SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO"

Transcrição

1 SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO Este texto integra as reflexões da pesquisa 1, em andamento e propõe analisar a vivência coletiva e em grupo da Turma de Licenciatura em Educação do Campo Dom José Mauro. Essa turma tem um diferencial, pois, os sujeitos que a compõem foram indicados pelos movimentos sociais, ONGs e poder publico portanto, um grupo heterogêneo. Mitos integrantes da turma vêem então com o sentimento e o dever de sujeito coletivo, com o compromisso de ajudar na construção desse curso. Deste modo, nosso interesse é conhecer, sistematizar e analisar o papel do sujeito coletivo dentro do curso, ou seja, de que forma, e até que ponto, estes sujeitos contribuíram para com o processo de constituição do curso e de formação e organização da turma. Este momento tem como principal desafio perceber, como cada movimento/organização tem concebido esse sujeito coletivo e sua inserção na turma, à medida que esse permanente diálogo entre os sujeitos que compõem a turma e as entidades que os indicaram, certamente, contribuirá nas análises presentes neste texto, sobre a importância destes sujeitos no processo de constituição do curso. Nesta perspectiva, Bogo (2002) ressalta que participar quer dizer fazer parte, ter o reconhecimento da importância de compor algo maior do que somos individualmente (p.153). Diante disso, é de suma importância que os sujeitos coletivos participem e construam coletivamente a Educação do Campo. Ainda segundo o mesmo autor... as formas organizativas devem cativar a participação de homens e mulheres. Moças e rapazes. Todos somos sujeitos da construção da mesma causa. (BOGO, 2002, p.162) Palavra chave: Educação do Campo, sujeito coletivo e Movimentos sociais. INTRODUÇÃO 1 Trabalho orientado pela Dr. Maria Isabel Antunes Rocha

2 Este trabalho propõe retratar a vivência em grupo dos (as) educandos (as) da turma de Licenciatura em Educação do Campo Dom José Mauro, durante os quatro anos em que conviveram juntos, tanto na universidade, como também no alojamento. Para tanto, faz se necessário uma abordagem que vai além, da simples convivência entre os sujeitos, mas, sobretudo, de mostrar como foi à participação destes, enquanto sujeitos coletivos na organização da turma e do curso. Algumas questões pertinentes se fazem presentes neste trabalho, na perspectiva de não só, alimentar as reflexões propostas aqui, como também evidenciar quais instrumentos foram utilizados e/ou criados pelos (as) educandos (as) com a finalidade de fortalecer o curso e, sobretudo, os laços de cumplicidade e solidariedade que ao longo dos quatro anos foram se formando entre os membros da turma. Uma dessas questões e talvez a que irá orientar em maior proporção este trabalho é interrogar os sujeitos da turma de que forma, estes foram se organizando ao longo dos quatro anos. A turma Dom José Mauro 2 se diferencia das demais turmas de Educação do Campo hoje em andamento na UFMG 3, sendo uma dessas características que distingue a turma em questão, e que aguça ainda mais a minha vontade de pesquisá-la é o fato de agrupar diversas organizações em sua composição, constituindo uma turma heterogênea, haja vista que os integrantes, são oriundos de movimentos sociais, sindicais, organizações não-governamentais e órgãos públicos. Somam-se ao todo 16 entidades. Deste modo, nosso interesse é conhecer, sistematizar e analisar o papel do sujeito coletivo dentro do curso, ou seja, de que forma, e até que ponto, estes sujeitos contribuíram para com o processo de constituição do curso e de formação e organização da turma. Este momento tem como principal desafio perceber, como cada movimento/organização tem concebido esse sujeito coletivo e sua inserção na turma, a medida que esse permanente dialogo entre os sujeitos que compõem a turma e as entidades que os indicaram, certamente, contribuirá nas análises presentes neste texto, sobre a importância destes sujeitos no processo de constituição do curso. Nesta perspectiva, Bogo (2002) ressalta que participar quer dizer fazer parte, ter o reconhecimento da importância de compor algo maior do que somos individualmente (p.153). 2 Dom José Mauro foi uma grande liderança no Norte de Minas; ao longo de sua história de luta coloca como principal objetivo o acesso a terra. Veio a falecer em 14/09/2006 em um acidente trágico. A Turma de Licenciatura em Educação do Campo em reconhecimento para com a sua história de luta decide homenageá-lo batizando a turma com seu nome. 3 A UFMG atualmente tem três turmas de Licenciatura em Educação do Campo em andamento, sendo que, uma delas (Turma Dom José Mauro) oferece em seu âmbito de formação duas áreas do conhecimento, tal como, ciências da vida e da natureza e línguas, artes e literatura. As duas outras turmas de Licenciatura trabalham, apenas com uma área de formação, sendo uma (turma 2009) da CVN, e a outra (turma 2010) da LAL.

3 Diante disso, é de suma importância que os sujeitos coletivos participem e construam coletivamente a Educação do Campo. Ainda segundo o mesmo autor... as formas organizativas devem cativar a participação de homens e mulheres. Moças e rapazes. Todos somos sujeitos da construção da mesma causa. (BOGO, 2002, p.162) BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO DO CAMPO E A CONSTITUIÇÃO DA 2º TURMA DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA FaE/UFMG Para iniciar esse dialogo é imprescindível compreender o movimento em torno da Educação do Campo que culminou no desfecho da criação das licenciaturas e, notadamente constitui-se enquanto um movimento de lutas, reivindicações e conquistas. Deste modo faz se necessário um breve resgate sobre essa trajetória recente de nossa história, nesse sentido segue alguns elementos necessários para esse entendimento. Em meados da década de 1990 é pautado a nível nacional o debate da Educação do Campo. Inicialmente esse processo foi gestado pelas seguintes entidades: MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra), UNB (Universidade de Brasília), UNICEF (Fundo das nações Unidas para a Infância), UNESCO ( Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), nesse contexto a Educação do Campo ganha maior visibilidade e muitos outros movimentos somam forças na luta por uma educação até então negada para os povos do campo. Nesse cenário começam grandes mobilizações nacionais envolvendo várias entidades e movimentos sociais populares do campo, propondo a necessidades de se discutir a fundo essa questão. Após vários debates, acontece a I Conferência Nacional de Educação do Campo, realizada em 1998 e a II Conferência Nacional de Educação do Campo, realizada em No âmbito estadual e regional houve grande mobilização, como é caso da Rede Mineira Por uma Educação do Campo, constituída em Esses eventos foram realizados articulando movimentos sociais e sindicais que atuam no campo, comprometidos com uma educação que contemple as especificidades dos povos do campo e que promova melhores condições de vida e educação. Desta forma em 2007 o MEC propõe para algumas universidades federais desenvolver um projeto piloto de um curso superior para os povos do campo, nessa perspectiva a UFMG adere ao projeto e dá-se início a composição da 2ª turma de Educação do Campo/MEC do Estado de Minas Gerais. A segunda turma de Licenciatura em Educação do Campo da UFMG é fruto da demanda dos movimentos sociais, sindicais e órgãos públicos que teve como referencia o primeiro curso de pedagogia com o apoio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA). Segundo Antunes-Rocha(2009), A Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais tem atuação histórica junto aos movimentos populares, tanto urbanos quanto rurais. Traz em seu portfólio uma expressiva produção em termos de projetos de pesquisas e extensão (p.39).

4 Nesse cenário a educação do Campo através das lutas encabeçadas pelos movimentos sociais e entidades ganha estatus de política pública com a finalidade de atender um público específico que são as populações camponesas. Os movimentos sociais juntamente com o poder público acreditando que através da educação é possível obter um novo olhar sobre o campo começam a se reunir e debater estratégias de ocupar os espaços da universidade. Percebendo assim, a necessidade de construir um novo modelo de educação, voltado especificamente para as questões do Campo. Como bem pontua Arroyo (2005), os movimentos sociais em sua incansável luta conseguem visibilizar a Educação do Campo para a esfera pública da educação, e com isso, exigir deste, mudanças estruturais para com os povos do campo. Os movimentos sociais vêm fazendo uma longa e tensa caminhada para colocar o campo na agenda pública. Os estados e mais particularmente os municípios percebem que a gestão da chamada educação rural está a exigir uma definição profunda. O ministério da Educação passou a preocupar-se em equacionar uma agenda especifica para a Educação do Campo. Avança assim, a consciência da necessidade de uma política pública da Educação. (p. 91). O sonho de constituir uma turma, cujos sujeitos são oriundos do campo, aos poucos começa a ganhar corpo e tornar-se realidade. Após varias reuniões os movimentos sociais e poder público conseguem junto a Universidade Federal de Minas Gerais em 2008 lançam o segundo vestibular diferenciado, no qual os aprovados no vestibular apresentaram uma carta de referência do movimento ou organização que o indicou para compor a turma. O curso de Licenciatura em Educação do Campo se diferencia dos demais cursos de graduação ofertados pela universidade em vários aspectos, não só de sua história de luta e resistência do povo camponês, como também, a própria forma como o curso está organizado, sendo por área do conhecimento e utiliza como prática de sua formação a pedagogia da alternância. Em 17 de fevereiro de 2008, a segunda turma de Licenciatura em Educação do Campo batizada posteriormente pelo nome de Dom José Mauro, adentra a Universidade Federal de Minas Gerais. Tal data é considerada simbolicamente pelos movimentos sociais do campo uma conquista de imprescindível importância, pois para estes sujeitos coletivos ocupar a universidade arremata muitas das reivindicações presentes ao longo do processo de luta por uma educação do campo. Para bem compreender essa importância, faz se necessário frisar que foi uma das poucas vezes que vários (as) dos (as) camponeses e camponesas tiveram a oportunidade de pisar os pés em uma universidade pública. A turma iniciou com 60 educandos (as), logo em seguida tornou-se 73, devido ao fato desse excedente de 13 estudantes vierem transferidos da UNB. Os 13 companheiros e companheiras oriundos da UNB, que em parceria com o ITERRA localizado no Rio

5 Grande do Sul realizam o mesmo curso de Educação do Campo concederam a transferência dos estudantes para a UFMG, e já na 2ª etapa, estes completaram a turma da UFMG. A 1ª turma de Educação do Campo da UFMG em parceria com o MEC divide-se em duas áreas do conhecimento: Ciências da Vida e da Natureza e Línguas, Artes e Literatura. SUJEITOS COLETIVOS Este trabalho tematiza compreender a cerca da mobilização inicial dos sujeitos coletivos oriundos dos movimentos sociais e do poder público, até sua inclusão na UFMG, culminando assim, na composição da 2ª turma de educação do campo da UFMG e a primeira em parceria com o MEC. Propõe ainda identificar como os movimentos sociais deram visibilidade a Educação do Campo e construíram possibilidades de ingressar em uma das mais respeitadas Universidades Públicas do Brasil. Tal conquista justifica-se da teimosa luta dos movimentos sociais, para a construção de um ensino que dialoga com outras dimensões da educação, para além da simples sistematização dos conteúdos em sala de aula, mas, sobretudo que valorize os povos do campo e suas especificidades. De acordo com Antunes-Rocha (2009): A escola do campo demandada pelos movimentos vai além da escola das primeiras letras, da escola da palavra, da escola dos livros didáticos. É um projeto de escola que se articula com os projetos sociais e econômicos do campo, que cria uma conexão direta entre formação e produção, entre educação e compromisso político. Uma escola que, em seus processos de ensino e de aprendizagem, considera o universo cultural e as formas próprias de aprendizagem dos povos do campo, que reconhece e legitima esses saberes construídos a partir de suas experiências de vida. (p.40) Descrever os avanços e dificuldades vivenciadas pelo grupo ao longo dos quatro anos, explicitando, assim, as principais dificuldades, conquistas, erros e acertos do grupo que na tentativa de construir outra história, não só de conquista pessoal, mas principalmente para os movimentos do campo e, conseqüentemente para a população que vive no campo. Importante destacar que nesse processo de conquista das licenciaturas, as universidades tiveram suas cercas arrancadas pelo povo camponês na luta pela transformação da realidade de descasos, principalmente no que tange a educação presente atualmente no campo. Através deste trabalho será possível analisar, mesmo que de forma limitada, a história de cada um (a) do grupo, a luta dos movimentos para a criação do curso e a participação dos mesmos na gestão política. Sem a pretensão de esgotar as reflexões a cerca de essas

6 questões, pretende-se aqui apresentar a construção coletiva do curso na dimensão dos sujeitos coletivos que a compõem. Dentro dessa abordagem a escrita deste trabalho é de imprescindível importância, pelo fato não só de resgatar a luta e mobilização dos movimentos sociais pela educação do campo, como também de apontar o perfil político da turma que se coloca enquanto uma construção coletiva, em que envolve sujeitos coletivos. Possibilitando ainda, trazer para a academia a organicidade da turma e os vários conhecimentos que foram sendo construídos dentre os quatro anos de conivência. Tal material configura-se por ser um trabalho acadêmico, que traz as memórias da turma enquanto produção de conhecimento científico, valorizando os povos do campo e dando respaldo as suas práticas de convivência e luta pela Educação do Campo. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BOGO, Ademar. A Participação.. O Vigor da Mística. Produzido pelos Trabalhadores Rurais Sem Terra. São Paulo, P ARROYO, Miguel G.Por um tratamento público da Educação do Campo. In: MOLINA, Mônica Castagna e JESUS, Sonia Meire S. Azevedo de.por uma Educação do Campo: Contribuições para a constrição de um Projeto de Educação do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação do Campo, P ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel. Licenciatura em Educação do Campo: histórico e projeto político pedagógico. In: ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel e MARTINS, Aracy Alves. Educação do Campo: desafios para formação de professores. Belo Horizonte: Autentica Editora, P

7

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG Introdução Aline Aparecida Angelo O debate sobre a formação

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo.

Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo. Educação do Campo: em busca de uma política pública para formação de professores do campo. Fábio Dantas de Souza Silva Celma Borges Gomes RESUMO Os movimentos sociais do campo colocaram na agenda política

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA DINIZ, Diana Costa 1 ; CAVALCANTI, Cacilda Rodrigues 2 ; COUTINHO, Adelaide Ferreira 3 ; MACÊDO, Marinalva Sousa 4 ; NASCIMENTO, Cristiane

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO NO SEMIÁRIDO MINEIRO: A ARTICULAÇÃO ENTRE MOVIMENTOS SOCIAIS, UNIVERSIDADEE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

EDUCAÇÃO DO CAMPO NO SEMIÁRIDO MINEIRO: A ARTICULAÇÃO ENTRE MOVIMENTOS SOCIAIS, UNIVERSIDADEE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL EDUCAÇÃO DO CAMPO NO SEMIÁRIDO MINEIRO: A ARTICULAÇÃO ENTRE MOVIMENTOS SOCIAIS, UNIVERSIDADEE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL RESUMO 142 Magda Martins Macêdo Aneuzimira Caldeira Souza 143 Este texto tem

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Escolas públicas localizadas no campo e o movimento nacional da educação do campo: quais aproximações?

Escolas públicas localizadas no campo e o movimento nacional da educação do campo: quais aproximações? Escolas públicas localizadas no campo e o movimento nacional da educação do campo: quais Resumo O objetivo deste texto é problematizar as escolas públicas localizadas no campo, no Estado do Paraná, que

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Por uma política pública, que garanta aos povos do campo, das florestas e das águas o direito à Educação no lugar onde vivem

Por uma política pública, que garanta aos povos do campo, das florestas e das águas o direito à Educação no lugar onde vivem CARTA DE CANDÓI/2013 Por uma política pública, que garanta aos povos do campo, das florestas e das águas o direito à Educação no lugar onde vivem No inverno de 2013, após treze anos da Carta de Porto Barreiro,

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 DECLARAÇÃO FINAL (VERSÃO PLENÁRIA) Por Uma Política Pública de Educação do Campo QUEM SOMOS Somos 1.100 participantes

Leia mais

Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular

Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular Graziele Pissollatto da Costa, UFSM Ana Carolina Machado, UFSM Roberto Lopes do Nascimento Filho, UFSM Toni Pissollatto da Costa, UFSM

Leia mais

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES I ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO ENAFOR, 24 a 28 de outubro de 2005 160 participantes da CONTAG e de 26 Federações (incluindo FETADFE) Mote: Construindo uma Política Nacional

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO TESSMANN, Jéssica Moara da Cunha Universidade Federal de Pelotas UFPel (jessica_tessmann@hotmail.com) DAL MOLIN, Adriana Universidade

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS Resumo O Teia é um Programa que objetiva consolidar e articular 31 projetos de extensão que compartilham concepções, práticas e metodologias baseadas

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Coordenação: Profª. Alexandra Filipak IFSP Matão e Profª. Drª. Sany Spínola Aleixo UNIRP Centro Universitário de São José do Rio Preto.

Coordenação: Profª. Alexandra Filipak IFSP Matão e Profª. Drª. Sany Spínola Aleixo UNIRP Centro Universitário de São José do Rio Preto. Atividades desenvolvidas a partir do Projeto: As mulheres rurais e a agroecologia na Região Sudeste: tecnologias para autonomia econômica, segurança alimentar e conservação da biodiversidade IFSP Campus

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Silmara Cássia Barbosa Mélo Universidade Federal da Paraíba silmaracassia2008@hotmail.com Angela Maria Dias Fernandes Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Atividade Mercosul da Marcha Mundial das Mulheres uma prática social da educação popular

Atividade Mercosul da Marcha Mundial das Mulheres uma prática social da educação popular Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Atividade Mercosul da Marcha Mundial das Mulheres uma prática social da educação popular Líria Ângela Andrioli 1

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO NO/ DO CAMPO: viabilidade ao longo do processo histórico RESUMO

POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO NO/ DO CAMPO: viabilidade ao longo do processo histórico RESUMO POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO NO/ DO CAMPO: viabilidade ao longo do processo histórico Autor: Ivanilson Batista da Silva PRONERA-UFPB e-mail: Ivanylsonbraga@hotmail.com co-autora: Maria da luz dos Santos

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Resumo ISSN 2316-7785 PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Stephanie Abé abe.stephanie1@gmail.com Ana Caroline Pierini karolpierini@gmail.com Luana Kuister Xavier

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DEDC - CAMPUS I GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E INTERCULTURALIDADE - GREDHI

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DEDC - CAMPUS I GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E INTERCULTURALIDADE - GREDHI UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DEDC - CAMPUS I GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E INTERCULTURALIDADE - GREDHI RELATÓRIO FINAL Salvador 2014 1 RELATORIO DO FÓRUM

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR

O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR Henrique Bocalon; Lisiane Costa Claro; Vilmar Alves Pereira Resumo O presente trabalho é um relato de

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UNIOESTE: ELEMENTOS DA TRAJETÓRIA DA TURMA PAULO FREIRE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UNIOESTE: ELEMENTOS DA TRAJETÓRIA DA TURMA PAULO FREIRE 1 LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UNIOESTE: ELEMENTOS DA TRAJETÓRIA DA TURMA PAULO FREIRE João Carlos de Campos MST 1, UNIOESTE 2, bolsista CAPES/DS 3 Alex Verdério MST e UNIOESTE Introdução Para

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO Soraya Hissa Hojrom de Siqueira Diretora da Superintendência de Modalidades e Temáticas

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação. http://lattes.cnpq.br/2431034310174335

Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação. http://lattes.cnpq.br/2431034310174335 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação Ano Base: 2016 Título: Reinventando espaços:a construção

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

VIII ENCONTRO NACIONAL DA REDE MOVA BRASIL OS DIFERENTES CONCEITOS DE ALFABETIZAÇÃO E A PERSPECTIVA DE CONTINUIDADE

VIII ENCONTRO NACIONAL DA REDE MOVA BRASIL OS DIFERENTES CONCEITOS DE ALFABETIZAÇÃO E A PERSPECTIVA DE CONTINUIDADE VIII ENCONTRO NACIONAL DA REDE MOVA BRASIL Natal, RN, 24 a 27 de agosto de 2010 OS DIFERENTES CONCEITOS DE ALFABETIZAÇÃO E A PERSPECTIVA DE CONTINUIDADE APOIO 1 Unesco, Cátedra Unesco de Educação de Jovens

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 08-2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO

EDITAL DE SELEÇÃO 08-2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO EDITAL DE SELEÇÃO 08-2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO A Cáritas Brasileira Regional Minas Gerais, organismo da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO ALENCAR 1, Islany Costa BATISTA 2, Lais Duarte CRUZ 3, Pedro José Santos Carneiro Cruz SIMON 4, Eduardo

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Sala 15 Temas Diversificados EM Integral. E.E. Prof. Antônio Alves Cruz

Sala 15 Temas Diversificados EM Integral. E.E. Prof. Antônio Alves Cruz VIVENCIANDO AS PROFISSÔES: Criação de um projeto de revitalização e reestruturação da praça próxima à escola Sala 15 Temas Diversificados EM Integral E.E. Prof. Antônio Alves Cruz Professora: Janete Minari

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE Laboratório de Extensão - LABEX Augusto Gomes Amado Júlia Mafra Letícia Nery de Figueiredo Juliana Westmann Del Poente Thaisa

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil Raimundo Jackson Nogueira da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Canindé-CE, e- mail: raimundojackson@hotmail.com.

Leia mais

Grupo de Trabalho 2: Juventudes e Políticas Públicas: Saberes e Fazeres

Grupo de Trabalho 2: Juventudes e Políticas Públicas: Saberes e Fazeres Grupo de Trabalho 2: Juventudes e Políticas Públicas: Saberes e Fazeres A ligação entre o saber e o fazer : saberes locais e permanência na Educação de Jovens e Adultos Leonardo Faé de Almeida Pós-graduando

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ Resumo SOUZA, Maria Antônia de UTP maria.antonia@pq.cnpq.br Este trabalho tem o intuito de caracterizar as ações governamentais que vêm sendo

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Resultados 2013. Blog Educação nas Redes Sociais. Facebook. Evolução Dezembro 2012: 581 Dezembro 2013: 2.278 Crescimento: 292,08%

Resultados 2013. Blog Educação nas Redes Sociais. Facebook. Evolução Dezembro 2012: 581 Dezembro 2013: 2.278 Crescimento: 292,08% Resultados 2013 Blog Educação nas Redes Sociais Facebook Evolução Dezembro 2012: 581 Dezembro 2013: 2.278 Crescimento: 292,08% facebook.com/blogeducacao Resultados 2013 Blog Educação nas Redes Sociais

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES FORMAÇÃO CONTINUADA DOS EDUCADORES DO CAMPO: A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DA ESCOLA CAMPONESA MUNICIPAL CHICO MENDES Francielle de Camargo Ghellere1 Maria Edi da Silva Camilo2 Resumo Este artigo representa

Leia mais

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG ALCÂNTARA, Franciele Brandão Ferreira 1 OLIVEIRA, Leandro Damas de 2 SANTOS JÚNIOR, Porfírio Azevedo dos 3 SILVA, André Carlos 4 SILVA, Elenice Maria Schons 5 SILVA, Élida

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS. www.ufvjm.edu.br

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS. www.ufvjm.edu.br INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO Estas Instruções Específicas, o Edital nº 183/2014 e a Resolução nº 13 CONSU alterada pela Resolução nº 16 de 11/07/2014, disciplinarão o Concurso

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais