15 Introdução. Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "15 Introdução. Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I"

Transcrição

1 15 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I

2 16 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança de AA a I PREVENIR ACIDENTES DO TRABALHO É FÁCIL? Não. É uma das atividades mais difíceis que se pode ter na empresa. Alguém pode argumentar que concorda ser difícil prevenir acidentes em empresas cujo processo pode resultar facilmente em acidentes, mas que seria fácil preveni-los em empresas de escritório, mas não é bem assim. Mesmo nessas últimas existem muitas situações de altas possibilidades de acidentes, inclusive graves. Prevenir acidentes do trabalho é difícil. Lembro-me de uma empresa em que trabalhei como médico do trabalho na qual o diretor da empresa, indivíduo altamente motivado para a prevenção dos acidentes, determinou categórico e enfático: eu não quero acidentes do trabalho! Mas sua pressão não teve repercussões práticas e os acidentes continuaram existindo. Assim, neste texto, gostaria de explanar sobre aqueles que considero serem os 10 pilares de uma boa prática. A falta de qualquer um desses 10 pilares pode ter como consequência o fracasso de todo o processo. Não há uma ordem de prioridade, mas como estão colocados, em ordem alfabética, de AA a I, torna fácil para o leitor memorizar os pontos fundamentais. Vamos lá? PILAR 1 (A) ADMINISTRAÇÃO Algumas das principais características de áreas bem administradas são: regularidade do processo produtivo, boa manutenção, existência de material na hora certa da ocorrência do processo produtivo, existência e cumprimento de regras e procedimentos, treinamento adequado de pessoal, correção de desempenho incorreto, inspeção periódica das condições de trabalho, investigação de acidentes e perdas e tomada de contramedidas para evitar nova ocorrência. Tudo isso tem a ver com a prevenção de acidentes, pouca incidência de doenças do trabalho e baixo absentismo. Ao contrário, áreas em que o processo administrativo não esteja funcionando adequadamente têm, como consequência, alto índice de Em áreas com falhas administrativas importantes, acontece deterioração nas condições dos equipamentos, criando riscos; as regras são quebradas devido à falta de controle gerencial e também devi-

3 Pilar 2 (A) Análise do Risco 17 do às pressões de produção para compensar atrasos, aumentando a possibilidade de acidentes. Esse pilar (boa administração do processo produtivo) torna a prática da prevenção de acidentes mais complexa, pois deixa de depender somente dos esforços do SESMT, mas para o seu sucesso, teremos necessidade de um sistema gerencial mais competente, com grande esforço na preparação técnico-administrativa dos supervisores e da média gerência. PILAR 2 (A) ANÁLISE DO RISCO Trata-se de praticar o parar para pensar, de não ir fazendo a tarefa intempestivamente. Existem diversas técnicas bem desenvolvidas para executar esse pilar, porém consideramos que, mais do que a técnica, tem-se que reforçar a mentalidade de se analisar o risco, o que permitirá adotar o terceiro pilar. PILAR 3 (B) BARREIRAS Qualquer atividade produtiva tem em si o potencial de acidentes. Mas potencial de acidentes não quer dizer necessariamente risco. E assim, uma das tarefas mais importantes para um trabalho efetivo de prevenção de acidentes é o domínio sobre todas as situações de potencial de acidentes existentes na empresa. Trata-se, na prática, de transformar uma situação de potencial de acidentes em situação de improbabilidade de acidentes, embora possível. Para isso, a palavra chave é barreiras. São as barreiras que nos permitem viajar de avião, contando que iremos chegar ao nosso des- sem problema, que nos permitem detonar frentes de trabalho em mineração, sem acidentes. São as barreiras que possibilitam ao gerente e supervisor que tenham sob sua responsabilidade atividade de risco potencial irem para casa e dormirem tranquilos, contando que não ocorrerá um acidente. As barreiras são de três tipos: (a) bloqueios, que são medidas de engenharia impeditivas do risco exemplos: cadeado de segurança e dispositivos de travamento de prensas; (b) mecanismos de inibição do comportamento errado exemplos: radares e câmeras; (c) medi-

4 18 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança de AA a I das de gerenciamento administrativo exemplo: os procedimentos operacionais padrão. sempre que possível. As medidas de gerenciamento administrativo que sejam cumpridas. PILAR 4 (C) CULTURA DE COMPORTAMENTO SEGURO Para se conseguir esse pilar, é necessário todo um esforço de educação das pessoas, desde o alto nível até o trabalhador. Trata-se de, gradativamente, mudar profundamente a cabeça das pessoas, criando no inconsciente coletivo de todos, dentro da empresa, uma espécie de mantra: comportamento seguro... comportamento seguro... com- nosso país não nos ajudam muito: somos um povo permissivo, com práticas em geral permissivas, inclusive quanto à segurança. A inversão de um padrão de comportamento pouco cuidadoso para uma cultura de comportamento seguro envolve todo um processo educativo, com participação dos trabalhadores; como também a adoção de práticas disciplinares quando o comportamento não é seguro. É muito importante destacar neste item a necessidade de um trabalho de interdependência, não apenas contando com as decisões de níveis superiores, mas também com o envolvimento ativo dos trabalhadores, no estabelecimento dos valores da prática segura e também absorvendo o saber prático dos mesmos em relação à rotina de seus trabalhos (ver Pilar 10, adiante). PILAR 5 (D) DISCIPLINA As regras de trabalho, os procedimentos operacionais padrão e outras medidas gerenciais relacionadas ao comportamento humano de nada valerão se não houver disciplina. Dessa forma, as medidas disciplinares são consideradas como normais e devem ser aplicadas quando indicadas. Um dos maiores objetivos em relação a esse pilar é

5 Pilar 6 (E) Engenharia 19 que os trabalhadores desenvolvam o senso de autodisciplina, ou seja, que eles mesmos percebam a necessidade de atitudes disciplinadas no cotidiano do trabalho. PILAR 6 (E) ENGENHARIA Existem pelo menos 6 áreas da importância do pilar Engenharia para a boa prática da segurança: Engenharia do Processo processos mais modernos, projetados segundo melhores normas gerais de segurança e higiene, é claro, têm menos risco de acidentes do trabalho. Como uma regra geral, toda vez que afastamos o corpo do trabalhador das partes móveis de máquinas, peças, lâminas ou pontas de material, toda vez que afastamos o trabalhador de fontes de calor excessivo ou de metais aquecidos, estamos diminuindo a chance de acidentes; Engenharia de Novos Projetos e Novas Instalações trata-se de um ponto crítico visando o resultado de segurança. Infelizmente este aspecto é muitas vezes esquecido e, por uma série de motivos, costumamos receber áreas e instalações produtivas com uma série de erros e situações de risco potencial; Engenharia dos Sistemas Próprios da Segurança trata-se de adequar sistemas de hidrantes, de combate ao fogo, Incluímos aqui o sistema de radiocomunicação da empresa, especialmente nas situações em que ele é utilizado por diversas áreas; Engenharia para Eliminar o Risco estudos de engenharia envolvendo as áreas produtivas feitos por engenheiros de segurança e consultores de engenharia internos e externos irão propor e adotar mudanças no processo, reduzindo o risco. É importante destacar que, quando o processo operacional é ainda primitivo, essa é a única forma de barreira disponível; Engenharia para Questões Ergonômicas a questão da condição dada ao trabalhador para executar uma determinada tarefa só recentemente entrou na pauta de seguran-

6 20 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança de AA a I ça das empresas. A ergonomia busca a condição de trabalho de melhor produtividade, conforto e segurança. Um grande percentual dos acidentes do trabalho é devido basicamente às más condições de trabalho, e a melhoria destas se torna imperativa para um bom resultado prevencionista; Engenharia na Prevenção do Deslize o deslize, ou bobeira ocorre quando o trabalhador deixa de tomar um cuidado numa tarefa rotineira, passada para o seu piloto automático. Através da engenharia, adota-se um bloqueio, que impedirá a ação errada ou a consequência da mesma. PILAR 7 (F) FISCALIZAÇÃO Inspeções periódicas um dos instrumentos administrativos básicos da supervisão de primeira linha é a inspeção periódica. Quando feita corretamente, ela detecta deteriorações comuns na realidade da área de trabalho, prevenindo perdas maiores e acidentes do trabalho; Auditoria interna deve haver uma equipe de auditores internos da empresa que irá, como fundamentais, especialmente das barreiras. Essa auditoria tem que envolver a atividade dos terceiros que estejam trabalhando dentro da área da empresa; Fiscalização externa o papel do controle social nesse caso, é importantíssimo o papel dos organismos de contro- lho, acompanhamento pelos sindicatos das condições de trabalho e ações do Ministério Público do Trabalho. PILAR 8 (G) GESTÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA Como toda atividade importante da empresa, o processo de prevenção de acidentes tem que ser gerido adequadamente. É também uma forma de administrar, mas destacamos este pilar do pilar 1 (Administração), porque se constitui em uma atividade autônoma, a ser feita

7 Pilar 9 (H ) Hierarquia 21 diretamente pela alta gerência da empresa. Deve haver uma pessoa responsável pelo processo, que irá puxar as atividades relacionadas à gestão do processo de prevenção de acidentes e perdas. Na gestão do processo de segurança, faz-se uma previsão das ações que deverão ser adotadas no cotidiano da empresa e acompanha-se a execução das mesmas. Exemplos: Áreas a serem inspecionadas obrigatoriamente e periodicidade das inspeções; Acompanhamento das ações sobre os riscos prioritários detectados; Procedimentos operacionais padrão (práticas-padrão) a serem desenvolvidos; Procedimentos operacionais a serem reciclados; Orientação a novos e novos na função; Feedback periódico aos trabalhadores sobre seu desempenho; Reuniões periódicas das equipes; Reuniões periódicas da CIPA, de boa qualidade, com participação da gerência e dos trabalhadores. É o que denominamos gerenciamento de processo. Não se gerencia o resultado. Os resultados são acompanhados. Caso as ações de tido em redução consistente e gradativa dos acidentes do trabalho. ganizados e de boa entrada nas áreas operacionais, inclusive para Também é importante, na gestão do processo, a garantia da constância das ações. PILAR 9 (H) HIERARQUIA A base da pirâmide é o seu ápice!. Essa imagem, difícil de ser imaginada como real, ilustra bem o que devemos fazer para conseguir o comportamento seguro. O alto nível da empresa (o nível de gerência operacional) tem que querer segurança como primeira prioridade em seus processos. -

8 22 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança de AA a I damental, pois, com frequência, em segurança do trabalho (e também em ergonomia), nos defrontamo-nos com as horas da verdade : momentos em que a prioridade de produzir, de cumprir o cronograma, de ganhar um bônus ou de ganhar uma concorrência se defronta com a segurança. É para a garantia nessas horas críticas que o pilar hierarquia é importante. Sempre convidamos o pessoal da empresa a grande atraso de produção ou um acidente do trabalho? Se for muito dade. Caso contrário... PILAR 10 (I) INTERDEPENDÊNCIA Trata-se de criar uma situação em que todos, inclusive todos os trabalhadores, considerem acidentes como intoleráveis e a prática segura como a norma absoluta. Na interdependência, trabalhadores participam efetivamente de todos os instrumentos administrativos relacionados à prevenção, desde inspeções até a elaboração de normas e se tiverem a participação ativa dos trabalhadores. Um bom sinônimo para esse pilar é corresponsabilidade. CONCLUSÃO Essa forma prática, fácil de assimilar (10 Pilares de AA a I), apresentada nesse texto, representa nosso ponto de vista dos aspectos fundamentais para o sucesso da prevenção de acidentes em qualquer empresa. Conseguir que os dez pilares existam não é simples, mas todos eles são fundamentais!

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR 225 Pratique os 10 instrumentos; e você verá os resultados! OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR Lição 4.3 Uma vez definido e assimilado

Leia mais

Barreiras. Lição 1.5. A palavra mais importante para transformar situações de risco potencial em IMPROVÁVEL.

Barreiras. Lição 1.5. A palavra mais importante para transformar situações de risco potencial em IMPROVÁVEL. 40 Lição 1.5 A palavra mais importante para transformar situações de risco potencial em IMPROVÁVEL. Barreiras Conforme você deduziu da lição anterior, a gestão de risco é inerente à nossa vida no planeta

Leia mais

15/10/2014. Os 10 Pilares da Segurança

15/10/2014. Os 10 Pilares da Segurança Os 10 pilares da segurança no trabalho: Uma visão prática para gestores e supervisores de primeira linha Hudson de Araújo Couto BH Médico do Trabalho-Ergo Consultoria Vice-Presidente da AMIMT A B O livro

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE Raymundo José A. Portelada e Meio Ambiente PROFISSIONAIS DE A legislação que estabelece a obrigatoriedade de serviços especializados de Segurança a e Medicina

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

ACIDENTES NO TRABALHO

ACIDENTES NO TRABALHO PALESTRA SOBRE INCIDENTES ACIDENTES NO TRABALHO ALEXANDRE ROGERIO ROQUE Alexandre.roque@ig.com.br Clique na figura e veja o filme VAMOS VER UM EXEMPLO DE ACIDENTE POR QUE OCORRE ACIDENTES? Todo Acidente

Leia mais

Cargo / Função: Assessor de Planejamento e Gestão da Qualidade

Cargo / Função: Assessor de Planejamento e Gestão da Qualidade Relatório de Boas Práticas Nome da empresa: COMPANHIA AGUAS DE JOINVILLE Responsável pela prática: Thiago Zschornack Cargo / Função: Assessor de Planejamento e Gestão da Qualidade Telefone fixo: (47)2105-1727

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Gerenciando erros humanos em operações químicas Ministrante: Fábio Rubens Soares Engenheiro Químico - Professor FAAP Contatos: frsoares@faap.br Apoio Campinas,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO

O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO CONCEITO LEGAL DE ACIDENTE DO TRABALHO (ART.131 DECRETO LEI 2171 DE 05/03/97) ACIDENTE DE TRABALHO É O QUE OCORRE PELO EXERCÍCIO DO TRABALHO A SERVIÇO DA EMPRESA (...),

Leia mais

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife - PE Visão Geral Desafios Empresariais Administração * Monitora

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil Pesquisa revela que a CIPA é uma ferramenta indispensável para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho e melhorias nas condições

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

Conceitos de segurança da informação. Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Conceitos de segurança da informação. Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Conceitos de segurança da informação Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Introdução A infraestrutura de rede, os serviços e dados contidos nos computadores ligados a ela são bens pessoais,

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA

RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA Autores Fábio de Oliveira Lana Luiz Cláudio Soares Costa Paulo Gonçalves Vanelli CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. RESUMO O programa RSS- Reflexão Semanal de Segurança, é uma ferramenta

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Mensuração Auditoria Indicadores de desempenho Relatórios Padrões/ Objetivos Metas de desempenho Correção Ajuste fino Grande

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva Harilaus G. Xenos Gerenciando a Manutenção Produtiva PREFÁCIO....................................................................... 11 1. Uma Visão Geral da Manutenção de Equipamentos....................................

Leia mais

PLANO DE ENSINO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA- ANO LETIVO: 2003 - SÉRIE: 3º DISCIPLINA: ANUAL - HORAS/AULA SEMANAIS: 2 HORAS - C. HORÁRIA: 68 H.

PLANO DE ENSINO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA- ANO LETIVO: 2003 - SÉRIE: 3º DISCIPLINA: ANUAL - HORAS/AULA SEMANAIS: 2 HORAS - C. HORÁRIA: 68 H. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL DIVISÃO DE APOIO

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS EM CAMPO UTILIZANDO REDES MÓVEIS

GESTÃO DE PROJETOS EM CAMPO UTILIZANDO REDES MÓVEIS GESTÃO DE PROJETOS EM CAMPO UTILIZANDO REDES MÓVEIS Estudo de caso em empresa de instalação de Cabeamento Mauro Faccioni Filho, Dr. Eng. Pedro Moritz de Carvalho Neto FAZION Sistemas CREARE Engenharia

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Gestão da Organização Terceiro Setor

Gestão da Organização Terceiro Setor Gestão da Organização Terceiro Setor Administração de Organizações sem Fins Lucrativos/Peter f. Drucker Profª. Mestrando Elaine Araújo elainearaujo.administradora@hotmail.com As organizações do terceiro

Leia mais

Já não lembramos mais o último acidente

Já não lembramos mais o último acidente Já não lembramos mais o último acidente José Luiz Lopes Alves, Dr. Interface Consultoria em SMS www.interface-hs.com.br Introdução Há muito tempo a forma adotada para abordar questões de segurança, numa

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa

Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa Seu Dinheiro Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa Mais do que garantir uma boa poupança ou otimizar a agenda, aprenda a juntar as duas coisas e fazer seu tempo

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES.

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. Atualmente no Brasil estão em operação diversos modelos de locomotivas diesel-elétricas, desde locomotivas mais antigas e de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

EAD EM PROL DAS NORMAS REGULAMENTADORAS

EAD EM PROL DAS NORMAS REGULAMENTADORAS EAD EM PROL DAS NORMAS EAD EM PROL DAS NORMAS Ensino a distância une forças com as empresas para diminuir acidentes de trabalho e evitar penalidades para as organizações São 36 as normas regulamentadoras

Leia mais

ACT 2013 Capítulo VII: SMS

ACT 2013 Capítulo VII: SMS ACT 2013 Capítulo VII: SMS Avanços em relação ao ACT 2011: Destaques 25 e 26/09/2013 1 Exames Periódicos (ACT 2011 Cláusula 107ª) Garantir o direito a todos os Empregados, após a conclusão dos exames ocupacionais,

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

Anexo 10 Diretrizes de Governança

Anexo 10 Diretrizes de Governança Anexo 10 Diretrizes de Governança i 1 INTRODUÇÃO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 3 ASSESSORIA TÉCNICA... 2 4 ESTRUTURA DOS COMITÊS... 2 ii 1 INTRODUÇÃO O presente Anexo tem como objetivo definir as diretrizes

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

Somos credenciados pelo MEC para os cursos de pós-graduação a distância. E somos registrados no CREA de Campos do Goytacazes-RJ. Estamos totalmente

Somos credenciados pelo MEC para os cursos de pós-graduação a distância. E somos registrados no CREA de Campos do Goytacazes-RJ. Estamos totalmente Somos credenciados pelo MEC para os cursos de pós-graduação a distância. E somos registrados no CREA de Campos do Goytacazes-RJ. Estamos totalmente legalizados perante os dois órgãos. Depois que o aluno

Leia mais

MEDIDAS PREVENTIVAS PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES

MEDIDAS PREVENTIVAS PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES MEDIDAS PREVENTIVAS PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES Autores Antônio Alexandre Franco Thomaz Élson Lourenço Bomfim Inaldo Nóbrega da Cunha Filho PREMIUM CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO LTDA RESUMO No setor elétrico,

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Relatório de Incidentes

Relatório de Incidentes Relatório de Incidentes Um documento ativo para alavancar mudanças e novas iniciativas no processo de melhoria contínua. Luiz Rodrigues Kisch Engenheiro de Segurança do Trabalho CPFL Energia luizrodrigues@cpfl.com.br

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO 1 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO Giovanni Moraes de Araújo Mestre em Sistema de Gestão pela UFF giomor@terra.com.br RESUMO Este trabalho tem por objetivo destacar

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI)

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI) 40 Capítulo IX Resultados Parte I Por Marcus Possi* O objetivo deste artigo é finalizar o processo de trabalho da inspeção nas instalações elétricas, apresentando os resultados, não apenas relatórios ou

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho Projeto Pedagógico Campo Limpo Paulista 2014 FACCAMP

Leia mais

FERRAMENTAS E ESTRATÉGIAS PARA INCREMENTAR SEU SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL (SSO) Por: José Henrique Farber

FERRAMENTAS E ESTRATÉGIAS PARA INCREMENTAR SEU SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL (SSO) Por: José Henrique Farber FERRAMENTAS E ESTRATÉGIAS PARA INCREMENTAR SEU SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL (SSO) Por: José Henrique Farber Engenheiro Químico e de Segurança do Trabalho, Mestre em Comunicação de

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

Alerta Colaborador Crítico

Alerta Colaborador Crítico Alerta Colaborador Crítico Larissa Silva Furtado* Marcela Faria Carrada Gerência Geral de Saúde, Meio Ambiente e Segurança, Av. Brasil, 2001, 36060-010, Juiz de Fora, MG e-mail: Larissa.furtado@mrs.com.br

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva

Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira Muito já se escreveu sobre gerenciamento de projetos. Mas será que gerenciar projetos de inteligência competitiva (IC)

Leia mais

Entenda o diário de obra

Entenda o diário de obra Entenda o diário de obra Diário de obra pode ir além de mero cumprimento contratual e se tornar ferramenta de apoio na gestão da produção Por Rodnei Corsini O diário de obra é um documento que deve ser

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Apagando Incêndios em Organizações Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Dezembro de 2005 A síndrome de apagar incêndios é um dos problemas mais sérios e frequentes de muitas organizações. Esta síndrome

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança ENIO VITERBO JUNIOR Diretor Corporativo SSMA 18/04/2012 Título da Apresentação 1 Objetivos Apresentar uma maneira

Leia mais

Lia Buarque de Macedo Guimarães PPGEP/UFRGS. Ergonomia Cognitiva. Complexidade do erro. Erro Humano...

Lia Buarque de Macedo Guimarães PPGEP/UFRGS. Ergonomia Cognitiva. Complexidade do erro. Erro Humano... Complexidade do erro Erro Humano... Algumas definições Acidente é toda ocorrência não desejada que modifica ou põe fim ao andamento normal de qualquer tipo de atividade. acontecimento indesejável ou infausto

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais