Critérios de qualidade para Jogos Sérios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios de qualidade para Jogos Sérios"

Transcrição

1 Critérios de qualidade para Jogos Sérios Leandro Augusto Kisielewicz André Koscianski Resumo A popularização dos computadores fez emergir um conjunto de possibilidades de comunicação, que incluem adaptar jogos eletrônicos para a sala de aula. Essa linha de trabalho foi visionada há três ou quatro décadas e tornou-se um item recorrente na agenda atual de pesquisadores em ensino. Explorar as características engajantes e motivadoras dos jogos com a finalidade de estimular a aprendizagem dos estudantes é um rico assunto de pesquisa. Contudo, os jogos educacionais parecem não ter acompanhado os avanços tecnológicos dos jogos comerciais. Geralmente, softwares voltados para ensino são vistos como pouco interessantes e de baixa qualidade. Essas características parecem ameaçar a idéia de sua utilização, mas não necessariamente a invalidam. Para compreender melhor o problema, apresenta-se aqui uma visão geral sobre as pesquisas nesta área. Discutem-se jogos eletrônicos enquanto ferramentas de ensino para, em seguida, ponderar critérios para a criação e emprego de softwares desse tipo em sala de aula. Palavras-chave: jogos, educação, engajamento, motivação. Abstract Quality Criteria for Serious Game

2 The popularization of computers rise a set of possibilities of communication, that includes electronic games adapt to classroom. This line of work was envisioned three or four decades and has become a recurring item on current education researchers schedule. Explore the engaging and motivational features of games with the goal of stimulate the learning is a rich subject of research. However, the educational games seem not follow the technologies advances of the commercial games. Generally, educational-oriented software are seen as unattractive and low quality. These properties seem threaten the idea of their use, but not necessarily invalidate. To better understand the problem, this research presents an overview of research in this area. Games are discussed as a teaching tool to then consider criteria for the creation and use of such software in the classroom Keywords: games, education, engagement, motivation.

3 Introdução Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Manter os alunos engajados é, ou deveria ser, uma das principais metas dos professores. O engajamento é um fator crucial para que os alunos aprendam e retenham melhor (Vrasidas, 2004). Obter esse efeito, no entanto, parece tornar-se cada vez mais um desafio em função do cotidiano dos estudantes. Celulares, televisão, computadores e internet competem entre si, oferecendo conteúdos especialmente concebidos para atrair a atenção. Comparativamente, o professor precisa ter muita habilidade para manter o foco de uma classe frente ao antigo quadro de giz. As mudanças não são apenas cosméticas, como se poderia supor se o aluno atual fosse para a sala de aula esperando um show. Diversos estudos sinalizam modificações em relação à comunicação, hábitos de vida e na forma de pesquisar e trabalhar com informações: today s students think and process information fundamentally differently from their predecessors 1 (Prensky, 2001a) Essas modificações permitem aventar que, inexoravelmente, a escola irá incorporar tecnologias de informação e comunicação cada vez mais. Em países desenvolvidos a disponibilidade de recursos e a receptividade cultural podem facilitar esse processo (Badilla-Saxe, 2004). No Brasil subsiste ainda a discussão entre a possibilidade de sucesso contra os resultados efetivamente obtidos; e no caso de jogos eletrônicos é preciso estar ciente do fato que o custo de produção é uma barreira importante. Dessa forma, ainda são muito comuns as implementações que se limitam ao formato de questionário, acompanhado de ilustrações, cenários e trilhas sonoras visivelmente amadoras. Do ponto de vista de engenharia de software, um videogame é um produto bastante complexo. Torná-lo uma ferramenta educacional aumenta ainda mais as dificuldades. A partir do momento em que tais produtos sejam construídas buscando proximidade com o que se faz no mercado de entretenimento, podem-se obter jogos autênticos e não enfadonhos, como muitas vezes se observa. Além disso, se concebidos em bases epistemológicas corretas, os jogos podem funcionar como meio de aprendizagem alternativo (Isbister; Flanagan; Hash, 2010). predecessores. 1 Os estudantes hoje pensam e processam informação fundamentalmente diferente de seus

4 Outro fator a ser pesado é a relativa escassez de publicações que tratem simultaneamente dos aspectos computacionais e pedagógicos no desenvolvimento de jogos educacionais. Isto contribui para que erros sejam repetidos e acertos não estejam devidamente documentados para que possam ser empregados em novos projetos. O presente trabalho visa contribuir com este aspecto, elencando um conjunto mínimo de itens que devem nortear essa atividade. Por fim, também busca fornecer subsídios teóricos para um projeto de mestrado em andamento, para implementação de um jogo educacional para uma disciplina de graduação. Metodologia Para a realização desta pesquisa, foram considerados para análise artigos recentes, que tratassem do assunto da criação de jogos eletrônicos na educação. Essa varredura abordou tópicos relacionados ao tema, como concepção de interfaces e implementação de jogos computacionais. A intenção não foi realizar uma exaustiva revisão literária, mas sim, elencar aspectos relevantes sobre como o assunto tem sido tratado. Foram selecionados artigos que abordassem a criação dos jogos, enfocando a sua qualidade, apresentação, ergonomia e interface, juntamente com artigos tratando dos aspectos pedagógicos envolvidos. A partir daí efetuou-se uma seleção de tópicos para a sustentação das discussões a respeito da criação de jogos educacionais. As leituras evidenciaram pontos críticos a serem observados por desenvolvedores desses aplicativos. Essas informações são discutidas neste trabalho. A construção de Jogos Sérios A junção entre jogo e educação não é recente, mas a adição de tecnologia, de modo mais evidente, sim (Oblinger, 2004). Embora renomados pesquisadores como Papert já trabalhassem com a idéia há muito tempo, os custos e a própria limitação tecnológica da época restringia os trabalhos práticos. Os jogos representam uma forma de entretenimento universal, difundidos em diversas classes sociais e disponíveis para diversas faixas etárias (Brougère, 1995). Os videogames têm acompanhado a popularização do uso dos computadores e da Internet e se tornaram acessíveis a vários públicos. A indústria passou a realizar investimentos massivos em pesquisa e

5 desenvolvimento, a ponto das GPUs (unidades de processamento gráfico) oferecerem capacidade de processamento atrativa para aplicações sofisticadas de engenharia (Crow, 2004). A ampliação do mercado trouxe uma grande diversidade de formatos de jogos. Cada um pode atrair ou repelir diferentes tipos de jogadores. Títulos famosos que criam uma verdadeira legião de fãs não deixam de ser criticados ou completamente descartados por outros grupos. Isto deixa claro uma das peculiaridades sobre essas ferramentas: não se pode esperar que causem admiração de modo unânime. O que se pode fazer, é desenvolvê-los de forma a serem agradáveis para a maioria dos usuários de um determinado segmento (Bethke, 2003). A aplicação de computadores na educação foi largamente estudada por Papert (1980). Seus trabalhos apontaram estratégias em que os computadores e a forma como interagimos com eles permitem criar situações prazerosas de descobrimento e construção de conhecimento. Os micromundos, um dos conceitos importantes explorados por Papert, podem desempenhar importante papel no aprendizado e na formação de conhecimento (Rieder e Brancher, 2002). Explorar jogos para finalidades diferentes do simples entretenimento levou ao surgimento do conceito de Serious Games, ou Jogos Sérios (Muratet et al., 2009). Um exemplo de Jogo Sério bem sucedido é o Americans' Army, um dos títulos mais jogados no mundo. O mesmo foi disponibilizado pelo exército americano com a finalidade de atrair recrutas e aproximar os jogadores da realidade do exército (Nieborg, 2004). Títulos educacionais constituem um subgrupo dos Jogos Sérios, construídos simultaneamente com objetivo de entretenimento e objetivos educacionais. Esses aplicativos tendem a tornar o aprendizado mais fácil, agradável e interessante (Rosas, 2003; Papastergiou, 2009). Outro subgrupo relevante e estudado recentemente é chamado de jogos epistêmicos (Shaffer; Gee, 2006). Estes jogos simulam situações encontradas em profissões ou em atividades específicas. Eles podem ser usados, por exemplo, no ensino baseado em problemas. Esse tipo de projeto instrucional (instructional design) é adaptado à formação atual esperada pelo mercado de trabalho (Ward 2002). Essa capacidade de simulação é intrínseca a muitos jogos (Wilson, 2008), o que pode se explicar pela maneira como funcionam internamente. Ela permite replicar situações ou problemas que ocorrem em ambientes profissionais e que devem ser resolvidos pelos jogadores (Ribeiro; Galera, 2009); um exemplo relevante nessa linha é o desafio Sebrae (Lacruz, 2004). O caráter dinâmico e adaptativo de uma simulação dificilmente poderia ser igualado por material estático como um texto tradicional.

6 Um contraponto para a utilização dos jogos, é que nem todos eles atingem seus objetivos. Alguns não tem sucesso como meio de entretenimento, não causando o engajamento ou apresentando uma qualidade inferior à expectativa dos usuários, a ponto de não conseguir despertar o interesse. Outros não atingem seus objetivos pedagógicos, não contribuindo para o aprendizado do jogador ou apresentando uma pequena contribuição, não justificando seu uso. Para tentar reduzir a chance de falha e aumentar a chance de sucesso de um jogo é necessário seguir alguns critérios de qualidade em todo o processo de desenvolvimento. Critérios de Qualidade Determinar quais as características dos Jogos Eletrônicos levam ao sucesso ou ao fracasso é uma tarefa quase tão difícil quanto seu desenvolvimento. Temos exemplos de jogos menos elaborados e que alcançam suas metas quanto a motivação e engajamento, sem uma qualidade gráfica ou sonora comparável aos demais jogos disponíveis comercialmente (Papastergiou, 2009), assim como há jogos de extrema qualidade, no que concerne a gráficos, sons, cenários, mas que são entediantes e com pouco poder de divertir os jogadores (Bethke 2003). O que faz alguns falharem e outros obterem sucesso ainda não está claro. Apesar da popularização dos jogos eletrônicos, as publicações a respeito do seu desenvolvimento são comparativamente limitadas, principalmente em jogos eletrônicos voltados para a educação. Os trabalhos tendem a focar mais no valor do uso de jogos na educação do que em seu projeto (Isbister; Flanagan; Hash, 2010). Comumente identificam-se indícios do que se deve realizar, mas são raras as metodologias para o desenvolvimento. E como em qualquer outro caso, a escassez de publicações a respeito causa uma repetição de erros em vários projetos. Em resumo, as metodologias para a criação de jogos educacionais ainda não são claras e constituem um tema interessante de pesquisa. É a partir das considerações geais de trabalhos nessa área que este trabalho fundamenta alguns cuidados na concepção desses softwares. Um dos primeiros aspectos a frisar é a importância do time de desenvolvimento e, em decorrência, do custo do produto. Todo o processo envolve profissionais de diversas áreas, de acordo com os objetivos (Johnson; Schleyer, 2003). Vale lembrar que a indústria de jogos equipara-se atualmente à de cinema. Os títulos de maior sucesso contam com orçamentos milionários. Alcançar uma qualidade similar a partir de uma abordagem amadora, ou de garagem conforme o jargão de Informática, parece um objetivo utópico.

7 O próximo item a ser ponderado é o ciclo de vida do produto. As técnicas de engenharia de software são adaptáveis a qualquer área de aplicação, respondendo em grande parte pelo sucesso ou fracasso de um produto (Pressman, 2001). Projetos pequenos podem se beneficiar de técnicas de menor custo de desenvolvimento, como XP ou SCRUM (Koscianski e Soares, 2006). Durante a concepção do software um ponto muito delicado é o balanceamento entre conteúdo e diversão. Frequentemente jogos com um maior grau de entretenimento apresentamse não tão efetivos em seus objetivos educativos e vice-versa (Hayes, 2008). Ao deixar o conhecimento em segundo plano, ou tratá-lo inadequadamente, certos produtos apresentam desde falhas de ergonomia até a veiculação de informações erradas. Inversamente, há casos onde a ênfase em volume de conteúdo deixa em segundo plano o potencial do jogo, sendo comum encontrá-lo reduzido a um questionário eletrônico. Isbister, Flanagan e Hash (2010) enumeram uma lista de considerações sobre o projeto de jogos. Três itens merecem um cuidado especial. Primeiro, o jogo precisa ser divertido, um requisito não funcional que deve fazer parte do projeto (Pluies, 2004). Segundo, o jogo precisa atender a critérios de qualidade; erros ou descuidos com os processos de engenharia de software podem por em risco o projeto ou os resultados. Um exemplo é a ergonomia, que deve garantir desde uma interface agradável até o controle do software pelo usuário (Röcker, Haar 2006). O terceiro considerado, é que o ato de jogar em si já deve ser considerado uma aprendizagem. Nesse sentido, alguns pesquisadores encaram o entretenimento do jogo educacional como um componente tão importante quanto o conteúdo. (Prensky, 2001b; Bellotti et all., 2009). O desenrolar do jogo deve ser tal que o usuário se sinta completamente imerso na atividade. A motivação é uma peça-chave para que o estudante esteja engajado em todo o processo de ensino e aprendizagem (Guillaume, Jouvelot, 2005). A dificuldade do jogo deve ser tal que o usuário não seja nem frustrado, nem termine por perder o interesse frente a objetivos muito fáceis (Csikszentmihályi, 1990). Em virtude disso, o nível de dificuldade de um jogo deve ser configurado com muita precisão (Bethke, 2003), garantindo que o usuário se sinta desafiado:

8 ... watching kids work at mastering games confirms what I know from my own experience: learning is essentially hard; it happens best when one is deeply engaged in hard and challenging activities 2 (Papert, 1998). Se o conteúdo a ser aprendido estiver completamente associado ao mecanismo do jogo, isto é, dentro da forma e das regras do ato de jogar, a informação poderá ser absorvida naturalmente, sem ser explicitada como um objetivo imposto. Essa sensação de continuidade de objetivos é um fator importante para garantir a imersão do usuário na atividade (Csikszentmihályi, 1990). Para buscar garantir uma combinação eficaz entre divertimento e aprendizado, é preciso então projetar o que se poderia chamar de estrutura pedagógica do software. Simplesmente inserir conteúdos em jogos sem um cuidado com o projeto instrucional, seria tão insensato quanto não dar importância às técnicas e critérios consagrados de engenharia de software. Uma das pistas para tratar essa questão é fazer um mapeamento entre conteúdos pedagógicos e elementos de jogos, tais como estilos, regras e objetivos; a partir daí deriva-se um conjunto de cenários potenciais para posterior refinamento e implementação (Koscianski, 2010). A necessidade de uma teoria de aprendizagem Fazer com que os alunos joguem pela diversão, tendo o aprendizado como uma consequência, exige cuidados com relação a como o processo será concretizado. Um embasamento correto quanto ao processo de ensino-aprendizado é imprescindível tanto para construir o software, como para integrá-lo de maneira harmônica ao trabalho em sala de aula. A interface do software é seu componente mais visível e, no caso de um produto educacional, talvez o mais delicado. Ao projetá-la deve-se ter em mente um projeto instrucional, avaliando-o com o mesmo cuidado com que se aplica a uma aula tradicional. Modelos como o de Robert Gagné podem servir para embasar critérios para organizar a sequência de atividades e as interações a serem programadas (Blunt, 2006). 2...observando crianças se esforçando para dominar jogos confirma o que sei de minha própria experiência: o aprendizado é essencialmente difícil; ele acontece melhor quando alguém está profundamente engajado em atividades difíceis e desafiadoras.

9 A construção interna do jogo, no que se refere à bases de dados e navegação pelos conteúdos, deve se pautar por uma teoria de ensino-aprendizagem. Essa organização mais interna do produto deve manter a coerência com o projeto instrucional da interface. Dentro da infinidade de jogos educacionais existentes é possível encontrar diversas abordagens, como a construtivista ou a construcionista (Dondlinger, 2007; Wilson, 2008). Como o universo dos jogos abre a possibilidade de criar regras livremente, o desenvolvedor de um produto educational tem margem para opções como o jogo individual, a disputa entre duas ou mais pessoas ou ainda a aprendizagem cooperativa (Ke, 2006). Evidentemente tais hipóteses devem ser ponderadas simultaneamente em função da diversão que podem proporcionar e da adequabilidade em relação às estratégias de ensino selecionadas. Como exemplo para discutir a relação entre o software e sua aplicação pedagógica, podese considerar a teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel (Ausubel, 2000). Conforme a descrição de Moreira (2008), a aprendizagem ocorre quando um novo conhecimento é relacionado aos conhecimentos já adquiridos previamente. Esse princípio pode ser utilizado para organizar a disposição de conteúdos no software. Aprender significativamente se traduz em interiorizar o conhecimento relacionando-o a um ou mais conhecimentos prévios. Jogos são apontados como possíveis instrumentos de aprendizagem significativa (Rosas et all, 2003). Mas para que se adaptem corretamente a um trabalho dentro da ótica de Ausubel, não basta fazer que os contúdos respeitem uma dada sequência de apresentação. É preciso avaliar o público-alvo a que se destina o jogo e tomar decisões sobre os conhecimentos mínimos que os estudantes devem ter, para que o produto cumpra os objetivos. A proximidade entre jogos e simuladores auxilia a reificar conceitos abstratos (Koscianski, 2010). Nesse sentido, as metáforas usadas por jogos podem servir como organizadores prévios para o material examinado posteriormente em sala. Aproveitar características naturais dos jogos como o aumento gradativo da dificuldade em dominar seus desafios, alinhando isto à necessidade de aprendizagem de conteúdos ou conceitos mais complexos, também pode criar uma experiência de jogo mais condizente com a realidade encontrada pelos jogadores em jogos não educacionais.

10 Conclusões Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Trabalhar com jogos eletrônicos na educação não é uma tarefa simples e exige muitos recursos. Ainda parece distante o objetivo de obter-se uma metodologia a fim de integrar diversão e educação de uma maneira que se possa chamar de correta. No entanto, diversas considerações norteadoras apontam para uma convergência dos pesquisadores em torno dos requisitos para implementar um software desse tipo. O jogo deve ser tanto divertido quanto educacional. Ambas as características são necessárias para o efeito desejado de engajamento no aprendizado. Se ele não for divertido, não fará com que o jogador fique engajado e se não for educacional, não o fará aprender. Deve-se ter em mente que a construção de Jogos Sérios demanda recursos tecnológicos e financeiros. O desenvolvimento necessita de profissionais de diversas áreas e de materiais adequados para atingir um nível de qualidade de acordo com a expectativa do público-alvo. É importante lembrar que, geralmente, este público vêm crescendo diante de jogos das grandes produtoras, que são tomados como base para avaliação dos jogos educacionais. Assim sendo, um título educativo com um mínimo de ambição deve prever, por exemplo, investimentos com equipes de artistas gráficos e músicos e não dar margem a improvisações. O aprendizado deve ser implícito tanto quanto possível; o fundamento de um jogo eletrônico não é exatamente compatível com a ideia de uma apostila digital. Ao contrário, o software tem por princípio o divertimento. Alinhar a isto os objetivos educacionais permite que o estudante jogue por prazer e não tenha a percepção de conteúdos pedagógicos como elementos estranhos à essa atividade. Determinar em que medida essa mescla é possível e, em particular, como pode ser sistematizada, são perguntas que permanecem em aberto. Finalmente, a adoção de uma Teoria de Aprendizagem para embasar a construção de os jogos educacionais é imprescindível. Ela não apenas evitará erros na elaboração de material que veiculará conteúdo, como textos e gráficos, mas fornecerá subsídio para organizar toda a interface do software, passando pelas regras do jogo até a sequência de atividades oferecida ao usuário. Agradecimento Os autores agradecem à Fundação Araucária do Paraná pelo suporte financeiro ao projeto.

11 Referências Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR AUSUBEL, David P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma Perspectiva Cognitiva. Plátano Edições Técnicas. Lisboa, BADILLA-SAXE, E. Subversive Change: Empowering Educators to Lead Innovation from Within. Journal of Systemics, Cybernetics and Informatics, vol. 2, n. 2, BETHKE, E., Game Development and Production, Wordware Publishing, Inc., BELLOTTI, F.; BERTA, R.; GLORIA, A. D.; PRIMAVERA, L. Enhancing the educational value of video games. Comput. Entertain., v. 7, n. 2, p doi: / , BLUNT, R. D. A causal-comparative exploration of the relationship between game-based learning and academic achievement: teaching management with video games. Tese de Doutorado. Walden University. USA BROUGÈRE, G. Jeu et éducation. Paris: L'Harmattan, CROW, T. S. Evolution of the Graphical Processing Unit. Dissertação de Mestrado. University of Nevada, USA, (http://www.cse.unr.edu/~fredh/papers/thesis/023-crow/gpufinal.pdf). CSIKSZENTMIHÁLYI, M. Flow: the psychology of optimal experience. 1 ed. New York: Harper Perennial GUILLAUME, D. JOUVELOT, P. Motivation Driven Educational Game Design: Applying Best Practices to Music Education. Advances in Computer Entertainment Technology (ACE), Valencia, Espanha DONDLINGEr, M. J. Educational Video Game Design: A Review of the Literature. Journal of Applied Educational Technology. Vol 4., Num. 1, HAYES, E. Game content creation and it proficiency: An exploratory study. Computers & Education, v. 51, n. 1, p doi: /j.compedu , ISBISTER, K.; FLANAGAN, M.; HASH, C. Designing games for learning: insights from conversations with designers. In: Anais.... p Atlanta, Georgia, USA: ACM. doi: / , KE, F. Classroom goal structures for educational math game application. In: Proceedings of the 7th international conference on Learning sciences. Bloomington, Indiana KOSCIANSKI, A., & Soares, M. Qualidade de Software. São Paulo.: Editora Novatec

12 KOSCIANSKI, A. Changing the rules: injecting content into computer games. In: Francisco V. C. Ficarra. (Org.). Quality and Communicability for Interactive Hypermedia Systems: Concepts and Practices for Design. Hershey, Pennsylvania, USA: IGI Global, 2010, v., p LACRUZ, A. Jogos de Empresas: considerações teóricas. Caderno de pesquisa em Administração FEA USP, vol. 11, n. 4, MASINI, E. F. S.; Moreira, M. A. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. VETOR, MURATET, M.; TORGUET, P.; JESSEL, J.; VIALLET, F. Towards a serious game to help students learn computer programming. Int. J. Comput. Games Technol., v. 2009, p. 1-12, NIEBORG, David B. America's Army: more than a game. Transforming knowledge into action through gaming and simulation. Ed. & Thomas Eberle Willy Christian Kriz. München: ISAGA (International Simulation & Gaming Association) Conference Proceedings, OBLINGER, D. The next generation of educational engagement. Journal of Interactive Media in Education, v. 8, p. 1 18, PAPASTERGIOU, M. Digital Game-Based Learning in high school Computer Science education: Impact on educational effectiveness and student motivation. Comput. Educ., v. 52, n. 1, p. 1-12, PAPERT, S. Mindstorms: children, computers, and powerful ideas. Basic Books, Inc. New York, USA, (http://portal.acm.org/citation.cfm?id= ) PAPERT, S Does Easy Do It? Children, Games, and Learning. Game Developer Magazine, June PLUIES, J. L. Jeu, TIC et apprentissage. Dissertação de Mestrado. Université de Paris 3 Sorbonne Nouvelle PRENSKY, M. Digital Natives, Digital Immigrants. NCB University Press, vol. 9, n. 5, 2001a. PRENSKY, M. Digital Game-Based Learning. McGraw-Hill. 2001b. PRESSMAN, R. S. Software Engineering: A Practitioner's Approach (6 ed.): McGraw-Hill RIBEIRO, R. J.; GALERA, J. M. B. I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia In: Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, RIEDEr, R.; Brancher, J.D. Development of a micro world for the education of the Fundamental Mathematics, using OpenGL and Delphi. In: Conferencia Latinoamericana de Informática, 28.,

13 2002, Montevideo, Uruguay. Actas do X Congreso Iberoamericano de Educación Superior en Computación. Montevideo: infouyclei, p RÖCKER, C. and Haar, M., Exploring the usability of video game heuristics for pervasive game development in smart home environments. In Proceedings of the Third International Workshop on Pervasive Gaming Applications - PerGames 2006, pages , Dublin, Ireland, ROSAS, R., NUSSBAUMB, M., CUMSILLEA, P., MARIANOVB, V., CORREA, M., FLORESA, P., GRAUA, V., LAGOSA, F., LOPEZA, X., LOPEZA, V., RODRIGUEZ, P., SALINAS, M.. Beyond Nintendo: design and assessment of educational video games for first and second grade students. Computers & Education 40. pp SHAFFER, D. W.; GEE, J. P. How Computer Games Help Children Learn. Palgrave Macmillan, VRASIDAS, C. Issues of pedagogy and design in e-learning systems. In: Anais.... p Nicosia, Cyprus: ACM. doi: / , WARD, J. D. A REVIEW OF PROBLEM-BASED LEARNING. Journal of Family and Consumer Sciences Education, vol. 20, n. 1, WILSON, K. A., BEDWELL, W. L., LAZZARA, E. H., SALAS, E., BURKE, C. S., ESTOCK, J. L., ORVIS, K. L., CONKEY, C. Relationships Between Game Attributes and Learning Outcomes. Review and Research Proposals. Simulation & Gaming. Vol. 20, N

A implementação de Jogos de Computador Educacionais: uma visão geral.

A implementação de Jogos de Computador Educacionais: uma visão geral. A implementação de Jogos de Computador Educacionais: uma visão geral. Leandro Augusto Kisielewicz André Koscianski Resumo O espectro de possibilidades para relacionar a sala de aula com tecnologias de

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

O uso do computador na escola sob o olhar de Valente

O uso do computador na escola sob o olhar de Valente O uso do computador na escola sob o olhar de Valente The role of computer use at school through the vision of Valente Carlos Alessandro Barbosa carlosalessandrob@gmail.com Instituto de Ensino Superior

Leia mais

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra SEYMOUR PAPERT Vida e Obra Eva Firme Joana Alves Núria Costa 1 de Março de 1928 -EUA Activista - movimento anti-apartheid 1954-1958 - Universidade de Cambridge (matemática). 1958-1963 - Centro de Epistemologia

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE João Fukusawa 1, Andreia Carniello 2, Adriana Carniello 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade.

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade. O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BASEADO EM JOGOS * Cristiano da Silveira Colombo Instituto Federal do Espírito Santo RESUMO: As dificuldades encontradas por alunos no processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO Mércia Cardoso da Costa Guimarães 1, Henrique Oliveira da Silva 2 1 Instituto Federal de Pernambuco

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 GT2 O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Renato Fares Khalil Marco Aurélio Bossetto José Fontebasso Neto.br Orientadora: Profa. Dra. Irene Jeanete Lemos

Leia mais

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento Patrícia B. Scherer Bassani 1 (FEEVALE) Elias Wallauer 2 (FEEVALE) Lovani

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS TIC Y EDUCACIÓN A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS Vanessa de Fátima Silva Moura 1 Teresinha de Jesus Nogueira 2 Sibelle Gomes Lima 3 Maria Fernanda

Leia mais

PROJETO VIDA: O USO DA LUDICIDADE NA INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS

PROJETO VIDA: O USO DA LUDICIDADE NA INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS PROJETO VIDA: O USO DA LUDICIDADE NA INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS L. do P. Cordoba*, J. H. Ribas* e S. de Almeida* *Departamento de Informática/UTFPR, Ponta Grossa,Brasil e-mail: laysecordoba@hotmail.com

Leia mais

A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar

A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar Tatiana Medeiros Cardoso Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de Maio, 141 95.520-000 Osório RS Brasil tati.info@gmail.com

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Cristina Novikoff c_novikoff@yahoo.com.br UNIGRANRIO Natália Xavier Pereira nxpereira@hotmail.com UNIGRANRIO Resumo:O uso da tecnologia

Leia mais

3 Jogos Sérios e Educação O avanço tecnológico tem transformado e contribuído para a melhoria da prestação de serviço em diversas áreas. No contexto educacional, novos sistemas e equipamentos têm sido

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Victor Vidigal Ribeiro Guilherme Horta Travassos {vidigal, ght}@cos.ufrj.br Agenda Introdução Resultados da revisão Corpo

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO: UMA FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ABSTRACT

SOFTWARE EDUCATIVO: UMA FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ABSTRACT SOFTWARE EDUCATIVO: UMA FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL SANTOS, BRUNA MARTINS RIBEIRO DOS 1 DIAS, NATÁLIA CRISTINA 2 CASTILHO, Otávia Vieira Rodrigues de 3 ALVES, SABRINA

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância Short paper Autores: Luciano Lessa Lorenzoni - Apresentador luciano@faesa.br 27-3279152 Denise Frazotti Togneri togneri@zaz.com.br

Leia mais

Departamento de Ciências da Educação

Departamento de Ciências da Educação Departamento de Ciências da Educação 2010/2011 1º ciclo em Ciências da Educação Tecnologia e Inovação na Educação 1º ano 2º Semestre 7,5 ECTS Docente: Mestre Fernando Correia fcorreia@uma.pt Coordenador:

Leia mais

APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE

APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE INTRODUÇÃO Gabriel Coutinho Gonçalves Faculdade Nordeste FANOR DeVry Brasil gabrielcoutinhoo@hotmail.com Thalita Rachel Dantas

Leia mais

Facebook utilizado como um Objeto de aprendizagem para ajudar os estudantes do Instituto Federal do Paraná, no formato de educação a distância.

Facebook utilizado como um Objeto de aprendizagem para ajudar os estudantes do Instituto Federal do Paraná, no formato de educação a distância. 1 Facebook utilizado como um Objeto de aprendizagem para ajudar os estudantes do Instituto Federal do Paraná, no formato de educação a distância. Outubro/ 2014 Carmem Lúcia Graboski da Gama Instituto Federal

Leia mais

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO Danilo Abreu SANTOS, Wannyemberg K. da S. DANTAS, Adriano Araújo DOS SANTOS Departamento de Computação,

Leia mais

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade *

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Rodrigo Pereira dos Santos 1, Heitor Augustus Xavier Costa

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA Renato dos Santos Diniz renatomatematica@hotmail.com Adelmo de Andrade Carneiro adelmomatematico@yahoo.com.br Wesklemyr Lacerda wesklemyr@hotmail.com Abigail

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Erica Soares - esoares@sc.usp.br Angela Rossi angelars@sc.usp.br Cláudio G. Tavares guilherm@sc.usp.br

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

A Tecnologia e a Educação (*)

A Tecnologia e a Educação (*) A Tecnologia e a Educação (*) Eduardo O C Chaves I. A Tecnologia Há muitas formas de compreender a tecnologia. Para alguns ela é fruto do conhecimento científico especializado. É, porém, preferível compreendê-la

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

A APLICABILIDADE DE UM JOGO ELETRÔNICO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A APLICABILIDADE DE UM JOGO ELETRÔNICO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A APLICABILIDADE DE UM JOGO ELETRÔNICO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL LUCIANA FERREIRA BAPTISTA Fatec Jundiaí. Núcleo de Estudos de Tecnologia e Sociedade (NETS). prof.luciana@fatecjd.edu.br GUILHERME DIOGO GESUALDO

Leia mais

Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva

Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva Fernando Chade De Grande e-mail: tiensdesenhos@hotmail.com João Fernando Tobgyal da Silva Santos e-mail: fernandotobgyal@faac.unesp.br

Leia mais

JOGO SÉRIO COLABORATIVO PARA O ENSINO DA PROGRAMAÇÃO A CRIANÇAS

JOGO SÉRIO COLABORATIVO PARA O ENSINO DA PROGRAMAÇÃO A CRIANÇAS JOGO SÉRIO COLABORATIVO PARA O ENSINO DA PROGRAMAÇÃO A CRIANÇAS Admilo Ribeiro, António Coelho, Ademar Aguiar Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto admilo.ribeiro@fe.up.pt;

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Produção musical para jogos eletrônicos

Produção musical para jogos eletrônicos Produção musical para jogos eletrônicos 1 1. Descrição do curso! 3 2. Objetivos de aprendizado! 4 3. Duração e metodologia! 5 4. Conteúdo! 6 5. Avaliação! 9 6. Investimento! 10 2 1. Descrição do curso

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

ALGORHYTHM, UM JOGO PROGRAMADO PARA ENSINAR A PROGRAMAR

ALGORHYTHM, UM JOGO PROGRAMADO PARA ENSINAR A PROGRAMAR ALGORHYTHM, UM JOGO PROGRAMADO PARA ENSINAR A PROGRAMAR Alan Antonio Pereira alan.pereira@inf.aedb.br Tatyanne Freire Duarte de Oliveira tatyanne.oliveira@inf.aedb.br Wilson de Oliveira Junior wilson.junior@inf.aedb.br

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia.

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Autor 1 * Autor 2 ** Resumo: Neste artigo vamos apresentar o relato de uma proposta de trabalho desenvolvida na escola básica

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Revista Fafibe On Line n.3 ago. 2007 ISSN 1808-6993 www.fafibe.br/revistaonline Faculdades Integradas Fafibe Bebedouro SP

Revista Fafibe On Line n.3 ago. 2007 ISSN 1808-6993 www.fafibe.br/revistaonline Faculdades Integradas Fafibe Bebedouro SP O plano de aula sob a ótica dos profissionais de Educação Física no ensino não-formal (The class plan under the professionals of Physical Education optics in the formal teaching) Andreia Cristina Metzner

Leia mais

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

Análise do processo de avaliação contínua em um curso totalmente à distância

Análise do processo de avaliação contínua em um curso totalmente à distância Análise do processo de avaliação contínua em um curso totalmente à distância Joice Lee Otsuka Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) 1 Caixa Postal 6176 CEP: 13083-970 - Campinas,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS ELETRÔNICOS NA MUSICALIZAÇÃO DE CRIANÇAS

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS ELETRÔNICOS NA MUSICALIZAÇÃO DE CRIANÇAS A UTILIZAÇÃO DE JOGOS ELETRÔNICOS NA MUSICALIZAÇÃO DE CRIANÇAS Marcus J. Vieira marcus.musico@bol.com.br Fábio P. Furlanete ffurlanete@nics.unicamp.br Universidade Estadual de Londrina Resumo Este artigo

Leia mais

O USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DE ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DE ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 65 O USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DE ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA THE USE OF GAMES HOW FINANCIAL MATHEMATICS TEACHING TOOL Odair José Pin, Ana Paula Brandão de Melo, Roger Gomes Soares da Silva, Eugenia

Leia mais

USO DO SIMULADOR DE VOO DE BAIXO CUSTO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM DE NAVEGAÇÃO AÉREA E TEORIA DE VOO

USO DO SIMULADOR DE VOO DE BAIXO CUSTO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM DE NAVEGAÇÃO AÉREA E TEORIA DE VOO USO DO SIMULADOR DE VOO DE BAIXO CUSTO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM DE NAVEGAÇÃO AÉREA E TEORIA DE VOO Autoria: Alisson Coelho Garcias - Escola Superior de Aviação Civil (ESAC) Marcos Andrade Junior

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

VIDEO GAMES E ENSINO DE FÍSICA: EXPLORANDO POSSIBILIDADES E INOVAÇÕES DIDÁTICAS

VIDEO GAMES E ENSINO DE FÍSICA: EXPLORANDO POSSIBILIDADES E INOVAÇÕES DIDÁTICAS VIDEO GAMES E ENSINO DE FÍSICA: EXPLORANDO POSSIBILIDADES E INOVAÇÕES DIDÁTICAS Oaní da Silva da COSTA, UNESP i Eugenio Maria de França RAMOS, UNESP ii Eixo 02: Formação continuada e desenvolvimento profissional

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development?

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Emerson Murphy-Hill Thomas Zimmermann and Nachiappan Nagappan Guilherme H. Assis Abstract

Leia mais

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA.

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. Caroline Kavan Bueno (PIBIC/FA), Ronaldo Schiaber, João Coelho Neto (Orientador), e-mail: carolinekavan@hotmail.com.

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem André R. Moreira¹, Paulo H. Tirabassi², Vinicius R. Dogo³,4 ¹Técnico em Administração, Escola Técnica Estadual Sales

Leia mais

Avaliação de Softwares Educacionais para o Ensino Fundamental no Auxílio do Processo de Ensino- Aprendizagem

Avaliação de Softwares Educacionais para o Ensino Fundamental no Auxílio do Processo de Ensino- Aprendizagem Avaliação de Softwares Educacionais para o Ensino Fundamental no Auxílio do Processo de Ensino- Aprendizagem Marcio G. de Lucena Silva 1, Hannah Sabaini 1,André Luís Andrade Menolli 1, Christian James

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

Aplicação de extremme Programming em ambiente acadêmico: o caso do projeto de formatura

Aplicação de extremme Programming em ambiente acadêmico: o caso do projeto de formatura IV Workshop de Desenvolvimento Rápido de Aplicações (WDRA 2010) Aplicação de extremme Programming em ambiente acadêmico: o caso do projeto de formatura Nathalia Sautchuk Patrício Leandro Coletto Biazon

Leia mais

As novas tecnologias e o ensino-aprendizagem New technologies in teaching and learning

As novas tecnologias e o ensino-aprendizagem New technologies in teaching and learning As novas tecnologias e o ensino-aprendizagem New technologies in teaching and learning Eliane Vigneron Barreto Aguiar * Este artigo tem por objetivo analisar as modificações que se fazem necessárias em

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS Berta Bemhaja, Elizabeth Ashall, Inês Tavares, Sara Barroca, Zara Baltazar Escola Secundária, com 3º ciclo,

Leia mais

Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO

Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO rangelrigo@gmail.com, apaula@inf.ufg.br Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás (UFG)

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

Necessidades específicas do design de jogos educacionais

Necessidades específicas do design de jogos educacionais Necessidades específicas do design de jogos educacionais Gabriela T. Perry* Maria I. Timm** Filipe G. Silvestrim*** Fernando Schnaid**** * Universidade Federal do Rio Grande do Sul, PPGIE - Programa de

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES. Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora

UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES. Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO HÍBRIDA PARA SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES Andréa Aparecida Konzen andrea@polaris.unisc.br Autora Rejane Frozza frozza@dinf.unisc.br Orientadora UNISC Universidade de Santa Cruz

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO Roberto Leal Lobo e Silva Filho A organização do ensino de uma disciplina específica dentro de um currículo de graduação vai depender,

Leia mais

O USO DO TESTE STACK NO ENSINO B-LEARNING

O USO DO TESTE STACK NO ENSINO B-LEARNING O USO DO TESTE STACK NO ENSINO B-LEARNING Cristina M.R. Caridade Instituto Superior de Engenharia de Coimbra caridade@isec.pt Maria do Céu Faulhaber Instituto Superior de Engenharia de Coimbra amorim@isec.pt

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010 1 A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Brasília DF Maio 2010 Daniela Zinn S. Gonçalves - NT Educação - daniela.goncalves@grupont.com.br

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado UAb Session on Institutional Change Students and Teachers Lina Morgado Lina Morgado l SUMMARY 1 1. Pedagogical Model : Innovation Change 2. The context of teachers training program at UAb.pt 3. The teachers

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS.

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Flávio de Paula Soares Carvalho. (UNIPAM E-mail: flavioscarvalho@unipam.edu.br)

Leia mais

CONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA APLICAÇÃO NO ENSINO DE TERMOQUÍMICA E QUÍMICA ORGÂNICA.

CONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA APLICAÇÃO NO ENSINO DE TERMOQUÍMICA E QUÍMICA ORGÂNICA. CONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA APLICAÇÃO NO ENSINO DE TERMOQUÍMICA E QUÍMICA ORGÂNICA. Hawbertt R. Costa, Natália C. Martins, Adilson L. P. Silva 1 e Joacy B. Lima 1* * E-mail

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS Aline Ferraz da Silva 1 Carine Bueira Loureiro 2 Resumo: Este artigo trata do projeto de Trabalho

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

OFICINA : Escolha e Avaliação de Materiais Didáticos Digitais em contexto de uso

OFICINA : Escolha e Avaliação de Materiais Didáticos Digitais em contexto de uso OFICINA : Escolha e Avaliação de Materiais Didáticos Digitais em contexto de uso AUTORA Katia Alexandra de Godoi SOFTWARE(S) SUGERIDOS PARA EXPLORAÇÃO E ANÁLISE Softwares disponíveis no netbook; Objetos

Leia mais

Desenvolvimento do Jogo Poder e Decisão criado na Produtora de Jogos da Universidade Positivo para o seu curso de Direito

Desenvolvimento do Jogo Poder e Decisão criado na Produtora de Jogos da Universidade Positivo para o seu curso de Direito 1 Desenvolvimento do Jogo Poder e Decisão criado na Produtora de Jogos da Universidade Positivo para o seu curso de Direito Curitiba PR Maio 2014 Rafael Baptistella Luiz Centro Tecnológico da Universidade

Leia mais

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação Marcos A. Betemps 1, Vitor B. Manzke 1, Vera L. Bobrowski 1,2, Rogério A. Freitag 1,3, Cristiano da S. Buss 1 1 Núcleo

Leia mais