UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS"

Transcrição

1 SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Esta comunicação está sendo submetida sob o Tema 2 Técnicas e Ferramentas em ontologias UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS Leonardo Guerreiro Azevedo 1,2 Mauro Lopes 1,2 Jairo Francisco de Souza 1 Sean Wolfgand Matsui Siqueira 1,2 Cláudia Cappelli 1 Fernanda Baião 1,2 1 NP2Tec Núcleo de Pesquisa e Prática em Tecnologia 2 Departamento de Informática Aplicada DIA/UNIRIO Resumo: Tecnologias semânticas estão cada vez mais sendo utilizadas em ambientes corporativos, onde ontologias tornam-se mais abrangentes e complexas. Consequentemente, a gestão de ontologias se torna também mais complexa, necessitando de ferramentas e metodologias de apoio. No entanto, a grande quantidade de ferramentas desenvolvidas segundo características específicas dificulta a seleção de ferramentas para a gestão adequada de ontologias. Este trabalho propõe uma metodologia para avaliação de ferramentas para gestão de ontologias composta de passos e critérios de pontuação para seleção de ferramentas. A proposta está sendo empregada em um cenário real, em uma grande empresa brasileira. Palavras-chave: gestão de ontologias, avaliação de ferramentas, ontologia. Abstract: The use of semantic technologies is growing in TI projects in enterprises, where ontologies become bigger and complex. Consequently, ontology management becomes more complex, requiring tools and methodologies. However, existing tools are developed according with specific characteristics, which makes a big challenge to choose a tool for ontology management. This article proposes a methodology for evaluating ontology management tools. This methodology is composed by a set of steps for selecting candidate tools and a set of criteria to scoring these tools. This proposal is experimented in a real scenario in a big Brazilian company. Keywords: ontology management, tool evaluation, ontology.

2 UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS Resumo: Tecnologias semânticas estão cada vez mais sendo utilizadas em ambientes corporativos, onde ontologias tornam-se mais abrangentes e complexas. Consequentemente, a gestão de ontologias se torna também mais complexa, necessitando de ferramentas e metodologias de apoio. No entanto, a grande quantidade de ferramentas desenvolvidas segundo características específicas dificulta a seleção de ferramentas para a gestão adequada de ontologias. Este trabalho propõe uma metodologia para avaliação de ferramentas para gestão de ontologias composta de passos e critérios de pontuação para seleção de ferramentas. A proposta está sendo empregada em um cenário real, em uma grande empresa brasileira. Palavras-chave: gestão de ontologias, avaliação de ferramentas, ontologia. Abstract: The use of semantic technologies is growing in TI projects in enterprises, where ontologies become bigger and complex. Consequently, ontology management becomes more complex, requiring tools and methodologies. However, existing tools are developed according with specific characteristics, which makes a big challenge to choose a tool for ontology management. This article proposes a methodology for evaluating ontology management tools. This methodology is composed by a set of steps for selecting candidate tools and a set of criteria to scoring these tools. This proposal is experimented in a real scenario in a big Brazilian company. Keywords: ontology management, tool evaluation, ontology. 1. Introdução Os resultados obtidos com o uso de tecnologias semânticas têm motivado a utilização das mesmas em ambientes corporativos com diferentes finalidades, como, por exemplo, separar o conhecimento do domínio do conhecimento operacional, compartilhar o entendimento da estrutura de informação entre pessoas e agentes de software, dentre outras (CARDOSO, 2007). Essa demanda por projetos que necessitam de estruturas semânticas propicia o investimento na comercialização de ferramentas para gestão de ontologias. Como gestão de ontologias, entende-se um conjunto de processos que têm como objetivo planejar, organizar, liderar, coordenar e controlar todo o ciclo de vida de uma ontologia, garantindo sua aplicação e utilização, assim como definindo métodos para conduzir as pessoas responsáveis por sua manipulação através da realização de suas atividades. Assim, ferramentas úteis para a gestão de ontologias são aquelas que apóiam um ou mais desses processos, como, por exemplo, especificação, conceitualização, formalização, integração, implementação e manutenção de ontologias (FÉRNANDEZ et al., 1997). Exemplos de funcionalidades necessárias nas ferramentas são: edição colaborativa de ontologia, permitindo incluir, alterar, remover, consultar, visualizar

3 itens de ontologia; suporte a diferentes linguagens para descrição e armazenamento de ontologias, por exemplo, OWL e RDF; permitir realizar consultas com linguagens específicas para consultas de itens de ontologias; possuir conversores de formatos; permitir combinação e mapeamento de/entre ontologias; permitir definir padrões organizacionais para descrição de ontologias; permitir a integração de itens da ontologia com esquemas e registros de banco de dados; entre outras. A utilização mais freqüente e ampla de ontologias pode tornar cada vez mais complexa sua administração. Por outro lado, as ferramentas para tratar ontologias são desenvolvidas segundo abordagens específicas, não abrangendo todas as características necessárias. Portanto, para a escolha do suporte computacional adequado, é necessária uma análise das opções disponíveis a fim de que a ferramenta escolhida esteja alinhada às expectativas da organização. Algumas publicações (GÓMES-PÉREZ et al., 2002; CORCHO et al., 2003; SURE, 2003) avaliam ferramentas quanto a funcionalidades relacionadas à ontologias, mas não avaliam as ferramentas quanto às necessidades da organização (como facilidades de suporte, regras governamentais, características de confiabilidade, estabilidade etc). Nesse trabalho é proposta uma metodologia e um conjunto de critérios específicos para avaliar ferramentas para gestão de ontologias. A metodologia e critérios propostos estão sendo empregados em um cenário real, em uma grande empresa brasileira. 2. Metodologia A metodologia para análise de ferramentas utilizada neste trabalho tem por base a pesquisa desenvolvida em (KITCHENHAM, 1996), a qual define os passos mais importantes para a realização de uma análise de critérios para avaliação de softwares. Os passos propostos são apresentados na figura 1 e detalhados a seguir. Definir escopo para prospecção de ferramentas: Elaboração de um documento contendo o escopo do trabalho de prospecção a ser feito e os macro-requisitos das ferramentas que se deseja escolher para a organização. Definição dos critérios essenciais: Identificação dos critérios mínimos para aceite da ferramenta, por exemplo, existência de representante comercial e suporte no país da organização. Seleção das ferramentas candidatas: As ferramentas existentes no mercado são listadas e avaliadas de acordo com os critérios essenciais definidos. Essa pesquisa de

4 ferramentas pode se basear em artigos contidos em publicações especializadas, como em (GÓMES-PÉREZ et al., 2002; WELTY, 2004; CARDOSO, 2007), em pesquisas na WEB, participações em congressos, apresentações de fornecedores etc. O resultado desta etapa são as ferramentas que atendem aos critérios essenciais. Figura 1. Metodologia para avaliação de ferramentas para gestão de ontologias Definição dos critérios técnicos: Identificar quais propriedades ou características são desejáveis na ferramenta que será avaliada. Os critérios podem ser definidos a partir da confecção de questionários, como proposto por (TARIQ e AKHTER, 2005).. Neste trabalho, os critérios técnicos foram definidos a partir do levantamento de características presentes em ferramentas existentes no mercado e das necessidades que devem estar presentes nas ferramentas para melhor apoiar as atividades de gestão de ontologias, alguns exemplos de necessidades das ferramentas foi apresentado na seção 1. Estes critérios foram avaliados e revisados com pesquisadores e profissionais da área. Os critérios definidos foram organizados segundo uma taxonomia de macro-critérios, os quais foram classificados, por sua vez, em genéricos e específicos. Macro-critérios genéricos são um conjunto de critérios que podem ser avaliados em qualquer ferramenta, independente da sua área de aplicação, enquanto que macro-critérios específicos são aplicados somente às ferramentas para gestão de ontologias. Por questões de espaço neste artigo, não são listados os critérios detalhados, mas sim os macro-critérios, os quais são apresentados, na Tabela 1. Tabela 1 Macro-critérios definidos para ferramentas para gestão de ontologias MACRO-CRITÉRIOS GENÉRICOS MACRO-CRITÉRIOS ESPECÍFICOS Escalabilidade Distribuição Usabilidade Plataforma Tecnológica Integração com outros sistemas Suporte Edição de ontologias Consultas em ontologias Administração de perfis Ferramentas de visualização Ferramentas de relatórios Armazenamento Integração de ontologias Validação de ontologias Segurança Qualidade de ontologias Para exemplificar, o macro-critério Integração com outros sistemas pode conter o critério Permite integração com algum SGDB? E o macro-critério Consultas em

5 ontologias o critério Permite realizar consultas nas linguagens SPARQL, OWL-QL ou nrql? e Pode-se incluir dados de mapeamento entre ontologias nas consultas? Levantamento da documentação: Após a definição dos critérios para avaliação, os fornecedores são contactados e convidados a participar desse processo de avaliação enviando toda documentação existente sobre a ferramenta (manuais, tutoriais, relatórios de testes, melhorias futuras, cases existentes, etc) e agendando uma data para apresentação da ferramenta para a equipe de avaliadores. Avaliação da documentação e da ferramenta em laboratório: A avaliação dos critérios pode ser feita usando uma pontuação simples do tipo possui/não possui ou uma pontuação de escala. Nesta metodologia, seguimos a abordagem proposta em (KITCHENHAM, 1996). A pontuação de escala é dada por um intervalo de 0 a 1, onde o extremo 0 significa uma total inadequação ou ausência do critério na ferramenta e o extremo 1 significa que a ferramenta satisfaz completamente o critério. Além disso, de acordo com a aplicação ou contexto de uso da ferramenta, alguns critérios terão maior importância que outros. Assim, podem ser definidos pesos para diferenciar os critérios: peso 1 para funcionalidade de baixa importância; peso 2 para funcionalidade útil, porém não indispensável; e peso 3 parafuncionalidade indispensável. Além da pontuação e pesos atribuídos aos critérios, estendemos a abordagem de (KITCHENHAM, 1996) definindo pesos relativos à documentação disponível da ferramenta (peso 1) e à avaliação do critério em laboratório (peso 2). Como exemplo, um critério avaliado com pontuação 1,0 para a documentação, pode receber pontuação 0,6 para o teste em laboratório. Assim, a nota final para esse critério será ( ,6) / (1 + 2) = 0,73. Elaboração de lista de problemas encontrados e avaliação de respostas: As características que não forem possíveis de serem testadas pela equipe de teste e os problemas encontratos durante a avaliação são listados e enviados em um documento para o fornecedor da ferramenta, para esclarecimentos. As pontuações definidas durante a avaliação da ferramenta são atualizadas de acordo com os esclarecimentos apresentados pelo fornecedor da ferramenta. Análise e interpretação dos resultados: O quadro de pontuação de cada ferramenta é finalizado. As notas dos critérios em dúvida são preenchidas e é calculada a pontuação de cada ferramenta.

6 Apresentação dos resultados: Por fim, um ranking das ferramentas avaliadas é gerado, o relatório de avaliação de ferramentas é finalizado e entregue para a equipe responsável pela tomada de decisão na organização, em uma reunião de apresentação dos resultados. O processo proposto pode ser adaptado para ser utilizado em avaliações de ferramentas em outros contextos. Por outro lado, sua adequabilidade para avaliação de ferramentas para gestão de ontologias aparece em vários aspectos, tais como: na definição de escopo adequado; na redução do número de ferramentas a serem avalidadas detalhadamente, pois existem muitas ferramentas para gestão de ontologias, cada uma com funcionalidades específicas (GÓMES-PÉREZ et al., 2002; CARDOSO, 2007); no direcionamento da avaliação às necessidades da organização e segundo as funcionalidades mais importantes para a mesma, dentre outras vantagens. 3. Conclusões Este trabalho propôs uma metodologia para avaliação de ferramentas para gestão de ontologias, contemplando um conjunto de passos para avaliação, critérios a serem utilizados na avaliação, além da definição do mecanismo de pontuação. Esta metodologia está sendo aplicada na avaliação de ferramentas para gestão de ontologias para uma grande empresa brasileira. Esta experiência de aplicação tem permitido o aprimoramento da metologia aqui proposta bem como tem evidenciado que a atividade de avaliação de ferramentas não é uma tarefa simples, mas de extrema importânica para a melhor escolha da ferramenta para gestão de ontologias em uma organização. 4. Referências bibliográficas BLÁZQUEZ, M., FERNÁNDEZ-LÓPEZ, M., GARCÍA-PINAR, J.M., et al., 1998, "Building Ontologies at the Knowledge Level using the Ontology Design Environment". In: Eleventh Workshop on Knowledge Acquisition, Modeling and Management, Banff, Canada, Outubro de CARDOSO, J., 2007, "The Semantic Web Vision: Where are we?" IEEE Intelligent Systems, v. 22, n. 5 (2007), pp CORCHO, O., FERNÁNDEZ-LÓPEZ, M., GÓMEZ-PÉREZ, A., 2003, "Methodologies, tools and languages for building ontologies. Where is their meeting point?" Data & Knowledge Engineering, v. 46, n. 1, pp GÓMES-PÉREZ, A., FERNÁNDEZ-LÓPEZ, M., FENSEL, D., 2002, Deliverable 1.3: A survey on ontology tools, Relatório Técnico IST , OntoWeb - Ontology-based information exchange for knowledge management and electronic commerce. KITCHENHAM, B., 1996, "DESMET: A method for evaluating software engineering methods and tools". Disponível em <http://www.osel.co.uk/desmet.pdf>, acessado em 11/01/2008. SURE, Y., 2003, Methodology, tools and case studies for ontology based knowledge management, Tese de Doutorado, Department of Economics and Business Engineering, University of Karlsruhe, Karlsruhe. TARIQ, N.A., AKHTER, N., 2005, "Comparison of Model Driven Architecture (MDA) based tools", Proceedings of 13th Nordic Baltic Conference (NBC), v. 9 (2005). WELTY, C., 2004, "Ontology Maintenance Support: Text, Tools, and Theories". In: Presentation at the 7th International Protégé Conference, Bethesda, MD, 2004.

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Grasielle

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Paulo Roberto Corrêa Leão; Káthia M. Oliveira; Eduardo A. D. Moresi Universidade Católica de Brasília (UCB) SGAN 916

Leia mais

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Esta comunicação está sendo submetida

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES Andréa Magalhães 1, Cláudia Cappelli 1, Fernanda Baião 1,2, Flávia

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 13 Índice 1. FLUXO DO PPS - PROCESSO DE PROPOSTA DE SOLUÇÃO... 3 2. SOBRE ESTE DOCUMENTO... 4 2.1 GUIA DE UTILIZAÇÃO...

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados U NIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2 0 1 2. 2 Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 S u m á r i o INTRODUÇÃO XIX PARTE I - DEFINIÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS E SUA GESTÃO Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 1.1 Sua fundamentação teórica: a teoria

Leia mais

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Auditoria da Tecnologia da Informação Auditoria da Tecnologia da Informação A Auditoria da TI é uma auditoria operacional, analisa a gestão

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho.

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Serviços para aquisição profissional. Tenha melhores informações, tome decisões melhores. Enterprise Supplier Management Service (ESMS, Serviço

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso Fernando Cesar Camilo Centro Universitário de Araraquara- UNIARA SP Brasil fc_camilo@yahoo.com.br Prof. Dr.

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Autor: Raul de Abreu Medeiros Júnior Orientadores: Arnaldo Dias Belchior Co-orientador: Pedro Porfírio Muniz Farias Nível: Mestrado Programa de pós-graduação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA Parecer.DIN 67/07 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCESSO: ECO 07/00374850 UNIDADE GESTORA: RESPONSÁVEL: ASSUNTO: CENTRO DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CIASC HUGO

Leia mais

Um estudo exploratório em Ontologias e Modelagem de Processos de Negócio

Um estudo exploratório em Ontologias e Modelagem de Processos de Negócio Um estudo exploratório em Ontologias e Modelagem de Processos de Negócio Valdemar T. F. Confort 1, Marcela Raminho 1, Flávia Maria Santoro 1 1 Programa de Pós-Graduação em Informática Departamento de Informática

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO SUPORTE TÉCNICO DE UMA EMPRESA DE SOFTWARE COM UTILIZAÇÃO DE ONTOLOGIA

SISTEMA DE APOIO AO SUPORTE TÉCNICO DE UMA EMPRESA DE SOFTWARE COM UTILIZAÇÃO DE ONTOLOGIA SISTEMA DE APOIO AO SUPORTE TÉCNICO DE UMA EMPRESA DE SOFTWARE COM UTILIZAÇÃO DE ONTOLOGIA SYSTEM OF SUPPORT TO THE TECHNICAL SUPPORT OF A COMPANY OF SOFTWARE WITH USE OF ONTOLOGY Vagner Fagundes 1 Roberto

Leia mais

Introdução a Gestão da Informação: dado, informação, conhecimento e a organização empresarial Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão da Informação: dado, informação, conhecimento e a organização empresarial Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão da Informação: dado, informação, conhecimento e a organização empresarial Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE Marcelo Pereira Barbosa Email: mpbbarbosa@bol.com.br Vínculo: Professor da Escola Técnica Estadual "Lauro Gomes"

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE PROCESSOS DE NEGÓCIO E ONTOLOGIA DE DOMÍNIO: acessando o Protégé através do ARIS

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE PROCESSOS DE NEGÓCIO E ONTOLOGIA DE DOMÍNIO: acessando o Protégé através do ARIS PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE PROCESSOS DE NEGÓCIO E ONTOLOGIA DE DOMÍNIO: acessando o Protégé através do ARIS Nome: Thiago Andrade Marques da Silva 1 Instituição: Universidade Federal do Estado do Rio

Leia mais

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Leonardo Mota, Jobson Massollar, Guilherme Horta Travassos Federal University of Rio de Janeiro/COPPE/PESC Caixa Postal

Leia mais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Felipe S. da Costa 1, Rafael G. de Oliveira 1, Everton F. C. de Almeida 1, Clézio L. Azevedo 1, Claudia M. F.

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

23/07/2012. Semantic Wikis : a web semântica da colaboração e cooperação

23/07/2012. Semantic Wikis : a web semântica da colaboração e cooperação Semantic Wikis : a web semântica da colaboração e cooperação 1 Roteiro Contexto Conhecimento Gestão do Conhecimento Retenção do Conhecimento Organizacional A Web 1.0 2.0 3.0 4.0... Ferramentas da Web 2.0

Leia mais

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 14 Índice 1. FLUXO DO PEN - PROCESSO DE ENTENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE NEGÓCIO... 3 2.

Leia mais

Proposta de abordagem de desenvolvimento de software orientado a modelos para empresas

Proposta de abordagem de desenvolvimento de software orientado a modelos para empresas Proposta de abordagem de desenvolvimento de software orientado a modelos para empresas Tânia Eiko Eishima 1, Jandira Guenka Palma 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Luan Lima 1, Ricardo Diniz Sul 1,2, Leonardo Guerreiro Azevedo 1,2,3 1 Departamento de Informática Aplicada (DIA) Universidade

Leia mais

Sistema de Informação de Marketing

Sistema de Informação de Marketing Sistema de Informação de Marketing SIM João Mesquita Página 2 de 7 Índice Sistema de Informações de Marketing - SIM... 3 NOÇÃO E IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MARKETING - SIM... 3 Processo de

Leia mais

O que é Gestão ou Gerenciamento de Projetos?

O que é Gestão ou Gerenciamento de Projetos? O que é Gestão ou Gerenciamento de Projetos? Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE DE GESTÃO INTEGRADA UTILIZANDO AS NORMAS ISO/IEC 9126 e ISO/IEC 14598-1 Acadêmico: Adriano Kasburg Orientador : Everaldo Artur Grahl Roteiro Introdução Motivação Objetivos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos.

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Gestão de Conteúdo web através de ontologias: conceitos e aplicações Fernando Silva Parreiras Contextualização O que? Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Quem? Gerentes, consultores

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura OEI/TOR/MEC/DTI nº 003/2009 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA ARQUITETURA DE UM AMBIENTE COLABORATIVO DE BUSINESS INTELLIGENCE BASEADO EM UM REPOSITÓRIO DE ONTOLOGIAS E SERVIÇOS DE DADOS VALÉRIO AYMORÉ MARTINS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto 4. Gerenciamento de integração do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto 4.2 Desenvolver

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com DISASTER RECOVERY PLAN Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução O principal objetivo de um plano de continuidade de negócios (BCP Business Continuity Plan) é garantir a operação

Leia mais

Agregando rastreabilidade a dados abertos governamentais para transparência da informação

Agregando rastreabilidade a dados abertos governamentais para transparência da informação Agregando rastreabilidade a dados abertos governamentais para transparência da informação Trabalho de Mestrado Eva Marinello, Fernanda Baião (Orientadora), Claudia Cappelli (Co-orientadora) Programa de

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010).

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010). 1 Introdução Os avanços na tecnologia da informação, bem como o crescimento da sociedade da informação através do uso da Internet, obrigaram os governos de inúmeros países, em seus mais variados níveis,

Leia mais

Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck

Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck Apresentação - Prof. Marcelo Werneck Mestre em Ciência da Computação; Coordenador e Professor do curso de Sistemas de Informação PUC Minas no

Leia mais

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

INFORMAÇÕES ADICIONAIS APRENDA SOBRE GOVERNANÇA DE TI Programa de Qualificação COBIT 5 Presencial ou EAD O COBIT 5 define as necessidades das partes interessadas da empresa como ponto de partida das atividades de governança

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais