AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Artes (IA) Campinas, 2013 AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA CS200 Captação e Edição de Áudio Profº. Dr.: José Eduardo Ribeiro de Paiva Discente: Larissa Cezarino Moreira R.A.: RESUMO As novas tecnologias têm permitido maior acesso às músicas e provocado, consequentemente, grandes impactos no mercado fonográfico, principalmente após os surgimento do formato MP3. A disseminação da música foi facilitada com esse novo formato, principalmente após a criação de programas que possibilitam o compartilhamento de arquivos musicais pela Internet, se desvinculando do mercado físico para o virtual, e exigindo que a indústria fonográfica também modificasse suas formas de negócio, além de dar início ao debate sobre os direitos autorais devido à problemática da distribuição ilegal e da "pirataria". No entanto, vê-se que o avanço tecnológico ainda está em curso, implicando que, possivelmente, novas transformações ainda venham a acontecer, sendo necessária uma nova adaptação tanto de produtores quanto de consumidores.

2 INTRODUÇÃO Atualmente, vivemos em uma sociedade marcada pela interação entre o homem e a máquina, a qual vem sofrendo mudanças desde as décadas de 1960 e 1970 com o advento das tecnologias digitais, proporcionando novas formas de armazenamento, transmissão e reprodução de novas obras. A internet tem estado presente intensivamente em nosso cotidiano, seja para fins de trabalho, estudo ou lazer. (MOREIRA; SALLES; CARMO; SALAZAR, 2002) As tecnologias digitais ( cibercultura ) modificaram a forma de disseminação musical por meio de compressão de arquivos. O download desses arquivos (música transformada em arquivo digital virtual) na Internet é um processo inovador tanto de difusão da música quanto de seu próprio consumo pela sociedade atual. Desse modo, a Internet permite que a relação entre consumidor e produtor seja alterada, já que o primeiro pode usar e modificar arquivos sem a intermediação da indústria fonográfica e o segundo pode disseminar com facilidade seus produtos, permitindo maior acesso a menores custos. (LIMA; OLIVEIRA, 2005) A música é um produto social e simbólico de grande importância nas diferentes formações culturais, principalmente se considerarmos a sua capacidade de criar vínculos afetivos entre as pessoas. A música pode usar diferentes formas de linguagem e expressão, sendo produto cultural de características muito especiais: nenhum produto cultural tem mostrado tamanha capacidade de adaptação aos diferentes meios de comunicação. (LIMA; OLIVEIRA, 2005, p.36) Segundo Pereira (2011), ao adentrar a internet, a música fez com que o mercado fonográfico revisse suas regras e previsões sob uma ótica lógica digital, pois este novo âmbito alterou o papel do público receptor, o qual se tornou um usuário-interativo, podendo opinar sobre o que está ouvindo ou assistindo e auxiliar na difusão do conteúdo. O ciberespaço pode então ser considerado como um espaço comunicacional simbólico de virtualização da realidade e de interações virtuais, promovendo o distanciamento entre artista e público e a disseminação da música para o mundo, democratizando o acesso à mesma. (MOREIRA; SALLES; CARMO; SALAZAR, 2002) Em relação ao acesso e compartilhamento musical, torna-se presente a problemática dos direitos autorais por meio da comercialização virtual ilegal (pirataria) apropriação do lucro e da venda das obras dos artistas, além do questionamento do trabalho intermediário das gravadoras (MOREIRA; SALLES; CARMO; SALAZAR, 2002). Sendo assim, torna-se necessário o debate sobre a ideologia da cultura livre, a qual considera que todo conhecimento deve ser livre, ou seja, deve ser possibilitado seu uso, cópia, compartilhamento e distribuição, garantindo direitos sobre a propriedade intelectual, não sendo, portanto, uma cultura sem propriedade aonde os artistas não são pagos (LAWRENCE, 2004).

3 CAPÍTULO I Dos discos de vinil ao MP3: uma breve história de aperfeiçoamento tecnológico O século XX marca o surgimento dos processos eletromecânicos de gravação e reprodução (fixação do som em um meio material), considerada a primeira grande transformação da produção musical, pois até então era necessária a presença de alguém que executasse e alguém que ouvisse no momento de sua realização. Tal acontecimento possibilitou o distanciamento do artista com o público, já que este último estava acostumado com a performance ( ao vivo ), além de possibilitar que a música fosse pensada, analisada e modificada. o mercado fonográfico acreditava que o que o público primava era um som realista, a verossimilhança do disco com a realidade. Assim a gravação ainda se limitava ao registro de um evento em particular. (LIMA; OLIVEIRA, 2005) Segundo Lima e Oliveira (2005) foram os discos de vinil que fizeram surgir as indústrias gravadoras e produtoras de discos a indústria fonográfica, além disso estes prometiam democratizar o acesso à música devido ao fato de poderem ser tocados em qualquer lugar e de proporcionarem contato com outras culturas de outros países. Na década de 1960, é colocada em circulação no mercado a fita cassete (SOUZA, 2009), considerada um intermediário no processo de gravação pelo fato de não mais precisar gravar performances inteiras. Os produtores podiam cortar, editar e eliminar trechos de diferentes performances, criando, dessa forma, eventos ideias e não reais, começa-se então a distinção entre música ao vivo e música feita em estúdio (LIMA; OLIVEIRA, 2005). A partir de 1980, devido ao barateamento e aperfeiçoamento das tecnologias digitais (intensificadas desde a década de 1970), boa parte das atividades musicais interagia com algum tipo de recurso de informática, permitindo a gravação de músicas por computadores, dando início ao registro de música em Compact-Disc (CD) (LIMA; OLIVEIRA, 2005) e Compact Disc Recordable 1 (CD-R) (SOUZA, 2009). Com a expansão dessas tecnologias, tem-se início a construção de uma rede interativa de computadores, que consolidada no mundo inteiro a partir da década de 1990, permite que a informação seja transmitida e recebida sem a necessidade de um suporte físico. O surgimento da web caracteriza-se pelo ciberespaço como um novo espaço de difusão e circulação de textos, imagens e sons (LIMA; OLIVEIRA, 2005). Devido essas características e o fato de a internet ser um espaço de livre circulação de informação, o ciberespaço possibilita a potencialização da difusão musical, podendo ser considerado como uma biblioteca musical (MOREIRA; SALLES; CARMO; SALAZAR, 2002). Segundo Lima e Oliveira (2005), para se transmitir áudio, nos primeiros tempos da internet, era necessária a compressão dos dados para que a informação fosse suficientemente compactada. Para suprir a perda de qualidade surgiu o MP3, criado pelo Instituto alemão Fraunhofer, reduzindo cerca de dez vezes o espaço ocupado pleos arquivos de áudio, o qual começou a ser utilizado em 1994 para gravação de áudio em CD, que com o avanço das tecnologias digitais possibilitou-se a gravação de CDs em computadores pessoais, porém foi com a internet que adquiriu maiores possibilidades de uso. 1 Disco compacto gravável possibilita a cópia de álbuns oficiais a partir de computadores pessoais, sem a necessidade de processos de prensagem industrial

4 Na busca de soluções para o envio de áudio pela Rede, muitas formas de compressão foram sendo desenvolvidas para transmissão em rede e muitas delas passaram a ser utilizadas para transmissão de áudio na Internet. Todas elas, porém, deterioravam demasiadamente a qualidade do material sonoro até o surgimento do MP3. (LIMA; OLIVEIRA, 2005, p.42) O formato MP3 possui qualidade sonora levemente inferior ao CD e pode ser copiado livremente e infinitamente, viabilizando a distribuição de música na Internet. A emissão e reprodução da música sem um suporte físico é uma realidade do ciberespaço, sendo que a popularização das mesmas propiciou discussões no mercado sobre as mudanças no formato de venda da música, cogitando uma possível decadência do CD (LIMA; OLIVEIRA, 2005). Além disso, o MP3 possibilita a divulgação de músicas sem o papel intermediário das gravadoras por um custo mais baixo (MOREIRA; SALLES; CARMO; SALAZAR, 2002).

5 CAPÍTULO II A internet, os dispositivos tecnológicos e suas conseqüências para o mercado fonográfico A Internet permite que muitos participem da construção e do cultivo de uma cultura, alcançando além das fronteiras locais e ameaçando as indústrias de conteúdo. Associadas à Internet, as tecnologias digitais podem produzir um mercado mais competitivo de se criar e distribuir culturas, incluindo uma diversidade de criadores (LAWRENCE, 2005). Assim, para que essa difusão cultural ultrapasse tais fronteiras, necessita-se que seja disseminada a ideologia de uma cultura livre, que considera que todo conhecimento deve ser livre, ou seja, deve-se poder ser compartilhado, distribuído, copiado e utilizado, sempre preservando os direitos autorais (MOREIRA; SALLES; CARMO; SALAZAR, 2002). Uma cultura livre não é uma cultura sem propriedades; não é uma cultura aonde os artistas não são pagos. (...) Uma cultura livre, como um mercado livre, é composta de propriedades. Ela é composta por regras de propriedade e contratos que são garantidos pelo estado. (...) Culturas livres são culturas que deixam uma grande parcela de si aberta para outros poderem trabalhar em cima(...) (LAWRENCE, 2005, p. XV, 28) A transmissão de arquivos virtuais ganha maior rapidez e facilidade de transmissão com a Internet, assim o formato MP3 revoluciona a transmissão de arquivos musicais (SOUZA, 2009). Com tal facilidade, surge a problemática dos direitos autorais, através da venda de determinado conteúdo e da apropriação do lucro desta, o que é considerado com pirataria (MOREIRA; SALLES; CARMO; SALAZAR, 2002). Para enfrentar esse problema e proteger a propriedade, a indústria de conteúdo se lança em uma guerra (LAWRENCE, 2005). Assim como as indústrias de softwares, a imprensa, as editoras e as produtoras de cinema, a indústria fonográfica produz e distribui o que chamamos de "Informações Protegidas por Copyright" (IPC). Isso significa que para se explorar economicamente essas informações (que no caso fonográfico correspondem às músicas gravadas) é necessário antes se adquirir os direitos para tal. O Copyright encontra-se na essência da indústria de música gravada. É ele que protege legalmente as firmas contra a reprodução não autorizada de seus conteúdos (...). (SOUZA, 2009, p. 7) Em 1997, surge o Winamp (primeiro software livre) que facilita a troca de arquivos musicais, possibilitando seu uso na internet, e logo depois surgiram os softwares de compartilhamento de arquivos na Internet (SOUZA, 2009). O Winamp incentivou que diversos outros programas de download e upload de MP3 fossem criados (LIMA; OLIVEIRA, 2005). O primeiro deles foi o Napster, em 1999 por um estudante da Boston s Northeastern University, o qual permitia que seus usuários conseguisse compartilhar arquivos MP3 com outros usuários sem custo para ambos, garantindo acesso gratuito às coleções virtuais de músicas de todos os usuários. Nesse mesmo ano, a Associação de Gravação Norte Americana acusou o programa de facilitar a pirataria musical e entrou com um processo contra o Napster, e em 2001 o programa foi desligado, voltando a funcionar em 2002 com um serviço pago por assinatura (SOUZA, 2009).

6 Os processos de perseguição da indústria fonográfica amedrontam usuários e empresas, por isso decidiram se proteger e garantir a disseminação de redes descentralizadas que impedem a localização dos usuários, como, por exemplo, o programa KaZaA, que em março 2003 atingiu a marca de cerca de 4,7 milhões de usuários e aproximadamente 1 bilhão de arquivos disponíveis (LIMA; OLIVEIRA, 2005). Segundo Lima e Oliveira, 2005, as redes descentralizadas conquistaram milhões de usuários no mundo inteiro, que fazem downloads de músicas, programas de televisão e filmes protegidos pela lei autoral. Atualmente, vêem-se inúmeros programas existentes na Internet que permitem o download gratuito de arquivos MP3, e até agora não há uma forma de controlar a distribuição ilegal desses arquivos. Para Souza, 2009, tal fato, gera uma grande fonte de discussão sobre o grau de pirataria existente no download digital: "Uma grande fonte de discussão atualmente é sobre o grau de pirataria existente no download digitai. Isso porque, se por um lado a pirataria física incorre em um desvio de receita das majors 2 para terceiros que estão comercializando as obras ilegalmente, por outro os downloads ilegais apesar de também reduzir a receita das gravadoras não necessariamente incorrem em rendimentos financeiros para seus praticantes. (SOUZA, 2009, p. 20) Percebe-se, então, que a Internet altera o modo de fazer e experimentar a cultura, promovendo a virtualização da música e possibilitando que qualquer obra musical possa ser produzida, compactada e difundida semelhantemente a um arquivo de texto ou imagem digital, ou seja, a cibercultura redimensionou o mundo da música através da compressão de arquivos de áudio. Essa transmissão de arquivos de música na Internet permite uma alteração na relação produtor e consumidor, onde o primeiro pode disseminar facilmente sua obra tornando-a acessível a milhares de pessoas a custo reduzido, e o segundo pode recuperar e utilizar arquivos musicais. Ambos (produtor e consumidor) podem fazer a música circular sem o papel intermediário da indústria fonográfica (LIMA; OLIVEIRA, 2005). Ao analisar a reação da indústria fonográfica frente à ilegalidade das trocas virtuais de músicas, nota-se que a mesma deveria ter se preparado para as transformações que se apresentavam e que mudariam todo o mercado, ou seja, talvez seu maior erro tenha sido não se identificar com a rede de compartilhamento e com suas oportunidades e sim ter visto apenas os riscos que esta poderia ocasionar (SOUZA, 2009). Segundo, Lima e Oliveira, 2005, o real impacto da pirataria pela Internet na indústria fonográfica ainda é incerto, pois alguns estudos revelam que, mesmo com o download gratuito, muitos internautas não deixam de comprar CDs gravados. Assim, algumas gravadoras se renderam ao mercado dos tocadores de MP3 e tentaram vender músicas dos seus artistas por serviços de assinatura ou por pagamento separado de cada download. Para Souza, 2009, uma forma positiva de reação da indústria fonográfica teve início em 2001, quando a empresa Apple lança no mercado o ipod (aparelho tocador de áudio digital portátil MP3 player), destinado ao armazenamento de músicas em 2 Seis grandes grupos que dominavam a Indústria Fonográfica na década de Em 2004, esse número se reduziu para quatro, considerado de Big Four Universal Music Group, Sony BGM, EMI Group e Warner Music Group. O restante do mercado é constituído por selos fonográficos, que são pequenas gravadoras que atuam de maneira independente no mercado.

7 formato MP3. Sua consolidação possibilitou o surgimento do itunes Music Store (itms) pela Apple em 2003, o qual consistia em uma loja virtual de música digital que tornou-se, rapidamente, popular e lucrativa. Em 2001, simultaneamente com o ipod, tem-se o surgimento do Rhapasody, um serviço de música online da empresa RealNetworks, o qual possuía uma biblioteca virtual com acesso via internet a partir de uma mensalidade fixa, possuindo apoio da indústria fonográfica para a oferta de uma grande diversidade de músicas, que podem ser escutadas sem que seja necessário ocupar espaço no disco rígido do computador. Atualmente, esse serviço também pode ser acessado através de aparelhos celulares que sejam compatíveis com o sistema (SOUZA, 2009). Os clientes, muitas vezes, por causa de urna única canção eram obrigados a comprar um álbum de com doze musicas (em média), caso contrário não havia como se ter acesso à mesma. A possibilidade de consumo unitário aliada aos grandes acervos disponíveis on-line representam um grande chamariz do mercado de música na Internet. (...) os consumidores buscam a internet para adquirir música porque sabem que ali as chances de encontrar exatamente o que procuram são muito maiores do que em uma loja física de música. (SOUZA, 2009, p. 26 e 27) Alguns reflexos dos inúmeros portais de notícias da Internet atuam na oferta e demanda por música digital, onde em relação à primeira tem-se que o custo de oferecer títulos é muito menor nas lojas de arquivos digitais, tornando rentável grande quantidade de músicas que eram desprezadas nas lojas físicas, além de oferecer uma quantidade de música praticamente ilimitada, e em relação à segunda há a difusão das preferências musicais e um distanciamento dos hits oferecidos pela indústria. Assim, tem-se o fortalecimento do mercado de nicho em relação ao de massa, e para o estabelecimento deste, depende-se da democratização das ferramentas de produção e distribuição, a qual se pode alcançar através do Computador Pessoal (PC) que possibilita que várias pessoas produzam suas próprias músicas e álbuns. Vê-se então, que os PCs transformaram pessoas em produtores e a Internet as converteu em distribuidores de música, transformando também os consumidores em divulgadores. (SOUZA, 2009). Assim que a música chegou na internet as regras e as previsões do mercado fonográfico precisaram (e ainda precisam) ser revistas sob a ótica de uma nova lógica digital. (...) Os usuários-interativos uniram a vontade de conhecer profundamente artistas, bandas, músicas com uma ferramenta de fácil acesso e uso: a Internet. (...) Na web, no momento em que o usuário-interativo passa pela experiência de ouvir o som e ver a banda tocar na internet, ele pode também opinar sobre o que assistiu e ouviu e espalhar sua opinião em suas redes pessoais. (...) Para as bandas e artistas, as redes sociais se tornaram facilitadoras na difusão de conteúdo, uma vez que seu fã pode auxiliar com suas redes pessoais para que o projeto se espalhe com maior agilidade e credibilidade. (PEREIRA, 2011, p. 10 e 11)

8 Segundo Souza, 2009, outro importante fator de ligação da oferta e demanda é o papel desempenhado pelos conglomerados virtuais, como o Google, e pelos grandes ofertantes da Internet, os quais observam o comportamento de milhares de consumidores, analisando suas preferências e realizando recomendações personalizadas. Além disso, atualmente, um único artista pode ser oferecido em formatos diferentes, como download de vídeos, ringtones ou faixas completas para celulares, ou seja, além dos computadores, vê-se que os celulares têm se tornado um importante meio de vendas no mercado virtual. Para Iazzeta, 2009, isso pode ser constatado devido a o fato de nos últimos dez anos ter existido uma troca entre a busca por qualidade pela busca por portabilidade e acessibilidade, mesmo que tal representasse uma diminuição na qualidade sonora, substituindo, assim, o que poderia ser entendido como ruído por um ambiente agradável. Nota-se, portanto, que a Internet, a pirataria e a troca de músicas virtualmente possibilitaram o surgimento de um novo mercado com possibilidades ainda não totalmente exploradas ou descobertas. A troca virtual de música proporcionou uma disseminação até então nunca vista, ampliando a divulgação dos produtos da indústria fonográfica e fortalecendo a carreira de seus artistas devido a facilidade de acesso à estas. Dessa forma, percebe-se que o avanço tecnológico das telecomunicações e da informática permitiram que as pessoas consumissem música sem necessariamente possuí-las, e conseguem fazê-lo onde e quando quiserem (SOUZA, 2009).

9 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os avanços tecnológicos nas áreas de telecomunicação e de informática possibilitaram um amplo acesso dos indivíduos à música, onde os mesmos podem fazêlo quando, onde e quanto quiserem, criando um novo mercado e um novo consumidor, devido a facilidade de se adquirir música gratuitamente. Fala-se hoje da mobilidade da música, podendo estar em qualquer lugar e em qualquer horário, como, por exemplo, através dos celulares ou rádios nos automóveis. Devido a isso, nota-se o impacto causado na indústria fonográfica pelo fato de a mesma não ter conseguido perceber as oportunidades advindas com as novas tecnologias, se restringindo a combater as consequências. Porém, o mercado fonográfico, ultimamente, tem aumentado sua receita com os programas de distribuição de músicas legais, passando a se apropriar das novas tecnologias como modo de garantir e consquistar o público, além do que, os CDs ainda possuem grandes vendas. Assim, o mercado se encontra em constante transformação, a partir de novos produtos, processos de produção e formas de negócios. O que vale a pena destacar é que algumas pessoas ainda não possuem condições financeiras o suficiente para se utilizar dos meios legais para adquirir músicas, portanto passam a se valer das formas de distribuição ilegais para quem sabe, dessa forma, não se encontrarem à margem da cultura. Além disso, há necessidade de ressaltar que tal ação não pode ser considerada como "pirataria", já que esta implica em lucrar das vendas dos produtos de outrem, e que, muitas vezes, acaba por auxiliar na disseminação da música a ponto de torná-la conhecida. Dessa forma, é possível entender que as novas tecnologias atuam sobre o mercado, modificando-o de modo a torná-lo mais acessível e mais facilitado e de fazê-lo acompanhar o avanço tecnológico. Sendo assim, se torna necessário que os músicos se adaptem a essa nova realidade e esse novo mercado, assumindo uma sociedade em rede, para divulgar suas obras, tornando a Internet um meio de integração social. Portanto, a ideologia de cultura livre se faz necessária tanto para produtores quanto consumidores, a fim de beneficiar ambos no âmbito musical. No entanto, todas essas transformações ainda estão ocorrendo, e como os avanços tecnológicos em curso, possivelmente, outras venham a ocorrer, pressionando, novamente, uma nova adaptação às formas de produção e divulgação de músicas, e provocando uma nova forma de negócio e uma nova relação entre produtores e consumidores.

10 REFERÊNCIAS IAZZETTA, F. Música e mediação tecnológica. São Paulo: Perspectiva: Fapesp, p. p LAWRENCE, L. Cultura Livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para bloquear a cultura e controlar a criatividade. São Paulo: Trama, p. Disponível em: <https://www.ufmg.br/proex/cpinfo/educacao/docs/10d.pdf> Acesso em: 21 de outubro de LIMA, C. R. M; OLIVEIRA, R. M. S. MP3: música, comunicação e cultura. Rio de Janeiro: E-Papers, p. Disponível em: < Acesso em: 21 de outubro de MOREIRA, A. R.; SALLES, I. G.; CARMO, L. B.; SALAZAR, L. R. Música e internet: uma expressão da Cultura Livre. In: CONGRESSO NACIONAL UNIVERSIDADE, EAD E SOFTWARE LIVRE, Anais. Belo Horizonte: UFMG, Disponível em: < Acesso em: 20 de outubro de PEREIRA, A. T. G. As redes sociais na disseminação de projetos musicais no Brasil. São Paulo: CELACC/ECA-USP, Disponível em: <http://www.usp.br/celacc/ojs/index.php/blacc/article/view/288> Acesso em: 20 de outubro de SOUZA, R. A. O impacto de novas tecnologias sobre o mercado fonográfico: o advento da internet e das tecnologias virtuais na indústria da música. Campinas: UNICAMP/IE, Disponível em: < Acesso em: 19 de outubro de 2013.

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Resumo: Este trabalho tem o objetivo de compreender como as transformações

Leia mais

Estimativa do Mercado Independente

Estimativa do Mercado Independente 1 FUNDAÇAO CARLOS ALBERTO VANZOLINI Estimativa do Mercado Independente Relatório Final Março 2012 Coordenador Davi Nakano Equipe Giulia Rinaldi Guilherme Kok Henrique Amaral 2 Estimativa do Mercado Independente

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos,

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, Guia de Backup Introdução Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, apresentações, entre outras. Imagine que quando

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

Apple Music. Diretrizes de identidade para afiliados. Junho de 2015

Apple Music. Diretrizes de identidade para afiliados. Junho de 2015 Visão geral Música boa precisa de marketing bom. O segredo para uma boa campanha de marketing são mensagens claras e eficazes. Siga estas diretrizes para atender aos requisitos da Apple e obter o máximo

Leia mais

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes REDES SOCIAIS Profº Thiago Arantes Todos os direitos reservados - IAB 2014 - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet Questões Atuais de Direito Autoral Cópia Privada Compartilhamento de Arquivos - Peer-to-Peer Panorama Atual Digital Music Report

Leia mais

A Problemática da Pirataria

A Problemática da Pirataria A Problemática da Pirataria Márcio Miguel Rodrigues Francisco Departamamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal mfranc@student.dei.uc.pt

Leia mais

Módulo II - Aula 3 Comunicação

Módulo II - Aula 3 Comunicação Módulo II - Aula 3 Comunicação O surgimento da comunicação entre as pessoas por meio de computadores só foi possível após o surgimento das Redes de Computadores. Na aula anterior você aprendeu sobre a

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 1 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 1 Adquira o

Leia mais

A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS EM REDE

A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS EM REDE A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS EM REDE O artigo estabelece algumas abstrações sobre a interação social como elemento

Leia mais

A ONErpm, parceira preferencial da Apple no Brasil, tem o prazer apresentar Apple Music.

A ONErpm, parceira preferencial da Apple no Brasil, tem o prazer apresentar Apple Music. GUIA APPLE MUSIC A ONErpm, parceira preferencial da Apple no Brasil, tem o prazer apresentar Apple Music. O novo serviço de streaming estará disponível a partir do dia 30 de junho e os clientes da ONErpm

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br www.mvmob.com.br 1 1. Introdução Este guia foi produzido para auxiliar educandos e educadores durante as ofi cinas oferecidas pelo projeto MVMob - Minha Vida Mobile, como material de subsídio pedagógico.

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND julho/2012 Case de Sucesso TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL Terra é parte da Telefônica

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br MARKETING DIGITAL Ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos

Leia mais

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Justificativa... 4

Leia mais

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes REDES SOCIAIS Prof. Thiago Arantes - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

a evolução do marketing digital.

a evolução do marketing digital. a evolução do marketing digital. Você está preparado para conhecer o modelo de negócio que irá lhe proporcionar a liberdade financeira? NOSSA empresa A Welike é uma plataforma de comércio eletrônico e

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Gravação Eléctrica. Biblioteca do Congresso de fotografias. Edison National Historic Site

Gravação Eléctrica. Biblioteca do Congresso de fotografias. Edison National Historic Site Fonoautógrafo Os primeiros dispositivos de gravação eram instrumentos científicos utilizados para capturar e estudar as ondas sonoras. Estes dispositivos eram capazes de gravar as vozes e outros sons muito

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Valor total do Projeto: R$ 981.420,00 Apresentação: A Rádio Gazeta, fundada em 1943, com sua programação voltada exclusivamente

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

TRATADO SRVD PROPOSTA PARA ERRADICAÇÃO DA PIRATARIA -CESSÃO DE DIREITOS PARA USO PRIVADO - IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO CONCEITO COMERCIAL COM O USUARIO

TRATADO SRVD PROPOSTA PARA ERRADICAÇÃO DA PIRATARIA -CESSÃO DE DIREITOS PARA USO PRIVADO - IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO CONCEITO COMERCIAL COM O USUARIO TRATADO SRVD PROPOSTA PARA ERRADICAÇÃO DA PIRATARIA TÓPICOS -O QUE É O SRVD -FUNCIONAMENTO TÉCNICO OPERACIONAL -CESSÃO DE DIREITOS PARA USO PRIVADO - IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO CONCEITO COMERCIAL COM O USUARIO

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia:

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: INTRODUÇÃO Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: 1450 Imprensa de Gutemberg 1940 Primeiras transmissões na TV 1960 Internet começa a ser desenvolvida 1973 Primeira ligação

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil. Totalmente compatível com Mobile

APRESENTAÇÃO. Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil. Totalmente compatível com Mobile APRESENTAÇÃO Totalmente compatível com Mobile Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil APRESENTAÇÃO Muito prazer! Somos uma empresa que presta serviços em soluções

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

WEB TV. O Seu canal de Televisão na Internet

WEB TV. O Seu canal de Televisão na Internet WEB TV O Seu canal de Televisão na Internet Apresentamos-lhe a WEB TV Uma nova forma de comunicar! A Televisão via Internet VISIBILIDADE INTERATIVIDADE CONECTIVIDADE COMUNICAÇÃO O que é a WEB TV? A Web

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

CREATIVE COMMONS O QUE É?*

CREATIVE COMMONS O QUE É?* CREATIVE COMMONS O QUE É?* Érica Daiane da Costa Silva** Se você está ouvindo falar em Creative Commons já deve ter ouvido falar também em Software Livre. Sem pretensão de apresentar uma explicação aprofundada,

Leia mais

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS MERCADO BRASILEIRO 2000 A 2011 2 Sumário 1 METODOLOGIA... 3 2 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE EXEMPLARES DE 2000 A 2011... 4 3 RECEITAS ANUAIS POR PERIODICIDADE... 5 3.1 PREÇO

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

TENHA A SUA AGÊNCIA NO MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS

TENHA A SUA AGÊNCIA NO MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS TENHA A SUA AGÊNCIA NO MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS POLITICA COMERCIAL E VENDAS FÁBRICA DE APLICATIVOS ÍNDICE EXPLORANDO RECURSOS COMPORTAMENTO DO USUÁRIO COMO MANTER SUA

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Vivo 2013 http://vivosync.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vivo Sync... 5 3 Vivo Sync Web... 6 3.1 Página Inicial... 6 3.1.1 Novo Contato... 7 3.1.2 Editar Contato...

Leia mais

Gestão de TI com Software Livre em Instituições de Ensino

Gestão de TI com Software Livre em Instituições de Ensino Gestão de TI com Software Livre em Instituições de Ensino Fórum Permanente de Conhecimento e Tecnologia da Informação 14 de abril de 2005 Rubens Queiroz de Almeida Software Livre é Liberdade Liberdade

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

É CLOUD. É ON-DEMAND.

É CLOUD. É ON-DEMAND. É CLOUD. É ON-DEMAND. Última geração de software para transferência de arquivos digitais PARA MOVIMENTAÇÃO INTELIGENTE DA SUA MÍDIA Conceito digital FedEx: A maneira mais fácil e confiável para enviar

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Manual TIM PROTECT BACKUP. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright TIM PROTECT BACKUP 2013. http://timprotect.com.br/

Manual TIM PROTECT BACKUP. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright TIM PROTECT BACKUP 2013. http://timprotect.com.br/ Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright TIM PROTECT BACKUP 2013 http://timprotect.com.br/ 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 TIM PROTECT BACKUP...Erro! Indicador não definido. 3 TIM PROTECT BACKUP Web... 6 3.1

Leia mais

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/ Mobile Marketing Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas. CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV

Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas. CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV Rádio e Televisão da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Maria

Leia mais

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Vivo 2013 http://vivosync.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vivo Sync... 4 3 Vivo Sync Web... 5 3.1 Página Inicial... 5 3.1.1 Novo Contato... 6 3.1.2 Editar Contato...

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A decisão contra o Pirate Bay e sua repercussão sobre o futuro do direito autoral na internet Demócrito Reinaldo Filho * Quatro diretores do famoso site Pirate Bay [01] foram condenados,

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO O QUE É MÍDIA DIGITAL? É conjunto de meios de comunicação baseados em tecnologia digital, permitindo a distribuição de informação na forma escrita, sonora

Leia mais

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO Com a popularização da banda larga, uma das tecnologias que ganhou muita força foi o VOIP (Voz sobre IP). Você com certeza já deve ter ouvido

Leia mais

GESTÃO DE CARREIRAS AUTOPRODUÇÃO MUSICAL MUSICAL

GESTÃO DE CARREIRAS AUTOPRODUÇÃO MUSICAL MUSICAL GESTÃO DE CARREIRAS OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA Este curso tem como objetivo debater sobre as novas formas de produção cultural dentro da música brasileira, mas fundamentalmente capacitar artistas e produtores

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Nextel Cloud... 4 2 Nextel Cloud Web... 5 2.1 Página Inicial... 6 2.1.1 Meu Perfil... 7 2.1.2 Meu Dispositivo...

Leia mais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais PRERELEASE 03/07/2011 Avisos legais Avisos legais Para consultar avisos legais, acesse o site http://help.adobe.com/pt_br/legalnotices/index.html.

Leia mais

Manifesto Software Livre

Manifesto Software Livre Manifesto Software Livre Histórico iniciou com a elaboração de um documento denominado: " Manifesto GNU " por Richard Stallman 1.984; marco histórico do surgimento de uma nova forma de criação de Software;

Leia mais

CÓDIGO 58 - EDIÇÃO E EDIÇÃO INTEGRADA À IMPRESSÃO

CÓDIGO 58 - EDIÇÃO E EDIÇÃO INTEGRADA À IMPRESSÃO Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE 2.0 CÓDIGO 58 - EDIÇÃO E EDIÇÃO INTEGRADA À IMPRESSÃO 581 - Edição de Livros, Jornais, Revistas e outras Atividades de Edição 582 - Edição integrada

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação.

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. O que é o Windows Movie Maker? O Windows Movie Maker é um programa de computador que permite criar vídeos ou editar os que já existem e transformá-los

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Anteprojeto de lei para LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Considerações gerais A expansão da internet trouxe facilidades sem precedentes para o compartilhamento e reprodução de obras,

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

O gênio que "humanizou" a tecnologia

O gênio que humanizou a tecnologia O gênio que "humanizou" a tecnologia Nas últimas três décadas, o computador pessoal permitiu acesso a serviços em rede que mudaram os hábitos de pessoas em todo o mundo. Mais recentemente, dispositivos

Leia mais

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Luciana Cristina Ribeiro Pércope e Guilherme Domingos do Carmo Palavras-Chave: liberdade, internet,

Leia mais

PASSO A PASSO: APRESENTAÇÕES EM PREZI 1

PASSO A PASSO: APRESENTAÇÕES EM PREZI 1 1 PASSO A PASSO: APRESENTAÇÕES EM PREZI 1 Juliana Gulka Biblioteca Central da UFSC juliana.gulka@ufsc.br PREZI X POWER POINT Quando falamos em slide hoje, lembramos de powerpoint. O prezi não vai matar

Leia mais

Seja bem-vindo. Um abraço, Bruno Raposo Diretor de Relacionamento com Clientes. *Serviços gratuitos até junho de 2009.

Seja bem-vindo. Um abraço, Bruno Raposo Diretor de Relacionamento com Clientes. *Serviços gratuitos até junho de 2009. Seja bem-vindo. AGORA VOCÊ FARÁ SUAS LIGAÇÕES COM MUITO MAIS ECONOMIA. A partir de agora, você tem acesso a todos os benefícios do telefone via cabo, que reuniu as tecnologias da Embratel e da NET o NET

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Modelos de Negócios Digitais

Modelos de Negócios Digitais Modelos de Negócios Digitais O que é um modelo de negócio? Um Modelo de Negócios descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor por parte de uma organização. Definição do negócio da empresa Negócio

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais