MP3-DEMONSTRATIVO E A CAUDA LONGA DA MÚSICA INDEPENDENTE:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MP3-DEMONSTRATIVO E A CAUDA LONGA DA MÚSICA INDEPENDENTE:"

Transcrição

1 MP3-DEMONSTRATIVO E A CAUDA LONGA DA MÚSICA INDEPENDENTE: apontamentos sobre a circulação da música independente através da internet. Márcio Monteiro * Resumo: Este artigo trata da questão do mp3-demo e suas implicações sobre a produção, circulação e consumo de música independente. Aborda ainda a circulação de música em ambientes virtuais a luz da teoria da Cauda Longa, proposta por Chris Anderson. A metodologia consiste em levantamento bibliográfico sobre a temática, pensando a circulação de música independente na internet como alternativa para a cadeia produtiva da música de artistas autônomos. Palavras-Chave: Cauda Longa; Música independente; mp3-demo. Abstract: This article considers the production, distribution and consumption of independent music from the analysis of the phenomenon of mp3-demo. It discusses the movement of music through virtual environments based on the theory of The Long Tail, proposed by Chris Anderson. The methodology consists of bibliographic survey about the subject, so thinking of the movement of independent music through the Internet as an alternative to the production chain of music artists autonomous. Palavras-Chave: The Long Tail; independent music; mp3-demo. 1 Introdução * Márcio Monteiro, radialista, mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. O presente trabalho foi realizado com o apoio do Governo do Estado do Maranhão através da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA).

2 Este artigo trata do fenômeno da música para experimentação, especialmente beneficiado pelo desenvolvimento e popularização das tecnologias de comunicação. A música para experimentação remete ao material demonstrativo dos artistas em início de carreira. Algumas músicas são gravadas em um suporte para demonstração, seja uma fita, um disco ou um CD e são distribuídas gratuitamente ou mesmo comercializadas, estratégia que funciona como pré-requisito para a carreira das bandas iniciantes. Apresentamos neste artigo o conceito de mp3-demo, formato de demonstração que leva em consideração a circulação de músicas através da internet e a flexibilização do licenciamento de música. Neste artigo, discutiremos como o mp3 têm se sedimentado como ferramenta importante na circulação de música pela internet e na divulgação de artistas independentes. Faz-se necessária, neste sentido, uma breve reflexão sobre o que será tratado como independente e sobre alguns aspectos da reconfiguração pela qual tem passado a indústria fonográfica. O objetivo é buscar compreender um fenômeno que não é completamente novo, não se resolve apenas na perspectiva do determinismo tecnológico, mas que tem se constituído como fator de mudanças na forma como a música é produzida, nos meios por onde esta música circula e no maneira como é consumida. 2 Considerações sobre os independentes Ao pensar sobre a questão da música independente, devemos considerar, pelo menos, duas perspectivas: uma de ordem estética, outra de ordem econômica. O artista é independente porque optou por isso, porque quer conservar e legitimar uma identidade, ou é independente por força de um mercado cada dia mais competitivo e lucrativo que se tornou o mercado musical? Trata-se de buscar independência artística, ou seja, de assumir o controle total das escolhas e, portanto, dos riscos que a empreitada apresenta, ou a questão está relacionada a uma opção possível para o artista iniciante, que ainda não encontrou o tão sonhado lugar ao sol? De acordo com Vaz (1988), em um dos raros livros sobre o assunto, seria possível identificar três níveis de dependência com os quais os artistas se deparam ao pretender furar a cadeia produtiva da música protagonizada pela indústria fonográfica, bloqueio este feito em termos de perspectivas de aceitação e popularidade, dentro dos segmentos de público visados, e do retorno que o investimento teria que proporcionar:

3 a) nível da atuação autônoma: seria o artista independente propriamente dito, aquele que assume integralmente as responsabilidades e os custos envolvidos, sem nenhuma veiculação que implique em subordinação; b) nível da associação cooperativa: artistas se organizam em uma estrutura que atenda às necessidades de cada um, facilitando a execução de atividades que dificilmente seriam realizáveis de forma isolada, tais como distribuição e divulgação; e c) nível de relação comercial: neste nível, o artista mantém algum tipo de relação com o produtor fonográfico. É o nível que mais se assemelha ao modelo praticado pelas grandes gravadoras. Um quarto nível de dependência que sugerimos diz respeito a artistas que viabilizam seus projetos musicais com subsídios de programas governamentais, como por exemplo, a Lei de incentivo à cultura. O que é válido ressaltar aqui é que em qualquer um dos níveis que o artista se encontre, ele tem em mente as três etapas da cadeira produtiva do disco produção, circulação e consumo. Seguindo esta parspectiva, a análise de Vicente (2006) leva em conta os circuitos autônomos de produção musical, ou seja, espaços em que fortes vinculações identitárias [...] e o acesso às tecnologias permitem a formação de uma rede de produção e distribuição cultural fora do âmbito das grandes gravadoras ou das redes nacionais de mídia (VICENTE, 2006, p. 11,2). Como exemplo, o autor cita o rock alternativo oriundo de Brasília e o rap e funk, oriundos das periferias urbanas. O que teríamos hoje, de acordo com o autor, é que a internet estaria se consolidando como alternativa consistente para a divulgação e distribuição dos trabalhos de artistas e gravadoras independentes, enfraquecendo o controle das majors sobre essas áreas vitais dentro de sua estratégia de atuação (Ibid., p. 14). Esta reorganização, implicada em partes pelas novas tecnologias de comunicação, será abordada a seguir, considerando a teoria da Cauda Longa, a dádiva em ambientes virtuais e a reconfiguração da indústria da música.

4 3 A internet e a Cauda Longa da música independente Incrivelmente, o livro que afirmou estarmos passando do mercado de massa para o mercado de nichos se tornou, em poucos meses de venda, Best-Seller. Nesta obra, lançada em 2006, o editor-chefe da revista Wired 1, Chris Anderson, apresenta a idéia de que a internet está tornando tudo disponível para todos. A receita dos poucos grandes produtos que fazem sucesso é igual à receita dos muitos produtos que não fazem, argumenta. Sugere o autor: O novo mercado de nichos não está substituindo o tradicional mercado de hits; apenas, pela primeira vez, os dois estão dividindo o mesmo palco [...] Agora, numa nova era de redes de computadores em rede, na qual tudo é digital, a economia da distribuição está mudando de forma radical, à medida que a Internet absorve quase tudo, transmutando-se em loja, teatro e difusora, por uma fração mínima do custo tradicional (ANDERSON, 2006, p. 06). A teoria é conhecida por advogar a economia da abundância. Tem a ver com a ampla oferta possibilitada pela internet, e por um público consumidor cada vez mais segmentado. Para o autor, estamos assistindo a passagem de um mercado de massa, concentrado em um pequeno número de hits que vendem muito, para um mercado de nichos. A internet seria a protagonista deste novo mercado, que teria três forças: (1) a democratização da produção, em que todos nos tornamos potenciais produtores de conteúdo; (2) a democratização da distribuição, em que o uso de ferramentas on-line possibilita a circulação descentralizada; e (3) a aproximação da oferta e a demanda. Anderson define esta nova realidade nos seguintes termos: A propaganda boca a boca amplificada é a manifestação da terceira força da Cauda Longa: explorar o sentimento dos consumidores para ligar oferta e demanda. A primeira força, democratização da produção, povoa a Cauda. A segunda força, democratização da distribuição, disponibiliza todas as ofertas. Mas isso não é suficiente. Só quando essa terceira força, que ajuda as pessoas a encontrar o que querem nessa nova superabundância de variedades, entra em ação é que o potencial do mercado de Cauda Longa é de fato liberado (ibid., p. 105). Alguns autores já haviam sugerido que vivemos a passagem do consumo massivo de bens simbólicos para o consumo cada vez mais segmentado, a partir da popularização das tecnologias de comunicação. De acordo com Wilson Dizard (1998), estaríamos experimentando um tipo de mídia eletrônica pessoal, composta de agrupamentos de pessoas de mentalidades semelhantes para satisfazer suas próprias necessidades profissionais ou 1 Revista americana especializada em tecnologia. Para mais informações, ver <http://www.wired.com/>.

5 individuais de informação (DIZARD, 1998, p. 267). Para Manuel Castells (2000), este novo sistema de comunicação [...] tanto está promovendo a integração global da produção e distribuição das palavras, sons e imagens da nossa cultura como personalizando-os ao gosto das identidades e humores dos indivíduos (CASTELLS, 2000, p. 22). Já André Lemos (2002), advoga que a nova racionalidade dos sistemas informatizados age sobre um homem que não mais recebe informações homogêneas de um centro editor-coletor-distribuidor, mas de forma caótica, multidirecional, entrópica, e ao mesmo tempo, personalizada (LEMOS, 2002, p. 85). Em outra oportunidade, Lemos (2003) aponta para a reconfiguração de práticas e modalidades midiáticas, a emergência de novos produtores de conteúdo e a troca independente e autônoma de conteúdos entre os usuários das redes. É o que chama de leis da cibercultura. O autor apresenta a lei da liberação do pólo da emissão como a primeira característica da cultura digital que chama de pós-massiva. Neste sentindo, o antigo receptor teria passado a produzir e emitir sua própria informação, de forma livre, multimodal (vários formatos midiáticos) e planetária, cujo sintoma é às vezes confundido com 'excesso' de informação" (LEMOS, 2007, p. 37). O autor lembra que na indústria cultural massiva havia um emissor de informação que dirigiria sua produção para uma massa de receptores, o público. Outras possibilidades de acesso e produção da informação teriam um alcance bastante limitado. Com a evolução da tecnologia, passou-se a considerar a possibilidade de que cada um seja também produtor e emissor de conteúdo. A lei da conexão generalizada em rede telemática se apresenta como característica fundamental da cibercultura na medida em que a configuração inicial da internet possibilitou um lugar de conexão e compartilhamento de conteúdos. Diz o autor: Não basta emitir sem conectar, compartilhar. É preciso emitir em rede, entrar em conexão com outros, produzir sinergias, trocar pedaços de informação, circular, distribuir (ibid., p. 38). Com a lei da reconfiguração de práticas e instituições da indústria cultural massiva, Lemos reafirma que a cultura digital pós-massiva não representa o fim da industrial massiva, e esta não iria absorver e massificar a cultura digital pós-massiva. A conciliação que o autor advoga é posta nestes termos: A cibercultura é essa configuração onde se alternarão processos massivos e pós-massivos, na rede ou fora dela" (ibid., p. 40). Estas analises dizem respeito de uma reestruturação na troca de informações pela internet. No caso da música, algumas experiências confirmam este argumento. Em 2007, cerca de 60 bandas e artistas participaram do primeiro Festival Virtual de Música Independente. De acordo com a organização, tratou-se de um evento cujos objetivos centrais

6 foram a promoção e apresentação de bandas independentes, oferecendo a elas a oportunidade de apresentar seus trabalhos. E ainda descobrir novos talentos, desenvolver a musicalidade, incentivar e apoiar a produção de música independente, bem como divulgar e promover as bandas. A revista Rolling Stone, em sua edição de fevereiro de 2008, trouxe como especial de capa uma matéria sobre o Radiohead. No subtítulo, a seguinte afirmação: Como eles descartaram a indústria fonográfica, quebraram os paradigmas do mercado e se mantiveram isolados no posto de banda de rock mais importante do mundo (ROLLING STONE, 2008, p. 55). Tudo isto por causa de uma estratégia que a banda inglesa pôs em prática no lançamento do novo disco, In Rainbowns. A frase "it's up to you" (cabe a você), veio estampada no site oficial do grupo, dando a cada usuário o poder de determinar quanto achava que deveria pagar para fazer o download. O grupo foi considerado pela revista como caso expressivo para se pensar o futuro da música. O repórter Mark Binelli, que entrevistou os componentes do Radiohead, disse em sua matéria: In Rainbowns, sétimo disco do Radiohead, foi lançado em outubro, e qualquer discussão sobre seu conteúdo foi imediatamente ofuscada pelo seu método de entrega. Como todos sabem, a banda, em um anúncio-empresa, decidiu disponibilizar o disco para download em seu website, onde fãs podiam pagar o quanto quisessem, qualquer valor entre nada e (aproximadamente R$ 350,00) (ibid., p. 57). Neste mesmo ano, a banda inglesa Coldplay deixou o novo CD, Viva la vida, por uma semana para ser ouvido de graça pelos fãs na sua página do MySpace. O hit do novo disco, lançado pela gravadora EMI, foi disponibilizado gratuitamente no site oficial da banda, e foi baixado mais de dois milhões de vezes. Seguindo a estratégia de divulgação, o grupo anunciou que daria, gratuitamente, ingressos para os shows de lançamento do disco novo, em Nova York e em Londres. O resultado, relacionado ou não à estratégia adotada, foi positivo: Viva la vida vendeu, em um único dia, 125 mil cópias. A própria indústria fonográfica já se deu conta destas mudanças, e tem buscado formas de lidar com a situação. Dados de um documento anual publicado pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI) mostram que a venda de música pela internet já representa 15% da receita total das vendas das grandes gravadoras. No ano de 2006, a porcentagem era de 11%, e em 2003, segundo dados da IFPI, era praticamente inexistente. O que as majors comemoram é um crescimento de 40% nas vendas de música digital em todo o mundo. No topo da lista dos dez principais mercados de música digital no mundo estão os

7 Estados Unidos, o Japão e a Inglaterra. Apesar de não fazer parte da lista, o Brasil participou do mercado em 2007 com um incremento de 185% nas vendas. A novidade no relatório anual da IFPI são as vendas feitas a partir de telefones celulares, que no País cresceram 157% em Uma questão relacionada a este fenômeno é a passagem do consumo da música gravada, exclusivamente, enquanto bem, para o consumo de um serviço. A pesquisadora inglesa Maria Styvén (2007) trata da questão da intangibilidade da música em ambientes virtuais. De acordo com a autora, na internet, a música gravada, e isso inclui sua licença e distribuição, está deixando de se fixar em bens físicos como o CD, e se tornando essencialmente um serviço. A partir desta distinção, de que bens são caracterizados por ser tangíveis e serviços, por ser intangíveis, a autora argumenta que os produtos que circulam pela internet, além de não poderem ser tocados, são de difícil definição. Para Styvén, a música produzida pelas grandes gravadoras pode ser comercializada em diferentes formas, como concertos ao vivo, vídeos, CDs ou distribuição on-line. Mas, a passagem da música enquanto bem, baseada em um mercado local, para um serviço, num mercado em rede, traria sérios problemas para os executivos da música. Entre os problemas citados estão uma forte abstração dos produtos, aumento nas incertezas e riscos relacionados, problemas ligados a questão dos direitos de propriedade e atribuição de preços. Ora, se a música tem se tornado um serviço, portanto intangível, quando distribuída pela internet, como as empresas podem lidar com isso? Algumas sugestões são apresentadas pela autora, dentre as quais, temos a) insistir em correspondentes tangíveis, tais como fotos, símbolos e informações sobre os artistas; b) criando uma reputação forte na rede; c) oferecendo pequenas demonstrações para os fãs e d) basear o preço no valor real do produto, e não no que as gravadoras consideram justo para ser cobrado. Segundo o ponto de vista de Leonhard Gerd e David Kusek (2005), no futuro, a música será como a água: fluirá de graça e em todos os lugares. Neste futuro, música será ubíqua, móvel, compartilhável, e tão penetrante e diversa quanto as culturas humanas que a produz (GERD; KUSEK, 2005, p. 03, tradução nossa). Para os autores a idéia de que um artista precisa vender centenas de milhares de cópias para que possa se sentir bem sucedido está dando lugar a idéia de que determinado artista pode até vender pouco, desde que consiga chegar às pessoas interessadas em seu trabalho. Isto porque, para cada artista que consegue quebrar a banca existem centenas que ficam de fora do jogo. Concluem:

8 Se nós definimos mobilidade como a capacidade de acessar música de qualquer lugar a qualquer hora, como a capacidade de tomá-la sem encargos indevidos, e a capacidade de trocar músicas com outros, nós temos a própria definição de música digital. O único caminho que isto pode levar é pra cima (ibid., 33,4). Para a pesquisadora Rose Marie Santini (2006), cujo trabalho tem o objetivo de investigar as mudanças nas formas de produção, difusão e consumo da musica na sociedade atual, a gravação digital teria provocado toda esta reconfiguração na produção fonográfica. Isto, na medida em que a gravação e reprodução de música passou a ser possível sem que haja a mediação obrigatória das grandes gravadoras na relação produtor-consumidor. Devido à proliferação de pequenos e médios estúdios digitais de gravação e masterização, além da gravação caseira por computador, novos artistas e bandas podem registrar seus trabalhos e difundi-los de forma autônoma (SANTINI, 2006, p. 47). Artistas estreantes, e mesmo aqueles que já tem algum tempo de carreira, estão se tornando mais propensos a divulgar suas músicas através da internet por duas razões, sugere a autora: primeiro que as grandes gravadoras hesitam em correr riscos, e isto é fruto das regras de mercado. Então, este é um caminho alternativo para os artistas que dificilmente chegaram ao grande público pelas vias tradicionais. Depois, tornou-se lugar comum que, antes de estar na venda de discos, a fonte de renda dos artistas tem sido os shows e as apresentações na mídia. O que importa, acrescentamos a este respeito, para o artista, é que sua música esteja circulando, sendo conhecida pelo público, para que estes possam comparecer aos eventos relacionados àquele artista. A exemplo da banda paraense Calypso, uma das pioneiras que atentou para a divulgação viral de sua produção, várias bandas de forró do Nordeste passaram a dar, gratuitamente, uma cópia de seu CD para cada pessoa que comprasse um ingresso para o show. E se não faz a divulgação pelo formato CD, tais artistas contam ainda com a circulação via internet no formato mp3. Neste sentido, pontua Santini: Além de facilitar a escolha dos ouvintes, os programas de download gratuito revelam um perfil de aficionados que valoriza a experimentação como uma etapa importante no processo de consumo de música (Ibid., p. 153). Parte da popularização da circulação de música pela internet pode ser explicada através da teoria da economia da dádiva. Sobre o assunto, Barbrook (1998) trata da Economia da Dádiva no contexto da CMC. A questão foi inicialmente estudada pelo antropólogo Marcel Mauss, mas reaparece sendo contextualiza por Barbrook, que a aproxima da cultura do

9 compartilhamento em ambientes virtuais. Esta cultura teria sido responsável não apenas pelo aperfeiçoamento das tecnologias empregadas nos primeiros computadores, mas na troca de informações de todo tipo entre a comunidade científica envolvida nestes projetos. Neste sentido, a livre troca de informações estaria embutida nas tecnologias e nas relações sociais desde os primeiros dias do ciberespaço. E ainda que a troca de "presentes" nestes ambientes não necessariamente criem obrigações emocionais entre os participantes, sugere o autor, pessoas ainda assim estariam dispostas a doar o que tem a qualquer pessoa através da internet. Usando como exemplo o compartilhamento de música, o autor sugere que pela livre circulação da informação, músicos podem criar laços de amizade, trabalhar juntos e inspirar uns aos outros, na medida em que passam a disponibilizar on-line a sua produção, e ao mesmo tempo, passam a ter acesso ao que foi disponibilizado por outros. A respeito da flexibilização e espontaneidade da economia da dádiva no contexto da CMC, afirma que "[...] uma nova faixa pode rapidamente se tornar gratuitamente útil para uma audiência global. Se alguém gosta da melodia, pode baixar para audição pessoal, usar como um sample ou fazer seu próprio remix " (BARBROOK, 1998, p. 04, tradução nossa). Um aspecto importante da circulação de música pela internet diz respeito a uma cada vez maior flexibilização no licenciamento. Licenciamento é um é um direito de uso vendido pelos selos, os donos da gravação, bem como pela editora, o representante dos compositores, para que uma determinada música possa ser regravada, ter um trecho incluído em uma nova música ou mesmo ser executada em ambiente público. O Crative Commons 2 é um projeto que estabelece um conjunto de ferramentas que permite aos artistas escolher a forma como querem proteger suas obras. Um resumo do conceito de Commons, dado pelos próprios desenvolvedores do projeto: [...] alguns recursos, uma vez criados, não podem ser esgotados. Nas palavras de Thomas Jefferson, aquele que recebe uma idéia de mim, recebe instrução para si mesmo sem diminuir a minha; assim como aquele que acende sua vela na minha, recebe luz sem apagar a minha. Uma idéia não é diminuída quando mais pessoas a utilizam. O Creative Commons aspira cultivar um commons onde as pessoas sintam-se livres para reutilizar não só idéias, mas também palavras, imagens e música sem pedir permissão por que a permissão já foi concedida a todos (Creative Commons, 2007, online). Atualmente, o Crative Commons pratica seis tipos de licença principais. Dentre elas, destacamos as licenças by-nc-nd, que permite que outros façam download das obras e as 2 Para mais informações sobre o projeto e os tipos de licenciamento, ver <http://www.creativecommons.org.br>.

10 compartilhem, contanto que mencionem a autoria, e a licença by-nc-sa, que permite que outros remixem, adaptem e criem obras derivadas sobre a obra com fins não comerciais, contanto que atribuam a autoria. 4 Circulação através da internet como alternativa Algumas experiências de produção e circulação de música independente pela internet, como o Festival citado acima, estão se espalhando pelo Brasil e pelo mundo. Na Bahia, por exemplo, o portal Eletrocooperativa tem trabalhado com a divulgação dos trabalhos produzidos pelas comunidades carentes. De acordo com os idealizadores do portal, os pilares do projeto são: a generosidade intelectual, possibilitada pelas licenças alternativas desenvolvidas pelo Creative Commons, e a interatividade. Já no Rio de Janeiro, a página da gravadora Fronha Records se propõe a atuar na distribuição das músicas no formato mp3, tantos de artistas do seu cast, como de outros músicos que colaboram com o site. E em Nova York, vinte e dois blogs que trabalham na divulgação (informações sobre os artistas, agenda e músicas em mp3) de artistas independentes, realizaram em 2007 o primeiro festival de bandas novas, chamado After the jump fest 3. Além, é claro, dos casos já casos amplamente divulgados pela imprensa especializada, como o projeto Trama Virtual. Pensar a relação entre a produção autônoma de artistas independentes em ambientes virtuais e a reconfiguração pela qual a indústria fonográfica tem passado era o objetivo deste texto. Vimos como as novas tecnologias de comunicação e de produção musical têm possibilitado a reconfiguração da cadeia produtiva da música. As grandes gravadoras têm sido forçadas a pensar maneiras criativas e, acima de tudo, baratas, para competir com a circulação gratuita de músicas pela internet. E se os usuários de programas de compartilhamento de música têm utilizado essas ferramentas para experimentação, artistas independentes podem fazer disso uma arma, um aliado na etapa de circulação da sua produção. Sugerimos, nesta perspectiva. que uma música, após ser gravada em casa, ou em um pequeno estúdio, pode ser convertida em um arquivo no formato mp3 e circular livremente através da internet. Através das páginas pessoais das bandas e artistas independentes, Portais, comunidades virtuais, por ou emissoras de rádio on-line, estas músicas circulam, passando de usuário a usuário. Além disto, podem ser transportadas de um lugar a outro em 3 Mais informações sobre o festival podem ser obtidas no endereço eletrônico <http://www.afterthejumpfest.com>.

11 CDs, pen drives, mp3 players e telefones celulares. O fundamental para a compreensão do sucesso de uma música neste novo contexto requer considerarmos que, neste circuito, o arquivo é transmitido de uma pessoa a outra levando consigo as opiniões daqueles que tiveram a oportunidade e o interesse de ouvi-la. A música, neste sentido segue adiante com a aprovação ou reprovação daquele que a ouviu antes de repassá-la. Em último caso, na verdade o caso extremo de total sucesso da empreitada, o mp3- demo pode chegar às mãos de um produtor de um evento ou de uma gravadora. É o que ocorreu na edição de 2008 do Festival Abril Pro Rock, o mesmo que há dez anos ajudou a revelar o Los Hermanos. Duas bandas foram escolhidas pelo público freqüentador do Portal Link Musical para participar do evento, após uma fase de pré-seleção do produtor. As músicas foram disponibilizadas pelas bandas inscritas, e ficaram à disposição para ser ouvidas e comentadas. O produtor do Festival, Paulo André, afirmou em entrevista que o Portal representa um complemento ao seu trabalho de descobrir bandas novas: Eu vejo isso como uma continuação do trabalho que eu faço de promoção das bandas não só no Brasil quanto no exterior. Possibilita até aumentar a quantidade de artistas que se pode trabalhar 4. Ou então, pode resultar em uma oportunidade como a da banda de pop/rock maranhense MichaelBoyzBand, (MBB) classificada em um festival nacional de música independente após ter enviado um mp3-demo para os organizadores do evento. 4.1 O caso MichaelBoyzBand A banda, formada por quatro músicos, é representativo para ajudar a trazer luz sobre o fenômeno que tratamos neste texto. Os componentes consideram a participação no citado festival uma experiência ímpar. Afirmaram: Produzir uma música no quarto e, de repente, cantar essa música em um programa em rede nacional de televisão, parece surreal. [...] Em um passe de mágica estávamos na frente de artistas consagrados de nossa música, como Tony Garrido e George Israel. Michael Mesquita, idealizador do projeto, diz, orgulhoso, que forma com os amigos a primeira banda de pop/rock do Maranhão a aparecer em programa de televisão em Rede Nacional. Pode parecer arrogante falar isso o tempo todo, mas é um fato e, se alguém faz questão de não reconhecer isso, nós fazemos questão de lembrar. Para os componentes da banda, a condição de independente representa, ao mesmo tempo, dificuldade e desafio. De um lado, restrições na hora de gravar, masterizar ou prensar. 4 Entrevista concedida ao Portal Link Musical. Entrevista disponível no endereço:

12 De outro, desafios para acontecer como banda, usando apenas força de vontade e inteligência para transformar uma idéia em algo concreto. De acordo com Michael, a banda é uma idéia que virou música: Produzi toda a idéia em meu quarto, com o auxílio de programas de edição de áudio e vídeo, instrumentos meus e emprestados; fiz também a arte do CD e do encarte. O grupo confessa ter pensado em uma forma estranha de divulgação. Aliada à divulgação em emissoras de rádio, e à disponibilização para download através da internet, a banda pretende realizar promoções nas páginas da banda, ou através de newsletter. Então disparam: Escolheremos pessoas que vão receber o CD em casa, sem pagar nada. Quer dizer, você pode estar em casa e abrir seu e lá vai estar escrito: Oi, tudo bem? Responda esse com seu nome e endereço e receba nosso CD em sua casa, inteiramente grátis. É um trabalho de divulgação e distribuição meio louco, mas eu sou assim mesmo. Quando questionados sobre de que forma os artista independentes podem usufruir da internet como ambiente de divulgação, Michael Mesquita é taxativo: Acho que é uma questão, principalmente, de inteligência. Para ele, a internet permite, por exemplo, que artistas do Maranhão se inscrevam em festivais no Rio Grande do Sul com apenas alguns cliks. Através da internet, conhecemos pessoas como o produtor Alécio Costa, que já trabalhou com artistas como Déborah Blando, e que fez a finalização do CD da MBB. Temos cinco páginas nas quais divulgamos nossas músicas e clipes. Conhecemos bandas e estilos de outros locais e interagimos com eles. A banda reconhece que a divulgação através da internet não trás, a princípio, nenhum retorno financeiro. Dizem, a propósito, que sua música não está à venda. Ainda não temos produtos que venham a agregar valor financeiro à marca MBB. Os objetivos da banda estão sendo alcançados gradativamente. Nosso retorno é o reconhecimento de um trabalho inteligente, independente e criativo. A nossa classificação para o Gasound até agora foi o maior de todos, o mais representativo, pois nos trouxe visibilidade e crédito. O prazer em fazer, sem a responsabilidade dos shows, é o maior retorno que podemos ter. A banda faz planos de ser contratada por uma grande gravadora. A razão estaria em uma entrevista concedida pelo produtor musical Rick Bonadio. Na entrevista, Bonadio teria dito que, para ele, o que importa é a idéia. Esta estaria acima da eficiência técnica ou de um

13 trabalho bem gravado. Ele escuta a idéia, a sonoridade, ele quer o original. E eu tenho a consciência da originalidade de nosso trabalho. Quando o CD chegar, vou mandar uma cópia para a gravadora dele. Tenho certeza de que ele vai ouvir. Sobre este CD, afirmam que está pronto para ser prensado. Só nos falta fazer o depósito inicial. Mas vamos conseguir, a gente sempre consegue dar um jeito. O trabalho virá com sete faixas e mais uma surpresa inédita na música maranhense Ao contrário do que acontece com os grandes artistas e gravadoras, a pirataria não prejudica os artistas independentes, afirmam os componentes da banda. No nosso caso, a exemplo de muitos artistas que hoje estão brilhando, a pirataria ajudou e muito. Ora, se colocamos nossas músicas de graça na internet é porque queremos que as pessoas reproduzam isso, certo? 5 Considerações e conclusões Toda esta sociabilidade on-line, que sugerimos neste artigo, e vista principamente na emergência, popularização e manutenção de comunidades virtuais, tem sido responsável pelo compartilhamento e, conseqüentemente, pela circulação de produtos culturais cujo controle passa ao largo da grande indústria do entretenimento. A evidente refuncionalização das novas tecnologias possibilitou uma reconfiguração nos processos de criação, circulação e consumo de bens simbólicos. Tornaram a produção mais flexível, mais diversificada. Possibilitaram um ambiente de circulação onde a competição pela audiência assumiu novos parâmetros. E o amplo consumo se tornou fruto da multiplicidade de oferta, da descentralização da produção. Podemos consumir música de forma interativa, simultânea. Obviamente, isto trouxe alguns problemas para as grandes gravadoras, para os estúdios de Hollywood, enfim, para os executivos da grande indústria. Como lidar com o compartilhamento não autorizado de músicas em sites, comunidades do Orkut como a Contra burguês, baixe mp3 ou a Discografias? Como controlar o uso de programas como Emule, Kazaa, e sites como o RapidShare, MegaUpload e Berejeba 5, de modo a resguardar o conteúdo protegido pelas leis de direito autoral? Até o momento, nenhuma resposta satisfatória foi encontrada para estas questões. Enquanto isto, a circulação de conteúdos continua, e não se restringe à ambientes virtuais. O compartilhamento de produtos culturais, sejam eles protegidos ou não, se dá em 5 Berejeba é um portal que disponibiliza gratuitamente seriados de televisão. A maior parte do conteúdo compartilhado é protegido por leis de direito autoral.

14 espaços cuja estrutura se torna a cada dia mais veloz e estável. Mas não se restringe à internet. Se o ciberespaço não é desprendido de lugar, conforme sugeriu Castells, a comunicação individualizada, personalizada e bidirecional tem seu reflexo também em redes de relacionamento off-line. Estaria borrado o limite entre o mundo real e o mundo virtual? Experiências têm mostrado que ajuntamentos urbanos ligados à música, como festivais, organizados pela internet, são frutos de propostas de blogs e comunidades virtuais, mas sinalizam a força das redes de relacionamento reais. A dinâmica de laços sociais em ambientes virtuais é de fácil manutenção. Já que se constitui de modo intencional, fundamentada a partir de interesses comuns, pessoas podem criar fortes laços sociais na internet, e expandir esses laços para fora dela. O que é importante sustentar aqui é que este fenômeno não se resolve nem apenas com as possibilidades da microinformática, nem com a popularização da internet e do formato mp3. A impressão que se tem é a de que as redes de compartilhamento, as comunidades virtuais, os agregadores de conteúdo só dão resultado se corretamente conectadas a realidade local do artista, e da relação de identificação que se estabelece entre o público e a música. Isto porque, enquanto não se encontram maneiras adequadas que permitam que o artista possa, de fato, gerar renda com a circulação de música em ambientes virtuais, a opção tem sido recorrer aos métodos tradicionais, como venda de CDs, shows e festivais e participação em programas de rádio e televisão. E neste caso, é preciso que o artista consiga congregar um público, formado tanto por pessoas que têm acesso constante à internet, como por pessoas que, seja qual for o motivo, ainda não lidam com ambientes virtuais. Referências bibliográficas ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro: Elsevier, Associação Brasileira da Música Independente. Disponível em <<http://www.abmi.com.br/>>. Acessado em 13 de novembro de Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Mercado fonográfico brasileiro Disponível em <<http://www.abpd.org.br/noticias_internas.asp?noticia=156>>. Acessado em 13 de novembro de BARBROOK, Richard. The High Tech Gift Economy. First Monday, vol. 3 number 12 (December, 1998). Disponível em: Acessado em 20 de novembro de 2007.

15 CASTELLS, Manuel A sociedade em rede. 4a. Ed. São Paulo: Paz e Terra. CREATIVE COMMONS. Disponível em: <http://www.creativecommons.org.br/>. Acessado em: 12 de abril de DIZARD, Wilson P. A nova mídia: a comunicação de massa na era da informação. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., GERD, Leonhard; KUSEK, David. The future of music: manifesto for the digital music revolution. Berklee Press: Boston, LEMOS, André.. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, LEMOS, A. Cibercultura como território recombinante. In: MARTINS, C. D.; SILVA, D. C.; MOTTA, R. Territórios recombinantes: arte e tecnologia. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, LESSIG, Lawrence. Cultura livre. Nova York: The Penguin Press, SANTINI, Rose Marie. Admirável chip novo: a música na era da internet. Rio de Janeiro: E-Papers Serviços Editoriais, SHUKER, Roy. Vocabulário de música pop. São Paulo: Hedra, STYVÉN, Maria. The intangibility of music in the internet age. Popular Music and Society, 30:1, 53-74, VICENTE, Eduardo. A vez dos independentes(?): um olhar sobre a produção musical independente do país. E-Compós (Brasília), v. 7, p. 1/19-19/19, VAZ, Gil Nuno. História da música independente. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

CREATIVE COMMONS O QUE É?*

CREATIVE COMMONS O QUE É?* CREATIVE COMMONS O QUE É?* Érica Daiane da Costa Silva** Se você está ouvindo falar em Creative Commons já deve ter ouvido falar também em Software Livre. Sem pretensão de apresentar uma explicação aprofundada,

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

PRAIEIRO. Lili Araujo

PRAIEIRO. Lili Araujo PRAIEIRO Lili Araujo APRESENTAÇÃO: "PRAIEIRO" será o terceiro trabalho fonográfico solo da cantora e compositora carioca Lili Araujo. Haverá a produção de uma tiragem mínima do CD em formato físico (1.000

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

MÚSICA MARANHENSE ON-LINE 1 : Artistas maranhenses usando a tecnologia ao seu favor

MÚSICA MARANHENSE ON-LINE 1 : Artistas maranhenses usando a tecnologia ao seu favor 1 MÚSICA MARANHENSE ON-LINE 1 : Artistas maranhenses usando a tecnologia ao seu favor Márcio Monteiro 2 Faculdade São Luís, São Luís - MA RESUMO: Este trabalho, composto por algumas considerações apresentadas

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

Índice. 1. O Natura Musical. 2. Tipos de projetos beneficiados. 3. Como participar dos editais. 4. Qual o caminho até o patrocínio

Índice. 1. O Natura Musical. 2. Tipos de projetos beneficiados. 3. Como participar dos editais. 4. Qual o caminho até o patrocínio 2015 Índice 1. O Natura Musical 2. Tipos de projetos beneficiados 3. Como participar dos editais 4. Qual o caminho até o patrocínio 5. Atendimento aos proponentes Anexos: Contrapartidas e 3 4 6 9 16 17

Leia mais

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados,

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados, PROPOSTA COMERCIAL Prezados, Apresentamos a V.Sas. proposta de prestação de serviços de veiculação de anúncios publicitários na rádio Play FM, sintonizada na frequência 107,5 do dial FM dos rádios e acessada

Leia mais

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS práticas colaborativas e políticas públicas Bianca Santana Carolina Rossini Nelson De Luca Pretto organizadores São Paulo Salvador 2012 1ª edição 1ª impressão financiamento

Leia mais

Os Segredos da Internet / John Heine http://www.ganheaki.com

Os Segredos da Internet / John Heine http://www.ganheaki.com John Heine 2011 Acesse para obter mais informações! 1 Distribua livremente Você tem agora permissão para distribuir livremente este e-book, ou seja, você pode estar vendendo, ou distribuindo livremente,

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES 1. Onde faço a inscrição dos meus projetos? No site www.oifuturo.org.br. 2. Há alguma forma de fazer inscrição dos projetos por outro meio? Não, somente online. Os anexos não serão aceitos por correio.

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

II MoQueCa Festival Capixaba da Canção Espírita Mocidade Que Canta - Regulamento -

II MoQueCa Festival Capixaba da Canção Espírita Mocidade Que Canta - Regulamento - Da Promoção Artigo 1º. O II Festival Capixaba da Canção Espírita Mocidade Que Canta II MoQueCa é uma iniciativa do Projeto Arte Espírita Eu Apoio e conta com o apoio da CEC Casa Espírita Cristã (Vila Velha/ES),

Leia mais

Porque as mulheres seguem empresas no Twitter?

Porque as mulheres seguem empresas no Twitter? Porque as mulheres seguem empresas no Twitter? Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. A pesquisa foi realizada com 737 mulheres com idade entre

Leia mais

Seis Anos de Freestyle

Seis Anos de Freestyle 107 Por Daniel Tamenpi Seis Anos de Freestyle Em 2003, surgia no Brasil a Rádio Boomshot, primeira estação online voltada exclusivamente para o rap alternativo e nacional. O momento era propício para a

Leia mais

REPOSITÓRIOS DE ACESSO ABERTO E AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS

REPOSITÓRIOS DE ACESSO ABERTO E AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS REPOSITÓRIOS DE ACESSO ABERTO E AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS O que é o Creative Commons? Creative Commons (CC) é uma entidade, sem fins lucrativos, criada para permitir maior flexibilidade na utilização

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Apple Music. Diretrizes de identidade para afiliados. Junho de 2015

Apple Music. Diretrizes de identidade para afiliados. Junho de 2015 Visão geral Música boa precisa de marketing bom. O segredo para uma boa campanha de marketing são mensagens claras e eficazes. Siga estas diretrizes para atender aos requisitos da Apple e obter o máximo

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Copyright 2015 por Paulo Gomes Publicado originalmente por TBI All New, São Luís MA, Brasil. Editora responsável: TBI All New Capa: TBIAllNew Todos os direitos

Leia mais

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO Com a popularização da banda larga, uma das tecnologias que ganhou muita força foi o VOIP (Voz sobre IP). Você com certeza já deve ter ouvido

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DIA DA INTERNET SEGURA 2013. "Direitos e deveres online: conecte-se com respeito!

REGULAMENTO DO CONCURSO DIA DA INTERNET SEGURA 2013. Direitos e deveres online: conecte-se com respeito! REGULAMENTO DO CONCURSO DIA DA INTERNET SEGURA 2013 "Direitos e deveres online: conecte-se com respeito! REALIZAÇÃO: APOIO: 1. DESCRIÇÃO O CONCURSO do Dia Mundial da Internet Segura 2013 organizado pela

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Usina de Site em gênero Seus principais valores são: iniciativa, qualidade, criatividade, competência e profissionalismo. Ao adquirir serviços e

Usina de Site em gênero Seus principais valores são: iniciativa, qualidade, criatividade, competência e profissionalismo. Ao adquirir serviços e Usina de Site em número Uma agência, uma equipe, uma unidade. São vários membros, estilos diferentes e inúmeras habilidades que se complementam e dão um novo sentido à publicidade e propaganda, guiados

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto Olá! Seja bem-vindo a essa série de três vídeos, onde eu quero mostrar exatamente como criar, como desenvolver e como fazer um marketing do seu próprio produto digital, criando um negócio altamente lucrativo

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009 Apresentação O relatório anual da ABPD - Associação Brasileira dos Produtores de Discos, intitulado Mercado Brasileiro de Música 2009 mais uma vez objetiva o desenvolvimento do setor e o melhor conhecimento

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução Esta segunda sequência respeita a estrutura da sequência do Eben que analisamos.o template é adequado aos profissionais que podem (e querem) trabalhar com os três mosqueteiros, ou seja, apresentar uma

Leia mais

Inscrição de Atividades

Inscrição de Atividades Inscrição de Atividades São Paulo Este é um chamado para Facilitadores de todo o Brasil. Está chegando mais um Festival Hub Escola! A Hub Escola procura pessoas brilhantes, de espírito empreendedor e que

Leia mais

Conceito & Ação MULTIRIO - Empresa Municipal de Multimeios Ltda.

Conceito & Ação MULTIRIO - Empresa Municipal de Multimeios Ltda. Conceito & Ação Economia criativa Sinopse Está tramitando no Senado Federal uma proposta que altera um trecho da Constituição, inserindo, como direito inalienável da população, a busca pela felicidade.

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO. CARAVANA DA MÚSICA Ano I

EDITAL DE CONVOCAÇÃO. CARAVANA DA MÚSICA Ano I EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA MÚSICA Ano I SOBRE O PROJETO O Caravana da Música é um projeto patrocinado pela VIVO, através do Fazcultura, programa de incentivo fiscal da Secretaria de Cultura do Estado SECULT

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES EDITAL 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS

PERGUNTAS FREQUENTES EDITAL 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS 1. Onde faço a inscrição dos meus projetos? No site www.oifuturo.org.br 2. Há alguma forma de fazer inscrição dos projetos por outro meio? Não, somente online. 3. Não consigo abrir o formulário de inscrição.

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

A REVISTA BACKSTAGE É DIRIGIDA A QUE PÚBLICO?

A REVISTA BACKSTAGE É DIRIGIDA A QUE PÚBLICO? A REAL FORÇA de uma revista está nas suas páginas; nas suas matérias; nos seus anúncios; na sua história e principalmente na sua linha editorial comprometida com informações úteis aos leitores. Durante

Leia mais

O que é uma distribuição de Linux

O que é uma distribuição de Linux O que é uma distribuição de Linux Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 20:02. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO Instituto FA7 IBMEC MBA em Marketing Disciplina: Professor: Turma: Equipe: Marketing Eletrônico Renan Barroso Marketing II - Fortaleza Ana Hilda Sidrim, Ana Carolina Danziger PLANEJAMENTO DE MARKETING

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA:

O SIGNIFICADO DA PESQUISA: O SIGNIFICADO DA PESQUISA: ESCRITO POR Clive de Freitas PUBLICADO Outubro 2013 como ela molda nossas vidas e cria marcas O RESUMO Como profissionais de marketing, é fácil reduzir a pesquisa para métricas

Leia mais

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão Conexão Brasil: presença de educação com música através da radiodifusão e formação de rede 1 Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão RESUMO Contextualiza a educação dentro da história

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO

EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO Com passos apressados, paisagens se transformam em borrão. Estamos atrasados, com pressa, em cima da hora, ou ainda mesmo com tempo, mas o hábito e

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

Treinamento Adsense O curso que ensina você a construir um negócio do zero. E faturar e Ganhar ate R$4,5MIL por Mês na Internet

Treinamento Adsense O curso que ensina você a construir um negócio do zero. E faturar e Ganhar ate R$4,5MIL por Mês na Internet Treinamento Adsense O curso que ensina você a construir um negócio do zero E faturar e Ganhar ate R$4,5MIL por Mês na Internet Olá você não me conhece, então deixa eu me apresentar: Meu nome é Rodrigo

Leia mais

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Por Tiago Bastos 1 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos 2 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org documento inicial Site preparatório FSM Dacar introdução Neste documento, a Ethymos apresenta uma

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

COMO TER SEU PRÓPRIO NEGÓCIO JUV Venha fazer história com a gente!

COMO TER SEU PRÓPRIO NEGÓCIO JUV Venha fazer história com a gente! COMO TER SEU PRÓPRIO NEGÓCIO JUV Venha fazer história com a gente! A MARCA A JUV é uma marca brasileira de Acessórios fundada em janeiro de 2012 A marca buscou inspiração na Venda Direta para trazer uma

Leia mais

Introdução redes sociais mulheres Digg

Introdução redes sociais mulheres Digg O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. (Tsvi Bisk, Center for Strategic Futurist Thinking, 2008) A Sophia Mind,

Leia mais

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br MIDIA KIT 15 www.naporteiracast.com.br O QUE É PODCAST? O termo podcast é a junção das palavras ipod (dispositivo de reprodução de arquivos digitais fabricado pela Apple) e broadcast (transmissão, em inglês).

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER Caro leitor! Nós, da Tavares Propriedade Intelectual, resolvemos desenvolver este material educativo com o propósito de alertar empresários e executivos da necessidade de

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

UNIDADE IV AUTO RESPONDER

UNIDADE IV AUTO RESPONDER UNIDADE IV AUTO RESPONDER Vamos agora entrar num dos pontos mais importantes do e-mail marketing. O serviço de auto responder. O QUE É O AUTO RESPONDER? Esse serviço muda de nome dependendo da ferramenta

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

www.melhordosertanejo.com.br O Portal do Sucesso Sertanejo www.melhordosertanejo.com.br

www.melhordosertanejo.com.br O Portal do Sucesso Sertanejo www.melhordosertanejo.com.br www.melhordosertanejo.com.br Apresentação Site para amantes da música sertaneja, o Melhor do Sertanejo vem se tornando referência em divulgação eletrônica desde seu nascimento. Em 2013, totalmente reformulado,

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

Manual do Usuário do ClaireExpress

Manual do Usuário do ClaireExpress Manual do Usuário do ClaireExpress Tudo o que você precisa saber para realizar uma teleconferência utilizando o ClaireExpress pode ser encontrado neste manual. Caso necessite de assistência adicional de

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

Manutenção, por 01 (um) ano, das atividades de bandas de música com histórico de 1. atividades comprovadas há, pelo menos, 01 (um) ano.

Manutenção, por 01 (um) ano, das atividades de bandas de música com histórico de 1. atividades comprovadas há, pelo menos, 01 (um) ano. Artistas, bandas de música, produtores culturais, arte-educadores, pesquisadores e demais interessados podem apresentar propostas de projetos de música dentro das linhas de ação abaixo, conforme Resolução

Leia mais

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING A palavra estratégia, segundo o dicionário Informal 1, é a ação ou caminho mais adequado a ser executado para alcançar um objetivo ou meta. Para se traçar

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

1.1. Para participar do desafio 72HORAS RIO Festival de Filmes inscreva a sua equipe através do website.

1.1. Para participar do desafio 72HORAS RIO Festival de Filmes inscreva a sua equipe através do website. REGULAMENTOS 72HORAS RIO Festival de Filmes 2015 1. EQUIPES 1.1. Para participar do desafio 72HORAS RIO Festival de Filmes inscreva a sua equipe através do website. 1.2. As equipes deverão escolher um

Leia mais

Projeto Festival Clube da Viola. Resumo do Projeto

Projeto Festival Clube da Viola. Resumo do Projeto Projeto Festival Clube da Viola Resumo do Projeto A música brasileira é um dos elementos culturais que contribuem para a criação e o fortalecimento de uma idéia de pertencimento nacional, promovendo uma

Leia mais

Oi WiFi. Cenário Atual. O que é a tecnologia wi-fi?

Oi WiFi. Cenário Atual. O que é a tecnologia wi-fi? Oi WiFi Material de Apoio a Vendas Empresarial R1 Oi WiFi Cenário Atual Cada vez mais as pessoas procuram estar sempre conectadas à internet em todos os lugares, como bares, restaurantes, shoppings, aeroportos

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Antes que a sua oferta seja publicada, é essencial que você esteja preparado para a grande demanda que poderá surgir assim que ela for ao ar.

Antes que a sua oferta seja publicada, é essencial que você esteja preparado para a grande demanda que poderá surgir assim que ela for ao ar. GROUPON.com.br 1 BEM-VINDO AO GROUPON! Estamos muito felizes em publicar sua oferta e apresentar sua empresa aos nossos milhares de usuários. Assim que sua oferta entrar no ar, sua marca será vista por

Leia mais