Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro Biomédico Instituto de Medicina Social. Pedro Paulo de Salles Dias Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro Biomédico Instituto de Medicina Social. Pedro Paulo de Salles Dias Filho"

Transcrição

1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro Biomédico Instituto de Medicina Social Pedro Paulo de Salles Dias Filho Encarando um mundo instável e incerto: experiências regulatórias face aos riscos relativos aos seguros saúde Rio de Janeiro 2010

2 Pedro Paulo de Salles Dias Filho Encarando um mundo instável e incerto: experiências regulatórias face aos riscos relativos aos seguros saúde Dissertação apresentada, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre, ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Área de concentração: Política, Planejamento e Administração em Saúde. Orientador: Prof. Dr. George Edward Machado Kornis Rio de Janeiro 2010

3 i.exe CATALOGAÇÃO NA FONTE UERJ/REDE SIRIUS/CBC S168 Salles Dias Filho, Pedro Paulo. Encarando um mundo instável e incerto: experiências regulatórias face aos riscos relativos aos seguros-saúde / Pedro Paulo Salles Dias Filho f. Orientador: George Edward Machado Kornis. Dissertação (Mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social. 1. Seguro-saúde Brasil Regulamentação Teses. 2. Organizações de manutenção da saúde Brasil Teses. 3. Risco Teses. 4. Saúde suplementar. I. Kornis, George Edward Machado. II. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Medicina Social. III. Título. CDU (81) Autorizo, apenas para fins acadêmicos e científicos, a reprodução total ou parcial desta dissertação, desde que citada a fonte. Assinatura Data

4 Pedro Paulo de Salles Dias Filho Encarando um mundo instável e incerto: experiências regulatórias face aos riscos relativos aos seguros saúde Dissertação apresentada, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre, ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Área de concentração: Política, Planejamento e Administração em Saúde. Aprovado em 30 de abril de 2010 Orientador: Prof. Dr. George Edward Machado Kornis Banca examinadora: Profª. Drª. Eli Iola Gurgel de Andrade Profª. Drª. Maria de Fátima Silianski de Andreazzi Profª. Drª. Sulamis Dain Rio de Janeiro 2010

5 DEDICATÓRIA Aos meus pais, que me apresentaram os melhores valores.

6 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço à universidade pública e ao IMS; ao orientador Kornis, pelo acolhimento do meu projeto. Ao Fausto, por ter me inserido organicamente no campo da saúde. Ao Dr. Hésio Cordeiro, fundador do IMS, pela inspiração em lutar pela saúde coletiva com dignidade. Aos professores George Kornis, Ruben Mattos, Sulamis Dain, Roseni Pinheiro, Kenneth Rochel, e Alícia Ugá (ENSP), pelo elevado nível das aulas e comprometimento com a saúde coletiva. Agradeço em especial ao George, pela experiência e pelos belos autores que nos apresentou, e ao Ruben, que com sua incansável dedicação na disciplina 'Sistemas Políticos de Saúde', despertou em mim a consciência para evidenciar a POLÍTICA nesse trabalho acadêmico. Aos amigos Angélica (grande irmã), Iola, Fátima Andreazzi, João Boaventura e Rodrigo Leal, pelo incentivo de sempre, e em especial ao Carlos Ocké, que me apresentou alguns textos sobre o sistema de saúde da Holanda e de outros países. Aos colegas do IMS, Alexandre, Alfredo, Aline, Elaine, Felipe, Karen e Rodrigo, pelos bons momentos de descontração que vivemos ao longo desse mestrado. Aos colegas do Banco Central, Anthero Meirelles, Miriam de Oliveira, Paulo dos Santos, e Wanderley Silva, pelo apoio, e por acreditarem no diálogo que esse trabalho estabelece com a minha instituição de origem. Às competentes meninas da Secretaria Acadêmica do IMS, Márcia (Secretária), Simone, Eliete, e Silvia, sempre prontas a ajudar, e, especialmente à bibliotecária Ana Beatriz Levy, pela preciosa revisão técnica.

7 Ia de casa em casa, a pé ou a cavalo, levando em sua maleta os instrumentos médicos para atender crianças, homens e mulheres, pobres e ricos, como um autêntico 'médico da família'. Nos idos de 1952 tornou-se o primeiro sanitarista de nosso município. Pela própria natureza de seu trabalho, foi cognominado 'o médico da vacina'. Carlos Reinaldo de Souza, em saudação a meu pai A utopia do SUS e da equidade são postas a cada momento, desafiadoramente Hésio Cordeiro

8 RESUMO SALLES DIAS FILHO, Pedro Paulo. Encarando um mundo instável e incerto: experiências regulatórias face aos riscos relativos aos seguros saúde p. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social, Rio de Janeiro, O objetivo deste trabalho é o estudo dos amortecedores automáticos para contornar crises em sistemas de asseguramento privado em saúde, com vistas a proteger os consumidores de planos e seguros saúde das incertezas. A pesquisa escolheu dois sistemas de seguros-saúde eminentemente privados, o holandês e o norteamericano; averiguou as metodologias empregadas nesses países para o amortecimento de crises potenciais de insolvência para, comparativamente ao subsistema de seguros privados brasileiro a denominada saúde suplementar, pensar que medidas podem ser adotadas no Brasil para encarar as incertezas e instabilidades que se apresentam no cenário do asseguramento privado em saúde. Os amortecedores mais adequados ao caso brasileiro são os seguros garantidores, que em caso de insolvência de seguradoras e operadoras de saúde, entram em ação para oferecer continuidade assistencial, de caráter transitório, até que uma empresa saudável possa absorver a carteira da insolvente. O trabalho também analisa a dualidade presente no sistema de saúde brasileiro, com um mix públicoprivado representado pelo SUS e pela saúde suplementar. A presença dessa dualidade, em que pese a desarticulação entre os dois campos, sugere que o SUS, universal, será o acolhedor de última instância, ao oferecer proteção aos potenciais excluídos do subsistema privado brasileiro razão pela qual o SUS deve ser fortalecido. Palavras-chave: Crise. Risco. Seguro garantidor. Saúde suplementar.

9 ABSTRACT This dissertation aims to study the automatic dampers to the crises of health insurance systems, in order to protect consumers of health plans and insurance from uncertainties. The survey chose two predominantly private health insurance systems, Dutch and American; it examined the methodologies employed in these countries to damp potential crises of insolvency in order to, compared to private insurance subsystem in Brazil - the so-called supplementary healthcare sub-system - think what measures can be adopted in Brazil to face the uncertainties and instabilities that arise in the setting of securing private health care. The most suitable buffers for the Brazilian case are the guarantor insurances, represented by a guaranty fund mecanism, which ensures that in case of insolvency of health insurance companies, it will provide continuity of care, transient, until a healthy company can absorb the portfolio of the insolvent one. This work also examines the duality of the Brazilian health system, with a public-private mix represented by the SUS and by supplementary healthcare sub-system. The presence of such duality, in spite of the disconnection between the two fields, suggests that SUS, universal, will be the 'welcoming last resort' to offer protection to the potential outsiders of the Brazilian private sub-system reason why the SUS should be strengthened. Keywords: Crisis. Risk. Health insurance. Guaranty fund.

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... CRISE E DESREGULAMENTAÇÃO... A 'débâcle' do liberalismo: Eclipse parcial ou total?... Desregulamentação dos mercados: Sementes da destruição. Vozes pelo fortalecimento da regulação dos mercados... Desregulamentação desenfreada... Crise potencial na saúde suplementar... Exuberância e vigor... O ciclo dos seguros saúde... Amortecedores automáticos... SEGUROS GARANTIDORES COMO AMORTECEDORES DE CRISES... Padrões de intervenção de seguros garantidores... Gênese dos seguros garantidores em operação na atualidade... A experiência brasileira: o FGC O FGC e a crise financeira de O sentido dos seguros garantidores... Caracterização do mercado segurador em saúde como mercado de risco... TIPOLOGIAS DE FUNDOS EM ATUAÇÃO NOS SISTEMAS DE SAÚDE... Performance dos fundos nos sistemas de saúde: Sobre a oferta e sobre a demanda... O caso holandês, de equalização de riscos... Ajustamento de risco sob a lei de seguros saúde na Holanda... A construção do sistema de saúde holandês... A coibição da seleção de risco e o estabelecimento de um mercado de equilíbrio: a contribuição para ajustamento de risco... Regulação horizontal e proteção social

11 O caráter predominantemente privado do cuidado e a legislação de proteção social... A regulação horizontal... Guaranty funds americanos: fundos garantidores clássicos... Visão geral do sistema de garantias do segmento segurador de vida e saúde norteamericano... Os atores e a regulação do sistema de garantias norteamericano. Como o sistema administra uma insolvência... A insolvência da Investors Equity: Empréstimos intercontas da GA... A insolvência da Confederation Life: Alocação de ativos imobiliários para lastrear passivos a liquidar... Especificidades das insolvências em seguradoras de saúde... Statesman National Life Insurance Company: Um pacote préaprovado para lidar com sua insolvência... The Centennial Life Insurance Company: Uma grande insolvência de seguradora de saúde... Contenciosos e desafios regulatórios... EXPERIMENTOS PARA O CASO BRASILEIRO... Mix público-privado no Brasil: Tendência a uma 'holandização'?... Preços, demografia, orçamento em saúde: Impactos futuros no sistema nacional de saúde do Brasil a partir do olhar sobre a experiência holandesa... Reflexos econômicos da reforma holandesa após 4 anos de implantação... Projeções populacionais para o Brasil e condições de saúde dos idosos... Preço da saúde suplementar no Brasil e pressão sobre o orçamento público em saúde... Manutenção da dualidade no Brasil por meio de uma

12 macrorregulação... Sistema de garantias americano: Aprendizados para o caso brasileiro... O sistema de garantias americano tem uma concepção justa, mas será que ele é eficaz na proteção ao beneficiário de seguros?... A contribuição da ANS... Seguro garantidor: Recomendações para a saúde suplementar... CONSIDERAÇÕES FINAIS... REFERÊNCIAS

13 INTRODUÇÃO 11 Apresentação O presente estudo tem como princípio o fortalecimento da regulação em saúde. Aqui não no sentido da regulação do acesso, no entanto da regulação relacionada ao planejamento e às políticas públicas de saúde. Telma Menicucci, em sua obra intitulada 'Público e Privado na Política de Assistência à Saúde no Brasil: Atores, processos e trajetória, introduz importante debate no que se refere ao sistema de saúde no Brasil. A autora constrói uma explicação original do formato híbrido da assistência à saúde no Brasil 1. A tese de Menicucci é seminal, ao enfatizar a independência de como foram implantados esses dois processos distintos. De um lado, a formação de um sistema de saúde público e universal, um marco da Constituição de De outro, o estabelecimento de uma política regulatória da assistência privada no âmbito dos planos de saúde, promulgado dez anos depois, através da Lei 9.656/98. Menicucci (2007, p.16) 2, ao discorrer sobre o nível de independência em que se forjaram as bases desses dois subsistemas, o SUS e a saúde suplementar, delimita que a ação estatal possuía dois vieses: (a) um com direcionamento de assistência universal, que incorpora a noção de saúde como um direito da cidadania; (b) e outro que incorpora a assistência privada ao escopo da intervenção estatal na forma de regulação do mercado privado. Segundo a autora, ao fazer isso a própria política legitima o caráter dual da assistência. Menicucci descreve a forma desarticulada como ocorreu a implantação desses dois processos, e afirma que a regulação do setor privado não ocorreu no sentido de definir sua articulação com o setor público ou de determinar espaços e 1 Trata-se da publicação da tese de doutorado em ciências sociais defendida em 2003 (Fafich UFMG). Menção honrosa da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs). 2 MENICUCCI, Telma Maria Gonçalves. Público e privado na política de assistência à saúde no Brasil: atores, processos e trajetória. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, p.

14 12 regras de atuação, ao contrário, deu-se no sentido de consolidar o funcionamento do setor privado de forma independente do sistema público. Essa percepção de desarticulação é ainda recepcionada por outros autores, pelos formuladores das políticas, como ex-presidentes da Agência Nacional de Saúde Suplementar, ANS, e ainda, por organismos internacionais. Na opinião de Januário Montone, primeiro presidente da ANS, 'O setor de saúde suplementar é ignorado como política pública, perpetuando o desperdício de recursos pela duplicidade e falta de integração das redes prestadoras. 3 Para Fausto Santos, que presidiu a ANS de 2004 a 2010, 'O problema é que o setor público e o privado funcionam paralelamente e até como concorrentes. O SUS e os planos de saúde disputam rede, hospital. O setor público fica em desvantagem grande porque tem menos dinheiro. Falta um planejamento que combine o setor público e o setor privado' 4. Segundo a OCDE (2008) 5, a função da saúde privada no Brasil é fornecer uma cobertura duplicada, uma vez que ela oferece serviços já incluídos no sistema público de saúde. Essa argumentação de que os subsistemas são concorrentes entre si bem como da inexistente coordenação entre ambos é também compartilhada por Dain (2007) 6, para quem subsiste, uma relação de concorrência entre os segmentos público e privado, com superposição entre clientelas, tudo isso reforçando a necessidade de articulação entre os dois campos. Essa concorrência entre os dois subsistemas é traduzida pela diferenciação parcial dos serviços e de acesso, e pela possibilidade de um dos subsistemas oferecer maior segurança aos indivíduos. O que não implica em que os indivíduos estariam totalmente seguros ao adotarem a cobertura privada senso estrito, posto que, segundo Faveret e Oliveira (1990) 7, a oferta de procedimentos de alta 3 MONTONE, Januário. Falso dilema na saúde. Folha de São Paulo, 22 set Opinião: tendências e debates. 4 SANTOS, Fausto Pereira dos. Folha de São Paulo, domingo, 22 de novembro de Cotidiano. Entrevista ao repórter Ricardo Westin. 5 ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Directorate for Public Governance and Territorial Development. Reviews of regulatory reform Brazil: strenghtening governance for growth. Paris, Cap DAIN, Sulamis. Os vários mundos do financiamento da Saúde no Brasil: uma tentativa de integração. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, supl., p , FAVERET FILHO, Paulo; OLIVEIRA, Pedro Jorge. A universalização excludente: reflexões sobre as tendências do sistema de saúde. Planejamento e Políticas Públicas, Rio de Janeiro, n. 3, p , jun

15 13 especialidade e custo tecnológico ainda continua concentrada basicamente na esfera pública. 8 Aos pesquisadores em saúde cabe uma tarefa importante: a de pensar criticamente essa desarticulação, que impõe dois mundos distintos, o SUS, com gastos per capita que perfazem aproximadamente a terça parte do subsistema privado suplementar. Diante dessa disparidade do gasto, é inequívoco que nosso sistema nacional de saúde é inequitativo. A concepção inicial desse trabalho acadêmico previa abordar com profundidade a desarticulação entre a regulação pública e a privada, tendo em vista essa dicotomia. Ademais o anteprojeto propunha analisar instrumentos de regulação prudencial para o subsistema privado, considerando-se que nesse setor operam-se produtos de risco, os seguros e planos de saúde. Entretanto, compartilhou-se da experiência do orientador, Professor George Kornis, para quem tal dimensão analítica estaria mais indicada a uma tese de doutoramento, face à complexidade e extensão do assunto proposto, assim, optouse finalmente por delimitar o escopo à regulação econômica dos mercados supletivos. Outra questão fundamental para a definição do objeto foi a eclosão da mais grave crise econômica desde a Grande Depressão, que em se estendeu pelos mercados financeiros mundo afora. A percepção geral, inclusive entre os liberais, foi de que a principal causa da crise foi a absoluta falta de regulação dos mercados financeiros. O mercado segurador não ficou imune à crise, face à bancarrota da maior seguradora do mundo, a AIG, socorrida com aportes bilionários do governo americano. Esse ambiente de crise, resultado de insuficiente regulação, suscitou que o subsistema de saúde suplementar brasileiro, que opera planos e seguros saúde - produtos financeiros de grande exposição a riscos financeiros, merece por certo ter sua regulação fortalecida, notadamente a regulação econômica. 8 O subsistema privado de planos e seguros-saúde continua nos dias de hoje não cobrindo a maior parte dos transplantes (exceto rim, córnea e medula alogênico); Embora exista cobertura para as terapias renais substitutivas, 97% delas são feitas no âmbito do SUS (SOLLA, 2006). Estão ainda excluídas da cobertura supletiva as cirurgias estéticas e a assistência farmacêutica.

16 14 O presente estudo, intitulado 'Encarando um mundo instável e incerto: Experiências regulatórias face aos riscos relativos aos seguros saúde', foca instrumentos de regulação prudencial capazes de oferecer proteção aos mais 50 milhões de brasileiros, que buscam a segurança assistencial na saúde suplementar. Se por um lado um quarto dos brasileiros busca ampliar sua segurança assistencial aderindo ao subsistema suplementar, por outro, a regulação prudencial deve se pautar pela segurança das operadoras de saúde ante os potenciais riscos de insolvência. O trabalho subdivide-se em quatro capítulos. No Capítulo 1 a crise dos mercados livres é correlacionada com a ausência de regulação desses mercados, ao tempo que é feita uma abordagem dos riscos potenciais a que se encontra exposto o segmento do mercado supletivo de assistência à saúde no Brasil. Imprime-se nesse capítulo a ideia de necessidade de fortalecimento da regulação dos mercados. No Capítulo 2, 'Seguros garantidores como amortecedores de crises', são discutidos esses tipos de instrumentos financeiros de regulação prudencial, sua gênese, conceituação, finalidades, e seus sentidos, ao tempo que se busca caracterizar o mercado segurador em saúde como mercado de risco. Os padrões de intervenção desses instrumentos regulatórios encontram-se analisados nessa parte. São avaliadas suas performances nos setores financeiros - norteamericano e brasileiro. Da mesma forma avaliam-se as possibilidades de extensão da função dos seguros garantidores para os sistemas de saúde, para transformarem-se em mecanismos de garantia nos mercados de assistência de base privada. O Capítulo 3 descreve as experiências dos sistemas de garantia em saúde. Intitulado 'Tipologias de fundos em atuação nos sistemas de saúde', detalha a performance dos fundos, sobre a oferta e a demanda, nos sistemas de saúde. Estuda-se a atuação dos fundos de equalização de riscos, de implantação recente no sistema de saúde holandês, e a operação dos fundos garantidores clássicos, cuja matriz encontra-se formatada nos EUA desde os anos 40 do século XX. Esse capítulo conta com a oportunidade de trazer à tona o desenho do sistema de seguros saúde holandês, que tem, na atualidade, um caráter

17 15 predominantemente privado do cuidado. No entanto teve, durante décadas, uma caracterização dual, isto é, a coexistência de um mix público-privado. Essa conformação foi criticada durante anos naquele país europeu, pelas iniquidades que suscitava, o que acabou por gerar uma transformação no sistema de asseguramento holandês em saúde, de base mista, para de operação 100% privada. O setor público comparece, na atualidade, majoritariamente com recursos orçamentários, posto que as Leis de proteção social holandesas ainda marcam fortemente a presença do Estado na saúde e na assistência social. Como veremos, parece que isso se perpetuará. Somente o Estado é capaz de prover proteção aos cidadãos. Ainda nesse Capítulo 3 encontra-se descrito o sistema de garantias do mercado privado norteamericano. A operação do mercado de seguros saúde dos EUA guarda as suas semelhanças com o caso brasileiro. Por tratar-se de um sistema de seguros garantidores que administrou muitas experiências de insolvência de seguradoras de saúde, sua descrição cumpre o objetivo de alertar para os riscos imanentes aos mercados supletivos de saúde, de operação privada. duas O Capítulo 4, mais analítico, traz uma visão crítica e comparada entre essas experiências internacionais e as possibilidades para o caso brasileiro, circunstanciando-se o que cada sistema de asseguramento privado tem de válido ou de inapropriado, destacando-se os institutos adaptáveis à nossa realidade. A questão da dualidade presente no sistema de saúde brasileiro adquire uma dimensão importante neste capítulo, a partir da avaliação do comportamento dos preços futuros do asseguramento privado. Será possível destacar a concepção vanguardista do SUS como política pública includente, capaz de suprir as necessidades de saúde da população, desde que com financiamento adequado. Nas considerações finais são lançadas luzes sobre a necessidade de uma macrorregulação que possibilite o funcionamento coordenado dos dois subsistemas de saúde, o SUS e a saúde suplementar, considerando-se a existência fundamental do SUS como importante conquista democrática dos cidadãos brasileiros.

18 16 Será o SUS que em última análise oferecerá acolhimento a quem for excluído das coberturas privadas, por incapacidade de superar a esperada elevação dos preços dos seguros saúde. O fortalecimento da regulação econômica se fará necessário ante a possibilidade de insolvências no setor, pelo que sistemas de garantia com efetividade deverão ser valorizados, nesses termos há que se falar dos seguros garantidores. O trabalho une o resultado de duas experiências, na esfera econômica e na saúde, tangenciando-se o ponto onde a medicina social e a economia se encontram. todos. O que se espera agora é que essa dissertação signifique uma boa leitura para Campo temático Recentemente experimentamos no mundo a mais grave crise financeira em 80 anos. Não se teve notícia de abalos nos sistemas econômicos internacionais tão expressivos desde a Grande Depressão de Para o 'Nobel Prize' Krugman (2009) 9 os dados econômicos de 2009 no mundo estiveram apavorantes. Segundo ele houve uma queda generalizada da atividade, os bancos travaram o crédito, empresas e consumidores suspenderam gastos, pelo que pareceu o início de uma segunda Grande Depressão. Sampaio (2009) 10 define o cenário, no qual a economia mundial, puxada por uma drástica contração da indústria entre outubro de 2008 e março de 2009, sofreu uma diminuição superior a 6%. Nesse intervalo o comércio mundial registrou contração de quase um terço, num movimento sincronizado sem precedentes que atingiu todas as regiões do globo. Para ele a queda das bolsas no período superou em larga margem o verificado nos anos 30, durante a Grande Depressão. Batista Junior (2009) 11, representante do governo brasileiro no FMI, analisa que a crise global é o subproduto do inchamento de um sistema financeiro desregulado e irresponsável. O colapso da especulação nos EUA e na Europa 9 KRUGMAN, Paul. Combatendo a depressão. Folha de São Paulo, São Paulo, 19 jan. 2009a. Dinheiro. 10 SAMPAIO, Plínio de Arruda As Grandes Depressões: fundamentos econômicos, consequências geopolíticas e lições para o presente. - Prefácio. In: COGGIOLA, Osvaldo. São Paulo: Alameda, p BATISTA JUNIOR, Paulo Nogueira. Bufunfa em fuga - Folha de São Paulo, 9 de abril de 2009 Dinheiro.

19 17 arrastou a economia mundial para uma crise inédita desde a Segunda Guerra Mundial. Nesse contexto a catástrofe resultou em apelos por maior regulamentação do sistema financeiro. (KRUGMAN, 2009b) 12. Crises potenciais de longo prazo e respectivos mecanismos regulatórios para enfrentá-las, esse é o pano de fundo dessa dissertação. Vivemos possivelmente uma fase de superação definitiva do laissez-faire, emergindo daí novos paradigmas no campo da regulação dos mercados. A proposta específica em discussão nesse estudo encarna os desafios regulatórios para o enfrentamento das crises potenciais de longo prazo no campo temático da saúde suplementar brasileira. A variável tempo permeia esse projeto em dois instantes: Num primeiro momento, pretendemos situar no tempo as ondas do liberalismo e as crises recorrentes associadas à utopia dos mercados autorregulados, desde o final do século XIX ao início do século XXI. Em segundo momento, a partir da constatação dos riscos potenciais que rondam o mercado de saúde suplementar brasileiro, pretende-se olhar para frente, a fim de delinear as políticas regulatórias capazes de contornar os riscos futuros. Para situar a crise potencial do mercado de saúde suplementar brasileiro, é importante considerar que os gastos em saúde tem aumentado sucessivamente em todo o globo, independentemente de quais sejam as fontes de financiamento, pública ou privada. A aparente explicação, de fundo, pode ser encontrada nos custos crescentes relacionados aos avanços tecnológicos em saúde, e no envelhecimento populacional. Esses fatores que impulsionam os gastos em saúde - a incorporação tecnológica e a transição demográfica - constituem-se em fatores de risco para os orçamentos públicos e para as empresas que operam o produto seguro saúde: as seguradoras, as medicinas de grupo, as cooperativas médicas, as autogestões, em seu conjunto denominadas operadoras de saúde. 12 KRUGMAN, Paul Sem reforma financeira, crise atual será só início de dias piores. Folha de São Paulo, 11 abr. 2009b. Dinheiro.

20 18 Dados da OCDE apontam gastos em saúde crescentes relativamente ao PIB nas maiores economias. O levantamento apura gastos de 1998 a 2007, e os gastos aumentam praticamente em todas as economias observadas. TABELA 1 GASTOS EM SAÚDE COMO PERCENTAGEM DO PIB (OCDE, ) Crescimento EUA 12,9 13, ,0% HOLANDA 11,3 11,7 13,3 13,1 15,9% FRANÇA 9,4 9,5 10, ,0% SUÍÇA 10,4 10,9 11,5 10,8 3,8% ALEMANHA 10,3 10,7 11,1 10,4 1,0% CANADA 9,3 9,7 9,9 10,1 8,6% SUÉCIA 7,9 8,7 9,4 9,1 15,2% AUSTRALIA 8,6 8,9 9,3 8,7 1,2% ITÁLIA 8,2 8,4 8,4 8,7 6,1% ESPANHA 7 7,5 7,7 8,5 21,4% REINO UNIDO 6,8 7,6 7,7 8,4 23,5% JAPÃO 7,4 7,6 7,9 8,1 9,5% HUNGRIA 6,8 6,8 8,4 7,4 8,8% COREIA 5,1 5,9 5,6 6,8 33,3% MÉXICO 5,8 6,6 6,2 5,9 1,7% Fontes: Health at a glance: OECD Indicators, relatórios de 2001, 2003, 2005 e 2009; Notas: 1) Fontes para Holanda: Care accounts; expenditure and financing: CBS, NL (w w w.cbs.nl), considerando que: para esse país o dado da OCDE exclui investimentos e cuidados de longo prazo. 2) Data from Netherlands contains information on the expenditure on health, social and child care and w elfare. The subjects cover expenses and finance of the care system, including price and volume developments. All activities w ithin the area of health, social, child care and w elfare are considered, irrespective of w hether it concerns a major or minor activity of the economic units. These figures refers to a broader definition than internationally used in the System of Health Accounts, that refer to health care including long term nursing care. Para situar genericamente o perfil de financiamento da saúde no Brasil, ele tem um formato híbrido. No campo dos grandes números, os dados referem-se a 2007, de um lado o Sistema Único de Saúde, o SUS, realizou dispêndios R$ 93 bilhões de reais, orçados pelas três esferas de governo, para potencialmente atender a toda a população brasileira, dado o seu princípio universal. O gasto per capita realizado foi de R$ 490, De outro, um sistema de cobertura privada administrou receitas de R$ 47 bilhões de reais 14 originadas de 48,5 milhões de clientes de planos e seguros 13 Fonte: Subsecretaria de Planejamento e Orçamento SPO/SE/MS. Ministério da Saúde. 14 Receita de contraprestações das operadoras de planos de saúde, segundo modalidade da operadora. (Brasil- 2007). Valor total: R$ , in CADERNO de Informação da Saúde Suplementar: beneficiários, operadoras e planos. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: ANS, jun

21 19 saúde 15, aproximadamente 25,6% dos brasileiros 16. Os desembolsos diretos são estimados em R$ 45 bilhões, em sua grande maioria representam os gastos com assistência farmacêutica. Nos dias de hoje o subsistema privado pode contribuir em parte por aliviar o sistema público de parcela dos gastos com a atenção à saúde dos indivíduos que encontram-se contratados no âmbito da cobertura supletiva. O 'mainstream' ainda aceita com certa facilidade que os subsistemas privados podem aliviar os orçamentos públicos. Vale destacar o que traz o relatório da OCDE (2008) 17 sobre a reforma regulatória brasileira: Os mercados de plano de saúde privados são amplamente influenciados pela estrutura regulatória. A partir de uma perspectiva da política pública, o plano de saúde particular pode ser considerado uma alternativa ou uma fonte adicional de acumulação de reservas para financiar os sistemas de saúde, especialmente quando os orçamentos públicos estão no limite (OECD, 2004). No Brasil, o seguro saúde suplementar também pode ser visto como um esforço da sociedade para sua segurança, proporcionando algum alívio ao sistema de saúde financiado com dinheiro público (SUS)'. No entanto outros autores questionam essa possibilidade. Segundo Santos 18 (2009, p. 2), é comum o discurso de que a existência dos seguros privados de saúde alivia o SUS, que desonera a demanda do sistema público, tanto em termos de quantidade de uso de serviços, como de recursos financeiros para sua sustentação. [ ] (i) O segmento suplementar não desonera o SUS pela diminuição da demanda aos seus serviços ou do gasto público; e (ii) a regulação pública existente, separada para o SUS e para o segmento suplementar, desconsidera o mix público-privado, e não interfere para diminuir os seus efeitos negativos (havendo casos em que contribui para que existam). (SANTOS, 2009, p. 8) 15 Nº.de beneficiários, dez/2007: (todos os vínculos), in CADERNO de Informação da Saúde Suplementar: beneficiários, operadoras e planos. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: ANS, jun População em 2007: habitantes. IBGE. 17 OECD, Reviews of Regulatory Reform Brazil: Strenghtening Governance for Growth, 2008, Cap. 3 (113:146). OECD. Paris: SANTOS, Isabela Soares. O mix público-privado no sistema de saúde brasileiro: elementos para a regulação da cobertura duplicada f. Tese (doutorado) Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2009.

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Constituição de 1988 Implantação do SUS Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012 Dispõe sobre o apoio tecnológico a micro e pequenas empresas e dá outras providências. Autor: Deputado ARIOSTO

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

São Paulo, 09 de agosto de 2013.

São Paulo, 09 de agosto de 2013. São Paulo, 09 de agosto de 2013. Discurso do Presidente Alexandre Tombini no VIII Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária. Senhoras e senhores: É com grande satisfação

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar?

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O conceito básico de valor na perspectiva do cliente é a relação entre os benefícios percebidos pelo cliente e o esforço

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Leandro Fonseca ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson. Todos os

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Seminário O Público e o Privado na Saúde Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Tema: O Mais Saúde (PAC Saúde) e as Políticas Sistêmicas de Investimentos Setoriais Pedro Ribeiro Barbosa

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Eugênio Vilaça: Solução para o setor saúde está na rede

Eugênio Vilaça: Solução para o setor saúde está na rede Eugênio Vilaça: Solução para o setor saúde está na rede Entrevista do Dr. Eugênio Vilaça Mendes, dentista de formação, com especialização em planejamento de saúde e ex-consultor da Organização Pan-Americana

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No segundo trimestre de 2010, o número de beneficiários de planos de saúde cresceu 1,9%, totalizando 44.012.558

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade

Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade Baixo investimento público contribui para desigualdade no acesso e queda em indicadores de qualidade CFM analisa relatórios internacionais e mostra preocupação com subfinanciamento da saúde, que tem afetado

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ RESUMO O projeto de pesquisa em curso objetiva investigar o controle social

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL Um novo setor/ator da sociedade Emergência da Sociedade Civil Organizada I fase Séculos XVIII e XIX Entidades Assistenciais tradicionais Confessionais Mandato

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

I Jornada Científica Outubro de 2012. Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica.

I Jornada Científica Outubro de 2012. Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica. I Jornada Científica Outubro de 2012 Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica. Doutorando do PPED/IE/UFRJ: Rodrigo Mendes Leal (RMendesleal@gmail.com) Orientadora: Dra. Maria Lucia

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável?

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Dezembro de 2009 Por Vítor Wilher Essa é uma pergunta que parece atordoar todos aqueles minimamente preocupados com

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais