USO DE AGLEPRISTONE E CLOPROSTENOL NO TRATAMENTO DE PIOMETRA EM CADELA RELATO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DE AGLEPRISTONE E CLOPROSTENOL NO TRATAMENTO DE PIOMETRA EM CADELA RELATO DE CASO"

Transcrição

1 -.PIOMETRA EM CADELAS USO DE AGLEPRISTONE E CLOPROSTENOL NO TRATAMENTO DE PIOMETRA EM CADELA RELATO DE CASO NATÁLIA GUILHERME DE OLIVEIRA 1, MARCELL HIDEKI KOSHIYAMA 1, SHEILA CRISTINA SCANDURA 1, MICHELE ANDRADE DE BARROS 1, FERNANDA FOGAÇA LEME 2, MARIA LÚCIA MARCUCCI TORRES 3, MARIA LÚCIA GOMES LOURENÇO 3, PRISCILA CARVALHO DE OLIVEIRA 4 1 Aprimorando da área de Clínica Médica de Pequenos Animais do HOVET Unifeob, São João da Boa Vista SP 2 Médica Veterinária autônoma, São João da Boa Vista - SP 3 Docentes da disciplina Clínica Médica de Pequenos Animais na Unifeob, São João da Boa Vista-SP 4 Docente da disciplina de Reprodução na Unifeob, São João da Boa Vista - SP RESUMO: A piometra é uma desordem uterina crônica de origem hormonal causada por uma infecção bacteriana e que pode resultar em severa bacteremia e toxemia. Ocorre mais comumente em cadelas adultas e o aparecimento da enfermidade pode estar relacionado com a administração de progesterona ou estrógeno exógenos. Os sinais clínicos e exames complementares são essenciais no diagnóstico e o tratamento pode ser médico ou cirúrgico dependendo principalmente do quadro clínico do animal. O presente relato descreve o uso de prostaglandina sintética, cloprostenol (Ciosin ), e antiprogestágeno (Alizin ) como tratamento clínico de piometra em uma cadela. PALAVRAS-CHAVE: piometra, infecção reprodutiva, cadela, hormônio INTRODUÇÃO A piometra é uma desordem uterina crônica de origem hormonal que ocorre durante o diestro nas cadelas. A doença é causada por uma infecção bacteriana uterina e pode resultar em severa bacteremia e toxemia (FELDMAN e NELSON, 2004; WANKE e GOBELLO, 2006). De acordo com JOHNSTON et al. (2001) a lesão patológica primária normalmente é a hiperplasia endometrial cística (HEC). A HEC é causada pela repetida exposição do endométrio a progesterona que é responsável por estimular as atividades proliferativa e secretora das glândulas endometriais. O

2 estrógeno age promovendo crescimento, vascularização e edema do endométrio, relaxamento e dilatação da cérvix, além de aumentar o número de receptores de progesterona no endométrio, ampliando o efeito desse hormônio (JOHNSTON et al., 2001). O diestro, particularmente longo na cadela, predispõem a piometra. Neste período a hiperplasia uterina associada à diminuição das defesas celulares e imunitárias locais deixa o útero em condições propícias para a multiplicação dos microorganismos que tem origem da própria flora vaginal (WANKE e GOBELLO, 2006). A flora vaginal das cadelas difere significantemente da flora vaginal da mulher. Lactobacillus e Cândida sp são comuns na flora humana, mas raras em animais. Essa diferença pode ser explicada pela diferença de ph que é de quatro a cinco em mulheres e seis a nove em cadelas (DUIJKEREN, 1992). A Escherichia coli é a principal bactéria associada a piometra, sendo isolada em 59% a 96% dos casos. No entanto, Sthaphylococcus, Streptococcus, Klebsiella, Pseudomonas, Proteus e Pasteurella também podem ser isoladas (FRANSSON e RAGLE, 2003). Uma piometra causada por E. coli pode evoluir para insuficiência renal, conseqüência de uma glomerulonefrite de origem imunológica, que é agravada pela azotemia pré-renal devido à desidratação associada ao choque séptico. A inflamação renal modifica os fenômenos de reabsorção líquida por depressão da ação do hormônio antidiurético, resultando em poliúria e polidipsia compensatória (JOHNSTON et al., 2001; WANKE e GOBELLO, 2006). A piometra ocorre mais comumente em cadelas adultas, de sete a oito anos. Após os nove anos de idade, a prevalência da infecção pode chegar a mais de 60% em cadelas inteiras. Em cadelas com idade inferior a seis anos, o aparecimento da enfermidade está relacionado com a administração de progesterona ou estrógeno (JOHNSTON et al., 2001; WANKE e GOBELLO, 2006). Fêmeas nulíparas apresentam um risco moderadamente maior de desenvolver a piometra do que fêmes primíparas e multíparas (NISKANEN, 1998). Outros fatores predisponentes incluem ciclos estrais irregulares e pseudociese (FALDYNA, 2001). De acordo com FELDMAN E NELSON (2004), as raças Collie, Rottweiller, Golden Retriever, Bernese e Cocker Spaniel tem maior risco de desenvolver a doença. Os sinais clínicos variam de acordo com a patência da cérvix. O sintoma característico da piometra de cérvix aberta é uma descarga vulvar inodora de consistência mucosa a purulenta e coloração variável. Sinais de anorexia, vômito e diarréia também podem estar presentes (JOHNSTON et al., 2001; WANKE e GOBELLO, 2006). As cadelas com piometra de cérvix fechada tendem a apresentar um pior quadro clínico, caracterizado por abdômen abaulado, letargia, depressão, inapetência, anorexia, poliúria, polidipsia, vômito e diarréia (FELDMAN e NELSON, 2004; FRANSSON e RAGLE, 2003; WANKE e GOBELLO, 2006). Hipertermia pode estar presente normalmente associada a inflamação uterina e infecção bacteriana. Em caso de toxemia observa-se taquicardia, tempo de preenchimento capilar prolongado e pulso femoral fraco (FELDMAN e NELSON, 2004). O diagnóstico da patologia deve ser firmado com base na anamnese, exame físico e exames complementares. O hemograma pode revelar uma anemia normocítica normocrômica e leucocitose por neutrofilia (FELDMAN e NELSON, 2004; WANKE e GOBELLO, 2006). Também foi relatado um aumento na concentração sérica de imunoglobulinas, aumento na circulação de imunocomplexos e lisoenzimas além de supressão da atividade linfocitária (FALDYNA et al., 2001). Hiperproteinemia e hiperglobulinemia podem estar presentes pela estimulação do sistema imunitário associada à desidratação, além disso, a insuficiência renal leva ao aumento dos níveis de uréia e creatinina. Ocasionalmente observa-se aumento na fosfatase alcalina e alaninoamino transferase como resultado de dano hepatocelular devido à septicemia (FELDMAN e NELSON, 2004). Segundo JOHNSTON et al. (2001), a disfunção ácido-básica mais comum em cadelas com HEC-piometra é acidose metabólica. A radiografia abdominal tem valor limitado no diagnóstico por não conseguir diferenciar a piometra de uma gestação antes do período fetal. A ultra-sonografia é o método de eleição no

3 diagnóstico visto que fornece informações sobre tamanho uterino, espessura da parede e presença de fluido intraluminal (FELDMAN e NELSON, 2004). O tratamento pode ser médico ou cirúrgico. A ovariohisterectomia (OSH) é o tratamento de eleição para cadelas com mais de sete anos ou para aquelas que não serão destinadas a reprodução (WANKE e GOBELLO, 2006). A drenagem cirúrgica do conteúdo uterino também tem sido relatada. O material purulento precisa ser aspirado e deve ser injetada uma solução antisséptica em ambos os cornos uterinos por muitos dias após a cirurgia (FELDMAN e NELSON, 2004). Segundo JOHNSTON et al. (2001), a terapia médica deve ser realizada em cadelas com menos de sete anos de idade, cadelas reprodutoras, cadelas que não apresentem sinais sistêmicos da doença e que apresentem cérvix aberta. Antibioticoterapia é essencial, porém por si só não reduz o diâmetro uterino. Devido à imunossupressão ocasionada pela diminuição da atividade linfocitária, imunoestimulantes devem ser utilizados como adjuvante no tratamento (FALDYNA et al., 2001). O fármaco de preferência no tratamento médico é a prostaglandina F2Ü que induz a luteólise, aumenta a contração do miométrio, promove a expulsão do conteúdo uterino e relaxamento da cérvix (JOHNSTON et al., 2001; FELDMAN e NELSON, 2004). A duração do tratamento varia de cinco a sete dias. As cadelas devem ser avaliadas do décimo ao décimo quarto dia após o término do mesmo e em caso de fracasso, um novo tratamento deve ser iniciado (WANKE e GOBELLO, 2006). A prostaglandina sintética (Cloprostenol) é mais potente que a natural e tem sido usada na dose de 10 μg/kg duas vezes ao dia por nove a quinze dias. Os efeitos colaterais incluem taquicardia, dor abdominal, vômito, diarréia e hipersalivação (JOHNSTON et al., 2001). Segundo FELDMAN e NELSON (2004), caminhar com as cadelas após a administração do fármaco parece minimizar esses efeitos. Recentemente, estudos têm demonstrado sucesso no tratamento da piometra após a administração intravaginal de prostaglandina, porém esse protocolo ainda não é aprovado para uso em cadelas (FRANSSON e RAGLE, 2003). O uso de antiprogestágenos (aglepristone) também tem sido descrito no tratamento de piometra em cadelas. Eles se fixam aos receptores uterinos com uma afinidade três vezes maior que a progesterona, diminuindo a concentração desta no útero, aumentando a contração do miométrio e promovendo dilatação da cérvix. São usados principalmente associados a prostaglandina sintética. A dose utilizada é 10 mg/kg nos dias um, dois, oito, quinze e trinta do tratamento (WANKE e GOBELLO, 2006). Embora o tratamento clínico não seja indicado pela maioria dos autores nos casos de piometra de cérvix fechada, FIENI (2004) em um estudo utilizando dezessete cadelas com essa patologia, observou abertura da cérvix após a segunda aplicação do aglepristone na dose de 10 mg/kg em todas as cadelas sendo que o período para a abertura foi em média de vinte e cinco horas, sugerindo que atualmente a cirurgia pode não ser o único tratamento nesses casos. Em um estudo realizado por GOBELLO et al. (2002) quinze cadelas com idade entre dezesseis meses e quinze anos receberam tratamento médico para piometra. Neste trabalho foram utilizados dois protocolos distintos com aglepristone e cloprostenol associados e foi obeservada a cura de todos os animais antes do décimo quinto dia de tratamento. Não foi observada alteração na fertilidade das cadelas, no entanto o nível de recorrência da patologia foi de 20%. CORRADA et al. (2006) relataram a eficiência do tratamento de HEC Piometra utilizando diariamente cabergolina, um potente agonista dopaminérgico, na dose de 5 μg/kg por via oral associado ao cloprostenol na dose de 1 μg/kg por via subcutânea durante sete dias iniciais, podendo aumentar esse período para 14 dias nos animais que não responderam ao tratamento nesse período. Nesse estudo foram utilizadas vinte e nove cadelas com a patologia e foi observado que entre o dia sete e quatorze do tratamento, vinte e quatro delas estavam curadas. O nível de recorrência da piometra nesse estudo foi de 20, 7%.

4 RELATO DE CASO Um animal da espécie canina, raça poodle, fêmea, dois anos e seis meses de idade, 1,3 Kg foi trazido ao atendimento Hospital Veterinário Vicente Borelli, do Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos com histórico de hiporexia e corrimento vaginal há quatro dias. Foi relatado ainda que o animal havia entrado em estro há quase dois meses atrás e havia cruzado, pela primeira vez, com um macho da mesma raça. Ao exame físico os parâmetros apresentavam-se normais e notou-se apenas uma sensibilidade abdominal e corrimento vaginal muco-purulento. Os exames laboratoriais solicitados revelaram valores normais para a espécie. Ao exame ultrassonográfico, notou-se cornos uterinos aumentados de tamanho, medindo aproximadamente 0,89 x 0,87 cm de diâmetro e presença de conteúdo anecóico em seu lúmen, caracterizando uma piometra. Devido ao estado geral do animal, exames complementares e interesse da proprietária em manter a atividade reprodutiva do animal, optou-se pelo tratamento clínico. Desta forma, instituiu-se o tratamento com aglepristone (Alizin ) na dose de 10 mg/kg, por via subcutânea nos dias um, três, oito e quinze do tratamento e cloprostenol (Ciosin ) na dose de 1 μg/kg, por via subcutânea nos dias três e oito do tratamento além de antibioticoterapia com enrofloxacina, na dose de 5 mg/kg por via subcutânea por quatorze dias consecutivos. Foi observado um aumento na quantidade de secreção vaginal vinte e quatro horas após a primeira aplicação de aglepristone. No entanto, com cinco dias de tratamento houve diminuição dessa secreção e alteração da sua consistência para mucosa. Foram realizados exames ultrassonográficos rotineiros para controle do diâmetro uterino durante o tratamento e um mês após o término do mesmo. Apesar da ausência de sinais clínicos, observou-se que o diâmetro uterino retornou ao normal apenas no vigésimo dia. Os efeitos colaterais apresentados pelo animal decorrentes do tratamento foram um episódio de êmese após a primeira aplicação do aglepristone, discreto hematoma nos locais da aplicação de ambos os fármacos e sinais de estro 12 dias após o término do tratamento, sendo iniciada então a antibioticoterapia com amoxicilina na dose de 22 mg/kg. Foi indicada a cobertura da cadela, porém embora o animal tenha aceitado a cruza não houve gestação neste cio. Seis meses depois, o animal apresentou sinais de estro novamente e neste cio, ocorreu a gestação. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente relato mostrou um caso de piometra em um animal jovem, sem histórico de aplicação de estrógeno ou progesterona exógenos, de cios irregulares ou pseudociese contrariando os relatos descritos por FALDYNA (2001), JOHNSTON et al. (2001), WANKE e GOBELLO (2006), visto que a piometra é primariamente uma afecção de fêmeas de meia idade ou idosas, fêmeas que receberam hormônios reprodutivos ou que apresentem outros fatores predisponentes. A terapia médica foi instituída em função da idade do animal e interesse da proprietária pela atividade reprodutiva do mesmo. O sucesso do tratamento se deve ao fato de o animal não apresentar sinais sistêmicos severos e apresentar a cérvix aberta, o que corrobora com os achados de JOHNSTON et al. (2001) que relata que o tratamento médico pode ser instituído em cadelas jovens, reprodutoras, que não apresentem sinais sistêmicos da doença e que estejam com a cérvix aberta.

5 Após o tratamento o animal apresentou sinais de estro, porém não ficou gestante provavelmente por ter apresentado um cio anovulatório. O cio seguinte ocorreu seis meses depois no qual houve a gestação, o que indica que provavelmente o tratamento não alterou a fertilidade da cadela. No estudo realizado por GOBELLO (2002) não foi evidenciada alteração na fertilidade das cadelas após o tratamento clínico de piometra, no entanto é necessário o acompanhamento constante do animal para que se possa avaliar com maior precisão possíveis danos à função reprodutiva. Concluiu-se que o protocolo utilizado foi eficiente em reverter os sinais clínicos da piometra e o diâmetro uterino alterado, apresentando poucos efeitos colaterais. No entanto deve-se ressaltar que para que haja sucesso no tratamento, o animal deve estar em bom estado clínico geral, sem comprometimento de outros sistemas orgânicos. REFERENCIAS CORRADA, Y., ARIAS, D.,RODRIGUES, R.,TORTORA, M.,GOBELLO, C. Combination dopamine agonista and prostaglandin agonista treatment of cystic endometrial hyperplasia-pyometra complex in the bicth. Theriogenology, DUIJKEREN, E. Significance of the vaginal bacterial flora in the bith: a review. Veterinary Record, n. 131, p , FALDYNA, M., LAZNICKA, A.,TOMAN,N. Immunosuppression in bitches with piometra. Journal of Small Animal Practice, v.42, n.1, p. 5-10, 2001 FELDMAN, E.C., NELSON, R.W. Canine and Feline Endocrinology and Reproduction. 3a ed. Philadelphia: W. B. Saunders, 2004, 1104p. FIENI, F. Treatment of metritis/pyometras complex in the bich with antiprogestins associated or not with prostaglandins. São Paulo, 5 International Symposium on Canine and Feline Reproduction. Anais, São Paulo: 69-71, FRANSSON, B.A., RAGLE, C.A. Canine Pyometra: An Update on Pathogenesis and treatment. Compendium, v.25, n.8, p , GOBELLO, C., CASTEX,G., KLIMA, L., RODRÍGUEZ, R., CORRADA, Y. A study of two protocols combining aglepristone and cloprostenol to treat open cervix piometra in the bitch.theriogenology, n.8897, p. 1-8, JOHNSTON, S.D., KUSTRITZ, M.V.R, OLSON, N.S. Canine and Feline Theriogenology. Philadelphia: Elsevier Brasil, 2001, 592p. NISKANEN, M. Associations between age, parity, hormonal therapy and breed, and piometra in Finnish dogs. Veterinary Record, v. 18, n. 143, p , WANKE, M.M., GOBELLO, C. Reproduction en Caninos y Felinos Domesticos. 1ª ed. Buenos Aires: Inter.-Medica editorial, 2006, 309p.

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS Estudos Clínicos revelam a eficácia de Alizin na Terapia Medicamentosa de Piometra em Cadelas A piometra nas cadelas e nas

Leia mais

PIOMETRA ABERTA EM CADELA RELATO DE CASO

PIOMETRA ABERTA EM CADELA RELATO DE CASO PIOMETRA ABERTA EM CADELA RELATO DE CASO GARCIA, Claudia Zeferino Acadêmicos do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG Garça SP e-mail: claudiazg@terra.com.br NOGUEIRA, Adriana Rocha Médica Veterinária

Leia mais

PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO.

PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO. PIOMETRA: TÉCNICAS CIRÚRGICAS E CLÍNICAS PARA O TRATAMENTO. BOCARDO, Marcelo HAMZÈ, Abdul L. Discentes de Medicina Veterinária FAMED- GARÇA ZAPPA, Vanessa Doscente de Medicina Veterinária FAMED- GARÇA.

Leia mais

PIOMETRA E INSUFICIÊNCIA RENAL EM CADELA - RELATO DE CASO

PIOMETRA E INSUFICIÊNCIA RENAL EM CADELA - RELATO DE CASO PIOMETRA E INSUFICIÊNCIA RENAL EM CADELA - RELATO DE CASO DA SILVA, Thiana Franco¹; VELASKI, Cassieli 1 ; BORGES, Luiz Felipe Kruel 2 Palavras-chave: Canino. Infecção. Útero. Introdução A piometra é uma

Leia mais

PIOMETRA ASSOCIADA A LEIOMIOMA UTERINO EM CADELA RELATO DE DOIS CASOS. (Pyometra with associated leiomyoma of the uterus in bitch case report) RESUMO

PIOMETRA ASSOCIADA A LEIOMIOMA UTERINO EM CADELA RELATO DE DOIS CASOS. (Pyometra with associated leiomyoma of the uterus in bitch case report) RESUMO PIOMETRA ASSOCIADA A LEIOMIOMA UTERINO EM CADELA RELATO DE DOIS CASOS (Pyometra with associated leiomyoma of the uterus in bitch case report) Domingos José STURION 1, Tiago Torrecillas STURION 1, Marco

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Pseudociese Introdução A pseudogestação clínica ou manifesta ou pseudoprenhes, falsa gestação, falsa prenhes, gestação psicológica ou

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS CLÍNICOS, HEMATOLÓGICOS E ULTRASSONOGRÁFICOS EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM PIOMETRA

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS CLÍNICOS, HEMATOLÓGICOS E ULTRASSONOGRÁFICOS EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM PIOMETRA AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS CLÍNICOS, HEMATOLÓGICOS E ULTRASSONOGRÁFICOS EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM PIOMETRA SCARIOT. Géssica Luiza 1 POSSA. Cristiane 1 GRZEIDAK. Paulo Ricardo1 CARNEVALI. Taiane 2 GOTTLIEB.

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral OCORRÊNCIA DE PIOMETRA EM CADELAS ATENDIDAS NAS CLÍNICAS VETERINÁRIAS NO MUNICÍPIO DE ITUVERAVA/SP NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2011 Camila Mario GORRICHO 1 Aline Gomes de CAMPOS 2 1 Graduanda em Medicina Veterinária

Leia mais

FERNANDA PEREIRA LIMA LETIZIO

FERNANDA PEREIRA LIMA LETIZIO FERNANDA PEREIRA LIMA LETIZIO CARACTERIZAÇÃO CLÍNICA, LABORATORIAL E ULTRASSONOGRÁFICA DE PIOMETRA CANINA NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIGRAN DE AGOSTO DE 2007 A AGOSTO DE 2008 DOURADOS MS 2008 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

LUANNA SOARES DE MELO EVANGELISTA. Alterações clínicas e laboratoriais em cadelas com piometra antes e após ovariosalpingohisterectomia

LUANNA SOARES DE MELO EVANGELISTA. Alterações clínicas e laboratoriais em cadelas com piometra antes e após ovariosalpingohisterectomia LUANNA SOARES DE MELO EVANGELISTA Alterações clínicas e laboratoriais em cadelas com piometra antes e após ovariosalpingohisterectomia TERESINA/PI 2009 LUANNA SOARES DE MELO EVANGELISTA Alterações clínicas

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Urgências Reprodutivas

Urgências Reprodutivas ta. Maria da Feira, 23 de Janeiro de 2010 Urgências Reprodutivas Luís Montenegro, Rui Mota, Teresa Costa PERCENTAGEM DE OCORRÊNCIA DAS DIFERENTES EMERGÊNCIAS REPRODUTIVAS POR ESPÉCIE TOTAL INTERNAMENTO

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA Hiperplasia Endometrial Cística em Cadelas e Gatas Autor: Brunna de Souza Barni PORTO ALEGRE 2012/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DE CASOS DE PIOMETRA ATENDIDOS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2011 NO HOSPITAL VETERINÁRIO DO CESUMAR

ESTUDO RETROSPECTIVO DE CASOS DE PIOMETRA ATENDIDOS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2011 NO HOSPITAL VETERINÁRIO DO CESUMAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO RETROSPECTIVO DE CASOS DE PIOMETRA ATENDIDOS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2011 NO HOSPITAL VETERINÁRIO DO CESUMAR Danilo Roberto Custódio Marques¹, Clarisse

Leia mais

PIOMETRA EM CADELAS. Luiz Ricardo Silva Lima

PIOMETRA EM CADELAS. Luiz Ricardo Silva Lima FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PIOMETRA EM CADELAS Luiz Ricardo Silva Lima SÃO PAULO 2009 FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PIOMETRA

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

Infermun em parvovirose canina

Infermun em parvovirose canina em parvovirose canina Redução do tempo de recuperação em cães infectados por Parvovirus e tratados com Departamento I+D. Laboratórios Calier, S.A. INTRODUÇÃO: A Parvovirose é uma das enfermidades entéricas

Leia mais

Piometra em cadela Maurício Stefane Rivera Pereira 1, Patrícia Renault Silva 2

Piometra em cadela Maurício Stefane Rivera Pereira 1, Patrícia Renault Silva 2 Medicina Veterinária Piometra em cadela Maurício Stefane Rivera Pereira 1, Patrícia Renault Silva 2 RELATO DE CASO 1 Aluno de graduação do Curso de Medicina Veterinária 2 Professora Mestre do curso de

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO ARYENNE KAROLYNNE DE OLIVEIRA 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 3, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO 4, PAULA

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Urolitíase - Estruvita

Urolitíase - Estruvita V e t e r i n a r i a n D o c s Urolitíase - Estruvita Definição Urolitíase é definida como a formação de uma ou mais concreções policristalinas no interior do trato urinário, sendo os urólitos de estruvita

Leia mais

Estudo retrospectivo de urgências reprodutivas no Hospital Veterinário Montenegro

Estudo retrospectivo de urgências reprodutivas no Hospital Veterinário Montenegro UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Escola de Ciências Agrárias e Veterinárias - Departamento de Ciências Veterinárias Luís Miguel Fonte Montenegro Estudo retrospectivo de urgências reprodutivas

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005)

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Dekker JH, Boeke AJP, Gercama AJ, Kardolus GJ, Boukes FS traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Hipotiroidismo Canino. Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado

Hipotiroidismo Canino. Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado Hipotiroidismo Canino Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado O que é uma glândula? Órgão que tem como função produzir uma secreção específica e eliminá-la do organismo, ou lançá-la no sangue ou na

Leia mais

Infecção Urinária e Gestação

Infecção Urinária e Gestação I ENCONTRO DA REDE MÃE PARANAENSE Infecção Urinária e Gestação Marcos Takimura UFPR/UniPositivo/HT-SESA Modificações Fisiológicas do Aparelho Urinário na Gestação Compressão mecânica do útero gravídico

Leia mais

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Cuidados com a gestante Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Período gestacional Cadelas 56-60 dias Gatas 58-72 dias (63) Data do cruzamento Objetivos Parto seguro Bem-estar da cadela/ gata e

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 HIPERPLASIA MAMÁRIA FELINA: CASOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DE UBERABA DE 2005 A 1015 DEBORAH VIEIRA DE SOUSA ROSIM 1, ENDRIGO GABELLINI LEONEL ALVES 1, IAN MARTIN 1 ; LARYSSA COSTA REZENDE 1

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS]

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] [CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] Somente as cadelas possuem ciclo estral e os machos sentem se atraídos pelas que estão no cio; 2 Ciclo estral (cio) nas cadelas O início dos cios nas cadelas sadias ocorre

Leia mais

Monitorização do ciclo éstrico da cadela para inseminação artificial ou cruzamento 1

Monitorização do ciclo éstrico da cadela para inseminação artificial ou cruzamento 1 Animais de Companhia Monitorização do ciclo éstrico da cadela para inseminação artificial ou cruzamento 1 Alves, I., Mateus, M., Lopes da Costa, L. Serviço de Reprodução, CIISA/Faculdade de Medicina Veterinária,

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR ATROPINA EM CÃO Relato de Caso

INTOXICAÇÃO POR ATROPINA EM CÃO Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PIOMETRA EM CADELAS: REVISÃO DE LITERATURA

PIOMETRA EM CADELAS: REVISÃO DE LITERATURA PIOMETRA EM CADELAS: REVISÃO DE LITERATURA Sérgio Pinter GARCIA FILHO Doutorando do programa de Cirurgia Veterinária, Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Universidade Estadual Paulista UNESP,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 RAPHAEL CARDOSO CLIMACO¹, MAIRA SANTOS SEVERO CLIMACO 2, CAMILA CAROLINE CARLINI 3, WEMERSON DE SANTANA NERES 3, MORGANA OLIVEIRA EUGÊNIO 3 ¹Médico Veterinário, Centro Médico Veterinário Mr. Zoo, Aracaju,

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Covinan 100 mg/ml suspensão injetável para cães e gatos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CELULITE JUVENIL EM UM CANINO DA RAÇA BASSET HOUND - RELATO DE CASO Carolina Oliveira Araujo

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

DISTOCIA EM GATA RELATO DE CASO DYSTOCIA IN A CAT CASE REPORT

DISTOCIA EM GATA RELATO DE CASO DYSTOCIA IN A CAT CASE REPORT DISTOCIA EM GATA RELATO DE CASO DYSTOCIA IN A CAT CASE REPORT MONTANHA, Francisco Pizzolato Docente do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG Garça SP E-mail: faef.estagio@gmail.com CORRÊA, Carmen

Leia mais

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

TRATO URINÁRIO INFERIOR

TRATO URINÁRIO INFERIOR TRATO URINÁRIO INFERIOR Patologia Renal Rim Trato urinário inferior Alterações do desenvolvimento Alterações circulatórias Alterações degenerativas Alterações inflamatórias Alterações proliferativas Alterações

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ana Eliza Rodrigues Braz Costa TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (T.C.C)

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ana Eliza Rodrigues Braz Costa TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (T.C.C) UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ana Eliza Rodrigues Braz Costa TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (T.C.C) CURITIBA 2011 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (T.C.C) CURITIBA 2011 Ana Eliza Rodrigues Braz Costa TRABALHO

Leia mais

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br Os Felinos domésticos no geral tem sua domesticação recente quando comparada ao cão; Os gatos de raça pura para

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

PIOMETRA RELATO DE CASO PYOMETRA - CASE REPORT

PIOMETRA RELATO DE CASO PYOMETRA - CASE REPORT PIOMETRA RELATO DE CASO PYOMETRA - CASE REPORT MURAKAMI, Vanessa Yurika FREITAS, Elaine Bernardino BRITO, Amanda Aparecida CABRINI, Marina Chaves VIEIRA, Ariani Molina COSTA, Jorge Luís Professor Doutor

Leia mais

Piometra em uma leoa (Panthera leo): relato de caso

Piometra em uma leoa (Panthera leo): relato de caso Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.67, n.3, p.727-731, 2015 Piometra em uma leoa (Panthera leo): relato de caso [Pyometra in a lion (Panthera leo): case report] L. Murer 1, M.B. Ribeiro 1, L. Machado 1, L.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia TÍTULO Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia AUTORES NUNES, H.R. 1 ; BRAGATO, N. 2 ; PÁDUA, F.M.O².; BORGES, N.C.³. PALAVRAS-CHAVE Diagnóstico por imagem, exame complementar,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa

Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa O Sucesso da Terapêutica Homeopática VII Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa Profa. Dra. Maria Luiza Delavechia HUVET UFF; IHB; ABRAH Rinite Bilateral Crônica Rino Sinusite Trato respiratório

Leia mais

EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016 ANEXO III ROTEIRO DA PROVA PRÁTICA ESPECÍFICA POR ÁREA

EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016 ANEXO III ROTEIRO DA PROVA PRÁTICA ESPECÍFICA POR ÁREA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM MEDICINA VETERINÁRIA EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016

Leia mais

Gestação, parto e puerpério. Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin

Gestação, parto e puerpério. Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin Gestação, parto e puerpério Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin Gestação Aspectos fisiológicos Duração da gestação da vaca (280-285) Reconhecimento materno da gestação Produção hormonal

Leia mais

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

PIOMETRA ROMPIDA EM CADELA: RELATO DE CASO

PIOMETRA ROMPIDA EM CADELA: RELATO DE CASO PIOMETRA ROMPIDA EM CADELA: RELATO DE CASO MOZ, Mariane 1 ; QUADROS, Fernanda Andreatta de 1 ; ROTH 1, Fabiane da Silva Gruhn 1 ; KRUEL, Luiz Felipe Borges 2. Palavras-Chave: Piometra. Peritonite. Infecção

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Linha Oftálmica Labyes Primeira Linha Oftálmica com Sulfato de Condroitina Labyes foi o primeiro laboratório do mundo a desenvolver uma linha oftálmica

Leia mais

INFERTILIDADE NA CADELA E NA GATA. (Infertility in bitches and queens) Rita de Cássia Soares CARDOSO 1* RESUMO

INFERTILIDADE NA CADELA E NA GATA. (Infertility in bitches and queens) Rita de Cássia Soares CARDOSO 1* RESUMO INFERTILIDADE NA CADELA E NA GATA (Infertility in bitches and queens) Rita de Cássia Soares CARDOSO 1* 1. Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns Autor para correspondência:cardosorcs@yahoo.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO HISTOPATOLÓGICA, HORMONAL E BACTERIOLÓGICA NA PIOMETRA EM CADELAS

AVALIAÇÃO HISTOPATOLÓGICA, HORMONAL E BACTERIOLÓGICA NA PIOMETRA EM CADELAS MARILISA ANTONIAZZI CALOMENO AVALIAÇÃO HISTOPATOLÓGICA, HORMONAL E BACTERIOLÓGICA NA PIOMETRA EM CADELAS Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Ciências Veterinárias,

Leia mais

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Funções Produz gametas: óvulos Produz hormônios da reprodução Recebe as células reprodutivas do macho Fornece local

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Complexo hiperplasia endometrial cística-piometra em uma cadela tratada com acetato de medroxiprogesterona como método contraceptivo

Complexo hiperplasia endometrial cística-piometra em uma cadela tratada com acetato de medroxiprogesterona como método contraceptivo CASO CLÍNICO REVISTA PORTUGUESA DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Complexo hiperplasia endometrial cística-piometra em uma cadela tratada com acetato de medroxiprogesterona como método contraceptivo Cystic endometrial

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG BRAGATO, Nathália. 1 ; PÁDUA, Fernanda Maria Ozelim de 1 ; COSTA, Ana Paula Araújo.; SILVA,

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

Caracterização microbiológica e perfil de resistência das bactérias isoladas do útero de cadelas com piometra aberta e fechada

Caracterização microbiológica e perfil de resistência das bactérias isoladas do útero de cadelas com piometra aberta e fechada RCPV (2014) 109 (591-592) 100-104 Caracterização microbiológica e perfil de resistência das bactérias isoladas do útero de cadelas com piometra aberta e fechada Microbiological characterization and resistance

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais