Acolhimento de enfermagem em urgência e emergência a. paciente psiquiátrico: acolher para não escolher

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acolhimento de enfermagem em urgência e emergência a. paciente psiquiátrico: acolher para não escolher"

Transcrição

1 FACULDADE REDENTOR DEPARTAMENTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Acolhimento de enfermagem em urgência e emergência a paciente psiquiátrico: acolher para não escolher Autora: Rosimére Vantine de Souza Três Rios, RJ 2012

2 FACULDADE REDENTOR DEPARTAMENTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Acolhimento de enfermagem em urgência e emergência a paciente psiquiátrico: acolher para não escolher Artigo apresentado ao Curso de Pósgraduação em Enfermagem em Urgência e Emergência como requisito à obtenção do título de especialista em Enfermeiro em Urgência e Emergência. Aluna: Rosimére Vantine de Souza Orientador: Prof. Msc. Fabiano Júlio Silva Três Rios, RJ 2012

3 FOLHA DE APROVAÇÃO Acolhimento de enfermagem em urgência e emergência a paciente psiquiátrico: acolher para não escolher Aluna: Rosimére Vantine de Souza Orientador: Prof. Msc. Fabiano Júlio Silva Banca Examinadora: Profª. Msc. Ivanete da Rosa Silva de Oliveira Prof. Msc. Fabiano Júlio Silva

4 Dedico este trabalho a todos que sempre me fizeram acreditar na realização dos meus sonhos e o fizeram tornar realidade. Aos meus amigos, familiares e companheiros de trabalho que fizeram acreditar que vale a pena trabalhar em prol do bem maior que é a vida.

5 AGRADECIMENTO Registro meus agradecimentos a todos os que compartilharam o trilhar de mais esse caminho percorrido, contribuindo, direta e indiretamente, para que eu realizasse esta pesquisa, auxiliando-me e dando-me forças nos momentos em que mais precisei. Minha gratidão, em primeiro lugar, a Deus, por estar comigo em todos os momentos e iluminando-me, sendo meu refúgio e fortaleza nos momentos mais difíceis. A ele, minha eterna gratidão. Agradeço, especialmente, aos amigos pelo apoio para que eu concretizasse essa pesquisa. Aos professores, minha orientadora, que me possibilitou aprendizagens únicas, por meio do grande incentivo e orientação que me foram concedidos durante essa jornada. Aos colegas, por tudo o que com eles aprendi e por partilharem a construção do meu estudo. Em especial, às amigas Sirlene, Micheli: valeram os momentos de conversas, discussões e distrações.

6 Acolhimento de enfermagem em urgência e emergência a paciente psiquiátrico: acolher para não escolher Rosimére Vantine de Souza 1 Prof. Msc. Fabiano Júlio Silva 2 RESUMO O esboço apresenta a real importância do entendimento para o acréscimo do relacionamento interpessoal enfermeiro com cliente. A enfermagem é avaliada como a arte de cuidar. Neste sentido, a empatia habilidade essencial do cuidar, constitui-se um artefato fundamental do tratamento dispensado ao cliente. O objetivo desse estudo é analisar o relacionamento interpessoal do enfermeiro no ambiente de trabalho desenvolvido em clínicas psiquiátricas. O conhecimento científico e a habilidade técnica do profissional enfermeiro são importantes, mas de pouco adiantará se este mesmo profissional não apresentar um bom relacionamento interpessoal, for empático e assertivo. A metodologia utilizada em uma revisão bibliográfica, que teve como aporte central a teoria das relações interpessoais proposta por HildegardPeplau (1993), cujos dados e informações foram obtidos em livros e artigos científicos publicados em revistas da área e consultados em bibliotecas e via Internet. Conclui-se que é necessário que a enfermagem encontre o equilíbrio entre o conhecimento científico e a prática de comportamento humanístico. Unitermos: Comunicação. Cuidados de Enfermagem. RelaçõesInterpessoais. ABSTRACT The study presents the real importance of the communication for the development of the interpersonal relationship nurse with customer. The nursing is appraised as the art to take care of. In this direction, the essential empathic ability of taking care is a basic component of the treatment excused to the customer. The objective of this study is to analyze the interpersonal relationship of the nurse in the environment of work developed in psychiatric clinics. The scientific knowledge and the ability technique of the professional nurse are important, but of little it will advance if this exactly professional not to present a good interpersonal relationship, will be empathic and assertive. The methodology used in a bibliographical revision, that had as the theory of the interpersonal relations arrives in port central proposal for Hildegard Peplau (1993), whose given and information books and published in magazines of the area and consulted scientific articles in libraries had been gotten in and saw Internet. One concludes that it is necessary that the nursing finds the balance between the scientific knowledge and the practical one of humanistic behavior. Unitermos: Communication. Cares of Nursing. Interpersonal Relations. 1 Graduado em Enfermagem (UCB), pós-graduanda em Urgência e Emergência (FACREDENTOR). 2 Graduado em Enfermagem (UBM), Especialista em Cuidados Intensivos Adulto e Idoso(UFF) e Mestre em Enfermagem(UFRJ)

7 1. INTRODUÇÃO A reforma psiquiátrica aprovada em abril de 2001 mediante a promulgação da Lei Federal de Saúde Mental, nº , dispõe sobre a regulamentação do processo de Reforma Psiquiátrica no Brasil. Como principal fundamento dessa carta legal está as premissas da necessidade de modificação do sistema de tratamento clínico da doença mental, eliminando gradualmente a internação, enquanto forma de exclusão social. Esse modelo excludente seria substituído por uma rede de serviços territoriais de atenção psicossocial, visando à integração da pessoa que sofre de transtornos mentais à comunidade. Nesse sentido, devido à ampliação da demanda dos clientes com comprometimentos psiquiátricos para os Centros de Apoio Psicossocial (CAPS) e as Casas de Apoio transitório (CATI), os enfermeiros que atuam com este segmento da população se deparam com dificuldades inter-relacionais que acarretam prejuízos na qualidade da assistência prestada. Assim, o objetivo desse estudo é analisar os pressupostos que dão suporte ao relacionamento interpessoal do enfermeiro no ambiente de trabalho quando estão atuando com clientes psiquiátricos. O interesse no estudo surgiu durante uma visita a uma clinica psiquiátrica, na qual foi observado que a relação interpessoal do enfermeiro com cliente psiquiátrico é essencial para que se possa criar um vínculo, entre o profissional e o cliente, de modo que exista confiança entre ambos. Daí a importância de abordar esse tema, visando qualificar a assistência prestada a essa clientela, promovendo uma melhor recuperação e inserindo esse individuo na sociedade. Este estudo torna-se relevante de modo a buscar estratégias que possam qualificar a relação do enfermeiro com cliente psiquiátrico, pois esta é primordial no tratamento prestado. O objeto deste estudo é aprofundar o conhecimento sobre o relacionamento enfermeiro/cliente, por entender que o entrosamento entre os indivíduos é de suma importância para que se possa viver em harmonia consigo mesmo e com os outros. Nesse sentido, questiona-se sobre quais os procedimentos que são adotados pelos enfermeiros estão fazendo para proteger e respeitar a individualidade dos clientes?

8 Esse compromisso com o mundo deve primeiramente ser então humanizado para poder fazer a humanização dos homens, isto é ter responsabilidade. Essa é também uma questão ética, de ser responsável com o ser humano, com a vida, com o mundo e com a história, para haver a melhoria da condição geral de vida de toda uma população, na construção da cidadania e recuperação da dignidade de todos (BRASIL, 1992). Segundo Antunes (1997), para oferecer uma assistência de qualidade, o enfermeiro que atua no ambiente de trabalho, deve ajudar o paciente a promover o desenvolvimento da autonomia, da liberdade, da autoestima, que necessita de ajuda para essa transformação, para que ele consiga sentir-se útil e capaz, participar de seu processo de vida e tratamento sendo um agente ativo nesse processo. Só assim poderemos considerar que realmente a relação enfermeiro-paciente será efetiva, quando houver construção longe de submissão e passividade, em uma interação de respeito, dialógica, com segurança e responsabilidade. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1. Inclusão do Enfermeiro com Cliente Psiquiátrico/Família De acordo com Antunes (1997), relação interpessoal entende-se como conjunto de métodos que facilitando a comunicação e as linguagens, estabelece laços sólidos nas relações humanas. Ao obter uma relação interpessoal com cliente o enfermeiro irá conversar com ele e através deste diálogo, procurar compreender suas necessidades. Esse procedimento o ajudará a enfrentar a situação da doença. Portanto, Peplau (1993), afirma que a relação enfermeiro-cliente é a base sobre a qual se estabelece a assistência que promove o aprendizado tanto do profissional quanto do paciente. Vale ressaltar que para que haja qualidade na relação interpessoal é preciso que exista uma interação entre duas ou mais pessoas e sobre a forma como cada um vê o outro. É a partir deste vínculo que o enfermeiro ajudará o cliente a resgatar sua cidadania, dando o apoio para que ele possa se sentir útil perante a sociedade. Cabe aos serviços de saúde mental proporcionar atividades de lazer aos usuários, familiares e outras pessoas, para que compartilhem de novos espaços sociais, onde possam fluir relações afetivas e para que a sociedade aprenda a conviver com a diferença.

9 2.2. Teoria das Relações Interpessoais de HildegardPeplau Peplau (1993) afirma que de modo geral as concepções de enfermagem têm utilizado teorias lançadas fora do âmbito de enfermagem, estão: a teoria de sistemas, da tensão e adaptação, do crescimento do desenvolvimento e do ritmo. Contudo, o foco deste artigo é a Teoria das Relações Interpessoais criada por Peplau em Em sua teoria centrada no relacionamento interpessoal, afirma o quanto é importante o reconhecimento e à compreensão do que pode acontecer quando o enfermeiro estabelece relações interpessoais. Nela, a autora considera a enfermagem como um processo interpessoal significativo que funciona em cooperação com outros processos humanos a fim de tornar a saúde acessível aos indivíduos e à sociedade. Como em geral acontece com os escritores, foi fortemente influenciada pelas questões debatidas em sua época e, como ela própria reconhece no prefácio de sua obra, o que escreveu refletem, em alguma medida, as tendências dominantes e os problemas dos quais a enfermeira se ocupava no início dos anos 50 do Século XX (PEPLAU, 1993). Uma das tais questões referia-se a compreensão do que seria a enfermagem como um processo interpessoal. Por meio do qual enfermeira e paciente podem obter crescimento e desenvolvimento pessoais. Em princípio, Peplau (1993), baseou-se em duas hipóteses: a personalidade do enfermeiro marca uma diferença substancial no nível daquilo que um paciente pode aprender durante a experiência de sua doença; uma das funções da enfermagem e de seu ensino é contribuir para o desenvolvimento da personalidade, tanto do enfermo como do enfermeiro. Para ela, ser enfermeiro requer um grande amadurecimento, lucidez e capacidade de análise e de autoanálise. Obviamente, os elementos fundamentais da prática da enfermagem são os pacientes, a enfermeira e os acontecimentos que envolvem ambos durante uma situação de cuidado. Eis, portanto, a importância fundamental de Peplau (1993), ao tentar profissionalizar o que é a enfermagem, de certa forma já realiza quando interage com o paciente, embora o faça na grande maioria das vezes, de forma intuitiva Assistência de enfermagem

10 A assistência de enfermagem não está voltada somente para a recuperação do doente psiquiátrico, mas, especialmente, pela conquista de sua independência e reinserção na sociedade. Essa assistência englobam rotinas hospitalares, incluindo alimentação, banho, medicação entre outros. Não obstante a recuperação do cliente ultrapassa a assistência relacionada à alimentação e medicação, pois independente da doença crônica, o cliente psiquiátrico é um ser que necessita de ajuda multiprofissional para a sua reabilitação psicossocial. Segundo Boselli (1992) o ministério de saúde promoveu mudanças na assistência oferecida pelos hospitais, dentre estas inclui o estabelecimento de programas para os pacientes crônicos, visando recuperar a autoestima, independência do paciente para o autocuidado, melhor relacionamento interpessoal e diminuição das readmissões hospitalares. O cuidar do doente mental crônico é um trabalho difícil, devido às peculiaridades apresentadas pelo próprio crônico, pela instituição e equipe multiprofissional, mas é um trabalho bem gratificante, porque o retorno, a valorização a importância ao cuidado e dada pelo paciente, que recompensa o enfermeiro com afeto, com a percepção e solicitação de sua presença junto dele, dando-lhe suporte para enfrentar o mundo do hospital. Porém o cuidar não depende só da relação enfermeiro-cliente, mas também da relação enfermeiro-paciente-administração hospitalar e equipe multidisciplinar. Ferraz (1998), diz que o enfermeiro deve prestar um cuidado autêntico aos clientes, pois desta forma este será voltado para a existência do outro e não para a visão do outro como objeto qualquer. Entretanto, o cuidado de enfermagem que é prestado a esse cliente é pautado por uma inautenticidade, ou seja, seu cuidado segue as normas da instituição e não do individuo enquanto ser a ser cuidado. Para que haja um cuidado autêntico por parte do enfermeiro, não e necessário que esse modifique a estrutura social da instituição, mas atue de forma humanitária, onde haverá proximidade e conhecimento de si, antes de uma proximidade com o outro. O cuidar autêntico se da quando o enfermeiro percebe o doente como alguém que existe em seu modo peculiar de existência, a partir da percepção de si mesmo enquanto ser cuidador e agente transformador da realidade. Por conseguinte Ferraz (1998) relata que os profissionais de saúde devem repensar sobre suas funções, procurando melhorar a maneira de assistir ao individuo, no qual será necessária perseverança, interesse, conhecimentos científicos, ética e compromisso profissional por parte dos profissionais de saúde para que essa assistência se desenvolva atendendo, de fato a pessoa que sofre.

11 2.4. Pertinências e características do perfil de atuação do enfermeiro com clientes psiquiátricos O Enfermeiro que atua com clientes psiquiátricos, para desenvolver com eficiência a sua assistência, devera ter um perfil que agregue as seguintes características: paciência, honestidade, confiança, humanidade Paciência Para ser paciente com o outro, o profissional deve aprender a ser paciente consigo mesmo e também ser capaz de se cuidar. Assim, seguindo Lautert (1997), essa característica consiste em permitir ao outro que cresça em seu ritmo e de sua própria maneira. Não se trata de uma espera passiva, mas participativa, uma presença, na qual nos colocamos por inteiro. Mas, ao mesmo tempo, é preciso dar ao outro, o espaço para pensar e sentir, ampliando dessa maneira, o sentido de sua vida Honestidade A honestidade no cuidado com o outro é uma característica positiva que está além da postura de não mentir ou depreciar outros. Significa confrontar ativamente, ser franco e aberto. É enxergar o outro como ele e não como gostaria que fosse e tampouco como deveria ser. Segundo Silva (2000), consiste também em colocar exatamente a autenticidade profissional é como pré-condição necessária para poder estar inteiramente para o outro. Isto seria impossível se a preocupação girasse em torno de como o outro sem semelhante julga. Admitir as possibilidades de erro e aprender com eles, se ser genuíno no cuidar, implica na coerência entre o que se fala e faz, e entre o que se fala e sente Confiança O cuidado ao cliente psiquiátrico envolve confiar na capacidade do outro de crescer em seu próprio ritmo e de sua maneira própria. Significa torná-lo independente, com liberdade e autonomia. A dependência mórbida é incompatível

12 com a confiança. Implica deixar experimentar o desconhecido, apesar dos seus perigos. É preciso também confiar na capacidade do profissional de cuidar e ser capaz de cuidar. A preocupação contínua com as ações corretas, indica a falta de auto confiança deixa o profissional indiferentes às necessidades do outro (LITTLEJOHN, 1992) Humildade O cuidar envolve a aprendizagem contínua sobre o outro. O homem que cuida é genuinamente humilde e está sempre disposto a aprender mais sobre o cuidado e sobre si mesmo, incluindo aprender através da pessoa cuidada. Nenhuma fonte de aprendizagem é desperdiçada, nem mesmo os seus próprios erros. A atitude de não ter mais nada a aprender é incompatível com o cuidar. Assim, o homem consegue um novo olhar sobre as suas experiências anteriores e consegue adaptar os princípios à cada nova situação, evitando a repetição mecânica dos princípios (RODRIGUES, 1999).

13 1. CONCLUSÃO Partindo do princípio de que a relação de cuidar é antes de tudo, uma relação interpessoal que se estabelece entre o agente cuidador e a pessoa cuidada, não há como negar que o profissional imprima a sua marca pessoal nesta relação. Devemos considerar que esta possibilidade de expressão pessoal na relação de cuidar é a manifestação de autonomia do profissional e deve merecer da instituição, o cuidado para assegurar a sua livre expressão, bem como de preservá-la. No entanto, a responsabilidade da instituição não está em apenas apoiar as manifestações individuais dos profissionais, como também, em estabelecer a filosofia de atendimento e de cuidado com seus profissionais de modo a assegurar a cadeia da real qualidade do cuidado. A necessidade de captar o que acontece na relação profissional de enfermagem-paciente tem como intenção à tentativa de diminuir a distância entre a teoria e a prática e, consequentemente, promover transformações. Entender um pouco mais sobre o perfil do enfermeiro e contribuir com este ramo do saber da enfermagem, constituíram à pretensão deste trabalho. Esta preocupação estava perpassada pela inquietação frente à situação adversa do indivíduo em sofrimento, sendo que, nesse momento, esta inquietação é amenizada um pouco a partir de uma maior compreensão do que determina aquela situação adversa que esta além da técnica profissional. No entanto, continuamos defendendo que a dignidade, a humanidade deve ser preservada ou devolvida a estes indivíduos, com comprometimentos psiquiátricos. Sendo nosso empenho em aprender para poder ensinar e realizar, baseado na visão de que: o conhecimento só se torna saber quando é partilhado.

14 2. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBERTI, Sonia e... Loucos pele vida a tragetoria psiquiatrica no Brasil. Rio de Janeiro. AMARANTE, P.D. de C, Psiquiatria sociale reforma psiquiatrica. Rio de Janeiro. ANTUNES, A V. O gerenciamento da qualidade na enfermagem. Tese de Doutorado- Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto: BASAGLIA, Franco. Escritos selecionados em saúde mental e reforma psiquiátrica. RJ, Garamond, BOSELLI, LRV. Uma porta ainda nos separa do mundo - a inserção de uma enfermaria psiquiátrica no âmbito de um hospital geral. [dissertação]. São Paulo (SP): Pontifícia Universidade Católica; BRASIL, Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas para pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução CNS 196/196. Brasília: DELGADO, Pedro G. G. Reforma Psiquiátrica e Cidadania: o Debate Legislativo. Saúde em Debate, n. 35, p , julho DESVIAT, Manuel. A reforma psiquiátrica. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Fiocruz, FERRAZ, R. B. (2007). Felicidade uma revisão. Revista de Psiquiatria Clínica, 34(5), LAUTERT, L. (1997b). O desgaste profissional: Estudo empírico com enfermeiras que trabalham em hospitais. Revista Gaúcha Enfermagem, 1997, 18, 2, LITTLEJOHN, S.W. Fundamentos teóricos da comunicação humana. Rio de Janeiro: Zahar, PEPLAU, H. E. Relaciones interpesonaes em Enfermeira - um marco de referencia conceptual para l enfermeira psicodinâmica. Barcelona: Masson-Salvat,

15 RODRIGUES, A.R.F. Relações interpessoais terapêuticas na enfermagem. Ribeirão Preto: Scala, RODRIGUEZ, J. M. Guias Práticos de Enfermagem - Emergências. 1 ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill Interamericana do Brasil SILVA, M. J. P. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoal em saúde. 2 ed. São Paulo: Gente, STACCIARINI, Jeanne Marie R.; TROCCOLI, Bartholomeu T. O estresse na atividade ocupacional do enfermeiro. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Pr

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

Considerações sobre o Relacionamento Interpessoal Enfermeiro-Paciente

Considerações sobre o Relacionamento Interpessoal Enfermeiro-Paciente Considerações sobre o Relacionamento Interpessoal Enfermeiro-Paciente (Considerations about the Nurse-Pactient Interpersonal Relationship) Tássia Bruschini Bertone 1, Ana Paula Sousa Ribeiro 2, Jacileide

Leia mais

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB Flávio Pereira de Oliveira¹; Leiana Isis Soares de Oliveira²; Paloma Irys da Conceição¹; Hilana Maria Braga Fernandes¹

Leia mais

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FACULDADE REDENTOR DEPARTAMENTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Autores: Denis Pimentel França Prof.ª Orientadora:

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO DA REFORMA PSIQUIÁTRICA. NA SAÚDE MENTAL: uma perspectiva dos profissionais e dos usuários

CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO DA REFORMA PSIQUIÁTRICA. NA SAÚDE MENTAL: uma perspectiva dos profissionais e dos usuários CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO DA REFORMA PSIQUIÁTRICA NA SAÚDE MENTAL: uma perspectiva dos profissionais e dos usuários Edlaine Alves da Silva 1 RESUMO: Este artigo apresenta a visão dos profissionais e

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO

O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO Valéria Leite Soares de Araújo 1 RESUMO Este trabalho será apresentado em forma de comunicação oral e tem por objetivo

Leia mais

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS Partindo do ponto de que a saúde mental está vivendo, há alguns anos,

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE TERAPIA OCUPACIONAL EM SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Deyse Paula de Almeida Silva Juliana de Fátima Faria Patrícia Vilse Luzetti Vânia Oliveira Burocco Ana

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

A ÉTICA NA ENFERMAGEM

A ÉTICA NA ENFERMAGEM A ÉTICA NA ENFERMAGEM Os enfermeiros são profissionais de saúde constantemente chamados a intervir e a tomar decisões, no sentido de preservar a saúde, combater a doença, ajudar a nascer e a morrer. A

Leia mais

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Daniel Catunda Marreco Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

Uma proposta de atuação humanizada. RESUMO:

Uma proposta de atuação humanizada. RESUMO: PROJETO DE ACOLHIMENTO E HUMANIZAÇÃO PARA ACOMPANHANTES: A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E DA ENFERMAGEM DE UMA INSTITUIÇÃO FEDERAL DE GRANDE PORTE. 1 Uma proposta de atuação humanizada. RESUMO: O presente

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL

TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL Maria Ferreira de Oliveira Filha 1 Renata Cavalcanti Cordeiro 2 Camilla de Sena Guerra 3 Marina Nascimento de Moraes 4 Mayra Helen Menezes Araruna

Leia mais

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz 28/11/2007 - Quart ética Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz Agradeço o convite para participar deste encontro. Considero muito importante a iniciativa

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 A REFORMA PSIQUIATRICA E A (DES) ATENÇÃO A FAMÍLIA CUIDADORA Diuslene Rodrigues Fabris 1 RESUMO: O artigo visa proporcionar uma aproximação acerca da realidade socialmente construída no que diz respeito

Leia mais

DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1

DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1 DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1 DIAZ, Paola da Silva 2 ; CAMPONOGARA, Silviamar 3 RESUMO Tendo-se

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil

A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil GIANESINI, Huilla Mariana Salviano * RESUMO Este artigo científico pretende analisar a situação do doente mental, considerado incapaz

Leia mais

GRUPOS OPERATIVOS: UMA EXPERIÊNCIA PSICOTERAPÊUTICA EM CAPS

GRUPOS OPERATIVOS: UMA EXPERIÊNCIA PSICOTERAPÊUTICA EM CAPS GRUPOS OPERATIVOS: UMA EXPERIÊNCIA PSICOTERAPÊUTICA EM CAPS Gislaine Aparecida Marutti¹ 1 ; Juliana de Oliveira Coelho Silva¹; Maurício Mendonça Junior¹; Tatiani Solis Peres¹; Thalita de Oliveira Soares¹;

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 SOUTO, Valquíria Toledo 2 ; TERRA, Marlene Gomes 3 ;SILVA, Adão Ademir da 4 ; SOCCOL, Keity Laís Siepmann 5 ; SILVA, Cristiane Trivisiol

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

TÍTULO: PSICODRAMA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÕES COM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS DENTRO DE UM SERVIÇO DE SAÚDE PÚBLICA

TÍTULO: PSICODRAMA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÕES COM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS DENTRO DE UM SERVIÇO DE SAÚDE PÚBLICA TÍTULO: PSICODRAMA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÕES COM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS DENTRO DE UM SERVIÇO DE SAÚDE PÚBLICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Aula 3: Técnicas para Aplicação de Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Dinâmicas de Grupo: As Bases para seu Desenvolvimento Organizações

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

Avaliação de resultados do gerenciamento de casos

Avaliação de resultados do gerenciamento de casos Módulo 3 - Gerenciamento de caso como estratégia de atenção aos usuários de crack e outras drogas Unidade 4 Avaliação de resultados do gerenciamento de casos 93 Avaliação de resultados do gerenciamento

Leia mais

O PROCESSO GRUPAL EM ENFERMAGEM COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE

O PROCESSO GRUPAL EM ENFERMAGEM COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERRA E CULTURA, ANO XIX, Nº 36 138 O PROCESSO GRUPAL EM ENFERMAGEM COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE RESUMO * Andréia Bendine Gastaldi 1 * Alda Ap. Mastelaro Hayashi Este artigo enfoca o processo grupal

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA SOBRE HUMANIZAÇÃO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE 2004 A 2009

PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA SOBRE HUMANIZAÇÃO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE 2004 A 2009 PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA SOBRE HUMANIZAÇÃO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE 2004 A 2009 RIBEIRO, Karina Angélica Alvarenga¹ LEITE, Mércia Aleide² RESUMO A humanização na assistência em saúde tornou-se

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE ENSINO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE ENSINO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE ENSINO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade Federal do Pampa 2. Campus: Uruguaiana 3. Curso: Enfermagem 4. Docente Responsável: Messa Torres 5. Disciplina: Saúde Mental

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura (The family coping the treatment of the child with cancer: literature revision) Edmara Cândida Tavares 1 ; Andréia da Costa Segóvia

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INCLUIR E SER INCLUÍDO PARA TRANSFORMAR A SOCIEDADE

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA RESENHA BIBLIOGRÁFICA CORTELLA, Mario Sergio. Educação, escola e docência: novos tempos, novas atitudes. São Paulo: Cortez, 2014, 126p. Palavras chave: Educação. Vocação. Docência. Bullying. Novos Paradigmas.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho UNIDADE DE INTERNAÇÃO PSIQUIÁTRICA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE: relatório de estágio curricular

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná XIII meeting care Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná Se o seu coração é absoluto e sincero, você naturalmente

Leia mais

Psicopedagogia Institucional. Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br

Psicopedagogia Institucional. Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br Psicopedagogia Institucional Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br O psicopedagogo dentro da empresa atua diretamente com o interrelacionamento entre todos com o aprendizado, com o desempenho

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL

O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL Roberto Lúcio Vieira de Souza Ciência e religião... são amigas, não adversárias, na busca comum por conhecimento. John Polkinghorne Físico e Teólogo Se estás doente,

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF)

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) 2013 Larissa de Oliveira Pena Graduanda no curso de Psicologia na União de Ensino Superior (UNIVIÇOSA)/ Faculdade de Ciências Biológicas e

Leia mais

COMUNICADO. Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente. disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo.

COMUNICADO. Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente. disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo. COMUNICADO Comunicamos que o Projeto Terapêutico anteriormente disponibilizado foi substituído pelo que segue em anexo. Vitória/ES, 16 de dezembro de 2015. GILSON GIUBERTI FILHO Coordenador Estadual sobre

Leia mais

SIMULAÇÃO NO ENSINO EM SAÚDE: REFLEXÕES SOBRE APLICAÇÃO PRÁTICA, FORMAÇÃO EM SAÚDE E ÉTICA.

SIMULAÇÃO NO ENSINO EM SAÚDE: REFLEXÕES SOBRE APLICAÇÃO PRÁTICA, FORMAÇÃO EM SAÚDE E ÉTICA. SIMULAÇÃO NO ENSINO EM SAÚDE: REFLEXÕES SOBRE APLICAÇÃO PRÁTICA, FORMAÇÃO EM SAÚDE E ÉTICA. Raphael Raniere de Oliveira Costa 1 Soraya Maria de Medeiros 2 João Bosco Filho 3 Maria Betânia Maciel da Silva

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO Maria da Conceição Muniz Ribeiro I - CENTRO CIRÚRGICO CONJUNTO DE ELEMENTOS DESTINADOS AS ATIVIDADES CIRÚRGICAS, BEM COMO À RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA

Leia mais

OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM RESUMO Micaelhe Ferreira da Silva- Bolsista do PIBID/ Pedagogia/ UFPI Thaís Sousa Siqueira - Bolsista

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL 1 SANTOS, Kassila Conceição Ferreira; 2 SOUZA, Ana Lúcia Rezende; 3 SOUZA, Marise Ramos de; 4 BORGES, Cristiane

Leia mais

2014 Setembro Ed. 16 1

2014 Setembro Ed. 16 1 1 Editorial Caros assinantes, tudo o que fazemos na vida tem por objetivo nossa felicidade. Quando ajudamos outra pessoa sentimos um forte prazer, felicidade. A filosofia nos convida a refletir se fazemos

Leia mais

ANIMAPROJ LIFE COACHING

ANIMAPROJ LIFE COACHING Valores Pessoais - O que são e como descobrir os seus? Como você tem vivido a sua vida? Para onde você está indo? O que é importante para você? A mais importante jornada da vida é percorrer o caminho entre

Leia mais

COMISSÃO CIENTÍFICA: Prof. André Luciano Simão Profª. Carmencita Ignatti Profª. Denise Maria Almada de Oliveira Pinto Prof. Igor Gabriel de Lima

COMISSÃO CIENTÍFICA: Prof. André Luciano Simão Profª. Carmencita Ignatti Profª. Denise Maria Almada de Oliveira Pinto Prof. Igor Gabriel de Lima COMISSÃO CIENTÍFICA: Prof. André Luciano Simão Profª. Carmencita Ignatti Profª. Denise Maria Almada de Oliveira Pinto Prof. Igor Gabriel de Lima Profª. Indira Coelho de Souza Profª. Marina Moraes Carlos

Leia mais

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA 1072 O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA Ana Cristina da Silva Ambrosio Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE-UNESP/PP). E-mail:

Leia mais

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO CARVALHO, Lucas Emmanuel 1 COSTEIRA, Aldenildo A. M. F. 2 DIAS, Gustavo Vieira 3 NASCIMENTO, Janine

Leia mais

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA.

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. Josiane F. Lozigia Carrapato 1 Sueli Cavicchioli Azevedo 2 INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA A Saúde Mental vem

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Valcenir Silva Bernanrdo vanessadelvale@doctum.edu.br Vanessa Del Vale Pinto vanessadelvale@doctum.edu.br Flávia Rodrigues

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL Aline Santana dos Santos Graduanda em Enfermagem Maria Aparecida dos Santos Graduanda em Enfermagem Reginaldo Vicente

Leia mais

CURSO PROFISSIONALIZANTE DE CABELEIREIRO: PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM SOFRIMENTO MENTAL

CURSO PROFISSIONALIZANTE DE CABELEIREIRO: PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM SOFRIMENTO MENTAL CURSO PROFISSIONALIZANTE DE CABELEIREIRO: PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM SOFRIMENTO MENTAL Hayla Luciana da Silva 1 Tânia Lúcia Hirochi 2 Roberta D Ávila Silva Pessoa 3 Elza Moreno Guimarães

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

A CULTURA DA SUSTENTABILIDADE: ENTRE FAZERES E SABERES

A CULTURA DA SUSTENTABILIDADE: ENTRE FAZERES E SABERES A CULTURA DA SUSTENTABILIDADE: ENTRE FAZERES E SABERES GRANZOTTO, Michele M; PRETTO, Valdir Trabalho de Ensino - UNIFRA Centro Universitário Franciscano -UNIFRA Santa Maria/RS; Centro Universitário Franciscano

Leia mais

MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros

MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros AMEAÇAS Gary Hamel SOCIEDADE OUTRAS INSTITUIÇÕES COMPETIÇÃO DESINTERESSE CONFLITOS APATIA ETC. MUDANÇAS Pesquisa da TMI 1. 10% dos empregados andam

Leia mais