A BRICOLAGE COMO PROCESSO DE CRIAÇÃO NA MÚSICA POPULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BRICOLAGE COMO PROCESSO DE CRIAÇÃO NA MÚSICA POPULAR"

Transcrição

1 1 A BRICOLAGE COMO PROCESSO DE CRIAÇÃO NA MÚSICA POPULAR Giordano Godoy Pagotti Resumo: Bricolage é um termo complexo aplicado nas mais variadas áreas, da sociologia da religião ao estudo da evolução, passando pelo processo de criação artística. Claude Levi Strauss e Jacques Derrida o definem como um trabalho ou objeto desenvolvido sem planejamento pré-concebido, se afastando conseqüentemente dos processos e normas comuns às técnicas tradicionais. Tem como característica marcante a utilização de quaisquer materiais que se tenha à mão e que sejam interessantes ao criador, materiais estes já existentes no ambiente e com funções definidas para além da obra do bricoleur. A presente pesquisa teve como objetivo observar como esse conceito adquire relevância na criação musical a partir do século XX, mais especificamente na música popular, e propor formas de compreensão do processo de bricolage tanto como ferramenta de criação quanto de análise musicais. Foi realizada através da coleta de exemplos nos quais pôde-se identificar o processo de bricolage, a análise destes em relação a esse processo, e a organização do material pesquisado em grupos que demonstram similaridades quanto ao uso do mesmo. As análises abordaram aspectos técnico-musicais (seqüências harmônicas, trechos melódicos, combinações tímbricas, dentre outros), se atendo àqueles relevantes à temática da pesquisa. Pretende-se demonstrar algumas possibilidades de compreensão da bricolage enquanto processo de criação, para além de uma sistematização de seu uso algo que iria contra o próprio conceito aqui discutido. O termo francês bricolage, em sua definição mais simples, se refere a um trabalho manual, feito com o aproveitamento de todo tipo de objetos e materiais disponíveis. Claude Levi Strauss (2003) e Jacques Derrida (1971), ao se apropriarem do termo, definiram por bricoleur (aquele que cria bricolages) o indivíduo que realiza um trabalho ou desenvolve um objeto de forma que não há planejamento pré-concebido, se afastando conseqüentemente dos processos e normas comuns às técnicas tradicionais. O trabalho ou objeto em questão tem como característica marcante a utilização de quaisquer materiais que se tenha à mão e que sejam interessantes ao criador, materiais estes já existentes no ambiente e com funções definidas para além da obra do bricoleur. Posteriormente o termo expande seu significado, sendo aplicado nas mais variadas áreas, da sociologia da religião ao estudo da evolução, passando pelo processo de criação artística. Sturken e Cartwright (2001) o definem então como um modo de adaptação no qual coisas são postas em utilizações para as quais elas não foram intencionadas e em formas que as deslocam de seu contexto normal ou esperado.

2 2 Objetos que valorizamos como sendo de uma determinada forma podem ser usados com o propósito de chocar e criar novos significados. Nesse contexto, bricolage foi inicialmente utilizado na sociologia da religião por Thomas Luckmann (1967), sinalizando a individualização religiosa: as pessoas escolhem em que acreditar, selecionando as suas práticas religiosas e opções éticas favoritas. Esse fenômeno já foi definido como religião à la carte, porque o indivíduo ignora o conjunto de aspectos referentes a uma crença específica, e em sua procura mescla elementos de diferentes práticas religiosas. Poder-se-ia então interpretar bricolage como a criação de um objeto através da junção de outros objetos pré-existentes, que já têm funções específicas. Na música, o termo é novo, e de significado amplo, por ser uma adaptação das definições já explicadas. O presente trabalho objetiva pesquisar como esse conceito adquire relevância na criação musical a partir do século XX, mais especificamente na música popular, e propor formas de compreensão do processo de bricolage tanto como ferramenta de criação quanto análise musicais. Nesse sentido serão abordadas quatro possibilidades: 1 o - Uso de bricolage na criação de uma obra, com o propósito referencial. O material bricolado é adaptado para fazer sentido no novo contexto. A obra recém-criada e o material pré-existente nela utilizado têm similaridades, que podem estar na sonoridade, no conceito, na temática, ou em qualquer outro aspecto que o bricoleur considerar relevante. O uso da bricolage tem o propósito de enfatizar essas similaridades. Ex: Pelo Telefone, de Donga e Mauro de Almeida, gravada em 1916 por Bahiano; Pela Internet, de Gilberto Gil, lançada em 1997 em CD single promocional, em seguida através da internet e posteriormente no disco Quanta Gente Veio Ver. Início da canção de Donga (transposto para Dó maior):

3 3 Seção B da canção de Gilberto Gil (transposto para Dó maior): Vê-se claramente a começar pelo título que a inspiração de Gil ao compor Pela Internet veio do samba Pelo Telefone, lançado em 1916 e de grande importância histórica por ser considerado (em meio a controvérsias) o primeiro samba gravado. Ambas começam com trechos quase idênticos ( O chefe da folia e O Chefe da polícia ), e Gil continua a letra de sua canção com referências a inovações tecnológicas (celular, vídeo poker), algo também presente em Pelo Telefone (no caso, o próprio aparelho referido no título). É interessante notar que, graças à enorme popularidade da primeira gravação de Pelo Telefone, surgiram posteriormente versões com letras modificadas, dentre elas uma que demonstra forte vínculo com Pela Internet. Nela o verso inicial é o seguinte: O chefe da polícia Pelo telefone Manda me avisar Que na Carioca Tem uma roleta Para se jogar Há também semelhanças entre as melodias dos dois trechos. As duas frases cada uma com quatro compassos que compõem o trecho de Pela Internet têm seus inícios praticamente idênticos às do trecho de Pelo Telefone (também duas frases de quatro compassos cada), com alterações na canção de Gil somente em poucas adaptações rítmicas à letra. Há também pequenas variações nos finais de ambas as frases de Pela Internet em relação à canção de Donga, mas nada que atrapalhe a percepção das similaridades entre os trechos. Em relação à harmonia, a presença da bricolage também se faz notar, já que funcionalmente não há grandes diferenças entre os materiais aqui analisados. A progressão funcional T_S_D_S_D_T forma o esqueleto harmônico de ambos os trechos, ainda os acordes que a preenchem sejam em alguns casos diferentes. Nota-se uma única diferença no compasso 4 de Pela Internet, onde o acorde de função Dominante

4 4 Primária G7 (presente em Pelo Telefone no mesmo compasso) é substituído pelo Dominante Secundário (V7/ii) A7. A sensação de tensão característica da função Dominante, entretanto, é mantida. 2 o - Outro uso de bricolage na criação de uma obra, também com propósito referencial, mas sem que exista a necessidade de adaptação, pois não há a intenção de enfatizar as semelhanças entre a música recém-criada e os materiais pré-existentes. Estão à disposição quaisquer sons, de quaisquer fontes, da forma que o bricoleur quiser. Pode ser comparado a uma colcha de retalhos sonora. Ex: Os Planetas, op. 32, 4 o movimento: Júpiter, o portador da alegria, de Gustav Holst ( ); Invocation & Ritual Dance of the Young Pumpkin, de Frank Zappa, lançada no disco Absolutely Free, de Trecho retirado da obra de Holst e utilizado por Frank Zappa: 3 o - Uso de material já existente como fonte de criação para uma nova obra. O material pré-existente é facilmente percebido, por vezes inclusive enfatizado pelo compositor bricoleur, com o propósito de explicitar a bricolage. Há aqui, entretanto, a questão da necessidade de clareza do material original criado pelo bricoleur, e de até que ponto esse processo de criação com base na bricolage pode ser desenvolvido sem se caracterizar como plágio assunto de ampla discussão, e que está além do propósito da presente pesquisa. Ex: Canon em Ré maior, de Johann Pachelbel ( ); Juvenar, do conjunto brasileiro Karnak, gravada no disco Estamos Adorando Tokio, de 2000.

5 5 Seqüência harmônica do Canon de Pachelbel, com a linha do baixo escrita: Seqüências harmônicas da canção do Karnak, com as linhas do baixo escritas: Introdução e parte A : Parte B e Refrão: A semelhança entre os trechos é clara, especialmente pelo fato da linha do baixo ser idêntica em todos eles durante os 2 compassos iniciais, e pela similaridade harmônica. É importante frisar que a obra de Pachelbel é uma passacaglia forma caracterizada por variações contínuas sobre uma linha de baixo e/ou estrutura harmônica constante o que explicita a importância estrutural da linha do baixo e da sequência harmônica transcritas acima. Há ainda em Juvenar outros fatores que evidenciam a presença de bricolage, como o tímbrico (sons de cravo e cordas na execução do trecho transcrito, remetendo à sonoridade barroca ), além do referente à estruturação dos acordes e à condução de vozes entre os mesmos. 4 o - Uso de materiais de uma ou mais músicas no arranjo de outra. Na música popular do século XX a figura do arranjador ganha ênfase e enorme importância. Tendo

6 6 inicialmente a função de adaptar obras de gosto popular a diferentes formações instrumentais e de criar roupagens adequadas a canções populares, o papel do arranjador com o tempo se amplia. Há casos em que ele atua quase como um segundo compositor, no sentido de criar algo particular e único a partir de uma obra já existente. Assim, não é de se espantar que este tenha sido um terreno fértil para o uso de bricolage musical. Também nesse caso é bastante comum haver semelhanças entre o material bricolado e a música a ser arranjada. Ambos podem ter, por exemplo, similaridades sonoras (de harmonia, de melodia, etc), mesma temática (explicitadas nas letras de canções, por exemplo), relação contextual (representarem um mesmo período ou acontecimento histórico por exemplo), mesmo(s) compositor(es), dentre várias possibilidades. No exemplo transcrito abaixo há diversas semelhanças entre o original (a canção Estrada do Sol) e o material bricolado ( presente em Chovendo na Roseira): As duas são composições de Tom Jobim, sendo Estrada do Sol uma parceria deste com Dolores Duran. Ambas tratam de temática semelhante, que fica clara ao compararmos os versos iniciais das canções: Olha, está chovendo na roseira que só da rosa mas não cheira a frescura das gotas úmidas (Chovendo na Roseira) É de manhã Vem o sol mas os pingos da chuva que ontem caiu ainda estão a brilhar ainda estão a dançar (Estrada do Sol) Tanto Chovendo na Roseira quanto Estrada do Sol são em estrutura rítmica ternária (ou criam essa sensação através de recursos rítmico-melódicos), remetendo à valsa ou à valsa jazz, algo incomum na obra de Jobim. Harmonicamente também há semelhanças, como o fato de ambas as composições começarem com um certo caráter modal, gerado pelo uso de cadências não resolvidas. No caso de Estrada do Sol a sequência harmônica II_V7 na tonalidade de Dó maior se repete por vários compassos

7 7 sem ser resolvida, resultando numa sonoridade que remete ao Ré dórico. Já em Chovendo na Roseira a sensação modal se dá pelo uso da sequência A6_A7sus4(9), sendo que este segundo acorde pode ser interpretado também como um G/A, criando-se a progressão A6_G/A, que remete a Lá mixolídio. Outra semelhança harmônica, aproveitada por Nelson Faria nesse arranjo é o fato da seção B de Chovendo na Roseira ser estruturada em progressões II_V_I, sendo assim similar à estrutura harmônica da seção inicial de Estrada do Sol citada acima. Ex: Chovendo na Roseira, de Tom Jobim. Estrada do Sol, de Tom Jobim e Dolores Duran; arranjo de Nelson Faria, gravado no disco Carol Saboya e Nelson Faria interpretam as canções de Tom Jobim, lançado em 1999 pela Lumiar Discos. Arranjo de Nelson Faria:

8 8

9 9 Concluindo, deve-se explicitar a importância da presente linha de estudo por mostrar as integrações culturais existentes na sociedade contemporânea, mais especificamente em relação à música, e permitir, através da compreensão destes aspectos, o estímulo a novas integrações. O entendimento da bricolage ainda amplia as possibilidades de pesquisa e estudo dos processos de produção e criação musical, cuja relevância na produção atual é imensa. Há hoje forte exposição a um número muito grande de influências, inclusive pelo acesso a informações musicais em imensa quantidade e diversidade. Além disso, a tecnologia do mundo contemporâneo oferece possibilidades antes inimagináveis, levando a novas propostas de criação musical, e mesmo à reformulação de conceitos como propriedade intelectual e direito autoral. O estudo da bricolage permite a desconstrução, para que sejam compreendidas as gêneses criativas incluídas em sua formação, propondo assim tentativas de compreensão desses novos conceitos. Bibliografia LEVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. 6.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, STURKEN, Marita, CARTWRIGHT, Lisa. Practices of looking: an introduction to visual culture. Inglaterra: Oxford University Press, LUCKMANN, Thomas. The invisible religion: the problem of religion in modern society. Inglaterra: Macmillan Publishing Company, 1967.

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto.

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto. A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais Julio Cesar Moreira LEMOS, UFG - EMAC. Julioczar10@gmail.com Werner AGUIAR, UFG EMAC werneraguiar@gmail.com Palavras chave: Violão solo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL Domínios e Subdomínios Desenvolvimento da Capacidade de Expressão e Comunicação: Interpretação e Comunicação INDICADORES O aluno canta controlando a emissão vocal em termos de afinação e respiração. O

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

INSTITUTO GREGORIANO DE LISBOA CURSOS BÁSICO E SECUNDÁRIO DE MÚSICA PIANO OBJECTIVOS GERAIS

INSTITUTO GREGORIANO DE LISBOA CURSOS BÁSICO E SECUNDÁRIO DE MÚSICA PIANO OBJECTIVOS GERAIS CURSOS BÁSICO E SECUNDÁRIO DE MÚSICA PIANO OBJECTIVOS GERAIS CURSO BÁSICO Desenvolver competências técnicas e artísticas através do estudo de um repertório diversificado. Trabalhar a compreensão do texto

Leia mais

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Percepção Ditado Melódico 1: Reconhecimento de notas erradas na partitura (duração da questão 01min 30s). 1. Ouviremos a seguir um

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova global do ensino secundário da disciplina de Formação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

Ano letivo 2014/15. Clube de Música

Ano letivo 2014/15. Clube de Música Ano letivo 2014/15 Clube de Música O Clube de Música 1 - Introdução A música tem uma importância relevante no desenvolvimento das capacidades e das competências ligadas à compreensão e manipulação dos

Leia mais

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo Introdução Formação de Escalas e de Acordes Encadeamentos e Harmonia Acordes Maiores e Menores Tons Homônimos Encadeamento V7 i em Fá Menor (Fm) Cadência de Picardia próxima 2 Introdução Nas Unidades de

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo Planejamento de atividades lúdicas em Educação Musical Planejamento de atividades em Educação Musical Criando estratégias de ensino e aprendizagem musical Questões para pensar estratégias de ensino e aprendizagem

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

A música surgiu com os sons

A música surgiu com os sons Dó A música surgiu com os sons da natureza, já que seus elementos formais - som e ritmo - fazem parte do Universo e, particularmente da estrutura humana O homem pré-histórico deve ter percebido os sons

Leia mais

HARMONIA. A à Z. Por: Fábio Leão

HARMONIA. A à Z. Por: Fábio Leão HARMONIA DE A à Z Por: Fábio Leão 1 Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição -Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil. Para ver uma cópia desta licença, visite:

Leia mais

PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA

PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA Para responder às questões de 01 a 09, consulte a obra Kanonisches Liedchen, de Robert Schumann, do Álbum Para Juventude Op. 68, que se encontra reproduzida

Leia mais

Cantando pelo Mundo. II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia.

Cantando pelo Mundo. II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia. Cantando pelo Mundo I - Período do projeto: 2º Bimestre de 2015 II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia. III Problematização Intercâmbio musical e cultural

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

Sistemas de Organização Sonora

Sistemas de Organização Sonora Sistemas de Organização Sonora Apoio para Unidade 3 Introdução à Prosódia Musical Coordenador: Fernando Lewis de Mattos Bolsistas: Fernanda Krüger Garcia Bernardo Grings Gerson de Souza Departamento de

Leia mais

1º FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP - FRANCA

1º FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP - FRANCA Regulamento TÍTULO 1 - DA PROMOÇÃO: O 1 FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP -, promovido pela ASSOCIAÇÃO SABESP Departamento de Franca, através de sua diretoria Cultural, terá apenas uma categoria,

Leia mais

PRÁTICA INSTRUMENTAL AO PIANO

PRÁTICA INSTRUMENTAL AO PIANO PRÁTICA INSTRUMENTAL AO PIANO OBJECTIVOS GERAIS Desenvolver competências técnicas e artísticas através do estudo de um repertório diversificado. Trabalhar a compreensão do texto musical de modo a favorecer

Leia mais

Caderno de Prova 2 PR04. Artes Música. ( ) prova de questões Objetivas. Professor de

Caderno de Prova 2 PR04. Artes Música. ( ) prova de questões Objetivas. Professor de Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Edital n o 001/2009 Caderno de Prova 2 PR04 ( ) prova de questões Objetivas Professor de Artes Música Dia: 8 de novembro de 2009 Horário:

Leia mais

Habilidades Específicas - Música

Habilidades Específicas - Música Habilidades Específicas - Música 1. INTRODUÇÃO As provas de Habilidades Específicas em Música do Vestibular 2014 tiveram por objetivo avaliar a formação musical do candidato, bem como o seu potencial artístico.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDOS DE MÚSICA POPULAR Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDOS DE MÚSICA POPULAR Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDOS DE MÚSICA POPULAR Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Jazz e Música Moderna 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular INTRODUÇÃO A música do século XX foi marcada por grandes inovações em estruturações e outros procedimentos. As estruturações passaram a ter formas cada vez mais livres como na poesia sem metro ou rima;

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

de Violão - Conteúdo Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados

de Violão - Conteúdo Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados Primeiros nomes importantes Nomes importantes no Brasil Abordagens didáticas (Internet,

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

Chovendo na roseira de Tom Jobim: uma abordagem schenkeriana

Chovendo na roseira de Tom Jobim: uma abordagem schenkeriana Chovendo na roseira de Tom Jobim: uma abordagem schenkeriana Carlos de Lemos Almada (UNIRIO, Rio de Janeiro, RJ) calmada@globo.com Resumo: O presente artigo examina a canção Chovendo na roseira, de Antônio

Leia mais

Fábio Gonçalves Cavalcante Doristi Teoria

Fábio Gonçalves Cavalcante Doristi Teoria Fábio Gonçalves Cavalcante Doristi Teoria Realizado com a Bolsa de Pesquisa, Experimentação e Criação Artística 2005 do Instituto de Artes do Pará (IAP) Ourém PA 2006 Projeto Gráfico: Fábio Gonçalves Cavalcante

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 5º ano Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

27 Acordes Substitutos Diatônicos - Conteúdo

27 Acordes Substitutos Diatônicos - Conteúdo Introdução Princípio Geral de Substituição de Acordes Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos da Tônica Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos da Subdominante Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos

Leia mais

HELIO DELMIRO, VILLA LOBOS E O CHORO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CHAMA E CHOROS NO.1

HELIO DELMIRO, VILLA LOBOS E O CHORO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CHAMA E CHOROS NO.1 673 HELIO DELMIRO, VILLA LOBOS E O CHORO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CHAMA E CHOROS NO.1 Vinícius José Spedaletti Gomes Universidade de São Paulo USP Mestrado em Musicologia SIMPOM: Subárea de Musicologia

Leia mais

CONCURSO VESTIBULAR 2013 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA

CONCURSO VESTIBULAR 2013 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA CONCURSO VESTIBULAR 2013 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA LOCAL-SALA-SEQ INSCRIÇÃO NOME Assinatura: PROVA COLETIVA 1- A prova está dividida em 4 questões com as seguintes pontuações: Questão

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

O CONTRABAIXO NA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA: ASPECTOS DA UTILIZAÇÃO DE PIZZICATO NO SAMBA E BOSSA NOVA

O CONTRABAIXO NA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA: ASPECTOS DA UTILIZAÇÃO DE PIZZICATO NO SAMBA E BOSSA NOVA O CONTRABAIXO NA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA: ASPECTOS DA UTILIZAÇÃO DE PIZZICATO NO SAMBA E BOSSA NOVA Ghadyego Carraro 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a utilização do pizzicato no Samba

Leia mais

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente 1 Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente Everton Luiz Loredo de MATOS UFG tonzeramusic@hotmail.com Magda

Leia mais

No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por

No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por 60 &$3Ë78/2 0$7(5,$,6'((16,12$35(1',=$*(0&5,$'2612&/$0 2VSULPHLURVOLYURVGHVHQYROYLGRV No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por uma entrevista com o diretor responsável pelo

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo.

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo. CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU MÓDULO 1: ELEMENTOS DA MÚSICA PROF. DARCY ALCANTARA (UFES) CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU DOMINGO - MANHÃ REVISÃO DOS CONCEITOS DE MÚSICA, RITMO E MELODIA

Leia mais

COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00)

COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00) PROVA DE APTIDÃO MÚSICA COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00) 1. ANÁLISE COMPARATIVA (01:00:00) Ouça atentamente os três trechos musicais a serem reproduzidos durante o exame 1.1 Esboce uma representação

Leia mais

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL A Música Barroca A palavra barroco vem da língua portuguesa e significa "pérola irregular". Foi adotada internacionalmente para caracterizar o estilo ornamentado e pomposo

Leia mais

CONSERVATÓRIO MUSICAL BEETHOVEN www.beethoven.art.br beethoven@beethoven.art.br

CONSERVATÓRIO MUSICAL BEETHOVEN www.beethoven.art.br beethoven@beethoven.art.br Curso de Capacitação em Música para Professores do Ensino Médio, Fundamental 03 horas / semanais e Musicalização Infantil ( com base no PCN Artes ) VAGAS LIMITADAS FAÇA SUA PRÉ-RESERVA 10 meses ( inicio

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 12/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 12/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 12/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Música (Caicó) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. Assine no

Leia mais

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância ( ) o movimento, o cantar e o tocar se tornam um todo ( ) Com base na espontaneidade dos jogos musicais e corporais das crianças, que têm, na sua base razões

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2010 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2010 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2010 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012 ) No caso específico da disciplina de E. Musical, do 5ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º ACORDE UNVERSITÁRIO Festival Universitário de Musica Popular Brasileira de Maringá

REGULAMENTO DO 2º ACORDE UNVERSITÁRIO Festival Universitário de Musica Popular Brasileira de Maringá 1 REGULAMENTO DO 2º ACORDE UNVERSITÁRIO Festival Universitário de Musica Popular Brasileira de Maringá DOS OBJETIVOS: Art. 1º - A Universidade Estadual de Maringá, a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço IGREJA CRISTÃ MARANATA Apostila De Teclado Comissão de ensino Vale do Aço Introdução O Teclado é um dos instrumentos mais utilizados hoje em dia, por sua grande flexibilidade e diversificação. Com um simples

Leia mais

Modos Gregos II. Preencha a tabela, analise, escreva o nome do modo e adicione TODAS as tensões que o modo permitir: ( )

Modos Gregos II. Preencha a tabela, analise, escreva o nome do modo e adicione TODAS as tensões que o modo permitir: ( ) Modos Gregos II Mais que Musica c u r s o s Preencha a tabela, analise, escreva o nome do modo e adicione TODAS as tensões que o modo permitir: C) Iônico Dórico Frígio Lídio Mixolídio Eólico Lócrio E T

Leia mais

1 Noções de software musical Conteúdo

1 Noções de software musical Conteúdo Introdução Conceitos básicos de software educacional e informática na educação O software musical como auxílio aos professores de música Software para acompanhamento Software para edição de partituras

Leia mais

Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto

Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto 1º período Canto Coral A 36 Canto I 54 Consciência Corporal em Performance Musical I 36 Contraponto I 36 Fisiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º SF451- FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: SF200 SF200- INTRODUCAO A EDUCACAO INTRODUÇÃO À ANÁLISE E DISCUSSÃO DO FENÔMENO EDUCATUVO, CONSIDERANDO AS RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO

Leia mais

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS Sessão n.º 1 1- Apresentação do projeto: objectivos e finalidades; 2- Apresentação dos objetivos e finalidades; 3- Música Timorense (He-le-le);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 E PISM III PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA - MÚSICA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 E PISM III PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA - MÚSICA PARTE I: PERCEPÇÃO Instruções: Cada uma das questões de 1 a 5 é acompanhada de um exemplo musical gravado; cada exemplo musical será repetido 5 vezes com um silêncio de aproximadamente 30 segundos entre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR VESTIBULAR 2013 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 30 questões. Caso contrário,

Leia mais

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola O Jogo de Dados de Mozart Série Matemática na Escola Objetivos 1. Relacionar música e matemática; 2. Apresentar os fundamentos de análise combinatória e probabilidade; 3. Exibir uma aplicação prática de

Leia mais

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons;

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons; DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA Educação Musical _ º ANO _ A Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades O processo de ensino e aprendizagem da educação musical consiste na interação de um conjunto

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016 EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES Ano letivo 2015/2016 3.º Ano Descoberta e organização progressiva de volumes Modelagem

Leia mais

EDITAL 04/2015 ADMISSÃO AO CURSO PREPARATÓRIO PARA O MÓDULO 3 DO CURSO FORMAÇÃO MUSICAL

EDITAL 04/2015 ADMISSÃO AO CURSO PREPARATÓRIO PARA O MÓDULO 3 DO CURSO FORMAÇÃO MUSICAL GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA FUNDAÇÃO ANITA MANTUANO DE ARTES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE MÚSICA VILLA-LOBOS EDITAL 04/2015 ADMISSÃO AO CURSO PREPARATÓRIO

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. 2 Habilidades: H12 Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho da produção dos artistas em seus meios culturais. 3 Música clássica- baseada no folclore Heitor

Leia mais

Por que a música deve estar presente na escola?

Por que a música deve estar presente na escola? CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU MÓDULO 1: ELEMENTOS DA MÚSICA PROF. DARCY ALCANTARA (UFES) CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU SÁBADO 16/04 REVISÃO DOS CONCEITOS DE RITMO APRESENTAÇÃO DO

Leia mais

Prova Prática: Curso de Música

Prova Prática: Curso de Música Universidade do Estado de Santa Catarina Vestibular 2014.1 Prova Prática: Curso de Música NOME DO(A) CANDIDATO(A) Instruções Para fazer a prova você usará: este caderno de prova; um cartão-resposta que

Leia mais

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro ANTONIO LOUREIRO www.boranda.com.br/antonioloureiro O compositor e multi-instrumentista Antonio Loureiro chega ao segundo álbum solo apostando na liberdade do improviso e defendendo uma criação musical

Leia mais

REGULAMENTO RADICE PRODUÇÕES. 8º CONCURSO SAMBA DE QUADRA Troféu Nelson Sargento CLAUSULA 1º.- DO OBJETIVO.

REGULAMENTO RADICE PRODUÇÕES. 8º CONCURSO SAMBA DE QUADRA Troféu Nelson Sargento CLAUSULA 1º.- DO OBJETIVO. REGULAMENTO RADICE PRODUÇÕES APRESENTA 8º CONCURSO SAMBA DE QUADRA Troféu Nelson Sargento CLAUSULA 1º.- DO OBJETIVO. A RADICE PRODUÇÕES, estabelecida na cidade do Rio de Janeiro apresenta o 8º CONCURSO

Leia mais

um parceiro da canção?

um parceiro da canção? ARRANJADOR um parceiro da canção? O arranjo é a roupa da música. Ele pode ter vários ou poucos instrumentos, fazer uma canção soar moderna ou antiga, pode ser feito usando uma orquestra sinfônica ou apenas

Leia mais

FESTIVAL DE MUSICA DA FEIRA VOCACIONAL 2015 DIOCESE DE SANTO AMARO REGULAMENTO:

FESTIVAL DE MUSICA DA FEIRA VOCACIONAL 2015 DIOCESE DE SANTO AMARO REGULAMENTO: FESTIVAL DE MUSICA DA FEIRA VOCACIONAL 2015 DIOCESE DE SANTO AMARO REGULAMENTO: 1. Dos princípios gerais: 1.1. O festival de Música cristã promovido pela Feira Vocacional tem como objetivo: A. O anúncio

Leia mais

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS I - INTRODUÇÃO Para começar precisamos entender dois conceitos principais. 1. SOM: Onda que vibra no ar, numa freqüência em que o ouvido capta essa vibração

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

Promoção e realização Do objeto Da finalidade Do cronograma

Promoção e realização Do objeto Da finalidade Do cronograma REGULAMENTO I Promoção e realização: O SESCANÇÃO 2015 Mostra Sergipana de Música é uma realização sem fins lucrativos do Serviço Social do Comércio Sesc em Sergipe, entidade integrante do Sistema Fecomércio

Leia mais

Maria Rita Samba Meu

Maria Rita Samba Meu Maria Rita Samba Meu Gostei bastante de Samba Meu, novo trabalho de Maria Rita, disco de samba muito bem produzido. Cantar bem, todos sabemos que Maria faz. Com o belo timbre que possui e, principalmente,

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira MATEMÁTICA E MÚSICA ESTRUTURA MUSICAL EM ESCALA MATEMÁTICA Área de Concentração: Matemática, Ciências Naturais e Teoria Musical Disciplina de Concentração: Matemática

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música?

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Popular Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares

Leia mais

Escalas II Escalas - II Escala Maior Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v977

Escalas II Escalas - II Escala Maior Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v977 Escalas - II Escala Maior Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v977 Sumário Introdução Escalas Naturais... 0 Conceitos preliminares Tônica, Tom e Tonalidade... 0 Melodia e Harmonia...

Leia mais

Características perceptuais do som.

Características perceptuais do som. Características perceptuais do som. O som é produzido por corpos quando colocados em vibração. Essa vibração se transfere no ar de molécula a molécula até alcançar nossos ouvidos. As principais características

Leia mais

CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA

CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA CHIC SAMBA CHIC ANA PAULA LOPES E LUPA MABUZE Do encontro dos artistas Lupa Mabuze e Ana Paula Lopes surgiu o projeto CHIC SAMBA CHIC, um show contagiante de música

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE MAIRI CNPJ: 06.187.254/0001-47 ASCOM - Mairi - Bahia FESTIVAL DE MÚSICA VOZES DO JACUÍPE 4ª EDIÇÃO/2015

ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE MAIRI CNPJ: 06.187.254/0001-47 ASCOM - Mairi - Bahia FESTIVAL DE MÚSICA VOZES DO JACUÍPE 4ª EDIÇÃO/2015 FESTIVAL DE MÚSICA VOZES DO JACUÍPE 4ª EDIÇÃO/2015 REGULAMENTO DA PROMOÇÃO: Art. 1º - O Festival de Música Vozes do Jacuípe 4ª Edição/2015, atividade cultural, de abrangência Territorial e Regional, é

Leia mais

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL]

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] 2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] Plano Anual de Expressão Musical Ano Letivo 2012/2013 Introdução: Esta atividade pretende que os alunos fortaleçam o gosto natural pela expressão musical

Leia mais

CONCURSO DE MÚSICAS DE CARNAVAL 2014 14ª edição

CONCURSO DE MÚSICAS DE CARNAVAL 2014 14ª edição CONCURSO DE MÚSICAS DE CARNAVAL 2014 14ª edição Data: 18, 19 e 20 de fevereiro de 2014 Local: Rua Victor Meirelles - Centro Horário: 20h I INTRODUÇÃO: O Concurso Carnavalesco de Marchinhas e Marchas-Rancho

Leia mais

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1 DO ENSINO BÁSICO CE 1 CE 5 CE 8 CE 12 CE 14 Interpretação e comunicação

Leia mais

O ACORDE DE SEXTA AUMENTADA: INTERPRETAÇÕES DIFERENTES PARA O MESMO FENÔMENO SONORO

O ACORDE DE SEXTA AUMENTADA: INTERPRETAÇÕES DIFERENTES PARA O MESMO FENÔMENO SONORO 18 O ACORDE DE SEXTA AUMENTADA: INTERPRETAÇÕES DIFERENTES PARA O MESMO FENÔMENO SONORO JULIO CESAR DE FIGUEIREDO 1 RESUMO A música de concerto e a música popular existem no mesmo universo mas possuem linguagens

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário).

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário). CURSOS DE MÚSICA DO SESC (2º Semestre) MODALIDADE INICIANTE 1) VIOLÃO POPULAR Este curso está direcionado ao estudo da música popular com acompanhamento harmônico. Serão praticadas canções do repertório

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música Aula 8.2 Conteúdo Música 1 Habilidades: Conhecer a origem da Música, seus principais elementos formadores, e a sua importância na sociedade. 2 Música Origem: Pré-história (marcava o ritmo com as mãos e

Leia mais

Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Licenciatura Plena ou Bacharelado - Habilidades Artístico Culturais - Música

Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Licenciatura Plena ou Bacharelado - Habilidades Artístico Culturais - Música Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Licenciatura Plena ou Bacharelado - Habilidades Artístico Culturais - Música 31) Em sua primeira fase, a música religiosa era essencialmente vocal, não

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela A música do Brasil e do mundo Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela Sergio Molina Projeto A Música na Escola, roda de conversa número seis vai discutir

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU DEA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SERGIPE

GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU DEA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SERGIPE B GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU DEA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SERGIPE PROCESSO DE SELEÇÃO 2011 INFORMATIVO EXAME DE SELEÇÃO PARA O

Leia mais

PROVA COM RESPOSTAS 18 QUESTÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ COMISSÃO EXECUTIVA DO VESTIBULAR Vestibular 2014.1

PROVA COM RESPOSTAS 18 QUESTÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ COMISSÃO EXECUTIVA DO VESTIBULAR Vestibular 2014.1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ COMISSÃO EXECUTIVA DO VESTIBULAR Vestibular 2014.1 CURSO DE MÚSICA EXAME DE HABILIDADE ESPECÍFICA EHE PROVA COM RESPOSTAS LOCAL DA PROVA CH - CAMPUS DE FÁTIMA N o DA SALA

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais