DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci"

Transcrição

1 DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci Abril

2 Sumário 1. INTRODUÇÃO INSTRUMENTOS LEGAIS PARA A CRIAÇÃO DO CTHIDRO OBJETIVOS DO CT-HIDRO ANTECEDENTES TENDÊNCIA DOS RECURSOS HÍDRICOS CENÁRIOS INTERNACIONAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES CIENTÍFICOS E TECNOLÓGICOS ESTRATÉGIAS PARA O CT-HIDRO PRINCÍPIOS DIRETRIZES CONCEITUAIS ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA FINANCIAMENTO PLANO DE AÇÃO AÇÕES DIRETRIZES CONCLUSÕES

3 1. INTRODUÇÃO 1.1 INSTRUMENTOS LEGAIS PARA A CRIAÇÃO DO CTHIDRO O Fundo Setorial de Recursos Hídricos CT-Hidro foi criado em 24 de julho de 2001 e entrou em operação no final de agosto do mesmo ano. Os instrumentos legais de sua criação são apresentados no Quadro 1. Quadro 1. Instrumentos legais do CT-Hidro Lei nº 9.993, de 24/07/2000: Altera a redação da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, com o objetivo de destinar ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico recursos oriundos da compensação financeira pela utilização de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica e pela exploração de recursos minerais. Decreto nº 3.874, de 19/07/2001: Regulamenta o inciso V do art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, e a Lei nº 9.993, de 24 de julho 2000, no que destinam, ao setor de ciência e tecnologia, recursos da compensação financeira pela utilização de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica. Portaria MCT nº 386, de 30/08/2001: Institui o Comitê Gestor do CT-Hidro, com a finalidade de administrar a aplicação dos recursos repassados ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-FNDCT para financiar atividades de pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico do setor de recursos hídricos. Lei nº , de 12 de novembro de 2007: dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT e, em seu art. 14, permite que parte dos recursos dos Fundos Setoriais seja destinada a ações transversais, sem, contudo, definir percentuais específicos por Fundo. A Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000, em seu art. 28, estabelece que 6,75 % sobre o valor da energia elétrica produzida por meio de aproveitamento de potencial hidráulico devem ser utilizados como compensação financeira pela utilização dos recursos hídricos. Deste total, a parcela alocada a pesquisa para o CTHidro corresponde a 3,56%. 1.2 OBJETIVOS DO CT-HIDRO O objetivo do Fundo é financiar projetos científicos, de desenvolvimento tecnológico e de inovação destinados a aperfeiçoar os diversos usos da água e sua conservação, em conformidade com a Política Nacional de Recursos Hídricos, de forma a: (i) assegurar à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos; (ii) a utilização racional e integrada dos recursos hídricos, incluindo o transporte aquaviário, com vistas ao desenvolvimento sustentável; e (iii) a prevenção e a defesa contra eventos hidrológicos críticos de origem natural ou decorrentes do uso inadequado de recursos naturais (art. 2º - Dos Objetivos da Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1977). O princípio desse e de outros Fundos Setoriais foi criar um mecanismo econômico sustentável ao longo do tempo para desenvolver o conhecimento sobre as principais questões estratégicas nacionais de ciência e tecnologia. Portanto, os Fundos Setoriais têm uma agenda que prioriza projetos tecnológicos e de pesquisa dentro dos desafios nacionais dos setores a que se destinam. 1.3 ANTECEDENTES As atividades do CT-Hidro iniciaram em janeiro de Nessa fase, foram discutidas as ideias básicas sobre o Fundo com a liderança do MCT, consultores convidados e representantes de instituições que viriam a constituir o Comitê Gestor. Em 2001, o processo de elaboração das Diretrizes Estratégicas passou pela preparação de uma versão inicial discutida com as instituições de governo, ANA (Agência Nacional de Águas), SRH - Secretaria de Recursos Hídricos, MME Ministério de Meio Ambiente e instituições de pesquisa e 3

4 ensino representativas do país, o que permitiu que o documento de Diretrizes Estratégicas fosse aperfeiçoado progressivamente e tivesse grande transparência. Em 19 de julho de 2001, a Lei de criação do CT-Hidro foi regulamentada pelo Decreto n º O Comitê Gestor foi indicado por Portaria MCT de 30 de agosto de 2001 e se reuniu em quatro ocasiões naquele ano. A primeira, em setembro, ocasião em que foi instalado o Comitê e apresentada proposta de Diretrizes Estratégicas do CT-Hidro. Entre o final de 2001 e o início de 2002, foi preparado o Plano Plurianual de Investimentos (PPI) dos recursos financeiros e iniciados os investimentos. Em 2002 e 2003, foram realizadas prospecções tecnológicas nos seguintes temas escolhidos pelo Comitê Gestor: Racionalização do uso da água no meio rural; Observação dos sistemas hídricos brasileiros; Saneamento; Qualidade da água superficial; Qualidade da água subterrânea; Produtos e equipamentos; e Clima e Recursos Hídricos. No período de 2004 a 2012, foram realizadas reuniões regionais temáticas para identificação de linhas de pesquisa e publicados editais de acordo com as decisões do Comitê Gestor, operacionalizados por CNPq e FINEP ou por meio de acordos com as FAPs e financiados 1328 projetos num total de R$ 168 milhões (MCT,2011) 2. TENDÊNCIA DOS RECURSOS HÍDRICOS 2.1 CENÁRIOS INTERNACIONAL O período entre o final do século passado e início deste século foi marcado por várias iniciativas internacionais que coincidiram com mudanças no cenário brasileiro de recursos hídricos e de meio ambiente. Na reunião de Dublin, do início da década de 90, e depois, na Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Rio-92), foram propostos os princípios da gestão integrada de recursos hídricos, utilizados pelo Brasil na sua legislação de recursos hídricos, aprovada em janeiro de Nesse período, também foram lançadas as Metas de Desenvolvimento do Milênio (Millenium Development Goals - MDG) das Nações Unidas, que incluem a redução da pobreza e o aumento do acesso à água potável e ao saneamento, relacionadas diretamente com água e saneamento, além da mitigação da vulnerabilidade a desastres naturais 1. Em 2002, foi realizada na África do Sul a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, na qual foram adotadas a Declaração de Johanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável e o Plano de Implementação de Johanesburgo. O capítulo IV do referido Plano, referente à Proteção e gestão dos recursos naturais, base para o desenvolvimento econômico e social, inclui meta para que os países desenvolvam planos para a gestão integrada e uso eficiente dos recursos hídricos até Com base nesses princípios, as agendas internacionais das instituições de fomento, como o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, responsável pela implementação das MDGs, o Banco Mundial entre outros, passaram a incentivar investimentos em iniciativas que promovam a implementação das metas adotadas internacionalmente. O resultado é que, na última década, todos os países da América Latina adotaram princípios e legislação de recursos hídricos, mas nem todos completaram o seu planejamento. O Brasil aprovou sua lei de saneamento em 2007 e o Plano de Recursos Hídricos em A agenda internacional também vem sinalizando para a necessidade considerar na gestão de recursos hídricos o seguinte: os riscos da vulnerabilidade à mudança climática, como têm demonstrado os relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas - IPCC (2001 e 2007); a mitigação dos impactos de desastres naturais; e a preservação e conservação ambiental dos biomas. No âmbito de C&T, Scival (2011) mostram dados de publicações internacionais que as publicações em recursos hídricos cresceram na última década ( ) da ordem de 30%, tornando-se 1 A Organização das Nações Unidas, com 189 membros, aprovou, em 2000, objetivos e metas a serem atingidos, em nível internacional, até 2015, denominados de MDGs - Millenium Development Goals. 4

5 cada vez mais internacional onde se destaca os Estados Unidos (1000 artigos/anos), seguido pela China (600 artigos/ano), enquanto que os demais países apresentam uma produção próxima entre si, abaixo de 200 artigos/ano, o Brasil se encontra no meio do grupo com cerca de 80 artigos/ano, mas com taxa de crescimento entre 2005 a 2008 de 28% (9º colocado), enquanto os Estados Unidos foi de 11%. Vaux (2005) menciona que a NSF dos Estados Unidos elencou 43 prioridades dentro de três grupos principais: (a) disponibilidade hídrica; (b) uso da água; (c) aspectos institucionais. A literatura internacional tem destacado importância da integração dos problemas e a necessidade de desenvolvimento de conhecimento integrado dos processos e da gestão dos sistemas hídricos. 2.2 GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL O Brasil saiu da gestão setorizada dos recursos hídricos para uma visão mais integrada com a aprovação da Lei de Recursos Hídricos em 1997(Lei nº 9.433) e a criação do Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) e da Agência Nacional de Águas até 2000, período de construção das instituições. Nos anos seguintes foram aprovadas as legislações estaduais (alguns Estados já tinham se antecipado a lei nacional) e as instituições estaduais para gestão dos recursos hídricos, no processo de descentralização institucional dos entes federais para os estaduais e a respectiva atuação dentro de sua área de domínio. De outro lado, também foram sendo criadas legislações setoriais, como de energia e de saneamento (janeiro de 2007), integrando aos preceitos da Lei de recursos hídricos. Também nesse período foram implementados os instrumentos de gestão prevista na Política Nacional de Recursos Hídricos, como a outorga de direito de uso da água e o enquadramento dos corpos d água (plano de despoluição). Esse desenvolvimento institucional levou à aprovação do Plano Nacional de Recursos Hídricos em 2006 e a elaboração de Planos em vários Estados brasileiros. Ainda dentro da descentralização da gestão, observou-se a criação de um grande número de comitês de bacia e a elaboração de alguns planos de bacias federais e estaduais. No entanto, existe limitada sustentabilidade econômica dos comitês, particularmente para a execução das ações previstas nos planos de bacia, que deveriam ser financiada por fundos de recursos hídricos. Tal situação tem frustrado parte dos integrantes do Sistema pela falta de resultados efetivos da gestão de bacias, tais como na outorga da água, insuficiência do tratamento de esgoto e a vulnerabilidade aos eventos climáticos de cidades e áreas rurais. Essa construção institucional contribuiu para maior consciência sobre os recursos hídricos por parte de usuários e sociedade, a respeito dos usos múltiplos e da compatibilização com aspectos ambientais. No entanto, ainda são necessários resultados objetivos na mitigação de eventos hidrológicos críticos, como secas e inundações, e da deterioração da qualidade da água dos corpos hídricos. A gestão desenvolvida ainda não foi capaz de estabelecer metas e trazer resultados mensuráveis para esses problemas que atingem grande parte do ambiente brasileiro. O cenário atual é de aprimoramento do processo de gestão dos recursos do solo e da água dentro do território delimitado pela bacia hidrográfica. Nestes últimos dez anos, houve uma importante construção institucional em nível da Federação e dos Estados. Entretanto, os resultados, em nível de bacia hidrográfica, ainda passam por um aprendizado de planejamento e implementação de ações em bacias de diferentes portes e em diferentes setores, com grande número de interesses e poucos recursos econômicos. O aprimoramento dos planos de bacia como instrumento da PNRH é importante para que os comitês e as agências realmente exerçam seu papel regulador dos usos da água, compatibilizados com o uso e ocupação do território. 2.3 DESAFIOS E OPORTUNIDADES CIENTÍFICOS E TECNOLÓGICOS Até os anos 70, os resultados da ação do homem sobre o meio ambiente e o uso dos recursos naturais eram vistos sob a ótica estrita da escala local, isto é, de uma cidade, de um trecho de rio ou de uma área irrigada. Atualmente, a consideração dos problemas teve sua escala ampliada para a bacia hidrográfica, o país e o globo terrestre, em decorrência dos potenciais efeitos na 5

6 modificação tanto do uso do solo e quanto do clima, e de sua variabilidade. A complexidade do gerenciamento dos sistemas hídricos cresce, devido à diminuição da disponibilidade desses recursos e ao aumento da deterioração da qualidade da água nos diferentes corpos d água (rios, lagos, açudes, represas, aquíferos, estuários e águas costeiras), com maior ocorrência de conflitos no aproveitamento da água. A gestão dos recursos hídricos tem características transversais dentro dos setores socioeconômicos, envolvendo desenvolvimento urbano e rural, energia, transporte e outros, e diferentes infraestruturas. O desenvolvimento em C&T envolve o aumento do conhecimento e considere os limitados recursos hídricos e a crescente demanda de crescimento econômico e social no país. A Lei de recursos hídricos (Brasil,1997) estabelece três principais objetivos para sua gestão (artigo 2º): Assegurar à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos; A utilização racional e integrada dos recursos hídricos, incluindo o transporte aquaviário, com vistas ao desenvolvimento sustentável; e A prevenção e a defesa contra eventos hidrológicos críticos de origem natural ou decorrentes do uso inadequado dos recursos naturais. Os principais desafios atuais em ciência e tecnologia no setor de recursos hídricos no país para atingir estes objetivos são relacionados com: (a) aspectos institucionais de gestão; (b) aspectos tecnológicos relacionados com ferramentas e indicadores de apoio à gestão dos usos e da qualidade da água, regime dos rios e redução da vulnerabilidade aos eventos extremos; e (c) comportamento integrado de meteorologia, hidrologia e meio ambiente nos ecossistemas terrestres e aquáticos, para atender as questões anteriores de forma sustentável. Os principais desafios institucionais são: (a) a visão integrada dos recursos hídricos em um ambiente inter-setorial, envolvendo saneamento, energia e outros setores; (b) ampliação do processo de descentralizado da gestão de recursos hídricos, para comitês e agências de bacia; (c) mecanismos institucionais sustentáveis (em termos econômicos, ambientais e sociais) para a gestão dos usos dos recursos hídricos urbanos e rurais; (d) aperfeiçoamento do sistema de informações hidrológicas e ambientais para a gestão sustentável das bacias hidrográficas; e (e) manutenção da política de investimento em Ciência e Tecnologia, com participação dos agentes de governo e da comunidade científica, e com aumento da participação empresarial; (f) formação de recursos humanos. Dentre os aspectos científicos e tecnológicos, destacam-se os seguintes desafios: (a) desenvolvimento de indicadores para regulação e metas de gestão da quantidade e qualidade da água, e a conservação dos sistemas hídricos sujeitos a diferentes usuários; (b) Redução da vulnerabilidade hídrica aos eventos críticos de seca e inundação, por meio do maior conhecimento sobre os processos envolvidos e de tecnologias para prevenção e mitigação de impactos; transferência de conhecimento para as agências que atuam nos setores de gestão do território e de prevenção, entre outros; (c) desenvolvimento de indicadores e mecanismos científicos e tecnológicos que de suporte à gestão integrada dos usos dos recursos hídricos urbanos e rurais; e (d) Desenvolvimento de mecanismos econômicos, sociais e ambientais para conservação do uso do solo e a redução dos impactos sobre os recursos hídricos; (e) Desenvolvimento de tecnologia para aumentar a eficiência, conservação da água e do ambiente; (f) criar uma massa crítica de pesquisadores qualificados com inserção de conhecimento com relevância nacional e internacional. 3. ESTRATÉGIAS PARA O CT-HIDRO 3.1. PRINCÍPIOS A moção 57/2010 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH,2010) propôs os seguintes princípios para as pesquisas em Recursos Hídricos: (a) Acessibilidade aos recursos; (b) Diversificação e inovação temática; (c) Divulgação dos resultados e sua apropriação pela 6

7 sociedade; (d) Estímulo contínuo à formação de parcerias; (e) Uso sustentável e racional da água; (f) Respeito às peculiaridades regionais; (g) Foco na inovação - priorizar as pesquisas com foco em produtos, processos e procedimentos; (h) Integração entre políticas e planos de desenvolvimento. O CT-Hidro deve promover a geração de conhecimento e acelerar o fluxo de sua transformação em inovações tecnológicas para a solução de problemas relevantes da sociedade brasileira na área de recursos hídricos por meio de: Melhoria da qualidade de vida nas cidades brasileiras a partir da eficiência 2 e racionalização 3 do uso da água, aumento da cobertura de tratamento de esgoto e controle da drenagem e resíduos sólidos, resultando, em decorrência, também na redução das doenças de veiculação hídrica; Previsão e minimização dos impactos decorrentes dos eventos extremos, maior segurança das infraestruturas hídricas construídas, como barragens e diques; Desenvolvimento de tecnologias e instrumentos para fiscalização e desenvolvimento dos recursos hídricos; Ordenamento do uso da água nas bacias hidrográficas e controle de efluentes industriais e de impactos sobre o meio ambiente, contribuindo para a conservação dos ecossistemas brasileiros; e Maior qualificação profissional em todos os níveis técnicos para ampliar a produtividade nos diferentes setores de recursos hídricos. 3.2 DIRETRIZES CONCEITUAIS Componentes: Os principais componentes que caracterizam o desenvolvimento tecnológico científico voltado para o aproveitamento sustentável em recursos hídrico dependem de uma visão integrada dos seguintes componentes: Biomas brasileiros, Condicionantes socioeconômicos, Sistemas hídricos, disciplinas do conhecimento. Esses componentes são reunidos na gestão dos recursos hídricos. Os principais biomas brasileiros apresentam características hídricas distintas quanto ao comportamento. São eles: Amazônia, Pantanal, Semiárido (caatinga), Cerrado, Costeiro (mata atlântica, dunas e manguezais) e Sul/Sudeste (mata atlântica e campos sulinos). O componente socioeconômico envolve desenvolvimento urbano e rural, com energia, transporte, produção agrícola, conservação e impacto ambiental, efeitos dos eventos extremos de secas e estiagem. Os sistemas hídricos são: águas atmosféricas, bacias hidrográficas, rios, lagos, reservatórios e aquíferos que podem ser vistos isoladamente ou integrados. O último componente é constituído pelas disciplinas do conhecimento científico como: Hidrologia, Hidráulica, Qualidade da Água, Limnologia, Economia, Sedimentologia, Meteorologia, entre outras. Como resultado desses aspectos é obtido a gestão de recursos hídricos pela decisão sobre o uso da água racional da água dentro da visão sustentável dos ambientes e da sociedade, além da mitigação da vulnerabilidade aos desastres devido aos eventos extremos. Desafios: Os vários componentes ocorrem de forma integrada dentro da realidade do país e o recorte de ciência e tecnologia deve identificar os desafios, destacados a seguir: Gestão dos Recursos Hídricos: a implantação plena dos sistemas de gestão de recursos hídricos no país é um esforço que demandará desenvolvimento científico e tecnológico, quer pelo próprio conhecimento dos sistemas hídricos, quer pelo desenvolvimento dos instrumentos de gestão. O apoio aos decisores virá com o desenvolvimento tecnológico e o estabelecimento de sistemas de informação em recursos hídricos, com o funcionamento dos sistemas de outorga, com a elaboração dos planos de bacia, tudo isso de forma integrada entre os diversos setores, principalmente com as áreas de irrigação, energia, saneamento e meio ambiente. 2 Eficiência implica na redução de perdas da distribuição da água, reuso da água na indústria, equipamentos com menor consumo, aproveitamento da água de chuva, entre outros. 3 Racionalização envolve o a redução do consumo uso da água por parte dos consumidores por práticas sustentáveis. 7

8 Desenvolvimento Urbano: A gestão integrada da cidade, sua infraestrutura e a conservação ambiental consistem em um desafio devido à forma fragmentada como as cidades são administradas. Recursos hídricos compõem uma das principais infraestruturas que envolvem a relação entre a ocupação do uso do solo e as águas urbanas, representado por mananciais, abastecimento doméstico e industrial, esgotamento sanitário, drenagem urbana, resíduos sólidos e conservação ambiental, com visão de saúde e proteção dos ecossistemas urbanos. Um dos principais desafios é a integração entre a gestão municipal do saneamento básico, a gestão da bacia hidrográfica que engloba a cidade e os outros usos na bacia. Desenvolvimento Rural: o maior consumidor da água é a irrigação. O sistema agroalimentar brasileiro tem se desenvolvido nas últimas décadas como um dos mais produtivos do mundo e possui potencial de suprir as demandas nacionais e internacionais. A capacidade de expansão do setor depende principalmente de fatores relacionados com o clima, solo, meio ambiente e os recursos hídricos. O maior desafio é aumentar o conhecimento sobre novas tecnologias para redução do consumo da água, indicadores de consumo, gestão integrada bacia, sedimentação e poluição difusa. Energia: a energia hidrelétrica é a principal fonte de energia utilizada no Brasil, mas apresenta vantagens tecnológicas e desvantagens ambientais, que devem ser balanceadas em cada região. A matriz energética faz com que o sistema seja fortemente dependente das variabilidades climáticas de curto e médio prazo. Nos últimos anos, com a redução dos volumes de regularização pela dificuldade de aprovação dos empreendimentos, o sistema tem ficado cada vez mais dependente da variabilidade climática. Os desafios científicos e tecnológicos estão no âmbito de previsão e operação de sistemas para otimização da produção energética. Navegação: o uso do sistema hídrico para transporte possui boa economia de escala. No entanto, pode apresentar impactos ambientais na medida em que altera o sistema fluvial, ou devido a acidentes de transporte de material poluente. Necessita-se de tecnologia que permita tornar as vias navegáveis mais seguras e eficientes ao longo de todo ano, como a previsão de níveis em tempo real. Eventos Críticos: os eventos críticos de estiagem ou de inundações são situações geradas pela variação natural dos sistemas hídricos, com as quais se devem procurar conviver, visando à sustentabilidade de longo prazo. O desafio é buscar desenvolver conhecimento dos sistemas hídricos para reduzir a vulnerabilidade da população e dos ambientes. Biomas Nacionais: o sistema natural é formado pelo conjunto de elementos físicos, químicos e biológicos que caracterizam a bacia hidrográfica, os rios, lagos e oceanos. A complexidade do funcionamento dos diferentes processos em diferentes escalas é permanente desafio científico e tecnológico. As características climáticas, hidrológicas e ecológicas de cada bioma são únicas e dependem dessa forte iteração, onde o socioeconômico interfere fortemente. Além dos elementos citados, deve-se destacar: Usos múltiplos e visão integrada para aproveitamento ótimo dos recursos; Aprimoramento dos Recursos Humanos para a gestão, desenvolvimento e pesquisa em recursos hídricos; e Desenvolvimento de produtos e equipamentos para atender a demanda do país. 3.3 ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA FINANCIAMENTO As categorias de intervenção para financiamento de ações pelo CT-Hidro são baseadas nos desafios citados anteriormente e organizadas segundo: Estudos de Base: são pesquisas voltadas para o conhecimento do comportamento dos processos hídricos nos biomas brasileiros em condições naturais ou sujeitos a impactos antrópicos; 8

9 Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: visam à criação de conhecimento para solução de problemas existentes no gerenciamento dos recursos hídricos para a sociedade; Produtos e Processos: criação de novos produtos e processos comercializáveis ou não, quer sob a forma de softwares e patentes, quer sob a forma de equipamentos; Recursos Humanos: programas que qualifiquem profissionais para o desenvolvimento de ciência e tecnologia, para receberem a transferência de conhecimento, com ênfase na difusão junto ao setor produtivo; Infraestrutura: desenvolver infraestrutura que permita ampliar o conhecimento científico e tecnológico no atendimento dos diferentes projetos. No Quadro 2 são apresentadas as 10 áreas estratégicas de pesquisa e, de alguma forma, possuem interface entre as mesmas. 4. PLANO DE AÇÃO 4.1 AÇÕES O Plano de Ação inclui o planejamento de atividades de curto, médio e longo prazo para o CT- Hidro e possui os seguintes componentes: Atividades Estratégicas: especifica as atividades de curto, médio e longo prazo do Fundo dentro das linhas de pesquisas com os termos de referência. As atividades envolvem: (a) pesquisas a serem contratadas; (b) Definição das Prospecções de temas que necessitam melhor entendimento quanto a estratégia de investimentos; (c) mecanismos inovadores para: ampliar a produção científica de pesquisadores no âmbito nacional e internacional, aumento de patentes, transferência tecnológica e aumento de pesquisadores em áreas estratégicas. PPI - Plano Plurianual de Investimentos: Deve conter um horizonte de planejamento de curto prazo: dois anos, atividades de médio prazo, do segundo ao quinto ano, e de longo prazo, para o período de cinco a dez anos os valores a serem investidos e os mecanismos de financiamento. O PPI deve ser revisado a cada dois anos. Este Plano deve conter os objetivos, atividades estratégicas, metas e indicadores de metas; 4.2 DIRETRIZES A estratégia estabelece caminhos nos quais devem ser investidos recursos nos próximos anos pelo CT-Hidro. O PPI deve estabelecer os detalhes destes investimentos, traçar metas e indicadores para atender esses objetivos. Esses aspectos são os seguintes: Desenvolver conhecimento para a gestão integrada e eficiente dos recursos hídricos urbanos e sua relação com os outros usos na bacia hidrográfica. Os objetivos de curto prazo devem contribuir para o tratamento de efluentes e a melhoria da qualidade da água dos sistemas hídricos; aumento da eficiência e uso racional dos recursos hídricos nos diferentes setores como abastecimento humano, animal, industrial. Uso racional da água no meio rural, monitoramento representativo e aumento do conhecimento sobre a gestão sustentável do uso do solo e poluição difusa; Desenvolvimento de conhecimento para redução da vulnerabilidade da população e setores dos recursos à variabilidade climática, e a população aos eventos extremos; Desenvolver instrumentos e indicadores econômicos, sociais e ambientais para uso múltiplo e gestão integrada dos recursos hídricos e da conservação ambiental visando a sustentabilidade e a eficiência dos usos e redução dos impactos; Desenvolver programa de monitoramento para: (a) aumento do conhecimento integrado climático, hidrológico e ecológico dos biomas brasileiros nas suas diferentes escalas espaciais e temporais; (b) aumento conhecimento sobre o consumo de água virtual dos diferentes usuários de água; 9

10 Quadro 2. Áreas Prioritárias para Financiamento de Ações pelo CT-Hidro. n Áreas prioritárias Principais problemas observados Objetivo da intervenção Estudos de Base P1 P2 Sustentabilidade hídrica e ambiental dos biomas brasileiros. Pesquisa e desenvolvimento tecnológico Gestão Integrada das Águas Urbanas. Falta de conhecimento sobre os impactos e limites da sustentabilidade dos biomas brasileiros. Desenvolvimento das ações fragmentadas nas cidades sem saneamento, redução da disponibilidade hídrica e impactos ambientais. P3 Gestão do desenvolvimento rural. Expansão do uso da água para o agronegócio, avaliação do impacto devido ao uso do solo como erosão e poluição difusa. P4 P5 P6 P7 Usos múltiplos dos recursos hídricos. Mitigação da Vulnerabilidade a eventos extremos. Gerenciamento dos recursos hídricos na bacia e costeiros. Produtos e Processos Desenvolvimento de Produtos e processos Conflitos de usos da água e impactos ambientais; política institucional: governança, legislação e participação pública; conflitos socioeconômicos. Prejuízos socioeconômicos e ambientais devido a variabilidade climática e uso do solo em áreas de risco. Limitação da disponibilidade em relação a demanda, falta de uso racional, limitada institucionalidade e impactos ambientais. A demanda existente por hardware e softwares para monitoramento e gestão hídrica; equipamentos e processos para tornar mais eficiente e racional o uso da água. Recursos Humanos P8 Capacitação de recursos humanos. Falta de profissionais capacitados em todos os níveis do setor de recursos hídricos como forte limitação ao desenvolvimento do setor P9 Infraestrutura Infraestrutura de apoio à pesquisa e ao desenvolvimento tecnológico Infraestrutura de pesquisa e desenvolvimento limitada. Aumentar o conhecimento sobre o funcionamento climático, hidrológico e ecológico em diferentes escalas para conservação e preservação. Integrar a gestão e reduzir a vulnerabilidade urbana a poluição e eventos extremos; desenvolver ações para redução das cargas dos efluentes doméstico e industrial. Aumentar o conhecimento para racionalizar o uso da água, conservação do solo certificação ambiental na agricultura e composição da poluição difusa. Desenvolver ferramentas de gestão para gerenciar os usos múltiplos e a conservação ambiental em bacias hidrográficas; desenvolver arranjos institucionais para tornar a gestão mais eficiente. Mitigação dos impactos de secas e inundações por meio de previsão, planejamento do espaço e outras medidas preventivas e ações durante os eventos. Mecanismos técnicos e benefícios da gestão integrada dos recursos hídricos considerando os aspectos sociais, econômicos e ambientais; eficiência e aprimoramento da gestão dos recursos hídricos. Favorecer o fortalecimento da indústria nacional de equipamentos e de serviços para: monitoramento, laboratórios, e softwares para gestão hídrica; reuso da água, desenvolvimento de equipamentos para aumento da eficiência e racionalização do uso da água. Formar o pessoal necessário para atuar nas ações de pesquisa, desenvolvimento e gestão do setor de recursos hídricos. Implementar, ampliar, equipar e modernizar centros de pesquisa e laboratórios que atuam no setor de recursos hídricos. 10

11 Aumentar o desenvolvimento de produtos tecnológicos para obtenção e processamento de informações para gestão e o desenvolvimento de empresas especializadas em produtos no setor; e Aumentar o número de profissionais em recursos hídricos em pesquisa e na gestão, nos níveis estadual, federal e dos municípios, para atuarem no Sistema de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Para cada uma destas linhas de ação devem ser: (a) Identificadas as necessidades de prospecção tecnológica quando não houver informações suficientes; ou (b) preparado um documento de base como a definição dos objetivos, justificativa, metas a serem atingidas, plano de investimento nos mecanismos de investimento e recursos no horizonte definido para o PPI. 5. CONCLUSÕES As diretrizes se fundamentam em linhas de pesquisas de interesse da sociedade e para o desenvolvimento do país, considerando o estágio dos recursos hídricos do Brasil. A produção em C&T é voltada para resolver desafios existentes: (a) Relação a relação da finita disponibilidade x infinita demanda nas bacias hidrográficas brasileiras dos setores do agronegócio, energia, saneamento e transporte; (b) sustentabilidade ambiental resultante dos setores citados no item anterior; (c) vulnerabilidade humana e ambiental aos desastres naturais e aos efeitos da variabilidade e mudança climática. Estes investimentos devem procurar traçar metas bem objetivas que permitam medir o avanço do setor em face dos recursos ao longo do tempo para que o Fundo não se perca de fragmentação do conhecimento. REFERÊNCIAS BRASIL,1996 Lei n.º 9427, de 26 de dezembro de Que Instituí a Agência Nacional de Energia Elétrica, disciplina o regime das concessões de serviços públicos de energia elétrica e dá outras providências. BRASIL,1997 Lei n.º 9.433, de 8 de janeiro de Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Recursos Hídricos e dá outras providências. BRASIL, 2000 Lei n.º 9.984, de 17 de julho de Dispõe sobre a Criação da Agência Nacional de Águas - ANA, Senado Federal. 11p. CNRH, Moção n. 005/2010 sobre Pesquisa em Recursos Hídricos. Conselho Nacional de Recursos Hídricos. CABEZAS, SUZANA, Participación pública, comunicación y educación en la etapa de prelación del proyecto del programa marco. CIC/GEF/OEA/PNUMA. MMA, Plano Nacional de Recursos Hídricos. Ministério de Meio Ambiente. MCT, Diretrizes Estratégicas do CT-HIDRO. Ministério de Ciência e Tecnologia Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. 45p. MCT, Plano Plurianual de Aplicação Fundo de Recursos Hídricos CT-HIDRO e Ministério de Ciência e Tecnologia, 70p. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.001, de 13 de março de Define os Percentuais da Distribuição da Compensação Financeira (...) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.993, de 24 de Julho de Destina Recursos da Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos (...) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 3.874, de 19 de Julho de Regulamenta a Lei nº e a Lei nº 9.993, e trata do Comitê Gestor do CT-Hidro. SCIVAL, Confronting the Global Water Crisis Through Research TUCCI, C. E. M; MENDES C.A, 2006 Avaliação Ambiental Integrada de Bacias Hidrográficas. Ministério de Meio Ambiente. 350p. VAUX, H., Water Resources Research in the 21st century. Universities Council on Water Resources Journal of Contemporary Water Research & Education issue 131, pages 2-12, june

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Gestão da Qualidade da Água. Monica Porto Escola Politécnica da USP

Gestão da Qualidade da Água. Monica Porto Escola Politécnica da USP Gestão da Qualidade da Água Monica Porto Escola Politécnica da USP Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos A lei 9.433, de 8.1.97, que institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Funções da SDS Mudanças Climáticas Política Estadual sobre Mudanças Climáticas Objetivos: Fomento e incentivo

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil - Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Organismos de bacia Histórico Constituição de 1988 estabeleceu, entre outros aspectos, que as águas são bens públicos,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Nelson Neto de Freitas 8º Seminário Água, Comunicação e Sociedade XVI ENCOB - Maceió, 23 de novembro de 2014 A Política e o Sistema Nacional de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Decreto n 5.707/2006 Marco Legal Decreto nº 5.707, de 23/02/2006 Instituiu a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL Braulio Dias DCBio/MMA 1. Realização de estudos estratégicos; 2. Definição de áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade brasileira; 3.

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS 12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS Os Planos de Recursos Hídricos estão previstos nos Artigos 6 a 8 da Lei Federal N 9.433, de 08.01.97, onde

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes:

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes: A Academia Brasileira de Ciências (ABC), em parceria com o Instituto Internacional de Ecologia (IIE) - e com o suporte da Rede Interamericana de Academias de Ciências (IANAS), da Rede Africana de Academias

Leia mais

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Plano de Recursos Hídricos Plano diretor de longo prazo que

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais