Palavras-chave: Educação do Campo. Formação de Professores. Políticas Públicas educacionais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Educação do Campo. Formação de Professores. Políticas Públicas educacionais."

Transcrição

1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS À EDUCAÇÃO DO CAMPO Autora: Ataíze Mota da Silva 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte- UFRN Co-autor: Magnus José Barros Gonzaga 2 Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO Este artigo, intitulado, Formação de professores: desafios à Educação do Campo, aborda questões referentes às políticas de formação de professores para as escolas do campo, bem como identifica e analisa a visão dos professores da zona rural do município de São Paulo do Potengi, acerca da sua formação docente. Busca identificar e analisar se a formação dos professores atende as necessidades específicas da educação do campo. Para tanto, fez-se uma breve retrospectiva histórica e política sobre a Educação do Campo e da formação de professores no Brasil, fundamentando-se na legislação específica e na literatura pertinente. No processo de pesquisa, foram feitas entrevistas por meio de questionário misto (com questões abertas e fechadas). A discussão também está voltada a analisar: a) o tipo de formação específica voltadas para educadores do campo; quais políticas de formação de professores são necessárias para propiciar uma educação de qualidade para o campo. Constatou-se, a partir da visão dos professores, a necessidade do fomento de políticas educacionais direcionadas à formação de professores para atuar no campo; a necessidade de reestruturação curricular das licenciaturas, a parir das demandas da educação do campo; atuação mais eficaz das instituições formativas do estado no tocante às políticas de formação de professores para atuação no campo; desenvolvimento de políticas e programas de formação continuada para professores do campo. Palavras-chave: Educação do Campo. Formação de Professores. Políticas Públicas educacionais. 1 Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 2 Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte 1

2 1. INTRODUÇÃO A consolidação de uma educação pública e de qualidade para o atendimento das necessidades da educação do campo não se faz deslocada do fomento de políticas públicas educacionais voltadas para a formação inicial e continuada de professores que atuam neste setor. Nesse aspecto, é imprescindível à educação do campo considerar: o contexto dos cidadãos; os modos de viver e produzir do campo, suas especificidades e interesses, as quais envolvem a relação com a terra e o meio-ambiente e a incorporação do espaço com suas peculiaridades, e não apenas adaptações da educação pensada para a cidade. Arroyo (2007, p. 2) assinala que não temos tradição nem na formulação de políticas públicas, nem no pensamento e na prática de formação de profissionais da educação que focalize a educação do campo e a formação de educadores como preocupação legítima. A tradição de normas universalistas brasileira não considera as especificidades de tal realidade, mas generaliza todas, sem distinção. Vive-se e segue-se um modelo pré-definido de escola urbana, como se fosse um parâmetro. Sendo assim, a formulação de políticas públicas em educação, em geral, pensa a cidade e os cidadãos urbanos como protótipos de sujeitos e de direitos. A cidade é vista como um espaço civilizatório, de convívio, de socialização, da expressão da dinâmica política, cultural e educativa. Essa visão de cidade está intimamente ligada a uma visão negativa do campo, como lugar atrasado e sem desenvolvimento. Isto porque, esse contexto por muito tempo foi estigmatizado na sociedade brasileira, e os preconceitos, estereótipos e outras conotações multiplicou-se rapidamente. Por outro lado, na visão dos movimentos sociais, o campo é um lugar de lutas e embates políticos. É um cenário singular que apresenta costumes, crenças e valores próprios desse contexto. Construir uma educação para o campo é formar educadores para atuar em diferentes espaços educativos desse setor, com formação técnica, política e social para intervir junto à escola, à família e à comunidade. É preciso ainda que os educadores tenham conhecimento das necessidades específicas que as escolas do campo possuem. Dessa maneira, edifica-se uma nova identidade de educador que precisa ser cultivada e disseminada no contexto da educação do campo. Torna-se assim, essencial destacar o compromisso que as universidades devem adotar no âmbito da formação de educadores, preparando-os para atuarem não somente em escolas urbanas, mas respeitando também as especificidades das escolas do campo. É importante atentar-se para o fato de que não se deseja uma fragmentação de uma possível unidade política entre o conjunto da classe trabalhadora, quebrada pela suposta existência de 2

3 duas escolas (ARRUDA & BRITO, 2009). Pretende-se desconstruir a visão dual do campo que só fortalece a cultura hegemônica, a qual se pauta nos valores urbano-industriais, enquanto que a escola do campo está centrada apenas nas matrizes culturais e na dinâmica da vida rural (ARROYO & FERNANDES, 1999). Sendo assim, os saberes associados a essa matriz cultural são direcionados aos novos sujeitos culturais que os vários movimentos sociais criam e recriam. A escola, os saberes são um direito do homem e da mulher do campo, porém esses saberes escolares tem que estar em sintonia com os saberes, os valores, a cultura a formação que acontece lá fora (ARROYO, 1999). 2. BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO DO CAMPO Ao longo da história da educação do campo no cenário brasileiro, muitas mudanças de ordem políticas, econômicas e sociais ocorreram. Ao analisar alguns marcos legais e políticos, foi possível compreender as principais mudanças e descrever aspectos relevantes na luta dos movimentos sociais, dos órgãos governamentais e da sociedade civil. A identidade da educação do campo, recentemente construída, reflete momentos de confluência, debates e conflitos de idéias entre os movimentos sociais, as políticas públicas e demais atores. Assim, torna-se relevante conhecer um pouco desse percurso, levantando os diálogos presentes e o seu envolvimento com as diversas áreas do conhecimento que retratam a educação do campo e suas particularidades. No início do século XX, Carvalho (2008, p. 54) constata que, até 1930, o Brasil era predominantemente agrícola. O senso de 1920, por exemplo, registrou que apenas 16,6% da população viviam em cidades de 20 mil habitantes ou mais [...] e 70% se ocupavam de atividades agrícolas. Mesmo o Brasil sendo um país predominantemente agrário, a educação do campo só seria contemplada em uma constituição em 1934 referendando na educação um modelo latifundista, destinado aos filhos das elites agrárias. De 1934 até 1946, mantém-se este modelo na educação, porém, evidenciam-se mudanças de poder das elites agrárias para as industriais. Como forma de expandir o ensino e preservar a cultura do homem do campo foi criado a Sociedade Brasileira de Educação Rural. Na década de 1960, a educação entrou em processo de universalização para atender as novas necessidades da economia em curso. As escolas, agora escolas públicas, também destinadas aos pobres, passaram a adotar em sua finalidade, a formação de técnicos para a 3

4 indústria. A partir desta década, muitas escolas situadas nas áreas rurais começaram a ser fechadas, ficando seus prédios abandonados. Os alunos do campo provenientes das camadas economicamente desvaforecidos, ao chegarem aos centros urbanos não se identificavam com a escola, a educação, seus conteúdos e finalidades, pois a diferença entre vivência, prática e o conteúdo estudado pelas escolas urbanas eram distantes de suas origens. Esta dicotomia entre a escola e os alunos levou muitos alunos a abandonarem as escolas. O ensino no limite urbano foi intensificado e milhares de construções na zona rural, antes educacionais, tornam-se inutilizadas, antiquadas, levando a educação na zona rural a ficar à mercê de sua própria sorte. Com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 4024/61, torna-se perceptível a não preocupação com a educação rural e sim com a educação urbana. A responsabilidade da educação ficou a cargo dos municípios, fato que contribui para a situação precária do sujeito do campo, pois os municípios pequenos (isoladamente das ações do poder central) não tinham condições de sustentar plenamente uma educação voltada ao sujeito do campo. Com o processo de redemocratização do país e a aprovação da Constituição Federal de 1988 em torno dos direitos sociais da população campesina, ao mesmo passo em que se consegue aprovar políticas de direitos educacionais bastante significativas, consolidando (ao menos no nível do discurso oficial) o compromisso do Estado e da sociedade brasileira em promover a educação para todos, respeitando suas singularidades culturais e regionais. Em sintonia com essas concepções foram formuladas e implementadas reformas educacionais que desencadearam alguns documentos fundamentais, dentre eles: a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 (LDBN). A partir dessa nova Lei e a concepção de educação para todos, o campo foi reconhecido como cenário de singularidades e diversidade. A LDB 9.394/96 em seu artigo 28 estabelece as seguintes normas para a educação no meio rural: Na oferta da educação básica para a população rural, os sistemas de ensino proverão as adaptações necessárias à sua adequação, às peculiaridades da vida rural e de cada região, especialmente: I- conteúdos curriculares e metodologia apropriada às reais necessidades e interesses dos alunos da zona rural; II- organização escolar própria, incluindo a adequação do calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climáticas; III- adequação à natureza do trabalho na zona rural. (BRASIL, 1996). 4

5 A partir desse artigo percebemos alguns avanços políticos e educacionais em relação à educação no campo. No entanto, essa oferta de educação básica para a população rural, não é a mesma compreensão que os movimentos sociais e a academia científica têm em relação à educação do campo. Enquanto a LDB se volta à preparação de mão de obra visando o mercado de trabalho, os movimentos sociais e academia veem a educação do campo como mudança de sociedade e formação da cidadania. Outro ponto do documento que também merece atenção é a questão da adaptação. Observa-se que o modelo escolar urbano predomina como modelo único, ou seja, os currículos das escolas urbanas ainda servem de base para adaptações dos conteúdos nas escolas do campo. Isso quando ainda há adaptações, o mais grave é quando levam os estudantes do campo para a cidade, fazendo com que os alunos esqueçam sua própria identidade, estudando com professores e alunos urbanos e sendo socializados de acordo com a cultura hegemônica, uma cultura da hipocrisia. Arroyo (2007) discorre sobre isso, As políticas de nucleação de escolas e de transporte das crianças e adolescentes do campo para as escolas das cidades radicalizaram essa prática e esse paradigma urbano. Essa situação de descaso dos órgãos públicos ao longo da história da educação do campo motivou o surgimento das diversas iniciativas de movimentos sociais, sindicais e populares que paralelamente construíram inúmeras experiências educativas de reflexão acerca da realidade e interesses dos povos do campo. São iniciativas que defendem o campo como espaço de diversidade cultural e, portanto, territórios que carecem de políticas direcionadas a essa realidade e não uma mera remodelagem do que é elaborado para cidade (ARROYO 2007). Diante desse cenário, fica nítida a percepção de que o tema Educação do Campo nas constituições brasileiras, desde a primeira, de 1824 até a de 1980, sempre ficou à margem da política educacional brasileira. Somente a partir de 1988 é que percebe-se sinais de mudanças. Por exemplo, durante o primeiro semestre de 1996, CNBB, MST, UnB, UNESCO e UNICEF coordenaram o processo preparatório para a realização da "Conferência Nacional Por Uma Educação Básica do Campo", ocorrida entre os dias 27 e 31 de julho em Luziânia/GO. O preparatório teve como objetivo trocar experiências e dificuldades comuns entre as instituições, os movimentos sociais e demais atores, bem como refletir sobre um possível projeto nacional específico para o campo e colocar o estudo do meio rural nas agendas políticas. 5

6 foram: Alguns dos questionamentos levantados por Miguel Arroyo durante esta conferência [...] como a escola vai trabalhar a memória, explorar a memória coletiva, recuperar o que há de mais identitário na memória coletiva? Como a escola vai trabalhar a identidade do homem e da mulher do campo? Ela vai reproduzir os estereótipos da cidade sobre a mulher e o homem rural? Aquela visão de jeca, aquela visão que o livro didático e as escolas urbanas reproduzem quando celebram as festas juninas? É esta a visão? Ou a escola vai recuperar uma visão positiva, digna, realista, dar outra imagem do campo? (ARROYO, 2011, p.16). Em 2004, foi criado no Ministério de Educação, a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), na qual existe uma coordenação de educação do campo. Ainda em 2004, foi realizada a II conferência Por uma Educação Básica do Campo, a qual ficou explicitada a emergência de um projeto de sociedade que seja igualitário e democrático, que seja a favor da reforma agrária e contra o agronegócio. Hoje, em termos de legislação, além da LDB, tem também uma resolução com Diretrizes Operacionais a qual caracteriza a educação do campo com identidade própria, especificidades, merecendo tratamento especial, mesmo que esse tratamento ainda seja o de adaptação, e colocando-a como um serviço ao desenvolvimento. No entanto, o grande desafio, ainda, é transformar essas leis e instruções em realidade. É necessário bem mais do que adaptação e instruções, sejam criadas políticas públicas direcionadas a este segmento. É fundamental propor, participar dos conselhos, fazer da proposta para a educação do campo uma bandeira de luta, como vem fazendo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MST. Com essa união foi alcançado alguns resultados, entre eles, a criação do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária- PRONERA, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), cujo objetivo é ampliar os níveis de escolarização formal dos trabalhadores rurais assentados. Este programa atua como instrumento de democratização do conhecimento no campo, ao propor e apoiar projetos de educação que utilizam metodologias voltadas para o desenvolvimento das áreas de reforma agrária, vinculado ao Governo Federal. Este programa é uma parceria do Incra com movimentos sociais e sindicais de trabalhadores e trabalhadoras rurais, instituições públicas de ensino, instituições comunitárias de ensino sem fins lucrativos e governos estaduais e municipais. São ofertados alguns cursos: alfabetização de Jovens e Adultos (EJA), Ensino Médio e Técnico Profissionalizante e Ensino Superior. 6

7 2.1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CAMPO A formação de professores é uma área, que antes de tudo, necessita de grande esforço teórico para possibilitar a análise dos processos formativos referentes à complexidade do meio rural brasileiro, cuja formação se configura em um elemento fundamental para se atingir os objetivos visados pela educação, uma vez que é o professor que, em sua prática, operacionaliza as grandes linhas propostas pelas reformas educacionais. Esse tema vem provocando muitas discussões pelo seu rico potencial de análise, especialmente porque há uma grande luta dos movimentos sociais por políticas públicas de educação para o campo, que vem se fortalecendo desde 1997, cobrando uma formação adequada para os professores que trabalham nesse segmento, concursos públicos, abertura de escolas, melhorias do transporte escolar, associadas às necessidades da reforma agrária por financiamentos para a agricultura familiar de base camponesa. No campo das ações governamentais, uma das iniciativas do Ministério da Educação para formar esses professores que lecionam no Campo se deu por meio da criação da chamada Escola da Terra - uma das ações do Programa Nacional de Educação do Campo (Pronacampo) - que oferece formação continuada e gratuita a professores que trabalham no campo. Este programa tem como objetivo promover a melhoria das condições de acesso, permanência e aprendizagem dos estudantes do campo e quilombolas em suas comunidades, por meio do apoio à formação de professores que atuam nas turmas dos anos iniciais do ensino fundamental compostas por estudantes de variadas idades, e em escolas de comunidades quilombolas, fortalecendo a escola como espaço de vivência social e cultural. Oferece recursos didáticos como: livros do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), Campo e Kit pedagógico que atendam às especificidades formativas das populações do campo e quilombolas, apoia técnica e financeiramente aos estados, Distrito Federal e municípios para a ampliação e a qualificação da oferta de educação básica às populações do campo e quilombolas em seus respectivos sistemas de ensino. A Escola da Terra compreende quatro ações: formação continuada e acompanhada de professores que trabalham com estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental em escolas multisseriadas no campo e em escolas quilombolas, além dos assessores pedagógicos, que terão a função de tutores; oferta de material didático e pedagógico; monitoramento e avaliação; e gestão, controle e mobilização 7

8 social. Em 2013, sete universidades federais foram selecionadas para participar de projetopiloto da Escola da Terra, em quatro das cinco regiões do país. 3. O CAMPO DA PESQUISA O campo empírico deste estudo foi o Município de São Paulo do Potengi, localizado no estado do Rio Grande do Norte (RN). A zona rural do município de São Paulo do Potengi conta com 7 escolas funcionando nos turnos matutino e vespertino, desde a educação infantil até os anos iniciais do ensino fundamental. No ensino fundamental as salas são multisseriadas, com alunos de três anos/série estudando na mesma classe. O corpo docente das escolas é constituído por 16 professores, 1 coordenador para educação infantil, 1 coordenador para o ensino fundamental, 1 diretora e 5 monitores do mais educação. Quanto à formação dos profissionais que participaram da pesquisa, 2 professores tem o ensino superior incompleto (cursando pedagogia), 2 professores tem o ensino superior completo (pedagogia), 2 tem o curso de pedagogia e a pós-graduação e 1 é licenciada em Geografia e especializada em Educação ambiental. Como forma de investigar as opiniões dos educadores do campo acerca da formação necessária para lecionar nesse contexto, qual a concepção de Educação do campo, quais desafios e/ou dificuldades enfrentadas no dia-a-dia do seu trabalho e que tipo de políticas são necessárias para garantir um trabalho de qualidade no Campo, foi aplicado um questionário a esses professores. No total, foram aplicados 7 questionários, sendo 1 por escola. 3.1 PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METOLÓGICOS As informações coletadas nesta pesquisa deram-se por meio de entrevista semi estruturada com a utilização de questionário misto (envolvendo questões abertas e fechadas), composto de 06 perguntas, as quais permitiram aos inquiridos selecionarem as opções (entre as questões apresentadas) que mais se adequaram à sua opinião. Num segundo item, os professores expressarem livremente seu pensamento por meio da escrita, nas questões abertas. A partir dos dados coletados, foram feitas as análises à luz do referencial teórico e da literatura pertinente à temática, dos documentos que tratam especificamente das questões presentes no questionário da pesquisa, buscando fundamentar o posicionamento do público- 8

9 alvo. Também foi feita, análises dos dados quantitativos, os quais são apresentados por meio de gráficos para melhor visualização e entendimento dos dados. 3.3 RESULTADOS ALCANÇADOS 1º Pergunta: Qual a sua concepção de Educação do Campo? Os dados analisados apontam que 5 entre os 7 professores respondem que a educação do campo é uma oportunidade de ensino-aprendizagem significativo, onde os professores precisam ensinar seus alunos a partir da sua realidade, ou seja, um ensino contextualizado e sintonizado com a vida no campo. Ainda colocam que este conceito está em construção e adaptação de paradigmas. Os outros dois professores não tem uma visão de campo bem estruturada, respondem que é uma educação voltada para as salas multisseriadas. Segundo as Diretrizes Operacionais para a educação básica do campo, a concepção de educação do campo compreende a toda: ação educativa desenvolvida junto às populações do campo e fundamenta-se nas práticas sociais constitutivas dessas populações: os seus conhecimentos, habilidades, sentimentos, valores, modo de ser, de ver, de viver e de produzir e formas de compartilhar a vida (Art. 2º da Resolução 01 CNE 03/04/2002 Diretrizes Operacionais para Educação do Campo) Os dados acima nos mostra que a maioria dos professores tem um certo conhecimento sobre a concepção de educação do campo, preconizada pelas Diretrizes Operacionais para a educação básica do campo. No entanto, a concepção não é conhecida por todos os profissionais que atuam nessas sete escolas. Na fala de um dos professores pode-se perceber isso: O avanço na educação, pois todo aluno será capaz, basta querer, não havendo distinção; de pé no chão também se aprende a ler e a escrever. A consequência direta deste desconhecimento por alguns professores impede a desconstrução de paradigmas, preconceitos e injustiças que perpetua um modelo de desigualdade educacional entre campo e cidade construído historicamente. 2º Pergunta: Quais os desafios e/ou dificuldades vocês enfrentam no dia-a-dia da sala de aula? 9

10 Desafios e/ou dificuldades Salas multisseriadas; Participação dos pais; Desinteresse dos alunos; Articular o ensino a realidade do aluno; Gráfico 1. Construído a partir das respostas dos professores pesquisados Os 3 professores questionados relataram essas 8 dificuldades e/ou desafios enfrentadas no dia-a-dia da sala de aula. Eles afirmaram que as salas multisseriadas, onde se encontram alunos com diferentes idades e diferentes etapas de escolaridade, é uma forma de ensino que traz bastante dificuldade de planejamento, pois exige a elaboração de estratégias variadas, para atender não só a diferentes necessidades de conteúdos, como também uma grande variação de interesses e modos de interação resultantes das diferenças de faixas etárias dos estudantes. A alternativa mais utilizada pelos professores para solucionar o problema e viabilizar o planejamento numa situação dessa natureza tem sido seguir as indicações do livro didático, sem, contudo, atentar com clareza para as implicações curriculares resultantes dessa atitude, uma vez que esses materiais didáticos impõem a definição de um currículo deslocado da realidade e da cultura das populações do campo da região. Sabe-se também que as classes multisseriadas não dispõem de uma política pública que atenda suas especificidades em moldes heterogêneos e que propicie um ensino de qualidade para seus sujeitos e como consequência há uma adaptação do ensino seriado/urbanocêntrico, fazendo com que se perpetue a postura negligente que o estado sempre adotou com a educação dos povos do campo. Vale salientar que existem alguns programas do Ministério da Educação, por meio da Coordenação Geral de Educação do Campo/ SECAD, para as classes multisseriadas: o Programa Escola Ativa, implantado desde 1997, e que não tem resistido às inúmeras críticas que tem sido a ele direcionada, mesmo com sucessivas reformulações. Outro programa mais recente é Pronacampo, que está em trâmite de efetivação. Este programa baseará suas ações em quatro eixos: gestão e práticas pedagógicas, formação de professores, educação de jovens e adultos e educação profissional e tecnológica. Uma das ações previstas é a educação 10

11 contextualizada, que promova a interação entre o conhecimento científico e os saberes das comunidades. Os estudantes receberão material didático relacionado à realidade do campo, por meio do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD Campo). O Programa Nacional de Biblioteca da Escola (PNBE) atenderá professores e estudantes, ao oferecer obras de referência sobre as especificidades do campo e das comunidades remanescentes de quilombos. Um dos professores mencionou que: Desenvolver práticas pedagógicas a partir da realidade do educando é um desafio. Na fala desse professor pode-se notar que o desafio de desenvolver práticas pedagógicas que considere a realidade do aluno está mesmo na falta de uma formação que contemple as especificidades dos sujeitos do campo. Praticamente a maioria dos educadores deste segmento não tem formação necessária para lecionar nesse contexto, não mora e nem compartilha dos mesmos costumes e valores que as pessoas do campo possuem. Dessa forma, torna-se difícil planejar atividades que esteja em consonância com a realidade dos alunos. Arroyo (2007, p.12) ressalta que Como ser educadora e educador, administrador, pedagogo ou professor do campo sem um estudo sério dessa tensa história? O conhecimento dessa história terá de fazer parte da formação de educadores do campo. A 3º e 4ª pergunta refere-se à formação inicial e continuada dos educadores do campo. Do total de 7 professores, 2 disseram que sim, que sua formação inicial em pedagogia é suficiente, e 5 disseram que não, que só uma formação inicial em pedagogia não garante atender e considerar as particularidades que esse contexto possui. Referente a formação continuada, 4 professores disseram que já participaram de alguma formação continuada voltada para a educação do campo e 3 deles disseram que não. Uma curiosidade me chamou atenção: dos 4 professores que responderam que já participaram de alguma formação continuada, 3 responderam que sua formação inicial ou continuada não é capaz de atender e considerar as especificidades do campo. Ou seja, se a formação inicial em pedagogia não pode formar um educador especifico para o campo e nem os cursos de formação continuada pode dar conta de atualizar o professor sobre a temática, que tipo de formação é capaz de fazer este trabalho? Uma das professoras questionadas escreveu abaixo da alternativa que nunca estamos prontos, precisamos buscar novas aprendizagens para melhorar sempre. Arroyo (2007, p.11), vem abordando que os movimentos sociais reivindicam que nos cursos de formação de educadores e educadoras do campo precisa ser incluídos: 11

12 conhecimentos do campo, as questões relativas ao equacionamento da terra ao longo de nossa história, as tensões no campo entre o latifúndio, a monocultura, o agronegócio e a agricultura familiar; conhecer os problemas da reforma agrária, a expulsão da terra, os movimentos de luta pela terra e pela agricultura camponesa, pelos territórios dos quilombos e dos povos indígenas. Conhecer a centralidade da terra e do território na produção da vida, da cultura, das identidades, da tradição [...]. Diante disso, fica evidente a necessidade de se pensar novos métodos e cursos de formação continuada de educadores que possam atualizar e informar aos professores das particularidades que o campo possui, e reavaliar os que já estão em curso. É necessário também, que todas as universidades possam ofertar uma licenciatura de qualidade para o educador do campo. Assim, torna-se urgente a interiorização da educação superior. (Arroyo, 2007) 5º Pergunta: Qual a formação específica para ser educador (a) do campo? Qual a formação específica para ser educador (a) do campo? Pedagogia e formação continuada voltada para a Educação do Campo; Componentes curriculares nas universidades; Pesquisador na área; Educador que resida na comunidade. Gráfico 2. Construído a partir das respostas dos professores pesquisados A partir da análise do gráfico 2 pode-se constatar que os educadores têm consciência de que o profissional que atua nas escolas campo precisa de uma formação diferenciada, pois apenas uma licenciatura sem especificações não é capaz de formar um educador adequado para o campo. Constatamos ainda que os professores precisam ter formação inicial específica para lecionar nas escolas do campo, ou ter curso de formação continuada que inclua os conhecimentos referentes à vida no campo e as particularidades que esse contexto possui. Os pesquisados também colocam que as universidades devem adotar componentes curriculares 12

13 voltados para a educação do campo. E outro ponto importante é que o educador resida na comunidade que leciona. Defendemos um corpo docente com formação específica, um sistema de educação com uma rede de escolas do campo no campo. Para isso, também é preciso, como mostra Arroyo (2007, p.13), [...] um corpo de profissionais que vivam junto às comunidades rurais, que sejam oriundos dessas comunidades, que tenham como herança a cultura e os saberes da diversidade de formas de vida no campo. A maioria das educadoras e educadores vai, cada dia, da cidade à escola rural e de lá volta a seu lugar, a cidade, a sua cultura urbana. Consequentemente, nem tem suas raízes na cultura do campo, nem cria raízes. Sendo assim, é preciso formar os educadores que já estão inseridos no campo. Essa formação poderá capacitar melhor os educadores e permitir que eles percebam que os cursos não servem apenas para aprimorar sua prática na sala de aula, mas para que os mesmos reflitam, pesquisem, transformem sua ação educativa e propiciem aos seus alunos situações que valorizem sua identidade e cultura de homem do campo e que tanto os professores como os alunos possam construir o conhecimento de forma autônoma e transformadora da sociedade assumindo sua posição e condição de classe. 6º Pergunta: Que políticas de formação de professores são necessárias para garantir uma educação de qualidade para o campo? Os professores pesquisados responderam que são necessárias políticas que garantam a formação continuada do corpo docente das escolas do campo, para que os educadores possam desmistificar a visão negativa do campo; políticas que considerem a realidade do aluno; políticas voltadas a melhorar a infraestrutura das escolas do campo; e construir currículos específicos para as escolas do campo. Cabe esclarecer, que Arroyo (2007) em seu Artigo Políticas de formação de Educadores (as) do Campo, vem colocando algumas das reivindicações dos movimentos sociais. Uma destas refere-se a que tipo de políticas de formação de educadores deve ser assumida pelo estado. O autor destaca alguns traços dessa política de formação: Políticas que afirmem uma visão positiva do campo frente à visão ainda dominante do campo como forma de vida em extinção. Pensar a formação de educadoras e educadores como uma estratégia para reverter essa visão negativa que se tem do campo, da escola rural e 13

14 dos professores rurais. Constituir um corpo de profissionais estável e qualificado pode contribuir para formar uma imagem positiva. Políticas de formação articuladas a políticas públicas de garantia de direitos. Colocar a educação não na lógica do mercado, nem Políticas de formação de educadores (as) do campo das carências, mas dos direitos dos povos do campo: direito à terra, vida, cultura, identidade, memória, educação. Nessa lógica dos direitos, situa-se a dimensão política e pública da formação de profissionais. Políticas de formação afirmativas da especificidade do campo. A especificidade das formas de produção da vida, da cultura, do trabalho, da socialização e sociabilidade traz inerente, como exigência, a especificidade dos processos de formação e de educação; consequentemente, a especificidade dos domínios, artes e saberes exigidos dos profissionais dessa educação. Sem uma compreensão bem fundamentada desses processos formativos específicos, não terão condições de ser educadores (as) dos povos do campo. (pág. 17 a 18) Diante disso, percebe-se que é mais que urgente o fomento de políticas educacionais voltadas para a formação de professores do campo como garantia, de certa forma, a uma educação de melhor qualidade para a população campesina. Não estamos, com isso, situando a formação dos professores como a fórmula mágica para o sucesso escolar do campo, mas compreendendo-a como um fator primordial e essencial para o desenvolvimento de uma formação para a cidadania, para gestão democrática e para um projeto emancipador no âmbito da sociedade do campo. O conceito defendido pelo movimento Por uma Educação do Campo, de acordo com Caldart (2004, p.158), é de que o educador é aquele cujo trabalho principal é o de fazer e o de pensar a formação humana, seja ela na escola, na família, na comunidade, no movimento social. De acordo com os documentos da SECAD/MEC, o Plano Nacional de Formação dos Profissionais da Educação do Campo tem como objetivo estabelecer uma política nacional de formação permanente e específica dos profissionais da Educação do Campo que possibilite o atendimento efetivo das demandas e necessidades dos alunos, educadores, redes de ensino e comunidades do campo. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A pesquisa com os professores do campo do município de São Paulo do Potengi-RN em análise neste artigo, bem como o conjunto de reflexões feitas e os dados apresentados, só nos indicam a complexidade que o tema Formação de Professores do campo possui. Após a leitura de documentos oficiais e os textos disponibilizados da I e II conferencia Por uma Educação Básica do Campo, ficou mais evidente que a partir do momento que a educação dos povos do 14

15 campo entra no campo do direito e do dever do Estado, é que se pode exigir e defender a efetivação de políticas públicas para a educação do campo. A escola pública do campo e o campo requerem também, políticas de formação de professores para este segmento. Arroyo (2007) faz a seguinte pergunta: Que sentido tem pensar em políticas focadas de formação de educadoras e de educadores do campo?". Será mesmo necessário ter dois tipos de formação? Uma formação para os educadores do campo e outra para o educador da cidade? Ao longo dos estudos, foi possível constatar que a formação de professores era pensada a partir de políticas generalista, que não permitia aos sujeitos do campo o acesso ao conhecimento e a valorização da sua cultura e dos seus saberes. Hoje, os movimentos sociais querem e lutam por mudanças. Reivindicam por políticas focadas. Ou seja, políticas de formação vinculada à vida no campo. No referente aos desafios que os sete (7) professores pesquisados responderam, as salas multisseriadas e a dificuldade de realizar um trabalho respeitando as especificidades dos alunos, pode-se dizer que isso acontece porque os professores sem formação, sem informação sobre as classes multisseriadas, se sentem desnorteados sem saber como proceder frente as especificidades da educação do campo e assim também como elaborar e desenvolver uma proposta educacional que atenda as necessidades das series/anos que compõem a multisserie. Sem essa orientação, acabam seguindo o modelo urbanocêntro, utilizando o livro didático produzido para as escolas do centro urbano. Nos documentos escritos da I e II conferência Por uma Educação Básica do Campo, os órgãos participantes defendem um projeto de educação que contribua para a realidade do campo. Há que se propor políticas mais ousadas em todos os setores. Políticas públicas comprometidas com a questão social da educação do campo evitarão os desvios de sua consolidação, pela garantia dos aspectos essenciais a consecução deste processo educativo. Portanto, a construção de políticas de formação de professores do campo se apresenta como uma demanda real no sentido de qualificar professores que trabalham em escolas do campo e possibilitar a formação de profissionais que vivam junto às comunidades rurais. Se observarmos as necessidades reais do campo juntamente com o descaso histórico da educação voltada para o atendimento desse setor, veremos que as políticas implementadas pelo MEC se constituem em ações bastante incipientes. Por isso, os movimentos sociais juntamente com setores da sociedade civil organizada reivindicam por urgência na elaboração e implementação de políticas de formação de educadores do campo para assegurar aos sujeitos deste espaço o acesso ao conhecimento historicamente produzido pela humanidade. E 15

16 enquanto tais políticas não são concretizadas, a formação de professores para atuar nas escolas do campo segue seu caminho nos poucos cursos de pedagogias da terra, distribuídos em alguns Estados brasileiros. REFERÊNCIAS ANDRADE, Márcia Regina de Oliveira et al. (Org.). A educação na reforma agrária em perspectiva: uma avaliação do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária. São Paulo: Ação Educativa; Brasília: Pronera, Disponível em: ARROYO, Miguel Gonzalez. A Educação Básica e o Movimento Social do Campo. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma Educação do Campo. Petrópolis: Vozes, ARROYO, Miguel Gonzalez. Políticas de formação de educadores (as) do campo. Caderno Cedes, Campinas, Disponível em: ARROYO, Miguel Gonzalez; FERNANDES, Bernardo Mançano. A Educação básica e o movimento social do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo, (Coleção Por uma educação do campo, n. 2). Disponível em> ARRUDA, Élcia Esnarriaga; BRITO, Sílvia Helena Andrade de. Análise de uma proposta de escola específica para o campo. In: ALVES, Gilberto Luiz (Org.). Educação no campo: recortes no tempo e no espaço. Campinas, SP: Autores Associados, Cap. 2, p BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/DF: Senado, BRASIL, Lei nº 9.394/96. MEC, Brasília, BRASIL, Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo Resolução CNE/CEB nº1 de 03 de abril de 2002 Ministério da Educação Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD). Disponível em: INEP, Panorama da educação no campo. Brasília : Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Disponvel em: CALDART, Roseli S. Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma Educação do Campo. Petrópolis: Vozes,

17 CARVALHO, Jose Murilo de. A Cidadania no Brasil: o longo caminho. 10 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Disponível em: 17

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ Resumo SOUZA, Maria Antônia de UTP maria.antonia@pq.cnpq.br Este trabalho tem o intuito de caracterizar as ações governamentais que vêm sendo

Leia mais

REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE

REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE A REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE ÀS CONQUISTAS NA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL HAGE, Salomão Mufarrej UFPA GT: Educação Fundamental/ n.13 Agência Financiadora: CNPq Introdução Este texto apresenta

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo.

Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo. Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo. Fábio Dantas de Souza Silva Celma Borges Gomes RESUMO Os movimentos sociais do campo colocaram na agenda política

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA DINIZ, Diana Costa 1 ; CAVALCANTI, Cacilda Rodrigues 2 ; COUTINHO, Adelaide Ferreira 3 ; MACÊDO, Marinalva Sousa 4 ; NASCIMENTO, Cristiane

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL / À

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL / À EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / À distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e Adultos

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 426/2008

RESOLUÇÃO Nº 426/2008 RESOLUÇÃO Nº 426/2008 Regulamenta a Educação Básica na Escola do Campo, no âmbito do Estado do Ceará. O Conselho Estadual de Educação - CEE, no uso de suas atribuições contidas na Lei Estadual nº 11.014,de

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem.

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem. O PRINCÍPIO DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA NO CURSO TÉCNICO DE AGROPECUÁRIA, DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DO PACUÍ. DARLENE DO SOCORRO DEL-TETTO MINERVINO DR. SANDRA REGINA GREGÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Tema: Educação do Campo

Tema: Educação do Campo CONSTRUÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PALMAS-TO s Tema: Educação do Campo Alguns Termos: Educação Básica: Entendida conforme a LDB (9394/96) - constituída pela Educação Infantil, Fundamental e Ensino

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG Introdução Aline Aparecida Angelo O debate sobre a formação

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil Raimundo Jackson Nogueira da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Canindé-CE, e- mail: raimundojackson@hotmail.com.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ

ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ MATINHOS 2012 ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 1

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 1 1 EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO MEIO RURAL CAPIXABA Charles Moreto Instituto Federal do Espírito Santo Campus Santa Teresa charlesm@ifes.edu.br RESUMO O estudo em questão é o resultado de um Levantamento,

Leia mais

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 Eduarda Nicola 2 Gabriela Geron³ INTRODUÇÃO A gestão democrática escolar está prevista na

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

13 Nesse sentido, são profissionais da educação: I professores habilitados em nível médio ou superior para a docência na educação

13 Nesse sentido, são profissionais da educação: I professores habilitados em nível médio ou superior para a docência na educação EIXO VI Valorização dos Profissionais da Educação: Formação, Remuneração, Carreira e Condições de Trabalho O termo trabalhadores/as da educação se constitui como recorte de uma categoria teórica que retrata

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Educação e direito: diversidade e igualdade no campo 1 Edla Soares

Educação e direito: diversidade e igualdade no campo 1 Edla Soares Educação e direito: diversidade e igualdade no campo 1 Edla Soares O avanço da consciência social a respeito da importância da educação no processo de construção das condições dignas da existência humana,

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Educação do Campo: Um olhar panorâmico

Educação do Campo: Um olhar panorâmico Educação do Campo: Um olhar panorâmico Eliene Novaes Rocha (1) Joana Célia dos Passos ( 2) Raquel Alves de Carvalho (3) 1) Contextualização histórica do debate da Educação do Campo Embora o Brasil sendo

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles:

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles: 8 PROVADECONHECIMENTOSPEDAGÓGICOS Cargos89a99 QUESTÃO 11 O relatório Delors considera que a educação é um bem coletivo que deve ser acessível a todos e não pode ser objeto de uma simples regulação do mercado.

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem.

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem. RESENHA Artigo: ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens e Adultos, V. I; 2007. Estamos diante de um texto que problematiza

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS I. PERFIL DO/A INTERLOCUTOR/A DESIGNADO PELA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 1.Nome 2.

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais