Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica"

Transcrição

1 Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica Conferência Nacional sobre Educação Profissional e Tecnológica 5 a 8 de Novembro de 2006

2 Sistemas de Educação e de Formação em Portugal ENSINO BÁSICO 2.º 1.º Ciclo Ciclo 3.º Ciclo Com 6 anos EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR PÓS-GRADUAÇÃO ENSINO SECUNDÁRIO PÓS-SECUNDÁRIO MESTRADO DOUTORAMENTO ENSINO UNIVERSITÁ RIO ENSINO POLITÉCNICO SEGUNDA OPORTUNIDADE 15 ANOS OU+

3 Qualificar os Recursos Humanos 1ª opção do Plano OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Reforço do do esforço nacional na na educação e formação das das gerações mais mais jovens, combatendo o insucesso e o abandono escolar precoce sem sem qualquer qualificação profissional Alargamento do do acesso a oportunidades de de educação e formação de de adultos, no no quadro da da construção de de um um verdadeiro sistema de de aprendizagem ao ao longo longo da da vida vida

4 Iniciativa Novas Oportunidades Oportunidade Nova para os jovens Nova Oportunidade para os adultos azer do 12º ano o referencial mínimo de formação para todos os jovens Colocar metade dos jovens do ensino secundário, em cursos tecnológicos e profissionais Qualificar um milhão de activos até 2010 Qualificar Portugal

5 Áreas Prioritárias rias de Intervenção Percursos Profissionalmente Qualificantes Educação e Formação de Adultos Cursos de Educação e Formação Sistema de Aprendizagem Cursos Profissionais Cursos Tecnológicos Cursos Artísticos Especializados nos domínios das Artes Visuais e Audiovisuais Cursos de Instituto de Formação Turística Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências Cursos de Educação e Formação de Adultos Ensino Recorrente Tecnológico Cursos de Especialização Tecnológica

6 Qualificação de Jovens

7 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos de Educação e Formação Características da Modalidade Os cursos ao abrigo deste despacho são uma modalidade de formação e qualificação diversificada, flexível, com o objectivo de assegurar um continuum de formação, estruturada em patamares sequenciais de entrada e saída que fomentam a aquisição progressiva de níveis mais elevados de qualificação. Incentivam a aprendizagem ao longo da vida; Orientam para o desenvolvimento de competências ao nível da organização empresarial.

8 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos de Educação e Formação Entidades Formadoras Escolas públicas, particulares e cooperativas, e escolas profissionais Centros de Gestão Directa e Participada do IEFP; Outras Entidades Formadoras Acreditadas

9 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos de Educação e Formação Objectivos Estratégicos Promover o sucesso escolar, bem como a prevenção dos dos diferentes tipos de de abandono escolar, fomentando o cumprimento da da escolaridade obrigatória e promovendo o acesso a diferentes vias vias de de prosseguimento de de estudos. Destinatários Jovens com idade igual ou superior a 15 anos, em risco de abandono escolar ou que já abandonaram antes da conclusão da escolaridade de 12 anos. Jovens que, após a conclusão dos 12 anos de escolaridade, pretendam adquirir uma qualificação profissional para ingresso no mercado de emprego.

10 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos de Educação e Formação Titulares de um curso científico-humanístico ou equivalente (12º ano) 11º ano de escolaridade ou frequência do 12º ano s/ aprovação Titulares de curso T4 10º Profissionalizante 10º ano de escolaridade ou freq. 11º ano s/ aprovação, c/ interrupção não inferior a 1 ano lectivo 9º ano de escolaridade Frequência do nível secundário s/ o concluir, c/ 1 ou mais retenções no ensino secundário. 8º ano de escolaridade. Frequência do 9º ano s/ aprovação. 6º ano de escolaridade. 7º ano de escolaridade. Frequência do 8º ano s/ aprovação Sem aprovação no 4º ano de escolaridade ou 4º/ 5º ou frequência do 6º ano de escolaridade Tipologia dos Cursos Tipo 7 (nível 3) (1 Ano) Tipo 6 Nível 3 / 12.º ano (1 ano ou superior) Tipo 5 Nível 3 / 12.º ano (2 anos) Tipo 4 Nível 2 / Rec. Comp. Escolares (1 ano) Tipo 3 Nível 2 / 9.º ano (1 ano) Tipo 2 Nível 2 / 9.º ano (2 anos) Tipo 1 Nível 1 / 6.º ano FORMAÇÃO COMPLEMENTAR Rec. Competência Escolares 1 ano.titulares de cursos T2 ou T3. Titulares de outros cursos de qualificação inicial de nível

11 Percursos Profissionalmente Subtotal Subtotal Qualificantes dos Jovens Cursos de Educação e Formação Matriz Curricular dos Cursos Tipo 2 Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Língua Portuguesa Língua Estrangeira Cidadania e Mundo Actual Tecnologias de Informação e Comunicação Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Educação Física Componente de Formação Científica Matemática Aplicada Disciplina/Domínio específica/o 2 Componente de Formação Tecnológica Tecnologias Específicas Componente de Formação Prática Formação em Contexto de Trabalho Total de Horas

12 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos de Educação e Formação Certificação certificação escolar dos 2º ou 3º ciclos do ensino básico, de conclusão do nível secundário de educação e/ou qualificação profissional de nível 1, 2 ou 3; creditação da disciplina/s em que obtiveram aproveitamento; creditação da/s componente/s em que obtiveram aproveitamento; a possibilidade de acesso ao nível secundário de educação; a possibilidade de acesso ao nível superior de educação após a realização de exames em condições análogas às estabelecidas para os cursos profissionais.

13 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Alunos matriculados em cursos de Educação e Formação Nível de Ensino 2005/ /2007 Básico Secundário Total

14 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos de Educação e Formação Financiamento Escola públicas e privadas nas regiões com co-financiamento PRODEP Escola públicas na região de Lisboa e Vale do Tejo Os encargos associados directamente a estes cursos oneram as rúbricas do orçamento das respectivas entidades Escola privadas na região de Lisboa e Vale do Tejo

15 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos Profissionais Características da Oferta Formativa Os cursos constituem uma das vertentes da oferta do ensino secundário, vocacionada para a qualificação inicial dos alunos, privilegiando a sua inserção no mundo do trabalho e permitindo o prosseguimento de estudos. PRESSUPOSTOS DA Revisão Curricular Racionalização da oferta formativa: * Sistematização das qualificações/saídas profissionais por família profissional (agrupamento de qualificações/saídas profissionais, de uma mesma área de formação ou de áreas afins, que mobilizam saberes científicos e tecnológicos similares e/ou cujas competências são exercidas num mesmo sector/área de actividade) * Adequação da oferta formativa aos perfis profissionais actuais emergentes

16 Famílias Profissionais Enquadradoras dos Cursos Profissionais FAMÍLIAS PROFISSIONAIS Artes do Espectáculo Tecnologias Artísticas Comunicação, Imagem e Som Informação, Documentação e Património Comércio Administração Informática Mecânica Electricidade e Electrónica Química Materiais

17 Famílias Profissionais Enquadradoras dos Cursos Profissionais FAMÍLIAS PROFISSIONAIS Têxtil, Vestuário e Calçado Actividades Agrícolas e Agro-Alimentares Construção Civil Tecnologias da Saúde Serviços de Apoio Social Hotelaria e Turismo Ordenamento do Território e Ambiente Serviços de Protecção e Segurança

18 Matriz Curricular Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português Língua Estrangeira I ou II (b) Área de Integração Educação Física Tecnologias de Informação e Comunicação Componente de Formação Científica 2 a 3 disciplinas (c) Componente de Formação Técnica 3 a 4 disciplinas (d) Formação em Contexto de Trabalho (e) SUB-TOTAL Total de Horas (a) SUB-TOTAL 1600 ) Carga A Disciplinas O formação aluno horária deverá científicas em global natureza contexto dar continuidade não de tecnológica, de compartimentada base trabalho a fixar a uma técnica visa em das regulamentação aquisição pelos línguas e prática três estrangeiras e anos estruturantes o desenvolvimento própria, do ciclo estudadas em função de formação, das competências qualificação no ensino qualificações a básico. gerir profissional técnicas, pela profissionais escola, relacionais visada. TOTAL de a acordo adquirir. DE e HORAS/CURSO organizacionais com o estabelecido relevantes 3100 na Portaria para a n.º 550-C/2004, qualificação de profissional 21 de Maio, a adquirir e demais e regulamentação será objecto de regulamentação aplicável

19 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos Profissionais certificação escolar de conclusão do nível secundário de educação qualificação profissional de nível 3 a possibilidade de acesso a um curso de especialização tecnológica a possibilidade de acesso ao nível superior de educação após o cumprimento dos requisitos a que estiver sujeito

20 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Alunos matriculados em Cursos Profissionais 2005/ /

21 Financiamento Escola públicas e privadas nas regiões com co-financiamento PRODEP Escola públicas na região de Lisboa e Vale do Tejo Os encargos associados directamente a estes cursos oneram as rúbricas do orçamento das respectivas entidades. Escola privadas na região de Lisboa e Vale do Tejo Os cursos profissionais ministrados nestas escolas são objecto de financiamento público, no quadro regulamentar da Portaria N.º246/2005. O regime de acesso e atribuição de apoio financeiro a conceder pelo estado às escola profissionais provadas é regulamentado pelo Despacho Conjunto N.º278/2005.

22 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos Tecnológicos Características da Oferta Formativa Os cursos tecnológicosão cursos de nível secundário de educação com a duração de três anos lectivos, que se destinam a alunos que tendo concluído o 9.º de escolaridade ou equivalente, e orientados na dupla perspectiva da inserção no mercado de trabalho e do prosseguimento de estudos. Os cursos tecnológicos conferem: - um diploma de conclusão do nível secundário de educação; - um certificado de qualificação profissional de nível 3

23 Cursos Tecnológicos Planos de estudos COMPONENTES DE FORMAÇÃO Geral DISCIPLINAS Português Língua Estrangeira I, II ou III Filosofia Tecnologias da Informação e Comunicação Educação Física TOTAL DE HORAS Subtotal 1089 Científica 2 disciplinas ( Uma trienal e uma bienal) 495 Tecnológica 2 disciplinas trienais 1 disciplina bienal 1 disciplina de especificação Projecto Tecnológico Estágio Total de Horas

24 Designações dos cursos CURSO DE CONSTRUÇÃO CIVIL E EDIFICAÇÕES CURSO DE ELECTROTECNIA E ELECTRÓNICA CURSO DE INFORMÁTICA CURSO DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE CURSO DE DESIGN DE EQUIPAMENTO CURSO DE MULTIMÉDIA CURSO DE MARKETING CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ACÇÃO SOCIAL CURSO DE DESPORTO

25 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Cursos Artísticos Especializados Características da Oferta Formativa Os cursos artísticos especializados nos domínios das Artes Visuais e dos Audiovisuais são cursos de nível secundário de educação com a duração de três anos lectivos, que se destinam a alunos que tendo concluído o 9.º de escolaridade ou equivalente, e que pretendam obter uma formação artística de nível secundário. Os cursos artísticos especializados nos domínios das Artes Visuais Audiovisuais tecnológicos e artísticos especializados conferem: - um diploma de conclusão do nível secundário de educação; - um certificado de qualificação profissional de nível 3 e

26 Cursos Artísticos Especializados Planos de estudos COMPONENTES DE FORMAÇÃO Geral DISCIPLINAS Português Língua Estrangeira I, II ou III Filosofia Tecnologias da Informação e Comunicação Educação Física TOTAL DE HORAS Subtotal Científica 2 ou 3 disciplinas /528 Tecnico-artística 2 ou 3disciplinas, integrando a formação em contexto de trabalho 957/825 Total de Horas 2442

27 Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Destinatários: jovens que já concluíram o 12.º ano ou formação equivalente jovens que tenham obtido aprovação em todas as disciplinas dos 10.º e 11.º anos e que tenham frequentado o 12.º ano de um curso de ensino secundário ou de habilitação equivalente sem o concluírem ; jovens com uma qualificação profissional de nível 3; jovens titulares de um diploma de especialização tecnológica ou de um grau ou diploma do ensino superior que pretendem uma requalificação profissional. Objectivo: aprofundar conhecimentos científicos e tecnológicos numa determinada área de formação; desenvolver ou reforçar competências para o exercício profissional; efectuar uma requalificação profissional.

28 Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Onde são ministrados: ministrados em estabelecimentos de ensino público, particulares e cooperativos com autonomia ou paralelismo pedagógico que ministrem cursos de nível secundário de educação, em estabelecimentos de ensino superior públicos, particulares e cooperativos (Ministério da Educação), em Centros de Formação Profissional de gestão directa ou participada sob coordenação do IIEFP, em Escolas Tecnológicas (Ministério da Economia) e noutras instituições de formação acreditadas pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Certificação / Prosseguimento de Estudos: qualificação profissional de nível 4 diploma de especialização tecnológica (permite o acesso a um certificado de aptidão profissional emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Profissional)

29 Qualificação de Adultos

30 Percursos Profissionalmente Qualificantes dos Jovens Ensino Secundário Recorrente Características da Oferta Formativa Estes cursos visam proporcionar uma segunda oportunidade de formação que permita conciliar a frequência de estudos com uma actividade profissional. Os cursos tecnológicos conferem: - Um diploma de conclusão do nível secundário de educação; - Um certificado de qualificação profissional de nível 3.

31 Sistema Nacional de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências

32 Sistema de RVCC - Fundamentos Os Os adultos são portadores de de saberes e competências adquiridos ao ao longo da da vida que nunca foram certificados, formalmente (experiência de de vida e de de trabalho, bem como acções de de formação de de duração variável) O reconhecimento e certificação desses saberes e competências é um direito de de cidadania e uma obrigação por parte dos sistemas formais

33 DESTINATÁRIOS Jovens e adultos com idade igual ou superior a 18 anos

34 istema Nacional de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC) ACREDITAÇÃO DAS ENTIDADES PROMOTORAS DOS CENTROS ACREDITAÇÃO DE AVALIADORES EXTERNOS REFERENCIAL DE COMPETÊNCIAS- CHAVE REDE NACIONAL DE CENTROS RVCC

35 Referencial de Competências-Chave Chave (RVCC) Cidadania Empregabilidade(CE) Tecnologias Informação Comunicação(TIC) Linguagem Comunicação(LC) Matemática para a Vida(MV) Cidadania Empregabilidade (CE)

36 Referencial de Competências-Chave Chave Linguagem e Comunicação B1 B2 B3 Matemática para a Vida Tecnologias da Inf. e Comunicação Cidadania e Empregabilidade

37 Tipologia das Entidades promotoras de Centros RVCC Ministério da Educação Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Instituições Particulares de Solidariedade Social Ministério da Defesa Nacional Associações de Desenvolvimento Local e Regional Associações Empresariais Parceiros Sociais Entidades Privadas

38 Organização e Funcionamento dos Centros RVCC

39 Equipa do Centro RVCC Director/Coordenador Administrativo Profissionais de RVC Formadores Financeiro Avaliador Externo (Júri de de Validação)

40 Fases de Desenvolvimento do Processo RVCC Eixos Actividades Intervenientes Reconhecimento -Definição do perfil de entrada -Identificação de Competências -Confronto com o Referencial de Competências Chave FORMAÇÕES COMPLEMENTARES (máximo 25 h/adulto) Elaboração do Dossier Pessoal Prof. RVC Formadores Formadores Validação -Pedido de Validação -Preparação para o Júri de Validação -Emissão de Carteira Pessoal de Competências SESSÃO DE JÚRI Prof. RVC Formadores Avaliador Externo Certificação -Emissão e Homologação de Certificados Níveis B3, B2 e B1 Centros RVCC DGFV

41 Modelo de Financiamento Fundos Comunitários: Candidaturas anuais ao PRODEP III ou ao POEDFS Auto financiamento

42

43 Resultados (Dezembro 2000 Outubro 2006) INSCRITOS ADULTOS EM RECONHECIMENTO CERTIFICADOS Idade Mínimo: 18 anos -Idade Máxima: 67 anos -Idade Predominante: entre os 25 e 45 anos

44 Cursos EFA

45 Objectivos Contribuir para a redução do défice de qualificação escolar e profissional da população portuguesa, potenciando as suas condições de empregabilidade; Características Constituir-se como um campo de aplicação de um modelo inovador de educação e formação de adultos, assente em percursos flexíveis e modulares, através da aplicação de um Referencial de Competências Chave (FB);

46 Cursos EFA Modelo de Formação RVC Aprender com Autonomia F. Base (articulação com) F. Prof.

47 Referencial de Formação Cidadania Empregabilidade(CE) Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) Linguagem e Comunicação (LC) Matemática para a vida (MV) Formação Profissionalizante (FP) Cidadania Empregabilidade(CE)

48 DESENHO CURRICULAR TEMAS DE VIDA Percurso de Formação Reconhecimento e Validação de Competências Formação de Base (a) Aprender com Autonomia Áreas de Competência Chave Formação Profissionalizante (b) Total de horas Básico 1 Entre 25 h e 40h 40 h Entre 100h e 400h Entre 220h e 360h Entre 385h e 840h Básico 2 Entre 25h e 40h 40 h Entre 100h e 400h Entre 220h e 360h Entre 385h e 840h Básico 1+2 Entre 25h e 40h 40 h Entre 100h e 800h (C) Entre 220h e 360h Entre 385h e 1240h Básico 3 Entre 25h e 40h 40 h Entre 100h e 800h (C) Entre 940h e 1200h (d) Entre 1105h e 2080h Básico 2+3 Entre 25h e 40h 40 h Entre 940h e 1200h (d) Entre 940h e 1200h (d) Entre 1105h e 2080h

49 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA Entidades Promotoras A criação de Cursos EFA é da iniciativa de diferentes entidades formadoras: autarquias, empresas, sindicatos, associações de âmbito cultural, empresarial, sectorial e de desenvolvimento local, estabelecimentos de ensino, instituições particulares de Solidariedade Social e Centros de Formação Profissional.

50 Certificados Básico 1 equivalente ao 1º ciclo do ensino básico e ao nível 1 de qualificação profissional Certificados Cursos EFA Básico 2 equivalente ao 2º ciclo do ensino básico e ao nível 1 de qualificação profissional Básico 3 equivalente ao 3º ciclo do ensino básico e ao nível 2 de qualificação profissional

51 Áreas Profissionais de maior significado 481- Ciências Informáticas 522- Electricidade e Energia 345- Gestão e Administração 341- Comércio 811- Hotelaria e Restauração 761- Serviço de apoio a crianças e jovens 622- Floricultura e jardinagem 525- Construção e reparação de veículos a motor Estão a ser formados alunos em 27 áreas de formação, correspondentes a 83 saídas profissionais

52 Inserção no mundo do trabalho Formação em contexto de Trabalho - A entidade formadora estabelece um protocolo de estágio com a empresa onde esta formação vai decorrer - A entidade formadora nomeia um professor/formador o qual faz o acompanhamento técnico-pedagógico do aluno/formando durante a formação - Após esta formação o aluno/ formando realiza uma Prova de Avaliação Final, uma Prova de Aptidão Profissional ou uma Prova de Aptidão Tecnológica, variando com a modalidade de formação, avaliada por um júri do qual fazem parte elementos do mundo empresarial, das entidades certificadoras e do mundo sindical

Organização do Sistema Educativo. Bases do sistema de educação e

Organização do Sistema Educativo. Bases do sistema de educação e Organização do Sistema Educativo Bases do sistema de educação e formação: princípios pios / legislação Os princípios básicos da Educação, consagrados na Constituição da República Portuguesa (CRP) Actividade

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos profissionais são uma modalidade de ensino que pretende desenvolver competências pessoais e profissionais específicas para o exercício de uma profissão a partir de uma preparação científica

Leia mais

A Qualificação de Jovens e Adultos

A Qualificação de Jovens e Adultos A Qualificação de Jovens e Adultos Na região do Algarve, a rede de oferta formativa tem vindo a ser construída, alargada e consolidada com a colaboração e empenho de um número crescente de entidades públicas

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

PLANOS de ESTUDO. Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012. Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580

PLANOS de ESTUDO. Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012. Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 PLANOS de ESTUDO Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012 Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 tomascabreira@mail.telepac.pt www.tomascabreira.net CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

Leia mais

MODALIDADES DE FORMAÇÃO. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda

MODALIDADES DE FORMAÇÃO. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda MODALIDADES DE FORMAÇÃO 1 CURSOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS EM ALTERNÂNCIA O que são? São cursos que: > Dãoumaqualificaçãoepreparamparaomercadode trabalho. > Duram aproximadamente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

INFORMAÇÕES CURSOS NOTURNOS 1

INFORMAÇÕES CURSOS NOTURNOS 1 INFORMAÇÕES CURSOS NOTURNOS 1 VIA DE CONCLUSÃO DO 12º ANO, PARA ALUNOS DE CURSOS EXTINTOS (Ao abrigo do Decreto- Lei nº 357/2007, de 29 de Outubro) 1. Destinatários: Candidatos com idade igual ou superior

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS CURSOS TECNOLÓGICOS. Versão definitiva de10 de Abril de 2003

REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS CURSOS TECNOLÓGICOS. Versão definitiva de10 de Abril de 2003 REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS E CURSOS TECNOLÓGICOS Versão definitiva de0 de Abril de 003 CURSO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Componentes de Formação 0º º º Geral Português

Leia mais

IV CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL Nível III

IV CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL Nível III Apresentação O Ensino Profissional é uma modalidade especial de educação que visa, essencialmente, o desenvolvimento da formação profissional qualificante dos jovens. Dado o facto de dedicarem grande parte

Leia mais

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO. Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO. Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos Cursos Tecnológicos (estes cursos não constituem opção para novos

Leia mais

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres Os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) são formações pós-secundárias não superiores que te preparam para uma especialização científica ou tecnológica numa determinada área de formação. Para quem

Leia mais

Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade. Informação atualizada para 2013/2014

Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade. Informação atualizada para 2013/2014 Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade Informação atualizada para 2013/2014 ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO Mundo do Trabalho CET Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJECTIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objectivos proporcionar formação artística, preparando profissionais para diferentes ramos artísticos e fomentar práticas artísticas individuais

Leia mais

Agrupamento de Escolas Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Psicóloga Áurea Santos

Agrupamento de Escolas Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Psicóloga Áurea Santos Agrupamento de Escolas Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Psicóloga Áurea Santos Ensino Secundário Ensino Superior Ensino Básico Sistema Educativo e Formativo

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objectivos proporcionar formação artística, preparando profissionais para diferentes ramos artísticos e fomentar práticas artísticas individuais e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração de 3 anos letivos correspondentes

Leia mais

(RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA)

(RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) (RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) Equipa de Projecto Novas Oportunidades de Adulto (EP-NOA) * Nos dias 19 e 20 de Novembro,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2010/2011 - Jovens

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2010/2011 - Jovens FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2010/2011 - Jovens Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão de Estatísticas

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Centro Novas Oportunidades Centro Social de Ermesinde Sessão de Esclarecimento - Nível Secundário - 03 de Abril de 2008 O QUE SÃO? Os Centros Novas Oportunidades (CNO) são: A Porta de Entrada para todos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO PSICÓLOGA ÁUREA SANTOS OBJECTIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objectivos proporcionar formação artística, preparando profissionais para diferentes ramos artísticos e fomentar práticas

Leia mais

Formação de Dupla Certificação

Formação de Dupla Certificação Glossário Formação de Dupla Certificação É aquela que confere, simultaneamente, Certificação Escolar e Certificação Profissional Cursos de dupla certificação destinados a Jovens (dos 15 aos 25 anos) Cursos

Leia mais

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL 9º ano: e depois? Sistema Educativo Português 2013/2014 ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL Objetivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades, competências

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 27 de Outubro de 2008

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 27 de Outubro de 2008 Cursos EFA e Formação Modular Linhas de orientação 27 de Outubro de 2008 1 1. Cursos EFA 2 Cursos EFA - Destinatários EFA Básico EFA Secundário >= 18 anos Diurno ou tempo integral >= 23 anos Pós-laboral

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO PSICÓLOGA ÁUREA SANTOS OBJECTIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de carácter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração

Leia mais

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Outubro) O Despacho normativo n.º 29/2008, de 5 de Junho, introduziu alterações ao Despacho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Limites às elegibilidades 13 O investimento constante do n.º 4 é elegível quando o seu uso for indispensável à execução da operação, sendo

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras ESCOLA TECNOLÓGICA DO LITORAL ALENTEJANO ETLA Localização A Escola Tecnológica do Litoral Alentejano fica situada no Complexo Petroquímico da empresa Repsol na ZILS. Perto da realidade industrial, a sua

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

9ºANO E AGORA? SPO. Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama

9ºANO E AGORA? SPO. Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama 9ºANO E AGORA? SPO Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama Cursos Vocacionais CET TESP Escolha consciente Orientação Escolar Interesses Aptidões Percurso Escolar Papel dos Pais no processo de DECISÃO

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ

Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ NOTA TÉCNICA N.º 3 TEMA: Formação Profissional de SST Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ Formação para Técnico Superior de Segurança no Trabalho, Níveis 6 a 8

Leia mais

SISTEMA DE EDUCAÇÃO / FORMAÇÃO Níveis de Qualificação

SISTEMA DE EDUCAÇÃO / FORMAÇÃO Níveis de Qualificação Ensino Superior Doutoramento Mestrado Licenciatura SISTEMA DE EDUCAÇÃO / FORMAÇÃO Níveis de Qualificação Profissional Cursos de Especialização Tecnológica CET Nível 5 Anos de Escolaridade Cursos de Educação

Leia mais

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário Jornadas de Formação Profissional Boas práticas Região Autónoma da Madeira Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário (Decreto lei nº 357/2007 de 29 de Outubro) Os melhores RUMOS para os Cidadãos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 26 de Fevereiro 2008

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 26 de Fevereiro 2008 Cursos EFA e Formação Modular Linhas de orientação 26 de Fevereiro 2008 1 1. Cursos EFA 2 Cursos EFA - Destinatários EFA Básico EFA Secundário >= 18 anos Diurno ou tempo integral >= 23 anos Pós-laboral

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO N. o 7 6 de Março de 00 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 9 Tendo em conta o desejo comum de desenvolver relações de cooperação mais estreitas no domínio da luta contra a droga e toxicodependência, expresso

Leia mais

FAQ Frequently Asked Questions (Perguntas mais frequentes) 1.1 - O que são os cursos EFA de nível secundário e dupla certificação?

FAQ Frequently Asked Questions (Perguntas mais frequentes) 1.1 - O que são os cursos EFA de nível secundário e dupla certificação? FAQ Frequently Asked Questions (Perguntas mais frequentes) Índice de assuntos: 1. Objectivos 2. Condições de acesso 3. Dupla certificação 4. Prosseguimento de estudos 5. Regime pós-laboral 6. Percurso

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA Uma escola de todos Para todos Transformar Vidas, Alimentar Sonhos, Projetar Carreiras! SPO Serviço de Psicologia e Orientação 9.º ANO e agora? Cursos Científico

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

Cursos Científico-Humanísticos Natureza e Organização

Cursos Científico-Humanísticos Natureza e Organização Cursos Científico-Humanísticos Natureza e Organização O que são? Os cursos cientifico-humanísticos constituem uma oferta educativa vocacionada para o prosseguimento de estudos de nível superior (universitário

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2009 Previsional

PLANO DE FORMAÇÃO 2009 Previsional Instituto do Emprego e Profissional, I.P. Profissional de SISTEMA DE FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA APRENDIZAGEM SAÍDA HABILITAÇÕES/ CONDIÇÕES DE ACESSO ENERGIA TÉCNICO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS TÉCNICO DE ENERGIA

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

CHAVE DO FUTURO. está nas tuas. mãos. Oferta. Oferta. Centro Novas Oportunidades. Ensino Nocturno. Cursos Profissionais. Cursos

CHAVE DO FUTURO. está nas tuas. mãos. Oferta. Oferta. Centro Novas Oportunidades. Ensino Nocturno. Cursos Profissionais. Cursos A CHAVE DO FUTURO está nas tuas mãos Centro Novas Oportunidades Ensino Nocturno Cursos Profissionais Cursos Científico-Humanísticos Oferta Oferta Cursos Educação e Formação ÍNDICE Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX Ensino Superior EXAMES 2013 fevereiro de 2013 GAPEX 5 de fevereiro Despacho nº 2162-A/2013 de 5 de Fevereirode INSCRIÇÕES EXAMES 34.Os prazos de inscrição para admissão aos exames finais nacionais do ensino

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Instituto Superior da Maia ISMAI CET. Realização de Eventos Multimédia

Instituto Superior da Maia ISMAI CET. Realização de Eventos Multimédia Instituto Superior da Maia ISMAI CET Realização de Eventos Multimédia CoordenadorA Professora Doutora Célia Sousa Vieira cvieira@ismai.pt fundamentos e Objectivos A área de formação deste CET reside nos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010 Portaria n.º /2010 Considerando a experiência obtida pela implementação do Programa Oportunidade, Sub- Programas Integrar e Profissionalizante, enquanto programas específicos de recuperação da escolaridade,

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14 de Março de 2007 Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: 1. A aposta estratégica na qualificação da população portuguesa é opção central para

Leia mais

UM PROJECTO EDUCATIVO A PENSAR EM SI

UM PROJECTO EDUCATIVO A PENSAR EM SI UM PROJECTO EDUCATIVO A PENSAR EM SI ESLA Cursos Científico Humanísticos Alunos que, tendo concluído o 9º ano de escolaridade pretendam prosseguimento de estudos para o ensino superior. 3 anos lectivos

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 5/2010

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 5/2010 ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 5/2010 Articulação entre o Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências e a frequência de Unidades de Formação de Curta Duração A. Enquadramento Tal como

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS

SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS Descrição sumária referente ao ano lectivo de 2004/05 Ministério da Educação GIASE 2 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO... 4 I EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR... 6 II ENSINO BÁSICO... 9 III ENSINO

Leia mais

Oferta Educativa no Ensino Secundário

Oferta Educativa no Ensino Secundário Oferta Educativa no Ensino Secundário G-Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) A-Cursos Científico- Humanísticos B-Cursos Profissionais F-Ensino Recorrente Ensino Secundário C-Cursos Artísticos

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006 O Plano Regional de Emprego, aprovado pela Resolução n.º 122/2003, de 9 de Outubro, visa, através de um conjunto de medidas estruturantes

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 14 26 de Julho de 2007 4785 Artigo 2.º Entrada em vigor O presente decreto -lei entra em vigor no 1.º dia do mês seguinte ao da sua publicação. Visto e aprovado em Conselho

Leia mais

NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Dança a e Canto Gregoriano

NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Dança a e Canto Gregoriano NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Domínio da Música, M Dança a e Canto Gregoriano Aprender Compensa DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO Equipa Multidisciplinar

Leia mais

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação O Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) é um estabelecimento de ensino superior dirigido preferencialmente às necessidades de todo o Setor Financeiro.

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO. Cursos Profissionais. Cursos Vocacionais

ENSINO SECUNDÁRIO. Cursos Profissionais. Cursos Vocacionais ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Científico Humanísticos Cursos do Ensino Artístico Especializado Cursos Profissionais Cursos com Planos Próprios Cursos Vocacionais Cursos de Aprendizagem (IEFP) Ensino Superior

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

Educação e Formação em Portugal

Educação e Formação em Portugal Educação e Formação em Portugal Título: Educação e Formação em Portugal Autor: Ministério da Educação Editor: Ministério da Educação Impressão: Editorial do Ministério da Educação Design gráfico: WM.Imagem

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Índice. Apresentação 2. Importância da Escolha 3. Sistema Educativo Português 8. 1. Ensino Não Qualificante 10. 1.1. Curso Científico-Humanístico 11

Índice. Apresentação 2. Importância da Escolha 3. Sistema Educativo Português 8. 1. Ensino Não Qualificante 10. 1.1. Curso Científico-Humanístico 11 Agora escolho eu! DOSSIER DE ORIENTAÇÃO DE TURMA Intervenção Vocacional no 9º Ano (3º Ciclo do Ensino Básico) Maio de 2009 Desenvolvido por: Diana Teixeira e Fátima Raquel Costa (Estagiárias do Serviço

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro 2006 a 2010 DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira Outubro de 2011 Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro ÍNDICE: 1. Enquadramento e apreciação dos resultados.. pág. 2 2. Estatísticas dos candidatos,

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS PREÂMBULO Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e as formações modulares destinam-se a suprir os défices de qualificação da população,

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 1. População escolar e língua de instrução Em 2006-2007, o número de jovens entre os 0 e os 29 anos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

CN CIRCULAR NORMATIVA

CN CIRCULAR NORMATIVA IEFP, I. P. CN CIRCULAR NORMATIVA CÓDIGO FC.10 REVISÃO DADOS DE REVOGAÇÃO DATA DE EMISSÃO N.º DOCUMENTO FL N.º DATA 2009-01-15 3/2009 1 / 2 ASSUNTO: FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL Programas e Medidas

Leia mais

CET. Desenvolvimento de Produtos Multimédia. Curso de Especialização Tecnológica ÁREA DE FORMAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL

CET. Desenvolvimento de Produtos Multimédia. Curso de Especialização Tecnológica ÁREA DE FORMAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL CET Curso de Especialização Tecnológica Desenvolvimento de Produtos Multimédia ÁREA DE FORMAÇÃO Ciências Informáticas IPCA PERFIL PROFISSIONAL Técnico de Desenvolvimento de Produtos Multimédia LOCAL DE

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais