TREINAMENTO DE INTEGRAÇÃO MÓDULO 4 3 PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA A CONTRATADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO DE INTEGRAÇÃO MÓDULO 4 3 PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA A CONTRATADA"

Transcrição

1 MÓDULO 4 1 PERMISSÃO PARA O TRABALHO 2 INSPEÇÕES E AUDITORIAS DE SMS 3 PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA A CONTRATADA 4 SUSPENSÃO DO TRABALHO

2 NENHUM TRABALHO NÃO PROCEDIMENTADO A SER EXECUTADO NAS INSTALAÇÕES PODERÁ SER INICIADO SEM A REQUISIÇÃO DA PT.

3 O QUE SIGNIFICA? PERMISSÃO DE TRABALHO ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO ANÁLISE DE SEGURANÇA DO TRABALHO

4 1 - PERMISSÃO PARA TRABALHO - PT A PT é uma permissão, por escrito, que autoriza o início do serviço, tendo sido avaliados os riscos de SMS, com a devida proposição de medidas de segurança aplicáveis É válida para um serviço específico e no período da jornada de trabalho do requisitante. Nenhum serviço poderá ser iniciado sem que a PT tenha sido emitida. Deverá ser disposta no local de trabalho em local visível, além de ter sido lida pela equipe de executantes. Cópia deverá ficar em poder do emitente. Deverá ser preenchido a LV Lista de Verificação no momento de preenchimento da PT.

5 É ELABORADA POR UM GRUPO MULTIDISICPLINAR DE PESSOAS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS. O ENCARREGADO DEVE DIVULGAR AS INFORMAÇÕES NELAS CONTIDAS PARA SEUS SUBORDINADOS SABEREM DOS RISCOS PREVISTOS PARA A EXECUÇÃO DOS TRABALHOS EM CADA FASE.

6 O que é uma APR/AST? ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO / ANÁLISE DE SEGURANÇA DO TRABALHO (APR/AST) São ferramentas de planejamento de uma tarefa/atividade com foco em segurança, com objetivo de se identificar os riscos potenciais e adotar medidas de controle.

7 Identificar os perigos e os riscos Organizar a execução da tarefa e atividade Trabalho seguro Uso de procedimentos Controle do Risco Habituar as pessoas a planejar o trabalho Estabelecer o procedimento seguro Trabalhar de forma planejada e segura

8 MEDIDAS DE CONTROLE RA = P MC

9 1º. Ir na área onde o serviço será realizado 2º A AST deve ser elaborada por quem conhece e executará o serviço

10 ETAPAS DE CONSTRUÇÃO DA AST/ APR Indicar ações adicionais de controle. Antecipar o que pode sair errado. Descrever o processo seguro indicado para execução do trabalho, de modo a evitar acidentes e ferimentos/lesões. Descrever a ação de controle para os riscos identificados em cada etapa do trabalho. Descrever as etapas do trabalho em seqüência, associando os riscos e as conseqüências a cada etapa. Identificar e listar os perigos da área/local/acesso Ir na área / local onde o trabalho será realizado

11 ETIQUETA, TRANCA E TESTE EMITENTE NÃO RETIRE ESTA ETIQUETA ELA SÓ PODE SER RETIRADA PELO EMITENTE DA PT. Emitente: matricula: Gerência: Data: / / Hora: Equipto: Localização: NÃO OPERE ESTE EQUIPAMENTO MOTIVO: VEJA O OUTRO LADO VEJA O OUTRO LADO

12 PREVENÇÃO DE ACIDENTES )ETIQUETA, TRANCA E TESTE - REQUISITANTE NÃO RETIRE ESTA ETIQUETA ELA SÓ PODE SER RETIRADA PELO REQUISITANTE DA PT. Emitente: Matrícula: Gerência: Data: / / Hora: Equipto: Localização: NÃO OPERE ESTE EQUIPAMENTO MOTIVO: VEJA O OUTRO LADO VEJA O OUTRO LADO

13 Encarregado pela equipe ou por pessoa que executará o serviço. O requisitante deverá ter, comprovadamente, atribuições e qualificações para solicitar PT. É REQUISITANTE de responsabilidade do requisitante e do executante o fiel cumprimento das recomendações da PT. EMITENTE O Emitente deverá ser profissional designado pelo responsável do estabelecimento, comprovadamente treinado em Análise de Riscos (APR - AST) ou em programa específico para liberação de áreas e emissão de PT, que conheça a as características de operação e riscos da área ou equipamento onde será feito o serviço. ITC-GESMS

14 REQUISITANTES DE P.T. s: Empregados, Supervisores e Encarregados de firma Contratada ou Empreiteira com treinamento de P.T. para requisitantes. EMITENTES DE P.T. s É o empregado da BR responsável pelo equipamento, sistema, ou área específica onde deve ser realizado o trabalho. Em operação de instalações de terceiros, as Gerências envolvidas (BR e terceiros) determinam os responsáveis para cumprimento do procedimento de PT. ITC-GESMS

15 OBRIGAÇÕES DO REQUISITANTE: a) cumprir e fazer cumprir as normas e procedimentos de segurança vigentes; b) Providenciar e inspecionar as máquinas, ferramentas e equipamentos de proteção Individual (EPI) e Coletiva (EPC), antes do inicio dos trabalhos; c) Providenciar, para o ambiente onde serão realizados os serviços, evitando a criação de novos riscos, ventilação, exaustão e iluminação, além de acessos seguros através de escadas ou andaimes, aplicáveis conforme o caso; d) Instalar e manter instalados e prontos para o uso sistemas e equipamentos de prevenção contra incêndio e acidentes pessoais (neblina d água, cobertura dos coletores, de válvulas, isolamento de área etc.), conforme solicitado pelo Emitente e/ ou Co-emitente da PT; ITC-GESMS

16 OBRIGAÇÕES DO REQUISITANTE: e) Comunicar aos executantes e a todos os membros da equipe de execução dos trabalhos, todas as precauções e instruções de segurança constantes da PT; f) Acompanhar periodicamente o desenvolvimento do trabalho, a fim de detectar alterações nas condições de segurança ou descumprimento das recomendações estabelecidas; g) Solicitar ao emitente e/ ou co-emitente o cancelamento da PT sempre que ocorrer pelo menos uma das condições previstas na ITC-GESMS Permissão para Trabalho (PT). ITC-GESMS

17 OBRIGAÇÕES DO EMITENTE/ CO-EMITENTE Certificar-se de que as condições de trabalho estejam suficientemente seguras durante todo seu desenvolvimento. Para tanto, segundo sua avaliação, deve realizar verificações periódicas do trabalho ou permanecer no local. Em qualquer dos casos, permite-se designar um representante para realizar estas funções. Repassar ao requisitante todos os cuidados necessários ao atendimento da ITC- GESMS Permissão para Trabalho (PT). Para emissão de uma PT o Emitente/ Co-Emitente deve atender aos seguintes procedimentos: a) Retirar o equipamento de operação, desenergizando-o, drenando-o, despressurizando-o, limpando-o, se for o caso; ITC-GESMS

18 OBRIGAÇÕES DO EMITENTE/ CO-EMITENTE (CONT.) b) Providenciar, para cada caso, que seja feito o isolamento dos equipamentos ou linhas com flanges cegos ou raquetes, quando aplicável, elaborando um fluxograma com indicações das raquetes e flanges cegos, devidamente identificados, de forma que ao término do trabalho, possa ser seguido adequadamente o procedimento inverso para reiniciar a operação normal: c) Providenciar para que sejam providos, de forma segura, a ventilação, exaustão, iluminação, além dos acessos seguros através de escadas e andaimes, aplicáveis, conforme o caso; d) Solicitar ao requisitante da PT o isolamento da área, quando necessário; e)cancelar a PT sempre que ocorrer pelo menos uma das condições descritas na ITC- GESMS Permissão para Trabalho (PT). ITC-GESMS

19 EXECUTANTE /SUPERVISÃO DO SERVIÇO - Verificar o preenchimento da PT no local da realização do trabalho, juntamente com o requisitante e com o emitente; - Dar início e prosseguimento ao trabalho somente quando a PT estiver completamente preenchida e aprovada; - Portar a primeira via da PT no local de trabalho em local visível e de fácil acesso, durante toda a realização da tarefa; - No caso em que os executantes sejam exclusivamente prestadores de serviços (terceiros), eles serão representados pelo encarregado da empresa contratada, treinado e certificado para tal fim; ITC-GESMS

20 OBRIGAÇÕES DA ÁREA DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Treinar os envolvidos no cumprimento deste procedimento; Prover treinamentos complementares, quando solicitados através do setor de treinamento e seleção; Realizar avaliações ambientais, quando indicado na APR/AST, para autorizar a execução do trabalho. ITC-GESMS

21 OBRIGAÇÕES DOS CONTRATADOS Realizar INSPEÇÃO PRÉVIA DE: Equipamentos, ferramentas, veículos, materiais, etc. Realizar INSPEÇÃO PERIÓDICA DOS TRABALHOS verificando os itens abaixo: 1 - Cumprimento das Normas Internas; 2 - Cumprimento das recomendações da PT, LV, APR ou AST; 3 - Cumprimento das cláusulas contratuais; 4 - Cumprimento das NRs (Normas Oficiais) 5 - Outras Normas Vigentes no país. ITC-GESMS

22 2 - INSPEÇÕES E AUDITORIAS DE SMS A seguir, alguns desvios detectados em auditorias realizadas: Utilização inadequada de equipamento para realizar manutenção.

23 2 - INSPEÇÕES E AUDITORIAS DE SMS EPI inadequado

24 2 - INSPEÇÕES E AUDITORIAS DE SMS Não utilização dos EPIs necessários e fardamento.

25 2 - INSPEÇÕES E AUDITORIAS DE SMS Não utilização do EPI necessário.

26 2 - INSPEÇÕES E AUDITORIAS DE SMS Montagem inadequada de andaime e não utilização do cinto de segurança.

27 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Utilização incorreta do equipamento disponível.

28 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Içamento de carga sem respeito ao peso máximo suportado pelo guindaste.

29 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Falha operacional, que poderia matar o motorista, caso estivesse na cabine do caminhão.

30 3 - PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA QUE DEVEM SER ADOTADOS PELA CONTRATADA A seguir, demonstraremos como devem ser exercidas as atividades com segurança, através da aplicação prática dos conceitos de prevenção.

31 SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA Devem ser adotadas e respeitadas todas as placas e avisos de advertências

32 EQUIPAMENTOS E MATERIAIS UTILIZADOS Os materiais utilizados na obra deverão ser guardados de forma segura a fim de evitar acidentes. As sucatas e materiais inservíveis deverão ser recolhidos após o término do serviço em que os mesmos estavam sendo empregados e ter sua destinação controlada. Errado Certo

33 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Manter trabalhador qualificado legalmente habilitado, nos termos da NR-10 Deverão ser adotadas medidas de prevenção contra o perigos de Choque elétrico, que podem ocasionar Aquecimento, Fogo e Explosões. Todas as máquinas e equipamentos elétricos devem possuir sistema de aterramento, ter suas fiações em perfeito estado, bem como suas estruturas. Não é permitido substituir fusíveis por arames, fios, moedas nem por outro de maior capacidade de corrente. ITC-GESMS ITC-GESMS

34 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Nas áreas classificadas só poderão ser utilizados equipamentos à prova de explosão, com prévia inspeção e autorização da Fiscalização do Terminal As tomadas dos equipamentos deverão indicar a tensão e corrente elétrica de trabalho. Todos os equipamentos deverão ser ligados à rede elétrica através de soquetes e tomadas de correntes, não sendo permitidas ligações diretas com a ponta dos cabos. Os cabos elétricos deverão estar em boas condições de segurança. Os equipamentos que não se encontrarem nas condições de conservação acima descritas, não poderão ser utilizados. ITC-GESMS ITC-GESMS

35 ELETRICIDADE Placas de advertência devem ser afixadas próximos aos locais de risco. Os transformadores devem estar em local adequado, protegidos por cerca e sinalizados. ITC-GESMS ITC-GESMS

36 ELETRICIDADE Serviços em eletricidade requerem uma permissão para trabalho. Deve-se sempre desligar, etiquetar e trancar a fonte de energia. Antes de se mexer no circuito, deve-se testar se não há corrente, pois alguns tipos de sistema podem ter mais de uma entrada de energia. ITC-GESMS ITC-GESMS

37 ELETRICIDADE Os painéis elétricos devem estar aterrados. A tensão do circuito deve estar identificada na porta do painel. As partes vivas do circuito devem ter proteção contra contatos acidentais. Deve estar em lugar visível o esquema unifilar do circuito. Os cabos de entrada e saída devem estar identificados. Só pessoal autorizado (NR-10) pode trabalhar com eletricidade. ITC-GESMS ITC-GESMS

38 TRABALHO EM ALTURA O uso normal de escadas fixas com corrimão e serviços em locais com proteção coletiva permanente tipo guarda-corpo NÃO deve ser considerado trabalho em altura. ITC-GESMS

39 TRABALHO EM ALTURA É obrigatório o uso de cintos de segurança, tipo pára-quedista em trabalhos em altura superior a 2 metros, com risco de queda, devidamente ancorados em estruturas seguras independentes ou em cabos de aço previamente fixados, em cota superior a soma da altura da queda mais a altura do trabalhado. Todo trabalho em altura deverá ser realizado por trabalhador autorizado, cujo estado de saúde foi avaliado e considerado apto para executar esta atividade, em conformidade com a NR-7. Recomenda-se, também, questionar ao trabalhador se o mesmo se encontra em condições físicas e psíquicas adequadas. ITC-GESMS

40 TRABALHO EM ALTURA NR-18 Madeiramento isento de nós ou rachaduras, sem pintura que encubra imperfeições; Piso dos andaimes com forração completa e antiderrapante; No caso de andaimes suspensos, para a fixação de cinto de segurança/talabarte, cabos-guia em estrutura independente; No caso de telhados e coberturas, cabos de segurança fixados a estrutura definitiva da edificação;. ITC-GESMS

41 TRABALHO EM ALTURA NR-18 Ferramentas manuais devem ser amarradas (preferencialmente) ou protegidas contra quedas conforme análise no local da atividade; Andaimes amarrados e calçados de modo a evitar balanço; Os guarda-corpo de andaime devem possuir 1,20 m de altura, com travessa intermediária de 0,70 m de altura; Os andaimes devem ser constituídos de rodapé de 0,20 m de altura; Projetos de andaimes aprovados profissional legalmente habilitado. por ITC-GESMS

42 TRABALHO EM ALTURA ESCADAS DE MÃO Devem ser utilizadas apenas para serviços rápidos e de pequeno porte Ao apoiá-las, observar sempre a relação 4 para 1 (comprimento x pé/parede) Devem ser amarradas na base ou providas de base antiderrapante apropriada. Escadas extensíveis devem possuir limitador de curso (mínimo 1 metro de superposição). As escadas devem ter comprimento suficiente para ultrapassar em 1 metro do piso superior que se pretende alcançar. ITC-GESMS

43 TRABALHO EM ALTURA ESCADAS DE MÃO Não utilizar escadas metálicas ou com reforço de aço ao executar trabalho em eletricidade Posicionamento na melhor localização que determine afastamento máximo de objetos equivalente ao comprimento de um braço Ao trabalhar sobre escadas acima de 2m, fazer uso de cinto de segurança preso em estrutura independente da escada ITC-GESMS

44 TRABALHO EM ALTURA ESCADAS DE ABRIR Deve ser rígida, estável e provida de dispositivo que a mantenha com abertura constante, devendo ter comprimento máximo de 6 metros, quando fechada. Deverão ser posicionadas no sentido da realização da atividade para que o trabalhador não realize deslocamentos laterais. Quando da impossibilidade, um auxiliar no piso, garantindo a estabilidade da escada. Os dois últimos degraus superiores não devem ser utilizados, pois o usuário ficaria mais propenso a quedas ITC-GESMS

45 UTILIZAÇÃO DE ANDAIME DE QUADRO ITC-GESMS Permitido andaime de quadro quando o piso estiver plano e estável desde que em condições favoráveis de uso e sem deformações e constituído de acesso seguro aos níveis elevados. SINALIZAÇÃO DE ANDAIME LOGOMARCA /NOME EMPRESA ANDAIME LIBERADO Local / Equipamento: Resp. Montagem: Ramal (ou Faixa de Rádio): Após montagem e liberação por profissional LOGOMARCA /NOME EMPRESA ANDAIME NÃO LIBERADO Local / Equipamento: Resp. Montagem: Ramal (ou Faixa de Rádio): Durante montagem/desmontagem

46 TRABALHO EM ALTURA ANDAIMES O profissional deve ser capacitado para montagem/desmontagem. As torres dos andaimes não podem exceder, em altura, três vezes a menor dimensão da base de apoio, quando não estaiadas. Para andaimes acima de 2 m de altura, as escadas devem possuir guarda corpo e/ou cabo guia com sistema trava queda. Não acumular materiais sobre os andaimes. Não realizar serviços em andaimes sob intempéries, bem como por pessoa desacompanhada. ITC-GESMS

47 TRABALHO EM ALTURA ANDAIMES Toda movimentação vertical de componentes para montagem / desmontagem de andaimes deve ser feita através de cordas ou sistema próprio de içamento. O acesso vertical ao andaime para trabalhos em altura deve ser feito com dupla segurança, sempre um dos talabartes ancorado. Intervalo máximo de sustentação deve ser de 2,5m. Proibido o deslocamento da estrutura dos andaimes com trabalhadores sobre os mesmos. Proibido, sobre o piso de trabalho de andaimes, a utilização de escadas e outros meios para se atingir lugares mais altos ITC-GESMS

48 TRABALHO EM ALTURA - ANDAIMES MÓVEIS Os rodízios dos andaimes devem ser providos de travas de modo a evitar deslocamento acidentais; Os andaimes móveis somente poderão ser utilizados em superfícies planas; Nunca deslocar o andaime com pessoas trabalhando sobre ele; Para a ancoragem dos cintos devem ser utilizadas estruturas independentes ao andaime. Travas de modo a evitar deslocamento acidentais ITC-GESMS

49 TRABALHO EM ALTURA PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS Operador qualificado portando crachá com autorização da contratada. Cintos de segurança com dois talabartes afixados Afastamento mínimo 3 metros entre qualquer parte da máquina a uma rede ou dispositivo elétrico energizado Local onde estiver sendo realizado o trabalho deve ser devidamente isolado Ao abandonar, o operador deve verificar se a mesma está parada e com o sistema de freio travado Não elevar a plataforma enquanto estiver em movimento ITC-GESMS

50 ESPAÇOS CONFINADOS DEFINIÇÕES Espaço Confinado - é qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio. São exemplos de espaços confinados: tanque atmosférico, vaso de pressão, tanques de carga e lastro, caminhão-tanque, caixa de passagem e outros espaços similares. Atmosfera IPVS - qualquer atmosfera que apresente risco imediato à vida ou produza imediato efeito debilitante à saúde, por exemplo reduzindo a capacidade de abandonar a área de risco. PC-GESMS-069

51 ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - TREINAMENTO Deve ser previsto treinamento (riscos, medidas de controle, de emergência e salvamento), segundo carga horária e o conteúdo constante na Norma (Supervisores de Entrada - 40 horas). Responsável Técnico pelo cumprimento da NR-33 é o profissional habilitado para identificar os espaços confinados existentes na empresa e elaborar as medidas técnicas de prevenção, administrativas, pessoais e de emergência e resgate. É indicado pelo Gerente/Supervisor da unidade. PC-GESMS-069

52 ESPAÇOS CONFINADOS SINALIZAÇÃO Sinalização para identificação de espaço confinado, proibindo a entrada de pessoas não autorizadas. PC-GESMS-069

53 ESPAÇOS CONFINADOS AVALIAÇÃO AMBIENTAL Em serviços com acesso ao espaço confinado, a atmosfera neste local deve ser avaliada. Os instrumentos de medição devem estar em perfeitas condições, calibrados, testados, etc. Devem ser realizadas as medidas que garantam as condições atmosféricas aceitáveis na entrada e durante todo o serviço, monitorando, ventilando, purgando, lavando ou inertizando etc.). PC-GESMS-069

54 ESPAÇOS CONFINADOS - EQUIPAMENTO ELÉTRICOS Áreas Classificadas Em serviços com acesso ao espaço confinado, em áreas classificadas, os equipamentos devem ser adequados, ou seja, intrinsecamente seguros, a prova de explosão, etc., com certificado de acordo com a Portaria INMETRO/MDIC nº. 179 de 18/05/2010. PC-GESMS-069

55 ESPAÇOS CONFINADOS PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET Preencher Permissão de Entrada e Trabalho antes do ingresso de trabalho Rastreabilidade da Permissão de Entrada e Trabalho. Encerrar a Permissão de Entrada e Trabalho Disponibilização os procedimentos e PET Designação (deveres) Estabelecer procedimentos de supervisão Programa de Proteção Respiratória. PC-GESMS-069

56 ESPAÇOS CONFINADOS FUNÇÕES ESSENCIAIS RESPONSÁVEL TÉCNICO SUPERVISOR DE ENTRADA VIGIA EXECUTANTES EMITENTE/CO-EMITENTE PC-GESMS-069

57 ESMERILHADEIRA Nunca retirar a guarda de proteção. Verificar as condições do cabo. Prever anteparos para proteção contra projeção de partículas. Verificar se não existem materiais inflamáveis em volta do local. Verificar se o disco é adequado para a operação. Usar todos os EPI s necessários. Manter bancada de trabalho no local organizada. As operações só podem ser realizadas por trabalhador qualificado e identificado por crachá

58 EQUIPAMENTO OXI-CORTE O conjunto oxi-acetilênico deve estar em carrinho apropriado. Amarrado com corrente ou outro dispositivo de fixação adequado. As mangueiras não devem ter rachaduras e devem ser fixadas com abraçadeiras apropriadas. Quando não estiver em uso, suas mangueiras devem estar despressurizadas. Devem dispor de válvulas de retrocesso e corta chama e dispor de unidades extintoras e mangueiras de incêndio no local. As operações só podem ser realizadas por trabalhador qualificado e identificado por crachá.

59 EQUIPAMENTO OXI-CORTE As mangueiras têm cores distintas: verde/oxigênio e vermelho/acetileno. O equipamento de oxigênio não deve ser manipulado ou lubrificado com material de origem orgânica. Quando armazenado ou fora de operação deve ser mantido com o capacete no lugar. O cilindro de acetileno não pode sofrer choque ou aquecimento por chama direta. Verificar para que o conjunto não faça contato com nenhum circuito elétrico.

60 ESCAVAÇÃO Os taludes instáveis com mais de 1,25m devem ter suas paredes escoradas; As escavações devem dispor de escadas ou rampas colocadas próximas aos postos de trabalho possibilitando a saída dos colaboradores em caso de emergência; O material escavado deve ser depositado a distância da borda, equivalente a metade da profundidade; As bordas devem estar isoladas com tela plástica, guarda-corpo e rodapé.

61 TRABALHO DE ESCAVAÇÃO Veículos só podem circular a distância mínima da borda igual ao dobro da profundidade. Devem ser adotados medidas de segurança com relação ao material retirado, acesso seguro, condições climáticas, isolamento da área e e responsabilidade por técnico legalmente habilitado Na figura acima observamos que a escavação está sem escoramento, sem o acesso seguro e o material escavado disposto a distância incorreta.

62 SERVIÇOS DE SOLDA Nos serviços de solda devem ser providenciados anteparos para evitar que a radiação atinja os passantes; Deve-se verificar se nas imediações não existem materiais inflamáveis; A máquina deve estar bem aterrada e os cabos com o isolamento íntegro; O soldador e o ajudante devem estar com os EPI s adequados;

63 SERVIÇOS DE SOLDA As operações só podem ser realizadas por trabalhador qualificado e identificado por crachá; Não realizar serviços em pisos molhados; Os cabos de solda devem estar passando sobre cabideiros, acima de 2,5 metros e possuir sinalização adequada; A tenaz deve estar com seu isolamento em perfeitas condições.

64 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Os equipamentos de transporte devem ser operados por trabalhador qualificado, o qual terá sua função anotada em carteira; O veículo de carga deve ter linha de vida e dispositivo trava-quedas; Deve existir escada de acesso para subir e descer do caminhão;

65 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Os trabalhadores devem usar cinto de segurança tipo páraquedista preso ao travaquedas; A área de movimentação deve estar isolada e sinalizada; O material deve ser estocado em local adequado e isolado das áreas de passagem; Os equipamentos de guindar devem manter distância adequada das linhas elétricas energizadas.

66 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS As máquinas e equipamentos auto-propulsores, caminhões, guindastes, máquinas de escavação, etc, devem possuir alarmes de ré. Durantes as manobras, deve ter uma pessoa sinalizando a operação e em caso de chuva, os serviços de movimentação de cargas devem ser paralisados, devido aos riscos adicionais.

67 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Os equipamentos de guindar devem ser patolados sobre superfície firme, isolados e sinalizados; Os acessórios de movimentação devem ser vistoriados e os cabos de aço checados em toda a sua extensão; É proibido o transporte de pessoas em equipamentos de guindar.

68 GAMAGRAFIA É uma técnica que possibilita verificar nos equipamentos, estruturas de metal ou concreto a existência de falhas construtivas (trincas, rachaduras...). Todo serviço de radiografia e gamagrafia, necessita de proteção e monitoramento para os profissionais diretamente envolvidos, necessita também que os demais trabalhadores sejam mantidos fora da área isolada.

69 EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÃO Somáticos: São alterações que ocorrem nas células e se manifestam no indivíduo irradiado, não sendo transmissíveis aos descendentes. Hereditários: São alterações transmissíveis aos descendentes por conseqüências ocorridas nos gametas do indivíduo.

70 DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Os trabalhos em área aberta devem ser paralisados em caso de incidência de raios e os trabalhadores devem se deslocar para local abrigado e seguro. A empresa organizará a evacuação dos trabalhadores para locais protegidos por sistema de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA). Em caso de descarga atmosférica só poderão ser executados serviços em locais protegidos por SPDA.

71 E P C - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA Tem como finalidade identificar, isolar, proteger e sinalizar a área de risco.

72 HIGIENE PESSOAL Devemos cuidar da nossa Saúde, de que forma: Lavando as mãos e rosto sempre antes das refeições; Limpando embaixo das unhas; Escovando os dentes após as refeições; Após o serviço, tomar banho, para que os resíduos do trabalho não sejam levados para casa; Evitar o contato do pé com o chão sujo; Não lavar a roupa de trabalho junto com a roupa dos familiares.

73 HIGIENE PESSOAL Devemos manter o local limpo e arrumado; Não fazer refeições no vestiário; Não misturar o uniforme com a roupa de uso diário; Verificar sempre se os acessos estão desimpedidos; Informar sempre ao responsável pelo vestiário qualquer irregularidade nas instalações.

74 RESÍDUOS Todos os locais de execução de serviços na área industrial e na administrativa, deverão ter caçambas e cestos de coleta seletiva com as cores adequadas a todo tipo de resíduo. As áreas de armazenagem e segregação de resíduos devem ser mantidas limpas e organizadas. Deve ser prevista a retirada do material tão logo a caçamba se encontre cheia.

75 Na área Industrial é obrigatório o uso de EPI. Andar sempre pela calçada e quando não tiver calçada, andar pelo canto da rua. É proibido fumar na área Industrial, exceto nos locais em que houver placa informativa de PERMITIDO FUMAR NESTE LOCAL Conduta na área Industrial É proibido mexer em qualquer equipamento da Petrobras sem autorização. A água do hidrante não é própria para beber ou fazer a higiene pessoal ou para outro fim diverso do que se destina. É proibido o uso de aparelho celular na área industrial.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

Manual do Locatário ANDAIME TUBULAR Instruções para Instalação e Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO ANDAIMES Andaimes são estruturas metálicas tubulares para acesso à altura para trabalho aéreo

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho.

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho. INSTRUÇÕES DE USO ANDAIME TUBULAR 1. Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem e movimentação de andaimes próximos às redes elétricas. 2. O piso de trabalho dos andaimes deve

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 1.Cesto aéreo é um equipamento de trabalho móvel, para trabalho em altura, destinado a transportar um ou mais trabalhadores, para atividades ou acesso em locais de uma obra,

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01)

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) 1 - É proibida a utilização de equipamentos de guindar para o transporte de pessoas, em cesto aéreo suspenso, exceto nos casos de operação assistida, nos seguintes

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA manual TÉCNICO BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA Sumário Balancim Individual - Cadeirinha...03 Instrução de Montagem...05 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização da NR-18...11 Balancim Individual -

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O 18.15. Andaimes. 18.15.1.1 Os projetos de andaimes do tipo fachadeiro, suspensos e em balanço devem ser acompanhados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica. (Nova redação dada pela Portaria

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 1 PROGRAMA OBRAS SEGURAS 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS 3 VOCÊ PARTICIPA DO PROGRAMA 4 VISITA TÉCNICA 5 PRINCIPAIS DESVIOS 6 SUSPENSÃO Programa Obras Seguras PROGRAMA

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 1. Análise de riscos 2. Ferramentas de uso comum 3. Máquinas e ferramentas pneumáticas 4. Pedras de esmeril 5. Máquinas ferramenta 6. Escadas portáteis 7.

Leia mais

Segurança do trabalho para paradas gerais. Guia básico

Segurança do trabalho para paradas gerais. Guia básico Segurança do trabalho para paradas gerais Guia básico Segurança do trabalho para paradas gerais 13 Guia básico Este material destina-se as empresas contratadas que prestam serviços e desenvolvem seus trabalhos

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras SEMINÁRIO GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS CANTEIROS DE OBRA Implantação da NR 35 nos canteiros de obras BH 17/08/2012 Atividades dos Trabalhos em Altura Construção civil Taludes e Telhados Telecomunicações

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS GESMS Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS GESMS Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança APT - ANÁLISE PREVENCIONISTA

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE.

Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE. Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE. Instrutor: Emanuel Rodrigues Técnico em Segurança do Trabalho na área de Petróleo e Gás; Instrutor de Trabalhos em Altura

Leia mais

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Instalações Elétricas a) Manter quadros de distribuição trancados e circuitos identificados;

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria MTE n.º 593, de 28 de abril

Leia mais

18.15. Andaimes 18.15.1. O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação, deve ser realizado por profissional legalmente habilitado. (118.337-0 / I4) 18.15.2. Os andaimes devem ser

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NR-18 E SUAS IMPLICAÇÕES NOS EQUIPAMENTOS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL NORMAS REGULAMENTADORAS NR - 1 Disposições gerais NR - 2 Inspeção prévia NR - 3 Embargo ou interdição NR - 4 Serviços Especializados em Engenharia

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caminhão Munck Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho O munck é um guindaste comandado hidraulicamente instalado sobre o chassi de um caminhão. Tem grande utilização na movimentação,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 201 DE 21 DE JANEIRO DE 2011 (D.O.U. de 24/01/2011 Seção 1 págs 100 e 101) Altera a Norma Regulamentadora n.º 18, aprovada

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA Obs: 1- A Portaria MTE 593/2014 entra em vigor na data de sua publicação(28.04.2014), com exceção dos itens 2.1, alínea "b", e 3.2 do Anexo I - Acesso

Leia mais

A importância do Responsável Técnico para a NR-33, com abrangência em identificação e controle de riscos e capacitação da equipe de trabalhos

A importância do Responsável Técnico para a NR-33, com abrangência em identificação e controle de riscos e capacitação da equipe de trabalhos , com abrangência em identificação e controle de riscos e capacitação da equipe de trabalhos Sérgio Augusto Garcia Auditor Fiscal do Trabalho São Paulo, 07 de Outubro de 2010 NORMA REGULAMENTADORA 33 Segurança

Leia mais

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão anual conforme Norma Regulamentadora 33 Alteração nos envolvidos para análise e aprovação. Demais envolvidos na análise

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS GESMS Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS GESMS Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança APT - ANÁLISE PREVENCIONISTA

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

Manual do Locatário. Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA. Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO

Manual do Locatário. Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA. Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO Manual do Locatário Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO 1- DEFINIÇÃO 1.1- Plataforma de Trabalho Aéreo PTA, é um equipamento

Leia mais

Manual para trabalhos em altura.

Manual para trabalhos em altura. Manual para trabalhos em altura. Montagem de andaimes. O trabalho de montagem de andaimes possui características peculiares, pois em geral, os pontos de ancoragem são o próprio andaime, o que requer uma

Leia mais

LISTA DE CHECAGEM ANDAIMES FACHADEIROS

LISTA DE CHECAGEM ANDAIMES FACHADEIROS LISTA DE CHECAGEM DE ANDAIMES FACHADEIROS Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções: Hidrelétrica;

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS DEZ/2014 1 ÍNDICE Objetivo Definição... 04 Oque É Espaço Confinado... 05 Onde É Encontrado O Espaço Confinado... 06 Quais São Os Tipos De Trabalhos

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL:

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL: 1.0 - OBJETIVO: Estabelecer procedimentos seguros para montagem, desmontagem e utilização de andaimes, em serviços de manutenção nas áreas da fábrica. 2.0 - APLICAÇÃO: Este procedimento se aplica à montagem,

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118.

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118. 18.14. Movimentação e transporte de materiais e pessoas. 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas devem ser dimensionados por profissional legalmente habilitado. (118.256-0

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Trabalhos em Andaimes e Escadas baseado na NR 18 Tipo do

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMÁTICA DE TRABALHO EM ALTURA Guilherme Chaves Barcellos Petrópolis Rio de Janeiro Julho 2013 SERVIÇO

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Grua

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Grua 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores

Leia mais

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO LISTA DE CHECAGEM DE ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS.

SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS. NR-33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS. 33.1 - Objetivo e Definição 33.1.1 - Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS DEFINIÇÃO DE GRUA: GUINDASTE UNIVERSAL DE TORRE PARA TRANSPORTE DE CARGAS, TANTO NA HORIZONTAL COMO NA VERTICAL SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO

Leia mais

PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA

PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA Manual do Locatário PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO 1 PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO - PTA 1- DEFINIÇÃO 1.1 - Plataforma

Leia mais

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O Modificações recentes e em fase de aprovação para trabalhos com andaimes, gruas e elevadores de obras dentro do âmbito federal e municipal S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE PARA EMPRESAS CONTRATADAS E PRESTADORAS DE SERVIÇO

PROCEDIMENTOS DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE PARA EMPRESAS CONTRATADAS E PRESTADORAS DE SERVIÇO Departamento de SSMA- CENU PROCEDIMENTOS DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE PARA EMPRESAS CONTRATADAS E PRESTADORAS DE SERVIÇO Data de elaboração: Jan 2008 Data da última Revisão: Agosto 2014 Próxima

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

08/08/2013 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Deuteronômios 22.8

08/08/2013 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Deuteronômios 22.8 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Deuteronômios 22.8 09/08/2013 Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado (terraço), para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum

Leia mais