TributAção. Setembro de 2012 Edição nº 74. CARF admite dedutibilidade de JCP de períodos anteriores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TributAção. Setembro de 2012 Edição nº 74. CARF admite dedutibilidade de JCP de períodos anteriores"

Transcrição

1 TributAção Setembro de 2012 Edição nº 74 CARF admite dedutibilidade de JCP de períodos anteriores Na sessão do último dia 11, a 2ª Turma da 4ª Câmara da 1ª Seção do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais ( CARF ) permitiu a dedução de Juros sobre o Capital Próprio ( JCP ) acumulados de períodos anteriores. Confira detalhes na pág. 6. LEGISLAÇÃO Reduzida a zero a alíquota do IOF para seguro-garantia (pág. 2) Goiás anuncia programa de parcelamento de débitos de ICMS (pág. 2) Governo paulista edita nova regulamentação dos benefícios de ICMS do REPETRO (pág. 3) Espírito Santo permite a transferência de créditos de ICMS acumulados na exportação (pág. 3) Decreto estabelece redução de ICMS para estabelecimentos industriais no Rio de Janeiro (pág. 4) RFB regulamenta a tributação e investimentos em Fundos de Índices de Ações ETFs (pág. 5) TRIBUNAIS Receita Federal admitirá recurso em execução dentro do processo administrativo (pág. 6) STF julgará incidência de ISS sobre software personalizado (pág. 6) STJ reconhece que o furto de energia elétrica afasta tributação pelo ICMS (pág. 7) CSRF/TIT-SP decide que valor cobrado a título de locação de cable modem integra base de cálculo do ICMS na prestação de serviços de telecomunicações. (pág. 7) Decisão do STJ amplia o conceito de operação de venda para fins de aproveitamento de créditos de PIS e COFINS em relação ao frete (pág. 8) Direito Comentado Receita Federal edita novas regras para habilitação no RADAR. Mais detalhes na página 9. Este Boletim foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado opinião legal para qualquer operação ou negócio específico. TRIBUTAÇÃO é elaborado mensalmente pela Área Tributária de PINHEIRO NETO ADVOGADOS, composta por 114 integrantes, sendo 14 sócios, 4 consultores, 59 associados e 37 estagiários.

2 ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS RELEVANTES Reduzida a zero a alíquota do IOF para seguro-garantia O recente Decreto nº 7.787/2012 prevê alíquota zero do IOF para o seguro. Anteriormente, a alíquota do IOF sobre o Seguro-Garantia era de 7,38%. A nova alíquota valerá a partir de 13 de novembro deste ano. Essa novidade é muito relevante para as empresas que apresentam garantias em processos judiciais, especialmente em Execuções Fiscais, já que agora terá o seu custo de emissão reduzido. Ultimamente, notamos um número maior de casos em que o Judiciário tem aceitado o seguro-garantia. Relembramos que a própria Procuradoria da Fazenda Nacional possui uma norma que descreve os requisitos a serem observados para que a garantia seja aceita (Portaria PGFN nº 1.153/2009). Embora haja decisões favoráveis à apresentação desse instrumento como forma de garantia, a aceitação dessa modalidade de garantia ainda não é pacífica na jurisprudência. Goiás anuncia programa para parcelamento de débitos de ICMS O Governo de Goiás anunciou o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Pública Estadual (Recuperar II), que permitirá a redução de até 100% da multa (exceto multa formal) e juros e de até 50% da correção monetária para pagamento do débito à vista, se realizado até dia O programa alcançará débitos vencidos até (fato gerador). A adesão ao programa se iniciará logo após a aprovação do projeto de lei pela Assembleia Legislativa, que ainda não ocorreu, e o prazo final de adesão será à vista Forma de Pagamento pagamento até pagamento até 01 a Multa/Juros (exceto multa formal) Correção Monetária Multa Formal 100% 50% 95% 95% 40% parcelas 90% 30% 90% 3 parcelas 85% 20% 85% 4 parcelas 80% 10% 80% 5 a 12 parcelas 75% zero 75% 13 a 60 parcelas 40% zero 40% * No caso de parcelamento, a primeira parcela deve ser paga, obrigatoriamente, até O quadro abaixo ilustra as reduções aplicadas de acordo com a forma de pagamento: 2

3 Governo paulista edita nova regulamentação dos benefícios de ICMS do REPETRO Em , foi publicado o Decreto Estadual nº , que regulamentou o ICMS incidente no Regime Aduaneiro Especial de Exportação e Importação de Bens Destinados às Atividades de Pesquisa e de Lavra das Jazidas de Petróleo e Gás Natural (REPETRO). Além da revogação formal do antigo Decreto /08, o Decreto /12 incorporou à legislação paulista alguns dos tratamentos fiscais previstos no Convênio ICMS nº 130/2007 (que não eram contemplados pela antiga regulamentação), como forma de atender pleitos específicos do setor e harmonizar a legislação paulista aos benefícios concedidos por outros Estados, propiciando condições de igualdade competitiva aos contribuintes paulistas. Destacamos que a importação de bens ou mercadorias utilizados exclusivamente na fase de exploração de petróleo e gás natural e também de bens e mercadorias de uso interligado às fases de exploração e de produção que ingressem no território nacional para realizar serviços temporários no país por um prazo de permanência inferior a 24 meses poderá gozar de isenção de ICMS. Na antiga regulamentação, tais transações estavam sujeitas à incidência do ICMS, porém com redução de base de cálculo. A partir da nova regulamentação, fica garantida a isenção do ICMS no desembaraço aduaneiro de bens ou mercadorias importadas ao amparo de drawback suspensão e que fiquem submetidos ao REPETRO. Além disso, o benefício do diferimento de ICMS que já existia para operações antecedentes (aquelas que antecedem a saída, a pessoa sediada no exterior, de bens e mercadorias fabricados no país que venham a ser subsequentemente importados ao amparo do REPETRO) foi estendido às saídas internas de matéria-prima e produtos intermediários destinados aos estabelecimentos fabricantes dos bens destinados a pessoas destinadas no exterior. Espírito Santo permite a transferência de créditos de ICMS acumulados na exportação A recentemente Lei nº 9.908, do Estado do Espírito Santo, ampliou as possibilidades de uso dos créditos de ICMS acumulados pelos exportadores. Os contribuintes poderão utilizar essa modalidade de crédito de ICMS para quitar até 90% do valor do mesmo imposto devido na importação. Além disso, o crédito poderá ainda ser transferido a terceiros para utilização no pagamento do ICMS-Importação naquele Estado. A transferência do crédito será efetuada por intermédio dos leilões a serem realizados pelo Banco de Desenvolvimento do Estado do Espírito Santo (BANDES) e envolverão obrigatoriamente o deságio, de no mínimo 10%, do valor de face no momento da 3

4 compra. Por outro lado, apesar do deságio na compra, os compradores do crédito poderão utilizá-lo considerando o seu valor de face integral. Portanto, trata-se uma boa oportunidade para os importadores localizados no Espírito Santo e, igualmente, para os exportadores também localizados naquele Estado, que poderão receber, ainda que parcialmente, o valor dos créditos de ICMS acumulados na exportação e que, historicamente, não costumam ser ressarcidos pelos Fiscos Estaduais. Por fim, destacamos que ainda deverá ser publicada regulamentação para tratar dos detalhes do leilão e dos limites de crédito que poderão ser adquiridos e utilizados pelos importadores. Decreto estabelece redução de ICMS para estabelecimentos industriais no Rio de Janeiro Em , foi publicado o Decreto nº , que estabelece novo benefício fiscal, com período máximo de aplicação de 12 meses, para a importação de bens acabados pelos estabelecimentos industriais que possuam tratamento tributário especial de redução do ICMS a ser recolhido ao Estado do Rio de Janeiro. O Decreto prevê o diferimento do ICMS incidente na importação dos bens acabados importados por estabelecimentos localizados no Estado do Rio de Janeiro. Além disso, prevê a desoneração do ICMS na saída de tais bens desses estabelecimentos. Todavia, tal benefício apenas se aplica se os produtos importados forem da mesma marca e modelo daqueles produzidos no Estado do Rio de Janeiro. Ademais, a importação dos bens acabados deve ser promovida por portos ou aeroportos fluminenses. No mais, o contribuinte interessado na fruição desse benefício fiscal deverá apresentar requerimento à Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro ( CODIN ), a qual encaminhará o pleito para ser deliberado pela Comissão Permanente para Políticas para o Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro ( CPP ). Estão dispensados deste procedimento os contribuintes que tenham firmado termo de acordo ou de compromisso para concessão de benefício fiscal nas saídas dos produtos elencados no anexo único do Decreto /10, modificado pelo Decreto /11. Tais estabelecimentos apenas terão que firmar um termo aditivo ao anterior. 4

5 RFB regulamenta a tributação e investimentos em Fundos de Índices de Ações ETFs A Receita Federal do Brasil, por meio da Instrução Normativa nº 1.290, de 6 de setembro de 2012 ( IN 1290/12 ), esclareceu os mecanismos de tributação aplicáveis à aquisição e ao resgates de quotas de ETFs, cujas quotas são admitidas à negociação em bolsa no Brasil. Com a publicação da IN 1290/12, os ETFs, que até então eram tributados segundo as regrais gerais aplicáveis aos fundos de investimento, passam a ser tributados de acordo com regras específicas. Dentre os esclarecimentos trazidos pela nova regulamentação, destaca-se a tributação, pelo imposto de renda, do eventual ganho de capital auferido pelo investidor quando da integralização e resgate das quotas dos ETFs com ações. Na integralização das quotas com ações, o imposto de renda será (i) devido à alíquota de 15% sobre a diferença positiva entre o preço de fechamento das ações e o seu respectivo custo de aquisição; e (ii) apurado e recolhido pelo próprio investidor até o último dia útil do mês subseqüente ao do evento, devendo ser respeitado o limite de isenção (alienações de até R$ ,00 por mês) previsto na legislação fiscal em vigor. Ademais, a integralização das quotas dos ETFs com ativos estará sujeita à incidência do IRF, à alíquota de 0,005%, sobre o valor da operação. renda incidirá à alíquota de 15% sobre a diferença positiva entre o valor patrimonial da quota no dia de resgate e o valor da integralização ou de aquisição da quota no mercado secundário. O imposto será retido pelo próprio administrador do fundo. Na alienação de quotas, o ganho de capital será tributado segundo a sistemática de ganhos líquidos, no caso de operações realizadas em bolsa de valores; ou segundo as regras aplicáveis aos ganhos de capital na alienação de bens ou direitos de qualquer natureza, em relação às operações realizadas fora de bolsa. Como regra geral, para operações realizadas em bolsa de valores ou no mercado de balcão, com intermediação, haverá a incidência do IRF, à alíquota de 0,005%, sobre o valor da operação. Por fim, a IN 1290/12 também esclarece que (i) não estão sujeitos à tributação pelo imposto de renda os ganhos de capital auferidos por investidores estrangeiros não residentes em paraíso fiscal na alienação das quotas de ETFs em bolsa de valores ou mercado de balcão organizado; e (ii) quotas de ETFs negociados no exterior são equiparadas às ações para os fins de composição de carteira e classificação fiscal de fundos de investimentos como Fundo de Ações. No resgate de quotas de ETFs mediante a entrega de ações ao investidor, o imposto de 5

6 DIREITO TRIBUTÁRIO NOS TRIBUNAIS CARF admite dedutibilidade de JCP de períodos anteriores Em sessão realizada no último dia 11, a 2ª Turma da 4ª Câmara da 1ª Seção do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais ( CARF ), acolheu recurso de contribuinte (Recurso Voluntário nº ) e permitiu a dedução de Juros sobre o Capital Próprio ( JCP ) acumulados de períodos anteriores. Julgando dessa forma, o CARF decidiu na mesma linha do Superior Tribunal de Justiça que, no julgamento do Recurso Especial nº /PR, destacou que a legislação não condiciona a dedução dos JCP ao mesmo exercício em que for realizado o lucro da empresa. Receita Federal admite recurso em execução dentro do processo administrativo Na Solução de Consulta nº 18 (DOU ), a COSIT declarou a admissão de recurso para discutir questões surgidas na execução de decisões no processo administrativo. Essa posição atinge processos já julgados, mas que, em sua execução, teriam levantado dúvidas acerca do montante do débito ou do valor a ser ressarcido, dentre outras questões. Tal possibilidade, até então não reconhecida pelos órgãos julgadores administrativos, permite que o contribuinte valha-se das regras do Decreto /72, em especial no que tange à possibilidade de apresentação de recursos e a manutenção da suspensão da exigibilidade do crédito até ulterior decisão final. Diante deste recente posicionamento da Receita Federal, deverá o CARF rever sua jurisprudência e passar a admitir e julgar novos recursos dentro do processo administrativo STF julgará incidência de ISS sobre software personalizado O Supremo Tribunal Federal reconheceu a repercussão geral do tema da incidência de ISS sobre contratos de cessão/licenciamento de softwares desenvolvidos de forma personalizada, tendo como leading case o RE nº A discussão já se encontrava pacificada pela jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, que entendia pela incidência do tributo quando o software fosse desenvolvido sob encomenda, de forma personalizada, ao contrário do que ocorre com o chamado software de prateleira. Apesar disto, o Ministro Luiz Fux reconheceu a necessidade do debate do tema sob enfoque constitucional, para que o STF analise se a 6

7 cessão/licenciamento de softwares (i) pode se configurar em serviço de telecomunicação, e como tal, ser imune ao ISS e/ou (ii) se tal atividade constitui obrigação de dar e, por isto, não sofre incidência do ISS. STJ reconhece que o furto de energia elétrica descaracteriza tributação pelo ICMS No dia , foi publicado acórdão proferido pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça reconhecendo que energia elétrica furtada nas operações de transmissão e distribuição não sofre incidência de ICMS, uma vez que não ocorre o fato gerador do tributo (Recurso Especial nº PA). O Fisco defende que o imposto seria devido mesmo que a energia seja furtada. Inclusive, a esse respeito, no Estado de São Paulo, o Decreto nº /2010, que alterou o Regulamento do ICMS daquele Estado, determina a incidência do ICMS sobre a energia elétrica furtada nas redes de distribuição. existência de fato gerador de ICMS sobre operações de energia elétrica sem que haja a efetiva utilização dessa especial 'mercadoria'". Ou seja, em operações de fornecimento de energia elétrica o fato gerador do imposto estadual apenas se materializa com o efetivo consumo. Dessa forma, muito embora a questão ainda não esteja definitivamente pacificada, essa recente decisão da Segunda Turma do STJ é um importante precedente favorável para que não seja cobrado o ICMS sobre a energia elétrica furtada, e consolida o conceito de que o fato gerador do ICMS incidente sobre energia elétrica se dá com o consumo. Segundo o Ministro Castro Meira, relator do acórdão em questão, não se pode conceber a CSRF/TIT-SP: Valor cobrado a título de locação de cable modem integra base de cálculo do ICMS na prestação de serviços de telecomunicações A Câmara Superior de Recursos Fiscais do Tribunal de Impostos e Taxas ( TIT/SP ) decidiu que o ICMS incide sobre o valor da locação de modem na prestação de serviço de comunicação. No caso examinado, a empresa de comunicação, que prestava serviço de acesso à Internet, segregava a prestação de serviço de comunicação da locação do modem e recolhia ICMS apenas sobre o valor relativa aos serviços de comunicação. Situação similar vem ocorrendo contra empresas do setor, já que as Autoridades Fiscais exigem o recolhimento do ICMS sob a alegação de que tais equipamentos são meio para a prestação do serviço de comunicação. Assim, por entender que os equipamentos em questão são absolutamente essenciais, as Autoridades Fiscais argumentam que são indissociáveis do próprio serviço de comunicação, devendo assim tal valor compor a base de cálculo do ICMS. 7

8 Há inclusive a Decisão Normativa CAT nº 5 de , de São Paulo, em que afirmam que não se trata aqui de dois serviços independentes, nem um serviço principal e outro acessório, seja um de comunicação, seja o outro de locação. Trata-se de apenas de um serviço, de comunicação, com fornecimento de materiais para sua viabilização, cobrado em separado, mas não por causa separada. Muitas empresas, contudo, conseguem efetivamente demonstrar que a locação de modem e equipamentos do gênero é totalmente diferente e autônoma em relação aos serviços de comunicação, ressaltando que os aparelhos podem ser adquiridos de terceiros, não havendo obrigação por parte do cliente em contratar a locação. No caso específico analisado pelo TIT/SP, a Câmara Superior entendeu que, ainda que o cliente tenha a possibilidade de adquirir o modem de um terceiro, na prática o serviço de comunicação não pode ser prestado sem tal equipamento. Assim, a atividade desempenhada pela empresa seria única. Além disso, a decisão ressaltou que, na realidade, a segregação do serviço de comunicação da locação teria como propósito tão-somente reduzir a carga tributária do ICMS, na medida em que a empresa atribuiria parte do valor da atividade à locação. A despeito do entendimento firmado nessa, entendemos que há bons argumentos para afastar a cobrança de ICMS sobre o valor relativo à locação, desde que seja possível demonstrar documentalmente que a locação é de fato segregada do serviço de comunicação. STJ Decisão que amplia o conceito de operação de venda para fins de aproveitamento de créditos de PIS e COFINS em relação ao frete Foi publicado, em , acórdão proferido pela Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça ( STJ ), nos autos do Recurso Especial nº , que, ao analisar o direito de concessionária de veículos aproveitar créditos de PIS e COFINS em relação ao valor do frete pago na aquisição de veículos do seu fabricante, decidiu, por maioria de votos, favoravelmente ao contribuinte. Os ministros do STJ discutiram o alcance do dispositivo de lei que autoriza a escrituração dos créditos de PIS e COFINS em relação ao frete na operação de venda de bens previamente adquiridos para revenda, quando o ônus é suportado pelo vendedor. Em oposição à interpretação até então dada por referido tribunal que reconhecia o crédito de PIS e COFINS apenas com relação ao frete pago na última etapa da operação de venda de mercadorias, a Primeira Seção do STJ admitiu a possibilidade de uma operação de venda ser complexa, contemplando mais de uma etapa de circulação de mercadorias, cujo frete também deve dar direito ao crédito de PIS e de COFINS. Em que pese a especificidade do caso analisado pelo STJ na decisão acima em destaque, entendemos que essa interpretação da Primeira Seção ao artigo 3º, inciso IX, da Lei nº /2003 atende ao espírito da técnica não-cumulativa do PIS e da COFINS. 8

9 DIREITO TRIBUTÁRIO COMENTADO Receita Federal edita novas regras para habilitação no RADAR Mauro Berenholc Luis Fernando Machado William Roberto Crestani José Marcio Rego Filho Sócio e Associados de Pinheiro Neto Advogados A Instrução Normativa RFB nº 1.288, de ( IN RFB 1.288/12 ), revogou a antiga Instrução Normativa SRF nº 650/06 e trouxe uma nova regulamentação para a habilitação de importadores, exportadores e internadores da Zona Franca de Manaus para operação no Siscomex, também conhecida como habilitação no RADAR. Dentre as alterações mais significativas estão as diferentes modalidades e submodalidades da referida habilitação. Assim, as antigas habilitações simplificada e ordinária, deram lugar às atuais habilitações pessoa jurídica (e suas submodalidades expressa, limitada e ilimitada) e pessoa física. A habilitação na submodalidade expressa poderá ser requerida pelas seguintes pessoas: (i) pessoa jurídica constituída sob a forma de sociedade anônima de capital aberto, com ações negociadas em bolsa de valores ou no mercado de balcão, bem como suas subsidiárias integrais; (ii) pessoa jurídica beneficiária da Linha Azul; (iii) empresa pública ou sociedade de economia mista; (iv) órgãos da administração pública direta, autarquia e fundação pública, órgão público autônomo, organismo internacional e outras instituições extraterritoriais; (v) pessoa jurídica habilitada para fruir dos benefícios fiscais previstos na Lei nº , de 20 de dezembro de 2010 (Lei nº /10 ); e (vi) pessoa jurídica que pretende atuar exclusivamente em operações de exportação. A submodalidade ilimitada se aplicará às demais pessoas jurídicas (não incluídas dentre as diferentes submodalidades da habilitação expressa), cuja estimativa da capacidade financeira seja superior a US$ ,00, enquanto que a submodalidade limitada se aplicará às pessoas jurídicas cuja estimativa da capacidade financeira seja igual ou inferior a US$ ,00. Um dos pontos que mais gerava críticas e incertezas no antigo regramento do RADAR era justamente a chamada análise fiscal para aferir a capacidade financeira (dentre outras) da empresa solicitante, e a falta de critérios claramente estabelecidos para a realização de tal análise por parte das autoridades. Tal situação gerou uma infinidade de problemas para as empresas solicitantes da habilitação no RADAR, sem mencionar os inúmeros recursos e novos pedidos que foram apresentados pelas empresas interessadas. Embora a nova IN RFB 1.288/12 também não tenha estabelecido de forma clara critérios objetivos para tal análise, o 1º de seu artigo 2º determina que, para os requerentes das submodalidades limitada e ilimitada, a estimativa da capacidade financeira para operações de comércio exterior com cobertura cambial em cada período de 6 (seis) meses 9

10 será apurada mediante a sistemática de cálculo definida em ato normativo expedido pela Coordenação Geral de Administração Aduaneira (COANA). Além disso, também é importante destacar que as novas regras trazidas pela IN RFB 1.288/12 determinam a utilização do processo eletrônico durante o procedimento da habilitação no RADAR, inclusive impondo a obrigatoriedade aos solicitantes das submodalidades limitada e ilimitada de prévia adesão ao Domicílio Tributário Eletrônico (DTE). Uma importante mudança trazida pela IN RFB 1.288/12 em relação ao antigo regramento do RADAR está justamente nos prazos previstos para a atuação das autoridades fiscais face aos pedidos feitos pelas pessoas físicas e jurídicas relativos à sua habilitação. Enquanto os requerimentos de habilitação na modalidade ordinária eram em tese analisados no prazo de 30 (trinta) dias pelas autoridades, de acordo com as novas regras, os pedidos de habilitação nas submodalidades limitada e ilimitada deverão ser apreciados no prazo de 10 (dez) dias contados de sua protocolização. Já as futuras solicitações relativas às submodalidades da habilitação expressa, que, além de não se submeterem ao crivo da análise fiscal para a estimativa da capacidade financeira, deverão, nos termos da IN 1.288/12, ser respondidas pelas autoridades no prazo de até 2 (dois) dias úteis contados de sua protocolização. Também como tentativa de tornar o processo de habilitação no RADAR mais célere, o prazo para que as empresas atendam eventuais exigências feitas pelas autoridades no curso do pedido de habilitação foi reduzido de 30 (trinta) para 10 (dez) dias. Outra relevante alteração diz respeito ao estabelecimento do limite mínimo de US$ ,00 de capacidade financeira para que o solicitante possa obter o RADAR ilimitado. Muito embora ainda continue sendo definido um limite para o volume das operações de importação e exportação de acordo com a capacidade financeira do solicitante (como já ocorria até então), as novas regras dão a entender que, a partir de agora, bastará à empresa interessada demonstrar a capacidade mínima de US$ ,00 para que o RADAR na modalidade ilimitada seja concedido (ainda que o seja com um limite abaixo do solicitado). Antes não existia essa referência mínima na modalidade de RADAR Ordinário e mesmo empresas com capacidade muito superior a US$ ,00 acabavam não conseguindo a concessão do RADAR por simplesmente não conseguirem demonstrar ter a capacidade financeira condizente com o limite que solicitavam. Outro ponto importante está nas chamadas regras de transição, que determinam que a IN 1.288/12 entrará em vigor 30 (trinta) dias após sua publicação no Diário Oficial (o que ocorreu em ) e também que os requerimentos dea habilitação apresentados e não deferidos até a publicação da IN RFB 1.288/12 deverão ser analisados segundo as novas regras. Aparentemente a intenção das autoridades foi trazer inovações e agilidade aos procedimentos de habilitação no RADAR, sobretudo quando se verifica a redução nos prazos para que as autoridades façam a análise dos pedidos de habilitação, bem como no prazo para que as empresas atendam eventuais exigências no curso do seu processo de habilitaçãopensamos na imposição de que todo o trâmite seja feito por processos eletrônicos. Contudo, ainda é cedo para afirmar que a nova IN RFB 1.288/12 resolverá todos os problemas existentes durante a vigência das regras trazidas pela IN SRF 10

11 650/06, pois a grande questão que ainda hoje atormenta a vida das empresas, que é justamente a estimativa da sua capacidade financeira, ainda não tem critérios claramente estabelecidos, o que se espera que possa acontecer com a edição de ato normativo da COANA. Assim, pelo menos por ora as empresas que vierem a apresentar seus pedidos de habilitação nas submodalidades limitada e ilimitada (ou mesmo na revisão de limites) deverão estar preparadas para convencer as autoridades a respeito de sua capacidade financeira para operar no comércio exterior. O Informativo TributAção é desenvolvido mensalmente pelos profissionais que integram a Área Tributária de Pinheiro Neto Advogados. Sócios da Área Tributária: São Paulo: José Roberto Pisani, Sérgio Farina Filho, Marcelo Mazon Malaquias, Ricardo Luiz Becker, Luciana Rosanova Galhardo, Mauro Berenholc, Eduardo Carvalho Caiuby, Luiz Roberto Peroba Barbosa, Tércio Chiavassa, Marcelo Marques Roncaglia e Giancarlo Chamma Matarazzo. Rio de Janeiro: Carlos Henrique T. Bechara, Marcos de Vicq de Cumptich e Emir Nunes de Oliveira Neto. Colaboraram com esta edição: Mauro Berenholc, Tércio Chiavassa, Emir Nunes de Oliveira Neto, Flávio Veitzman, Vinicius Jucá Alves, Luis Fernando Machado, Otávio Henrique de C. Bertolino, William Roberto Crestani, Felipe Cerrutti Balsimelli, Leonardo Battilana, Bruno Toledo Checchia, Mariana Monte Alegre de Paiva, Pedro Colarossi Jacob, Murillo Estevam Allevato Neto, José Márcio Rego Filho, Gustavo Andrejozuk, André Duarte Montuori e Katherine Borges Sato. RUA HUNGRIA, 1.100, SÃO PAULO, SP T.: +55 (11) F.: +55 (11) BRASIL RUA HUMAITÁ, 275, 16º ANDAR RIO DE JANEIRO, RJ T.: +55 (21) F.: +55 (21) BRASIL SAFS QUADRA 2, BLOCO B, 3º ANDAR, ED. VIA OFFICE, , BRASÍLIA, DF T.: +55 (61) F.: +55 (61) BRASIL 11

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO Ulhôa Canto, Rezende e Guerra Advogados Seminário Jurídico-Fiscal da Quinta Rodada de Licitações C&V Exportação Ficta COMPRADOR US$ US$ Contrato de Arrendamento / Afretamento

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

TributAção. Novembro de 2014 - Edição nº 97. STJ e Guerra Fiscal: jurisprudência favorável aos contribuintes (pag. 04).

TributAção. Novembro de 2014 - Edição nº 97. STJ e Guerra Fiscal: jurisprudência favorável aos contribuintes (pag. 04). TributAção Novembro de 2014 - Edição nº 97 LEGISLAÇÃO Medida Provisória 651/2014 é convertida em lei (pag. 02). Receita Federal veda créditos de PIS e COFINS na importação de bens usados destinados ao

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Tratamento fiscal dos royalties em operações nacionais e internacionais. Giancarlo Chamma Matarazzo

Tratamento fiscal dos royalties em operações nacionais e internacionais. Giancarlo Chamma Matarazzo Tratamento fiscal dos royalties em operações nacionais e internacionais Giancarlo Chamma Matarazzo Regras Gerais de Royalties para o Descrição Celebração de contrato entre uma no a qual concede a uma no

Leia mais

TributAção TRIBUNAIS LEGISLAÇÃO DIREITO COMENTADO. Março de 2015 - Edição nº 101

TributAção TRIBUNAIS LEGISLAÇÃO DIREITO COMENTADO. Março de 2015 - Edição nº 101 TributAção Março de 2015 - Edição nº 101 LEGISLAÇÃO Ajuste fiscal, regulamentação do Reintegra e diminuição do benefício na exportação (pag. 2) Benefícios fiscais são concedidos para imóveis localizados

Leia mais

Governo Federal publica MP de incentivos ao mercado de capitais

Governo Federal publica MP de incentivos ao mercado de capitais Informe Jurídico nº 13-2014 Governo Federal publica MP de incentivos ao mercado de capitais No dia 10 de julho, o governo federal publicou a Medida Provisória n 651 ( MP 651 ), que traz diversos incentivos

Leia mais

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 A instituição financeira A. A., sediada no município de São Paulo, foi surpreendida com o aumento de 9% para 15% da alíquota da contribuição social sobre o

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

TributAção. Outubro de 2015 - Edição nº 108

TributAção. Outubro de 2015 - Edição nº 108 TributAção Outubro de 2015 - Edição nº 108 CONFAZ celebra Convênios para autorizar diversos Estados a instituir programas de anistia e parcelamento de débitos de ICMS (p. 5) LEGISLAÇÃO ICMS e Comércio

Leia mais

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS 1 de 5 19/5/2012 17:30 VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS Tributos e Contribuições Federais DRAWBACK VERDE E AMARELO SUSPENSÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Foi publicada no Diário Oficial da União de 20/01/2015 a lei federal nº 13.097/15, decorrente da conversão da MP nº 656/14. A nova lei cuida de diversas matérias,

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015 www.pwc.com.br Clipping Legis CSLL - Instituições financeiras - Majoração de alíquota - MP nº 675/2015 Receitas financeiras - Alíquota zero de PIS/ COFINS para as variações monetárias e hedge - Alteração

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 12.973, DE 13 DE MAIO DE 2014 - LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013 - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 627/13, que promoveu diversas

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO nº 13 / setembro de 2010 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária Decisões do Poder Judiciário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações

Leia mais

Informativo n 17 ano II Setembro/2008

Informativo n 17 ano II Setembro/2008 NOTA TRIBUTÁRIA informativo tributário www.ssplaw.com.br faz o que gosta e acredita no que faz Informativo n 17 ano II Setembro/2008 É com muita satisfação que apresentamos a décima sétima edição do NOTA

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 03, ANO IV MARÇO DE 2012 1 VENDAS NA ZONA FRANCA DE MANAUS NÃO PAGAM PIS OU COFINS STJ estendeu benefício às operações realizadas dentro

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 30 - Data 29 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI IMPORTAÇÃO POR CONTA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

TributAção LEGISLAÇÃO TRIBUNAIS DIREITO COMENTADO. Agosto de 2014 - Edição nº 94

TributAção LEGISLAÇÃO TRIBUNAIS DIREITO COMENTADO. Agosto de 2014 - Edição nº 94 TributAção Agosto de 2014 - Edição nº 94 LEGISLAÇÃO Novas regras de Escrituração Contábil Fiscal (p.02) Sai regulamento do pagamento de parcelamentos tributários com prejuízo fiscal e base negativa da

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) SOMENTE O FRETE CONTRATADO PARA TRANSPORTE DE INSUMOS E MARCADORIAS PARA REVENDA QUANDO SUPORTADO PELO COMPRADOR GERA DIREITO AO CRÉDITO DE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 I. TELECOMUNICAÇÕES Incidência: Prestação de serviços de comunicação, por qualquer meio,

Leia mais

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO Decreto nº 8.138, de 06.11.2013 DOU de 07.11.2013 - Dispõe sobre os bens destinados à pesquisa e à lavra de jazidas de petróleo e gás natural

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010 Fundos de Investimento Imobiliário 09 de abril de 2010 Introdução Histórico No Brasil, os fundos imobiliários foram inspirados nos Real Estate Investment Trusts americanos, tendo sido constituídos na forma

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 Dezembro de 2012 / Janeiro 2013 NOVIDADES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA IOF - OPERAÇÕES DE CÂMBIO - EMPRÉSTIMO EXTERNO - ALÍQUOTA - ALTERAÇÃO DO PRAZO MÉDIO MÍNIMO - DECRETO Nº

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Conselho Municipal de Tributos de São Paulo tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão sendo

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

TributAção. Maio de 2013 - Edição nº 81

TributAção. Maio de 2013 - Edição nº 81 TributAção Maio de 2013 - Edição nº 81 Supremo Tribunal Federal declara a inconstitucionalidade da incidência de IPI na importação de bens por pessoa jurídica que não seja contribuinte habitual do imposto

Leia mais

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo 2 de Dezembro de 2013 1 Evolução Histórica Introdução no Brasil de regras contábeis compatíveis com os padrões internacionais de contabilidade IFRS Essência

Leia mais

Preços de transferência

Preços de transferência Preços de transferência Questões atuais Prof. Dr. Luís Eduardo Schoueri Lei nº 12.715/12 Evolução legislativa Lei 9.430 Lei 9.959 IN 243/02 1996 IN 38/97 2000 IN 32/01 MPs 472 476 478 Lei 12.715 (MP 563)

Leia mais

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 1 A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 2 Fundamentos Legais Constituição Federal Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos PIS COFINS Regime de Caixa Vendas Inadimplidas

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos PIS COFINS Regime de Caixa Vendas Inadimplidas PIS COFINS Regime de Caixa Vendas Inadimplidas 12/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 4. Conclusão... 7 5. Referências...

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 - Edição nº 86. STF derruba OTN/BTN como índice de correção monetária do Plano Verão

TributAção. Novembro de 2013 - Edição nº 86. STF derruba OTN/BTN como índice de correção monetária do Plano Verão TributAção Novembro de 2013 - Edição nº 86 STF derruba OTN/BTN como índice de correção monetária do Plano Verão (vide detalhes no Boletim Extraordinário de 21.11.2013) LEGISLAÇÃO Portaria CAT 108/13: São

Leia mais

Importação- Regras Gerais

Importação- Regras Gerais Importação- Regras Gerais 1 Conceito de Importação Podemos definir a operação de importação como um processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem (produto/serviço) do exterior para o país de

Leia mais

A nova Consolidação das Regras para Compensação de Tributos Federais: In nº 1.300/12

A nova Consolidação das Regras para Compensação de Tributos Federais: In nº 1.300/12 Anexo Biblioteca Informa nº 2.235 A nova Consolidação das Regras para Compensação de Tributos Federais: In nº 1.300/12 Autores Luiz Roberto Peroba Rodrigo Martone Mariana Monte Alegre de Paiva Sócio e

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann CIESP CAMPINAS 21-08-2014 Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Análise da Legislação em vigor Susy Gomes Hoffmann Breve Histórico da Legislação. Breve Histórico do Trabalho realizado pela FIESP/CIESP

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO 1I JUNHO DE 2010 1 STJ ADMITE CRÉDITO DA GUERRA FISCAL DE ICMS Mesmo com benefício fiscal, STJ reconhece direito a crédito de alíquota

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF Soma do 13/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Base de cálculo... 4 3.2. Emissão da Nota Fiscal com IPI... 5

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 61, ANO VI JANEIRO DE 2014 I DEFINIÇÃO SOBRE A ALÍQUOTA REDUZIDA DO ICMS SOBRE BENS DE CAPITAL EM SÃO PAULO Após muitos anos, o Fisco

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

TributAção LEGISLAÇÃO TRIBUNAIS DIREITO COMENTADO. Julho de 2014 - Edição nº 93. MP 651 Questões tributárias (p.02)

TributAção LEGISLAÇÃO TRIBUNAIS DIREITO COMENTADO. Julho de 2014 - Edição nº 93. MP 651 Questões tributárias (p.02) TributAção Julho de 2014 - Edição nº 93 LEGISLAÇÃO TRIBUNAIS MP 651 Questões tributárias (p.02) Temas com Repercussão Geral no STF (p. 05) MP 651 Novidades na tributação do PIS/COFINS na alienação de participação

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 Dia: 01 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador Revendedor

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 188 Conteúdo - Atos publicados em novembro de 2015 Divulgação em dezembro/2015

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 188 Conteúdo - Atos publicados em novembro de 2015 Divulgação em dezembro/2015 www.pwc.com.br Clipping Legis Programa de Proteção ao Emprego (PPE) - Instituição - (Conversão da MP nº 680/2015) - Lei nº 13.189/2015 CSLL - Instituições financeiras - Majoração de alíquotas - Disciplinamento

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 01 /2015. Brasília, 03 de março de 2015. Assunto: Melhoria no ambiente de negócios com a alteração da Instrução Normativa SRF nº 1.291, de 19 de setembro de 2012, que dispõe sobre

Leia mais

TributAção. Prazo para adesão à anistia de ICMS no Estado do Rio de Janeiro termina em 28.11.2014 (p.2) Outubro de 2014 - Edição nº 96

TributAção. Prazo para adesão à anistia de ICMS no Estado do Rio de Janeiro termina em 28.11.2014 (p.2) Outubro de 2014 - Edição nº 96 TributAção Outubro de 2014 - Edição nº 96 Prazo para adesão à anistia de ICMS no Estado do Rio de Janeiro termina em 28.11.2014 (p.2) LEGISLAÇÃO Ministério da Fazenda regulamente o novo Reintegra (p. 2).

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

TributAção. Abril de 2012 - Edição Extraordinária

TributAção. Abril de 2012 - Edição Extraordinária TributAção Abril de 2012 - Edição Extraordinária PLANO MAIOR Governo concede novos benefícios fiscais O Governo Federal, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, avançou

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão

Leia mais

RADAR. Normas e Procedimentos. Setembro 2012. Apoio: Elaborado por: Marcos Vinicius Piacitelli Gomes e Angela Maria dos Santos

RADAR. Normas e Procedimentos. Setembro 2012. Apoio: Elaborado por: Marcos Vinicius Piacitelli Gomes e Angela Maria dos Santos Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI

COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI COMÉRCIO EXTERIOR MODALIDADES DE IMPORTAÇÃO E A INTERPOSIÇÃO FRAUDULENTA DE TERCEIROS NA IMORTAÇÃO MODALIDADES DE IMPORTAÇÃO: DIFERENÇAS: CONTA PRÓPRIA: COMPRA E VENDA

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 03, ANO 1I MARÇO DE 2010 1 ACABA EM JUNHO O PRAZO PARA RECUPERAR TRIBUTO INDEVIDO DOS ÚLTIMOS DEZ ANOS STJ já julgou Lei Complementar

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

DO REPES. Dos Benefícios do REPES

DO REPES. Dos Benefícios do REPES DECRETO Nº 5.712, DE 2 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, instituído pelos arts. 1º a 11 da Lei

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS

EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS EXCLUSÃO DA TAXA DE ADMINSTRAÇÃO DE CARTÃO DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS PIS Programa de Integração Social criado pela Lei Complementar n. 7/70 Contribuintes: PJ de direito privado exceções (simples);

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA Em 1º de dezembro de 2004, o Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei de Conversão nº 53, de 2004 (Medida

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP CC02/C01 Fls. nfls txtfls182 Old MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10825.000305/2003-22 Recurso nº 135.656 Matéria PIS/Pasep Acórdão nº 201-81.013 Sessão

Leia mais

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês

INFORMA TRIBUTÁRIO. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações na legislação tributária ocorridas no mês INFORMA TRIBUTÁRIO Principais alterações da legislação tributária, decisões do Poder Judiciário, decisões dos Tribunais Administrativos e notícias de interesse dos contribuintes ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006)

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Cada vez mais e por diversos motivos, as organizações vêm optando por focar-se no objeto principal do seu próprio negócio

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 308 - Data 24 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL - COFINS COFINS.

Leia mais

PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14. Classificação contábil de imóveis e suas repercussões

PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14. Classificação contábil de imóveis e suas repercussões PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14 Classificação contábil de imóveis e suas repercussões Lei das S/A - 1976 - Circulante - Realizável a longo prazo ATIVO

Leia mais

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA.

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. 2009-07-31 Adma Felícia B. M. Nogueira Tatiane Aparecida Mora

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS

QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS CRÉDITOS DE PIS E COFINS - PANORAMA LEGISLATIVO Constituição Federal: Estabelece que alguns setores

Leia mais