FACULDADE DE IMPERATRIZ CURSO DE NOME DO ALUNO. TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA: subtítulo (se houver)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE IMPERATRIZ CURSO DE NOME DO ALUNO. TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA: subtítulo (se houver)"

Transcrição

1 FACULDADE DE IMPERATRIZ CURSO DE NOME DO ALUNO TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA: subtítulo (se houver) Imperatriz 2012

2 1 NOME DO ALUNO TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA: subtítulo (se houver) Projeto de pesquisa apresentado ao Curso de da Faculdade de Imperatriz, como requisito para a elaboração do trabalho de conclusão de curso. Orientador (a): Imperatriz 2012

3 2 SUMÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA Tema Problema Hipótese(s) Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO METODOLOGIA Tipo de pesquisa Universo e amostra Instrumentos de coleta de dados CRONOGRAMA... 7 REFERÊNCIAS... 8 ANEXOS...10

4 1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA A NBR diz que os elementos que compõem a parte introdutória do projeto de pesquisa são: tema, problema, hipóteses, objetivos e justificativa (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2011). Segue detalhadamente a descrição de cada um desses elementos: 1.1 Tema A escolha do tema é a especificação do assunto a tratar no projeto de pesquisa que segundo Salomon (1999) deve significar: a) as próprias inclinações e possibilidades de uma questão em meio a tantas surgidas no âmbito de cada objeto científico; b) um problema relevante que mereça uma investigação com condições de ser formulado e delimitado tecnicamente em função da pesquisa. O tema pode ser originado através de leituras em fontes diversas, reflexões pessoais, inquietações surgidas na atividade profissional, participações em eventos científicos, contatos com especialistas, etc. Embora seja importante a definição do tema, a sua adequação deverá ser feita ao longo da pesquisa, podendo ser revisto até chegar ao seu enunciado final, que se constitui como título da pesquisa (RUDIO, 1999).

5 1 1.2 Problema A elaboração de um projeto de investigação científica surge de uma questão inquietadora denominada PROBLEMA, que é o ponto de partida de uma situação percebida. O problema de pesquisa representa uma questão que nos causa desconforto e que, por consequência, exige explicações. Esta situação-problema surge quando há defasagem entre a concepção ou explicação de um fenômeno social, político, cultural, físico, educacional, etc. O problema pode surgir através da relação entre as duas matizes: a) teórica fruto de leituras realizadas que causam dúvidas, despertam curiosidades, chamam a atenção e impulsionam a buscar explicações; b) prática resultado da experiência individual, que se dá a partir da relação que mantemos com o outro e com o mundo. 1.3 Hipótese(s) São as possíveis respostas ao problema levantado que antecedem a constatação dos fatos, com características de formulações provisórias, que serão testadas através da análise da evidência dos dados coletados. As hipóteses podem explicar os fatos ocorridos. Podem servir de guia para a pesquisa, pois orientam a busca de outras informações. 1.4 Objetivos Os objetivos apresentam-se sob a forma de geral e específicos. O objetivo geral indica o que se pretende realizar na pesquisa, mas para a sua concretização, apoiam-se nos objetivos específicos, os quais indicam o que se pretende realizar em cada etapa da investigação. Estes objetivos devem ser avaliados em cada passo da pesquisa para evidenciar os diferentes níveis de resultado. Os enunciados dos objetivos iniciam-se com um verbo no infinitivo e estabelecem: a) quais as observações a fazer; b) quais os fatos a analisar;

6 2 c) quais as hipóteses a testar; d) qual a metodologia a ser aplicada; Entretanto, na definição dos objetivos deverão ser levados em consideração os recursos e os meios de que dispõem e o tempo disponível para execução, originalidade, exequibilidade e relevância Objetivo geral O objetivo geral explicita o resultado que se pretende alcançar, o que se deseja atingir, tendo em vista os problemas diagnosticados e a ação pretendida. Deve ser formulado de forma ampla, abrangente, relacionado diretamente com o tema do trabalho.

7 Objetivos específicos Derivam do objetivo geral e explicam, de forma clara e precisa, as ações a desenvolver para se alcançar o objetivo geral. 1.5 Justificativa São as razões de ordem teórica e prática que justifiquem a realização da pesquisa, demonstrando o valor do objeto de estudo e destacando a relevância do assunto, tanto em termos acadêmicos quanto nos seus aspectos de utilidade social e a viabilidade do tema. São importantes as seguintes reflexões: a) O que esta pesquisa pode acrescentar à ciência na qual se inscreve? (relevância científica); b) O que levou o pesquisador a escolher o tema? (interesse); c) Quais são as possibilidades para realizar a pesquisa? (viabilidade).

8 4 2 REFERENCIAL TEÓRICO O referencial teórico apresenta a visão dos autores estudados em relação ao tema abordado. É o levantamento feito nas principais fontes de informações (livros, periódicos científicos, dissertações, teses, etc.) com o objetivo de fundamentar o objeto de pesquisa. O uso das citações no texto é fundamental para apresentar as ideias colhidas de outros autores. Sua apresentação pode ser tanto literal quanto parafraseada. Entretanto, as citações devem figurar no referencial teórico de forma lógica, evitando-se alguns erros cometidos, quando: a) o relato constitui-se numa cópia de textos sem a devida estrutura requerida para o texto científico; b) há ausência de frases de ligação que facilitam a percepção do leitor no entendimento do texto; c) inclui textos sem qualquer ligação com o tema do projeto; d) inclui textos que não contemplam a discussão de conceitos-chave para o tema do projeto; e) faltam citações, o que dificultam a distinção daquilo que é redigido pelo autor com paráfrases de outros autores (ROESCH, 2005). As citações devem ser apresentadas de acordo com NBR (2002) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). No ANEXO B, são apresentados alguns conectores que podem ser utilizados na apresentação das citações e ligação entre parágrafos. 3 METODOLOGIA Constitui-se da descrição detalhada dos caminhos utilizados para alcançar os objetivos, implicando na definição do tipo de pesquisa a realizar, técnicas a utilizar, instrumentos de coleta, organização, tratamento e análise dos dados, além de outros procedimentos próprios a cada sistemática definida.

9 5 3.1 Tipo de pesquisa Vergara (2010, p. 46) propõe dois critérios para definição do tipo de pesquisa: a) quanto aos fins: - exploratória pesquisa realizada em área que há pouco conhecimento sistematizado, - descritiva expõe características de uma população, - explicativa justifica as razões da existência de alguns fatores, - metodológica refere-se a instrumentos de manipulação da realidade, - aplicada objetiva buscar soluções práticas para resolver problemas concretos, - intervencionista interfere na realidade estudada no sentido de modificá-la, b) quanto aos meios; - pesquisa de campo, - pesquisa de laboratório, - pesquisa documental, - pesquisa bibliográfica, - pesquisa experimental, - estudo de caso. 3.2 Universo e amostra O universo é a totalidade dos elementos que possuem características comuns e a amostra é um grupo de sujeitos selecionados de um grupo maior (população). Para Gil (2002, p. 121) Quando [a] amostra é rigorosamente selecionada, os resultados obtidos no levantamento tendem a aproximar-se bastante dos que seriam obtidos caso fosse possível pesquisar todos os elementos do universo.

10 6 3.3 Instrumentos de coleta de dados A definição dos instrumentos de pesquisa segue de acordo com o objeto de estudo. O importante é adequar as técnicas disponíveis às características da pesquisa, sempre tendo em vista que a escolha bem feita dos dados da pesquisa é fundamental para seu desenvolvimento. Os instrumentos de coleta de dados mais usados são: a) questionário - é um dos procedimentos mais utilizados para obter informações, pois seu custo é razoável, apresenta as mesmas questões para todas as pessoas, garante o sigilo, favorece a tabulação das respostas e pode conter questões para atender a finalidades específicas de uma pesquisa. Pode ser aplicado individualmente ou em grupos, por telefone, ou mesmo pelo correio. Pode incluir questões abertas e fechadas, de múltipla escolha, de resposta numérica, ou do tipo sim ou não; b) entrevista - é um método flexível de obtenção de informações qualitativas. Este método requer um planejamento prévio e habilidade do entrevistador para seguir um roteiro com possibilidades de introduzir variações necessárias durante sua aplicação. Em geral, a aplicação de uma entrevista requer um tempo maior do que o de respostas a questionários. Por isso, seu custo pode ser elevado, se o número de pessoas a serem entrevistadas for muito grande. Em contrapartida, a entrevista pode fornecer uma quantidade de informações muito maior do que o questionário. Um dos requisitos para aplicação desta técnica é que o entrevistador possua as habilidades para conduzir o processo; c) observação consiste em perceber as manifestações ocorridas na população-alvo da pesquisa. É um procedimento de custo elevado e difícil de ser conduzido, principalmente quando se estuda tema complexo como o comportamento.

11 7 4 CRONOGRAMA atividade planejada. O cronograma descreve o tempo necessário para a execução de cada Exemplo: ATIVIDADES Levantamento bibliográfico MÊS/ ANO MÊS/ ANO MÊS/ ANO MÊS/ ANO MÊS/ ANO MÊS/ ANO Elaboração dos instrumentos para coleta de dados Levantamento e análise dos dados Redação, digitação e normalização da monografia Entrega da monografia Defesa da monografia

12 8 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, NBR 15287; informação e documentação: projeto de pesquisa: apresentação. Rio de Janeiro, 2005b. CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino, Metodologia da pesquisa. 6. ed. São Paulo: Makron, GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, LUCKESI, Cipriano Carlos. Fazer universidade: uma proposta metodológica. 12. ed. São Paulo: Cortez, ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágio, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2. ed. São Paulo: Atlas, RÚDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes, SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes, SERRA NEGRA, Carlos Alberto; SERRA NEGRA, Elizabete Marinho. Manual de trabalhos monográficos de graduação, especialização, mestrado e doutorado. São Paulo: Atlas, 2003.

13 9 TEIXEIRA, Elizabeth. Como elaborar um monografia? Belém: UNAMA, VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

14 ANEXOS 10

15 11 ANEXO A Listas de verbos para auxiliar na construção dos objetivos CONHECIMENTO COMPREENSÃO APLICAÇÃO ANÁLISE SÍNTESE AVALIAÇÃO Apontar Compreender Aplicar Calcular Conjugar Avaliar Citar Concluir Demonstrar Catalogar Construir Escolher Classificar Converter Desenvolver Categorizar Criar Estimar Conhecer Deduzir Dramatizar Classificar Desenhar Hierarquizar Definir Demonstrar Empregar Comparar Dirigir Julgar Descrever Descrever Esboçar Conhecer Escrever Medir Identificar Determinar Estruturar Contrastar Especificar Selecionar Inscrever Diferenciar Generalizar Criticar Esquematizar Taxar Marcar Discutir Ilustrar Debater Exigir Testar Nomear Explicar Interpretar Descobrir Formular Validar Reconhecer Extrapolar Operar Determinar Organizar Verificar Recordar Identificar Organizar Diferenciar Prestar Argumentar Registrar Interpretar Planejar Disciplinar Produzir Contrastar Relacionar Localizar Praticar Distinguir Propor Decidir Relatar Narrar Preparar Estimar Reunir Repetir Reafirmar Realizar Examinar Sintetizar Sublinhar Revisar Reparar Experimentar Teorizar Traduzir Resolver Explorar Documentar Transcrever Selecionar Investigar Transformar Sequenciar Observar Traçar Usar Organizar Provar Discriminar Separar

16 12 ANEXO B Sugestões de conectores Adição Conclusão ou consequência Semelhança ou ênfase Tempo Exemplificação Reafirmação ou assunto Contraste ou concessão Espaço Conectores de ligações lógicas entre parágrafos E..., Mais..., Além disso..., Também..., Em adição..., Some-se a isto..., Somando..., Acrescentamos..., A propósito... Portanto..., Assim..., Dessa forma..., Concluímos..., Resumindo..., Então..., Por outro lado..., Ao passo que..., Recomenda-se..., Devido..., Por isso..., Por sua vez..., Dessa feita..., Dessa forma... Do mesmo modo..., Igualmente..., Com certeza..., Possivelmente..., De muito..., De pouco..., De todo..., Bastante..., Demasiadamente..., Profundamente..., Qualquer que seja... Assim que..., Em seguida..., Até que..., Quando..., Por fim..., Depois de..., Antes que..., Por ora..., De repente..., De vez em quando..., A tempo..., Às vezes..., De quando em quando..., De vez em vez..., Em algum momento..., Mais adiante..., Durante..., Todavia..., Após... Por exemplo..., Isto é..., Como..., Decerto..., Provavelmente..., Por certo..., Quer saber..., Quando se fala..., O referido... Em outras palavras..., Em resumo..., De fato..., Em síntese..., Na verdade..., Deveras..., Certamente..., Realmente..., Efetivamente... Mas..., Porém..., Entretanto..., Todavia..., Ao contrário..., Em vez de..., Ainda que..., Por outro lado..., Ao passo que..., Ora..., Talvez..., Porventura..., Ademais..., Tais cuidados..., Desde..., Enquanto... Ao lado de..., Sobre..., Sob..., À direita..., No centro..., No fundo..., À frente..., À esquerda..., À tona..., À distância..., À entrada..., À saída..., Ao fundo..., Ao longo..., De fora..., De lado..., Por fora..., Em frente..., Por dentro..., Por perto... Conectores que antecedem as citações Na opinião de..., De acordo com..., Afirma..., Para..., Na visão de..., Do ponto de vista de..., Segundo...,...exemplifica...,...quando, afirma..., Como, caracteriza..., Em... vamos encontrar o, seguinte, esclarecimento...no dizer de...,...explicita seus, pressupostos..., Utiliza-se da seguinte, argumentação..., Como descrito por..., Outro ensinamento de...,... alega que...,... caracteriza...,... conceitua... Fonte: Serra Negra e Serra Negra (2004, p. 127).

17 13 ANEXO C - Principais tipos de pesquisa e sua importância TIPOS DE PESQUISA Pesquisa Bibliográfica Pesquisa Descritiva Pesquisa experimental CONCEITO E IMPORTÂNCIA A pesquisa bibliográfica procura explicar um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos. Pode ser realizada independentemente ou como parte da pesquisa descritiva ou experimental. Em ambos os casos, busca conhecer e analisar as contribuições culturais ou científicas do passado, existentes sobre um determinado assunto, tema ou problema. Por vezes, é realizada independentemente, isto é, percorre todos os passos formais do trabalho científico, em particular, em alguns setores das Ciências Humanas. Constitui parte da pesquisa descritiva ou experimental, quando é feita com o intuito de recolher informações e conhecimentos prévios acerca de um problema para o qual se procura resposta ou acerca de uma hipótese que se quer experimentar. A pesquisa descritiva observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los. Procura descobrir, com a precisão possível, a frequência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com outros, sua natureza e características. Busca conhecer as diversas situações e relações que ocorrem na vida social, política, econômica e demais aspectos do comportamento humano, tanto do indivíduo tomado isoladamente como de grupo e comunidades mais complexas. A pesquisa descritiva desenvolve-se, principalmente, nas Ciências Humanas e Sociais, abordando aqueles dados e problemas que merecem ser estudados e cujo registro não consta de documentos. A pesquisa descritiva pode assumir diversas formas, entre as quais se destacam: a) Estudos exploratórios O estudo exploratório, designado por alguns autores como pesquisa quase científica ou não científica é, normalmente, o passo inicial no processo de pesquisa pela experiência e auxílio que traz na formulação de hipóteses significativas para posteriores pesquisas. A pesquisa exploratória realiza descrições precisas da situação e quer descobrir as relações existentes entre os elementos componentes da mesma. Essa pesquisa requer um planejamento bastante flexível para possibilitar a consideração dos mais diversos aspectos de um problema ou de uma situação. É recomendável o estudo exploratório quando há poucos conhecimentos sobre o problema a ser estudado. b) Estudos descritivos Trata-se do estudo e da descrição das características, propriedades ou relações existentes na comunidade, grupo ou realidade pesquisada. Os estudos descritivos, assim como os exploratórios, favorecem, numa pesquisa mais ampla e completa, as tarefas da formulação clara do problema e da hipótese com tentativa de solução. c) Pesquisa de opinião Procura saber atitudes, pontos-de-vista e preferências que as pessoas têm a respeito de algum assunto, com o objetivo de tomar decisões. A pesquisa de opinião abrange uma faixa muito grande de investigações que visam identificar falhas ou erros, descrever procedimentos, descobrir tendências, reconhecer interesses e outros comportamentos. d) Pesquisa de motivação Busca saber as razões inconscientes e ocultas que levam, por exemplo, o consumidor a utilizar determinado produto ou que determinam certos comportamentos ou atitudes. e) Estudo de caso É a pesquisa sobre um determinado indivíduo, família, grupo ou comunidade para examinar aspectos variados de sua vida. f) Pesquisa documental São investigados documentos a fim de se poder descrever e comparar usos e costumes, tendências, diferenças e outras características. Estuda a realidade presente e não o passado, como ocorre com a pesquisa histórica. Em síntese, a pesquisa descritiva, em suas diversas formas, trabalha sobre dados ou fatos colhidos da própria realidade. A pesquisa experimental caracteriza-se por manipular diretamente as variáveis relacionadas com o objeto de estudo. Nesse tipo de pesquisa, a manipulação das variáveis proporciona o estudo da relação entre causas e efeitos de um determinado fenômeno. Através da criação de situações de controle, procura-se evitar a interferência de variáveis intervenientes. Interfere-se diretamente na realidade, manipulando-se a variável independente a fim de observar o que acontece com a dependente. Enquanto a pesquisa descritiva procura classificar, explicar e interpretar os fenômenos que ocorrem; a pesquisa experimental pretende dizer de que modo ou por que causas o fenômeno é produzido. Fonte - Cervo e Bervian (2006, p. 49).

18 14 ANEXO D Técnicas de coleta de dados ENTREVISTA: Sua essência é a palavra e a interação; Opções: com gravador ou anotação direta; Diretiva ou não diretiva; individual ou em grupo; Seu alvo são as comunicações verbais e não verbais; Passos: apresentação; garantia do anonimato; aquecimento e entrevista; Cuidados: respeito, marcar com antecedência, retornar com o texto. Modalidades: estruturada (com base num roteiro prédeterminado); semiestruturada (com roteiro, mas com flexibilização) e aberta (roteiro com temas para a conversa); Instrumento guia: roteiro de entrevista. QUESTIONÁRIO: O pesquisador elabora o instrumento com uma apresentação, as questões sobre os dados pessoais e as questões específicas; Entrega ao informante e marca a data para o recolhimento. Poderá ter questões abertas, fechadas e/ou mistas. ANÁLISE DOCUMENTAL: Com base em um roteiro consultam-se documentos (atas, relatórios, planos, etc) a fim de identificar categorias nos conteúdos dos registros. Fonte: Teixeira (2005) OBSERVAÇÃO SIMPLES Deve definir a duração e o roteiro do que observar. Os conteúdos a serem anotados são: as descrições e as reflexões do observador. O registro deve ser o mais próximo do momento da observação. Usar um diário. OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE Há o face a face entre o pesquisador e a realidade. Há a modificação do pesquisador e dos pesquisados. O pesquisador não fica passivo e deve se dispor a viver/conviver no contexto observado e estar aberto à realidade. Tem vários níveis: participante total, participanteobservador e observador-participante. HISTÓRIA DE VIDA Uma pessoa conta sua vida e suas vivências. O pesquisador busca as correntes e margens como as de um rio vivo, em movimento; pode ser completa ou tópica. FORMULÁRIO O pesquisador elabora o instrumento com as questões dos dados pessoais e ele mesmo o aplica verbalmente. Cabe ao pesquisador o preenchimento. FOTOS E FILMAGENS Podem completar outras técnicas com o registro de locais, condições físicas e ambientais, pessoas, materiais, etc.

19 15 ANEXO E - Tipos de pesquisa segundo características definidoras Características Tipos de pesquisa a - abordagem quantitativa: nas situações que exigem um estudo exploratório para um conhecimento mais profundo do problema ou objeto da pesquisa; quando se necessita um diagnóstico inicial da situação e, principalmente nos estudos experimentais; nos estudos que preveem análise ocupacional, análise de desempenho, situação de auditoria, relações de Quanto à abordagem causa e efeito, índices e outros mais dados objetivos da realidade. b abordagem qualitativa: quando a evidência qualitativa substitui a informação estatística sobre épocas passadas; na captação de dados psicológicos; como indicadores do funcionamento complexo de estruturas e organizações: quando se destinam mais a descoberta de novos rumos e luzes. a pesquisa básica: a meta é o saber, satisfazer uma necessidade intelectual, sem produzir necessariamente resultados de utilidade prática. b pesquisa aplicada: há a necessidade de resolver ou contribuir com os problemas práticos mais ou menos imediatos. c avaliação de resultados: há necessidade de gerar soluções potenciais para os Quanto ao nível de problemas humanos. investigação d avaliação formativa: a finalidade é melhorar um programa ou plano; acompanhar sua implementação. e proposição de planos: tem o propósito de apresentar soluções para problemas já diagnosticados. Pode ou não incluir a implementação do plano. f pesquisa-diagnóstico: seu intuito é explorar o ambiente; levantar e definir problemas. a exploratória: visa aumentar a experiência em torno de um determinado problema. b descritiva: visa descrever as características conhecidas ou componentes de fato, fenômeno ou representação (estudo de caso, estudo etnográfico ou do cotidiano escolar). Quanto aos objetivos c explicativa: visa criar uma teoria aceitável a respeito de um fato, fenômeno. d prospectiva: visa acompanhar eventos por um período determinado no futuro. e retrospectiva: visa buscar informações de eventos já acontecidos no passado. a experimentais: o pesquisador intervém de maneira ativa para obter os dados, controla algumas variáveis em uma amostra aleatória, introduz um tratamento, ou seja, um fenômeno da realidade é produzido de forma controlada, com o objetivo de descobrir os fatos que o produzem, ou que por eles são produzidos. b quase-experimental: o pesquisador intervém de maneira ativa para obter os dados, mas não controla variáveis e a amostra pode não ser aleatória. c não-experimental: o pesquisador não intervém de maneira ativa para obter os dados. ex-post-facto: os dados de fato ou fenômenos ocorridos no passado. estudo de caso: os dados serão construídos sobre o mundo cotidiano e natural dos indivíduos. pesquisa de opinião: os dados serão constituídos sobre atitudes, pontos de vistas e preferências que as pessoas têm a respeito de algum assunto, com o intuito geralmente de se tomar decisões sobre o mesmo. Quanto aos pesquisa participante: os dados serão construídos sobre o mundo cotidiano e natural dos procedimentos de indivíduos com a participação do pesquisador na situação, inclusive intervindo, mudando, coleta de dados propondo. pesquisa-ação: os dados serão construídos sobre o mundo cotidiano e natural dos indivíduos, em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo, em que pesquisadores e pesquisados estão envolvidos, com vistas à autonomia e emancipação. pesquisa documental: os dados serão construídos com base em informações/documentos do presente que ainda não receberam organização, tratamento analítico e publicação. pesquisa histórica: os dados serão construídos com base em informações/fontes do passado (fontes primárias: relatos, objetos, utensílios, documentos, etc, sobre o fato; fontes secundárias: relatos e escritos sobre o fato com base no que ouviram ou viram testemunhas do fato). pesquisa metodológica: pesquisa sobre métodos de pesquisa, de coleta, de análise de dados, etc. a pesquisa de campo: as fontes foram encontradas em cenários naturais. Quanto às fontes de b pesquisa de laboratório: as fontes foram encontradas em ambientes artificiais. informação c pesquisa bibliográfica: as fontes são bibliográficas, encontradas em arquivos, internet, etc. Fonte: Teixeira (2005)

20 16 ANEXO F Apresentação gráfica de trabalhos acadêmicos (NBR 14724/2005) PAPEL - o texto da monografia deverá ser apresentado em papel A4, digitado na cor preta (exceção para as ilustrações) e impresso em um só lado (exceção para a ficha catalográfica); FONTE - utilizar a fonte times new roman ou arial, tamanho 12 para o texto, 10 para as citações longas (mais de três linhas), notas de rodapé e para as legendas das ilustrações. PARÁGRAFO - recuo de 2 cm à margem esquerda; nas citações longas (mais de três linhas), usar recuo de 4 cm à margem esquerda. ESPACEJAMENTO - todo o texto deve ser digitado em espaço 1,5. As citações longas (mais de três linhas), as notas de rodapé, as referências, as legendas das ilustrações e tabelas, a ficha catalográfica, o objetivo do trabalho devem ser digitados em espaço simples. MARGENS Esquerda e superior 3 cm Direita e inferior 2 cm INDICATIVO DE SEÇÃO - é separado do seu título por um espaço de caractere. Todos os títulos sem indicativo numérico (errata, agradecimento, lista de ilustrações, abreviaturas, siglas e símbolos; resumos; sumário, referências, glossário, apêndices, anexos e índices) devem ser centralizados. SIGLAS - quando aparecem pela primeira vez no texto, deve-se colocar o nome completo seguido da sigla. Exemplo: Faculdade de Imperatriz (FACIMP) PAGINAÇÃO Todas as folhas do trabalho são contadas de forma sequencial, a partir da folha de rosto, mas a numeração é iniciada na primeira folha da parte textual (Introdução). A indicação da página é feita em algarismos arábicos, no canto superior da folha, a 2 cm da borda direita da folha. ILUSTRAÇÕES As ilustrações (gráfico, plantas, quadros, fluxogramas e outros) contidas no trabalho são identificadas na parte inferior, com seu respectivo título e número de ordem. TABELAS - são identificadas na parte superior; com seu respectivo título (centralizado) e número de ordem.

21 17 Indicativo de seção e título separado por um espaço de caracteres Margem inferior e direita com 2 cm Margem esquerda e superior com 3 cm Número da página no canto superior da folha a 2cm da borda direita com fonte A PESQUISA DISCENTE COMO ATO EDUCATIVO Espaço 1,5 para o texto Parágrafo com recuo de 2cm Recuo de 4cm, espaço simples e fonte 10 para citações longas 2 espaços 1,5 entre as subseções e o texto Nota de rodapé alinhada à margem esquerda, Fonte 10, espaço simples As profundas mudanças decorrentes das transformações econômicas, a necessidade da população por educação e informação de qualidade, o avanço das tecnologias de informação e comunicação, a responsabilidade do Estado com as políticas públicas, o mercado de trabalho cada vez mais competitivo têm exigido das Instituições de Ensino Superior revisitarem suas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Nesse novo cenário, a educação, em especial a superior, possui uma relevância maior do que tinha em outras épocas, como integrar, de modo concreto e sistemático, o ensino de graduação e o ensino/pesquisa da pós-graduação e, principalmente, (re) significar o seu papel e sua influência na produção PARTE III /disseminação do conhecimento científico. Este aluno-pesquisador, assim orientado, ao concluir sua vivência universitária não procurará obter respostas para os problemas - base de qualquer investigação - que enfrentará no REFERÊNCIAS cotidiano profissional sem recorrer aos procedimentos e metodologias de pesquisa. Assegura-se assim a necessidade da educação continuada - formal e informal - que é um dos meios mais adequados para garantir a relação mercado de trabalho, competência e sociedade. (CASTRO, 2000, p. 5). 2.1 Produção discente no Curso de Biblioteconomia na UFMA A monografia de conclusão da graduação do Curso de Biblioteconomia na UFMA, como anteriormente evidenciado, tornou-se atividade obrigatória a partir de Através da tabela A, podemos verificar que a maior incidência de trabalhos defendidos ocorreu na segunda metade dos anos 90, notadamente. Esse resultado deu-se em função da política da Coordenação do Curso, através da Coordenação de Monografia, que desenvolve um trabalho sistemático de acompanhamento das atividades de pesquisa junto aos orientadores e orientandos e realização de oficinas de pesquisa para os alunos em fase de conclusão de curso 1 Em 1997, 1998 e 1999, com 14,4%, 9,3% e 9,0% respectivamente.

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Segundo a NBR 15287:2011

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

MODELO PRÉ-PROJETO TCC 2012

MODELO PRÉ-PROJETO TCC 2012 MODELO PRÉ-PROJETO TCC 2012 1 2 1.4 FORMATO 1.4.1 Espacejamento Papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm), impressões com tinta preta (com exceção das ilustrações) e o texto deve ser digitado no anverso.

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PIM IV Projeto Integrado Multidisciplinar

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PIM IV Projeto Integrado Multidisciplinar SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PIM IV Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre na estratégia

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO)

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 2 cm (arial / times roman 12 ) TIRAR NUMERAÇÃO PARA IMPRESSAO CAPA CIDADE/ESTADO 2 c m ANO (NOME) TÍTULO DO PROJETO) (arial / times roman

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es) 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO (SE HOUVE) LOCAL Ano 2 Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

A PESQUISA NA EDUCAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

A PESQUISA NA EDUCAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ORIENTAÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO LÓGICA E FORMAL DA PESQUISA A PESQUISA NA EDUCAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM A Faculdade La Salle foca suas atividades acadêmicas na aprendizagem, busca

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Profa. Dra. Alessandra de Linhares Jacobsen (CAD/UFSC)

DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Profa. Dra. Alessandra de Linhares Jacobsen (CAD/UFSC) INPEAU/UFSC Instituto de Gestão Liderança Universitária, da Organização Universitária Interamericana, do Canadá. DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Profa. Dra. Alessandra de Linhares Jacobsen (CAD/UFSC) OBJETIVOS

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA

METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA 1 METODOLOGIA CIENTÍFICA ELABORANDO PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA 2 Abordagem Sistêmica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Metodologia do Trabalho Acadêmico MTA Professora: Jéssica Fagá Viégas

Metodologia do Trabalho Acadêmico MTA Professora: Jéssica Fagá Viégas ESTRUTURA QUE COMPÕE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA Projeto de pesquisa: um conjunto de ações determinadas para o propósito de se investigar, analisar e CRITICAMENTE avaliar determinada questão ou problema

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA RIO DE JANEIRO MÊS - ANO NOME DO AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao orientador

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Identificar, analisar e propor melhorias nos sistemas de informação corporativos, utilizando

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PIM V Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU DISCIPLINA DE MONOGRAFIA JURÍDICA

FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU DISCIPLINA DE MONOGRAFIA JURÍDICA FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU DISCIPLINA DE MONOGRAFIA JURÍDICA Texto de Apoio Instrucional Nº. 1 PROJETO DE PESQUISA NA ÁREA JURÍDICA: UM ROTEIRO BÁSICO Bauru 2009 FIB MJ O Projeto de Pesquisa: Orientações

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É essencial o uso de normas técnicas para uma boa apresentação e compreensão da leitura de um trabalho acadêmico-científico.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS Procedimentos para utilização na disciplina de Prática Profissional I Este documento é parte integrante das Normas Técnicas para Elaboração de Trabalhos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTIFÍCA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTIFÍCA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTIFÍCA «21. Constituem-se de iniciação científica, fomentadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), concedidas

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT ESCOLA E FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT SÃO CARLOS 2010 MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS:

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.)

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) Colaboração: Dirlhê Maria Lima Pereira Bibliotecária FUPAC Itabirito ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA BARBACENA SUMÁRIO 1 PROJETO DE PESQUISA...2 1.1 Capa...2 1.2

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Araranguá MÊS /ANO 2 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO...3 2- OBJETIVOS...4 3- JUSTIFICATIVA...5 4- REVISÃO TEÓRICA...6 5- METODOLOGIA...7 6- CRONOGRAMA...8 7- BIBLIOGRAFIA...9

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

REGRAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO/FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS. Prof. Dr. Luiz Carlos dos Santos

REGRAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO/FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS. Prof. Dr. Luiz Carlos dos Santos REGRAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO/FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Todo trabalho acadêmico deve ser elaborado segundo parâmetros determinados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. Assim,

Leia mais

Manual TCC Administração

Manual TCC Administração 1 Manual TCC Administração 2013 2 Faculdade Marista Diretor Geral Ir. Ailton dos Santos Arruda Diretora Administrativo-Financeiro Sra. Rafaella Nóbrega Coordenador do Curso de Administração e Gestão de

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Estrutura formal do relatório Estrutura Elemento Capa Folha de Rosto Pré-textuais Folha de Identificação Sumário 1. Introdução Textuais 2. Atividades

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos.

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos. 1 Manual de TCC O Trabalho de Conclusão de Curso, como o próprio nome indica, deve ser apresentado pelos alunos no final do curso de graduação. Trata-se de um estudo sobre um tema específico ligado a área

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS JUINA/MT JULHO/2009 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa)

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa) METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa) APRESENTAÇÃO Os cursos de especialização do país têm adotado, como exigência para conclusão

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA A ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA A ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA A ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Este texto trata a respeito das Normas da ABNT e do Manual do Unisal com a finalidade de orientar os alunos sobre as regras básicas para a publicação

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

MARKETING PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar

MARKETING PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar MARKETING PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Estruturação de estratégias para o mix de marketing a partir do estudo do comportamento do consumidor, utilizando

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar

COMÉRCIO EXTERIOR PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar COMÉRCIO EXTERIOR PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca dos meios de transportes e seguros no comércio exterior, apontando suas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE 1 INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTRUÇÕES GERAIS: papel branco A4, fonte Arial tamanho 12, com espaçamento de 1,5 cm entre as linhas,

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

O projeto de pesquisa e seus componentes

O projeto de pesquisa e seus componentes O projeto de pesquisa e seus componentes Leitura: Pesquisa científica componentes de um projeto de pesquisa Bibliografia: Livros de metodologia científica Sugestões :Vergara; Lakatos e Gil. Além disso,

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá:

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: Tópico 7 Planejamento e Projetos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: - ser capaz de elaborar e orientar projetos de serviços e projetos de pesquisa; - ter adquirido conhecimentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA Atenção! Os

Leia mais

NORMAS INTERNAS PARA ELABORAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS INTERNAS PARA ELABORAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES E TESES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS NORMAS INTERNAS PARA ELABORAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES E TESES Material de apoio para elaboração padronizada

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO SISTEMA DE BIBLIOTECAS Dr. JALMAR BOWDEN PROJETO DE PESQUISA NOEME VIANA TIMBÓ

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO SISTEMA DE BIBLIOTECAS Dr. JALMAR BOWDEN PROJETO DE PESQUISA NOEME VIANA TIMBÓ UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO SISTEMA DE BIBLIOTECAS Dr. JALMAR BOWDEN PROJETO DE PESQUISA NOEME VIANA TIMBÓ MANUAL PARA PROJETO DE PESQUISA: SEGUNDO ABNT NBR 15287 AGOSTO DE 2002 SÃO BERNARDO DO

Leia mais

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) 1 Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Gepós Unidade de Gestão de Pós Graduação Como requisito obrigatório para a obtenção do certificado de pós-graduação, o TCC deve ser desenvolvido

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Finalidade de um Artigo Científico Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. Servir de medida da produtividade

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO O Curso Técnico em Segurança do Trabalho estabelece em seu Plano Pedagógico de Curso a realização do Estágio Curricular

Leia mais