CONTEÚDO Tempo Médio e Vida Média Residual Relações entre as Funções 1.7 Exercícios...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEÚDO. 1.6.4 Tempo Médio e Vida Média Residual. 1.6.5 Relações entre as Funções 1.7 Exercícios..."

Transcrição

1 Conteúdo Prefácio xiii 1 Conceitos Básicos e Exemplos Introdução Objetivo e Planejamento dos Estudos Caracterizando Dados de Sobrevivência Tempo de Falha Censura e Dados Truncados Representação dos Dados de Sobrevivência Exemplos de Dados de Sobrevivência Dados de Hepatite Dados de Malária Dados de Leucemia Pediátrica Dados de Sinusite em Pacientes Infectados pelo HIV Dados de Aleitamento Materno Dados Experimentais utilizando Camundongos Dados de Câncer de Mama Dados de Tempo de Vida de Mangueiras Especificando o Tempo de Sobrevivência Função de Sobrevivência Função de Taxa de Falha ou de Risco Função de Taxa de Falha Acumulada. 23 vii

2 Vlll CONTEÚDO Tempo Médio e Vida Média Residual Relações entre as Funções 1.7 Exercícios Técnicas Não-Paramétricas 2.1 Introdução. 2.2 Estimação na Ausência de Censura 2.3 O Estimador de Kaplan-Meier Outros Estimadores Não-Paramétricos Estimador de Nelson-Aalen Estimador da Tabela de Vida ou Atuarial Comparação dos Estimadores de S(t) 2.5 Estimação de Quantidades Básicas Exemplo: Reincidência de TUmor Sólido 2.6 Comparação de Curvas de Sobrevivência Análise dos Dados da Malária Outros Testes 2.7 Exercícios. 3 Modelos Probabilísticos 3.1 Introdução Modelos em Análise de Sobrevivência Distribuição Exponencial Distribuição de Weibull Distribuição Log-normal Distribuição Log-logística Distribuições Gama e Gama Generalizada Outros Modelos Probabilísticos. 3.3 Estimação dos Parãmetros dos Modelos 3.3,1 O Método de Máxima Verossimilhança Exemplos de Aplicações

3 CONTEÚDO ix 3.4 Intervalos de Confiança e Testes de Hipóteses Intervalos de Confiança Testes de Hipóteses Escolha do Modelo Probabilístico Métodos Gráficos Comparação de Modelos. 3.6 Exemplos Exemplo 1 - Pacientes com Câncer de Bexiga Exemplo 2 - Tratamento Quimioterápico. 3.7 Exercícios Modelos de Regressão Paramétricos 4.1 Introdução Modelo Linear para Dados de Sobrevivência Modelo de Regressão Exponencial Modelo de Regressão Weibull Modelo de Tempo de Vida Acelerado. 4.3 Adequação do Modelo Ajustado Resíduos de Cox-Snell Resíduos Padronizados Resíduos Martingal Resíduos Deviance. 4.4 Interpretação dos Coeficientes Estimados 4.5 Exemplos Sobrevida de Pacientes com Leucemia Aguda Grupos de Pacientes com Leucemia Aguda Análise dos Dados de Aleitamento Materno 4.6 Exercícios Modelo de Regressão de Cox 5.1 Introdução

4 x CONTEÚDO 5.2 O Modelo de Cox. 5.3 Ajustando o Modelo de Cox Método de Máxima Verossimilhança Parcial. 5.4 Interpretação dos Coeficientes. 5.5 Estimando Funções Relacionadas a Ào(t) 5.6 Adequação do Modelo de Cox Avaliação da Qualidade Geral de Ajuste do Modelo Avaliação da Proporcionalidade dos Riscos Avaliação de outros Aspectos do Modelo de Cox 5.7 Exemplos Análise de um Estudo sobre Câncer de Laringe Análise dos Dados de Aleitamento Materno Análise dos Dados de Leucemia Pediátrica. 5.8 Comentários sobre o Modelo de Cox 5.9 Exercícios. 6 Extensões do Modelo de Cox 6.1 Introdução Modelo de Cox com Covariáveis Dependentes do Tempo 6.3 Modelo de Cox Estratificado Análise dos Dados de Pacientes HIV Descrição dos Dados Modelagem Estatística. 6.5 Modelo de Cox Estratificado nos Dados de Leucemia 6.6 Estudo sobre Hormônio de Crescimento Resultados do Modelo de Cox Estratificado 6.7 Exercícios Modelo Aditivo de Aalen 7.1 Introdução. 7.2 Modelo de Riscos Aditivos de Aalen

5 CONTEÚDO xi 7.3 Estimação. 7.4 Teste para os Efeitos das Covariáveis 7.5 Diagnóstico do Modelo. 7.6 Análise dos Dados de Câncer de Laringe 7.7 Análise dos Dados de Pacientes com HIV Considerações Finais 7.8 Exercícios Censura Intervalar e Dados Grupados Introdução Técnicas Não-Paramétricas Exemplo de Câncer de Mama Modelos Paramétricos Análise dos Dados de Câncer de Mama Modelo Semiparamétrico Modelo de Cox para os Dados de Câncer de Mama Dados Grupados Aproximações para a Verossimilhança Parcial Modelos de Regressão Discretos Modelo de Riscos Proporcionais Modelo Logístico Aplicação: Ensaio de Vida de Mangueiras Modelos Discretos ou Aproximações? Exercícios Análise de Sobrevivência Multivariada Introdução Fragilidade em um Contexto Univariado Fragilidade em um Contexto Multivariado Modelo de Fragilidade Compartilhado Generalizações do Modelo de Fragilidade

6 Xll CONTEÚDO Modelo de Fragilidade Estratificado Modelo de Fragilidade com Associações Complexas Modelo de Fragilidade Multiplicativo Modelo de Fragilidade Aditivo Modelo de Fragilidade Dependente do Tempo Distribuições para a Variável de Fragilidade Modelo de Fragilidade Gama Estimação no Modelo de Fragilidade Gama Estimação via Algoritmo EM Estimação via Verossimilhança Penalizada Estimação Bayesiana via MCMC Testando a Fragilidade Testando o Efeito das Covariáveis Diagnóstico dos Modelos de Fragilidade Modelando Eventos Múltiplos Formulação de Andersen e Gill (AG) Formulação de Wei, Lin e Weissfeld (WLW) Formulação de Prentice, Williams e Peterson (PWP) Considerações sobre os Modelos Marginais Exemplos Fragilidade no Estudo de Leucemia Pediátrica Estudo com Animais da Raça Nelore Exercícios Apêndice 319 Referências Bibliográficas 355

Utilizando-se as relações entre as funções básicas é possível obter as demais funções de sobrevivência.

Utilizando-se as relações entre as funções básicas é possível obter as demais funções de sobrevivência. MÉTODOS PARAMÉTRICOS PARA A ANÁLISE DE DADOS DE SOBREVIVÊNCIA Nesta abordagem paramétrica, para estimar as funções básicas da análise de sobrevida, assume-se que o tempo de falha T segue uma distribuição

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Roteiro Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF 1. Conceitos Básicos 2. Técnicas Não Paramétricas 3. Modelos Probabilísticos e Inferência 4. Modelos de

Leia mais

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER

Leia mais

Palavras-chave: Auxílio Moradia. Tempo de Permanência. Evasão. Gestão Universitária

Palavras-chave: Auxílio Moradia. Tempo de Permanência. Evasão. Gestão Universitária XV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU Desafios da Gestão Universitária no Século XXI Mar del Plata Argentina 2, 3 e 4 de dezembro de 2015 ISBN: 978-85-68618-01-1 TEMPO QUE OS ESTUDANTES

Leia mais

Estudo dos fatores que influenciam no tempo até o transplante renal nos pacientes em tratamento de Hemodiálise

Estudo dos fatores que influenciam no tempo até o transplante renal nos pacientes em tratamento de Hemodiálise Estudo dos fatores que influenciam no tempo até o transplante renal nos pacientes em tratamento de Hemodiálise Carolina Ferreira Barroso 1 Graziela Dutra Rocha Gouvêa 2 1. Introdução A análise de sobrevivência

Leia mais

FÁBIO ANDERSON JACQUES DOS SANTOS JULIO CESAR SANTOS

FÁBIO ANDERSON JACQUES DOS SANTOS JULIO CESAR SANTOS FÁBIO ANDERSON JACQUES DOS SANTOS JULIO CESAR SANTOS ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA UTILIZANDO MODELO DE COX EM DADOS DE PACIENTES QUE SOFRERAM TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA CURITIBA 2011 FÁBIO ANDERSON JACQUES

Leia mais

Análise de Sobrevivência

Análise de Sobrevivência Análise de Sobrevivência Valeska Andreozzi 15 de fevereiro de 2008 Referências 2 Referências............................................................. 3 O tempo 4 O tempo..............................................................

Leia mais

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Prof. Lupércio França Bessegato Departamento de Estatística UFJF E-mail: lupercio.bessegato@ufjf.edu.br Site: www.ufjf.br/lupercio_bessegato Lupércio França Bessegato

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES

DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES LUIZ CLAUDIO BENCK KEVIN WONG TAMARA CANDIDO DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de Estatística e Métodos Numéricos do Curso de Administração

Leia mais

Marilia Sá Carvalho Dayse Pereira Campos Raquel de V.C. de Oliveira

Marilia Sá Carvalho Dayse Pereira Campos Raquel de V.C. de Oliveira 1/228 Introdução à Análise de Sobrevivência Marilia Sá Carvalho Dayse Pereira Campos Raquel de V.C. de Oliveira Fundação Oswaldo Cruz, Brasil Cap 1 Introdução 4/228 Introdução à Análise de Sobrevivência

Leia mais

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Sumário Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Capítulo I CIÊNCIA, CONHECIMENTOS E PESQUISA CIENTÍFICA... 37 1. Conceito de ciência e tipos

Leia mais

Análise de Diagnóstico no Modelo de Regressão Bivariado com Fração de Cura

Análise de Diagnóstico no Modelo de Regressão Bivariado com Fração de Cura Análise de Diagnóstico no Modelo de Regressão Bivariado com Fração de Cura Juliana B. Fachini Universidade de São Paulo Edwin M. M. Ortega Universidade de São Paulo 1 Introdução Dados de sobrevivência

Leia mais

5 Cap 8 Análise de Resíduos. Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22

5 Cap 8 Análise de Resíduos. Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22 Outline Cap 8 Análise de Resíduos 1 Cap 1 Introdução 2 Cap 2 O tempo 3 Cap 3 Funções de Sobrevida 4 Cap 4 Não-Paramétrica 5 Cap 8 Análise de Resíduos Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22 Objetivos Analisar

Leia mais

A distribuição Weibull-Poisson

A distribuição Weibull-Poisson A distribuição Weibull-Poisson Estela Maris P. Bereta - DEs/UFSCar Francisco Louzada-Neto - DEs/UFSCar Maria Aparecida de Paiva Franco - DEs/UFSCar Resumo Neste trabalho é proposta uma distribuição de

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Teoria e aplicações em saúde. Caderno de Respostas Capítulo 5 Modelo paramétrico de sobrevivência

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Teoria e aplicações em saúde. Caderno de Respostas Capítulo 5 Modelo paramétrico de sobrevivência ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Teoria e aplicações em saúde Caderno de Respostas Capítulo 5 Modelo paramétrico de sobrevivência Exercício 5.1: Em um estudo, ajustou-se um modelo exponencial aos tempos de sobrevivência

Leia mais

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICAP IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI Os fatores relacionados com a sobrevida após

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO ATÉ APOSENTADORIA DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFLA VIA MODELO DE COX

ESTUDO DO TEMPO ATÉ APOSENTADORIA DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFLA VIA MODELO DE COX ESTUDO DO TEMPO ATÉ APOSENTADORIA DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFLA VIA MODELO DE COX Patrícia de Siqueira Ramos 1, Mário Javier Ferrua Vivanco 2 INTRODUÇÃO O servidor técnico-administrativo

Leia mais

Distribuição Exponencial Exponenciada na Presença de Fração de Cura: Modelos de Mistura e Não-Mistura

Distribuição Exponencial Exponenciada na Presença de Fração de Cura: Modelos de Mistura e Não-Mistura Distribuição Exponencial Exponenciada na Presença de Fração de Cura: Modelos de Mistura e Não-Mistura Emílio Augusto Coelho-Barros 1,2 Jorge Alberto Achcar 2 Josmar Mazucheli 3 1 Introdução Em análise

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO 1 TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br direitos autorais. INTRODUÇÃO À ANÁLISE MULTIVARIADA Apenas uma breve apresentação Para não dizerem que

Leia mais

A distribuição Weibull exponenciada geométrica

A distribuição Weibull exponenciada geométrica A distribuição Weibull exponenciada geométrica Josiane Rodrigues 1 Elizabeth M. Hashimoto 1 Edwin M. M. Ortega 1 Gauss M. Cordeiro 2 Sônia M. De S. Piedade 1 1 Introdução A distribuição Weibull tem sido

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Análise Bayesiana do Sistema de Cotas da UFBA

Análise Bayesiana do Sistema de Cotas da UFBA Análise Bayesiana do Sistema de Cotas da UFBA Lilia Carolina C. da Costa Universidade Federal da Bahia Marina Silva Paez Universidade Federal do Rio de Janeiro Antonio Guimarães, Nadya Araujo Guimarães

Leia mais

Carolina Marques Portilho. Estimação da Persistência de Segurados de Planos de Previdência Privada Via Modelos de Sobrevivência

Carolina Marques Portilho. Estimação da Persistência de Segurados de Planos de Previdência Privada Via Modelos de Sobrevivência Carolina Marques Portilho Estimação da Persistência de Segurados de Planos de Previdência Privada Via Modelos de Sobrevivência Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

MOQ-13 Probabilidade e Estatística

MOQ-13 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-13 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br Motivação Idéias Básicas

Leia mais

MODELO DE COX PARA EVENTOS CARDIOVASCULARES RECORRENTES EM PACIENTES SOB DIÁLISE COM COVARIÁVEIS MEDIDAS NO TEMPO

MODELO DE COX PARA EVENTOS CARDIOVASCULARES RECORRENTES EM PACIENTES SOB DIÁLISE COM COVARIÁVEIS MEDIDAS NO TEMPO MODELO DE COX PARA EVENTOS CARDIOVASCULARES RECORRENTES EM PACIENTES SOB DIÁLISE COM COVARIÁVEIS MEDIDAS NO TEMPO Thiago Santos MOTA 1 Liciana Vaz de Arruda SILVEIRA 2 Aline Araujo ANTUNES 3 RESUMO: Este

Leia mais

Conceitos Básicos em Análise de Sobrevivência Aula Estatística Aplicada

Conceitos Básicos em Análise de Sobrevivência Aula Estatística Aplicada Conceitos Básicos em Análise de Sobrevivência Aula Estatística Aplicada Prof. José Carlos Fogo Departamento de Estatística - UFSCar Outubro de 2014 Prof. José Carlos Fogo (DEs - UFSCar) Material Didático

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

Modelos de Cura: Aplicação ao Cancro da Mama Feminino DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Modelos de Cura: Aplicação ao Cancro da Mama Feminino DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DM Modelos de Cura: Aplicação ao Cancro da Mama Feminino Ana Carina Fernandes Alves Modelos de Cura: Aplicação ao Cancro da Mama Feminino DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Ana Carina Fernandes Alves MESTRADO EM

Leia mais

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Programa de Pós-graduação em Economia Sub-Programa Mestrado Profissional CEEMA/ECO/UnB Disciplina: ECO 333051 Métodos Estatísticos e Econométricos Instrutores:

Leia mais

Modelo aditivo de Aalen: uma aplicação para dados de sinusite em pacientes com Aids

Modelo aditivo de Aalen: uma aplicação para dados de sinusite em pacientes com Aids Revista Colombiana de Estadística Volumen 30 No. 1. pp. 129 a 141. Junio 2007 Modelo aditivo de Aalen: uma aplicação para dados de sinusite em pacientes com Aids Aalen Additive Model: A Application for

Leia mais

Estimação do tempo de abandono de pacientes em tratamento da tuberculose

Estimação do tempo de abandono de pacientes em tratamento da tuberculose Estimação do tempo de abandono de pacientes em tratamento da tuberculose Eveline de Almeida Silva 1 Renata Newman Leite Cardoso dos Santos 2 Natália Herculano Pereira 2 Ulisses Umbelino dos Anjos 2 César

Leia mais

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I PROPOSTA DE FORMAÇÃO INTRODUÇÃO As probabilidades e estatística funcionam hoje em dia como uma ferramenta não só de apoio, mas sim de iluminação para as diferentes ciências. Qualquer profissional não poderá

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Modelos bayesianos sem MCMC com aplicações na epidemiologia

Modelos bayesianos sem MCMC com aplicações na epidemiologia Modelos bayesianos sem MCMC com aplicações na epidemiologia Leo Bastos, PROCC/Fiocruz lsbastos@fiocruz.br Outline Introdução à inferência bayesiana Estimando uma proporção Ajustando uma regressão Métodos

Leia mais

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Setor de Estatística Viçosa 007 Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior Gestão de TI Evanivaldo Castro Silva Júnior Porque estudar Estatística em um curso de Gestão de TI? TI trabalha com dados Geralmente grandes bases de dados Com grande variabilidade Difícil manipulação,

Leia mais

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 Sumário Prefácio xiii 1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 A EMPRESA 6 CUSTO DE OPORTUNIDADE 8 PROJETO DE INVESTIMENTO 9 VALOR DO PROJETO 10 LUCRO ECONÔMICO DO PROJETO 14 VALOR PRESENTE LÍQUIDO DO

Leia mais

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Leandro Alves Pereira - FAMAT, UFU Rogerio de Melo Costa Pinto - FAMAT, UFU 2 Resumo: Os insetos-pragas

Leia mais

RENDIBILIDADE DE TRANSACÇÕES

RENDIBILIDADE DE TRANSACÇÕES RENDIBILIDADE DE TRANSACÇÕES DE CRÉDITO PESSOAL COM RECURSO A ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Alberto Filipe Neves Correia MESTRADO EM ENGENHARIA MATEMÁTICA ABRIL 2007 Tese submetida à Faculdade de Ciências da

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estudos Comparativos Recentes - Behavior Scoring Roteiro Objetivo Critérios de Avaliação

Leia mais

Descreve de uma forma adequada o

Descreve de uma forma adequada o EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 8 - Variáveis Aleatórias Contínuas Prof. Clécio da Silva Ferreira Depto Estatística - UFJF 1 Variável Aleatória Normal Caraterização: Descreve de uma forma adequada

Leia mais

A Distribuição Weibull Inversa Generalizada na Modelagem de dados de Sobrevivência: Uma aplicação a dados de recorrentes químicos.

A Distribuição Weibull Inversa Generalizada na Modelagem de dados de Sobrevivência: Uma aplicação a dados de recorrentes químicos. Universidade Estadual da Paraíba Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Estatística Priscilla dos Santos Cabral A Distribuição Weibull Inversa Generalizada na Modelagem de dados de Sobrevivência:

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Maria Regina Madruga Tavares

Orientadora: Profa. Dra. Maria Regina Madruga Tavares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA Marco Pollo Almeida ESTIMAÇÃO BAYESIANA EM MODELOS DE SOBREVIVÊNCIA: UMA APLICAÇÃO

Leia mais

Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously. Peter K. Dunn Autor Braga Junior e Eduardo Gomes Apresentação

Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously. Peter K. Dunn Autor Braga Junior e Eduardo Gomes Apresentação Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously Peter K. Dunn Autor Apresentação Introdução Introdução Estudos sobre modelagem da precipitação de chuvas são importantes, pois permitem

Leia mais

Projeto Supervisionado

Projeto Supervisionado Projeto Supervisionado Caio Almasan de Moura ra: 095620 Indice 1. Introdução 2. Principal Projeto: Modelo de Score 2.1. Objetivo... pg 3 2.2. Agentes Envolvidos... pg 3 2.3. Contextualização... pg 3 2.4.

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Engenharia de Produção

Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Engenharia de Produção Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia de Produção EPD 839 Tópicos Especiais em Gestão da Produção: Métodos Estatísticos em Confiabilidade e Manutenção de Sistemas Reparáveis e

Leia mais

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência.

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos de

Leia mais

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil, Analista Tributário da Receita Federal do Brasil e Auditor Fiscal do Trabalho. Prof. Weber Campos webercampos@gmail.com AUDITOR-FISCAL

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO)

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO) PLANIFICAÇÃO ANUAL MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais Curso de Línguas e Humanidades º ANO (º ANO) Ano Lectivo 0/05 Planificação º Ano - MACS º Período Número de Aulas Previstas 0 Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ESTATÍSTICA ANÁLISE DE CONFIABILIDADE APLICADA À INDÚSTRIA PARA ESTIMAÇÕES DE FALHAS E PROVISIONAMENTO DE CUSTOS CURITIBA 2010 PAULO ZALESKI DE MATOS DAIANNE MARA

Leia mais

4 Conclusões. 4.1 Da Análise Exploratória

4 Conclusões. 4.1 Da Análise Exploratória 4 Conclusões Neste capítulo iremos apresentar as conclusões acerca da pesquisa realizada, ressaltando os principais resultados obtidos e o que de mais valioso encontramos, em termos das informações que

Leia mais

Líder em Software Estatístico

Líder em Software Estatístico Líder em Software Estatístico Soluções de qualidade para profissionais da qualidade MINITAB O MINITAB é um programa completo para análise estatística. Aprovado por profissionais qualificados em todo o

Leia mais

Estudo de Fatores Associados à Ocorrência de Abandono do Tratamento do HIV/AIDS

Estudo de Fatores Associados à Ocorrência de Abandono do Tratamento do HIV/AIDS Estudo de Fatores Associados à Ocorrência de Abandono do Tratamento do HIV/AIDS Autoras: Louise Bastos Schilkowsky/ ENSP/UFRJ Margareth Crisóstomo Portela/ENSP Marilene de Castilho Sá/ENSP 1 Contextualização

Leia mais

MOQ-23 ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo

MOQ-23 ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo MOQ-3 ESTATÍSTICA Proessor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Probabilidade e Estatística: The Science o collecting and analyzing data or the purpose o drawing conclusions and making

Leia mais

Seleção de variáveis para o modelo de fração de cura baseado no tempo de primeira passagem para um processo de Wiener

Seleção de variáveis para o modelo de fração de cura baseado no tempo de primeira passagem para um processo de Wiener Seleção de variáveis para o modelo de fração de cura baseado no tempo de primeira passagem para um processo de Wiener Jhon F.B. Gonzales 1 1 Mário de Castro A. Filho 1 2 Vera Lucia D. Tomazella 11 1 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MODELAGEM DE DADOS DE FALHAS DE EQUIPAMENTOS DE SUB- SUPERIFICE EM POÇOS DE PETROLEO DA BACIA POTIGUAR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSO DE ESTATÍSTICA PATRÍCIA DE SOUSA MODELOS DE TESTES DE VIDA ACELERADO: DESCRIÇÃO E APLICAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSO DE ESTATÍSTICA PATRÍCIA DE SOUSA MODELOS DE TESTES DE VIDA ACELERADO: DESCRIÇÃO E APLICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSO DE ESTATÍSTICA PATRÍCIA DE SOUSA MODELOS DE TESTES DE VIDA ACELERADO: DESCRIÇÃO E APLICAÇÃO OURO PRETO MARÇO DE 2013 i PATRÍCIA DE SOUSA MODELOS DE TESTES DE VIDA

Leia mais

ANÁLISE DO USO DAS ÁGUAS DE UMA EMPRESA DO RAMO PETROQUÍMICO VIA ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA. Edimar Izidoro Novaes

ANÁLISE DO USO DAS ÁGUAS DE UMA EMPRESA DO RAMO PETROQUÍMICO VIA ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA. Edimar Izidoro Novaes ANÁLISE DO USO DAS ÁGUAS DE UMA EMPRESA DO RAMO PETROQUÍMICO VIA ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Edimar Izidoro Novaes Dissertação apresentada à Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho para a obtenção

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Universidade de Lisboa. Faculdade de Ciências. Departamento de Estatística e Investigação Operacional

Universidade de Lisboa. Faculdade de Ciências. Departamento de Estatística e Investigação Operacional Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Estatística e Investigação Operacional Modelos de sobrevivência para estudo do tempo até à ocorrência de excesso de peso em indivíduos adultos

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UnB/CESPE INCA Em relação aos sistemas de informação na área da saúde, julgue os itens a seguir. 52 As secretarias municipais de saúde realizarão a busca ativa das DO, registrarão

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO José Gilberto S. Rinaldi (UNESP/Presidente Prudente) Randal Farago (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho aborda técnicas

Leia mais

Capítulo 3 Organização e síntese de dados

Capítulo 3 Organização e síntese de dados Capítulo 3 Organização e síntese de dados L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 3 3.. Introdução Neste capítulo, serão abordados alguns aspectos que podem ser utilizados para

Leia mais

Modelagem de Processos Espaço-temporais

Modelagem de Processos Espaço-temporais Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Modelagem de Processos Espaço-temporais Marina Silva Paez (marina@im.ufrj.br) April 30, 2009 Trabalho realizado em colaboração com: Dani Gamerman

Leia mais

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento 13 1 Introdução Esta dissertação é o estudo de um problema estatístico de classificação que diz respeito à precificação de seguros de automóveis. Devido às particularidades deste ramo, a formação dos contratos,

Leia mais

Simulação Estocástica

Simulação Estocástica Simulação Estocástica O que é Simulação Estocástica? Simulação: ato ou efeito de simular Disfarce, fingimento,... Experiência ou ensaio realizado com o auxílio de modelos. Aleatório: dependente de circunstâncias

Leia mais

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 1º trimestre PESQUISA DE MERCADOS Objectivos Pretende-se que os alunos: (a) adquiram os conceitos e semântica próprios do tema, (b)

Leia mais

MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE

MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE PREFÁCIO Dado o elevado padrão da tecnologia atual, medidas que asseguram a confiabilidade são indispensáveis. Devido à problemática da confiabilidade ainda ser pouco

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes 4 Análise de Dados 4.1 Perfil dos Respondentes A taxa de resposta foi de aproximadamente 8% de respostas na amostra de clientes que compram fora da loja (telefone e/ou Internet) e 3% na amostra de clientes

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires iv Índice Prefácio xiii 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos financeiros...................... 1 1.2 Escolhaintertemporaletaxadejuro...

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 5. Prefácio... 7. Apresentação... 9. Introdução... 19

Sumário. Agradecimentos... 5. Prefácio... 7. Apresentação... 9. Introdução... 19 Sumário Agradecimentos............................ 5 Prefácio............................... 7 Apresentação............................. 9 Introdução............................. 19 Incidência...............................................................

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Correlação Estatística e Probabilidade Uma correlação é uma relação entre duas variáveis. Os dados podem ser representados por pares ordenados (x,y), onde x é a variável independente ou variável explanatória

Leia mais

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL Cleber Giugioli Carrasco ; Francisco Louzada-Neto Curso de Matemática, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, UEG. Departamento

Leia mais

P R O G R A M A QUARTA FASE. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Ao final do semestre o aluno devera ser capaz de:

P R O G R A M A QUARTA FASE. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Ao final do semestre o aluno devera ser capaz de: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - DEF CURSO: BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CURRÍCULO: 2008/2 P R O G R

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística 1. IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: Estatística Multivariada Código: PGMAT568 Pré-Requisito: No. de Créditos: 4 Número de Aulas Teóricas: 60 Práticas: Semestre: 1º Ano: 2015 Turma(s): 01 Professor(a):

Leia mais

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Estatística: Conceitos e Organização de Dados Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Introdução O que é Estatística? É a parte da matemática aplicada que

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - GSE

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - GSE SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE 28 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - GSE MODELAGEM

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos 2. Classificação dos Projetos de Investimento 3. Estudos prévios

1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos 2. Classificação dos Projetos de Investimento 3. Estudos prévios 1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos... 1.1. Valor Atual... 1.2. Capital Investido... 1.3. Cash Flow... 1.4. Valor residual do investimento... 1.5. Vida económica do equipamento... 2. Classificação

Leia mais

PRO FOR WINDOWS (FPW)

PRO FOR WINDOWS (FPW) INTRODUÇÃO OAO FORECAST PRO FOR WINDOWS (FPW) Considerações Básicas Introdução ao Forecast Pro Software para análise e previsão de séries temporais. Características importantes Roda sob as diversas versões

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Raquel Rodrigues Santos Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre

Leia mais

Intervalos Estatísticos para uma Única Amostra

Intervalos Estatísticos para uma Única Amostra Roteiro Intervalos Estatísticos para uma Única Amostra 1. Introdução 2. Intervalo de Confiança para Média i. População normal com variância conhecida ii. População normal com variância desconhecida 3.

Leia mais