O QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA (QTPA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA (QTPA)"

Transcrição

1 O QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA (QTPA) 1 - O CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA Os militares da Marinha do Brasil (MB) estão organizados em graus hierárquicos de Oficiais e de Praças. As Praças são ordenadas, hierarquicamente, nas seguintes graduações: Marinheiro (MN), Cabo (CB), Terceiro-Sargento (3ºSG), Segundo- Sargento (2ºSG), Primeiro-Sargento (1ºSG) e Suboficial (SO). As Praças da Marinha são organizadas em Corpos. Em cada Corpo, as Praças são distribuídas por especialidades. As especialidades correspondem à formação profissional da Praça dentro da MB que é obtida por meio de processo seletivo e cursos de formação. O Corpo de Praças da Armada (CPA) é um dos Corpos em que as Praças estão distribuídas. A atribuição principal das Praças do CPA é o guarnecimento dos navios de superfície, submarinos e aeronaves da MB para a execução de tarefas relativas à operação e manutenção de equipamentos e sistemas, à conservação de compartimentos e materiais e da participação em serviços gerais e específicos nesses meios. As Praças do CPA também podem ser designadas para funções técnicas ou administrativas, em organizações militares de terra, de acordo com as necessidades da Marinha. Devido à peculiaridade do serviço e a características dos navios da Marinha, essas Praças são, necessariamente, do sexo masculino. Os Corpos em que as Praças estão organizadas são divididos em subconjuntos denominados Quadros. O Quadro Técnico de Praças da Armada (QTPA) é um dos Quadros de Praças do CPA. Este Quadro tem o propósito de dotar a Marinha com técnicos de nível médio para atuarem na operação e manutenção de submarinos. As Praças do QTPA ingressam na Marinha com o ensino técnico de nível médio completo, obtido no meio civil, e realizam curso de formação militar-naval que os capacita a exercer suas atividades profissionais na MB, inicialmente como 3ºSG, dentro de uma especialidade para a qual concorreram e em que são capacitadas. Em 2012, a Marinha admitiu, por meio de concurso, candidatos com cursos técnicos de nível médio para as áreas técnicas e especialidades listadas na tabela a seguir: 1

2 CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO Automação Industrial Eletrônica Eletroeletrônica Eletromecânica Eletrotécnica Eletrotécnica Naval Mecatrônica Manutenção Automotiva Mecânica Mecânica Naval Mecatrônica Refrigeração e Climatização Manutenção de Máquinas Pesadas Mecânica de Precisão ÁREA TÉCNICA NA MB Eletroeletrônica Mecânica ESPECIALIDADES NA MB Comunicações Interiores (CI) ou Eletricidade (EL) Máquinas (MA) ou Motores (MO) A denominação dos cursos técnicos está de acordo com o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, editado pelo Ministério da Educação. A MB também aceitará os diplomas de cursos técnicos com denominações anteriormente utilizadas no País, desde que esteja de acordo com a Tabela de Convergência contida no mencionado Catálogo disponível no sítio eletrônico do Ministério da Educação (MEC), na Internet Mas, o que fazem estas especialidades na MB? A Praça especializada em Comunicações Interiores (CI) trabalha com centrais telefônicas; circuitos telefônicos internos e externos; intercomunicadores; sensores e indicadores de funcionamento de equipamentos e sistemas (indicador de velocidade e direção do vento, odômetro, sistemas de indicação de óleo combustível, óleo lubrificante e água), sistemas de alarme, sistemas eletroeletrônicos de navegação baseado em giroscópios, sistemas de governo do navio e piloto automático, automação, sincros e servomecanismos. A Praça especializada em Eletricidade (EL) trabalha na geração e distribuição de energia elétrica; opera e mantem geradores de CA e CC e seus quadros de distribuição. Faz a manutenção em (na): circuitos de iluminação e força; motores de bombas, de ventilação, de extração de ar; parte elétrica de equipamentos de ar 2

3 condicionado e frigoríficas; e equipamentos auxiliares e seus controladores associados (dispositivos de controle e proteção). A Praça EL faz, também, a operação, o controle e a manutenção de retificadores móveis e estáticos, de acumuladores e baterias e de transformadores. A Praça especializada em Máquinas (MA) trabalha com as máquinas principais e auxiliares da propulsão a vapor, operando e mantendo os equipamentos desse sistema de propulsão (turbinas de propulsão, condensadores, bombas de auxiliares, engrenagens redutoras, sistema de lubrificação, sistemas de resfriamento, eixos, mancais e hélices). Cuida da produção da água por meio da operação de grupos destilatórios, realizando, também, o armazenamento e controle da água para as caldeiras e da água potável do navio. A Praça especializada em Motores (MO) trabalha com as máquinas principais e auxiliares do sistema de propulsão dos navios que utilizam as máquinas de combustão interna como fonte de potência. Assim, opera e mantem os equipamentos desse sistema de propulsão (motores diesel, turbinas a gás - turbinas que utilizam o óleo diesel especial - engrenagens redutoras, sistemas de resfriamento, sistemas de lubrificação, eixos, mancais e hélices). A Praça MO, também, opera e mantem os sistemas de ar condicionado, sistemas de ar comprimido, sistemas hidráulicos, frigoríficas, máquinas de acionamento do leme, destiladores por osmose reversa, separadores de água e óleo, unidades de tratamento de águas servidas, etc. Independente da especialidade, as Praças do QTPA, ao longo da carreira, podem realizar outros cursos de capacitação/qualificação técnica para alcançar, sucessivamente, as demais graduações citadas anteriormente. 2 O CURSO DE FORMAÇÃO DAS PRAÇAS DO QTPA Os candidatos aprovados no processo seletivo para o QTPA, dentro de uma área técnica ou especialidade para a qual concorreram a uma vaga, realizam o Curso de Formação de Sargentos (C-FSG), com duração de cerca de oito meses, no Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), situado na Avenida Brasil, na cidade do Rio de Janeiro. Os candidatos são matriculados no C-FSG como Praças Especiais no grau hierárquico de Aluno de Curso de Formação de Sargentos (AFSG). Os AFSG têm as seguintes vantagens ao longo do Curso: - vencimentos mensais durante o curso de formação; 3

4 - auxílio para aquisição de uniformes; - assistência médico-hospitalar; - alojamento e alimentação, entre outros. O C-FSG é um curso de formação militar-naval e é constituído, basicamente, das seguintes disciplinas: - Organização Básica da Marinha; - Administração Naval; - Legislação Militar-Naval e Noções de Direito; - Relações Humanas e Liderança; - História Naval; - Arte Naval e Marinharia; - Organização Sistêmica dos Navios; - Noções de Segurança no Trabalho, Higiene e Primeiros Socorros; - Ordem Unida; - Armamento Leve e Tiro; - Combate a Incêndio; - Controle de Avarias; - Treinamento Físico-Militar; - Comportamento Social e Cidadania; - Palestras sobre Educação Ambiental, Amazônia Azul, além de outros temas relevantes da atualidade. Após a aprovação no C-FSG os AFSG são nomeados 3ºSG da MB, com vencimento inicial de cerca de R$ 4.000,00, além de férias remuneradas, auxílio transporte e demais vantagens adicionais. Terminado o C-FSG, os novos 3ºSG iniciam, logo a seguir, o Curso de Aperfeiçoamento (C-Ap), também no CIAA, com duração de cerca de cinco meses, que tem o propósito de compatibilizar a formação técnica civil à especialidade que irão ter na Marinha. Daí em diante, as Praças do QTPA seguirão um Plano de Carreira definido, cujos passos iniciais constam dos itens a seguir. 3 O PLANO DE CARREIRA Após a formação inicial, as Praças do QTPA realizarão um novo curso O Curso de Subespecialização de Submarinos para Praças - realizado no Centro de Instrução e Adestramento Átila Monteiro Aché (CIAMA), localizado na Ilha de Mocanguê, na Cidade de Niterói, RJ. Este Curso que tem a duração de 24 semanas tem o objetivo de 4

5 preparar as Praças da Marinha para o exercício de funções e tarefas a bordo de submarinos. Nos anos iniciais de sua carreira, como 3ºSG, exercerão funções e tarefas, correlatas às suas especialidades, a bordo de submarinos, onde se ocuparão da operação e manutenção de equipamentos e sistemas, chefiarão pequenas equipes de trabalho e realizarão serviços gerais e específicos na condução das rotinas desses navios. No prosseguimento da carreira serão promovidos à 2ºSG, 1ºSG e SO, assumindo a cada graduação funções de maior responsabilidade. Durante os períodos citados podem se candidatar à realização de diversos cursos especiais e de qualificação técnica. Podem, também, a partir do quarto ano como 2ºSG realizar o concurso interno para o ingresso no Quadro de Oficiais, desde que possuam curso superior em área de interesse da Marinha, podendo chegar, assim, até o posto de Capitão-de-Mar-e-Guerra. 4 AS VANTAGENS Durante sua carreira, os militares que ingressam no QTPA têm a oportunidade de participar de diversas missões e viagens a serviço, conhecendo muitas vezes lugares do Brasil e do exterior. Irão aprender a importância dos laços de amizade do homem do mar, o que o diferencia de todos os outros profissionais, tornando esta profissão única e apaixonante. Realizarão cursos de carreira e poderão: - realizar cursos extraordinários em instituições civis e militares no Brasil; - trabalhar no exterior e desempenhar outras atividades de interesse da Marinha e do País; e - em decorrência dos cursos e do desempenho nas suas atividades, poderão alcançar as diversas graduações já citadas, alcançando por seus méritos a graduação de SO. A carreira na MB possui inúmeras vantagens e benefícios, tais como: perspectiva de crescimento profissional permanente; bom ambiente de trabalho; plano de carreira bem definido, com possibilidade de ascensão contínua com aumento de salários proporcionais; estabilidade após dez anos de serviço; ingresso sem exigência de experiência anterior; salário inicial competitivo, durante e após a formação inicial; e 5

6 salários indiretos e benefícios, tais como: transferências remuneradas; possibilidade de moradia na cidade do Rio de Janeiro; assistência médico-hospitalar para si e para seus dependentes em instalações exclusivas da Marinha; programas e projetos sociais voltados ao bem estar social do militar e de seus dependentes, bem como facilidades oferecidas por meio de intercâmbio com entidades públicas e privadas; instalações sócio-recreativas para si e seus dependentes; ajuda para aquisição de uniformes; alimentação no local de trabalho; aposentadoria com vencimentos integrais, etc. Ao ingressar no QTPA, o jovem estará optando por abraçar a carreira militar como Praça da Marinha e não por exercer apenas a sua profissão técnica. Serão abertas diversas novas possibilidades, muitas vezes diferentes daquelas permitidas por sua formação original. Por isso, se você deseja ultrapassar os limites de sua formação técnica, ampliando seus horizontes e seguindo uma carreira cheia de possibilidades e emoções, plena de realização profissional, numa das mais antigas e conceituadas Instituições do País, venha para o QTPA. A carreira militar é muito mais do que uma simples profissão, é uma experiência de vida! Se você é do sexo masculino, tem entre 18 e 24 anos de idade, concluiu ou está concluindo o ensino técnico de nível médio nas habilitações técnicas que a MB precisa, inscreva-se já! Não perca tempo! Junte-se a nós! Seja um submarinista! Venha para a Marinha do Brasil! 6

O curso será composto de Curso de Formação de Sargentos (C-FSG), com duração de cerca de 30 semanas.

O curso será composto de Curso de Formação de Sargentos (C-FSG), com duração de cerca de 30 semanas. O Quadro Técnico de Praças da Armada (QTPA) é um dos Quadros de Praças do CPA. Os praças que ingressarem no QTPA serão preparados e capacitados para atuar na operação e manutenção de submarinos. Para a

Leia mais

Corpo Auxiliar de Praças

Corpo Auxiliar de Praças O (CAP) destina-se, primordialmente, a suprir a Marinha com militares para exercerem cargos técnicos de nível médio relativos às áreas de administração, hidrografia, informática, saúde e manutenção dos

Leia mais

Oportunidades de ingresso a candidatos de Nível Fundamental

Oportunidades de ingresso a candidatos de Nível Fundamental O ingresso aos Cursos de Formação Militar, com planos de carreira, na Marinha do Brasil só é possível mediante concursos público militar abertos a candidatos desde os 15 anos até a idade máxima de 35 anos,

Leia mais

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISIONAL MARÍTIMO MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 CURSO DISCIPLINA

Leia mais

O CAOCFN é dividido em quatro fases, com níveis crescentes de complexidade, com a seguinte abordagem:

O CAOCFN é dividido em quatro fases, com níveis crescentes de complexidade, com a seguinte abordagem: O Curso de Formação de Oficiais (CFO) tem como objetivo habilitar os candidatos aprovados nos Processos Seletivos para ingresso nos diversos Corpos e Quadros, para o exercício de atividades técnico-administrativas

Leia mais

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6 ÍNDICE Apresentação Wintek.Center... 4 Programa das Ações de Formação... 3 Básico de Refrigeração e Climatização... 6 Automação, Controlo e Instrumentação... 7 Electricidade de Sistemas de Refrigeração

Leia mais

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA Parte l Rev TRANSPORTE DE ALUNOS ATIVIDADES DIDÁTICAS EM TRÂNSITO ATIVIDADES DIDÁTICAS TEMÁTICAS Arquitetura Naval catamarã para transporte de passageiros/alunos embarcação de

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015 CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015 1. Controle e Automação Industrial (Instrumentação) Engenharia de Computação Engenharia de Produção Mecânica Engenharia de Sistemas - Modalidade

Leia mais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 04, de

Leia mais

Vista panorâmica da Escola de Aprendiz-Marinheiro de Florianópolis/SC

Vista panorâmica da Escola de Aprendiz-Marinheiro de Florianópolis/SC As Forças Armadas, em todas as suas Instituições Militares busca oferecer aos alunos ingressos, além das atividades inerentes ao seu curso de formação e um salário que atenda as despesas pessoais de cada

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO ESCOLA POLITÉCNICA EPUSP FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO REQUISITOS PARA O NAVIO DE PESQUISA DO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO (versão 7 21/02/02) OBJETIVO DO NAVIO O navio de pesquisa

Leia mais

Sistema de Controle e Monitoração para a Corveta Barroso

Sistema de Controle e Monitoração para a Corveta Barroso Instituto de Pesquisas da Marinha Sistema de Controle e Monitoração para a Corveta Barroso João Luís Marins XX Copinaval 26 de outubro de 2007 Objetivo Apresentar a arquitetura do Sistema de Controle e

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ALIMENTOS SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais para identificar os ângulos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO EMBASA

PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO EMBASA PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO EMBASA O Instituto Euvaldo Lodi IEL/BA está realizando o processo seletivo para o Programa de Estágio da Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. - EMBASA. O objetivo

Leia mais

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS AS MARCO ANTONIO DAMASCENO VIEIRA Consultor Legislativo da Área XVII Defesa Nacional, Segurança Pública Forças Armadas DEZEMBRO/2001 2 2001 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 236/2002-CEDF Processo nº. 030.004310/2002 Interessado: José Mendes da Fonseca

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 236/2002-CEDF Processo nº. 030.004310/2002 Interessado: José Mendes da Fonseca CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 5/12/2002, publicado no DODF nº 236, de 9/12/2002, p. 13. Parecer nº 236/2002-CEDF Processo nº. 030.004310/2002 Interessado: José Mendes da Fonseca

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN)

ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN) ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN) 03SET2013 PALAVRAS INICIAIS SUMÁRIO BREVE HISTÓRICO MISSÃO E ORGANIZAÇÃO O ENSINO O CORPO DE ASPIRANTES CONCLUSÃO PALAVRAS INICIAIS SUMÁRIO

Leia mais

CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PRÉDIO DA SMOV AV. BORGES DE MEDEIROS Nº 2244 ANEXO XII - PROJETO BÁSICO

CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PRÉDIO DA SMOV AV. BORGES DE MEDEIROS Nº 2244 ANEXO XII - PROJETO BÁSICO 1 CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PRÉDIO DA SMOV AV. BORGES DE MEDEIROS Nº 2244 ANEXO XII - PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Serviços de manutenção preventiva e corretiva de sistema do

Leia mais

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de Ministrado no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte/MG, OS os cursos de formação de Oficiais Médicos, Dentistas e Farmacêuticos, tem a duração aproximada de 18 (dezoito)

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009 Anexo IV Da classificação e da tabela de pontuação A) Para os cargos de Técnico em Assuntos Rodoviários e Técnico em Assuntos Administrativos: TEMPO DE FORMAÇÃO NA PROFISSÃO: Comprovação através de Diploma

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO GRUPO GERADOR - 30 KVA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ESGOTO - EEE1 JARDIM CIDADE UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO Esta especificação técnica apresenta as características técnicas e comerciais

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece procedimento adicional à concessão de código marca/modelo/versão a veículos classificados na espécie misto, tipo utilitário, carroçaria jipe, com motores

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CÂMPUS CAMPO GRANDE, CORUMBÁ E TRÊS LAGOAS Reitor do Instituto Federal

Leia mais

- Fabrico postos operador - Montagem em obra - Guinchos principais. - Guinchos oceanográficos - Guinchos de cabo sonda

- Fabrico postos operador - Montagem em obra - Guinchos principais. - Guinchos oceanográficos - Guinchos de cabo sonda Civil I Militar NAVAL Naval A ElectroRayma, como empresa que seguiu uma estratégia de diversificação e evolução constante, apostou claramente em sua incorporação ao setor naval, tanto civil, quanto militar,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40)

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Luiz Padilha, editor do Defesa Aérea & Naval com o CMG Luis Felipe Monteiro Serrão O Capitão-de-Mar-e- Guerra Luis Felipe Monteiro Serrão, é o comandante

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 23 DE SETEMBRO DE 2013

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA EDITAL DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA (CP-QTPA) em 2013 O Diretor

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso I MÓDULO I TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso Habilitar e qualificar profissionais para desenvolver atividades de projeto, especificação, instalação, montagem e manutenção de sistemas eletromecânicos

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

TÉCNICAS E HABILIDADES

TÉCNICAS E HABILIDADES Sessão de orientações para candidatos a ingresso na Escola Técnica Tsu Koutou Gijutsu Gakkou Escola para aprendizado de TÉCNICAS E HABILIDADES voltadas à profissionalização Local Mie Ken Tsu Shi Takajaya

Leia mais

Política de Bolsas e Financiamentos

Política de Bolsas e Financiamentos Política de Bolsas e Financiamentos Queremos receber bons estudantes e torná-los excelentes alunos. Olhando para o futuro, também queremos que eles sejam os melhores profissionais do mercado. Sabemos que

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

Suporte de engenharia para o dimensionamento de sistemas de acionamento eletro-hidráulicos.

Suporte de engenharia para o dimensionamento de sistemas de acionamento eletro-hidráulicos. Suporte de engenharia para o dimensionamento de sistemas de acionamento eletro-hidráulicos. Suporte de engenharia. Elaborar um projeto de sistemas de acionamento eletro-hidráulico exige uma perfeita sintonia

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS?

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS? CARTILHA DO CANDIDATO APRESENTAÇÃO Uma seleção criteriosa e bem fundamentada premia tanto a organização que necessita incluir profissionais em seus quadros, quanto o candidato que anseia por nela ingressar.

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas. Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna

Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas. Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna Sistemas de Controle de Máquinas Fonte de Energia para a Propulsão Vapor Diesel / Gás Mecânica Elétrica Diesel - Elétrica

Leia mais

Caderno de Requisitos de Titulações Automação Industrial Integrado ao Ensino Médio

Caderno de Requisitos de Titulações Automação Industrial Integrado ao Ensino Médio Caderno de Requisitos de Titulações Automação Industrial Integrado ao Ensino Médio 1. Aplicativos Informatizados (Automação Industrial Integrado ao Ensino Médio) Engenharia de Telecomunicações Engenharia

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

Tecnologia de sistemas.

Tecnologia de sistemas. Tecnologia de sistemas. HYDAC Dinamarca HYDAC Polônia HYDAC Brasil HYDAC Índia HYDAC China HYDAC França HYDAC Alemanha Seu parceiro profissional para a tecnologia de sistemas. Com mais de 7.500 colaboradores

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E

CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA DO CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA EM 2012 (CP-QTPA/2012) Í N D I C E PARTE 1 - NORMAS PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA O QTPA 1 Da Carreira Militar

Leia mais

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005.

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. INSTITUI NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

CEFET-MG Concurso Público EBTT 2013 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE

CEFET-MG Concurso Público EBTT 2013 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE CEFET-MG Concurso Público EBTT 23 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE De acordo com o item 3.3.1.2 do de Normas Gerais 077/13 de 21 de junho de 23, havendo compatibilidade de cronograma

Leia mais

A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO

A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO A preencher pelos Serviços Código da Empresa: A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PESSOA SINGULAR OU PESSOA COLETIVA NIF Firma ou Denominação Social 2. RELAÇÃO NOMINAL 2.1 Inicial

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

CLIPPING. Jornal: Jornal do Commercio Editoria: Capa Página: Data: 14/06/2012 Elaborada: ( ) Espontânea ( x ) Ass. Comunicação

CLIPPING. Jornal: Jornal do Commercio Editoria: Capa Página: Data: 14/06/2012 Elaborada: ( ) Espontânea ( x ) Ass. Comunicação Jornal: Jornal do Commercio Editoria: Capa Página: Data: 14/06/2012 Jornal: Jornal do Commercio Editoria: Economia Página: A-5 Data: 14/06/2012 Site: www.amazonasnoticias.com.br Editoria:Oportunidade Horário:

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

MANUAL DA BOLSA FORMAÇÃO E CURSOS PRONATEC

MANUAL DA BOLSA FORMAÇÃO E CURSOS PRONATEC FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE FABET FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA FATTEP CENTRO DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO TRANSPORTE CETT MANUAL DA BOLSA FORMAÇÃO E CURSOS PRONATEC

Leia mais

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Naval e Offshore na UPE desenvolvem a capacidade para planejar, desenvolver

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO 8. Eng. Ronaldo José. Woodward Governor Company - Campinas/SP

ARTIGO TÉCNICO 8. Eng. Ronaldo José. Woodward Governor Company - Campinas/SP ARTIGO TÉCNICO 8 Eng. Ronaldo José Woodward Governor Company - Campinas/SP Tema: Automação do Preparo de Cana e Moenda em Usinas de Açucar & Alcool Migração na Estratégia de Controle PID das Turbinas à

Leia mais

Mudanças profissionais e mercado de trabalho. Escolher uma profissão/mudar de atividade. Debater os direitos e deveres dos cidadãos

Mudanças profissionais e mercado de trabalho. Escolher uma profissão/mudar de atividade. Debater os direitos e deveres dos cidadãos Duração: 775 horas Duração: 400 horas Viver em português Comunicar em língua Inglesa* Mundo atual Desenvolvimento social e pessoal TIC Matemática e realidade Física e Química 6651 Portugal e a Europa 6652

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade ELABORADO: Lilian Cristina B. Ribeiro MATRÍCULA: 11861-36 RUBRICA: VALIDADO:

Leia mais

EDITAL Nº 006/RIFB, 17 DE ABRIL DE 2015

EDITAL Nº 006/RIFB, 17 DE ABRIL DE 2015 EDITAL Nº 006/RIFB, 17 DE ABRIL DE 2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONSTITUIÇÃO DO BANCO DE FORMADORES/INSTRUTORES INTERNOS PARA ATUAÇÃO NOS EVENTOS DE CAPACITAÇÃO OFERTADOS NO PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO -

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE INSCRIÇÕES EDITAL DE INSCRIÇÕES De acordo com o Contrato, firmado entre a Prefeitura Municipal de Cajati e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, que estabelece parceria para a implementação de cursos

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/08/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

Sistema de Acionamento Remoto sem Fio

Sistema de Acionamento Remoto sem Fio Sistema de Acionamento Remoto sem Fio Apresentação A Raytel apresenta a mais eficiente solução para as variadas necessidades relativas a acionamento a longas distâncias. Com inúmeras possibilidades de

Leia mais

EDITAL Nº 52/2015, DE 22 DE ABRIL DE 2015

EDITAL Nº 52/2015, DE 22 DE ABRIL DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE PESQUISA

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Sistema de Chuveiros Automáticos

Sistema de Chuveiros Automáticos SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA. 通 告 Aviso. 商 標 之 保 護 Protecção de Marca. 申 請 Pedido

經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA. 通 告 Aviso. 商 標 之 保 護 Protecção de Marca. 申 請 Pedido 13092 28 2015 7 15 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS 經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA 通 告 Aviso 商 標 之 保 護 Protecção de Marca 申 請

Leia mais

FORMULÁRIO PARA A CONSOLIDAÇÃO DAS QUESTÕES ABERTAS

FORMULÁRIO PARA A CONSOLIDAÇÃO DAS QUESTÕES ABERTAS 1 FORMULÁRIO PARA A CONSOLIDAÇÃO DAS ABERTAS COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇAO INSTITUCIONAL CPA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE CONGONHAS Responderam a este primeiro grupo de questões abertas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Alternadores Síncronos Linha AN10 Novo Alternadores Síncronos Linha AN10 Os alternadores da linha AN10 foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Gabinete da Reitora EDITAL Nº 27/2009

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Gabinete da Reitora EDITAL Nº 27/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Gabinete da Reitora EDITAL Nº 27/2009 A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS torna público que o Processo Seletivo para preenchimento de

Leia mais

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda.

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. Linha de Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva ao direito de alterar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ FUNDAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENADORIA DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS DE DESENVOLVIMENTO DO ATENDIMENTO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ FUNDAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENADORIA DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS DE DESENVOLVIMENTO DO ATENDIMENTO EDITAL Nº 001/2012/FCRIA PROJETO ADOLESCENTE DE BRAÇOS DADOS COM A CIDADANIA SOCIAL CONTRATO 6000.0065086.11.2/PETROBRAS/GEA/FCRIA A DO ESTADO DO AMAPÁ FCRIA executa o Projeto ADOLESCENTE DE BRAÇOS DADOS

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS APRESENTAÇÃO A Munhoz Instalações Industriais é uma empresa referência no mercado, com forte atuação em engenharia elétrica e hidráulica. Reconhecimento resultado de dedicação

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais