3. A ESTRUTURA CURRICULAR DA FALE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. A ESTRUTURA CURRICULAR DA FALE"

Transcrição

1 3. A ESTRUTURA CURRICULAR DA FALE 3. 1 A Estruturação do Currículo A proposta curricular apresentada é motivada por duas razões: a primeira é a necessidade de se adequar a estrutura curricular das habilitações na modalidade de licenciatura às novas regulamentações do Conselho Nacional de Educação para a formação de professores do ensino fundamental e médio; a segunda deriva da necessidade de se fazerem reformulações, tanto nas licenciaturas quanto nos bacharelados oferecidos pela FALE, no sistema de flexibilização implementado em Desde a implementação desse sistema, essas duas modalidades já apresentam um currículo norteado pelas diretrizes da flexibilização, sendo a FALE uma das faculdades da UFMG que mais se aprofundou no sistema curricular flexível. Após esse período de experiência, entretanto, entendemos que algumas modificações e ajustes se fazem necessários para que a estrutura da flexibilização se torne mais eficiente. Baseados, então, nessa experiência e na reforma necessária ao ajuste das licenciaturas às novas normas do CNE, propomos a reforma da estrutura curricular que apresentamos a seguir. Para mantermos o caráter flexível do nosso currículo e adequar a estrutura curricular das habilitações na modalidade de licenciatura às novas regulamentações do Conselho Nacional de Educação para a formação de professores do ensino básico, fundamentamos nossa proposta em duas resoluções complementares: a Resolução CNE de 2002 e a Resolução do CEPE de 2001 da UFMG. Para o CNE, todo curso de licenciatura deve ter um mínimo de 2800 horas, divididas em: horas de prática como componente curricular; horas de estágio curricular supervisionado (a partir da segunda metade do curso); horas de conteúdo curricular de natureza científico-cultural; horas de outras atividades acadêmico-científico-culturais; A Resolução do CEPE/UFMG estabelece as diretrizes para a flexibilização do currículo. A flexibilização se divide em duas categorias: a vertical e a horizontal. A Flexibilização Vertical é entendida como a organização das disciplinas ao longo de semestres, compreendendo o núcleo específico e a formação não-específica. O núcleo específico é composto das disciplinas do núcleo comum, cursadas por todos os alunos de Letras, e das disciplinas da habilitação específica escolhida pelo aluno, previstas na matriz curricular. O núcleo não específico é composto das disciplinas que não constam da matriz curricular do curso escolhido pelo aluno, mas que constituem seus interesses para complementar sua formação em outras áreas de interface, constituindo, assim, um percurso interdisciplinar. Esse núcleo é composto necessariamente de uma opção livre, em que o aluno pode cursar um determinado número de disciplinas fora da sua habilitação, sem aprovação prévia dos colegiados e de uma formação complementar realizada em outros cursos, com autorização dos colegiados ou uma formação suplementar, realizada dentro do próprio curso do aluno; a escolha entre a formação complementar e suplementar fica a critério do aluno. A Flexibilização Horizontal baseia-se na ampliação do conceito de currículo, de acordo com o qual se entende que várias atividades acadêmicas podem ser consideradas para efeito de integralização de currículo. Esquematizando a proposta do CEPE/UFMG, temos:

2 - A Flexibilização Vertical: a) Núcleo Específico (Disciplinas do Núcleo Comum e Habilitação); b) Formação Complementar (disciplinas em outros cursos) ou Formação Suplementar (disciplinas no próprio curso); c) Opção Livre (disciplinas à escolha do aluno). - A Flexibilização Horizontal: a) outras atividades acadêmico-científico-culturais. Fazendo uma integração das duas resoluções às especificidades do Curso de Letras, propomos que a estrutura curricular da FALE seja norteada por dois eixos. Um eixo que orienta a flexibilização vertical: horas de conteúdo curricular de natureza científico-cultural divididas em: a) Núcleo Comum: constituído de 8 disciplinas (480 horas) comuns a todos os estudantes do Curso de Letras, independentemente da habilitação; b) Habilitação Específica: constituída de 13 a 15 disciplinas (780 a 900 horas), variando entre as especificidades da habilitação escolhida pelo estudante. São essas habilitações: Alemão, Espanhol, Francês, Grego, Inglês, Italiano, Latim, Lingüística e Português; c) Formação não-específica: variando de 8 a 10 disciplinas (480 a 600 horas) (6 a 8 disciplinas de Formação Complementar ou Suplementar e 2 disciplinas livres). As licenciaturas duplas não apresentam Formação Complementar, pois entendemos que a segunda habilitação já se constitui em uma formação complementar dentro da própria área de Letras. Nesses casos, a formação não-específica consta de 2 a 4 disciplinas, variando entre as especificidades de cada habilitação. - As Modalidades que se constituem das disciplinas e práticas direcionadas para a formação profissional do aluno. Podem ser: a) Licenciatura simples: composta de 840 horas, divididas em 420 horas de prática como componente curricular e 420 horas de estágio curricular supervisionado ; b) Licenciatura dupla: composta de 840 horas, divididas em 420 horas de prática como componente curricular e 210 horas de estágio curricular supervisionado para cada habilitação pretendida. As habilitações duplas de Latim-Português e Grego- Português cumprem as 420 horas de estágio curricular apenas na área de Português, devido à inexistência dessas áreas no ensino básico; c) Bacharelado: composto de 5 disciplinas, 300 horas específicas da ênfase da habilitação e uma monografia (60 horas). Os bacharelados podem ter ênfase em: Estudos Lingüísticos, Estudos Literários, Estudos da Tradução e Estudos sobre Edição. O outro eixo que orienta a Flexibilização Horizontal é constituído de: horas de outras atividades acadêmico-científico-culturais, que serão listadas detalhadamente mais à frente. Com essa estrutura, os bacharelados são concluídos em 2430 horas, as licenciaturas simples, em 2850 e as licenciaturas duplas, em 3330 horas. 3.2 Descrição do Currículo da FALE O Núcleo Comum Todos os alunos do Curso de Letras devem cursar 8 disciplinas do núcleo comum. São disciplinas que visam a alicerçar os conhecimentos necessários para o desenvolvimento de todas as habilitações. Essas disciplinas são oferecidas no primeiro e segundo semestres do curso, deixando em aberto, na grade específica de cada habilitação, duas disciplinas introdutórias da habilitação escolhida pelo aluno.

3 Propomos essa nova estrutura para que os alunos de Letras tenham um conhecimento comum mais amplo. As disciplinas que fazem parte do Núcleo Comum são: 1o Período: - Introdução aos Estudos Lingüísticos I - Teoria Literária I - Gramática Tradicional: morfo/sintaxe - Oficina de Língua Portuguesa: leitura e produção de textos - Disciplina específica de habilitação 2o Período: - Introdução aos Estudos Lingüísticos II - Teoria Literária II - Fundamentos de Lingüística Comparada - Introdução à Literatura Comparada - Disciplina específica de habilitação A Habilitação A habilitação é composta de 13 a 15 disciplinas, divididas entre língua, lingüística e literatura, específicas de cada habilitação, que o aluno deve cursar necessariamente para qualquer modalidade. As habilitações oferecidas pela FALE são Alemão, Espanhol, Francês, Grego, Inglês, Italiano, Latim, Lingüística e Português. Cada habilitação é composta de disciplinas obrigatórias da especificação do diploma e de uma lista de tópicos, divididos entre tópicos de língua e lingüística e tópicos de literatura, dos quais o aluno deve escolher um número determinado para cada habilitação. As disciplinas obrigatórias têm os pré-requisitos especificados nas grades e são ministradas em forma presencial. Os tópicos, que são disciplinas de conteúdo variável, terão os pré-requisitos especificados pelo professor, na hora da oferta. Mesmo não estando esses pré-requisitos listados nas grades, o aluno deve seguir essas orientações na hora de sua matrícula, estando sujeito ao cancelamento da disciplina caso esses pré-requisitos não sejam cumpridos. Os tópicos podem ser oferecidos em forma semi-presencial ou à distância, desde que haja uma justificativa pedagógica para tal procedimento. Os tópicos oferecidos de forma semi-presencial ou à distância não podem ultrapassar o limite de 20% dos tópicos da habilitação oferecidos no semestre, podendo o aluno cursar somente uma disciplina semi-presencial ou à distância por semestre. Esses tópicos são associados a grupos de disciplinas que denominaremos de Grupo 1 (G1 - no diploma simples) e Grupo 6 (G6 - no diploma duplo) para as disciplinas de língua e lingüística; Grupo 2 (G2 - no diploma simples) e Grupo 7 (G7 - no diploma duplo) para as disciplinas de literatura. Na escolha desses tópicos, que começa a partir do 3o período de cada curso, reflete-se o caráter flexível do nosso currículo. É o aluno que irá orientar o seu percurso acadêmico, a partir das escolhas das disciplinas disponíveis de cada habilitação, que sempre são oferecidas em um número de conteúdos bem variáveis. A oferta dos tópicos se baseia nas habilitações específicas e nos Núcleos de Estudos existentes na faculdade.

4 3.2.3 As Modalidades As modalidades podem ser bacharelado, licenciatura simples e licenciatura dupla, sendo essa última sempre uma língua estrangeira, moderna ou clássica, associada ao Português. As disciplinas da modalidade vão estar associadas ao Grupo 3 (G3). O aluno fará a opção para o bacharelado ou para a licenciatura a partir do 5o período O Bacharelado Todas as habilitações têm a opção pelo bacharelado, variando apenas os turnos e as ênfases. A ênfase dos bacharelados constitui-se em um grupo de 5 disciplinas (300 horas) e uma monografia de final de curso (60 horas), orientadas para uma área específica do Curso de Letras em geral. O aluno deverá escolher seu orientador no final do 5o período e será esse orientador quem irá estabelecer o grupo das 5 disciplinas que irão compor o G3 da grade curricular do aluno. O orientador pode ser de qualquer área de conhecimento da FALE, não precisando estar vinculado necessariamente à habilitação específica do bacharelado. A única exigência é que o objeto de estudo da monografia esteja relacionado à habilitação cursada pelo aluno, pois é a área em que ele adquiriu as habilidades. Em relação às disciplinas que compõem o grupo do bacharelado, estas podem ser do próprio Curso de Letras, podem ser disciplinas eletivas da pós-graduação ou podem ser disciplinas de outros cursos afins. O orientador, baseado na linha de pesquisa que orientará a pesquisa da monografia do aluno, enviará ao colegiado a proposta das disciplinas que o aluno deverá cursar para que essas disciplinas sejam aprovadas. Após cursadas as disciplinas, o colegiado associará esse grupo ao código de Tópicos do Bacharelado. A Habilitação do Alemão oferece o bacharelado no turno noturno e tem como ênfases Estudos Lingüísticos, Estudos Literários, Estudos da Tradução e Estudos sobre Edição. O diploma do aluno de Alemão, por exemplo, será Bacharel em Letras, Habilitação Alemão com ênfase em Estudos da Tradução. O Espanhol e o Inglês também oferecem o bacharelado no turno noturno, com ênfases em Estudos Lingüísticos, Estudos Literários, Estudos da Tradução e Estudos sobre Edição. O Português oferece o bacharelado no turno diurno e noturno e tem como ênfases Estudos Lingüísticos, Estudos Literários e Estudos sobre Edição. O Francês, Italiano e Inglês oferecem o bacharelado no turno diurno e têm como ênfases Estudos Lingüísticos, Estudos Literários, Estudos da Tradução e Estudos sobre Edição. O Grego e o Latim oferecem o bacharelado no turno diurno e têm como ênfases Estudos Lingüísticos, Estudos Literários, Estudos da Tradução e Estudos sobre Edição. E a Lingüística oferece o bacharelado no turno diurno e tem como ênfase Teoria e Descrição Lingüísticas. As ênfases dos bacharelados seguem dois eixos norteadores. Um primeiro, que é a continuidade do aluno do bacharelado em cursos de pós-gradução, abre uma ponte entre as áreas da pós-graduação existentes na FALE e o aluno da graduação. Um segundo eixo, dado pelas ênfases Estudos da Tradução, Estudos sobre Edição e Teoria e Descrição Lingüísticas, tem a potencialidade de iniciar o aluno para atividades profissionais fora da docência e pesquisa, como por exemplo, a tradução, a edição e a editoração de livros, a fonética clínica, a lingüística forense, entre outras possibilidades. Ainda, para concluir seu bacharelado, o aluno deverá fazer uma monografia, em Português ou na língua da habilitação cursada, orientada por um docente. A monografia deverá ser examinada por uma banca, instalada pelo colegiado do curso, composta do

5 próprio orientador, de um docente e de um aluno de doutorado indicados pelo colegiado, a partir de sugestões do orientador. A defesa dessa monografia será feita pelo aluno com uma apresentação de um seminário aberto para o público e seguida de argüição da banca. A defesa das monografias seguirá um calendário estipulado pelo Colegiado de Graduação A Licenciatura Simples A modalidade da licenciatura segue a Resolução CNE de 2002 que prevê um mínimo de 400 horas de prática como componente curricular, vivenciadas ao longo do curso. Entretanto, nas nossas grades curriculares, a prática como componente curricular começa a ser cursada no 6o período dos cursos, pois somente a partir desse período o aluno faz a sua opção pela modalidade, licenciatura ou bacharelado. Ainda estão previstas, nessa resolução, 400 horas de estágio curricular supervisionado, iniciadas a partir do início da segunda metade do curso. Para o estudo dessa nova estrutura, o Colegiado de Graduação nomeou uma comissão, composta por docentes da FALE e da FAE, que elaborou o Projeto de Estágio Supervisionado da FALE/UFMG. Portanto, as resoluções que seguem são baseadas nesse projeto. O Artigo 13 da resolução CNE/CP Nº 1, de 18 de fevereiro de 2002, prescreve que em tempo e espaço curricular específico, a coordenação da dimensão prática transcenderá o estágio e terá como finalidade promover a articulação das diferentes práticas, numa perspectiva interdisciplinar." Seguindo essa resolução, o Projeto de Estágio Supervisionado da FALE prescreve que as 400 horas de prática como componente curricular devem ser de disciplinas e/ou atividades baseadas em reflexões sobre metodologias específicas, sobre avaliação de aprendizagem, sobre letramento digital, sobre metodologia de pesquisa, etc. Essas disciplinas e atividades são variadas, visando a desenvolver o espírito criativo do futuro professor, o conhecimento de técnicas e reflexões desenvolvidas na área da lingüística aplicada ao ensino e na didática. Visa também a desenvolver a capacidade de estabelecer as relações necessárias entre os conhecimentos teóricos adquiridos sobre os processos de ensino-aprendizagem e o planejamento pedagógico aplicado a sua formação específica de professor de Letras. Incluímos nessas 400 horas, como disciplinas obrigatórias, Didática da Licenciatura e Psicologia da Educação e estabelecemos que Sociologia Educacional e Política Educacional sejam disciplinas optativas. Entendemos que, mesmo tendo essas disciplinas uma natureza teórica, elas são fundamentais para a ponte que se faz entre disciplinas práticas e o estágio supervisionado. As disciplinas obrigatórias da modalidade licenciatura totalizam 180 horas e são as seguintes: - Fundamentos Metodológicos do Ensino de Inglês/ Espanhol - Fundamentos Metodológicos do Ensino de Português (oferecida pela FAE) - Didática da Licenciatura (oferecida pela FAE) - Psicologia da Educação: ensino/aprendizagem (oferecida pela FAE) As disciplinas ou atividades optativas, que fazem parte do G3 e das quais o aluno deverá escolher três (ou 180 horas), são as seguintes: - Tópicos de Lingüística Aplicada: (especificação) - Tópicos de Ensino de Literatura : (especificação) - Sociologia Educacional (oferecida pela FAE) - Política Educacional (oferecida pela FAE)

6 - Atividades de Orientação Didática: qualquer tipo de atividade relacionada à prática de ensino, como estágios em cursos de extensão, docência em cursos de língua estrangeira, oficinas de ensino, monitorias, entre outras (casos particulares devem ser analisados pelo Colegiado de Graduação que fará a devida análise e correspondência de créditos), desde que comprovada, pode ser integralizada nesse grupo. Ainda, incluímos 60 horas de LIBRAS, seguindo o decreto presidencial 5626, de 22 de Dezembro de 2005, que torna obrigatório o ensino de LIBRAS (língua brasileira de sinais) nas Unidades de Ensino Superior, para os cursos de Fonoaudiologia, Pedagogia, Licenciatura em Letras e as demais Licenciaturas: - Fundamentos de LIBRAS. Essas disciplinas pedagógicas como componente curricular perfazem um total de 420horas. As 420 horas de estágio curricular supervisionado ficarão a cargo da Faculdade de Educação e Faculdade de Letras, sendo divididas em duas etapas, no 8o e 9o período das licenciaturas simples: Análise da Prática e Estágio de Português I e II, Análise da Prática e Estágio de Inglês I e II e Análise da Prática e Estágio de Espanhol I e II. O Projeto de Estágio Supervisionado da FALE prevê que as 420 horas de supervisão dos estágios tenham as seguintes etapas: - sessões de orientação presenciais ou mediadas por computador; - planejamento individual e elaboração de projeto de estágio; - análise e elaboração de material didático; - atividades de observação e de ensino nos sistemas públicos ou privados da educação básica; - elaboração e apresentação de relatório final de estágio. A resolução N.1/2006 da Câmara de Graduação da UFMG estabelece que o estudante que já esteja em exercício da docência em escola pública ou privada poderá ser dispensado de até 50% da carga horária prevista A Licenciatura Dupla A Licenciatura Dupla é restrita às habilitações Alemão, Francês, Italiano, Grego e Latim, compondo-se com o Português. Esse tipo de modalidade mostra-se interessante para o aluno que deseja cursar as habilitações especificadas acima, mas que, atualmente, não são integrantes ou estão pouco presentes nos currículos de ensino básico. Assim, tendo o Português como uma segunda opção, o aluno ainda pode fazer parte de seu estágio supervisionado em escolas públicas e privadas do ensino básico, conhecendo a estrutura e funcionamento das mesmas. A licenciatura dupla terá a mesma estrutura da licenciatura simples, em relação às 400 horas de prática de ensino como componente curricular, podendo o aluno alternar entre o Português e a língua específica na escolha das disciplinas e atividades do G3. Em relação ao estágio supervisionado, estabelecemos que os alunos das habilitações duplas Português-Grego e Português-Latim farão todo o estágio supervisionado na área de Português, pois a prática didática de Latim e Grego está restrita ao ensino de terceiro grau. Devemos ressaltar, entretanto, que o estudo concomitante do Português e do Latim ou do Português e do Grego constitui-se em uma excelente fundamentação teórica do Português, possibilitando ao aluno utilizar esses conhecimentos como base para a sua prática pedagógica, seja na área de língua, seja na área de literatura.

7 Em relação às outras habilitações, Alemão, Francês e Italiano, estabelecemos que o aluno cursará, no 9o período, 210 horas na área do Português: a Análise da Prática e Estágio de Português-Língua Estrangeira I, supervisionado pelos docentes da FAE. E no 10o período, cursará, na habilitação específica, a Análise da Prática e Estágio de Português-Língua Estrangeira II, 210 horas, supervisionado pelos professores da FALE. Como, também, essas línguas não fazem mais parte do currículo do ensino básico de uma forma sistemática, estabelecemos que a Análise da Prática e Estágio de Português- Língua Estrangeira II poderá ser realizada nas oficinas das escolas integrais de ensino básico, em convênios firmados com a FALE. Ainda, a resolução Nº1/2006 da Câmara de Graduação da UFMG estabelece que o estudante que já esteja em exercício da docência em escola pública ou privada poderá ser dispensado de até 50% da carga horária prevista Atividades Acadêmicas Científico-Culturais Adotamos a inclusão de 210 horas de atividades acadêmicas científico-culturais (ACC), que correspondem a 14 créditos, para a integralização do currículo do aluno. Essas atividades podem ser feitas durante toda a trajetória acadêmica do aluno, ou seja, do primeiro ao último período do curso escolhido. Entretanto, para a sistematização dessas atividades, elas serão lançadas nas grades curriculares de algumas habilitações em três períodos específicos. Para integralizar as 210 horas, o aluno deverá comprovar, através de documentação pertinente, a participação nas diferentes atividades que são estabelecidas a seguir. A documentação apresentada tem de ser a original e deverá ser carimbada pelo Colegiado de Graduação da FALE. Essas atividades são divididas em três categorias. Atividades às quais associaremos créditos pela participação efetiva, sem associarmos a uma carga horária dispensada à atividade; e dois tipos de atividades que serão contabilizadas a partir da carga horária real dispensada à atividade. Fazendo a equivalência para fins de integralização curricular, cada crédito correspondendo a 15 horas, temos no primeiro grupo: - participação em simpósio, seminário, congresso (ou encontros da mesma natureza) = 1 crédito; - participação e apresentação de trabalho em simpósio, seminário, congresso (ou encontros da mesma natureza) = 2 créditos; - participação e monitoria em simpósio, seminário, congresso (ou encontros da mesma natureza) = 2 créditos; - participação na organização em simpósio, seminário, congresso (ou encontros da mesma natureza) = 1 crédito; - assistir a 4 palestras na FALE = 1 crédito; - assistir a 4 defesas de monografia final de curso ou dissertação de mestrado na FALE = 1 crédito; - assistir a 3 defesas de tese de doutorado na FALE = 1 crédito; - publicações em periódicos acadêmicos indexados e/ou capítulos de livros = 4 créditos; - publicação de livro = 8 créditos; - atuação em atividades culturais tais como apresentação em espetáculos teatrais e musicais ligados a projetos da FALE = 1 crédito; - participações em 4 experimentos da FALE = 1 crédito;

8 - participação em órgãos colegiados da Faculdade ou de Conselhos Superiores da Universidade = 1 crédito/por semestre (máximo de 2 créditos). É desejável que o aluno solicite a integralização dos créditos desse grupo junto ao Colegiado de Graduação somente após acumular 4 créditos (se for o caso). No segundo grupo temos, para cada crédito correspondendo a 15 horas: - participação em cursos e minicursos como aluno (cursos extra-curriculares, como os Tópicos de Letras oferecidos pela FALE, ou cursos no exterior, entre outros), relevantes para o Curso de Letras = mínimo de 1 crédito e máximo de 8 créditos (15 a 120 horas); - participação em atividades dos Núcleos de Estudos da FALE, participações em oficinas de tradução, de editoração e de revisão de textos sob a orientação de docentes da FALE = mínimo de 1 crédito e máximo de 8 créditos (15 a 120 horas); No terceiro grupo, temos cada crédito correspondendo a 100 horas: - desenvolvimento de projetos de iniciação científica = mínimo de 4 créditos e máximo de 8 créditos (400 a 800 horas); - atividades didáticas, desde que não façam parte das atividades de estágio obrigatório = mínimo de 4 créditos e máximo de 8 créditos (400 a 800 horas); - participação em programas e projetos de extensão = mínimo de 4 créditos e máximo de 8 créditos (400 a 800 horas); - monitoria de curso de graduação = mínimo de 4 créditos e máximo de 8 créditos (400 a 800 horas). Os certificados das atividades listadas acima, exceto aquelas em que o aluno deve se inscrever com antecedência, poderão ser emitidos pelo Colegiado de Graduação ou pelo professor da FALE responsável pela atividade (a maioria das atividades do primeiro grupo). Para integralização desses créditos ao currículo do aluno, a Seção de Ensino associará essas atividades aos códigos de Atividades Acadêmicas Científico- Culturais A (15 horas = 1 crédito), Atividades Acadêmicas Científico-Culturais (30 horas = 2 créditos) e Atividades Acadêmicas Científico-Culturais (60 horas = 4 créditos). Casos particulares que não constarem da lista acima devem ser analisados pelo Colegiado de Graduação, que fará a devida análise e correspondência de créditos A Formação Não-Específica As disciplinas da formação não-específica estão associadas ao Grupo 5 (G5) e podem ser integralizadas através de: Formação Livre São 2 disciplinas cursadas em qualquer unidade da UFMG, à escolha do aluno, sem autorização prévia do colegiado de curso Formação Suplementar São 6 disciplinas que o aluno cursa dentro do próprio Curso de Letras, mas que não fazem parte das disciplinas obrigatórias para integralização da habilitação

9 escolhida. As licenciaturas duplas não têm essa formação, pois entendemos que uma segunda habilitação já faz o papel da formação suplementar Formação Complementar São 6 disciplinas que o aluno cursa fora da própria unidade e são selecionadas de duas maneiras: Formação Complementar Aberta e Formação Complementar Pré- Estabelecida. As licenciaturas duplas também não têm essa formação, pois entendemos que uma segunda habilitação já faz o papel da formação complementar: - Formação Complementar Aberta : são 6 disciplinas que o aluno cursa em unidades da UFMG que propiciem uma formação relacionada ao campo de atuação do profissional de Letras, escolhida pelo aluno, desde que julgada necessária pelo Colegiado para a sua formação profissional. - Formação Complementar Pré-Estabelecida: é aquela em que a outra unidade especifica a lista de disciplinas que irão compor a formação do aluno não pertencente à sua unidade, existindo um acordo entre os colegiados para a efetivação dessas matrículas. Esse tipo de formação deverá ser melhor estabelecida entre o colegiado da FALE e outros colegiados, pois entendemos que seja a forma pedagógica mais desejável e a forma de matrícula mais viável para que o aluno consiga efetivamente cursar a sua formação complementar. O Colegiado do Curso de Letras está estabelecendo parcerias com o curso de Comunicação Social, Teatro e de Filosofia, em relação à Formação Complementar Pré- Estabelecida. Entretanto, esse processo ainda está em fase de implementação. Recomendamos aos alunos que desejem cursar formações complementares nessas unidades que as façam como Formação Complementar Aberta, mas seguindo as sugestões já fornecidas pelos colegiados mencionados acima. O aluno deve escolher disciplinas que perfaçam um total de 360 horas, dentre as disciplinas elencadas nos grupos abaixo: a) Sugestões para Formação Complementar Aberta em Comunicação Social: - História Social dos Meios - Comunicação e Política - Comunicação e Cultura - Teorias da Imagem - Teoria e Métodos Jornalísticos - Teorias da Opinião Pública - Teorias da Comunicação - Narrativas Jornalísticas - Produção da Notícia - Mercadologia - Políticas de Comunicação b) Sugestões para Formação Complementar Aberta em Teorias do Teatro: - Teoria do Texto Dramatúrgico e Espetacular

10 - Teatro Brasileiro - Fundamentos da Prática Cultural em Teatro - Seminários de Teorias do Teatro - Seminários de Teorias da Atuação - Seminários de Teorias da Encenação - Tópicos em Dramaturgia e Teatro A b) Sugestões para Formação Complementar Aberta em Filosofia: - Introdução à Filosofia (CICH): ética, estética e epistemologia - Antropologia Filosófica - Teoria do Conhecimento - Ética - Estética - Filosofia da ciência Formação Complementar Oferecida pela Letras Atualmente, a Faculdade de Letras é uma das unidades da UFMG que mais recebe alunos para formação complementar e livre, chegando a um número aproximado de 600 matrículas em disciplinas eletivas, por semestre. Com essa prática, percebemos que se orientarmos melhor os alunos na escolha de seu percurso em Letras, que abarca nove habilitações distintas, a formação complementar será mais efetiva. Baseando-nos nessa observação, estabelecemos, através da Resolução n o 01/2007 do Colegiado de Graduação da FALE, que a formação complementar dos alunos de outras unidades, oferecida pela FALE, será somente por áreas específicas. O aluno de outra unidade, que pretende seguir uma formação complementar, deve escolher uma área específica dentro da Letras e escolher seis disciplinas das listas especificadas a seguir, desde que sejam observados os pré-requisitos estabelecidos nas grades curriculares deste projeto pedagógico: a) Formação Complementar em Lingüística: - Introdução aos Estudos Lingüísticos I - Introdução aos Estudos Lingüísticos II - Introdução à Lingüística Comparada - Teoria da Variação e Mudança Lingüística - Teoria Fonética-Fonológica - Teoria Morfológica - Teoria Sintática - Teoria Semântica - Teoria Pragmática b) Formação Complementar em Literatura: - Teoria da Literatura I - Teoria da Literatura II - Introdução à Literatura Comparada - Introdução à Literatura Brasileira

11 - Introdução à Literatura Portuguesa - 1 Tópico do G2 da Habilitação Português c) Formação Complementar em Alemão: - Língua Alemã I - Língua Alemã II - Língua Alemã III - Língua Alemã IV - Língua Alemã V - Introdução à Cultura Alemã - Introdução à Lingüística Alemã - Introdução à Literatura Alemã d) Formação Complementar em Francês: - Língua Francesa I - Língua Francesa II - Língua Francesa III - Língua Francesa IV - Língua Francesa V - Panorama da Literatura Francesa - 1 Tópico do G1 ou G2 e) Formação Complementar em Grego: - Língua Grega I - Língua Grega II - Língua Grega III - Língua Grega IV - Fundamentos de Literatura Grega I - Fundamentos de Literatura Grega II - 1 Tópico do G1 e) Formação Complementar em Italiano: - Língua Italiana I - Língua Italiana II - Língua Italiana III - Língua Italiana IV - Língua Italiana V - Fundamentos de Literatura Italiana - Lingüística Italiana - Literatura Italiana do Século XX f) Formação Complementar em Latim: - Língua Latina I - Língua Latina II

12 - Língua Latina III - 3 Tópicos do G Disciplinas Ministradas para Outras Unidades A Faculdade de Letras ainda oferece disciplinas para outras unidades da UFMG, tanto em áreas de interface, quanto em áreas de instrumentalização lingüística do Português e do Inglês. Essas disciplinas também podem ser cursadas como optativas pelos alunos de Letras. Para o curso de Comunicação Social oferecemos as disciplinas Oficina de Textos A e B. Para o Curso de Teatro oferecemos Teorias do Texto Dramatúrgico e Texto Espetacular, Teatro Brasileiro,Tópicos em Dramaturgia e Teatro A, B e C. Para o Curso de Fonoaudiologia oferecemos Introdução à Linguística e Fonética Clínica. Para o curso de Ciências da Informação oferecemos Introdução à Literatura Brasileira. Para os cursos de Ciência da Computação, Engenharia Metalúrgica, Engenharia Química e Estatística oferecemos Oficina de Língua Portuguesa. Para os cursos de Biblioteconomia oferecemos Inglês Instrumental e para a Engenharia Elétrica e Estatística, oferecemos Inglês Instrumental I e II. Para o curso de Turismo oferecemos disciplinas instrumentais de Inglês, Francês e Espanhol Implantação do Novo Currículo Esta versão curricular passa a vigorar, necessariamente, para os alunos das licenciaturas que ingressaram a partir do primeiro semestre de 2006 e para os alunos dos bacharelados a partir da aprovação da versão aqui apresentada. Os alunos dos bacharelados existentes até a data da aprovação desta versão do Projeto Pedagógico podem optar pela versão antiga do Projeto Pedagógico, ou fazer as devidas equivalências e optar pela versão que passará a vigorar.

I Fórum Internacional sobre Prática Docente Universitária: inclusão social e tecnologias de informação e comunicação

I Fórum Internacional sobre Prática Docente Universitária: inclusão social e tecnologias de informação e comunicação I Fórum Internacional sobre Prática Docente Universitária: inclusão social e tecnologias de informação e comunicação Universidade Federal de Uberlândia Heloísa Maria Moraes Moreira Penna Maralice de Souza

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES NORMAS GERAIS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Prezados alunos, As atividades Acadêmico-Científico Culturais foram instituídas como carga horária visando a complementação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2013 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

CURSO DE LETRAS - LICENCIATURA HABILITAÇÃO EM PORTUGUÊS/INGLÊS QUADRO DE SEMESTRALIZAÇÃO

CURSO DE LETRAS - LICENCIATURA HABILITAÇÃO EM PORTUGUÊS/INGLÊS QUADRO DE SEMESTRALIZAÇÃO CURSO DE LETRAS - LICENCIATURA HABILITAÇÃO EM PORTUGUÊS/INGLÊS QUADRO DE SEMESTRALIZAÇÃO SEM DISCIPLINAS CH 1º Cultura Brasileira 40 Filosofia da Educação 40 Fundamentos da Educação 40 Iniciação à Pesquisa

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO CURSO

GRADE CURRICULAR DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO COORDENADORIA DO CURSO DE LETRAS-INGLÊS A DISTÂNCIA GRADE CURRICULAR DO CURSO A grade curricular do Curso em Licenciatura em Letras-Inglês

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2014 Aprova a estrutura curricular do Curso de Letras, modalidade licenciatura,

Leia mais

SEM. CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ-REQUISITOS

SEM. CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ-REQUISITOS Curso de Letras Habilitação Português/Inglês Currículo 2010/01 Reconhecido pela Portaria Ministerial nº. 1.394, de 19/05/2004 Amparado pelo Decreto nº. 5773/2006, de 9/05/2006 Duração do Curso: 2.530h

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

19) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA LICENCIATURA

19) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA LICENCIATURA 19) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA LICENCIATURA 19.1) Matriz curricular do turno matutino Fase N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 01 Leitura e produção textual

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA

14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA 14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA 14.1) Matriz curricular do turno matutino Fase 1 a N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1 Leitura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 13/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014

ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLA DE NEGÓCIOS ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014 Rev.: 9 18/09/2014 CURITIBA - PR, 2014 SUMÁRIO CAPITULO I DAS ATIVIDADES... 2 CAPITULO II - DO APROVEITAMENTO

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : LETRAS NOVA IGUAÇU - PORT/ESPANHOL/LITERATURAS. CRÉDITOS Obrigatórios: 152 Optativos: 8

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : LETRAS NOVA IGUAÇU - PORT/ESPANHOL/LITERATURAS. CRÉDITOS Obrigatórios: 152 Optativos: 8 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:37:05 Curso : LETRAS NOVA

Leia mais

31956 Monografia II 31926

31956 Monografia II 31926 Currículo Novo 2006/01 Duração: 182 créditos 2.730h, acrescidas de 270h de atividades complementares, totalizando 3.000h 31544 Teoria das Organizações I - 31554 Matemática I - 31564 Teoria das Organizações

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE ANO II Nº 003 Editado pela Secretaria Geral das FIPAR Faculdades Integradas de Paranaíba FIPAR Paranaíba, 08 de agosto de 2008. AVISO DE PUBLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE MATRIZ

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA CACOAL - RO 2011 Considerando as exigências da LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL, no atinente às Atividades Complementares

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE NUTRIÇÃO MANAUS-AM 2013 APRESENTAÇÃO As atividades complementares têm como finalidade proporcionar a complementação da formação acadêmica-profissional,

Leia mais

CÓD. 4930 - CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02

CÓD. 4930 - CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02 Aprovado no CONGRAD: 25.08.15 Vigência: ingressos a partir de 2016/1 4930 - CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02 I NÚCLEO DE FORMAÇÃO BÁSICA 19389 Educação Inclusiva 02 30

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015 Rev.: 10 10/02/2015 CURITIBA 2015 1 SUMÁRIO CAPITULO I DAS ATIVIDADES... 2 CAPITULO II - DO APROVEITAMENTO DAS ATIVIDADES...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

7. REGULAMENTO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS FACULDADE DE LETRAS UFMG DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DO CURSO

7. REGULAMENTO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS FACULDADE DE LETRAS UFMG DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DO CURSO 7. REGULAMENTO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS FACULDADE DE LETRAS UFMG TÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º. - O Curso de Graduação em Letras da Universidade Federal de Minas

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UFMG

FACULDADE DE DIREITO UFMG RESOLUÇÃO N. 15, DE 20 DE MARÇO DE 2012 Regulamenta as atividades complementares de graduação no curso de graduação em Direito da Universidade Federal de Minas (UFMG). O Colegiado de Coordenação Didática

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 Altera a Deliberação CONSEP Nº 107/2012, que Dispõe sobre o Currículo Pleno do Curso de Pedagogia - Licenciatura, regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

COMPOSIÇÃO CURRICULAR Seriado Semestral -TURNO DIURNO 1º SEMESTRE - EIXO :OUVIR/FALAR COMPONENTES CURRICULARES CH TOTAL CH SEMANAL

COMPOSIÇÃO CURRICULAR Seriado Semestral -TURNO DIURNO 1º SEMESTRE - EIXO :OUVIR/FALAR COMPONENTES CURRICULARES CH TOTAL CH SEMANAL Universidade Estadual da Paraíba - Centro de Educação- Campus I Curso de Graduação em Letras - Licenciatura Plena - Habilitação: Resolução de Aprovação do Projeto Pedagógico UEPB/CONSEPE/ Carga horária

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

BACHARELADO. Matriz Curricular 2015

BACHARELADO. Matriz Curricular 2015 BACHARELADO Matriz Curricular 2015 TERMO CURSO DE CIENCIAS SOCIAIS BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR 2015 Carga Horária Total Carga Horária Semanal HT HP Leitura e Interpretação de Textos Clássicos I (DCF)

Leia mais

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC)

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) 2012 / 2013 Prezado(a) aluno(a), É com muito orgulho e satisfação que oferecemos

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 04/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO Art. 1º O presente conjunto de regras tem por finalidade normatizar as atividades que compõem o núcleo flexível do Currículo de Graduação em Direito e cujo

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CACOAL 2010 Considerando as exigências

Leia mais

PEDAGOGIA. COORDENADOR José Henrique de Oliveira jenrique@ufv.br

PEDAGOGIA. COORDENADOR José Henrique de Oliveira jenrique@ufv.br PEDAGOGIA COORDENADOR José Henrique de Oliveira jenrique@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 369 Licenciatura ATUAÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN), aprovadas em 2006 pelo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS São Paulo, 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CURSO DE LETRAS - LICENCIATURA

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 01/2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-PORTUGUÊS/INGLÊS BACHARELADO PROFA. DRA. SORAYA SOUBHI SMAILI REITORA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-PORTUGUÊS/INGLÊS BACHARELADO PROFA. DRA. SORAYA SOUBHI SMAILI REITORA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-PORTUGUÊS/INGLÊS BACHARELADO PROFA. DRA. SORAYA SOUBHI SMAILI REITORA PROF. DR. DANIEL ARIAS VAZQUEZ DIRETOR ACADÊMICO DA ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS

Leia mais

JOÃO MARTINS DIAS Presidente do Conselho Superior do IFAM

JOÃO MARTINS DIAS Presidente do Conselho Superior do IFAM RESOLUÇÃO Nº. 23 - CONSUP/IFAM, de 09 de agosto de 2013. Aprova o Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. O

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURRICULO DOS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURRICULO DOS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURRICULO DOS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART.1º -O presente regulamento tem por finalidade normatizar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE DIREITO NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE DIREITO NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES Art. 1º As Complementares Independentes integram o currículo do curso de graduação de Direito, objetivando sua flexibilização, sendo seu cumprimento

Leia mais

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18.1) Matriz curricular do turno matutino Fase 1 a N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 01 Introdução à informática

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP. 2 CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DAS FINALIDADES...

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Pré-Vestibular Social LETRAS

Pré-Vestibular Social LETRAS Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica LETRAS Quando chegamos ao momento de escolher uma faculdade, começam a pintar diversas dúvidas, por exemplo, se vamos nos sair bem na carreira

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 EIXO1 Formação docente: Profissionalização, Ética e Cidadania 1º Período Disciplina C.H.R. C.H.S. Informática Aplicada 20 20 01 01 Políticas Públicas e Organizações

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO

Leia mais

Currículo do Curso de Letras

Currículo do Curso de Letras Currículo do Curso de Letras Habilitação em Português e Literaturas de Língua Portuguesa ATUAÇÃO A formação profissional do curso permite ao graduado em Letras, além da preparação para o exercício do magistério

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO- FADISA, Professor Dr. ELTON DIAS

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES

NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES Art. 1º As Complementares Independentes integram o currículo do curso de graduação de Direito, objetivando sua flexibilização, sendo seu cumprimento

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL Este Regulamento e a Resolução do Conselho Superior da Uneal (CONSU/UNEAL) que o aprovou foram

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 62 / 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Dança, Licenciatura,

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

SEM. CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ-REQUISITOS

SEM. CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ-REQUISITOS CURSO DE PEDAGOGIA Currículo novo 2008/01 Reconhecido pela Portaria Ministerial Nº 4.327, de 22/12/2004. Duração: 188 créditos 2.820h, acrescidas de 110h de atividades de prática de ensino, 100h de atividades

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO)

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) O Curso de Graduação em Turismo da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga foi reformulado no ano de 2008, tendo a proposta de adaptação do seu

Leia mais

COMUNICADO SOBRE MUDANÇAS NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS A PARTIR DE 2006

COMUNICADO SOBRE MUDANÇAS NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS A PARTIR DE 2006 COMUNICADO SOBRE MUDANÇAS NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS A PARTIR DE 2006 A partir de 2006 uma parte das atividades referentes à Licenciatura passou a ser realizada no próprio curso de Ciências

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO a) Perfil do curso (máximo: ½ página) Em 1954 foi criado na UFMG

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE: RESOLUÇÃO Nº /00-CEPE 1 Fixa o Currículo Pleno do Curso de Comunicação Social, Habilitações em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda, do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. O,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 13/2009 Altera os Anexos e I da Resolução n. 64/2006 do CONSEPE, que aprova o Projeto

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 06/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 08.08.06 Vigência: Válido para ingressos a partir de 2006/1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CÓD. 435 - HABILITAÇÃO: JORNALISMO MANHÃ

Aprovado no CONGRAD: 08.08.06 Vigência: Válido para ingressos a partir de 2006/1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CÓD. 435 - HABILITAÇÃO: JORNALISMO MANHÃ Aprovado no CONGRAD: 08.08.06 Vigência: Válido para ingressos a partir de 2006/1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CÓD. 435 - HABILITAÇÃO: JORNALISMO MANHÃ CÓD. 460 - HABILITAÇÃO: JORNALISMO NOITE CURRÍCULO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR

CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR Aprovado no CONGRAD: 08.05.2012 Vigência: para os ingressos a partir 2012/2 CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR CÓD. ÁREAS DE FORMAÇÃO I - CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO

Leia mais

Atividades Complementares de Curso ACC. Faculdade Promove de Sete Lagoas

Atividades Complementares de Curso ACC. Faculdade Promove de Sete Lagoas Atividades Complementares de Curso ACC Faculdade Promove de Sete Lagoas 2015 Atividades Complementares de Curso ACC Faculdade Promove de Sete Lagoas 1 Apresentação As Atividades Complementares objetivam

Leia mais

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS Coordenação: Prof. Dr. Luís Eduardo Almeida Prof. Dr. Marcelo Massayoshi Ueki http://www.engenhariademateriais-ufs.net/

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 218/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 218/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 218/2015 Altera a Deliberação Consep nº 237/2014, que dispõe sobre o Currículo do Curso de Letras - Licenciatura, com habilitações em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e respectivas

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA 2013 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são? São práticas acadêmicas de múltiplos formatos, obrigatórias, que podem ser realizadas dentro ou fora

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP VOTO CONSU 2012-01 de 26/04/2012 Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP Respeitada a legislação vigente, tanto para Licenciatura quanto para Bacharelado

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

ANEXO I MATRIZ CURRICULAR. Currículo do Curso de História

ANEXO I MATRIZ CURRICULAR. Currículo do Curso de História ANEXO I MATRIZ CURRICULAR Currículo do Curso de Bacharelado ATUAÇÃO O historiador formado na UFV poderá atuar em instituições de preservação, divulgação e estudo da memória histórica, como arquivos, museus,

Leia mais