Seminário I. Doutoramento em CTI Ciências e Tecnologias de Informação. Área de especialização: Sistemas de Informação - Negócios Eletrónicos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário I. Doutoramento em CTI Ciências e Tecnologias de Informação. Área de especialização: Sistemas de Informação - Negócios Eletrónicos."

Transcrição

1 Seminário I Doutoramento em CTI Ciências e Tecnologias de Informação Área de especialização: Sistemas de Informação - Negócios Eletrónicos Tema: A adoção de aplicações informáticas com caraterísticas de jogos online: Uma perspetiva no setor do e-banking em Portugal. Aluno: Luís Filipe Rodrigues Orientador: Professor Doutor Carlos Costa Coorientador: Professor Doutor Abílio Oliveira ISCTE, Lisboa, 2014

2 Índice 1 Introdução Tema / Problemática Questão de partida Justificação e motivação Contribuição teórica e prática Revisão da literatura / Enquadramento teórico Jogos online E-commerce Jogos sérios no contexto das vendas Gamification O e-banking e os jogos O e-banking e o web design Objetivos principais e breve plano de investigação Investigação empírica Estudo 1 - Adoção de aplicações informática de negócio com características de jogo Objetivos Apresentação Enquadramento teórico e hipóteses Metodologia Resultados Estudo 2 O desenho do e-banking com características de jogo Objetivos Apresentação Enquadramento teórico e hipóteses Metodologia Resultados Conclusão possível e Investigação futura Referências Anexos Anexo 1 - Questionário do Estudo Anexo 2 - Questionário do Estudo Anexo 3 - Questionário do Estudo Anexo 4 - Plano do desenvolvimento da investigação

3 Índice de Figuras Figura 1. Modelo conceptual inicial (Fonte: Adoptado de Wakefield et al., 2011) Figura 2. Modelo conceptual com duas novas relações causais, H11 e H Figura 3. Resultado do teste ao modelo conceptual adoptado (cf. Figura 1) Figura 4. Modelo conceptual proposto para o e-banking com características de jogo Figura 5. Resultado do teste ao modelo conceptual do Estudo Figura 6. Modelo conceptual explicativo da adoção do e-banking Figura 7. Plano de investigação Índice de Tabelas Tabela 1. Constructos do Estudo Tabela 2. Hipóteses a testar na primeira fase do Estudo Tabela 3. Constructos do Estudo Tabela 4. Hipóteses a testar no Estudo

4 1 Introdução Este trabalho tem como objetivo principal identificar os fatores que influenciam a adoção de aplicações informáticas com características de jogos online no e-banking. A questão de investigação centra-se em averiguar o impacto de aplicações informáticas com características de jogos, no sector bancário em Portugal, nos clientes e no negócio eletrónico. A evolução tecnológica no desenvolvimento de aplicações informáticas e o aumento de utilizadores da internet têm levado nos últimos anos à evolução do e-banking, transformando o modo tradicional como os bancos realizam os seus negócios, bem como a forma e o meio como os clientes executam as suas atividades bancárias (e.g. Eriksson et al., 2008). Esta tentativa constante de estar próximo do que os clientes gostam, visa incentivar nestes a utilização do e- banking e a fidelização ao banco. Neste sentido, as empresas procuram desenvolver e/ou alterar as suas aplicações informáticas de modo a incluírem caraterísticas apreciadas pelos clientes dos jogos online (e.g. Sayar & Wolfe, 2007). Pretende-se que esta investigação contribua para o desenvolvimento de um modelo conceptual explicativo da adoção do e- banking com caraterísticas associadas aos jogos online. Keywords: e-banking, gamification, online games, web design, e-commmerce, software development, technology acceptance. 1.1 Tema / Problemática Apesar do aumento dos serviços e produtos disponibilizados no e-banking, ainda existem fatores que condicionam a adesão e a fidelidade dos clientes, nomeadamente ao nível social (cultura, tradição e educação), económico (informação, rentabilidade e segurança) e pessoal (facilidade de utilização, aprendizagem, prazer e utilidade) (Yang et al., 2009). Os jogos online têm elevada aceitação social, são fáceis de utilizar e de aprender, são financeiramente rentáveis, transmitem sensações de prazer, e induzem a comportamentos e atitudes que levam a uma maior fidelização dos utilizadores (Yoon, 2009). Os jogos têm igualmente uma boa aceitação social, suscitam baixa resistência cultural e são bem aceites pelos clientes de acordo com a teoria das cinco forças principais na adoção de um jogo (e.g. Smith, 2006). Tendo em conta, por um lado, o sucesso dos jogos online e, por outro, as dificuldades verificadas na adesão ao e-banking, iremos estudar as características e elementos mais apreciados pelos clientes, através de vários estudos, devidamente enquadrados, que englobam o desenvolvimento de aplicações informáticas e testes às mesmas, bem como a construção e aplicação de questionários os dados obtidos com estes, após tratamento estatístico adequado (e especificado nos estudos) permitirão validar o modelo teórico-conceptual explicativo que 3

5 iremos adotar e desenvolver (propondo melhorias), partindo do modelo TAM (Technology Acceptance Model) (Davis, 1989). Esperamos que os resultados obtidos nos permitam selecionar as características e elementos essenciais que devem incluir-se no web design de aplicações gamificadas no sector da banca eletrónica, propondo novas variáveis (ou identificando relações) no TAM, que incitem os clientes a uma maior utilização e fidelização do e-banking e, por consequência, conduzam ao aumento dos negócios eletrónicos. 1.2 Questão de partida O sucesso comercial das aplicações informáticas de jogos online, e a sua influência no comportamento dos utilizadores, em termos de confiança, prazer, facilidade de utilização e fidelidade (Wu & Li, 2007), leva-nos a considerar que o desenvolvimento de aplicações de negócio com características de jogos poderá também influenciar os clientes de e-banking a utilizarem mais este serviço, com maior nível de fidelização. Esta temática, centrada nos jogos e nos negócios eletrónicos, sugere-nos uma grande questão: Qual o impacto de aplicações informáticas com caraterísticas de jogos no e-banking? Esta questão principal conduz a outra pergunta importante: Quais os elementos, características ou variáveis que podem influenciar o nível de utilização do e-banking com características de jogos? 1.3 Justificação e motivação É necessário compreender-se quais as variáveis que mais contribuem para melhorar a fidelidade dos clientes, e aumentar a sua participação nos negócios online (Zhou et al., 2007). Embora assistamos a uma crescente competitividade no e-business, ainda está por analisar o desenvolvimento da lealdade do cliente, no contexto do e-banking (e.g. Casaló et al., 2008). As pesquisas sobre as características do e-banking são ainda insuficientes para determinar quais são as variáveis (do desenho de um website ou web design) mais relevantes ou que mais incitam os clientes a uma maior utilização (Zollet & Back, 2010). É aqui que os jogos podem dar um contributo importante, pelas caraterísticas e elementos que estes oferecem, em diferentes contextos (e.g. Deterding et al., 2011). Espera-se que os estudos que planeamos, sobre a influência das variáveis e características dos jogos online, evidenciem orientações fundamentais para o web design e o desenvolvimento de aplicações informáticas, que promovam a utilização do e-banking e uma maior fidelização dos clientes. São estas as principais motivações que justificam a presente pesquisa empírica. 4

6 1.4 Contribuição teórica e prática Centramo-nos no estudo das variáveis que influenciam a aceitação da utilização de aplicações de negócio gamificadas, partindo do modelo de aceitação tecnológica (TAM). O TAM é um modelo de estudo comportamental na área dos sistemas de informação, para compreender as relações causais entre variáveis externas de aceitação dos utilizadores e a utilização real de um determinado sistema (e.g. Davis, 1989). Partindo deste modelo, e com base nos resultados dos estudos a realizar e que descreveremos na parte empírica, visamos identificar novas dimensões/variáveis e avaliar as relações entre as variáveis envolvidas: as originais e as que venhamos a identificar. Pretendemos assim contribuir para o desenvolvimento de um modelo conceptual explicativo da adoção de aplicações com características de jogo online, que incluirá novas dimensões que identifiquem os fatores que influenciam a intenção de utilização do e-banking. Esperamos que o modelo a desenvolver acrescente à literatura atual os fatores críticos que conduzam à aceitação e adoção do e-banking com caraterísticas de jogos. Este know-how ajudará a determinar quais os tipos de jogos e os elementos a incluir em futuras aplicações informáticas de suporte ao e-commerce. Este projeto visa também dar um contributo prático para o setor bancário, de modo a expandir os seus websites com aplicações informáticas inovadoras, e a aumentar a sua utilização e a fidelidade dos clientes. 2 Revisão da literatura / Enquadramento teórico A evolução tecnológica e a crescente adesão dos utilizadores a serviços online criam boas condições para o desenvolvimento de websites de e-commerce. Sabendo-se que as características de design relacionadas p.e. com a atratividade ou funcionalidade de uma página e os elementos dos jogos online associados p.e. à interação com os utilizadores, recorrendo a meios multimédia numa aplicação, podem levar a uma maior utilização da mesma pelos clientes (Ahmad & Hasan, 2011), justifica-se explorar como os jogos online podem de facto influenciar o aumento de utilização dos sistemas de e-banking, contribuindo para o sucesso comercial. Para o compreendermos devemos abarcar, e cruzar, na revisão de literatura, as várias temáticas aqui interrelacionadas (jogos, internet, e-commerce, e-banking, gamification, web design). 2.1 Jogos online Os jogos têm um enorme impacto social e envolvem milhões de pessoas, sendo premente aprofundar a pesquisa sobre as suas características e a influência que têm nos utilizadores (King et al., 2010). Os estudos sobre jogos são uma resposta académica para as questões da indústria de entretenimento, relacionadas com o desenvolvimento e venda destes produtos 5

7 (Konzack, 2007). Os jogos online crescem em importância como aplicações informáticas de negócios eletrónicos, daí cada vez mais profissionais e académicos realçarem ser essencial compreender as motivações e o comportamento dos jogadores/utilizadores (Wu & Liu, 2007). 2.2 e-commerce Nos últimos anos, temos assistido a um assinalável incremento do comércio e dos serviços eletrónicos, suportados em redes de organizações globais (Cyr et al., 2007). Porém, subsistem vários fatores e barreiras à adoção do e-commerce, em particular no relacionamento humano com o virtual, e na resistência à aquisição de produtos e serviços (Vasconcelos-de-Oliveira & Palma-dos-Reis, 2006). A expansão do e-commerce é positiva para quem o fomenta, e para os utilizadores (pelo fácil acesso ao que procuram) (Dixit & Datta, 2010). 2.3 Jogos sérios no contexto das vendas Os jogos que visam influenciar uma mudança (atitude, conhecimento, capacidade física, capacidade cognitiva, saúde ou bem-estar mental) nos utilizadores são designados como sérios (McCallum, 2012). Estes recorrem a características dos jogos lúdicos para fornecer aos clientes uma experiência de interação, com a promoção e a transação de produtos, onde o entretenimento e a venda estão perfeitamente integrados numa só aplicação informática (Gee, 2005). As aplicações informáticas que sustentam os jogos sérios permitem aprender e realizar operações num interface apelativo e não disruptivo com a realidade (Dickey, 2005). Porém, falta verificar quais são as características e os elementos dos jogos online que os utilizadores mais valorizam (King et al., 2010). 2.4 Gamification Gamification é o uso de elementos de desenho de jogo em contextos de não-jogo (Deterding et al., 2011). O termo tem origem na indústria dos jogos online, e é um entre vários conceitos pioneiros que desempenham um papel fundamental na orientação e gestão de incentivos, que as melhores empresas mundiais colocam ao dispor dos clientes. Dada a necessidade de compreender o que os clientes procuram num website de negócios, é importante para os investigadores de sistemas de informação desenvolver uma diversidade de páginas web e de aplicações de negócios, para testar, registar e medir as perceções dos clientes e os fatores que influenciam a sua intenção de utilização e satisfação (e.g. Straub & Watson, 2001). 2.5 O e-banking e os jogos O e-banking tem tido um crescimento significativo e tornou-se um dos principais canais dos bancos para a distribuição de produtos e serviços (Amato-McCoy, 2005). Os bancos são 6

8 reconhecidos como inovadores e impulsionadores de estratégias de internet ativas, em resposta a pressões competitivas de empresas de serviços financeiros não bancários e ao contínuo avanço da internet (Singer et al., 2012). Os progressos nas tecnologias da informação têm levado à evolução do e-banking (Wong et al., 2009). No entanto, o sucesso é relativo, porque apesar do aumento de utilização da internet e do investimento tecnológico na banca eletrónica a utilização destes serviços pelos clientes bancários ainda é reduzida (Al- Ajam & Nor, 2013). A gamificação pode tornar o processo de banca mais divertido, interativo e participativo, levando os clientes a ter comportamentos e atitudes que conduzam à realização de operações financeiras e ao aumento de utilização do e-banking. A investigação sobre a adoção da gamificação no e-banking exige, para além de uma ampla revisão da literatura, o desenvolvimento de aplicações informáticas com características de jogos, e o estudo das perceções dos clientes, face a estas mesmas aplicações. 2.6 O e-banking e o web design Um website é um poderoso meio para distinguir produtos bancários, criando competências distintas dos concorrentes (Singer et al., 2005). Os websites dos bancos também devem centrar-se no seu conteúdo como um dos principais fatores que concorrem para a repetição das visitas (Sam & Tahir, 2009). O web design de um sistema de banca eletrónica coloca várias questões que devem ser estudadas com o objetivo de desenvolver websites que apoiem mais o cliente no processo de compra (Nah & Davis, 2002). Poucos estudos analisaram as perspetivas dos clientes sobre o web design e as suas características (Loiacono et al., 2007), e ainda não existe um consenso sobre quais são as mais importantes e que mais influenciam a utilização de um website (Ganguly et al., 2010). É precisamente no sentido de aclarar estas características que este trabalho também pretende constituir um contributo. 3 Objetivos principais e breve plano de investigação Tendo em conta a questão de partida e a revisão de literatura, visamos: 1. Verificar os fatores que facilitam a utilização de uma aplicação informática de negócio no e-banking - o que passa por testar as hipóteses de um modelo conceptual explicativo (cf. Figura 1) da intenção de utilização de aplicações de negócio no e- banking com características de jogo online (Estudo 1) Testar uma alteração ao modelo conceptual (cf. Figura 2) na relação da perceção de prazer e da utilidade na facilidade de utilização (Estudo 1). 1 Recorremos ao modelo de equações estruturais, como técnica da análise de dados 7

9 3. Determinar qual o impacto da utilização de aplicações de negócios com características de jogo no negócio eletrónico do banco (Estudo 1). 4. Propor e testar (também recorrendo à técnica de análise do modelo de equações estruturais) as hipóteses de um novo modelo explicativo, com base no TAM (cf. Figura 4), da influência da gamificação na adoção do e-banking (Estudo 2). 5. Determinar quais os elementos e as características das aplicações de negócio gamificadas mais apreciadas pelos clientes/utilizadores (Estudos 1 e 2). De modo a alcançar estes objetivos, planeámos, nesta fase, a realização de dois estudos resumidos em seguida sendo adotados, em cada um, os métodos e as técnicas apropriadas de recolha e tratamento de dados. Como resultado global da investigação será proposto um modelo conceptual desenvolvido a partir do modelo TAM que permita compreender a influência da gamificação no e-banking. 4 Investigação empírica 4.1 Estudo 1 - Adoção de aplicações informática de negócio com características de jogo Objetivos Este estudo tem como objetivo central a análise das variáveis influenciadoras na adoção de uma aplicação informática de negócio no e-banking. Assim: 1) Primeiro, será testado o modelo conceptual TAM inicialmente adotado (cf. Figura 1); 2) Depois, será testado o modelo conceptual alterado, conforme os resultados antes obtidos e visando analisar qual a influência do prazer e da utilidade na facilidade de utilização(cf. Figura 2); 3) e por último será estudado qual o tipo de impacto no negócio eletrónico resultante da utilização de uma nova aplicação informática (por nós desenvolvida) com características de jogo Apresentação Começámos por desenvolver uma aplicação informática de gestão de fundos de investimentos baseada numa animação digital de um jogo de futebol, em que uma carteira de fundos de investimentos é representada como uma equipa de jogadores de futebol. Os fundos de investimentos, ou jogadores de futebol, são distribuídos no campo de jogo de acordo com a classificação de risco atribuída a cada fundo de investimento específico. O jogo pretende retratar um campeonato de futebol com jornadas semanais, sendo a pontuação a valorização da carteira, semana a semana; semanalmente é apresentada a classificação dos clientes. Esta aplicação foi somente utilizada por clientes com carteira real de investimentos. Para medirmos as perceções (ou opiniões) dos clientes após interagirem com esta aplicação gamificada, e 8

10 aferirmos as variáveis influenciadoras ou que mais se salientaram com um respetivo impacto no negócio, recorremos a um questionário com 23 perguntas (cf. Anexo 1), ao qual os clientes responderam após jogarem. Recolhemos e compilámos igualmente, numa base de dados, os acessos dos clientes ao website e as operações realizadas durante o jogo. Estes dados foram operacionalizados de acordo com o modelo conceptual adotado (cf. Figura 1), sendo testadas as dimensões em análise. Determinámos assim o impacto no negócio eletrónico pela utilização da aplicação gamificada. Figura 1. Modelo conceptual inicial (Fonte: Adotado de Wakefield et al., 2011) Enquadramento teórico e hipóteses Com base na revisão da literatura, estudamos as relações causais entre os 5 constructos (cf. Tabela 1) do modelo conceptual de Wakefield et al. (2011) (cf. Figura 1) utilizado no estudo de utilização de um website de e-commerce e porque inclui variáveis semelhantes ao nosso estudo, nomeadamente a socialização e o prazer. Tabela 1. Constructos do Estudo 1. Constructos Sigla Var. Descrição Autores Socialização PSOC 5 Experiências online interativas, com elementos e Prendinger características associadas aos humanos (e.g. Avatares & Ishizuka, ou conteúdos que exibem emoções ou ferramentas de 2004 comunicação entre o sistema e as pessoas) Facilidade de utilização PEOU 4 Grau em que o utilizador acredita poder utilizar um determinado sistema sem esforço Davis, 1989 Prazer na PENJ 5 Mede o prazer de utilização de uma tecnologia, sem Davis et utilização considerar as consequências do seu desempenho al., 1992 Utilidade PUSE 4 Grau em que o utilizador considera que a utilidade de um Davis, Intenção de utilização dado sistema contribui para aumentar o seu desempenho PINT 5 Influência e atitude comportamental dos utilizadores para a eventual intenção de utilizar uma tecnologia 1989 Davis,

11 Na primeira fase deste estudo foi testado o modelo (cf. Figura 1) com as seguintes 10 hipóteses (no estudo de Wakefield et al., 2011, não foram testadas as 4 hipóteses assinaladas com * ): Tabela 2. Hipóteses a testar na primeira fase do Estudo 1. Hipótese Relação causal Hipótese Relação causal H1 PSOC PINT H6 PENJ PINT H2 PSOC PEOU H7* PEOU PENJ H3 PSOC PUSE H8* PEOU PINT H4 PSOC PENJ H9* PUSE PINT H5 PENJ PINT H10* PUSE PENJ A perceção de facilidade de utilização e a utilidade, segundo o modelo original TAM (Davis et al., 1989), são as dimensões/variáveis que mais influenciam a intenção de adotar uma tecnologia (Suki & Suki, 2011). Alguns estudos defendem que a influência da perceção de prazer sobre a facilidade de utilização é superior à influência inversa entre estas variáveis (Sun & Zhang, 2006); no entanto estes estudos são apenas teóricos, não aplicados a casos reais e por isso os investigadores devem explorar outras direções causais (Sun & Zhang, 2006). Assim, decidimos numa segunda fase testar a influência da utilidade e do prazer na facilidade de utilização, propondo uma alteração ao modelo (cf. Figura 2) com a substituição das hipóteses H5 e H7 pelas H11 (PUSE PEOU) e H12 (PENJ PEOU). Estas hipóteses são validadas através do modelo de equações estruturais (SEM) (Gefen et al., 2000) Metodologia Participantes/utilizadores Participaram neste estudo 862 clientes/utilizadores. Os utilizadores do género masculino representam 88% da amostra e, no global, 62% têm idade entre os 25 e 40 anos e 35% mais de 40 anos. Verificámos ainda que 24% têm nível de escolaridade até ao 12º ano, 62% têm grau de licenciatura, e 14% têm habilitações de nível superior. Cada participante respondeu ao Questionário (cf. Anexo 1) disponibilizado online, após utilizar a aplicação gamificada. 2 Com base nas respostas dadas pelos participantes, e nos dados de acesso (e operações realizadas) que recolhemos, procedemos ao tratamento de dados. Técnicas de tratamento dos dados Após a análise descritiva dos dados, utilizámos o software SPSS 20 para testar a normalidade e o coeficiente Alfa de Cronbach 3, de modo a avaliar a fiabilidade dos indicadores do questionário sendo este um pré-requisito para, posteriormente se poder aplicar o modelo de 2 Tanto a aplicação como o Questionário foram previamente testados por uma pequena amostra de utilizadores; o questionário foi validado estatisticamente, não havendo qualquer dificuldade dos participantes em responder. 3 Com α=0,94, superior ao mínimo recomendado de 0,7 (cf. Hair et al., 2006). 10

12 equações estruturais (SEM) (DeVellis, 1991). O SEM validou as hipóteses colocadas e a exploração do modelo conceptual verificando a adequação dos dados à análise e para o desenvolvimento do modelo (Gefen et al., 2000). Verificámos ainda o ajuste dos dados ao modelo conceptual através da técnica estatística de AFC-Análise Factorial Confirmatória. Procedimento Numa primeira fase, partimos do modelo conceptual (Wakefield et al., 2011), que operacionaliza as variáveis por nós consideradas e a que correspondem as perguntas/indicadores incluídos no Questionário (cf. Anexo 1) e as agrupa em dimensões (cf. Tabela 1), de modo a explicar a adoção de aplicações de negócio com características de jogo (cf. Figura 1). O modelo permitiu-nos testar qual a influência dos cinco constructos em análise (perceção de socialização, facilidade de utilização, perceção de utilidade, prazer na utilização e a intenção de utilização) na intenção de utilização de uma aplicação informática de fundos de investimentos gamificada. Numa segunda fase alterámos o sentido das relações H5 e H7 e definimos as duas novas relações causais H11 e H12 (cf. Figura 2) para testar como hipóteses a influência das perceções de prazer (originada pela gamificação) e da utilidade (na gestão e compra de fundos) na facilidade de utilização (da aplicação gamificada). Figura 2. Modelo conceptual com duas novas relações causais, H11 e H Resultados Utilizando o software SPSS AMOS v.18, realizámos a AFC e um teste de qui-quadrado ao modelo (cf. Figura 1), que indicaram um bom ajuste dos dados ao modelo conceptual (Hair et al., 1995, Seyal et al., 2002): X²=180,2; (P=0.000); DF=55; RMR=0,50; GFI=0,87; CFI=0,91; IFI=0,91s. Para avaliação do grau da relação causal entre os constructos usámos o 11

13 critério de Cohen (1988) 4. Na primeira fase, testámos o modelo inicial adotado (cf. Figura 1) e verificámos pelos resultados (cf. Figura 3) que a dimensão PSOC tem uma influência positiva média sobre a PEOU (H2, ß=0,39), PUSE (H3, ß=0,43), PENJ (H4, ß=0,44) e sobre a PINT (H1, ß=0,49). A PEOU tem uma influência positiva forte sobre a PUSE (H5, ß=0,79), a PENJ (H7, ß=0,69) e também sobre a PINT (H8, ß=0,86), demonstrando que a facilidade de utilização é a variável mais importante para os clientes. Figura 3. Resultados do teste ao modelo conceptual adotado (cf. Figura 1). Na segunda fase, testamos o modelo conceptual com a alteração das relações causais antes descritas (cf. Figura 2). Os resultados indicam que os dois novos hipotéticos caminhos são estatisticamente significativos (P<0,01). PUSE influência de forma positiva média a PEOU (H11, ß=0,52) mas sendo esta menor que a da relação inversa (H5, ß=0,79). PENJ influencia positivamente PEOU (H12, ß=0,47) mas menos do que na relação inversa (H7, ß=0,69). Por último, os resultados da análise dos dados (de acesso e de operações realizadas pelos utilizadores) recolhidos durante a utilização da aplicação informática evidenciam um impacto positivo sobre o negócio: +16% de acessos de clientes; +37% de acessos de visitantes; +15% de fundos de investimentos e 11% das compras foram no jogo. 4.2 Estudo 2 O desenho do e-banking com características de jogo Após o estudo da adoção de uma aplicação gamificada passámos a estudar a influência da gamificação no website bancário, propondo um novo modelo conceptual explicativo da adoção de sistemas e-banking com um web design gamificado. 4 Critério que determina que os coeficientes de relação padronizados com valores absolutos menores que 0,1 podem indicar um "pequeno" efeito, valores em torno de 0,3 um efeito de "médio" e valores superiores a 0,5 um efeito "grande". 12

14 4.2.1 Objetivos Este estudo vem na sequência do estudo anterior sobre a influência da gamificação nas aplicações de negócio, e tem como objetivo desenvolver um modelo conceptual que justifique a adoção do e-banking com características e elementos de jogos online Apresentação Após uma revisão da literatura sobre os fatores influenciadores na adoção de websites, desenvolvemos um modelo teórico-conceptual com a pré-seleção das questões a incluir no Questionário final. Por último testámos o novo modelo (cf. Figura 4). Este estudo visa também determinar quais as características do website, que são mais apreciadas e podem influenciar o comportamento dos clientes para uma maior utilização e fidelização ao e- banking. Testámos o modelo conceptual (cf. Figura 4), com 14 hipóteses, de modo a incluir as relações entre as 6 dimensões/variáveis aqui especificamente em análise (desenho do website, facilidade de utilização, gamificação, características das páginas, informação do website e a intenção de utilização) e identificar quais as que podem influenciar a utilização do e-banking. Figura 4. Modelo conceptual proposto para o e-banking com características de jogo. As hipóteses consideradas são validadas através do SEM, e com base nas respostas a um Questionário online (cf. Anexo 2) reservado a clientes de e-banking Enquadramento teórico e hipóteses Com base na revisão da literatura e em vários modelos baseados na TAM explicativos da adoção de sistemas de e-commerce, analisamos aqui as variáveis relacionadas com o desenvolvimento de websites no contexto da gamificação. Para avaliar a influência na adoção do e-banking com características de jogo online, iremos testar 14 hipóteses agrupadas em 6 dimensões e 34 variáveis observadas (cf. Tabela 3). 13

15 Tabela 3. Constructos do Estudo 2. Constructos Sigla Var. Descrição Autores Desenho do website WD 5 O desenho do Website tem influência no Palmer, desempenho e nas atitudes dos clientes nas 2002 compras online. Facilidade de WEOU 5 É o grau ao qual o indivíduo acredita que pode Davis, 1989 utilização utilizar um determinado sistema sem esforço. Gamificação GAM 6 É o uso de elementos de desenho de jogo em Deterding contextos não-jogo. et al., 2011 Informação do website Características das páginas Intenção de utilização INF 6 É a variável que mede o prazer de utilização de uma tecnologia, sem considerar as consequências do seu desempenho. CHA 6 As características das páginas do website está diretamente relacionada com a satisfação da utilização do website. INT 6 Determina a influência e a atitude comportamental dos utilizadores para a eventual intenção de utilizar uma tecnologia. Davis et al., 1992 Wixom & Todd, 2005 Para testar as relações causais do modelo conceptual definimos as seguintes hipóteses: Metodologia Participantes/ utilizadores Tabela 4. Hipóteses a testar no Estudo 2. Hipótese Relação causal Hipótese Relação causal H1 WD INT H8 INF INT H2 INF WEOU H9 GAM WEOU H3 CHA WD H10 GAM INT H4 WD WEOU H11 GAM INF H5 CHA WEOU H12 GAM WD H6 CHA INT H13 GAM CHA H7 WEOU INT H14 CHA INF Davis, 1989 Participaram neste estudo 219 clientes/utilizadores de e-banking; os do género masculino representam 69% da amostra e, no global, 58% têm idade superior a 40 anos. Verificamos ainda que 56% têm curso de mestrado ou superior e 63% têm conhecimentos de informáticos elevados. Cada participante respondeu ao questionário (cf. Anexo 2) disponibilizado online. 5 Técnicas de tratamento dos dados Após a análise descritiva dos dados, verificámos a normalidade dos dados e testámos o Alfa de Cronbach 6. Para ajustar os dados ao modelo conceptual realizámos a AFC com os 5 Tanto a aplicação como o Questionário foram previamente testados por uma pequena amostra de utilizadores; o questionário foi validado estatisticamente. 6 Com α=0,89, superior ao mínimo recomendado de 0,7 (cf. Hair et al., 2006). 14

16 seguintes resultados: X²=310,3; (P=0.000); DF=216; RMR=0,05; CFI=0,95; IFI=0,95; estes valores indicam um bom ajuste dos dados ao modelo (Hair et al., 1995) Resultados Utilizando o software SPSS AMOS v.18, testamos o modelo (cf. Figura 4) e verificámos (cf. Figura 5), que a relação GAM tem forte influência positiva sobre a INT (H10, ß=0,53), e a WEOU tem uma influência fraca na INT (H7, ß=0,23). A CHA tem uma forte influência no WD (H3, ß=0,52) tal como a GAM, menos relevante (H12, ß=0,22). Em suma, a GAM influencia todas as outras variáveis. Figura 5. Resultado do teste ao modelo conceptual do Estudo 2. 5 Conclusão possível e Investigação futura Com base nos resultados obtidos nos estudos 1 e 2 propomos um novo modelo conceptual explicativo que considera a adoção de aplicações de negócio com características de jogo no e- banking (cf. Figura 6). Figura 6. Modelo conceptual explicativo da adoção do e-banking. Este modelo apresenta e interrelaciona as várias dimensões/variáveis envolvidas e destaca as que mais contribuem para o aumento da fidelidade dos clientes e dos negócios eletrónicos, sendo por isso influenciadoras na adoção de um sistema de e-banking com aplicações de negócio gamificadas. Observámos que a incorporação de elementos e características de jogo 15

Seminário II. Doutoramento em CTI Ciências e Tecnologias de Informação. Área de especialização: Sistemas de Informação - Negócios Eletrónicos.

Seminário II. Doutoramento em CTI Ciências e Tecnologias de Informação. Área de especialização: Sistemas de Informação - Negócios Eletrónicos. Seminário II Doutoramento em CTI Ciências e Tecnologias de Informação Área de especialização: Sistemas de Informação - Negócios Eletrónicos Tema: A adoção de aplicações informáticas com caraterísticas

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Jéssica Mattoso da Fonseca Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Estudo sobre a Uber em Portugal- Aferição da perceção dos consumidores em relação ao serviço e à marca

Estudo sobre a Uber em Portugal- Aferição da perceção dos consumidores em relação ao serviço e à marca Estudo sobre a Uber em Portugal- Aferição da perceção dos consumidores em relação ao serviço e à marca 20 Agosto 2015, versão sumário Estudo realizado pelo CEA-Centro de Estudos Aplicados da Católica Lisbon-

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Validade Estrutural do Questionário de Atitudes Face à Escola

Validade Estrutural do Questionário de Atitudes Face à Escola I Congresso Internacional Envolvimento dos Alunos na Escola: Perspetivas da Psicologia e Educação Instituto de Educação da Universidade de Lisboa 15-17 julho 2013 Validade Estrutural do Questionário de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social DISCIPLINA Controlo Informático da Gestão LICENCIATURA Informática

Leia mais

Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Progride. ParticipAR Inovação para a Inclusão em Arraiolos"

Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Progride. ParticipAR Inovação para a Inclusão em Arraiolos Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Progride ParticipAR Inovação para a Inclusão em Arraiolos" Relatório de Avaliação SEGURANÇA NA INTERNET (SESSÕES PARA ALUNOS) Arraiolos 12\04\ 07 O Agrupamento

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC

AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC Maria João Cunha e Albertina L. Oliveira Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Augusto César Ferreira Lima A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Simulação e avaliação de um módulo de aprendizagem de Alimentação Humana em formato de Webinar

Simulação e avaliação de um módulo de aprendizagem de Alimentação Humana em formato de Webinar Simulação e avaliação de um módulo de aprendizagem de Alimentação Humana em formato de Webinar Renata Barros 1, Maria Teresa Campos 1, Pedro Carvalho 1, Vítor Hugo Teixeira 1, Rui Chilro 1, André Moreira

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação Instituto Superior de Gestão Bancária Curso Organização e Sistemas de Informação OUTSOURCING a case study Trabalho realizado por: João Martinho nº 3064 João Gouveia nº 3070 Sara Soares nº 3060 Cadeira

Leia mais

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia Business Research Unit (UNIDE-IUL) / Instituto Universitário de Lisboa Ed. ISCTE-IUL, Av. Forças Armadas 1649-026 Lisbon Portugal Phone: 210 464 019 E-mail: bru-unide@iscte.pt Internet: http://www.bru-unide.iscte.pt/

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Seminário de Discussões Metodológicas

Seminário de Discussões Metodológicas Seminário de Discussões Metodológicas Tecnologias da Educação: identificando o reflexo do chat e fórum de discussão no processo de aprendizagem no ensino superior Alexandre Costa Quintana Orientador: Prof.

Leia mais

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS GEN LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO www.aese.pt/gen BEM-VINDO AO GEN É com muito gosto que lhe apresentamos o GEN, criado pela AESE, numa perspetiva de

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO José Fanica Agrupamento de escolas de Romeu Correia joseffanica@hotmail.com

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

Itinerários da Literacia e Inclusão Digital

Itinerários da Literacia e Inclusão Digital CFCUL, 3-4 dez. Itinerários da Literacia e Inclusão Digital Luísa Aires Universidade Aberta/CEMRI O contexto de partida A rede de Centros Locais da Aprendizagem da Universidade Aberta. Núcleos vocacionados

Leia mais

Tema 1, Nº 1 Junho 2001

Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado no âmbito do protocolo entre a Faculdade de Motricidade Humana e o Gabinete

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

CURRICULUM VITAE SÍNTESE JORGE JÚLIO LANDEIRO DE VAZ

CURRICULUM VITAE SÍNTESE JORGE JÚLIO LANDEIRO DE VAZ CURRICULUM VITAE SÍNTESE JORGE JÚLIO LANDEIRO DE VAZ MAIO DE 2012 1. DADOS PESSOAIS Nome: JORGE JÚLIO LANDEIRO DE VAZ 2. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS 2011 Auditor de Defesa Nacional Curso de Defesa Nacional

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Estimulando o gosto por aprender

Estimulando o gosto por aprender Estimulando o gosto por aprender Desenvolvido por Associe sua escola ao kademi! Veja como é fácil associar sua escola ao kademi e participar do primeiro mundo virtual dedicado à educação! Estimule seus

Leia mais

de CriAtividade ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO!

de CriAtividade ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO! ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO! PROMOTOR O Torrance Center (www.tcportugal.org) é uma associação científico-pedagógica, sem fins lucrativos, que tem por objetivo promover o desenvolvimento da criatividade

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS Berta Bemhaja, Elizabeth Ashall, Inês Tavares, Sara Barroca, Zara Baltazar Escola Secundária, com 3º ciclo,

Leia mais

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos RH 2020: Valor e Inovação Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos Glaucy Bocci 7 de maio de 2015, São Paulo Agenda Contexto O valor estratégico da EVP Pesquisa

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

Capitão Tormenta e Paco em Estações do Ano

Capitão Tormenta e Paco em Estações do Ano Guia do Professor Capitão Tormenta e Paco em Estações do Ano Introdução As estações do ano constituem-se em um fenômeno que o aluno constrói o conhecimento desde criança. No ensino médio ele deve ser trabalhado

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Filipe Peixoto Morada(s) Travessa do Sião 4905-446 Barroselas Portugal Telefone(s) 258972467 Telemóvel: 965431171 Correio(s) electrónico(s)

Leia mais

IHC no ensino técnico: dois relatos de experiência

IHC no ensino técnico: dois relatos de experiência IHC no ensino técnico: dois relatos de Thiago Schumacher Barcelos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Roberto Muñoz Universidad de Valparaíso Escuela de Inginiería Civil Informática

Leia mais

Boas Práticas. Maria José Amândio. Reunião Nacional do Projecto ENTITLE Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro 24 de Setembro de 2009

Boas Práticas. Maria José Amândio. Reunião Nacional do Projecto ENTITLE Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro 24 de Setembro de 2009 Boas Práticas A experiência das Bibliotecas Municipais de Oeiras Infoliteracia: A Busca do sentido na cultura digital Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras Maria José Amândio Sumário 1. Rede de Bibliotecas

Leia mais

Gestão e tecnologia para PME s

Gestão e tecnologia para PME s www.sage.pt Gestão e tecnologia para PME s Sage Porto Sage Lisboa Sage Portugal A longa experiência que temos vindo a acumular no desenvolvimento de soluções integradas de software de gestão para as pequenas

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA Como fazer pesquisa de mercado? Por quê fazer pesquisa de mercado? Qual é o meu negócio? Qual a finalidade do meu produto/serviço? Por quê fazer pesquisa de mercado? Eu sei o que estou vendendo, mas...

Leia mais

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo.

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo. Universidade Castelo Branco O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DO E-COMMERCE DA SARAIVA RUAN CAÍQUE DE JESUS SIMAS Orientação: Prof.ª Carla Mota. Rio de Janeiro, jun. 2014 Introdução O comercio varejista brasileiro

Leia mais

ABI/INFORM GLOBAL & COMPLETE

ABI/INFORM GLOBAL & COMPLETE ABI/INFORM Complete A mais completa das variantes da ABI/INFORM, combina informação académica, industrial, comercial e notícias regionais. Consiste em: ABI/INFORM Global Um núcleo de mais de 3,000 periódicos

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva

Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva Proposta de aplicativo gamificado para o ensino de direção defensiva Fernando Chade De Grande e-mail: tiensdesenhos@hotmail.com João Fernando Tobgyal da Silva Santos e-mail: fernandotobgyal@faac.unesp.br

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento 1 Gestão do conhecimento Inteligência empresarial Aproveitar o saber-fazer organizacional Apoio ao desempenho Interacção com as bases de dados operacionais Construção de redes periciais Criação, partilha

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

Investigação Sociológica

Investigação Sociológica Investigação Sociológica Analisar modelos com Equações Estruturais Rui Brites rui.brites@iscte.pt 1 Modelação de Equações Estruturais (MEE) (SEM structural equations modeling) com SPSS/AMOS O essencial

Leia mais

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA.

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A BlueWorks Medical Expert Diagnosis, Lda. é uma start-up de Coimbra que se dedica ao desenvolvimento

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Planificação Anual. Psicologia e Sociologia. 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2014/2015

Planificação Anual. Psicologia e Sociologia. 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Psicologia e Sociologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional de Técnico de Secretariado Ano Letivo 2014/2015 Prof. João Manuel

Leia mais

Investigar a relação de crianças e adolescentes com a internet numa perspetiva comparada

Investigar a relação de crianças e adolescentes com a internet numa perspetiva comparada Cristina Ponte - CIMJ/FCSH, Universidade Nova de Lisboa Investigar a relação de crianças e adolescentes com a internet numa perspetiva comparada II Congresso Internacional Comunicação e Consumo ESPM Escola

Leia mais

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Juliana Alvares Duarte Bonini Campos Paula Cristina Jordani Patrícia Petromilli Nordi Sasso Garcia João Maroco Introdução A

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

JORNADA DE COMPRA. O que é e sua importância para a estratégia de Marketing Digital VECTOR

JORNADA DE COMPRA. O que é e sua importância para a estratégia de Marketing Digital VECTOR O que é e sua importância para a estratégia de Marketing Digital 1 2 3 4 Já falamos muitas vezes sobre produção de conteúdo ser a base de uma estratégia de marketing digital de resultados para a sua empresa.

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

4. Modelagem e Análise dos Dados

4. Modelagem e Análise dos Dados 4. Modelagem e Análise dos Dados Neste capítulo são avaliadas as propriedades estatísticas e psicométricas da amostra coletada, sendo ajustados os modelos de mensuração e estruturais propostos. São testadas

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular COMÉRCIO ELECTRÓNICO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Marketing e Publicidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 55 4 Análise dos Resultados Este capítulo apresenta os resultados obtidos a partir de survey realizada com jovens universitários chilenos. Para compor a base de dados, foram utilizadas as respostas de

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

RELAÇÕES DE NEGÓCIO Os Serviços Hoteleiros e o Segmento PME

RELAÇÕES DE NEGÓCIO Os Serviços Hoteleiros e o Segmento PME RELAÇÕES DE NEGÓCIO Os Serviços Hoteleiros e o Segmento PME Armando Luís Vieira EDIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E VENDAS SÍLABAS & DESAFIOS - UNIPESSOAL LDA. NIF: 510212891 Sede: Rua Dorilia Carmona, nº 4, 4 Dt,

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E DA LIDERANÇA NA PERFORMANCE ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO DE CASO Marisa Bettencourt Mota Março de 2015 UNIVERSIDADE DOS AÇORES

Leia mais

iup25k Concurso de Ideias de Negócio da Universidade do Porto

iup25k Concurso de Ideias de Negócio da Universidade do Porto iup25k Concurso de Ideias de Negócio da Universidade do Porto REGULAMENTO Preâmbulo A Universidade do Porto tem vindo a desenvolver esforços para fomentar o empreendedorismo, criando para tal estruturas

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais Proposta de Trabalho

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação MIT CDOIQ Symposium 2014 Os temas mais abordados Evolução MIT Information Quality Program Pesquisa, Ensino, Publicações, Conferências, Certificação

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação

Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação Opción, Año 31, No. Especial 6 (2015): 644-651 ISSN 1012-1587 Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação João Neves-Amado Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

markup Advanced Marketing Solutions COMUNICAR PERGUNTAR ESCUTAR Web Marketing

markup Advanced Marketing Solutions COMUNICAR PERGUNTAR ESCUTAR Web Marketing markup Advanced Marketing Solutions A Markup é uma Agência de Comunicação & Marketing que nasceu da vontade de investidores e profissionais experientes, de referência, nas áreas da comunicação, marketing

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt EPALE ELECTRONIC PLATFORM FOR ADULT LEARNING IN EUROPE fevereiro e março de 2015 O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt Qual a

Leia mais