PRODUÇÃO DE HÍBRIDOS EM ALFAVACA (Ocimum selloi Benth): UMA PLANTA AROMÁTICA, CONDIMENTAR E MEDICINAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO DE HÍBRIDOS EM ALFAVACA (Ocimum selloi Benth): UMA PLANTA AROMÁTICA, CONDIMENTAR E MEDICINAL"

Transcrição

1 1 PRODUÇÃO DE HÍBRIDOS EM ALFAVACA (Ocimum selloi Benth): UMA PLANTA AROMÁTICA, CONDIMENTAR E MEDICINAL Cláudio Lúcio Fernandes Amaral 1 Vicente Wagner Dias Casali 2 Bruno Portela Brasileiro 3 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi identificar e caracterizar, por meio de marcadores isoenzimáticos, híbridos de Ocimum selloi Benth oriundos do cruzamento entre dois acessos, quais sejam: acesso A de Nova Friburgo RJ, e acesso B, de Tiradentes MG. Na análise genética foram utilizados os sistemas enzimáticos, esterase, fosfatase ácida, glutamato desidrogenase, glutamato oxaloacetato transaminase, leucina aminopeptidase, peroxidase e xiquimato desidrogenase. Destes, apenas o da esterase se mostrou eficiente na identificação, caracterização e diferenciação das populações e de seus indivíduos. Verificou-se que a distribuição das isoenzimas dos parentais comparada com a prole permitiu confirmar o processo de hibridação. Palavras-chave: Diferenciação; Isoenzimas; Fitomelhoramento. ABSTRACT: The aim of this work was to identify and characterize utilized marked isoenzymatic hybrids of Ocimum selloi Benth from artificial mating between two access: ( A ) the Nova Friburgo RJ germplasm and ( B ) the Tiradentes MG germplasm. The following enzymatic systems were used: esterase, acid phosphatase, glutamate dehydrogenase, glutamate oxaloacetate transaminase, leucine aminopeptidase, peroxidase and shikimate dehydrogenase. Only the systems esterase showed efficiency in identifying, characterizing and differentiating both access, and their respective hybrids. Key-words: Differentiation; Isozymes; Crop Breeding. 1 Doutor em Genética Universidade Federal de Viçosa. Professor da Faculdade de Tecnologia e Ciências Jéquie e da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. 2 Doutor em Genética e Melhoramento - Purdue University. Professor titular da Universidade Federal de Viçosa. 3 Discente do Curso de Ciências Biológicas, com ênfase em Genética. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) - Campus de Jequié-BA.

2 2 1 Introdução O Brasil apresenta uma das maiores biodiversidades vegetais da Terra e, pelo menos, a metade das espécies vegetais pode apresentar alguma propriedade terapêutica útil à população, mas nem uma parte ínfima dessas plantas foi ainda estudada (MARTINS et al., 1994), principalmente, no que se refere à sua variabilidade genética. Entre as plantas medicinais de grande importância encontra-se a alfavaca (Ocimum selloi Benth), planta da Família Lamiaceae, que ocorre, principalmente, nas regiões Sudeste e Nordeste do País, apresentando propriedades aromáticas, condimentares e medicinais (AMARAL et al., 1999). O processo de hibridação é uma ferramenta importante em programas de melhoramento genético, sendo fundamental para o desenvolvimento de novas variedades, pois possibilita o aumento do vigor híbrido, pela ocorrência de novas combinações de genes codificadores de caracteres de interesse agronômico (ALLARD, 1971; BORÉM, 1999; PATERNIANI, 2001). Este estudo teve como principal objetivo identificar e caracterizar, por meio de marcadores isoenzimáticos, híbridos de Ocimum selloi Benth oriundos do cruzamento entre dois acessos do Banco de Germoplasma de Plantas Medicinais da Universidade Federal de Viçosa, Brasil, quais sejam: acesso A, de Nova Friburgo RJ, e acesso B, de Tiradentes MG. 2 Material e Métodos 2.1 Material vegetal Foram utilizadas 123 plantas, 48 por acesso e 27 indivíduos obtidos por meio de sementes provenientes de cruzamento artificial. As plantas do acesso A foram coletadas em Nova Friburgo RJ e as plantas do acesso B, em Tiradentes MG. Cada planta de ambos os acessos e os produtos do cruzamento entre estes foram propagados assexuadamente, por meio de uma estaca colocada em um copo plástico de 200ml, preenchido por substrato constituído de areia, solo e esterco, na proporção de 1:1:1 e, posteriormente, mantido ao ar livre. Os parentais e a prole foram levados ao laboratório de preparo, onde suas folhas e raízes foram retiradas.

3 3 2.2 Extração das amostras Na coleta das amostras, retirou-se, pela manhã, com o auxílio de uma tesoura, uma folha nova de cada planta amostrada. Além das folhas, utilizaram-se ainda raízes, sendo estas lavadas e suas extremidades cortadas e pesadas, de maneira a padronizar a quantidade de amostras usadas nas análises genéticas. As amostras obtidas das folhas foram destinadas à análise eletroforética dos seguintes sistemas isoenzimáticos: álcool desidrogenase, esterase, fosfatase ácida, glutamato desidrogenase, glutamato oxaloacetato transaminase, isocitrato desidrogenase, leucina aminopeptidase, malato desidrogenase e xiquimato desidrogenase. Já as amostras obtidas das raízes foram utilizadas para a análise eletroforética de fosfatase ácida, glutamato oxaloacetato transaminase, malato desidrogenase e peroxidase. A solução extratora usada foi a de Alfenas et al. (1991). Com o objetivo de ajustar a metodologia, efetuaram-se vários testes preliminares, procurando determinar, em cada sistema isoenzimático, as combinações adequadas de ph dos tampões do gel e dos eletrodos e os procedimentos apropriados de coloração. Portanto, como sistemas-tampão gel-eletrodo utilizou-se o sugerido por Shaw & Prasad (1970) para as enzimas: fosfatase ácida, glutamato desidrogenase, glutamato oxaloacetato transaminase, malato desidrogenase e peroxidase e o indicado por Soltis et al. (1983) para as enzimas: álcool desidrogenase, esterase, isocitrato desidrogenase, leucina aminopeptidase e xiquimato desidrogenase. Os protocolos para revelação da atividade enzimática de álcool desidrogenase, fosfatase ácida, isocitrato desidrogenase, malato desidrogenase foram os indicados por Shaw & Prasad (1970) e de esterase, glutamato desidrogenase, glutamato oxaloacetato transaminase, leucina aminopeptidase, peroxidase e xiquimato desidrogenase os protocolos sugeridos por Soltis et al. (1983). 2.3 Análises genéticas Foi utilizada a técnica de eletroforese horizontal em gel de amido. Sendo utilizado amido nacional (amido de milho ou Maizena ) e amido hidrolisado ( Sigma S4501), para fins de

4 4 comparação. Ambos os géis de amido foram preparados, a 12%, com 42g de amido, adicionados a 350ml de solução-tampão (CONKLE et al., 1982). 2.4 Detecção dos sistemas enzimáticos No sistema enzimático peroxidase, as bandejas refratárias foram colocadas em câmara fria a 4 C até o aparecimento das bandas isoenzimáticas. Já nos sistemas enzimáticos álcool desidrogenase, esterase, fosfatase ácida, glutamato desidrogenase, glutamato oxaloacetato transaminase, isocitrato desidrogenase, leucina aminopeptidase, malato desidrogenase e xiquimato desidrogenase, as bandejas refratárias foram colocadas em estufa a 37 C, no escuro, até o aparecimento das bandas isoenzimáticas. 2.5 Secagem dos géis Após a coloração, o excesso de solução corante (SHAW & PRASAD, 1970; SOLTIS et al., 1983) foi retirado sob água corrente, submetendo-se, posteriormente, cada fatia de gel à fixação (glicerina 50% na peroxidase e 10% nas demais enzimas, por cerca de 12 horas à temperatura de 4ºC). Após a fixação, cada fatia de gel pôde ser trabalhada na tomada de dados ou, então, desidratada para posterior catalogação. O gel foi desidratado entre duas folhas de papel celofane poroso. 2.6 Numeração das bandas nos géis Na interpretação das bandas, os géis foram colocados justapostos sobre a superfície de um diafanoscópio e, mediante o uso de uma régua graduada em milímetros, foi medida a distância percorrida pelas bandas, transcrevendo-as num papel milimetrado, com base nas suas mobilidades relativas. A mobilidade relativa foi calculada pela razão entre a distância de cada banda até a origem (posição de inserção das amostras no gel) e a distância percorrida por uma banda particular, preferencialmente a mais anódica (+), presente em todas as populações. As freqüências dos

5 5 padrões das bandas isoenzimáticas foram obtidas pela relação número de indivíduos por padrão específico de bandas isoenzimáticas/número total de indivíduos por população amostrada. 3 Resultados e Discussão 3.1 Comparação da eficiência de uso dos géis Na técnica de eletroforese horizontal em gel, o amido nacional (amido de milho ou Maizena ) apresentou melhor resultado na visualização das bandas isoenzimáticas, se comparado ao amido hidrolisado ( Sigma S4501). Além disso, o primeiro é mais barato, sendo de fácil obtenção quando comparado ao segundo, que, às vezes, deve ser importado, portanto, demorado para ser adquirido. 3.2 Esterase O sistema esterase apresentou atividade isoenzimática anódica, nos tecidos foliar e radicular; entretanto, a baixa resolução de bandas isoenzimáticas da raiz inviabilizou sua utilização nas análises fenotípicas. Este sistema foi útil como marcador para demonstrar a ocorrência de hibridação, em decorrência da presença de indíviduos ( C ) com o padrão 3 (Geração Filial F 1 ), oriundo do cruzamento artificial entre indivíduos do acesso A com o padrão 1 (Geração Parental P 1 ) e os do acesso B com o padrão 2 (Geração Parental P 2 ) (Figura 1). [+] [-] Mr EST (folha) Padrõe A B C Indivíduos Figura 1: Zimograma do sistema isoenzimático: esterase (EST) em tecidos foliar de acessos ( A e B ) e de seus híbridos ( C ) de alfavaca (O. selloi Benth), com mobilidade relativa (Mr) e padrões de bandas isoenzimáticas (1, 2, 3).

6 6 De acordo com Almeida et al. (2004), espécies do gênero Ocimum, são autocompatíveis, portanto, cruzamentos intra-específicos podem ser utilizados no desenvolvimento de novas variedades, pois a hibridação possibilita a manutenção ou o aumento da heterose das espécies pela ocorrência de novas combinações de genes codificadores de caracteres de interesse agronômico (BORÉM, 1999), como, por exemplo, a produção de óleos essenciais, que, por serem amplamente utilizados pelas indústrias farmacêuticas, têm alto valor no mercado nacional e internacional (NATION et al., 1992). Com relação à composição e ao conteúdo de moléculas terapêuticas, encontram-se, normamelmente, altas herdabilidades para estas substâncias, o que facilita o melhoramento por seleção, entretanto, com relação à diversidade estrutural e funcional dos fitofármacos, os híbridos podem apresentar características inéditas às dos parentais (AMARAL; SILVA, 2003). 3.3 Demais sistemas isoenzimáticos Os sistemas isoenzimáticos fosfatase ácida, glutamato desidrogenase, glutamato oxaloacetato transaminase, leucina aminopeptidase, peroxidase e xiquimato desidrogenase não se mostraram eficientes na identificação, caracterização e diferenciação dos acessos e seus respectivos híbridos. Referências ALLARD, R. W. Sistemas reprodutivos e métodos de melhoramento de plantas. In. Princípios do melhoramento genético de plantas. Rio de Janeiro: Edgard Blucher, cap. 4, p ALFENAS, A. C. et al. Eletroforese de proteínas e isoenzimas de fungos e essências florestais. Viçosa: UFV, p. ALMEIDA, O. S.; SILVA, A. H. B.; SILVA, A. B.; SILVA, A. B.; AMARAL, C. L. F. Estudo da biologia floral e mecanismos reprodutivos do alfavacão (Ocimum officinalis L.) visando o melhoramento genético. Acta Scientiarum. Maringá, v. 26, n. 3, p , set

7 7 AMARAL, C. L. F.; ALMEIDA, E. C.; CASALI, V. W. D. Biologia floral e mecanismos de reprodução da alfavaca (Ocimum selloi Benth). Revista da Sociedade Brasileira de Olericultura, v. 1, p. 1-11, nov AMARAL, C. L. F.; SILVA, A. B. Melhoramento Biotecnológico de Plantas Medicinais. REVISTA BIOTECNOLOGIA CIÊNCIA E DESENVOLVIMENTO, v. 30, n. 1, p , jan/jun BORÉM, A. Hibridação Artificial de Plantas. Viçosa: UFV, p. CONKLE, M. T. et al. Starch gel electrophoresis of conifer seeds: a laboratory manual. Berkerley: USDA, Forest Service, Genetics technical reports, PSW-64, p. MARTINS, E. R. et al. Plantas medicinais. Viçosa: UFV, p. NATION, G. R. et al. Estimation of outcrossing in basil. HortScience, Alexandria, v. 27, n. 11, p , Feb PATERNIANI, M. E. A. G. Z. Use of Heterosis in Maize Breeding: History, Methods and Perspectives A Review. Crop Breeding and Applied Biotechnology, v. 1, n. 2, p , Feb SHAW, C. R.; PRASAD, R. Starch gel electrophoresis of enzymes - a compilation of recipes. Biochemical Genetics, New York, USA, v. 4, n. 2, p , Nov SOLTIS, D. E.; HAUFLER, C. H.; DARROW, D. C.; GASTONY, G. J. Starch gel electrophoresis of ferns: a compilation of grinding buffers, gel and eletrode buffers and staining schedules. American Fern Journal, Washington, D.C. USA, v. 73, n. 1, p. 9-27, Jan Agradecimentos Ao Departamento de Fitotecnia (DFT) da Universidade Federal de Viçosa (UFV), pelo apoio na execução deste projeto ao Grupo Entre Folhas - Plantas Medicinais por ter fornecido o material vegetal utilizado neste trabalho; aos Grupos Plantgen e Plantmed e ao CNPq, pela bolsa de pesquisa. À Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) e aos Grupos de pesquisa PLANTGEN (UESB) e PLANTMED (FTC).

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO 7 INTRODUÇÃO Vimos no capítulo anterior a utilização da seleção no melhoramento de espécies autógamas. O requisito básico para utilizarmos essa técnica

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Diversidade e estrutura genética de populações de Mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) na Zona da Mata de Pernambuco

Diversidade e estrutura genética de populações de Mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) na Zona da Mata de Pernambuco Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Agronomia Área de Concentração em Melhoramento Genético de Plantas Diversidade e estrutura genética de populações de Mangabeira (Hancornia

Leia mais

USO DE MARCADORES MOLECULARES RAPD E MICROSSATÉLITES VISANDO A CONFIRMAÇÃO DA FECUNDAÇÃO CRUZADA ENTRE Theobroma cacao E Theobroma grandiflorum

USO DE MARCADORES MOLECULARES RAPD E MICROSSATÉLITES VISANDO A CONFIRMAÇÃO DA FECUNDAÇÃO CRUZADA ENTRE Theobroma cacao E Theobroma grandiflorum Agrotrópica 15 (1) : 41-46. 2003. Centro de Pesquisas do Cacau, Ilhéus, Bahia, Brasil USO DE MARCADORES MOLECULARES RAPD E MICROSSATÉLITES VISANDO A CONFIRMAÇÃO DA FECUNDAÇÃO CRUZADA ENTRE Theobroma cacao

Leia mais

VARIABILIDADE GENÉTICA ATRAVÉS DE POLIMORFISMOS ISOENZIMÁTICOS EM AVEIAS HEXAPLÓIDES 1

VARIABILIDADE GENÉTICA ATRAVÉS DE POLIMORFISMOS ISOENZIMÁTICOS EM AVEIAS HEXAPLÓIDES 1 VARIABILIDADE GENÉTICA ATRAVÉS DE POLIMORFISMOS ISOENZIMÁTICOS EM AVEIAS HEXAPLÓIDES 1 RODRIGO RODRIGUES MATIELLO 2, JOSÉ FERNANDES BARBOSA NETO 3, MARIA JANE CRUZ DE MELO SERENO 4, IVONE TADERKA e DIEGO

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Experimentação em Genética e Melhoramento

Experimentação em Genética e Melhoramento 04 Introdução Experimentação em Genética e Melhoramento Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexudamente ou sexuadamente. Pode-se ter as seguintes classificação: Assexuada; Sexuadas:

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DAS PLANTAS CULTIVADAS

DOMESTICAÇÃO DAS PLANTAS CULTIVADAS DOMESTICAÇÃO DAS 2 PLANTAS CULTIVADAS INTRODUÇÃO A domesticação é um processo evolucionário conduzido pelo homem visando adaptar plantas e animais às necessidades humanas. Plantas domesticadas são geneticamente

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR Elisabete Domingues Salvador 1 Sidney Osmar Jadoski 1 Juliano

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DIVERGÊNCIA GENÉTICA DE PROGÊNIES DE MEIOS-IRMÃOS DE AÇAIZEIRO COM BASE EM VALORES GENÉTICOS DE CARACTERES AGRONÔMICOS E DE CACHO DAVI HENRIQUE LIMA TEIXEIRA 1, MARIA DO SOCORRO PADILHA DE OLIVEIRA ; FLÁVIA

Leia mais

A técnica de eletroforese: importância e aplicações em análises genéticas

A técnica de eletroforese: importância e aplicações em análises genéticas ISSN 1518-6512 Dezembro, 2001 06 A técnica de eletroforese: importância e aplicações em análises genéticas Imagem: Embrapa Trigo Sandra Patussi Brammer1 Introdução A eletroforese é uma técnica bioquímica

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Melhoramento de plantas

Melhoramento de plantas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Melhoramento de plantas Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia e Zootecnia MELHORAMENTO

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética.

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Atividade extra Questão 1 A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Falar em biodiversidade e em tempo significa, necessariamente, falar de: a. Degeneração. b. Conservação. c. Evolução. d.

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr.

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr. DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS Prof. Olayr Modesto Jr. INTRODUÇÃO A domesticação é um processo evolucionário conduzido pelo homem visando adaptar plantas e animais às necessidades humanas. Plantas

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Melhoramento de Café Robusta/Conilon

Melhoramento de Café Robusta/Conilon Melhoramento de Café Robusta/Conilon Maria Amélia Gava Ferrão Pesquisadora Embrapa Café/Incaper APRESENTAÇÃO Introdução Histórico Estratégias Melhoramento Brasil Principais Resultados Espécies Café Identificadas

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa... 2.2. Objetivos... 2.3.

1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa... 2.2. Objetivos... 2.3. 1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa.... 2.2. Objetivos... 2.3. Avaliação... 2.4. Conteúdo... 3. Como elaborar um Relatório...

Leia mais

UFV - UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Histórico de Pesquisa e Desenvolvimento com Mandioquinha-salsa na Universidade Federal de Viçosa (UFV)

UFV - UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Histórico de Pesquisa e Desenvolvimento com Mandioquinha-salsa na Universidade Federal de Viçosa (UFV) Histórico de Pesquisa e Desenvolvimento com Mandioquinha-salsa na Universidade Federal de Viçosa (UFV) Pesquisas com mandioquinha-salsa no Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal de Viçosa (DFT/UFV):

Leia mais

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS 1. CONSANGUINIDADE A consangüinidade

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

DESCONTAMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE BROMETO DE ETÍDIO GERADOS EM PROCEDIMENTOS DE BIOLOGIA MOLECULAR

DESCONTAMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE BROMETO DE ETÍDIO GERADOS EM PROCEDIMENTOS DE BIOLOGIA MOLECULAR 20 a 24 de outubro de 2008 DESCONTAMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE BROMETO DE ETÍDIO GERADOS EM PROCEDIMENTOS DE BIOLOGIA MOLECULAR Renan Savieri Carniello 1 ; Rodrigo Franco da Silva 2 ; Adriana Fiorini 3 RESUMO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

B. CONTACT INFORMATION PRO PRINCIPAL INVESTIGATOR(S)

B. CONTACT INFORMATION PRO PRINCIPAL INVESTIGATOR(S) A. EXPANSÃO DO BANCO DE DADOS DA COLEÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E AROMÁTICAS (CPMA) DO CENTRO DE PESQUISAS PLURIDISCIPLINARES QUIMICAS, BIOLOGICAS E AGRICOLAS DA UNICAMP. B. CONTACT INFORMATION PRO PRINCIPAL

Leia mais

Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia

Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia Seeds use by organic farmers of São Paulo State: comparison

Leia mais

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas ARBORICULTURA I Propagação de Plantas O que é a propagação de plantas? É a multiplicação de indivíduos do reino vegetal, por métodos sexuados ou assexuados, por forma a obter na descendência um determinado

Leia mais

EXAME DISCURSIVO 2ª fase

EXAME DISCURSIVO 2ª fase EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014 Biologia Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Biologia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM DOENÇAS FOLIARES DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM DOENÇAS FOLIARES DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM DOENÇAS FOLIARES DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Eder Jorge de Oliveira 1, Saulo Alves Santos de Oliveira 1, Vanderlei da Silva Santos 1, Juan Paulo Xavier de Freitas

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013 1 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Dia 18/09 (quarta-feira) CURSOS PRÉ-SIMPÓSIO - 08:00 12:00 Curso 1: Métodos de avaliação da atividade antimicrobiana de produtos naturais. Ministrante: Prof. Dr. Mateus Matiuzzi

Leia mais

A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL

A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL Shana Yuri Misumi 1 ; Marcia Aguiar de Barros 1 ; Robson Lucas Bartholomeu 1 ; Julio César

Leia mais

Endereço: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF. Av. Alberto Lamego 2000, CEP: 28013-620 carlosdiego_oliveira@yahoo.com.

Endereço: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF. Av. Alberto Lamego 2000, CEP: 28013-620 carlosdiego_oliveira@yahoo.com. Avaliação da Variabilidade Genética Via Marcadores ISSR Entre e Dentro de Populações de Milho Submetidas a Diferentes Ciclos de Seleção Recorrente Recíproca Carlos Diego de Oliveira Azevedo 1, Ana Paula

Leia mais

BIOLOGIA. (cada questão vale até cinco pontos) Questão 01

BIOLOGIA. (cada questão vale até cinco pontos) Questão 01 BIOLOGIA (cada questão vale até cinco pontos) Questão 01 O Chester é uma variedade de frango obtida por melhoramento genético, que se caracteriza por possuir maior massa muscular no peito e nas coxas.

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Germinação das Sementes de Soja Contaminadas com Ferrugem Asiática e sem Contaminação

Germinação das Sementes de Soja Contaminadas com Ferrugem Asiática e sem Contaminação das Sementes de Soja Contaminadas com Ferrugem Asiática e sem Contaminação Colli, A. M. T 1 1 Faculdades Integradas Fafibe Bebedouro SP aureacolli@linkway.com.br Basso, L. P. 2 2 Graduação - Faculdades

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS 1 AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS R. C. ARGÔLO (1), Q. R. ARAUJO (2), G. A. SODRÉ (2), I. JUCKSCH (3), A. M. S. S. MOREAU (4),

Leia mais

Tecnologia da produção de fumo

Tecnologia da produção de fumo Tecnologia da produção de fumo ESALQ - USP Produção Vegetal Prof. Dr. José Laércio Favarin Sistemática e origem L 40º N N Equador CH 3 Alcalóide: nicotina L - 40º S Planta de fumo pertence a família Solanaceae,

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 117 Bacharelado ATUAÇÃO O Bacharelado em Ciências Biológicas tem como objetivo principal formar e capacitar

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Meios nutritivos alternativos para propagação in vitro de plantas

Meios nutritivos alternativos para propagação in vitro de plantas Meios nutritivos alternativos para propagação in vitro de plantas Ricardo CABRAL 1 ; Poliane LOPES 1 ; Everton MORAIS 2 ; Mayler MARTINS 3 ; Ricardo CORRÊA 3. 1 Estudante de Engenharia de Produção e bolsista

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12ºAno Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Termos para indexação: diversidade genética, pequi, Caryocar brasiliense, RAPD, recursos genéticos, germoplasma

Termos para indexação: diversidade genética, pequi, Caryocar brasiliense, RAPD, recursos genéticos, germoplasma VARIABILIDADE GENÉTICA DE COLEÇÃO DE TRABALHO DE PEQUIZEIRO COM BASE EM MARCADORES MOLECULARES Fábio Gelape Faleiro 1, Graciele Bellon 1, Ailton Vítor Pereira 2, Elainy Botelho C. Pereira 3, Nilton Tadeu

Leia mais

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DE QUATRO VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA CULTIVADAS EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BA

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DE QUATRO VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA CULTIVADAS EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BA Revista Raízes e Amidos Tropicais, v. 10, nº 1, p. 1-8, 2014 1 ISSN:1808-981X CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DE QUATRO VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA CULTIVADAS EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BA Patrick Rayan

Leia mais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Pablo Forlan Vargas 1 ; Leila Trevizan Braz 2 ; Juliano Tadeu Vilela de Resende 3 ; André May 2 ; Elaine Maria dos Santos 3. 1 UNESP FCAV

Leia mais

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM UMA POPULAÇÃO DE MILHO DENOMINADA MPA

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM UMA POPULAÇÃO DE MILHO DENOMINADA MPA DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM UMA POPULAÇÃO DE MILHO DENOMINADA MPA Udenys Cabral Mendes (1), Stênio Bruno Sousa (2),Rodolfo Fernandes Schindler (2), Jefferson Fernando Naves Pinto (3), Edésio Fialho dos

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

COLÉGIO MÓDULO DISCIPLINA BIOLOGIA UFBA I UNIDADE PROFESSOR SÉRGIO MAGALHÃES

COLÉGIO MÓDULO DISCIPLINA BIOLOGIA UFBA I UNIDADE PROFESSOR SÉRGIO MAGALHÃES COLÉGIO MÓDULO DISCIPLINA BIOLOGIA UFBA I UNIDADE PROFESSOR SÉRGIO MAGALHÃES 01 V(01) Isótopos radioativos são importantes para elucidação de compostos químicos que são imprescindíveis aos seres vivos.

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Coordenação Brasília DF 27 de novembro de 2009

Coordenação Brasília DF 27 de novembro de 2009 Coordenação Brasília DF 27 de novembro de 2009 INSTITUIÇÕES DA RMPI INDICADORES DE BIOTECNOLOGIA DE ALGUMAS INSTITUIÇÕES- MEMBRO DA RMPI Números de algumas Instituições Científicas e Tecnológicas do Estado

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

Workshop: Destilação de óleos essenciais

Workshop: Destilação de óleos essenciais OLD JOBS AND NEW JOBS Workshop: Destilação de óleos essenciais 27 de fevereiro de 2015 Destilação de óleos essenciais PAULA MENDES LOURDES GERALDES Óleo essencial (OE) Definição óleos voláteis odoríferos

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 Prova de Biologia Prova 302 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

A Genética Mendeliana

A Genética Mendeliana MATERIAL DE APOIO A Genética Mendeliana O conceito de um fator hereditário como determinante das características de um indivíduo foi introduzido primeiramente por Gregor Mendel em 1865, embora ele não

Leia mais

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos.

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. Diogo Gonçalves Neder 1 1 Introdução O melhoramento de plantas visa principalmente identificar combinações genotípicas com performance superior quando

Leia mais

Capítulo 3 Clonagem de plantas proliferação de meristemas e organogénese... 75 3.1. Introdução... 75 3.2. Tipos de meristemas... 76 3.2.1.

Capítulo 3 Clonagem de plantas proliferação de meristemas e organogénese... 75 3.1. Introdução... 75 3.2. Tipos de meristemas... 76 3.2.1. Sumário 7 Apresentação... 13 Lista de abreviaturas... 16 Capítulo 1 Introdução Geral... 19 1.1. O problema da alimentação à escala planetária... 19 1.2. O conceito de Biotecnologia... 27 1.3. A utilização

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO MORFOLÓGICA

Leia mais

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110)

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) Resistência Genética a Doenças em Plantas Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) 1807 Prevost doenças: agente causal carvão do trigo - fungo Fins do séc. XIX Smith doenças - bactérias O que é DOENÇA?

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA ZONA NORTE DE TERESINA Francisco Ivan da Silva 1 *, Eurípedes Siqueira Neto 2, Jackson Araújo Lima 3, Miguel de Castro Silva 4, Teodorico Cavalcante

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR. João e o pé de feijão. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR. João e o pé de feijão. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR João e o pé de feijão Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Era uma vez João e o Pé de Feijão Enquadramento Curricular Preparação da visita 1ºCiclo Estudo

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas Southern blotting análise de DNA Northern blotting análise de RNA Western blotting análise de proteínas Southern blotting Hibridação DNA-DNA em membrana Southern blot Digestão enzimática Eletroforese em

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação*

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* MATERIAIS DIDÁTICOS Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* Mauricio Papa Arruda Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Instituto de Biologia, Departamento de Biologia Estrutural e Funcional.

Leia mais

PRÓPOLIS: EFEITO NA FRAGILIDADE OSMÓTICA DA MEMBRANA ERITROCITÁRIA

PRÓPOLIS: EFEITO NA FRAGILIDADE OSMÓTICA DA MEMBRANA ERITROCITÁRIA PRÓPOLIS: EFEITO NA FRAGILIDADE OSMÓTICA DA MEMBRANA ERITROCITÁRIA Moreira L.L. 1,2, Rogão M. 3, Pereira A.P. 2, Costa B. 4, Pereira E. 2, Morais M. 2, Pombo G. 1, Estevinho L.M. 2 * 1 CHNE Centro Hospitalar

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel Mendel, o pai da genética - Parte I Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel 5 minutos para cada áudio. Avaliar se o

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 32/2012 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular, em nível de Mestrado e Doutorado. CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais