DOCUMENTOS E NORMALIZAÇÃO TÉCNICA ABNT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTOS E NORMALIZAÇÃO TÉCNICA ABNT"

Transcrição

1 DOCUMENTOS E NORMALIZAÇÃO TÉCNICA ABNT Qualificação dos ensaios - criticidade das propriedades de desempenho; Condução de experimentos e discussões técnicas; Garantia da qualidade das medidas metrologia e sistema da qualidade do laboratório institucional.

2 DOCUMENTAÇÃO FUNCIONAL Fundamentos do Programa: definição das responsabilidades: Entidade Setorial, empresas participantes, entidade de terceira parte e laboratórios institucionais; definição dos procedimentos operacionais do Programa; definição dos critérios para a classificação das empresas nos Relatórios Setoriais. 27

3 CREDENCIAMENTO 28 Alternativa B Alternativa A

4 PS PLANO DE PERMANENTE AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE PSQs são únicos para o setor/produto e implementados por Entidades Nacionais, que representem percentual expressivo da produção brasileira, mais de 70% do mercado monitorado; São implementados nacionalmente Risco de migração da não conformidade

5 PS PLANO DE PERMANENTE AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE Produtos-alvo abrangência dos componentes maior volume de produção problemas gerados pelo uso daquele componente em não conformidade segurança, durabilidade, etc. plano de expansão dos produtos alvo no tempo prioridades para os de maior volume e risco

6 PS PLANO DE PERMANENTE AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE Freqüência de auditorias para coletas de amostras Auditorias não avisadas, realizadas nas unidades fabris e no mercado; Definida em função da facilidade de alteração do componente: - no mínimo 4 avaliações/ano

7 PS PLANO DE PERMANENTE AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE Ensaios realizados e freqüência dos ensaios propriedades de desempenho construção da matriz da qualidade Critérios para avaliação da conformidade dos produtos acompanhamento de produtos de empresas participantes e não participantes no mercado

8 PS PLANO DE AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE Qualificação das empresas Empresa qualificada deve somente produzir, importar ou comercializar, em todas as suas unidades fabris, em todas as suas marcas, produtos em conformidade com as normas técnicas nacionais. Relatórios setoriais periódicos e públicos Os relatórios apresentarão a relação das Empresas qualificadas e não conformes, bem como a data da validação da qualificação das empresas. Manutenção do sigilo das informações Avaliações realizadas por entidades isentas, únicas por setor/produto

9 Publicação Trimestral de Resultados Relatório Setorial 34

10 Louças Sanitárias Contra-provas dos produtos coletados Metais Sanitários Tubos de PVC para Infra-estrutura 35

11 Ações Mobilizadoras FORNECEDOR DE MATÉRIA-PRIMA MJ - SDE PROCON MP COMPRADOR INSTITUCIONAL BNDES, FINEP, BB E AG. FOMENTO SEGURADORAS AGENTES DE FINANCIAMENTO CONSTRUTOR COMPRADOR PRIVADO REVENDEDOR CONCESSIONÁRIO 36

12 Recolhimento do produto existente no comércio varejista. Multa de R$ 200,00 por saco de 20kg de Cal apreendido. Indenização ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos, equivalente ao lucro líquido obtido de forma ilícita pela empresa Não produzir e não comercializar CAL em desconformidade à NBR 7175/92. 37

13 Termo de ajustamento de conduta...a empresa se compromete, no prazo de seis (6) meses a contar desta data, a recolher junto ao mercado consumidor os tubos de PVC fabricados e colocados a venda fora das especificações das normas acima mencionadas, sob pena de multa no valor de R $500,00 por cada tubo de PVC encontrado junto ao mercado consumidor após o decurso do referido prazo

14 39

15 40

16 Ação do PROCON em revendas Apresentação de diagnóstico do setor no Programa Fantástico /Rede Globo em 17/10/

17 Ações Mobilizadoras FORNECEDOR DE MATÉRIA-PRIMA MJ - SDE PROCON MP COMPRADOR INSTITUCIONAL BNDES, FINEP, BB E AG. FOMENTO SEGURADORAS AGENTES DE FINANCIAMENTO CONSTRUTOR COMPRADOR PRIVADO REVENDEDOR CONCESSIONÁRIO 42

18 REVISTA ANAMACO - N O 168 (OUTUBRO/06) 43

19 Folha de São Paulo 22/04/07 44

20 Ações Mobilizadoras FORNECEDOR DE MATÉRIA-PRIMA MJ - SDE PROCON MP COMPRADOR INSTITUCIONAL BNDES, FINEP, BB E AG. FOMENTO SEGURADORAS AGENTES DE FINANCIAMENTO CONSTRUTOR COMPRADOR PRIVADO REVENDEDOR CONCESSIONÁRIO 45

21 Implementar diretório de empresas, entidades profissionais e parceiros que ofereçam produtos e serviços comprometidos com a sustentabilidade 46

22 Acordo de cooperação técnica entre Caixa Econômica Federal e Ministério das Cidades CLÁUSULA QUINTA DAS EXIGÊNCIAS RELATIVAS AOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Caberá à CAIXA incluir nos Acordos Setoriais cláusula que lhe permita exigir das empresas que executarem obras no âmbito dos Programas Habitacionais e de InfraEstrutura, geridos pelo MCIDADES e operados pela CAIXA, a documentação necessária relativa aos materiais, componentes e sistemas construtivos que comprove o devido atendimentos às Normas Técnicas Brasileiras pertinentes 47

23 Guia de Boas Práticas na Construção Civil Informações sobre certificação de produtos podem ser obtidas junto ao SiMaC Sistema de Qualificação de Materiais Componentes e Sistemas Construtivos (...). A conformidade dos materiais induz à eficiência em termos ambientais, uma vez que age na durabilidade e na eficiência dos sistemas construtivos, reduzindo as perdas 48

24 Normas Técnicas: Desempenho com Durabilidade Durabilidade; Redução de perdas; Salubridade Desempenho. Consumo de recursos naturais (energia, combustível, madeira, água); Utilização de substâncias nocivas (metais pesados, VOC, etc). Meio ambiente: Produtos e processos não agressivos

25 Obrigado pela atenção!

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades O Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat o Sistema Nacional de Qualificação de Materiais e Componentes e Sistemas Construtivos 28 de novembro de 2008 Secretaria Nacional de Habitação

Leia mais

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Histórico 1991 PRONATH Prog. Nac. de Tecnologia da Habitação 1993 PROTECH Vilas Tecnológicas 1996 Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira de Materiais Compósitos Av. Professor Almeida Prado, 532 - Prédio 31 - Térreo - Sala 1 Cidade Universitária - 05508-901 São Paulo - SP - Tel/Fax:

Leia mais

PBQP-H EVENTOS 2010. Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat. Seminário de Integração Final. Rio, 06 de dezembro de 2010

PBQP-H EVENTOS 2010. Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat. Seminário de Integração Final. Rio, 06 de dezembro de 2010 PBQP-H Programa Nacional da Qualidade e Produtividade do Habitat Seminário de Integração Final Rio, 06 de dezembro de 2010 Desafio da Sustentabilidade na Construção Inclusão Social e Desenvolvimento Urbano

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Cadeia Produtiva da Construção Civil - PlanHab INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Prof. Alex Abiko Escola Politécnica USP 09 de Abril de

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS HISTÓRICO DO PSQ-Esquadrias de Alumínio - ABR/2001: AFEAL implementa o Programa Setorial da Qualidade (PSQ) de Esquadrias de Alumínio. O referido programa está inserido no Programa

Leia mais

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS AFAP-PVC: TESIS: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE PERFIS DE PVC PARA CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA DE SISTEMAS EM ENGENHARIA REFERÊNCIA: PGQ 2 - F - PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 FABRICANTES, LOJISTAS, CONSTRUTORAS E CONSUMIDORES 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 PSQ Esquadrias de Alumínio 2015 Alberto

Leia mais

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015 SUMÁRIO SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias Rev4 Janeiro/2015 1 Introdução 2 Documentos complementares 3 Conceituação 4 Requisitos do programa setorial da qualidade

Leia mais

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL CIRCULAR Nº 64/2009 Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução do BNDES, COMUNICA

Leia mais

Ações de Melhoria da Qualidade

Ações de Melhoria da Qualidade Ações de Melhoria da Qualidade OBJETIVO Elaborar mecanismos específicos que garantam que os materiais colocados à disposição dos usuários da construção civil apresentem desempenho dentro das normas técnicas

Leia mais

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Ed01/Rev1 Fevereiro de 2012

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Ed01/Rev1 Fevereiro de 2012 SUMÁRIO SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias Ed01/Rev1 Fevereiro de 2012 1 Introdução 2 Documentos complementares 3 Conceituação 4 Requisitos do programa setorial

Leia mais

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015.

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG Breve Histórico Segundo semestre de 2011 CEF procurou o Sinduscon- Goiás para tratar de problemas detectados nas obras M.C.M.V.

Leia mais

Estrutura do Ministério das Cidades

Estrutura do Ministério das Cidades Estrutura do Ministério das Cidades Ministro Conselho Nacional das Cidades Secretarias Gabinete Sec. Executiva Habitação Saneamento Ambiental Transporte e da Mobilidade Urbana Programas Urbanos PBQP-H

Leia mais

Valéria D ria D Amico. Amico Casa Civil Governo do Estado de São Paulo. March, 2005 1

Valéria D ria D Amico. Amico Casa Civil Governo do Estado de São Paulo. March, 2005 1 Valéria D ria D Amico Amico Casa Civil Governo do Estado de São Paulo March, 2005 1 COMITÊ DE QUALIDADE DA GESTÃO PÚBLICAP CASA CIVIL - FAZENDA - PLANEJAMENTO - PGE March, 2005 2 OBJETIVO introduzir critérios

Leia mais

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H O que é PBQP-H? O PBQP-H (Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat), é um instrumento do governo federal que tem como meta organizar

Leia mais

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades 29ª. Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção Novembro 2013

Leia mais

PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE ARGAMASSAS COLANTES

PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE ARGAMASSAS COLANTES SINAPROCIM: SINPROCIM: SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE CIMENTO SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE CIMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO REFERÊNCIA: PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE ARGAMASSAS

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DAS CIDADES

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DAS CIDADES Junho - 2014 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DILMA VANA ROUSSEFF Presidenta MINISTÉRIO DAS CIDADES GILBERTO MAGALHÃES OCCHI Ministro de Estado INÊS DA SILVA MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação MARIA

Leia mais

PSQ AL FT 09/15. Entidade Setorial Nacional Mantenedora. Entidade Gestora Técnica

PSQ AL FT 09/15. Entidade Setorial Nacional Mantenedora. Entidade Gestora Técnica Página 1 de 26 - Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Rua Dr. Elias Chaves, 122 Campos Elíseos São Paulo SP cep 01205-010 Telefone: (0XX11)

Leia mais

O trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma

O trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma O trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma concorrência, tomada de preços ou carta convite para fornecimento de tubos de concreto simples ou armados,

Leia mais

Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. TESIS - Tecnologia de Sistemas em Engenharia Ltda.

Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. TESIS - Tecnologia de Sistemas em Engenharia Ltda. Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado.

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014 MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre A Coordenação Geral

Leia mais

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda.

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda. Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira do Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br Entidade Gestora

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 54/2014 Dispõe sobre o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H - no Município de Foz do Iguaçu e dá outras providências. Autor: Vereador Paulo César Queiroz

Leia mais

Missão Institucional da REMEQ-PB Promover a difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos nas áreas de metrologia e qualidade, apoiando o desenvolvimento de pessoal e de infra-estrutura laboratorial,

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Perfis de PVC para Construção Civil Av. Angélica 1968 cj. 53/54 I Higienópolis I CEP-01228 200 I São Paulo I SP http://www.afap.org.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES. Alcir Vilela Junior

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES. Alcir Vilela Junior AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES Alcir Vilela Junior ROTEIRO DA CONVERSA Nossa perspectiva ao abordar o tema Como se configura este mercado O perfil profissional e o design instrucional Os resultados

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

Políticas públicas: suas contribuições para o reuso e reciclagem em micro e pequenas empresas da indústria eletroeletrônica

Políticas públicas: suas contribuições para o reuso e reciclagem em micro e pequenas empresas da indústria eletroeletrônica Políticas públicas: suas contribuições para o reuso e reciclagem em micro e pequenas empresas da indústria eletroeletrônica Virgínia Dias Miriam Borchardt Giancarlo Pereira Introdução Políticas públicas

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS HISTÓRICO DO PSQ-Esquadrias de Aço - NOV/1996 :O Programa da Qualidade da Construção Habitacional do Estado de São Paulo (QUALIHAB), implantado pela CDHU, estimulou a criação do

Leia mais

O desafio de construir sem degradar

O desafio de construir sem degradar Construindoum um mundosustentável O desafio de construir sem degradar Missão Missão Promover, divulgar e fomentar a utilização dos conceitos e tecnologias sustentáveis na Construção Civil. Escopo Espaço

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE TINTAS TECNOLOGIA DE SISTEMAS EM ENGENHARIA PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE TINTAS IMOBILIÁRIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE TINTAS TECNOLOGIA DE SISTEMAS EM ENGENHARIA PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE TINTAS IMOBILIÁRIAS Resumo Executivo do Relatório Setorial n 005 JULHO/2004 - ABRAFATI: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE TINTAS TESIS: TECNOLOGIA DE SISTEMAS EM ENGENHARIA REFERÊNCIA: PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVOS Estimular a provisão de habitação de interesse social em larga escala e em todo o território;

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas

Leia mais

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Requisitos e procedimentos para expedição do Licenciamento Ambiental de postos de combustíveis instalados/localizados e/ou a serem

Leia mais

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação Sanitária no Contexto da Política Tecnológica e de Inovação Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 Eixo 1: Complexo Produtivo e de Ciência,

Leia mais

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores VERA FERNANDES HACHICH Conselho Brasileiro da Construção Sustentável CBCS TESIS Tecnologia de Sistemas em Engenharia 5 de novembro 2009 Tópicos Palestra

Leia mais

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE PRODUTOS IQA/Inmetro CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE PRODUTOS IQA/Inmetro CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO PROFILE Debora do Nascimento Bueno (debora.bueno@iqa.org.br) Auditora Líder da qualidade no IQA - Instituto da Qualidade Automotiva. Formação técnica: Técnica

Leia mais

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG 2014-2015 Goiânia, 10 de março de 2014. Jhéssica Ribeiro Cardoso

EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG 2014-2015 Goiânia, 10 de março de 2014. Jhéssica Ribeiro Cardoso EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG 2014-2015 Goiânia, 10 de março de 2014 Jhéssica Ribeiro Cardoso Agenda: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contratações Públicas Sustentáveis Instrução Normativa nº 1/2010; Instrução

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Histórico O Protocolo foi assinado em 03 abril de 2012, pelas empresas: Aperam South America ArcelorMittal Gerdau Siderúrgica

Leia mais

O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos

O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos O Grupo Camargo Corrêa almeja ser um indutor de novos modelos de geração de valor compartilhado com foco em inovação tecnológica, mudanças climáticas e inclusão

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes:

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: PROGRAMA INOVACRED /FINEP Classificação do porte das empresas Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: Porte I empresas com receita operacional

Leia mais

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013 Fomento à Produção Nacional Painel de Debate 16/4/2013 A FINEP A FINEP - Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em

Leia mais

Qualidade Ambiental ABNT

Qualidade Ambiental ABNT Qualidade Ambiental ABNT PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL Andreia Oliveira ABNT Fundação em 1940; Entidade privada, sem fins lucrativos e considerada de utilidade pública; Único fórum brasileiro de

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Entidades Setoriais Nacionais Mantenedoras SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Endereço: Av.

Leia mais

Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES

Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 SETOR DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL TIPOS

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA A PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO. Marcelo Abrantes Linguitte

ESTRATÉGIAS PARA A PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO. Marcelo Abrantes Linguitte ESTRATÉGIAS PARA A PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Marcelo Abrantes Linguitte 1. Conceitos Estruturantes Dimensões Humanas 1. Física 2. Mental 3. Emocional 4. Espiritual Atendimento a Necessidades Ação

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

PRECON, A MARCA DA CONSTRUÇÃO

PRECON, A MARCA DA CONSTRUÇÃO PRECON, A MARCA DA CONSTRUÇÃO Em 1963, foi fundada a Precon, uma pequena fábrica que após quase 50 anos de atuação tornou-se um grupo, que tem uma história de empreendedorismo, inovação, compromisso com

Leia mais

A Relação entre as Certificações de Produtos e Serviços e as Compras Públicas

A Relação entre as Certificações de Produtos e Serviços e as Compras Públicas A Relação entre as Certificações de Produtos e Serviços e as Compras Públicas Brasília, 28 de agosto de 2014 Alfredo Lobo Diretor de Avaliação da Conformidade Missão Prover CONFIANÇA à sociedade brasileira

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas PDP setembro/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Comissão de Meio Ambiente Data: 23/maio/2014 Em março de 2009, o Governo Federal lançou o Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV Metas do PMCMV 3,75 Milhões de

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3 1. Critérios Eliminatórios E1 E2 E3 E4 E E6 Critérios Eliminatórios Projeto não foi selecionado por meio do Edital INCRA/DD/DDA Nº 01/2013 para compor a carteira de projetos do INCRA Entidade está enquadrada

Leia mais

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 Há oportunidades para participação de empresas

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

*O segmento é constituído de cerca de 138 mil lojas em todo o Brasil, dos quais 77% são pequenos e médios estabelecimentos.

*O segmento é constituído de cerca de 138 mil lojas em todo o Brasil, dos quais 77% são pequenos e médios estabelecimentos. Fonte: A Construção do Desenvolvimento Sustentado, UNC, 2006 *O segmento é constituído de cerca de 138 mil lojas em todo o Brasil, dos quais 77% são pequenos e médios estabelecimentos. *A cadeia da Construção

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais