OTIMIZAÇÃO DO FLUXO DE POUSOS E DECOLAGENS EM AEROPORTOS. ESTUDO DE CASO DO AEROPORTO DE CONGONHAS. Aline Paulin

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTIMIZAÇÃO DO FLUXO DE POUSOS E DECOLAGENS EM AEROPORTOS. ESTUDO DE CASO DO AEROPORTO DE CONGONHAS. Aline Paulin paulin.a@ig.com."

Transcrição

1 OTIMIZAÇÃO DO FLUXO DE POUSOS E DECOLAGENS EM AEROPORTOS. ESTUDO DE CASO DO AEROPORTO DE CONGONHAS. Aline Paulin Graduação em Logística e Transportes Faculdade de Tecnologia de Jahu Área temática: Gestão da Logística. 1. Resumo Este estudo tem o objetivo de analisar o fluxo de pousos e decolagens no aeroporto de Congonhas em comparação com o aeroporto de LaGuardia, levando em consideração o modelo de pista utilizado pelos dois aeroportos. Mediante as informações apresentadas foi possível perceber que nem sempre o modelo classificado como mais eficiente consegue atender as expectativas. Palavras chave: aeroporto; pista; pouso; decolagem. 2. Abstract This study aims to analyze the flow of demand for takeoffs and landings at Congonhas airport in comparison with LaGuardia airport, talking into account the runway possible to see used by the two airports. Through the information provided was not always possible to see that the model classified as more efficient can meet expectations. Keywords: airport; lane; landing; takeoff. 3. Introdução O desenvolvimento do setor aéreo nos últimos anos fez com que a demanda pela utilização deste modal crescesse significativamente, com isso mais pessoas passaram a utilizá-lo como fonte de locomoção, uma vez que proporciona maior rapidez e economia de tempo se comparado a qualquer outro modal. Esse aumento na demanda acarretou uma saturação nos aeroportos, pois a estrutura que possuem, ao ser projetada, não foi planejada para atender tamanho aumento na demanda com o passar dos anos. Devido a isso, os aeroportos estão cada vez mais operando acima da sua capacidade. É com base nessas informações que este estudo tem como objetivo analisar a otimização no uso das duas pistas paralelas de pouso e decolagem do Aeroporto de Congonhas, uma vez que esse modelo de pista é o mais eficiente, pois é possível operar com um maior número de aeronaves em um menor período de tempo. A partir dessas informações será feito um estudo de caso sobre o Aeroporto Nacional de Congonhas, em São Paulo, que se encontra com a capacidade de operação saturada há algum tempo. Este estudo de caso será feito mediante comparação com o Aeroporto Nacional de LaGuardia, localizado em Nova York, que opera com uso de duas pistas interceptantes com intersecção próxima, um modelo menos eficiente quanto o modelo de pista paralela, 1

2 pois seu uso fica limitado a velocidade dos ventos, uma vez sendo muito fortes, apenas uma das pistas pode ser utilizada. 4. História da Aviação A aviação comercial brasileira começou a desenvolver-se no final da década de 20, quando em primeiro de janeiro de 1927 nasceu à primeira empresa aérea a transportar passageiros, a Condor Syndikat, fundada pelo Ministro Vitor Konder, e tinha como rota as cidades do Rio de Janeiro e Florianópolis. O período da Primeira Guerra Mundial fez com que a aviação desse um salto significante, pois o avião passou a ser instrumento fundamental nas atividades de guerra. O que despertou ainda mais o desejo pelo setor aéreo nas autoridades governamentais brasileiras. Ainda no ano de 1927 foi criado o código brasileiro do ar. E foi a partir deste ano também que as novas companhias aéreas começaram a nascer, como a Panair, a Varig e a Sociedade Mercantil Sindicato CONDOR Ltda, que mais tarde tornou-se a Cruzeiro do Sul, e em 1934 nasceu a Vasp. O surgimento dessas companhias deu-se também pelo fato de que, após a Segunda Guerra Mundial os aviões eram muitos e, alguns acabaram perdendo sua utilidade, ou seja, a maioria foi comprada pelas companhias e deixaram de ser aviões de guerra e passaram a ser aviões comerciais que tinham a finalidade de transportar pessoas. Com o passar dos anos mais companhias foram surgindo, outras foram fundindo-se, e outras ainda falindo por muitos motivos, dentre eles dívidas com combustível, que segundo informações publicadas pela IATA (International Air Transportation Association, 2004), é o segundo maior componente dos custos diretos das empresas aéreas representando aproximadamente de 20% a 40% dos custos desse modal. No ano de 2005 o mercado aéreo brasileiro pertencia às seguintes companhias aéreas: TAM 43% do mercado GOL 29% VARIG 26% Ainda em 2005 surgiu a WebJet, empresa que tem como modelo a seguinte frase low cost, low fare, ou seja, custos mais acessíveis, o que proporcionou a pessoas com uma renda mais inferior, a utilizarem o modal aéreo como meio alternativo de transporte. Contudo uma empresa low cost, low fare não oferece alguns serviços como, por exemplo, alimentação durante o voo, e serviço de milhagem, que oferece ao usuário do sistema um acúmulo de pontos durante os voos, e ao totalizarem o mínimo de milhas, eles podem trocar por passagens aéreas. Em 2007 a GOL comprou a Varig e com isso praticamente detêm boa parte do mercado, tanto nacional quanto internacional. Nessa época o mercado aéreo fica nas mãos de: TAM: 47,33% - voos domésticos; 61,01% - voos internacionais GOL 44,83% - voos domésticos; 30,76% voos internacionais 2

3 5. Apresentação dos Aeroportos 5.1. La Guardia Localizado na parte norte da cidade de Nova York, o aeroporto fica a beira mar de Flushing Bay e Bowery Bay, e faz fronteira com os bairros de Astoria, Jackson Heights e Elmhurst Oriental. Em 1937, a cidade de Nova York assumiu o aeroporto.em 1939, reabriu com um novo nome, New York Municipal Field Airport-LaGuardia e foi alugado para o Port Authority, em A imagem 1 ilustra o aeroporto de LaGuardia, suas pistas e suas taxiways 1. Imagem 1: Aeroporto de LaGuardia. Fonte: Google Maps Atualmente, o aeroporto fica a oito quilômetros do centro de Manhattan e é um dos mais movimentados do país, com mais de 23 milhões de passageiros em 2008 e ocupa uma área de 680 hectares, podendo acomodar 76 porta aeronaves. As pistas possuem alta intensidade de iluminação lateral, central e na saída dos taxiways. A tabela 1 apresenta as estatísticas do movimento ao longo dos anos no aeroporto de LaGuardia. 1 Faixa de pista em um aeródromo em que a aeronave pode rolar (taxiar) de ou para um hangar, terminal ou pista. 3

4 Tabela 1: Estatísticas da movimentação do aeroporto de LaGuardia. Anos Movimento de Aeronaves Passageiros Carga Aérea (ton) Correio Aéreo (tons) FONTE: LGA É possível perceber que com o passar dos anos a movimentação de pessoas foi aumentando consideravelmente, equanto que a quantidade de cargas e correio sofreram gradativa diminuição. LaGuardia possui duas pistas interceptantes com dimensões de e metros de comprimento feitas de asfalto. Embora seja um modelo menos eficiente que o modelo de pista paralela, o aeroporto consegue atender uma demanda consideravelmente grande Aeroporto de Congonhas Inaugurado em 1936, é o segundo aeroporto mais movimentado do Brasil. Com aproximadamente 1,5 km 2, é considerado o aeroporto executivo do País. Congonhas tinha em seu projeto inicial, a previsão da construção de 4 pistas, porém, seu novo projeto contava com a construção de 3 pistas e não mais 4, foi então que teve início, no final dos anos 1940, a obra da construção das três pistas, entretanto apenas a pista principal foi concluída, pois estudos técnicos feitos naquela época, mostraram que seria suficiente apenas uma pista para atender as especificações da Civil Aviation Authority (CAA). A imagem 2 ilustra o aeroporto de Congonhas, suas pistas e suas taxiways. 4

5 Imagem 2: Aeroporto de Congonhas. Fonte: Jornal Sampa, 2011 Durante a construção da pista principal, uma provisória foi construída, até que, em 1950 a pista principal foi terminada. Após o término, a pista que tinha como finalidade ser provisória, acabou tornando-se a segunda pista paralela, que é mantida até hoje, com isso, a terceira pista não foi construída. No ano seguinte foram concluídas as pistas, o pátio de manobras, as taxiways, as ligações entre as pistas 1 e 2 e as três ligações entre o pátio e a pista 1, pátio de espera nas cabeceiras 16-34, as taxiways dos hangares, a pavimentação das ruas, o estacionamento, a praça, as calçadas e a iluminação externa (INFRAERO 2011). Em 1990, Congonhas tornou-se o aeroporto mais movimentado do país. Desde então, o fluxo de passageiros e aeronaves cresceu sistematicamente, o que tornou necessário reformá-lo para atender ao aumento da demanda. Em 2008 a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) retirou a determinação de "Internacional", e o aeroporto passou a operar somente com voos domésticos. Hoje, são em média 537 movimentações por dia, e a cada semestre, Congonhas recebe cerca de 7 milhões de pessoas. A tabela 2 apresenta o movimento operacional no Aeroporto de Congonhas, de passageiros, de cargas e também aeronaves. 5

6 Tabela 2: Movimentação no Aeroporto de Congonhas Aeronaves Carga Aérea Passageiros Ano Quantidade Ano Quantidade Ano Quantidade até setembro até setembro até setembro Fonte: INFRAERO É possível observar que houve diminuição nos três itens. Isso se dá ao fato do aeroporto no início, receber voos internacionais, e há pouco tempo, passou a receber apenas voos domésticos ou nacionais. Atualmente o aeroporto movimenta diversos tipos de aeronaves como Airbus A318, A319, A320 e Boing e , que tem capacidade de transportar em média 100 passageiros. E conta também com aeronaves menores como um ATR (45 passageiros) e um LET L-410 (29 passageiros). Essa movimentação de aeronaves é diária, o que acaba gerando uma grande demanda em determinados períodos do dia. Possuindo o modelo de duas pistas paralelas e com uma demanda entre pousos e decolagens de aproximadamente passageiros por dia, Congonhas há algum tempo está operando acima de sua capacidade, essa saturação deriva do fato do aeroporto operar com apenas uma das duas pistas paralelas para aeronaves que levam um maior número de passageiros. O gráfico 1 apresenta a movimentação anual de Congonhas nos anos de 2008, 2009 e Gráfico 1: Movimentação anual do aeroporto de Congonhas. Fonte: INFRAERO 6

7 A pista principal possui de comprimento e 45 metros de largura, já a pista secundária tem metros de comprimento e 49 metros de largura. Ambas possuem superfície feita de asfalto. Supondo que o aeroporto opera aproximadamente 804 aeronaves por dia entre pousos e decolagens, e que cada aeronave leve em média 80 passageiros, pode-se dizer que o aeroporto consegue operar 1 aeronave a cada 1,8 minutos. 6. Classificação das pistas Em um aeroporto, as pistas de pouso e decolagem são indispensáveis para seu funcionamento, pois estas precisam ser suficientemente compridas e largas para o pouso ou decolagem das aeronaves. Em grandes aeroportos as pistas geralmente são feitas de concreto ou asfalto e com a mínima inclinação possível. Já em aeroportos menos movimentados possuem pistas feitas com terra, relva ou até mesmo turfa 2. Além disso, as pistas precisam ser projetadas para que haja a melhor movimentação possível das aeronaves que nela se encontram. Essa movimentação é feita com o auxílio das taxiways que são pistas auxiliares localizadas ao lado das pistas principais e que forncem acesso as pistas principais para os aviões que irão decolar, ou então, agilizar a saída das pistas principais dos aviões que pousaram, uma vez que as pistas principais precisam estar disponíveis para que haja um maior fluxo de pousos e decolagens. Para auxiliar nos pousos, as cabeceiras das pistas dos aeroportos precisam ter a reta de aproximação final livres de quaisquer obstáculos que possam atrapalhar ou por em risco a operação da aeronave Tipos de pista de pouso e decolagem As pistas de pouso e decolagem se classificam em quatro tipos: Pista Única: como o próprio nome diz, o aeroporto que opta por esse tipo de pista possui apenas uma pista para pousos e decolagens. Essa pista possibilita em média de 50 a 100 pousos e decolagens por meio da visibilidade e somente de 50 a 60 pousos e decolagens por meio de instrumentos limitando muito a capacidade de operações do aeroporto. Geralmente é encontrada em aeroportos com pouca demanda. Pista paralela: por conter duas pistas uma ao lado da outra, é a mais eficiente na capacidade de pousos e decolagens. Subdivide-se em: Próximas: tem no máximo 760 metros de afastamento uma da outra e possibilita de 85 a 200 pousos e decolagens por hora com visibilidade e em torno de 55 a 60 pousos e decolagens por instrumento; Intermediárias: possuem um afastamento de 760 a 1309 metros uma da outra, possibilitando em torno de 100 a 200 pousos e decolagens por hora sem o uso de instrumentos e 60 a 75 pousos e decolagens por meio de instrumentos; Distantes: é a mais afastada, possui no mínimo 1310 metros entre as pistas e tem capacidade para receber de 100 a 200 pousos e decolagens por hora sem 2 Material de origem vegetal. 7

8 a presença de instrumentos, e 100 a 120 pousos e decolagens com a utilização de instrumentos. Pista interceptante: possui duas pistas, porém estas se cruzam. É um modelo limitado a capacidade operacional, pois depende da velocidade e da incidência dos ventos, uma vez que estes são muito fortes, apenas uma das pistas poderá ser utilizada. As pistas interceptantes subdividem-se em: Intersecção próxima: possui intersecção próxima a cabeceira, isso proporciona um melhor aproveitamento da sua capacidade operacional. Possui um afastamento de no máximo 610 metros e tem capacidade operacional de 70 a 110 pousos e decolagens por hora sem a utilização de instrumentos, já utilizando instrumentos sua capacidade é bem reduzida, de 55 a 65 pousos e decolagens por hora; Intersecção intermediária: com a intersecção praticamente no meio de cada pista e com afastamento entre 610 a 1525 metros, possobilita de 55 a 105 pousos e decolagens por hora sem o uso de instrumentos, já utilizando os mesmos tem uma capacidade de 50 a 60 pousos e decolagens por hora; Intersecção distante: sua intersecção é do lado oposto ao da cabeceira obrigando a ter um maior afastamento entre as pistas, no mínimo 1525 metros possibilitanto operações por visibilidade de 70 a 170 pousos e decolagens por hora e 55 a 70 pousos e decolagens por hora com a utilização de instrumentos. Pista em V aberto: são recomendadas em locais onde a incidência de ventos seja muito forte. Subdividem-se em: Convergente: possuem as cabeceiras distantes umas das outras, ou seja, ao decolar, os aviões sobem bem próximos, isso acaba limitando a capacidade operacional da pista, pois o fluxo de aviões não poderá ser muito intenso, uma vez que poderá causar certa turbulência; Divergente: em relação a capacidade operacional das pistas em V aberto, esta é a melhor, pois possui suas cabeceiras próximas, fazendo com que o número de pousos e decolagens por hora sem a utilização de instrumentos seja em torno de 70 a 170, e com o uso dos intrumentos, a quantidade de pousos e decolagens por hora seja de 55 a Análise dos Resultados Após análise da movimentação dos dois aeroportos, foi possível perceber que, embora LaGuardia opere com duas pistas intereceptantes, sua capacidade de movimentação e demanda é muito maior do que o aeroporto de Congonhas que opera com duas pistas pararelas que, pela sua definição e classificação é o modelo mais eficiente em termos de movimentação. Isso deve-se ao fato de que, embora LaGuardia também opere com a maioria de seus voos nacionais, o aeroporto possui, além de uma infraestrutura mais moderna, um número de pousos e decolagens considerávelmente maior que Congonhas. O gráfico 2 ilustra melhor essa diferença nos pousos e decolagens. 8

9 Gráfico 2: Movimentação de aeronaves nos aeroportos de Laguardia e Congonhas. Fontes: INFRAERO; FAA É possível perceber que a quantidade de aeronaves pousando e decolando no aeroporto de LaGuardia é quase o dobro maior que no aeroporto de Congonhas, o que de certa forma faz com que o aeroporto precise operar um maior número de aeronaves no menor tempo possível. 8. Conclusão Com a compilação e interpretação dos dados, conclui-se que, devido ao fato de LaGuardia ter uma demanda maior que Congonhas, LaGuardia conta com uma infraestrutura mais moderna, o que faz que com este aeroporto consiga operar algo em torno de 1 aeronave por minuto, praticamente a metade do tempo gasto no aeroporto de Congonhas. Outro fator que contribui para a otimização dos pousos e decolagens do aeroporto de LaGuardia é o número de taxiways dispostas ao redor das duas pistas. Em média, o aeroporto possui de 5 a 6 taxiways em cada uma das duas pistas interceptantes, o que facilita e agiliza muito o taxiamento das aeronaves, tanto nos pousos quanto nas decolagens. Já no aeroporto de Congonhas o número de taxiways é bem restrito, algo em torno de 2 a 3 taxiways para cada pista, porém, os aviões não conseguem cruzar na metade de uma pista para a outra, pois as taxiways localizam-se no início e no final de cada pista, gerando assim uma demora maior no taxiamento das aeronaves para pousos e decolagens, tanto aeronaves de grande porte que operam somente na pista principal, como também aeronaves de pequeno porte, que operam na pista secundária, uma vez que ambos os modelos de aeronaves precisam percorrer toda a pista para conseguirem utilizar uma das taxiways. Para que Congonhas consiga otimizar e aumentar o fluxo de pousos e decolagens em ambas as pistas, seria necessário a construção de pelo menos mais duas taxiways para cada umas das pistas paralelas, isso faria com que o tempo gasto no taxiamento das aeronaves diminuisse siginificativamente, e com isso, praticamente chegaria a operar uma aeronave por minuto, já que dentre os modelos de pista, o utilizado em Congonhas é o melhor e mais eficiente de todos. 9

10 9. Referências Bibliográficas ANAC. Demanda na Hora-Pico: Aeroportos da Rede Infraero. Disponível em: <http://www2.anac.gov.br/arquivos/pdf/horapicoforweb.pdf>. Acesso em: 16 mar BNDES. Infraestrutura Aeroportuária. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/sitebndes/export/sites/default/bndes_pt/galerias/arquivos/em presa/pesquisa/chamada3/capitulo3.pdf>. Acesso em: 16 mar CAA. Civil Aviation Authority. Disponível em: <http://www.caa.co.uk/default.aspx?catid=1>. Acesso em: 20 dez FEDERAL AVIATION ADMINISTRATION. Federal Aviation Administration. Disponível em: <http://www.faa.gov/>. Acesso em: 20 jan IATA. International Air Transport Association. Disponível em: <http://www.iata.org/ps/consulting/pages/fuel-consulting.aspx>. Acesso em: 10 dez INFRAERO. Empresa Brasileira de Infra- Estrutura Aeroportuária. Disponível em: <http://www.infraero.gov.br/index.php/br/aeroportos/sao-paulo/aeroporto-de-sao-paulo-- congonhas/historico.html>. Acesso em: 20 dez JORNAL SAMPA. Aeroporto de Congonhas inaugura nova sala de embarque (2011). Disponível em <http://jornalsampa.com/?p=81>. Acesso em 29 Mar LAGUARDIA Airport. Características gerais do aeroporto. Disponível em: <http://www.panynj.gov/airports/laguardia.html>. Acesso em: 20 dez O conteúdo expresso no trabalho é de inteira responsabilidade do autor. 10

AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS

AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS SITUAÇÃO ATUAL AMPLIAÇÃO março/2009 A Empresa 67 aeroportos (32 internacionais) 80 estações de apoio à navegação aéreaa s s 32 terminais de logística de carga

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027 1 AEROPORTO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO PAESP 27-227 São os aeroportos destinados a atender as áreas de interesse regional e/ou estadual que apresentam demanda por transporte aéreo regular, em ligações com

Leia mais

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Gerência de Planos Diretores - Sede Abril/2010 Documento de Planejamento Plano Diretor Aeroportuário rio Objetivo Definição Objetivos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES. Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES. Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont Delmo Pinho - março, 2009 Cenário Atual da Aviação Mundial 1.167 aeronaves imobilizadas; Número total de jatos

Leia mais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais Belo Horizonte, 6 de junho, 2011 Infraestrutura Aeroportuária de Belo Horizonte Região metropolitana: Aeroporto Carlos Prates Aeroporto da Pampulha Aeroporto Internacional Tancredo Neves Movimento operacional

Leia mais

Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária. Coordenação de Meio Ambiente MERJ TERMO DE REFERÊNCIA

Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária. Coordenação de Meio Ambiente MERJ TERMO DE REFERÊNCIA Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência Regional do Rio de Janeiro - SRRJ Coordenação de Meio Ambiente MERJ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

Code-P0 AEROPORTOS SÃO PAULO. Jaime Parreira e-mail: jparreira@infraero.gov.br

Code-P0 AEROPORTOS SÃO PAULO. Jaime Parreira e-mail: jparreira@infraero.gov.br Code-P0 AEROPORTOS SÃO PAULO Jaime Parreira e-mail: jparreira@infraero.gov.br 0 Code-P1 AEROPORTOS DA REGIONAL DE SÃO PAULO Movimento Operacional Infraero Regional de São Paulo 2010 Passageiros 48.224.873

Leia mais

CREA-PR FIEP IEP SICEPOT INSTITUIÇÕES PROPONENTES PELT 2020 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO PARANÁ

CREA-PR FIEP IEP SICEPOT INSTITUIÇÕES PROPONENTES PELT 2020 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO PARANÁ CREA-PR INSTITUIÇÕES PROPONENTES PELT 2020 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO PARANÁ FIEP IEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DO PARANÁ SICEPOT

Leia mais

APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA NA MELHORIA DO PROCESSO DE EMBARQUE/DESEMBARQUE: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA NA MELHORIA DO PROCESSO DE EMBARQUE/DESEMBARQUE: UM ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA NA MELHORIA DO PROCESSO DE EMBARQUE/DESEMBARQUE: UM ESTUDO DE CASO Florisberto Garcia dos Santos UNIP GO - Av. T-1, 363 Setor Bueno Goiânia GO Daphne Cistine Fernandes UNIP GO Av.

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de Andrade Pereira Prof. Wilson Kuster Versão 2015 TRANSPORTE

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias e ATAERO Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias - legislação Criação de Tarifas Aeroportuárias

Leia mais

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia Seminário DCA-BR - Fontes Renováveis de Energia na Aviação São José dos Campos 10 de junho de 2010 Cmte Miguel Dau Vice-Presidente Técnico-Operacional

Leia mais

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1.

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1. localização Bengo - Angola Dono da Obra Casa Militar do Presidente da República / GRN Custo Estimado 3 mil milhões de EUR Perspetiva geral do NAIA Fase Projeto de Execução Área 1.980 ha O Novo Aeroporto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL NOTA TÉCNICA

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL NOTA TÉCNICA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL NOTA TÉCNICA ASSUNTO: Coordenação de aeroportos, alocação inicial de slots e aplicação ao Aeroporto Santos Dumont (SBRJ). 1. OBJETIVO A presente nota técnica tem como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. Dispõe sobre a obrigação dos operadores de aeródromo de informar à ANAC a capacidade operacional. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 98 6. Considerações Finais Mesmo com a alta dos preços do petróleo, a aviação vem caminhando a passos largos. Pelo menos é o que mostram os recentes números divulgados pela ANAC. As três maiores companhias

Leia mais

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 David Barioni Neto Mar/10 a Jun/11: Presidente Executivo (CEO) da Facility Group S.A. Nov/07 a Out/09: Presidente Executivo (CEO) da TAM Linhas Aéreas

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Desafios, Necessidades e Perspectivas da Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica (Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura)

Leia mais

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões Política aeroportuária: as dúvidas e as questões J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade de Lisboa) Professor Universitário e Consultor 1 Sistema Aeroportuário Nacional 2 Questões levantadas

Leia mais

Sistema Aeroportoviário no Brasil

Sistema Aeroportoviário no Brasil Sistema Aeroportoviário no Brasil FERNANDA MINUZZI LUCIANO DOMINGUES RÉGIS GOMES FLORES VINÍCIOS Transportes Introdução O transporte aéreo no Brasil vem acompanhando o desenvolvimento do País.Hoje, o transporte

Leia mais

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11 Introdução Nos trabalhos sobre aeroportos e transporte aéreo predominam análises específicas que tratam, por exemplo, do interior do sítio aeroportuário, da arquitetura de aeroportos, da segurança aeroportuária,

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre o Regime Especial da Copa do Mundo FIFA 2014 e dá outras providências. A DIRETORIA DA

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente. INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente. INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO OBJETIVO Divulgar os Projetos Estratégicos do Aeroporto

Leia mais

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 Pela primeira vez, o setor de aviação está lançando todas as diretrizes operacionais com mais de 300 dias de antecedência, o que contribui decisivamente

Leia mais

AEROPORTO DE VITÓRIA Terminal de Logística de Carga. Março de 2012

AEROPORTO DE VITÓRIA Terminal de Logística de Carga. Março de 2012 AEROPORTO DE VITÓRIA Terminal de Logística de Carga Março de 2012 AEROPORTO DE VITÓRIA Eurico de Aguiar Salles TERMINAL DE CARGA Dados Gerais PISTA: 05/23 TERMINAL DE CARGAS Asfalto - 1.750 m x 45 m

Leia mais

Airbus A380 da Emirates chega ao GRU Airport

Airbus A380 da Emirates chega ao GRU Airport Airbus A380 da Emirates chega ao GRU Airport A380 EMIRATES - GRU - FOTO: Luiz Fernando M Graça Por Rubens Barbosa Aeronave que encanta passageiros e entusiastas por aviação, o Airbus A380 da Emirates,

Leia mais

Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro

Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro Sumário executivo Janeiro de 2008 PREFÁCIO Atrasos e cancelamentos nos vôos são problemas constantes na vida de milhões de brasileiros. A antiga excelência

Leia mais

Estrutura de serviços em aeroportos

Estrutura de serviços em aeroportos Atualmente procuramos encontrar facilidades e conveniências em qualquer lugar freqüentado, Devido a exigência do mercado os Aeroportos têm investido em sua infra-estrutura para atender melhor seus usuários.

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

Gol inova em seu aplicativo móvel e possibilita aos clientes maior controle de antecipação, adiamento e remarcação de voos

Gol inova em seu aplicativo móvel e possibilita aos clientes maior controle de antecipação, adiamento e remarcação de voos Gol inova em seu aplicativo móvel e possibilita aos clientes maior controle de antecipação, adiamento e remarcação de voos Perfil Com 14 anos no mercado, a Gol se tornou referência mundial ao democratizar

Leia mais

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço O Fretamento está em nosso DNA. Foi a partir desse serviço que nascemos como empresa. Há quase 50 anos nos dedicamos a oferecer soluções personalizadas

Leia mais

Investimento Privado e Concessões Aeroportuárias. O que ainda há por fazer

Investimento Privado e Concessões Aeroportuárias. O que ainda há por fazer Investimento Privado e Concessões Aeroportuárias O que ainda há por fazer Conteúdo A Agenda da Indústria do Transporte Aéreo Resultados Já Alcançados Os Próximos Candidatos As Necessidades de Cada Um Congonhas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICAP COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO

AUDIÊNCIA PÚBLICAP COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO AUDIÊNCIA PÚBLICAP COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Brasília, 19 de maio de 2010 1 3 SEGURANÇA OPERACIONAL SAFETY Continua sendo a prioridade na aviação comercial Brasil 0.00 0.00 Hull losses

Leia mais

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32 There are no translations available. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão A concessão Por que o governo resolveu fazer a concessão? Nos

Leia mais

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE-

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE- PORTARIA ANAC N o 280/SIA, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. Cria projeto piloto para monitoramento de Indicadores de Desempenho da Segurança Operacional em aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 22 2009. O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN PROJETOS Instalações que compõem o escopo do empreendimento: Via de acesso principal à área terminal; Estacionamento

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DOS PRINCIPAIS AEROPORTOS BRASILEIROS

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DOS PRINCIPAIS AEROPORTOS BRASILEIROS Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 103 7. Referências Bibliográficas AERO MAGAZINE, Revista (2006). Carga Aérea em Alta no Brasil. Spring Editora., Ano 13, N 151., Revista (2008). Dívidas Ameaçam VarigLog. Spring Editora., Ano 14, N 166.,

Leia mais

Quadro 1: Classificação do fluxo aéreo segundo o atraso médio das aeronaves

Quadro 1: Classificação do fluxo aéreo segundo o atraso médio das aeronaves 5 O Desempenho Atual O nível de serviço de um aeroporto está diretamente ligado aos índices de atrasos nos seus voos, e, para analisar o nível de serviço do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, tomou-se

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

Roteiro Aula 05 Saber Direito.

Roteiro Aula 05 Saber Direito. 1 Roteiro Aula 05 Saber Direito. QUESTÕES AMBIENTAIS As preocupações com os impactos ambientais dos aeroportos surgiram nos Estados Unidos e na Europa ao final dos anos 60, devido ao rápido crescimento

Leia mais

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão nº 338 agosto 2014 Odebrecht TransPort assume operação do Galeão Odebrecht 70 anos: trajetória em aeroportos Novos serviços para usuários-clientes de água e esgoto Rota do Oeste deve investir R$5,5 bilhões

Leia mais

4 Métodos e Técnicas da Pesquisa

4 Métodos e Técnicas da Pesquisa Métodos e Técnicas da Pesquisa 90 4 Métodos e Técnicas da Pesquisa Este capítulo pretende esclarecer os procedimentos metodológicos adotados nesta pesquisa. Trata-se da descrição da metodologia e das técnicas

Leia mais

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 INFRAERO Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011 InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 Arq. Jonas Lopes Superintendente de Estudos e Projetos de Engenharia jonas_lopes@infraero.gov.br

Leia mais

44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA. Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015

44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA. Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015 44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015 ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA E COEFICIENTE DE

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil Rio de Janeiro, 08/05/2012 Diretor Presidente José Márcio Monsão Mollo presidência@snea.com.br SNEA FROTA (ASSOCIADAS)

Leia mais

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS Sumário 1 - Panorama Mundial da Aviação Civil 2- Situação Atual dos Aeroportos Brasileiros 3 - O Futuros dos Aeroportos

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 25 de Abril de 2014 1. PISTA DE POUSO E DECOLAGEM (*) CAPACIDADE DE PISTA Período Hora (LT) Capacidade (mov/hora) 26/10/2014

Leia mais

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO 275$163257($e5(2 $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO Segundo o Departamento de Aviação Civil (DAC), a exploração dos serviços de transporte aéreo no Brasil só foi liberada à iniciativa privada no ano de

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

Aeroporto Internacional Pinto Martins Fortaleza - CE

Aeroporto Internacional Pinto Martins Fortaleza - CE Execução das Obras e Serviços de Engenharia para Reforma, Ampliação e Modernização do Terminal de Passageiros - TPS, Adequação do Sistema Viário de Acesso e Ampliação do Pátio de Estacionamento de Aeronaves

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Núbia da Silva Batista ¹ Cássio Pinho dos Reis ² Flávia Ferreira Batista ² 3 Introdução Inaugurado

Leia mais

Comércio Argen-na - Brasil. Fluxos Aéreos Biltarais

Comércio Argen-na - Brasil. Fluxos Aéreos Biltarais Comércio Argen-na - Brasil Fluxos Aéreos Biltarais Conteúdo Comércio Bilateral Tráfego Aéreo de Passageiros Tráfego Aéreo de Carga Fluxos Norte Sul e Sul Norte Evolução dos Valores e Volumes Transacionados

Leia mais

Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem uma sequência de atividades quando no aeroporto:

Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem uma sequência de atividades quando no aeroporto: TRA 57_Operações em Aeroportos Fluxos, Processos e Atividades Operacionais: TPS Giovanna Miceli Ronzani Borille (ronzani@ita.br) processo Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem

Leia mais

Figura 01 Mapa representativo por área distribuídos pela ANAQ

Figura 01 Mapa representativo por área distribuídos pela ANAQ Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PRINCIPAIS ORGANISMOS INTERNACIONAIS... 3 2.1. CONVENÇÃO DE CHICAGO... 4 2.2. LIBERDADES DO AR... 4 3. IATA - ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO TRANSPORTE AÉREO... 4 3.1. ACI -

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

13/JUN/2006 NI - 11.08 (OPA)

13/JUN/2006 NI - 11.08 (OPA) ANEXO II INSTRUÇÕES GERAIS RELATIVAS À PINTURA DE PISTAS DE POUSO, DE ROLAMENTO E DE PÁTIOS DE AERONAVES b) Área de estacionamento de equipamentos (ou envelope de equipamentos): deve ser provida caso seja

Leia mais

NTERAÇÃO ENTRE ATENDIMENTOS VOLMET, OCORRÊNCIAS DE TROVOADAS E NEVOEIRO NO AERÓDROMO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO

NTERAÇÃO ENTRE ATENDIMENTOS VOLMET, OCORRÊNCIAS DE TROVOADAS E NEVOEIRO NO AERÓDROMO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO XVII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Gramado-RS,212 INTERAÇÃO ENTRE ATENDIMENTOS VOLMET, OCORRÊNCIAS DE TROVOADAS E NEVOEIRO NO AERÓDROMO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO -GUARULHOS-29 A 211 Luís Carlos

Leia mais

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Sumário 1. Dados da SAC sobre o Setor Aeroportuário 2. Plano Geral de Outorgas

Leia mais

Plano de Aviação Regional. Janeiro I 2013

Plano de Aviação Regional. Janeiro I 2013 Plano de Aviação Regional 1 Janeiro I 2013 A Azul A maior malha aérea do Brasil servindo 98 destinos, 218 rotas e 798 decolagens por dia #1 em 76% das rotas servidas e 32% de participação no mercado brasileiro

Leia mais

DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL OBJETIVOS ROTEIRO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS

DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL OBJETIVOS ROTEIRO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS MANUTENÇÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS VI SEMINÁRIO ALACPA DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS

Leia mais

Avaliação dos processos de embarque do aeroporto de São José dos Campos

Avaliação dos processos de embarque do aeroporto de São José dos Campos Avaliação dos processos de embarque do aeroporto de São José dos Campos Resumo Aroldo Borges Diniz Neto FATEC SJC feh_lipee@hotmail.com Felipe Loreto Diniz FTAEC SJC feh_lipee@hotmail.com Luiz Antonio

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA Relatório de Estágio São Paulo, 26 de agosto de 2011 Aluna: Michelle Moreira FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CIV411 Aeroportos

Programa Analítico de Disciplina CIV411 Aeroportos 0 Programa Analítico de Disciplina CIV11 Aeroportos Departamento de Engenharia Civil - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 2 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 1592/GM5, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984. Alterada pela Portaria n.º 484/GM5, de 20 JUL 88 (*). Alterada pela Portaria n.º 677 /GM2, de 10 SET

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO:

PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO: PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO: 1. O que é preterição de embarque? A preterição de embarque (embarque não realizado por motivo de segurança operacional, substituição

Leia mais

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO DIREITO À INFORMAÇÃO: INFORMAÇÃO CLARA E PRECISA: CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Art. 6º São direitos básicos do consumidor: III - a informação adequada e clara sobre os

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

Que políticas de transportes

Que políticas de transportes Que políticas de transportes 8º ciclo de seminários - Transportes e negócios J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa) Professor Universitário e Consultor Aeroportos

Leia mais

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP Venda de voos pelas agências portuguesas acaba 2010 a cair, mas ainda fica acima de 2009 A venda de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas, um mercado que em 2008 ultrapassou os 900

Leia mais

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015 Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil FIESP, São Paulo 27/08/2015 Conteúdo Custos Logísticos no Brasil Carga Aérea no Mundo Evolução do Transporte Aéreo no Brasil

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 141, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 141, DE 9 DE MARÇO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 141, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Dispõe sobre as Condições Gerais de Transporte aplicáveis aos atrasos e cancelamentos de voos e às hipóteses de preterição de

Leia mais

FATECIENS. Relatório Gerencial sobre o Sistema de Compras. Prefeitura de Sorocaba

FATECIENS. Relatório Gerencial sobre o Sistema de Compras. Prefeitura de Sorocaba Relatório Gerencial sobre o Sistema de Compras Prefeitura de Sorocaba No presente relatório estaremos descrevendo uma análise das mudanças ocorridas com a implantação do módulo de Licitações e Compras

Leia mais

ANÁLISE DA CAPACIDADE DO SISTEMA DE PISTAS O AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO COMO ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA CAPACIDADE DO SISTEMA DE PISTAS O AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO COMO ESTUDO DE CASO ANÁLISE DA CAPACIDADE DO SISTEMA DE PISTAS O AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO COMO ESTUDO DE CASO João Luiz de Castro Fortes Daniel Alberto Pamplona Carlos Müller Grupo de Engenharia de Tráfego

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas 8 de dezembro de 2011 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA AVIAÇÃO CIVIL PANORAMA INVESTIMENTOS CONCESSÕES INFRAERO

Leia mais

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Fonte: Dr. Renato Kloss Seção: Economia Versão: Online Data: 28/07 Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Medida do governo deve beneficiar cem linhas rentáveis. Subvenção pode somar R$

Leia mais

Transporte aéreo no Brasil: a crise da aviação comercial

Transporte aéreo no Brasil: a crise da aviação comercial 5 Transporte aéreo no Brasil: a crise da aviação comercial Lauro Lobo Burle* Economista com Mestrado pela Universidade de Brasília (UnB), Professor licenciado de Economia Brasileira do Centro de Ensino

Leia mais

5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária

5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária I Simpósio Infra-Estrutura e Logística no Brasil: DESAFIOS PARA UM PAÍS EMERGENTE 5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária Novembro 2008 Constituição Federal Aeródromos Públicos - Responsabilidades

Leia mais

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 QUESTÃO 1 Os classificadores são recursos da Libras representados por configurações de mãos usadas para expressar formas de objetos, pessoas e animais,

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA POR ENSAIO DE MANCHA DE AREIA E COEFICIENTE DE ATRITO DOS PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS

ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA POR ENSAIO DE MANCHA DE AREIA E COEFICIENTE DE ATRITO DOS PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS 1 ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA POR ENSAIO DE MANCHA DE AREIA E COEFICIENTE DE ATRITO DOS PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS Francisco Heber Lacerda de Oliveira - Universidade de Fortaleza. heber@unifor.br

Leia mais

ESTUDO DE CASO 3 AEROPORT AEROPOR O DE T GUARULHOS

ESTUDO DE CASO 3 AEROPORT AEROPOR O DE T GUARULHOS ESTUDO DE CASO 3 AEROPORTO DE GUARULHOS Objetivos Apresentar a resolução de exercícios propostos aplicando os conhecimentos relacionados com o objetivo de expressar valores numéricos à capacidade de pista

Leia mais

a diferenciação como estratégia de sobrevivência

a diferenciação como estratégia de sobrevivência Central de Cases TAM: a diferenciação como estratégia de sobrevivência www.espm.br/centraldecases Central de Cases TAM: a diferenciação como estratégia de sobrevivência Preparado pelo Prof. Marcos Henrique

Leia mais

Ascensão e queda do transporte internacional de passageiros no Rio de Janeiro

Ascensão e queda do transporte internacional de passageiros no Rio de Janeiro 1 Ascensão e queda do transporte internacional de passageiros no Rio de Janeiro Ambrozio Correa de Queiroz Neto 1 Marina Rodrigues Brochado 2 Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Leia mais

Análisedademandaem relaçãoà. Aeroportuário:destaqueparaaÁrea TerminalSãoPaulo. Junhode2007. Dr.MárioLuizFereiradeMeloSantos

Análisedademandaem relaçãoà. Aeroportuário:destaqueparaaÁrea TerminalSãoPaulo. Junhode2007. Dr.MárioLuizFereiradeMeloSantos SeminárioNovoModelodeGestãodoTransporteAéreo Análisedademandaem relaçãoà capacidadeinstaladanosistema Aeroportuário:destaqueparaaÁrea TerminalSãoPaulo Junhode2007 Dr.MárioLuizFereiradeMeloSantos ÍNDICE

Leia mais

PROVA APLICADA ANAC CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL. Agência Nacional de Aviação Civil PROVA OBJETIVA INSTRUÇÕES UNIVERSA

PROVA APLICADA ANAC CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL. Agência Nacional de Aviação Civil PROVA OBJETIVA INSTRUÇÕES UNIVERSA CURSO DE FORMAÇÃO ANAC Agência Nacional de Aviação Civil ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÕES Verifique atentamente se este caderno de prova contém oitenta itens, correspondentes à prova

Leia mais

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO TURISMO - INDICADORES GERAIS Demanda Total de Turistas (estimativa) Principais Procedências - Internacionais 13,22 milhões; 84% Brasileiros, 16% Estrangeiros EUA, Argentina, Alemanha, Chile, Espanha 2013

Leia mais