DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados"

Transcrição

1 DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente e SGBD Específico para um SGBD Requisitos Funcionais Análise Funcional Especificação as Transações (em alto nível) Projeto as Aplicações Implementação Mini-Muno Análise e Requisitos Requisitos o BD Projeto Conceitual Esquema Conceitual (em um moelo e aos e alto nível) Projeto Lógico Esquema Lógico (em um moelo e aos lógico) Projeto Físico Esquema Físico (para um SGBD específico) Moelo ER Moelo Relacional SGBD Relacional Revisão: Processo e Projeto e BD Caracterização Complexiae Multipliciae e tarefas Fases Coleção e análise e requisitos Projeto conceitual Escolha e um SGBD Projeto lógico ou mapeamento para o moelo e aos o SGBD escolhio Projeto físico Implementação e tuning Programas DCC011 - profa. Mirella 3 4 Revisão:Estratégias para o Projeto o Esquema Conceitual Centralizao Toos os requisitos são capturaos e uma vez Aboragem e integração e visões Uma visão éprojetaa para caa grupo e usuários e aplicações Subseqüentemente essas visões são integraas em um esquema conceitual global Revisão: Proprieaes e Moelos ER (a) Moelo ER é um moelo formal Preciso, não ambíguo (b) Poer e expressão é limitao Restrições e integriae (c) Equivalência entre moelos Expressam a mesma realiae 5 6

2 Revisão: equivalência Revisão: Processo e Construção A. Ientificano construções Atributo versus entiae relacionaa Atributo versus especialização/generalização Atributo opcional Atributo multivalorao B. Verificação o moelo Moelo eve ser correto, completo, livre e reunâncias C. Moelo eve refletir o aspecto temporal D. Estratégias e moelagem 7 8 EXEMPLO Reserva e passagens aéreas O objetivo o trabalho é projetar um sistema e reservas para uma companhia e aviação. O sistema contará com um banco e aos central, que será acessao por aplicações clientes, roano tanto entro a própria companhia, quanto fora ela. A transação central o sistema é a reserva. Uma reserva é ientificaa por um cóigo gerao pelo sistema em computaor. A reserva é feita para um único passageiro, o qual se conhece apenas o nome. A reserva compreene um conjunto e trechos e vôos, que acontecerão em eterminaa ata/hora. Para caa trecho, a reserva é feita em uma classe (econômica, executiva, etc) Um vôo é ientificao por um cóigo e possui uma origem e um estino. Por exemplo, o vôo 959 sai e Porto Alegre com estino a São Paulo. Um vôo é composto e vários trechos, corresponeno às escalas intermeiárias o vôo. Por exemplo, o vôo 959 é composto e ois trechos, um e Porto Alegre a Lonrina, o outro e Lonrina a São Paulo. Cabe salientar que há ciaes que são servias por vários aeroportos. Por isso, é importante informar ao passageiro que faz a reserva qual é o aeroporto no qual o vôo passa. Reserva e passagens aéreas Às vezes os clientes, ao fazer a reserva querem saber qual é o tipo e aeronave que será utilizaa em eterminao trecho e vôo. Alguns poucos vôos, principalmente internacionais, têm troca e aeronave em eterminaas escalas. Nem toos vôos operam em toos ias a semana. Inclusive, certos vôos têm pequenas muanças e horário em certos ias a semana. Caa reserva possui um prazo e valiae. Caso os bilhetes não tenham sio emitios até esgotar-se o prazo a reserva, a mesma é cancelaa. Reservas poem ser prorrogaas. Como o check-in e toos os vôos está informatizao, a companhia possibilita a reserva e assento para o passageiro. Reservas e assento poem ser feitas com até três meses e anteceência. Além e efetivar reservas, o sistema eve servir para vários tipos e consultas que os clientes poem querer fazer: Possibiliaes e viagem e uma ciae ou e um aeroporto para outro O mesmo, mas restrito a eterminaos ias a semana Horários e chegaa ou e saía em eterminaos vôos Disponibiliae e vagas em um trecho e vôo Disponibiliae e eterminaos assentos em um trecho e vôo 9 10 a. entiaes b. relacionamentos Entiaes Companhia, reserva, passageiro, trecho, voo, ciae, aeroporto, tipo-aeronave, horário, assento Não foi criaa uma entiae Pessoas que efetivaram a reserva Problema e homônimos Atributo reserva 11 12

3 c. Atributos e ientificaores. Restrições e integriae RESERVA (coigo reserva, passageiro, prazo) VOO (numero) TRECHO () AEROPORTO (coigo, nome) CIDADE (coigo, nome, país) TIPO AERONAVE (coigo, escrição) HORARIO (ia semana, horário partia, horário chegaa) ASSENTO (numero, classe) RSRV-TRCH (ata) Uma reserva e trecho somente poe ser realizaa caso existam vagas no trecho em questão na ata em questão Uma reserva para um assento somente poe ser feita se o assento em questão existir no tipo e aeronave utilizaa no trecho e vôo em questão e. Reunância e esempenho Observação geral Solução aotaa conceitual Não inclui reunâncias e aos que objetivem melhorar o esempenho Não atributos reunantes Número e vagas em um trecho e vôo, em uma ata, inclusive iscriminao por classe Criar entiae TRECHO-DIA Etapa e projeto Mapeamento ER - Relacional 1. Transformações entre Moelos 2. Algoritmo e mapeamento ER Relacional Transformações entre Moelos Transformações entre Moelos Uma vez efinio o moelo conceitual, o próximo passo é efinir o moelo lógico Uma alternativa: mapear as construções o moelo conceitual para o lógico 17 18

4 Transformações entre Moelos Transformações ER para Relacional Regras gerais Aplicáveis à maioria os casos Há situações Por exigências a aplicação, outros mapeamentos são usaos Implementaas em ferramentas CASE Objetivos básicos Bom esempenho Simplificar o esenvolvimento Regras gerais e traução A. Evitar junções A. Evitar junções B. Diminuir o número e chaves C. Evitar campos opcionais Junções Operação para buscar aos e iversas linhas associaas pela igualae e campos Daos e empregaos e seus respectivos epartamentos SGBD relacional normalmente armazena os aos e uma linha contiguamente em isco Junção envolve iversos acessos a isco Preferível Ter os aos necessários a uma consulta em uma única linha B. Chave e Ínice C. Campos opcionais Implementação eficiente o controle e chaves: SGBD usa um ínice Ínices tenem a ocupar espaço consierável em isco Inserção e remoção e entraas em um ínice Poem exigir iversos acesso a isco Campo opcional = campo que poe assumir o valor vazio(null em SQL) SGBD relacional não esperiça espaço pelo fato e campos e uma linha estarem vazios Campo opcional não tem influência no esempenho EVITAR porque controle e campo opcional poe complicar programação Verifica quais campos poem estar vazios 23 24

5 2. Algoritmo e Mapeamento Elmasri & Navathe a. Entiaes regulares b. Atributos multivaloraos c. Entiaes fracas. Relacionamentos.1 1:1.2 1:N.3 N:M.4 Relacionamentos N-ários e. Hierarquias (Especializações/Generalizações) Exemplo e um Diagrama ER NomeEmp Salário NDept NomeDept N Trabalha-para 1 Departamento 1 1 Gerencia 1 1 Possui M Controla N N Participa-e N Depenente Projeto Ramal NomeDep DataNasc NProj HsTrab NomeProj Local a. Entiaes regulares (sem atributos multivaloraos) Entiaes regulares (sem atributos multivaloraos) Entiae regular E Relação R Atributo em E Coluna em R Atributo ientificaor em E Chave primária em R NomeEmp Salário (, NomeEmp, Salário) Observação: Nomes e colunas Referenciaos freqüentemente em programas e outras formas e texto em computaor Para iminuir o trabalho e programaores manter os nomes e colunas curtos SGBD relacional: nome e uma coluna não poe conter brancos Não transcrever os nomes atributos nomes colunas Nomes e colunas não necessitam conter o nome a tabela Preferível usar o nome e coluna NOME a usar os nomes e coluna NOMEPESS ou NOMEPESSOA Observação: Nome a chave Chave primária Poe aparecer em outras tabelas na forma e chave estrangeira Recomenável Nomes as colunas que compõem a chave primária: sufixaos ou prefixaos com o nome ou sigla a tabela na qual aparecem como chave primária Exemplo: CoigoPess 29 30

6 b. Atributos Multivaloraos c. Entiae Fraca Departamento NDept NomeDept Ramal 1 N Possui Depenente NomeDep DataNasc Departamento (NDept, NomeDept) Ramal-Departamento (NDept, Ramal) NDept referencia Departamento, por propagação (,...) Depenente (,NomeDep, DataNasc) referencia, por propagação Relacionamentos.1. Relacionamento binário 1:1 (aição e colunas) Tabela própria Aição e colunas a uma as tabelas Fusão e tabelas Alternativa epene a carinaliae (máxima e mínima) o relacionamento.1 1:1.2 1:N.3 N:M.4 Relacionamentos N-ários (,...) 1 Gerencia Departamento (NDept,..., ) 1 Departamento NDept Chave alternativa referencia, por bloqueio Relacionamento binário 1:1 (fusão e tabelas) Relacionamento binário 1:1 (aição e colunas) Conferência (CoConf, Nome, DataInstComOrg, EnerComOrg) Departamento (CoDept, Nome) (CoEmp, Nome, CoDept, DataLota) CoDept referencia Departamento 35 36

7 Relacionamento binário (0,1) (1,1) (0,1) (0,1) ambas opcionais Aição e Colunas Mulher (IentM, Nome, IentH, Data, Regime) IentH referencia Homem Homem (IentH, Nome) (0,1) (0,1) ambas opcionais (0,1) (0,1) ambas opcionais Tabela Própria Mulher (IentM, Nome) Homem (IentH, Nome) Casamento (IentM, IentH, Data, Regime) IentM referencia Mulher IentH referencia Homem Fusão e Tabelas Casamento (IentM, IentH, Data, Regime, NomeH, NomeM) (0,1) (0,1) ambas opcionais (0,1) (1,1) opcional e obrigatória Solução por fusão e tabelas é inviável Chave primária artificial Solução por aição e colunas melhor Menor número e junções Menor número e chaves Solução por tabela própria aceitável Fusão e Tabelas Correntista (CoCorrent, Nome, CoCartao, DataExp) 41 42

8 (0,1) (1,1) opcional e obrigatória (0,1) (1,1) opcional e obrigatória Aição e Colunas Correntista (CoCorrent, Nome) Cartao (CoCartao, DataExp, CoCorrent) CoCorrent referencia Correntista Tabela Própria Correntista (CoCorrent, Nome) Cartao (CoCartao, DataExp) CartaoCorrentista (CoCartao, CoCorrent) CoCorrent referencia Correntista CoCartao referencia Cartao (0,1) (1,1) opcional e obrigatória Solução por tabela própria é pior que a solução por aição e colunas Maior número e junções Maior número e ínices Nenhum tem problema e campos opcionais Aição e colunas versus fusão e tabelas Fusão é melhor em termos e número e junções e número e chaves Aição é melhor em termos e campos opcionais Fusão é consieraa a melhor e aição é aceitável Fusão e Tabelas (1,1) (1,1) ambas obrigatórias Conferência (CoConf, Nome, DataInstComOrg, EnerComOrg) (1,1) (1,1) ambas obrigatórias.2. Relacionamento binário 1:N Nenhuma as emais alternativas atene plenamente Em ambas Entiaes que participam o relacionamento seriam representaas através e uas tabelas istintas Estas tabelas teriam a mesma chave primária e relação um-para-um entre suas linhas Maior número e junções Maior número e chaves primárias 47 N Trabalha -para (,...) Departamento (NDept,...) Trabalha-para(, Nept) referencia, por propagação NDept referencia Departamento, por bloqueio π()= π (Trabalha-para) 1 Departamento NDept 48

9 Relacionamento binário 1:N (mapeamento otimizao) (1:N) N Trabalha -para 1 Departamento NDept (,..., NDept) NDept referencia Departamento, por bloqueio Departamento (NDept,...) (1,1) (0,N) (1,1) (0,N) Aição e Colunas Departamento (CoDept, Nome) (CoEmp, Nome, CoDept, DataLota) CoDept referencia Departamento Tabela Própria Departamento (CoDept, Nome) (CoEmp, Nome) Lotacao (CoEmp, CoDept, DataLota) CoDept referencia Departamento CoEmp referencia (1,1) (0,N) (0,1) (0,N) Fusão e Tabelas Não se aplica Implicaria em Reunância e aos e epartamento ou Tabela aninhaa Aição e colunas é melhor que tabela própria Menor número e chaves Menor número e junções Não há problema e campos opcionais Aição e Colunas Financeira (CoFin, Nome) Vena (IVena, Data, CoFin, NoParc, TxJuros) CoFin referencia Financeira 53 54

10 (0,1) (0,N) (0,1) (0,N) Implementação por tabela própria também é aceitável É melhor em relação a campos opcionais Pere em relação a junções e número e chaves Tabela Própria Financeira (CoFin, Nome) Vena (IVena, Data) Financiam (IVena, CoFin, NoParc, TxJuros) IVena referencia Vena CoFin referencia Financeira Relacionamento binário N:M Relacionamento binário (N:M) M Participa -e N Projeto HsTrab NProj (,...) Projeto (NProj,...) Participa-e(, NProj, HsTrab) referencia, por propagação NProj referencia Projeto, por propagação Relacionamento binário (N:M).4. Relacionamento N-ario Tabela Própria Engenheiro (CoEng, Nome) Projeto (CoProj, Titulo) Atuacao (CoEng, CoProj, Funcao) CoEng referencia Engenheiro CoProj referencia Projeto Não são efinias regras específicas O relacionamento é transformao em uma entiae São aplicaas regras e implementação e relacionamentos binários Nova entiae Rel Colunas = chaves primárias as tabelas relacionaas 59 60

11 Relacionamento N-ario e. Hierarquias Geralmente quatro opções e.1. Relações : superclasse e subclasses e.2. Relações : subclasses e.3. Relação única e.4. Relação única : atributos tipo Hierarquias e.1. Relações superclasse+subclasses NomeEmp Salário Gerente Técnico = Gerente Técnico Gerente Técnico = φ SalA Formação 63 Gerente Técnico SalA Formação (,...) Gerente (, SalA) Técnico (, Formação) p Gerente [] [] p Técnico [] [] π(gerente) π (Técnico) = φ π(gerente) π (Técnico) = π () 64 e.1. Relações superclasse + subclasses e.2. Relações subclasses Gerente (,..., SalA) Técnico (,..., Formação) Gerente Técnico π(gerente) π (Técnico) = φ π(gerente) π (Técnico) = toos empregaos 65 SalA Formação 66

12 e.3. Relação única Gerente Técnico (,..., SalA, Formação) π π π (σ SalA nulo (σ Formação nulo (σ SalA nulo ()) ()) = φ ()) π (σ Formação nulo ()) = π () 67 SalA Formação 68 e.4. Relação única: atributos tipo o 69 70

Revisão: Modelagem de Dados. Introdução a Banco de Dados 20. Mapeamento ER Relacional. Revisão: Projeto de Bancos de Dados. Revisão: equivalência

Revisão: Modelagem de Dados. Introdução a Banco de Dados 20. Mapeamento ER Relacional. Revisão: Projeto de Bancos de Dados. Revisão: equivalência DCC011 Introução a Banco e Daos 20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Mini-Muno

Leia mais

Projeto de BD Relacional

Projeto de BD Relacional Projeto de BD Relacional Vitor Valerio de Souza Campos Projeto de BD Relacional Objetivos Mostrar um conjunto de regras para transformar um Diagrama Entidade- Relacionamento em um Diagrama Relacional Projeto

Leia mais

Projeto de BD Relacional

Projeto de BD Relacional Projeto de BD Relacional Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos Mostrar um conjunto de regras para transformar um Diagrama Entidade- Relacionamento em um Diagrama Relacional Sumário 1- Implementação inicial

Leia mais

Projeto de BD Relacional

Projeto de BD Relacional Projeto de BD Relacional Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos Mostrar um conjunto de regras para transformar um Diagrama Entidade- Relacionamento em um Diagrama Relacional Sumário 1- Implementação inicial

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Campus Alegrete. Banco de Dados I. Cristhiano Bossardi de Vasconcellos.

Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Campus Alegrete. Banco de Dados I. Cristhiano Bossardi de Vasconcellos. Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Campus Alegrete Banco de Dados I Cristhiano Bossardi de Vasconcellos Parte 8 TRANSFORMAÇÃO ENTRE MODELOS A abordagem ER é voltada à

Leia mais

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS?

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? FMU - Graduação em Ciência da Computação - BANCO DE DADOS I - Prof. Fernando Alberto Covalski - pág 1 1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? SISTEMAS ISOLADOS SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE VENDAS SISTEMA DE COMPRAS

Leia mais

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 Projeto Conceitual de BD Transformação ER/Relacional Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof.

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas MODELO RELACIONAL Banco de Dados Relacional = consiste em uma coleção de tabelas ou relações, cada uma das quais com um nome único. 2 1 Tabelas Conjunto não ordenado de linhas (tuplas); Cada linha é composta

Leia mais

O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional

O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional Vitor Valerio de Souza Campos Modelo de dados relacional OBJETIVOS Apresentar os conceitos do Modelo Relacional Apresentar as

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL -EXERCÍCIOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL -EXERCÍCIOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL -EXERCÍCIOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br 1. CLÍNICA MÉDICA Em uma clínica trabalham médicos e existem pacientes internados.

Leia mais

Modelo Relacional. Aécio Costa

Modelo Relacional. Aécio Costa Aécio Costa O Modelo de Dados Relacional foi introduzido por Codd (1970). Entre os modelos de dados de implementação, o modelo relacional é o mais simples, com estrutura de dados uniforme, e também o mais

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Modelo Relacional Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Abordagem Relacional n Abordagem de modelagem de dados utilizada nos sistemas de gerenciamento de bancos

Leia mais

INF01145 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização

INF01145 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização INF045 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização Carlos A. Heuser 28 de Junho de 2006 Exercícios do Capítulo 5 do livro Exercício. Considere as seguintes alternativas de implementação

Leia mais

Funcionários. Funcionários. PrimeiroNome NomesDoMeio ÚltimoNome. CPF Nome Salário. CPF PrimeiroNome NomesDoMeio ÚltimoNome Salário

Funcionários. Funcionários. PrimeiroNome NomesDoMeio ÚltimoNome. CPF Nome Salário. CPF PrimeiroNome NomesDoMeio ÚltimoNome Salário 1 Para cada conjunto de entidades criar uma relação (tabela). Para cada atributo simples incluir uma coluna na tabela. No caso de atributo composto, incluir somente os atributos simples que o compõe. PrimeiroNome

Leia mais

Ciclo de vida de um banco de dados relacional

Ciclo de vida de um banco de dados relacional Ciclo de vida de um banco de dados relacional 1. Formulação e análise de requisitos: a) Relacionamentos naturais entre os dados (independentes de processo). b) Requisitos de uso (dependentes de processo).

Leia mais

Conceitos Básicos de Banco de Dados

Conceitos Básicos de Banco de Dados Conceitos Básicos de Banco de Dados Laboratório de Bases de Dados Sistema de Banco de Dados (SBD) Sistema de armazenamento de dados Objetivos: manter informações torná-las disponível quando necessário

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa

Prof.: Clayton Maciel Costa Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Transformação entre Modelos Algoritmo de Mapeamento ER Relacional 2 Abordagem ER para o projeto lógico de BD relacionais 3

Leia mais

Avaliação DCC011. Programa. Conceitos Básicos. Definição de Banco de Dados. Sist. de Gerência de Banco de Dados. [Elmasri & Navathe, 2000]

Avaliação DCC011. Programa. Conceitos Básicos. Definição de Banco de Dados. Sist. de Gerência de Banco de Dados. [Elmasri & Navathe, 2000] DCC011 Introdução a Banco de Dados -08 Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br 2009/1 Avaliação Provas 60 pontos Trabalhos Práticos

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introdução a Banco de Dados -06 Modelo Entidade-Relacionamento Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br Processo de Projeto

Leia mais

Níveis de Abstração. Mundo Real. Transformações entre modelos. Analista. Mini-mundo. Banco de Dados I. Unidade I. Modelo de Banco de Dados.

Níveis de Abstração. Mundo Real. Transformações entre modelos. Analista. Mini-mundo. Banco de Dados I. Unidade I. Modelo de Banco de Dados. Níveis de Abstração Mundo Real Modelo de Banco de Dados Analista Mini-mundo organiza idéias (abstração da realidade) Descreve Define Projeto de Banco de Dados Modelo Conceitual Modelo Lógico Modelo Físico

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) esquema relacional 1 normalização tabela ÑN 1

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) integração Passo3 esquema relacional 1 normalização

Leia mais

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos;

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos; BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br PROJETO LÓGICO Passos

Leia mais

Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R):

Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R): 1 Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R): o modelo E-R o esquema do BD é representado graficamente. Quais as entidades e os relacionamentos na empresa? Que informações sobre essas entidades e relacionamentos

Leia mais

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROJETO DE BANCO DE DADOS Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual

Leia mais

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados.

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. Fases do Projeto de um Banco de Dados Modelo ER O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. É um modelo baseado na percepção

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento Banco de Dados I Fases do Projeto jt de BD Enunciado de requisitos entrevista com o usuário do banco de dados para entender e documentar seus requerimentos de dados. Projeto

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 7 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Aprender sobre a modelagem lógica dos dados. Conhecer os

Leia mais

Banco de Dados 1 2º Semestre

Banco de Dados 1 2º Semestre Banco de Dados 1 2º Semestre Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS o Uma coletânea de conceitos que

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 Coleção de operações usadas para manipular relações Grupos de operações Operações relacionais Seleção; projeção; junção Operações de conjunto

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Implementação inicial de entidades Cada entidade é traduzida para uma tabela.

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Construindo modelos ER. Capítulo 3

Construindo modelos ER. Capítulo 3 Construindo modelos ER Capítulo 3 1 Construindo modelos ER Conselhos práticos Heurísticas Notações alternativas Processo de modelagem e alternativas 2 Propriedades de modelos ER Modelo ER é um modelo formal

Leia mais

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1 Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Processo do Projeto de um Banco de Dados A criação de uma aplicação de banco de dados envolve várias tarefas Projeto do

Leia mais

Aula VI -MODELO RELACIONAL

Aula VI -MODELO RELACIONAL Aula VI -MODELO RELACIONAL ModeloRelacional É constituído de tabelas, ou relações. Para cada tabela deve haver um nome único. Uma tabela pode ser considerada como um tipo de relação matemática. Uma tabela

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

O Modelo Entidade-Relacionamento MER

O Modelo Entidade-Relacionamento MER O Modelo Entidade-Relacionamento MER Capítulo 2 1 Etapas do Projeto de BD 1. Análise de Requisitos: Processo informal que envolve discussões entre grupos de usuários Entender quais dados serão armazenados

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Usando o Modelo Entidade-Relacionamento MER 1 MER Levantamento e Análise de requisitos Entrevista Entender e documentar seus requisitos de dados Requisitos funcionais da aplicação empregadas ao banco de

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Setembro de 2007 Prova sem consulta duas horas de duração 1. Peso 2,5 Uma companhia de aviação deseja montar uma base de dados para

Leia mais

CICLO DE VIDA DE UM BD

CICLO DE VIDA DE UM BD BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br CICLO DE VIDA DE UM

Leia mais

GBC043 - Sistemas de Banco de Dados Mapeamento ER, EER para o Relacional

GBC043 - Sistemas de Banco de Dados Mapeamento ER, EER para o Relacional GBC043 - Sistemas de Banco de Dados Mapeamento ER, EER para o Relacional Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd /BCC Projeto Lógico Def. o projeto lógico é a especificação

Leia mais

Abordagem relacional Capítulo 4

Abordagem relacional Capítulo 4 Abordagem relacional Capítulo 4 Carlos A. Heuser - Transparências para uso com o livro Projeto de Banco de Dados, Ed. Sagra&Luzzatto, Porto Alegre, 1999 1 Abordagem Relacional Abordagem de modelagem de

Leia mais

Modelagem de Dados e Conversão de Modelos. Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Modelagem de Dados e Conversão de Modelos. Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelagem de Dados e Conversão de Modelos Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Objetivo Teoria e prática de projeto de Bancos de Dados Relacionais (BDRs) Foco: modelagem conceitual e lógica

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Sumário Fases do Projeto de BD Conceitos Básicos do Modelo ER Tipos de entidade, atributos e chaves Tipos de relacionamento Restrições estruturais

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Banco de Dados Aula 02 Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Conceitos básicos Dado: Valor do campo quando é armazenado dento do BD; Tabela Lógica: Representa a estrutura de armazenamento

Leia mais

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL CURSO DE VERÃO EM BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL Modelagem e projeto de banco de dados Arquitetura de três esquemas [1] USUÁRIOS Nível externo Visão externa Mapeamento

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO CONCEITUAL Levantamento de requisitos Modelagem Conceitual Modelo ER PROJETO CONCEITUAL Parte integrante do Projeto

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL PROF. MS C. RICARDO ANTONELLO WWW.ANTONELLO.COM.B R PORQUE SER RELACIONAL? Hoje, há um claro predomínio dos SGBD relacionais, principalmente

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional. Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br

Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional. Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br 2.1 Histórico Modelo Relacional Foi introduzido por Codd (1970) Tornou-se

Leia mais

Tradução de Entidade. Tradução de Relacionamentos 1:1. Tradução de Relacionamentos 1:1. Empregado. Empregado (CPF, Nome, Salário) CPF Nome Salário

Tradução de Entidade. Tradução de Relacionamentos 1:1. Tradução de Relacionamentos 1:1. Empregado. Empregado (CPF, Nome, Salário) CPF Nome Salário Mapeamento ER->Relacional Fernanda Baião UNIRIO Material parcialmente extraído a partir das notas de aula de Maria Luiza M. Campos, Arnaldo Rocha e Maria Cláudia Cavalcanti Mapeamento do ER para Relacional

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados ER Estendido Apresentado por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação -

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

INTRODUÇÃO. Enfoque abstrato. Enfoque Intermediário

INTRODUÇÃO. Enfoque abstrato. Enfoque Intermediário BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Enfoque

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual (projeto conceitual) abstração de mais alto nível objetivo: representação dos requisitos de

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Processo de Projeto de Banco de Dados Minimundo Projeto Lógico (Mapeamento do Modelo de Dados) 1 4 Esquema Lógico (Modelo do SGBD)

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Agenda O que é Banco de Dados Como ele funciona Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelagem de Dados Modelo de dados Entidade-Relacionamento

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS X SGBD Banco de Dados: Um "banco de dados" pode ser definido como um conjunto de "dados" devidamente

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

BANCO DE DADOS I. Exercícios

BANCO DE DADOS I. Exercícios BANCO DE DADOS I Exercícios Nos próximos slide estão apresentados um modelo ER parcial de uma fábrica e o seu respectivo modelo Relacional. O esquema da base de dados relacional contém os nomes das tabelas,

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande Pós-Graduanda Formação Pedagógica de Professores (FAQI) Conceito de BD Um banco de dados

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Transformações entre Modelos

Transformações entre Modelos Transformações entre Modelos Maria Claudia Cavalcanti IME Base Bibliog. Projeto de Banco de Dados Carlos Heuser Conceptual Database Design Batini, Ceri, Navathe Qual é o ponto de partida? Esquema Conceitual

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo II: Modelagem Entidade- Relacionamento versus Relacional. (Aula 3) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo II: Modelagem Entidade- Relacionamento versus Relacional. (Aula 3) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo II: Modelagem Entidade- Relacionamento versus Relacional (Aula 3) Clodis Boscarioli Agenda: Exercícios de Mapeamento ME-R para MR; Restrições de Domínio; Restrições de Chave

Leia mais

Banco de Dados. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Banco de Dados. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Banco de Dados Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Roteiro Mapeamento de objetos para modelo relacional Estratégias de persistência Persistência JDBC Mapeando Objetos para o Modelo Relacional

Leia mais

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Computação - IC MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Aula #3 : MER e MER Estendido Profs. Anderson Rocha e André Santanchè Campinas, 1 de Agosto

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Prof. Eduardo Ribeiro www.eduardo.trisolution.com.br eduardo@ trisolution.com.br Introdução Banco de Dados Dados x Informações Dados = É um elemento que mantém

Leia mais

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados.

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados. Roteiro Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Introdução Conceitos do Modelo Relacional Restrições de Integridade Básicas Esquema do BD Relacional Restrições

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 04 Modelo Entidade Relacionamento Estendido Modelo ER Estendido Objetivo Estudar abstrações de

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Abril de 2006 Prova sem consulta duas horas de duração 1. Projete uma base de dados relacional para armazenar dados sobre pessoas

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve Banco de Dados I Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Fabricio Breve O Modelo E-R Representação do mundo real por meio de Entidades e dos Relacionamentos entre as entidades Desenvolvido originalmente

Leia mais

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados Modelo Entidade- Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelo Entidade- Proposto por Peter Chen, em 1976 Baseado na percepção do mundo real Consiste de um conjunto de objetos básicos

Leia mais

MODELO LÓGICO DE DADOS (MLD)

MODELO LÓGICO DE DADOS (MLD) MODELO LÓGICO DE DADOS (MLD) Olá, Turma! Neste capítulo, daremos prosseguimento ao nosso trabalho de modelar o negócio para o qual estaremos desenvolvendo um sistema. Quando vamos trabalhar com o modelo

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento ome Designação Doc... #Disc... Docente Ensina Disciplina Abordagem proposta por Peter P. Chen (década de 70) para o processo de modelação de dados com ampla aceitação; Trabalho

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Modelagem de Dados Coleção de ferramentas conceituais para descrever dados, suas relações e restrições Modelo Conceitual:

Leia mais