Internet Um mundo paralelo Luiz Zico Rocha Soares PROJETO DE LEITURA. O autor. Ficha Autor: Resenha. Quadro sinóptico.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internet Um mundo paralelo Luiz Zico Rocha Soares PROJETO DE LEITURA. O autor. Ficha Autor: Resenha. Quadro sinóptico."

Transcrição

1 Internet Um mundo paralelo Luiz Zico Rocha Soares PROJETO DE LEITURA 1 O autor Luiz Zico Rocha Soares nasceu na cidade de São Paulo em 10 de novembro de Em 1978, entrou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP com a intenção de se tornar planejador urbano. Formou-se em 1983 e foi fazer desenho animado. Em 1985, descobriu que precisava melhorar suas técnicas de desenho e pintura. Pintou até 1989 (cerca de duzentos quadros). Então parou tudo para trabalhar com marcenaria. Depois de um ano fazendo caixas de madeira, associou-se a dois amigos arquitetos e fundaram uma fábrica de brinquedos. Até 1997, desenhou jogos e brinquedos. Nesse período, começou a usar o computador na tarefa de desenhar os jogos e as embalagens e escreveu seus primeiros livros : as regras dos jogos que criava. Ao desligar-se da fábrica, passou a trabalhar em projetos gráficos para jornais e revistas. Em 2001, foi convidado por um amigo para desenvolver um site para a internet. Apesar de não entender nada de programação e bases de dados, viu que era ali, no mundo virtual, que teria con- dições de pôr em prática as atividades que lhe interessavam: desenhar, escrever e planejar sistemas de comunicação. Com o tempo, até aprendeu um pouco de programação. Resenha A coleção Comunicação Hoje convida o leitor a refletir sobre as formas de comunicação das pessoas na sociedade contemporânea e as mídias utilizadas por elas, como também sobre suas contribuições e influências no comportamento humano, a partir de um viés histórico. No volume Internet Um mundo paralelo, o leitor entra em contato com a história do computador por meio de uma linguagem agradável, que o instiga a conhecer mais sobre o tema e gera um envolvimento gradativo com o livro. As informações sobre o funcionamento do computador, e suas possibilidades de uso e equipamentos, estão vinculadas ao processo histórico de comunicação da sociedade e ao desenvolvimento tecnológico. Essas informações são apresentadas a partir de analogias retiradas de situações comuns do cotidiano, o que auxilia na compreensão do texto. >> >> Ficha Autor: Luiz Zico Rocha Soares Título: Internet um mundo paralelo Pesquisa iconográfica e ilustrações: Luiz Zico Rocha Soares e Sergio Roberto Mancini Formato: 17 x 24,5 cm N o de páginas: 32 Elaboração: Shirley Bragança Quadro sinóptico Gênero: paradidático Palavras-chave: comunicação, hipertexto, link Temas transversais: pluralidade cultural, ética, trabalho e consumo Interdisciplinaridade: Matemática, Música e Informática INDICAÇÃO: leitor fluente: a partir de 11 anos ensino fundamental Internet CP01ed01 PP.indd :38:56

2 >> Outro fator determinante no envolvimento do leitor com o livro são as curiosidades. Elas aparecem salpicadas, o que desperta no leitor o interesse em ampliar a informação recebida. Nos anos de , o engenheiro americano Doug Engelbart pesquisava uma série de inventos que facilitassem a entrada e a manipulação de dados nos computadores (...) a que se mostrou mais eficiente foi uma caixinha de madeira com duas rodas perpendiculares que ficavam encostadas à mesa. (...) A aparência lembrava um inseto, chegaram a chamá-lo de bug (inseto em inglês), mas o fio correndo por trás da caixa e o movimento de vaivém, quando o dispositivo era usado, faziam-no mais parecido com um rato (mouse, em inglês). E foi esse nome que vingou. (p. 8) Além disso, a obra permite que o professor desenvolva um trabalho em sala de aula com os conceitos de rede e hipertexto, uma vez que seu projeto gráfico e sua diagramação funcionam como facilitadores no processamento dessas informações e em sua organização, de modo a tornar temas complexos mais acessíveis. O hipertexto exploratório mantém a autoria original, mas encoraja e permite a uma audiência (os navegadores) controlar a transformação de um corpo de informações para suprir suas necessidades e interesses, criando sequências próprias. Essa transformação de ordem pode incluir a capacidade de criar, mudar e recobrir encontros particulares com um corpo de conhecimentos, mantendo esses encontros como versões do material. Conversa com o professor O computador mudou nossa maneira de ler, construir e interpretar textos, pois, por meio dele, chegamos à decomposição textual e a uma liberdade de escolha fantástica, tanto no ato da leitura relacionando vários textos, sons e imagens como na escrita, em que se evapora a autoridade do autor original, abrindo espaço para um leitor-produtor, que passa a contribuir com o texto por meio de seu próprio corpo de conhecimento, entrelaçandoo pelos links, nós. Esses nós são as conexões. Elas podem ser palavras, gráficos, charges, imagens, sequências sonoras e documentos complexos, aos quais o leitor tem acesso por meio do mouse. Estamos falando de hipertexto, um sistema de textos interligados por referências cruzadas (p. 14); ou seja, um tipo textual não sequencial, não linear, que se bifurca e permite ao leitor o acesso a um número praticamente ilimitado de outros textos a partir de escolhas locais e sucessivas, em tempo real (MARCUSCHI, 2001). Neles, o leitor pode pular de um link para outro sem respeitar hierarquias de divisões de parágrafos, capítulos ou outras divisões convencionais do texto. Os hipertextos podem ser classificados em exploratórios e construtivos: O hipertexto construtivo evapora a autoridade do autor original e requer a capacidade de agir, recriar, recobrir encontros particulares com o desenvolvimento de um corpo de conhecimento. O hipertexto construtivo requer representações visuais e pessoais do conhecimento que desenvolve. No caso de uma narrativa, podem ser acrescentados novos personagens, novas tramas e orientações (MARCUSCHI, 2001). >> 2 >> Internet CP01ed01 PP.indd :39:00

3 >> Essa nova maneira de leitura e escrita exige muito do leitor/produtor. A ele caberá ter domínio de habilidades e de estratégias de processamento de informações que abranjam tanto a linguagem matemática e científica como textos com diagramas, gráficos, tabelas, charges e outros. Como vários tipos de códigos sociais complexos estão sendo incorporados a cada dia e manifestados na linguagem, também é de responsabilidade desse leitor de hipertextos decidir por onde começar a leitura e estabelecer interconexões para uma leitura compreensiva. Nos textos impressos, a interação do leitor é outra e seu poder de interferência é menor, mais controlado, pois as figuras do leitor e do autor são bem distintas em relação ao hipertexto, por suas características internas e estruturais: número limitado de páginas (o que reduz as entradas no texto), texto linear e sequencial (com divisões em capítulos e parágrafos), ausência de links complexos (janelas que se abrem uma atrás da outra simultaneamente) e limitação de códigos e linguagens. No entanto, se atentarmos para o processo de leitura, em especial da literária, podemos dizer que o leitor realiza uma leitura hipertextual complexa do texto impresso, uma vez que no ato da leitura ele abre janelas e o conecta com sua biblioteca interior, encadeando outros textos, imagens, sons etc. gerados de experiências de leituras anteriores. O assunto é complexo e requer do professor estratégia para viabilizar a compreensão do objeto. O livro Internet Um mundo paralelo auxiliará professor e aluno nessa descoberta. Ambos poderão vivenciar experiência de construção e leitura de hipertexto, refletindo sobre a ação realizada por meio de observação dos resultados obtidos com as situações novas propostas por este suplemento. Comentários sobre a obra A coleção Comunicação Hoje é composta de sete livros que chamam a atenção do leitor para as diferentes formas de comunicação. O computador é apresentado por meio do diálogo permanente entre o código verbal e o não verbal, numa perspectiva de linha do tempo. O projeto gráfico da obra Internet Um mundo paralelo faz alusão à linguagem do hipertexto: dinâmico, não sequencial e com várias entradas. A conectividade, ou seja, os links, se dá por temas que remetem a outros temas, apresentando a narrativa por meio do conceito de redes (sistemas abertos, em constante relacionamento com o meio, que têm por característica a não linearidade, a descentralização e a ausência de hierarquia), o que permite uma quebra na maneira tradicional de ler (da esquerda para a direita e de cima para baixo), valorizando a proposta do livro, que é guiar o leitor pelo olhar. A diagramação explora boxes de cores e tamanhos variados a cada página, instigando no leitor um olhar de observador, um olhar que concentra o pensamento e os sentidos com vontade de ver, de apreender, de perceber os detalhes significativos. Esse exercício proposto na obra de maneira muito sutil favorece a quebra do olhar mecanizado do dia a dia e a transformação da informação em conhecimento, por meio da articulação dos códigos. >> 3 >> Internet CP01ed01 PP.indd :39:01

4 >> A organização do livro por temas conduz o professor a abrir um leque de discussões sobre assuntos da atualidade que poderão fazer parte de mesas-redondas e debates a serem realizados dentro e fora da sala de aula, como: Conteúdos veiculados na web de natureza preconceituosa, de cunho sectário etc. (É importante incentivar os alunos a procurar esses conteúdos e propor o debate sobre sua inadequação, além de apresentar canais e formas de denúncias, tanto no que diz respeito a sua formação ética e política como no que tange à regulação ética do uso da rede.) A confiabilidade de dados na web. (Discutir a veiculação desses dados e a ação dos hackers na rede.) Os gêneros textuais que circulam na web, suas linguagens e a capacidade de compreensão dos usuários etc. (É importante levar o aluno a compreender o nível de linguagem empregado em cada gênero e as interferências do suporte textual no ato da leitura.) >> >> A obra possibilita ainda ao professor e ao aluno a oportunidade de experienciar a construção de um hipertexto, desenvolvendo no aluno o que Piaget chamou de compreensão contextualizada de conceitos envolvidos em uma tarefa, o que é possível por meio da realização de ações complexas pelas crianças. Essas ações envolvem vários conceitos, e a criança não só é capaz de realizá-las de modo prático, mas também de analisá-las. 4 Internet CP01ed01 PP.indd :39:04

5 Preparando a leitura ATIVIDADES PROPOSTAS 1. Converse com os alunos sobre as atividades que realizamos utilizando o computador. Destaque a maneira como lemos os textos nessa mídia (movendo a barra de rolagem e o mouse, de cima para baixo ou de modo não sequencial, quando nos deparamos com um hipertexto). 2. Leve um jornal impresso para a sala de aula e compare o modo de leitura do computador e do jornal: a organização da primeira página do jornal, as propagandas em movimento na internet, a forma de interação do leitor etc. 3. Apresente as chamadas da primeira página do jornal impresso e mostre aos alunos que elas também podem ser chamadas de links, pois conectam o leitor à notícia que ele quer ler nas páginas internas. Peça aos alunos que deem outros exemplos de link. 4. Pergunte aos alunos se eles conhecem o termo hipertexto e se já leram algum hipertexto. Peça para relatarem a experiência. 5. Destaque duas das atividades mais costumeiras realizadas por eles usando computador: e jogos. Pergunte-lhes quais os assuntos mais abordados nos s, que tipo de arquivos eles costumam anexar às mensagens, se podemos considerar s hipertexto e por quê. No caso dos jogos, pergunte se eles têm alguma semelhança com os hipertextos. 6. Estabeleça um paralelo entre o e a carta. Quais as semelhanças e diferenças que esses dois gêneros textuais apresentam? Como o leitor recebe a mensagem escrita no papel (carta) e no (computador)? 7. E o jogo? Como é a interação entre jogador e jogo via computador e na mídia impressa (palavras cruzadas no jornal, revistas, jogos de raciocínio lógico)? Podemos dizer que, de certo modo, abrimos janelas, links, quando realizamos essas tarefas? 8. Proponha duas brincadeiras: Brincadeiras da vovó e Orkut na era dos Flintstones. O objetivo é levar o aluno a analisar as ações realizadas na atividade, confrontando-as com os argumentos expostos antes da brincadeira a fim de corroborá-los ou não. 5 Internet CP01ed01 PP.indd :39:05

6 6 BRINCADEIRA 1 1. Brincadeiras da vovó: divida a turma em grupos. Distribua os jogos sugeridos abaixo. Vencerá o grupo que terminar primeiro. BRINCADEIRA 2 2. Orkut na era dos Flintstones: prenda com um clipe, ou outro material qualquer, a metade de uma folha de papel branco, tamanho A4, nas costas de cada aluno. Distribua aos alunos canetas hidrocor. O primeiro mouse. Peça a eles que escolham alguns colegas e escrevam recados, elogios etc. no papel colado nas costas de cada um. Os recados deixados não precisam ser identificados. Em seguida, escolha alguns alunos para ler os recados recebidos. Retome as observações feitas pelos alunos antes da realização dos jogos. Estabeleça um paralelo entre o antes e o depois das brincadeiras. Na brincadeira Orkut na era dos Flintstones, compare os recados escritos na folha de papel com os scraps. O aluno usou a mesma linguagem da internet? Por quê? O que influenciou a utilização ou não dessa linguagem? Para fomentar a discussão, apresente o livro como um instrumento facilitador para a compreensão dos assuntos abordados (computador, links, textos, hipertextos, modos de leitura e interação do leitor com os suportes textuais). Trabalhando a leitura 1. Proponha aos alunos iniciar a leitura do livro pela página 27 (Entretenimento). Em seguida, desafie a turma a continuar a leitura escolhendo uma direção (para trás ou para a frente). Interrompa a leitura e recomece da forma tradicional, ou seja, a partir da capa do livro. 2. Compare as duas leituras. Houve prejuízo da compreensão? O que aconteceu? 3. Apresente a lógica da obra e a alusão que o autor faz aos hipertextos. Compare os caminhos que cada um tomou e as interferências causadas no ato da leitura. Compare as características do livro (texto linear e sequencial) com as do hipertexto (texto não linear, não sequencial, com várias entradas). Explorando a leitura Os hipertextos são atividades estimulantes que envolvem os alunos em todas as etapas. Eles permitem que o professor explore vários tipos de conhecimento e ainda dão a ele abertura para desafiar o aluno, incrementando a qualidade da interação. Por meio dos hipertextos podemos também discutir uma estratégia sobre como relacionar textos e conceitos disciplinares utilizando códigos e linguagens variados. Internet CP01ed01 PP.indd :39:06

7 TECENDO A REDE com hipertextos Primeiro momento 1. Leve a música Pela internet, de Gilberto Gil, para a sala de aula. (Veja a letra da música na seção Quer saber mais?.) 2. Teça comentários sobre a música, destacando a ampliação das possibilidades de comunicação proporcionadas pelo computador/internet. Segundo momento Proponha aos alunos a elaboração de um hipertexto, da seguinte maneira: 1. Escreva um tema em uma cartolina e afixe o cartaz em uma das paredes da sala de aula. Em seguida, vá inserindo setas e os links sugeridos pelos alunos. Esses textos e imagens (ilustrações) serão colados em folhas de papel ofício que deverão ser enroladas como canudos e presas por um clipe. Fixe-as nos lugares escolhidos pela turma. 2. Depois de fixar todas as contribuições, escolha alguns alunos para ler o hipertexto. Os alunos escolhidos tirarão o clipe e lerão três links, a sua escolha, simulando a leitura de um hipertexto. 3. Após a leitura, cada aluno relatará por que escolheu determinado caminho. Em seguida, compare os caminhos percorridos pelos alunos e as interferências dessas escolhas. 4. Caso a escola possua laboratório de informática, distribua os alunos em grupos e solicite a elaboração de um hipertexto com temas retirados do livro Internet Um mundo paralelo. Peça ao professor de informática orientações quanto à organização e ao processamento das informações em um programa adequado. >> 7 >> Internet CP01ed01 PP.indd :39:08

8 >> Terceiro momento Promova uma exposição dos trabalhos dos alunos no laboratório de informática, convidando outras pessoas para assistir. QUER SABER MAIS? Pela internet Gilberto Gil Criar meu website Fazer minha homepage Com quantos gigabytes Se faz uma jangada Um barco que veleje Que veleje nesse infomar Que aproveite a vazante da infomaré Que leve um oriki do meu velho orixá Ao porto de um disquete de um micro em Taipé Um barco que veleje nesse infomar Que aproveite a vazante da infomaré Que leve meu até Calcutá Depois de um hotlink Num site de Helsinque Para abastecer De Connecticut acessar O chefe da Macmilícia de Milão Um hacker mafioso acaba de soltar Um vírus pra atacar programas no Japão Eu quero entrar na rede pra contatar Os lares do Nepal, os bares do Gabão Que o chefe da polícia carioca avisa pelo celular Que lá na praça Onze tem um videopôquer para se jogar Eu quero entrar na rede Promover um debate Juntar via internet Um grupo de tietes de Connecticut Ilustrações: Ideograma Computação Gráfica Ltda. 8 Internet CP01ed01 PP.indd :39:11

9 ORDEM ORDEM Orkut O site Orkut foi criado em 2004 pelo projetista-chefe e engenheiro do Google, o turco Orkut Büyükkökten. O site tem o seu nome, e o objetivo de Orkut foi criar uma rede social para ajudar seus membros a fazer novas amizades e manter os relacionamentos já existentes. Esse trabalho surgiu como um projeto independente, quando Orkut Büyükkökten estudava na Universidade de Stanford. Seu trabalho ganhou volume e ele o levou também para o Google. Hoje existem milhares de orkuteiros espalhados por várias partes do mundo. Veja o quadro abaixo, no qual é mostrado o ranking de usuários por países. É importante ressaltar que essas informações têm base na origem informada pelos usuários durante o preenchimento do cadastro do site. Dados fornecidos pela Outras obras que exploram a linguagem do computador Demografia do Orkut em 31 de março de 2004 E PROGRESSO Estados Unidos 51,36% Japão 7,74% Brasil 5,16% Países Baixos 4,10% Reino Unido 3,72% Orkut Büyükkökten Nascimento 6 de fevereiro de 1977 Konya, Turquia Nacionalidade T Turco Ocupação Engenheiro de software Demografia do Orkut em 12 de abril de 2007 E PROGRESSO Brasil 55,82% Estados Unidos 18,94% Índia 13,99% Paquistão 1,46% Irã 0,72% Reino Unido 0,61% Japão 0,43% Portugal 0,41% Canadá 0,37% México 0,37% FALCÃO, Adriana. PS Beijei. São Paulo: Ed. Salamandra, Uma história escrita pela troca de s. Narra as peripécias de duas amigas em busca da aventura do primeiro beijo. CAPARELLI, Sérgio. 33 Ciberpoemas e uma Fábula Virtual. Porto Alegre: L&PM, Poemas interessantes, e bem-humorados, que exploram a linguagem do computador. BRAZ, Júlio Emílio. O Blog da Marina. São Paulo: Saraiva, Marina é uma garota divertida, antenada e blogueira. Por meio de seu blog, ela apresenta o comportamento de uma garota de catorze anos apaixonada e as inevitáveis preocupações de uma mãe cuidadosa. 9 Internet CP01ed01 PP.indd :39:15

10 Filmes Série Edunet. Composta por quatro programas educativos de aproximadamente onze minutos que apresentam a internet como ferramenta pedagógica em sala de aula. Realização/veiculação: TV Escola Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. 1. Apresentando a internet. 2. Passeios virtuais pela internet. 3. Pesquisando na internet. 4. Comunicando-se via internet. 10 Internet CP01ed01 PP.indd :39:17

11 ANEXO TEÓRICO Ler é dotar de sentido, tirar à luz os sentidos possíveis que a obra traz em si e em sua relação com as demais. Cada leitura é uma nova escrita do texto. O ato de criação não seria o autor, mas o leitor. (Bella Jozef) Ao pensarmos sobre releituras e dialogismo, e no desafio do leitor em deslindar um texto com toda a sua complexidade, sentimos a necessidade de sugerir um caminho para você, professor. Por isso indicamos a Metodologia dos Três Olhares, concebida por Francisca Nóbrega, no Rio de Janeiro, e a Estética da Recepção, concebida por Hans Robert Jauss, na Alemanha, como instrumentos valiosos para auxiliar no processo de leitura de textos verbais e não verbais. Nessa metodologia, o leitor tem a função de confirmar a existência do texto e de deslindar seus múltiplos significados, promovendo o jogo interpretativo que ele quer e exige (OLIVEIRA, 1996). Ou seja, o texto se mostra ao leitor como algo a ser compreendido, interpretado e explorado em sua plurissignificação, reconstruído de acordo com o horizonte de experiências dele mesmo. 11 Internet CP01ed01 PP.indd :39:20

12 Método dos três olhares à luz da estética da recepção MOMENTOS DO OLHAR O que acontece O que faz Como faz O que importa 1 o MOMENTO Olhar receptivo Encontro do leitor com um mundo que não conhece Uma leitura que apanha os elementos significativos, sinais, referentes Olha e vê Reconhecer os elementos significativos, sinais, referentes 2 o MOMENTO Olhar mediador Encontro do leitor com o mundo significativo Uma leitura de diálogo com o texto, por meio da pergunta e da resposta Olha, vê, interroga e busca O exame da realidade representada, por meio do questionamento da busca dos porquês, causas e motivos 3 o MOMENTO Olhar ativo Encontro do leitor com o mundo novo que agora conhece Uma leitura de cruzamento do ver e do sentir, do exterior e do interior, ou seja, cruzar experiências Olha, encontra, associa, reúne, interioriza, vê e lê A integração do novo que se vê e do antigo que é a experiência do já visto, fusão de horizontes, ampliação de conhecimento Bibliografia COSTA, Larissa. Redes Uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto- -organização. Brasília: WWF-Brasil, MARCUSCHI, Luiz Antônio. UNIVERSIDA- DE FEDERAL DE PERNAMBUCO. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Disponível em rle.ucpel.tche. br/php/edicoes/v4n1/f_marcuschi.pdf OLIVEIRA, V. S. de. O Leitor em Diálogo e o Discurso Literário A estética da recepção. 14 a Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Seminário Nacional de Literatura Infantil e Juvenil, PAULINO, Graça. Tipos de Textos, Modos de Leitura. Belo Horizonte: Formato Editorial, Acessado em 10/7/ Este projeto de leitura está com a Nova Ortografia conforme o Acordo Ortográfi co da Língua Portuguesa. O que resulta Compreensão VER-POR- -CONHECER Interpretação VER-E-PENSAR Aplicação VER-PENSAR-LER 12 Internet CP01ed01 PP.indd :39:22

Ciências Humanas Sociologia As mídias e os meios de comunicação Linguagens Códigos e suas Tecnologias Português Linguagem Digital: blog Ensino Médio,

Ciências Humanas Sociologia As mídias e os meios de comunicação Linguagens Códigos e suas Tecnologias Português Linguagem Digital: blog Ensino Médio, Ciências Humanas Sociologia Linguagens Códigos e suas Tecnologias Português Linguagem Digital: blog Um Olhar Educativo para as Mídias através de uma Linguagem Digital: Blog Introdução Créditos Avaliação

Leia mais

É o processo de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e da comunicação entre os países;

É o processo de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e da comunicação entre os países; A GLOBALIZAÇÃO Afinal,o que é Globalização? É o processo de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e da comunicação entre os países; Promoveu a mundialização ou internacionalização do

Leia mais

Filosofia Professor: Larissa Rocha c)

Filosofia Professor: Larissa Rocha c) Globalização, Mídia e Consumo 1. A reportagem apresenta uma reflexão acerca das possibilidades e limitações do uso das novas tecnologias no ativismo político no mundo atual. As limitações existentes para

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2B

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2B CADERNO DE EXERCÍCIOS 2B Ensino Fundamental Códigos e Linguagens Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Estabelecer relações entre textos H13 e fatos do cotidiano 2 Uso de sentido literal ou

Leia mais

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais Habilidades: Distinguir os gêneros de linguagem cibernética e apropriar-se dessas ferramentas de mídias sociais. REVISÃO O Internetês Grafolinguística:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01: Avalie as afirmativas seguintes em relação ao Romantismo. (1,0) I. As primeiras manifestações literárias do Romantismo ocorreram nos países europeus mais

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Sua escola, nossa escola

Sua escola, nossa escola Sua escola, nossa escola Episódio: Ana Xavier e a semana dos talentos. Limoeiro- Pernambuco Resumo A série Sua escola nossa escola relata experiências de sucesso em várias escolas públicas do Brasil. O

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

Programa Intel Educar Curso Essencial On-line Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem

Programa Intel Educar Curso Essencial On-line Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Janeiro, 2010 Visão Geral Espaço do Professor Mediador Bem-vindo ao! Em um ambiente de aula centrado no aluno, os alunos criam produtos que requerem o uso proficiente

Leia mais

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento Atividade 9 Espaços da escola Encaminhamento Leve os alunos para conhecer os espaços da escola: sala de leitura, informática, refeitório, quadra de futebol, parque, etc. Peça para os alunos registrarem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador DVD Vídeo-Aula Internet na escola ENCARTE www.educarede.org.br Internet na escola Caderno do capacitador Internet na escola 3 Pesquisar Acessar o conhecimento é condição para compreendermos a sociedade

Leia mais

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012 EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação Porto Alegre 2012 Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@smed.prefpoa.com.br Profª de Educação Infantil, alfabetizadora, de Língua e Literatura,

Leia mais

Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância

Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância Página1 Apresentação Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância Olá Participante do Curso A Escola no Combate ao Trabalho Infantil (ECTI), Este tutorial pretende

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

GEOGRAFIA. Questão 1. Analise a imagem.

GEOGRAFIA. Questão 1. Analise a imagem. Questão 1 GEOGRAFIA Analise a imagem. Fonte: casatolerancia.blogspot.com A imagem acima retrata um período importante da história do século XX, período esse que definiu um modelo de regionalização mundial

Leia mais

1 EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM A GALINHA RUIVA. Guia Didático do Objeto Educacional Digital

1 EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM A GALINHA RUIVA. Guia Didático do Objeto Educacional Digital Guia Didático do Objeto Educacional Digital LINGUAGEM 1 EDUCAÇÃO INFANTIL A GALINHA RUIVA Este Objeto Educacional Digital (OED) está relacionado ao tema da Unidade 3 do Livro do Aluno. LINGUAGEM A GALINHA

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL NETAULA PERFIL ALUNO Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS. Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves

A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS. Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves A LEITURA EM QUADRINHOS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS Material elaborado por Aline Oliveira, Eliana Oiko e Ghisene Gonçalves DOAÇÃO DE LIVROS À: BIBLIOTECA PÚBLICA (APROX. 150 LIVROS) UNIDADES

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia História A nota da PIC é a média

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009 Guia do Aluno EAD Sumário SUMÁRIO...2 INTRODUÇÃO...3 METODOLOGIA...3 AULAS VIRTUAIS...4 INSCRIÇÃO...4 APROVAÇÃO...5 PRESENÇA...5

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA ÁREA: ECONOMIA SOCIAL, DA SAÚDE, SOLIDÁRIA E DO TRABALHO Área 6. Economia Social, Economia da Saúde, Economia Solidária e Economia do Trabalho (Trabalho completo) CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM

Leia mais

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo.

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. porta aberta Nova edição Letramento e Alfabetização 1º ao 3º ano A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. 25385COL38 Os 3 volumes iniciais são voltados para a aquisição do sistema

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Os primeiros passos rumo à construção de uma proposta de trabalho

Os primeiros passos rumo à construção de uma proposta de trabalho A globalização é hoje um tema amplamente divulgado pelos meios de comunicação. A imprensa escrita, a televisão, o rádio, entre outros meios, lançam ao grande público informações das mais variadas sobre

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

As formas da canção nas diversas esferas discursivas

As formas da canção nas diversas esferas discursivas As formas da canção nas diversas esferas discursivas Álvaro Antônio Caretta 1 1 Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade de São Paulo (USP) alcaretta@yahoo.com.br Abstract. This paper

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO 2006 GUIA DIDÁTICO. PARA DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA Modalidade a Distância

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO 2006 GUIA DIDÁTICO. PARA DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA Modalidade a Distância CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO 2006 GUIA DIDÁTICO PARA DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA Modalidade a Distância SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS A DISTÂNCIA...4

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE FUNDAÇÃO DE APOIO À EDUCAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO RIO GRANDE DO NORTE NÚCLEO PERMANENTE DE PROCESSOS SELETIVOS COORDENAÇÃO DE

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos - Professor

Plano de Trabalho com Projetos - Professor PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos - Professor 1. Identificação Escola Municipal de Ensino Fundamental Anna Töwe

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

OS JOGOS E ATIVIDADES LÚDICAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

OS JOGOS E ATIVIDADES LÚDICAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 OS JOGOS E ATIVIDADES LÚDICAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Ilydio Pereira de Sá 1 1. Introdução Aprender sem pensar é trabalho perdido. Confúcio ( 551-479 a. C. ) Filósofo Chinês É natural

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: Notícia PERÍODO APROXIMADAMENTE: 4º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura; - Apreensão das ideias

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) O Desfile a fantasia. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O desfile a

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 02 de outubro de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano Senhores pais ou responsáveis Seguem abaixo os temas, objetivos, atividades e evento de culminância dos projetos a serem

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS. Onde tem bruxa tem fada

BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS. Onde tem bruxa tem fada Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS Onde tem bruxa tem fada ILUSTRAÇÕES: SUPPA PROJETO DE LEITURA Maria José Nóbrega Rosane Pamplona Onde tem bruxa tem fada BARTOLOMEU

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil.

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil. Maternal I O J. Piaget é o primeiro e único Sistema de Ensino do mercado que relaciona totalmente o material multimídia ao material gráfico em todos os segmentos. São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos

Leia mais

Introdução ao Moodle. Ambiente de Aprendizagem. (Módulo 2)

Introdução ao Moodle. Ambiente de Aprendizagem. (Módulo 2) Introdução ao Moodle Ambiente de Aprendizagem (Módulo 2) BRASÍLIA AGOSTO -2004 Introdução ao Moodle Ambiente de Aprendizagem Módulo 2 Athail Rangel Pulino Filho Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO Ano: 3º ANO Disciplina: História Professor Responsável: Wladson Quiozine OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO 1. Retomar os aspectos essenciais do conteúdo programático da disciplina de História do Ensino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE. Projeto AMBIENTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE. Projeto AMBIENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE Projeto AMBIENTE Goiânia, outubro, 2009. PROJETO DE ENSINO 1. TÍTULO: PROJETO AMBIENTE 2.

Leia mais

MEDIADORES DE LEITURA

MEDIADORES DE LEITURA MEDIADORES DE LEITURA BERNO, Gladis Marize 1 ; BIGOLIN, Aurea 2 ; KARLINSKI, Leila Marlise Cavinato 3 ; LEAL, Joice Cinara Muniz da Silva 4 MORAES, Sidônia Regina Dal Molin de 5 ; MOURA, Adriana Ueker

Leia mais

Orientações para Professores. Prezado professor,

Orientações para Professores. Prezado professor, Orientações para Professores Prezado professor, No ano em que a Oficina do texto comemora 10 anos, todos os olhares se voltam para um país em especial: a África do Sul sede da Copa do Mundo de Futebol.

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANDRÉ ANTÔNIO MAGGI SACOLA MÁGICA E LATA LITERÁRIA Claudia

Leia mais

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA Andrea Polena Universidade Federal do Paraná - UFPR andrea.ufpr@yahoo.com.br Tania T. Bruns Zimer Universidade Federal

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais