes, Pré-Aprovação e Aprovação Final. Palestrante: Arqº Milton Faria de Assis Júnior

Tema: Diretrizes, Pré-Aprovação e Aprovação Final. Palestrante: Arqº Milton Faria de Assis Júnior Tema: Diretrizes, Pré-Aprovação e Aprovação Final. Palestrante: Arqº Milton Faria de Assis Júnior Rio Preto lidera loteamentos no Estado Nos últimos anos, Rio Preto se mantém como 1ª no ranking dos municípios

Leia mais

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma EIXO : INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento com opções de lazer projeto Blumenau 2050 prevê uma série de obras para alavancar o desenvol- O vimento econômico, o turismo e o lazer na cidade.

Leia mais

Campanha Nacional dos Bancários 2009

Campanha Nacional dos Bancários 2009 ALEGRETE -PAB Centro Administrativa da Prefeitura BAGÉ -Ag.Centro -PAB Justiça do Trabalho BENTO GONÇALVES CACHOEIRA DO SUL CAMAQUÃ -Ag Cidade Alta -Ag. Cachoeira do Sul -PAB Justiça do Trabalho Ag. Camaquã

Leia mais

COSMOPOLITANO SHOPPING. orgânico moderno conectado novo completo diverso dinâmico confortável

COSMOPOLITANO SHOPPING. orgânico moderno conectado novo completo diverso dinâmico confortável COSMOPOLITANO SHOPPING orgânico moderno conectado novo completo diverso dinâmico confortável Uma cidade do mundo deve abraçar o mundo. Crescer e prosperar junto com ele. Na era dos novos negócios, coragem

Leia mais

EMENDA ADITIVA AO PROJETO DE LEI Nº 100/11

EMENDA ADITIVA AO PROJETO DE LEI Nº 100/11 Art. - Utilizando recursos orçamentários no Programa 11 Construção e Ampliação Secretaria de Saúde, Ação 1004 Construção e Ampliação de Unidades de Saúde, a Secretaria de Saúde contemplará no exercício

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Sistema Integrado de Transporte e o Metrô de Porto Alegre Março de 2008

Sistema Integrado de Transporte e o Metrô de Porto Alegre Março de 2008 Sistema Integrado de Transporte e o Metrô de Porto Alegre Março de 2008 Estudo de Planejamento Estratégico de Integração do Transporte Público Coletivo da RMPA Plano Integrado de Transporte e Mobilidade

Leia mais

Opções de Passeios XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e o XIX Workshop ANPROTEC

Opções de Passeios XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e o XIX Workshop ANPROTEC Opções de Passeios XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e o XIX Workshop ANPROTEC POLÍTICAS PARA OS PASSEIOS; - Mínimo de 8 pessoas para realização do passeio - Menores

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012 CodeP0 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede de Recife Dezembro de 2012 Recife: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s Referência Nov/12, Distribuição dos investimentos por

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

4º DISTRITO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL PROGRAMA PORTO DO FUTURO

4º DISTRITO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL PROGRAMA PORTO DO FUTURO 4º DISTRITO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL PROGRAMA PORTO DO FUTURO Grupo de Trabalho / Secretaria do Planejamento Municipal / SPM: Arquitetos: Míriam Maciel Echel Tânia Regina S. C. de Oliveira

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista NA BAIXADA SANTISTA E ALTO TIETÊ Conheça a Fundação Dom

Leia mais

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Curitiba SÃO PAULO População: 1.828.092 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009:

Leia mais

5. LEVANTAMENTO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO 5.1. RELAÇÕES TEMÁTICA / SÍTIO SÍTIO PROPOSTO O sítio proposto para a implantação situa-se no limite dos bairros Menino Deus e Praia de Belas, divididos pela Avenida

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL NA GESTÃO DO USO DO SOLO: estudo de caso na região metropolitana de Porto Alegre na década de 80

A FUNÇÃO SOCIAL NA GESTÃO DO USO DO SOLO: estudo de caso na região metropolitana de Porto Alegre na década de 80 A FUNÇÃO SOCIAL NA GESTÃO DO USO DO SOLO: estudo de caso na região metropolitana de Porto Alegre na década de 80 Anicoli Romanini 1 1 Introdução Atualmente, a cidade evidencia um contexto histórico em

Leia mais

Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP

Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP Fonte: SEADE PIRACICABA CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS Território e População Área: 1.378,501 km² População (estimativa IBGE 2013): 385.287 mil habitantes Densidade Demográfica

Leia mais

Mais cinemas para mais brasileiros.

Mais cinemas para mais brasileiros. Mais cinemas para mais brasileiros. ...NUM CINEMA PERTO DE VOCÊ! O Brasil já teve uma grande e descentralizada rede de salas de cinema. Em 1975, eram quase 3.300 salas, uma para cada 30 mil habitantes,

Leia mais

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil Exercícios Processo de Urbanização no Brasil 1. Nota intitulada Urbano ou rural? foi destaque na coluna Radar, na revista Veja. Ela apresenta o caso extremo de União da Serra (RS), município de 1900 habitantes,

Leia mais

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1 São Leopoldo / Novo Hamburgo ESCRITÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Coordenação de Planejamento Coordenação de Medições, Controle Financeiro

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados pelo Fundopem no Período 1989/1998 Antônio Ernani Martins Lima Porto

Leia mais

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Proponente: Município Beneficiado: Estado: Nome Entidade: CNPJ: Endereço da Sede: CEP: Tel/Fax: Representante Legal:

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

SEMINÁRIO AV. CONDE DA BOA VISTA

SEMINÁRIO AV. CONDE DA BOA VISTA SEMINÁRIO AV. EQUIPE: ANDERSON DÉBORAH KALINE JEISIANE NADJA VIEIRA NATONIEL SOLANGE SEMINÁRIO AV. CONTEÚDO DA APRESENTAÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO EVOLUÇÃO URBANA ACESSIBILIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS CONTEXTO

Leia mais

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente 19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG Eixo 1. Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA E SEUS IMPACTOS

Leia mais

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo.

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. T erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. Ao longo dos últimos 12 anos, Sorocaba vem crescendo expressivamente

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais