Há unidade no uso da língua portuguesa falada pelos brasileiros? Que língua se fala no Brasil? Que língua se aprende na escola?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Há unidade no uso da língua portuguesa falada pelos brasileiros? Que língua se fala no Brasil? Que língua se aprende na escola?"

Transcrição

1 Autora: Maria do Carmo Resnizek Mendes NRE: Núcleo de Curitiba Escola: Instituto Est. de Educação do Paraná Prof. Erasmo Piloto EFM Disciplina: Língua Portuguesa ( ) Ensino fundamental ( x ) Ensino Médio Disciplina da relação interdisciplinar 1: Sociologia Disciplina da relação interdisciplinar 2: Geografia Conteúdo estruturante: Discurso enquanto prática social Conteúdo específico: Variações lingüísticas Título: A Língua Portuguesa Brasileira nas produções literomusicais e literárias Vício na fala Para dizerem milho dizem mio Para melhor dizem mió Para pior pió Para telha dizem teia Para telhado dizem teiado E vão fazendo telhados. Oswald de Andrade Oswald de Andrade por Tarsila do Amaral Oswald de Andrade, poeta modernista brasileiro, no poema acima e em muitos de seus poemas traz as marcas da fala cotidiana, como forma de valorizá-la, buscando ressaltar como seria o português falado no Brasil. Muitos poetas, prosadores e letristas de músicas brasileiras estilizaram o falar do povo, isto é, procuraram de uma forma artística valorizar o uso popular da língua portuguesa. Há unidade no uso da língua portuguesa falada pelos brasileiros? Que língua se fala no Brasil? Que língua se aprende na escola? ATIVIDADE N 01 Para entender melhor os diferentes falares, vamos partir da realidade: 1. Após audição e leitura da letra da canção Encontros e partidas, da qual destacase um fragmento abaixo, em grupos resolver as atividades que seguem: (fragmento) Todos os dias É um vai e vem A vida se repete Na estação Tem gente que chega Pra ficar 1

2 Tem gente que vai Pra nunca mais ( Milton Nascimento e Fernando Brant ) ver letra completa no endereço: 1. Qual sua origem? De que lugares vieram seus pais ou avós? 2. Que diferenças culturais e lingüísticas são percebidas entre o local de origem e onde estão atualmente? 3. Organizar uma relação de palavras faladas na região de onde vieram e de palavras usadas na família ou no bairro onde moram. 4. Cada grupo vai eleger um colega para apresentar o resultado da conversa feita no grupo para os demais alunos. 5. Com os vocabulários apresentados por cada grupo, organizar um glossário. 6. Elaborar individualmente pequenos textos utilizando-se das palavras apresentadas no glossário. A atividade nº 01 nos leva a perceber as variações lingüísticas dentro da língua portuguesa, pois a língua não é utilizada de um modo único por todos que a utilizam. Há variações lingüísticas de acordo com a época, a região, a idade, classe social, profissão, grau de escolaridade. Nem mesmo no uso individual da língua há uniformidade, uma vez que se deve levar em conta o contexto de utilização da linguagem, com quem se fala e em que universo se fala. Com relação à variação lingüística é importante saber: que a língua portuguesa, como todas as línguas do mundo, não se apresenta de maneira uniforme em todo o território brasileiro; que a variação lingüística manifesta-se em todos os níveis de funcionamento da linguagem ; que a variação da língua se dá em função do emissor e em função do receptor ; que diversos fatores, como região, faixa etária, classe social e profissão, são responsáveis pela variação da língua; 2

3 que não há hierarquia entre os usos variados da língua, assim como não há uso lingüisticamente melhor que outro. Em uma mesma comunidade lingüística, portanto, coexistem usos diferentes, não existindo um padrão de linguagem que possa ser considerado superior. O que determina a escolha de tal ou tal variedade é a situação concreta de comunicação. que a possibilidade de variação da língua expressa a variedade cultural existente em qualquer grupo. Basta observar, por exemplo, no Brasil, que, dependendo do tipo de colonização a que uma determinada região foi exposta, os reflexos dessa colonização aí estarão presentes de maneira indiscutível. (http://acd.ufrj.br/~pead/tema01/variacao.html) Segundo Fiorin (2007,p.38), professor de Lingüística da USP, a língua varia, em todos os seus componentes, de região para região, de grupo social para grupo social, de uma época para outra. O que torna o fenômeno mais complexo é que esses diferentes fatores se entrecruzam. Assim, por exemplo, teremos os falares regionais que se distinguem um do outro, mas dentro de cada um temos uma variedade popular e uma culta. ATIVIDADE Nº 02 As três letras de músicas a seguir, além de abordarem variações lingüísticas em razão da regionalidade, também apresentam um mesmo tema - o movimento migratório do povo brasileiro. Aqui estão alguns fragmentos, porém, para resolver as atividades, é necessário ouvir as canções e ler a letra na íntegra que podem ser encontradas no seguinte endereço eletrônico: (fragmento) Eu sô filho do Nordeste Não nego meu naturá Mas uma seca medonha Me tangeu de lá prá cá Lá eu tinha o meu gadinho Não é bão nem imaginá Minha linda vaca Estrela E o meu belo boi Fubá Quando era de tardinha Eu começava aboiá Êeeeiaaaa Êeee vaca Estrela Ôoooo boi Fubá (Vaca Estrela e boi fubá de Venâncio e Corumba) (fragmento) Que saudade imensa do Campo e do mato Do manso regato que Corta Campinas Aos domingos ia passear de canoa Nas lindas lagoas de águas cristalinas 3

4 Que doce lembrança Daquelas festanças Onde tinham danças e lindas meninas Eu vivo hoje em dia sem Ter alegria O mundo judia, mas também ensina Estou contrariado, mas não derrotado Eu sou bem guiado pelas mãos divinas ( Saudades da Minha Terra - Composição Goiá e Belmonte ) (fragmento) Eu deixei meu rio grande... Lá no sul do meu país... Já arribei por estas bandas... Esperando ser feliz... Hoje aqui longe dos patos... Da querência e do galpão... A saudade é mais amarga... Do que o próprio chimarrão... ( Arroz a Carreteiro Composição: Palmeira Mário Zan) Após a audição das músicas e conversa com o professor e colegas sobre o que sabem a respeito dos textos ou das composições musicais, analisar e resolver as questões que seguem: 1. Identificar as regiões brasileiras de que tratam as músicas. Comprovar sua resposta com termos referentes ao vocabulário e a costumes próprios de cada região expressos em cada texto? 3. Algum dos textos acima apresenta alguma identificação com a história de origem de seus familiares? Comente sua resposta. As variações lingüísticas na língua portuguesa se dão de várias formas, como já foi exposto acima e a música, sendo expressão da cultura popular, constitui se em um material muito rico para se perceber tais variações. Ela carrega em si a oralidade e o modo de pensar e sentir de uma geração, comunidade ou região a qual representa. Da mesma forma a música produzida no Brasil manifesta a diversidade de falares e sentimentos cotidianos do povo brasileiro. Com relação aos sentimentos decorrentes destas migrações, o choque entre a cultura de origem e a nova, a relação de apego e saudades da terra natal, as manifestações lingüísticas e culturais do povo brasileiro, tudo isso tem sido matéria bastante explorada, não só na música, mas também na literatura brasileira. Esses temas são abordados em diferentes épocas. Podemos citar entre tantos autores: José Américo, Rachel de Queirós, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa e João Cabral de Melo Neto, 4

5 esse último autor do auto de natal Morte e Vida Severina. Obra que foi musicada integralmente pelo compositor Chico Buarque de Holanda (Ver indicação de leitura-p. 06) ATIVIDADE Nº 03 Se fizermos uma pesquisa nos censos demográficos, veremos que houve uma mudança radical com relação ao número dos habitantes do meio rural e urbano. Se lermos com atenção as obras literárias brasileiras, poderemos constatar as causas dessa mudança e suas conseqüências. De forma mais sintética, porém com o mesmo caráter, podemos constatar essa relação em várias canções populares brasileiras. Procure ouvir e conhecer a letra das canções (endereço eletrônico: e resolva as questões a seguir: (fragmento) Enquanto a minha vaquinha Tiver o couro e o osso E puder com o chocalho Pendurado no pescoço Eu vou ficando por aqui Que Deus do céu me ajude Quem deixa a terra natal Em outros campos não pára (O Último pau de arara - Venâncio, Corumbá e José Guimarães (fragmento)... Pedro pedreiro fica assim esperando Assim pensando o tempo passa A gente vai ficando para trás Esperando, esperando, esperando Esperando o sol Esperando o trem Esperando o aumento Desde o ano passado para o mês que vem... Pedro pedreiro espera o carnaval e a sorte grande do bilhete da federal... Pedro pedreiro está esperando a morte Ou esperando o dia de voltar pro norte Espera alguma coisa mais linda que o mundo Pedro pedreiro Chico Buarque de Holanda- 1. No texto Último pau-de-arara podemos observar o sentimento do homem pela sua terra natal, a qual se vê forçado a abandonar, a menos que haja uma forma de não fazê-lo Que condições são necessárias para que o homem permaneça na terra? Que versos no texto expressam essa condição? 2. Que texto estudado na atividade nº 02 mais se aproxima do tema abordado no texto Último pau de arara? Explique. 3. Que texto respectivamente, apresenta a idéia de causa/conseqüência em relação ao êxodo rural? 4. O verbo esperar, no texto Pedro pedreiro está no modo verbal gerúndio, isto é, foi utilizado para indicar uma ação em processo, ainda não acabada. Que sentido adquire as repetições deste verbo ao longo do texto? 5

6 5. Com relação à linguagem dos textos, que palavras indicam a variedade lingüística usada e que fator determina tal variante? SUGESTÕES DE PESQUISA 1. O regionalismo aparece como característica em vários momentos na literatura brasileira, porém com enfoques diferentes. Pesquise como o regionalismo tem se apresentado na literatura brasileira para poder identificar que enfoque mais se aproxima do regionalismo expresso no texto último pau-de-arara. 2. Peça ajuda para o professor de Geografia ou pesquise na Internet nos últimos censos, para saber como está a população urbana e rural no país. Relacione alguns problemas sociais decorrentes desse quadro INDICAÇÃO DE LEITURA Abaixo um fragmento da obra Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto. O texto mostra o momento em que o personagem inicia sua viagem rumo a um lugar em que haja condições de vida digna. Porém, é lendo o texto na íntegra que você poderá conhecer o trajeto e o destino do personagem e constatar uma realidade tão presente na história do Brasil. Somos muitos Severinos iguais em tudo na vida: na mesma cabeça grande que a custo é que se equilibra, no mesmo ventre crescido sobre as mesmas pernas finas e iguais também porque o sangue, que usamos tem pouca tinta. E se somos Severinos iguais em tudo na vida, morremos de morte igual, mesma morte severina: que é a morte de que se morre de velhice antes dos trinta, de emboscada antes dos vinte de fome um pouco por dia (de fraqueza e de doença é que a morte severina ataca em qualquer idade, e até gente não nascida). Somos muitos Severinos iguais em tudo e na sina: a de abrandar estas pedras suando-se muito em cima, 6

7 a de tentar despertar terra sempre mais extinta, a de querer arrancar alguns roçado da cinza. Mas, para que me conheçam melhor Vossas Senhorias e melhor possam seguir a história de minha vida, passo a ser o Severino que em vossa presença emigra. No início da unidade, quando falamos sobre as variações lingüísticas, você viu que existem fatores determinantes que as justificam. Até aqui, os textos analisados apresentam principalmente o aspecto regional, porém existem outros fatores que determinam as variações existentes em uma língua. As variações lingüísticas, de cunho regional, estão no campo das variações dialetais. As variações dialetais podem ser percebidas no vocabulário e no sotaque. Os dialetos são variedades que ocorrem em função das pessoas que usam a língua. Tais variações se apresentam em seis dimensões, basicamente: territorial, geográfica, social, de idade, de sexo, de geração e de função. Outra forma de variação lingüística apresenta-se no registro que ocorre em função do uso que se faz da língua e depende do recebedor da mensagem ou da situação. Os exemplos a seguir ilustram esses diferentes tipos de variação dialetal. a região onde nasceu (variação regional) - aipim, mandioca, macaxeira (para designar a mesma raiz); tu e você (alternância do pronome de tratamento e da forma verbal que o acompanha); vogais pretônicas abertas em algumas regiões do Nordeste; o s chiado carioca e o s sibilado mineiro; o meio social em que foi criada e/ou em que vive; o nível de escolaridade (no caso brasileiro, essas variações estão normalmente inter-relacionadas (variação social) : substituição do l por r (crube, pranta, prástico); eliminação do d no gerúndio (correndo/correno); troca do a pelo o (saltar do ônibus/soltar do ônibus); a profissão que exerce (variação profissional): linguagem médica (ter um infarto / fazer um infarto); jargão policial ( elemento / pessoa; viatura / camburão); a faixa etária (variação etária) : irado, sinistro (termos usados pelos jovens para elogiar, com conotação positiva, e pelos mais velhos, com conotação negativa). (http://acd.ufrj.br/~pead/tema01/variacao.html) 7

8 ATIVIDADE Nº 04 ( fragmento) Andando por entre os becos andando em coletivos ninguém foge ao cheiro sujo da lama da manguetown Andando por entre os becos andando em coletivos ninguém foge à vida suja dos dias da manguetown (Chico Science Manguetown) Rátátátá... preciso evitar que um safado faça minha mãe chorar. Minha palavra de honra me protege pra viver no país das calças bege. Tic, tac, ainda é 9h40. O relógio da cadeia anda em câmera lenta. Ratatatá, mais um metrô vai passar. Com gente de bem, apressada, católica. Lendo jornal, satisfeita, hipócrita. Com raiva por dentro, a caminho do Centro. Olhando pra cá, curiosos, é lógico. Não, não é não, não é o zoológico Minha vida não tem tanto valor quanto seu celular, seu computador. (Racionais Mc s - Diário De Um Detento Mano Brown) O sabiá no sertão Quando canta me comove Passa três meses cantando E sem cantar passa nove Porque tem a obrigação De só cantar quando chove* Meu povo não vá simbora Pela Itapemirim Pois mesmo perto do fim Nosso sertão tem melhora O céu ta calado agora Mais vai dar cada trovão De escapulir torrão De paredão de tapera** ( Cordel do Fogo Encantado Chover) Seja firmeza, mantenha atitude, chega na área, mas nunca se ilude Rato na toca tem língua solta, o cagüeta morre pela sua boca E foi nessa noite que o mano de touca foi encontrado com tiro na boca Eu tento zarpar, desbaratinar, mas tem polícia por todo lugar Agora não dá, vou esperar, a cara é ficar, se não vai Sujar (S do Gueto Favela Sinistra) Em cada beco em cada rua em cada viela um lençol cobre um corpo arrudiado por velas Não é cena de novela bem vindos à realidade você também faz parte dela Sei que é duro viver sempre tenso 24 horas na mira de um sistema violento E todo dia a mesma noticia num telejornal mais um corpo é encontrado em um matagal (bala na kabeça Faces do subúrbio) nunca mais o céu do lado disneylândia eldorado vamos nós dançar na lama bye bye adeus gene kelly como santo me revele como sinto como passo carne viva atrás da pele aqui vive-se à mingua não tenho papas na língua não trago padres na alma minha pátria é minha íngua me conheço como a palma da platéia calorosa eu vi o calo na rosa eu vi a ferida aberta eu tenho a palavra certa pra doutor não reclamar mas a minha mente boquiaberta precisa mesmo deserta aprender aprender a soletrar ( Zeca Baleiro Piercing ) Ver letras completas no endereço eletrônico: 1. Nos textos acima, além do aspecto geográfico, identifique outros fatores responsáveis pela variação lingüística. 2. Observe que linguagem se fala no seu bairro atualmente. Que influências determinam cada geração e os falares ao seu redor? 3. Os textos a seguir são letras de músicas contemporâneas de várias regiões do Brasil sobre diversas realidades. Analise a linguagem utilizada em cada letra e descubra de que contexto trata cada música. 8

9 4. Em grupos, organize textos poéticos ou paródias falando da sua realidade na escola ou na comunidade da qual você faz parte. Registre os traços da linguagem e, se for música, também destaque o estilo musical utilizado por tal comunidade. Na atualidade, com uma nova composição do cenário urbano, onde as cidades estão organizadas em conseqüência de todas essas mudanças, evidenciadas nos textos estudados nesta unidade, podemos observar outros falares, surgidos com a marcação de espaço de cada classe, desde o falar simplificado dos adolescentes, a forma prolixa dos políticos, as formas reduzidas de escrita nos bate papos pela Internet. O que devemos considerar é que a linguagem tem que cumprir seu papel e se realizar de acordo com cada circunstância. Costuma-se, no Brasil, tratar como se fosse errado o que é diferente e daí surge o preconceito lingüístico que fere e exclui as pessoas pelo modo como elas usam a linguagem. A língua na variante padrão é apenas uma forma de linguagem, que deve ser aprendida, porém não é a única. Devemos estar abertos à pluralidade lingüística e saber usá-la nas mais variadas situações, ou quando não a usarmos, pelo menos, entendê-la. ATIVIDADE nº 05 Após audição da música Pela Internet de Gilberto Gil e leitura de sua letra ( ver letra completa no endereço: ) resolva as atividades solicitadas. (Fragmento) Criar meu web site Fazer minha home-page Com quantos gigabytes Se faz uma jangada Um barco que veleje Que veleje nesse infomar Que aproveite a vazante da infomaré Que leve um oriki do meu velho orixá Ao porto de um disquete de um micro em Taipe Gilberto Gil Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: "Navegar é preciso; viver não é preciso." (*) Quero para mim o espírito desta frase, transformada a forma para a casar com o que eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar. Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a minha alma a lenha desse fogo. Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso tenha de a perder como minha. Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho na essência anímica do meu sangue o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir para a evolução da humanidade. 9

10 (texto do livro "Fernando Pessoa - Obra Poética") (*) "Navigare necesse; vivere non est necesse" - latim, frase de Pompeu, general romano, ac., dita aos marinheiros, amedrontados, que recusavam viajar durante a guerra, cf. Plutarco, in Vida de Pompeu. (informação obtida no site : 1. Fernando Pessoa, poeta português, no poema acima, reproduz a frase de navegadores gloriosos Navegar é preciso/ viver não é preciso. Ele coloca o ato de navegar, conquistar novos mundos, característica peculiar do povo português, mais importante que a própria vida. O verbo navegar é utilizado nos dois textos. Que sentido assume o verbo navegar em cada texto? 2. A canção Pela Internet mostra a visão do autor sobre a Internet, meio de comunicação usado no mundo todo e que vem revolucionando hábitos para se obter e transmitir informações. Assim como os demais meios de comunicação, a internet tem sua importância, mas também pode ser usada negativamente. De que forma o uso da Internet pode oferecer perigo e ser vista negativamente. O uso da Internet pode oferecer perigo? Cite aspectos positivos e negativos no uso da Internet. 3. Retire do texto Pela Internet termos técnicos do mundo da informática. De que língua provêm, pesquise seus significados. SUGESTÃO DE ATIVIDADE Pode ser organizado um júri simulado, onde a Internet será a ré, representada por um aluno. Escolher outros alunos para serem os jurados, juiz, advogado de defesa, de acusação e testemunhas. Com esta atividade explorar os vários aspectos que este meio de comunicação possui, negativos e positivos e assim levantar juízo crítico a respeito do uso da Internet. ATIVIDADE nº Os dois textos a seguir foram extraídos do MSN, mostram bate papos. O primeiro entre adolescentes e o segundo entre universitários. O que há em comum nos dois diálogos? Essa conversa tem diferenças de acordo com a idade ou região? O que há de positivo e negativo neste tipo de comunicação? daew kra d boa? -= %%Jµñ ö %% =- says: sussi soh i aew, oq q conta? %%Jµñ ö %% says: nd soh em ksa fods e como andam as férias? -= %%Jµñ ö %% =- says: com as pernas -= %%Jµñ ö %% =- says: hauuahauha -= %%Jµñ ö %% =- says: nd to loko pa q volte as aulas auheuaheuaheuhauehauheu -= %%Jµñ ö %% =- says: flw vo assisti falow 10

11 *. as frases na língua inglesa substituem o nome de um dos falantes. 2. Os bate papos na Internet podem ser considerados uma variante da língua? Por quê? 3. Como se trata de bate-papos há por parte dos internautas uma tentativa de aproximar ao máximo a língua escrita da língua falada. Você concorda com tal afirmação? Por quê? 4. Retire dos textos algumas gírias e procure defini-las. 5. Procure entender os diálogos dos bate-papos acima e depois os escreva usando a língua escrita em sua forma oficial. FALA E ESCRITA Para refletir e opinar A fala corriqueira, ágil, dinâmica, não é caótica, nem trunca nada onde não deve. É sistemática e precisa. Tem regras e história próprias, tão dignas quanto a língua oficial escrita, nem língua mal falada, nem fenômeno da parole, mas é um vislumbre do futuro. É, de fato, um crime tentar proibi-la com regras artificiais que cegam até mesmo os especialistas. (...) A fala não se confunde nunca com a escrita, que tende a ser, por natureza, tradicional. (...) A fala precisa ser estudada, ouvida, compreendida, enfim, aceita, jamais julgada.(...) A fala é, enfim, o feto de um novo sistema: a língua que virá depois da nossa. Mas todo feto traz em si, ao lado das inovações, a herança do passado. Fala e história, portanto, não se opõem. Mario Eduardo Viaro revista Língua Portuguesa nº 24/

12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAGNO, Marcos. Preconceito Lingüístico o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, CALLOU, D. Variação e norma. In: Anais do II Simpósio Nacional do GT de Sociolingüística da ANPOLL. Rio de Janeiro, UFRJ/CNPQ., 1995, pp FIORIM, José Luiz. Painéis da Variedade. in Revista Língua Portuguesa, ano II. Nº 23, p. 38. São Paulo: Segmento, PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares de Língua Portuguesa para a Educação Básica do Paraná. Curitiba: SEED, NETO, João Cabral de Melo. Morte e vida Severina e outros poemas para vozes. 35 ed. RJ: Nova Fronteira, TERRA, Ernani. [et al]. Curso E de Língua, Literatura & Redação Volume ed. São Paulo: Scipione, TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e Interação: uma proposta para o ensino de gramática. 11ª ed São Paulo: Cortez, VIARO, Mário Eduardo. O DNA da Língua. In Revista Língua Portuguesa, ano II, nº 24, p. 63. São Paulo: Segmento, REFERÊNCIAS DISCOGRÁFICAS 1. ASSARÉ, Patativa. Vaca Estrela e Boi Fubá. Renato Teixeira & Pena Branca e Xavantinho, ao Vivo em Tatuí. Manaus: Kuarup Discos, disco compacto : digital estéreo. KCD BUARQUE, Chico. Pedro, Pedreiro. In Quarteto em Cy/Chico em Cy Rio de Janeiro: Cid DIGITAL, CD. Digital estéreo 00035/9. 3. GIL, Gilberto. Pela Internet. Gilberto Gil, Quanta Gente veio ver. Rio de Janeiro: Warner Music, CD VENÂNCIO (et al) in Gil, Gilberto. Último pau de arara. Gilberto Gil e as canções de Eu Tu Eles. São Paulo: WEA music. 1 CD. Digital estéreo

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais Habilidades: Distinguir os gêneros de linguagem cibernética e apropriar-se dessas ferramentas de mídias sociais. REVISÃO O Internetês Grafolinguística:

Leia mais

Conteúdos: Linguagem literária e não literária Vivenciando o texto literário

Conteúdos: Linguagem literária e não literária Vivenciando o texto literário Conteúdos: Linguagem literária e não literária Vivenciando o texto literário Habilidades: Compreender a distinção entre linguagem literária e linguagem não literária. Analisar alguns dos mecanismos utilizados

Leia mais

Manuel Bandeira, Evocação do Recife (fragmento), publicado em Estrela da vida inteira.

Manuel Bandeira, Evocação do Recife (fragmento), publicado em Estrela da vida inteira. A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros Vinha da boca do povo na língua errada do povo Língua certa do povo Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil Ao passo que nós O que fazemos

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

2aetapa UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Instruções ao candidato

2aetapa UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Instruções ao candidato UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Instruções ao candidato O tempo disponível para realizar as provas dos dois cadernos que você recebeu o das provas específicas e o da redação é de quatro horas e trinta

Leia mais

Pós-Modernismo. Literatura Professor: Diogo Mendes 19/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo. Texto I. Poema Brasileiro

Pós-Modernismo. Literatura Professor: Diogo Mendes 19/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo. Texto I. Poema Brasileiro Pós-Modernismo Texto I Poema Brasileiro No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes de completar 8 anos de idade No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes de completar 8 anos

Leia mais

Ciências Humanas Sociologia As mídias e os meios de comunicação Linguagens Códigos e suas Tecnologias Português Linguagem Digital: blog Ensino Médio,

Ciências Humanas Sociologia As mídias e os meios de comunicação Linguagens Códigos e suas Tecnologias Português Linguagem Digital: blog Ensino Médio, Ciências Humanas Sociologia Linguagens Códigos e suas Tecnologias Português Linguagem Digital: blog Um Olhar Educativo para as Mídias através de uma Linguagem Digital: Blog Introdução Créditos Avaliação

Leia mais

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 2 ANO DISCIPLINA: GRAMÁTICA

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 2 ANO DISCIPLINA: GRAMÁTICA ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 2 ANO DISCIPLINA: GRAMÁTICA Observações: 1- Antes de responder às atividades, releia o material entregue sobre Sugestão de Como Estudar. 2 - Os exercícios

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2B

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2B CADERNO DE EXERCÍCIOS 2B Ensino Fundamental Códigos e Linguagens Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Estabelecer relações entre textos H13 e fatos do cotidiano 2 Uso de sentido literal ou

Leia mais

MC, PROFISSÃO DE RISCO?

MC, PROFISSÃO DE RISCO? MC, PROFISSÃO DE RISCO? O assassinato de Daniel Pellegrini (Mc Daleste) deixou marcas profundas na família do cantor e no Funk Nacional. O caso repercutiu no mundo inteiro comovendo e, por mais bizarro

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

É o processo de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e da comunicação entre os países;

É o processo de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e da comunicação entre os países; A GLOBALIZAÇÃO Afinal,o que é Globalização? É o processo de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e da comunicação entre os países; Promoveu a mundialização ou internacionalização do

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM INFORMAÇÃO A PAIS E EDUCADORES SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2001 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Códigos e linguagens. Variantes linguísticas

Códigos e linguagens. Variantes linguísticas Códigos e linguagens Variantes linguísticas O fato de no Brasil o português ser a língua da imensa maioria da população não implica automaticamente, que esse português seja um bloco compacto, coeso e homogêneo.

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO;

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; COMUNICAÇÃO, INTERAÇÃO SOCIAL E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE. LINGUAGEM É TODO SISTEMA QUE SE UTILIZA DE SIGNOS E QUE SERVE COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO. VERBAL:

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL CONCORDÂNCIA VERBAL Regra geral O verbo e seu sujeito deverão concordar em número e pessoa: Eu Tu Ele Os alunos sujeito cheguei. chegaste. chegou. chegaram. verbo

Leia mais

Pós-Modernismo (Poesia)

Pós-Modernismo (Poesia) Pós-Modernismo (Poesia) Texto I (Décio Pignatari) Texto II (Haroldo de Campos) Texto III Para mim, a poesia é uma construção, como uma casa. Isso eu aprendi com Le Corbusier. A poesia é uma composição.

Leia mais

COMBINADOS PARA O SEMESTRE:

COMBINADOS PARA O SEMESTRE: COMBINADOS PARA O SEMESTRE: Temas de redação serão dados durantes as aulas. É importante pesquisá-los e estudá-los, pois alguns deles serão utilizados para as produções em sala ou em simulados; Toda a

Leia mais

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos.

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos. Apresentação Será que a Língua Portuguesa é mesmo difícil? Por que é comum ouvir brasileiros dizerem que não sabem falar português? Será que a experiência escolar com o ensino de Língua Portuguesa causa

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a):

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a): PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO Data: 12/01/2015 Candidato (a): Valor: 10 Obtido: Analise o cartaz da propaganda. QUESTÃO 1 (1 PONTO) - Observe o texto principal da propaganda. Que estratégia

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01: Avalie as afirmativas seguintes em relação ao Romantismo. (1,0) I. As primeiras manifestações literárias do Romantismo ocorreram nos países europeus mais

Leia mais

A PULSÃO DE MORTE E VIDA EM JOÃO CABRAL DE MELO NETO: UMA CRITICA SOBRE O SUJEITO NORDESTINO NA OBRA MORTE E VIDA SEVERINA.

A PULSÃO DE MORTE E VIDA EM JOÃO CABRAL DE MELO NETO: UMA CRITICA SOBRE O SUJEITO NORDESTINO NA OBRA MORTE E VIDA SEVERINA. A PULSÃO DE MORTE E VIDA EM JOÃO CABRAL DE MELO NETO: UMA CRITICA SOBRE O SUJEITO NORDESTINO NA OBRA MORTE E VIDA SEVERINA. Tatiana da Silva Manêra Prof. Marcio do Prado (Orientador) RESUMO João Cabral

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

Literatura e Redação conexões possíveis

Literatura e Redação conexões possíveis Literatura e Redação conexões possíveis Desde 2005, a UFSC vem explorando os temas extraídos das obras literárias, de leitura obrigatória, para elaboração das propostas de Redação. O gêneros textuais cobrados

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O FALAR SERTANEJO PRESENTE NA MÚSICA NORDESTINA Marcelo da Silva Sá (UFF) marcelosmandu@hotmail.com Maria Francisca Moreira Sobreira (FAFIA) mariafrancisca58@yahoo.com.br RESUMO Este trabalho propõe-se

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração.

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Marcus Vinícius Rodrigues Garcia. Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil. Liège, Belgica. Bom, agora já faz quase três meses que eu estou aqui na Bélgica

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto JANELA A U L A 7 Tal pai, tal filho Cenatexto Acabada a assembléia da comunidade de Júpiter da Serra, em que se discutiu a expansão da mineradora, dona Ana volta para casa com o Samuel, seu garotinho.

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. Observe a construção deste texto do poeta Pedro Xisto: cheio vazio cheio cheio vazio cheio cheio

LÍNGUA PORTUGUESA. Observe a construção deste texto do poeta Pedro Xisto: cheio vazio cheio cheio vazio cheio cheio LÍNGUA PORTUGUESA Observe a construção deste texto do poeta Pedro Xisto: vazio vazio As palavras que constroem o texto pertencem à classe dos. advérbios adjetivos substantivos pronomes artigos Assinale

Leia mais

2- Nas frases a seguir estão destacadas quatro formas verbais de um mesmo verbo. Compare-as.

2- Nas frases a seguir estão destacadas quatro formas verbais de um mesmo verbo. Compare-as. FICHA DA SEMANA 5º ANO A / B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto,

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, A UU L AL A Ele deu... a luz Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, prevenido, deu a sua ordem preferida: - Desliga a televisão que é perigoso, está trovejando! Mal ele acabou a frase, surgiu um

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

Apresento o mais lucrativo e inteligente MODELO DE NEGÓCIO da internet brasileira atualmente.

Apresento o mais lucrativo e inteligente MODELO DE NEGÓCIO da internet brasileira atualmente. Apresento o mais lucrativo e inteligente MODELO DE NEGÓCIO da internet brasileira atualmente. Modelo esse que já permite pessoas comuns de todo o Brasil, terem em seus computadores, acesso a um sistema

Leia mais

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Encarte e letras disponíveis em www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Produção executiva: MK Music / Masterização: Max Motta no MK Studio /

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Questão CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Médio Códigos e Linguagens Conteúdo 1 Leitura de tirinha em língua portuguesa Variedades linguísticas letra de 2 música Habilidade da Matriz da EJA/FB H5, H7, H8,

Leia mais

Lista Complementar de Revisão

Lista Complementar de Revisão Aluno(a) Turma N o 7 o Ano - Ensino Fundamental II Data / / Matéria: PORTUGUÊS Professoras: Alessandra, Carla, Francis, Sheila e Thaís TEXTO Lista Complementar de Revisão A nova professora Dona Celinha

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

CAp-UERJ Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira

CAp-UERJ Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira CAp-UERJ Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira INSTRUÇÕES Você está recebendo um caderno de prova com 12 (doze) folhas numeradas. As partes I e II contêm 16 (dezesseis) questões de Língua

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. Glauco Villas Boas. Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. Glauco Villas Boas. Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Bang, Bang 2008. VOZ A (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac.

Bang, Bang 2008. VOZ A (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac. Bang, Bang 2008 Texto de Nuno Ramos reproduzido por alto-falante: (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac. VOZ B (feminina) Domingo, 27 de janeiro de dois mil e lá vai pedrada. BOA NOITE. Está começando.

Leia mais

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 1. Um músico muito importante do nosso país é Milton Nascimento, cantor e compositor brasileiro, reconhecido, mundialmente, como um dos mais influentes e talentosos cantores

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira Descritor 15 Estabelecer relações lógicodiscursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 2008 9º ANO UME. Nome. 9º ano N. Professores: LEITURA USAR MENOS ÁGUA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 2008 9º ANO UME. Nome. 9º ano N. Professores: LEITURA USAR MENOS ÁGUA AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 2008 9º ANO UME Nome 9º ano N. Professores: LEITURA Leia o texto e responda às questões 1, 2 e 3. USAR MENOS ÁGUA Hoje em dia, metade da população mundial - mais de 3 bilhões de

Leia mais

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a)

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a) 5º Ano Roteiro Semanal de Atividades de Casa (13 a 17 de Maio 2013) NA TEIA DA ARANHA Resolva as operações, pinte a trilha que o resultado seja 67 e descubra o inseto que caiu na teia da aranha. O inseto

Leia mais

primeira Bom Dia. Vamos Escutar e Falar unidade V Repita F Corrija

primeira Bom Dia. Vamos Escutar e Falar unidade V Repita F Corrija Bom Dia. primeira 1 unidade Vamos Escutar e Falar 1 Verdadeiro ou falso? U V Repita F Corrija 1 A 11. A estação do Rossio é no Rio de Janeiro. 12. A Mónica é professora. 13. A Mónica trabalha para o jornal

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

cinema: o que os cariocas querem ver

cinema: o que os cariocas querem ver cinema: o que os cariocas querem ver perfil cultural dos cariocas como foi feita a pesquisa 1.501 pessoas entrevistadas, a partir de 12 anos, de todos os níveis econômicos, em todas as regiões da cidade.

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

Formação de PROFESSOR

Formação de PROFESSOR Formação de PROFESSOR 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação Livro de ensinamentos, reflexão, que procura ajudar o público infantil a compreender a morte. A obra foi

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

Público-alvo: Ampliar o conhecimento que os alunos já possuem sobre o alfabeto. Identificar palavras de acordo com a letra inicial solicitada.

Público-alvo: Ampliar o conhecimento que os alunos já possuem sobre o alfabeto. Identificar palavras de acordo com a letra inicial solicitada. PROPOSTA DIDÁTICA Tema: Público-alvo: Duração: Área de conhecimento envolvida: Abordagem de tema transversal: Trabalho com o Alfabeto Professores do 1º ano 7 aulas Língua Portuguesa Pluralidade Cultural

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE Projeto Identidade Quem sou eu??? NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE ELABORAÇÃO: Míria Azevedo de Lima Bartelega --------------------------------Agosto / 2010 I A Questão

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém seis questões, abrangendo um total de nove

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais