Transportes em Portugal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transportes em Portugal"

Transcrição

1 Transportes em Portugal

2 Transportes em Portugal 1 PROCURA CARGA MOVIMENTADA TRANSPORTE PROFISSIONAL RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS Segmentos de Mercado 10 3 ton % 10 3 ton % 10 3 ton % 10 3 ton % 10 3 ton % 10 3 ton % Regional Nacional Internacional TOTAL ton/km % 10 6 Ton/Km % 10 6 ton/km % 10 6 ton/km % 10 6 ton/km % 10 6 ton/km % Regional Nacional Internacional TOTAL Fonte: INE (Veículos portugueses) TRANSPORTE PARTICULAR RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS Segmentos de Mercado 10 3 ton % 10 3 ton % 10 3 ton % 10 3 ton % 10 3 ton % Regional Nacional Internacional TOTAL ton/km % 10 6 Ton/Km % 10 6 ton/km % 10 6 ton/km % 10 6 ton/km % Regional Nacional Internacional TOTAL Nota: Transporte efectuado por automóveis pesados de mercadorias Fonte: INE

3 TRANSPORTE INTRA E INTER-REGIONAL 2011 Regiões Destino Regiões Origem TOTAL NORTE CENTRO LISBOA ALENTEJO ALGARVE TOTAL NORTE CENTRO LISBOA ALENTEJO ALGARVE Fonte: INE DISTRIBUIÇÃO DO TRÁFEGO NACIONAL Por Classes de Distância CLASSES DE DISTÂNCIA < 100 Km e + TOTAL (em Km) 10 3 toneladas FROTA POR CONTA DE OUTRÉM FROTA POR CONTA PRÓPRIA Total % COMÉRCIO EXTERNO Modos de Importações Exportações Comercio Externo Total transporte Ton 10 3 Euro Ton 10 3 Euro Ton 10 3 Euro Por Camião Por Navio Por Avião Outros (a) TOTAL a) Inclui transporte ferroviário Fonte: INE

4 IMPORTAÇÕES POR PAÍSES 2010 PAÍSES Por Camião Por Navio Por Avião Outros (a) TOTAL TONELADAS Alemanha Áustria Bélgica Bulgária Chipre Dinamarca Eslováquia Eslovénia Espanha Estónia Finlândia França Grécia Hungria Irlanda Itália Letónia Lituânia Luxemburgo Malta Países Baixos Polónia Reino Unido República Checa Roménia Suécia Total dos Países UE Total dos Países (a) Inclui transporte ferroviário Fonte: INE

5 EXPORTAÇÕES POR PAÍSES, SEGUNDO OS MODOS DE TRANSPORTE 2011 PAÍSES Por Camião Por Navio Por Avião Outros (a) TOTAL TONELADAS Alemanha Áustria Bélgica Bulgária Chipre Dinamarca Eslováquia Eslovénia Espanha Estónia Finlândia França Grécia Hungria Irlanda Itália Letónia Lituânia Luxemburgo Malta Países Baixos Polónia Reino Unido Roménia República Checa Suécia Total dos Países UE Total dos Países (a) Inclui transporte ferroviário Fonte: INE

6 2 OFERTA PARQUE DE VEÍCULOS DE MERCADORIAS (POR CONTA DE OUTRÉM) 2005/2010 PARQUE Camiões Ligeiros Pesados Tractores Rodoviários TOTAL O parque público (por conta de outrem) refere-se ao número de veículos licenciados Fonte: IMT VEICULOS UTILIZADOS 2011 Por tipo de Veiculo e segundo o Tipo de Parque PARQUE Por Contra de Outrem Por Conta Própria Total Camião Comboio rodoviário Veiculo articulado TOTAL Fonte: Inquérito ao Transporte Rodoviário Mercadorias (Continente)-INE VEÍCULOS PROFISSIONAIS UTILIZADOS Por tipo de caixa

7 EMPRESAS TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS 2010 Dimensão da Empresas de Âmbito l Empresas de Âmbito Total empresa Internacional só Nacional em nº veículos a motor Empresas Veículos Total Empresas Veículos Empresas Veículos 1 a a a a a a e mais Total Fonte: IMT Nº DE VEICULOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS POR CONTA DE OUTRÉM 2010 Dimensão Internacional Só Nacional Total da empresa em nº veículos Veículos Veículos Total Veículos Veículos Total Veículos Veículos Total a motor Pesados Ligeiros de Pesados Ligeiros de Pesados Ligeiros de Veículos Veículos Veículos 1 a a a a a a e mais Total EMPRESAS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS POR CONTA DE OUTRÉM Nº DE EMPRESAS TOTAL Fonte: IMT Dimensão da empresa por nº veículos motor 1 a a a a e mais Total (a) Veic. motor camiões + tractores Fonte: IMT

8 DISTRIBUIÇÃO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS POR CONTA DE OUTRÉM Segundo as NUTS NIVEL II e Escalões e dimensão das empresas Dimensão empresa Empresas por nº e + TOTAL % sem TOTAL % veículos veículos a motor NORTE , ,1 CENTRO , ,3 LISBOA , ,9 ALENTEJO , ,3 ALGARVE , ,4 TOTAL Fonte: IMT Nº DE EMPRESAS COM VEICULOS PESADOS Dimensão da empresa por nº veículos motor 1 a a a a e mais Total (a) Veic. motor camiões + tractores Fonte: IMT Nº DE EMPRESAS COM VEÍCULOS PESADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS POR CONTA DE OUTRÉM Segundo a dimensão e escalões de idade média dos veículos DIMENSÃO DA EMPRESA ESCALÕES DE IDADE MÉDIA DOS VEÍCULOS POR EMPRESA (anos) TOTAL Idade POR Nº DE EMPRESAS média VEICULOS por escalão A MOTOR <1 >=1 e <2 >=2 e <5 >=5 e <10 >=10 e <15 >=15 e <20 >=20 e <30 >=30 empresa , , , , , , , ,3 200 e mais ,5 TOTAL ,2 * Estas empresas podem ter também veículos ligeiros Fonte: IMT

9 PARQUE DE VEICULOS PESADOS DE MERCADORIAS POR CONTA DE OUTRÉM Segundo os escalões de Idade e Peso Bruto Esc. Idade <5 5 a 9 10 a a a 29 >=30 TOTAL Esc. Peso Bruto CAMIÕES <= >7500 e <= >12000 e <= >19000 e <= >= c/informação insuficiente Total TRACTORES TOTAL A idade foi calculada com base no ano de 1ª matricula Fonte: IMT NOVOS VEÍCULOS LICENCIADOS VEÍCULOS PESADOS (CAMIÕES) ANO DE LICENCIAMENTO ANO DE MATRICULA Total de licenciamentos no ano TRACTORES ANO DE LICENCIAMENTO ANO DE MATRICULA Total de licenciamentos no ano Fonte: IMT

10 ACTIVIDADE DE PRONTO SOCORRO 2010 Empresas com veículos Dimensão Actividade Principal Actividade acessória da empresa Nº empresas Nº veículos Nº de empresas Nº veículos (Nº veiculos por empresa e e a e mais Total Dimensão da empresa Total (Nº veiculos Empresas Nº Veículos por empresa) e e a e mais Total Fonte: IMT

11 3 FISCALIDADE E SEGURANÇA RODOVIÁRIA IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO INCIDENTE SOBRE A ACTIVIDADE RODOVIÁRIA NACIONAL 2009/2010 Unidade: Euros Categoria /2010 C 65,7 65,7 65,7 0% D 16,4 15,5 14,4-7,0% Fonte: Ministério das Finanças EVOLUÇÃO DOS ACIDENTES DE VIAÇÃO, NO CONTINENTE Anos /11 Acidentes c/ vitimas ,2 Acidentes c/ mortos e feridos graves ,3 Fonte: ANSR ACIDENTES COM VITIMAS, Segundo a Natureza do Acidente Variação 12/11 Colisão % Despiste ,4% Atropelamento ,4% Total ,2% Fonte: ANSR VEÍCULOS INTERVENIENTES EM ACIDENTES COM VÍTIMAS, Segundo o tipo de veículo Variação Anual 12/10 Velocípedes Ciclomotores Motociclos Veículos ligeiros Passageiros Mercadorias Veículos pesados Passageiros Mercadorias Outros veículos Total Fonte: ANSR

12 VEÍCULOS INTERVENIENTES EM ACIDENTES POR CADA 1000 EM CIRCULAÇÃO Nº DE VITIMAS Anos /11 Mortos F. Graves F. Leves Total de Vítimas Fonte: ANSR ACIDENTES C/ VITIMAS, MORTOS E FERIDOS GRAVES, POR TIPO DE VIA Acid. c/ vítimas Mortos F. Graves / / /11 Auto-Estradas Estrada Nacional IP/IC Estrada Municipal Arruamentos Outras (1) Total da rede (1) Inclui estradas regionais, florestais, pontes e restantes vias Fonte: ANSR

13 MORTOS POR TIPO DE VIA ESTRUTURA ECONÓMICO-FINANCEIRA TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS BALANÇO PATRIMONIAL 2009 % DIMENSÃO DA EMPRESA EM Nº VEÍCULOS A MOTOR 1 e 2 3 e 4 5 a 9 10 a e mais Média Ponderada ATIVO Disponível Créditos c/p Existências Imobilizado Acrésc. e diferimentos PASSIVO Débitos c/p Débitos m/l/p Provisões Acrésc. e diferimentos CAPITAL PRÓPRIO Capital Reservas Result.transitados Result.do exercício Prest.suplementares Fonte: IMT

14 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 2009 (euros) DIMENSÃO DA EMPRESA EM Nº VEÍCULOS A MOTOR Média 1 e 2 3 e 4 5 a 9 10 a e mais Ponderada PROVEITOS E GANHOS Vendas , , , , , ,1 Prestação serviços , , , , , ,7 Trabalhos p/ a própria empresa 575,9 0,0 0,0 46,9 891,1 306,3 Variação da produção 149,5-200, ,4 469, ,0 583,3 Receitas suplementares 8, , , , , ,5 Subsídios 603,9 196,4 57,2 438, ,5 868,5 Outros proveitos operacionais 0,0 597, , , , ,2 (B) , , , , , ,7 Juros e proveitos similares 272, , , , , ,3 (D) , , , , , ,0 Proveitos e ganhos extraordinários 3.397, , , , , ,9 (F) , , , , , ,9 CUSTOS E PERDAS Custo existências consumidas , , , , , ,0 Fornecimento e serviços terceiros , , , , , ,8 Despesas de pessoal , , , , , ,6 Amortizações e reintegrações , , , , , ,1 Provisão do exercício 0,0 453,1 119, , , ,5 Impostos 1.716, , , , , ,8 Outras despesas 76,9 178, , , , ,8 (A) , , , , , ,6 Juros e custos similares 2.309, , , , , ,0 (C) , , , , , ,6 Custos e perdas extraordinárias 2.564, , , , , ,2 (E) , , , , , ,8 Result. Operacionais: (B)-(A) , , , , , ,1 Result. Financeiros: (D-B)-(C-A) , , , , , ,7 Resultados correntes:(d) -(C) , , , , , ,4 Result. Antes Impostos: (F) (E) , , , , , ,1 Fonte: IMT

15 ESTRUTURA DE CUSTOS 2009 % DIMENSÃO DA EMPRESA EM Nº VEÍCULOS A MOTOR CUSTOS 1 e 2 3 e 4 5 a 9 10 a e mais TOTAL PESSOAL 20,8 17,0 26,6 27,5 25,4 24,6 COMBUSTÍVEIS 23,0 15,0 12,3 20,8 21,4 18,1 PNEUS 1,0 1,0 0,6 0,9 1,3 1,0 D. MANUTENÇÃO 4,6 4,0 3,3 5,5 5,0 4,4 SUBCONTRATOS 2,6 0,8 4,9 12,0 7,9 6,3 SEGUROS 2.3 1,6 1,1 1,9 1,8 1,6 OUT. FORN. TERCEIROS 12,7 18,4 14,0 8,1 12,9 13,3 IMPOSTOS 1,1 0,7 0,2 0,5 0,5 0,5 C. EXISTÊNC. CONSUMIDAS 18,9 30,6 30,1 8,4 13,1 20,0 D. FINANCEIRAS 1,5 1,6 0,7 2,8 1,7 1,5 AMORTIZAÇÕES 9,8 8,3 4,6 10,4 7,7 7,3 PROVISÕES 0,0 0,1 0,0 0,3 0,2 0,1 C.EXTRAORDINÁRIAS 1,7 1,0 1,2 0,7 0,6 0,9 OUTRAS 0,1 0,0 0,2 0,2 0,6 0,3 CUSTOS TOTAIS/EMPRESA (euros) Fonte: IMT ESTRUTURA DE CUSTOS 2009 % DIMENSÃO DA EMPRESA EM Nº VEÍCULOS A MOTOR MEDIA INDICADORES 1 e 2 3 e 4 5 a 9 10 a e mais PONDERADA Autonomia Financeira Capital Próprio/Activo 60,5% 43,1% 34,5% 38,1% 31,6% 48,2% Solvabilidade Capital Próprio/Exigível LP 11,7 2,4 5,6 2,3 1,9 7,1 Activo Total/Exigível 2,5 1,8 1,5 1,6 1,5 2,0 Tesouraria Fundo Maneio/Act. Circulante 53,3% 42,7% 29,9% 25,2% 34,0% 43,1% Liquidez Act. Maneio/Exigível CP 2,1 1,6 1,4 1,3 1,5 1,7 Cobertura Cap. Permanentes/Imobiliz. 2,0 1,7 1,3 1,3 1,4 1,7 Endividamento Cap. Alheio/Cap. Total 0,4 0,6 0,7 0,6 0,7 0,5 Cap. Alheio CP/Cap. Alheio 0,8 0,6 0,7 0,7 0,6 0,7 Rentabilidade VAB/Cap. Próprio -1,2% 7,0% 9,8% 2,8% 5,1% 3,5% Produtividade VAB/Produção 29,7% 31,8% 31,6% 30,6% 30,7% 30,7% VAB/Imobilizado(líq.) 61,5% 97,4% 194,6% 70,9% 98,6% 98,1% Fonte: IMT

16 5. CUSTOS DE REFERENCIA DO TRANSPORTE DE CARGA COMPLETA TRANSPORTE NACIONAL Viatura: Conjunto articulado 40 ton PB Estimativa km/ano viatura Percentagem anual kms vendidos 90% Dias úteis de trabalho anual 220 Horas normais de trabalho anual SÍNTESE DE CUSTOS - agosto 2013 Transporte Nacional /km /ano Gasóleo 0, ,70% Pneus 0, ,80% Óleo 0, ,40% Manutenção, inspeção e reparação 0, ,60% Trânsitos 0, ,40% Salários e encargos 0, ,90% Total custos variáveis 0, ,80% Salários e encargos 0, ,70% Seguros 0, ,50% Impostos 0, ,60% Amortizações 0, ,50% Juros 0, ,10% Total custos fixos 0, ,20% TOTAIS 1, % Quadro resumo comparativo valores de custo por km 2008 / variação NACIONAL total / km km pª venda total / km km pª venda 90% 90% Custos Variáveis 0,484 0,538 0,631 0,702 30% Custos Fixos 0,386 0,428 0,375 0,416-3% TOTAL 0,870 0,966 1,006 1,118 16%

17 CUSTOS VARIÁVEIS DE OPERAÇÃO DA VIATURA CUSTOS VARIÁVEIS KILOMÉTRICOS 1 - GASÓLEO Preço /l 1,373 Taxa de IVA 23% Preço sem IVA 1,116 Consumo médio aos 100 km 38,5 Custo/km 0, PNEUS Custo unit Vida útil Custo/km tipo pneu nº pneus ( ) (km) ( ) direcção 2 400, ,0067 tracção 4 425, ,0142 piso misto 6 400, ,0200 recauchutados tracção 4 210, ,0093 piso misto 6 210, ,0140 Custo agregado/km 60% 0, ÓLEO preço/litro. 4,20 capacidade carter litros 32 Preço filtros 20 km entre mudanças Custo/km ( ) 0, MANUTENÇÃO e INSPECÇÃO custo anual conjunto articulado Inspecção 58 Revisão tacógrafo 45 Custo/km ( ) 0, REPARAÇÃO custo anual reparação Custo/km ( ) 0,0382

18 6 - TRANSITOS telemóvel /ano 980 portagens /ano impressos /ano 205 seguro extra mercadoria /ano 0 subtotal Custo/km ( ) 0,0747 CUSTO VARIÁVEL / KM TOTAL 0,6127 ( ) CUSTOS VARIÁVEIS HORÁRIOS SALÁRIOS E ENCARGOS COM MOTORISTA 1 - HORAS EXTRA Horas extra convencionais por dia (nº) 2 Valor da 1ª hora extra ( ) 4,11 Valor das restantes horas extra ( ) 4,52 Nº dias/mês 8 Nº meses/ano 11 Custo anual 759,44 Horas extra em regime próprio por dia (nº) Valor de cada hora extra ( ) Nº dias/mês Nº meses/ano Custo anual 0,00 Fonte: CCTV ANTRAM FESTRU e Lei nº. 23/12 de 25/6 2 - REFEIÇÕES Valor unitário das refeições - almoço ou jantar ( ) 7,50 Valor de pequeno almoço e ceia ( ) 1,91 Almoços / jantares por ano (nº) 88 Custo anual 828,08 Fonte: CCTV ANTRAM FESTRU e Lei nº. 23/12 de 25/6 Custo horário anual total 1.587,52 (1+2) Salários e encargos variáveis por Km 0,0187 Fonte: CCTV ANTRAM FESTRU e Lei nº. 23/12 de 25/6

19 CUSTOS FIXOS DE OPERAÇÃO DA VIATURA NOTA: Os valores referidos no quadro não correspondem aos previstos no CCCTV do sector, mas procuram refletir a realidade praticada 1 - SALÁRIOS E ENCARGOS COM MOTORISTA remuneração base mensal 570,00 nº de meses/ano 14 Remuneração base anual 7.980,00 nº de diuturnidades 2 valor da diuturnidade 14,52 nº de meses/ano 14 Diuturnidades 406,56 valor unitário ajudas de custo 0 nº dias/mês 0 nº de meses/ano 0 Ajudas de custo 0 valor unitário subsídio almoço 7,50 nº dias/mês 22 nº de meses/ano 11 Subsídio almoço 1.815,00 Valor de incidência 8.386,56 taxa social (%) 23,75% Encargos sociais 1.991,81 Total massa remuneratória ,56 Taxa de seguro (%) 3,50% Valor de seguro 357,05 Custo anual ,42 *Limite, atribuindo de 3 em 3 anos até 5 diuturnidades Salários e encargos fixos por Km 0, SEGUROS responsabilidade civil 2.700,00 mercadoria 260,00 Custo anual 2.960,00 Salários e encargos fixos por Km 0, IMPOSTOS imposto rodoviário 500 outros impostos e taxas 0 Custo anual 500 Salários e encargos fixos por Km 0,0059

20 4 - AMORTIZAÇÕES E REINTEGRAÇÕES valor aquisição do tractor ,00 valor aquisição tractor sem pneus ,00 nº anos vida útil 5 valor residual ,00 amortização anual tractor ,00 valor aquisição semi-reboque ,00 valor aquisição semi-reboque sem pneus ,00 nº anos vida útil 8 valor residual 2.500,00 amortização anual semi-reboque 2.512,50 Custo anual ,50 Salários e encargos fixos por Km 0, JUROS Taxa de financiamento % 10,00% Valor médio anual investido ,00 Custo anual 2.616,70 Salários e encargos fixos por Km 0,0308 CUSTOS FIXOS ANUAIS ,62 ( ) CUSTOS FIXOS DIÁRIOS 144,73 CUSTOS FIXOS HORÁRIOS 18,09

21 TRANSPORTE INTERNACIONAL Viatura matricula: Conjunto articulado 40 ton PB Estimativa km/ano viatura Custo Variável unitário 0,5535 Total Custo Variável ,53 nº dias do serviço 220 Custo fixo diário 206,07 Total custo fixo ,33 CUSTO DO TRANSPORTE ,86 CUSTO/KM DO SERVIÇO 0,9313 SÍNTESE DE CUSTOS - agosto 2013 /km /ano Gasóleo 0, ,20% Pneus 0, ,40% Óleo 0, ,30% Manutenção, inspecção e reparação 0, ,90% Trânsitos 0, ,40% Total custos variáveis 0, ,20% Motorista 0, ,70% Seguros 0, ,40% Impostos 0, ,40% Amortizações 0, ,90% Juros 0, ,40% Total custos fixos 0, ,80% TOTAIS 0, ,00% Quadro resumo comparativo INTERNACIONAL variação Custos Variáveis 0,462 0,549 19% Custos Fixos 0,448 0,378-16% TOTAL 0,910 0,926 2%

22 CUSTOS VARIÁVEIS DE OPERAÇÃO DA VIATURA 1 - GASÓLEO Países Portugal Espanha França Alemanha Outros Total % enchimento 10% 80% 5% 5% 0% 100% Preço /Litro 1,3730 1,3595 1,3472 1, Taxas de IVA 23,0% 18,0% 19,6% 19,0% 0,0% Tx recup IVA 23,0% 18,0% 19,6% 19,0% 0,0% Preço sem IVA 1,1163 1,1521 1,1264 1,1866 0,0000 Custo Médio 0,1116 0,9217 0,0563 0,0593 0,0000 Custo Médio Agregado/litro 1,1490 Consumo médio aos 100 km 34 Custo Médio Agregado/litro 1,1633 Consumo médio aos 100 km 34 Custo/km 0, PNEUS tipo pneu nº pneus Custo unit ( ) Vida útil (km) Custo/km ( ) direcção 2 425, ,0039 tracção 4 450, ,0078 piso misto 6 425, ,0128 recauchutados tracção 4 280, ,0045 piso misto 6 280, ,0084 Custo agregado/km 60% 0, ÓLEO preço/litro. 4,20 capacidade carter litros 34 Preço filtros 20 km entre mudanças Custo/km ( ) 0,0027

23 4 - MANUTENÇÃO e INSPECÇÃO custo anual conjunto articulado Inspecção 58 revisão tacógrafo 45 Custo/km ( ) 0, REPARAÇÃO custo anual reparação Custo/km ( ) base Km , TRANSITOS telemóvel /ano portagens /ano impressos /ano 205 seguro extra mercadoria /ano 0 subtotal Custo/km ( ) base Km ,0875 CUSTO VARIÁVEL UNITÁRIO 0,5486 ( )

24 CUSTOS FIXOS DE OPERAÇÃO DA VIATURA 1 - SALÁRIOS E ENCARGOS COM MOTORISTA remuneração base mensal 740,00 551,3 nº de meses/ano 14 remuneração base anual ,00 nº de diurtinidades 3 * Valor da diurtinidade 14,52 18,428 nº de meses/ano 14 Diuturnidades 609,84 (Claúsula 74) valor dia 11,21 nº dias/mês 30 nº de meses/ano 13 Claúsula ,90 (Prémio TIR) Valor mensal 119,01 nº de meses/ano 13 Ajudas de custo TIR 1.547,13 (ajudas de custo no estrangeiro) valor dia nº dias/mês 15 nº de meses/ano 0 Ajudas de custo no estrangeiro 0,00 (Sub. Almoço Portugal) valor dia (mediante fact) 7,50 nº dias/mês 5 nº de meses/ano 11 Subsídio almoço Portugal 412,50 (Sáb. Dom. Feriados no estrang) valor dia acrescido de 50% 51,23 nº dias/mês 5 nº de meses/ano 11 Sáb. Dom. Feriados no estrang 2.817,69 Valor de incidência ,43 taxa social (%) 23,75% encargos sociais 5.482,90 Total massa remuneratória ,06 Taxa de seguro (%) 3,50% Valor de seguro 704,17 Custo anual ,13 * Limite, atribuindo de 3 em 3 anos até 5 diuturnidades Subsídio de risco do motorista de transporte ADR / dia = 4,88 Salários e encargos fixos por Km 0,2192

25 2 - SEGUROS responsabilidade civil 2.700,00 CMR mercadorias 0,00 Custo anual 2.700,00 Salários e encargos fixos por Km 0, IMPOSTOS imposto rodoviário 500 outros impostos e taxas 0 Custo anual 500 Salários e encargos fixos por Km 0, AMORTIZAÇÕES E REINTEGRAÇÕES valor aquisição tractor sem pneus ,00 nº anos vida útil 5 valor residual ,00 amortização anual tractor ,00 valor aquisição semi-reboque sem pneus ,00 nº anos vida útil 8 valor residual 2.500,00 amortização anual semi-reboque 2.512,50 Custo anual ,50 Salários e encargos fixos por Km 0, JUROS Taxa de financiamento % 10,00% Valor médio anual investido ,00 Custo anual 2.616,70 Salários e encargos fixos por Km 0,0218 CUSTOS FIXOS ANUAIS ,33 ( ) dias úteis de trabalho anual 220 CUSTOS FIXOS DIÁRIOS 206,07

26 Quadro resumo comparativo valores de custo por km 2008 / variação NACIONAL total / km km pª venda total / km km pª venda 90% 90% Custos Variáveis 0,484 0,538 0,631 0,702 30% Custos Fixos 0,386 0,428 0,375 0,416-3% TOTAL 0,870 0,966 1,006 1,118 16% INTERNACIONAL variação Custos Variáveis 0,462 0,549 19% Custos Fixos 0,448 0,378-16% TOTAL 0,910 0,926 2%

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2).

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2). 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 04-agosto-2015 3.1. Cartões de Crédito Designação do cartão Redes onde o cartão é aceite Barclays

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Transportes Públicos Interurbanos Rodoviários de Passageiros. Actividade Empresarial

Transportes Públicos Interurbanos Rodoviários de Passageiros. Actividade Empresarial Transportes Públicos Interurbanos Rodoviários de Passageiros Actividade Empresarial 2006 ÍNDICE GERAL 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 4 2. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 6 3. CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE... 9 3.1.

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Classic Estrangeiro: Rede 28,85 28,85 19,23 19,23 Isenção

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

REDUÇÃO DE VELOCIDADE NAS MARGINAIS JILMAR TATTO

REDUÇÃO DE VELOCIDADE NAS MARGINAIS JILMAR TATTO REDUÇÃO DE VELOCIDADE NAS MARGINAIS JILMAR TATTO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES DE SP JULHO 2015 MARGINAL TIETÊ (2014) ACIDENTES COM VÍTIMAS ATROPELAMENTOS MARGINAL PINHEIROS (2014) ACIDENTES COM

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015 EUR / Kg Peso Vivo CONJUNTURA SEMANAL - AVES Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS News Release DATA: 30 de Janeiro CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS As vendas dos carros novos a gasóleo na Europa continuam a aumentar à medida que os consumidores trocam

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

O Projecto SEAROAD. O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux.

O Projecto SEAROAD. O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux. O Projecto SEAROAD O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux. O serviço Ro-Ro um serviço integrado door-to-door com base marítima e rodoviária

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal?

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? 10 Outubro 2012 Manuela Nina Jorge Índice 02 1. Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos

Leia mais

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE ECC-Net: Travel App Uma nova aplicação para telemóveis destinada aos consumidores europeus que se deslocam ao estrangeiro. Um projeto conjunto da Rede de Centros Europeus do Consumidor Nome da app: ECC-Net:

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

O movimento de passageiros nos aeroportos nacionais em tráfego comercial totalizou 32,6 milhões em 2013 (+4,9%).

O movimento de passageiros nos aeroportos nacionais em tráfego comercial totalizou 32,6 milhões em 2013 (+4,9%). Estatísticas dos Transportes e Comunicações 2013 13 de novembro de 2014 Dinâmicas diferenciadas nos vários modos de transporte Passageiros transportados aumentaram nos aeroportos nacionais (+4,9%) mas

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência 1 Proposta de Adesão de Crédito - Particulares Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Identificação do titular Nome Completo B.I./ Cidadão Nº Contribuinte

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos Em Análise Walter Anatole Marques 1 Importações e Exportações Portuguesas de Produtos A balança comercial de produtos de Portugal é fortemente deficitária, tendo o peso do seu défice no PIB aumentado mais

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa.

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa. BMW Motorrad Após-Venda Serviços Móveis BMW Motorrad Após-Venda Pelo prazer de conduzir Serviços Móveis BMW Motorrad Mobile Care. BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02-2016

Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02-2016 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros Uma Abordagem Valpi Sumário 1. Envolvente 2. Oportunidades 3. Abordagem Valpi Envolvente Repartição dos Modos Transporte na AMP 1991 2001 7,1

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites.

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites. Vodafone Negócios Red é todas as coisas boas para o seu negócio Sem preocupações, sem limites. Vodafone Red Pro Chamadas e SMS para todas as redes Número fixo no telemóvel com funcionalidades One Net

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada

Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada O Automóvel Club de Portugal propõe: Que não limite o incentivo ao abate na aquisição de carros novos que emitam mais 140 g/km. Que não

Leia mais

Exame de. Fiscalidade de Empresas 11

Exame de. Fiscalidade de Empresas 11 Exame de Fiscalidade de Empresas 11 (Época Especial para Alunos Finalistas) Ano Lectivo 2005/2006 16/09/2006 Prática Docentes: António Vítor Almeida Campos Carlos Manuel de Freitas Lázaro João Andrade

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL

O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL ACAP ASSOCIAÇÃO AUTOMÓVEL DE PORTUGAL AUTO INFORMA COMERCIALIZAÇÃO DE ESTUDOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO SECTOR AUTOMÓVEL, UNIPESSOAL, LDA. O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL Lisboa 2008 ACAP

Leia mais

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas Sessão de esclarecimento sobre o euro impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28 Consultores de Gestão etapas 1.Jan.1999 entra em vigor o EURO (moeda escritural) não obrigação

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Informação ao Utente sobre Preço dos Medicamentos Situação Europeia

Informação ao Utente sobre Preço dos Medicamentos Situação Europeia que não requerem PVP na embalagem dos medicamentos Alemanha Informação sobre preços é fornecida às farmácias e seguradoras pelo IFA (Information Centre for Pharmaceutical Specialities). Identificação do

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais