Universidade Braz Cubas Curso Superior de Tecnologia em Web Designer. ITJ Instituto de Tecnologia de Jacareí Um site educacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Braz Cubas Curso Superior de Tecnologia em Web Designer. ITJ Instituto de Tecnologia de Jacareí Um site educacional"

Transcrição

1 Universidade Braz Cubas Curso Superior de Tecnologia em Web Designer ITJ Instituto de Tecnologia de Jacareí Um site educacional Trabalho de Conclusão de Curso Jefferson Petreski Ricardo de Macedo Silva Mogi das Cruzes SP Novembro de 2006

2 ii Universidade Braz Cubas Curso Superior de Tecnologia em Web Designer ITJ Instituto de Tecnologia de Jacareí Um site Educacional Trabalho de Conclusão de Curso Jefferson Petreski Ricardo de Macedo Silva Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Braz Cubas UBC como requisito de conclusão do Curso Superior de Tecnologia em Web Designer. Coordenador: Prof. José Maria da Silva Júnior Orientador: Prof. Artur Scarpita Co-orientador: Prof. Fretz Sievers Junior Mogi das Cruzes SP Novembro de 2006

3 iii Universidade Braz Cubas Curso Superior de Tecnologia em Web Designer Folha de Aprovação Autores: Jefferson Petreski Ricardo de Macedo Silva ITJ Instituto de Tecnologia de Jacareí Um site educacional Trabalho apresentado e aprovado em / / pela comissão julgadora: Mogi das Cruzes SP Novembro de 2006

4 iv Agradecimento Agradecemos a todos que de uma forma direta ou indireta contribuíram para o desenvolvimento deste trabalho. De forma especial gostaríamos de citar nossos familiares que acreditaram em nós e nos apoiaram em todas as etapas e de todas as formas possíveis, além de suportarem todas as horas que dedicamos a este trabalho. Gostaríamos de agradecer também aos professores que nos orientou nesta empreitada, não citaremos um em especial para não cometermos injustiças. Também não podemos deixar de agradecer ao ITJ, na pessoa de Srta. Daiane da Silva Pinto, que sempre nos atendeu prontamente, fornecendo as informações necessárias e aos alunos que por diversas vezes foram fonte de pesquisa. E claro a nossos amigos que sempre torceram e nos apoiaram.

5 v Resumo Com 30 anos de tradição no ensino médio/técnico o Instituto de Tecnologia de Jacareí (ITJ) apresentava site simples que não se mostrava atrativo aos visitantes. Sem explorar os recursos facilitadores da Internet como a possibilidade de interação entre alunos e professores, o site permitia um crescimento e reformulação muito grande. A conseqüência disto era que o site não atraia a visita de seus alunos e dos pais dos mesmos, fato comprovado através de pesquisa realizada com os alunos, onde notou-se que 90,2% dos alunos acessam o site apenas eventualmente. O projeto concentrou-se em levantar atributos usuais para a reformulação deste site, afim de torná-lo mais moderno, dinâmico e interativo, a fim de criar uma motivação ao acesso do site. Para atingir estes objetivos inicialmente buscou-se junto aos alunos através de pesquisa de opinião, quais seriam os recursos e serviços que eles gostariam de encontrar no site. Os resultados obtidos revelaram quais as principais necessidades do site. Um segundo passo foi dado com a entrevista junto a profissionais de Web, afim de definir qual a abordagem e tecnologia deveríamos usar no desenvolvimento site. A partir destas informações coletadas definimos como plataforma o Flash junto do PHP e MySQL, sendo a melhor e mais interessante saída para o desenvolvimento do site.

6 vi ABSTRACT The Instituto de Tecnologia de Jacareí (ITJ) with 30 years of tradition in high school and technical teaching presented a simple site (website) that was not attractive to the visitors. Without exploring the facilitating resources of the Internet as a interaction possibility between Students and teachers, the website allowed a very big growth and renovation. The result of this was that the website didn t attract the students and their parents visits, which was proved by the survey performed among the students when we noticed that 90,2 % of the students accessed the website only eventually the project concentrated in rising common attributes for this website renovation, in order to make it more modern, dynamic and interactive, to create a motivation to access the website. In order to reach all the goals that initially was searched among the students through an opinion survey, which were the resources and services that they would like to find in this website. The achieved results showed the website principal necessities. A second step was an interview with website professionals to define an approach and technology that we should use in the development of the website. From these collected information we defined as platform the Flash together with the PHP and MySQL, which is the best and more interesting way to the website development.

7 vii Sumário Introdução. 14 Capítulo 1 Conceituação Geral Educação a Distância Internet FTP GOPHER TELNET WAIS CORREIO ELETRÔNICO WORD WIDE WEB USENET IRC Interatividade Tecnologias Plataformas Periféricos Banco de Dados Linguagens Softwares Capítulo 2 Atratividade e Motivação para uso da Internet Motivação e usabilidade Atributos e motivação Conveniência Acessibilidade Confiabilidade Atualização Atualidade Personalização Interatividade Navegação Conteúdo Design Capítulo 3 Solução Proposta Referência Positiva Referência Negativa Concorrente Direto Solução Proposta A Interação no site Usabilidade Layout Ponto de Chegada Capítulo 4 Ferramentas Utilizadas Dreamweaver Flash Photoshop Outras Ferramentas Capítulo 5 Desenvolvimento As cores e suas relações... 49

8 5.2 As fontes mais utilizadas em Tipologia para Web Desenvolvimento Estrutura Menu.swf Capítulo 6 Briefing Instituto de Tecnologia de Jacareí ITJ O Produto Mercado Consumidor Distribuição Preços Razões de Compra do Produto Concorrência Pesquisas Objetivos Objetivos da Comunicação Capítulo 7 Conclusão Referências Bibliográficas Anexo I Pesquisa com os Alunos Anexo II Entrevistas Entrevista 1 Marcos Nahr Entrevista 2 Sonner Foltran Entrevista 3 Carlos Lima Entrevista 4 Bruno Castilho viii

9 ix Lista de Ilustrações Figura 3.1 Página Principal do Colégio Unitau Figura 3.2 Menu de Navegação do site do Colégio Unitau Figura 3.3 Página Principal da Escola Técnica CEFET Figura 3.4 Seção Perfil Institucional disponibilizada para seus usuários/visit Figura 3.5 Página Principal da ETEP Figura 3.6 Página principal com o seu menu (onde foi utilizado o aninhamento de menus) aberto. Visualizado na resolução de 1.024x Figura 3.7 Mesmas imagem da 3.6 só que na resolução de 800x Figura 3.8 Site ETEP, Opção Mural de Fotos. Repare que a três janelas 38 abertas, fazendo assim que o usuário desvie a atenção do site principal... Figura. 3.9 Layout da página com menu aberto" Figura 3.10 Visualização do site com menu fechado Figura 4.1 Publicação de arquivo.swf através do Dreamweaver Figura 4.2 Edição de PHP através do Dreamweaver Figura 4.3 Tela do Flash com o arquivo menu.fla aberto Figura 4.4 Imagem original, sem tratamento Figura 4.5 Imagem final após tratada com Filtros e Recortada Figura 4.6 Código PHP para logar na parte restrita do site Figura 4.7 Tabela senhas usada do MySQL usada no projeto Figura 5.1 Destaque do Menu principal do site e seus 3 menus interno Figura 5.2 Tela do Flash com o arquivo menu.fla aberto Figura 5.3 Destaque do action script do botão de saída do menu Figura 5.4 Destaque para o MoviClip de abertura do menu... 57

10 x Glossário 1 ASP Active Server Page Tecnologia orientada à Web que foi desenvolvida pela Microsoft para permitir a criação de scripts no servidor. São arquivos de texto que podem conter não só textos e tags HTML, mas também comandos, em uma linguagem de criação de scripts, que podem ser executadas no servidor. bps (bits per second) Uma medida da taxa de transferência real de dados de uma linha de comunicação. É dada em bits por segundo. Variantes ou derivativos importantes incluem Kbps (=1.000 bps) e Mbps(= bps). CGI (Common Gateway Interface) Método utilizado na execução de programas (scripts) para a geração instantânea de texto ou outros dados no servidor Web. CSS Abrev. Cascading Style Sheets. Linguagem que, regra geral, descreve o aspecto gráfico (exemplo: tipografia) de qualquer página em HTML recente. DHTML É a sigla para Dynamic Hipertext Markup Language. É um tipo de linguagem utilizada para construir as páginas da Web e os websites com recursos de acesso dinâmico. HTML Sigla de HyperText Markup Language. O código usado para transformar qualquer documento comum em documento acessível à distância pela rede mundial (World Wide Web, WWW) e navegável por meio das ferramentas de busca de informações na Internet (browser). IP (Internet Protocol) Protocolo responsável pelo roteamento de pacotes entre dois sistemas que utilizam a família de protocolos TCP/IP desenvolvida e usada na Internet. É o mais importante dos protocolos em que a Internet é baseada. Java (Café) Linguagem orientada a objetos, com sintaxe similar a C++, porém com 1 Os significado dos términos foram retirado dos Dicionário Eletrônico Houaiss (versão 1.5 Agosto de Instituto Antônio Houaiss, Editora Objetiva) e Glossário do IDG NOW! (disponível em: - acessado em 15 de maio de 2006).

11 xi biblioteca bastante distinta, que permite o desenvolvimento de aplicações e applets java. Gera código intermediário (byte codes) que são interpretados em tempo de execução, o que, juntamente com a sua biblioteca, torna a linguagem multiplataforma, permitindo que seu código seja executado nas mais diversas máquinas e sistemas operacionais, sem a necessidade de adaptação. JavaScript Linguagem de criação de script desenvolvida pela Netscape Communications e pela Sun Microsystem, Inc. Não é uma autêntica linguagem orientada objetos e tem um desempenho limitado em relação à Java, pois não é compilada. É possível incluir funções e aplicações on-line básicas em páginas da Web com a JavaScript. O código JavaScript, que é incluído em uma página da Web juntamente com o HTML, é geralmente considerado mais fácil de ser criado do que o código Java, especialmente por programadores iniciantes. Link Elo; ligação. Em sistemas de organização/apresentação de informações em forma de hipertexto (hypertext), um item específico de informação é ligado a outros itens relacionados por meio de elos. Em sistemas eletrônicos os elos aparecem como áreas quentes (hot spot) ou botões (button) a serem acionados pelo usuário. Em textos impressos usam-se palavras grifadas ou coloridas. Modem Um dispositivo que adapta um computador a uma linha telefônica. Ele converte os pulsos digitais do computador para freqüência de áudio (analógicas) do sistema telefônico, e converte as freqüências de volta para pulsos no lado receptor. O modem também disca a linha, responde à chamada e controla a velocidade de transmissão, em bps. Perl Linguagem de programação que é de longe a mais utilizada na criação de scripts CGI, de forma simples pequenos programas que correm no servidor onde estão alojadas as páginas web e que permitem que o usuário atue sobre estas. É necessário que o servidor onde o site for alojado tenha o Perl instalado para que possa ser utilizado estes programas. PHP Abrev. PHP Hypertext Processor (abreviatura recursiva). Linguagem de programação embebida no código HTML, bastante popular nos dias de hoje.

12 xii RFC (Request For Comments) RFCs constituem uma série de documentos editados desde 1969 e que descrevem aspectos relacionados com a Internet, como padrões, protocolos, serviços, recomendações operacionais, etc. Uma RFC é em geral muito densa do ponto de vista técnico. SQL System Query Language. Linguagem de consulta de banco de dados, com grande utilização atualmente em microcomputador e computadores de grande porte. Trata-se de uma linguagem declarativa e de alto nível. TCP TCP. Sigla para Transmission Control Protocol. Uma norma (protocol) que define o processo de transmissão de pacotes (packet) de informações em redes de telecomunicações, garantindo que eles sejam recebidos na mesma ordem em que forma emitidos. TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) Família de protocolos que torna possível a comunicação de computadores de redes diferentes. É um padrão de fato para inter-redes abertas e a linguagem universal da Internet. Templates Páginas ou porções sem conteúdo, utilizados normalmente como modelos para layout gráfico do websites. Ou mais simplesmente, a descrição do website sem o conteúdo. URL Sigla para Universe Resource Locator, que é o termo técnico para o endereço de um website na Internet. VRML (Virtual Reality Modeling Language) - linguagem utilizada para a Web e que suporta gráficos tridimensionais e navegação 3D interativa. World-Wide Web Rede mundial; WWW. Ambiente estruturado em forma de um enorme hipertexto (hypertext) que é o ambiente mais usado na Internet. A estruturação de WWW e as normas (protocol) e metodologias (HTML) de preparação de documentos para serem acessíveis e navegáveis pelas ferramenteas de busca (browser) disponíveis na Internet foram desenvolvidas originalmente para uso interno

13 xiii dos pesquisadores do CERN (Centro Europeu de Pesquisa Nuclear) e depois adotados como padrão internacional. XSLT É uma linguagem de marcação XML usada para transformar documentos XML. É a transformação de um documento XML em XHTML é apenas um caso especial de uma aplicação XSLT. E, ao contrário do uso do CSS com XML, uma folha de estilo XSLT pode produzir um documento XHTML real como saída em vez de apenas atribuir informações de estilo aos elementos XHTML existentes. XML Acrônimo de extensible Markup Language. É uma linguagem universal para permitir a troca de informações de forma estruturada através da Internet. Permite que os programadores transportem dados de um servidor para outro da rede de forma transparente e organizada.

14 14 Introdução Segundo MAIA (2004) o computador se transformou hoje em algo onipresente, todas as áreas de certa forma se utilizam deste equipamento para aperfeiçoar de uma forma ou de outra seus produtos e serviços. No campo educacional não poderia ser diferente, a utilização das novas tecnologias afeta de diferentes maneiras, forçando assim as instituições de ensino a adoção de uma reestruturação para se adequar à nova realidade. A Internet talvez seja atualmente o mais influente dos recursos digitais, pois pode funcionar como um fórum para discussão de temas específicos, desenvolvendo habilidades de pensamento, estruturas lógicas e a capacidade de comunicação dos alunos. Com esta tecnologia consegue-se alcançar todos os cantos do globo, encurtando-se as barreiras físicas e culturais. O professor assim deve mudar a forma de preparar e de ministrar as aulas, assim como na maneira de se comunicar com outros professores, alunos e suas famílias. Com isto o relacionamento entre professor e alunos tende a ser mais descontraído, interpessoal e ultrapassar as fronteiras da sala de aula. A partir do descrito acima se escolheu o ITJ - Instituto de Tecnologia de Jacareí como instituição modelo para implementação de um projeto de construção de website educacional. A instituição chamou a atenção devido ao fato de que mesmo com 30 anos de tradição no ensino médio/técnico industrial, ainda engatinhava no mundo virtual, pouco explorando as possibilidades de trabalho e interação com os alunos e professores através do meio facilitador que é a internet. De forma geral, o objetivo deste trabalho será buscar alternativas visando tornar o site mais atrativo, motivando o acesso dos alunos, professores, pais e visitantes um maior número de vezes. Descobrindo, assim, qual a melhor forma de explorar a Internet, a fim de proporcionar um ambiente de trabalho e pesquisa (além

15 15 de publicitário) agradável a todos visitantes. Sempre preocupado com atratividade que o site pode oferecer, afim de atrair um grupo de visitantes cada vez maior. Mais especificamente, o objetivo será voltado em ajudar o ITJ a obter um novo site, com novos recursos e visual, no qual torne o simples acesso ao site uma agradável experiência. Fazendo, assim, do uso adequado da Internet uma importante extensão da instituição. Para detectar junto aos alunos quais recursos seriam os mais importantes a incluir no site, foi feito uma pesquisa 3 com os alunos da escola a fim de verificar estas prioridades. Mesmo a internet já tendo mais de 10 anos, a instituição em questão ainda não explora todos os recursos que o meio disponibiliza. O problema principal será constituído em desenvolver um novo site, onde estimule aos alunos, pais, funcionários e interessados em conhecer mais da instituição, a não só visitar uma única vez, ou esporadicamente o site, mas sim sempre retornar. Analisando o problema, o resultado da pesquisa 4 realizada junto a alunos da instituição, somado à entrevista 5 com profissionais da área, a solução escolhida foi reestruturar todo o site utilizando-se das ferramentas do Flash junto com PHP e MySQL. A seguir segue a estrutura de dissertação deste trabalho: No Capítulo 1 é feito uma conceituação geral sobre alguns dos itens que será comumente abordado no projeto, será um capítulo de exposição dos assuntos que estão relacionados ao trabalho, independe desta relação ser alta ou baixa, o importante foi explanar um pouco do universo de possibilidades dos sites educacionais. No Capítulo 2, Atratividade e motivação para uso da Internet, é apresentado 3 Ver Anexo 1 4 Idem anterior 5 Ver Anexo 2

16 16 um estudo sobre atributos que podem motivar ao acesso ao site, proporcionando subsídios para a formulação de layouts e tecnologias a ser usado. No Capítulo 3, Análise Comparativa, é feito uma comparação entre alguns sites existentes no mercado, no caso usamos como referência um site bom, um ruim e uma concorrente direta. No Capítulo 4, Ferramentas Utilizadas, é citado e rapidamente explanado os softwares que foram usados, e como foram usados no desenvolvimento de do projeto. Também são citadas algumas das tecnologias que foi aplicada no site. No Capítulo 5, Desenvolvimento do site, descreve todo o ambiente desenvolvido e a aplicação prática das ferramentas abordadas no capítulo anterior. No Capítulo 6, Briefing, é exposto o perfil da empresa de forma organizada através de briefing fornecido pela própria empresa. No Capítulo 7, Conclusões e Trabalhos Futuros. Por fim são apresentados os Apêndices em anexo.

17 17 Capítulo I Conceituação Geral 1.1 Educação a Distância 6 O primeiro relato de algo que remeta ao ensino a distância, se da por volta de 1850, quando agricultores e pecuaristas europeus aprendiam, por correspondência, como plantar ou qual a melhor forma de cuidar do rebanho. Em 1934 esta modalidade de ensino por correspondência chegou ao Brasil, com o inicio das atividades do Instituto Monitor (esta é a instituição mais antiga em funcionamento no país a oferecer educação não-presencia)l. Sete anos depois, o Instituto Universal Brasileiro começou a funcionar. Entre 1988 e 1991, se deu a informatização e a reestruturação do Sistema de Teleducação, estabelecendo-se as diretrizes válidas até hoje. Foi já nesse contexto que, em 1995, o Departamento Nacional de Educação criou um setor destinado exclusivamente à EAD --o CEAD (Centro Nacional de Educação a Distância). Em 1995, já era impossível dissociar o futuro da EAD da internet. A partir de então o meio começou a ser usado pelas instituições de ensino superior, que já vislumbravam um novo mercado. Do ponto de vista legal, têm-se em 1996 a consolidação da última reforma educacional brasileira, instaurada pela Lei nº 9.394/96. Ela oficializa a era normativa da educação à distância no Brasil pela primeira vez, como modalidade válida e equivalente para todos os níveis de ensino. Pela primeira vez, na história da legislação ordinária, o tema da EAD se converte em objeto formal. As primeiras experiências bem sucedidas se deram com o início da oferta de cursos de pós-graduação, em Porém, foi só em 1999 que o MEC (Ministério da Educação) começou a se organizar para credenciar oficialmente instituições universitárias para atuar na EAD, processo que ganhou corpo em Internet 7 Segundo GRALLA (1996), a Internet pode ser definida como uma reunião de redes e organizações administradas individualmente porém em regime de colaboração no tráfego de informações. Essa cooperação entre redes e computadores se baseia em um acordo sobre procedimentos e padrões para 6 Todos itens estão segundo Carmen MAIA EAD.BR Experiências Inovadoras em Educação a Distância no Brasil. 7 Todos itens seguem segundo Preston GRALLA Como funciona a Internet.

18 18 protocolos, que encontram-se em RFCs (requests for comment ou solicitações para comentários). O crescimento da Internet é orientado por diversos grupos. Grupos responsáveis pelo controle das emissões por traz das cenas e arquitetura da Internet, pela supervisão do envolvimento dos protocolos TCP/IP, pela designação de endereços IP, pelo registro de domínios e associação de nomes a endereços IP e pela orientação sobre a maneira correta de uso da Internet. O compartilhamento de informações e mensagens na Internet consiste na divisão de cada parte de informação e mensagem em pacotes, entregues a um destino pré estabelecido, remontados na sua forma original após a entrega. Esse é o papel dos dois protocolos de comunicação mais importantes da Internet o TCP (Transmission Control Protocol), que particiona e remonta os pacotes e o IP (Internet Protocol), que garante que os pacotes sejam enviados ao destino correto. Observa-se no nível de aplicação que a Internet é principalmente um meio de comunicação e negócios, permitindo que seja usada como telefone, correio eletrônico entre outras utilizações totalmente novas, bastando para isso dispor de hardware e software adequado. GRALLA (1996) define como os principais sistemas que compõem a Internet são: FTP, Gopher, Telnet, WAIS, correio eletrônico e a World Wide Web FTP Para transferir arquivos de um computador na Internet para outro, uma das melhores formas é através do FTP (protocolo de transferência de arquivo). O FTP, funciona no modelo cliente/servidor. Ao executar o software cliente e conectar-se a um servidor FTP na Internet muitas localidades FTP podem solicitar senhas e número de conta, porém, existem locais FTP anônimos dos quais pode-se transferir arquivos sem que haja essa exigência GOPHER Um Gopher é um recurso da Internet que organiza informações e arquivos de forma hierárquica em formato de árvore. Apresenta um sistema de menus possibilitando que se encontre informações sem que se saiba o endereço IP da informação ou o nome de referência. Podem organizar informações incluindo textos, arquivos binários, arquivos gráficos e multimídia. Também podem realizar conexões com outros Gophers, busca em bancos de dados WAIS e conexões a computadores remotos usando Telnet.

19 TELNET Assim como o Gopher o Telnet usa um modelo cliente/servidor portanto é necessário um software cliente Telnet em seu computador para usar os recursos de um computador remoto, chamado host. O Telnet permite que um computador acesse recursos de outro computador de alguma parte da rede, entre eles estão bibliotecas. Através do teclado o computador distante é controlado sendo possível ver os resultados do que se faz na tela do computador que está realizando o acesso WAIS O WAIS ( servidor de informações de rede ampla) é uma forma sofisticada para se encontrar uma ampla variedade de informações por toda a Internet. Permite que se pesquise bancos de dados oferecendo meios poderosos para o aperfeiçoamento de buscas, realizando pesquisas em muitos bancos de dados simultaneamente e armazenando informações desejadas no computador de quem realiza a pesquisa. A melhor forma para se usar o WAIS é usar um software cliente, mas também é possível realizar busca através de clientes Gopher ou Telnet. Os bancos de dados WAIS são coleções de informações que cobrem um determinado assunto CORREIO ELETRÔNICO O correio eletrônico é um dos recursos mais usado na Internet. As mensagens enviadas por correio eletrônico são encaminhadas pelo TCP/IP da mesma forma que a maioria dos dados na Internet e na Intranet. Nessas mensagens podem ser anexados arquivos binários, como imagens, sons, vídeos e arquivos executáveis, que devem ser codificados e decodificados ao serem recebidos WORLD WIDE WEB A teia mundial ( World Wide Web ) é a parte de maior expansão da Internet, é nela que as pessoas "surfam". É uma rede conectada mundialmente, contendo páginas que incorporam textos, imagem, som, animação e elementos multimídia. De acordo com Ellsworth (1997), uma página é o nome dado na WWW a um tipo especial de documento projetado para ser exibido em um navegador, programa capaz de interpretá-lo. Ao conjunto de páginas pertencentes a uma empresa, organização, instituição, pessoa física, etc; denominamos site(localidade), cuja página principal em que há opções que direcionam a todas as outras páginas oferecidas chama-se home page (página pessoal), a primeira página acessada em um site. De acordo com Gralla (1996), essas páginas são ligadas umas as outras

20 20 usando hipertexto, sendo construídas usando uma linguagem de marcação chamada HTML (linguagem de marcação de hipertexto). A teia funciona em ambiente cliente/servidor, para visualizar páginas pode-se executar um cliente web em seu computador, os chamados navegadores ou browser. O navegador envia a solicitação do URL ( universal resource locators ) que são os nomes para os locais da teia, usando o protocolo HTTP ( hipertext transfer protocol ), que define o modo como o navegador e o servidor se comunicam USENET É o maior fórum eletrônico de discussão do mundo. Comporta grupos de discussão individuais que podem cobrir qualquer assunto, desde filmes até assuntos familiares, ecologia, equipes esportivas, artes e notícias. As mensagens são enviadas entre computadores por toda a Internet, sendo que em cada local há um administrador que decide quais listas serão mantidas. Pode-se participar de grupos de discussão lendo e respondendo mensagens bastando inscrever-se no grupo de seu interesse IRC O Internet Relay Chat é a forma mais popular e imediata de bate-papo na Internet. É um meio pelo qual milhares de pessoas mantém "conversações" via teclado ao vivo. O IRC segue o modelo cliente/servidor, ou seja, são necessários para sua utilização softwares cliente e servidor adequados. No servidor é possível encontrar diversos tópicos, os chamados "canais" nos quais os usuários podem ingressar. 1.3 Interatividade De acordo com Szeto (1997), o computador é uma ferramenta interativa por exigir do usuário atitudes que determinem o próximo passo, seja em um jogo, configurando um sistema operacional ou na Web. Ao contrário do que possa parecer, a interatividade é um processo relativamente simples envolvendo estímulos e respostas, porém com o crescimento da Web, a sofisticação dos navegadores e das tecnologias para a criação de experiências interativas, a interatividade vem evidenciando um processo mais rico no relacionamento homem x computador. Ferramentas de criação multimídia tornaram possível a criação de aplicativos funcionais combinando texto, imagens, som e vídeo. Sonner Foltran 8 afirma que a Interação é a alma da internet. É ela que permite 8 Ver entrevista 2 do Anexo II

21 21 o usuário a navegar. Uma experiência interativa deve ser planejada respeitando-se o cenário em que se insere. Na Internet um dos participantes da comunicação é o usuário final, o outro é uma manifestação de idéias, previsões, escolhas e estímulos, sendo que intermediando esse relacionamento está o computador e sua interface. As opções guiam o usuário a um objetivo e o usuário determina o resultado, porém muitos projetos têm se limitado a um modelo simples de interação baseado em um retorno de uma consulta. Uma forma mais interessante de proporcionar interatividade é estabelecer uma comunicação com o usuário que lhe traga informações esperadas, de forma inesperada. Tendo em vista os objetivos, o público alvo e as informações e conteúdo do site, o desafio do designer é encontrar as soluções apropriadas para estimular um tipo de atividade que se mostre por meio de descobertas. De acordo com Butterick (1997), é importante que se tenha consciência de que a interatividade deve ser sutil e não se sobrepor às informações pretendidas representando uma barreira para o usuário. Não importa qual o tipo de site, ele será interativo. A interatividade existe porque o site é uma experiência baseada no usuário. Porém a interatividade não é exclusividade da Web. Simplificando, a interatividade é um tipo de relação estímulo x resposta com um ser humano em um dos lados e sendo assim, tanto um computador, quanto um carro ou uma máquina de refrigerantes podem ser interativos. Basicamente, o primeiro contato do usuário com a interatividade em um site se faz por meio da interface, que é a mediação visual e lógica entre o usuário e a informação. A primeira vez que o usuário visita um site, é a melhor oportunidade de definir suas expectativas para a experiência que será oferecida. Aonde ele pode ir, o que pode fazer, como ele pode participar. Sua experiência será baseada naquilo que lhe for proposto. É preciso deixar claro o que se está oferecendo, quais usuários se deseja atrair e acima de tudo qual o valor da informação para o usuário. Marcos Nahr 9 vai além, quando define que a interação é o papel da interface, ela é responsável pela troca entre o sistema e o usuário e sem a interface não há interação Uma arquitetura interativa envolve estratégias de marketing, o editorial, a fundamentação de um projeto e tecnologias. A tecnologia é um meio para um fim, 9 Ver entrevista 1 do Anexo II

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares Programação para a Web - I José Humberto da Silva Soares Fundamentos de Internet Rede Mundial de Computadores; Fornece serviços, arquivos e informações; Os computadores que têm os recursos são chamados

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

Web. Web. Web. Web. Unidade 4. Conceitos básicosb. Publicação. Web: Frontpage Programa de animação gráfica. Programa de edição

Web. Web. Web. Web. Unidade 4. Conceitos básicosb. Publicação. Web: Frontpage Programa de animação gráfica. Programa de edição Criação de páginas p Unidade 4 UNIDADE 4: Criação de Páginas P Conceitos básicosb Técnicas de implantação de páginas p Criação de páginas p Programa de edição : Frontpage Programa de animação gráfica :

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas Empreendedorismo o O que é empreendedorismo? o Síndrome do empregado o Os mandamentos do empreendedor de sucesso o E o que não é empreendedorismo? Traçando o perfil

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS CONTEÚDO HARDWARE - 2 AULAS SISTEMA OPERACIONAL - 2 AULAS INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br APLICATIVOS OFFICE - 3 AULAS INTERNET - 1 AULA REDE - 2 AULA SEGURANÇA - 1 AULA BANCO DE

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Em Abril de 2005, as duas maiores gigantes em desenvolvimento de software de web, gráfico e multimídia design se juntaram: a Adobe

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE.

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE. CURSOS OFERECIDOS Access 2007 Aproximadamente 20 horas O aluno aprenderá criar Banco de Dados de forma inteligente, trabalhar com estoques, número de funcionários, clientes etc. Conhecerá ferramentas aprimoradas

Leia mais

Memorial Descritivo. Portfólio Acadêmico Online

Memorial Descritivo. Portfólio Acadêmico Online Faculdade de Tecnologia SENAC Memorial Descritivo Portfólio Acadêmico Online Projeto Integrador do Módulo 1 Produção Multimídia Por Irene Coelho 09 de maio de 2014 Sumário 1. Introdução pág.01 2. Objetivos

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Programação e Designer para WEB

Programação e Designer para WEB Programação e Designer para WEB Introdução Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa I t d ã hi t t Introdução a hipertexto. A

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Programação e Designer para WEB

Programação e Designer para WEB Programação e Designer para WEB Introdução Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a hipertexto. A linguagem HTML.

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sidnei de Souza Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA 24º Congresso Brasileiro de Microbiologia Brasília, 04 de outubro de 2007

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB 1 MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB Edna Aniceto de Magalhães Universidade de Ribeirão Preto UNAERP edna@odin.unaerp.br Priscila de Oliveira Universidade de Ribeirão Preto UNAERP priscila.oliver@odin.unaerp.br

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais