ALBERTO LUIZ DA SILVA. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistema de vendas de música na internet por meio de cartão MP3 CARD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALBERTO LUIZ DA SILVA. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistema de vendas de música na internet por meio de cartão MP3 CARD"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UTFPR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA ALBERTO LUIZ DA SILVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistema de vendas de música na internet por meio de cartão MP3 CARD CORNÉLIO PROCÓPIO MARÇO 2006

2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UTFPR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA ALBERTO LUIZ DA SILVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistema de vendas de música na internet por meio de cartão MP3 CARD Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito para a obtenção do grau de Tecnólogo em Informática pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio. Orientador: Professor Ms. Fabrício Martins Lopes CORNÉLIO PROCÓPIO MARÇO 2006 ii

3 COMISSÃO EXAMINADORA Professor Ms. Fabrício Martins Lopes Orientador Professor Antônio Carlos Fernandes da Silva Membro da banca examinadora Professor Guilherme Luiz Frufrek Membro da banca examinadora Cornélio Procópio, 31 de Março de 2006 iii

4 AGRADECIMENTOS A Deus pela saúde e oportunidade. A minha Família pelo amor, apoio e imensurável esforço realizado para com os meus estudos. A minha namorada Talita pelo seu amor, carinho, paciência e pela compreensão nos momentos em que estive ausente. EU TE AMO MEU NENÊ!!! Ao meu orientador, conselheiro e amigo Professor Mestre Fabrício Martins Lopes pela confiança e paciência depositada em mim deste a época do estágio curricular, além da incomparável amizade. Aos meus amigos e colegas que de alguma maneira me apoiaram e me deram força durante o desenvolvimento deste trabalho. Ao Pixote pelos momentos de descontração. iv

5 EPÍGRAFE A imaginação é mais importante que o conhecimento. Albert Einstein A alegria que se tem em pensar e aprender faz nos pensar e aprender ainda mais. Aristóteles. v

6 RESUMO A violação dos direitos autorais de arquivos musicais na internet é um crime que é praticado todos os dias por milhares de pessoas no mundo todo e acarreta muitos prejuízos aos detentores desses direitos. Buscando uma solução viável para essa questão, o objetivo do sistema desenvolvido neste trabalho é proporcionar a compra de forma legal de arquivos musicais por meio de um cartão com uma senha e um determinado número de créditos. Assim proporcionando ao consumidor uma economia em relação à compra de um disco musical e ao detentor dos direitos autorais sobre tal música o ressarcimento devido. Este sistema foi desenvolvido utilizando o Processo Unificado de desenvolvimento de software e na modelagem de diagramas foi utilizada a notação Unified Modeling Language (UML) com extensão para web. Na implementação do sistema foram aplicados quatro padrões de projeto e o mesmo foi implementado utilizando a linguagem de programação Java. vi

7 ABSTRACT The breaking of the copyrights of musical archives in the Internet is a crime that is practiced every day by thousand of people all over the world and causes many damages to the retainers of these rights. Searching a viable solution for this question, the objective of the system developed in this work is to provide the purchase of legal form of musical archives through a card with a password and one determined number of credits. Thus providing to the consumer an economy in relation the purchase of a musical record and to the retainer of the copyrights on such music the compensation due. The system was developed using the Unified Process software development and all the diagrams models are under UML language and also with web extension. Four project patterns had been applied for the implementation of system and the language used was Java. vii

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Exemplo de um Mp3 Card...20 Figura 2 Estrutura do Processo Unificado Adaptada da Figura 2.7 (ARLOW; NEUSTAD, 2002)...27 Figura 3 Marcos, Fases e Iterações do Processo Unificado Adaptada da Figura 2.6 (ARLOW; NEUSTAD, 2002)...28 Figura 4 Estrutura do Processo Unificado Fluxo de trabalho requisitos Adaptada da Figura 2.7 (ARLOW; NEUSTAD, 2002)...31 Figura 5 Estrutura do Processo Unificado Fluxo de trabalho análise Adaptada da Figura 2.7 (ARLOW; NEUSTAD, 2002)...33 Figura 6 Estrutura do Processo Unificado Fluxo de trabalho projeto Adaptada da Figura 2.7 (ARLOW; NEUSTAD, 2002)...34 Figura 7 Estrutura do Processo Unificado Fluxo de trabalho implementação Adaptada da Figura 2.7 (ARLOW; NEUSTAD, 2002) Figura 8 Atores do sistema...53 Figura 9 Modelo de caso de uso...56 Figura 10 Diagrama de caso de uso Logar Administrador no Sistema...57 Figura 11 Diagrama de caso de uso Administrador Efetuar Logout...57 Figura 12 Diagrama de caso de uso Alterar senha de Administrador...57 Figura 13 Diagrama de caso de uso Gerenciar Discos...58 Figura 14 Diagrama de caso de uso Gerenciar Músicas...58 Figura 15 Diagrama de caso de uso Gerenciar Senhas...59 Figura 16 Diagrama de caso de uso Gerenciar Usuários...59 Figura 17 Diagrama de caso de uso Gerenciar Aquisições...59 viii

9 Figura 18 Diagrama de caso de uso Alterar Cadastro...60 Figura 19 Diagrama de caso de uso Debitar crédito em Senha...60 Figura 20 Diagrama de Seqüência Logar Administrador no Sistema...83 Figura 21 Diagrama de Seqüência Administrador Efetuar Logout...84 Figura 22 Diagrama de Seqüência Alterar senha de Administrador...85 Figura 23 Diagrama de Seqüência Cadastrar Disco...86 Figura 24 Diagrama de Seqüência Alterar Disco...87 Figura 25 Diagrama de Seqüência Excluir Disco...88 Figura 26 Diagrama de Seqüência Listar Discos...89 Figura 27 Diagrama de Seqüência Cadastrar Música...90 Figura 28 Diagrama de Seqüência Alterar Música...91 Figura 29 Diagrama de Seqüência Excluir Música...92 Figura 30 Diagrama de Seqüência Listar Músicas...93 Figura 31 Diagrama de Seqüência Visualizar Música...94 Figura 32 Diagrama de Seqüência Gerar Senha(s)...95 Figura 33 Diagrama de Seqüência Cadastrar Senha(s)...96 Figura 34 Diagrama de Seqüência Excluir Senha...97 Figura 35 Diagrama de Seqüência Buscar Senha...98 Figura 36 Diagrama de Seqüência Listar Usuários...99 Figura 37 Diagrama de Seqüência Visualizar Usuário Figura 38 Diagrama de Seqüência Excluir Usuário Figura 39 Diagrama de Seqüência Listar Aquisições Figura 40 Diagrama de Seqüência Visualizar Aquisição Figura 41 Diagrama de Seqüência Excluir Aquisição Figura 42 Diagrama de Seqüência Logar no Sistema ix

10 Figura 43 Diagrama de Seqüência Efetuar logout no Sistema Figura 44 Diagrama de Seqüência Cadastrar Usuário Figura 45 Diagrama de Seqüência Alterar Cadastro Figura 46 Diagrama de Seqüência Listar Discos cadastrados Figura 47 Diagrama de Seqüência Listar Músicas cadastradas Figura 48 Diagrama de Seqüência Exibir Download de Música Figura 49 Diagrama de Seqüência Download de Música Figura 50 Diagrama de Atividade Logar Administrador no Sistema Referente ao caso de uso UC Figura 51 Diagrama de Atividade Alterar senha de Administrador Referente ao caso de uso UC Figura 52 Diagrama de Atividade Cadastrar Disco Referente ao caso de uso UC Figura 53 Diagrama de Atividade Alterar Disco Referente ao caso de uso UC Figura 54 Diagrama de Atividade Excluir Disco Referente ao caso de uso UC Figura 55 Diagrama de Atividade Cadastrar Música Referente ao caso de uso UC Figura 56 Diagrama de Atividade Alterar Música Referente ao caso de uso UC Figura 57 Diagrama de Atividade Excluir Música Referente ao caso de uso UC Figura 58 Diagrama de Atividade Listar Músicas Referente ao caso de uso UC x

11 Figura 59 Diagrama de Atividade Visualizar Música Referente ao caso de uso UC Figura 60 Diagrama de Atividade Gerar Senha(s) Referente ao caso de uso UC Figura 61 Diagrama de Atividade Cadastrar Senha(s) Referente ao caso de uso UC Figura 62 Diagrama de Atividade Excluir Senha Referente ao caso de uso UC Figura 63 Diagrama de Atividade Buscar Senha Referente ao caso de uso UC Figura 64 Diagrama de Atividade Visualizar Usuário Referente ao caso de uso UC Figura 65 Diagrama de Atividade Excluir Usuário Referente ao caso de uso UC Figura 66 Diagrama de Atividade Listar Aquisições Referente ao caso de uso UC Figura 67 Diagrama de Atividade Visualizar Aquisição Referente ao caso de uso UC Figura 68 Diagrama de Atividade Excluir Aquisição Referente ao caso de uso UC Figura 69 Diagrama de Atividade Logar no Sistema Referente ao caso de uso UC Figura 70 Diagrama de Atividade Cadastrar Usuário Referente ao caso de uso UC xi

12 Figura 71 Diagrama de Atividade Alterar cadastro Referente ao caso de uso UC Figura 72 Diagrama de Atividade Listar Discos cadastrados Referente ao caso de uso UC Figura 73 Diagrama de Atividade Listar Músicas cadastradas Referente ao caso de uso UC Figura 74 Diagrama de Atividade Exibir Download de Música Referente ao caso de uso UC Figura 75 Diagrama de Atividade Download de Música Referente ao caso de uso UC Figura 76 Diagrama de Classes Figura 77 Diagrama de Componentes Figura 78 Modelo Entidade Relacionamento xii

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Requisitos funcionais...50 Tabela 2 Requisitos não funcionais...53 Tabela 3 Casos de uso identificados...54 Tabela 4 Especificação do caso de uso Logar Administrador no Sistema...61 Tabela 5 Especificação do caso de uso Administrador Efetuar Logout...61 Tabela 6 Especificação do caso de uso Alterar senha de Administrador...62 Tabela 7 Especificação do caso de uso Gerenciar Discos...63 Tabela 8 Especificação do caso de uso Gerenciar Musicas...66 Tabela 9 Especificação do caso de uso Gerenciar Senhas...70 Tabela 10 Especificação do caso de uso Gerenciar Usuários...73 Tabela 11 Especificação do caso de uso Gerenciar Aquisições...75 Tabela 12 Especificação do caso de uso Logar no Sistema...77 Tabela 13 Especificação do caso de uso Efetuar logout no Sistema...78 Tabela 14 Especificação do caso de uso Cadastrar Usuário...78 Tabela 15 Especificação do caso de uso Alterar Cadastro...79 Tabela 16 Especificação do caso de uso Processar download de Música...80 Tabela 17 Caso de Teste Logar Administrador no Sistema Tabela 18 Caso de Teste Administrador Efetuar Logout Tabela 19 Caso de Teste Alterar senha de Administrador Tabela 20 Caso de Teste Cadastrar Disco Tabela 21 Caso de Teste Alterar Disco Tabela 22 Caso de Teste Excluir Disco Tabela 23 Caso de Teste Listar Discos xiii

14 Tabela 24 Caso de Teste Cadastrar Música Tabela 25 Caso de Teste Alterar Música Tabela 26 Caso de Teste Excluir Música Tabela 27 Caso de Teste Listar Músicas Tabela 28 Caso de Teste Visualizar Música Tabela 29 Caso de Teste Gerar Senha(s) Tabela 30 Caso de Teste Cadastrar Senha(s) Tabela 31 Caso de Teste Excluir Senha Tabela 32 Caso de Teste Buscar Senha Tabela 33 Caso de Teste Listar Usuários Tabela 34 Caso de Teste Visualizar Usuário Tabela 35 Caso de Teste Excluir Usuário Tabela 36 Caso de Teste Listar Aquisições Tabela 37 Caso de Teste Visualizar Aquisição Tabela 38 Caso de Teste Excluir Aquisição Tabela 39 Caso de Teste Logar no Sistema Tabela 40 Caso de Teste Efetuar Logout no Sistema Tabela 41 Caso de Teste Cadastrar Usuário Tabela 42 Caso de Teste Alterar Cadastro Tabela 43 Caso de Teste Listar Discos cadastrados Tabela 44 Caso de Teste Listar Músicas cadastradas Tabela 45 Caso de Teste Exibir Download de Música Tabela 46 Caso de Teste Download de Música Tabela 47 Cronograma de Execução Tabela 48 Cronograma de Atividades xiv

15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ARPA CD DAO DVD EUA J2EE JSP MER MP3 MPEG RIAA SP TCP/IP UML UP VO WAE Advanced Research Projects Agency Compact Disc Data Acess Object Digital Video Disc Estados Unidos da América Java 2 Enterprise Edition Java Server Page Modelo Entidade Relacionamento MPEG Audio Layer 3 Moving Picture Experts Group Recording Industry Association of América São Paulo Transmission Control Protocol/Internet Protocol Unified Modeling Language Processo Unificado Value Object Web Application Extension xv

16 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS JUSTIFICATIVAS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA INTERNET A Internet e os Direitos Autorais PROCESSO UNIFICADO (UP) Fases Concepção Elaboração Construção Transição Fluxos de Trabalho Requisitos Análise Projeto Implementação Teste LINGUAGEM DE MODELAGEM UNIFICADA (UML) Extensão para a Web Diagrama de Caso de Uso Caso de Uso Ator...40 xvi

17 Relacionamento Diagrama de Seqüência Diagrama de Atividades Diagrama de Classes Diagrama de Componentes PADRÕES DE PROJETO Front Controller Estratégia de implementação Singleton Value Object (VO) Data Acess Object (DAO) DESENVOLVIMENTO CONCEPÇÃO Requisitos Funcionais Requisitos não funcionais Identificação de atores Identificação de casos de uso Modelo de caso de uso ELABORAÇÃO Diagramas de caso de uso Especificação de Caso de Uso Realizações dos Casos de Uso Identificados Diagramas de Seqüência Diagramas de Atividades Diagrama de Classes xvii

18 5.3. CONSTRUÇÃO Diagrama de Componentes Modelo Entidade Relacionamento Testes Teste de Caixa Preta TRANSIÇÃO CRONOGRAMA RECURSOS ALOCADOS CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICE A PROPOSTA DO TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO xviii

19 19 1 INTRODUÇÃO A popularização tanto da internet discada quanto à de banda larga reflete naturalmente o aumento do número de usuários que acessam a rede e também quantitativamente e qualitativamente os serviços oferecidos na internet que permitem aos usuários terem acesso a suas contas bancárias, participar de leilões, ver notícias em tempo real, trocar arquivos, escutar músicas, ver filmes, e especialmente comprar eletro eletrônicos, livros e Compact Disc s (CD s). A popularização da internet trouxe também a necessidade de uma maior prudência e responsabilidade quanto ao uso da rede, já que a facilidade de acessar dados confidenciais de pessoas e violação de direitos aumentou proporcionalmente com o aumento da rede. Uma grande preocupação atualmente é a facilidade com que os usuários podem adquirir músicas sem terem que pagar pelos direitos autorais das mesmas. O propósito desse trabalho de diplomação é desenvolver um sistema de aquisição de músicas pela internet de forma legal, por meio da compra de um cartão raspinha comprado em lojas ou ganhado em shows musicais.

20 20 2 OBJETIVOS Este trabalho teve como objetivo desenvolver um sistema de aquisição de arquivos musicais no formato MPEG Audio Layer 3 (mp3) via internet por meio de uma senha que está impressa em um cartão raspinha que pode ser comprado em lojas de venda de CD s musicais ou ganhados em shows musicais. Nesse cartão MP3 CARD está impressa uma senha, que dá direito ao usuário ter acesso por meio de um serviço web a uma ou mais músicas do website, dependendo de quantos créditos possui o cartão, e independente de álbum musical. Essa senha é única e é gerada aleatoriamente pelo sistema e depois passada a gráfica para a impressão dos cartões raspinhas. Figura 1 Exemplo de um Mp3 Card

21 21 3 JUSTIFICATIVAS Tendo em vista a viabilidade deste projeto, foi detectado o interesse de um grupo de músicos em contribuir com o trabalho, profissionais da banda Gigahertz (São Paulo SP), que colaboraram ativamente no desenvolvimento do trabalho. Esta colaboração ocorreu na forma de sugestões sobre a forma com que a banda deseja utilizar esse sistema. Com a banda Gigahertz utilizando esse sistema, o custo de aquisição de músicas para o consumidor se torna mais acessível. Pois o CD não precisaria ser gravado e colocado em uma capa protetora com um encarte, além do fato de que o consumidor não precisaria pagar por um CD com quinze músicas e que interessam a ele apenas cinco músicas.

22 22 4. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 4.1. INTERNET No auge da guerra fria, em meados da década de 1960, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América (EUA) decidiu desenvolver uma rede de comunicação que suportasse uma possível guerra nuclear, já que as tradicionais redes de comunicação utilizadas naquela época eram consideradas vulneráveis, pois caso ocorresse à perda de uma linha de comunicação todas as conversações que estivessem utilizando esta linha seriam perdidas e a rede seria dividida (TANENBAUM, 1997). Para solucionar esse problema foi convocada pelo Pentágono a Advanced Research Projects Agency (ARPA). A ARPA foi responsável pela criação da ARPANET, que foi concebida a partir de estudos e pesquisas realizadas nas universidades nos EUA e também por empresas. No final do ano de 1969 entrou no ar uma rede de cunho experimental com quatro nós em diferentes localidades dos EUA. O que levou a ARPA a escolher esses nós foi devido ao grande número de contratos que esses locais possuíam com a ARPA e também devido ao fato dos locais terem computadores com diferentes configurações e completamente incompatíveis, o que proporcionava a essa rede um grande destaque. Essa rede de cunho experimental cresceu rapidamente e em Setembro de 1972 já possuía trinta e quatro nós espalhados por todo território norteamericano.

23 23 Em meados da década de 1980, a ARPANET já era uma rede estável e bem sucedida. A rede passou a ser denominada como uma inter rede e depois como Internet (TANENBAUM, 1997). O protocolo Transmission Control Protocol/Internet Protocol (TCP/IP) tornou se o primeiro protocolo oficial da Internet (TANENBAUM, 1997), e com isso a rede acabou tendo um grande crescimento ano após ano até os dias atuais. Com o crescimento da rede, a Internet ganhou novos protocolos e passou a oferecer uma grande variedade de serviços como, por exemplo, correio eletrônico, notícias em tempo real, entretenimento, televisão, música, compartilhamento de arquivos e especialmente compras on line de CD s musicais, Digital Vídeo Disc s (DVD s) e muitos outros A Internet e os Direitos Autorais O grande crescimento da Internet nos últimos anos provocou uma revolução tecnológica e social muito grande em toda sociedade mundial. Essa rede de computadores que no seu início era utilizada apenas por pesquisadores, passou a ultrapassar fronteiras de países e hoje é acessada por milhões e milhões de pessoas em todo o planeta. Antes o que era utilizado com o objetivo de trocar informações sobre pesquisas realizadas em universidades norte americanas (TANENBAUM, 1997), hoje pode ser utilizado para vários fins. Essa evolução permite aos usuários que utilizam a rede mundial de computadores acessarem com uma velocidade cada vez maior um grande número de serviços que são oferecidos pela rede, desde fazer compras em lojas virtuais a até assistir um canal de televisão ou ouvir uma rádio virtual.

24 24 Com esse crescimento e popularização da Internet, surgiram também os problemas relacionados a essa mesma rede. Um desses problemas é a violação dos direitos autorais de obras intelectuais, como por exemplo, livros, composições, músicas e filmes. O surgimento e a popularização da Internet não é o responsável pelo aparecimento desse crime, pois os equipamentos listados a seguir não foram inventados graças a Internet e não dependem da tecnologia da mesma. Máquina foto copiadora: permite copiar de forma não autorizada um livro, revista, artigo. Radio gravador: permite copiar as músicas de um CD para uma fita cassete de áudio sem prévia autorização. Vídeo cassete, DVD: Permite reproduzir cópias não autorizadas de filmes. A internet não foi a responsável pelo surgimento do crime por violação de direitos autorais, mas com a constante evolução dos computadores e da Internet esse crime passou a ser praticado por milhões de pessoas que utilizam à rede mundial de computadores. Há alguns anos atrás uma música que era copiada de um CD musical para uma fita cassete de áudio tinha sua qualidade comprometida, e esta nova cópia gerada só poderia gerar novas cópias com qualidades ainda piores. Hoje com a evolução dos computadores é possível em alguns minutos que as músicas contidas em um CD sejam copiadas para o computador com a mesma qualidade de áudio encontrada no CD. Dessa forma, basta o computador estar conectado a Internet e possuir um software de compartilhamento de arquivos para que essas músicas possam ser compartilhadas com pessoas de todo o planeta sem terem que pagar nada por isso.

25 25 Para conter os avanços da pirataria virtual as gravadoras estão movendo processos judiciais contras pessoas e empresas que estariam baixando arquivos de música da Internet sem pagar os direitos autorais aos produtores das músicas, ou seja, as próprias gravadoras. No dia 22 de junho de 2005 a Recording Industry Association of America (RIAA), entidade que representa as gravadoras norte americanas comemorou o processo judicial de número contra pessoas e empresas por violarem os direitos autorais de arquivos musicais por meio da Internet (GUEIROS, 2005). Além dessa tentativa rigorosa de conter a troca de arquivos de música pela Internet, há outras tentativas de se resolver esse problema crescente. Várias gravadoras no mundo já disponibilizam serviços de vendas de músicas na Internet, permitindo ao usuário comprar as músicas separadamente, sem terem que adquirir todas as músicas de um álbum específico. Essas soluções para tentar impedir a troca de arquivos de música pela internet e a violação dos direitos autorais podem até surtir efeito, mas o efeito esperado só será obtido quando houver uma conscientização por parte dos usuários da rede mundial de computadores para que sejam respeitados os direitos autorais nas obras musicais e que os arquivos musicais sejam adquiridos de maneira legal PROCESSO UNIFICADO (UP) O Processo Unificado de Desenvolvimento de Software (UP) forma uma estrutura geral e adaptável para o desenvolvimento de software. Segundo (ARLOW; NEUSTADT, 2002) o processo unificado descreve um conjunto de passos que define quem está fazendo o que, quando e como para alcançar um determinado

26 26 objetivo. Na visão da engenharia de software, para atingir este objetivo é necessário que um produto seja entregue de maneira eficiente e previsível, além de atender às necessidades de seu negócio. Esse processo de desenvolvimento de software pode ser considerado uma compilação das melhores e principais características de outros processos de desenvolvimento de software. Mas isso não impediu que o UP deixasse de possuir suas próprias características, as quais proporcionam a este um diferencial importante em relação aos outros processos de desenvolvimento de software. Veja a seguir as três principais características que agregam grandes valores a esse processo: Orientado por casos de uso: Um caso de uso pode ser considerado uma seqüência de ações de um sistema que resultam em um valor e o retorna ao usuário, e um conjunto de casos de uso forma o diagrama de casos de uso que descreve a funcionalidade do sistema sob um contexto. Dessa forma, um processo de desenvolvimento de software orientado por casos de uso faz com que um sistema seja desenvolvido especificadamente com a finalidade de atender as necessidades de cada usuário que interage com o mesmo, evitando o desenvolvimento e posterior apresentação de funcionalidades desnecessárias no sistema. Centrado na arquitetura: Este processo de desenvolvimento de software, o conceito de arquitetura de software encapsula os aspectos estáticos e dinâmicos mais importantes do sistema. Dessa forma, a arquitetura é responsável por fornecer um ambiente para a realização de todos os requisitos dos casos de uso do sistema em desenvolvimento, já que os casos de uso estão ligados a funcionalidade do mesmo. Assim o processo unificado permite o(s) arquiteto(s) do sistema concentrar se nas metas corretas e requisitos principais do sistema, obtendo durante e ao final do

27 27 desenvolvimento um produto de qualidade que possa evoluir, se adaptar a mudanças e conter componentes reutilizáveis. Iterativo incremental: Um processo iterativo incremental permite que todo o desenvolvimento do projeto seja dividido em mini projetos. Assim cada mini projeto é uma iteração que ao seu final resulta em um avanço no desenvolvimento do produto como um todo (incremento). Com essa divisão do projeto e o controle dessas iterações é possível obter alguns benefícios significativos no desenvolvimento do projeto, como por exemplo, redução do risco de custo para despesas em um único incremento; redução do risco de violação de prazos; facilidade maior na adaptação do sistema a mudanças dos requisitos. O Processo Unificado define que um projeto baseado na estrutura do mesmo deve ter o seu ciclo de vida dividido em quatros fases: Concepção, Elaboração, Construção e Transição. Cada uma dessas fases é subdividida em iterações, sendo que cada iteração passa por cinco fluxos de trabalho definidos pelo Processo Unificado: Requisitos, Análise, Projeto, Implementação e Teste. A Figura 2 mostra a estrutura do Processo Unificado. Figura 2 Estrutura do Processo Unificado Adaptada da Figura 2.7 (ARLOW; NEUSTAD, 2002).

28 Fases O ciclo de vida de um projeto baseado no UP está dividido em quatro fases, cada uma dessas podendo ser subdividida em iterações que conseqüentes ao seu final tornam se incrementos. Conforme mostrado na Figura 3, o final de cada fase do ciclo de vida é demarcado por um ponto de verificação, ou seja, pela disponibilidade de um conjunto de artefatos que possibilitem a avaliação do projeto. Figura 3 Marcos, Fases e Iterações do Processo Unificado Adaptada da Figura 2.6 (ARLOW; NEUSTAD, 2002) Concepção O principal objetivo da fase de concepção é a delimitação do escopo do projeto a ser desenvolvido, por meio da definição de como o sistema será utilizado por cada um dos usuários, por meio da criação dos casos de uso mais relevantes. Todo o esforço que será aplicado durante esta fase poderá evitar o fracasso do projeto por meio da identificação prévia dos riscos.

29 29 Nesta fase de concepção, a maior parte do trabalho que será realizado está voltada ao fluxo de requisitos, porém cada um dos fluxos de trabalho da estrutura do UP possui seu papel dentro desta fase, conforme a quantidade de esforço a ser empregado na mesma Elaboração Durante a fase de elaboração, os requisitos remanescentes são capturados e transformados em casos de uso. Dessa forma, é estabelecida a base da arquitetura responsável por guiar os trabalhos nas fases de construção e transição. Na fase de elaboração é obtida uma visão geral do sistema, sem a necessidade de conceber uma visão do sistema que engloba detalhes minuciosos sobre o mesmo. O foco desta fase se encontra na formulação de uma base para a arquitetura do sistema em desenvolvimento Construção Na fase de construção o trabalho é iniciado baseado na arquitetura executável produzida na fase de elaboração, assim o trabalho desta fase prossegue por meio de iterações e conseqüentes incrementos, objetivando o desenvolvimento de um produto pronto para operações iniciais no ambiente de usuário (versão beta). Nesta fase os casos de uso remanescentes são detalhados e a descrição arquitetural é modificada quando houver necessidade. Os fluxos de

30 30 trabalho desta fase prosseguem por meio de iterações adicionais, objetivando o preenchimento dos modelos de análise, projeto e implementação. Dessa forma os subsistemas e o sistema como uns todos são integrados e testados Transição O objetivo desta fase é estabelecer o produto no ambiente operacional. Nesta fase é possível realizar as seguintes verificações a partir da avaliação do usuário: O sistema realmente cumpre as necessidades do usuário. O sistema possui falhas ou problemas. Dificuldades encontradas pelos usuários na utilização do sistema. Conforme os resultados obtidos nas avaliações, a equipe de desenvolvimento do projeto pode modificar o sistema e/ou seus respectivos artefatos Fluxos de Trabalho As fases do processo unificado são divididas em iterações, e cada uma delas realiza cinco fluxos de trabalho. O grau de importância de cada um dos fluxos de trabalho depende da fase do UP em que a iteração se encontra. Os cinco fluxos de trabalho do UP são detalhados nas próximas subseções.

31 Requisitos Neste fluxo de trabalho, os requisitos do sistema são capturados e especificados por meio da identificação das necessidades do usuário do sistema (requisitos funcionais). Estes requisitos funcionais são expressos em de casos de uso, os quais são identificados por meio da identificação das tarefas de cada usuário do sistema, no desenvolvimento de suas atividades. O foco das atividades realizadas neste fluxo de trabalho, conforme Figura 4, está na identificação de entidades que interagem com o sistema, denominadas de atores, e na identificação dos requisitos funcionais do sistema para cada um dos atores, denominados de casos de uso. Figura 4 Estrutura do Processo Unificado Fluxo de trabalho requisitos Adaptada da Figura 2.7 (ARLOW; NEUSTAD, 2002). O agrupamento de todos os diagramas de casos de uso e atores identificados que compõem o sistema em um único diagrama forma o modelo de casos de uso.

32 32 Esse modelo de casos de uso é desenvolvido e melhorado em vários incrementos. Cada uma das iterações realizadas adiciona novos casos de uso ao modelo ou detalha ainda mais casos de uso já existentes. O modelo de casos de uso é utilizado com o objetivo de organizar os requisitos funcionais do sistema. Isso permite que clientes e usuários possam entendê lo e usá lo para comunicar suas necessidades de forma consistente e nãoredundante. Os desenvolvedores do projeto podem dividir o trabalho de identificação de requisitos entre si, e então utilizar os resultados obtidos como entrada para os fluxos de análise, projeto, implementação e teste Análise Na realização deste fluxo de trabalho é gerado o modelo de análise. O objetivo desse modelo é aprimorar os requisitos especificados no fluxo de requisitos por meio da construção de diagramas de classes conceituais, permitindo assim a argumentação a respeito do funcionamento do sistema. Esse modelo de análise fornece mais poder expressivo e formalismo por meio de diagramas de interações e diagramas de gráficos de estados que representam a dinâmica do sistema. Conforme Figura 5, este fluxo de trabalho tem maior importância durante a realização da fase de elaboração. Isso permite que a arquitetura seja definida de forma estável e facilita o entendimento detalhado dos requisitos.

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional Modelagem de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Especificação de Cenários! Um modelo funcional! Mostra como os valores são processados, sem preocupações com:! ordenamento (seqüência) das ações;! as

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Tecnologias Web. Padrões de Projeto - Camada de Apresentação

Tecnologias Web. Padrões de Projeto - Camada de Apresentação Tecnologias Web Padrões de Projeto - Camada de Apresentação Cristiano Lehrer, M.Sc. Padrões da Camada de Apresentação (1/2) Intercepting Filter Viabiliza pré e pós processamento de requisições. Front Controller

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes Diagramas Diagrama é uma representação gráfica de uma coleção de elementos de um modelo São desenhados para permitir a visualização de um sistema sob diferentes perspectivas Um mesmo item pode aparecer

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Análise e Projeto de Sistemas de Informação Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro Sistemas de Informação Ciclo de Desenvolvimento de SI Projeto Análise Estruturada Análise Orientada a Objetos Como

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor H6Projetos Documento de Requisitos Versão 1.3 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Preenchimento do Capítulo 2 Requisitos Funcionais Evilson Montenegro 26/09/2013 1.1 Preenchimento

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires Introdução à Padrões de Projeto Glauber Magalhães Pires Agenda O que são padrões de projeto? Para que servem e por que utilizá-los? Elementos constituintes Como escolher o padrão a ser usado? Como são

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 12.09.2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline 20.10.2015 1.0 Atualização

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Introdução A PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, através de seu setor de Tecnologia da Informação, tem como objetivo o provimento de um serviço de qualidade,

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Estudo de Caso. Caixa Eletrônico. Deitel & Deitel. Java como Programar 6a edição

Estudo de Caso. Caixa Eletrônico. Deitel & Deitel. Java como Programar 6a edição Estudo de Caso Caixa Eletrônico Deitel & Deitel. Java como Programar 6a edição 2 2.9 Estudo de caso de engenharia de software Documento de requisitos: Novo caixa automático (automated teller machine ATM):

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Um caso de uso descreve o que seu sistema faz para atingir determinado objetivo

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5.

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. 1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. Fases do Desenvolvimento de um Sistema em UML 1. Análise

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais