MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES"

Transcrição

1 MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES Adalberto Cavalcanti Coêlho (1) Graduado em Engenharia Civil fez Curso de pós-graduação na Área de Recursos Hídricos, obteve o grau Manter Sc em 1979, empregado da COMPESA desde 1976, ocupando diversos cargos Consultorias prestadas a OPS/OMS, INMETRO, Banco Mundial, GTZ, Agência de Cooperação Técnica do Governo Alemão, CEPIS, Atualmente Gerente de Comercialização. João Carlos De Britto Maynard Graduado em Administração de Empresas pela FESP, em 1976, exerceu diversas Funções de Confiança na COMPESA e nas Prefeituras da cidade do Recife e do Município de Jaboatão dos Guararapes. Participou desde de 1977 do Desenvolvimento e implantação dos principais trabalhos da Área Comercial, e atualmente ocupa o cargo de Gerente de Cobrança e Arrecadação. Endereço (1) : Rua Prof. Gastão Vilarim, Jardim Atlântico - Olinda - PE - CEP: Brasil - Tel: (081) Fax: (081) RESUMO O sistema de medição individual de apartamentos consiste na instalação de um hidrômetro em cada apartamento de forma que seja possível medir o seu consumo. Neste caso, o medidor instalado no ramal predial de água que abastece o prédio é mantido, servindo para apuração do consumo comum do prédio. Assim sendo, a conta de água/esgotos será estabelecida para cada apartamento com base no consumo registrado no hidrômetro individual somado ao volume referente ao rateado do consumo comum do prédio de forma proporcional com todos os apartamentos. O Sistema de medir somente o consumo global de água fornecida a um edifício de apartamentos é injusto por não permitir a todos os usuários a cobrança proporcional ao consumo. Neste sistema, a conta de água é rateada com todos os apartamentos, independente do número de pessoas, ou mesmo se o apartamentos, durante o mês foi mantido fechado. O fator negativo principal é que os usuários que economizam pagam pelos que esbanjam água. Outro aspecto desfavorável é que, quando alguns apartamentos não contribuem para o pagamento da conta, a ligação pode ser cortada não importando se a maior parte dos usuários tenha pago em dia o seu condomínio. Neste sistema os bons pagadores respondem pelos maus pagadores. A experiência da COMPESA comprova com dados reais as vantagens da medição individualizada de apartamentos em edifícios multi-familiares. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1048

2 PALAVRAS-CHAVE: Medição Individualizada em Apartamentos, Hidrômetros em Apartamentos, Medição de Água, Hidrômetros Divisionários. INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é apresentar um modelo de medição e emissão de contas individualizadas para apartamentos de edifícios multi-familiares, sendo abordados todos os aspectos técnicos, comerciais e legais. Nos últimos anos, em função do crescimento da crise econômica, a situação do débito dos edifícios populares tem sido agravada de forma considerável. Na região Metropolitana do Recife, para os edifícios populares (COHAB) este nível de inadimplência chegou a alcançar índices próximos a 40%. O tradicional sistema de medição global da água fornecida a um edifício rateia igualmente o consumo global do prédio para todos os apartamentos, independentes do seu consumo individual, o que é injusto, pois faz com que uns paguem pelos desperdícios dos outros. Encontrar uma forma de corrigir esta distorção tem sido um problema que, desde muito tempo, as empresas de saneamento básico do Pais procuram equacionar. Buscando encontrar uma solução para este crucial problema, os autores desenvolvem o presente trabalho. Outro aspecto que foi considerado é que nos sistemas de medição individualizada até então utilizados no Brasil o hidrômetro funciona como um medidor divisionário, servindo apenas para o rateio da conta de água/esgotos, que é única. A inovação para o sistema aqui desenvolvido prende-se ao fato de serem emitidas individualmente contas com base no consumo real de cada apartamento, acrescida do rateio do consumo comum. É importante destacar que o desenvolvimento do modelo aqui proposto foi elaborado, originalmente, para ser utilizado em edifícios já existentes, cujas instalações hidráulicas permitissem as modificações de modo a garantir a fidelidade das medições. Posteriormente, verificou-se que a utilização do modelo para edifícios novos além dos benefícios supramencionados, pode em projetos bem elaborados propiciar uma redução dos custos das instalações hidráulicas. Pelo sistema de faturamento tradicional é emitida uma conta única para cada edifício, em nome do condomínio, sendo está rateada pelo sindico com todos os condôminos. No caso de alguns condôminos não pagarem suas parcelas deste rateio, fica o sindico impossibilitado de efetuar o pagamento da conta única o que deixa o ramal predial sujeito ao corte regulamentar. Movidos pelos aspectos, expostos anteriormente, os moradores de edifícios populares dos conjuntos residenciais Maranguape e Artur Ludgren localizados nas cidades de Olinda e 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1049

3 Paulista, respectivamente, solicitaram a medição individualizada dos apartamentos, responsabilizando-se por todos os gastos das modificações das instalações hidráulicas inclusive da instalação dos hidrômetros destinados a medição individualizada de cada apartamento. À luz do Código de proteção ao Consumidor, a Empresa se viu na obrigação de estudar mais profundamente o problema, definindo uma metodologia que abrangesse os aspectos técnicos, comerciais e legais relativos ao mesmo. CONDIÇÕES TÉCNICAS OBEDECIDAS Para que seja utilizada a medição individualizada de apartamentos de edifícios muilti-familiares, é necessário que sejam atendidas as seguintes condições técnicas: a) As instalações hidráulicas, dos edifícios e conjuntos residenciais deverão ser executadas ou adaptadas de forma a permitir a alimentação de água de cada unidade habitacional, através de um único ponto ( padronizado e próximo á entrada de cada unidade ). b) As instalações hidráulicas e o hidrômetro deverão ser dimensionados de forma a não prejudicarem o abastecimento nas unidades habitacionais, quando da simultaneidade de utilização dos pontos de consumo. O dimensionamento das instalações prediais de água destas unidades deve ser feito em concordância com a NBR c) Não será permitida qualquer tipo de interligação entre as instalações hidráulicas das unidades habitacionais dos edifícios. d) Nas instalações hidráulicas das unidades habitacionais a serem individualizadas está vedada a utilização de válvulas de descarga por necessitarem para um bom funcionamento, de uma vazão instantânea superior às compatíveis com os hidrômetros adequados a estas unidades. e) Os hidrômetros deverão ser instalados em locais de fácil acesso, padronizados, próximo á entrada de cada unidade habitacional, e protegidos adequadamente. ASPECTOS COMERCIAIS E LEGAIS a) Quanto ao Cadastramento Comercial a.1 - Cada unidade habitacional deverá cadastrada como novo usuário, recebendo número de matrícula próprio, o qual ficará associado á matricula do edifício a que pertence a referida unidade. a.2 - As unidades habitacionais do edifício com contas individuais, deverão ser cadastradas com suas respectivas áreas e categorias, visando possibilitar o rateio, proporcional do consumo comum do edifício, conforme previsto nas Convenções do Condomínio. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1050

4 a.3 - Após o cadastramento, deverá ser realizada a associação pelo sistema de processamento de dados das matrículas das diversas unidades existentes com a matrícula das diversas unidades existentes com a matrícula do ramal predial que abastece o edifício. b) Quanto aos Processos de Faturamento e Cobrança b.1 - Para os edifícios com medição individualizada, a conta de água/esgoto de cada unidade habitacional será emitida com base nas leituras verificadas no seu hidrômetro, acrescida do rateio do consumo comum do edifício. b.2 - Não será emitida conta para a ligação referente a medição global do edifício, visto que a diferença verificada se superior a 5%, entre o consumo global e o somatório dos consumos dos apartamentos estará rateada proporcionalmente e inclusa nas contas individuais, sendo apresentada na mesma, em campo específico para possibilitar a perfeita identificação do volume do rateio pelo consumidor. b.3 - O Faturamento dos serviços de esgotamento sanitário será emitido com base no consumo de água de cada unidade habitacional acrescido do consumo rateio utilizando-se os percentuais de cobrança previstos no Regulamento de Prestação de Serviços da Empresa. b.4 - O corte do fornecimento de água das unidades habitacionais, com medição individualizada, dar-se-á com a retirada do hidrômetro individual, tamponamento e instalação de selo de segurança no ramal de alimentação da unidade habitacional. c) Quanto ao Sistema de Processamento de Dados c.1 - A concepção original do sistema de informática foi adaptada para permitir a nova forma de faturamento dos serviços para os edifícios com medição individualizada. O sistema de rateio e faturamento do consumo por macro medição foi desenvolvido prevendo duas funções básicas; Função 1: Cadastro de macromedidores e associação com as ligações das unidades individualizadas. e Função 2: Rateio do consumo do macromedidor entre ligações individuais. FUNÇÃO 1: CADASTRO DE MACROMEDIDORES E ASSOCIAÇÃO COM AS LIGAÇÕES DAS UNIDADES INDIVIDUALIZADAS. a) Os macromedidores devem ser cadastrados como ligações normais, com todas as informações do imóvel, da ligação e do hidrômetro. b) Após o cadastro, deve ser informado ao sistema de processamento, que esta ligação é um macromedidor e também todas as ligações associadas ao macromedidor. As associações são feitas através das matrículas das ligações individualizada com a matricula da medição global. c) Se após os procedimentos acima surgir mais uma ligação que deve ser associado ao macromedidor, basta informar ao sistema a identificação da ligação (matrícula) associando-a ao macromedidor. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1051

5 d) Se houver necessidade de desassociar uma ligação de um macromedidor, basta informar ao sistema. e) Caso haja uma exclusão do macromedidor, o sistema fará a desassociação de todas as matrículas antes da exclusão. f) Após a informação ao sistema, que uma determinada ligação é um macromedidor, automaticamente o sistema bloqueia a emissão de contas para esta ligação. g) Os macromedidores, podem estar associados a ligação com hidrômetro e sem hidrômetro. h) No cadastro do macromedidor, deve ser informado o tipo do rateio de consumo, o qual pode ser proporcional ao número de moradores ou à área construída dos imóveis. FUNÇÃO 2: RATEIO DO CONSUMO DO MACROMEDIDOR ENTRE LIGAÇÕES INDIVIDUAIS a) A ligação do macromedidor e todas as ligações individuais devem pertencer a um mesmo grupo de faturamento. b) A leitura do macromedidor e dos micromedidores devem ser efetuadas normalmente e informadas ao sistema para que sejam consistidas. c) Após a consistência, o sistema efetuará o rateio proporcional à área construída ou ao número de moradores, conforme informado no cadastro da ligação macromedida. d) O rateio do consumo do macromedidor é feito de acordo com as seguintes condições: 1 - Todas as unidades associadas ao do macromedidor são ligadas sem hidrômetro: O consumo é rateado com todos as unidades proporcionalmente à área construída ou ao número de moradores. 2 - Todas as unidades associadas ao macromedidor são ligadas com hidrômetro: O sistema calcula a soma dos consumos de todos os micromedidores, e abate esta soma do consumo do macromedidor rateando a diferença (se superior a 5%) proporcionalmente à área construída ou ao número de moradores, entre todas as unidades. Caso a diferença seja negativa, o sistema fará o rateio dando um crédito de consumo nas contas das unidades individualizadas. 3 - Existem unidades que são ligadas com hidrômetro e outras que são ligações sem hidrômetro: O sistema calcula a soma dos consumos das ligações com hidrômetro e abate esta soma do consumo do macromedidor, rateando a diferença entre as ligações sem hidrômetro, também proporcionalmente à área construída ou ao número de moradores. c.2 - O sistema de informática desenvolvido além de permitir o faturamento adequado dos serviços a nova sistemática de medição individualizado de apartamentos, possibilitou uma solução para emissão de contas individuais em outras situações onde a macromedição de um 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1052

6 grupo de usuários (sem micromedição, com micromedição parcial ou com micromedição total) passou a ser apurada e distribuída na forma de rateio, para efeito de faturamento tais como; d) Quanto aos Aspectos Legais d.1 - O Regulamento Geral da Prestação de Serviços da Empresa foi adaptado de forma a permitir a medição individualizada de apartamentos ESQUEMAS ADOTADOS PARA MEDIÇÃO O esquema básico de adaptação para a individualização dos edifícios existentes e apresentado na figura 1. Em cada edifício foi montado o hidrômetro instalado no ramal predial e instalados hidrômetros na tubulação de alimentação de cada apartamento Figura 1 - Esquema básico adotado para a instalação dos hidrômetros nos apartamentos. DIMENSIONAMENTO DOS HIDRÔMETROS PARA OS APARTAMENTOS O conceito de dimensionamento do hidrômetro a ser instalado nos apartamentos é diferente do utilizado para o dimensionamento dos hidrômetros instalados na medição de casas. Para a alimentação predial de residências unifamiliares predomina na utilização de ramal predial 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1053

7 abastecendo a caixa d água inferior, que é dotada de bóia, o que faz com que os consumos ocorram sempre em baixas vazões. Já o dimensionamento de hidrômetros destinados a apartamentos de edifícios multifamiliares deve considerar as vazões nos pontos de consumo, considerando o aspecto da utilização simultânea de vários pontos. Neste caso deve-se conceber o projeto de instalação prediais de água considerando os consumos em cada ponto, obedecendo a NBR 5626, instalações Prediais de Água Fria, com o dimensionamento das colunas de distribuição e do ramal de alimentação. Assim deve ser feito o levantamento das vazões de distribuição ao ramal de alimentação de cada apartamento, utilizando no projeto os valores relativos a vazão de cada ponto de consumo, adotando a Tabela 1 da NBR Vazões de Projeto e Pesos Relativos dos pontos de utilização. Normalmente para os apartamentos de porte médio os hidrômetros dimensionados na medição individualizada terão capacidades superior ao obtido pelo método tradicional. O dimensionamento de hidrômetros para apartamentos deve ser efetuado com base no estudo do projeto das instalações prediais de água nos termos recomendados pela NBR É necessário que o projeto hidráulico seja analisado verificando-se as vazões no ramal de alimentação de cada apartamento, e de acordo com as curvas de perda de carga e de erros dos aparelhos fazer a correção correta. O PROBLEMA DA VÁLVULA DE DESCARGA De acordo com a Tabela 1 da NBR Vazões de projeto e Pesos Relativos dos Pontos de Utilização, encontra-se para válvula de descarga uma vazão necessária de 1,9 litros por segundo, o que representa 7,83 metros cúbicos por hora. Analisando as perdas de cargas e os volumes mensais recomendados para os hidrômetros domiciliares com os valores acima obteríamos um hidrômetro de 10m3/h de vazão máxima. Na prática, colocar este hidrômetro representaria submedição, tendo em vista o elevado limite inferior de exatidão deste aparelho. Assim sendo, as válvulas de descargas se constituem fator restritivo a medição individualizada de apartamentos em edifícios multifamiliares. Outro aspecto a considerar é que os projetos de instalação de água utilizam para alimentação das válvulas colunas independentes, sendo impossível efetuar a medição do apartamento com um só hidrômetro. Lembramos que um dos pontos básicos da medição individual é que a alimentação a este seja feita por um único ponto. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1054

8 Por estes motivos a adaptação de prédios antigos que utilizam válvulas de descarga normalmente é muito cara, pois se faz necessário uma modificação completa das instalações prediais de água fria prevendo a substituição destas por caixa de descarga. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1055

9 DESENVOLVIMENTO Universo Trabalho Inicialmente, em janeiro de 1994, foram executadas a individualização de 4 edifícios e feito o acompanhamento durante 6 meses, com intuito da obtenção de parâmetros orientadores de um modelo de individualização. Com os primeiros resultados e a divulgação dos mesmos houve uma grande adesão da população ao programa de individualização, e rapidamente chegou-se aos 576 edifícios que hoje possuem medição individualizada. Atualmente existem apartamentos com hidrômetros, cuja distribuição por número de unidades habitacionais é apresentada no quadro seguinte: Quadro 1 - Edifícios com Medição Individualizada. NÚMERO DE APARTAMENTOS QUANTIDADE PERCENTUAL DE 2 a ,0% DE 15 a ,7% Maiores que ,3% TOTAL ,0% Custo das Adaptações nas Instalações Hidráulicas dos Apartamentos O custo médio das adaptações necessárias para a medição individualizada de um apartamento incluindo-se materiais (tubos, conexões, registro, caixa, hidrômetros e etc.) e mão de obra, de R$ 90,43 (noventa reais e quarenta e três centavos). Número de Pessoas por Apartamento nos Edifícios Trabalhados A situação do número de pessoas por apartamento nos edifícios estudados é apresentado no quadro 2. Este quadro deixa claro a injustiça da utilização do sistema de medição global de água num edifício, pois um morador solitário paga o mesmo que um com 8 pessoas em seu apartamento. Quadro 2 - Número de Pessoas por Apartamento. Nº DE PESSOAS P/ APARTAMENTO FREQÜÊNCIA % % ACUMULADO ,37 9, ,13 33, ,62 49, ,12 77, ,63 92, ,69 97, ,57 99,13 >8 5 0,87 100,00 TOTAL ,00-19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1056

10 Consumo por Apartamento Outro aspecto levantado foi o consumo por apartamento dos edifícios onde foi executado a individualização. Observa-se que os usuários de consumo superior eram subsidiados pelas tarifas de baixo consumo, o que é demasiado injusto. Quadro 3 - Consumo Mensal por Apartamento (JAN/97). FAIXA DE CONSUMO M 3 /MÊS FREQÜÊNCIA % % ACUMULADA ,31 20, ,35 41, ,12 69, ,19 86, ,89 96,86 > ,14 100,00 TOTAL ,00 100,00 Avaliação do Faturamento Foi tomada uma amostra aleatória de 50 prédios para avaliação do faturamento considerando a alternativa anterior ou seja a imersão de uma só conta baseado no hidrômetro instalado no round predial, e, a nova alternativa correspondente a imersão de contas individual com base no seu próprio consumo. Verificou-se que devido ao efeito da tarifa progressiva, houve um incremento no faturamento de 21,6% com a medição individualizada. Avaliação da Aceitação da Medição Individualizada Na seqüência apresentamos o resultado da avaliação de uma amostra de 126 usuários que tiveram a individualização da medição da água com imersão de conta individual para cada apartamento. Quadro 4 - Pesquisa de Opinião sobre o Resultado da Individualização. AVALIAÇÃO FREQÜÊNCIA % BOA 40 31,75 ÓTIMA 86 68,25 RUIM 0 0 TOTAL ,00 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1057

11 CONCLUSÕES Os principais resultados obtidos com a medição individualizada de apartamentos em 576 edifícios multi-familiares são apresentados a seguir. Redução de Consumo nos Edifícios Nos edifícios adaptados para a medição individualizada houve uma redução de consumo de 31,72% em função da diminuição no desperdício. Aumento do Faturamento Observou-se no faturamento dos edifícios adaptados um aumento de 21,6% em função da estrutura tarifária e, desse modo, o somatório correspondente à aplicação da tarifa com base no consumo real de cada apartamento, resulta num valor maior do que com a aplicação da tarifa no método tradicional. Redução do Índice de Inadimplência A inadimplência dos edifícios, que antes da individualização era de 36,1% foi reduzida para 9,4%. Isto aconteceu em função da redução de religações fraudulentas, visto que os apartamentos cortados são fiscalizados pelos outros moradores do prédio em virtude de que os consumos fraudados aumentaria o consumo global do edifício e, conseqüentemente, haveria um maior rateio para pagamento dos condôminos. Aumento da Satisfação dos Usuários De acordo com pesquisa feita junto aos síndicos dos imóveis com medição individualizada houve um índice de aprovação de 100%, sendo que 68,5% classificaram a nova sistemática como ótima, e 31,5 como boa. Os aspectos mais evidenciados pelos entrevistados foram a desvinculação da conta da água da taxa de condomínio, penalizando-se apenas os usuários maus pagadores e, o processo justo de cobrança em função do efetivo consumo de cada apartamento. Aumento do Valor Venal do Imóvel De acordo com a pesquisa citada anteriormente, houve um aumento do valor venal dos imóveis, visto que muitas pessoas não queriam comprá-los devido aos permanentes problemas com cortes em função do não pagamento por parte de alguns moradores. Não foi possível quantificar claramente o percentual de incremento. 19 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1058

12 Redução das Perdas de Faturamento Observou-se uma sensível redução nas perdas de faturamento, em função da diminuição de ocorrência de fraudes, conforme o exposto no item 3.3, e uma melhor eficiência no processo de medição, decorrente da confrontação da medição global do edifício com a soma das medições individuais dos apartamentos. Incremento dos Custos Unitários para a Empresa O incremento de custos unitários por apartamento com a medição individualizada o seguinte: - Custo de Leitura...R$ 0,25 - Custo de Emissão e Crítica...R$ 0,10 - Custo da Entrega...R$ 0,12 - Custo da Manutenção dos Hidrômetros...R$ 0,29 - Custo Total...R$ 0,76 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. AWWA, Sizing Limes and meteres - Manual m22, USA, AWWA, Water Meter, Selection, Instalation, Testing, Testing and maintenance - Manual M6, Denver USA, Cavalcanti Coêlho, A, Medição de Água Política e Prática - Editora Comunicarte, fevereiro de Gomez Bernardo, Instalación de Medidores de Água em Edifícios Multifamiliares - CEPIS/OPS, Agosto o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 1059

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE ÁGUA EM APARTAMENTOS. Adalberto Cavalcanti Coelho 1

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE ÁGUA EM APARTAMENTOS. Adalberto Cavalcanti Coelho 1 MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE ÁGUA EM APARTAMENTOS Adalberto Cavalcanti Coelho 1 Resumo O presente trabalho mostra o resultado da implantação da medição individual de água no Estado de Pernambuco. Foi desenvolvido

Leia mais

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 Nº RD e Data de aprovação: PÁGINA : SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 CÓDIGO : GECOM/D.C. - 01 TÍTULO DA NORMA : SUBSTITUI : SISTEMA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA 1. PROPÓSITOS: Estabelecer

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS

EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS EXPERIÊNCIA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTO EM EDIFÍCIOS ANTIGOS Adalberto Cavalcanti Coelho (1) Graduado em Engenharia Civil. Pós-graduado em Recursos Hídricos obtendo o grau de M.Sc pela UFPB,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. ADAIL CARNEIRO) Dispõe sobre a individualização de instalação de hidrômetro nas edificações verticais residenciais e nas de uso misto e nos condomínios

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA COMO UM INSTRUMENTO PARA A DETECÇÃO DE PERDAS Empresa Baiana de Águas e Saneamento S. A. Diretoria Financeira e Comercial - DF O QUE É A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA? Solução que visa

Leia mais

COMO OBTER A SUA LIGAÇÃO DE ÁGUA INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM DO PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANEAGO

COMO OBTER A SUA LIGAÇÃO DE ÁGUA INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM DO PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANEAGO COMO OBTER A SUA LIGAÇÃO DE ÁGUA INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM DO PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANEAGO Passo 1 Para obter a sua ligação de água entre em contato através do Ligue SANEAGO 115 ou pessoalmente

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE ENSAIO DE HIDRÔMETROS

OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE ENSAIO DE HIDRÔMETROS OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE ENSAIO DE HIDRÔMETROS Adalberto Cavalcanti Coêlho (1) Graduado em Engenharia Civil fez Curso de pós-graduação na Área de Recursos Hídricos, obteve o grau Manter Sc em 1979, empregado

Leia mais

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto.

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto. 1 / 6 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS 6. REFERÊNCIAS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos

Leia mais

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho Resumo As perdas nas empresas de abastecimento de abastecimento de água do Brasil apresentam valores

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000 CONTRATO ESPECIAL DE FIDELIDADE PARA FORNECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, COLETA/ AFASTAMENTO E TRATAMENTO DE ESGOTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO - SANASA CAMPINAS

Leia mais

Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente -

Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente - Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente - Regina Ap. A. Siqueira Superintendente de Planejamento e Desenvolvimento da Metropolitana Sabesp São Paulo - Brasil A Sabesp

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor.

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor. PROJETO DE LEI Nº DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º. Os projetos e construções de novos edifícios a serem

Leia mais

Cadastro de clientes

Cadastro de clientes Pág.: 1/6 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os critérios e procedimentos a serem adotados para desenvolvimento das atividades de cadastramento e recadastramento de clientes, interrupção de faturamento,

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO CONTRATO DE INDIVIDUALIZAÇÃO DE LIGAÇÕES DE ÁGUA EM ATENDIMENTO AO ---------------------- -------------------------- DECORRENTE DO PROTOCOLO SANASA Nº. -------- --------/-------. Pelo presente instrumento

Leia mais

FATURAS DE ÁGUA COM TRANSPARÊNCIA Entenda as cobranças da CEDAE

FATURAS DE ÁGUA COM TRANSPARÊNCIA Entenda as cobranças da CEDAE FATURAS DE ÁGUA COM TRANSPARÊNCIA Entenda as cobranças da CEDAE ÍNDICE I- Tarifa mínima I.I- Tarifa mínima multiplicada pelo número de economias II- Consumo medido II.I- Tarifa progressiva III- Tarifa

Leia mais

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Versão: 0.1 Local: Recife PE Data: 12/11/2012 Índice Histórico de Revisões... 6 1. Introdução... 7 1.1 Objetivo... 7 1.2 Escopo... 7 2. Permissões Especiais...

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.809, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece novos valores tarifários, preços dos serviços a serem cobrados pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), valores de contratos de

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Fernando Inácio dos Santos (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de Taubaté. Especialista em Engenharia Sanitária pela

Leia mais

V-004 AVALIAÇÃO ESPACIAL DA CAPACIDADE DE RESERVAÇÃO TOTAL E PER CAPITA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MANAUS, NO PERÍODO DE 2000 A

V-004 AVALIAÇÃO ESPACIAL DA CAPACIDADE DE RESERVAÇÃO TOTAL E PER CAPITA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MANAUS, NO PERÍODO DE 2000 A V-004 AVALIAÇÃO ESPACIAL DA CAPACIDADE DE RESERVAÇÃO TOTAL E PER CAPITA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MANAUS, NO PERÍODO DE 2000 A 2029 Cheila Santos de Oliveira (1) Engenheira Ambiental

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS

ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS Os valores a serem cobrados dos clientes, resultam na aplicação dos valores da Tarifa Referencial de Água (TRA) e da Tarifa Referencial de Esgoto (TRE),

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Seleção Dimensionamento de Hidrômetros

Seleção Dimensionamento de Hidrômetros Seleção Dimensionamento de Hidrômetros 4 O hidrômetro é um equipamento destinado a indicar e totalizar continuamente o volume de água que o atravessa. Normalmente a preocupação na operação da micromedição

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS

TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação: Tecnologia

Leia mais

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA Daisy Menezes, Assessora de Planejamento e Gestão Comercial, CEDAE, Rio de Janeiro, Brasil UM AVANÇO NA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS x DIFICULDADES ENCONTRADAS

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS Thiago Garcia da Silva Santim (1) Engenheiro Civil e Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais

Leia mais

Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil

Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Impacto na Perda Aparente Atuando na Redução da Submedição dos Hidrômetros

Leia mais

Esta é a pesquisa de satisfação

Esta é a pesquisa de satisfação Esta é a pesquisa de satisfação dos usuários de saneamento básico realizada entre a categoria residencial dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário regulados pela Agência em 244 municípios

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 277

Norma Técnica SABESP NTS 277 Norma Técnica SABESP NTS 277 Critérios para implantação de medição individualizada em condomínios horizontais ou verticais. Procedimento São Paulo Dezembro 2008 - Rev. 1 NTS 277 : 2008 Rev.1 Norma Técnica

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

Conhecendo a Compesa

Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Informações Gerais Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 43 anos de existência Faturamento: R$ 1,22 bi (2014) Número de

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA

TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA ELDAN RAMOS CRISPIM ENGº CIVIL, GRADUADO PELA E. E. KENNEDY. - PÓS -GRADUADO EM CONSTRUÇÃO CIVIL PELA UFMG. - PERITO JUDICIAL DESDE 1993 EM VÁRIAS

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

Fabio Rodrigues Gerente Técnico Techem do Brasil Medição Individualizada de água e gás. Brasil 19 a 21 de outubro de 2009

Fabio Rodrigues Gerente Técnico Techem do Brasil Medição Individualizada de água e gás. Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Fabio Rodrigues Gerente Técnico Techem do Brasil Medição Individualizada de água e gás Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL AGENDA REALIDADE BRASILEIRA MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

Leia mais

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas GSAN Módulo Gerencial Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas Data de Atualização: 26/02/2014 1 Introdução Este documento contém a documentação de funcionalidades incluídas e alteradas do

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

MODIFICAÇÃO DO SISTEMA DE HIDRÔMETRO COLETIVO PARA HIDRÔMETROS INDIVIDUALIZADOS EM CONDOMINIO RESIDENCIAL, GOIÂNIA, GO.

MODIFICAÇÃO DO SISTEMA DE HIDRÔMETRO COLETIVO PARA HIDRÔMETROS INDIVIDUALIZADOS EM CONDOMINIO RESIDENCIAL, GOIÂNIA, GO. MODIFICAÇÃO DO SISTEMA DE HIDRÔMETRO COLETIVO PARA HIDRÔMETROS INDIVIDUALIZADOS EM CONDOMINIO RESIDENCIAL, GOIÂNIA, GO. MODIFICATION OF THE SYSTEM OF COLLECTIVE HYDROMETER FOR INDIVIDUAL HYDROMETER IN

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. AUTORES: Engº MSc SÉRGIO RICARDO DOS S. SILVA Engº MSc EDUARDO COHIM SISTEMAS PREDIAIS SUSTENTÁVEIS

Leia mais

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio responsável pela apresentação oral Cargo Atual: Coordenador Macromedição

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 433

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 433 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 433 Dispõe sobre o reajuste dos valores das tarifas de água e esgoto a serem aplicadas no Município de Santa Gertrudes. A Diretoria da ARSESP, considerando os

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Patricia Viero Minussi Aes Sul Distribuidora Gaúcha de Energia patricia.minussi@aes.com

Leia mais

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS O Daae (Departamento Autônomo de Água e s) está inspecionando os poços artesianos dos estabelecimentos comerciais, industriais

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO - DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE CALDAS NOVAS - DEMAE Responsável:

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA MARÇO 2004 SUMÁRIO 1. L EI COMPLEMENTAR Nº 110/2003 - MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS...3 2. L EI Nº 5935/2002 - MUNICÍPIO DE BLUMENAL/SC...4

Leia mais

V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO

V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO José Almir Rodrigues Pereira (1) Engenheiro Sanitarista pela UFPA. Mestre

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO 02/2009-GGC MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÀGUA E ESGOTO EM CONDOMINIOS VERTICAIS E HORIZONTAIS.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO 02/2009-GGC MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÀGUA E ESGOTO EM CONDOMINIOS VERTICAIS E HORIZONTAIS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO (RESOLUÇÃO Nº 09/2009-D) 01/17 DIRETORIA COMERCIAL/GERÊNCIA COMERCIAL INSTRUÇÃO DE SERVIÇO 02/2009-GGC MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE ÀGUA E ESGOTO EM CONDOMINIOS VERTICAIS E HORIZONTAIS.

Leia mais

T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA

T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA Tema I: Abastecimento de Água Autores: Jennifer Conceição

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 79, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 79, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 79, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e dos Preços Públicos dos demais serviços de água e esgoto a serem aplicados no Município

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e dos Preços Públicos dos serviços prestados, a serem aplicadas no Município de Nova

Leia mais

Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda

Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda Aspectos de concepção da infraestrutura de Água e Esgoto em Comunidades de Baixa Renda no Rio de Janeiro IAB Instituto dos Arquitetos do Brasil / Morar Carioca

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil cristian sippel Diogo Angelo Stradioto Rio Grande Energia SA APS Engenharia de Energia

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental V-028 - SISTEMA SUPORTE DE ACOMPANHAMENTO DA ARRECADAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA MANUTENÇÃO DA RELAÇÃO ARRECADAÇÃO X FATURAMENTO E REDUÇÃO DO SCR - ESTUDO DO CASO NO ER ITAPARICA D artagnan Gomes Nascimento

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto a serem aplicados pela Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia SAAE, no Município

Leia mais

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA Presidencia Diretoria Superintendencia Candiadata OC Div. Gdes. Consumidores Pólo de Comunicação Administrativo

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios

A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios A Política Pública da Medição Individualizada de Água em Condomínios Eduardo Felipe Cavalcanti Especialista em Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas Brasília/DF - Brasil Por que é uma boa política

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 42 anos de existência

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INFRAÇÕES PRATICADAS POR USUÁRIOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO DE CUIABÁ

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INFRAÇÕES PRATICADAS POR USUÁRIOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO DE CUIABÁ PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INFRAÇÕES PRATICADAS POR USUÁRIOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO DE CUIABÁ INTRODUÇÃO O objetivo desse documento é apresentar o Procedimento de Fiscalização da Concessionária

Leia mais

I-056 - TIPO DE DESCARGA DE BACIA SANITÁRIA INSTALADA EM DOMICILIO SEGUNDO CLASSE SOCIAL CONSUMIDORA E RESPECTIVO CONSUMO MÉDIO PER CAPITA

I-056 - TIPO DE DESCARGA DE BACIA SANITÁRIA INSTALADA EM DOMICILIO SEGUNDO CLASSE SOCIAL CONSUMIDORA E RESPECTIVO CONSUMO MÉDIO PER CAPITA I-056 - TIPO DE DESCARGA DE BACIA SANITÁRIA INSTALADA EM DOMICILIO SEGUNDO CLASSE SOCIAL CONSUMIDORA E RESPECTIVO CONSUMO MÉDIO PER CAPITA José Geraldo Querido (1) : Professor Titular do Centro de Ciências

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 036 Modalidade

Leia mais

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1984. Os associados

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes

FAQ Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes Índice 01. Incorporação Imobiliária...3 02. Contrato...4 03. Pagamento e Boletos...5 04. Financiamento...6 05. Distrato e Transferência...8 06. Documentações...9 07. Instalação

Leia mais

ÍNDICES DE DESPERDÍCIO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES DE GOIÂNIA

ÍNDICES DE DESPERDÍCIO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES DE GOIÂNIA ÍNDICES DE DESPERDÍCIO DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES DE GOIÂNIA Lúcia Helena de Oliveira (1); Cleverson Gomes Cardoso (2) (1) Escola de Engenharia Civil da UFG, luhe@cultura.com.br

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES...

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES... ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 2.1 TARIFA MÍNIMA... 3 2.2 TARIFAÇÃO... 3 2.3 REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO... 4 2.4 TARIFA

Leia mais

Sistema de Medição Individualizado de Água Análise da Viabilidade de Implantação, Estudo de Caso: Edifício Residencial New York, Cuiabá/MT.

Sistema de Medição Individualizado de Água Análise da Viabilidade de Implantação, Estudo de Caso: Edifício Residencial New York, Cuiabá/MT. Sistema de Medição Individualizado de Água Análise da Viabilidade de Implantação, Estudo de Caso: Edifício Residencial New York, Cuiabá/MT. Walter Corrêa Carvalho Junior E-mail: walterjunior.carvalho@gmail.com

Leia mais

PL 146/2009 Processo 347/2009 SAAE DE PORTO FELIZ

PL 146/2009 Processo 347/2009 SAAE DE PORTO FELIZ LEI Nº. 4.785 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O DESPEJO DE EFLUENTES SANITÁRIOS NA REDE PÚBLICA, PROCEDENTES DA UTILIZAÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, CONFORME ESPECIFICA,

Leia mais

Soluções eficientes Auxiliamos no processo do uso racional e sustentável de recursos escassos

Soluções eficientes Auxiliamos no processo do uso racional e sustentável de recursos escassos Soluções eficientes Auxiliamos no processo do uso racional e sustentável de recursos escassos Decida pela melhor empresa Liderança no mercado A decisão mais confiável A ista Brasil é o braço brasileiro

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto:

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Todo cidadão tem direitos e deveres para com a sociedade e se cada um fizer sua parte, todos irão ganhar. São direitos de todos os cidadãos, referentes

Leia mais

NORMA. Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica.

NORMA. Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica. 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica. 2. ABRANGÊNCIA Esta norma se aplica ao Departamento de Atendimento ao Consumidor da Diretoria

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA Pelo presente instrumento particular, a A.TELECOM S.A. inscrita no CNPJ/MF sob o nº 03.498.897/0001-13, com sede na Alameda Campinas, 1070

Leia mais

UMA ANÁLISE DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS RESIDENCIAIS HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS, TIPOLOGIA DA CONSTRUÇÃO E CONDIÇÃO ECONÔMICA DO USUÁRIO

UMA ANÁLISE DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS RESIDENCIAIS HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS, TIPOLOGIA DA CONSTRUÇÃO E CONDIÇÃO ECONÔMICA DO USUÁRIO UMA ANÁLISE DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS RESIDENCIAIS HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS, TIPOLOGIA DA CONSTRUÇÃO E CONDIÇÃO ECONÔMICA DO USUÁRIO Oliveira, E. F. C. C de 1, Koide, S 2. RESUMO O presente artigo mostra

Leia mais

CDHU Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CBCS Conselho Brasileiro da Construção Sustentável

CDHU Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CBCS Conselho Brasileiro da Construção Sustentável CDHU Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano CBCS Conselho Brasileiro da Construção Sustentável Seminário i Eficiência Energética e HIS no Estado de São Paulo Sistemas Prediais e a Medição Individualizada

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais