PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET APROVADO PELO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº XX/XX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET APROVADO PELO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº XX/XX"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET APROVADO PELO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº XX/XX Rio Branco/AC 2015

2 CNPJ: / Razão social: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIËNCIA E TECNOLOGIA DO ACRE Nome fantasia: IFAC Esfera administrativa: FEDERAL Endereço: rua Coronel Alexandrino, 235, Bosque. Rio Branco/AC Cep Telefone: (68) / Site: CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Carga Horária: 996 horas Regime: semestral Turno de oferta: diurno/noturno Duração: 3 semestres Forma de oferta: subsequente a distância Local de oferta: Multicampi

3 Reitora Pro Tempore ROSANA CAVALCANTE DOS SANTOS Pró-Reitora de Ensino MARIA LUCILENE BELMIRO DE MELO ACÁCIO Pró-Reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação LUÍS PEDRO DE MELO PLESE Pró-Reitora de Gestão de Pessoas CLAUDIA FERREIRA DE ALMEIDA Pró-Reitor de Extensão ABIB ALEXANDRE DE ARAÚJO Pró-Reitor de Administração UBIRACY DA SILVA DANTAS Diretora Sistêmica de Programas Especiais JAILENE RIBEIRO SOARES Coordenador de Educação a Distância VICTOR ANTUNES VIEIRA Coordenadora do Curso Técnico Subsequente a Distância em Informática para a Internet ANA CARLA ARRUDA DE HOLANDA Elaboração do PPC do Curso ANA CARLA ARRUDA DE HOLANDA ANTONIO REGE LOPES DOS SANTOS KATSON ROGER TEIXEIRA DA LUZ VICTOR ANTUNES VIEIRA ALCILENE OLIVEIRA ALVES

4 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Geral Específicos PERFIL PROFISSIONAL REQUISITOS DE ACESSO ESTRUTURA CURRICULAR Fundamentação Legal Atendimento aos Alunos com Deficiência Organização Curricular Tabela da Matriz Curricular METODOLOGIA CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DIPLOMA INFRAESTRUTURA Da Diretoria Sistêmica de Programas Especiais Dos Polos PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO ADMINISTRATIVO ANEXOS ANEXO I s... 20

5 1. JUSTIFICATIVA O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (IFAC), autarquia federal, vinculada ao Ministério da Educação (MEC), foi criado através da Lei nº , de 29 de dezembro de 2008, que reorganizou a rede federal de educação profissional, científica e tecnológica composta pelas escolas técnicas, agrotécnicas e Centros Federais de Educação Tecnológica (CEFETs), transformando-os em trinta e oito Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia distribuídos em todo o território nacional, enquadrando-se nas estatísticas do IBGE (2014) de crescimento da educação profissional e tecnológica que apresentou demanda considerável em nível de expansão. Assim, os institutos atendem à demanda dos Estados no sentido de pensar nas desigualdades quanto a oferta distribuição regional por vagas, pois em números o universo de alunos matriculados nessa modalidade totalizava menos de 1% (IBGE, 20140) quanto a população do total do Brasil. O IFAC é uma instituição de educação superior, básica e profissional, pluricurricular e multicampi, especializada em oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino para os diversos setores, na realização de pesquisa e no desenvolvimento de novos produtos e serviços, com estreita articulação com os setores produtivos e com a sociedade, dispondo mecanismos para educação continuada. Dentre os mecanismos implantados está a Diretoria Sistêmica de Programas Especiais (DSPES), diretamente vinculada à Reitoria do Instituto, sendo responsável pela gestão e execução de planos, programas e projetos em Educação a Distância (EaD). A proposta para o desenvolvimento das ações de EaD do IFAC está estruturada no investimento em alta tecnologia, desenvolvimento de recursos pedagógicos, treinamento de pessoal técnico e docente, realização de convênios com instituições e organismos de fomento e apoio a projetos de interesse da administração pública, especificamente da Setec/MEC. Tem-se por meta principal o desenvolvimento de projetos próprios com o uso de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs).

6 A oferta de EaD no IFAC ocorre em consonância às políticas de democratização da Educação Profissional e Tecnológica, voltadas para o acesso de pessoas envolvidas em atividades laborais específicas. Para isso, a infraestrutura começou a ser organizada com a implantação de Programas como os da Rede e-tec Brasil. Pela Rede e-tec Brasil, iniciou-se em 2014, através de parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), a oferta do curso Técnico Subsequente em Informática para Internet na modalidade a distância. A atuação do IFAC na modalidade a distância se constitui prioridade diante dos avanços tecnológicos que fazem parte da história da humanidade. No entanto, com o advento das novas tecnologias da informação, estes avanços ocorrem de forma mais rápida, desafiando e estimulando a capacidade intelectual e exigindo maior distribuição do conhecimento, principalmente com a expansão da internet. Assim, o objetivo do Curso Técnico em Informática para Internet na modalidade a distância (EaD) é formar o aluno com qualificação técnica, que atenda as solicitações do presente e futuro na área da informática, visando a implementação através do conhecimento técnico de novas tecnologias, trazendo possibilidades maiores para a inclusão social, pois, amplia o alcance da educação presencial tanto no que tange ao espaço quanto ao tempo. A sociedade atual exige que os profissionais tenham a capacidade de domínio das TICs. As empresas fazem parte de um mundo globalizado, com redes de comunicação internas, baseadas em computadores, e com máquinas controladas e operadas por métodos computacionais, que exigem um profissional com domínio tecnológico. Nesse contexto, se há desconhecimento desta realidade, consequentemente há o desemprego. Além disso, a expansão do comércio também se adentrou nos domínios da rede virtual, exigindo novas competências e habilidades dos profissionais que atuam em organizações empresariais. A internet alterou a natureza de nossas relações sociais. Em sua plenitude, é um ambiente que propicia novos locais de encontros e relações pessoais, transações comerciais e o compartilhamento de conhecimentos.

7 Por seu valor, sobretudo social, é essencial garantir a existência de uma Internet de todos e para todos. Esse ambiente deve estar disponível para o conjunto dos cidadãos, independentemente do hardware, do software, da infraestrutura de rede, da cultura, da localização geográfica, da habilidade física ou mental, da condição socioeconômica ou do nível de instrução de cada um. Utiliza-se muito a Web. Não imaginava-se, num passado recente, que os diversos serviços que eram utilizados na Internet pudessem estar disponibilizados na Web sem que fosse necessário instalar também diversos softwares aplicativos para a conexão adequada a esses serviços. A tecnologia Web avançou e os hábitos humanos foram influenciados por ela. Hoje, muitos dos fazeres profissionais e comunicacionais, de pesquisa e de estudo, são realizados na Web. Busca-se informações e participa-se de atividades e movimentos utilizando em muitas ocasiões somente navegadores. Ouve-se música, assiste-se a filmes, fecham-se negócios e se faz outras coisas. A sociedade está mediada por aparatos digitais (CASTELLS, 2003). Os smartphones e outras novas tecnologias vem assumindo um papel antes desempenhado somente pelo computador, porém a comunicação através da Internet atinge todas as esferas, redundando na dinâmica que passa necessariamente por dois processos que ocorrem sincronicamente: por um lado, um número maior de pessoas é incluído no mundo digital, passando a realizar contatos e a buscar atendimento às suas necessidades através daquele meio; por outro lado, a tecnologia se desenvolve por meio de novos aplicativos, ampliando e aprofundando as possibilidades de produção e disseminação de conteúdo. Segundo dados apresentados pelo Comitê Gestor de Internet no Brasil (CGI, 2012), houve um crescimento do acesso ao computador nos domicílios brasileiros. A proporção de domicílios com esse equipamento, que era de 35% em 2010, cresceu para 45% em 2011, apresentando um aumento de dez pontos percentuais no período. A presença do computador na área urbana (51%) é ainda bastante superior à penetração do equipamento na área rural (16%). A pesquisa revela também que cerca de quatro em cada dez domicílios brasileiros (38%) possui acesso à Internet. Apesar de ainda não alcançar a metade dos domicílios, o

8 crescimento se mostrou expressivo 11 pontos percentuais em relação ao resultado de Em 2011, confirmou-se novamente a tendência de queda do acesso discado, enquanto as conexões de banda larga continuam apresentando crescimento. De maneira geral, a banda larga fixa (por meio das tecnologias a cabo e DSL, por exemplo) permanece o principal tipo de conexão, presente em cerca de dois terços (68%) dos domicílios com acesso à Internet. A banda larga móvel (modem 3G), por sua vez, está em 18% dos domicílios conectados. Mesmo assim, o Brasil segue a tendência mundial de crescimento de banda larga móvel, com um aumento de oito pontos percentuais em relação à medição de 2010, ao passo que as conexões de banda larga fixa permaneceram no mesmo patamar. Isso significa que, em 2011, a banda larga móvel foi a principal responsável pelo crescimento na proporção de conexões de banda larga nos domicílios brasileiros. Além disso, pela primeira vez, as conexões via banda larga móvel ultrapassaram o acesso discado: 18% contra 10%, respectivamente, conforme se observa no Gráfico 1. Figura 1. Percentual sobre o total de domicílios com acesso à Internet. Fonte: Cetic.br. A pesquisa apresentou diversos indicadores relevantes que reforçam a justificativa de oferta de um curso como o Técnico em Informática para Internet. Outro dado que justifica a oferta é o de que houve um crescimento na utilização do comércio eletrônico, fato que deve gerar emprego e demanda por profissionais que atuem no desenvolvimento de sistemas para internet em um curto período de tempo.

9 Figura 1: Proporção de indivíduos que realizaram e-commerce na internet. Fonte: Cetic.br Tais informações apontam para a necessidade de formação de profissionais especializados que possam atuar na área de Tecnologia da Informação (TI). Quanto à região Norte, quando comparada a outras regiões do Brasil, os dados apresentam uma população carente de habilidades relacionadas ao uso do computador. A constatação demonstra a necessidade e importância da criação do curso Técnico em Informática para Internet no IFAC, pois ele possibilitará a formação de profissionais com habilidades para o uso e desenvolvimento das TICs e competências exigidas para o domínio de um maior nível de complexidade em seu posto de trabalho. Além disso, em consonância com a tendência mundial, o Estado do Acre está investindo na informatização de seu processo produtivo, no intuito de manter o estado em condições plenas de produção e de concorrência, dentro do mercado globalizado, preparando quadros com qualificação necessários a modernização, em especial por meio do controle e da manipulação da hipermídia e com pessoas devidamente preparadas para os projetos vindouros. No caso especifico do município de Rio Branco, observa-se a busca contínua por cursos técnicos em instituições públicas e privadas, ou que ofereçam reconhecimento no mercado de trabalho. É com essa visão que o IFAC apresenta uma proposta que começa a suprir lacunas de formação de profissionais através da EaD com habilidades específicas que

10 o mundo do trabalho requer. Ao mesmo tempo, faculta ao seu público-alvo uma preparação para a continuidade dos estudos (em vista da formação cultural, humanística, sociológica). O IFAC possui cursos voltados para a programação de computadores e manutenção e suporte em informática. Porém, o curso objeto deste Projeto Pedagógico é uma alternativa imprescindível, tendo em vista a oferta a distância e o fato de que os negócios e a gestão de empresas requer cada vez mais um sistema moderno de integração pela rede mundial de computadores, os quais devem ser desenvolvidos por profissionais com a formação específica adequada. 2. OBJETIVOS 2.1. Geral Formar Técnicos em Informática para Internet que promovam o desenvolvimento tecnológico da sociedade, em estreita relação com atitudes profissionais éticas, críticas e ativas, com vistas a garantir a expansão das capacidades humanas em intrínseca relação com a aprendizagem técnico-científica no campo da Informática, principalmente na área de Internet Específicos Formar profissionais com habilidades para desenvolver programas de computador para internet, seguindo as especificações e paradigmas da lógica e das linguagens de programação; Capacitar profissionais para fazerem uso das ferramentas de desenvolvimento de sistemas para construir soluções que auxiliem o processo de criação de interfaces e aplicativos empregados no comércio e marketing eletrônicos; Capacitar profissionais para desenvolver e realizar a manutenção de sites e portais na internet e na intranet

11 3. PERFIL PROFISSIONAL O Técnico em Informática para Internet terá habilidades que o permitam elaborar projetos para Websites que atendam as demandas do mercado de trabalho, prover manutenção em sistemas Web já existentes, integrar áudio e vídeo em projetos de Web Design, elaborar projetos multimídia, agregando imagens estáticas com animação, criar e empreender negócios na área de informática e elaborar sistemas integrados com bases de dados para empresas, de maneira totalmente online. 4. REQUISITOS DE ACESSO O acesso ao Curso Técnico de Nível Médio em Informática para Internet na modalidade a distância dar-se-á através de Processo Seletivo, regulado por Edital próprio. Para tanto, o candidato deverá ter concluído ou estar cursando a 3ª série do Ensino Médio ou equivalente. 5. ESTRUTURA CURRICULAR 5.1. Fundamentação Legal Este Projeto Pedagógico de Curso foi elaborado em observância às seguintes legislações e normativas: Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, que define carga horária de cada formação e sua área de conhecimento, sugere abordagens para os cursos, traça perfis de formação e apresenta campos de atuação profissional; Lei n , de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional; Lei n , de 16 de julho de 2008, que altera dispositivos da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica; Lei /08, de 29 de dezembro de 2008, que cria os Institutos Federais;

12 Decreto 5.622, de 20 de dezembro de 2005, que regulamenta a oferta de Educação a Distância, conforme o artigo 80 da Lei 9.394/1996; Decreto n , de 23 de julho de 2004, que regulamenta o 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências; Resolução CNE/CEB n. 3/2008, atualizada pelo Parecer CNE/CEB n. 3, de 06 de junho de 2012, que Dispõe sobre a instituição e implantação do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos de Nível Médio; Resolução CNE/CEB n. 6, de 20 de setembro de 2012, que institui as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio; Resolução/FNDE/CD nº 36/09, que estabelece orientações, diretrizes, critérios e normas para a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa no âmbito do Sistema Escola Técnica Aberta do Brasil (Programa e-tec); Resolução/FNDE 18/2010, que atualiza o valor das bolsas de tutoria e coordenação e institui o novo Manual de Bolsistas na Rede Federal de Educação; Parecer n. 39, de 8 de dezembro de 2004, da aplicação do Decreto nº 5.154/2004 na Educação Profissional Técnica de nível médio e no Ensino Médio; Parecer CNE/CEB n. 11, de 04 de setembro de 2012, sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio; Projeto Político Pedagógico Institucional do Instituto Federal do Acre Organização Didática do Instituto Federal do Acre Atendimento aos Alunos com Deficiência O atendimento aos educandos pessoas com deficiência está previsto na Constituição Federal 1988 no Art O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de: III - atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino. A partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDBEN 9.394/96 e suas alterações foi que houve o marco do atendimento desses educando através da

13 modalidade de Educação Especial. Diz o Artº 4º e inciso III atendimento educacional especializado gratuito aos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, transversal a todos os níveis, etapas e modalidades, preferencialmente na rede regular de ensino que começou a instituir os atendimentos desses educandos. No ano de 2009 o Estado Brasileiro ratificou através do Decreto Legislativo nº 168 e seu protocolo facultativo promulgado através do Decreto nº 6.949/2009 com status de emenda constitucional, a Convenção Sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência onde a oferta de Educação Inclusiva deve respeitar as diretrizes do Art.º 24 da referida Convenção. De acordo com a Resolução nº 4 CNE/CEB Nº 4 de 2 de outubro de 2009 determina qual o público alvo da Educação Especial assim como o Decreto de 17 de novembro de 2011 que dispõe sobre a Educação Especial, o Atendimento Educacional Especializado e dá outras providências, inclusive para os Núcleos de Atendimento aos alunos/pessoas com deficiência. O atendimento prestado nos polos deve se balizar nessas legislações e outras que se fizerem pertinentes, para ofertar uma Educação Profissional, Cientifica e Tecnológica Inclusiva de qualidade a todos os alunos da Rede IFAC Organização Curricular A Organização Curricular do Curso Técnico em Informática para Internet está estruturada em três semestres e foi concebida com base nos objetivos e no perfil profissional do egresso, considerando as competências a serem desenvolvidas no mundo do trabalho pelo profissional certificado. Para a construção do matriz curricular foram observados os seguintes documentos: Resolução CNE/CEB 06/2012, Parecer CNE/CEB 11/2012 e Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. A carga horária total do Curso é de 996 horas, não havendo Estágio Curricular Obrigatório previsto na matriz. As aulas deverão ser ministradas sob responsabilidade do corpo docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), transmitidas via satélite ao vivo para o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (IFAC), conforme descrito na seção 6 deste Projeto Pedagógico de Curso.

14 5.4. Tabela da Matriz Curricular Tabela 1. Matriz Curricular do Curso Técnico em Informática para a Internet Código da disciplina Pesquisa Redes de Computadores Programação Orientada a Objetos Banco de Dados Programação para Web Total Código da disciplina 1º SEMESTRE Número de aulas Carga Horária Código da Prérequisitos disciplina DISCIPLINA A Horaaulrelógio Hora- Presenciais Distância Ambientação para EAD Português Instrumental Inglês Instrumental Ética Profissional e Cidadania Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Fundamentos de Desenvolvimento Web Lógica de Programação Total º SEMESTRE DISCIPLINA Número de aulas Carga Horária Prérequisitos A Horaaulrelógio Hora- Presenciais Distância Técnicas de Programação Estrutura de Dados Análise de Sistemas Orientação para Prática Profissional e º SEMESTRE DISCIPLINA Número de aulas Carga Horária Prérequisitos A Horaaulrelógio Hora- Presenciais Distância Interação Humano-Computador Comércio Eletrônico e Marketing Empreendedorismo Segurança, Meio Ambiente e Saúde Segurança da Informação Recursos Multimídia Técnicas Avançadas em Programação Web Projeto de Sistema Web Total Tabela 2 Resumo da Carga Horária do Curso Resumo Carga Horária Presencial 200 horas Carga Horária a Distância 796 horas Carga Horária Total 996 horas

15 6. METODOLOGIA O Curso Técnico Subsequente em Informática para Internet na modalidade a distância funcionará, quanto à metodologia, conforme descrito a seguir. As aulas serão transmitidas ao vivo, através de tecnologia via satélite, pelo IFRO aos polos do IFAC. O aluno deverá comparecer ao polo uma vez por semana para assisti-las, realizar as atividades presenciais e gerar registro de frequência. Estará presente em sala durante as aulas o Tutor Presencial, que possibilitará a participação dos alunos com questionamentos acerca do conteúdo ministrado, quando os mesmos julgarem necessário. Essa interação deverá acontecer de forma síncrona, o que garantirá ao discente que não seja prejudicado quanto à interação com o professor durante os encontros presenciais. Cada aula terá duração de 01:40 (uma hora e quarenta minutos), sendo dividida em 50 minutos de exposição do conteúdo, 30 minutos de atividades em sala e 20 minutos de interação (feedback do professor sobre o conteúdo e atividade realizada e resposta aos questionamentos dos alunos). Outros quatro encontros semanais serão registrados através do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) do IFAC, onde o aluno, assistido por Tutores a Distância, desenvolverá atividades relacionadas às disciplinas e poderá acessar o material didático e materiais complementares, entrar em contato com os professores para tirar dúvidas, interagir com colegas de curso, acessar o plano de ensino e calendário das disciplinas e outros instrumentais. As notas das disciplinas serão constituídas da soma da nota da avaliação escrita presencial, que terá peso de 60%, mais as notas das atividades de percurso no AVA, com peso de 40% da nota final. Outras informações sobre os critérios de avaliação estão descritas na seção 8 deste Projeto Pedagógico de Curso.

16 7. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTO Será concedido ao aluno o direito de aproveitamento de estudos concluídos com êxito, em nível de ensino equivalente, conforme estabelecido na Organização Didático- Pedagógica ODP 2013, artigos 177 à CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação do desempenho escolar será feita nos termos da Organização Didática Pedagógica, de forma processual, verificando o desenvolvimento dos saberes teóricos e práticos construídos ao longo do processo de aprendizagem e conforme descrito a seguir. Para a modalidade EaD, o Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005, em seu Art. 4º, estabelece: A Avaliação do desempenho do estudante para fins de promoção, conclusão de estudos e obtenção de diplomas ou certificados dar-se-á no processo, mediante: I - cumprimento das atividades programadas; II - realização de exames presenciais. 1º Os exames citados no inciso II serão elaborados pela própria instituição de ensino credenciada, segundo procedimentos e critérios definidos no projeto pedagógico do curso ou programa. 2º Os resultados dos exames citados no inciso II deverão prevalecer sobre os demais resultados obtidos em quaisquer outras formas de avaliação a distância. Para a avaliação do desempenho, deverão ser utilizados, em cada componente curricular, dois ou mais instrumentos de avaliação diferentes entre si, elaborados pelo professor, sendo um deles, obrigatoriamente, a avaliação escrita presencial. Dentre os instrumentos e técnicas de avaliação que poderão ser utilizados destacamse o diálogo, a observação, a participação, as fichas de acompanhamento, os trabalhos individuais e em grupo, testes, provas, atividades práticas e a auto avaliação. Nessa perspectiva, a avaliação deverá contemplar os seguintes critérios:

17 Domínio de conhecimentos (assimilação e utilização de conhecimentos na resolução de problemas, transferência de conhecimentos, análise e interpretação de diferentes situações problemas). Participação (interesse, comprometimento e atenção aos temas discutidos nas aulas, estudos de recuperação, formulação e/ou resposta a questionamentos orais, cumprimento das atividades individuais e em grupo, externas e internas à sala de aula). Criatividade. Auto avaliação (forma de expressão do autoconhecimento do discente acerca do processo do estudo, interação com o conhecimento, das atitudes e das facilidades e dificuldades enfrentadas tendo por base os incisos I, II e III). Análise do desenvolvimento integral do discente no período letivo. Outras observações registradas pelos docentes. O discente do Curso Técnico de Nível Médio na forma Subsequente só será considerado aprovado no período semestral se possuir frequência igual ou superior a 75% no cômputo da carga horária total do semestre, bem como média igual ou superior a 70 (setenta) em cada disciplina. 9. DIPLOMA Após integralizar todas as disciplinas e demais atividades previstas neste Projeto Pedagógico de Curso, o aluno fará jus ao Diploma de Técnico em Informática para Internet. 10. INFRAESTRUTURA 10.1 Da Diretoria Sistêmica de Programas Especiais O IFAC, através da DSPES, dispõe dos seguintes equipamentos tecnológicos e instalações para a gestão de seus cursos a distância:

18 Tabela 3. Equipamentos da DSPES Item Equipamentos Quantidade 1 Computador all-in-one 20 2 Ilhas de Edição 6 3 Impressora multifuncional 3 4 Projetor de imagens 2 Tabela 4. Instalações da DSPES Item Instalações Quantidade 1 Salas para coordenações 6 2 Salas para apoio administrativo 2 3 Sala de reuniões e capacitações 1 4 Sala para arquivamento de materiais 1 5 Depósito Dos Polos O IFAC dispõe de uma estrutura tecnológica padronizada em todos os polos, contando com, no mínimo, os seguintes equipamentos e instalações: Tabela 5. Equipamentos nos Polos Item Equipamentos Quantidade 1 Computador all-in-one 40 2 Impressora multifuncional 1 3 Projetor de imagens 1 4 Antena e receptor de imagem digital 1 5 Caixa de som e amplificador de potência 1 Tabela 6. Instalações nos Polos Item Instalações Quantidade 1 Salas de aula 1 2 Laboratório de informática 1 3 Sala da coordenação do polo 1 4 Biblioteca PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO ADMINISTRATIVO A tabela a seguir descreve as funções atuantes no contexto do ensino, no curso, e as relaciona com a quantidade de profissionais em cada função necessários.

19 Tabela 7. Pessoal voltado ao ensino Professor Conteudista (Professor da Disciplina) Professor com formação equivalente ao conteúdo a ser trabalhado no módulo/disciplina. Tutor Presencial Profissional com formação equivalente ao conteúdo a ser trabalhado nos módulos. Tutoria a distância Profissional com formação equivalente ao conteúdo a ser trabalhado nos módulos. Quantidade / disciplina 01 Quantidade / turma 01 Quantidade / 200 alunos 01 A tabela a seguir descreve a quantidade de pessoal atuando em funções técnicoadministrativas para o funcionamento do curso. Tabela 8. Pessoal Técnico-Administrativo Equipe Técnica Quantidade Coordenação de Curso 01 Coordenador Adjunto de Curso 01 Coordenador de Polo 01

20 12. ANEXOS 12.1 ANEXO I s PLANO DE DISCIPLINA CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA A INTERNET SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO SEMESTRE: 1º CARGA HORÁRIA: 40 DISCIPLINA: AMBIENTAÇÃO PARA EAD Concepções e legislação em EaD. Ambiente Virtual de Ensino-Aprendizagem. Ferramentas para navegação e busca na Internet. Metodologias de estudo baseadas nos princípios de autonomia, interação e cooperação. BORBA, M.C., Malheiros, A.P.S., ZULATTO, R. B.A. Educação a distância online. 2. ed. Belo Horizonte: Autentica, MAIA, Carmem; MATTAR, João. ABC da EAD: a educação à distância hoje. São Paulo: Makron Books, MATTAR, João. Guia de educação à distância. São Paulo: Cengage Learning, PIMENTEL, N. M. Introdução à educação à distância. Florianópolis: SEAD/UFSC, BARBOSA, Rommel Melgaço. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, BELLONI, Maria Luísa. Educação a Distância. 5. ed. Campinas/SP: Autores Associados, FIORENTINI, Leda Maria Rangearo; MORAES, Raquel de Almeida Moraes (orgs.). Linguagens e Interatividade na Educação a Distância. Rio de Janeiro: DP&A, MAIA, Carmem; MATTAR, João. ABC da EaD. São Paulo: Pearson Prentice Hall, SAWAYA, Márcia Regina. Dicionário de Informática & Internet. 3. ed. Editora Nobel, 2010.

21 PLANO DE DISCIPLINA CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO SEMESTRE: 1.º CARGA HORÁRIA: 40 DISCIPLINA: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Linguagem e comunicação. Funções da linguagem. Gêneros e tipologias textuais. Coerência e coesão. Intelecção textual. Redação científica. Textos técnicos e de instrução: pareceres, relatórios, laudos, memorandos, ofícios, s. Pontuação. Concordâncias. Regências. Ortografia. CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 48. ed. São Paulo: Nacional, FAULSTICH, Enilde L. de Jesus. Como Ler, Entender e Redigir um Texto. 22. ed. Petrópolis: Vozes, FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. 17. ed. São Paulo: Ática, KOCH, Ingedore G. Villaça; TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A Coerência Textual. São Paulo: Contexto, INFANTE, Ulisses. Do Texto ao Texto: Curso prático de leitura e redação. São Paulo: Scipione, MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúcia Scliar. Português Instrumental: De acordo com as atuais normas da ABNT. 29. ed. São Paulo: Atlas, MEDEIROS, João Bosco. Português Instrumental. 8. ed. São Paulo: Atlas, Redação Científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 11 ed. São Paulo: Atlas, MESQUITA, Roberto Melo. Gramática da Língua Portuguesa. 8. ed. São Paulo: Saraiva, PLANO DE DISCIPLINA CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO SEMESTRE: 1º CARGA HORÁRIA: 40 DISCIPLINA: INGLÊS INSTRUMENTAL Estratégias e técnicas de leitura. Uso do dicionário bilíngue. Vocabulário e sintaxe em contextos significativos. Itens lexicais e categoriais. Funções linguísticas. A língua inglesa aplicada ao campo da informática. Estrutura textual. GALLO, Ligia Razera. Inglês instrumental para informática. São Paulo: Ícone, MARQUES, Amadeu. Dicionário Inglês/Português, Português/Inglês. 2. ed. São Paulo: Ática SELLEN, Derek. Grammar World. Black Cat & SBS, MUNHOZ, Rosangela. Inglês instrumental. São Paulo: Textonovo, Mód. 1. MUNHOZ, Rosangela. Inglês instrumental. São Paulo: Textonovo, Mód. 2. SOUZA, Adriana Grade Fiori et al. Leitura em Língua Inglesa: uma abordagem instrumental. 2. ed. São Paulo: Disal SCHUMACHER, Cristina; COSTA, Francisco Araújo da; UCICH, Rebecca. O Inglês na Tecnologia da Informação. Disal Editora, SWAN, Michael. Practical English Usage. 3. ed. São Paulo: Oxford University Press

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

2. FOWLER, Martin; SCOTT, Kendall. UML Essencial. São Paulo: Bookman, 2005.

2. FOWLER, Martin; SCOTT, Kendall. UML Essencial. São Paulo: Bookman, 2005. 3º semestre INF302 - Análise e Modelagem de Sistemas I Análise e Modelagem de Sistemas I Identificação: INF302 Semestre: 1º Carga Horária 60 horas Número de Aulas: 72 aulas Aulas 52 aulas Aulas práticas:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL DE PROGRAMADOR WEB Campus Lages Junho/2014 Parte 1 (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE 1. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS ANEXO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS ANEXO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS ANEXO Este Anexo integra o Edital Nº 35/2007, que disciplina o Concurso Público destinado ao provimento

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de AUXILIAR ADMINISTRATIVO. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de AUXILIAR ADMINISTRATIVO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante)

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS CONTINENTE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM GESTÃO

Leia mais

Pedido de modificação da matriz curricular do curso subsequente em informática do IF Goiano Câmpus Ceres

Pedido de modificação da matriz curricular do curso subsequente em informática do IF Goiano Câmpus Ceres SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS CERES Pedido de modificação da matriz

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Fundamentos de Programação Web para Multimídia. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Fundamentos de Programação Web para Multimídia. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 109/2014-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 03/11/2014 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 109/2014-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 03/11/2014 I RELATÓRIO: INTERESSADO: INTERFACE CURSOS E CONSULTORIA RECIFE/PE ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGIMENTO, DA PROPOSTA PEDAGÓGICA E DO PLANO DO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS

Leia mais

Ementário das Disciplinas

Ementário das Disciplinas Ementário das Disciplinas As ementas das disciplinas estão agrupadas em semestres para uma melhor visualização da organização da matriz curricular. As referências bibliográficas serão especificadas no

Leia mais

análise e desenvolvimento de sistemas Arquitetura e Sistema OO

análise e desenvolvimento de sistemas Arquitetura e Sistema OO análise e desenvolvimento de sistemas Arquitetura e Sistema OO :: Análise e Desenvolvimento Arquitetura e Sistema OO de Sistemas :: apresentação :: O novo Projeto Integrado Em 2001, a Faculdade Radial

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções:

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções: PLANO DE ENSINO 1. Identificação Curso: Tecnologia em Desenvolvimento de Software Disciplina: Estrutura de Dados Professor: Msc. Tiago Eugenio de Melo CPF: Regime de Trabalho: 40h CH. Semestral: 100h Siape:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Identificação: INF201 Semestre: 1º Carga Horária: 60 horas Número de Aulas: 72 aulas Aulas Teóricas:

Identificação: INF201 Semestre: 1º Carga Horária: 60 horas Número de Aulas: 72 aulas Aulas Teóricas: 2º SEMESTRE INF201 - Banco de dados I Banco de dados I Identificação: INF201 Semestre: 1º Carga Horária: 60 horas 20 aulas Aulas práticas: 52 aulas Fornecer conhecimentos sobre a concepção, utilização,

Leia mais

Plano de Ensino. CARGA HORÀRIA: 60 horas. ANO/SEM DA TURMA: 4º Semestre TURNO: noturno TURMA: 22 EMENTA

Plano de Ensino. CARGA HORÀRIA: 60 horas. ANO/SEM DA TURMA: 4º Semestre TURNO: noturno TURMA: 22 EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU: ( )integrado ( X)subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIAS

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIAS EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIAS 1º SEMESTRE LIN-101 Linguagem e Expressão Unidade Curricular: Linguagem e Expressão Identificação: LIN-101 Semestre: 1º Carga Horária: 30 horas Número de Aulas: 36 aulas Aulas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA COMDATA EDITAL N.º 001/07 PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO MÉDIO

CONCURSO PÚBLICO COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA COMDATA EDITAL N.º 001/07 PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO MÉDIO PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA - PROVA COMUM A TODOS OS CARGOS DE ENSINO MÉDIO 1 Interpretação textual Metáfora, metonímia, ambigüidade, ironia, denotação e conotação, pontos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA EMENTAS DA 3ª. ETAPA Núcleo Temático: PROGRAMAÇÃO Disciplina: ESTRUTURA DE DADOS 108 há ( 72 ) Teóricas ( 36 ) Práticas Tipos abstratos de dados. Estudo das estruturas lineares: pilhas, filas e listas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Componente Curricular: Informática e Português Instrumental Carga Horária: 90h Período Letivo: 2015/01

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO: INTERESSADO: SENAC CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO RECIFE JOÃO RODRIGUES MAIA ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO E SUPORTE DE REDES E DE SISTEMAS

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE P101 Desenvolvimento Web 80 CE05 CE06 P102 Língua Portuguesa 40 CG08 CG13 P103 Algoritmos e Lógica de Programação 80

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO CAMPUS:SANTO AUGUSTO DIREÇÃO GERAL: VERLAINE GERLACH DIREÇÃO DE ENSINO:MARINÊS HAMES COORDENAÇÃO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi -97110-767

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Espaço destinado

Leia mais

Planos de Ensino/Planos de Trabalho Docente

Planos de Ensino/Planos de Trabalho Docente Planos de Ensino/Planos de Trabalho Docente EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

Curso Técnico em Informática para Internet. Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis

Curso Técnico em Informática para Internet. Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis Curso Técnico em Informática para Internet Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis Rede Escola Técnica Aberta do Brasil Programa nacional MEC (SEED/SETEC) - Decreto No.6301 de 12/12/2007

Leia mais

Plano de Ensino TURMA: 1 /2013 EMENTA

Plano de Ensino TURMA: 1 /2013 EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Proporcionar uma visão geral da metodologia de Sistemas Operacionais.

Proporcionar uma visão geral da metodologia de Sistemas Operacionais. ANO 3 5º Período Sistema Operacional 1.Identificação: Identificação Disciplina Carga Horária Sistema Operacional 72 h/a Créditos 4 2.Ementa: Histórico da Criação e Evolução dos Sistemas Operacionais. Conceitos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Nome da Disciplina: Lingua Estrangeira Moderna Inglês

Nome da Disciplina: Lingua Estrangeira Moderna Inglês Nome da Disciplina: Lingua Estrangeira Moderna Inglês Ementa: Leitura de Textos Acadêmicos: capacitar o aluno para compreender textos em língua inglesa, em sua área de atuação, desenvolvendo estratégias

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO ACADÊMICA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO ACADÊMICA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO ACADÊMICA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR TUTOR A DISTÂNCIA A Reitoria da Universidade

Leia mais

ANEXO I ESTRUTURA CURRICULAR E EMENTA DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SUBSEQUENTE CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA - SUBSEQUENTE. Introdução à Informática

ANEXO I ESTRUTURA CURRICULAR E EMENTA DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SUBSEQUENTE CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA - SUBSEQUENTE. Introdução à Informática ANEXO I ESTRUTURA CURRICULAR E EMENTA DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SUBSEQUENTE ESTRUTURA CURRICULAR CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA - SUBSEQUENTE Componentes Curriculares Introdução à Informática Aplicativos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Programador de Dispositivos Móveis

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Programador de Dispositivos Móveis PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Programador de Dispositivos Móveis Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor

Leia mais

Curso: Tecnologia em Sistemas para Internet. PLANO de ENSINO. DISCIPLINA CÓD. DISCIPLINA PROFESSOR Programação para Web I G2116 Fabiano Alves de Souza

Curso: Tecnologia em Sistemas para Internet. PLANO de ENSINO. DISCIPLINA CÓD. DISCIPLINA PROFESSOR Programação para Web I G2116 Fabiano Alves de Souza Campus: Engenheiro Coelho Curso: Tecnologia em Sistemas para Internet PLANO de ENSINO DISCIPLINA CÓD. DISCIPLINA PROFESSOR Programação para Web I G11 Fabiano Alves de Souza ANO/SEMESTRE CRÉDITOS CARGA

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Programação

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação 1. Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado principalmente a alunos graduados em cursos da área de Educação (Pedagogia

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU:( X ) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição PLANO DE CURSO Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Montador e Reparador de Computadores Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor

Leia mais

ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário

ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário EDITAL 035/2013 DE 22 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO/TEMPORÁRIO ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário Área Libras Informática (Hardware/Redes

Leia mais

Coleção Guias para a Comunicação da Unipampa. Guia. Conteúdo Mínimo para os Sites dos Cursos. Julho de 2015

Coleção Guias para a Comunicação da Unipampa. Guia. Conteúdo Mínimo para os Sites dos Cursos. Julho de 2015 Coleção Guias para a Comunicação da Unipampa Guia 5 Conteúdo Mínimo para os Sites dos Cursos Julho de 2015 Coleção Guias para a Comunicação da Unipampa Guia 5 Conteúdo Mínimo para os Sites dos Cursos Julho

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO A Comissão Responsável pela Realização do Concurso Público regido pelo Edital 041/2007 faz saber

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 1º Semestre: 1º Ano: 2011 Disciplina: Programação de Computadores I (PGC21) Carga Horária: 72 horas/aula

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 1º Semestre: 1º Ano: 2011 Disciplina: Programação de Computadores I (PGC21) Carga Horária: 72 horas/aula PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistemas de Informação Professores: Carlos Alberto Zorzo zorzo@uniarp.edu.br Período/ Fase: 1º Semestre:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU:( X ) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA)

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA) MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: ) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS MÍNIMO:

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

DISCIPLINA: CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES

DISCIPLINA: CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES Semestre 5 Válido somente com assinatura e carimbo do IFCE Cód. Disciplina Créditos Horas Nat. Prérequisitos Teóricos Práticos TELM.066 Construção de Compiladores 2 2 80 OBR TELM.061 TELM.067 Sistemas

Leia mais

MARIA ELAINE MENDES LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS TÉCNICOS EM LÍNGUA PORTUGUESA

MARIA ELAINE MENDES LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS TÉCNICOS EM LÍNGUA PORTUGUESA MARIA ELAINE MENDES LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS TÉCNICOS EM LÍNGUA PORTUGUESA Campos Belos 2015 Vicente Pereira de Almeida Reitor Claudecir Gonçalves Pró-Reitor de Administração e Planejamento Elias de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( ) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( X ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

DISCIPLINA: Arquitetura e Organização de Computadores II 2ECOM.027

DISCIPLINA: Arquitetura e Organização de Computadores II 2ECOM.027 DISCIPLINA: Arquitetura e Organização de Computadores II CÓDIGO: 2ECOM.027 Validade: a partir do 1º semestre de 2007 Carga Horária: Total: 0 h/a Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Novos itens disponíveis para empréstimo na biblioteca Mês de referência: Fevereiro 2015

Novos itens disponíveis para empréstimo na biblioteca Mês de referência: Fevereiro 2015 Novos itens disponíveis para empréstimo na biblioteca Mês de referência: Fevereiro 015 Capa do livro Obra Quantidade ROB, Peter Sistemas de banco de dados: projeto, implementação e administração - São

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática Qualificação:

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática Qualificação:

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de RECEPCIONISTA. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de RECEPCIONISTA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011 INTERESSADA: EFORTE ESCOLA DE FORMAÇÃO TÉCNICA E EMPRESARIAL RECIFE/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS: TÉCNICO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2011. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA - TARDE. Professora: Ms. Eveline Batista Rodrigues

Plano de Trabalho Docente 2011. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA - TARDE. Professora: Ms. Eveline Batista Rodrigues Plano de Trabalho Docente 011 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA - TARDE

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE 2009/2010 I. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais