LARINGECTOMIA PARCIAL: AUTOPERCEPÇÃO DA VOZ E QUALIDADE DE VIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LARINGECTOMIA PARCIAL: AUTOPERCEPÇÃO DA VOZ E QUALIDADE DE VIDA"

Transcrição

1 LARINGECTOMIA PARCIAL: AUTOPERCEPÇÃO DA VOZ E QUALIDADE DE VIDA Daniela Melo Siqueira Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida Iára Bittante de Oliveira Grupo de Pesquisa em voz PUC-Campinas Centro de Ciências da Vida Resumo: Com o avanço da medicina pessoas com neoplasias laríngeas têm realizado cirurgias de laringectomias parciais, com o intuito da preservação do órgão. No entanto, existe comprometimento da qualidade vocal do paciente, o que consequentemente gera impacto em sua vida. A preocupação decorrente dessas cirurgias é com a qualidade de vida dessas pessoas, pois o tratamento visa não somente a sobrevida, mas também o atendimento das necessidades psicossociais. Este estudo objetiva traçar um perfil vocal de pessoas que foram submetidas à laringectomias parciais conhecendo-se sua autoavaliação vocal e grau de impacto da alteração da voz na sua qualidade de vida. Foram estudados 15 pacientes escolhidos ao acaso e que frequentam o serviço de Fonoaudiologia anexo ao Ambulatório de Cabeça e Pescoço de um hospital universitário, da cidade de Campinas, para tratamento de voz e/ou disfagia, pós - cirurgia oncológica parcial de laringe. Para verificação da auto-avaliação da voz e do impacto da alteração vocal na qualidade de vida foram aplicados os seguintes instrumentos: Questionário de Mensuração de Qualidade de Vida em Voz QVV e Análise do Perfil de Participação e Atividades Vocais PPAV e IDV. Constatou-se uma menor expectativa do paciente em relação à sua voz, quando em presença de neoplasia de laringe. No entanto deve-se considerar que por meio do protocolo PPAV foi possível quantificar as dificuldades que o paciente apresenta em se relacionar com as pessoas, por causa de sua voz, pois quase a metade percebe de forma relevante tal impacto. Portanto, este estudo aponta para a necessidade de se quantificar o comprometimento da qualidade de vida em relação à voz alterada de pacientes submetidos a laringectomias parciais e verificar em que dimensões isso ocorre. Palavras-chave: Disfonia, Câncer de Laringe, Qualidade de Vida. Área do Conhecimento: Saúde Fonoaudiologia. 1. INTRODUÇÃO O câncer da laringe é responsável por uma incidência de mais de novos casos por ano no mundo, ocorrendo predominantemente no sexo masculino, numa relação de 7:1 (masculino - feminino)¹. Esta neoplasia é uma das mais frequentes a atingir a região da cabeça e pescoço, representando perto de 25% dos tumores malignos, que acometem esta área. A maior parte desses tumores é de origem epitelial, portanto, há o predomínio de carcinomas escamosos 2. Observa-se ainda que aproximadamente 2/3 dessas neoplasias surgem na glote e 1/3 acomete a região supraglótica¹. O tabaco é considerado o mais importante fator etiológico no câncer da laringe. Estudos revelaram que o risco de desenvolvimento dessas neoplasias é 14,3 vezes maior em indivíduos que fumam em comparação aos que não fumam 2. O consumo de bebidas alcoólicas também contribui, significativamente, para o desenvolvimento dessas neoplasias 2. O risco do desenvolvimento do câncer laríngeo é potencializado pela ação sinérgica do fumo e do álcool, aumentando o risco de desenvolvimento desse câncer em cerca de 100%². A maior parte desses indivíduos situa-se na faixa etária dos 50 anos e possuem alguma comorbidade, relacionada ao seu estado geral precário provocado não somente pelo câncer, mas também por sua situação socioeconômica³. A desnutrição, desidratação, inadequada higiene corporal, péssimo estado de conservação dentário e alterações na esfera neurovegetativa estão entre as comorbidades mais frequentes³ -4. Um estudo revelou faixa etária média de 63,1 anos, com variação de 43 a 82 anos com predominância do sexo masculino (80%), confirmando a literatura 5.

2 O tratamento dos indivíduos acometidos por tumores de cabeça e pescoço visa não somente a sobrevida, mas também o atendimento das necessidades psicossociais do indivíduo, garantindo uma maior satisfação do paciente com o tratamento 6. A cirurgia é uma das principais armas terapêuticas, acompanhada quando necessário, da radioterapia pósoperatória 6. Entretanto, a radioterapia, acompanhada ou não da quimioterapia, pode ser o tratamento de escolha quando a cirurgia não pode ser realizada ou não é aceita pelo paciente 7. A ressecção cirúrgica de tumores de laringe, denominada laringectomia, pode ser classificada em três tipos: laringectomia total, subtotal e parcial 6. O estadiamento clínico e a região da laringe a qual se localiza o tumor determinam a escolha do plano terapêutico. O principal objetivo das laringectomias parciais é o de preservar ao máximo a função vocal e respiratória sem comprometer os índices de cura. Em um estudo realizado com 30 pacientes (destes, 16 pacientes submetidos à laringectomia parcial e 14 submetidos à laringectomia total) e que tinha como objetivo avaliar o impacto na qualidade de vida e rastrear a depressão por meio da aplicação de questionários (Organização Européia de Pesquisa e Tratamento do Câncer (EORTC), Quality of Life Core Questionnarie (QLQ-C30) e Head and Neck 35 (H&N35) e, para o rastreamento da depressão, o questionário Beck Depression), observou-se que na escala de sintomas específicos presente no questionário Head and Neck 35 (H&N35), os pacientes submetidos à laringectomia total tiveram mais resultados negativos do que o grupo de laringectomia parcial 8. Outra pesquisa que corrobora com tais resultados estudou 17 pacientes com câncer de laringe, submetidos à laringectomia no Hospital Central da Santa Casa de São Paulo. Dividiram-se em dois grupos, oito laringectomizados totais e nove laringectomizados parciais supracricóides. Os que realizaram a retirada total da laringe, em geral, apresentaram baixa autoestima, diminuição no interesse pela busca da felicidade e ausência de bem estar social 9. A partir destes estudos podemos inferir que a redução do impacto na qualidade de vida do paciente submetido à laringectomia parcial é indiscutível, desde que sejam respeitados os princípios oncológicos e seja preservada a função do órgão. Os pacientes submetidos ao tratamento para câncer de laringe possuem peculiaridades em relação às neoplasias de outros sítios. É esperado que ocorra piora da inteligibilidade da fala e comprometimento vocal, porém essas alterações estão na dependência do tamanho da lesão ou estádio do tumor, extensão da ressecção, tipo de reconstrução, realização ou não de radioterapia 10. É de fundamental importância que o paciente esteja ciente das possíveis sequelas do tratamento ao qual ele foi submetido para que seja estabelecida uma relação de confiança e respeito entre o mesmo e a equipe de profissionais 8. Uma pesquisa realizada em Porto Alegre no ano de 2007 buscou estudar a relação entre as variáveis, qualidade de vida e adequação social entre laringectomizados, entendendo o quanto a presença de uma doença afeta o indivíduo e sua família. Foram estudados 13 pacientes laringectomizados, sendo 46,2% laringectomizados total e 53,8% parciais. Foi estudado também um grupo controle não laringectomizado e que seguia o mesmo padrão do grupo estudado em termos de faixa etária e estado civil. Para a avaliação da qualidade de vida foi utilizada a escala de Avaliação da Qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde, em sua forma abreviada (OMS, 1998). Para o levantamento da Adequação Social foi utilizada a Escala de Auto-Avaliação de Adequação Social (EAS). Verificou-se que quanto maior a adequação social maior a qualidade de vida dos laringectomizados e entre os domínios da escala de Avaliação da Qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde, o meio ambiente apresentou uma maior adequação social quando aplicada a escala de Auto- Avaliação de Adequação Social (EAS). Isto evidenciou que neste domínio os laringectomizados apresentam maior apoio social, tendo uma melhor qualidade de vida. A relação com a família como ponto de apoio revelou-se importante no enfrentamento e na adaptação dos pacientes à condição de laringectomizados, favorecendo a convivência e aceitação destes com sua nova realidade 8. O laringectomizado requer continuidade nos cuidados após a alta hospitalar e, se ele receber um suporte adequado, com certeza, será auxiliado na obtenção de uma melhor readaptação social, alcançando uma melhor qualidade de vida 8. A reabilitação do câncer é um processo dinâmico, contínuo, com a finalidade de maximizar as capacidades individuais dentro das limitações da doença ou incapacidade por ela provocada 8. A Organização Mundial de Saúde - OMS ampliou o conceito de saúde, de modo a serem incluídos aspectos de qualidade de vida, na referida definição, considerando-se o bem estar físico, mental e social. Uma avaliação deve incluir não apenas os indicadores de frequência e gravidade da doença, mas também uma estimativa de bem-estar, que pode ser medido pela avaliação da qualidade de vida 11. O conceito de qualidade de vida é amplo, subjetivo e pessoal, merecendo uma maior investigação 8. Sua avaliação é uma atribuição difícil, pois este conceito

3 varia de acordo com as prioridades de cada paciente 8. A mensuração dos impactos físicos, psicológicos e sociais é de fundamental importância para se estabelecer parametros de reabilitação e suporte para os pacientes 8. Hoje em dia observa-se um grande empenho na criação de índices de qualidade de vida e de desvantagem baseados na opinião do paciente. Na literatura encontramos estudos que utilizaram protocolos para investigação da opinião do indivíduo quanto às desvantagens que a alteração vocal proporciona em casos de disfonias e que geralmente causam um forte impacto negativo. A auto-avaliação ou autopercepção vocal tem sido muito valorizada, pois tenta captar a percepção do paciente com relação a sua voz 12. Parte dos protocolos de qualidade de vida em voz, para avaliação do impacto da disfonia foram validados para o português brasileiro: Qualidade de Vida em Voz (QVV); Índice de Desvantagem Vocal (IDV) e Perfil de Participação e Atividades Vocais (PPAV) 13. Um trabalho aplicou o protocolo Qualidade de Vida e Voz (QVV) em seis indivíduos laringectomizados totais e demonstrou que os sujeitos obtiveram em média escores menores no Domínio Físico em relação ao Domínio Sócio-Emocional, indicando um maior impacto na qualidade de vida no primeiro domínio. Este estudo revelou ainda que os indivíduos que descreveram sua voz como agradável e confortavel mostraram uma qualidade de vida melhor 14. Este estudo tem como objetivo traçar um perfil vocal de pessoas que foram submetidas à laringectomias parciais conhecendo-se sua auto-avaliação vocal e grau de impacto da alteração da voz na sua qualidade de vida. 2. MATERIAL E MÉTODOS 2.1. Sujeito Foram estudados 15 pacientes escolhidos ao acaso e que frequentam o serviço de Fonoaudiologia anexo ao Ambulatório de Cabeça e Pescoço do HMCP PUC-Campinas, para tratamento de voz, pós - cirurgia oncológica parcial de laringe, Todos os pacientes são do sexo masculino com idades entre 46 e 78 anos e média de 59,5 anos que não apresentavam disfagia ou se encontram com disfagia adaptada, no momento do estudo. Foram incluídos para estudo tanto pacientes que se encontravam em acompanhamento longitudinal pós-terapia vocal (alta assistida), como pacientes ainda em atendimento fonoaudiológico para melhora da voz Material Para verificação da auto-avaliação da voz e do impacto da alteração vocal na qualidade de vida foram aplicados os seguintes instrumentos: Questionário de Mensuração de Qualidade de Vida em Voz QVV; Análise do Perfil de Participação e Atividades Vocais PPAV; Índice de Desvantagem Vocal IDV Procedimento A aplicação dos questionários foi realizada individualmente e com a presença de um dos pesquisadores, tendo havido treino anterior. Para o cálculo do escore total do PPAV, foram somadas todas as marcações das 28 questões, sendo que, conforme explicitação dos pesquisadores que validaram o teste no Brasil, o escore máximo total de 280 pontos (Behlau, M; Madazio, G., 2007)15; Para a obtenção da Pontuação de Limitação nas Atividades (PLA), foi somada a pontuação das dez questões pares dos aspectos trabalho, comunicação diária e comunicação social (questões 2, 4, 6, 8, 10, 12, 14, 16, 18 e 20) e para o cálculo da PRP somou-se a pontuação das 10 questões ímpares dos mesmos aspectos (questões 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19 e 21). Por fim os resultados do Escore Total, PLA e PRP foram transformados em uma escala com base 100, utilizando-se regra de três. Quanto ao protocolo IDV, a resposta de cada uma das 30 questões obedeceu ao padrão: Resposta positiva ou Resposta negativa. Para a formação deste padrão, são consideradas Resposta negativa as respostas 0=Nunca e 1=Quase Nunca, já as Respostas positivas são atribuidas às respostas 2=Ás vezes, 3=Quase sempre e 4=Sempre. No QVV, foi calculado um escore padrão e escores de dois domínios, o Sócio-Emocional e o Físico. Para a realização dos cálculos, foram utilizados algoritmos específicos para a obtenção de cada escore. 3. RESULTADOS Com base na análise dos resultados das respostas ao protocolo de Análise do Perfil de Participação e Atividades Vocais PPAV foi possível observar, como demonstrado na Tabela 1, um Escore total que varia entre 10,35 a 45,71, havendo um predomínio de escores acima de 20,00. É sabido que vozes saudáveis apresentam um escore total de 10, 8 em uma escala com base 100 (sendo 28 pontos obtidos em um máximo de 280), o que nos mostrou que todos os indivíduos avaliados apresentam algum grau de disfonia. Quanto ao escore PLA observou-se que a maioria obteve escore inferior a 10,00, com o predomínio dos escores 4,64 e 5,35, obtidos cada um por

4 três indivíduos distintos. Com o escore PRP houve uma variação entre 3,57 e 14,28. É possível se observar que para nove indivíduos (60,0%) foi verificado um escore PRP inferior a 10,00 e para 12 sujeitos (80,0%) também foi observado escore PLA inferior a 10,00. Dentre os indivíduos participantes do estudo, destaca-se o sujeito de número 10 que apresenta os maiores escores, destoando da maioria. maiores valores de escore sócio-emocional e escore físico, 100,0 e 91,7, respectivamente. Foi observado que, em relação ao escore total, onze indivíduos apresentaram escore acima de 60,0. Dos indivíduos que apresentaram escore inferior a 60,0, dois obtiveram pontuação igual a 42,5, tendo o indivíduo de número 13 apresentado escore total igual a 32,5, sendo o menor valor observado. Tabela 1 Protocolo do Perfil de Participação e Atividades Vocais PPAV: Cálculo do Escore Total e da Pontuação de Limitação nas Atividades (PLA) e da Pontuação de Restrição na Participação (PRP). Sujeitos Escore Total PLA PRP 1 10,35 3,57 3, ,15 4,64 4, ,30 6,42 8, ,60 5,35 5, ,21 5,35 3, ,07 5,35 5, ,64 8,21 13, ,57 6,07 5, ,21 9,64 11, ,71 18,57 14, ,57 12,85 10, ,35 4,64 11, ,71 8,21 6, ,64 13,21 12, ,43 4,64 8,21 Médias 23,84 7,78 8,33 Quanto ao Protocolo de Qualidade de Vida em Voz QVV a Tabela 4 apresenta os valores obtidos, para cada sujeito, do escore total, do escore sócioemocional e do escore físico. Em relação ao escore sócio-emocional, observamos um predomínio de valores acima de 80,0, tendo quatro indivíduos apresentado escore sócio-emocional igual a 100,0. O menor valor para o escore sócio-emocional foi 31,3, obtido pelo indivíduo 5. Em relação ao escore físico, apenas o 10 indivíduo apresentou escore inferior a 50,0, obtendo valor igual a 41,7. Nota-se que quatro indivíduos apresentaram escore físico igual a 83,3 e três indivíduos com escore 79,2. Evidencia-se ainda que o indivíduo de número quatro apresentou os Tabela 2 Apresentação dos Resultados do QVV: percentuais e escores. Sujeitos Escore Total Escore Sócio- Emocional Escore Físico 1 90,0 100,0 83,3 2 87,5 100,0 79,2 3 75,0 87,5 66,7 4 95,0 100,0 91,7 5 60,0 31,3 79,2 6 85,0 81,3 87,5 7 42,5 25,0 54,2 8 57,5 56,3 62,5 9 75,0 100,0 58, ,5 43,8 41, ,0 56,3 79, ,0 100,0 83, ,5 31,3 83, ,0 100,0 58, ,0 62,5 83,3 Quanto aos domínios abordados pelo Protocolo de Índice de Desvantagem Vocal IDV, a Figura 1, a seguir, demonstra o predomínio do domínio orgânico no impacto de qualidade de vida dos sujeitos estudados, com 72 respostas positivas relacionadas ao comprometimento vocal resultante da laringectomia parcial. Com relação ao domínio funcional, no total do grupo foram obtidas 65 respostas positivas e para o domínio emocional, o que gerou menor impacto, com 49 respostas positivas.

5 Figura 1 - Resultados dos Domínios Funcional, Orgânico e Emocional Estudados no Protocolo IDV. 4. DISCUSSÃO A amostra de sujeitos que participaram da pesquisa corroboram com os dados da literatura que indicam o predomínio do sexo masculino, com idade média entre 50 e 70 anos Neste estudo todos os indivíduos referiram fazer uso do tabaco e consumir bebidas alcoólicas, demonstrando que estes hábitos realmente representam fatores de risco associados ao desenvolvimento do câncer de laringe 2. O estudo confirma outras pesquisas em relação à menor expectativa do paciente em relação à sua voz, quando em presença de neoplasia de laringe 14. Observou-se por meio da aplicação do questionário QVV que os sujeitos submetidos a cirurgia de laringectomia parcial apresentam maior desconforto em relação à voz o que foi demonstrado pelos resultados referente ao domínio físico. Fica evidente o comprometimento da qualidade de vida em situações onde há necessidade de comunicação ao telefone, fala em ambientes ruidosos ou até mesmo no trabalho. Os valores do Domínio Físico totalizaram respostas de e no Domínio Sócio-Emocional tendo como máxima pontuação 100. Os valores de escore total tiveram uma variação de 32,5 a 95,0. Dessa forma, cabe inferir que a aceitação da disfonia orgânica pós-laringectomia parcial apresentou variação importante entre os sujeitos. Os indivíduos que apresentaram escore total elevado apresentam maior adaptação à situação de uma nova voz, não encarando seu comprometimento vocal como um problema ou por vezes afirmando ser esse um problema leve, enquanto que os demais indivíduos com escore total baixo julgam a gravidade do seu distúrbio vocal como sendo moderada e ruim. Ainda com relação a este protocolo, foi demonstrado que 80% dos sujeitos avaliaram sua voz de maneira positiva, considerando-a boa ou razoável. Demonstrando uma boa qualidade de vida, mesmo após este procedimento cirúrgico. Tal fato está de acordo com a literatura, que indica uma redução do impacto da qualidade de vida quando a retirada da laringe ocorre de forma parcial, quando comparada a retirada total da mesma 8-9. Com a aplicação do Protocolo de Índice de Desvantagem Vocal IDV mostra-se o predomínio do domínio orgânico e menor impacto no domínio emocional na qualidade de vida dos sujeitos, relacionados ao problema de voz. Este fato demonstra que no domínio emocional os sujeitos laringectomizados apresentam maior apoio social, tendo uma melhor qualidade de vida. A relação com a família como ponto de a- poio, também neste estudo, revelou-se importante no enfrentamento e na adaptação dos pacientes à condição de laringectomizados, favorecendo a convivência e aceitação destes com sua nova realidade 8. No entanto deve-se considerar que por meio do protocolo de Análise do Perfil de Participação e Atividades Vocais PPAV foi possível quantificar as dificuldades emocionais em lidar com a disfonia orgânica gerada após a cirurgia de laringectomia parcial, pois tal dimensão apresentou o maior índice geral entre os indivíduos participantes da pesquisa. Ainda com relação ao protocolo PPAV, identifica-se algum grau de disfonia em todos os indivíduos avaliados pela pesquisa, porém esta é explicitada por escores relativamente baixos, indicando um impacto não elevado na qualidade de vida em função de suas vozes. 5. CONCLUSÃO Os protocolos utilizados contribuíram para mapeamento e melhor conhecimento dos tipos de dificuldades encontradas por sujeitos que apresentam comprometimento da voz em função de realização de laringectomias parciais por neoplasias. Apesar de os sujeitos reconhecerem certas limitações em suas vidas, por conta de suas condições de voz verificouse tendência a escores que sugerem impactos não elevados na qualidade de vida em função de suas vozes. REFERÊNCIAS [1] Rodrigues RB, Motta RR, Machado SMS, CambruzzI E, Zettler EW, Zettler CG, Jotz GP. Valor prognóstico da correlação imunoistoquímica do Ki-67 e p53 em carcinomas epidermóides da laringe. Rev. Bras. Otorrinolaringol. São Paulo, v. 74, n. 6, Dec [2] SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Laringe: Di-

6 agnóstico e Tratamento. Disponível em: <http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretri zes/021.pdf>. Acesso em: 15 de fev [3] Antunes AP. Princípios do Planejamento terapêutico e avaliação geral do indivíduo oncológico In: Carvalho, MB. Tratado de cirurgia de cabeça e pescoço e otorrinolaringologia. São Paulo: A- theneu, p.21. [4] Sobrinho JA. Princípios da cirurgia oncológica e ressecções clássicas em cabeça e pescoço In: Carvalho MB. Tratado de cirurgia de cabeça e pescoço e otorrinolaringologia. São Paulo: Atheneu, 2001, p.33. [5] Haddad, Leonardo et al. Avaliação da voz em pacientes submetidos à cordectomia com laser de CO2. Rev. Bras. Otorrinolaringol. [online]. 2006, vol.72, n.3, pp ISSN <http://dx.doi.org/ /s >. [6] Köhle, J.I., Camargo Z, Nemr, K. Análise perceptivo-auditiva da qualidade vocal de indivíduos submetidos à laringectomias parciais verticais pela autoavaliação dos indivíduos e pela avaliação fonoaudiológica. Rev CEFAC 2004; 6(1): [7] Salvajoli JV, Faria SL. Radioterapia no carcinoma da laringe. In: Carvalho MB. Tratado de Cirurgia de cabeça e pescoço e otorrinolaringologia. São Paulo: Atheneu, 2001.p [8] Silva, A.; Abrahão, V.; Rudnicki T. A inter-relação entre qualidade de vida e adequação social em laringectomizados. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, 12 (1), jun [9] Achette D., et al. Avaliação da qualidade de vida dos pacientes com câncer de laringe no pósoperatório tardio. Sociedade Brasileira de Psicooncologia. Ano IV. Ed. 3, julho/agosto/setembro [10] Freitas EQ, Cirurgia Conservadora para o Câncer Glótico. In Noronha MJR, Dias FL, Câncer da Laringe: uma abordagem multidisciplinar. Revinter, São Paulo, [11] Gasparini G., Behlau M. Quality of life: Validation of the Brazilian version of the Voice-Related Quality of Life (V-RQOL) measure. Journal of Voice. 2009; 23(1): [12] Kasama, S. T.; Brasolotto, A. G. Percepção vocal e qualidade de vida. Pró-Fono R. Atual. Cient. [online]. 2007, 19 (1): <http://dx.doi.org/ /s >. [13] Behlau, M.; Oliveira, G.; Santos, LMAS; Ricarte, A. Validação no Brasil de protocolos de autoavaliação do impacto de uma disfonia. Pró-Fono R. Atual. Cient. [online]. 2009, 21(4): <http://dx.doi.org/ /s > [14] Carmo, R. Do.; Camargo, Z. Nemr, K. Relação entre qualidade de vida e autopercepção da qualidade vocal de pacientes laringectomizados totais: estudo piloto. Rev. CEFAC [online]. 2006, vol.8, n.4, pp ISSN <http://dx.doi.org/ /s >. [15] Behlau M, Hogikyan ND, Gasparini G. Quality of Life and Voice: study of brazilian population using the voice-related quality of life measure. Folia Phoniatr. Logop. 2007; 59(6):

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL.

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. Marina Bizigato Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida mabizi19@hotmail.com Iara Bittante de Oliveira Grupo

Leia mais

ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL NOS LARINGECTOMIZADOS TOTAIS

ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL NOS LARINGECTOMIZADOS TOTAIS Gabrielly Valentim Oliveira Priscila Guimarães Kimura ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL NOS LARINGECTOMIZADOS TOTAIS Trabalho apresentado à banca examinadora para conclusão do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REABILITAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO.

A IMPORTÂNCIA DA REABILITAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO. A IMPORTÂNCIA DA REABILITAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO. Méssia Pádua Almeida Bandeira Orientadora NOVAFAPI Raquel Martins Maia - NOVAFAPI Thayse Cardoso

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Carolina dos Santos Almeida Souza. Isadora e Souza Guerci de Oliveira

Carolina dos Santos Almeida Souza. Isadora e Souza Guerci de Oliveira Carolina dos Santos Almeida Souza Isadora e Souza Guerci de Oliveira QUALIDADE DE VIDA EM VOZ CANTADA: O IMPACTO DO INDICE DE DESVANTAGEM VOCAL EM CANTORES GOSPEL Trabalho apresentado à banca examinadora

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Câncer de laringe Laringectomizados

Câncer de laringe Laringectomizados Câncer de laringe Laringectomizados M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência

Leia mais

Correlações entre idade, auto-avaliação, protocolos de qualidade de vida e diagnóstico otorrinolaringológico, em população com queixa vocal

Correlações entre idade, auto-avaliação, protocolos de qualidade de vida e diagnóstico otorrinolaringológico, em população com queixa vocal Correlações entre idade, auto-avaliação, protocolos de qualidade de vida e diagnóstico otorrinolaringológico, em população com queixa vocal Palavras-chave: Protocolos, Qualidade de Vida, Voz Fernanda Farias

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ

ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ Introdução: A voz é produzida no trato vocal e é resultado

Leia mais

Câncer de cabeça e pescoço

Câncer de cabeça e pescoço Câncer de cabeça e pescoço Prof. Dr. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS ANATOMIA nasofaringe boca orofaringe faringe laringe parede posterior parede lateral seio

Leia mais

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA,

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional.

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional. Distúrbios da comunicação e audição entre escolares com queixas vocais, com e sem história de situação de rua, em Aracaju, Brasil. Autor: Neuza Josina Sales, Ricardo Queiroz Gurgel. Instituição: Universidade

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Relações entre handicap

Relações entre handicap Relações entre handicap auditivo, desempenho dos aparelhos de amplificação sonora individuais, benefício e satisfação em adultos atendidos por um programa de saúde auditiva credenciado ao SUS. Palavras

Leia mais

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo TUMOR DE HIPOFARINGE Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC Mário Sérgio R. Macêdo Anatomia Epidemiologia, Quadro Clínico, Diagnóstico e Estadiamento Tratamento Anatomia Epidemiologia O sítio mais

Leia mais

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL Julyana Cândido Bahia 1, Dálete Delalibera Corrêa de Faria Mota 2 1 Acadêmica da Faculdade de Enfermagem/ Universidade Federal de Goiás

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Palavras chaves: Transtorno de falta de atenção com hiperatividade; distúrbios da voz em criança;

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

O EMPODERAMENTO DO USUÁRIO SUBMETIDO À LARINGECTOMIA TOTAL 1. RESUMO

O EMPODERAMENTO DO USUÁRIO SUBMETIDO À LARINGECTOMIA TOTAL 1. RESUMO O EMPODERAMENTO DO USUÁRIO SUBMETIDO À LARINGECTOMIA TOTAL 1. FARÃO, Elaine Miguel Delvivo 2 ; SOARES, Rhéa Silvia de Ávila 3 ; SAUL, Alexandra Micheline Real 4 ; WEILLER, Terezinha Heck 5 ; ENGEL, Rosana

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

Disfonias nas Laringectomias Parciais: revisão sistemática de literatura em procedimentos avaliativos

Disfonias nas Laringectomias Parciais: revisão sistemática de literatura em procedimentos avaliativos Disfonias nas Laringectomias Parciais: revisão sistemática de literatura em procedimentos avaliativos Bianca S. C. da Cruz Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida bianca.scc@puccamp.edu.br

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa

RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa Ivani M. Fernandes, Amanda J. da Silva, Maria da Penha A. Potiens e Janete C. G. G.

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 8 cecilia@claves.fiocruz.br Associação Brasileira de PósGraduação em Saúde Coletiva Brasil Gampel, Deborah; Karsch, Ursula Margarida; Piccolotto Ferreira, Léslie Percepção

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

AMBULATÓRIO PÓS-ALTA DE QUEIMADURAS: ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E PSICOLOGIA BUSCANDO PROCESSO DE REABILITAÇÃO HUMANIZADO

AMBULATÓRIO PÓS-ALTA DE QUEIMADURAS: ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E PSICOLOGIA BUSCANDO PROCESSO DE REABILITAÇÃO HUMANIZADO HOSPITAL ESTADUAL BAURU Dr. Arnaldo Prado Curvello AMBULATÓRIO PÓS-ALTA DE QUEIMADURAS: ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E PSICOLOGIA BUSCANDO PROCESSO DE REABILITAÇÃO HUMANIZADO Maria Alice Ferraz Troijo Psicóloga

Leia mais

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento ROUQUIDÃO Prevenção e Tipos de Tratamento O que é Rouquidão? Quais são as causas da rouquidão? Como a rouquidão é avaliada? Quando devo procurar uma avaliação especializada? Como tratar as desordens vocais?

Leia mais

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ Denise Cintra Villas Boas Léslie Piccolotto Ferreira Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC/SP Área: Voz

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

TRABALHO INTEGRADO DE FONOAUDIOLOGIA, PSICOLOGIA E SERVIÇO SOCIAL PARA ATENDIMENTO AO PACIENTE LARINGECTOMIZADO

TRABALHO INTEGRADO DE FONOAUDIOLOGIA, PSICOLOGIA E SERVIÇO SOCIAL PARA ATENDIMENTO AO PACIENTE LARINGECTOMIZADO TRABALHO INTEGRADO DE FONOAUDIOLOGIA, PSICOLOGIA E SERVIÇO SOCIAL PARA ATENDIMENTO AO PACIENTE LARINGECTOMIZADO Adriana C. Alves Batista Denise Emília Andrade Facuri Irma Helena F B. Bomfim Magda Rodrigues

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total?

A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total? A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total? Sim Robson Ferrigno Declaração Essa apresentação não possui

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo apresenta-se a pesquisa realizada, abrangendo o tipo de pesquisa, os critérios para a seleção de sujeitos, o processo de coleta de dados e o tratamento de dados. 3.1. Tipo

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas.

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. Tereza Giannini giannini.tereza@gmail.com sobenfee@sobenfee.org.br LESÕES NEOPLÁSICAS Lesões resistentes que se propagam no tecido epitelial devido

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO DE LIMITAÇÕES ORGÂNICAS NA VOZ PÓS CIRURGIAS DE LARINGECTOMIA PARCIAL: CORRELAÇÕES COM ESTADO DE SAÚDE

AUTOPERCEPÇÃO DE LIMITAÇÕES ORGÂNICAS NA VOZ PÓS CIRURGIAS DE LARINGECTOMIA PARCIAL: CORRELAÇÕES COM ESTADO DE SAÚDE AUTOPERCEPÇÃO DE LIMITAÇÕES ORGÂNICAS NA VOZ PÓS CIRURGIAS DE LARINGECTOMIA PARCIAL: CORRELAÇÕES COM ESTADO DE SAÚDE Elaine Pavan Gargantini Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida elaine.pg@puccampinas.edu.br

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL Aline Cristina Benedito Faculdade de Terapia Ocupacional Centro de Ciências da Vida aline.cb2@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CÂNCER ASSISTIDOS PELO CENTRO DE TRATAMENTO DE CÂNCER DE DOURADOS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CÂNCER ASSISTIDOS PELO CENTRO DE TRATAMENTO DE CÂNCER DE DOURADOS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CÂNCER ASSISTIDOS PELO CENTRO DE TRATAMENTO DE CÂNCER DE DOURADOS EVALUATION QUALITY OF LIFE IN ONCOLOGY PATIENTS ATTENDED BY THE CENTER OF TREATMENT OF

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO Introdução A atuação da Fonoaudiológica veio a preencher uma importante lacuna no campo hospitalar. Principalmente na área oncológica ela é relativamente

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002)

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) 1. Supraglote a. Epiglote suprahióidea (inclui ponta da epiglote, superfícies lingual e laríngea) b. Prega ariepiglótica, face laríngea c. Aritenóide

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR Emanuel Rosetti (UNICENTRO), Aline Cionek (UNICENTRO), Roseli de Oliveira Machado (Orientadora), e-mail: roseli_machado@yahoo.com

Leia mais

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Profª Drª Maria do Carmo Eulálio (Orientadora) Kalina de Lima Santos* Renata Alessandra Oliveira Neves* Daniella Oliveira Pinheiro* Tarsila

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A avaliação perceptivo auditiva é uma avaliação clássica, que, apesar de ser subjetiva, continua soberana na rotina clínica fonoaudiológica. A respeito desse assunto, julgue os itens a seguir. 41 O tempo

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre

Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre Dor Crônica Cuidados Paliativos Atendimento ambulatorial Internação Ambulatório

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Indicadores da Saúde no Ceará 2008

Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Fortaleza - 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAG) Desirée Mota Secretária INSTITUTO DE PESQUISA

Leia mais

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR Karyanna Alves de Alencar Rocha (1); Maria Janielly de Oliveira Costa (2); Ariadne Messalina Batista

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais