RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA"

Transcrição

1 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA Brasília, 2009

2 Ministério do Meio Ambiente MMA Secretária de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ / MMA A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610) 1ª edição exemplares Publicada em setembro/2008 Ministério do Meio Ambiente Ministro de Estado do Meio Ambiente Carlos Minc Baumfeld Secretária-Executiva Izabella Mônica Vieira Teixeira Secretária de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ Suzana Kahn Ribeiro Departamento de Mudanças Climáticas Diretora: Branca Bastos Americano Coordenação de Proteção da Camada de Ozônio Coordenadora: Magna Luduvice Equipe da Coordenação de Proteção da Camada de Ozônio Tatiana Zanette Euler Martins Lage Frank Amorim Alex Silva Publicação Responsável técnico: Leonilton Tomaz Cleto Revisão técnica: Liamarcia Silva Hora Produção gráfica: Claudia Focking Projeto gráfico e diagramação: Link Design Coordenação de Proteção da Camada de Ozônio Esplanada dos Ministérios Bloco B, 8º andar Brasília/DF Cep: Telefone: (61) Fax: (61)

3 Sumário 1 Introdução, 5 2 Códigos e normas aplicáveis, Normas brasileiras e internacionais 2.2 Guidelines & Posters 2.3 Sites na internet de referência 3 Responsabilidades do operador do sistema, Conhecimento básico 3.2 Manutenção preventiva 4 Sistemas de proteção, Equipamentos de proteção individual 4.2 Equipamentos de proteção coletiva 4.3 Equipamentos auxiliares 4.4 Precauções para manuseio de Amônia 4.5 Tratamento de primeiros socorros 5 Operação e manutenção contaminação com água, Causas da contaminação com água 5.2 Efeitos provocados pela contaminação com água 5.3 Detecção da contaminação com água 5.4 Regeneração da Amônia 6 Líquido enclausurado, Líquido enclausurado em linhas e/ou componentes 6.2 Desaceleração súbita do líquido 6.3 Propulsão de líquido pelo vapor 7 Modificações em sistemas existentes, Recolhimento de Amônia 7.2 Instalação do ponto de espera (Tie-In) 7.3 Testes 7.4 Início da operação após a modificação 8 Procedimentos de operação e manutenção em instalações de Amônia, Procedimento adequado de drenagem de óleo em vaso de pressão 8.2 Procedimento inadequado de drenagem de óleo em vaso de pressão 8.3 Procedimento de recolhimento de Amônia do reservatório de líquido 8.4 Procedimento para inspeção e repara nos condensadores evaporativos 8.4 Procedimento sobre a manutenção geral do sistema de refrigeração 3 9 Literatura de referência, software e bibliografia utilizados, Literatura 9.2 Softwares 9.3 Bibliografia Apêndice A Critérios de projeto para coletores de óleo, 65

4

5 1. Introdução O objetivo deste Guia de Referência é de apresentar algumas recomendações para uma operação e manutenção seguras em um sistema de refrigeração por Amônia a serem aplicados pelas equipes de operação e manutenção do sistema. Este Guia de Referência abrange os aspectos de segurança a serem considerados, durante procedimentos operacionais de campo e serviços de manutenção no sistema. Este documento não tem função de norma nem substitui as obrigações necessárias requeridas por autoridades locais, estaduais ou federais quanto aos aspectos de segurança a serem cumpridos para obtenção de licenças de instalação e/ou funcionamento de um sistema de refrigeração por Amônia. Este documento deve ser utilizado por pessoal qualificado, com conhecimento teórico e prático sobre sistemas de refrigeração por Amônia e experiência adequada em operação e manutenção dos vários componentes do sistema. RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

6

7 2. Códigos e normas aplicáveis Atualmente, as boas práticas e cuidados desenvolvidos e utilizados nos sistemas existentes de refrigeração por Amônia no Brasil, baseiam-se na documentação internacional disponível. A comissão de estudos de refrigeração industrial CE-55:001.04, do CB-55, da ABNT, está desenvolvendo uma norma brasileira sobre segurança em sistemas de refrigeração, a NBR A norma está baseada no ANSI/ASHRAE Standard e utiliza as demais normas internacionais, como referência para discussão. A norma já está em fase final de elaboração, com o lançamento para consulta pública previsto ainda para A seguir, os principais documentos disponíveis, relacionados à aplicação de Amônia em sistemas de refrigeração. 2.1 Normas brasileiras e internacionais 7 Normas Brasileiras NR Caldeiras e Vasos de Pressão Normas Regulamentadoras da Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho - Ministério do Trabalho Lei nr /12/1977. P4.261 Manual de Orientação para a Elaboração de Estudos de Análise de Riscos CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental 13/08/2003. NBR Vasos de Pressão para Refrigeração ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas 04/1996. Standards Internacionais ANSI/ASHRAE Standard Safety Code for Mechanical Refrigeration American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers. ANSI/IIAR Equipment, Design & Installation of Ammonia Mechanical Refrigerating Systems International Institute of Ammonia Refrigeration. EN 378 Part : Refrigerating systems and heat pumps - Safety and environmental requirements European Comittee for Standardisation Part 1: Basic requirements, definitions, classification and selection criteria RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

8 8 Part 2: Design, construction, testing, marking and documentation Part 3: Installation site and personal protection Part 4: Operation, maintenance, repair and recovery ISO 5149:1993 Mechanical Refrigerating Systems used for Cooling and Heating Safety Requirements International Organization for Standardization. ANSI/ASME B Refrigeration Piping American Society of Mechanical Engineers. ANSI/IIAR Standard : Ammonia Refrigeration Valves. Código ASME para Dimensionamento de Vasos de Pressão ASME Pressure Vessel Code 2004 Section VIII Div. 1 Rules for Construction of Pressure Vessels American Society of Mechanical Engineers. ASME Pressure Vessel Code 2004 Section II Materials Part A Ferrous Material Specifications American Society of Mechanical Engineers. ASME Pressure Vessel Code 2004 Section II Materials Part C Specifications for Welding Rods Electrodes and Filler Metals American Society of Mechanical Engineers. ASME Pressure Vessel Code 2004 Section II Materials Part D Properties American Society of Mechanical Engineers. ASME Pressure Vessel Code 2004 Section V Nondestructive Examination American Society of Mechanical Engineers. ASME Pressure Vessel Code 2004 Section IX Welding and Brazing Qualifications American Society of Mechanical Engineers. 2.2 Guidelines & Posters O IIAR International Institute of Ammonia Refrigeration, possui atualmente os seguintes Boletins/Guias de Referência relacionados à aplicação de Amônia em sistemas de refrigeração, entre suas publicações: Bulletin R1 1983: A Guide to Good Practices for the Operation of an Ammmonia Refrigeration System.

9 Bulletin : Guidelines for: Suggested Safety and Operating Procedures when Making Refrigeration Plant Tie-Ins. Bulletin : Guidelines for: Water Contamination in Ammonia Refrigeration Systems. Bulletin : Guidelines for: IIAR Minimum Safety Criteria for a Safe Ammonia Refrigeration System. Bulletin : Guidelines for: Start-Up, Inspection and Maintenance of Ammonia Mechanical Refrigerating Systems. Bulletin : Guidelines for: Ammonia Machinery Room Ventilation. Bulletin : Guidelines for: Ammonia Machinery Room Design. Bulletin : Guidelines for: Identification of Ammonia Refrigeration Piping and System Components. Bulletin : Guidelines for: Avoiding Component Failure in Industrial Refrigeration Systems Caused by Abnormal Pressure or Shock. O IIAR possui ainda uma série de Posters, que podem ser utilizados como referência rápida no ambiente de trabalho, os quais já estão disponíveis em português, com os seguintes temas: Equipamento de Proteção para Sistemas de Refrigeração. Manutenção Preventiva Básica para Sistemas de Refrigeração. Primeiros Socorros ao Contato com Amônia. Instruções para Drenagem de Óleo O IOR Institute of Refrigeration, com sede no Reino Unido, possui os seguintes documentos específicos para refrigeração por Amônia: IOR Guidance Note : Working with Ammonia. IOR Ammonia Guidelines Oil Draining from Ammonia Systems IOR Ammonia Safety Code 2002 (Norma em Revisão). 9 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

10 2.3 Sites na Internet de referência 10 acima: A seguir, uma lista de sites de referência onde é possível obter o material listado ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas: CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Secretaria do Meio Ambiente do Governo do Estado de São Paulo: Ministério do Trabalho Normas Regulamentadoras da Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho IIAR International Institute of Ammonia Refrigeration: ASHRAE American Society of Heating Refrigerating and Air Conditioning Engineers: CEN - European Comittee for Standardisation: ISO International Organization for Standardization: IOR Institute of Refrigeration:

11 3. Responsabilidades do operador do sistema Este capítulo trata da capacitação e das qualificações mínimas necessárias ao operador do sistema e tem como base o Bulletin R1 1983: A Guide to Good Practices for the Operation of an Ammmonia Refrigeration System [1]. Deve-se enfatizar que é essencial um treinamento específico, com programa de reciclagem educacional contínua, para se manter uma equipe de operação capacitada e para garantia da operação segura do sistema. 3.1 Conhecimento básico Inicialmente, para operação de um sistema de refrigeração por Amônia, é necessário um conhecimento pleno dos fundamentos básicos de refrigeração, incluindo as características do ciclo de compressão à vapor, as relações pressão x temperatura do fluido refrigerante, as funções e características principais dos componentes do sistema de refrigeração e os aspectos envolvendo a sua segurança. Não significa que o operador saiba como projetar um sistema, mas precisa ter conhecimento suficiente dos vários aspectos do mesmo, principalmente sobre o sistema no qual ele opera. O Operador deve: Operar o sistema de maneira segura, conforme os requisitos de projeto e dentro das faixas limites de operação normal; Conhecer a função e operação de cada componente do sistema; Entender a operação combinada entre os vários componentes do sistema. O operador deve estar familiarizado com os seguintes componentes e operação: Compressor Cada tipo e modelo de compressor (ainda que do mesmo fabricante) possui uma série de limites operacionais. Estes limites (relacionados principalmente a pressões, RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

12 temperaturas e rotação) definem a faixa de aplicação na qual cada compressor pode operar de maneira segura. Os limites mais importantes são protegidos por controles de segurança, os quais o operador deve estar familiarizado com os pontos de ajuste e função. A seguir, os principais elementos de controle: Baixa pressão de sucção; Alta pressão de descarga; Baixa pressão diferencial de óleo; Alta temperatura de descarga; Baixa temperatura de descarga; Alta temperatura de óleo; Alta corrente do motor elétrico; Outros controles de segurança específicos para cada tipo de compressor Válvulas de controle automático A função básica das válvulas de controle é de regular automaticamente a pressão, temperatura, nível ou vazão de injeção de fluido refrigerante nos vários componentes do sistema. É importante saber: O funcionamento da válvula (princípio de operação e condições); Qual a função de regulagem da válvula; Quais os ajustes da válvula e como ajustá-la para determinada condição de operação e controle; O que acontece com o sistema quando a válvula abre ou fecha; O que acontece com o sistema quando a válvula é isolada do restante do sistema ou quando há um bypass manual; O que acontece com a válvula e o sistema quando há uma falha de energia. O que acontece quando a válvula é re-energizada Válvulas de bloqueio Estas válvulas são instaladas no sistema com a função de isolar certos componentes do restante do sistema ou de bloquear/parar o fluxo de fluido refrigerante. Elas podem

13 ser operadas manualmente, ou através de comando elétrico, pneumático e até através de piloto pelo fluido refrigerante pressurizado. É importante saber: Onde cada válvula de bloqueio está localizada no sistema; O que acontece com o sistema quando se abre ou fecha a válvula; Qual a posição normal de operação da válvula (normalmente aberta ou normalmente fechada); Como determinar se a válvula está aberta ou fechada (quando não há uma indicação externa evidente) Válvulas de alívio de pressão (válvulas de segurança) As válvulas de alívio de pressão tem a função essencial de evitar que haja rupturas devido à pressão excessiva em vasos de pressão, compressores, trocadores de calor, descargas de bombas de Amônia e em alguns trechos da tubulação. Todas as válvulas de segurança precisam ser inspecionadas periodicamente, conforme os requisitos da legislação. O operador deve saber: A localização das válvulas de alívio de pressão no sistema; O ponto de ajuste correto de cada válvula de alívio de pressão. Cada válvula deve ser distintamente identificada e tagueada ; Qual componente ou parte do sistema cada válvula foi designada para proteger; Qual ação (condição de desvio de operação) deve ocorrer para que a válvula eventualmente venha a atuar Controles elétricos/eletrônicos O sistema de refrigeração possui vários componentes de controle elétrico ou eletrônico tais como disjuntores, fusíveis, relés, temporizadores, malhas de controle e várias funções de proteção controladas por sistema computadorizados. Muitos deles localizados em um painel elétrico, painel microprocessado ou ainda na tela de um sistema de supervisão e gerenciamento do sistema de refrigeração. É responsabilidade do operador conhecer plenamente: Qual o propósito de cada controle; Qual componente ou parte do sistema cada controle é designado para proteger; RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

14 O que fazer em caso de falha de energia; O que acontece com o sistema em um período longo de desligamento; Qual a sequência de operação para desligamento completo do sistema; Qual a sequência de operação para a entrada em funcionamento do sistema; Como aliviar o sistema devido a uma elevação de pressão provocada por uma parada do sistema, durante a uma falha de energia Mudanças de temperatura/pressão no sistema 14 São muitos os fatores que podem afetar as temperaturas e pressões normais de operação do sistema de refrigeração incluindo mal funcionamento mecânico ou elétrico, temperatura ambiente, carga de produto, etc. É importante saber: Quais as condições de projeto e as condições normais de operação do sistema, incluindo temperaturas e pressão de cada regime de operação; Quais as causas e efeitos em caso de mudança de temperatura ou pressão: No lado de baixa pressão do sistema; Na pressão intermediária do sistema (para sistemas de duplo estágio); No lado de alta pressão do sistema. Em caso de desvio operacional, quais ações serão tomadas de modo a restaurar as condições normais de temperatura e pressão nos vários pontos do sistema Recolhimento de fluido refrigerante Um sistema de refrigeração bem projetado inclui a facilidade de se transferir o fluido refrigerante de uma parte para outra do sistema com o propósito de manutenção. Cada operador deve ser bem treinado para realizar operações de recolhimento e transferência em todas as partes do sistema. Além disso deve saber: Qual ação tomar quando houver uma elevação de pressão no sistema; Qual ação tomar em caso de um vazamento não previsto; Como realizar as operações de recolhimento no sistema ou manter vácuo nos diferentes componentes do sistema, para realização de reparos.

15 3.2 Manutenção preventiva Um dos fatores mais importantes para a operação segura do sistema de refrigeração é o conhecimento do operador com relação à manutenção preventiva dos vários componentes do sistema. Cada componente requer uma rotina de inspeção, limpeza ou ajuste interno e possivelmente a substituição. As seguintes operações/ revisões devem ser realizadas periodicamente: Compressores devem ser revisados conforme a periodicidade e requisitos do fabricante; Óleo lubrificante deve ser inspecionado e substituído conforme a periodicidade e requisitos do fabricante do compressor; Filtros devem ser limpos ou substituídos conforme recomendação do fabricante. Caso seja necessário realizar manutenções com maior freqüência, pode ser um indicativo de problemas relacionados à qualidade e pureza da Amônia no sistema; Controles de Segurança devem ser inspecionados e testados através de operação manual para garantir que os mesmos estão funcionando corretamente. Quando em falha, deverão ser substituídos imediatamente; Válvulas de Bloqueio devem ser verificadas quanto à vedação completa através de manobras periódicas de inspeção de cada válvula. O castelo deve estar livre de pintura ou ferrugem e o corpo da válvula livre de vazamento; Válvulas de Controle Automático devem ser verificadas através da sua operação manual. Componentes defeituosos tais como bobinas de solenóides, pilotos e as partes internas (mecânicas) devem ser imediatamente substituídas. Filtros de linha antes das válvulas devem ser limpos, especialmente se for verificado alguma perda de capacidade; Drenos de Óleo devem ser verificados e o excesso de óleo deve ser removido com a frequência necessária. Se houver um aumento da frequência de drenagem de óleo é um sintoma que há arraste excessivo de óleo dos compressores para o sistema; 15 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

16 16 Válvulas de Expansão devem ser verificadas quanto ao ajuste correto. Em caso de válvulas eletrônicas os sensores de pressão e temperaturas deverão ser calibrados periodicamente; Manômetros e Termômetros de Campo, Sensores Temperatura e Transdutores de Pressão devem possuir um programa de calibração periódico; Visores de Nível devem ser mantidos limpos e desobstruídos. Devem ser protegidos de maneira adequada. Tubos de vidro devem ser evitados e substituídos por visores blindados com proteção externa; Controladores de Nível e Sensores de Nível e Alarmes de Nível devem ser inspecionados e testados através de operação manual para garantir que os mesmos estão funcionando corretamente. Quando em falha, deverão ser substituídos imediatamente; Bombas de Refrigerante devem ser verificadas quanto ao desempenho através de medições constantes das pressões de sucção e descarga e da corrente dos motores. Devem ser revisadas conforme a periodicidade e requisitos do fabricante; Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva tais como máscaras, luvas, aparelhos autônomos de respiração, lava-olhos, chuveiros e sinalização de emergência devem ser verificados regularmente; Procedimentos de Emergência devem ser frequentemente executados em exercícios simulados e revisados pelo menos a cada 2 anos. Outros itens a serem constantemente inspecionados: Tubulação de Amônia e suportes da tubulação devem ser inspecionados quanto à vibração. O isolamento térmico também deve ser verificado em toda sua extensão quanto a danos ou rompimento da barreira de vapor, condensação ou congelamento no revestimento externo; Vazamentos. Uma boa instalação de Amônia não deve ter vazamentos. Caso sejam verificados traços de óleo em conexões flangeadas ou próximo a válvulas se perceber o odor de Amônia, os mesmos devem ser verificados. É importante uma verificação periódica nos vários pontos sujeitos a vazamentos na instalação; Sistemas Hidrônicos devem ser verificados quanto à possibilidade de vazamentos através de análise periódica da qualidade de água se há traços de contaminação com Amônia.

17 4. Sistemas de proteção 4.1 Equipamentos de proteção individual Todo operador trabalhando na sala de máquinas deve normalmente usar um conjunto de equipamentos para proteção individual, que dependerá da atividade em questão. Tradicionalmente se adotam óculos, botas e capacete na maioria dos casos. Nas operações onde há risco de vazamento de Amônia a proteção respiratória é essencial, e deve incluir pelo menos uma máscara de proteção facial com filtro apropriado. As situações de emergência podem gerar condições bem mais severas que aquelas observadas na operação do dia a dia. Para essas situações, uma brigada de emergência deve assumir o controle da situação, a qual deverá estar munida de equipamentos de proteção individual especiais antes de iniciar qualquer ação corretiva. Em sistemas de refrigeração por Amônia, recomenda-se os seguintes equipamentos de auxílio aos operadores e à brigada de emergência: Capacetes, Óculos, Botas, Capas e Luvas de Neoprene, para proteção corporal contra radiação, respingos, objetos em queda, para todos os operadores e membros da brigada de emergência; Máscaras Panorâmicas, que proporcionam proteção respiratória para atividades operacionais sujeitas a pequenos vazamento de Amônia onde a concentração de Amônia for menor que 500 ppm. Não deve ser utilizada em locais confinados, onde existam excesso de vapores ou nuvem tóxica. Recomenda-se que cada operador possua sua máscara e seja treinado para utilizá-la. Os filtros devem ser constantemente verificados e mantidos dentro do prazo de validade; Equipamento de Respiração Autônoma (SCBA), que proporciona proteção respiratória total numa operação de resgate de pessoas intoxicadas ou controle de situações críticas, principalmente em locais confinados. O cilindro deve ter autonomia mínima de 20 min. Recomenda-se que hajam pelo menos dois equipamentos desses na instalação e que estejam estrategicamente localizados, em abrigos apropriados e em posição de serem rapidamente vestidos; Roupas de Proteção de Nível A (Macacão de PVC ou Borracha Clorobutílica, com Botas e Luvas de Neoprene ou Borracha incorporadas ao macacão), que 17 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

18 proporcionam total proteção corporal para os casos onde há necessidade de controlar vazamentos de Amônia líquida ou quando for necessário entrar dentro da nuvem tóxica. Recomenda-se que haja pelo menos um conjunto completo desses na instalação junto com os equipamentos de respiração autônoma. Os operadores da sala de máquinas devem ser treinados na sua utilização pois em caso de grande vazamento, os mesmos deverão utilizá-las para acesso à sala de máquinas para identificação da fonte de vazamento e procedimentos específicos (como o fechamento válvulas) para cessar o vazamento. 4.2 Equipamentos de proteção coletiva 18 Nas operações de resgate de pessoas atingidas por respingos ou jatos de Amônia e/ou intoxicadas pela inalação de vapores, são necessários os seguintes equipamentos: Chuveiro de Emergência e Lava olhos, que deverão ser instalados próximos às portas de saída da sala de máquinas; Manta para Fogo e Maca, Cobertor, Estojo de Primeiros Socorros e Garrafa de Oxigênio com Máscara a serem mantidos em abrigos apropriados e de fácil acesso à brigada de emergência. 4.3 Equipamentos auxiliares Rádio portátil, para uso constante do coordenador local de emergência do turno, possibilitando uma localização e comunicação rápida entre a portaria da instalação, o coordenador e os vários agentes externos (bombeiros, polícia, etc.); Birutas, com iluminação noturna, instaladas em pontos distintos da instalação, sem as quais não será possível orientar a ação da brigada de emergência e nem decidir pela forma de evacuação durante um escape; Elementos de Sinalização, incluindo: Cones reflexíveis; Rolos de fitas de isolamento reflexivo; Placas de aviso sinalizadoras; Bandeirolas de sinalização;

19 Lanternas à prova de explosão com baterias de longa duração; Megafone à prova de explosão; Ventiladores portáteis; Gerador portátil de emergência; Detectores Eletrônicos de Amônia portáteis. Todos os equipamentos de emergência devem ser freqüentemente submetidos a uma inspeção rigorosa, por uma pessoa tecnicamente qualificada a qual deve relatar sempre que haja a necessidade de manutenção ou substituição. 4.4 Precauções para manuseio de Amônia EPIs Equipamentos de Proteção Individual não substituem condições seguras de trabalho, mas certas operações podem exigir alguma proteção mínima, enquanto que situações de emergência demandarão um alto grau de proteção pessoal. Qualquer pessoa que eventualmente tenha que usar estes equipamentos deve estar totalmente treinada e conhecer suas limitações. A seguir algumas recomendações sobre o uso de EPIs e precauções em operações de manuseio com Amônia: Óculos ampla-visão e luvas, de neoprene ou borracha, são os equipamentos mínimos a serem usados por qualquer pessoa trabalhando na instalação, em condições normais; Para as operações de drenagem de óleo, purgas, retirada de amostras, deve- se proteger o corpo contra respingos e projeções, botas de borracha, luvas e além disso usar máscara panorâmica para proteção respiratória. Em alguns casos será necessário o uso de avental de PVC ou borracha clorobutílica; Use, sempre que for trabalhar com Amônia, máscaras com o filtro apropriado e dentro do prazo de validade; O local de trabalho deverá ter ventilação adequada; Saiba onde se encontram os sistemas de respiração autônoma e como usá-ios. No caso de uma emergência, deve-se usar equipamento de respiração autônoma, que proporciona a proteção total necessária numa manobra de resgate ou controle de situações críticas; 19 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

20 Ao mais leve cheiro de Amônia, coloque máscara e procure o vazamento, avisando a manutenção e interditando a área; Evitar que pessoas com doenças na visão e/ou pulmões transitem pela área e muito menos trabalhem neste local; Quando houver Amônia líquida em tubulações ou vasos, esta deverá ser totalmente evaporada antes de qualquer serviço nestes itens, deixando a área livre e demarcada durante a operação.; O supervisor de segurança deverá autorizar os serviços de manutenção mediante uma permissão para trabalho; Manter quaisquer outros compostos gasosos afastados da Amônia, tais como Cloro, GLP, ácidos, etc. 4.5 Tratamento de primeiros socorros 20 É importante que em todos os atendimentos os socorristas estejam usando proteção respiratória adequada e removam a vítima do local para uma área livre e descontaminada mais próxima possível, e solicitem imediatamente a assistência médica e ambulância. No caso do produto ter atingido os olhos a rapidez será vital. Os olhos devem ser lavados com solução lava-olhos, água boricada, ou água corrente durante no mínimo 10 minutos. Se não houver serviços médicos disponíveis a lavagem deve continuar por mais 20 minutos. No caso do produto ter atingido a pele, as roupas que tiverem entrado em contato com o produto devem ser removidas com cuidado (pois a roupa pode se colar ao corpo) e as partes do corpo atingidas devem ser lavadas abundantemente. No caso de inalação de vapores, o acidentado deve ser colocado diretamente no solo para um possível tratamento de respiração artificial e/ou massagens cardíacas. Caso a respiração esteja difícil, aplicar oxigênio com aparelho de respiração controlada. Se a vítima parou de respirar, aplicar respiração artificial. No caso de parada cardíaca, aplicar massagem cardíaca externa. No caso de ingestão, forneça grandes quantidades de água para beber se a vítima ainda estiver consciente. Não induza o vômito.

21 Um tratamento sintomático e de fortalecimento geral será necessário após a fase crítica da intoxicação. As consequências de uma intoxicação com Amônia não ultrapassam normalmente mais do que 72 horas, mas as lesões oculares poderão ser permanentes. Se a exposição for severa, o paciente deverá ser mantido em observação médica por no mínimo 48 horas, uma vez que existe a possibilidade de edema pulmonar retardado. 21 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

22

23 5. Operação e manutenção contaminação com água 5.1 Causas da contaminação com água A contaminação com água em uma instalação pode ocorrer desde o período da montagem da instalação e até durante a operação normal do sistema. Contaminação durante a montagem: Condensação (de umidade) dentro da tubulação não protegida durante a montagem; Equipamentos, tubulação e demais componente expostos ao tempo durante o período de montagem sem proteção, ou sem pressurização interna (com Nitrogênio, por exemplo); Vasos de pressão após testes hidrostáticos que foram mal drenados; Condensação (de umidade) devido a teste pneumático das linhas utilizando ar úmido; Vácuo mal feito (ou nem realizado); Carga inicial de Amônia com presença de água (proveniente de fornecedores não qualificados). Deve-se exigir o certificado de pureza (99.95%) da carga de Amônia a ser fornecida. Contaminação durante a operação: Ruptura de tubos de trocadores Shell-and-Tube, principalmente em resfriadores de água ou condensadores a água; Procedimentos não apropriados de drenagem de óleo ou purga de Amônia durante a manutenção em vasos ou linhas, com pressão abaixo da atmosférica (Tev< o C). O risco aumenta quando a purga é feita para tanques com água e, neste caso, é recomendável a instalação de válvulas de retenção na linha de purga para evitar que pelo contra-fluxo a água penetre no interior do circuito de refrigeração; 23 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

24 Pequenos vazamentos em válvulas, juntas, selos de bombas, selos de compressores e em serpentinas de evaporadores quando operam com baixas pressões (com Tev< o C), ou mesmo em operação de recolhimento; Procedimento de vácuo não apropriado após a manutenção de um equipamento do sistema. Muitas vezes nem é feito o vácuo; Amônia utilizada para reposição com presença de água (proveniente de fornecedores não qualificados). No entanto, nem sempre é possível evitar a penetração de água no sistema. Além dos cuidados com a drenagem e com o vácuo, fica difícil avaliar a contaminação ao longo dos anos senão pela análise de amostras em vários pontos da instalação. 24 Uma forma de se observar o quanto de água penetra em sistemas com baixas pressões que possuem purgadores de ar é através da monitoração da purga de ar. É importante lembrar que o ar que eventualmente penetra no circuito de refrigeração possui umidade, mas o ar que é purgado é completamente seco, pois a água se solubiliza com a Amônia e fica acumulada no sistema. Quando se considera um período de 10 anos não é surpresa encontrar 5-10% de água na instalação. Uma pesquisa realizada nos anos 90 [3] em mais de 100 instalações da Dinamarca, Noruega e Suécia, mostrou que grande parte delas continham cerca de 2% a 6% de água e que mais de 10% das instalações possuíam mais do que 8% de água acumulada no separador de líquido no lado de baixa pressão. 5.2 Efeitos provocados pela contaminação com água Os principais efeitos da contaminação da Amônia com água são: A água que entra no circuito de refrigeração irá se acumular no fundo dos separadores de líquido e evaporadores do sistema. Isto provocará uma diminuição da capacidade efetiva e do COP do sistema numa proporção aproximada à quantidade de água acumulada ( ex. 5% de água significa uma perda de cerca de 5% de capacidade no sistema); Reações químicas com a formação de hidróxido de amônio (NH4OH) que podem provocar corrosão galvânica em válvulas e linhas, principalmente onde há acúmulo de óleo;

25 Juntamente com a presença de oxigênio (do ar que penetra no circuito de refrigeração), ocorre a quebra das cadeias moleculares do óleo, através da oxidação, nitritação e formação de compostos nitrosos. Estes compostos são solúveis em Amônia e são arrastados após o separador de óleo. Com isso, o consumo de óleo se torna excessivo e vários componentes podem se deteriorar devido à corrosão. A seguir, um exemplo de uma planta operando a uma temperatura de evaporação de -40 O C e uma temperatura de condensação de 35ºC, com compressores de parafuso em sistema de duplo estágio ( booster ) {1}. O que acontecerá com o consumo de energia e a capacidade se a contaminação da água nos evaporadores é de 10% ou de 20%? 100% NH e 0% H O nos evaporadores: 3 2 T ev = -40 o C Pev = 70 kpa abs (0.70 bar abs) T cd = 35 o C COP = % NH e 10% H O nos evaporadores: 3 2 T ev = -40 o C P ev = 63 kpa abs (0.63 bar abs) T cd = 35 o C COP = % NH e 20% H O nos evaporadores 3 2 T ev = -40 o C P ev = 56 kpa abs (0.56 bar abs) T cd =35 o C COP=1.60 Com o aumento gradativo da contaminação da Amônia com água, o valor do COP do compressor vai diminuir. Tomando como exemplo um túnel de congelamento com capacidade de refrigeração de 1500 kw ( kcal/h), que opera 16 horas por dia, 360 dias por ano, nestas condições de funcionamento, o comparativo a seguir mostra qual o consumo de energia adicional (em kwh) necessário para se obter a mesms capacidade de refrigeração: 25 RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

26 Com 100% NH e 0% H 0 nos evaporadores: 3 2 Para 1500 kw de capacidade, o consumo de energia para cada condição será: 1500 kw/1.80 = kw 12 h x 360 dias x kw / (1000 kw/mw) = 3600 MWh por ano Com 90% NH e 10% H O nos evaporadores: /1.69 = kw 12 h x 360 dias x kw / (1000 kw/mw) = 3835 MWh por ano 26 Consumo adicional: = 235 MWh/ano, para cada 1500 kw de Capacidade. Considerando ~R$ 150,00/MWh, obtém se o seguinte custo adicional: Custo Adicional: R$ ,00/ ano, para cada 1500 kw de Capacidade Com 80% NH3 e 20% H2O nos evaporadores: 1500/1.60 = kw 12 h x 360 dias x kw / (1000 kw/mw) = 4050 MWh por ano Consumo adicional: = 450 MWh/ano, para cada 1500 kw de Capacidade. Custo Adicional: R$ ,00/ ano, para cada 1500 kw de Capacidade A Tabela 01 indica a redução de capacidade e do COP, para o exemplo citado, operando no regime -40 O C/-10 O C/+35.0 O C {1}. Quantidade de água na Amônia 0% 5% 10% 15% 20% Pressão (kpa abs) a -40 O C Capacidade (kw) COP Redução de capacidade --- 6% 10% 14% 19% Redução de COP --- 4% 6% 8% 11%

27 5.3 Detecção da contaminação com água O IIAR Bulletim [2] descreve um procedimento adequado, incluindo todo o aparatus necessário para coleta e análise para a determinação da concentração de água em uma amostra de Amônia contaminada. Porém, para uma análise criteriosa, recomenda-se a contratação de uma empresa especializada na retirada da coleta e na realização da análise em laboratório. Alguns fornecedores de Amônia para sistemas de refrigeração possuem este serviço. Os melhores pontos do sistema para a coleta de amostras são a linha de descarga das bombas de Amônia e os pontos de drenagem óleo (ou de líquido) dos vasos separadores de líquido do lado de baixa pressão. Deve-se observar que nos separadores de líquido, pode haver uma separação parcial de água da Amônia no fundo, o que resultará em 3 regiões de líquido distintas: Água no fundo, com uma pequena concentração de Amônia (líquido mais denso); Óleo no nível intermediário (mais denso que a Amônia); Amônia líquida contaminada com água na camada superior. Esta estratificação pode ser observada no processo de drenagem de óleo dos coletores de óleo. Quando é grande a presença de água, logo no início da drenagem para o recipiente externo (ex. balde), percebe-se que o líquido transparente que sai não possui um odor pungente e nem vaporiza com grande intensidade, pois trata-se de água (ou solução fraca de hidróxido de Amônia). Em seguida vem o óleo e finalmente a Amônia contaminada. A amostra a ser coletada para fins de análise de concentração de água, deve ser aquela que contém Amônia contaminada, e não a água inicial da drenagem Regeneração da Amônia De forma a manter as condições de operação dentro de limites aceitáveis, recomenda-se que o percentual de água seja mantido no máximo em 0.5% (o grau de pureza da Amônia recomendada para sistemas de refrigeração é de 99.95%, ou seja no máximo 0.05% de água). Para que isto seja possível é necessário a utilização de um RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

28 28 regenerador de Amônia, um equipamento onde a Amônia se separa por evaporação da mistura água-amônia e a água residual (no estado líquido) é drenada do sistema. A Figura 01 apresenta um esquema de um Regenerador de Amônia utilizando gás quente como fonte de calor para evaporação de Amônia, que funciona da seguinte forma: Inicialmente, com o vaso vazio e a válvula de saída (de Amônia regenerada) para o separador de líquido aberta, abre-se a válvula de bloqueio da linha de entrada de Amônia contaminada (proveniente do sistema por exemplo, do fundo do separador de líquido do regime de baixa pressão) e esta é injetada no estado líquido no regenerador; O controle da injeção é realizado por uma bóia de nível baixo (bóia de baixa). Enquanto o nível de líquido estiver abaixo da posição da bóia, a injeção é contínua; Quando o nível da bóia for atingido, a injeção é cessada e a válvula de bloqueio da linha de injeção de Amônia contaminada deve ser fechada. Deve-se observar que o processo ocorre em regime de batelada; Em seguida, é injetado gás quente na região encamisada do vaso, trocando calor com a Amônia contaminada no interior do vaso; O gás quente é resfriado e se condensa. O controle de condensado na camisa é realizado por uma bóia de nível alto (bóia de alta); Quando o condensado atinge o nível da bóia, ela abre, drenando o condensado para um vaso do sistema de menor pressão (ex. o separador de líquido);

29 29 Figura 01 - Esquema de um Regenerador de Amônia utilizando Gás Quente RECOMENDAÇÕES SOBRE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

RECOMENDAÇÕES DE PROJETO PARA OPERAÇÃO SEGURA DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

RECOMENDAÇÕES DE PROJETO PARA OPERAÇÃO SEGURA DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA RECOMENDAÇÕES DE PROJETO PARA OPERAÇÃO SEGURA DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA Brasília, 2009 Ministério do Meio Ambiente MMA Secretária de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ / MMA A

Leia mais

DETECÇÃO DE AMÔNIA. Agosto / 2012

DETECÇÃO DE AMÔNIA. Agosto / 2012 DETECÇÃO DE AMÔNIA Agosto / 2012 Industrial Scientific OLDHAM 100 anos de existência Um dos maiores fabricantes de detecção de gases do mundo Um dos líderes em vendas na Europa, EUA e AL. Cerca de 70%

Leia mais

RECOMENDAÇÕES SOBRE COMISSIONAMENTO E INÍCIO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA

RECOMENDAÇÕES SOBRE COMISSIONAMENTO E INÍCIO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA RECOMENDAÇÕES SOBRE COMISSIONAMENTO E INÍCIO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR AMÔNIA Brasília, 2009 Ministério do Meio Ambiente MMA Secretária de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

Refrigerating Specialties

Refrigerating Specialties Refrigerating Specialties Cuidando de suas necessidades em Refrigeração A Parker (R/S) é a principal fornecedora de componentes de refrigeração para as indústrias alimentícias e de bebidas. Líder mundial

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax Sarco

Leia mais

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto :

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto : Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : LIMPA- PEDRAS Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. Telefone FAX: (11) 2632-7070

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

MULTI USO TRADICIONAL

MULTI USO TRADICIONAL Pag. 1 de 6 SEÇÃO 1.0 INFORMAÇÕES DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. ENDEREÇO: Rua Soldado Arlindo Sardanha,11.Parque

Leia mais

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório.

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório. Tripolifosfato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Tripolifosfato de Sódio Código do produto : 001.019 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

Boletim da Engenharia 14

Boletim da Engenharia 14 Boletim da Engenharia 14 Como trocar o óleo dos compressores parafuso abertos e semi-herméticos 10/03 No boletim da engenharia nº13 comentamos sobre os procedimentos para troca de óleo dos compressores

Leia mais

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO I. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Antes de operar o compressor de ar elétrico com vaso de pressão, assegure-se de que sua instalação tenha sido executada

Leia mais

Comunicado Técnico nº 5

Comunicado Técnico nº 5 Comunicado Técnico nº 5 O Uso do Vapor e das Caldeiras na Gestão da Umidade nas Algodoeiras Giancarlo Goldoni Jr. 1. O que é vapor? O vapor pode ser definido como um gás resultante da mudança de estado

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

Purgadores da JEFFERSON

Purgadores da JEFFERSON Purgadores da JEFFERSON Purgador Termostasticos Purgador Bimetalico Purgador Balde Invertido Purgador de Boia Purgador Termodinâmico O que é Purgador? Purgadores são válvulas automáticas que abrem para

Leia mais

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno 1.0 Introdução Existe um crescimento enorme em termos de instalação

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA (com fluxostato interno) MODELOS: BOMBA COM CORPO DE FERRO (revestimento cerâmico) RPHSBFP 11 (127V 120W) RPHSBFP 12 (220V 120W) MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO INFORMAÇÕES

Leia mais

DRENO ECOLÓGICO. Dreno Ecológico de Condensado

DRENO ECOLÓGICO. Dreno Ecológico de Condensado DRENO ECOLÓGICO Dreno Ecológico de Condensado O problema O ar comprimido é uma fonte de energia essencial, amplamente utilizada em toda a indústria. Por ser uma ferramenta que oferece segurança, potência

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Código do produto: PSL97 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: Aplicação: Fornecedor: PSL97 Telefone de emergência: (19) 2103-6000 REMOVEDOR DE TINTA CURADA PPG INDUSTRIAL

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Trabalho em espaços confinados

Leia mais

Catálogo de Seleção e Aplicação de Unidades Condensadoras.

Catálogo de Seleção e Aplicação de Unidades Condensadoras. Catálogo de Seleção e Aplicação de Unidades Condensadoras. 1 CILINDRO 2 CILINDROS 60 Hz R-22 / R-404A R-134a / HP81 (R-402B) Unidades Condensadoras Compact Line. CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO Unidades equipadas

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS-FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS-FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS-FISPQ Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: HIPERPLASTIFICANTE PARA CONCRETO C-44 Nome da empresa fabricante: ALLCHEM

Leia mais

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores.

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores. protrespsimples.doc Um guia para os usuários de respiradores, escrito de forma simples e de fácil entendimento. Mantenha este guia sempre à mão, releia-o periodicamente e conte sempre com a ajuda do seu

Leia mais

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 SIMBOLOGIA UTILIZADA... 4 RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA... 5 DESEMBALAGEM... 6 INSTALAÇÃO... 7 LIGAÇÃO ELÉTRICA... 8 FUNCIONAMENTO... 9 IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISQP n o 24 15/11/10 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Contato/emergência: Centro de Atendimento Toxicológico do Espírito Santo (Toxcen-ES) Telefone: 0800-283-9904

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5 Código do produto: CK611L Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CK611L Telefone de emergência: (19) 2103-6000 DESENGRAXANTE ALCALINO

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE NÍQUEL SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE NÍQUEL SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (0XX11)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI URETANO AR ENDURECEDOR Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere,

Leia mais

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você!

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar por Refrigeração CPX 2011 Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar CPX 2. Condensados O ar comprimido produzido pelos compressores contém vapor de água que poderá

Leia mais

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC- 005/2006 1 Equipamento : Chillers ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO 1. PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Verificar a existência de ruídos e vibrações anormais

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

COMPRESSORES PARAFUSO

COMPRESSORES PARAFUSO COMPRESSORES PARAFUSO PARTE 2 Controle de capacidade O controle de capacidade em um compressor parafuso é utilizado para variar a quantidade de gás que entra na câmara. Isto é necessário para providenciar

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA Manual do usuário, funcionamento e garantia 03 IMPORTANTE -Antes de instalar o pressurizador leia atentamente todos os itens deste manual

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA TIRA MANCHAS DE TECIDOS Nome do produto: Nome da empresa: ALLCHEM QUÍMICA INDÚSTRIA E COMERCIO

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 7 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2009 FISPQ n : 002/02 Data: 02/05/2002 Revisão: 3 Data Rev.: 09/03/11 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS Eng. Eduardo Linzmayer RESUMO Avaliação e levantamento das emissões de fluidos nos sistemas de refrigeração; Importância

Leia mais

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série 9 DuPont ISCEON Série FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica 47 ART- Diretrizes de Retrofit para os 9 Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série DuPont ISCEON 39TC (R-423A) The miracles of science Diretrizes

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 8 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2012 FISPQ n : 002 Data: 02/05/2002 Revisão: 4 Data Rev.: 13/01/14 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Fosfato Dissódico Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone:

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos Página: 01/05 01 Identificação do produto e da Empresa Natureza Química : Limpador de Uso Geral Autorização de Funcionamento / MS : nº 3.02.599-9 Registro no Ministério da Saúde : 3.2599.0103.001-4 Aceita

Leia mais

Nome do produto: Botatop DM -W Data da última revisão: 10/01/2012. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda

Nome do produto: Botatop DM -W Data da última revisão: 10/01/2012. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop DM-W - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande Paulista

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 15 Instalação, operação e manutenção dos sistemas de refrigeração comercial 03/04 Introdução É bem provável que a maioria das deficiências de operação em sistemas de refrigeração

Leia mais

Produto: DIPPING BASE DIPPING BASE (62) 3310-2700 (85) 3366-2350 (19) 3455-8900 (62) 3310-2700 (85) 3366-2350 (19) 3455-8900. emergencia@beraca.

Produto: DIPPING BASE DIPPING BASE (62) 3310-2700 (85) 3366-2350 (19) 3455-8900 (62) 3310-2700 (85) 3366-2350 (19) 3455-8900. emergencia@beraca. FISPQ-040 Revisão: 01 Data: 28/04/2009 Página: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa Distribuidora: DIPPING BASE Telefones para Emergências: (81) 3543-0571 (62) 3310-2700

Leia mais

GARRAFAS HIDRÁULICAS

GARRAFAS HIDRÁULICAS GARRAFAS HIDRÁULICAS Garrafas hidráulicas 1 - OBJETIVO Este manual visa desmistificar e esclarecer dúvidas em relação aos acumuladores de bexiga, também denominados garrafas hidráulicas, facilitando o

Leia mais

Ingredientes ativos N CAS Faixa de concentração (%) Glicerina 56-81-5 > 30

Ingredientes ativos N CAS Faixa de concentração (%) Glicerina 56-81-5 > 30 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: PNEU PRETINHO Aplicação: Foi desenvolvido para dar mais brilho, proteção, limpeza e conservação, aumentando a vida útil do pneu e evitando o ressecamento.

Leia mais

Compressor Portátil MOBILAIR M 135

Compressor Portátil MOBILAIR M 135 www.kaeser.com Compressor Portátil MOBILAIR M 135 Com o mundialmente renomado PERFIL SIGMA Vazão 10,5 a 13,0 m³/min Feito na Alemanha A renomada linha de compressores portáteis MOBILAIR da KAESER é fabricada

Leia mais

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado.

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. CAPÍTULO II 2 Ar condicionado automotivo. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. O condicionamento do ar é o processo que regula, artificialmente, a temperatura, o fluxo de ar, a

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4 Página 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA LATEX ACRILICO PLUS Empresa INDUSTRIA E COMERCIO DE TINTAS FERRAZ LTDA RODOVIA INDIO TIBIRIÇA 2520 RAFFO SUZANO SP CEP 008776-960 SAC- (11) 4749-1566

Leia mais

DuPont ISCEON Série. Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus em Sistemas de Ar-Condicionado Automotivo

DuPont ISCEON Série. Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus em Sistemas de Ar-Condicionado Automotivo TM 9 DuPont ISCEON Série FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica 43 ART- Diretrizes de Retrofit para Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON MO49Plus em Sistemas de Ar-Condicionado Automotivo The miracles

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto CHOICE

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto CHOICE 1. Identificação do Produto Nome do Produto: CHOICE Código do Produto: - Nome da Empresa: De Sangosse Agroquímica Ltda. Endereço: Rua Raimundo Ramos Ferreira, 136 - CURITIBA/PR CEP: 81.350-040 Telefone

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013 1 INDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Desinfetante para uso geral. Nome comercial: Flash Clean Pop. Empresa: Quimifel Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda. Autorização de

Leia mais

PRODUTO: SILICATO DE SÓDIO ALCALINO FISPQ - FICHA DE INFOMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

PRODUTO: SILICATO DE SÓDIO ALCALINO FISPQ - FICHA DE INFOMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. INFORMAÇÕES SOBRE A COMPOSIÇÃO QUÍMICA 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 4. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS 5. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6. MEDIDAS DE CONTROLE

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Page1 O propósito da BHP é de fornecer ao hospital uma usina de oxigênio dúplex e enchimento de cilindros para tornar o hospital totalmente independente do

Leia mais

Departamento Nacional do Meio Ambiente - ABRAVA SÉRIE: Você Sabia... BOAS PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

Departamento Nacional do Meio Ambiente - ABRAVA SÉRIE: Você Sabia... BOAS PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO BOAS PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO 1.0 Introdução Conforme explanamos na primeira edição (módulo 1), abordaremos nesse material boas práticas de manutenção em sistemas

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A A amplitude da manutenção e inspeção indicada no Termo de Referência está

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO DESINFETANTES LEITOSOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO DESINFETANTES LEITOSOS 20/03/24 1 de 10 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Nome do produto: Desinfetante Leitoso Búfalo BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu

Leia mais