UNIMED DO BRASIL Manual de Regulamentação dos Planos de Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIMED DO BRASIL Manual de Regulamentação dos Planos de Saúde"

Transcrição

1 Manual sobre a Regulamentação dos Planos de Saúde (Aprovado durante o 20º Seminário Jurídico, Contábil, Atuarial e Financeiro) I - Autorização de funcionamento das operadoras 2 II - Cadastro de beneficiários 4 III - Cartão de desconto 6 IV - Documento de Informações Periódicas das Operadoras DIOPS 7 V - Doença e Lesão Preexistente (Declaração de Saúde e processo administrativo) 9 VI - Exercício de cargo de administrador 21 VII - Garantia Financeira 23 VIII - Inativos 26 IX - Lavagem ou ocultação de bens, direito e valores 30 X - Nota Técnica de Registro de Produto 31 XI - Plano de Contas 32 XII - Plano não regulamentado cadastro 34 XIII - Plano Referência 35 XIV - Portabilidade de carências 36 XV - Privacidade das informações médicas 38 XVI - Processo administrativo (normas) 41 XVII - Programa de Incentivo à Adaptação de Contratos 43 XVIII - Programa de Qualificação 46 XIX - Reajuste das Contraprestações 48 XX - Rede de prestadores instrumentos jurídicos 53 XXI - Rede de prestadores substituição/redução 54 XXII - Registro de produtos 57 XXIII - Ressarcimento ao SUS 60 XXIV - Sistema de Informações de Produtos SIP 64 XXV - Taxa de Saúde Suplementar 65 XXVI - TISS - Padrão obrigatório para Troca de Informações em Saúde Suplementar 67 1

2 AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DAS OPERADORAS Legislação: arts. 8º, 9º e 19, Lei nº 9.656; RN nº 85 (RN 100) IN/DIOPE nº 15 A Resolução Normativa RN nº 85 dispõe sobre a concessão de autorização de funcionamento das operadoras de planos de assistência à saúde. A norma foi alterada integralmente pela Resolução Normativa - RN nº 100, de 2005, e posteriormente pelas RNs nºs 124, 144, 160, 175, 189 e 196. A pessoa jurídica de direito privado que pretenda atuar no mercado de saúde suplementar, para obter a Autorização de Funcionamento, deverá ter registro como operadora de planos privados de assistência à saúde e de produto (planos registrados nos termos definidos por norma da Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos - DIPRO). Para o procedimento de registro de operadora, as pessoas jurídicas pretendentes devem atender às disposições contidas no Anexo I da RN nº 85, inclusive apresentação e aprovação de Plano de Negócios (contendo a análise de mercado e o planejamento econômico-financeiro), além do cumprimento das normas de garantias financeiras. As operadoras que têm registro provisório deverão estar em situação regular em relação às exigências da regulamentação, e observar as condições gerais do Anexo IV da RN nº 85: 1. Documento indicando formalmente o Representante da pessoa jurídica junto à ANS e o responsável pela área técnica de saúde, especificando o ato de designação, nomeação ou indicação e o prazo de duração, se houver. - As informações são prestadas periodicamente pelo DIOPS. 2. Documento indicando o nome do contador, dos auditores independentes e do atuário, este último quando for o caso, com os respectivos números dos registros nos órgãos competentes. - Essas informações constam do DIOPS. 3. Cópia da Guia de Recolhimento da União - GRU referente ao recolhimento da Taxa de Registro de Operadora - TRO, conforme o inciso II do art. 20 da Lei n 9.961, de 28 de janeiro de A operadora que não efetuou o pagamento, terá que fazê-lo, ou apresentar decisão judicial que a exonere do pagamento. 4. Documento que apresente fundamentação da segmentação de acordo com o disposto na RDC n 39, de 27 de outubro de O documento hábil para essa análise será o balancete. A Agência verificará o percentual de gastos na rede própria. 5. Comprovação de regularidade quanto à manutenção de Recursos Próprios Mínimos e demais garantias financeiras previstas na RN nº 159 e RN nº 160 (atualmente, RN nº 209). - As informações são aferidas pelo DIOPS e pelas demonstrações contábeis. 6. Balancete analítico, assinado por contador registrado no Conselho Regional de Contabilidade - CRC, até dois meses anteriores à data da sua apresentação à ANS, que comprove a utilização do Plano de Contas Padrão. - A operadora que não implantou o Plano de Contas da ANS precisará celebrar um Termo de Assunção de Obrigações para Pendências Documentais (IN/DIOPE nº 15). 7. Cópia autenticada do contrato ou estatuto social consolidado, registrado no órgão competente. - A operadora deverá enviar o estatuto consolidado, com todas as alterações ocorridas (e ainda vigentes). 8. Demonstração da composição societária da Operadora, direta e indiretamente, até o nível de pessoa física, indicando a quantidade e o percentual de cada participante no capital social. - Não é pertinente às cooperativas. 9. Documento relacionando a região de comercialização da Operadora, conforme disposto no Anexo I da RN nº 160 (atualmente, RN nº 209). - Para cumprimento do item, basta a declaração do representante da operadora. Essa atuação se refere às vendas (não é a abrangência dos planos); onde a operadora comercializa seus planos. 10. Cópia das demonstrações contábeis do último exercício, auditada por auditor independente devidamente registrado na Comissão de Valores Mobiliários - CVM, ou, no caso das operadoras com mais de (vinte mil) beneficiários, cópia da publicação das demonstrações contábeis do último exercício social. 2

3 - A obrigação é anual. 11. Cópia autenticada do registro da sede da pessoa jurídica nos Conselhos Regionais de Medicina (e Odontologia) e do responsável pela área técnica de saúde. - São dois registros: operadora (cooperativa) e responsável (pessoa física) pela área técnica de saúde. Verificar a validade de registro, que, normalmente, tem renovação anual. 12. Descrição das instalações e equipamentos destinados à prestação dos serviços de operação dos planos. - Trata-se do controle patrimonial (normalmente elaborado pelo contador da operadora). 13. Cumprimento do disposto no art. 4º, caput e parágrafo único, da RN nº 11, de 22 de julho de 2002, ou suas posteriores alterações, mediante apresentação do Termo de Responsabilidade constante do Anexo da referida resolução, e cópia autenticada do contrato social ou ata de Assembleia Geral Ordinária/Extraordinária, devidamente registrados na Junta Comercial ou em cartório, com cláusula expressa que os pretendentes ao cargo de administradores preenchem as condições exigidas na RN Também é necessário observar o 2º do art. 1º da RN nº 11, que determina a indicação do administrador responsável pela área técnica de saúde. Nos termos da RN nº 255, o responsável pela área técnica de saúde deverá zelar pela proteção do sigilo das informações assistenciais. Anteriormente, tal atribuição pertencia ao Coordenador Médico de Informações em Saúde conforme dispunha a RDC nº 64, revogada pela nova norma. 14. Cópia autenticada da ata de Assembleia Geral Ordinária e/ou Extraordinária e/ou de Reunião do Conselho de Administração, devidamente registrada em órgão competente, que elegeu os membros da Diretoria e dos Conselhos de Administração, Fiscal e afins, cujos mandatos estejam em curso, quando for o caso. A Agência verificará se: (a) a operadora tem pelo menos um produto referência registrado e ativo na ANS por cada modalidade de contratação que opere (as autogestões e as operadoras exclusivamente odontológicas, dispensadas do registro do plano referência, devem apresentar ao menos um produto registrado); (b) as operadoras que só tenham produtos anteriores à Lei nº 9.656/98, atenderam à RN n 56, de 4 de dezembro de 2003 (Sistema de Cadastro de Planos Antigos ); e, (c) há regularidade no envio do DIOPS. A Resolução Normativa - RN nº 196 instituiu a Administradora de Benefícios, em substituição às administradoras de planos. Considera-se Administradora de Benefícios a pessoa jurídica que propõe a contratação de plano coletivo na condição de estipulante ou que presta serviços para pessoas jurídicas contratantes de planos privados de assistência à saúde coletivos. Às administradoras é vedada qualquer atividade típica de operadora, e estão sujeitas à obtenção de autorização de funcionamento, sem, contudo, registrar produtos. Nos termos da Instrução Normativa - IN/DIOPE nº 15, de 11 de março de 2008, as pendências econômico-financeiras (observância das provisões obrigatórias conforme RNs nºs 159 e 160, hoje, RN nº 209) poderão ser objeto de Plano de Recuperação (RN nº 199); para solução das pendências documentais a operadora poderá solicitar prazo por meio da assinatura do Termo de Assunção de Obrigações (anexo I da IN/DIOPE nº 15). Essas providências permitirão que a operadora obtenha o registro de operadora, tão somente. Obs.: 1. A autorização de funcionamento compreende registro de operadora (DIOPE) e registro de produto (DIPRO), e ainda, se for o caso, completo cumprimento do Termo de Assunção de Obrigações e/ou do Plano de Recuperação. 2. Veja tema Registro de Produtos 3

4 CADASTRO DE BENEFICIÁRIOS Legislação: art. 20, Lei nº 9.656; RN nº 250; IN/DIDES nº 46 As operadoras de planos privados de assistência à saúde devem encaminhar à Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, até o dia 5 de cada mês, arquivo com as alterações do cadastro de beneficiários ocorridas até o último dia do mês anterior. As operadoras de planos privados de assistência à saúde que não tiveram alteração nas informações cadastrais de seus usuários, ou mesmo que não possuam beneficiários devem encaminhar o arquivo indicando essa situação. A obrigatoriedade de informação é da operadora contratada (que celebrou o contrato), e não das que prestem serviços em repasse (mesmo que em pré-pagamento). O envio do arquivo é feito pela Internet. Arquivo de atualização de dados (SBX) enviado à ANS pelas operadoras. Contém as alterações ou retificações de dados cadastrais dos beneficiários, bem como inclusões, reativações, mudança contratual e cancelamentos, ocorridos na respectiva competência mensal ou a inexistência das mesmas. Arquivo de resultado do processamento (RPX): contém o Protocolo de Atualização Cadastral (PTC), o resultado do processamento do arquivo SBX e a relação dos Códigos de Controle Operacional (CCO) atribuídos aos beneficiários que foram incluídos naquele processamento e é disponibilizado pela ANS às operadoras; Arquivo de conferência (CNX): contém a situação dos dados cadastrais dos beneficiários ativos e inativos de uma determinada operadora, registrada na base de dados de beneficiários do SIB/ANS até a última atualização cadastral e é disponibilizado pela ANS às operadoras; Erros identificados os erros eventualmente identificados no processamento deverão ser corrigidos e encaminhados para a ANS, em arquivo referente à atualização mensal na mesma competência ou, no máximo, até a competência subsequente. Cada beneficiário deverá estar vinculado a um registro de plano. Nos planos anteriores à Lei nº deverá ser informado o código do plano da operadora enviado pelo cadastramento no Sistema de Cadastro de Planos Antigos - SCPA. Os campos Nome do beneficiário, Data de nascimento do beneficiário, Sexo do beneficiário e, para beneficiário titular e beneficiário dependente com idade igual ou superior a dezoito anos, o campo CPF do beneficiário, são campos de preenchimento obrigatório. O não preenchimento de pelo menos um desses campos ocasionará a rejeição do registro de dados. O beneficiário titular (ainda que menor de 18 anos) está obrigado a ter seu próprio registro no Cadastro de Pessoas Físicas - CPF. Para todos os beneficiários titulares e para todos os beneficiários dependentes com idade igual ou superior a dezoito anos é obrigatório o preenchimento de pelo menos um dos seguintes campos: PIS/PASEP do beneficiário, Nome da mãe do beneficiário, Cartão Nacional de Saúde - CNS do beneficiário. 4

5 A RN 250 incluiu a obrigação de todos os beneficiários terem cadastro no Cartão Nacional de Saúde. A exigência está prevista para junho de Da mesma forma, no cadastro dos usuários nascidos a partir de janeiro de 2010 deverá constar o número da Declaração de Nascido Vivo. Para cada registro existente no cadastro de beneficiários da ANS, será gerado um único Código de Controle Operacional (CCO), que será a identificação unívoca do registro de dados no SIB/ANS, a ser utilizado no gerenciamento do registro de dados. A partir de 06 de junho de 2011 o envio mensal de dados cadastrais de beneficiários para a ANS ocorrerá somente por meio de aplicativo do SIB/ANS, em formato XML. Até aquela data, continuam sendo obrigatórias a geração e a transmissão dos arquivos do SIB/ANS em formato TXT, na versão do SIB, disponível no site da ANS. Sanção. Deixar de enviar à ANS as informações de natureza cadastral que permitam a identificação dos consumidores, titulares ou dependentes. Sanção: advertência; multa de R$ ,00. Obs. 1. A operadora que celebrar contrato especificamente de medicina ocupacional não deverá informar o cadastro desses usuários. 2. As normas da ANS que determinam o envio do cadastro das operadoras se baseiam no art. 20 da Lei nº 9.656, que trata do fornecimento de informações que permitam a identificação dos consumidores para fins do disposto no art. 32, ou seja, o ressarcimento ao Sistema Único de Saúde SUS. A ANS entende que deva ser informado todo o cadastro. Todavia, é juridicamente defensável a não aplicação das normas aos contratos celebrados antes da Lei nº (argumento: o art. 35 estabelece que se aplicam as disposições da Lei a todos os contratos celebrados a partir de sua vigência e àqueles que forem adaptados à ela), ou ainda, àqueles que não fossem passíveis de ressarcimento, tais como, (a) os contratos cuja modalidade de pagamento se dá em custo operacional, a despeito do que dispõe a Súmula Normativa nº 9 (argumento: nos contratos em custo operacional o risco da assistência é do próprio contratante, não da operadora, que cobra por todo e qualquer atendimento realizado, e, nestas condições, estariam esses planos afastados do ressarcimento, e por consequência, dispensada a operadora de informar os respectivos usuários), (b) para empregados e cooperados, em que não haja qualquer participação financeira do beneficiário, e usuários atendidos pelo Benefício Família, antigo Plano de Extensão Assistencial - PEA (argumento: não seriam passíveis de ressarcimento já que a operadora nada recebe do usuário, e, assim, não informaria o cadastro desses benefícios). ATENÇÃO: esses argumentos não são aceitos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, assim, para não estar sujeita à autuação, a operadora deverá estar protegida por decisão judicial. 5

6 CARTÃO DE DESCONTO Legislação: Comunicado nº 8 e 9; RN nº 40 (RN 62) A ANS definiu que é vedada às operadoras de planos de assistência à saúde e às seguradoras especializadas em saúde a operação de sistemas de descontos ou de garantia de preços diferenciados a serem pagos diretamente pelo consumidor ao prestador dos serviços, bem como a oferta de qualquer produto ou serviço de saúde que não apresente as características definidas no inciso I e 1º do art. 1º da Lei nº A Agência entende que não poderia existir um plano de assistência médico-hospitalar registrado na modalidade de pós-pagamento (custo operacional) para pessoa física (veja também a Súmula Normativa nº 9). Isso caracterizaria uma coparticipação integral, o que viola o disposto na Resolução CONSU nº 8. Todavia, muitas cooperativas registraram planos pessoa física em custo operacional, já que, na realidade, é uma modalidade de pagamento, e não fator moderador. Sanção. Operar sistemas de desconto ou de garantia de preços diferenciados não previstos em lei. Sanção: advertência; multa de R$ ,00. Obs. 1. Muitos tipos de contratos já celebrados, na realidade, não definem o pagamento diretamente ao prestador, o que, por si, afastaria a aplicação da RN nº 40, mas, tal produto não é registrado pelos critérios definidos pelo aplicativo RPS, assim, segundo a ANS, a operadora não poderia oferecer o produto ao mercado. 2. O Conselho Federal de Medicina, por sua Resolução CFM nº (a) considera antiética a participação de médicos como proprietários, sócios, dirigentes ou consultores dos chamados Cartões de Descontos; (b) proíbe a inscrição destes Cartões de Descontos no cadastro de pessoas jurídicas dos Conselhos Regionais de Medicina; e, (c) considera infração ética a comprovada associação ou referenciamento de médicos a qualquer empresa que faça publicidade de descontos sobre honorários médicos. 3. As operadoras poderão oferecer planos exclusivamente odontológicos, inclusive individual/familiar, em regime misto de pagamento, cujo custo de cobertura da parcela em prépagamento deverá contemplar a consulta inicial, procedimentos de urgência/emergência e parte dos atos de prevenção em saúde bucal, nos termos da RN nº 59. 6

7 DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES PERIÓDICAS DAS OPERADORAS DE PLANOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - DIOPS Legislação: art. 20, Lei nº 9.656, RN 173 O DIOPS é o Documento de Informações Periódicas das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde que as operadoras devem enviar periodicamente à ANS (pela Internet) e é composto de informações cadastrais, econômico-financeiras e complementares. O documento tem por objetivo fornecer condições para que a Diretoria de Normas e Habilitação das Operadoras - DIOPE possa efetuar o controle, o monitoramento e o acompanhamento da estrutura patrimonial das operadoras. Em 2007, a ANS estabeleceu um novo padrão para recebimento das informações do DIOPS. O padrão definido segue os conceitos da Troca de Informação em Saúde Suplementar (TISS), a partir da qual os dados passam a ser enviados pelas operadoras para a ANS em arquivos de formato padrão, utilizando o XML, com conteúdo descrito e definido por meio de schemas XSD. Como a geração das informações passou a ser efetuada pelas operadoras e não mais por um aplicativo proprietário, as críticas que eram efetuadas antes do envio dos dados, passaram a ser processadas na ANS após o recebimento dos arquivos XML. Em virtude disto, é disponibilizada, no sítio da Agência, a página para consulta de inconsistências. As operadoras devem verificar o status dos envios realizados no endereço Alerta. As informações são consideradas entregues somente quando o status for Aceito. As mensagens Rejeitado e Erro indicam a existência de erros, que devem ser corrigidos. O status Aguardando processamento significa que as informações ainda não foram verificadas. O DIOPS contempla informações cadastrais e econômico-financeiras. A partir do exercício de 2007 também passou a ser obrigatório o envio de informações complementares pelo DIOPS: Parecer de Auditoria: a operadora deve enviar o Parecer de Auditoria relativo às demonstrações financeiras de encerramento do exercício social, até a data limite de envio do DIOPS econômicofinanceiro do primeiro trimestre do exercício seguinte ao da competência. Para o envio, utilizar o DIOPS XML Parecer de Auditoria. Relatório Circunstanciado de Auditoria: a operadora deve enviar esse relatório contendo observações relativas às deficiências ou à eficácia dos procedimentos de controle interno, e a respeito do não cumprimento de normas legais e regulamentares, decorrente dos trabalhos de auditoria sobre as demonstrações financeiras, sempre até a data limite de envio do DIOPS econômico-financeiro do primeiro trimestre do exercício seguinte ao da competência. Para o envio, utilizar o DIOPS XML Relatório Circunstanciado. A operadora poderá optar pelo envio em formato de texto (até 3960 caracteres) ou de imagem (até 200KB cada página, sendo um arquivo por página). ATENÇÃO: o envio do Parecer de Auditoria e o Relatório Circunstanciado devem sempre anteceder ao envio do DIOPS XML econômico-financeiro do primeiro trimestre do exercício seguinte, caso contrário este será rejeitado. A partir de 2011 as operadoras estão obrigadas a enviar à ANS Relatório de Procedimentos Previamente Acordados (PPA), a ser elaborado por auditor independente registrado na Comissão 7

8 de Valores Mobiliários - CVM, sobre as informações econômico-financeiras a serem transmitidas por meio do DIOPS. O Relatório de PPA com os procedimentos definidos no Anexo I da IN/DIOPE 45 (Provisão de Eventos/Sinistros a Liquidar) deve ser enviado, eletronicamente, em conjunto com o DIOPS/ANS trimestral, a partir do primeiro trimestre do exercício social de 2011, inclusive (o prazo do primeiro envio que seria no dia 15 de maio foi prorrogado para o dia 30, conforme Comunicado publicado no dia 16 de maio). O Relatório com os procedimentos definidos no Anexo II da instrução normativa (demais informações econômico-financeiras) deve ser enviado, eletronicamente, em conjunto com o DIOPS/ANS, exclusivamente sobre as informações referentes ao segundo trimestre de cada exercício social, a partir de 2011, inclusive (previsão de envio: 15 de agosto de cada ano). O DIOPS/ANS versão XML deverá ser enviado nas seguintes datas: a) primeiro trimestre até o dia 15 de maio do mesmo exercício (em 2011, houve prorrogação para o dia 30 de maio); b) segundo trimestre até o dia 15 de agosto do mesmo exercício; c) terceiro trimestre até o dia 15 de novembro do mesmo exercício; e d) quarto trimestre até o dia 31 de março do exercício subsequente. Obs.: especificamente para as operadoras obrigadas a apurar balanço semestral em 30 de junho, por força de legislação específica, enviar o parecer de auditoria e o Relatório Circunstanciado até a data limite de envio do DIOPS econômico-financeiro do segundo trimestre do exercício. Sanção. Deixar de encaminhar, no prazo estabelecido, as informações periódicas exigidas pela ANS: advertência; multa de R$ ,00. 8

9 DOENÇA E LESÃO PREEXISTENTE (DECLARAÇÃO DE SAÚDE e PROCESSO ADMINISTRATIVO) Legislação: RN nº 162 (RN 195) A Resolução Normativa - RN nº 162, de 17 de outubro de 2007, dispõe sobre Doenças ou Lesões Preexistentes (DLP), Cobertura Parcial Temporária (CPT), Declaração de Saúde (DS), Carta de Orientação ao Beneficiário e sobre o processo administrativo para comprovação do conhecimento prévio de doença ou lesão preexistente pelo beneficiário de plano privado de assistência à saúde no âmbito da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS. A norma trouxe as seguintes definições: (a) Doenças ou Lesões Preexistentes (DLP) aquelas que o beneficiário ou seu representante legal saiba ser portador ou sofredor, no momento da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde; (b) Cobertura Parcial Temporária (CPT) aquela que admite, por um período ininterrupto de até 24 meses, a partir da data da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, a suspensão da cobertura de Procedimentos de Alta Complexidade (PAC), leitos de alta tecnologia e procedimentos cirúrgicos, desde que relacionados exclusivamente às doenças ou lesões preexistentes declaradas pelo beneficiário ou seu representante legal; (c) Agravo como qualquer acréscimo no valor da contraprestação paga ao plano privado de assistência à saúde, para que o beneficiário tenha direito integral à cobertura contratada, para a doença ou lesão preexistente declarada, após os prazos de carências contratuais, de acordo com as condições negociadas entre a operadora e o beneficiário; e (d) Segmentação como tipo de cobertura contratada no plano privado de assistência à saúde conforme o art. 12 da Lei nº 9.656, de Carta de Orientação ao Beneficiário A Carta de Orientação ao Beneficiário é um documento padronizado pela ANS, que visa a orientar o beneficiário sobre o preenchimento da Declaração de Saúde, no momento da assinatura do contrato. O modelo (anexo da resolução) deverá ser observado também quanto à fonte e respectivo tamanho: Times New Roman, 12, espaçamento simples. Nos planos privados de assistência à saúde, individual ou familiar, ou coletivos com menos de 30 (trinta) beneficiários, deverá ser entregue aos usuários a Carta de Orientação ao Beneficiário que deve estar localizada na página imediatamente anterior ao formulário de Declaração de Saúde. Para abertura de processo administrativo por alegação de DLP, somente serão válidas as Cartas de Orientação ao Beneficiário (contratação a partir de janeiro/2008) sem qualquer rasura ou modificação da forma e conteúdo definidos na RN nº 162. Entrevista Qualificada Para preenchimento da Declaração de Saúde o beneficiário tem o direito de ser orientado, gratuitamente, por um médico credenciado/referenciado pela operadora. Se optar por um profissional de sua livre escolha, assumirá o custo desta opção É vedada a alegação de omissão de informação de DLP quando for realizado qualquer tipo de exame ou perícia no beneficiário pela operadora, com vistas à sua admissão no plano privado de assistência à saúde. Doença ou Lesão Preexistente Sendo constatada por perícia ou na entrevista qualificada ou através de declaração expressa do beneficiário, a existência de doença ou lesão que possa gerar necessidade de eventos cirúrgicos, de uso de leitos de alta tecnologia e de procedimentos de alta complexidade, a operadora que queira restringir o acesso a esses eventos deverá oferecer obrigatoriamente a Cobertura Parcial Temporária, sendo facultado o oferecimento de Agravo como opção à CPT. Caso a operadora não 9

10 ofereça CPT no momento da adesão contratual, não caberá alegação de omissão de informação na Declaração de Saúde ou aplicação posterior de CPT ou Agravo. É vedada a alegação de DLP decorridos 24 meses da data da celebração do contrato ou da adesão ao plano privado de assistência à saúde, e a cobertura assistencial passará a ser integral, conforme a segmentação contratada. Agravo (facultativo) Caso a operadora opte pela alternativa de oferecimento do Agravo, será firmado Aditivo Contratual específico, cujas condições serão estabelecidas entre as partes, devendo constar menção expressa a: (a) percentual ou valor do Agravo; (b) período de vigência do Agravo. A ANS poderá a qualquer tempo solicitar esclarecimentos sobre os Procedimentos de Alta Complexidade (PAC) e cirúrgicos, objetos de CPT, relacionados às DLP declaradas. Declaração de Saúde A Declaração de Saúde consistirá no preenchimento de um formulário, elaborado pela operadora, para registro de informações sobre as doenças ou lesões de que o beneficiário saiba ser portador ou sofredor, e das quais tenha conhecimento, no momento da contratação ou adesão contratual, e conterá, obrigatoriamente: (a) a definição de CPT; (b) a definição de Agravo; (c) a informação sobre o direito do beneficiário de ser orientado no preenchimento da declaração de saúde, sem ônus financeiro, por um médico indicado pela operadora, ou de optar por um profissional de sua livre escolha assumindo o ônus financeiro desta opção; e (d) a informação a respeito das conseqüências previstas na legislação, de rescisão contratual e de responsabilidade do beneficiário por despesas realizadas com os procedimentos que seriam objetos de CPT, caso venha a ser comprovada junto à ANS, a omissão de informação sobre DLP conhecida e não declarada. Também conterá campo para que seja registrado: (a) se o preenchimento contou com a presença de médico orientador, o que deve ser registrado de próprio punho por este profissional, em campo específico, ou se o beneficiário dispensou a presença do médico orientador; e (b) comentários e informações adicionais, a respeito das questões formuladas, que o beneficiário entenda importante registrar. A Declaração de Saúde deverá fazer referência, exclusivamente, a doenças ou lesões de que o beneficiário saiba ser portador ou sofredor no momento da contratação, não sendo permitidas perguntas sobre hábitos de vida, sintomas ou uso de medicamentos. Não poderá haver solicitação de preenchimento de formulário de Declaração de Saúde na contratação ou adesão de plano em substituição a outro (individual ou coletivo independente do número de beneficiários), ao qual o beneficiário, titular ou não do plano, permaneceu vinculado por período superior a 24 (vinte e quatro) meses, desde que na mesma operadora, na mesma segmentação e sem interrupção de tempo. Sigilo das informações As operadoras ficam obrigadas a proteger as informações prestadas nas declarações de saúde, sendo vedada sua divulgação ou o fornecimento a terceiros não envolvidos na prestação de serviços assistenciais, sem a anuência expressa do beneficiário, ressalvados os casos previstos na legislação em vigor. (Veja item Privacidade das Informações Médicas) Mensagem nos cartões de identificação A RN nº 162 manteve a exigência de que as carteiras, cartões ou documentos de identificação de porte obrigatório pelo beneficiário para acesso aos serviços assistenciais, deverão conter a informação da existência de cláusula de CPT, com especificação da data de término de vigência da CPT. 10

11 Processo Administrativo Identificado indício de fraude por parte do beneficiário, referente à omissão de conhecimento de DLP por ocasião da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, a operadora deverá comunicar imediatamente a alegação de omissão de informação ao beneficiário por meio de Termo de Comunicação ao Beneficiário, e poderá: (a) oferecer CPT ao beneficiário pelos meses restantes, a partir da data de recebimento do Termo de Comunicação, até completar o período máximo de 24 (vinte e quatro) meses da assinatura contratual ou da adesão ao plano privado de assistência à saúde; ou (b) oferecer o Agravo (como alternativa); ou (c) solicitar abertura de processo administrativo na ANS, quando da identificação do indício de fraude, ou após recusa do beneficiário à CPT. Somente após a comunicação ao beneficiário de alegação de omissão de informação na Declaração de Saúde, a operadora poderá encaminhar à ANS a documentação requerendo abertura de processo administrativo para verificação da sua procedência ou não. Nos casos em que houver acordo de CPT ou Agravo, a operadora não poderá solicitar abertura de processo administrativo com relação à respectiva doença que ensejou o oferecimento da CPT ou Agravo. Não será permitida, sob qualquer alegação, a negativa de cobertura assistencial, assim como a suspensão ou rescisão unilateral de contrato, até a publicação pela ANS do encerramento do processo administrativo, ficando a operadora sujeita às penalidades previstas na legislação em vigor. A solicitação de abertura de processo administrativo deverá ser protocolizada: (a) na sede da ANS; ou (b) no Núcleo da ANS (ex-nuraf); ou (c) encaminhada pelos Correios diretamente à ANS. Para fins de solicitação de abertura de processo administrativo, a operadora deverá, obrigatoriamente, apresentar os documentos abaixo listados, em duas cópias legíveis, sem rasuras, com a identificação do beneficiário e com as devidas assinaturas e datas: (a) Termo de Alegação, contendo a identificação do beneficiário, a descrição da doença com a respectiva Classificação Internacional de Doenças (CID), ou lesão alegada que será objeto de julgamento, o número do registro do plano privado de assistência à saúde, o nº de registro do beneficiário enviado ao Sistema de Informação de Beneficiário (SIB) e a assinatura do representante legal da operadora junto à ANS ou seu procurador; (b) Termo ou Proposta de Adesão ao plano privado de assistência à saúde; (c) Carta de Orientação ao Beneficiário (exceto para os contratos celebrados antes de janeiro de 2008); (d) Declaração de Saúde, devidamente datada e assinada pelo beneficiário titular ou dependente, ou seu representante legal, no caso de beneficiário menor de 18 anos ou incapaz; (e) Termo de Comunicação ao Beneficiário (contendo obrigatoriamente o nome do beneficiário constante do processo administrativo, a doença ou lesão alegada, e a informação do prazo de, no mínimo, dez dias para manifestação do beneficiário perante a alegação da operadora); (f) comprovante de recebimento do Termo de Comunicação ao Beneficiário; (g) documentação comprobatória do conhecimento prévio do beneficiário sobre a DLP, preferencialmente, original ou cópia autenticada (uma das vias), com a identificação do beneficiário e do emitente; (h) endereço atualizado do beneficiário ou do seu representante legal; e (i) no caso de contrato coletivo com menos de 30 (trinta) beneficiários, apresentar comprovante do número de participantes do contrato. A resolução traz observação de indeferimento da solicitação de abertura de processo, entre outras hipóteses, nos casos de (a) adaptação e migração de contratos; e (b) transferência de carteira entre operadoras. A norma determina que não caberá qualquer alegação de DLP ou aplicação de CPT ou Agravo, nos casos referidos no inciso III do art. 12 da Lei nº (que trata dos direitos do recém-nascido da 11

12 segmentação obstétrica: cobertura assistencial e inscrição nos primeiros trinta dias após o parto, sem carência). Recurso O Diretor da Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos - DIPRO proferirá decisão, no prazo de 30 (trinta) dias, salvo prorrogação por igual período, expressamente motivada, da qual serão notificadas as partes, para, se for o caso, interporem recurso administrativo que será julgado pela Diretoria Colegiada como instância administrativa máxima. A notificação realizar-se-á ordinariamente, por via postal, cuja entrega será comprovada pelo Aviso de Recebimento (AR) ou documento equivalente emitido pelo serviço postal, devidamente assinado; ou por edital publicado uma única vez no Diário Oficial da União, se frustrada a tentativa de notificação por via postal. O prazo para interposição do recurso administrativo é de 15 (quinze) dias, contados da data em que a notificação da decisão for efetuada e deverá ser dirigido à DIPRO, que notificará a outra parte, concedendo o mesmo prazo para contra-razões. Não havendo interposição de recurso administrativo no prazo regular, a decisão deverá ser comunicada às partes e publicada, em extrato, no Diário Oficial da União, e o processo administrativo arquivado, após a adoção das providências cabíveis. A decisão proferida pela Diretoria Colegiada deverá ser publicada, em extrato, no Diário Oficial da União, disponibilizada no site da ANS e informada às partes na forma do art. 25 da RN nº 162, não cabendo recurso. Sendo o julgamento final favorável à operadora, apenas poderá ser excluído o beneficiário que foi parte no processo administrativo. No caso de o excluído ser o titular do plano familiar, este poderá transferir a titularidade a um dos dependentes ou permanecer somente como responsável financeiro, não sendo mais beneficiário do plano contratado. Sanção. Deixar de cumprir as normas regulamentares da ANS que autorizam a alegação de doença e lesão preexistente do consumidor. Sanção: advertência; multa de R$ ,00. Deixar de fornecer Carta de Orientação ao Consumidor previamente ao preenchimento da declaração de saúde no momento da assinatura do contrato ou adesão ao plano privado de assistência à saúde. Sanção: advertência; multa de R$ ,00. Fornecer Carta de Orientação ao Consumidor fora do padrão estabelecido pela ANS. Sanção: advertência; multa de R$ ,00. Deixar de adotar os mecanismos mínimos de proteção à informação em saúde suplementar, previstos na regulamentação da ANS. Sanção: multa de R$ ,00. Na hipótese de reincidência, será aplicada a suspensão do exercício de cargo por 30 (trinta) dias, sem prejuízo da multa. Obs.: Na hipótese de CPT, as operadoras somente poderão suspender a cobertura de procedimentos cirúrgicos, o uso de leito de alta tecnologia e os procedimentos de alta complexidade (definidos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde), quando relacionados diretamente à DLP especificada. Sugere-se o texto a seguir como minuta de estudo para a declaração de saúde, a ser adaptada de acordo com as peculiaridades de cada operadora. O texto da Carta de Orientação ao Beneficiário não pode ser alterado. 12

13 CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde, e tem como missão defender o interesse público vem, por meio desta, prestar informações para o preenchimento da DECLARAÇÃO DE SAÚDE. O QUE É A DECLARAÇÃO DE SAÚDE? É o formulário que acompanha o Contrato do Plano de Saúde, onde o beneficiário ou seu representante legal deverá informar as doenças ou lesões preexistentes que saiba ser portador ou sofredor no momento da contratação do plano. Para o seu preenchimento, o beneficiário tem o direito de ser orientado, gratuitamente, por um médico credenciado/referenciado pela operadora. Se optar por um profissional de sua livre escolha, assumirá o custo desta opção. Portanto, se o beneficiário (você) toma medicamentos regularmente, consulta médicos por problema de saúde do qual conhece o diagnóstico, fez qualquer exame que identificou alguma doença ou lesão, esteve internado ou submeteu-se a alguma cirurgia, DEVE DECLARAR ESTA DOENÇA OU LESÃO. AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO: - A operadora NÃO poderá impedi-lo de contratar o plano de saúde. Caso isto ocorra, encaminhe a denúncia à ANS. - A operadora deverá oferecer: cobertura total ou COBERTURA PARCIAL TEMPORÁRIA (CPT), podendo ainda oferecer o Agravo, que é um acréscimo no valor da mensalidade, pago ao plano privado de assistência à saúde, para que se possa utilizar toda a cobertura contratada, após os prazos de carências contratuais. - No caso de CPT, haverá restrição de cobertura para cirurgias, leitos de alta tecnologia (UTI, unidade coronariana ou neonatal) e procedimentos de alta complexidade - PAC (tomografia, ressonância etc.*) EXCLUSIVAMENTE relacionados à doença ou lesão declarada, até 24 meses, contados desde a assinatura do contrato. Após o período máximo de 24 meses da assinatura contratual, a cobertura passará a ser integral de acordo com o plano contratado. - NÃO haverá restrição de cobertura para consultas médicas, internações não cirúrgicas, exames e procedimentos que não sejam de alta complexidade, mesmo que relacionados à doença ou lesão preexistente declarada, desde que cumpridos os prazos de carências estabelecidas no contrato. - Não caberá alegação posterior de omissão de informação na Declaração de Saúde por parte da operadora para esta doença ou lesão. AO NÃO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO: - A operadora poderá suspeitar de omissão de informação e, neste caso, deverá comunicar imediatamente ao beneficiário, podendo oferecer CPT, ou solicitar abertura de processo administrativo junto à ANS, denunciando a omissão da informação. - Comprovada a omissão de informação pelo beneficiário, a operadora poderá RESCINDIR o contrato por FRAUDE e responsabilizá-lo pelos procedimentos referentes a doença ou lesão não declarada. - Até o julgamento final do processo pela ANS, NÃO poderá ocorrer suspensão do atendimento nem rescisão do contrato. Caso isto ocorra, encaminhe a denúncia à ANS. 13

14 ATENÇÃO! Se a operadora oferecer redução ou isenção de carência, isto não significa que dará cobertura assistencial para as doenças ou lesões que o beneficiário saiba ter no momento da assinatura contratual. Cobertura Parcial Temporária - CPT - NÃO é carência! Portanto, o beneficiário não deve deixar de informar se possui alguma doença ou lesão ao preencher a Declaração de Saúde! * Para consultar a lista completa de procedimentos de alta complexidade - PAC, acesse o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS no endereço eletrônico: - Perfil Beneficiário. Em caso de dúvidas, entre em contato com a ANS pelo telefone ou consulte a página da ANS - - Perfil Beneficiário. Foi-me entregue uma via da Carta de Orientação ao Beneficiário acima. Beneficiário, / / Local Data Nome: Assinatura: Como intermediário entre a operadora e o beneficiário, responsável pela venda do plano privado de assistência à saúde, presenciei o preenchimento da Declaração de Saúde. Intermediário entre a operadora e o beneficiário, / / Local Data Nome: CPF: Assinatura: 14

15 DECLARAÇÃO DE SAÚDE De acordo com a Resolução Normativa - RN nº 162, de 17 de outubro de 2007 da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Nº de registro da operadora na ANS: XX.XXX-X Nº de registro do plano na ANS: XXX.XXX/XX-X Nome (completo, sem abreviaturas): Proponente TITULAR Nome dos proponentes DEPENDENTES Sexo (M ou F) INFORMAÇÕES IMPORTANTES A Carta de Orientação ao Beneficiário que está localizada nas páginas imediatamente anteriores a esta é um documento padronizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS que visa a orientar o beneficiário/consumidor sobre o preenchimento da Declaração de Saúde. É obrigatória a aposição de ciência de seus termos. A Declaração de Saúde tem por objetivo registrar a existência de Doenças ou Lesões Preexistentes (DLP), ou seja, aquelas que o beneficiário ou seu representante legal saiba ser portador ou sofredor, no momento da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, de acordo com o art. 11 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de É obrigatório responder a todas as perguntas formuladas na Declaração de Saúde. A omissão de informação sobre a existência de doença ou lesão preexistente da qual o consumidor saiba ser portador no momento do preenchimento desta declaração, desde que comprovada junto à ANS, acarretará a suspensão ou o cancelamento do contrato. Nesse caso, o consumidor será responsável pelo pagamento das despesas realizadas com o tratamento da doença ou lesão não declarada. No preenchimento desta declaração, o consumidor tem a opção de ser orientado, sem ônus financeiro, por um médico da operadora, ou por um de sua confiança, mas, neste caso, as despesas com honorários serão de sua responsabilidade. Com agravo Havendo declaração de doença ou lesão preexistente, o consumidor deverá optar entre as duas alternativas: (a) Cobertura Parcial Temporária (CPT): aquela que admite, por um período ininterrupto de até 24 meses, a partir da data da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, a suspensão da cobertura de Procedimentos de Alta Sem agravo Havendo declaração de doença ou lesão preexistente, o consumidor estará sujeito à Cobertura Parcial Temporária (CPT), que é aquela que admite, por um período ininterrupto de até 24 meses, a partir da data da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, a suspensão da cobertura de Procedimentos de Alta Complexidade (PAC), leitos de alta tecnologia e 15

16 Complexidade (PAC), leitos de alta tecnologia e procedimentos cirúrgicos, desde que relacionados exclusivamente às doenças ou lesões preexistentes; e (b) Agravo: como qualquer acréscimo no valor da contraprestação paga ao plano privado de assistência à saúde, para que o beneficiário tenha direito integral à cobertura contratada, para a doença ou lesão preexistente, após os prazos de carências contratuais. O Agravo será regido por Aditivo Contratual específico que indicará o percentual ou valor do acréscimo na contraprestação, e o seu período de vigência, que poderá ser permanente. procedimentos cirúrgicos, desde que relacionados exclusivamente às doenças ou lesões preexistentes declaradas pelo beneficiário ou seu representante legal. NÃO há alternativa de substituir a Cobertura Parcial Temporário pelo pagamento de Agravo, ou seja, qualquer acréscimo no valor da contraprestação paga ao plano privado de assistência à saúde, para que o beneficiário tenha direito integral à cobertura contratada, para a doença ou lesão preexistente declarada, após os prazos de carências contratuais. Após a avaliação da Declaração de Saúde, a UNIMED poderá solicitar ao consumidor proponente e seus dependentes, a realização de uma perícia médica, com consulta e exames complementares, realizada por um médico perito, escolhido pela operadora, sem ônus para o consumidor. Antes de responder ao questionário, informe se esta Declaração está sendo preenchida com a presença de médico orientador: ( ) sim, médico da UNIMED; ( ) sim, médico particular de minha escolha; ( ) não. IMPORTANTE: em caso afirmativo, o médico deverá firmar no campo abaixo, de próprio punho, que o preenchimento conta com a sua presença como médico orientador, apondo sua assinatura e registro no Conselho Regional de Medicina: (Espaço reservado à declaração do médico orientador) Dr(a). CRM/ :, de de 20 assinatura 16

17 Questionário Sub Responda as questões abaixo, assinalando com Item item (S) para respostas afirmativas e (N) para negativas. 1 Sofre(u) de alguma doença infecciosa ou parasitária como: a Tuberculose? b Hepatite? c AIDS ou é portador do vírus HIV? d Meningite? e Hanseníase? f Outros? (Especifique) PROPONENTES Titular Dep. 1 Dep. 2 Dep. 3 Dep. 4 2 Sofre(u) de neoplasias malignas (câncer)? a Aparelho digestivo (estômago, outros)? Especifique. b Aparelho respiratório (pulmão, outros)? Especifique. c Pele? d Mama? e Órgãos genitais femininos (útero, ovário, outros)? Especifique. f Órgãos genitais masculinos (próstata, outros)? Especifique. g Trato urinário (rins, bexiga, outros)? Especifique. h Tireóide? i Linfoma? j Leucemia? k Outras localizações? Especifique. 3 Sofre(u) de neoplasias benignas? a Útero (mioma)? (Mulher) b Pele (nevos)? c Outros? (Especifique) 4 Sofre(u) de doenças do sangue (anemia, púrpura, outros)? Especifique 5 Sofre(u) de doenças endócrinas? a Diabetes? b Tireóide? c Emagrecimento acentuado? d Outras? (Especifique) 6 Sofre(u) de transtornos psiquiátricos ou mentais? Especifique. 7 Apresenta algum tipo de dependência química? a Álcool? b Fumo? c Drogas? 8 Sofre(u) de doenças do sistema nervoso? a Parkinson? b Alzheimer? c Epilepsia? d Paralisia cerebral? e Outros? (Especifique) 9 Sofre(u) de doenças dos olhos e anexos? a Catarata? b Glaucoma? c Ceratocone? d Miopia? (Informar o grau) e Astigmatismo? (Informar o grau) f Hipermetropia? (Informar o grau) g Outros? (Especifique) 17

18 10 Sofre(u) de doenças do ouvido? a Labirintite? b Perda de audição? c Outros? (Especifique) 11 Sofre(u) de doenças do aparelho circulatório? a Febre reumática? b Hipertensão arterial? c Angina pectoris? d Infarto do miocárdio? e Arritmia cardíaca? f Insuficiência cardíaca? g Acidente vascular cerebral ( derrame )? h Varizes de membros inferiores? i Hemorróidas? j Outros? (Especifique) 12 Sofre(u) de doenças do aparelho respiratório? a Rinite? b Sinusite? c Bronquite? d Asma? e Pneumonia? f Enfisema? g Desvio de septo nasal? h Outros? (Especifique) 13 Sofre(u) de doenças do aparelho digestivo? a Úlcera Péptica? b Gastrite? c Hérnia? (Especifique, local) d Doença diverticular do intestino? e Cirrose hepática? f Colite? g Colelitíase (cálculo da vesícula)? h Outros? (Especifique) 14 Sofre(u) de doenças da pele? (Especifique o local) a Verrugas? b Pintas? c Quelóide? d Caroços? e Xantelasma? f Cistos? g Calos? h Outros? 15 Sofre(u) de doenças osteomuscular? a Artrite? b Artrose? c Osteoporose? d Reumatismo? e Escoliose? f Hérnia de Disco? g Osteomielite? h Outros? (Especifique) 18

19 16 Sofre(u) de doenças do aparelho genito urinário? a Insuficiência renal? b Cálculo urinário? c Incontinência urinária ( urina solta )? d Hiperplasia da próstata? (Homem) e Fimose? (Homem) f Nódulo mamário? g Infertilidade? h Cisto de ovário? (Mulher) i Transtornos menstruais? (Mulher) j Endometriose? (Mulher) k Nefrite? i Outros? (Especifique) 17 Sofre(u) de traumatismos e/ou fraturas? Especifique Sofre(u) de mal formações congênitas (doenças de nascença)? Especifique Sofre de seqüelas de acidentes, moléstia adquirida ou congênita? Especifique 20 Já foi submetido a algum tipo de cirurgia? Especifique Sofre(u) de alguma doença não relacionada acima, que o tenha obrigado a internar-se ou submeter-se a algum tipo de tratamento ou exame? Especifique Já foi submetido à radioterapia, quimioterapia, hemodiálise ou diálise peritonial? Especifique 23 Tem indicação de submeter-se a algum tipo de cirurgia? Especifique a b c d e f g h i j Possui algum tipo de prótese ou órtese (placas, pinos, parafusos, marca-passo, outros)? Especifique Algum dos ascendentes diretos (pais e avós) sofre(u) de qualquer doença abaixo? Hipertensão arterial? Diabetes? Doença cardíaca? Doença vascular/circulatória? Doença pulmonar? Doença digestiva? Doença renal? Doença neurológica? Doença mental ou psiquiátrica? Câncer? Especifique o seu peso e de seus dependentes (em kg, despreze as frações) 27 Especifique a sua altura e de seus dependentes (formato m,cm) 28 Qual a sua idade e de seus dependentes? 19

20 Em caso de resposta afirmativa em qualquer um dos campos acima, onde se perguntou sobre a existência de doença, indique abaixo o item, subitem, proponente, especificação e período da doença. Item Subitem Proponente Especificação Período da doença O campo abaixo é destinado a comentários e informações adicionais a respeito das questões formuladas que você ache importante registrar. Declaração Declaro para os devidos fins que as informações prestadas na Declaração de Saúde, relativas a mim e a meus dependentes, espontaneamente feitas de próprio punho, são verdadeiras e completas, e assumo inteira responsabilidade pelas mesmas. Estou ciente que a omissão de fatos e informações que possam influir no correto enquadramento das coberturas, poderá ser considerada como comportamento fraudulento, implicando a rescisão do contrato, além de estar obrigado a arcar com os custos dos atendimentos obtidos com cirurgia, uso de leito de alta tecnologia e procedimentos de alta complexidade, ligados às doenças ou lesões preexistentes. Comprometo-me a prestar toda e qualquer outra informação adicional que vier a ser solicitada, bem como autorizo médicos, clínicas e quaisquer entidades públicas ou privadas de saúde, a enviar à UNIMED as informações de que ela necessitar sobre o meu estado de saúde e de meus dependentes, resultados de exames e tratamentos instituídos, isentando-a, ou seus cooperados, de qualquer responsabilidade que implique ofensa ao sigilo profissional., de de 20

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 17.276, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o inciso III do art. 8º da Lei Complementar nº 298, de 20 de dezembro de 2007, acrescido pela Lei Complementar nº 475, de 27 de novembro de 2014.

Leia mais

INDIVIDUAL FAMILIAR Carta de Orientação ao Beneficiário

INDIVIDUAL FAMILIAR Carta de Orientação ao Beneficiário Carta de Orientação ao Beneficiário Código do Beneficiário Titular 0037 1/2 Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras

Leia mais

CORPORATIVO E ADESÃO Carta de Orientação ao Beneficiário

CORPORATIVO E ADESÃO Carta de Orientação ao Beneficiário Carta de Orientação ao Beneficiário 1/2 Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência

Leia mais

Manual sobre Regulamentação dos Planos de Saúde (aprovado no 19º Seminário Jurídico, Contábil, Atuarial e Financeiro, em 25/6/2010)

Manual sobre Regulamentação dos Planos de Saúde (aprovado no 19º Seminário Jurídico, Contábil, Atuarial e Financeiro, em 25/6/2010) Manual sobre Regulamentação dos Planos de Saúde (aprovado no 19º Seminário Jurídico, Contábil, Atuarial e Financeiro, em 25/6/2010) Autorização de funcionamento das operadoras Cadastro de beneficiários

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado (a) Beneficiário (a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à

Leia mais

Unafisco I - II. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão.. Produto Participativo Nacional. Sestini. Sestini.

Unafisco I - II. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão.. Produto Participativo Nacional. Sestini. Sestini. Unafisco I - II Administradora de Benefícios ANS - 41.771-8 ANS - 41.771-8. º Início da vigência do benefício: 20 Entidade UNAFISCO - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil

Leia mais

AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO:

AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO: CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde,

Leia mais

ABAD. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional. Sestini. Proposta nº º

ABAD. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional. Sestini. Proposta nº º Administradora de Benefícios ANS - 41.771-8 Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional º Início da vigência do benefício: 20 Entidade Associação Brasileira

Leia mais

Prezado(a) Beneficiário(a),

Prezado(a) Beneficiário(a), CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula a atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde,

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E SAC: 0800-483500 / www.unimedflorianopolis.com.br D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Identificação: Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a) Filho (a) Enteado (a) Agregado

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado (a) Beneficiário (a), CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO:

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO: Prezado(a) Beneficiário(a), CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde,

Leia mais

SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE

SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE 006246 SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE ESTIPULANTE Valor da USR R$0,52965 Valor da USR R$0,52965 196,65 307,84 316,22 321,54 331,25 335,77 481,79 489,25 606,67 1.179,93 154,61 242,04 248,61

Leia mais

Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC: 0800 749 0148 / www.unimedextremooeste.com.br D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Identificação:

Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC: 0800 749 0148 / www.unimedextremooeste.com.br D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Identificação: Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC: 0800 749 0148 / www.unimedextremooeste.com.br D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Identificação: Nome do Titular: Dependente 01: Dependente 02: Dependente 03:

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E. Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a)

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E. Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a) Identificação: D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a) Filho (a) Enteado (a) Instrução Gerais: 1. A presente declaração de saúde deverá

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde,

Leia mais

AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO:

AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO: CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde,

Leia mais

Anfip III. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional. Sestini.

Anfip III. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional. Sestini. Administradora de Benefícios Anfip III Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional º Início da vigência do benefício: 20 Entidade ANFIP - Associação

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E. Grau de Parentesco: Titular Esposa (o)

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E. Grau de Parentesco: Titular Esposa (o) Identificação: D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Nome do Beneficiário: Data Nasc. / / Grau de Parentesco: Titular Esposa (o) CPF: Filho (a) Outros: RG Órgão Emissor UF Data de emissão: / / Naturalidade:

Leia mais

AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO:

AO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER PORTADOR NO MOMENTO DA CONTRATAÇÃO: CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde,

Leia mais

PLANILHA de movimentação cadastral -

PLANILHA de movimentação cadastral - PLANILHA de movimentação cadastral - 1/6 I. TIPO DE SOLICITAÇÃO (CAMPOS OBRIGATÓRIOS) Para cada solicitação marcar a opção correspondente da planilha. Inclusão de Família Alteração de Dados Cadastrais

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E SAC: 0800-472100 / www.unimedlitoral.com.br D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Identificação: Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a) Filho (a) Enteado (a) Instrução

Leia mais

.. Continuação (Razão Social)

.. Continuação (Razão Social) Matriz - Rua Azevedo de Macedo, 132 - Vila Mariana - São Paulo - CNPJ 51.722.957/0001-82 R. Gen. Chagas Santos, 314 - Saúde - São Paulo - CNPJ 51.722.957/0080-86 Av. Cauaxi, 118 - Parte - Alphaville -

Leia mais

.. Continuação (Razão Social)

.. Continuação (Razão Social) PROPOSTA CONTRATUAL PARA Matriz São Paulo - Rua Colômbia, 332 - CEP 01438-000 - CNPJ 29.309.127/0001-79 Filial Operacional Rio de Janeiro - Av. das Américas, 4.200 - bl. 3 - CEP 22640-102 - CNPJ 29.309.127/0122-66

Leia mais

Entidade CONFENAR Confederação Nacional das Revendas AMBEV e da Empresas da Logística da Distribuição. Nome completo da mãe. Formação.

Entidade CONFENAR Confederação Nacional das Revendas AMBEV e da Empresas da Logística da Distribuição. Nome completo da mãe. Formação. Administradora Benefícios CORRETORA DE SEGUROS ANS - 41.771-8 Contrato asão Contrato plano saú coletivo por asão. Produto Participativo Nacional º Início da vigência do benefício: 20 Entida CONFENAR Conferação

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Altera as Resoluções Normativas - RN nº 85, de 7 de dezembro de 2004, que dispõe sobre

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Nº

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Nº Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde, e tem como missão defender o interesse

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Para solicitação de movimentação cadastral, siga as instruções abaixo: a) Assinale o(s) tipo(s) de movimentação(ões) desejada(s). b) Preencha, obrigatóriamente, TODAS as informações

Leia mais

SulAmérica Saúde e Odontológico PME Inclusão de Dependente

SulAmérica Saúde e Odontológico PME Inclusão de Dependente SulAmérica Saúde e Odontológico PME Inclusão de Dependente Importante 1) Os campos com * são de uso exclusivo da Seguradora. 2) Os campos com sombreado devem ser preenchidos de acordo com a legenda (ver

Leia mais

.. Continuação (Razão Social)

.. Continuação (Razão Social) PROPOSTA CONTRATUAL PARA Matriz São Paulo - Rua Colômbia, 332 - CEP 01438-000 - CNPJ 29.309.127/0001-79 Filial Operacional Rio de Janeiro - Av. das Américas, 4.200 - bl. 3 - CEP 22640-102 - cnpj 29.309.127/0012-21

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde

Leia mais

Declaração de Saúde. Nº de Registro da Operadora na ANS 312851. Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante:

Declaração de Saúde. Nº de Registro da Operadora na ANS 312851. Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante: Declaração de Saúde Nº de Registro da Operadora na ANS 312851 Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante: Contratante: Responsável Legal: Beneficiário: Para cada doença ou lesão listada abaixo, o declarante

Leia mais

excelência NOME DO PROPONENTE

excelência NOME DO PROPONENTE excelência NOME DO PROPONENTE NOME DO PLANO ITEM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Informe se é portador ou se já sofreu de alguma das situações descritas nesta Declaração de Saúde. DESCRIÇÃO hepatites, Escreva

Leia mais

, de de Assinatura do Segurado Titular

, de de Assinatura do Segurado Titular Companhia Seguradora: Nome do Titular (preenchimento obrigatório) CNS (Carteira Nacional de Saúde) DNV (Declaração de nascido Vivo) RIC (Registro de Identificação Civil) Legendas 03. Inclusão de Dependente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre oferta pública de referências operacionais e cadastro de beneficiários

Leia mais

Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade

Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade Administradora de Benefícios Documento Requerimento formal solicitando a

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES 1 - Para fins de registro da Operadora na ANS, as pessoas jurídicas que quiserem comercializar

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 (VERSÃO COM VIGÊNCIA ATÉ 31/12/2014) Estabelece normas para a geração, transmissão e controle de dados cadastrais de beneficiários do Sistema de Informações

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO SEGURO SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO

PROPOSTA DE ADESÃO SEGURO SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO OPERADORA: ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS: PROPOSTA DE ADESÃO SEGURO SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO associada ao Válida para os estados: AC, AP, AM, PA, RO, RR, TO, AL, CE, MA, PB, PI, RN e SE Nº Início de Vigência:

Leia mais

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo:

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo: Solicitação de Inclusão de Dependentes / Agregado * Data Sucursal Cia Nº da Apólice Certificado (se SPG) Registro na ANS: 005711 Nome do Titular (preenchimento obrigatório) Legendas Sexo 1 - Masculino

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO

PROPOSTA DE ADESÃO PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO PROPOSTA DE ADESÃO PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO INÍCIO DE VIGÊNCIA: / / OPERADORA: UNIMED DO ESTADO DO PARANÁ - FEDERAÇÃO ESTADUAL DAS COOP. MÉDICAS ESTIPULANTE: EXTRAMED ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em vigor a partir de 01/01/2016) Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece a obrigatoriedade da

Leia mais

Declaração de Saúde. Nome do Proponente: Nome do Proponente:

Declaração de Saúde. Nome do Proponente: Nome do Proponente: Nº de Registro da Operadora na ANS - 41656-8 Nº de Registro do Produto - 435451016 Nome do Proponente a Participante Titular ou Responsável Legal (no caso de menor ou incapaz): INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários dos planos coletivos empresariais que tiverem o benefício de plano de saúde extinto,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para contratação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Para solicitação de movimentação cadastral, siga as instruções abaixo: a) Assinale o(s) tipo(s) de movimentação(ões) desejada(s). b) Preencha, obrigatóriamente, TODAS as informações

Leia mais

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio Guia Prático do seu PLANO DE SAÚDE Rio Bem -vindo à ALIANÇA ADMINISTRADORA! Sumário Informações Importantes...3 Guia de Leitura Contratual...6 Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde...8

Leia mais

Art. 2º - Para fins de contratação, os planos privados de assistência à saúde classificam-se em:

Art. 2º - Para fins de contratação, os planos privados de assistência à saúde classificam-se em: RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed Curitiba Sociedade Cooperativa de Médicos CNPJ: 75.055.772/0001-20 Nº de registro na ANS: 30470-1 Site: http://www.unimedcuritiba.com.br Tel:(41) 3019-2000 Exclusivo para liberações de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. Operadora: Unimed Campo Grande MS Cooperativa de Trabalho Médico. CNPJ: 03.315.918/0001-18 Nº de registro na ANS: 312851 Site: http://www.unimedcg.com.br

Leia mais

SulAmérica Saúde Individual Inclusão de Dependente

SulAmérica Saúde Individual Inclusão de Dependente SulAmérica Saúde Individual Inclusão de Dependente Importante 1) Os campos com * são de uso exclusivo da Seguradora. 2) Os campos com sombreado devem ser preenchidos de acordo com a legenda (Vide Verso).

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SAÚDE INFORMAÇÕES IMPORTANTES

DECLARAÇÃO DE SAÚDE INFORMAÇÕES IMPORTANTES INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1. No preenchimento desta declaração, o(a) Sr(a) tem a opção de ser orientado(a), sem ônus financeiro, por um médico indicado pela operadora, ou por um de sua confiança, caso em

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO. Orientações Gerais Outubro 2014

AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO. Orientações Gerais Outubro 2014 AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO das operadoras Orientações Gerais Outubro 2014 Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE XXXX

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE XXXX RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE XXXX Dispõe sobre os procedimentos de adequação econômico-financeira das operadoras de planos privados de assistência à saúde de que trata a alínea

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SAÚDE. Nº de Registro da Operadora na ANS: 356107 Nº de Registro do Produto:

DECLARAÇÃO DE SAÚDE. Nº de Registro da Operadora na ANS: 356107 Nº de Registro do Produto: Nº de Registro da Operadora na ANS: 356107 Nº de Registro do Produto: Nome do Contratante: Nº do certificado: Nome do Beneficiário ou, sendo menor ou incapaz do Responsável Legal (pai, mãe, tutor, curador,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS Operadora: ELOSAÚDE - CNPJ: 11.593.821/0001-03 03 - N ANS: 41729-7 - Site: www.elosaude.com.br - Tel.: (48) 3298-5555 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Agosto 2009 SUSEP Normas Contábeis Circular 387, de 26.08.2009 Resseguros A Circular 379/08 (vide RP Insurance dez/08) dispõe sobre alterações

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 Estabelece normas para a geração, transmissão e controle de dados cadastrais de beneficiários

Leia mais

Cia Apólice Subfatura Número da Proposta

Cia Apólice Subfatura Número da Proposta Registro na ANS: 001 Nome da Empresa Estipulante / Subestipulante Código Sexo Estado Civil (Est. Civil) Parentesco 1 - Masculino 2 - Feminino 1 Solteiro 2 - Casado 3 - Viúvo 4 - Separado/Divorciado 1 -

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde Operadora: Allianz Saúde CNPJ: 04.439.627/0001-0 Nº de registro na ANS: 00051-5 Nº de registro do produto: conforme contratado pelo estipulante Site: www.allianz.com.br Telefone: 0800 7228148 Manual de

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Cartão Proposta - Com Declaração de Saúde (DS)

Cartão Proposta - Com Declaração de Saúde (DS) Cartão Proposta - Com Declaração de Saúde (DS) Carteira (selecione uma das opções) Tipo de Inclusão PME (de 3 a 29 vidas) Apenas Titular Adesão Apenas Dependente Titular + Dependente Importante 1) Os campos

Leia mais

DADOS DO PLANO DADOS DO TITULAR. Nome Sexo* Nascimento. Endereço Nº Complemento Bairro DADOS DOS DEPENDENTES DADOS DOS DEPENDENTES

DADOS DO PLANO DADOS DO TITULAR. Nome Sexo* Nascimento. Endereço Nº Complemento Bairro DADOS DOS DEPENDENTES DADOS DOS DEPENDENTES ANS Nº 33960-1 Saúde Dental Saúde e Dental DADOS DO PLANO PROPOSTA DE INCLUSÃO CONTRATUAL PLANO COLETIVO Nome do Plano a ser Contratado Nº do Plano junto a ANS Segmentação do Plano Folha 1/5 Nome de Empresa

Leia mais

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC)

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida com recursos dos associados e da patrocinadora

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO Operadora: GreenLine Sistema de Saúde - LTDA CNPJ: 61.849.980/0001-96 Nº de Registro na ANS: 32.507-4 Site: http://www.greenlinesaude.com.br Tel: 0800-776 - 7676 Manual de Orientação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Para solicitação de movimentação cadastral, siga as instruções abaixo: a) Assinale o(s) tipo(s) de movimentação(ões) desejada(s). b) Preencha, obrigatóriamente, TODAS as informações

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação

Leia mais

Entidade: CONMIRB Conselho de Ministros de Culto Religiosos do Brasil. ( M ) Masculino. ( F) Feminino. Órgão Expedidor Data de Expedição CPF

Entidade: CONMIRB Conselho de Ministros de Culto Religiosos do Brasil. ( M ) Masculino. ( F) Feminino. Órgão Expedidor Data de Expedição CPF Início da Vigência do Benefício: / / Entidade: CONMIRB Conselho de Ministros de Culto Religiosos do Brasil Matrícula(uso exclusivo da Entidade) Estado civil ( S ) Solteiro ( V ) Viúva ( O ) Outros ( C

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Para solicitação de movimentação cadastral, siga as instruções abaixo: a) Assinale o(s) tipo(s) de movimentação(ões) desejada(s). b) Preencha, obrigatóriamente, TODAS as informações

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica

SOLICITAÇÃO DE MOVIMENTAÇÃO CADASTRAL Plano de Assistência Médica INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Para solicitação de movimentação cadastral, siga as instruções abaixo: a) Assinale o(s) tipo(s) de movimentação(ões) desejada(s). b) Preencha, obrigatóriamente, TODAS as informações

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Edição: 25/02/14 Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SAÚDE. Dependente A: Data Nasc: / / Grau de Parentesco

DECLARAÇÃO DE SAÚDE. Dependente A: Data Nasc: / / Grau de Parentesco DECLARAÇÃO DE SAÚDE Empresa: Titular: Data Nasc: / / Idade A: Data Nasc: / / Leia com atenção. Este documento é parte integrante de seu contrato. B: Data Nasc: / / C: Data Nasc: / / D: Data Nasc: / / 1.

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

Proposta de adequação do Estatuto Social.

Proposta de adequação do Estatuto Social. Proposta de adequação do Estatuto Social. Art. 23 A exclusão do Cooperado dar-se-á por: Texto atual: IV - Deixar de atender os requisitos estatutários para ingresso ou permanência na Cooperativa (neste

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que prestam serviços preponderantemente na área da educação podem requerer a

Leia mais

Cartão Proposta - Com Declaração de Saúde (DS)

Cartão Proposta - Com Declaração de Saúde (DS) Cartão Proposta - Com Declaração de Saúde (DS) Carteira (selecione uma das opções) Tipo de Inclusão PME (de 3 a 29 vidas) Apenas Titular PME Mais (de 30 a 99 vidas) Apenas Dependente Adesão Titular + Dependente

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES REFERENTES À RESOLUÇÃO NORMATIVA ANS Nº 279/2011

MANUAL DE ORIENTAÇÕES REFERENTES À RESOLUÇÃO NORMATIVA ANS Nº 279/2011 MANUAL DE ORIENTAÇÕES REFERENTES À RESOLUÇÃO NORMATIVA ANS Nº 279/2011 Versão 01/2014 2 O presente Manual tem por objetivo esclarecer os principais aspectos referentes ao direito de continuidade no plano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Histórico de versões do aplicativo do SIB/ANS - formato XML

Histórico de versões do aplicativo do SIB/ANS - formato XML SIB/ANS Sistema de Informações de Beneficiários Histórico de Versões Histórico de versões do aplicativo do SIB/ANS - formato XML O Histórico de versões do SIB/ANS é o instrumento utilizado para registrar,

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as regras de portabilidade e de portabilidade especial de carências, alterando as Resoluções Normativas nº 186, de 14 de janeiro de

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à Manual de Orientação ao Cliente Bem vindo à Prezado Associado: Nós da São Miguel Saúde sentimo-nos honrados em poder atender você e sua família disponibilizando serviços médicos com qualidade. Seu Plano

Leia mais