bsbm brasíliamédica P ONTO DE V ISTA UM NOVO MODELO DO SEGURO DE ACIDENTES RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "bsbm brasíliamédica P ONTO DE V ISTA UM NOVO MODELO DO SEGURO DE ACIDENTES RESUMO"

Transcrição

1 P ONTO DE V ISTA UM NOVO MODELO DO SEGURO DE ACIDENTES DO TRABALHO NO BRASIL: ACIDENTES DO TRABALHO SOB A ÓTICA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BALDUR SCHUBERT* RESUMO A saúde e a segurança dos trabalhadores constituem ou deveriam constituir tema de máxima importância. O presente artigo tece considerações sobre pontos inadequados do atual modelo brasileiro, assim como itens que deveriam compor uma agenda de discussão, em uma visão muito mais de possibilidades alternativas do que de soluções prontas. A ênfase situa-se: 1) na prevenção; 2) na abordagem global da prestação de benefícios e serviços aos segurados e 3) na participação de empregadores e empregados na gestão e operacionalização do sistema, sob controle do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), do Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS). PALAVRAS-CHAVE Seguro por Acidentes; Acidentes do Trabalho. A preocupação com a Saúde e a Segurança dos trabalhadores constitui-se num dos temas de mais elevado poder aglutinador. De uma forma ou outra, interessa a múltiplos sujeitos e distintos atores sociais, especialmente aos trabalhadores e aos empregadores, assim como ao Governo e, dentro deste, aos que olham, pensam e trabalham pela óptica da Saúde, do Trabalho, e a nós, que vemos o tema pela óptica do Seguro Social. Todos têm motivos de sobra para se preocuparem com o tema. Os trabalhadores, particularmente, já que, de repente, de segurados podem se tornar segurados vítimas de acidente do trabalho, com graus variados de incapacidade para o trabalho, de distinta duração - quando não perenes - ou até ex-segurados, se fatalmente vitimados. Infelizmente, esse é um risco que se materializa em dano de quase 2% dos trabalhadores brasileiros, a cada ano, incidência aproximada dos acidentes do trabalho, em nosso meio (dados subnotificados). Quase 20 mil adquirem, anualmente, uma incapacidade (parcial ou total) para o trabalho, de forma permanente. Outros 3 a 4 mil morrem, em decorrência de acidentes do trabalho ou doenças profissionais. Do ponto de vista do financiamento do Seguro de Acidentes do Trabalho, dados relativos ao ano de 1999 indicam que dois terços da arrecadação foram consumidos so- * Gerente de Projetos, Diretoria Colegiada, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS), Brasília, Distrito Federal. 114 Brasília Med 2000; 37(3/4):

2 SEGURO DE ACIDENTES DO TRABALHO mente com o pagamento de benefícios (auxílios, aposentadoria por invalidez e pensão por óbito). Para tão complexa e abrangente questão, estas reflexões constituem apenas uma pequena contribuição ao debate. Serão identificados alguns sinais e sintomas da inadequação do atual modelo brasileiro, assim como itens (e temas) que deveriam compor uma agenda de discussão, numa visão muito mais de possibilidades alternativas que de soluções prontas. CONTEXTO INSTITUCIONAL Papéis e responsabilidades A Lei 8 213/91 e o Decreto 3 048/ 99 estabelecem que a Previdência Social, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, tem por fim assegurar, aos beneficiários, meios indispensáveis de manutenção, por motivo de incapacidade, desemprego involuntário, idade avançada, tempo de serviço, encargos familiares e reclusão ou morte daqueles de quem dependem economicamente. O Regime Geral de Previdência Social garante a cobertura de todas as situações expressas no item anterior, exceto a de desemprego involuntário. O Regime Geral de Previdência Social define claramente os beneficiários, as prestações (benefícios e serviços) e acidentes de trabalho, dentre outros itens. A cobertura dos acidentes de trabalho é coordenada, orientada, controlada e executada pelo INSS/MPAS, em articulação com os demais órgãos competentes (sistema estatal). Com referência a acidentes de trabalho, dentro do Regime Geral de Previdência Social, ele é nitidamente diferenciado e se distingue pelos seguintes aspectos: a) a responsabilidade civil é do empregador; a empresa é responsável pela adoção e uso de medidas coletivas e individuais de proteção e segurança da saúde do trabalhador; constitui contravenção penal, punível com multa, o descumprimento, por parte das empresas, das normas de segurança e de higiene do trabalho; b) há necessidade de especificar o dano em: acidentes de trabalho, doença profissional e acidente de trajeto (conceito ampliado) e de caracterizar o acidente de trabalho, tanto administrativamente, quanto tecnicamente, por meio do estabelecimento do nexo do acidente (necessidade de relacionar o acidente com o trabalho). AS PRESTAÇÕES: BENEFÍCIOS E SERVIÇOS Conforme os beneficiados, as prestações são as seguintes: - quanto ao segurado: auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, auxílio-acidente, reabilitação profissional, serviço social e assistência médica. - quanto ao dependente: pensão por morte. As prestações são devidas ao empregado (exceto o doméstico), ao trabalhador avulso, ao presidiário, ao segurado especial e ao médico-residente. O autônomo não faz jus ao Seguro de Acidentes do Trabalho. Para a percepção desses benefícios e serviços, o segurado não necessita de carência. Aquele que sofre acidente de trabalho e recebe benefício tem garantia, pelo prazo de doze meses, da manutenção de seu contrato de trabalho na empresa. O Seguro de Acidentes do Trabalho é custeado tão-somente pelo empregador, em valores variáveis (1 a 3% sobre a folha de salários) e, no caso do financiamento da aposentadoria especial, as alíquotas serão acrescidas de doze, nove ou seis pontos percentuais, respectivamente, se a atividade exercida pelo segurado a serviço da empresa ensejar a concessão de aposentadoria especial após quinze, vinte ou vinte e cinco anos de contribuição (artigo 202, Decreto 3048/99). O pagamento, pela Previdência Social, das prestações por acidente de trabalho, não exclui a responsabilidade civil da empresa. Os litígios e as medidas cautelares, relativos aos acidentes de trabalho, são apreciados na esfera administrativa (órgãos da Previdência Social) e na esfera judicial (Justiça dos Estados e Distrito Federal). Nos casos de negligência quanto às normas-padrão de segurança e higiene do trabalho, indicadas para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis. Os principais papéis e responsabilidades institucionais, na área dos riscos do trabalho na esfera federal, estão distribuídos, como segue, de forma sintética: - prevenção: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Ministério da Saúde; - saúde: Ministério da Saúde/Sistema Único de Saúde (SUS); - benefícios, reabilitação profissional e serviço social: Ministério da Previdência e Assistência Social/Instituto Nacional do Seguro Social. INSUFICIÊNCIA DO ATUAL MODELO BRASILEIRO: ALGUNS SINAIS E SINTOMAS Apesar de existirem muitos motivos para avaliar positivamente a evolução do manejo do problema Brasília Med 2000; 37(3/4):

3 BALDUR SCHUBERT dos riscos do trabalho, no quadro institucional brasileiro - particularmente no que se refere ao papel do Seguro Social - há que se reconhecer, de forma franca, a insuficiência deste modelo brasileiro. Listaremos, na forma de pontos para reflexão e discussão, alguns sinais e sintomas dessa insuficiência que, na verdade, têm sido apontados por distintos segmentos sociais. Entre eles, destacamos alguns, a saber: a) insuficiente cobertura (quantitativa) do Seguro contra Acidentes do Trabalho, a julgar pela desproporção entre número de pessoas ocupadas (PEA) e pessoas ocupadas contribuintes da Previdência e, ainda, pessoas ocupadas com carteira de trabalho, detectada nos censos; b) insuficiente cobertura (quantitativa e qualitativa) de serviços previdenciários, particularmente os de assistência médica ao acidentado do trabalho ou acometido por doença profissional; c) insuficiente presença do Segurador nas atividades de Promoção da Saúde e de Prevenção [dos acidentes do trabalho e das doenças profissionais]; d) crescente dificuldade em caracterizar a natureza ocupacional (ou do trabalho) de agravos à saúde, principalmente nas novas doenças profissionais, nas doenças profissionais de longa latência, e nas outras doenças relacionadas com o trabalho ; e) no caso brasileiro, essa dificuldade é agravada pelo obsoletismo dos instrumentos legais relativos às doenças profissionais; f) conflitos institucionais (com o desgaste decorrente), originados pela diferença entre as distintas lógicas institucionais; g) dicotomia entre a fiscalização dos ambientes e condições de trabalho (MTE e SUS) e o Seguro de Acidentes do Trabalho (INSS) gerando ou agravando a: - desvinculação entre as reais condições e ambientes de trabalho e o prêmio do Seguro de Acidentes do Trabalho (para mais ou para menos); - perda da oportunidade de utilização da tarifação individual do prêmio do Seguro de Acidentes do Trabalho, como mecanismo de incentivo ou de penalização; h) baixa capitalização da possibilidade e da experiência de reabilitação (readaptação) profissional. A BUSCA DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM NOVO MODELO O parágrafo 10, do art. 201, da Constituição Federal, na redação dada pela Emenda Constitucional n o 20, de 1998, estabelece que a lei disciplinará a cobertura do acidente de trabalho, a ser atendida concorrentemente pelo regime geral de previdência social e pelo setor privado. Para atender esse dispositivo, trazemos para a discussão algumas idéias que, menos que soluções ou fórmulas prontas, constituem elementos para uma agenda de debates, cujo fórum extrapola este documento, e se espraia pela sociedade civil como um todo. São sugestões na busca da construção de um novo modelo, mais justo, mais abrangente, mais integral e integrado, mais enfocado na prevenção do dano e controle do risco. Constituem pontos básicos do desenho do novo modelo do Seguro de Acidentes do Trabalho: princípios, objetivos, organização estrutural, benefícios garantidos, mecanismos de tarifação e de salvaguarda, reservas e cobertura. Premissas (princípios) A experiência, internacionalmente acumulada nesta área, recomenda e enfatiza o enfoque preventivo, a integralidade de ações, a gestão diferenciada e a ampla participação. O Seguro de Acidentes do Trabalho deve enfocar, primordialmente, a prevenção do dano e a promoção de condições saudáveis, e otimizar as ações compensatórias. Isso significa reorientar todo o processo, atualmente cristalizado na compensação financeira (pagamento de benefício). A integralidade de ações corresponde ao conjunto de atividades preventivas, de assistência à saúde, reabilitação profissional, serviço social e o pagamento de benefícios, que são devidos ao trabalhador (segurado) e que deverão ser prestados na globalidade. Quanto à gestão diferenciada, os sistemas mais comumente encontrados nos países são os modelos mistos de gestão, isto é, a participação estatal no controle e supervisão e a operacionalização por organizações com independência (autonomia) administrativa. O Seguro de Acidentes do Trabalho, em nível executório, para ser mais efetivo, deve ser gerido e operacionalizado, preferencialmente, por empregadores e empregados, por meio da criação de entidades privadas, sem finalidade lucrativa, cujos integrantes são solidários entre si e com autonomia de gestão. Deverão ser entidades de gestão privada de recursos públicos e, portanto, sua concessão é faculdade do poder público (Previdência Social). 116 Brasília Med 2000; 37(3/4):

4 SEGURO DE ACIDENTES DO TRABALHO Objetivos Garantir proteção integral aos trabalhadores segurados. A garantia da proteção integral ao trabalhador deve ser alcançada, fundamentalmente, por meio do estímulo às ações de prevenção do dano e à promoção de condições saudáveis (novo enfoque). Estrutura organizacional A alternativa mais viável para implantação de um novo modelo organizacional do Seguro de Acidentes do Trabalho, objetivando a proteção ao trabalhador, pode ser resumida, como segue: a) o Estado, representado pelo MPAS e INSS, deve, preferencialmente, assumir o papel de coordenador, supervisor, fiscalizador, avaliador e (minimamente) executor. A operacionalização deve ser efetivada por entidades privadas, responsáveis pela atenção ao trabalhador e à empresa; b) a experiência internacional revela que os sistemas montados por empresários e empregados (mútuas) atendem aos interesses de patrões e empregados, diminuem conflitos e tensões sociais; são descentralizados, cooperativos (entidades colaboradoras) com a Previdência Social e competitivos entre si; modelo exitoso em inúmeros países, aceito como justo socialmente, de custo relativamente baixo e efetivo em termos de redução da sinistralidade, enfoque preventivo e de grande participação social. As prestações que o trabalhador tem direito e a forma de proporcioná-los O Seguro de Acidentes do Trabalho, por meio de suas entidades, deve abordar o segurado na integralidade, isto é, devem ser proporcionadas ações de prevenção, reabilitação, no sentido amplo, (assistência médica, reabilitação profissional e social) e compensação financeira (auxílios, aposentadorias e pensões). Todo o processo, do início ao fim, deve ser operado por uma só entidade, porque isso significa globalidade de atenção ao segurado. Quanto à prevenção, devem ser desenvolvidas atividades específicas em cada empresa, subordinadas a um plano de investimento em prevenção. Essas ações devem ser subsidiadas por pesquisa, in loco, da demanda das empresas e dados epidemiológicos. Especial atenção deverá ser dedicada ao desenvolvimento de recursos humanos em prevenção, como apoio específico às empresas. Com relação à reabilitação, é entendida aqui como as ações de assistência médica, farmacêutica, órtese e prótese, bem como reabilitação profissional e social, com ou sem requalificação para o mercado de trabalho. Portanto, o atendimento deve ser integral e total até a recuperação do indivíduo. Os indicadores obtidos nesse processo devem servir de sinalização para as ações preventivas. Quanto à compensação financeira, isto é, o pagamento pecuniário, devem ser incluídas as prestações de benefícios temporários e permanentes (auxílios, aposentadorias e pensões). Tarifação O enfoque primordial do modelo é baseado nas ações preventivas. Devem ser estabelecidos mecanismos de estímulo, recompensando e gratificando as empresas que aplicarem por meio de planos de investimentos, e de penalização daquelas que não investem ou têm sinistralidade acima de determinados patamares. Como forma de atender a este item, a contribuição para o custeio do Seguro de Acidentes de Trabalho poderia ser conduzida da seguinte maneira: tarifação individual (por empresa), considerando uma parte fixa em função do risco da atividade econômica e uma variável de acordo com o desempenho (sinistralidade) e o plano de investimentos, isto é, acoplado a sistema de Bônus/ malus ; como conseqüência, teremos redução ou aumento das contribuições para o custeio, em função do desempenho. Mecanismo de salvaguarda Deverá ser contemplada a criação de um Fundo Comum de Solidariedade, para fazer frente a eventuais problemas do sistema. Reservas O superávit das entidades que compõem o sistema do Seguro de Acidentes de Trabalho deve ser destinado à Previdência Social, ao Fundo Comum de Solidariedade e à entidade, para reinvestimento e para constituir suas reservas, além das compulsórias, pois esse é um sistema que tem por base a capitalização. Cobertura (abrangência) A ampliação de cobertura deverá ser buscada pela incorporação gradual de novos contingentes de trabalhadores. Poder-se-ia, por exemplo, iniciar este processo pela inclusão dos autônomos, e dos servidores civis da União, Estados e Municípios. Deverão Brasília Med 2000; 37(3/4):

5 BALDUR SCHUBERT ser estudadas novas modalidades de inclusão para os demais trabalhadores. CONCLUSÃO O modelo de capitalização preconizado para o novo Seguro de Acidentes do Trabalho, em síntese, deverá privilegiar o enfoque preventivo, a abordagem global e integral na prestação de benefícios e serviços aos segurados, a participação de empregadores e empregados na gestão e operacionalização do sistema, sob controle do MPAS/INSS. Neste sentido, estudos estão sendo conduzidos pelo MPAS; no entanto, considera-se essencial a participação da sociedade na definição do novo modelo. bsbm Abstract A NEW MODEL FOR WORKERS COMPENSATION IN BRAZIL: OCCUPATIONAL ACCIDENTS FROM THE STANDPOINT OF SOCIAL SECURITY BALDUR SCHUBERT The issue of workers health and safety is one that is given - or should be given - great importance. In this article, we go over some of the weak points of the current Brazilian model, as well as of issues (and subjects) that should become part of an agenda for discussions aiming at alternate possibilities, rather than at readymade solutions. We emphasize these aspects: 1) prevention; 2) a global approach to the provision of benefits and services to the insured, and 3) the participation of employees and employers in the management and operation of the system, under the supervision of the MPAS (Ministry of Social Security and Social Assistance), and the INSS (National Institute of Social Security). KEY WORDS Workers Compensation; Occupational Accidents. REVISTA BRASÍLIA MÉDICA INFORMAÇÕES SOBRE TEMAS DE INTERESSE MÉDICO O QUE ACONTECE COM O SEU ORGANISMO QUANDO VOCÊ PÁRA DE FUMAR Após 20 minutos Após 2 horas Após 8 horas Após 12 a 24 horas Após 2 dias Após 3 semanas Após 1 ano A pressão sangüínea e a pulsação voltam ao normal Não há mais nicotina circulando no seu sangue O nível de oxigênio no sangue se normaliza Seus pulmões já funcionam melhor Seu olfato já percebe melhor os cheiros e seu paladar já degusta melhor a comida Você vai notar que sua respiração se torna mais fácil e a circulação melhora O risco de morte por infarto do miocárdio já foi reduzido à metade bsbm Após 5 a 10 anos O risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram Fonte: Ministério da Saúde/INCA. Guia para parar de fumar. Acessado em Brasília Med 2000; 37(3/4):

Curso de Extensão em Direito Previdenciário

Curso de Extensão em Direito Previdenciário Curso de Extensão em Direito Previdenciário 2º Encontro Teoria Básica dos Benefícios Previdenciários do RGPS Requisitos para a concessão de benefícios previdenciários 1) Requisitos Genéricos a) Adquirir

Leia mais

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior A proteção previdenciária do brasileiro no exterior Hilário Bocchi Junior Especialista em Previdência Social 1 A Seguridade Social está prevista no capítulo II do título VIII (Da Ordem Social) da Constituição

Leia mais

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 8 FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL As fontes do Direito da Seguridade Social podem ser material e formal. As fontes formais são as formas

Leia mais

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12 Nota, xi 1 Origens da Seguridade Social, 1 1.1 Poor Law, 1 1.2 Seguros privados, 2 1.3 Seguros sociais, 2 Quadro esquemático, 3 2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático,

Leia mais

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com. Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.br SEGURIDADE SOCIAL Sistema de Seguridade Social Múltipla filiação Filiação

Leia mais

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém Superintendente: Luciano Moura dos Santos Diretor Adm. Financeiro: Olavo Lopes Perez Diretor de Benefícios: Karine Vecci Rua

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

- Estudo técnico - Art. 67...

- Estudo técnico - Art. 67... Aposentadoria especial para diretores, coordenadores e assessores pedagógicos - Estudo técnico - A Lei nº 11.301, de 10 de maio de 2006, publicada no Diário 0ficial da União de 11 de maio do mesmo ano,

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 Direito Previdenciário 67. (Auditor de Controle Externo/TCE-CE/FCC/2015): O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

Francisco Luiz de Andrade Bordaz Advogado. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho.

Francisco Luiz de Andrade Bordaz Advogado. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho. Att. Consulta Formulada. Quesitos: 1) Quais são os direitos que os cooperados e seus dependentes, como segurados da Previdência Social, possuem?

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL I RISCO SOCIAL 04/08/2014. Aula 1. RISCO SOCIAL Incapacidade ou impossibilidade de trabalhar. Saúde. Assistência Social

PREVIDÊNCIA SOCIAL I RISCO SOCIAL 04/08/2014. Aula 1. RISCO SOCIAL Incapacidade ou impossibilidade de trabalhar. Saúde. Assistência Social PREVIDÊNCIA SOCIAL Aula 1 - RISCO SOCIAL - CONCEITOS DE SAÚDE, ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA SOCIAL - PRINCÍPIOS DA SEGURIDADE SOCIAL I RISCO SOCIAL Trata-se de acontecimentos, pela natureza das coisas

Leia mais

AS AÇÕES REGRESSIVAS E A IMPORTÂNCIA DAS

AS AÇÕES REGRESSIVAS E A IMPORTÂNCIA DAS DEPARTAMENTO SINDICAL - DESIN AS AÇÕES REGRESSIVAS E A IMPORTÂNCIA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS BRASIL 4º em ACIDENTES FATAIS 15º EM NUMEROS DE ACIDENTES GERAIS 83 ACIDENTES A CADA HORA 3,5 MORTES DIA DADOS

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Quadro comparativo da 1 Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 Art. 3º Terá direito à percepção do segurodesemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: I - ter recebido salários de pessoa

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social RGPS

O Regime Geral de Previdência Social RGPS O Regime Geral de Previdência Social RGPS Capítulo 5 O Regime Geral de Previdência Social RGPS Sumário 1. Introdução 2. Os beneficiários do RGPS: 2.1 Os segurados obrigatórios; 2.2. O segurado facultativo;

Leia mais

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque.

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque. Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem empresarial dos temas em destaque. Professora: Luciana Saldanha Advogada, especialista em direito trabalhista e previdenciário.

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 20 PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS Benefícios e Serviços As prestações compreendidas pelo Regime Geral de Previdência Social são expressas em benefícios

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição p. 32 Substituir pelo texto abaixo: 45. 2009 (15/06) Ratificada pelo Brasil, a Convenção 102, de 1952, da OIT, aprovada pelo Decreto Legislativo 269, de 19.09.2008, do Congresso Nacional. 1 46. 2011 Lei

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli REGIMES PREVIDENCIÁRIOS parte 2 Prof. Me. Danilo Ripoli O PLANO DE BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL No PBPS estão todas as normas que regem a relação jurídica entre segurados, dependentes e previdência

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória A contribuição previdenciária só incide sobre o salário (espécie) e não

Leia mais

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social Quadro Síntese - Função, Subfunção e Programa Total Órgão Total Unidade Função Total Subfunção Total Programa Total 09. Previdência Social 5.338.121.201 122. Administração Geral 1.919.387.533 0083. Previdência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN INSS/DC Nº 118, de 14042005

INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN INSS/DC Nº 118, de 14042005 INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN INSS/DC Nº 118, de 14042005 Art.365. Serão encaminhados para o Programa de Reabilitação Profissional, por ordem de prioridade: I o beneficiário em gozo de auxílio-doença, acidentário

Leia mais

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Denilson Cazuza dos Santos

Denilson Cazuza dos Santos LEGISLAÇÃO E NORMAS. SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO Denilson Cazuza dos Santos denilsoncazuza@terra.com.br NORMAS APLICAVEIS CF - Constituição Federal 88 Código Civil, art. 186 e 927 Código Penal ART.

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI Nº 6.747, DE 18 DE JANEIRO DE 1996 - D.O. 18.01.96.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI Nº 6.747, DE 18 DE JANEIRO DE 1996 - D.O. 18.01.96. Autor: Deputado Gilmar Fabris LEI Nº 6.747, DE 18 DE JANEIRO DE 1996 - D.O. 18.01.96. * Institui o Plano de Seguridade Social dos Servidores do Poder Legislativo do Estado de Mato Grosso e define sua organização.

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

art. 5º - Para efeito desde Regulamento, considera-se: II - indenização: valor devido aos beneficiários, em caso de sinistro;

art. 5º - Para efeito desde Regulamento, considera-se: II - indenização: valor devido aos beneficiários, em caso de sinistro; Assessoria Jurídica da Asscontas informa sobre as indenizações do pecúlio, seguro coletivo e seguro do cônjuge do Programa Estadual de Assistência ao Pecúlio dos Servidores do Estado de Minas Gerais: Muitos

Leia mais

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Nota do autor 4ª edição... 15 Nota do autor 3ª edição... 17 Nota do autor 2ª edição... 19 Nota do autor 1ª edição... 21 Guia de leitura da Coleção... 23 Capítulo

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de MEDIDA PROVISÓRIA Nº 664 DE 30.12.2014 (DOU 30.12.2014 ED. EXTRA; REP. DOU DE 02.01.2015) Altera as Leis nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nº 10.876, de 2 junho de 2004,nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica e ocupacional Exame

Leia mais

7 Natureza jurídica da contribuição da Seguridade Social, 18]

7 Natureza jurídica da contribuição da Seguridade Social, 18] Parte I - teoria da Seguridade Social, 1 1 evolução histórica, 3 1.1 Introdução, 3 1.2 Direito estrangeiro, 3 1.3 No Brasil, 4 2 Denominação e conceito, 7 2.1 Denominação, 7 2.2 Conceito, 8 2.3 Divisão,

Leia mais

CAPÍTULO 1 DEFINIÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO 1 DEFINIÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO 1 DEFINIÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL Art. 194, CF/88 A seguridade social foi definida no caput do art. 194 da Constituição Federal como um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

FÓRUM PRESENÇA AMIMT - 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO (DECRETO7.602 DE 07 DE NOVEMBRODE 2011) Interministerial

FÓRUM PRESENÇA AMIMT - 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO (DECRETO7.602 DE 07 DE NOVEMBRODE 2011) Interministerial FÓRUM PRESENÇA AMIMT - 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO (DECRETO7.602 DE 07 DE NOVEMBRODE 2011) Interministerial Elizabeth Costa Dias 08 novembro de 2012 Decreto 7.602, de 07/11/2011

Leia mais

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário Confederação Confederação Confederação Confederação Confederação da Agricultura e Nacional do Nacional da Nacional das Nacional do Pecuária do Brasil Comércio Indústria Instituições Transporte Financeiras

Leia mais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais XIII Seminário Sul-Brasileiro de Previdência Pública AGIP Gramado (RS) - 2015 Baldur Schubert, médico. Representante da Organização Iberoamericana

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA AUXÍLIO-DOENÇA - PROCEDIMENTOS LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Sumário 1. Introdução 2. Conceito Auxílio-doença 2.1 Tipos de auxílio-doença 3. pagamento 4. Carência - Conceito 4.1 Independe de carência 4.2 Depende

Leia mais

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS Atualmente, no Brasil, aproximadamente 3000 municípios possuem Regimes Próprios de Previdência. Ao final do ano

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO. São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO. São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005 O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005 Diagnóstico do Regime Próprio / IPASG (Administrativo, Operacional, Jurídico, Atuarial); Adoção de um Modelo

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 SPPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento dos Regimes de Previdência no Serviço Público-DRPSP EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 BENTO GONÇALVES, 25 de Maio de 2012 1 EMENDA CONSTITUCIONAL

Leia mais

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA * Juliana de Oliveira Xavier Ribeiro 1) Introdução A finalidade do presente texto é demonstrar a natureza jurídica do

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Índice Quem Somos Estrutura do plano Importância da Previdência Privada. Quanto antes melhor! As regras do plano Canais Visão Prev 2 Visão Prev Entidade fechada

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social IV Conferência Brasileiros no Mundo PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Praia do Forte, 20 de novembro de 2013. 1 SEGURIDADE SOCIAL (CONCEITO AMPLO) CONTRIBUTIVO NÃO CONTRIBUTIVO

Leia mais

APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE SEGURIDADE SOCIAL SAÚDE PREVIDÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Definição de Seguridade Social É um conjunto de ações destinado

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS

DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS Primeira Parte Elementos básicos do Direito Previdenciário Célio Cruz Marcos Elesbão Mapas mentais Resumos esquematizados Legislação previdenciária atualizada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 118, DE 17 DE ABRIL 2006. Altera a Lei Complementar nº 008, de 16 de novembro de 1999, que dispõe sobre o estatuto dos servidores públicos da Administração Direta e Indireta dos Poderes

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

Conceitos básicos de. Previdência Complementar

Conceitos básicos de. Previdência Complementar CALVO E FRAGOAS ADVOGADOS Conceitos básicos de Previdência Complementar Advogado: José Carlos Fragoas ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO 1. Apresentação 2. Embasamento Legal 3. Princípios da Previdência Privada contidos

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77 FILIAÇÃO É o vínculo que as pessoas estabelecem com a Previdência Social a partir do momento em que passam a exercer uma atividade remunerada ou a recolher as contribuições previdenciárias. Com a filiação,

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

Aposentadoria Especial

Aposentadoria Especial Aposentadoria Especial O novo modelo. Bases éticas e legais o conceito O laudo Técnico e o DSS Starling@sti.com.br tel.: (11) 208.06.98 Perito Assistente técnico. Evolução Histórica Instituída pela Lei

Leia mais

Seu futuro está em nossos planos!

Seu futuro está em nossos planos! 1/8 CONHEÇA O PLANO DE BENEFÍCIOS CD-METRÔ DF Seu futuro está em nossos planos! 2014 2/8 1 Quem é a REGIUS? A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada,

Leia mais

Histórico da Seguridade Social

Histórico da Seguridade Social Histórico da Seguridade Social Capítulo I Histórico da Seguridade Social 1. Técnico do Seguro Social INSS 2012 FCC Grau de Dificuldade: Médio O INSS, autarquia federal, resultou da fusão das seguintes

Leia mais

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA CARTILHA PREVIDENCIÁRIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES - IPREM IPREM Instituto de Previdência Municipal APRESENTAÇÃO Prezado Servidor, A Lei Complementar nº 35 de 05 de julho de

Leia mais

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Proposta Inicial Versão Preliminar Junho/2013 MODELO DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL

Leia mais

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA COMPREV COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA O QUE É? É o acerto de contas entre o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, representado MPS/INSS e os Regimes Próprios de Previdência dos Servidores RPPS, dos Municípios,

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente.

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Programa do Governo SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Como qualquer reforma sustentada, tem de se basear no justo equilíbrio entre criação

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

PROJETO RETA FINAL QUESTÕES COMENTADAS. INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 -

PROJETO RETA FINAL QUESTÕES COMENTADAS. INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - INSS - FCC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - DIREITO PREVIDENCIÁRIO SÚMARIO UNIDADE 1 Seguridade Social (Origem e evolução legislativa no Brasil; Conceituação; Organização

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A isenção da contribuição previdenciária dos servidores públicos (abono de permanência) Luís Carlos Lomba Júnior* O presente estudo tem como objetivo traçar breves considerações

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 117, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 117, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 117, DE 2011 (Apensos: Projetos de Lei n os 130, 289, 561, 747, 911, 1.389, 1.629, 2.238 e 2.543, de 2011) Altera dispositivos da Lei nº 8.742,

Leia mais

IX ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES

IX ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES IX ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES Previdência Pública Servidores e Agentes Políticos Geilton Costa da Silva Conceito primitivo de previdência A raiz da palavra aponta para a faculdade ou ação de prever,

Leia mais