Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde"

Transcrição

1 Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde BIREME/OPAS/OMS Evolução baseada no trabalho em rede A Biblioteca Virtual em Saúde Adoção do Modelo da BVS BVS Modelo de Cooperação Técnica em Rede A BVS opera em 3 dimensões Fontes de Informação Governabilidade da BVS Fases de Evolução da BVS Alguns indicadores de evolução de uma BVS Como colaborar?

2 Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde BIREME/OPAS/OMS Centro especializado da OPAS em informação em ciências da saúde Criado em 1967 por um convênio entre o Governo do Brasil e a OPAS como Biblioteca Regional de Medicina que originou a sigla BIREME Tem como missão contribuir com o desenvolvimento da saúde nos países da América Latina e Caribe por meio da democratização do acesso aberto, publicação e uso de informação, conhecimento e evidência científica.

3 Evolução baseada no trabalho em rede, com produtos, serviços, eventos e tecnologias como bens públicos regionais e globais 1967 Rede de Bibliotecas BIREME 1987 Sistemas Nacionais de informação 2014 Rede BVS operando há 16 anos em diversos países 1982 Centro de Informação e Indexação 1998 Representantes da AL&C se comprometem a construir a BVS de forma cooperativa

4 A Biblioteca Virtual em Saúde

5 BVS Construída pelo esforço colaborativo de vários países em um contexto de globalização, de mudanças tecnológicas aceleradas e de permanentes desafios aos sistemas de saúde e às políticas públicas que visam a promoção da equidade em saúde

6 Adoção do Modelo da BVS A BVS é um espaço de integração de fontes de informação produzidas coletivamente em um determinado tema, região ou instituição Objetivos Garantir que a rede tenha um conjunto mínimo de procedimentos comuns, standards, atualizados e formalizados por meio de Templates, Guias, Manuais, etc. Garantir que os critérios de evolução da rede, assim como os procedimentos adotados, sejam claros e comuns.

7 Fundamentos A informação operação baseada científico-técnica em cooperação é essencial técnica para a Saúde; busca: As Fortalecer decisões e em ampliar Saúde o fluxo são mais de informação eficientes quando baseadas científica em e técnica informação em Saúde científico-técnica na AL&C; relevante; A Promover informação o acesso deve equitativo subsidiar à informação; os processos de tomada de decisão em Saúde, incluindo a formulação de políticas, planificação, gestão, pesquisa, educação Facilitar o acesso a informação para que as e atenção à saúde; decisões em saúde sejam baseadas em conhecimento.

8 2014 BVS 16 anos! Espaço de referência em informação científica e técnica em saúde na América Latina e no Caribe; Bem público construído pelo esforço colaborativo de todos os países da Região em um contexto de globalização, de mudanças tecnológicas e de permanentes desafios aos sistemas de saúde e às políticas públicas que buscam a promoção da equidade em saúde; Promovida e coordenada pela BIREME, operada por meio de redes de cooperação técnica.

9 BVS Modelo de Cooperação Técnica Evita duplicações; em Rede Facilita o intercâmbio/cooperação com iniciativas nacionais e internacionais; Amplia as capacidades locais na adoção, desenvolvimento e adaptação de tecnologias de informação; Contribui na elaboração de políticas nacionais de informação científica e técnica sincronizadas com o paradigma da informação e comunicação da internet. A Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) registra, organiza, preserva, relaciona e dissemina os conteúdos das fontes de informação

10 BVS Modelo de Cooperação Técnica em Rede A BVS como projeto inovador na democratização e ampliação do acesso à informação científica e técnica em saúde Opção pelo modelo requer: Infra-estrutura tecnológica + equipe técnica dedicada e capacitada + (trabalho cooperativo)² = Desenvolvimento e Sustentabilidade da BVS

11 Rede BVS A construção da BVS se realiza em âmbitos geográficos, temáticos, biográficos ou institucionais BVS Prevenção e Controle de Câncer Brasil (temática nacional) BVS Ministério da Saúde do Brasil (institucional) BVS Carlos Chagas (biográfica) BVS Adolec ALyC (temático regional) BVS Brasil (geográfico nacional) * 115 instâncias de BVS em Julho de 2014

12 A Rede BVS no Mundo 31 países 11 temáticas regionais 60 temáticas nacionais 115 instâncias ativas

13 A Rede BVS no Brasil 16 1 Nacional / 22 temáticas / 7 institucionais / 3 biográficas

14 A BVS opera em 3 dimensões 1 Redes Sociais Produtores, intermediários e usuários de informação científica e técnica em saúde (construção coletiva) 2 3 Redes de Conteúdos Redes de Ambientes Aprendizes e Informados Produtos, sistemas e serviços de informação, que responda a uma demanda de informação Ambientes em que predominam o intercâmbio de informação, experiências e conhecimento entre seus participantes

15 Fontes de Informação Qualquer recurso que responda a uma demanda de informação por parte do usuário; Produtos, serviços de informação, redes, programas, etc. Bases de dados Catálogo de Sites Diretório de Eventos Espaços Colaborativos Notícias

16 Fontes de Informação 1) Fontes primárias são relacionadas com os produtos originados pela pesquisa científica: artigos científicos, teses, ensaios, documentos monográficos, governamentais ou de organismos internacionais, anais de congressos, legislação e documentos não-convencionais - como os relatórios de pesquisa que conformam a literatura cinzenta - publicadas em texto completo em meio eletrônico. Inclui ainda as bases de dados numéricas de pesquisas e censos estatísticos. Exemplos: coleções SciELO e repositórios institucionais de textos completos.

17 2) Fontes secundárias: Fontes de Informação registros referenciais das fontes primárias sistematizados em índices, bases de dados referenciais e diretórios. As bases de dados que adotam a metodologia LILACS e diretórios de pesquisadores, instituições e projetos são exemplos de fontes secundárias na BVS.

18 Fontes de Informação 3) Fontes terciárias: referem-se aos conteúdos organizados para fins didáticos, como os objetos de aprendizagem do Campus Virtual em Saúde Pública e para apoio à tomada de decisão, como as revisões sistemáticas de evidências científicas. Exemplo: Biblioteca Cochrane.

19 Fontes de Informação 4) Disseminação Seletiva da Informação (DSI) e inclusão informacional: conjunto de serviços de inclusão informacional e promoção de acesso a BVS, direcionados tanto para usuários conectados a Internet como para comunidades sem conexão, por exemplo, a instalação de espaços públicos e coletivos como as Estações BVS. Incluem-se também os serviços de atualização e atendimento ao usuário, como o serviço de comutação bibliográfica SCAD (Serviço Cooperativo de Acesso a Documentos) e os serviços de acesso personalizado, como minha biblioteca buscando atender as necessidades de informação de cada usuário individualmente.

20 Fontes de Informação 5) Comunicação e colaboração: fontes de informação destinadas à socialização da informação e ao intercâmbio de conhecimento por meio da colaboração online, como Newsletter, Espaços Colaborativos, blogs, boletins, fóruns, reuniões online, chats e comunidades virtuais.

21 Fontes de Informação 6) Componentes integradores: normas, padrões, metodologias e aplicativos comuns adotados por todas as instâncias BVS para sua integração numa única rede. Incluem as terminologias, por exemplo, o vocabulário Descritores em Ciências da Saúde (DeCS), manuais e softwares para a gestão e operação das fontes e fluxos de informação na BVS.

22 Como se desenvolve a BVS? 1 Identificar e/ou definir a Rede Social Quem são os usuários? (público alvo) Definir o objetivo do site 2 Identificar fontes de informação e trabalho cooperativo Identificar os Parceiros Definir o Escopo de atuação 3 Organizar o acesso aos conteúdos Quais são as necessidades de informação dos usuários? Que tipo de informação queremos promover? 4 Fortalecer a BVS e garantir sua manutenção

23 Como se desenvolve a BVS? Modelo A operação do conjunto de Fontes de Informação é descentralizada, segue critérios de qualidade, adota as metodologias e tecnologias públicas e eficientes da BVS. Resultado Instituições nacionais ou temáticas articuladas e em busca de objetivos comuns.

24 Governabilidade da BVS

25 Governabilidade da BVS Cada instância da BVS deve desenvolver, de acordo com a seguinte estrutura de governabilidade e operação: Uma definição de alcance (escopo) da rede e seu âmbito de operação e expansão geográfico e/ou temático; Um Comitê Consultivo baseado na interação e cooperação entre as organizações participantes, orientado a maximizar o intercâmbio de informação e o aprendizado; Uma instituição coordenadora, que funciona também como Secretaria Executiva do Comitê Consultivo; Um plano de trabalho de 2 a 3 anos que defina as linhas de ação prioritárias de desenvolvimento da instância na BVS; Reuniões periódicas do Comitê pelo menos uma vez ao ano de modo a socializar o estado de desenvolvimento da BVS, os avanços, lições aprendidas, dificuldades e desafios por vencer, recomendações de ação e prioridades.

26 Governabilidade da BVS 1. Secretaria Executiva Em geral representada por uma instituição com condições (políticas, institucionais, econômicas, de recursos humanos e de tecnologias de informação) para assumir a liderança na operação da BVS. Tem como principais funções: Promover o funcionamento efetivo do Comitê Consultivo, organizando reuniões periódicas; Desempenhar funções de coordenação e promoção da BVS; Assegurar a atualização e funcionamento da matriz de responsabilidades;

27 Governabilidade da BVS 2. Comitê Consultivo Formado por instituições fundamentais do eixo temático, tem como principais funções: Tomar decisões políticas Estabelecer e aprovar o plano de trabalho Coordenar a divisão de trabalho entre as instituições Identificar oportunidades e gaps informacionais Definir e orientar os critérios de qualidade Definir prioridades Aprovar projetos específicos Controlar e avaliar o desempenho da BVS Obter fontes de financiamento para projetos específicos.

28 Governabilidade da BVS 3. Comitê Executivo O Comitê Executivo, formado pelas bibliotecas, centros de informação (bibliotecários e informáticos) ligados às instituições que formam o Comitê Consultivo, também chamado Comitê operacional tem como principais funções: Operar as fontes de informação descentralizadamente a partir da metodologia BVS; Manter atualizados os conteúdos das fontes de informação; Atender capacitações técnicas para acompanhar os ajustes e desenvolvimento metodológico e tecnológico da BVS;

29 Governabilidade da BVS Matriz de Responsabilidades Documento que faz parte do plano de desenvolvimento da BVS e que indica, para cada fonte de informação da BVS, qual a instituição coordenadora e quais as cooperantes. Define a participação de cada instituição na operação das Fontes de Informação, é importante instrumento para acompanhamento dessa gestão descentralizada. Uma vez que: A responsabilidade pela gestão e operação das coleções de fontes de informação da BVS é compartilhada pelas instituições participantes. Cabe a estas instituições a definição da sua forma de inserção e participação no desenvolvimento da BVS.

30 Exemplo de Matriz de Responsabilidades

31 Como se desenvolve a BVS? Modelo Operacional da BVS Matriz de Responsabilidades Comitê Consultivo Comitê Executivo Comitê Executivo Comitê Consultivo Secretaria Executiva Comitê Executivo Comitê Consultivo Disponibiliza Servidor de homologação Internet Mundo

32 Fases de Evolução da BVS Piloto: Discussão, articulação e gestão entre produtores, intermediários e usuários da informação, momento de adoção do Modelo da BVS. Em desenvolvimento: Execução de projetos buscando o fortalecimento do trabalho cooperativo e descentralizado, além da publicação e atualização da rede de conteúdos e fontes de informação. Certificada: A BVS é referência de informação científica e técnica em saúde na internet, mantendo-se atualizada, estruturada, ativa e resultado de trabalho cooperativo em rede.

33 BVS BVS Piloto Piloto 1 2 Avaliação Avaliação BVS BVS Certificada Certificada Condicional Condicional BVS BVS em em Desenvolvimento 5 BVS BVS Certificada Certificada 4 Avaliação BVS Desativada BVS Desativada 8

34 Alguns indicadores de evolução de uma BVS Comitê Consultivo estabelecido e ativo; Instituições coordenadoras e executoras; Plano de desenvolvimento; Matriz de responsabilidades; Infra-estrutura e recursos tecnológicos; Página principal e fontes de informação operando de modo atualizado e descentralizado; Conjunto mínimo de conteúdos;

35 A BIREME acompanha e orienta as instituições em desenvolvimento da BVS e realiza capacitações promovendo a transferência e adoção do modelo

36 Como colaborar? Apoiando a tradução do conhecimento tácito para o conhecimento explícito Novas fontes de informação online Garantindo a qualidade e o registro da produção científica e técnica de nossas instituições Promovendo estes resultados em amplas ações de comunicação (cursos, sites, eventos, redes sociais, etc) para fazer chegar a informação ao seu público alvo Comunicando e provocando a comunicação Trabalhando em Rede

37 Sobre o Modelo da BVS Veja mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Informação e Intercâmbio de Conhecimento O papel da Biblioteca Virtual em Saúde e Redes Associadas

Gestão de Informação e Intercâmbio de Conhecimento O papel da Biblioteca Virtual em Saúde e Redes Associadas II Seminário sobre tecnologia, gestão da informação e conhecimento em saúde pública Brasília, 08-10 junho, 2010 Gestão de Informação e Intercâmbio de Conhecimento O papel da Biblioteca Virtual em Saúde

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 3A Capacitação no acesso às Fontes de Informação da BVS Saúde Pública 14 de janeiro de 2004

http://www.bvs.br/ Projeto 3A Capacitação no acesso às Fontes de Informação da BVS Saúde Pública 14 de janeiro de 2004 http://www.bvs.br/ 14 de janeiro de 2004 Introdução Este documento descreve o projeto para continuidade do programa de capacitação de produtores, intermediários e usuários na operação e uso da Biblioteca

Leia mais

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse

universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse universalização do acesso à informação científica em saúde: desafios da rede BVS eportuguêse Abel L. Packer BIREME/OPS/OMS, Diretor Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

Leia mais

Evolução da BVS nos Países eportuguêse. Cláudia Guzzo BIREME/PAHO/WHO - São Paulo

Evolução da BVS nos Países eportuguêse. Cláudia Guzzo BIREME/PAHO/WHO - São Paulo Evolução da BVS nos Países eportuguêse Cláudia Guzzo BIREME/PAHO/WHO - São Paulo FATOS HISTÓRICOS Set. 2005 - Pontos focais do eportuguêse se reúnem em GT durante o 9º Congresso Mundial de Informação em

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

- fortalecer a colaboração na área da informação e capacitação em saúde;

- fortalecer a colaboração na área da informação e capacitação em saúde; O eportuguêse é uma plataforma para: - apoiar o desenvolvimento de recursos humanos para a saúde nos países de língua portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Plano de Trabalho 2014-2016

Plano de Trabalho 2014-2016 Plano de Trabalho 2014-2016 Indicação das Prioridades da Rede para a BVS Brasil http://brasil.bvs.br/reuniao-redebvs-2014/ #bvsbrasil2014 Equipe MIP Modelo.bvs@bireme.org Produção de Fontes de Informação

Leia mais

Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para a pesquisa

Leia mais

BIREME / OPAS / OMS. Guia da BVS 2011. Versão 19. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

BIREME / OPAS / OMS. Guia da BVS 2011. Versão 19. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde BIREME / OPAS / OMS Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde Guia da BVS 2011 Versão 19 São Paulo - Março 2011 Copyright Março 2011 - BIREME / OPAS / OMS Guia da BVS 2011

Leia mais

Reunião do Comitê Consultivo da BVS Enfermagem Brasil

Reunião do Comitê Consultivo da BVS Enfermagem Brasil Reunião do Comitê Consultivo da BVS Enfermagem Brasil Apresentação O presente documento tem como objetivo registrar e documentar a Reunião do proposto Comitê Consultivo da BVS Enfermagem realizada no dia

Leia mais

Fontesde informaçãoda BVS:

Fontesde informaçãoda BVS: Curso LIS e DirEve Fontesde informaçãoda BVS: Sueli Mitiko Yano Suga Supervisora FIR/PFI BIREME/OPS/OMS BIREME, São Paulo 12 e 13 maio de 2014 Fluxoda ciência Colégiosinvisíveis Big Science Projetos

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

Avaliação da BVS Homeopatia

Avaliação da BVS Homeopatia Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Documento Base de Avaliação de Instância da BVS São Paulo - Dezembro

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

São Paulo, 22 de novembro de 2005 SES-SP BIREME/OPAS/OMS

São Paulo, 22 de novembro de 2005 SES-SP BIREME/OPAS/OMS Projeto de Gestão de Informação Técnico- Científica para a Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo sob Coordenação da Coordenadoria de Controle de Doenças. São Paulo, 22 de novembro de 2005

Leia mais

BIREME / OPAS / OMS. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

BIREME / OPAS / OMS. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde BIREME / OPAS / OMS Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde Acesso às fontes de informação da Biblioteca Virtual em Saúde Versão 2 São Paulo - Março 2008 Copyright Março

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Linha estratégica 1: Fortalecimento da Rede BVS Brasil Prioridade 1.1 Ampliação das alianças e das redes que atuam na informação científica e técnica

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 8 Servidor de estatísticas de desempenho on-line da BVS 11 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 8 Servidor de estatísticas de desempenho on-line da BVS 11 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 8 Servidor de estatísticas de desempenho on-line 11 de janeiro de 2005 Introdução Na arquitetura, fonte de informação é qualquer recurso que responda a uma demanda de informação

Leia mais

http://www.bvs.br Biblioteca Virtual em Saúde Acesso às fontes de informação Serviços Cooperativos de Informação BIREME/OPAS/OMS online@bireme.

http://www.bvs.br Biblioteca Virtual em Saúde Acesso às fontes de informação Serviços Cooperativos de Informação BIREME/OPAS/OMS online@bireme. http://www.bvs.br Acesso às fontes de informação Serviços Cooperativos de Informação online@bireme.br A BVS como fonte para tomada de decisão em saúde Apresentação e organização Navegação e recursos de

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

(MINUTA) - Estruturação da Biblioteca Nacional de Saúde de Moçambique (BNS), aperfeiçoamento e ampliação das ações da BVS Moçambique

(MINUTA) - Estruturação da Biblioteca Nacional de Saúde de Moçambique (BNS), aperfeiçoamento e ampliação das ações da BVS Moçambique TERMO DE COOPERAÇÃO ENTRE O INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DE MOÇAMBIQUE (INS) E O INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EM SAÚDE DA FIOCRUZ (ICICT/FIOCRUZ- MS - BRASIL) NO MARCO

Leia mais

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS)

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) Joanita Barros 1, Juliana Sousa 2 1 Bibliotecária, Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME/OPAS/OMS),

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN...

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... por um trabalho colaborativo e de geração de redes para o crescimento da literacia da informação 1 no contexto dos países ibero-americanos

Leia mais

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS Competência informacional é um conjunto de competências de aprendizagem e pensamento crítico

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Questionário para mapear o desenvolvimento da BVS no Brasil e identificar oportunidades de cooperação, fortalecimento e sustentabilidade da Rede.

Questionário para mapear o desenvolvimento da BVS no Brasil e identificar oportunidades de cooperação, fortalecimento e sustentabilidade da Rede. BVS Brasil Questionário para mapear o desenvolvimento da BVS no Brasil e identificar oportunidades de cooperação, fortalecimento e sustentabilidade da Rede. Identificação da Instância BVS Dados gerais

Leia mais

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo A Experiência de Belo Horizonte Claudinéia Ferreira Jacinto Secretaria Municipal Adjunta de Planejamento, Orçamento e Informação Prefeitura de Belo

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

www.unioeste.br/portaldainformacao

www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE Página de acesso livre ao conhecimento. www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE A P R E S E N T A Ç Ã O O Portal da Informação da Unioeste é

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: CURSO EAD DE METODOLOGIA LILACS PARA OS CENTROS COOPERANTES DA BVS-VET

RELATO DE EXPERIÊNCIA: CURSO EAD DE METODOLOGIA LILACS PARA OS CENTROS COOPERANTES DA BVS-VET RELATO DE EXPERIÊNCIA: CURSO EAD DE METODOLOGIA LILACS PARA OS CENTROS COOPERANTES DA BVS-VET Rodrigo Moreira Garcia 1, Stela Madruga, Patrícia Tomisawa, Luiz Pierotti 5 1 Mestre em Ciência da Infomação,UNESP/FFC,

Leia mais

I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil

I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil A I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil foi realizada no dia 16 de maio de 2014, na Bireme/OPAS/OMS, e contou com a presença dos seguintes representantes

Leia mais

Funcionalidades e elementos de comunicação e interação social no contexto dos Ambientes Aprendizes e Informados na Biblioteca Virtual em Saúde

Funcionalidades e elementos de comunicação e interação social no contexto dos Ambientes Aprendizes e Informados na Biblioteca Virtual em Saúde Funcionalidades e elementos de comunicação e interação social no contexto dos Ambientes Aprendizes e Informados na Biblioteca Virtual em Saúde São Paulo Setembro 2009 BIREME/OPAS/OMS Centro Latino-Americano

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA COORDENADOR/A DE CAPACITAÇÃO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROJETO INTEGRAÇÃO DOS CENTROS DE INFORMAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PAULISTA

PROJETO INTEGRAÇÃO DOS CENTROS DE INFORMAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PAULISTA PROJETO INTEGRAÇÃO DOS CENTROS DE INFORMAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PAULISTA São Paulo Julho/2008 Projeto Integração dos Centros de Informação da Administração Paulista SUMÁRIO 1. Sumário executivo...

Leia mais

EVIPNet Brasil Rede para Políticas Informadas por Evidências. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012

EVIPNet Brasil Rede para Políticas Informadas por Evidências. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 EVIPNet Brasil Rede para Políticas Informadas por Evidências Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 EVIPNet - Brasil Objetivo Geral da Rede EVIPNet Estabelecer mecanismos para facilitar a utilização de produção

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Políticas públicas: a cultura como fator de desenvolvimento econômico

Leia mais

A iniciativa eportuguêse e oportunidades para os países de língua portuguesa

A iniciativa eportuguêse e oportunidades para os países de língua portuguesa A iniciativa eportuguêse e oportunidades para os países de língua portuguesa BIREME/OPAS/OMS - São Paulo 1 eportuguêse Iniciativas para fortalecer a informação em saúde nos países de língua portuguesa

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 Breve histórico 1986 - Plano Nacional de Bibliotecas Universitárias Programa de Aquisição Planificada de Periódicos 1990

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Biblioteca virtual sobre bioética e diplomacia em saúde Virtual library on bioethics and diplomacy in health

Biblioteca virtual sobre bioética e diplomacia em saúde Virtual library on bioethics and diplomacy in health Biblioteca virtual sobre bioética e diplomacia em saúde Virtual library on bioethics and diplomacy in health Tyara Kropf Barbosa Gerente, Subsecretaria de Modernização do Atendimento Imediato ao Cidadão.

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Como fazer uma Revisão Bibliográfica

Como fazer uma Revisão Bibliográfica Como fazer uma Revisão Bibliográfica Objetivos da Revisão Bibliográfica Aprendizado sobre uma determinada área Levantamento dos trabalhos realizados anteriormente sobre o mesmo tema Identificação e seleção

Leia mais

Localizador de Informação em Saúde - LIS

Localizador de Informação em Saúde - LIS Localizador de Informação em Saúde - LIS Fontes de Informação Referenciais - FIR/PFI BIREME/OPAS/OMS Catálogo de fontes de informação disponíveis na Internet na área da saúde. Definição Descreve o conteúdo

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

Fortalecimento da LILACS como índice da Produção Científica e Técnica da AL&C

Fortalecimento da LILACS como índice da Produção Científica e Técnica da AL&C Fortalecimento da LILACS como índice da Produção Científica e Técnica da AL&C Reuniãopara Conformaçãode Gruposde Trabalho com a Rede LILACS BIREME/OPAS/OMS 21 Janeiro 2014 Agenda da Reunião Sobre a LILACS

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Plano de Implementação do Projeto Maio de 2008 Março de 2011 Índice Plano de Implementação do Projeto (PIP): i. Sumário Executivo

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

OBJETO DA CONTRATAÇÃO

OBJETO DA CONTRATAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (F079) Consultora SSA 5 meses Data

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais