Interfaces Modem-ETD. RS-232c ou V.24 V.36/V.11 RS-449/RS-422a RS-449/RS-423a V.35 G.703 V.35 V.36 MAB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interfaces Modem-ETD. RS-232c ou V.24 V.36/V.11 RS-449/RS-422a RS-449/RS-423a V.35 G.703 V.35 V.36 MAB-510 48"

Transcrição

1 Interfaces Modem-ETD RS-232c ou V.24 V.36/V.11 RS-449/RS-422a RS-449/RS-423a V.35 G.703 V.35 V.36 MODEM MODEM MAB

2 Controle de Recepção e Transmissão Transmissão (request to send) RTS (clear to send) CTS Tx Data em resposta a RTS, modem ativa CTS, após colocar portadora na linha e aguardar atraso padrão queda de RTS, provoca retirada da portadora e queda de CTS dados válidos durante o intervalo em que CTS e RTS estão ativos Recepção (carrier detected) CD Rx Data MAB

3 Interface Modem - ETD RS-232c ou V.24 Sinais mais comuns (25 pinos) TX, RX, RTS, CTS, DSR (Data Set Ready), CD, DTR (Data Terminal Ready),CR (common return), PG (protective ground) Sinais para canal secundário Clocks TX e RX para operação síncrona Tx não balanceada: 1 fio por sinal e terra comum Bit 1: -25V < voltagem < -3V, normal -12V Bit 0: +4V < voltagem < +25V, normal +12V Taxa, distância máxima: 20 kbps, 15 m MAB

4 Interface Modem - ETD RS-232 ou V.24 Todos os sinais de controle são ativos em 0 Utiliza o conector DB-25 conector fêmea vista frontal MAB

5 Interface Modem - ETD RS-449 Interfaces elétricas RS-423a Compatível com RS-232c (transmissão não balanceada) Permite distâncias maiores que RS-232c RS-422a ou V.11 Transmissão balanceada: 2 fios para cada sinal 2 Mbps, 60 m Sinais para teste local e remoto 37 pinos + 9 pinos para canal secundário RS-449/RS-422a (EUA) equivalente a V.36/V.11 (Europa) MAB

6 Interface Modem - ETD RS-449 Utiliza conector DB-37 RS-422a usa também conector DB-9 para o canal secundário (pouco usado) fabricantes podem usar DB-25 (mais compacto) com conversor DB-25 para DB-37 conector fêmea vista frontal MAB

7 Interface Modem - ETD RS-423a Não balanceado, compatível com RS-232c linha Taxa / distância máxima (fio AWG 24) 100 kbps - 13 metros 50 kbps - 23 metros 20 kbps - 66 metros 10 kbps metros < 1 kbps metros MAB

8 Interface Modem - ETD RS-422a ou V.11 Transmissão balanceada : 2 fios por sinal linha A B Taxa / distância máxima (fio AWG 24) 10 Mbps - 13 m 5 Mbps - 23 m 2 Mbps - 66 m 1 Mbps m 500 kbps m < 90 kbps m MAB

9 Interface Modem - ETD V.35 Transmissão balanceada apenas para os sinais críticos (dado e clock) Transmissão não balanceada para sinais de controle CTS, RTS, CD, DSR, DTR Não é diretamente compatível com V.36 Conversão V.35 / V.36 fácil de implementar Usa conector M-34 MM NN C D A B conector fêmea vista frontal MAB

10 Interface Modem - ETD V.35 Taxa / distância máxima 2 Mbps - 8 m 56 kbps - 31 m 38,4 kbps - 78 m 19,2 kbps m 9,6 kbps m 4,8 kbps m 2,4 kbps m Fabricantes passaram a usar o conector DB-25, pois o conector M-34 é grande e caro padrão Telebrás padrão ISO 2110 os dois padrões são incompatíveis MAB

11 Interface Modem - ETD G.703 Meios de transmissão dois cabos coaxiais : transmissão e recepção mais comum (conector BNC) transmissão não balanceada distância máxima: 600 metros a 2 Mbps dois pares trançados : transmissão e recepção transmissão balanceada distância máxima: 300 metros a 2 Mbps possibilidade de conversão para meios óticos Padrão comum nos equipamentos de comunicação das operadoras para transmissão a 2 Mbps (E1) Velocidades (kbps): 64, (T1), (E1), (T2), (E2), (E3), (E4), (STM-1, OC-3) MAB

12 Interface Modem - ETD HSSI - High Speed Serial Interface Desenvolvida pela CISCO e T3PLUS TIA TR comitê de padronização Características interface : ETD-ECD (DTE DCE) topologia : ponto-a-ponto velocidade máxima : 52 Mbps cabo : STP (par trançado blindado) (máximo de 16,5 metros) tecnologia : ECL usa conector miniatura de 50 pinos (SCSI-2) MAB

13 Opções de Relógio de Transmissão do Modem Relógio interno Derivado do oscilador interno do modem e usado quando o modem fornece o relógio para o sistema Relógio regenerado Recupera o relógio recebido da linha para ser usado como clock de tx, quando o lado remoto gera o sincronismo para o sistema Relógio externo Gerado pelo ETD, quando este é responsável pelo sincronismo do sistema Num ambiente síncrono, deve existir apenas uma fonte de sincronismo para todo o sistema MAB

14 Distorções Atraso de propagação Depende da freqüência Atenuação Depende da freqüência Crosstalk (indução entre pares) Taxa de erro de bit (BER) Taxa de 10-9 = 1 erro em 10 9 bits transmitidos MAB

15 Equalização Tenta manter atraso de propagação e atenuação constantes na faixa de freqüência de interesse MAB

16 Comunicação entre Centrais a comunicação entre centrais telefônicas é totalmente digital os sinais analógicos das conversas telefônicas são transformados em bits (sinais digitais) linha do assinante A/D D/A sistema telefônico D/A A/D linha do assinante MAB

17 Digitalização de Sinal Nyquist Para reconstruir completamente um sinal filtrado por um filtro passa baixa com fc = H Hz é suficiente uma amostragem de 2H Hz Em telefonia, H = 4 khz e a amostragem ocorre com freqüência de 8 khz (período de 125 µs) Com amostras de 8 bits, temos 64 kbps Com amostras de 7 bits, temos 56 kbps MAB

18 Digitalização da Voz Conversor Analógico/Digital PCM (Pulse Code Modulation) Amostras da amplitude com 16 bits a cada 125 µs (f=8 khz), gera 128 kbps Erro de quantização introduzido pelos 16 bits é desprezível Codec (codificador/decodificador) usado para reduzir a banda da voz MAB

19 Codec G.711 PCM µ-law (EUA e Japão), A-law (Europa) Comprime amostras PCM usando 8 bits em escala logarítmica, gerando 64 kbps MAB

20 Comunicação entre Centrais Transmissão PCM Sinal Analógico 200,1 56,2 50,0 76,5 97,0 171,8 155,9 132,3 Amostragem MAB

21 Comunicação entre Centrais Transmissão PCM Ajuste Decimal Conversão Binária MAB

22 Comunicação entre Centrais Recepção PCM Dados Recebidos Reprodução do Sinal Analógico MAB

23 Telefonia Tradicional * 8 # assinante Rede comutada (multiplexação TDM) voz analógica sobre par trançado PBX Conversão analógica-digital nas centrais (G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps Comutação por circuito, sem filas ou atrasos intermediários * 8 # assinante voz analógica sobre par trançado PBX MAB

24 Comunicação entre Centrais SLDD 64 kbps 30 x 64 kbps linha comutada modem A/D E1 2 Mbps E1 2 Mbps E2 8,4 Mbps A/D linha comutada E1 2 Mbps modem SLDD 64 kbps MAB

25 E1 e T1 E1 32 canais de 1 byte / 125 µs = 256 bits x 8 khz = 2 Mbps 30 canais para o usuário (= 1920 kbps) 2 canais de controle e sincronização (opcionalmente um destes canais pode ser liberado para o usuário) 16 bits de overhead T1 193 bits a cada 125µs = 1,544 Mbps 24 canais de 8 bits (7 de info + 1 controle) + 1 bit de framing 25 bits de overhead MAB

26 Hierarquia Plesiócrona Digital (PDH) 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps MUX... MUX... MUX... E1 E1 E1 MUX E2 MUX E1 E1 E1 MUX MUX MUX Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps 64 Kbps E1 E1 TDM síncrono (quadros a cada 125 µs) e tributário básico a 64 kbps Relógios de canal tributário ligeiramente diferentes (não idênticos) Cada relógio pode operar numa faixa de velocidades Mux lê dos tibutários na maior taxa permitida e tx os bits intercalados Se bit não está pronto (relógio mais lento), insere bit de enchimento; Marca a inserção de enchimento para possibilitar remoção na recepção. Identificação de início e fim de quadros e subquadros com bits de framing e sincronização MAB

27 Limitações da PDH Custo de inserção e retirada de canais Exemplo: suponha uma rede onde enlaces principais são E4 e queremos remover um canal E1 em um ponto intermediário; Fazer todas as demultiplexações, de todos os canais tributários; Para que os demais canais possam prosseguir para outro ponto da rede, necessário fazer toda a multiplexação novamente para E4 Soluções de encapsulamento proprietárias e não padronizadas Gerência proprietária MAB

28 Hierarquias Plesiócronas Nível EUA (Mbps) Europa (Mbps) Japão (Mbps) 1 1,544 (DS-1) 2,048 (E1) 1, ,312 (DS 2) 8,448 (E2) 6, ,736 (DS-3) 34,368 (E3) 32, ,176 (DS-4) 139,264 (E4) 97,728 MAB

29 Hierarquia Digital Síncrona (SDH/SONET) Objetivos Aproveitar rede totalmente síncrona Unificar padrões (EUA, Europa, Japão, etc) Utilização em meios físicos diversos (fibra, rádio, etc) Compatibilidade com canais PDH atuais Colocação de inteligência nos multiplexadores Facilitar gerência e flexibilidade de operação Gerenciamento de redes com equipamentos de diferentes fabricantes MAB

30 Formação das Taxas em SDH STS-1 Synchronous Transport Signal level 1 155,52 Mbps x STM-N N x N 155,52 Mbps STS-3 ou STM-1 x 3 51,84 Mbps STS-1 x 7 6,132 Mbps x 4 x 3 1,544 Mbps T1 2,048 Mbps E1 Equivalente a SONET OC-1 STM-1 Synchronous Transport Module level 1 Equivalente ao STS-3c e SONET OC-3 Sinal básico para a interface UNI pública MAB

31 SDH STM levels e SONET Optical Carrier (OC) Taxa da linha (MBPS) SONET level SDH level 51,840 OC-1 155,520 OC-3 STM-1 466,650 OC-9 622,080 OC-12 STM-4 933,120 OC ,160 OC-24 STM ,240 OC-36 STM ,320 OC-48 STM-16 MAB

32 Modulação em Transmissão Analógica Modulação em Amplitude (AM) Modulação em Freqüência (FM) Modulação em Fase Modulação em Fase e Amplitude Constelações 8-QAM, 3 bits/ baud bps a baud 4 bits/ baud, 16 estados bps a baud MAB

33 Tecnologia dos Modems Taxa (bps) Padrão 300 V.21 (barato) 1200 V V.22 bis 9600 (4800) V (19.200) V.32 bis com MNP5 (compressão 2:1) 9600 (38.400) V.32 bis V.42 bis (compressão 4:1) ( ) V.34 V.42 bis ,6/56 kbps 48/56 kbps Controle de erro MNP 2-4 V.42 (LAP-M) V.34 bis V.90 (uma das extremidades digital) V.92 (uma das extremidades digital) MAB

34 Facilidades dos Modems Detecção automática de velocidade Seleção dinâmica da melhor velocidade Resposta automática Discagem automática Cancelamento de eco local e remoto Equalização dinâmica Codificação Trellis para linhas ruidosas (bit de paridade extra e codificação adequada para minimizar erros) Linguagem de programação (Hayes) MAB

35 MAB Circuitos Auxiliares LAR - Loop Analógico Remoto LINHA I N T E R F A C E D I G I T A L A N A L Ó G I C A I N T E R F A C E mod. demod. Tx Rx modem local I N T E R F A C E D I G I T A L A N A L Ó G I C A I N T E R F A C E demod. mod. Tx Rx modem remoto DTE local DTE remoto Tx Rx Rx Tx

36 MAB Circuitos Auxiliares LDR - Loop Digital Remoto LINHA I N T E R F A C E D I G I T A L A N A L Ó G I C A I N T E R F A C E mod. demod. Tx Rx modem local I N T E R F A C E D I G I T A L A N A L Ó G I C A I N T E R F A C E demod. mod. Tx Rx modem remoto DTE local DTE remoto Tx Rx Rx Tx

37 Limites de Velocidade em Linhas Telefônicas Entre duas Linhas Telefônicas Analógicas Para o sistema telefônico normal, com linha do usuário (analógica) se comunicando com linha do usuário (analógica), o limite (Shannon) é 35 kbps, aproximadamente MAB

38 Limites de Velocidade em Linhas Telefônicas Entre Linhas Telefônicas Analógica e Digital Para velocidades maiores é necessário trocar pelo menos uma das linhas por linhas especiais (linhas digitais) não pupinizadas Os circuitos PCM na linha digital são transferidos da central telefônica para a instalação do assinante modem do cliente linha do assinante central telefônica AD DA RDI linha digital do provedor modems do provedor MAB

39 Limites de Velocidade em Linhas Telefônicas Entre Linhas Telefônicas Analógica e Digital Modem CCITT V.90 Para conexão a ISP (Internet Service Provider) até 56 kbps do ISP para o cliente até 33.6 kbps (V.34) do cliente para o ISP Requisitos necessários para operação conexão digital (E1, T1 ou ISDN) em uma das pontas (ISP) suporte para 56 kbps nas duas pontas apenas um conversor analógico / digital entre as duas pontas (na instalação do assinante) Muda para V.34 se conexão digital não é detectada ou modem remoto não suporta 56 kbps MAB

40 Limites de Velocidade em Linhas Telefônicas Entre Linhas Telefônicas Analógica e Digital Modem CCITT V.92 Similar ao V.90 (apenas um conversor A/D é permitido) Até 56 kbps do ISP para cliente (PCM) Até 48 kbps do cliente para o ISP (PCM) Compressão até 6:1 (CCITT V.44) transferências até 300 kbps (acima dos 115 kbps dos PCs) Conexão mais rápida pois o modem armazena dados e características das últimas conexões MOH (modem on hold): conexão com rede fica suspensa enquanto uma chamada de voz é atendida MAB

41 Limites de Velocidade em Linhas Telefônicas Entre duas Linhas Telefônicas Digitais Modems xdsl Aproveitam os atuais cabos das linhas do assinante (sem os circuitos que limitam a banda passante) Usa banda passante de 0 até MHz Dependendo do padrão permitem compartilhar dados e voz na mesma linha Usa a banda superior a 4 khz para a transmissão de dados Banda dedicada a cada usuário, pois apenas suas transmissões passam no seu par trançado MAB

42 Limites de Velocidade em Linhas Telefônicas Entre duas Linhas Telefônicas Digitais Modems xdsl com supressores de eco MAB

43 Limites de Velocidade em Linhas Telefônicas Entre duas Linhas Telefônicas Digitais ADSL: Asymmetric Digital Subscriber Line 1 linha com 3 canais independentes Até 5,5 km (2 Mbps) ou 2,7 km (8,4 Mbps) MAB

44 ADSL Exige linhas digitais (não pupinizadas) Técnica DMT (Discrete MultiTone) Banda de 1,1 MHz, dividida em 256 canais independentes de 4,3 khz cada (2 de controle) ANSI T1.413 e ITU G Mbps downstream e 1 Mbps upstream baud, 15 bits/símbolo, 254 canais 13,44 Mbps (teórico) Relação S/N reduz taxa real Canal de 4 khz para a voz analógica MAB

45 ADSL 2/2+ Mais imune a interferências e ruídos que o ADSL Apenas 4 kbps para sinalização Nova codificação 24 Mbps downstream, 1 Mbps upstream Auto-diagnóstico: mede as características de ruído, margem de ganho (SNR) e atenuação nos dois lados da linha. MAB

46 Comparativo ADSL vs ADSL2 Gráfico I Gerenciamento MAB

47 Serviços xdsl ISDN ou DSL (desuso) Conhecido como serviço 2B + D Canal B (64 kbps) é usado para dados ou voz PCM Canal D (16 kbps) é usado para controle e sinalização Serviços Canal 64kbps Canal 64kbps Canal 16kbps DVI / Telemar - RJ Multilink / Telefônica - SP Tarifas assinatura + impulsos excedentes BRI MAB

48 Serviços xdsl ADSL Telefone + dados na mesma linha Rede Banda Larga ADSL Splitter linha existente Splitter ADSL Rede Telefônica TV de Alta Definição MAB

49 Serviços xdsl ADSL Tarifas habilitação + mensalidade + aluguel do modem + provedor Serviços Velox / Oi (Telemar) Speedy / Telefônica MAB

50 Cable Modem ou Modem a Cabo Utiliza a infra-estrutura de TV a cabo bidirecional, com um headend alocando canais upstream e downstream a um modem a cabo que se torna ativo Utiliza placa de rede para comunicar com PC Freqüências usadas na transmissão a cabo upstream (digital) transmissão de TV (analógica) downstream (digital) freqüência (MHz) MAB

51 Arquiteturas de redes a cabo: visão geral Tipicamente 500 a casas ponto final do cabo rede de distribuição de cabo (simplificada) casa MAB

52 Arquiteturas de redes a cabo: visão geral ponto final do cabo rede de distribuição de cabo (simplificada) casa MAB

53 Arquiteturas de redes a cabo: visão geral servidor(es) ponto final do cabo rede de distribuição de cabo (simplificada) casa MAB

54 MAB casa ponto final do cabo rede de distribuição de cabo (simplificada) canais V I D E O V I D E O V I D E O V I D E O V I D E O V I D E O D A T A D A T A C O N T R O L FDM: Arquiteturas de redes a cabo: visão geral

55 Modem a Cabo Downstream Velocidade: 27 a 56 Mbps Faixa de freqüências / banda do canal USA 42 a 850 MHz / canal de 6 MHz Europa 65 a 850 MHz / canal de 8 MHz Modulação de cada canal 64-QAM com 6 bits por símbolo (normal) 256-QAM com 8 bits por símbolo (mais rápido porém mais sensível a ruído) Dados (unicast, broadcast ou multicast) são recebidos por todos os modems e banda é compartilhada Criptografia necessária para segurança MAB

56 Modem a cabo Upstream Velocidade: 3 Mbps Faixa de freqüências / banda do canal USA 5 a 42 MHz / canais de 2 MHz Europa 6 a 65 MHz / canais de 2 MHz Modulação QPSK com 2 bits por símbolo (em presença de excesso de ruído) 16-QAM com 4 bits por símbolo (com relação sinal/ruído boa) Um canal é dividido em pequenas janelas (minislots de 8 bytes) que podem ser alocadas sob demanda Modems fazem reservas concorrentes em uma única janela de controle e um protocolo é usado quando há colisão de solicitações Taxa de transmissão depende dos outros usuários! MAB

57 Modem a cabo Normalmente proprietários Padrão ( CableLabs e fabricantes) DOCSIS (Data Over Cable Service Interface Specification) e EuroDOCISIS Tarifas habilitação + mensalidade + aluguel do modem + provedor Serviços Vírtua / Net (http://www.virtua.com.br) Ajato / TVA (http://www.tva.com.br) MAB

58 Outros Tipos de Modems Wireless Cable Usa micro-ondas e antena única para vídeo e internet Transmissão via MMDS Multichannel Multipoint Distribution Service Modems de 27 Mbps (compartilhado) canais / meios compartilhados por CSMA/CD ou Token Versões unidirecional (download pelo MMDS e upload pela linha telefônica) bi-direcional pelo MMDS Serviços Ajato / TVA (http://www.tva.com.br) MAB

59 Outros Tipos de Modems WLL - Wireless Local Loop central Transmissão broadcast em um canal compartilhado Transmissão digital Possibilidade para voz + dados Pode usar equipamentos de rede sem fio com antenas direcionais ou ominidirecionais MAB

60 Outros Tipos de Modems Satélite Serviço: UOLSat empresas UOL (provedor) Star One / Embratel (acesso) Gilat (tecnologia) utiliza placa de rede no computador caro MAB

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática Bacharelado em Informática Disciplina: de Computadores Multiplexação, Modulação e Codificação Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br Utilização da Banda Passante do Meio 0 40 400 Desperdício Configuração

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM MODEM A palavra modem vem da contração das palavras MOdulador e DEModulador. É um equipamento bidirecional o qual é instalado nas duas extremidades de um canal de comunicação

Leia mais

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 3. Interfaces Físicas Interfaces Não Balanceadas e Balanceadas; Interfaces de Alto Débito Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Interfaces Físicas Interfaces para

Leia mais

Transmissão Digital e Analógica

Transmissão Digital e Analógica Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS Mestrandos: Delson Martins N:760 Turma 10 Márcio Fernando Flores N:767 Turma 10 Professores: Volnys; Kiatake;

Leia mais

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso -

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Lacete de assinante Par simétrico Central local Ponto de subrepartição Ponto de distribuição Assinante Interface com a linha de assinante

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA Redes de Computadores Protocolos de Redes Redes de Computadores Aula 9 / XDSL Introdução A tecnologia (Asymmetric Digital Subscriber Line - Linha Digital Assimétrica de Assinante) opera com transmissões

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg.

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg. Redes de Computadores (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Análise teórica de transmissão de dados

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

A CAMADA FÍSICA (Capítulo 2) Sinais: Nada mais são do que ondas que se propagam através de algum meio físico. Os mesmos podem se dividir em:

A CAMADA FÍSICA (Capítulo 2) Sinais: Nada mais são do que ondas que se propagam através de algum meio físico. Os mesmos podem se dividir em: 1) Informação e Sinal: 1.1) Conceitos: A CAMADA FÍSICA (Capítulo 2) Comunicação: É o ato de transmitir informações. A exemplo tem-se a conversação. Sinais: Nada mais são do que ondas que se propagam através

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Conceitos Euber Chaia

Leia mais

Pós-Graduação: INF/CETUC

Pós-Graduação: INF/CETUC Pós-Graduação: INF/CETUC Disciplina: Redes de Acesso em Banda Larga Princípios Básicos Prof. Sérgio Colcher Prof. Luiz A. R. Da Silva Mello Copyright 1999-2004 by TeleMídia Lab. 1 Cenário 2 Modelo Provedores

Leia mais

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01 UFSM-CTISM Teoria da Comunicação Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Objetivo Objetivos da disciplina: Ter conhecimento dos princípios básicos da telecomunicação; Conhecer os conceitos

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com

Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com FOCO Acesso à Internet para Assinantes Domésticos e Pequenas Empresas Do que vamos

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Cód. 24 Eletricista de Manutenção Telefônica

Cód. 24 Eletricista de Manutenção Telefônica PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO - 08/2011 1. O protocolo IP é considerado: Cód. 24 Eletricista de Manutenção Telefônica I - um

Leia mais

RCO2. Modems Digitais

RCO2. Modems Digitais RCO2 Modems Digitais 1 Modems Digitais Modems (MOdulator / DEModulator): Equipamentos para modulação ou codificação de sinais digitais do modelo básico de comunicação de dados Faz a adaptação do sinal

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2004/2005 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais Implementação Redes

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento PVH 15-08-05 Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento Prof. Sérgio Rodrigues 1 Redes de Computadores

Leia mais

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo Redes de computador es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

O consumidor espera por novos serviços os quais dependem de largura de banda suficiente. Como exemplo destes novos serviços podese citar "fast

O consumidor espera por novos serviços os quais dependem de largura de banda suficiente. Como exemplo destes novos serviços podese citar fast Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Teleprocessamento e Redes Professor: Marco Antônio C. Câmara Alunas: Rejane Mirtes B. de Cerqueira Suzane Tourinho F. da

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta Como funciona o sinal DSL INTRODUÇÃO: A Linha Digital de Assinante, conhecida por DSL, do inglês Digital Subscriber Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Conceitos sobre Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas de Comunicação Módulo 1 Prof. Engº Ricardo Luís Rodrigues Peres O que é uma Rede de Computadores? É a infra-estrutura

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Conceitos Básicos Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II xdsl eadsl Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral Nasceu da necessidade de acesso à Internet em velocidades superiores ao padrão V.90-56kbit/s e ISDN BRI-128kbit/s pelos clientes corporativos,

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física Capítulo 2: Camada Física Capítulo 2 A camada física slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Introdução. Introdução à Comunicação de Dados. Meios de Transmissão. Meios de Transmissão. Cabo coaxial. Cabo coaxial. Até o início da década de 60

Introdução. Introdução à Comunicação de Dados. Meios de Transmissão. Meios de Transmissão. Cabo coaxial. Cabo coaxial. Até o início da década de 60 Introdução Introdução à Comunicação de Dados INE 5602 Introdução à Informática Prof. Roberto Willrich 1 Até o início da década de 60 computadores eram utilizados apenas de forma isolada sem oferecer oportunidade

Leia mais

Em sua Casa. Na Central Telefônica

Em sua Casa. Na Central Telefônica &RP )XQFLRQ $'6/ Em sua Casa Na Central Telefônica Em sua Casa A. Dentro de Seu PC: O modem ADSL de seu computador conecta a uma linha de telefone analógica padrão. B. Voz e Dados: Um modem ADSL tem um

Leia mais

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon Fonte: Rodrigo Semente Sabemos que, quanto maior a banda passante de um meio físico, maior o número de

Leia mais

2) ARQUITETURA DE REDES DE COMPUTADORES

2) ARQUITETURA DE REDES DE COMPUTADORES 2) ARQUITETURA DE REDES DE COMPUTADORES 2.1) CAMADA FÍSICA 2.1.1) EMBASAMENTO TEÓRICO PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS transmissão de sinal: propagação de ondas através de um meio físico (ar, fios metálicos,

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Tabela de Roteadores com Portas de Console e AUX Configurações da Porta de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N Transmissão de sinais no nível físico e de enlace do Modelo de

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 0 Fatos e tendências Sumário Fatos e tendências; Arquitetura

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232 Comunicação Serial Motivação Diversos dispositivos eletrônicos usam portas seriais para se comunicar com outros dispositivos eletrônicos. Para muitos é a única forma de comunicação. A integração de equipamentos

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais