Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho"

Transcrição

1 Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras da Diretivas ABNT, Parte 2. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) chama atenção para a possibilidade de que alguns dos elementos deste documento podem ser objeto de direito de patente. A ABNT não deve ser considerada responsável pela identificação de quaisquer direitos de patentes. A ABNT NBR foi elaborada no Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados (ABNT/CB-18), pela Comissão de Estudo de ajes (CE-18:600.02). O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 03, de , com o número de Projeto 18: Escopo Esta Norma especifica um método de ensaio para a verificação do desempenho de vigotas e pré-lajes utilizadas em lajes pré-fabricadas unidirecionais e bidirecionais, sob cargas de trabalho, objetivando garantir sua integridade estrutural durante a etapa de concretagem da laje. Os elementos de enchimento devem ser ensaiados conforme o Anexo C da ABNT NBR : Referência normativa O documento relacionados a seguir é indispensável à aplicação deste documento. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas). ABNT NBR :2002, aje pré-fabricada Requisitos Parte 1: ajes unidirecionais 3 Termos, definições e símbolos 3.1 Termos e definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se os seguintes termos e definições carga de trabalho somatório das forças atuantes durante a concretagem, sendo composta neste ensaio pelos seguintes componentes: peso próprio dos elementos ensaiados, peso próprio dos elementos de enchimento, peso do concreto complementar, carga acidental distribuída durante a concretagem ou carga acidental concentrada durante a concretagem lote para os efeitos desta Norma, lote corresponde a apenas um tipo específico de laje, no que se refere a tipo, dimensão e forma dos componentes, para um período de produção não superior a três semanas.

2 3.2 Símbolos B P CD α = α B = i e p e p c q a = P d q v q e = q c = q 1 = q = F 1 F 2 vão de ensaio da vigota, igual ao espaçamento entre os eixos de escoramento na obra, em metros vão em balanço da vigota, medido a partir do eixo do apoio, em milímetros carga acidental concentrada de concretagem, em quilonewton (usualmente adotada igual a 1,0 kn) carga acidental distribuída de concretagem, em quilonewton por metro quadrado (usualmente adotada igual a 1,5 kn/m 2 ) 0,30 1 0,5, com, em metros 0,30 1 0,5, com B, em metros intereixo, distância entre os centros das vigotas consecutivas, em metros carga uniforme equivalente ao peso próprio do elemento de enchimento, em quilonwetons por metro quadrado de laje carga uniforme equivalente ao peso próprio do concreto lançado na obra (concreto de capeamento) sobre as vigotas, em quilonwetons por metro quadrado de laje CD i e carga linear devida à carga acidental distribuída de concretagem que atua sobre uma vigota, em quilonewtons por metro peso do dispositivo de ensaio peso próprio de uma vigota, em quilonewtons por metro p e i e carga linear devida ao peso próprio do bloco de enchimento que atua sobre uma vigota, em quilonewtons por metro p c i e carga linear devida ao concreto de capeamento que atua sobre uma vigota, em quilonewtons por metro q c + q e + q v carga linear total que atua sobre uma vigota imediatamente após a concretagem, em quilonewtons por metro q 1 + q a carga linear que atua sobre uma vigota durante a concretagem, em quilonewtons por metro Força que deve ser aplicada no corpo-de-prova em ensaio para verificar seu comportamento quanto aos deslocamentos verticais (flechas), em quilonewtons Força que deve ser aplicada no corpo-de-prova em ensaio para verificar seu comportamento em serviço com majoração indicada em a 6.3.4, em quilonewtons 4 Aparelhagem 4.1 O dispositivo de reação do ensaio deve ter dois apoios compostos por duas réguas metálicas, dispostas em paralelo, cada uma com largura de 25 mm e comprimento necessário para garantir o contato em toda a largura da peça a ser ensaiada, sendo estruturadas de forma a não apresentar deformação significativa durante o carregamento estabelecido para o ensaio. O conjunto, configurado como um plano horizontal e com o afastamento entre apoios previsto no ensaio, deve ser posicionado à altura adequada, de forma a permitir a visualização da face inferior do corpo-de-prova durante a execução do ensaio. A aplicação da carga deve ser feita por uma régua metálica com características idênticas às dos apoios, nivelada e acoplada a equipamento que permita o seu carregamento controlado, conforme 5.2.

3 4.2 Para evitar possível esmagamento do concreto nos pontos de carregamento e reação entre a peça de concreto a ser ensaiada e os dispositivos de carga, devem ser interpostas nesses pontos tiras de madeira com a mesma largura e comprimento das réguas metálicas, com altura de 15 mm e dureza correspondente à do cerne do eucalipto. 4.3 Quando o dispositivo de carga apresentar peso próprio, este não deve ser superior a 0,5 F 1 ou 0,5 F O sistema de medição de flechas, que pode ser analógico ou digital, deve apresentar precisão mínima de 0,1 mm. NOTAS 1 Para carregamentos inferiores a 10 kn, as réguas metálicas podem ser substituídas por barras de seção circular com diâmetro de 25 mm. 2 Um dispositivo completo para este ensaio é sugerido no anexo A. 5 Amostragem A amostra de cada lote deve ser composta por no mínimo quatro exemplares, cada exemplar composto por um corpo-de-prova, escolhido aleatoriamente. 6 Descrição do ensaio 6.1 Generalidades O ensaio deve ser executado em duas etapas, onde verificam-se os deslocamentos verticais (flechas) e a resistência à flexão, provocados pelas cargas atuantes sobre as peças pré-fabricadas na fase de lançamento do concreto complementar. O ensaio consiste em carregar os corpos-de-prova nos seus planos normal e inverso, de forma a simular, com carregamentos simples, os momentos fletores e forças cortantes que podem ser gerados pela carga de trabalho, considerando-se a situação dos apoios durante a fase de montagem e concretagem. 6.2 Corpo-de-prova Deve ser obtido a partir de peças de produção do lote a ser ensaiado e consiste em um segmento de vigota cortado com disco diamantado ou similar, de forma a apresentar um comprimento total de mm, desprezando-se sempre os 100 mm das extremidades, salvo nos casos em que não seja usado cimbramento. A idade da solicitação do corpo-de-prova, quando da realização do ensaio, deve ser igual àquela prevista pelo fabricante para o lançamento do concreto complementar. Os corpos-de-prova devem ser mantidos ao abrigo das intempéries, por no mínimo 48 h antes da realização do ensaio. 6.3 Procedimento de ensaio Plano normal Momento positivo Sobre os apoios do dispositivo de reação, afastados entre si de, colocar e centralizar o corpo-de-prova, com o banzo superior na sua posição normal, sendo então feita a leitura inicial da flecha. Quando for utilizado dispositivo de carregamento dotado de peso próprio, deve-se proceder à sua montagem, de forma que a carga seja aplicada no meio do vão, conforme Figura 1. Carregar gradualmente o corpo-de-prova, a uma velocidade menor ou igual a 20 N/s, até que se atinja o maior valor definido pelas fórmulas da Tabela 1. Quando o dispositivo de carga aplicar o seu peso próprio parcial ou integralmente sobre o corpo-de-prova, este deve ser considerado na determinação dos valores de F 1 e F 2. Durante o carregamento, quando não for utilizado um sistema contínuo de registro de leitura da flecha, devem ser feitas pelo menos dez leituras de flecha, adequadamente espaçadas, de forma a poder ser traçada uma curva

4 carga/deslocamento. Devem ser realizadas leituras da flecha sempre que forem atingidos os valores definidos pelas fórmulas constantes na Tabela 1. /2 /2 Figura 1 Posicionamento do corpo-de-prova sobre os elementos de reação e posição do carregamento para simular momento positivo Tabela 1 Cálculo de F 1 e F 2 para momentos positivos Força aplicada Vãos contínuos Vão único Momentos positivos Ação de CD Ação de P Ação de CD Ação de P F 1 0,625 q 1-0,325 q 1 F 2 0,60 q 0,60 q 1 + 1,2 P 0,48 q 0,45 q 1 + P NOTA As fórmulas desta Tabela já contemplam um coeficiente de majoração das cargas de 20 % Plano normal Força cortante Sobre os apoios do dispositivo de reação, afastados entre si de, colocar e centralizar o corpo-de-prova, com o banzo superior na sua posição normal, sendo então feita a leitura inicial da flecha. Quando for utilizado dispositivo de carregamento dotado de peso próprio, deve-se proceder à sua montagem, de forma que a carga seja aplicada a 300 mm de um dos apoios, conforme Figura 2. Carregar gradualmente o corpo-de-prova, a uma velocidade menor ou igual a 20 N/s, até que se atinja o maior valor definido pelas fórmulas da Tabela 2. Quando o dispositivo de carga aplicar o seu peso próprio parcial ou integralmente sobre o corpo-de-prova, este deve ser considerado na determinação dos valores de F 1 e F 2. Durante o carregamento, quando não for utilizado um sistema contínuo de registro de leitura da flecha, devem ser feitas pelo menos dez leituras de flecha, adequadamente espaçadas, de forma a poder ser traçada uma curva carga/deslocamento. Devem ser realizadas leituras da flecha sempre que forem atingidos os valores definidos pelas fórmulas constantes na Tabela mm Figura 2 Posicionamento do corpo-de-prova sobre os elementos de reação e posição do carregamento para simular e força cortante Tabela 2 Cálculo de F 2 para forças cortantes Força Vão único Vãos contínuos

5 aplicada Ação de CD Ação de P Ação de CD Ação de P F 2 0,6 q α 0,6 q1 + 1,2 P α α 0,9q 1 α 0,9 q1 + 1,2 P α α NOTA As fórmulas desta Tabela contemplam um coeficiente de majoração das cargas de 20 % Plano inverso Momento negativo Sobre os apoios do dispositivo de reação, afastados entre si de, colocar e centralizar o corpo-de-prova, com o banzo superior na sua posição inversa, sendo então feita a leitura inicial da flecha. Quando for utilizado dispositivo de carregamento dotado de peso próprio, deve-se proceder à sua montagem, de forma que a carga seja aplicada no meio do vão, conforme Figura 3. Carregar gradualmente o corpo-de-prova, a uma velocidade menor ou igual a 20 N/s, até que se atinja o maior valor definido pelas fórmulas da Tabela 3. Quando o dispositivo de carga aplicar o seu peso próprio parcial ou integralmente sobre o corpo-de-prova, este deve ser considerado na determinação dos valores de F 1 e F 2. Durante o carregamento, quando não for utilizado um sistema contínuo de registro de leitura da flecha, devem ser feitas pelo menos dez leituras de flecha, adequadamente espaçadas, de forma a poder ser traçada uma curva carga/deslocamento. Devem ser realizadas leituras da flecha sempre que forem atingidos os valores definidos pelas fórmulas constantes na Tabela 3. /2 /2 Figura 3 Posicionamento do corpo-de-prova sobre os elementos de reação e posição do carregamento para simular momento negativo (plano inverso) Tabela 3 Cálculo de F 2 para momentos negativos Vãos contínuos Força aplicada Momentos negativos Ação de CD Ação de P F 1 - F 2 0,56 q 0,54 q 1 + 0,84 P NOTA As fórmulas desta Tabela já contemplam um coeficiente de majoração das cargas de 20 % Balanço Momento negativo Sobre os apoios do dispositivo de reação, afastados entre si de 2B, colocar e centralizar o corpo-de-prova, com o banzo superior na sua posição normal, sendo então feita a leitura inicial da flecha. Quando for utilizado dispositivo de carregamento dotado de peso próprio, deve-se proceder à sua montagem, de forma que a carga seja aplicada no meio do vão, conforme Figura 4.

6 Carregar gradualmente o corpo-de-prova, a uma velocidade menor ou igual a 20 N/s, até que se atinja o maior valor definido pelas fórmulas da Tabela 4. Quando o dispositivo de carga aplicar o seu peso próprio parcial ou integralmente sobre o corpo-de-prova, este deve ser considerado na determinação dos valores de F 1 e F 2. Durante o carregamento, quando não for utilizado um sistema contínuo de registro de leitura da flecha, devem ser feitas pelo menos dez leituras de flecha, adequadamente espaçadas, de forma a poder ser traçada uma curva carga/deslocamento. Devem ser realizadas leituras da flecha sempre que forem atingidos os valores definidos pelas fórmulas constantes na Tabela 4. B B Figura 4 Posicionamento do corpo-de-prova sobre os elementos de reação e posição do carregamento para simular momento negativo em balanço Força aplicada Ação de CD Tabela 4 Cálculo de F 1 e F 2 para balanços Ação de P F 1 0,75 q 1 b - F 2 1,5 q b 1,5 q 1 b + 3 P NOTA As fórmulas desta Tabela já contemplam um coeficiente de majoração das cargas de 50 % Balanço Força cortante Sobre os apoios do dispositivo de reação, afastados entre si de 2B, colocar e centralizar o corpo-de-prova, com o banzo superior na sua posição normal, sendo então feita a leitura inicial da flecha. Quando for utilizado dispositivo de carregamento dotado de peso próprio, deve-se proceder à sua montagem, de forma que a carga seja aplicada a 300 mm de um dos apoios, conforme Figura 5. Carregar gradualmente o corpo-de-prova, a uma velocidade menor ou igual a 20 N/s, até que se atinja o maior valor definido pelas fórmulas da Tabela 5. Quando o dispositivo de carga aplicar o seu peso próprio parcial ou integralmente sobre o corpo-de-prova, este deve ser considerado na determinação dos valores de F 1 e F 2. Durante o carregamento, quando não for utilizado um sistema contínuo de registro de leitura da flecha, devem ser feitas pelo menos dez leituras de flecha, adequadamente espaçadas, de forma a poder ser traçada uma curva carga/deslocamento. Devem ser realizadas leituras da flecha sempre que forem atingidos os valores definidos pelas fórmulas constantes na Tabela mm 2B Figura 5 Posicionamento do corpo-de-prova sobre os elementos de reação e posição do carregamento para simular força cortante em balanço

7 Tabela 5 Cálculo de F 2 para força cortante nos balanços Força aplicada Ação de CD Ação de P F 2 1,5. q. αb 1,5 q1 + 1,5 P αb NOTA As fórmulas desta Tabela contemplam um coeficiente de majoração das cargas de 50 %. 7 Procedimento para leitura de medidas de flechas Registrar a leitura inicial ( ii ) devido ao peso próprio do corpo-de-prova. Registrar a flecha devido à aplicação de F 1 imediatamente ( F1 ). Registrar a flecha devido à aplicação de F 2 ( F2 ). 8 Análise dos resultados Com base nos ensaios prescritos por esta Norma, pode-se estabelecer o desempenho geral da vigota pela execução de no mínimo seis ensaios, levados até o Estado imite Último (ruptura), cada um com pelo menos dez leituras e intervalos de carga aproximadamente iguais a 10% da diferença entre o maior valor de F 2 e o menor valor de F 1, calculados conforme 6.3. Estabelecido o valor médio, devem ser descartados os valores dos exemplares que apresentarem, em relação a ele, variação de mais ou menos 10 %. Os exemplares restantes devem corresponder a pelo menos 75 % do total de exemplares ensaiados. Se esse percentual for menor, toda a amostra deve ser descartada, procedendo-se à nova coleta e ensaio. Se o percentual de exemplares restantes for igual ou maior que 75 %, os valores utilizados para fins de aceitação devem ser aqueles dentro do intervalo obtido no ensaio dos exemplares considerados no cálculo. 9 Critérios de aceitação O lote deve ser aceito para utilização quando: a) todos os exemplares apresentarem para o carregamento F 1 flechas com valores menores que 5 mm para vãos até mm ou flechas com valores menores que /300 para vãos maiores que mm; b) nenhum dos exemplares apresentar fissuração maior que o previsto, desagregação do concreto ou deformação visível na armadura metálica, até ser atingido o carregamento F 2. No caso de não atendimento dos critérios de aceitação, o lote deve ser rejeitado. 10 Relatório do ensaio O relatório do ensaio deve apresentar as seguintes informações: a) referência a esta Norma; b) marca e nome do fabricante e unidade de produção; c) solicitante do ensaio; d) características do material ensaiado; e) data de fabricação informada pelo fabricante;

8 f) identificação do lote pelo fabricante; g) data do ensaio; h) resultados individuais de cada ensaio (valores de F 1 e F 2 considerados e i, F1 e F2 ); i) indicação da carga recomendada (opcional); j) distância entre os apoios; k) indicação de contraflecha (se houver).

9 Anexo A (informativo) Equipamento e procedimentos de ajuste para ensaio de campo de vigotas de lajes treliçadas e pré-lajes treliçadas A.1 Generalidades O equipamento descrito neste anexo se destina à execução de ensaio de carga de trabalho correspondente a F 1 ou F 2, menores que 600 kg, em vigotas de lajes treliçadas e pré-lajes treliçadas, com dimensões comercialmente usuais. Para peças fora desse padrão, pode ser feita uma adaptação do equipamento, adequando-o às cargas e dimensões específicas. A.2 Descrição do equipamento O equipamento é composto de quatro elementos distintos: a) laje de reação: executada em concreto armado, plana (2 mm/m), com espessura mínima de 0,12 m, largura de 1,00 m e comprimento de 3,00 m, com dispositivo de fixação da torre de carga, composto por uma barra de 12,5 mm de diâmetro, dotada de rosca no segmento externo e fixada no centro geométrico da laje e também de dispositivo de fixação da barra vertical de medida de flecha, composto por um pino liso metálico de 12,5 mm de diâmetro, posicionado lateralmente a 0,20 m do outro dispositivo, conforme apresentado na Figura A.1. Os dois dispositivos de fixação devem se projetar pelo menos 40 mm para fora do plano da laje, de forma a garantir a adequada fixação dos equipamentos. No caso de aproveitamento de laje já existente, devem ser verificadas suas planicidade e resistência. Em casos específicos, pode ser ampliado o comprimento da laje. 1,50 m Ponto de fixação da barra vertical 0,20 m 0,50 m Ponto de fixação da torre de carga 1,00 m 3,00 m Figura A.1 Medidas gerais da laje de reação, vista em planta b) cavaletes de apoio: executados com tubos metálicos de 20 mm de diâmetro e espessura igual ou maior que 3 mm, com capacidade de carga de no mínimo 400 kg por unidade, devem ter altura mínima de 1,10 mm e largura mínima de 0,40 m. Os cavaletes devem ser dotados de barra superior de apoio removível, com diâmetro de 25 mm, de forma a permitir a inserção do corpo-de-prova na posição inversa. As travessas de reforço devem estar dispostas de forma a não interferir com o posicionamento da torre de carga, quando da execução dos ensaios de força cortante. O seu modelo esquemático, sem escala, é apresentado na Figura A.2. Para cargas ou dimensões superiores, é necessária a adaptação das dimensões e bitolas dos tubos.

10 Cavaletes de apoio (Modelo esquemático) Corpo-de-prova Barra removível Abas de apoio 0,30 m 1,10 m 0,60 m 0,40 m Vista lateral Vista frontal Figura A.2 Modelo esquemático do cavalete de apoio c) torre de carga: dispositivo de carregamento controlado, composto por uma garra tensionadora, conectada em série a uma barra ajustável, um dinamômetro e um macaco tipo sanfona. Todo esse conjunto está fixado a uma estrutura metálica, denominada carcaça, que é fixada à barra metálica da laje de reação. Seu esquema é apresentado na Figura A.3. Torre de carga (Modelo esquemático) Corpo-de-prova Garra tensionadora Barra ajustável Dinamômetro analógico Macaco de tração Carcaça da torre Dispositivo de fixação aje de reação Figura A.3 Modelo esquemático do conjunto tensionador ou torre de carga A garra tensionadora, em forma de U possui um pino removível, com 25 mm de diâmetro, que aplica diretamente a carga de flexão ou cisalhamento no corpo-de-prova. O elemento de força da torre é um macaco sanfona, que funciona no seu modo inverso, tracionando todo o conjunto; pode ser substituído por um cilindro hidráulico, quando se deseja gerar cargas mais elevadas que o previsto para este dispositivo. Do mesmo modo, o dinamômetro, conectado em série ao macaco e à garra tensionadora, pode ser substituído por uma célula de carga ou um anel dinamométrico, conforme a conveniência. Na parte inferior da torre de carga tem-se o suporte metálico que permite a fixação da torre à laje de reação.

11 d) barra vertical: destinada à fixação de relógio comparador. Consiste em um tubo metálico, com diâmetro interno de 12,5 mm, paredes com espessura mínima de 1,5 mm e comprimento de pelo menos 1,50 m, onde deve ser fixado o relógio comparador para medida de flecha. A barra vertical deve ser encaixada no pino correspondente da laje de reação. A.3 Uso do equipamento Com a torre de carga fixada à laje de reação, posicionar os cavaletes, tomando-se como referência o eixo do pino removível da garra tensionadora, em relação ao eixo das barras removíveis dos cavaletes. Tomar as devidas precauções para a verificação da distância entre cavaletes e entre estes e o pino da garra tensionadora, cujas medidas apresentam variações para cada tipo de ensaio. Posicionar o corpo-de-prova, na sua posição normal ou inversa, sobre os apoios e dentro da garra tensionadora, ajustando a sua altura com o auxílio da barra ajustável e do macaco, que deve estar na sua posição distendida. Inserir o pino removível e proceder ao último ajuste com o macaco, encostando o pino no corpo-de-prova, sem que o dinamômetro assinale carga sobre a vigota. Com a barra vertical em posição, ajustar o relógio comparador a ela fixado sobre o pino da garra tensionadora e proceder à leitura inicial. O relógio pode ser fixado à barra com suporte magnético, garra ou outro dispositivo que não permita a sua movimentação durante o ensaio. Acionar o macaco e proceder à execução do ensaio conforme previsto na Seção 6.

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas.

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas. NBR 14862 - MAIO 2002 - Armaduras treliçadas eletrossoldadas - Requisitos Origem: Projeto 18:314.01-004:2001 ABNT/CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:314.01 - Comissão de Estudo

Leia mais

Concreto Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos

Concreto Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos Concreto Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto de Revisão foi elaborado pela Comissão de Estudo de Métodos de Ensaio de Concreto

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas OUT 2000 NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02.

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14022 EMENDA 1 20.02.2009 Válida a partir de 20.03.2009 Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros Accessibility in vehicles

Leia mais

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA 5 - FORROS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de forro ideal para a sua edificação; Executar corretamente os apoios das lajes pré-fabricadas; Especificar corretamente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este trabalho tem como objetivo estudar a resistência do sistema de ancoragem composto de pinos com cabeça embutidos no concreto, quando submetidos a

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

ABNT NBR 8890 NORMA BRASILEIRA. Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos e métodos de ensaios

ABNT NBR 8890 NORMA BRASILEIRA. Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos e métodos de ensaios NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 8890 Segunda edição 22.10.2007 Válida a partir de 22.11.2007 Versão Corrigida 24.03.2008 Tubo de concreto de seção circular para águas pluviais e esgotos sanitários Requisitos

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma 685. 68 João Eduardo Di Pietro é engenheiro civil (1980), mestre (1993) e doutor (2000) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC.

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES LAJES Serão o piso ou a cobertura dos pavimentos. As lajes poderão ser: Maciças - moldadas in loco, economicamente viável para h 15 cm. Nervurada

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST )

ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST ) ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO...3 3. S E

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO Anderson Borges da Silva (1), Prof. Esp. Alexandre Vargas (2) RESUMO UNESC Universidade

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Tubos de Polietileno - Determinação das Dimensões Método de Ensaio São Paulo Fevereiro - 1999 NTS 051 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL BLOCOS CERÂMICOS PARTE 1: PROJETOS

ALVENARIA ESTRUTURAL BLOCOS CERÂMICOS PARTE 1: PROJETOS ALVENARIA ESTRUTURAL BLOCOS CERÂMICOS PARTE 1: PROJETOS APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto foi elaborado pela CE-02:123.03 - Alvenaria Estrutural - Blocos Cerâmicos - do ABNT/CB- 02 - Construção Civil, nas

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES No item 4.2.3. 1.C da NB-1 alerta-se que nas lajes (e vigas) deve-se limitar as flechas das estruturas. No caso das lajes maciças, (nosso caso), será

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado

Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado OUT 2006 Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa

Leia mais

Estudo de Pavimentos de Lajes Formados por Vigotas Pré-Moldadas: Influência de Nervuras Transversais

Estudo de Pavimentos de Lajes Formados por Vigotas Pré-Moldadas: Influência de Nervuras Transversais Estudo de Pavimentos de Lajes Formados por Vigotas Pré-Moldadas: Influência de Nervuras Transversais Resumo Precast Slabs with Ribs: Influence of Transverse Ones Medrano, M. L. O. (1); Figueiredo Filho,

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

- LAJES PRÉ-FABRICADAS

- LAJES PRÉ-FABRICADAS - LAJES PRÉ-FABRICADAS Originam-se das lajes nervuradas e das lajes nervuradas mistas, onde, em geral, as peças pré-fabricadas são empregadas para a formação das nervuras. Entre elas, colocam-se elementos

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais