Transmissão de Dados Por Meio da Rede Elétrica: Uma Abordagem Experimental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transmissão de Dados Por Meio da Rede Elétrica: Uma Abordagem Experimental"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CECAU Transmissão de Dados Por Meio da Rede Elétrica: Uma Abordagem Experimental MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO MÁRCIO FELICIANO BRAGA Orientador: Prof. Dr. Paulo Marcos de Barros Monteiro

2 MÁRCIO FELICIANO BRAGA Transmissão de Dados Por Meio da Rede Elétrica: Uma Abordagem Experimental Monografia apresentada ao Curso de Engenharia de Controle e Automação da Universidade Federal de Ouro Preto como parte dos requisitos para a obtenção do Grau de Engenheiro de Controle e Automação Orientador: Prof. Dr. Paulo Marcos de Paulo Monteiro Ouro Preto Escola de Minas UFOP Julho/2008

3 2

4 iii SUMÁRIO SUMÁRIO... iii LISTA DE FIGURAS... iv LISTA DE TABELAS... v RESUMO... vi ABSTRACT... vii I - INTRODUÇÃO Justificativas Objetivos Metodologia Estrutura do Trabalho... 3 II MODULAÇÃO E MULTIPLEXAÇÃO Modulação Multiplexação III A TECNOLOGIA E SUAS CARACTERÍSTICAS PLC e suas características Projetos de PLC no Brasil e no Mundo IV ÁREAS DE ATUAÇÃO E EQUIPAMENTOS Modems PLC Escolha do Modem PLC V EXPERIMENTOS Parâmetros para análise Locais dos testes Configuração dos modems e computadores Resultados VI - ANÁLISE DE RESULTADOS Velocidade de transmissão de dados Presença de ruído Harmônicos VII CONCLUSÃO VIII REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 57

5 iv LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Modulação de onda continua em amplitude... 6 Figura Modulação de onda contínua em freqüência Figura 2.3 Modulação por pulsos em amplitude Figura 2.4 Codificação de sinal digital para transmissão em meio analógico Figura 2.5 Exemplos de modulação por pulsos digital Figura 2.6 Multiplexação na freqüência Figura 2.7 Multiplexação no tempo Figura 2.8 Densidade espectral de um sinal em banda base e um sinal espalhado Figura 2.9 Diferença entre as tecnologias OFDM e FDM Figura 2.10 Divisão dos bits no tempo e na freqüência na multiplexação OFDM Figura 3.1 Forma de transmissão da tecnologia X Figura 3.2 Configuração típica do projeto PLC CEMIG Figura 3.3 Ligação de um cable modem a um Master PLC Figura 3.4 Arquitetura do projeto REMPLI Figura 3.5 Estrutura geral do sistema REMPLI Figura 4.1 Áreas de aplicação da tecnologia PLC Figura 4.2 Módulo PLM Figura 4.3 Esquema de ligação para comunicação PLC utilizando Smart Transceiver Figura 4.4 Possível aplicação para o modem INNOVUS Figura 5.1 Mapa do circuito do transformador utilizado para o teste de rede Figura 5.2 Resumo dos dados do transformador estudado Figura 5.3 Experimentos: Envio de 100 buffers Figura 5.4 Experimentos: Envio de 1000 buffers Figura 5.5 Comparativo de velocidades Figura 5.6 Espectro de freqüência no tempo (100 buffers) Figura 5.7 Espectro de freqüência indicando a amplitude dos harmônicos (100 buffers) Figura 5.8 Espectro de freqüência no tempo (1000 buffers) Figura 5.9 Espectro de freqüência indicando a amplitude dos harmônicos (1000 buffers) Figura 5.10 Experimento: envio de 100 buffers (sem ruído) Figura 5.11 Experimento: envio de 1000 buffers (sem ruído) Figura 5.12 Experimento: envio de 100 buffers (com ruído) Figura 5.13 Experimento: envio de 1000 buffers (com ruído) Figura 5.14 Experimento: envio de 100 buffers (com ruído em tomada adjacente) Figura 5.15 Experimento: envio de 1000 buffers (com ruído) Figura 5.16 Comparativo entre velocidades e tamanho das mensagens (sem ruído) Figura 5.17 Comparativo entre velocidades e tamanho das mensagens (com ruído) Figura 5.18 Comparativo das velocidades de transmissão na presença de ruído na mesma tomada (100 buffers) Figura 5.19 Comparativo das velocidades de transmissão na presença de ruído na mesma tomada (1000 buffers) Figura 5.20 Comparativo das velocidades de transmissão na presença de ruído em uma tomada adjacente (100 buffers) Figura 5.21 Comparativo das velocidades de transmissão na presença de ruído em uma tomada adjacente (1000 buffers) Figura 5.22 Velocidade de transmissão no circuito de distribuição (100 buffers) Figura 5.23 Velocidade de transmissão no circuito de distribuição (1000 buffers) Figura 5.24 Comparativo das velocidades de transmissão com tamanho das mensagens... 51

6 v LISTA DE TABELAS Tabela 6.1 Medidas das taxas de transmissão entre os Modems PLC na Residência Tabela 6.2 Medidas das taxas de transmissão entre os Modems PLC no Laboratório de Eletrotécnica da Escola de Minas Tabela 6.3 Medidas das taxas de transmissão entre os Modems PLC na Rede de Distribuição de Energia Elétrica... 54

7 vi RESUMO A transmissão de dados por meio da rede elétrica, embora seja uma idéia antiga, somente agora tem sido considerada como meio viável de comunicação. Então, fez-se uma análise experimental desta tecnologia, incluindo uma descrição dos principais conceitos (modulação e multiplexação), tecnologias utilizadas para a transmissão de dados por meio da rede elétrica e suas respectivas áreas de atuação, juntamente com a descrição de alguns projetos implementados no Brasil e no mundo. Uma comparação entre os modems PLC (Power Line Communication) disponíveis no mercado é efetuada e os experimentos com o modem escolhido apresentados. Esta abordagem experimental tem como objetivo analisar o comportamento do equipamento escolhido ante ao ruído das redes e a introdução de harmônicos alterando a qualidade da energia elétrica. Foram efetuados três testes em ambientes diferentes: numa residência, no Laboratório de Eletrotécnica da Escola de Minas e numa rede de distribuição de energia elétrica. Os resultados mostram que embora tenha uma taxa de transmissão razoavelmente alta, a variabilidade das velocidades pode ser um grande problema para aplicações de tempo real ou em sistemas que primem por um tempo específico e bem definido de resposta do sistema. Além disso, sua interferência, com respeito à introdução de harmônicos na rede foi irrelevante. Palavras chaves: Comunicação por meio da rede elétrica, modulação, multiplexação, modem PLC.

8 vii ABSTRACT The data transmission over the power line (PLC) is an old idea, but only now it has been considered as an effective way of communication. Here, an experimental analysis of this technology is presented. This includes a description of the principal concepts (e.g., modulation and multiplexation), some technologies used to exchange information over power lines and some projects implemented in Brazil and abroad. A comparison among PLC modems available in market and the experiments with the chosen one is presented. These experiments had the objective to analyze the interference of noise and the introduction of harmonics in the power lines. The tests were performed in three different environments: a residence, the Escola de Minas Electric Laboratory and a distribution power line. The obtained results show that the technology has a reasonable high transmission speed, but the speed variability can be a great problem when working with real time applications. And the introduction of harmonics in the power lines was irrelevant. Keywords: Power Line Communication, modulation, multiplexation, PLC modem.

9 1 CAPÍTULO I I - INTRODUÇÃO Justificativas Desde os anos 30, tem-se a idéia de transmitir dados por meio das redes elétricas de potência. Todavia, nunca foi considerada como meio viável de comunicação uma vez que apresentava baixa taxa de transmissão de dados e grande suscetibilidade a ruídos (VARGAS, 2004). Mesmo no atual desenvolvimento da comunicação por meio de redes sem fio e fibras óticas, ainda faz jus estudar um meio de transmissão de dados por meio das redes elétricas de potência, técnica essa conhecida como power line communication (PLC). Isto ocorre devido à capilaridade e abrangência das redes de energia elétrica, no âmbito econômico. Já na área social, pode-se citar a possibilidade de acesso aos meios de informações por parte da grande maioria da população. Além disso, mesmo com o desenvolvimento dos outros meios de comunicação, ainda haverá a necessidade de se conectar os equipamentos às fontes de energia, o que geraria uma significativa simplificação em várias aplicações que usam as redes elétricas para trafegarem dados. Para a concessionária de energia elétrica os benefícios são vários: telemetria (leitura do consumo de energia sem a necessidade do funcionário ou a necessidade de usar a rede telefônica, ou uma instalação de fios dedicada, minimizando, portanto, os custos), gerenciamento da demanda (controle do acionamento de equipamentos de alto consumo), corte e religamento a longa distância, entre outros. Pode-se citar também a possibilidade de acesso a Internet, uma vez que cogita-se a possibilidade de transmissão de dados da ordem de 500 kbps a 1 Mbps em (RIBEIRO et al, 2007). Já na automação residencial, as chamadas residências inteligentes, a tecnologia PLC pode prover um canal de comunicação entre os diversos equipamentos conectados à rede elétrica, desonerando o processo de automação, uma vez que a instalação de cabos para este fim é um dos custos mais altos no projeto. Em residências históricas, esta tecnologia satisfaria o requisito de uma menor intervenção física, reduzindo as modificações na alvenaria de tais residências simplesmente para a introdução de uma nova fiação. Pode ser usada para interligar

10 2 vários equipamentos como sensores de um sistema de alarme. Pode servir como canal para a criação de LAN s (Local Area Network) conectando diferentes tipos de computadores em um mesmo prédio. Outras aplicações incluem a transmissão de imagens de TV para propósitos de segurança e monitoramento a longas distâncias (FERREIRA et al, 1996). Apesar de todo esse avanço, ainda não existe uma regulação universal para a tecnologia PLC. Porém, alguns países já possuem algum tipo de regulamentação para o uso de PLC, como a banda de freqüência e radiação eletromagnética e outros países ainda não chegaram a uma conclusão sobre o assunto. No Brasil, por exemplo, são poucos os trabalhos nesta área, o que dificulta uma regulamentação efetiva sobre o assunto. Portanto, a motivação deste trabalho é entender melhor o estado da arte desta tecnologia, com suas aplicações e utilização na área de controle e automação. 1.2 Objetivos Pesquisar e desenvolver técnicas para a transmissão de dados via rede elétrica. Isto implica em conhecer os atuais métodos existentes de transmissão de dados via PLC no mercado e suas deficiências inerentes quando aplicados na estrutura das redes elétricas brasileiras e buscar aplicações para PLC na área de controle e automação, como automação residencial ou aplicações para as companhias de energia elétrica. Envolve levantar modelos das redes elétricas internas e externas que as caracterizam, implementá-los e testá-los em laboratório e, por fim, validá-los. 1.3 Metodologia Inicialmente, foi feito um levantamento bibliográfico sobre multiplexação e modulação, já que a transmissão de sinais por onda portadora em redes de distribuição de energia elétrica apóia-se nestes conceitos. Além disso, os projetos implementados por algumas empresas do setor de energia elétrica foram analisados, e suas características e deficiências apresentadas com vistas a suplantá-las. Os modems PLC existentes no mercado foram estudados e foi escolhido o modem INNOVUS Facilnet para analisar seu funcionamento em um ambiente interno, no Laboratório de

11 3 Eletrotécnica da Escola de Minas, em uma residência, e em um ambiente externo, uma rede de distribuição de baixa tensão, onde se procurou medir os níveis de transmissão de dados e as influências que equipamentos elétricos ligados a estes ambientes geravam no experimento. Foi utilizado um analisador de freqüências para verificar como o modem PLC interfere na rede elétrica e como os equipamentos associados à mesma alteram as taxas de transmissão de dados. Este teste teve por finalidade analisar a presença de harmônicos na rede e sua influência na qualidade da energia. Foram encontradas taxas de transmissão da ordem de 2 a 5 Mbps, no ambiente interno, e, no ambiente externo, cerca de 0,5 Mbps. 1.4 Estrutura do Trabalho Este trabalho está estruturado em sete capítulos. No capitulo 2, faz-se um levantamento dos métodos de modulação e multiplexação, nos quais se apóia a tecnologia PLC. No capítulo 3, são apresentadas as características da tecnologia, com suas deficiências inerentes, os tipos de equipamentos disponíveis no mercado e alguns projetos implementados na área por empresas brasileiras e no mundo. No capítulo 4, são apresentadas as áreas de atuação da tecnologia, os equipamentos estudados e a escolha do modem para testes. No capítulo 5, faz-se um levantamento dos parâmetros para análise dos experimentos e apresenta-se os resultados obtidos. No capitulo 6, efetua-se a análise e discussão dos resultados dos experimentos. E, finalmente, no capítulo 7 conclui-se o trabalho e apresentam-se propostas de trabalhos futuros.

12 4 CAPÍTULO II II MODULAÇÃO E MULTIPLEXAÇÃO Neste capítulo, será feito uma descrição dos métodos de modulação e multiplexação de sinais, os quais são fundamentos necessários para a transmissão de dados por meio da rede elétrica. Depois, faz-se um levantamento dos atuais métodos existentes de envio de dados via PLC e alguns projetos implementados com esta tecnologia. 2.1 Modulação Somente com o avanço das técnicas de modulação foi possível o desenvolvimento da tecnologia PLC. Isto porque a modulação consiste no processo de transformar um sinal em uma forma adequada para transmissão por meio de um determinado meio físico, ou canal. A modulação pode ser classificada de duas formas: Modulação de Onda Contínua e Modulação por Pulsos Modulação de Onda Contínua A modulação de onda contínua é a variação de um parâmetro de uma onda portadora senoidal, de maneira linearmente proporcional ao valor instantâneo do sinal modulante ou informação. Por sua vez, a portadora é a onda senoidal que, pela modulação de um dos seus parâmetros, permite a transposição espectral da informação (ou sinal modulante). Devido à portadora senoidal ter três parâmetros: Amplitude, Freqüência e Fase, existem três formas básicas de modulação: Modulação em Amplitude (AM), Modulação em Freqüência (FM) e Modulação em Fase (PM), sendo as últimas duas formas tratadas como modulação por ângulo Modulação de Onda Contínua em Amplitude (AM) Em AM - Amplitude Modulada - a força (amplitude) da portadora de um transmissor é variada conforme a modulação do sinal varia.

13 5 De posse destes dados, pode-se gerar uma formulação matemática para este processo, conforme apresentado pelas equações (2.1) a (2.6): Portadora: v p ( t ) = V sen ( 2π f t ) (2.1) p p Sinal modulante: v m ( t ) = V sen (2π f t ) (2.2) m m Taxa ou índice de modulação: M = V / V (M também pode ser expresso em %) (2.3) m p Onda modulada em AM: v am = [ V + v ( t)] sen(2π f t) (2.4) p m p Portanto:. v am = V [ 1+ Msen(2π f t)] sen(2π f t). (2.5) p m p Efetuando o produto de senos tem-se: v = V sen(2 π f t) + ( M / 2) V cos(2 π( f f ) t) ( M / 2) V cos(2 π ( f + f ) t). (2.6) am p p p p m p p m onde, ( M / 2) V cos(2π ( f f ) t) é a raia lateral inferior, e p p m ( M / 2) V cos(2π ( f f ) t) é a raia lateral superior. p p + m Assim sendo, uma onda AM difere da portadora pura pelo fato de conter além da portadora duas raias laterais de mesmo nível = M / 2, e com freqüências simétricas em relação à V p

14 6 freqüência da portadora fp, tendo a raia lateral superior freqüência de f + f e a raia lateral p m inferior f f. p m Na figura 2.1, mostra-se as formas de ondas da onda portadora, sinal a ser transmitido e sinal modulado em amplitude. 1 Onda portadora Sinal a ser transmitido Sinal modulado em Amplitude Figura 2.1 Modulação de onda continua em amplitude Vantagens: Fácil de ser produzido em um transmissor; Receptores AM são simples em projeto; Simples de sintonizar em receptores ordinários. Desvantagens: Ineficiência: aproximadamente dois terços da potência de um sinal AM é concentrada na portadora, a qual não contém "inteligência". Um terço da potência está dentro das bandas laterais, as quais contém a inteligência do sinal. Considerando que as bandas laterais contem a mesma inteligência, entretanto, uma é essencialmente "desperdiçada". Da potência total de saída de

15 7 um transmissor AM, apenas aproximadamente um sexto é realmente produtiva, saída utilizável! Larga quantidade de espaço de freqüência que o sinal AM ocupa e sua suscetibilidade à estática e outras formas de ruído elétrico. Essas desvantagens podem ser superadas utilizando formas lineares de modulação em amplitude (Double Sideband-Suppressed Carrier DSB-SC, Single Sideband SSB, Vestigial Sideband VSB), mas que acarretam uma complexidade maior ao sistema Modulação de Onda Contínua por Ângulo Entende-se por modulação de onda contínua por ângulo, a variação de um dos dois parâmetros: freqüência ou fase. É importante destacar que é impossível modular uma onda em freqüência sem alterar sua fase, e vice-versa, já que a freqüência é proporcional à derivada da fase, como visto na equação (2.7). 1 f = dφ / dt 2π (2.7) Ao variar a freqüência de uma onda tem-se a chamada de Modulação em Freqüência (Frequency Modulation FM), a qual consiste em modular um sinal por meio da mudança de sua freqüência de acordo com o sinal modulado. Portanto, uma onda modulada em freqüência tem freqüência instantânea linearmente proporcional ao valor instantâneo do sinal modulante, isto significa que uma onda FM sofre desvios de freqüência. Assim, o desvio de freqüência instantâneo df (t) da onda FM é proporcional ao valor instantâneo v m (t) do sinal modulante: df ( t) = k v ( t) (2.8) f m

16 8 Logo, a onda FM é v ( t) = V sen[2π ( f df ( t)) t] (2.9) p p p+ Ou ainda, v ( t) = V sen[2πf ( k /(2π f )) V cos(2π f t)] (2.10) p p p f m m m A onda modulada em freqüência difere da onda portadora pelo fato de que sua fase sofre variação proporcional a integral do sinal modulante. A freqüência não modulada de um sinal FM é chamada de freqüência central. Quando um sinal modulado é aplicado, a freqüência do transmissor de FM irá ondular acima e abaixo da freqüência central conforme o sinal modulado. A quantidade de "ondulação" dentro da freqüência transmitida em qualquer direção acima ou abaixo da freqüência central é chamada de desvio. O espaço de freqüência total ocupado por um sinal de FM é o dobro de seu desvio (Figura 2.2). Figura Modulação de onda contínua em freqüência. (a) Onda portadora. (b) Sinal a ser transmitido. (c) sinal modulado em freqüência

17 9 Vantagens: Qualidade de áudio e imunidade a ruído, a maioria das formas de ruído estático e elétrico são naturalmente AM, e um receptor FM não responderá a sinais AM. Desvantagem: A quantidade de espaço de freqüência que um sinal requer. Quando o sinal modulante sofre variação em sua fase, ocorre a chamada Modulação em Fase (Phase Modulation - PM). Neste caso, a onda tem fase instantânea linearmente proporcional ao valor instantâneo do sinal modulante. Isto significa que a onda PM sofre desvios de fase diretamente. Este desvio de fase é descrito pela equação (2.11). df ( t) = k v ( t) (2.11) p m Desse modo, a onda PM é: v ( t) = V sen(2π f t df ( t)) (2.12) p p p + Portanto, a freqüência de uma onda modulada em fase é proporcional a derivada do sinal modulante. Deve-se destacar que tanto na modulação FM quanto na PM, a amplitude da onda permanece constante. Como conseqüência da utilização da modulação por ângulo tem-se que o cruzamento em zero do sinal PM ou FM perde sua regularidade no espaçamento, sendo que o cruzamento em zero é o instante de tempo em que a onda muda sua polaridade, ou seja, muda sua amplitude do positivo para o negativo e vice-versa.

18 Modulação por pulsos A modulação por pulsos é a forma digital de modulação. Neste caso, um trem de pulsos é usado para transmitir informação, ao contrário de uma onda senoidal. O processo de amostragem é a base para a modulação por pulsos. Este consiste em amostrarse um sinal analógico em instantes específicos de tempo produzindo uma seqüência de amostras, geralmente uniformemente espaçadas no tempo. Deve-se escolher adequadamente a taxa de amostragem de forma que a seqüência de pulsos gerada defina unicamente o sinal analógico original. Segundo o Teorema de Nyquist, essa taxa deve ser maior do que o dobro da freqüência do sinal a ser amostrado para que se possa recuperar o sinal original a partir de suas amostras. No entanto, se os sinais não possuem banda limitada, podem ocorrer sobreposições de componentes de alta freqüência sobre os de baixa freqüência (aliasing), sendo necessário o uso de filtros no processo de amostragem (os chamados filtros antialiasing). Esta modulação divide-se em duas áreas: analógica e digital Modulação por pulsos analógica Nesta forma de modulação utiliza-se um trem de pulsos periódico como onda portadora e varia-se alguma propriedade de cada pulso de acordo com o valor amostrado correspondente do sinal da mensagem. Estas variações nos pulsos podem ocorrer na amplitude (Figura 2.3), na duração e na posição. Embora a informação transmitida seja de forma analógica, os instantes de tempo em que isto ocorre são discretos. Figura 2.3 Modulação por pulsos em amplitude

19 11 Nos casos onde se deseja transmitir um sinal digital em meio analógico, emprega-se técnicas de modulação parecidas com as de modulação de onda contínua. Modulação em amplitude: se o dado for o bit 0, nenhum sinal é transmitido, por outro lado, o bit 1 é a transmissão do sinal da portadora. Modulação em freqüência: o bit 0 é transmitido como uma onda de freqüência f 1, enquanto o bit 1 uma onda de freqüência f 2. Esta forma de modulação diminui os erros, porém reduz a capacidade de transmissão do canal. Modulação em fase: o bit 0 é a transmissão da portadora e o bit 1 a mesma portadora com um deslocamento de fase em seu sinal, por exemplo, 2 π. Na figura 2.4, estes conceitos são ilustrados. Figura 2.4 Codificação de sinal digital para transmissão em meio analógico

20 Modulação por pulsos digital A mensagem, agora, é representada de tal forma que é discreta tanto na amplitude quanto no tempo. Isto permite sua transmissão de forma digital como uma seqüência de pulsos de código. A representação discreta de um conjunto de valores discretos é o código. Cada valor dentro do código é chamado símbolo. Em um código binário, por exemplo, cada símbolo pode ter um de dois valores: ausência ou presença de pulso. Existem diversos tipos de modulação por pulsos digital: unipolar sem retorno a zero (NRZ), polar sem retorno a zero (NRZ), unipolar com retorno a zero (RZ), bipolar com retorno a zero (BRZ) e Código Manchester. Na Figura 2.5 mostra-se alguns exemplos desses tipos de modulação. Figura 2.5 Exemplos de modulação por pulsos digital Este tipo codificação apresenta as seguintes vantagens: Sincronização. Uma vez que ocorre uma transição em cada período, o receptor sempre estará sincronizado com o emissor. Daí o fato desse código bifásico ser conhecido como self-clocking (relógio auto-regenerado). Sem componente DC.

21 13 Detecção de erro. A ausência de uma transição pode ser utilizada como forma de detectar um erro de transmissão. Além disso, é preciso a inversão de dois sinais consecutivos para gerar um bit errado no receptor. Por outro lado, temos como desvantagem que a freqüência do sinal deve ser o dobro da taxa de transmissão, o que diminui a capacidade do canal (FERNANDEZ, 2006). 2.2 Multiplexação A multiplexação é outro requisito importante para a transmissão de informação. Esta consiste em combinar vários sinais para a transmissão em um mesmo meio físico. Podem-se citar alguns métodos básicos de multiplexação: Frequency-Division Multiplexing (FDM): é a mais antiga das técnicas e mais apropriada para equipamentos analógicos. Cada sinal utiliza uma freqüência específica da banda. Isto significa que o sinal sofre uma translação de freqüência e é transmitido juntamente com os outros sinais (Figura 2.6). Na outra extremidade os sinais são separados com filtros e recuperados. Esta técnica ainda é usada, mas apenas para equipamentos antigos, pois a maioria dos equipamentos novos tem usado a multiplicação TDM (apresentada a seguir). Figura 2.6 Multiplexação na freqüência (fonte: FERNANDEZ, 2006, p. 44)

22 14 Wavelength-Division Multiplexing (WDM): consiste em enviar vários comprimentos de onda os quais são separados no destino. Cada comprimento de onda transmite informações de um canal sem interferir nos demais. Time-Division Multiplexing (TDM): é a mais utilizada na atualidade e exige o uso de equipamentos digitais. Baseia-se no posicionamento dos sinais em fatias diferentes de tempo (Figura 2.7). Pode ser determinística ou estatística. Na determinística, cada parte do pacote de informação é exclusiva de um único canal, e caso um dado canal deixe de transmitir, esta parte do pacote de dados fica vazia. O TDM estatístico tem como objetivo aproveitar os espaços vazios de pacotes para transmitir informações, conseguindo, pelo menos na teoria, aproveitar o máximo da banda de transmissão. Porém, a utilização deste método, exige a transmissão de informações adicionais, diminuindo o aproveitamento do meio de transmissão. Figura 2.7 Multiplexação no tempo Code-Division Multiplexing (CDM): cada sinal é identificado por um código (seqüência) diferente. Assim, é possível enviar em um mesmo canal (uma única freqüência) vários canais com códigos diferentes que são separados no receptor. Isto permite uma melhor utilização do meio de transmissão já que amplia a densidade e capacidade de multiplexação. Por exemplo, um sistema CDM transmite três vezes mais que um sistema TDM semelhante com mesma banda de freqüência (FERNANDEZ, 2006). Estas formas de multiplexação são as bases para formas mais robustas utilizadas na tecnologia PLC. Sendo estas, a spread spectrum (espalhamento espectral) e a OFDM, que serão apresentadas a seguir.

23 Spread Spectrum Esta técnica apresenta a habilidade de rejeitar interferências na transmissão da informação. Uma modulação spread spectrum satisfaz duas condições: A informação ocupa uma banda maior que a banda mínima para transmiti-la; O espalhamento do espectro é realizado antes da transmissão por meio do uso de um código independente da informação. O mesmo código é usado pelo receptor para recuperar a informação original (HAYKIN, 2001). Esta forma de modulação prima por segurança nas transmissões em ambientes hostis, o que significa que a eficiência em termos de banda e potência é deixada em segundo plano. Esta segurança advém do fato que quando o sinal é espalhado no espectro de freqüência, sua aparência é de um sinal de ruído, podendo ser transmitido pelo canal sem ser detectado por quem esteja monitorando a comunicação. Na figura 2.8, pode-se verificar como ficam o espectro de potência para um sinal espalhado e um sinal de banda base. Figura 2.8 Densidade espectral de um sinal em banda base e um sinal espalhado

24 16 Este tipo de modulação apresenta como vantagens: Baixa densidade espectral de potência; Rejeição a interferências; Privacidade: o código usado tem baixa ou nenhuma correlação com o sinal e é único para cada usuário, sendo assim impossível separar do sinal a informação que está sendo transmitida sem o conhecimento do código utilizado. Permite uma grande combinação de canais que possibilita a utilização privativa por vários usuários simultaneamente. Quanto aos tipos de modulação spread spectrum, pode-se classificá-los como: Spread Spectrum Frequency Hoop: a banda total do canal de comunicação é dividido em diversos sub-canais de banda estreita e o sistema comuta rapidamente entre eles seguindo uma seqüência aleatória, conhecida, pelo transmissor e receptor. Apresenta velocidades menores (no máximo 3 MBPS) e latências altas (200 ms), no entanto resiste mais às interferências eletromagnéticas, o que a torna recomendada para ambientes externos, como a interligação entre prédios. Spread spectrum Direct Sequence: utiliza um canal de banda larga, maior que 1 MHz, onde todos transmitem a uma alta taxa segundo uma seqüência de códigos aleatórios pré-definido (pseudo-ruído). Este pseudo-ruído é um sinal binário produzido a uma freqüência muito maior que o dado a ser transmitido, espalhando o sinal no domínio da freqüência. Na recepção, o sinal é filtrado segundo a mesma freqüência. Apresenta alta velocidade (11 MBPS) e latências pequenas (10 ms), porém é muito sensível à interferência eletromagnética, o que o torna recomendável para ambientes internos. Sistema híbrido DS/FH: a banda é dividida em sub-canais e em cada um deles um pseudo-ruído é multiplicado com o sinal de dados. Um endereço é a combinação da seqüência das freqüências e o código do pseudo-ruído.

25 Multiplexação OFDM A multiplexação OFDM (Orthogonal Frequency-Division Multiplexing) tem como objetivo reduzir a interferência entre canais de freqüência próximos uns dos outros. Esta técnica utiliza diversas portadoras ortogonais para transmitir um sinal. Esta ortogonalidade de sinais é verificada quando o produto de um sinal por outro resulta em zero. O sinal antes de ser multiplexado passa por uma série de etapas de processamento que visam melhorar o desempenho da técnica OFDM. Esta tecnologia consiste na divisão do canal em vários canais de banda estreita de diferentes freqüências. Na figura 2.9 é mostrado a diferença entre a tecnologia FDM convencional e a OFDM. Figura 2.9 Diferença entre as tecnologias OFDM e FDM (fonte: VARGAS, 2004) Nesta forma de multiplexação, diversas portadoras em freqüências diferentes são utilizadas para modular o sinal digital. No entanto, cada portadora se encarrega de transportar apenas alguns bits do sinal original após passar pelos processos de interleaving, embaralhamento e inclusão de códigos de correção de erro. Na figura 2.10 mostra-se como as portadoras se separam no tempo e na freqüência. Estas portadoras são apresentadas com cores diferentes para mostrar que pedaços de um mesmo bit são transmitidos por portadoras distantes entre si tanto no tempo como na freqüência.

26 18 Figura 2.10 Divisão dos bits no tempo e na freqüência na multiplexação OFDM (fonte: MALBURG, 2004) Como benefícios desta técnica podem-se citar: Maior número de canais para uma mesma faixa espectral se comparado com a técnica FDM (Figura 2.9); Resistente à interferência RF; Pouca distorção causada por caminhos múltiplos; Eficiência e robustez. Devido a sua grande robustez a interferências físicas, como paredes, móveis e obstáculos naturais, esta tecnologia foi a utilizada para a transmissão de televisão digital em países da Europa, Japão e Austrália, assim como para serviços de áudio em broadcast (banda larga) na Europa. É utilizada principalmente para a transmissão wireless operando em 5 GHz e acima de 11 GHz em redes de 2,4 GHz (FAGUNDES, 2006).

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Estudo sobre Comunicação de Dados via Rede Elétrica para Aplicações de Automação Residencial/Predial

Estudo sobre Comunicação de Dados via Rede Elétrica para Aplicações de Automação Residencial/Predial UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ALESSANDRA ANTUNES VARGAS Estudo sobre Comunicação de Dados via Rede

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Transmissão Digital e Analógica

Transmissão Digital e Analógica Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Conceitos Básicos Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

Power Line Communication

Power Line Communication INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA Power Line Communication Nome: Sergio Bezerra Valmir Brasília, 24 de Junho de 2012 Introdução A transmissão de dados via rede de energia elétrica (PLC - Power Line Communications),

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Devido à simplicidade e eficiência que podem ser obtidos com sistemas de transmissão banda base, são estes os mais largamente utilizados em comunicação de

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática Bacharelado em Informática Disciplina: de Computadores Multiplexação, Modulação e Codificação Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br Utilização da Banda Passante do Meio 0 40 400 Desperdício Configuração

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento PVH 15-08-05 Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento Prof. Sérgio Rodrigues 1 Redes de Computadores

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01 UFSM-CTISM Teoria da Comunicação Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Objetivo Objetivos da disciplina: Ter conhecimento dos princípios básicos da telecomunicação; Conhecer os conceitos

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg.

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg. Redes de Computadores (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Análise teórica de transmissão de dados

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Meios físicos Os meios físicos

Meios físicos Os meios físicos Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Se encarregam daquilo que diz respeito à representação física são bits (por exemplo, voltagem ou pulsos de luz). 1 Representação

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS e acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais